AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS. Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA do AET

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS. Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA do AET"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DAS TAIPAS Plano Nacional de Promoção do Sucesso Educativo A Resolução do Conselho de Ministros 23/2016 criou o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar com a finalidade de promover um ensino de qualidade para todos, combater o insucesso escolar, num quadro de valorização da igualdade de oportunidades e do aumento da eficiência e qualidade da escola pública. O programa assenta no princípio de que são as comunidades educativas quem melhor conhece os seus contextos, as dificuldades e potencialidades, sendo, por isso, quem está melhor preparado para conceber planos de ação estratégica, pensados ao nível de cada escola, com o objetivo de melhorar as aprendizagens dos alunos. PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA do AET Histórico de sucesso 2013/ / /16 Histórico anterior (média) Metas de sucesso Inscritos Aprovados Inscritos Aprovados Inscritos Aprovados 16/17 17/18 1º Ciclo ,7 97,1 97,5 2º Ciclo ,9 97,3 97,7 3º Ciclo Medida 1 DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA Da análise das atas dos conselhos de docentes do 1º e 2º anos, verifica-se que, dos alunos que frequentam o 1ºano, 6,3% transita com nível insuficiente a português e 27,3% com suficiente, sendo que estes apresentam fragilidades que se acentuam nos anos seguintes. No 2ºano, 8,2% transita com nível insuficiente e 40% com nível suficiente. Número de encaminhamento para SPO de alunos do 2º ano relacionados com dificuldades de aprendizagem. 1º E 2º 3. Designação da LER MELHOR Melhorar a fluência leitora no 1º e 2º anos Aumentar a taxa de sucesso a português para 95% no 1º ano e 93% no 2ºano. Diminuir em 50% o número de encaminhamentos devido a dificuldades de leitura e escrita no 1º e 2º anos. âmbito da Criação de um grupo de trabalho que de forma colaborativa e articulada estabeleça o planeamento e realização do ensino/aprendizagem e avaliar as aprendizagens evidenciando a evolução dos alunos. Adoção de um ritmo mais lento no ensino da decifração no 1ºano. Esta

2 estratégia permitirá respeitar o nível de desenvolvimento de cada aluno e reforçar o tempo dedicado ao desenvolvimento da consciência fonológica, assim como, promover comportamentos emergentes de literacia. Implementação de trabalho de pares na sala de aula. Cada turma do 1ºano deverá ter, semanalmente, 4 horas de trabalho de pares na sala de aula com a coadjuvação de um professor de apoio. Por sua vez, as turmas do 2º ano deverão beneficiar da mesma com 3 horas semanais. Este tempo permitirá fazer uma diferenciação pedagógica mais assertiva e contextualizada a cada aluno de modo a promover conhecimentos precoces sobre a linguagem escrita, o desenvolvimento da linguagem oral e a recodificação fonológica. Estabelecimento de parcerias com técnicos especializados (no 1ºano): - Terapeuta da fala, no sentido de que cada turma tenha uma hora semanal de trabalho articulado com um terapeuta. Semanalmente o terapeuta desenvolverá um conjunto de exercícios de linguagem, em articulação com o professor de turma, de modo a colaborar no desenvolvimento da linguagem e da consciência fonológica dos alunos. O terapeuta será também uma ajuda eficaz na identificação precoce de alunos com necessidade de intervenção direta do técnico. - Psicólogo: Apoio à transição, da pré para o 1º ciclo, à gestão de conflitos, na prevenção de situações de insucesso; Avaliação das competências de leitura e escrita dos alunos do 1º e 2ºanos de escolaridade em risco educacional que revelam dificuldades na aprendizagem das competências básicas de leitura e escrita; Intervenção nas dificuldades de aprendizagem da leitura implementação da plataforma Educativa Ainda estou a aprender ; Monitorização do desempenho dos alunos do 1º e 2ºanos ao nível das competências de leitura e escrita. da 9. Recursos (crédito horário utilizado ou recursos necessários à implementação da ) Início do ano- planeamento Ao longo do ano- realização das Mensalmente- análise e reflexão do trabalho colaborativo e desenvolvimento da em CD ano. Trimestralmente- avaliar e redimensionar a Coordenadores de ano e psicólogo Terapeuta da fala - 21h (1h em grupo turma + 2h trabalho individual com alunos sinalizados x 7 turmas). Psicólogo - 14h (1h por turma x 14 turmas). Professores coadjuvantes - 49h (4h/turma do 1ºano x 7 turmas + 3h/turma do 2ºano x 7 turmas). Tempos para articulação do grupo de trabalho - 90 para reunião quinzenal. (Terapeuta da fala; Psicólogo; Professores coadjuvantes; Professores titulares de turma) Taxa de sucesso escolar número de alunos que transitam com nível suficiente Número de encaminhamentos para SPO Pilotagem das aprendizagens pelo coordenador de ano

