DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR"

Transcrição

1 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR Guilherme Pedrollo Mazer 1 Raquel Modena 2 Joelcio Eurich 3 Pedro Henrique Eurich Neto 4 Carlos Hugo Rocha 5 RESUMO Nas décadas de 50 e 60 o Brasil passou por um processo de modernização na agricultura que precedeu um enorme impacto social, como o êxodo rural, a concentração fundiária e o empobrecimento dos agricultores familiares. Esteve inserida nesse contexto a Revolução Verde, que ao invés de facilitar a vida do pequeno produtor com os pacotes tecnológicos, favoreceu especialmente o grande agricultor. A agricultura familiar não foi beneficiada pelas políticas de crédito, comerciais e pelas inovações tecnológicas ao longo desse processo de modernização. A universidade deve ter papel fundamental no desenvolvimento da agricultura familiar, gerando, testando e difundindo tecnologias sustentáveis. Em parceria com o Assentamento Guanabara, a equipe do Laboratório de Mecanização Agrícola (Lama) da UEPG organizou um dia de campo para agricultores familiares do Território Caminhos do Tibagi. Com seis apresentações o evento abordou os seguintes temas: produção leiteira em sistema de Pastoreio Racional Voisin (PRV); certificação de produtos orgânicos; importância do milho crioulo na agricultura familiar; produção de sementes crioula com qualidade; apresentação de áreas experimentais de milho crioulo; programas do governo federal (MDA e Conab) para agricultura familiar. Basicamente, o dia de campo apresentou alternativas tecnológicas sustentáveis, que são compatíveis para agricultura familiar devido ao baixo custo de implantação. Além da equipe do Lama, composta por graduandos, recém-formados e professores, as apresentações técnicas contaram com a participação dos assentados, que desempenharam papel importante na difusão da tecnologia, pois eles implantaram e utilizam as tecnologias apresentadas. O dia de campo apresentou grande potencial na difusão de tecnologias para agricultores familiares. PALAVRAS-CHAVE desenvolvimento territorial, comunicação, sustentabilidade 1 Graduando de Agronomia (UEPG), bolsista Fundação Araucária (SETI), 2 Mestranda de Agronomia (UEPG), bolsista Fundação Araucária (SETI), 3 Mestre, bolsista CNPQ, 4 Professor Doutor da Universidade Estadual de Ponta Grossa, 5 Professor Doutor da Universidade Estadual de Ponta Grossa,

