Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra"

Transcrição

1 1 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Módulo VII Neste módulo estudaremos o Binômio de Newton que foi desenvolvido em 1667, por Isaac Newton. O Binômio de Newton trata dos números binomiais em forma de coeficiente de um polinômio do tipo ( a +b ). Segundo o Teorema, pode-se desenvolver qualquer potência inteira de um binômio dado, tendo diversas aplicações, principalmente na Análise ombinatória. Mas antes de iniciar nosso estudo, vamos percorrer a história para sabermos um pouco sobre este brilhante cientista físico, matemático e astrônomo inglês Isaac Newton. 5/1/164, Wolsthorpe, Inglaterra 0/03/177, Kensington, Inglaterra Em Princípios Matemáticos da Filosofia Natural, Newton lançou as bases da ciência moderna

2 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Quando criança, Newton não foi um aluno brilhante, mas gostava de inventar e construir objetos. Graças a um tio, estudou em ambridge, onde desenvolveu um recurso matemático, o binômio de Newton. Na época de sua formatura, foi obrigado a se refugiar na fazenda da mãe, devido à peste que assolava a Inglaterra. Permaneceu lá por cerca de dois anos ( ). As reflexões dessa época o levaram a formular importantes teorias. Ao observar uma maçã caindo de uma árvore, Newton começou a pensar que a força que havia puxado a fruta para a terra seria a mesma que impedia a Lua de escapar de sua órbita. Descobriu a lei da gravitação universal. Foi a primeira vez que uma lei física foi aplicada tanto a objetos terrestres quanto a corpos celestes. Ao firmar esse princípio, Newton eliminou a dependência da ação divina e influenciou profundamente o pensamento filosófico do século 18, dando início à ciência moderna. Quando retornou a ambridge, redigiu o princípio que trata da atração dos corpos, mas só o retomou em 168. Nos anos iniciais de sua carreira, desenvolveu o cálculo infinitesimal e descobriu a aceleração circular uniforme (embora não tenha conseguido a comprovação dessa teoria, que exigia conhecer a medida do raio terrestre). Em 1669 o cientista formulou sua teoria das cores, sobre a refração da luz. Quando um raio de sol atravessa um prisma de vidro, sai do outro lado como um feixe de luzes de diferentes cores, como um arco-íris. Newton fez o feixe colorido passar por um segundo prisma, onde as cores voltaram a se juntar em outro feixe, de luz branca, igual ao inicial. om essa descoberta, percebeu que o fenômeno da refração luminosa limitava a eficiência dos telescópios da época. Inventou, então, um

3 3 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII telescópio refletor, em que a concentração da luz era feita por um espelho parabólico e não por uma lente. Em 1671, o cientista assumiu o cargo de professor catedrático de Matemática da Universidade de ambridge e, no ano seguinte foi eleito para a Royal Society. Nos anos posteriores, tratou das propriedades da luz, explicou a produção das cores por lâminas delgadas e formulou a teoria corpuscular da luz. Newton recebeu, em 1684, a visita do astrônomo Edmond Halley, que queria interrogá-lo sobre o movimento dos planetas, observado pelos astrônomos. Newton retomou, então, suas reflexões sobre a mecânica celeste. O resultado foi sua obra "Princípios Matemáticos da Filosofia Natural", que propõe três princípios básicos: o da inércia, o da dinâmica e o da ação e reação. Este trabalho obteve grande repercussão internacional. Newton foi eleito para o Parlamento em 1687, e nomeado para a Superintendência da asa da Moeda em 1696, quando se mudou para Londres. Tornou-se presidente da Royal Society em 1703 e, dois anos depois, sagrado cavaleiro, passou a ser chamado de Sir Isaac Newton. Fonte: Binômio de Newton Denomina-se Binômio de Newton, a todo o binômio ( a +b ) n, sendo n um número natural.

4 4 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Exemplo: ( 4 3 ) 4 = x y onde a = 4x, b = 3y e n = 4 (grau do binômio). Exemplos de desenvolvimento de Binômios de Newton: a) ( ) a + b = a + ab + b b) ( ) a + b = a + 3a b + 3ab + b c) ( ) a + b = a + 4a b + 6a b + 4ab + b d) ( ) a + b = a + 5a b + 10a b + 10a b + 5ab + b Então, temos a seguinte fórmula: ( x + a) n =. x n. a 0. x n 1. a 1 n +,0 n +. x n.. n 3. 3,1 n a + x a, n +, ,4 x n n a + n, n x. a n Exemplos: a) ( x + 1) 7 = x 1 + x 1 + x 1 + x 1 + x ,0 7,1 7, 7,3 7,4 + x 1 + x 1 + x ,5 7,6 7,7 Resolve-se as combinações e depois substitui na fórmula:

5 5 7! 7! 7,0 = = 0! 7 0! 1 7! ( ) urso Matemática Para oncursos II Módulo VII = 1 7,1 7! 7! 7 6! = = = 1! 7 1! 1!6! 1 6! ( ) = 7 7, 7! 7! 7 6 5! = = =! 7!!5! 1 5! ( ) = 1 7,3 7! 7! 7 6 = = = 3! 7 3! 3!4! ( ) 5 4! 6 4! = 35 7,4 7! 7! ! = = = 4! 7 4! 4!3! 4! 3 ( ) = 35 7,5 7! 7! 7 6 5! = = = 5! 7 5! 5!! 5! 1 = 1 ( ) 7,6 7! 7 6! = = 7 6!1! 6! 1 = 7! 7,7 = 1 7! 1! = Substituindo: x 1 1 x 1 35 x 1 35 x 1 1 x 1 7 x 1 1 x = = 1+ 7x + 1x + 35x + 35x + 1x + 7x

6 6 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII 3 b) ( ) 6 a b + = ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) a b + a b + a b 6,0 6,1 6, ,3 6,4 6,5 6,6 + a b + a b + a b + a b 6! 6,0 = = 1 0! 6 0! ( ) 6,1 = 6! 6 5! 1!5! = = 6 1 5! 6, = 6! 6 5 4!!4! = = ! 6,3 6! 6 3!3! = = 5 4 3! 3! 6 = 0 6,4 6! 6 5 4! = = 15 4!! 4! 1 = 6,5 6! 6 5! = = 6 5!1! 5! 1 = 6! 6,6 = = 1 6!0

7 ( a b ) ( a b ) ( a b ) ( a b ) ( a b ) ( a b ) = = urso Matemática Para oncursos II Módulo VII = a b + 1a b + 60a b + 160a b a b 19a b 64 Fonte:

8 8 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Fórmula do termo geral de um Binômio de Newton Um termo genérico T do desenvolvimento de p+ ( a b) n 1 +, sendo p um número natural, é dado por: n n p p T = a b p+ 1 p Onde n n! = p n, p = p! ( n p)! é denominado Número Binomial n p é o número de combinações simples de n elementos de taxa p. Este número é também conhecido como Número ombinatório. Exercícios Resolvidos: 1. Determine o x termo do binômio ( ) 9, desenvolvido segundo as potências decrescentes de x. Vamos aplicar a fórmula do termo geral de ( a + b) n, onde a = x, b = 1 e n = 9. omo queremos o sétimo termo, fazemos p = 6 na fórmula do termo geral e efetuamos os cálculos indicados. Temos então: T T 9! ! ,6 ( x ) ( 1 ).( ) 1 8 ( 9 6 )! 6! x 3 1 6! x + = = = =

9 9 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII x = x. Portanto o sétimo termo procurado é 3 67x.. Qual o termo médio do desenvolvimento de ( x 3y) 8 +? Temos a = x, b = 3y e n = 8. Sabendo que o desenvolvimento do binômio terá 9 termos, porque n = 8. Ora sendo T 1 T T 3 T 4 T 5 T 6 T 7 T 8 T 9 os termos do desenvolvimento do binômio, o termo do meio (termo médio) será o T 5 (quinto termo). Logo, o nosso problema resume-se ao cálculo do T 5. Para isto, basta fazer p = 4 na fórmula do termo geral e efetuar os cálculos decorrentes. Teremos: T T 8! ! ,4 ( x ) ( 3 y ) ( ) ( 3 ) ( 8 4 )! 4! x y ( 4! 4 3 1) x y + = = = = Fazendo as contas vem: T x y 9070x y = =, que é o termo médio procurado. 3. Desenvolvendo o binômio ( x 3y) 3 termos. Qual o valor de n? n, obtemos um polinômio de 16 Ora, se o desenvolvimento do binômio possui 16 termos, então o expoente do binômio é igual a 15. Logo, 3n = 15 de onde conclui-se que n = Qual a soma dos coeficientes dos termos do desenvolvimento de:

