Recém-nascido de termo com baixo peso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recém-nascido de termo com baixo peso"

Transcrição

1 Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela Neves 2, Joana Félix 3, Aires Pereira 4, Pedro Tiago Silva 5 1. Interna de Formação Específica de Pediatria, ULSM 2. Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar, ULSM 3. Interna de Formação Específica de Ginecologia e Obstetrícia, ULSM 4. Especialista de Pediatria, ULSM 5. Especialista de Obstetrícia e Ginecologia, ULSM

2 OBJETIVOS Determinar a proporção de recém-nascidos (RN) de termo ( 37sem), com baixo peso ao nascimento (<2500g) entre 1/1/2012 e 31/12/2013, nascidos no Hospital Pedro Hispano (H.P.H). Comparar a percentagem da ULSM com o valor contratualizado para 2012 e 2013 pela ARS norte. Se a percentagem da ULSM for significativamente superior ao valor proposto, tentar identificar as causas e possíveis medidas de prevenção.

3 ÍNDICE Revisão teórica - Fatores de risco - Comorbilidades Estudo retrospetivo do HPH

4 Revisão teórica

5 De acordo com a Pan American Health Organization (PAHO), a saúde, o crescimento e o desenvolvimento do recém-nascido estão intimamente relacionados com o seu peso ao nascimento. O Baixo Peso ao Nascer (BPN) Processo complexo que depende da interação de vários fatores de origem fetal, materna e placentária. Peso < 2500g (OMS) Preditor da mortalidade e morbilidade infantil Etiologia multifatorial Biológicos Genéticos Sociais Ambientais

6 Fatores de risco 40% da etiologia é desconhecida Fetais Fetais (10-20%) Placentares (30-35%) Maternos (5-10%) Anomalias cromossómicas (trissomia 13, trissomia 18 e outras aneuploidias) Infecções congénitas (Grupo TORCH) Malformações fetais (malformações cardiovasculares, anencefalia). Maternos Placentares Placenta prévia Microenfartes placentares Idade Escolaridade Nível sócio-económico Assistência pré-natal Ganho ponderal História de filho RNBP HTA, DGestacional Tabagismo

7 Maternos IDADE < 20 anos e > 35 anos ESCOLARIDADE/ NÍVEL SÓCIO-ECONÓMICO Baixa ASSISTÊNCIA escolaridade PRÉ-NATAL GANHO Menos PONDERAL REDUZIDO informadas OUTROS Menor acesso ao serviço de Saúde Hipertensão arterial Diabetes Má nutrição Gestacional Tabagismo Multíparas ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL GANHO PONDERAL REDUZIDO

8 Comorbilidades Poucos estudos Dificuldades na amamentação Hipoglicemia Icterícia Neonatal Perda ponderal Alterações na padrão de crescimento

9 Estudo

10 Pergunta da investigação Qual a casuística de recém-nascidos de termo com baixo peso ao nascimento no Hospital Pedro Hispano? Objetivos Descrever a casuística de recém-nascidos de termo com baixo peso ao nascimento no Hospital Pedro Hispano nos anos de 2012 e 2013; Descrever os fatores de risco presentes nas mães de recém-nascidos de termo com baixo peso ao nascimento; Avaliar a existência de associação entre a casuística de recém-nascidos de termo com baixo peso ao nascimento e os diferentes fatores de risco; Comparar a casuística do HPH de recém-nascidos de termo com baixo peso ao nascer com os indicadores regionais contratualizados.

11 Critérios de inclusão Nascidos no HPH Nascidos 1/1/ /12/2013 Gestação com duração 37 semanas Peso < 2500 g Tipo de estudo/ Metodologia Estudo retrospetivo, do tipo observacional e descritivo Consulta dos processos clínico dos RN e das respetivas mães A análise dos dados foi efetuada no SPSS

12 AMOSTRA nados-vivos 1333 RN de termo 55 RNBP nados-vivos 1258 RN de termo 44 RNBP

13 Valor de contratualização 2012

14 Indicador: nº RNBP/ nº RN termo x 100

15 Valor de contratualização 2012

16

17 nascimentos 1333 RN termo 55 RNBP Indicador HPH 55/ 1333 x 100 = 4,12% 849 RN termo 29 RNBP Indicador (RN nascidos no HPH pertencentes a concelho Matosinhos) 29/ 849 x 100 = 3,4% Base de dados 2,15% ARS Norte e ACSS

18 Valor de contratualização 2013

19 Valor de contratualização 2013

20 Valor de contratualização 2013

21 nascimentos 1258 RN termo 44 RNBP Indicador HPH 44/ 1258 x 100 = 3,48% 759 RN termo 25 RNBP Indicador (RN nascidos no HPH pertencentes a concelho Matosinhos) 25/ 759 x 100 = 3,2% 2,8% ACSS Base de dados 3,2% ARS Norte

22 ERROS DE CODIFICAÇÃO

23

24 DURANTE A GESTAÇÃO Assistência Serologias Pré - Natal 100% das gestações foram vigiadas, embora nem todas na ULSM

25 Ecografias DURANTE A GESTAÇÃO

26 GESTAÇÃO Idade gestacional Min Máx Média Semanas + dias dias > 90% RNBP mais comum com IG mais baixa; 90% < 39 semanas Porquê? TP espontâneo? TP induzido?

27 GRÁVIDA Idade materna Idade Min Máx Média Anos ,21 > 20,8%

28 GRÁVIDA Paridade As multíparas têm maior risco de baixo peso ao nascimento, principalmente se tem história de baixo peso anterior. História de RNBP? Intervalos entre partos?

29 GRÁVIDA Escolaridade / Nível socioeconómico

30 GRÁVIDA Ganho ponderal Peso Min Máx Média Kg ,7 Não foi possível colher este dado em 35% das grávidas

31 INTERCORRÊNCIAS DURANTE A GESTAÇÃO Comorbilidades maternas

32 INTERCORRÊNCIAS DURANTE A GESTAÇÃO Comorbilidades maternas

33 RECÉM-NASCIDO < 2500g Sexo Peso Peso Min Máx Média gramas ,68

34 APGAR RECÉM-NASCIDO < 2500g Apesar de apresentarem baixo peso ao nascimento, tem bom índice de APGAR.

35 RECÉM-NASCIDO < 2500g - Comorbilidades

36 RECÉM-NASCIDO < 2500g - Comorbilidades

37 RECÉM-NASCIDO < 2500g - Comorbilidades Transferência para UCIN

38 RECÉM-NASCIDO < 2500g - Orientação

39 Considerações finais: Melhorara codificação; A ULSM/ HPH tem uma elevada percentagem de RN de termo com baixo peso ao nascimento, apesar de 100% apresentar assistência pré natal; A prevenção primária éfundamental (HTA, D. Gestacional, Tabagismo); Aprimorar o acesso àconsulta préconcepcional; Os RN apresentavam boa adpatação àvida extra uterina, sendo o risco infecioso e a icterícia neonatal as principais comorbilidades, e a sépsis neonatal e as dificuldades alimentares os principais motivos de admissão na UCIN. Apenas 68% dos RN foram acompanhados na CE, sendo fundamental aprimorar esta conduta

40 Estudo prospetivo RN termo com baixo peso, pertencentes ao concelho de Matosinhos, nascidos entre 1/1/ /12/2014 Nascidos em Hospitais Públicos Determinar a proporção de RN de termo, com baixo peso ao nascimento, pertencentes ao concelho de Matosinhos, nascidos em 2014 Comparar a percentagem da ULSM com o valor contratualizado 2014 pela ARS norte Meta 2,4% Se a percentagem da ULSM for significativamente superior ao valor proposto, tentar identificar as causas e possíveis medidas de prevenção.

41 BIBLIOGRAFIA 1. Sclowitz IKT, Santos IS. Fatores de risco na recorrência do baixo peso ao nascer, restrição de crescimento intra-uterino e nascimento pré-termo em sucessivas gestações: um estudo de revisão. Cad Saúde Pública 2006; 22(6): Zambonato AMK, Pinheiro RT, Horta BL, Tomasi E. Fatores de risco para nascimento de crianças pequenas para idade gestacional. Rev Saúde Pública 2004; 38(1): Millar WJ, Chen J. Maternal education and risk factors for small for gestational age births. Health Rep 1998; 10(2): Sophie H Eickmann, et al. Crescimento de nascidos de termo com peso baixo e adequado nos dois primeiros anos de vida. Rev Saúde Pública 2006; 40 (6): Dogra VS, Bhatt S. Intrauterine growth retardation. Disponível em: Acesso em Março de Daikoku, N. H. et al. Patterns of intrauterine growth retardation. Obstet. Gynec., 54: 211-9, Kramer MS. Determinants of low birth weight: methodological assessment and meta-analysis. Bull World Health Organ 1987; 65:

42 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO!

43 Reunião de Obstetrícia e Neonatologia Abril 2014 Recém-nascido de termo com baixo peso Departamento da Mulher, da Criança e do Jovem Unidade Local de Saúde de Matosinhos - ULSM Andreia A. Martins 1, Ângela Neves 2, Joana Félix 3, Aires Pereira 4, Pedro Tiago Silva 5 1. Interna de Formação Específica de Pediatria, ULSM 2. Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar, ULSM 3. Interna de Formação Específica de Ginecologia e Obstetrícia, ULSM 4. Especialista de Pediatria, ULSM 5. Especialista de Obstetricia e Ginecologia, ULSM

Fatores de risco para baixo peso ao nascer: um estudo de caso-controle. Risk factors for low birth weight: a case-control study.