2 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 2 Introdução Até a década de 20, o Brasil teve economia fundamentalmente agrária. A partir da década de 30, a sociedade brasileira caminhou num sentido diferente, rumo à urbanização e industrialização, que compartimentalizou à agricultura em dois setores produtivos: um, com milhões de pequenas propriedades em geral na situação de pobreza; e outro, uma minoria de propriedades comerciais, estas oficialmente não enquadradas como familiares (PERES, 2000). Nas décadas de 50 e 60, ocorre um processo de modernização do setor agrário brasileiro, que não só mudou o panorama econômico e tecnológico da agricultura brasileira, como precedeu um enorme impacto social. A produção agrícola que era baseada em práticas rudimentares de produção e na força do trabalho braçal, deu lugar ao uso crescente de fertilizantes sintéticos, agrotóxicos e mecanização agrícola. Essa nova dinâmica do campo ocasionou êxodo rural, concentração fundiária e crescimento desordenado dos grandes centros urbanos. O processo de modernização da produção agrícola não ocorreu de forma espontânea. Paralelamente à Guerra Fria, ao final da Segunda Guerra Mundial, ocorre um crescimento acelerado de empresas químicas e de alimentos, demandando grande quantidade de alimentos industrializados (MÜLLER, 2009). Além disso, o crescimento da população mundial exigia uma maior produção de alimentos. Nesse contexto surgiu a Revolução Verde, que tinha como objetivo principal aumentar rapidamente a produção de cereais primários (arroz e trigo), através do plantio de variedades melhoradas, uso de fertilizantes sintéticos e defensivos químicos. Embora não fosse essencial para a Revolução Verde, a mecanização veio a ter grande importância com o aumento da produtividade e concentração fundiária. No Brasil, os esforços para modernização agrícola convergiram para produtos como a cana-de-açúcar, café e soja (HOFFMAN e KAGEYAMA, 1985). Mesmo com a rápida mudança no setor de produção agrícola, considerando a média brasileira, ainda em 1980 pode-se observar um baixo grau de tecnificação dos estabelecimentos agropecuários, dentre eles: apenas 7% utilizavam tratores; 6% utilizavam arados mecânicos e menos de 2% usavam colhedoras mecânicas. A incorporação do novo padrão tecnológico foi extremamente rápida nas grandes propriedades e para determinados produtos, como a soja e pecuária, mas não teve o mesmo resultado para estabelecimentos de menos de 50 hectares principalmente em relação à mecanização. Os pequenos agricultores tenderam a absorver mais a tecnificação físico-química, com o uso de fertilizantes artificiais e agrotóxicos (SILVA, 2003). Em teoria, os pacotes tecnológicos da Revolução Verde facilitariam o trabalho dos pequenos agricultores e melhoraria a qualidade de vida dos camponeses. Porém, segundo KAGEYAMA (1985), os efeitos da Revolução Verde se deram de maneira contraria, apenas favorecendo os grandes produtores e aumentando a desigualdade social, uma vez que apenas o grande produtor tinha riquezas materiais (terras) suficientes como garantia do crédito necessário para aquisição do pacote tecnológico. Nessa lógica, os pequenos agricultores adquiriam insumos insuficientes para atingir as altas produtividades das variedades melhoradas. Ocorre, então, uma adaptação fundiária ao novo padrão tecnológico, descrita por GERMER (1981), que relata a importação do pacote tecnológico da soja no Paraná, na década de 70, que favorecida por políticas governamentais e de crédito financeiro, visava à exportação de soja e abertura do mercado para empresas multinacionais. O pacote tecnológico da soja não era acessível ao pequeno agricultor. Com a expansão da agricultura brasileira e o aumento participativo da agricultura na economia nacional, na década de 70, o Ministério da Agricultura criou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e a Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMBRATER). A EMBRAPA foi criada com a finalidade de gerar conhecimento técnico ao agricultor brasileiro através da pesquisa agropecuária, que antes era realizada apenas nas universidades de agronomia e pela iniciativa privada. A EMBRATER foi criada para ser responsável pela assistência técnica e extensão rural do país. Além desses órgãos, em 1975 foi criada a EMATER, com a finalidade de transferência de tecnologia agropecuária e gerencial aos produtores rurais brasileiros (SILVA, 2003). Mesmo com a criação de tais órgãos, o agricultor familiar continuou à margem da modernização tecnológica. A introdução de tecnologias na agricultura brasileira, desde seu início, seja por políticas governamentais, ou pela iniciativa privada, tendeu a favorecer um sistema agroindustrial, onde o pequeno produtor não consegue se inserir, seja por dificuldade de acesso ao crédito, desconhecimento e/ou carência de tecnologias compatíveis com sua realidade estrutural e financeira, e/ou seja pela dificuldade na comercialização de produtos a um preço justo. Visto que os pequenos agricultores estiveram desamparados neste modelo de produção imposto pela revolução verde, se fazem necessários esforços por parte do Estado. Promover políticas públicas que favoreçam o pequeno agricultor na aquisição de créditos e comercialização dos seus