10 10 a) ( x 3y) 1 b) ( x y) 50 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII? Resposta: 1? Resposta: 0 a) basta fazer x = 1 e y = 1. Logo, a soma S procurada será: ( ) ( ) 1 1 S = = 1 = 1. b) Analogamente, fazendo x = 1 e 1 y =, vem ( ) S = 1 1 = 0 = Determine o termo independente de x no desenvolvimento de 6 x + 1 x. Sabendo que o termo independente de x é aquele que não depende de x, ou seja, aquele que não possui x. Temos no problema dado: a = x, 1 b = e n = 6. x Pela fórmula do termo geral, podemos escrever: p 6 p 1 6 p p 6 p T = x x x x p 1 6, p = =. + x 6, p 6, p Ora, para que o termo seja independente de x, o expoente desta variável deve ser zero, pois 0 x = 1. Logo, fazendo 6 p 0 =, obtemos p = 3. Substituindo então p por 6, teremos o termo procurado. Temos então:

11 11 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII 0 6! ! T = T = x = = = = ,3 6,3 ( 6 3 )! 3! 3! 3 1 Logo, o termo independente de x é o T 4 (quarto termo) que é igual a 0. Observações: 1) o desenvolvimento do binômio ( a b) n ) o desenvolvimento de ( a b) n + é um polinômio. + possui n + 1 termos. 3) os coeficientes dos termos eqüidistantes dos extremos, no desenvolvimento de ( a + b) n são iguais. 4) a soma dos coeficientes de ( a b) n + é igual a n. Socorro!!!!!!!!!! Fonte:

Grandes contribuições de Newton. i) Experimentos de ótica. (De)composição da luz branca ii) Telescópio refletor iii) Modelo corpuscular da luz

Grandes contribuições de Newton. i) Experimentos de ótica. (De)composição da luz branca ii) Telescópio refletor iii) Modelo corpuscular da luz ISAAC NEWTON Grandes contribuições de Newton 1. Cálculo Matemática 2. Ótica: i) Experimentos de ótica. (De)composição da luz branca ii) Telescópio refletor iii) Modelo corpuscular da luz 3. Leis de Movimento

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 11 ÁLGEBRA LINEAR I - POLINÔMIOS POLINÔMIOS E EQUAÇÕES ALGÉBRICAS 1 Definição Seja C o conjunto dos números complexos ( números da forma a + bi, onde a e b são números reais e i

Leia mais

Onde usar os conhecimentos

Onde usar os conhecimentos VI LOGARIMO Por que aprender Binômio de Newton?... Binômio de Newton é uma ferramenta matemática desenvolvida por Isaac Newton que facilita certos cálculos matemáticos que seriam trabalhosos pelo processo

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ROTEIRO DE AULAS MECÂNICA GERAL (21 exercícios e 21 exemplos) ARMAZÉM 39 PORTO DE SANTOS Professor Orlando Carlos Batista Damin As três Leis que fundaram a Física Moderna. Como

Leia mais

CÔNICAS. Cristianeguedes.pro.br/cefet

CÔNICAS. Cristianeguedes.pro.br/cefet CÔNICAS Cristianeguedes.pro.br/cefet Seções Cônicas São curvas obtidas pela interseção de um cone com um plano. Circunferência É o lugar geométrico plano dos pontos que estão à mesma distância r de um

Leia mais

Força direção magnitude magnitude

Força direção magnitude magnitude Leis de Newton Sir Isaac Newton 1642 1727 Formulou as leis básicas da mecânica. Descobriu a Lei da Gravitação Universal. Inventou o cálculo Diferencial e Integral. Fez muitas observações sobre luz e óptica.

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br Fundamentos de Matemática Superior - BINÔMIO DE NEWTON Estes resultados foram escritos com expoentes

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

Frases de Isaac Newton: - "Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes." - "O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.

Frases de Isaac Newton: - Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes. - O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Frases de Isaac Newton: - "Se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes." - "O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano." - "Eu consigo calcular o movimento dos

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

O problema proposto possui alguma solução? Se sim, quantas e quais são elas?

O problema proposto possui alguma solução? Se sim, quantas e quais são elas? PROVA PARA OS ALUNOS DE 3º ANO DO ENSINO MÉDIO 1) Considere o seguinte problema: Vitor ganhou R$ 3,20 de seu pai em moedas de 5 centavos, 10 centavos e 25 centavos. Se recebeu um total de 50 moedas, quantas

Leia mais

18 18 = Da igualdade acima, temos: k = k+ 4 Não apresenta solução. ou. Assim: k! = 7! = Resposta: D

18 18 = Da igualdade acima, temos: k = k+ 4 Não apresenta solução. ou. Assim: k! = 7! = Resposta: D 01 18 18 = k k+ 4 Da igualdade acima, temos: k = k+ 4 Não apresenta solução. ou k + k + 4 = 18 k = 7 Assim: k! = 7! = 5040 Resposta: D 1 0 14 14 = k k 4 Da igualdade acima, temos: k = k 4 não apresenta

Leia mais

O texto abaixo é um pequeno resumo do trabalho de Sir lsaac Newton ( ) e refere-se à(s) duas seguinte(s) questões de Física.