3 contínua (*) Formação sobre Metodologias de ensino da leitura e escrita. ou Formação sobre Perturbações da linguagem e a sua relação com a aprendizagem da leitura e escrita. Formação para professores sobre a Plataforma online Ainda estou a aprender. Medida 2 DIFICULDADE NA UTILIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Da análise das atas dos conselhos de docentes do 1º e 2º anos, verifica-se que, dos alunos que frequentam o 1º ano, 3,6% transita com nível insuficiente a matemática e 21,8% com suficiente, sendo que estes apresentam fragilidades, que se acentuam nos anos seguintes. Por sua vez, no 2ºano, 12% transita com nível insuficiente e 32% com nível suficiente. 1º, 2º 3. Designação da GINÁSIO MENTAL âmbito da Melhorar a compreensão dos conceitos matemáticos. Implementar práticas de inovação e diferenciação pedagógicas indutoras de uma melhoria na utilização e aplicação de conceitos matemáticos. Aumentar a taxa de sucesso a matemática para 98% no 1º ano e 91% no 2ºano. Criação de um grupo de trabalho que, de forma colaborativa e articulada, estabeleça o planeamento do ensino aprendizagem e avalia as aprendizagens evidenciando a evolução dos alunos. Utilização de materiais manipuláveis Criação de um plano semanal de trabalho para desenvolvimento de conceitos matemáticos recorrendo ao manuseamento e exploração de material estruturado e não estruturado, de acordo com a planificação mensal, uma vez que nestas idades as crianças não têm capacidades de abstração desenvolvida. Este trabalho será realizado em pequenos grupos e em parceria com um professor coadjuvante. Duração da atividade: 1ºano - 2h semanais; 2ºano 90 min semanais. Exploração de jogos e recurso às TIC (plataformas pedagógicas como o Hypatiamat), visto que estes materiais permitem trabalhar, de forma motivadora e eficaz, o cálculo mental. A implementação desta estratégia implica a existência de quadros interativos na sala de aula, computadores e internet com capacidade para permitir uma navegação rápida e eficaz. Início do ano- planeamento. Ao longo do ano- realização das. Mensalmente- análise e reflexão do trabalho colaborativo e desenvolvimento da em Conselho de Docentes de ano. Trimestralmente- avaliação, monitorização e reajustes à.

4 da Coordenadores de ano 9. Recursos (crédito horário utilizado ou recursos necessários à implementação da ) contínua (*) Instrumentos TIC Computador e Quadros Interativos Multimédia nas escolas que ainda não têm. Professores coadjuvantes - 42h (4h/turma do 1ºano x 7 turmas + 2h/turma do 2ºano x 7 turmas). Tempos para articulação do grupo de trabalho - 90 para reunião quinzenal. (Professores coadjuvantes; Professores titulares de turma). Taxa de sucesso escolar número de alunos que transitam com nível suficiente Pilotagem das aprendizagens pelo coordenador de ano Matemática - Aprendizagem integrada dos números e operações no 1ºciclo-utilização de materiais manipuláveis Medida 3 Dificuldades de progresso na aprendizagem dos alunos na transição do 1º para o 2º ciclo nas disciplinas de Português e de Matemática. Nº de alunos que transitam com positiva mas com graves lacunas em uma ou ambas as disciplinas. Fontes Eixos prioritários do Projeto Educativo; Atas dos Conselhos de Turma e resultados escolares. 5º ano 3. Designação da Diferenciar para melhorar Mais qualidade para todos. Criar condições de sucesso para os alunos que concluem o 1º ciclo com identificadas dificuldades em Português e Matemática Reduzir o insucesso reportado em 50% no Português. Atingir 85% de taxa de sucesso na disciplina de Matemática. âmbito da Na disciplina de Português - Criar grupos de homogeneidade relativa em função dos resultados reportados (tipologia Fénix), instituindo novas dinâmicas de trabalho centradas na diferenciação e inovação pedagógicas. Introdução da avaliação qualitativa por domínios. Na disciplina de Matemática Criar grupos de homogeneidade relativa em função dos resultados reportados (tipologia Fénix), instituindo novas dinâmicas de trabalho centradas na diferenciação e inovação pedagógicas nas turmas mais problemáticas (3 turmas) que comportam alunos com o perfil supradito, identificados pelo Conselho de Docentes de final do 1º ciclo e pelo Conselhos de turma no início do 2º ciclo.