3 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 3 produtos, além de direcionamento da pesquisa e da extensão para criar e apresentar alternativas tecnológicas compatíveis com a realidade do camponês são consideradas alternativas. A manutenção e o desenvolvimento da agricultura familiar são essenciais para o desenvolvimento sócio-econômico do país. Analisando os dados do Censo Agropecuário de 2006, o qual registrou que do total de estabelecimentos rurais, (84,4%) deles enquadravam-se como agricultores familiares, porém ocupavam apenas 24,3% do total da área rural, e responderam pela geração de R$ 54 bilhões (38%) do Valor Bruto da Produção (VBP) total, que é de R$ 141 bilhões. Mesmo ocupando apenas 24,3% da área total, a agricultura familiar é responsável pelo emprego de 12,3 milhões das 16,5 milhões de pessoas que se ocupam do trabalho no meio rural, sendo assim, a principal fonte de postos de trabalho neste meio (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA/IBGE, 2006). Em relação à produção de alimentos, a agricultura familiar é responsável pela produção de 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo produzidos no Brasil. Além dos produtos citados anteriormente, a agricultura familiar ainda é essencial na produção de proteínas de origem animal, representando 59%, 58%, 50% e 30% do Produto Interno Bruto (PIB) das cadeias de suínos, leite, aves e bovinos de corte, respectivamente (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO/MDA, 2011). Visando melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem nas regiões mais carentes do Brasil, especialmente no meio rural, foi criado pelo Governo Federal o Programa Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais. Através desse programa a Secretaria de Desenvolvimento Territorial trabalha...apoiando a organização e o fortalecimento institucional dos atores sociais locais na gestão participativa. O objetivo é garantir o atendimento às necessidades básicas da população, bem como para acelerar processos locais e sub regionais que ampliem as oportunidades de geração de renda de forma descentralizada e sustentável, articulados à redes de apoio e cooperação solidária (MDA, 2011). Dentre os territórios contidos no estado do Paraná o Laboratório de Mecanização Agrícola (Lama) da UEPG tem atuado através do Programa estadual Universidade Sem Fronteiras, com projetos diversos na área agrícola, visando o desenvolvimento sustentável no Caminhos do Tibagi, onde se encontra o Assentamento Guanabara. O desenvolvimento de um território está ligado a formação de capital social, para isso é necessário o acesso à terra, ao crédito, a organização e a informação (ABROMOWAY, 1998). A informação é um campo fértil, onde uma universidade pode e deve contribuir. A intervenção no processo de desenvolvimento se dá através da extensão rural, difundindo o conhecimento técnicocientífico entre os produtores. Segundo FREIRE (1983), o principal agente na transferência de tecnologia para os setores produtivos de países em desenvolvimento são os extensionistas rurais, porém, seu trabalho está limitado pela persuasão na comunicação. O agente transformador apresenta somente a substituição de técnicas tradicionais por técnicas modernas, não adaptando ao sistema produtivo a dinâmica local. Buscando extrapolar as experiências bem sucedidas de introdução de novas tecnologias no sistema produtivo do Assentamento Guanabara para a região, organizou-se Dia de Campo, utilizando as próprias áreas de produção do referido assentamento para demonstração. Objetivos Promover a difusão de conhecimento técnico e tecnologias compatíveis ao sistema de produção dos agricultores familiares do Território Caminhos do Tibagi, através de um dia de campo. Metodologia O Dia de Campo Alternativas para Agricultura Familiar ocorreu durante a manhã do dia 19 de março de 2011, no Assentamento Guanabara, localizado no Município de Imbaú, no estado do Paraná. A organização do evento contou com acadêmicos, mestrandos, recém-formados e professores dos cursos de Agronomia e Zootecnia da UEPG, todos vinculados ao Lama, além das famílias do assentamento e representante da COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (Conab) e do MDA. As apresentações foram divididas em seis estações distintas, de modo que as apresentações tiveram duração de 30 minutos e foram realizadas por um apresentador da UEPG e