O texto abaixo é um pequeno resumo do trabalho de Sir lsaac Newton ( ) e refere-se à(s) duas seguinte(s) questões de Física. 2014_Física_9 ano_3º tri ALUNO(a): Nº: SÉRIE: 9º TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /2014 Valor: 30,0 Obs.: Esta lista deve ser entregue ao coordenador/pedagogo no dia da prova de Recuperação. 1. Considere

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 09 Leis de Newton e gravitação As três leis de Newton. Histórico.

Leia mais

Determinantes. Determinante é um número real que se associa a uma matriz quadrada. Determinante de uma Matriz Quadrada de 2ª Ordem

Determinantes. Determinante é um número real que se associa a uma matriz quadrada. Determinante de uma Matriz Quadrada de 2ª Ordem Introdução Determinante é um número real que se associa a uma matriz quadrada Determinante de uma Matriz Quadrada de 2ª Ordem É a diferença entre o produto dos elementos da diagonal principal e da diagonal

Leia mais

Expansões AULA ... META. Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Expansões AULA ... META. Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Expansões META Apresentar a expansão binomial e multinomial. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar e utilizar algumas propriedades dos coeficientes binomiais; Expandir produto

Leia mais

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos estudos 3º trimestre. Roteiro de Matemática-Física-Química O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula. Com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos e encontrar

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX. Prof. Carlos Alexandre Wuensche

A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX. Prof. Carlos Alexandre Wuensche A Ciência Moderna: Séc XVII a Séc XIX Prof. Carlos Alexandre Wuensche 1 Introdução Fundamentação da ciência moderna, tal como a conhecemos Carimbo matemático na descrição dos fenômenos naturais Aparecimento

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

Módulo Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. 2 ano/e.m.

Módulo Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. 2 ano/e.m. Módulo Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal Desenvolvimento Multinomial. 2 ano/e.m. Binômio de Newton e o Triângulo de Pascal. Desenvolvimento Multinomial. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

Biografia de Isaac Newton

Biografia de Isaac Newton Isaac Newton nasceu no dia 4 de Janeiro do ano de 1643, na mansão de Woolsthorpe, perto de Grantham em Lincolnshire. Oriundo de uma família de fazendeiros, nasceu órfão, seu pai tinha morrido três meses

Leia mais

VETORES. DEFINIÇÃO DE GRANDEZA É tudo aquilo que pode ser medido Exemplos: Comprimento Aceleração Força Velocidade

VETORES. DEFINIÇÃO DE GRANDEZA É tudo aquilo que pode ser medido Exemplos: Comprimento Aceleração Força Velocidade 1 DEFINIÇÃO DE GRANDEZA É tudo aquilo que pode ser medido Exemplos: Comprimento Aceleração Força Velocidade GRANDEZAS ESCALARES São grandezas que se caracterizam apenas por um valor acompanhado uma unidade

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 2

Halliday Fundamentos de Física Volume 2 Halliday Fundamentos de Física Volume 2 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

Astronomia do século XIX: o surgimento da espectroscopia.

Astronomia do século XIX: o surgimento da espectroscopia. Astronomia Fundamental Astronomia do século XIX: o surgimento da espectroscopia. Clayton B. O. dos Reis Antes do século XIX Isaac Newton (1642-1727) demonstrou, por volta de 1665-66, que a luz branca,

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

Questão 37. Questão 39. Questão 38. alternativa C. alternativa A

Questão 37. Questão 39. Questão 38. alternativa C. alternativa A Questão 37 Segundo a lei da gravitação de Newton, o módulo F da força gravitacional exercida por uma partícula de massa m 1 sobre outra de massa m,àdistânciad da primeira, é dada por F = G mm 1, d onde

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO Professoras: Rosimeire Borges 2ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO Professoras: Rosimeire Borges 2ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professoras: Rosimeire Borges 2ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA DE FÍSICA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / Conteúdos: - CAPÍTULO

Leia mais

5 Forças em Dinâmica. 1 Princípio da inércia (primeira lei de Newton) 2 Princípio fundamental da Dinâmica (segunda lei de Newton)

5 Forças em Dinâmica. 1 Princípio da inércia (primeira lei de Newton) 2 Princípio fundamental da Dinâmica (segunda lei de Newton) F=m.a 5 Forças em Dinâmica A Dinâmica é a parte da Mecânica que estuda os movimentos e as causas que os produzem ou os modificam. Significa que a força resultante F produz uma aceleração a com mesma direção

Leia mais

Como o número de convidados de Daniel é igual à soma do número de convidados de Bernardo e Carlos, temos que D B C. (Equação 1)