Fatores de risco para baixo peso ao nascer: um estudo de caso-controle. Risk factors for low birth weight: a case-control study. 0004-2773/10/39-03/63 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 3, de 2010 63 Risk factors for low birth weight: a case-control study. Débora Lins Franciotti 1,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NOS ESF DO MUNICÍPIO DE SÃO LUDGERO NO ANO DE 2007 Morgana Prá 1 Maria Helena Marin 2 RESUMO Vários fatores influenciam no progresso e no resultado

Leia mais

UCF COVA DA BEIRA 25º

UCF COVA DA BEIRA 25º UCF COVA DA BEIRA 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 junho 2015 Comissão Regional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente ARS Centro Identificação e Composição Identificação e Composição ACES

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES

APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES APLICAÇÃO DE UMA CURVA DE GANHO DE PESO PARA GESTANTES Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Cyro Ciari Junior * Iara Lucia Brayner Mattos * Keiko Ogura Buralli * Malaquias Baptista Filho ** Néia Schor*

Leia mais

Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações. Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA

Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações. Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA Como Conduzir o Recém- Nascido com Malformações Sessão Clínica da Pediatria Angelina Acosta - FAMEB/UFBA Dismorfologia Anomalias Dismórficas Qualquer parte do corpo gravidade variável heterogeneidade etiológica

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE Morte Fetal. Indicadores de Saúde. Assistência Perinatal. Epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco

Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Proposta de Programa de Follow up de Recém- Nascidos de Risco Ana Sofia Branco, Margarida Silva 14 de Setembro de 2015 Centro de Desenvolvimento Infan@l Diferenças Introdução O avanço da medicina e a melhoria

Leia mais

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs

UCF da ULS de Castelo Branco. 25º aniversário das UCFs UCF da ULS de Castelo Branco 25º aniversário das UCFs Coimbra, 19 de junho de 2015 Área geográfica da ULS COMPOSIÇÃO Coordenador - Dr. Carlos Rodrigues Vertente Materna e Neonatal Vertente Criança e Adolescente

Leia mais

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Tanto as patologias como as anomalias que têm origem no período perinatal estão classificadas no capítulo 15 da CID-9-MC e categorias 760 779. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo

REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC Resumo REGISTO NACIONAL DE AN MALIAS CONGÉNITAS O RENAC 2-21 Resumo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP Lisboa, 28 de novembro de 214 O REGISTO NACIONAL DE ANOMALIAS CONGÉNITAS MATERIAIS E MÉTODOS

Leia mais

Gravidez após os 40 Anos

Gravidez após os 40 Anos Gravidez após os 40 Anos Helena Gonçalves Serviço de Obstetrícia MDM / CHUC PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 Gravidez após os 40

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS RELATÓRIO ANUAL 2011 2 RELATÓRIO ANUAL 2011... 1 INTRODUÇÃO... 3 Informações Referentes ao Pré-Natal... 4 Quadro 1 Dados maternos... 4 Quadro 2 - Corticóide Antenatal...

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA

A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA A UTILIZAÇÃO DE UMA CURVA PONDERAL DE GESTANTES NORMAIS NO DIAGNÓSTICO DE DESNUTRIÇÃO INTRA-UTERINA Arnaldo Augusto Franco de Siqueira * Ana Cristina d'andretta Tanaka * Cyro Ciari Júnior * Pedro Augusto

Leia mais

NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA *

NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA * NÍVEL SÓCIO-ECONÔMICO COMO UMA VARIÁVEL GERADORA DE ERRO EM ESTUDOS DE ETNIA * A. D. Passos ** J. C. Cardoso * J. E. Paz** E. E. Castilla*** RSPUB9/402 PASSOS, A. D. et al. Nível sócio-econômico como uma

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ANALISE DAS INFORMAÇÕES E QUALIDADE DAS FICHAS DE INVESTIGAÇÃO DE ÓBITOS INFANTIS DA 15ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ Jéssica Teixeira Lourenço 1 Vivianne Peters da

Leia mais

TRÊS ANOS DO PROGRAMA DE HIPOTERMIA INDUZIDA DA UCIN DO HOSPITAL DE SANTA MARIA

TRÊS ANOS DO PROGRAMA DE HIPOTERMIA INDUZIDA DA UCIN DO HOSPITAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE PEDIATRIA TRÊS ANOS DO PROGRAMA DE HIPOTERMIA INDUZIDA DA UCIN DO HOSPITAL DE SANTA MARIA Lia Oliveira, Cláudia Gomes, Catarina Gomes, Isabel Sampaio,

Leia mais

PESO AO NASCER DE FILHOS DE UM GRUPO DE MULHERES NORMAIS

PESO AO NASCER DE FILHOS DE UM GRUPO DE MULHERES NORMAIS PESO AO NASCER DE FILHOS DE UM GRUPO DE MULHERES NORMAIS Ana Cristina d'andretta Tanaka * Arnaldo Augusto Franco de Siqueira Augusta Thereza de Alvarenga * Pedro Augusto Marcondes de Almeida * Cyro Ciari

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE

ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE ALEITAMENTO MATERNO DO PREMATURO EM UMA UNIDADE NEONATAL DA REGIÃO NORDESTE Tatiane Patrícia da Silva 1 ; Maria Gorete Lucena de Vasconcelos 2 1 Estudante do Curso de Enfermagem- CCS UFPE; E-mail: tatianne_ps@hotmail.com,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA

ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA ANÁLISE DA MORTALIDADE DE NEONATOS EM UMA UTI NEONATAL DE UM HOSPITAL DO VALE DO PARAÍBA SOUZA, Luciana Santana de¹; CARVALHO, Maria das Neves de Oliveira¹; MARTINS, Selma de Oliveira¹; LANCIA, Maria da

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 DIÁRIO OFICIAL DO MUNICIPIO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMS Nº 1257 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007 Institui o Sistema Municipal de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS*

ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS* ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS* ALYNE PEREIRA MACEDO, MARIA GROSSI MACHADO Resumo: o objetivo foi diagnosticar o estado nutricional e verificar a associação

Leia mais

Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos

Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos Cesáreas eletivas: Iniqüidades sociais e efeitos adversos Maria do Carmo Leal VicePresidente de Ensino, Informação e Comunicação Fundação Oswaldo Cruz setembro/2008 Taxas de cesárea em vários países FONTE:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO GESTACIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA Dra. Cássia Elena Soares Fluxograma de Pré-Natal Mulher com suspeita de gravidez Atraso menstrual Náusea Suspensão ou irregularidade do uso do contraceptivo

Leia mais

Rastreio Pré-Natal na Região Norte

Rastreio Pré-Natal na Região Norte REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS Rastreio Pré-Natal na Região Norte Oferta do rastreio - Análise da situação Maria do Céu Rodrigues Comissão Técnica Regional de Diagnóstico Pré-Natal

Leia mais

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA

RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA RELATO DE MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS DETECTADAS NO PRÉ NATAL DE GESTANTES EM ACOMPANHAMENTO NO HC DE GOIÂNIA BARBOSA, Raul Carlos i ; SANTOS Natália Mirelle Carrijo ii ; VELÁSQUEZ, Paola Castillo iii ; AMARAL,

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil

Programa Analítico de Disciplina NUR320 Nutrição Materno-Infantil 0 Programa Analítico de Disciplina Campus Rio Paranaíba - Campus Rio Paranaíba Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3 1 4 Períodos - oferecimento:

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO

FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO FATORES DE RISCO PARA TRABALHO DE PARTO PREMATURO EM PALMAS-TO Anna Paula Soares Carvalho¹, Monielle Guerra Justino², Danielle Rosa Evangelista³, Tiago Barreto de Castro e Silva4 ¹Aluna do Curso de Enfermagem;

Leia mais

Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal

Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal Agenda de pesquisa em Saúde Materna e Perinatal Contexto da saúde no Brasil Transição demográfica Transição epidemiológica Transição nutricional Transição obstétrica Transição demográfica Transição epidemiológica

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização

NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização NASCER PREMATURO EM PORTUGAL Epidemiologia. Organização Em 2005 nasceram em Portugal 109 399 nados vivos, dos quais 6,6 % (7260) foram prematuros (idade gestacional abaixo das 37 semanas), 7,5% (8200)

Leia mais

Serologias antes e durante a Gravidez:

Serologias antes e durante a Gravidez: Serologias antes e durante a Gravidez: Quais Quando Porquê Ana Luísa Areia, Serviço de Obstetrícia A MDM / CHUC PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro

Leia mais

Prevalência de recém-nascidos pequenos para idade gestacional e fatores associados

Prevalência de recém-nascidos pequenos para idade gestacional e fatores associados 2238-0450/15/04-01/17 Copyright by Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul Artigo Original Prevalência de recém-nascidos pequenos para idade gestacional e fatores associados Prevalence of small-for-gestational-age

Leia mais

[CRSMCA] Proposta para 2013

[CRSMCA] Proposta para 2013 UCF S-CRSMCA-ARS CENTRO PLANO DE ACÇÃO PARA AS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS Comissão Regional da Saúde da Mulher Criança e Adolescente [CRSMCA] Proposta para 2013 [As Unidades Coordenadoras Funcionais

Leia mais

GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA

GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA GABRIELA CORREIA DE SANTANA TAÍZE SANTOS SOUSA CAROLINA PRDROZA DE CARVALHO GARCIA FATORES DETERMINANTES PARA O PARTO PREMATURO SALVADOR 2016 RESUMO: Segundo o Ministério da Saúde 2010, dentre os fatores

Leia mais

Do hospital ao domicílio. Rosalina Barroso, Helena Cristina Loureiro, Sónia Semião

Do hospital ao domicílio. Rosalina Barroso, Helena Cristina Loureiro, Sónia Semião Do hospital ao domicílio Rosalina Barroso, Helena Cristina Loureiro, Sónia Semião Enquadramento: Hospital Fernando Fonseca, 2006: 1. famílias socio-economicamente mais carenciadas 2. 32 nacionalidades

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

INFLUÊNCIA DA CONDUTA DO PEDIATRA NO COMPORTAMENTO DE AMAMENTAR NOS PRIMEIROS SEIS MESES DE VIDA ESTUDO TRANSVERSAL EM UM MUNICÍPIO DO ESTADO DE GOIÁS

INFLUÊNCIA DA CONDUTA DO PEDIATRA NO COMPORTAMENTO DE AMAMENTAR NOS PRIMEIROS SEIS MESES DE VIDA ESTUDO TRANSVERSAL EM UM MUNICÍPIO DO ESTADO DE GOIÁS INFLUÊNCIA DA CONDUTA DO PEDIATRA NO COMPORTAMENTO DE AMAMENTAR NOS PRIMEIROS SEIS MESES DE VIDA ESTUDO TRANSVERSAL EM UM MUNICÍPIO DO ESTADO DE GOIÁS Sandra Valéria Martins Pereira Marcela de Andrade

Leia mais

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO

O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Karina Cristina Sousa Macedo Michelle Rigamonte Bulk Alves Selma Aparecida Cardoso O PROCESSO DO ALEITAMENTO MATERNO EM RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO Bragança Paulista 2007 Karina Cristina Sousa Macedo Michelle

Leia mais

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva Rede Cegonha PORTARIA No- 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha Com objetivo de assegurar: APRESENTAÇÃO - Organizar a Rede de Atenção à Saúde

Leia mais

Determinantes da inserção precoce no trabalho

Determinantes da inserção precoce no trabalho Determinantes da inserção precoce no trabalho Anaclaudia Gastal Fassa David Wegman Rebecca Gore Financiamento CNPq Introdução Há grande consenso de que o nível econômico é um importante determinante da

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DA REGIÃO NORTE CRSMCA. 29 de maio de 2015

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DA REGIÃO NORTE CRSMCA. 29 de maio de 2015 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DA REGIÃO NORTE CRSMCA 29 de maio de 2015 Dr. Rui Cernadas Vice-Presidente do Conselho Diretivo da ARSN, IP Presidente da CRSMCA Dr.ª Constantina

Leia mais

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis

Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis Características da gestante adolescente em estudo prospectivo de 4 anos: realidade em Teresópolis VASCONCELOS, Marcos. Docente do curso de graduação em Medicina. SOUZA, Nathalia Vital. Discente do curso

Leia mais

Assistência ao recémnascido. Prof. Luiza Pineda

Assistência ao recémnascido. Prof. Luiza Pineda Assistência ao recémnascido Prof. Luiza Pineda Ao nascimento: - RN é a termo; - Está respirando ou chorando; - Tônus muscular em flexão; - Sem presença de líquido amniótico; - Boa vitalidade - Não necessita

Leia mais

Herança multifatorial

Herança multifatorial Introdução Herança multifatorial Conceito Fundamentos básicos da herança multifatorial Modelo básico Distribuição normal sino 1 Exemplos de características multifatoriais O modelo de limiar Normais Altura

Leia mais

Revista Paulista de Pediatria ISSN: Sociedade de Pediatria de São Paulo Brasil

Revista Paulista de Pediatria ISSN: Sociedade de Pediatria de São Paulo Brasil Revista Paulista de Pediatria ISSN: 0103-0582 rpp@spsp.org.br Sociedade de Pediatria de São Paulo Brasil de Carvalho Brito, Maurício; Juliano, Yara; Ferreira Novo, Neil; Sigulem, Dirce Maria; Cury, Maria

Leia mais

Revista de Saúde Pública

Revista de Saúde Pública Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 32 NÚMERO 3 JUNHO 1998 p. 217-24 Revista de Saúde Pública 32 J O U R N A L O F P U B L I C H E A L T H Pequenos para idade gestacional: fator

Leia mais

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA

ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA ANEXO 1 ALGUNS INDICADORES MAIS UTILIZADOS EM SAÚDE PÚBLICA QUALIFICAÇÃO E MÉTODO DE CÁLCULO DE INDICADORES BÁSICOS BRASIL 1 1. Propostos pela Secretaria Técnica do Grupo de Trabalho MS/OPAS IBGE, USP,

Leia mais

Microcefalia na atenção básica

Microcefalia na atenção básica Microcefalia na atenção básica Enfoque da Medicina Fetal Dra. Jamile Simas Abi Saab MICROCEFALIA NA ATENÇÃO BÁSICA Microcefalia: malformação congênita em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada.

Leia mais

Glossário. Formas alternativas de um gene no mesmo locus (posição no cromossoma). Uma pessoa herda um alelo do pai e outro alelo da mãe

Glossário. Formas alternativas de um gene no mesmo locus (posição no cromossoma). Uma pessoa herda um alelo do pai e outro alelo da mãe Glossário aborto espontâneo aconselhamento genético alelos aneuploidia anomalia cromossómica autossómico recessivo BRCA cariótipo caso índice citogeneticista Perda gestacional de um feto não viável antes

Leia mais

5.1 CONDIÇÕES SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS MATERNAS

5.1 CONDIÇÕES SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS MATERNAS 5 RESULTADOS Os resultados serão apresentados primeiramente através da caracterização do perfil da população estudada, mostrando a importância dos diversos fatores que interferem nas condições de nascimento

Leia mais

Título do Trabalho: Relação entre Tipo de Parto e Complicações Maternas nos Indicadores Neurocomportamentais de Recém-Nascidos Pré-Termo

Título do Trabalho: Relação entre Tipo de Parto e Complicações Maternas nos Indicadores Neurocomportamentais de Recém-Nascidos Pré-Termo Introdução Os avanços da perinatologia nos últimos anos trouxeram uma significativa redução nos índices de morbi-mortalidade de bebês prematuros. (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2012). A queda desses índices

Leia mais

Introdução Descrição da condição

Introdução Descrição da condição Introdução Descrição da condição Diabetes mellitus: desordem metabólica resultante de defeito na secreção e\ou ação do hormônio insulina. Consequência primária: hiperglicemia. Crônica: diagnóstico de diabetes.

Leia mais

Vigilância do RN de Risco

Vigilância do RN de Risco Vigilância do RN de Risco Área Técnica de Saúde da Criança e do Adolescente Objetivo principal: propor e implantar programas e projetos relacionados à melhoria da saúde da criança e do adolescente, conforme

Leia mais

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Alarcão V, Ferreira I, Simões R, Fernandes M, Nicola P 17 de Outubro de 2012 Projeto

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS

REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES COORDENADORAS FUNCIONAIS Rastreio Pré-Natal na Região Norte Equidade do acesso ao rastreio Comissão Técnica Regional de Diagnóstico Pré-Natal 26/02/2014 REUNIÃO MAGNA DAS UNIDADES

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 Enf. Ângela Neves Enf. Graça Santos Elementos UCF s Saúde Materna e Neonatal OBJECTIVO Uniformizar

Leia mais

INFORME TÉCNICO 01 VIGILÂNCIA DAS MICROCEFALIA RELACIONADAS À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA

INFORME TÉCNICO 01 VIGILÂNCIA DAS MICROCEFALIA RELACIONADAS À INFECÇÃO PELO VÍRUS ZIKA 1 Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Instituto Adolfo Lutz INFORME TÉCNICO 01 VIGILÂNCIA DAS MICROCEFALIA RELACIONADAS À INFECÇÃO PELO

Leia mais

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA Juliana Campos Rodovalho 1 ; Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 2 ; Lílian Fernanda

Leia mais

PROTOCOLO DE VIGILÂNCIA DE SAÚDE MATERNA

PROTOCOLO DE VIGILÂNCIA DE SAÚDE MATERNA PROTOCOLO DE VIGILÂNCIA DE SAÚDE MATERNA M. Céu Almeida UCF CHUC PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 1990 Despacho 6/1991 Despacho

Leia mais

Risk factors for repetition of low birth weight, intrauterine growth retardation, and prematurity in subsequent pregnancies: a systematic review

Risk factors for repetition of low birth weight, intrauterine growth retardation, and prematurity in subsequent pregnancies: a systematic review REVISÃO REVIEW 1129 Fatores de risco na recorrência do baixo peso ao nascer, restrição de crescimento intra-uterino e nascimento pré-termo em sucessivas gestações: um estudo de revisão Risk factors for

Leia mais

ALTURA MATERNA E PESO DA CRIANÇA AO NASCER

ALTURA MATERNA E PESO DA CRIANÇA AO NASCER ALTURA MATERNA E PESO DA CRIANÇA AO NASCER Euclides Ayres de Castilho * Arnaldo Augusto Franco de Siqueira ** Cyro Ciari Junior ** Pedro Augusto Marcondes de Almeida ** Augusta Thereza de Alvarenga **

Leia mais

Atualização nos conhecimentos da nutrição em situações específicas. Prematuridade. Tópicos a serem abordados. Avaliação nutricional

Atualização nos conhecimentos da nutrição em situações específicas. Prematuridade. Tópicos a serem abordados. Avaliação nutricional Atualização nos conhecimentos da nutrição em situações específicas Prematuridade Fabíola Isabel Suano de Souza fsuano@gmail.com Tópicos a serem abordados Avaliação nutricional Curvas de crescimento Alimentação

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

TABELA 1. Médias e desvios padrão da média (x±dp) das variáveis clínicas e laboratoriais das mulheres com diabetes gestacional

TABELA 1. Médias e desvios padrão da média (x±dp) das variáveis clínicas e laboratoriais das mulheres com diabetes gestacional FATORES DE RISCO EM MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL ASSISTIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 1. INTRODUÇÃO As mulheres cujas gestações são complicadas por Diabetes Gestacional

Leia mais

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr.

Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto. Edson Borges Jr. Repercuções das TRA na Gestante e no Concepto Edson Borges Jr. 1 http://fertility.com.br/producao-cientifica-2016/ 2 USA: 1% Europa: 3% Dinamarca Finlândia: 6% Brasil: 25 30.000 ciclos FIV/ICSI / ano ~

Leia mais

Genética Clínica História e Exame Físico

Genética Clínica História e Exame Físico 7 o Congresso Nacional de Pediatria Região Norte - Manaus Genética Clínica História e Exame Físico Prof a Dr a Ana Maria Martins UNIFESP-EPM CONCEITOS Ana Maria Martins UNIFESP -EPM DESVIO FENOTÍPICO:

Leia mais

Fatores de risco para nascimento de crianças pequenas para idade gestacional Risk factors for small-for-gestational age births among infants in Brazil

Fatores de risco para nascimento de crianças pequenas para idade gestacional Risk factors for small-for-gestational age births among infants in Brazil 24 Rev Saúde Pública 2004;38(1):24-9 Fatores de risco para nascimento de crianças pequenas para idade gestacional Risk factors for small-for-gestational age births among infants in Brazil Ana Maria Krusser

Leia mais

VI plenário das Unidades Coordenadoras Funcionais

VI plenário das Unidades Coordenadoras Funcionais VI plenário das Unidades Coordenadoras Funcionais UCF da Maternidade Bissaya Barreto Vertente materna e neonatal Coimbra 2013 Unidade Coordenadora Funcional Composição Materno-Neonatal - Dra. Teresa Vicente

Leia mais

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido...

Sumário. 1. Visão geral da enfermagem materna Famílias e comunidades Investigação de saúde do paciente recém nascido... Sumário Parte I Papéis e relacionamentos 1. Visão geral da enfermagem materna...23 O processo de enfermagem...25 Planejamento familiar...26 Gestação na infância ou na adolescência...26 Gestação após os

Leia mais

Complicações da gemelaridade em um hospital universitário

Complicações da gemelaridade em um hospital universitário Costa ARTIGO et al. ORIGINAL Complicações da gemelaridade em um hospital universitário José Geraldo Ramos 1, Sérgio Martins-Costa 1, João Sabino da Cunha Filho 1, Carlos Souza 1, Melissa Castilhos 1, Fabíola

Leia mais

Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro,

Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro, Mortalidade Infantil em uma amostra de Recém-nascidos no Município do Rio de Janeiro, 1999-2001 2001 Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública P Sérgio S Arouca Autores: Ana Paula Esteves

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE

INDICADORES DE MORTALIDADE INDICADORES DE MORTALIDADE Usualmente a análise dos dados de mortalidade na população baseia-se na enumeração total de sua ocorrência e na distribuição pelas características demográficas e epidemiológicas

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel EPIDEMIOLOGIA Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel O QUE É EPIDEMIOLOGIA? Compreende: Estudo dos determinantes de saúdedoença: contribuindo para o avanço no conhecimento etiológico-clínico Análise das

Leia mais

Herança multifatorial

Herança multifatorial Introdução Herança multifatorial Conceito Fundamentos básicos da herança multifatorial Modelo básico Distribuição normal sino 1 Exemplos de características multifatoriais O modelo de limiar Normais Altura

Leia mais

Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão

Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão ISSN-2179-6238 Artigo / Article Maternidade na adolescência: alguns fatores de risco para a mortalidade fetal e infantil em uma maternidade pública de São Luís, Maranhão Maternity in the adolescence: some

Leia mais

Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo, 2000 Prenatal care, low birth weight and prematurity in Brazil, 2000

Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo, 2000 Prenatal care, low birth weight and prematurity in Brazil, 2000 Rev Saúde Pública 2003;37(3):303-10 303 Assistência pré-natal, baixo peso e prematuridade no Estado de São Paulo, 2000 Prenatal care, low birth weight and prematurity in Brazil, 2000 Samuel Kilsztajn,

Leia mais

A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ

A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ 1 A DETECÇÃO DA SEROPOSITIVIDADE PARA O VIH NA GRAVIDEZ Autores: Graça Rocha 1, Lúcia Pinho 2, Luís Marques 2, Marta Brinca 2, Rosa Afonso 2, Paulo Correia 2, Eulália Afonso 2, Isabel Ramos 2. Departamento

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE BAIXO PESO AO NASCER E POLUIÇÃO DO AR RESUMO

RELAÇÃO ENTRE BAIXO PESO AO NASCER E POLUIÇÃO DO AR RESUMO RELAÇÃO ENTRE BAIXO PESO AO NASCER E POLUIÇÃO DO AR RESUMO Sebastião Afonso Viana Macedo Neves 1 Alexander Higuchi 2 Maria Aparecida Buzinari de Oliveira 3 Sandra Márcia Carvalho de Oliveira 4 Introdução:

Leia mais

ESTUDO COMPAROU DADOS DE MAIS DE 1.2 MILHÃO DE CRIANÇAS

ESTUDO COMPAROU DADOS DE MAIS DE 1.2 MILHÃO DE CRIANÇAS Compartilhe conhecimento: Levantamento com mais de 1.2 milhão de crianças correlaciona aumento do peso da mãe a chances maiores de malformações, em especial as cardíacas. Ouça esta matéria! PORTALPED Aumento

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A ATUAÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL COM BEBÊS PREMATUROS Tainá de Oliveira Castelanelli Jáima Pinheiro de Oliveira Instituição de origem dos autores: UNESP Marília/SP Eixo Temático:

Leia mais

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE

REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE REBES REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rebes ARTIGO CIENTÍFICO Fatores predisponentes de baixo peso em recém-nascidos atendidos pela EACS da cidade de Catolé

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI

ÓBITO FETAL DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA DA FMABC DISCIPLINA DE OBSTETRÍCIA PROF. TITULAR: MAURO SANCOVSKI ÓBITO FETAL EDUARDO AUGUSTO BROSCO FAMÁ PROFESSOR AFILIADO DO DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCA E GINECOLOGIA

Leia mais

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha REUNIÃO CNSMCA 27-11-2015 Elsa Rocha Elsa Rocha João Moura Reis Ana Cristina Guerreiro Pediatra Hospital Faro (Presidente) Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, IP Diretora do Departamento de

Leia mais

DESIGUALDADES RACIAIS NA NATALIDADE DE RESIDENTES NO RECIFE,

DESIGUALDADES RACIAIS NA NATALIDADE DE RESIDENTES NO RECIFE, DESIGUALDADES RACIAIS NA NATALIDADE DE RESIDENTES NO RECIFE, 2001-2006 Autores: Terezinha de A. Aquino, Maria José B. Guimarães, Sony M a Santos Instituição: Secretaria de Saúde do Recife Diretoria de

Leia mais

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier

5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO. A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal. Bilhota Xavier 5º COLÓQUIO DE PEDIATRIA do HOSPITAL de FARO A CNSMCA e os Cuidados de Saúde às Crianças em Portugal Bilhota Xavier 1 Constituição Pediatras: 8 (3 área neonatal; 1 genética) Obstetras: 4 Cardiologista

Leia mais

Bolsa de. Objetivos Individuais

Bolsa de. Objetivos Individuais Carreira Especial de Enfermagem Avaliação de Desempenho Biénio 2015 2016 Bolsa de s Individuais Sumário s Individuais de Realização pg. 03 s Individuais de Qualidade pg. 11 s Individuais de Aperfeiçoamento

Leia mais

Prontuário de Pediatria Ambulatorial SOPERJ/SBP

Prontuário de Pediatria Ambulatorial SOPERJ/SBP _ Prontuário de Pediatria Ambulatorial SOPERJ/SBP IDENTIFICAÇÃO Nome: Nat: Prontuário nº Mãe: Nat: Data: / / Pai: Nat: Data de nascimento: Endereço: / / Tel: Domicílio Recado Sexo: F M MOTIVO(S) DA CONSULTA

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

Capítulo 14 ANOMALIAS CONGÉNITAS

Capítulo 14 ANOMALIAS CONGÉNITAS Capítulo 14 ANOMALIAS CONGÉNITAS As anomalias congénitas, patologias anormais presentes no nascimento, estão classificadas no capítulo 14 da CID-9-MC e nas categorias 740 759. LOCALIZAÇÃO DOS TERMOS NO

Leia mais