5 Às duas disciplinas e para as turmas referenciadas: Atividades orientadas para o planeamento/realização do ensino e da aprendizagem e para a avaliação, nomeadamente: - Redimensionar a gestão didático-pedagógica através do trabalho colaborativo e articulado entre os docentes envolvidos nas, entre estes e o Conselho de Turma e o próprio subdepartamento, possibilitando a emergência de novas práticas, conceção de instrumentos de avaliação orientados para a problemática; análise de situações e proposição de estratégias/ que gerem novas dinâmicas dentro da sala de aula; - Implementar uma avaliação formativa com recurso a diferentes métodos e técnicas de avaliação e autorregulação, tornando-a contínua, analítica e mais centrada sobre o aprendente do que sobre o produto acabado. Objetivo: diferenciar o ensino, reorientar a atividade e autorregular as aprendizagens, numa perspetiva de melhoria contínua. - Ao longo de 2 anos letivos: realização das que decorrem da. - Quinzenalmente: Reunião de compromisso Sustentada no trabalho colaborativo para ajustar as à gestão didático-pedagógica e avaliar as dinâmicas geradas na sala de aula. - Trimestralmente: Avaliação dos resultados e reapreciação do quadro de planeamento estabelecido, em articulação com o Conselho de Turma. da Para a disciplina de Português e de Matemática o respetivo subcoordenador, com turmas atribuídas no âmbito das a desenvolver por esta. 9. Recursos (crédito horário ou recursos necessários à implementação da ) Português - Perante o histórico da experiência fénix desenvolvida, e havendo uma alocação orientada dos alunos em turmas específicas, estima-se um crédito total de 15 tempos de 45 semanais (5 x 3 turmas). Matemática - Perante o histórico da experiência fénix desenvolvida, e havendo uma alocação orientada dos alunos em turmas específicas, estima-se um crédito total de 18 tempos de 45 semanais (6 x 3 turmas). Tempos para articulação dos grupos de trabalho - 90 para reunião quinzenal, em cada disciplina. Evolução, ao longo do ano letivo, da taxa de sucesso na disciplina de Português e de Matemática na avaliação interna. Indicador da taxa de insucesso escolar [n.º de alunos do 5º ano que não obtiveram aprovação a Matemática (ou Português)/n.º total de alunos do 5º ano X 100]. Pilotagem das aprendizagens com recurso aos resultados da avaliação formativa. contínua Formação em Geogebra tendo em vista a renovação da didática no âmbito da disciplina de Matemática.

6 Medida 4 Decréscimo acentuado do sucesso em Língua materna na passagem do 2º para o 3º ciclo na disciplina de Português. Quebra acentuada de rendimento escolar dos alunos na transição do 2º para o 3º ciclo na disciplina de Matemática. Fontes Eixos prioritários do Projeto Educativo; Atas dos Conselhos de Turma e resultados escolares; Número de alunos que transitam com positiva mas com graves lacunas às duas disciplinas. 7º ano 3. Designação da Uma âncora para o sucesso e para a melhoria âmbito da Melhorar a qualidade das aprendizagens na transição do 2º para o 3º ciclo nas disciplinas de Português e de Matemática. Criar condições de sucesso para os alunos que concluem o 2º ciclo com identificadas dificuldades em Português e Matemática Atingir uma taxa média de sucesso na disciplina de Português superior a 90%. Atingir 75% de taxa de sucesso na disciplina de Matemática, no 7º ano. Na disciplina de Português e de Matemática - Através do desdobramento das turmas mais problemáticas (3 turmas) pretende-se incrementar o apoio individualizado, as de pedagogia diferenciadas e diminuir os comportamentos distratores. Às duas disciplinas e para as turmas referenciadas: Atividades orientadas para o planeamento/realização do ensino e da aprendizagem e para a avaliação, nomeadamente: - Redimensionar a gestão didático-pedagógica através do trabalho colaborativo e articulado entre os docentes envolvidos nas, entre estes e o Conselho de Turma e o próprio subdepartamento, possibilitando a emergência de novas práticas, conceção de instrumentos de avaliação orientados para a problemática; análise de situações e proposição de estratégias/ que gerem novas dinâmicas dentro da sala de aula e permitam estimular as aprendizagens; - Implementar uma avaliação formativa com recurso a diferentes métodos e técnicas de avaliação e autorregulação, tornando-a contínua, analítica e mais centrada sobre o aprendente do que sobre o produto acabado. Objetivo: diferenciar o ensino, reorientar a atividade e autorregular as aprendizagens. - Introdução da avaliação qualitativa por domínios em Português. - Ao longo de 2 anos letivos: realização das que decorrem da. - Quinzenalmente: Reunião de compromisso Sustentada no trabalho colaborativo para ajustar as à gestão didático pedagógica e avaliar as dinâmicas geradas na sala de aula. - Trimestralmente: Avaliação dos resultados e reapreciação do quadro de planeamento estabelecido, em articulação com o Conselho de Turma.