Como o número de convidados de Daniel é igual à soma do número de convidados de Bernardo e Carlos, temos que D B C. (Equação 1) UFJF MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 01-01 PROVA DE MATEMÁTICA Questão 1 Quatro formandos da UFJF, André, Bernardo, Carlos e Daniel, se juntaram para organizar um churrasco O número de convidados de Daniel

Leia mais

Dinâmica do Movimento de Rotação

Dinâmica do Movimento de Rotação www.engenhariafacil.net Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Dinâmica do Movimento de Rotação (1)- TORQUE, CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Já estudamos que a atuação de forças em um corpo altera o movimento

Leia mais

Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações

Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações Capítulos 4 e 5 Leis de Newton e suas Aplicações Até agora, cinemática: estudo do movimento sem se preocupar com suas causas O estudo das causas do movimento é a Dinâmica Princípios da Dinâmica foram sintetizados

Leia mais

INÉRCIA E MOVIMENTO SEM ACELERAÇÃO

INÉRCIA E MOVIMENTO SEM ACELERAÇÃO TEORIA 1. Olha só que brincadeira legal e fácil de ser executada. A situação ilustrada na figura 1, abaixo representa o movimento de uma pequena pedra presa na extremidade de um barbante. Uma pessoa segurando

Leia mais

Exercícios de Analíse Combinatória. Binômio de Newton.

Exercícios de Analíse Combinatória. Binômio de Newton. Exercícios de Analíse Combinatória. Binômio de Newton. QUESTÃO 1 A expressão é igual a A ( ) 2630. B ( ) 2690. C ( ) 2712. D ( ) 1584. E ( ) 1604. QUESTÃO 2 O professor de Matemática aplicou um problema-desafio

Leia mais

Curso Física 1. Aula - 6. Leis de Newton Parte 1

Curso Física 1. Aula - 6. Leis de Newton Parte 1 Curso Física 1 Aula - 6 Leis de Newton Parte 1 As Leis do Movimento A Primeira Lei de Newton Força Massa A Segunda Lei de Newton A Terceira Lei de Newton Exemplos Cinemática e Dinâmica Cinemática: Descreve

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE Neste momento inicial, nosso interesse será em determinar quando a divisão entre dois números inteiros é exata, ou seja, quando o resto da divisão é 0. Antes de mais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO VESTIBULAR ª FASE GABARITO FÍSICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO VESTIBULAR ª FASE GABARITO FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO VESTIBULAR 2005 2ª FASE GABARITO FÍSICA Questão 01 O físico inglês Isaac Newton (1642-1726) realizou a experiência

Leia mais

Capítulo 11 Rotações e Momento Angular

Capítulo 11 Rotações e Momento Angular Capítulo 11 Rotações e Momento Angular Corpo Rígido Um corpo rígido é um corpo ideal indeformável de tal forma que a distância entre 2 pontos quaisquer do corpo não muda nunca. Um corpo rígido pode realizar

Leia mais

Como o número de convidados de Daniel é igual à soma do número de convidados de Bernardo e Carlos temos que D B C. (Equação 1)

Como o número de convidados de Daniel é igual à soma do número de convidados de Bernardo e Carlos temos que D B C. (Equação 1) UFJF MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 0-0 PROVA DE MATEMÁTICA Questão Quatro formandos da UFJF, André, Bernardo, Carlos e Daniel, se juntaram para organizar um churrasco O número de convidados de Daniel é igual

Leia mais

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202

LECTURE NOTES PROF. CRISTIANO. Leis de Newton. Isaac Newton. Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 Fisica I - IO Leis de Newton Prof. Cristiano Oliveira Ed. Basilio Jafet sala 202 crislpo@if.usp.br http://pt.wikipedia.org/wiki/isaac_newton Isaac Newton Teorema Binomial Cálculo Lei da gravitação universal

Leia mais

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas.

Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. Aplicar as propriedades dos anéis na relação de problemas. Aula 10 O CONCEITO DE ANEL META Apresentar o conceito de anel, suas primeiras definições, diversos exemplos e resultados. OBJETIVOS Definir, exemplificar e classificar anéis. Aplicar as propriedades dos

Leia mais

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1.

Um caminhoneiro efetuou duas entregas de mercadorias e, para isso, seguiu o itinerário indicado pelos vetores deslocamentos d 1. 37 e A unidade da força resultante F, experimentada por uma partícula de massa m quando tem uma aceleração a, é dada em newtons. A forma explícita dessa unidade, em unidades de base do SI, é a) kg.m/s

Leia mais

Matemática Básica Relações / Funções

Matemática Básica Relações / Funções Matemática Básica Relações / Funções 04 1. Relações (a) Produto cartesiano Dados dois conjuntos A e B, não vazios, denomina-se produto cartesiano de A por B ao conjunto A B cujos elementos são todos os

Leia mais

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo.

MECÂNICA. DINÂMICA: Procura investigar suas causar, ou seja, o porquê de um movimento estar ocorrendo. MECÂNICA - Área da Física que estuda os movimentos. Foi dividida em: CINEMÁTICA: Estuda o movimento dos corpos sem enfocar sua causa, procurando investigar o que está acontecendo durante esse movimento:

Leia mais

EXEMPLOS Resolva as equações em : 1) Temos uma equação completa onde a =3, b = -4 e c = 1. Se utilizarmos a fórmula famosa, teremos:

EXEMPLOS Resolva as equações em : 1) Temos uma equação completa onde a =3, b = -4 e c = 1. Se utilizarmos a fórmula famosa, teremos: EQUAÇÃO DE SEGUNDO GRAU INTRODUÇÃO Equação é uma igualdade onde há algum elemento desconhecido Como exemplo, podemos escrever Esta igualdade é uma equação já conhecida por você, pois é de primeiro grau

Leia mais

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e)

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e) 1. Considere que um satélite de massa m 5,0 kg seja colocado em órbita circular ao redor da Terra, a uma altitude h 650 km. Sendo o raio da Terra igual a 6.350 km, sua massa igual a 4 5,98 10 kg e a constante

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, estudaremos métodos para

Leia mais

Tarefa 06 Todos Subconjuntos

Tarefa 06 Todos Subconjuntos Tarefa 06 Todos Subconjuntos Disciplina: Estatística Básica para Bioinformática Discentes: Diego M Salvanha, Madeleine Ernst Enunciado da tarefa: Dado que o número de subconjuntos que podem ser feitos

Leia mais

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente.

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente. Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e c = 6. 6x 2 - x - 1 = 0 é

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

Origens da Lei da Gravitação de Newton

Origens da Lei da Gravitação de Newton Origens da Lei da Gravitação de Newton Astronomia ao Meio Dia IAG-USP 6/6/2013 Osvaldo Pessoa Jr. Depto. Filosofia FFLCH USP opessoa@usp.br Issac Newton (1689), por Godfrey Kneller Queda livre Aristóteles

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL: Prof. Dr. Marcos Antonio de Rezende

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL: Prof. Dr. Marcos Antonio de Rezende PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Física Médica MODALIDADE: Bacharelado DISCIPLINA: Física I (X) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: Física e Biofísica DOCENTE RESPONSÁVEL: Prof. Dr. Marcos Antonio

Leia mais

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo:

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo: MÓDULO 2 POTÊNCIA Sabendo que as potências tem grande importância no mundo da lógica matemática, nosso curso terá por objetivo demonstrar onde podemos utilizar esses conceitos no nosso cotidiano e vida

Leia mais

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos).

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos). III OLIMPÍADA REGIONAL DE MATEMÁTICA Nível III Ensino Médio DE RIEIRÃO PRETO FASE DE SELEÇÃO - 7 de setembro de 008 Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte vale 10 pontos (total de

Leia mais

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n

Definição: Uma função de uma variável x é uma função polinomial complexa se pudermos escrevê-la na forma n POLINÔMIO I 1. DEFINIÇÃO Polinômios de uma variável são expressões que podem ser escritas como soma finita de monômios do tipo : a t k k onde k, a podem ser números reais ou números complexos. Exemplos:

Leia mais

O Argumento da Queda da Lua

O Argumento da Queda da Lua O Argumento da Queda da Lua Uma exposição didática de como Newton apresentou a idéia de força gravitacional Freire, Matos e Valle, Física na Escola, 5(1), 2004 Newton e a gravitação universal Que a Lua

Leia mais

Os logaritmos decimais

Os logaritmos decimais A UA UL LA Os logaritmos decimais Introdução Na aula anterior, vimos que os números positivos podem ser escritos como potências de base 10. Assim, introduzimos a palavra logaritmo no nosso vocabulário.

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 02 EQUAÇÕES Pense no seguinte problema: Uma mulher de 25 anos é casada com um homem 5 anos mais velho que ela. Qual é a soma das idades

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Óptica Geométrica. => vi = 2vE

Óptica Geométrica. => vi = 2vE Disciplina: Física para Olimpíadas Assunto: Óptica (Teoria e questões antigas da OBF 2ª fase) Professor: Gustavo Mendonça Óptica Geométrica 1) Introdução à Óptica Geométrica: Na Lousa! 2) Reflexão: Fenômeno

Leia mais

Pércio Augusto Mardini Farias

Pércio Augusto Mardini Farias Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

Prova 1/3. Nome: Assinatura: Matrícula UFES: Semestre: 2013/2 Curso: Física (B e L) Turmas: 01 e 02 Data: 11/11/2013 GABARITO

Prova 1/3. Nome: Assinatura: Matrícula UFES: Semestre: 2013/2 Curso: Física (B e L) Turmas: 01 e 02 Data: 11/11/2013 GABARITO Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Eatas Departamento de Física FIS09066 Física Prof. Anderson Coser Gaudio Prova /3 Nome: Assinatura: Matrícula UFES: Semestre: 03/ Curso: Física

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundamentos de Física Mecânica Volume 1 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica,

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de Exercícios 1_2 BIMESTRE Nome: Nº Turma: 1 EM Profa Kelly Data: Conteúdo: Leis de Kepler e lei da gravitação universal; Força gravitacional (peso), força

Leia mais

Prova 1 ª e 2 ª séries

Prova 1 ª e 2 ª séries Prova 1 ª e 2 ª séries Questão 01 a. t = ( y)/v media (2,4 m)/(1,5 mm/ano) = (2,4 m)/(1,5.10-3 m/ano) = 1600 anos = 16 séculos. b. Das geleiras que se fundem com o aumento de temperatura da Terra. Questão

Leia mais

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas

Simulado 1 Matemática IME Soluções Propostas Simulado 1 Matemática IME 2012 Soluções Propostas 1 Para 0, temos: para cada um dos elementos de, valores possíveis em (não precisam ser distintos entre si, apenas precisam ser pertencentes a, pois não

Leia mais

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo.

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo. 12. IDADE MODERNA A ciência moderna foi preparada pelo Renascimento. Seriam Galileu, graças às observações com o seu telescópio, e o astrônomo alemão, Kepler, (1571-1630), ao descobrir as célebres leis

Leia mais

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas CONTEÚDOS DA PROVA DE RECUPERAÇÃO FINAL: Hidrostática, Velocidade Escalar Média, Gravitação Universal, 1ª e 2ª Leis de Kepler, Aceleração Escalar, Equações do Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

Leia mais

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA: CIÊNCIAS DA NATUREZA / MÁTEMÁTICA

P L A N O D E E N S I N O A N O D E ÁREA / DISCIPLINA: CIÊNCIAS DA NATUREZA / MÁTEMÁTICA P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: CIÊNCIAS DA NATUREZA / MÁTEMÁTICA Professor(a): ALOÍSIO MOISÉS DAUANNY JÚNIOR ANO: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1º 03

Leia mais

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210

PROVA DE FÍSICA II. Dado: calor latente de fusão da água = 3,5 x 10 5 J/kg. A) 100 B) 180 D) Zero C) 240 E) 210 PROVA DE FÍSCA Esta prova tem por finalidade verificar seus conhecimentos das leis que regem a natureza. nterprete as questões do modo mais simples e usual. Não considere complicações adicionais como fatores

Leia mais

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 2

Introdução às Ciências Físicas Módulo 1 Aula 2 Introdução às Ciências Físicas Módulo Aula Refração Refração de luz monocromática Você lembra como começamos nosso estudo da luz? Falamos de brincadeiras com a sombra das mãos. Outra brincadeira ou se

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Ciências E Programa de Saúde 17 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

ALUNO(A): Prof.: Andre Luiz 04/06/2012

ALUNO(A): Prof.: Andre Luiz  04/06/2012 1. FUNÇÃO 1.1 Definição A função dada por ( ), com a, b, c reais e a 0. Vejamos alguns exemplos: a) ( ) ( ) b) ( ) ( ) c) ( ) ( ) d) ( ) ( ) e) ( ) ( ) Vamos a outro exemplo: Ex2.: Um objeto que se desloca

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO. RODRIGO SANTIAGO Acadêmico do Curso Física- Licenciatura, rsantiago10@hotmail.