4 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 4 um agricultor do assentamento. Uma das estações contava com o representante da Conab e MDA e um assentado. As estações abordaram os seguintes temas e dispunham dos seguintes materiais: - Produção leiteira em sistema de Pastoreio Racional Voisin (PRV): utilizou-se um banner e a área de pastagem como demonstração na apresentação; - Orgânicos e sua certificação: utilizaram-se dois banners para apresentação, além de relato de experiências de certificação do Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos; - Importância do milho crioulo na agricultura familiar: utilizou-se o campo de produção de sementes; - Produção de sementes crioula com qualidade: utilizou-se um banner, peneira classificadora de sementes, sementes germinadas e contaminadas por patógenos; - Apresentação de áreas experimentais de milho crioulo: foi utilizada área de experimento com variedades de milho crioulo como referencial, além de croqui de tal área; - Programas do governo federal para agricultura familiar - (MDA e Conab): utilizou um banner e cartazes para apresentação. O público do evento era composto por alunos do Curso Técnico em Agroecologia do Instituto Federal do Paraná, alunos das Casas Familiares Rurais e agricultores familiares do Território Caminhos do Tibagi. Considerações Um dos aspectos presentes na transferência de tecnologias para produtores rurais é a comunicação (FREIRE, 1991). A equipe do Lama vem trabalhando no Território Caminhos do Tibagi há alguns anos, e é comum deparar-se com produtores de baixa escolaridade. Dados de 2000 revelam uma elevada taxa de analfabetismo no meio rural do Território Caminhos do Tibagi, como exemplo, o meio rural do município de Imbaú que apresenta taxa de 25% de analfabetismo (INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E ECONÔMICO/IPARDES, 2007). Dentre as barreiras da comunicação da informação classificadas por WERSIG (1976), citado por FREIRE (1991), a que teve relevância na elaboração do dia de campo foi a barreira terminológica, descrita da seguinte maneira: nem sempre usuários e agentes de informação usam o mesmo código de linguagem no processo de recuperação do conhecimento, podendo ocorrer, especialmente na transferência da informação para o setor produtivo, que a terminologia utilizada dificulte a compreensão da mensagem pelos usuários finais. Os agentes da informação (apresentadores) nesse caso são oriundos de uma vivência diferente dos usuários finais (agricultores familiares). Como os agentes da informação estão inseridos no meio acadêmico, é comum o uso de uma linguagem mais científica, que na maioria das vezes não faz parte da realidade do agricultor rural. Para ser mais eficiente na comunicação optou-se por, além de adotar linguagem mais simplificada, um assentado fazer parte da apresentação, sendo que o mesmo, por ter contato freqüente com os agentes da informação e com os usuários finais, poderia esclarecer melhor a informação, atuando como um mediador da comunicação entre as partes. Ao longo dos trabalhos realizados no assentamento foram comuns conflitos na comunicação, frequentemente ocasionados pela falta de experiência de parte da equipe em extensão rural. Ansiosos por aplicar a técnica aprendida na universidade, parte da equipe se equivocava tentando inserir uma nova realidade no sistema de produção do assentamento. FREIRE (1983) já citava esse comportamento por parte dos Agrônomos como um equívoco na extensão. O autor relata que é papel do Agrônomo-educador ajudar a construir essa nova realidade no meio rural, porém, a construção é resultante do diálogo entre o extensionista e o produtor, e não da imposição por parte do extensionista. Baseado nesse e em outros fatos, é comum a desconfiança do agricultor diante do extensionista. Neste contexto, a proposta de um assentado fazer parte das apresentações foi bem aceita pelos assentados, que desempenharam um papel tecnicamente importante, pois eles estão realizando as atividades tecnológicas apresentadas. Acredita-se que esta iniciativa tornou mais efetiva a comunicação e deu maior confiabilidade à informação frente aos participantes do dia de campo. As estações que abordaram os assuntos do PRV (Voisin), Certificação de orgânicos, Produção de sementes crioulas de qualidade e a Importância do milho crioulo na agricultura familiar, mostraram basicamente aos agricultores que através de tecnologias de baixo custo existe a possibilidade de ter um sistema sustentável de produção, independente de altos investimentos financeiros e elevada quantidade de insumos externos. A Apresentação das áreas experimentais de milho crioulo teve como objetivo principal, mostrar a importância da experimentação na obtenção de dados para a região, e principalmente a importância e possibilidade da experimentação em nível de propriedade.

5 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 5 Como sendo um problema histórico da agricultura familiar, a obtenção de créditos e comercialização de produtos por um preço justo, o representante da Conab e do MDA apresentou aos agricultores alternativas de crédito e comercialização de produtos através de programas criados pelo governo federal. Coube a um representante do assentamento explicar aos produtores do território as etapas administrativas para participação nos programas, uma vez que os assentados já estão familiarizados com esse processo, pois o Assentamento Guanabara já usufrui desses programas há algum tempo. Os programas apresentados são: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), que vinculado ao MDA, financia projetos individuais ou coletivos, que gerem renda aos agricultores familiares e assentados da reforma agrária; Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), vinculado à CONAB, foi desenvolvido para recompensar o esforço do pequeno produtor que precisa ser recompensado com a venda da sua produção a preço justo, de forma a remunerar o investimento e o custeio da lavoura, incluindo a mão-de-obra, e lhe permita ter recursos financeiros suficientes para a sobrevivência de sua família com dignidade (CONAB, 2011). A equipe do Lama acredita que usar o assentamento como modelo referencial foi a ferramenta de comunicação de maior efeito. Pode-se visualizar com clareza a compatibilidade que as tecnologias adotadas no assentamento têm em relação ao sistema de produção do público alvo, pois ambos estão inseridos em uma realidade cultural, social, econômica e de localização semelhantes. Contudo, as tecnologias apresentadas, são práticas ambientalmente conservacionistas, sendo assim tecnologias sustentáveis para o território em questão. O evento foi realizado com verbas previstas e aprovadas, por um projeto via MDA, porém mesmo com a verba disponível, o seu uso é muito dificultado devido a entraves administrativos e burocráticos para sua efetivação. Estes entraves podem inviabilizar ou no mínimo dificultar a organização de eventos desse tipo, tornando-se um dos grandes problemas na extensão. Conclusões O dia de campo apresenta grande potencial como ferramenta na difusão do conhecimento e de tecnologias para agricultura familiar, mas não substitui o diálogo entre extensionistas e camponeses como difusão do conhecimento.