7 da 9. Recursos (crédito horário ou recursos necessários à implementação da ) Para a disciplina de Português e de Matemática o respetivo subcoordenador, com turmas atribuídas no âmbito das a desenvolver por esta. Português e Matemática: - 90 minutos quinzenais (45 semanais) para articulação/trabalho colaborativo dos docentes envolvidos na. Para concretizar o desdobramento em 3 turmas: - 15 tempos letivos semanais para a disciplina de Português tempos letivos semanais para a disciplina de Matemática. Evolução, ao longo do ano letivo, da taxa de sucesso na disciplina de Português e de Matemática na avaliação interna. Indicador da taxa de insucesso escolar [n.º de alunos do 7º ano que não obtiveram aprovação a Matemática (ou Português)/n.º total de alunos do 7º ano X 100.] Pilotagem das aprendizagens com recurso aos resultados da avaliação formativa contínua Medida 5 Inter-relação de problemas de comportamento, relacionamento interpessoal e dificuldades de aprendizagem. Fontes: Encaminhamentos para o Gabinete Disciplinar e Serviço de Psicologia e Orientação e número de Participações Disciplinares. Relatórios do Gabinete Disciplinar, dos Serviços de Psicologia e Orientação e do Observatório da Qualidade 5º E 7º ANO 3. Designação da MAIS INTERESSE, MELHOR COMPORTAMENTO, MAIS SUCESSO Reduzir o número de alunos com insucesso através de programas de motivação direcionados para o seu processo de aprendizagem; Reduzir situações de indisciplina relacionadas com dificuldades de aprendizagem; Reduzir em 30% o número de encaminhamentos para o SPO; Reduzir em 30% o número de ocorrências disciplinares; Reduzir em 50% o número de alunos, identificados em Conselho de Turma, como desinteressados e com problemas de comportamento.

8 âmbito da Consultadoria aos diretores de turma - análise de casos concretos e promoção de estratégias de intervenção pedagógica adequadas; Criação de um gabinete de apoio ao aluno e à família (GAAF) coordenado pelo psicólogo escolar ou por um assistente social; Instituição de um Gabinete Disciplinar com uma estratégia mais centrada na prevenção de situações problemáticas; Promoção e treino de métodos de estudo - Estudar melhor para aprender melhor Auto-re ulação da aprendiza em e das estrat ias de estudo na promoção do sucesso escolar, através da criação da figura do professor tutor. Criação de um momento semanal (90 minutos) para trabalho conjunto dos diferentes elementos da equipa. No início do ano letivo identificação das situações problemáticas; Ao longo do ano letivo Análise de situações emergentes; Ao longo do ano letivo Monitorização dos casos; Trimestralmente Ponto da situação dos resultados, tendo em conta o planeamento estabelecido, nas reuniões de Conselhos de Turma da Psicólogo escolar; Assistente social; Professor do Gabinete Disciplinar. Professores Tutores. 9. Recursos (crédito horário utilizado ou recursos necessários à implementação da ) contínua (*) Psicólogo escolar 12h semanais; Assistente social 1 Assistente Social; Professor do Gabinete Disciplinar 12h semanais; Professores Tutores - 12h semanais; Diretores de Turma mais 1h semanal para as turmas com alunos identificados como mais complicados (8 turmas x 1h) 8h semanais. Número de encaminhamentos para o SPO; Número de ocorrências disciplinares; Taxa de sucesso escolar número de alunos que transitam/aprovados com o perfil estabelecido [n.º de alunos aprovados identificados pelos Conselho de Turma /n.º total de alunos identificados pelos Conselhos de Turma x 100.] Formação no âmbito da competência comunicacional e gestão de sala de aula; Formação sobre métodos de estudo e estratégias inovadoras de aprendizagem. Aprovado em Conselho Pedagógico de 19 de julho de 2016 O Presidente do Conselho Geral João Barroso Cunha Montes

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR Plano de Ação Estratégica 1. Agrupamento de Escolas de São Lourenço Valongo (Ermesinde) 2. Histórico de sucesso Metas de sucesso 2013/14 2014/15 2015/16

Leia mais

1ª Medida- Crescer a Comunicar

1ª Medida- Crescer a Comunicar 1ª Medida- Crescer a Comunicar 2- Anos de Escolaridade a 3- Designação da Crescer a Comunicar a da execução da ) Atendendo às orientações curriculares/ metas da educação pré -escolar verifica-se que um

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR Plano de Ação Estratégica 1. Agrupamento de Escolas de São Lourenço Valongo (Ermesinde) 2. Histórico de sucesso Metas de sucesso 2013/14 2014/15 2015/16

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

Agrupamento de Escolas de São Gonçalo Taxa média de retenção no 2.º ano de escolaridade de 12% no ano letivo 2014/2015 e de 11,6% no ano letivo 2015/2016. 1.º e 2.º anos. 3. Designação da Apoio educativo coadjuvante nas turmas de 1.º e 2.º

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA Código 160635 [2016/2018] (DGE) PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE 1. Identificação do Agrupamento de Escolas Viseu Norte... 2 2. Compromisso social do Agrupamento / Histórico e metas de sucesso... 2 3.

Leia mais

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR MICROREDE DE ESCOLAS DO CFAC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA - Medida : Pouca autonomia por parte dos alunos nas diversas disciplinas e falta de hábitos de autorregulação das suas aprendizagens

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA O Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar (PNPSE) foi anunciado através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 23/2016, de 24 de março com apoio da Direção-Geral da

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas de Grândola Conselho Pedagógico, 14 de novembro de 2017

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas de Grândola Conselho Pedagógico, 14 de novembro de 2017 PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Grândola 2017-2020 Conselho Pedagógico, 14 de novembro de 2017 Conselho Geral, 20 de novembro de 2017 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 2. ÁREAS DE MELHORIA...4 3. AÇÕES

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS QUADRO I

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS QUADRO I 1. Fragilidade/problema a resolver e respetiva(s) fontes de identificação. Resultados académicos: QUADRO I Valores tendencialmente abaixo do referencial nos domínios da qualidade e eficácia interna; Número

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Inicial

Plano de Ações de Melhoria Inicial Plano de Ações de Melhoria Inicial PAM Inicial 2016/2017 Outubro de 2016 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria Inicial 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA SÍNTESE Plano de promoção da qualidade das aprendizagens, que incluiu s focadas na melhoria do trabalho pedagógico em sala de aula e da qualidade das aprendizagens desenvolvidas pelos alunos. É um plano

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO PLANEAMENTO DA AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS MATRIZ DO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

OFICINA DE FORMAÇÃO PLANEAMENTO DA AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS MATRIZ DO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA OFICINA DE FORMAÇÃO PLANEAMENTO DA AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS Entidade Formadora Registo de Acreditação N.º CCPFC/ACC 86837/16 Turma B (B/10060/DGE/2016) IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria Intermédio

Plano de Ações de Melhoria Intermédio Plano de Ações de Melhoria Intermédio PAM Intermédio 2016/2017 Março de 2017 Índice Pág. 2 1. Introdução 2. Plano de Ações de Melhoria 2.1. Enquadramento das ações de melhoria nos Critérios da CAF Educação

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA

Avaliação Externa das Escolas PLANO DE MELHORIA Avaliação Externa das Escolas 2012-2013 PLANO DE MELHORIA A elaboração deste plano de melhoria assenta no pressuposto de que o Agrupamento Vertical de Escolas de Azeitão é capaz de repensar estratégias

Leia mais

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa

INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL. Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa INDICADORES DAS ÁREAS DE MELHORIA ESCXEL Matemática - Turma de Homogeneidade Relativa : Melhorar a competência de números e cálculo dos alunos no fim do 5º ano Taxa de insucesso na avaliação interna Taxa

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Barreiro

Agrupamento de Escolas do Barreiro Agrupamento de Escolas do Barreiro Escola Sede: Escola Básica D. Luís Mendonça Furtado PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RESPONSÁVEIS: Felicidade Alves Célia Pesseto Marta Veiga

Leia mais

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL

5 de setembro 2017 REUNIÃO GERAL Subdiretor Sérgio Laranjinho Adjunta da Diretora Cláudia Suzano Diretora Paula Maria Figueira diretor@avp.pt Adjunto da Diretora Luís Silva Adjunta da Diretora Mª José Serelha 5 de setembro 2017 REUNIÃO

Leia mais

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo

A educação que faz a diferença Um esforço coletivo A educação que faz a diferença Um esforço coletivo Pág. 1 Nota Introdutória AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAMILO CASTELO BRANCO (151762) O Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco (AECCB), no ano letivo 2014/2015,

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Pintor José de Brito

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Pintor José de Brito 2015 2017 Agrupamento de Escolas Pintor José de Brito Na sequência da Avaliação Externa ao Agrupamento de Escolas Pintor José de Brito, em abril de 2015 e com a auditoria realizada em março de 2015 no

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

EQUIPAS EDUCATIVAS Avaliar para Melhorar

EQUIPAS EDUCATIVAS Avaliar para Melhorar Avaliar para Melhorar Diversificar as técnicas e instrumentos de avaliação formativa (das e) para as aprendizagens. Aumentar o comprometimento do aluno no seu processo de aprendizagem. Aumentar o sucesso

Leia mais

Código PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA

Código PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA Código 160635 PLANO DE [2016/2020] (IGEC) MELHORIA ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Metodologia de trabalho... 3 3. Identificação das áreas de melhoria... 4 4. Desenvolvimento da estratégia... 5 5. Conclusão...

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUELUZ-BELAS PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUELUZ-BELAS PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 2016/2018 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico de Melhoria do Agrupamento - PEMA - para o biénio 2016/2018 insere-se numa ação de melhoria, centrado na definição

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013 Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE ARTICULAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 9 Índice Nota introdutória... 3 Objetivos Gerais... 4 Estratégias de intervenção... 5 Organização... 6 Procedimentos

Leia mais

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO

APOIO AO ESTUDO 1º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/ INTRODUÇÃO APOIO AO ESTUDO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO LINHAS ORIENTADORAS 2015/20164 1º CICLO 1. INTRODUÇÃO O despacho normativo nº7/2013 tem como objetivo conceder maior flexibilidade na constituição das

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ AFONSO Resumo da proposta final Documento para análise PROJETO EDUCATIVO Análise na matriz SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats) pontos fortes/pontos fracos/

Leia mais

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017

Avaliação Interna. Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Avaliação Interna Agrupamento de Escolas de Briteiros 2013/ 2017 Apresentação da Equipa Agradecemos a todos os Alunos, Assistentes Operacionais Administrativos, Docentes, Pais e Encarregados de Educação,

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA

PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Escola Secundária/3 de Almeida Garrett PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA Analisar o Passado, compreender o Presente para antecipar o Futuro 2014-2016 Índice 1. Introdução... 3 2. Estrutura do Plano de Ações de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU

PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU 2015-2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO EUROPEU AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRIFANA, SANTA MARIA DA FEIRA 2015-2017 Aprovado

Leia mais

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso

APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso Plano Plurianual de Melhoria APRENDIZAGEM, EDUCAÇÃO e CIDADANIA Um Caminho de Sucesso 1 18 de setembro de 2015 26 de abril de 2013 Organização do Agrupamento de Escolas da Caparica - AEC Secundária do

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Autoavaliação Interna 2014/17 PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas de Celeirós Equipa de Auto Interna 2014/17 Introdução O presente Plano de Melhoria resulta, em grande parte, das reflexões retiradas da leitura atenta do Relatório

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato

PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017. Psicólogas do Externato 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO 2016/2017 Psicólogas do Externato Pré-Escolar Vera Almeida 1º Ciclo Vera Almeida 2º Ciclo Manuela Pires 3º Ciclo Irene Cardoso Ensino Secundário

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2017/2018

PLANO DE MELHORIA 2017/2018 PLANO DE MELHORIA 2017/2018 Aprovado em reunião de Conselho Pedagógico a 19 de julho de 2017 INTRODUÇÃO No sentido de se promover um processo de melhoria constante, foi aprovado pelo Conselho Pedagógico

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOURINHÃ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOURINHÃ 2016-2020 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LOURINHÃ [PLANO DE MELHORIA] Introdução Na sequência da avaliação externa de que o Agrupamento de Escolas da Lourinhã foi objeto entre 23 e 26 de novembro de 2015, e

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas D. Sancho I PLANO DE MELHORIA 2016-2018 Elaborado nos termos previstos na Recomendação nº 1/2011 da IGEC Áreas de melhoria apontadas na Externa concluída em 20/01/2016. Uma escola

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO. Plano Plurianual de Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Plano Plurianual de Atividades 2014/2017 0 Índice Índice... 1 Introdução... 2 DIMENSÃO PEDAGÓGICA... 3 DIMENSÃO CÍVICA... 7 DIMENSÃO ESCOLA, FAMÍLIA, COMUNIDADE... 9 DIMENSÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA. Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO - MOITA Grupo Disciplinar de Matemática PLANO DE MELHORIA DOS RESULTADOS ESCOLARES DOS ALUNOS ANOS LETIVOS: 2014/2015 A 2017-2018 Coordenadora do plano: Maria José

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA Plano de Melhoria PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO. (Contributo da Equipa de Autoavaliação)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA Plano de Melhoria PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO. (Contributo da Equipa de Autoavaliação) PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO (Contributo da Equipa de Autoavaliação) julho de 2016 Índice Página Introdução 2 Onde estamos / Para onde vamos 4 Como vamos fazer - Organigrama 5 Caraterização das medidas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO

Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de Rio Tinto AVERT PLANO DE MELHORIA DO AGRUPAMENTO 1 Introdução Um Plano de Melhoria é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho académico dos alunos e a qualidade

Leia mais

PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/2017

PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Agrupamento de Escolas Martim de Freitas PLANO DE MELHORIA ANO LETIVO 2016/ 7 INDÍCE 1. - Introdução 3 2. - Contextualização 4 3. Áreas e Ações de Melhoria 6

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017

I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017 I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017 Compromisso com a União Europeia metas sucesso escolar 4 anos reduzir insucesso escolar para metade Compromisso com a União Europeia metas sucesso

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fragoso 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fragoso

Leia mais

PLANO DE MELHORIA JULHO DE 2014

PLANO DE MELHORIA JULHO DE 2014 PLANO DE MELHORIA JULHO DE 2014 PLANO DE MELHORIA Introdução Na nossa opinião, e numa perspetiva sistémica, a Autovaliação da Escola comporta três eixos fundamentais: a cooperação/trabalho colaborativo,

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Damaia Plano de Formação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA DAMAIA

Agrupamento de Escolas da Damaia Plano de Formação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA DAMAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA DAMAIA PLANO DE FORMAÇÃO 2016-2017 Índice I Introdução...3 II- Princípios Orientadores... 3 III- Necessidades de Formação do Pessoal Docente e não Docente...... 4 IV -Plano de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA

PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO GONÇALO PLANO DE AÇÃO DE MELHORIA BIÉNIO 2015-2017 SETEMBRO DE 2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CRONOGRAMA DO PLANO... 4 3. AÇÕES DE MELHORIA... 5 3.1. COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL...

Leia mais

Escola Secundária de Cacilhas Tejo

Escola Secundária de Cacilhas Tejo Escola Secundária de Cacilhas Tejo Plano de Melhoria 2013-2014 1. Introdução PLANO DE MELHORIA O presente Plano de Melhoria resulta da articulação entre o relatório da Avaliação Externa da Inspeção-Geral

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO: PLANO DE FORMAÇÃO A PLATAFORMA FITESCOLA COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E NO DESPORTO ESCOLAR RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA AÇÃO:

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira

PLANO DE MELHORIA. Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira PLANO DE MELHORIA Agrupamento de Escolas Henriques Nogueira ENQUADRAMENTO Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Projeto Educativo (Anexo3) 2016-2019 Anexo 3 (Plano de Ação Estratégica) (PNPSE) 1 Introdução O Projeto Educativo do AEVH define como uma das principais áreas de

Leia mais

Plano de Melhoria para 2015/2016

Plano de Melhoria para 2015/2016 Plano de Melhoria para 2015/2016 Ano letivo de 2015/2016 Preâmbulo justificativo O recebeu, de 17 a 20 de novembro de 2014, a visita da equipa de avaliação externa (constituída no âmbito da Área Territorial

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO

2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2015 PLANO DE FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. S DE FORMAÇÃO 4.1. PESSOAL DOCENTE 4.2. PESSOAL NÃO DOCENTE ASSISTENTES ADMINISTRATIVOS 4.3. PESSOAL NÃO

Leia mais

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA PLANO DE MELHORIAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA ABRIL DE 2016 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 4 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº1... 6 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº2... 8 FICHA DE AÇÃO DE MELHORIA Nº3... 9 FICHA

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC

Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova. Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC Agrupamento de Escolas de S. Pedro da Cova Documento apresentado no âmbito da Avaliação Externa efetuada pela IGEC 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Áreas de Melhoria sugeridas no relatório

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PLANO DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR PLANO DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR Reestruturado para 2017/2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL EANES - Código 145427 NIPC 600084175 PNPSE Plano de Ação Estratégica reformulado para 2017/2018 O presente Plano

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE CERVEIRA Plano de Melhoria Avaliação Externa de Escolas 2012-2013 Índice I. Resumo... 2 Objetivo Introdução Ponto de partida II. Áreas de intervenção... 4 A1 - O

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017

PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Agrupamento de Escolas Vasco Santana Código 171840 PLANO DE FORMAÇÃO 2014/2017 Aprovado em conselho pedagógico de 22 de janeiro 2015. Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 3 PÚBLICO-ALVO... 3 OBJETIVOS GERAIS...

Leia mais

Escola Básica Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão, Caxarias, Ourém Escolas do Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão, Ourém

Escola Básica Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão, Caxarias, Ourém Escolas do Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão, Ourém Crescer a Ler e Ler para Crescer 1.º ano, 2.º ano, Défice ao nível da leitura e da escrita no 1º ciclo que se reflete ao longo da escolaridade Ata de Reunião de Articulação Pré-escolar e 1º ciclo nº2 de

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016

AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 AUTOAVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES (AvAEFS) ANO LETIVO 2015/2016 I - Enquadramento legal Definição do âmbito da Autoavaliação do AEFS Decreto-Lei n.º 137/2012 de 2 de julho (alteração

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar

Avaliação da biblioteca escolar Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 B. Leitura e literacia Avaliação 4 2011 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA PLANO DE MELHORIA Cuba Julho de 2012 1- Introdução A avaliação é um procedimento que permite à organização que o implementa modelar a sua identidade, analisar os pontos fortes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho normativo n.º 13/2014 15 de setembro de 2014 Artigo 1.º Objeto avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Área de intervenção Resultados escolares: promoção do sucesso e da excelência Objetivos Metas Atividades Indicadores Situação inicial Atingir em 95% os Elaboração dos PDI segundo Cumprimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015

PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 PLANO DE MELHORIA Ano Letivo de 2014/2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 ÁREA A - RESULTADOS... 4 EIXO 1 APOIO À MELHORIA DAS APRENDIZAGENS... 4 EIXO 2 PREVENÇÃO DO ABANDONO, ABSENTISMO E INDISCIPLINA... 5 EIXO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA

PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA 2016 PLANO DE MELHORIA DA ESCOLA Agrupamento de Escolas do Crato Importa que a avaliação externa das escolas seja um processo útil para o desenvolvimento e a melhoria de cada escola. Para tal, cuidar da

Leia mais

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ANO LETIVO

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALONGO DO VOUGA ÍNDICE ENQUADRAMENTO DO PLANO DE FORMAÇÃO... 4 OBJETIVOS GERAIS:... 6 PROPOSTAS E NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES.... 7 Departamento Curricular

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA

Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA Escola Secundária de Emídio Navarro Viseu PLANO DE MELHORIA 1 PLANO DE MELHORIA Melhoria. Da avaliação externa a que a escola foi submetida nos dias 7 e 8 de Março de 2012, resulta a obrigatoriedade de

Leia mais