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO. RODRIGO SANTIAGO Acadêmico do Curso Física- Licenciatura, rsantiago10@hotmail. I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA A MENTE DE UM GÊNIO RODRIGO

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS

NÚMEROS COMPLEXOS NÚMEROS COMPLEXOS - 016 1. (EFOMM 016) O número complexo, z z (cos θ i sen θ), sendo i a unidade imaginária e 0 θ π, que satisfaz a inequação z i e que possui o menor argumento θ, é a) b) c) d) 5 5 z i

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por Detalhamento das Soluções dos Exercícios de Revisão do mestre 1) A PA será dada por Temos Então a PA será dada por:, e como o produto é 440: Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada

Leia mais

Física Introdutória I. Aula 04: Leis de Newton e Gravitação. Tópico 01: Primeira Lei de Newton

Física Introdutória I. Aula 04: Leis de Newton e Gravitação. Tópico 01: Primeira Lei de Newton Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 01: Primeira Lei de Newton Caro aluno, se você visse as figuras acima em uma revista em quadrinhos, (sem nenhuma legenda) poderia imaginar que elas estão tratando

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data:

Questão 1. Questão 2. Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data: Lista de Exercícios - 2º ano - Física - 3º trimestre Aluno: Série: Turma: Data: Questão 1 A imagem de um objeto formada por um espelho côncavo mede metade do tamanho do objeto. Se o objeto é deslocado

Leia mais

Física I Prova 3 29/11/2014

Física I Prova 3 29/11/2014 Nota Física I Prova 3 9/11/014 NOME MATRÍCULA TURMA PROF. Lembrete: A prova consta de 6 questões discursivas (que deverão ter respostas justificadas, desenvolvidas e demonstradas matematicamente) e 8 questões

Leia mais

DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRÔNICA ELETROMECÂNICA MEIO AMBIENTE

DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ELETRÔNICA ELETROMECÂNICA MEIO AMBIENTE Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Fluminense Campus Macaé DIREÇÃO DE ENSINO EMENTA DE DISCIPLINA - MATEMÁTICA Nível Curso Série CH Semanal CH Anual Ensino Médio Integrado AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o

y ds, onde ds é uma quantidade infinitesimal (muito pequena) da curva C. A curva C é chamada o Integral de Linha As integrais de linha podem ser encontradas em inúmeras aplicações nas iências Eatas, como por eemplo, no cálculo do trabalho realizado por uma força variável sobre uma partícula, movendo-a

Leia mais

10- Momentos de Inércia

10- Momentos de Inércia 1 10- Momentos de Inércia Momento de inércia de área: medida da resistência à flexão de uma viga. Momento de inércia de massa: medida da inércia (resistência) ao movimento de rotação de um corpo sólido.

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Revisão de Matemática Faremos aqui uma pequena revisão de matemática necessária à nossa matéria, e sem a qual poderemos ter dificuldades em apreender os conceitos básicos e

Leia mais

GALILEU GALILEI ( )

GALILEU GALILEI ( ) GALILEU GALILEI (1564-1642) Um dos principais defensores do modelo heliocêntrico de Copérnico. Acreditava na perfeição geométrica. Por isso, não aceitava que as órbitas dos planetas eram elípticas, mesmo

Leia mais

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção

Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção Escola Secundária de Casquilhos FQA11 - APSA1 - Unidade 1- Correção / GRUPO I (Exame 2013-2ª Fase) 1. (B) 2. 3. 3.1. Para que a intensidade média da radiação solar seja 1,3 x 10 3 Wm -2 é necessário que

Leia mais

PROFMAT Exame de Qualificação Gabarito

PROFMAT Exame de Qualificação Gabarito PROFMAT Exame de Qualificação 2012-1 Gabarito 1. (10pts) Um corpo está contido num ambiente de temperatura constante. Decorrido o tempo (em minutos), seja a diferença entre a temperatura do corpo e do

Leia mais

UM COMETA BEM COMPORTADO

UM COMETA BEM COMPORTADO UM COMETA BEM COMPORTADO Plínio Fasolo Departamento de Física Porto Alegre RS PUC É muito difícil dizer coisas ainda não ditas a respeito do cometa de Halley. Talvez por experiência pessoal. Eu ainda não

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Matemática 8 o ano Unidade 3 5 Unidade 3 Nome: Data: 1. Complete as sentenças a seguir sobre expressões algébricas. Depois, cite um exemplo. a) Expressões algébricas são aquelas

Leia mais

Índice. Introdução Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório

Índice. Introdução Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório Índice Introdução... 9 Unidade 1 Probabilidades e Cálculo Combinatório Probabilidades Introdução ao cálculo das probabilidades...12 Experiência...13 Classificação para os acontecimentos. Espaço de acontecimentos...14

Leia mais

Planificação do 1º Período

Planificação do 1º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Planificação do 1º Período Disciplina: Matemática A Grupo: 500 Ano: 10º Número de blocos de 45 minutos previstos: 74 Ano

Leia mais

Aula 15 Parábola. Objetivos

Aula 15 Parábola. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 15 Aula 15 Parábola Objetivos Descrever a parábola como um lugar geométrico determinando a sua equação reduzida nos sistemas de coordenadas com eixo x paralelo à diretriz l e origem no

Leia mais