6 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 6 Referências ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Reforma Agrária, v. 28 n. 1,2, 3 e v. 29, n. 1, 1998 e PERES, F. C. Capital SociaI: a nova estrela do crescimento econômico. Preços Agrícolas, n. 163, p.6-9, Piracicaba, maio, MÜLLER, J. E. Agroecologia: a semente da sustentabilidade. Florianópolis: EPAGRI, 211 p. FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Ed. 7, Rio de Janeiro: Paz e Terra, FREIRE, I. M. Barreiras na comunicação da informação tecnológica. Ciência da Informação, v. 20, n. 1, p , HOFFMANN, R.; KAGEYAMA, A. Modernização da agricultura e distribuição da renda no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, Brasília: IPEA, v.15, n.1, 1985, p. SILVA, J. G. Tecnologia e agricultura familiar. Ed. 2, Porto Alegre: UFRGS, GERMER, C. (coord.). Progresso técnico na agricultura paranaense: o caso da soja. Curitiba: IPARDES, INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL/IPARDES. Diagnóstico Socioeconômico do Território Caminhos do Tibagi: 1ª fase: caracterização global. Curitiba, 2007, 132p. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO/MDA. Disponível em: <www.mda.gov.br>. Acesso em: 08 mai

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Um plano da agricultura familiar para o Brasil

Um plano da agricultura familiar para o Brasil Um plano da agricultura familiar para o Brasil 1 Plano Safra da Agricultura Plano Safra Familiar da Agricultura Familiar 2008/09 2 Mais Alimentos Um plano da agricultura familiar para o Brasil 18 milhoes

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO

Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PNAPO BRASIL AGROECOLÓGICO Sumário Contexto Processo de construção Estrutura do Decreto Objetivos e Interfaces Diretrizes Eixos e objetivos Medidas

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA Marco Legal Art 19. da Lei nº10.696/2003 Fica instituído o Programa de Aquisição de Alimentos com a finalidade de incentivar a agricultura familiar, compreendendo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro)

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) Metodologia Entenda o IC AGRO O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) apresenta informações sobre a percepção econômica do Brasil e do agronegócio por produtores agropecuários, cooperativas e indústrias

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2 Comercialização no agronegócio Aulas 1 e 2 Principais itens da cadeia produtiva Produtos finais disponíveis ao consumidor; Elos a MONTANTE e a JUSANTE da agropecuária; Transações entre os segmentos;

Leia mais

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba Fotos: Aopa Dia de campo sobre sistemas agroflorestais na comunidade São Sebastião, Cerro Azul-PR Transição agroecológica na região metropolitana de Curitiba Paulo Henrique Mayer* A região metropolitana

Leia mais

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA DESENVOLVIDA NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA, BRASIL, SOB A ÓTICA DE TÉCNICOS DA EXTENSÃO RURAL SUSTAINABILITY IN AGRICULTURAL ACTIVITIES DEVELOPED IN THE

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006

Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização. Silvio Isopo Porto Fev/2006 Avaliação da Política Agrícola e as perspectivas dos instrumentos de comercialização Silvio Isopo Porto Fev/2006 1. Contexto MODELO AGROEXPORTADOR TECNOLOGIA (CONCENTRAÇÃO) TRADING COOPERATIVA MERCADO

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1.

AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. AGRICULTURA FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. Paulo Alberto Vilas Boas Teodoro 2 Rosana Katia Nazzari Geysler Rogis Flor Bertolini Juliane Miyazaki Juliana Gaffuri Rosana

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões

PGPM A. EGF B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO SOV COV. Aquisições via Preços Mínimos. Via Leilões PGPM A. EGF SOV COV B. AGF C. CONTRATO DE OPÇÃO Aquisições via Preços Mínimos Via Leilões Estados e Municípios Leite Compra Local Compra Direta Compra Especial Formação de Estoque Doação Simultânea EMPODER

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável

Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Palma de óleo, agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável Sumário Agricultura familiar no Brasil Importância e aspectos positivos da palma de óleo Programa Palma de Óleo e sinergia com o

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

BRASIL AGROECOLÓGICO

BRASIL AGROECOLÓGICO PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANAPO BRASIL AGROECOLÓGICO BALANÇO DO 1º ANO DO PLANAPO Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica CIAPO 1 Metodologia de elaboração

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 8 Política Agrícola

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 8 Política Agrícola Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Objetivo: Disciplinar a expansão da produção de óleo de palma no Brasil e ofertar instrumentos para garantir uma produção em bases ambientais

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

MECANIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR

MECANIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA MECANIZAÇÃO NA

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Pepe Vargas Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Fonte: IBGE Censo Agropecuário 2006 Os agricultores

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

O papel dos transgênicos e da agroecologia para a soberania alimentar: alguns pontos para reflexão Por Jean Marc von der Weid

O papel dos transgênicos e da agroecologia para a soberania alimentar: alguns pontos para reflexão Por Jean Marc von der Weid O papel dos transgênicos e da agroecologia para a soberania alimentar: alguns pontos para reflexão Por Jean Marc von der Weid A hipotética escassez de alimentos No ano de 1996 foi realizada a Cúpula Mundial

Leia mais

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário: A Extensão Rural Pública e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Belo Horizonte, 17 de Outubro 2007 A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal

Leia mais

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 1 Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 Fernando Gaiger Silveira Alexandre Arbex Valadares Resumo: O PRONAF está prestes a completar 20 anos, tendo seu carro chefe, o crédito, apresentado um desempenho,

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA Ministério do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário Apresentação Sumário 4 FERNANDA MACHIAVELI Chefia

Leia mais

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial

Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP. Gestão Territorial Fórum ABAG, ESALQ, AEASP e CREA-SP Piracicaba (SP), 10 de outubro de 2012 Ocupação e Uso do Solo: Gestão Territorial Claudio Spadotto e Equipe O território i rural é alterado por expansão, concentração,

Leia mais

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Kauhana Mayhara Cândido Desanoski, (IC), Unespar Câmpus de Campo Mourão, kaudesanoski93@gmail.com Cláudia Chies, (OR),

Leia mais

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Cácio D. Três 3 Geraldo Alves Ferreira

Leia mais

Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA

Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA Entrevista com Maria Emília Lisboa Pacheco Presidente do CONSEA Entrevistadores: Equipe PEAAF Dia 17 de abril de 2012, Maria Emília Lisboa Pacheco assume a presidência do CONSEA Conselho Nacional de Segurança

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA

O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA O PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS E O ESTÍMULO À PRODUÇÃO ORGÂNICA Carlos Alberto da Rosa Maciel 1 Eduardo Miotto Flech 2 RESUMO O artigo faz uma análise do ponto de vista do desenvolvimento social

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

agricultura familiar

agricultura familiar saúde A importância da agricultura familiar na merenda escolar Iniciativas em Santa Rosa do Viterbo são exemplos de sucesso Por Danielle Lautenschlaeger Inúmeras famílias brasileiras ainda obtêm sua renda

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

ESTADO DE MINAS GERAIS

ESTADO DE MINAS GERAIS TEMAS VOLUME DE RECURSOS 20 bilhões para o estado de Minas Gerais: 60% Custeio 25% Comercialização 15% Investimento TAXA DE JUROS Diminuição da taxa de juros para o crédito rural (recursos obrigatórios)

Leia mais

IBASE. Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária. OPINIÃO Eugênia Motta*

IBASE. Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária. OPINIÃO Eugênia Motta* IBASE OPINIÃO Eugênia Motta* Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária A agricultura familiar é um importante setor econômico e social no Brasil. É dos pequenos agricultores

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio

Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio 1. Contextualizando 1.1. Histórico Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio Matheus Campos Gilberto Porto Waldemar Lima Neto José de Araújo Cordeiro Um

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais