João Batista Mafaldo Junior HOJE É DIA DE MARIA: CONEXÕES CENOGRÁFICAS E AUDIOVISUAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João Batista Mafaldo Junior HOJE É DIA DE MARIA: CONEXÕES CENOGRÁFICAS E AUDIOVISUAIS"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS João Batista Mafaldo Junior HOJE É DIA DE MARIA: CONEXÕES CENOGRÁFICAS E AUDIOVISUAIS João Pessoa

2 2 João Batista Mafaldo Junior HOJE É DIA DE MARIA: CONEXÕES CENOGRÁFICAS E AUDIOVISUAIS Dissertação apresentada ao Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba e de Pernambuco, como exigência parcial para a obtenção do título de mestre, sob orientação da Profª Drª Annelsina Trigueiro de Lima Gomes. João Pessoa-2012

3 3 João Batista Mafaldo Junior HOJE É DIA DE MARIA: CONEXÕES CENOGRÁFICAS E AUDIOVISUAIS Aprovado em.../.../2012 BANCA EXAMINADORA Profª Drª Annelsina Trigueiro de Lima Gomes orientadora (Membro Interno) PPGAV-CCTA/UFPB-UFPE Profº Dr. Luiz Antonio Mousinho Magalhães (Membro Externo) PPGL-CCHLA/UFPB Profª Dr. José Augusto Costa de Almeida (Membro Interno) PPGAV-CCTA/UFPB-UFPE João Pessoa-2012

4 4 Dedicatória Às minhas pérolas Ísis, Irla, Ícaro e Norma Maria Meireles M. Mafaldo pela impaciente paciência que tiveram para comigo, quando ausentava-me a fim de estudar e redigir este trabalho. Aos meus pais e irmãos

5 5 AGRADECIMENTOS Quero expressar minha gratidão especial a Norma Maria Meireles M. Mafaldo pelas ideias, apoio intelectual e encorajamento nos momentos de desânimo. Aos meus familiares. É impossível agradecer a todos que colaboraram com este trabalho, pois são muitos. Quero agradecer a todo o corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFPB/UFPE, em particular as Professoras Doutoras Annelsina Trigueiro de Lima Gomes (orientadora), Lívia Marques Carvalho, e Madalena Zaccara Agradeço também a todos meus/minhas colegas de turma do PPGAV que suportaram-me durante dois anos, em especial a Marluce Vasconcelos pelo incentivo a superar as turbulências cotidianas. Aos técnicos administrativos Rosangela Xavier e Carlão. Meus sinceros agradecimentos A doutora Suelly Maria Maux Dias, a mestra Liana Chaves que direto ou indiretamente ajudaram-me na realização deste trabalho. Aos seres terrestres e aos ET s que de uma forma ou de outra energizaram-me e ajudaram-me a enxergar as forças do mal e do bem. Pois com eles aprendi a viver com energia, amor e criatividade para superar obstáculos; a caminhar com coragem, a desprogramar os espaços e mensagens que aqui já estavam programados e deram-me abertura para reprogramá-los.

6 6 "A arte não reproduz o visível, ela torna visível." ( Paul Klee ) "E assim as artes estão invadindo umas às outras, e de um uso apropriado dessa invasão surgirá a arte que é verdadeiramente monumental." ( Wassily Kandinsky )

7 7 RESUMO Esta dissertação é uma pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental, cujo objeto de estudo é a microssérie Hoje é dia de Maria, adaptada para televisão pelo diretor Luiz Fernando de Carvalho, com base na obra homônima de Carlos Alberto Soffredini, sobre a fala caipira. O corpus é formado por frames selecionados das duas jornadas da obra televisiva analisada. Teoricamente fomos norteados pelas concepções de hibridismo cultural de Canclini, de hibridismo estético preconizado por Narlöch; as noções sobre cenografia vieram de Manttovani, Roubine entre outros. A metodologia utilizada une análise de frames a reflexões semióticas, fundamentadas, principalmente, a partir de Goffman, Peirce e Deleuze e Guattari. O objetivo é estudar a influência das artes visuais no processo cenográfico de criação audiovisual da microssérie, assim como as interrelações entre os campos da comunicação e das artes visuais. A ênfase da análise aponta para qualidade estética cenográfica produzida a partir da proposta de reciclagem artesanal com artefatos heteróclitos, o que faz desta obra audiovisual um diferencial dentre as demais produções do gênero na televisão aberta brasileira. Como resultado, observamos que a microssérie Hoje é dia de Maria apresenta convergência entre as artes visuais e a comunicação através da cenografia, podendo ser considerada uma peça artística que dialoga com as artes visuais por meio da hibridação de linguagens, da história da arte e através das poéticas visuais obtidas pelo contexto cenográfico. PALAVRAS-CHAVE: Cenografia; microssérie; artes visuais; hibridismo.

8 8 ABSTRACT This dissertation is a qualitative, bibliographic and documental research, whose object of study is the Hoje é dia de Maria microsserie, adapted for television by director Luiz Fernando Carvalho, based on the homonymous work of Carlos Alberto Soffredini on folk speech. The corpus is composed of selected frames of two journeys of television work considered. Theoretically we were guided by the concepts of cultural hybridity by Canclini and aesthetic hybridity recommended by Narloch; notions about scenery came from Manttovani, Roubine, among others. The methodology combines the analysis of frames semiotic reflections, based primarily on Goffman, Peirce and Deleuze and Guattari. The aim is to study the influence of the visual arts in the process of creating scenic microsserie audiovisual as well as the interrelationships among the fields of communication and visual arts. The emphasis of the analysis points to scenic aesthetic quality produced from the proposed recycling artisanal artifacts mixed, which makes this book a visual difference among the other productions of gender in Brazilian public television. As a result, we observed that the Hoje é dia de Maria microsserie presents convergence between the visual arts and communication through the scenery, can be considered an artistic piece that talks with the visual arts through the hybridization of languages, art history and through the obtained by visual poetics scenic context. KEYWORDS: Scenography; microsserie; visual arts; hybridity.

9 9 Lista de ilustrações Fig. 1 Frame: 00:21:42. Dom Chico Chicote e as asas metálicas recicladas Fig. 2 Frame: 00:24:12. Dom Chico ensaiando o voo na cidade Fig. 3 Frame: 00:21:43. Dom Chico alça voo e admira o planeta Terra Fig. 4 Detalhe do Frame: 00:13:13. Dom Chico Chicote Fig. 5 Tela - O bibliotecário Óleo sobre tela 97 x 71 cm. Giuseppe Arcimbolo ( ) Fig. 6 Escultura - "Women of antiquity: Myrtis", Anselm Kiefer Fig. 7 Frame: 00:31:40. Bailarinas na dança do cancã Fig. 8 Frame: 00:30:33. Bailarinas no teatro de variedades Fig. 9 Cartaz La Goule Detalhe, Henri Toulouse-Lautrec Fig. 10 Tela - At the Moulin Rouge, The Dance, 1890, óleo sobre tela. 115,5 x 150 cm. Henri Toulouse-Lautrec Fig. 11 Frame: 00:06:23. O Domo vista externa Projac Fig. 12 Frame: 00:48:40. Pintura da cena interiorana caminho da roça Fig. 13 Frame: 00:02:01. Telão com paisagem sertaneja - ao fundo Fig. 14 Frame: 00:06:22. Estrutura metálica do domo usado em HDM Projac Fig. 15 Frame: 00:21:19. Efeitos com luz, som e movimento envolvendo vídeo e computação Fig. 16 Frame: 00:22:37. Projeção multissensorial Fig. 17 Frame 00:14:04. Superposição de artefatos do cotidiano explorando as três dimensões - assamblagem Fig. 18 Frame: 00:14:16. Cenários compostos com colagem de revistas, jornal e fotografias velhas Fig. 19 Frame: 00:06:22. Estrutura metálica do domo em HDM Fig. 20 Ilustração da Cúpula geodésica Fig. 21 Foto do Cenário de HDM onde a Menina Carvoeira contracena com Maria Fig. 22 Frame: 00:16:20. Profundidade de campo Fig. 23 Frame: 00:07:11. Mistura de elementos cênicos Fig. 24 Frame: 00:21:14. Simulacro de uma perspectiva da renascença

10 10 colagem em HDM Fig. 25 Tela - Venice - Grand Canal 1738, Canaletto. 119 Fig. 26 Tela - A carroça de feno 182. John Constable Fig. 27 Tela - O mar de gelo cm, Óleo sobre tela de Caspar David Friedrich Fig. 28 Tela - A Batalha de Avaí. Pedro Américo, Óleo sobre tela, 10.0 m x 5.0 m Museu Nacional do Rio de Janeiro Fig. 29 Tela - Candido Portinari, Auto-Retrato (Autorretrato) 1957 Óleo s/ madeira, 55 x 46 cm. Col. Particular, Brasil Fig. 30 Pintura - Casamento na Roça, Fig. 31 Frame: 00:19:31. Casamento na roça entre o pai de Maria e a madrasta, em HDM Fig. 32 Pintura - Lavadeiras, Fig. 33 Frame: 00:27:03. Maria a caminho do riacho Fig. 34 Pintura - Cangaceiro, Fig. 35 Frame 00:35:17. Cangaceiro em HDM Fig. 36 Desenho - Dom Quixote de cócoras com ideias delirantes Fig. 37 Frame (detalhe): 00:19:50. Chico chicote em HDM Fig. 38 Frame: 00:47:45. Madrasta joga praga a Maria Fig. 39 Frame: 00:30:37. Expressões caricaturais Fig. 40 Pintura de Edvard Munch. O grito Óleo sobre tela, têmpera e pastel sobre cartão Fig. 41 Frame: 00:64:34. Desespero do pai de Maria Fig. 42 Frame: 00:04:14. A cidade em escombros Fig. 43 Frame: 00:33:39. Quirino apaixonado por Maria Fig. 44 Frame: 00:42:20. Tonheta na espera pela namorada espetáculo Fig. 45 Frame: 00:15:27. Zé Cangaia vendendo a sombra ao diabo Fig. 46 Frame: 00:05:41. Em busca de caça Fig. 47 Frame: 00:00:02. Drapeado com andorinhas Fig. 48 Frame: 00:00:03. Paisagem caipira Fig. 49 Desenho da Menina com traças e laço. Candido Portinari Desenho a grafite, giz de cera e lápis de cor sobre papel, 34.5 x 20 cm.) Fig. 50 Frame: 00:00:18. Pagamento de divida

11 11 Fig. 51 Frame: 00:00:24. Exôdo rural Fig. 52 Frame: 00:00:30. Cavalgada pelo sertão Fig. 53 Frame: 00:00:46. Casamento matuto Fig. 54 Frame: 00:00:48. Ave sobrevoa o altar Fig. 55 Frame: 00:00:01. Cenário imitando palco italiano Fig. 56 Frame: 00:00:13. Materiais heteróclitos no cenário Fig. 57 Frame: 00:00:15. Dragão e engrenagens Fig. 58 Frame: 00:00:22. Engrenagens e boneca Fig. 59 Frame: 00:00:26. Cidade assemblagem Fig. 60 Frame: 00:00:28. Cidade e espigões Fig. 61 Frame: 00:00:32. Maria e o teatro de variedades Fig. 62 Frame: 00:00:37. Dom Chico Chicote metálico Fig. 63 Frame: 00:00:45. Retorno às origens Fig. 64 Frame: 00:19:54. Retirantes episódio No país de sol a pino HDM Fig. 65 Diagrama 1 Episódio no País do sol a pino HDM Fig. 66 Diagrama 2 Episódio no País do sol a pino HDM Fig. 67 Tela - Retirantes (1944), Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 68 Tela - Retirantes (1944), detalhe da Genitália da criança. Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 69 Tela - Retirantes (1944), detalhe da Trouxa. Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 70 Frame, detalhe da trouxa de Maria em Hoje é dia de Maria Fig. 71 Tela Retirantes (1944), detalhe da trouxa sobre a cabeça da mulher. Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 72 Escultura/objetos: Trouxa. Artur Barrio Técnica mista. 31 x 44cm Fig. 73 Tela Retirantes (1944), detalhe da lágrima no rosto do idoso. Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 74 Tela Retirantes (1944), detalhe Foice da morte. Cândido Portinari óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 75 Tela Retirantes (1944), detalhe da Estampa Pierrot. Cândido Portinari

12 12 óleo sobre tela. 190 x 180 cm Fig. 76 Frame: 00:20:50. Cidade cenográfica: microssérie Hoje é dia de Maria Fig. 77 Pintura sobre escudo da Medusa de Caravaggio Fig. 78 Instalação da Medusa depois de Caravaggio, Fig. 79 Foto da Medusa Marinara, Fig. 80 Tela - Estate, Robert Rauschenberg Fig. 81 Combine painting - Charlene, Robert Rauschenberg Fig. 82 Recorte HDM, Máquina cenográfica Fig. 83 Klamauk (blau), Jean Tinguely Fig. 84 Desenho - Fatamorgana Méta-Harmonic IV (1985). Jean Tinguely Fig. 85 Detalhe da roda de bicicleta, em Hoje é dia de Maria Fig. 86 Frame, Cena da cidade cenográfica, em Hoje é dia de Maria Fig. 87 Roda da fortuna. Obra de Bispo do Rosário Fig. 88 Ready-made Roda de bicicleta. Obra de Marcel Duchamp Fig. 89 Fotografia - Vinheta de lixo da novela Passione, TV Globo Fig. 90 Fotografia - Adereços encontrados no lixo e transformados em bijuteria Fig. 91 Fotografia Lixo criativo de papel reciclado Fig. 92 Fotografia - Figurino inspirados em insetos Fig. 93 Fotografia Ensaios visuais baseados em Velazqauez e Portinari

13 13 SUMÁRIO Rumos iniciais Capítulo 1 Teorias e metodologias para as jornadas de Maria Trilhas teóricas Cenografia e produção de sentido Hibridismos: tessituras entrecruzadas Processos criativos O sentido estético Sobre a imagem Da arte e da comunicação Trilhas metodológicas Bricolagem: montagens múltiplas Frame: espaço recortado A lente da cultura visual Semiótica em cena Capítulo 2 Televisão, teledramaturgia e arte Teias: eclosão tecnológica, televisão em cena Ginga, Giotto e os afrescos televisivos Outras percepções e trocas simbólicas Trilhando à ideologia Televisão e vídeo = a imagem eletrônica: espetáculo Influências das artes visuais Estranhamento estético Impulsos visuais, videoarte e arte pop Arte pop, recortes, colagens e assemblagem No mundo da ficção Teledramaturgia no cenário brasileiro Retrospectiva teleficcional Minisséries e as possibilidades audiovisuais Mini, micro, macro espaços de criação serial Era uma vez... 86

14 Quem quiser que conte outra Capítulo 3 Paisagens cenográficas, pintando quadros em movimento O habitat de Maria O domo por dentro e por fora Um mundo para personagens Do palco grego para o Projac Das vedutas aos Frames Hoje é dia de Maria, Portinari e outras paisagens Pinceladas expressionistas e a teledramaturgia A estética da microssérie a partir da obra de Portinari e de outros artistas O nordeste em cena Contribuição e conexão Armorial com a microssérie e outras artes Capítulo 4 A interpretação de Frames na microssérie Hoje é dia de Maria Desfibrando as vinhetas em Hoje é dia de Maria Vinhetas primeira jornada Vinhetas segunda jornada Desfibrando a cena dos Retirantes em Hoje é dia de Maria e em Portinari As franjas do mar a cidade em cena Processos híbridos: feiúra, monstruosidade e estranhamento Assemblagem, vinhetas e materiais perecíveis Lixo, obra de arte e a memória: exercício de criatividade Considerações finais Referências Apêndice Esquema visual de Hoje é dia de Maria

15 15 RUMOS INICIAIS Delineada em arquétipos, na audiovisualidade das estórias infantis, no imaginário e oralidade da cultura popular, na música brasileira e nas mais diferentes concepções artísticas, a microssérie Hoje é dia de Maria 1 (HDM) (2005), dirigida por Luiz Fernando Carvalho, introduziu na cenografia novos elementos estéticos através do processo de reciclagem artesanal, apresentando um conceito diferente dos modelos de cenografia convencional até então utilizados na televisão brasileira. Ao proceder assim, a novidade causou inquietação à crítica especializada em tevê, devido ao fato de grande parte da cenografia ser arquitetada a partir de materiais extravagantes, oriundos das sucatas e, sobretudo, por expressar uma linguagem híbrida como reflexo da conexão com outras áreas, a exemplo do teatro, artes visuais, da literatura e da comunicação. Ao fazer uso desses materiais exóticos nos cenários da microssérie, o diretor trouxe da arte pop conhecimentos estéticos que sugerem fugir da trivialidade imagética contida nas cenografias da televisão comercial brasileira na atualidade. O reuso de revistas, jornais, folders velhos justapostos aos cenários da microssérie por meio do processo de reciclagem artesanal, parece conduzir o diretor Luiz Fernando Carvalho e equipes de criação dessa obra a ingressarem na quarta dimensão, ou seja, no tempo da existência inicial dos objetos por eles reutilizados, aproveitando as potencialidades estéticas daqueles artefatos precários, com objetivo de contar estórias através de novas imagens sem fugir da realidade. A utilização de imagens como forma de registro advêm das civilizações mais antigas como aponta Santaella (2008, p. 141) imagens são uma das formas de expressão da cultura humana. Em oposição aos artefatos, que servem para fins práticos, elas se manifestam com função puramente sígnica. Entretanto a análise desses registros é algo recente, acontece no século XX. Em algumas culturas, a expressividade visual, a comunicação por meio de símbolos, foi extremamente explorada, a exemplo dos egípcios, que mesclavam imagens e hieróglifos nas pinturas e relevos feitos nas paredes de seus túmulos. 1 A primeira jornada de Hoje é dia de Maria foi exibida de terça a sexta-feira, no horário das 22h30, entre os dias 11 e 12 de janeiro de 2005, pela Rede Globo. A segunda jornada de Hoje é dia de Maria foi exibida entre os dias 11 e 15 de outubro de Nela Maria chega à cidade grande, onde vive outras aventuras e desafios.

16 16 Porém, essa vontade inesgotável de se expressar através das imagens não ficou restrita aos egípcios. Ao longo dos tempos, a história da arte demonstra bem isto. A natureza do nosso trabalho está relacionada às formas de expressão artísticas provenientes de uma construção cenográfica que conjuga linguagens visuais na hibridação da arte, do lixo e das tecnologias. Por essa razão, num primeiro momento, direcionamos nosso olhar para a assemblagem, por encontrarmos nesse campo ferramentas que nos auxiliarão na compreensão do nosso objeto. No século passado, mais precisamente no início da década de 1950, a assemblagem incorporou-se aos trabalhos do artista americano Robert Rauschenberg, reforçando assim os Combine painting (combinação híbrida entre pintura e escultura). Na justaposição e acumulação de objetos exóticos, Rauschenberg utilizou em suas pesquisas estéticas, garrafas de cola-cola, embalagens de produtos industrializados, pássaros empalhados e jornal amassado e outros objetos da indústria fabril e cultural. Esses trabalhos foram precursores da arte pop. Em seu trabalho sobre a arte de vanguarda no Brasil, Reis (2006, p.32) nos lembra que na década de 1960, sintonizado com a temática da arte pop, Hélio Oiticica apresentou publicamente pela primeira vez seus parangolés e o artista ítalo-paulista Waldemar Cordeiro engendrou nos popcretos sua trajetória de novas pesquisas dentro do projeto construtivista brasileiro. O expoente da arte brasileira, Oiticica partiu para novas experimentações com seus parangolés e com esses objetos buscava um diálogo mais ativo com o espectador. Já Waldemar Cordeiro usou guache sobre grade de ovos de papelão na obra Objeto (1962) e colagem de jornal sobre papel, na obra Jornal (1964). Ao experimentar tais materiais e técnicas ambos os artistas procuravam dialogar através de ideias (conceitos) e imagens com a temática pop. Os popcretos segundo Max Bense relacionavam-se às experiências anteriores à arte pop e arte concreta. A tônica era estabelecer diálogos entre os dois estilos e eliminar a ideia de sucata em sua banalidade para atribuir ressignificações através do conceito de ordenação. Ainda com a intenção de massificar imagens, no século XX, Roy Lichtenstein ( ) começa a ampliar histórias em quadrinhos e anúncios comerciais, utilizando a pintura como técnica. Os recortes desvinculados do contexto de uma história em quadrinhos aludiam à produção em série das imagens frias, intelectuais, símbolos ambíguos do consumo, da repetição, do mundo moderno. Os quadros tematizavam e refletiam assuntos ligados ao cotidiano de uma metrópole que estava influenciada pelo consumo e pelos mass media.

17 17 Outro exemplo foi Andy Warhol com suas cem latas da sopa Campbell s (1962). Seus quadros também procuravam mostrar produtos de consumo da época. O artista retratava uma série de latas de sopa de uma marca conhecida, que tinha como objetivo expressar os símbolos do consumo no contexto da sociedade norte-americana. A obra de Warhol ultrapassou o tempo e espaço. As ideias dele e de outros artistas da arte pop influenciam ainda hoje o mundo ocidental. no que concerne ao modo de sentir, pensar e agir das pessoas na atualidade (DEMPSEY, 2005), inclusive, podemos notar indícios dessas poéticas nos cenários desta microssérie. Do mesmo modo que outrora a história da arte registrou a prática da colagem e assemblagem em suporte diferentes dos equipamentos eletrônicos atuais, hoje, em pleno século XXI, a mídia televisual, através do formato de microssérie se apropria do hibridismo das linguagens artísticas e das práticas de bricolagem tradicional para se reinventar; para pôr em circularidade a memória esquecida de um povo, através de narrativas visuais inventadas a partir dos rejeitos industriais. A novidade é que atualmente com a utilização de tecnologia digital associada aos velhos métodos (reciclagem, por exemplo), se obtêm resultados estéticos específicos à linguagem do vídeo e da tevê (imagem eletrônica). Neste contexto as imagens moventes ganham novas vidas através da linguagem audiovisual e passam a compor o que podemos denominar de as múltiplas paisagens móveis da cena eletrônica, sem perder de vista o fazer artístico e artesanal. No que se refere ao objeto de estudo do nosso trabalho, a microssérie Hoje é dia de Maria, o próprio diretor Luiz Fernando Carvalho atua como um bricoleur ao incorporar elementos imagéticos das obras de diversos autores e artistas, a exemplo de Câmara Cascudo, Sílvio Romero, bem como a música de Heitor Villa-Lobos, que são referências imprescindíveis à microssérie em questão. Há também um universo vasto de influências e tendências artísticas bem diversificadas, em especial, a concepção de arte advinda do Movimento Armorial que lançou as bases para compreensão da arte nordestina brasileira erudita baseada na essência da cultura popular do Nordeste com raízes africanas, indígenas, ibéricas e mouras. Observamos ainda traços da pintura de paisagem, da arte pop (Robert Hauschenberg e Roy Lichtenstein), do expressionismo, pelas incursões e influências das obras de pintores europeus (Van Gogh e Edward Munch), dos brasileiros Cândido Portinari, Artur Bispo do Rosário e Vik Muniz, em especial, por tratarem em suas poéticas artísticas temáticas que atiçam o debate sociopolítico, de modo sensível, e

18 18 quase imperceptível, mas sempre trazendo elementos da cultura brasileira ao diálogo visual/cenográfico televisivo. Assim, com base nesse contexto analítico/teórico situamos nosso trabalho como resultado de uma pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental, onde buscamos tembém ferramentas de outros campos como a semiótica, que nos auxiliou na análise dos frames. O objeto de estudo deste trabalho é constituído por uma peça ficcional, exibida pela Rede Globo em formato de microssérie, dividida em duas partes denominadas de jornadas; pois, é no caminhar infinito que a personagem Maria percorre seu trajeto, e a história se desenvolve em dois momentos: a primeira jornada, na qual a garota Maria sai das terras de sol a pino o sertão, e a segunda jornada, em que Maria, para alcançar as franjas do mar, chega à cidade. Tratamos essa temática com o objetivo de estudar a influência das artes visuais no processo cenográfico de criação audiovisual da microssérie, assim como as inter-relações entre o referido campo e a comunicação. A microssérie (DVD ROM 2 ) em sua totalidade contém vinhetas e treze episódios, dos quais destacamos dois para compor o corpus. E é exatamente dessas vinhetas e dos episódios que fizemos o recorte dos frames analisados: as vinhetas das duas jornadas, No País de sol a pino e A cidade. Vale observar que mesmo sendo feito estes recortes é necessário ter uma visão geral da microssérie. O critério de seleção para o recorte dos frames tem base em Hernandez (2000) e Campbell (2007). Na primeira jornada, a história da personagem Maria narra o drama de uma garota que perde a mãe, e passa a conviver com uma madrasta má. Maltratada a jovem foge de casa, e segue a caminhada, mais especificamente da terra de sol a pino. Neste lugar, exceto as grosseiras da madrasta, Maria leva uma vida interiorana, em que o sossego é o seu maior bem-estar, mas diante da relação tensa entre elas, seu desejo é chegar às franjas do mar. Já na segunda jornada, chegar às franjas do mar para Maria significa aportar na cidade grande. Na metrópole, Maria experimenta das dores e das delícias de um mundo que simultaneamente encanta e assusta. Neste aspecto, o diretor Luiz Fernando Carvalho mescla realidade e ficção. Os contos fantásticos aludem ao imaginário coletivo nos quais os arquétipos são carregados de informações imaginárias associadas aos problemas sociais relacionados às crianças em situação de exclusão. O contexto é 2 Contém as duas jornadas da microssérie em questão, um encarte com entrevistas, fotografias e demais informações técnicas. Os trezes episódios são compostos por trinta e seis capítulos.

19 19 tratado na microssérie de modo ético, trazendo para o cerne da discussão, através da poética visual, valores morais e questões relativas a tais problemáticas na contemporaneidade. O lixo, que geralmente é produzido e rejeitado pela sociedade do consumo, ganha notoriedade em Hoje é dia de Maria pela visualidade que a microssérie consegue obter. As imagens são impregnadas de memórias, referentes a temas ambientais que pautam a agenda universal. As duas jornadas de Hoje é dia de Maria são obras abalizadas em texto original a partir das pesquisas do dramaturgo Carlos Alberto Soffredini, sobre a fala caipira. Adaptada por Luis Alberto Abreu e Luiz Fernando Carvalho (que também fez a direção), traz a representação ficcional sob os olhares acurados das equipes e artistas plásticos: Ulisses Tavares (Companhia de Teatro de Bonecos Giramundo), Clécio Regis (pintura) e Raimundo Rodrigues (nordestino radicado no Rio de Janeiro); este último, por meio da bricolagem, trabalhou com materiais descartados, considerados sucata, criando desse modo artefatos especiais à narrativa visual da microssérie, a exemplo de coroas, adereços de cabeça, carroças e gaiolas. A produção de arte teve direção de Lia Rinha. Os objetos cenografados ficaram sob a criatividade de João Irênio e Fernando Schmith que buscaram utilizar os artefatos sucateados para criar cenários, que aludem a literatura, a pintura e a realidade campesina do sertão nordestino e da metrópole. As canções de Villas- Lobo, as obras de Guerra Peixe, Francisco Mignone, Alceu Boquino, entre outras composições, receberam novos arranjos (para a música incidental) orquestrados por Tim Rescala. O figurino de Luciana Buarque e a iluminação de José Tadeu Ribeiro seguiram a ideia de reaproveitar materiais e através da bricolagem artística revisitaram a história da arte que antecede o século XIX, bem como exploraram expressões do século XX, em especial, as vanguardas artísticas, a fim de construir narrativas textuais/orais/visuais baseadas no passado com viés voltado à presente diversidade cultural do meio rural e urbano brasileiro (HOJE, 2006). Ambas as jornadas fazem incursões na questão da violência infantil e de gênero (a questão feminina); expondo para os mais ingênuos uma história como um simples conto de fada. A partir do contexto narrativo e visual desta peça ficcional, cada espectador pode enxergar e reelaborar sua história de forma mais criativa, como se estivesse no cotidiano da menina que é maltratada pela madrasta, foge de casa e encontra um mundo mágico. Maria entra em um universo fantástico que evidencia o simulacro da realidade. Nesse universo a microssérie apresenta ardis de mensagens

20 20 híbridas e intertextualidades artísticas que se tornarão o fio condutor de toda sua construção discursiva. De início, em contato com o DVD da microssérie Hoje é dia de Maria, textos, aulas, orientações e conversas com o corpo docente e discente, vimos mergulhados diante de um oceano tão gigante de indagações que recortamos e condensamos a questão desta pesquisa da seguinte maneira: como as artes visuais dialogam com o processo cenográfico de criação e veiculação audiovisual na microssérie Hoje é dia de Maria? Tal indagação nos conduz ao esforço de coordenar e articular diferentes ideias bem como imagens para compor nossa análise. Pela multiplicidade de conteúdos audiovisuais, envolvendo as áreas de arte visuais e comunicação que a microssérie possui, adotamos a postura de um bricoleur, porque consideramos que só uma abordagem metodológica seria insuficiente para compreendermos a dimensão do nosso objeto de estudo. Ao mergulharmos nesse oceano de signos, tivemos a necessidade de nos aproximar da tradição pictórica através dos estudos relacionados ao gênero pintura de paisagem, de algumas características barrocas para compreendermos a monumentalidade do domo e de algumas tendências artísticas marcadas pela desconstrução da materialidade da formas convencionais, com a finalidade de investigar visualidades cenográficas no fazer e pensar da televisão brasileira contemporânea. Ao analisarmos Hoje é dia de Maria buscamos o diálogo entre as áreas das artes visuais e da comunicação, observando na microssérie as conexões com o imaginário popular, as expressões caricaturais das personagens, as cores quentes na fotografia, as tensões dramáticas e a peculiaridade estética. Quanto a esta última, vale observar que parte dos objetos que dão materialidade ao cenário são reutilizados, vem do lixo (descartado, na maioria das vezes, pela própria indústria cultural). O lixo é a matéria prima para a criação de visualidades e de narrativas, que também pode designar uma característica expressionista nesta obra. Além de explorar o universo das artes visuais, este trabalho também procura analisar o grau de transversalidade da comunicação com questões relacionadas ao meio ambiente. Perceber as manifestações visuais que estão entre os fios quase invisíveis das estruturas, operações e processos complexos das mensagens visuais no formato das microsséries requer cuidadosa análise. Assim, é possível observar elementos da produção de sentidos, nos processos de composição visual cenográfica a partir do

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO INTRODUÇÃO Espetáculo infantil que aborda a vida do garoto Reciclaudo, que se preocupa com o mundo, a sociedade, com os amigos da escola,

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG

A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE E APOIO AOS PROJETOS E AÇÕES DO CURSO DE JORNALISMO UEPG ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A AGÊNCIA DE JORNALISMO COMO SUPORTE

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Welledes Moreno Aguiar Bolsista do PIBID Biologia, UFT - Araguaína. E-mail: wmaguiar_18@hotmail.com Geane Brizzola dos

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator.

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator. A pedagogia pós-crítica na ação do professor-artista: a interação entre o pedagogo e o ator na sala de aula Heloise Baurich Vidor UDESC Palavras-chave: Professor-artista professor-personagem teatro na

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO. Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br)

A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO. Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br) Tese de Doutorado A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO POEMA-PROCESSO DE WLADEMIR DIAS PINO Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br) Orientadora: Profª. Drª. Vera Lúcia

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens.

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens. Edital SEDAC nº 11/2013 Desenvolvimento da Economia da Cultura FAC - Sociedade Civil Programa de Oficinas do Atelier Subterrânea: do desenho à arquitetura Flávio Gonçalves Oficina: Desenho como Estratégia

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ONDE E QUANDO? A partir do fim dos anos 50, simultaneamente, nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais