RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO 2015"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO 2015

2 ÍNDICE 1. Nota Introdutória Relatório Receitas Receitas Próprias Transferências Despesas Encargos de Funcionamento Rácios Sobre o Grau de Cobertura das Despesas Análise da Situação Económica e Financeira Balanço Imobilizado Disponibilidades Demonstração de Resultados (Por Natureza) Evolução das Dívidas de Curto, Médio e Longo Prazo Dívidas de Terceiros Curto Prazo Dívidas a Terceiros Curto Prazo Serviço da Dívida Empréstimos a Instituições de Crédito MLP Investimento Global Proposta de Aplicação de Resultados Conclusão /17

3 1. NOTA INTRODUTÓRIA A estrutura económico-financeira da Autarquia, no período compreendido entre a , evidencia as seguintes características: 1. Reduzido contributo das receitas próprias no total das receitas (16,05%); 2. Dependência das receitas externas (83,95%); 3. Verifica-se assim que dos ,31 que totalizam a receita, apenas ,33 reportam a receitas próprias; 4. No que à despesa concerne, é de destacar nas despesas correntes o peso dos encargos com pessoal, os quais representam 56,81% do total. 3/17

4 2. RELATÓRIO O presente relatório, incide essencialmente nos aspetos relacionados com a receita, a despesa, o crédito, o investimento, e a análise da situação económica e financeira. 3. RECEITAS RECEITAS CORRENTES MONTANTES TOTAIS 01 Impostos diretos ,55 02 Impostos indiretos 6.762,89 04 Taxas, multas e outras penalidades ,05 05 Rendimentos de propriedade 40,44 06 Transferências Correntes: ,11 Fundo de Equilíbrio Financeiro ,00 Fundo Social Municipal ,00 Participação Fixa no IRS ,00 Outras ,81 Estado-Particip. Comunit. Projetos Cofinanciados 0,00 IEFP ,30 Outros Serviços e Fundos Autónomos 0,00 07 Venda de Bens e Serviços Correntes ,21 08 Outras receitas correntes ,35 TOTAL DE RECEITAS CORRENTES , ,60 RECEITAS DE CAPITAL MONTANTES 09 Venda de Bens de Investimento ,70 10 Transferências de Capital: ,66 Fundo de Equilíbrio Financeiro ,00 Outras 0,00 Estado-Particip. Comunit. Projetos Cofinanciados ,66 12 Passivos Financeiros ,00 13 Outras Receitas de Capital 0,00 TOTAL DE RECEITAS DE CAPITAL , ,36 Reposições não abatidas nos pagamentos , ,07 Saldo da gerência anterior , ,28 TOTAL GERAL , ,31 4/17

5 Receita ano , , , , , , , , , ,00 0,00 RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL TOTAL GERAL A origem das receitas correntes, por ordem decrescente é a seguinte: Fundo de Equilíbrio Financeiro; Impostos Diretos; Venda de Bens e Serviços Correntes; Outras (Transferências do Estado); Transferências do Instituto de Emprego e Formação Profissional; Participação Fixa no IRS; Outras Receitas Correntes; Fundo Social Municipal; Taxas, Multas e Outras Penalidades; Estado - Participações Comunitárias Projetos cofinanciados; Impostos Indiretos e Rendimentos de Propriedade. No que concerne às receitas de capital, constata-se a seguinte ordem de grandeza das mesmas: Fundo de Equilíbrio Financeiro; Passivos Financeiros; Estado - Participações Comunitárias Projetos cofinanciados; Venda de Bens e Investimento. Para uma melhor compreensão do funcionamento da estrutura financeira da Câmara e de acordo com os mapas supra, consideram-se, tanto a nível das Receitas Correntes como a nível das Receitas de Capital, as sub-rúbricas Transferências Correntes e Transferências de Capital. Tal tem por finalidade, uma melhor compreensão sobre quais as receitas geradas pela Autarquia e quais as provenientes do exterior. 5/17

6 4. RECEITAS PRÓPRIAS RECEITAS PRÓPRIAS CORRENTES MONTANTES TOTAIS Impostos Diretos ,55 Taxas, Multas e Outras Penalidades ,05 Rendimentos de Propriedade 40,44 Venda de Bens e Serviços ,21 TOTAL , ,25 RECEITAS PRÓPRIAS DE CAPITAL MONTANTES Venda de bens de investimento ,70 Outras Receitas de Capital 0,00 TOTAL , ,70 Receita por Cobrar (Água) , ,38 TOTAL RECEITAS PRÓPRIAS (CORRENTES E DE CAPITAL) ,33 5. TRANSFERÊNCIAS TRANSFERÊNCIAS FUNDO DE EQUILÍBRIO FINANCEIRO; FUNDO SOCIAL MUNICIPAL; PARTICIPAÇÃO FIXA NO IRS MONTANTES TOTAIS Correntes ,00 Capital ,00 Outras Transferências: SUB-TOTAL , ,00 Correntes ,81 Capital 0,00 SUB-TOTAL , ,81 TOTAL ,81 6/17

7 Gráfico: Receita Global / Receita Ptópria , , , ,00 Fundos Municipais Receitas Próprias Receitas Global ,00 0,00 Como, aliás ficou referido, constata-se assim no capítulo das receitas três realidades: A primeira é a de que, dos ,31 de receita global, apenas ,33, constituem receitas próprias do Município. A segunda reside no facto dos fundos municipais totalizarem, por si só, ,00 ou seja representam 65,52% da receita global. A terceira verifica-se uma receita por cobrar, que totaliza o valor de ,38 referente a: Água; Saneamento; Resíduos Sólidos; Tarifa fixa de água; Taxa de Recursos Hídricos. 7/17

8 6. DESPESAS DESPESAS CORRENTES MONTANTES 01 Pessoal ,01 02 Aquisição de bens e serviços ,30 03 Juros de Empréstimos e outros juros ,12 Juros da divida pública ,51 Juros de Locação Financeira 0,00 Outros Juros 9.512,61 04 Transferências Correntes ,86 05 Subsídios ,40 06 Outras Despesas Correntes ,96 TOTAL DESPESAS CORRENTES ,65 DESPESAS DE CAPITAL MONTANTES 07 Aquisição de bens de capital: ,53 Investimento ,90 Bens de domínio Público ,63 08 Transferências de Capital ,40 09 Ativos Financeiros ,00 10 Passivos Financeiros ,98 11 Outras despesas de capital ,19 TOTAL DESPESAS DE CAPITAL ,10 TOTAL DESPESAS CORRENTES E DE CAPITAL ,75 Para uma melhor caracterização da despesa, a mesma foi sistematizada em três grandes grupos: Encargos de funcionamento; Serviço de divida; Investimento global. 8/17

9 7. ENCARGOS DE FUNCIONAMENTO ENCARGOS DE FUNCIONAMENTO MONTANTES Pessoal ,01 Aquisição de Bens e Serviços ,30 Outras Despesas Correntes ,96 TOTAL ,27 Gráfico: Encargos de Funcionamento , , , , ,00 Outras Despesas Correntes Aquisição de Bens e Serviços Despesas com Pessoal Total das Desp. Correntes ,00 0,00 As despesas com pessoal da Autarquia, representam 64,32% do total das despesas de funcionamento. 9/17

10 8. RÁCIOS SOBRE O GRAU DE COBERTURA DAS DESPESAS Receitas Correntes Despesas Correntes > , ,65 = ,95 As despesas correntes foram inferiores as receitas correntes em ,95. Outros indicadores: Cobertura das despesas pelas receitas = (Receita Total / Despesa Total) Cobertura das despesas pelas receitas = ,31 / ,75. Cobertura das despesas pelas receitas = 100,34%. As receitas totais do Município foram superiores às despesas totais em 0,34% ou seja ,56. Peso das despesas correntes nas receitas correntes = (Despesas Correntes/ Receitas Correntes) Peso das despesas correntes nas receitas correntes = ,65 / ,60. Peso das despesas correntes nas receitas correntes = 85,07%. 10/17

11 9. ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA A análise económica financeira sintetiza os resultados obtidos pela Câmara Municipal de Ourique, em 31 de Dezembro de BALANÇO O Balanço constituído pelo Ativo, Passivo e Situação Líquida, descreve no ativo todos os bens e direitos, no passivo as obrigações e a situação líquida quantifica o valor do Património da Autarquia. Para a construção do balanço, concorreram, entre outros, o Imobilizado Corpóreo, bens do domínio público e Investimentos Financeiros, que constituem parte integrante do Ativo do Município. ACTIVO PASSIVO Imobilizado Fundos Próprios Bens do domínio público ,37 Património ,54 Imobilizações Incorpóreas ,74 Reservas legais ,59 Imobilizações Corpóreas ,41 Doações ,04 Investimentos Financeiros ,97 Resultados transitados ,23 Resultados líquidos do exercício ,82 Circulante ,22 Existências 0,00 Passivo Dívidas de Terceiros - CP ,02 Dívidas a Terceiros MLP ,73 Títulos negociáveis 0,00 Dívidas a Terceiros - C Prazo ,71 Depósitos em Inst. Finc. e Caixa ,15 Acréscimos e diferimentos 0,00 Acréscimos e diferimentos Proveitos diferidos 0,00 TOTAL DO ACTIVO ,66 TOTAL DO FUNDOS PRÓPRIOS + PASSIVO ,66 11/17

12 9.2 IMOBILIZADO ACTIVO BRUTO Designação 2015 Bens do Domínio Público Terrenos e recursos naturais ,11 Outras construções e infraestruturas ,86 Outros bens do domínio público 3.903,73 Imobilizações incorpóreas Despesas de investigação e desenvolvimento ,00 Propriedade industrial e outros direitos ,24 Imobilizações corpóreas Terrenos e recursos naturais ,52 Edifícios e outras construções ,80 Equipamento básico ,24 Equipamento de transporte ,75 Ferramentas e utensílios ,81 Equipamento administrativo ,26 Outras imobilizações corpóreas ,61 Imobilizado em curso ,47 Investimentos Financeiros Partes de capital ,97 Obrigações e títulos de participação ,00 TOTAL ,37 Os edifícios e outras construções, outras construções e infraestruturas, terrenos de recursos naturais, bem como as imobilizações em curso contribuíram significativamente para o valor do ativo bruto. 12/17

13 9.3 DISPONIBILIDADES Depósitos Bancários Designação 2015 CGD - Orçamental ,97 CGD - Não Orçamentais ,78 CGD - Cauções ,93 Caixa Agrícola 737,09 BPI - Orçamental 872,06 Millennium BCP 3.413,28 Caixa - Orçamental 2.042,16 Caixa - Não Orçamentais 793,88 Títulos negociáveis 0,00 Outras aplicações de tesouraria - Não Orçamentais 0,00 TOTAL , DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (POR NATUREZA) Valor Resultados Operacionais ,47 Resultados Financeiros ,39 Resultados Correntes ,08 Resultados Líquidos do exercício ,82 O Município de Ourique encerrou as suas contas referentes ao exercício económico de 2015, com um Resultado Liquido do Exercício de ,82. 13/17

14 9.5 EVOLUÇÃO DAS DÍVIDAS DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO DÍVIDAS DE TERCEIROS CURTO PRAZO Designação Clientes, c/c , , , Contribuintes, c/c 1.439, , ,91 24 Estado e Outros Entes Públicos 1.028, ,96 703,64 Total Dividas de Terceiros - Curto prazo , , ,02 A Dívida de Terceiros está diretamente relacionada com as Vendas de Bens e Serviços mais especificamente à venda de água DÍVIDAS A TERCEIROS CURTO PRAZO TOTAL , , ,71 Esta rubrica do Balanço inclui principalmente, as Dívidas a Fornecedores (conta corrente e imobilizado) e a Prestação de Serviços (outros credores) SERVIÇO DA DÍVIDA A fraca capacidade de gerar receitas evidenciada pela Autarquia, reflete-se no desequilíbrio orçamental. Em as dívidas da Autarquia a instituições de crédito apresentam os seguintes valores: a) Dívida a médio e longo prazo ,73; b) Dívida a curto prazo - 0,00. 14/17

15 EMPRÉSTIMOS A INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO M/L Prazo Data Amortização Dívida , , , , , ,73 Ao comparar os últimos três anos dos empréstimos de Médio e Longo Prazo verificou-se um decréscimo de ,16 quando comparado, o valor em dívida do final do ano de 2013, com o demonstrado no final do ano de INVESTIMENTO GLOBAL Resumidamente o valor dos investimentos feitos até é o constante no quadro infra: INVESTIMENTOS MONTANTES Edifícios ,86 Construções Diversas ,74 Material de transporte ,02 Equipamento informático ,29 Software informático ,56 Equipamento administrativo 4.941,23 Equipamento básico ,20 TOTAL ,90 15/17

16 11. PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS Nos termos do ponto do Decreto-lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, quando houver saldo positivo na conta 59 Resultados Transitados, o seu montante pode ser repartido da seguinte forma: a) Reforço do património; b) Constituição ou reforço de reservas. Refere ainda que deve constituir-se o reforço anual da conta 57.1 Reservas Legais, no valor de 5% do Resultado Líquido do Exercício. Ano de 2015 No ano 2015 houve Resultados Líquidos no montante de ,82, propõe-se que a aplicação seja da seguinte forma: Reforço do Património ,93; Reservas Legais ,89. 16/17

17 12. CONCLUSÃO Resumidamente poder-se-á concluir que o funcionamento do município é condicionado essencialmente, pelos seguintes fatores: 1. Dependência das receitas externas (transferências do Estado); 2. Elevado peso dos encargos com pessoal no total das despesas; 3. Equilíbrio do orçamento corrente através de transferências do orçamento de capital; 4. Investimento depende de candidaturas a projetos comunitários. Paços do Município de Ourique, 15 de Março de 2016 O Presidente da Câmara /Marcelo David Coelho Guerreiro/ 17/17

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço BALANÇO DOS EXERCÍCIOS 2014 E 2013 ACTIVO Notas Activo Bruto Amortizações / Provisões Activo Líquido Activo Líquido IMOBILIZADO: Imobilizações incorpóreas: Despesas de instalação

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas Balanço (5 Pocal) Demonstração de Resultados (6 Pocal) Controlo Orçamental Despesa (7.3.1 Pocal) Controlo Orçamental Receita (7.3.2 Pocal) Execução Anual do Plano Plurianual

Leia mais

Execução Orçamental. Receita

Execução Orçamental. Receita Relatório de Gestão No presente relatório, elaborado em conformidade com o estabelecido no ponto 13 do POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, visa-se de forma precisa, clara e sintética

Leia mais

Composição Execução % 04. Taxas, Multas e Outras Penalidades 0, Rendimentos de Propriedade 0, Transferências Correntes 98.

Composição Execução % 04. Taxas, Multas e Outras Penalidades 0, Rendimentos de Propriedade 0, Transferências Correntes 98. RELATÓRIO DE GESTÃO 28/TC INTRODUÇÃO As contas da AMRAA no ano de 2015 foram elaboradas em harmonia com o preceituado no Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro que aprovou o Plano Oficial de Contas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 Nota Introdutória: A Plataforma, durante o exercício de 2009, manteve em curso o projecto de formação desenvolvido em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO E DISPONIBILIDADE

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO E DISPONIBILIDADE E DISPONIBILIDADE Agosto 2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS DMAG DFP DOPC ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

Composição Execução % 04. Taxas, Multas e Outras Penalidades 0, Rendimentos de Propriedade 0,00 0

Composição Execução % 04. Taxas, Multas e Outras Penalidades 0, Rendimentos de Propriedade 0,00 0 RELATÓRIO DE GESTÃO 28/TC INTRODUÇÃO As contas da AMRAA no ano de 2016 foram elaboradas em harmonia com o preceituado no Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro que aprovou o Plano Oficial de Contas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades 30 Setembro 2012 Câmara Municipal de Cascais 30 Setembro 2012 1 Índice Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 3 Evolução

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Análise Financeira II. Exercícios de Aplicação

Análise Financeira II. Exercícios de Aplicação Análise Financeira II Exercícios de Aplicação EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO Nº 1 A Empresa A apresenta a 31 de Dezembro de 2004 o seguinte Balanço Histórico: Activo Activo Bruto Amort/ Provis. Activo Líquido

Leia mais

NOÇÃO DE COOPERATIVA

NOÇÃO DE COOPERATIVA NOÇÃO DE COOPERATIVA As cooperativas são pessoas colectivas autónomas, de livre constituição, de capital e composição variáveis, que, através da cooperação e entreajuda dos seus membros, com obediência

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2016 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

II Demonstrações Financeiras

II Demonstrações Financeiras R ELATÓRIO E CONTA DE GERÊNCIA II Demonstrações Financeiras R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 1 1 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 1 5 - Balanço...

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA RELATÓRIO DE ANÁLISE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Exercício de 2015 FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA FUNDO ESCOLAR DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA TOMÁS DE BORBA

Leia mais

7.1 Síntese da Situação Financeira Atual e Previsões de Evolução

7.1 Síntese da Situação Financeira Atual e Previsões de Evolução 7. ANALISE AO PAEL De acordo com o estipulado no nº 1 e 2, do Art.º 12 da Lei nº43/2012, de 28 de Agosto, que obriga todos os municípios aderentes ao PAEL, a incluir na Conta de Gerência um anexo à execução

Leia mais

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS SEMESTRAL

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS SEMESTRAL DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS SEMESTRAL EXERCÍCIO DE 2015 Câmara Municipal - Divisão Administrativa e Financeira ÍNDICE GERAL DESIGNAÇÃO DO DOCUMENTO TC POCAL PG Relatório de Financeiro 1.º Semestre

Leia mais

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções

Imobilizaçoes corpóreas: Edificios e outras construções DESIGNAÇÕES EXERCÍCIOS 1º SEM 01 1º SEM 00 AMORTIZAÇÕES ACT.BRUTO ACT.LÍQUIDO ACT.LÍQUIDO E PROVISÕES IMOBILIZADO ACTIVO Imobilizações incorporeas: Despesas de instalação 384 261 180 982 203 279 32 821

Leia mais

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL

>< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Câmara Municipal do Seixal ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 ENQUADRAMENTO ORÇAMENTAL >< 47 >< Grandes Opções do Plano e Orçamento 2016 Enquadramento Orçamental para o Exercício de 2016 Dando cumprimento ao disposto na

Leia mais

Endividamento e Disponibilidades

Endividamento e Disponibilidades Endividamento e Disponibilidades JULHO 2017 ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da Dívida a Terceiros 8 Limite da Dívida Total

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO ANO 2014

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO ANO 2014 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO ANO 2014 1-Indicação e justificação das disposições do POCMS que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

Relatório Endividamento e Disponibilidades

Relatório Endividamento e Disponibilidades Endividamento e Disponibilidades JULHO 2016 ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da Dívida a Terceiros 8 Limite da Dívida Total

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

2016 Documentos de Prestação de Contas

2016 Documentos de Prestação de Contas 2016 Documentos de Prestação de Contas MUNICÍPIO DE RESENDE 1 Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS (Decreto-Lei nº74/98, de 27 de Março) EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 ENTIDADE: ART - Associação Regional de Turismo dos Açores SEDE: Angra do Heroísmo N.º DE

Leia mais

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas

Aditamento às contas individuais. Informação aos accionistas BA Fábrica de Vidros BARBOSA & ALMEIDA, SA Sociedade com o Capital Aberto ao Investimento do Público Sede: Av. Vasco da Gama, 8001 - Aldeia Nova - Avintes - Vila Nova de Gaia Matriculada na Conservatória

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2013 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2013 2 ÍNDICE (a numeração está conforme a indicada no POCAL) MAPAS LEGAIS Pág. 5 BALANÇO

Leia mais

Endividamento e Disponibilidades

Endividamento e Disponibilidades Relatório Endividamento e Disponibilidades MAIO 2015 ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da Dívida a Terceiros 8 Limite da dívida

Leia mais

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax:

FamiGeste 2 SGPS, SA. Relatório e Contas FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º Lisboa Tel: Fax: FamiGeste 2 SGPS, SA Relatório e Contas 2007 FamiGeste 2 - SGPS, S.A. Rua das Flores, 12 2.º 1200-195 Lisboa Tel: 21 3243680 Fax: 21 3431600 1 ÍNDICE Página Índice 2 Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2011 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2011 2 ÍNDICE (a numeração está conforme a indicada no POCAL) MAPAS LEGAIS Pág. 5 Balanço... 5 6 Demonstração de Resultados...

Leia mais

Endividamento e Disponibilidades

Endividamento e Disponibilidades Relatório Endividamento e Disponibilidades FEVEREIRO 2015 ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da Dívida a Terceiros 8 Limite da

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS. 6 Análise Económico - Financeira

RELATÓRIO E CONTAS. 6 Análise Económico - Financeira 6 Análise Económico - Financeira 1 ASPECTOS PATRIMONIAIS 1.1 Balanço Sintético O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL),

Leia mais

EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ,49 OPERAÇÕES DE TESOURARIA ,47 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,02

EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ,49 OPERAÇÕES DE TESOURARIA ,47 RECEITAS ORÇAMENTAIS ,02 ENTIDADE M.S.V. MUNICIPIO SAO VICENTE Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2014/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 179.594,96 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 113.004,49 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 65.671,63 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 35.995,61 Operações de Tesouraria 29.676,02 7.254.109,99 Receitas Correntes 5.531.927,03 01 Impostos

Leia mais

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais:

4. Para efeitos de consolidação de contas, é política do Grupo utilizar, entre outras, as seguintes taxas para cômputo das amortizações anuais: LEC110 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO 1 DADOS 1. A EMPRESA A é uma unidade industrial transformadora que, sem qualquer outra participação de capital, constituiu há vários

Leia mais

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data:

B A L A N Ç O. Segurajuda - Corretores de Seguros, Lda Data: B A L A N Ç O Activo Não Corrente RUBRICAS NOTAS 31-Dez-2011 31 Dez 2010 Activos fixos tangíveis... 26.116,39 36.524,44 Activos intangíveis... 17.500,00 17.500,00 Activo Corrente Estado e outros entes

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A. ENTIDADE MUNICIPIO BAIAO MUNICÍPIO DE BAIÃO ANO 2016 PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A. ENTIDADE MUNICIPIO BAIAO MUNICÍPIO DE BAIÃO ANO 2016 PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 1.932.924,00 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 966.922,53 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 966.001,47 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

1. Balanço 1.1- Balanço - Ativo 1.2- Balanço - Passivo. 2. Demonstração de Resultados

1. Balanço 1.1- Balanço - Ativo 1.2- Balanço - Passivo. 2. Demonstração de Resultados 1. Balanço 1.1- Balanço - Ativo 1.2- Balanço - Passivo 2. Demonstração de Resultados 3. Mapas de execução orçamental 3.1- Receita 3.1.1 -Por classificação económica 3.1.2- Por fundos\ classificação económica

Leia mais

Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. 31 de dezembro de 2013

Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. 31 de dezembro de 2013 Demonstrações Financeiras GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA 1 Gelpar Empreendimentos e Participações Ltda Balanços patrimoniais ATIVO CIRCULANTE NOTA 2013 2012 (Não auditado) Disponível 4 991

Leia mais

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2011 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 20.465.336,28 1.870.256,52 18.595.079,76 17.296.259,99 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2010 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 18.833.303,86 1.537.043,87 17.296.259,99 17.404.288,49 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Ministério da Saúde. Relatório e Contas Anexo 1 Processo de Consolidação de Contas

Ministério da Saúde. Relatório e Contas Anexo 1 Processo de Consolidação de Contas Ministério da Saúde Relatório e Contas 2015 Anexo 1 Processo de Consolidação de Contas 7 de julho de 2016 ÍNDICE Relatório do Processo de Consolidação Contas 2015... 3 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento

Leia mais

Um Caminho na Construção da Sustentabilidade Financeira e Patrimonial do Município do Barreiro

Um Caminho na Construção da Sustentabilidade Financeira e Patrimonial do Município do Barreiro Um Caminho na Construção da Sustentabilidade Financeira e Patrimonial do Município do Barreiro Alterar formas e modelos, mentalidades, hábitos tantas vezes arreigados em fundamentos cuja validade e razão

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

Prestação de Contas 2012

Prestação de Contas 2012 Prestação de Contas 2012 Balanço (Ponto 5 POCAL) Notas Código das ANO : 2012 ABDR Contas ACTIVO 2012 2011 8.2.7 e 8.2.8 8.2.7 e 8.2.8 8.2.7 e 8.2.8 POCAL AB AP AL AL Imobilizado Bens de domínio público

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram preparadas a partir dos livros e registos contabilísticos da Câmara Municipal, mantidos de acordo com os princípios

Leia mais

documentos prestação contas MUNICÍPIO DE MORTÁGUA CONTAS CONSOLIDADAS mortagua MUNICÍPIO

documentos prestação contas MUNICÍPIO DE MORTÁGUA CONTAS CONSOLIDADAS mortagua MUNICÍPIO documentos DE prestação DE contas 2014 MUNICÍPIO DE MORTÁGUA CONTAS CONSOLIDADAS mortagua MUNICÍPIO documentos DE prestação DE contas 2014 MUNICÍPIO DE MORTÁGUA CONTAS CONSOLIDADAS RELATÓRIO DE GESTÃO

Leia mais

O R D E M D O S A D V O G A D O S

O R D E M D O S A D V O G A D O S Códigos das contas A CE POC Custos e perdas O R D E M D O S A D V O G A D O S 2.a) CMVMC 672,00 1.302,00 2.b) 62 Fornecim.e servicos externos... 178.739,79 178.053,76 3 Custos com o pessoal: 179.411,79

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS 2007/2008 TRABALHO 2 Enunciado (PARTE 1) Relativamente à sociedade Gere Mais & Mais, S.A, conhecem-se os seguintes elementos de Dezembro de N: Balanço simplificado Elementos patrimoniais activos Edifício + terreno

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ACTIVO 2012 2011 PASSIVO E FUNDOS PRÓPRIOS 2012 2011 DISPONIBILIDADES 142,881,801 121,846,458 DEPÓSITOS APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Depósitos à ordem 355,298,564

Leia mais

Freguesia de Belém RELATÓRIO DE GESTÃO

Freguesia de Belém RELATÓRIO DE GESTÃO Freguesia de Belém RELATÓRIO DE GESTÃO BELÉM a soma de todos Introdução Nos termos do ponto 13 do POCAL o relatório de gestão a apresentar pelo órgão executivo ao deliberativo deve contemplar os seguintes

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POCAL

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POCAL NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POCAL As notas que a seguir se apresentam, visam facultar um completo entendimento das demonstrações financeiras apresentadas com os documentos de prestação

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social - Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 155 938 769 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500 06 Transferências

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 Em cumprimento da alínea a) do art. 4º do Aviso nº15/07 de 12 de Setembro do Banco Nacional de Angola e após analise e aprovação do Conselho de Administração do BFA Banco de Fomento Angola, procedemos

Leia mais

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Orçamento da Segurança Social 2016 Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Orçamento da Segurança Social Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 482 719 795,00 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500,00 06 Transferências

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos:

Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos: RELATÓRIO DE GESTÃO Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos: - Situação económica relativa ao exercício,

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade Demonstrações Financeiras MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão Funções Património Passivo Eq. Fund. Factos patr. Inventário

Leia mais

271 Acréscimos de proveitos , , , Custos diferidos... 0,00 0,00 0,00

271 Acréscimos de proveitos , , , Custos diferidos... 0,00 0,00 0,00 Balanço (Redacção dada pelo Dec.-Lei n.º 238/91, de 2 de Julho) Códigos das Contas E x e r c í c i o s CEE PO C Activo 2008 2007 C Imobilizado: I Imobilizações incorpóreas: AB AP AL AL 1 432 Desp. de investig.

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE M.P.M. MUNICIPIO DE PORTO MONIZ Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE M.P.M. MUNICIPIO DE PORTO MONIZ Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE M.P.M. MUNICIPIO DE PORTO MONIZ Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 472.103,70 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 458.015,00 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.231.528,49 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 13.229,65 Operações de Tesouraria 1.218.298,84 12.868.203,30 Receitas Correntes 8.648.917,76 04 Taxas,

Leia mais

Balanço. Código POCAL 5

Balanço. Código POCAL 5 Balanço Código POCAL 5 Código das Contas POCAL Imobilizado Câmara Municipal do Cadaval BALANÇO ANO : 2010 Exercícios ACTIVO 2010 2009 AB AP AL AL Bens de domínio público 451 452 Terrenos e recursos naturais

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015-

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015- RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2015 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa Procedeu-se

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior.

CONVOCATÓRIA. Informações do Provedor; Apreciação e votação do Relatório de Actividades e Contas do exercício do ano anterior. Amândio de Sousa Rodrigues Norberto Presidente da Mesa da Assembleia Geral Da Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim CONVOCATÓRIA Em cumprimento do artigo 31º do Compromisso desta Santa Casa, convoco

Leia mais

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde)

BANCO COMERCIAL DO ATLÂNTICO, S.A. BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E (Montantes expressos em milhares de Escudos de Cabo Verde) BALANÇOS Activo Imparidade Activo Activo Notas bruto e amortizações líquido líquido PASSIVO E CAPITAL PRÓPRIO Notas Caixa e disponibilidades em bancos centrais 3 9.726.629-9.726.629 5.862.769 Recursos

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Serviço Nacional de Saúde Relatório e Contas Ano de 2008 www.acss.min-saude.pt Índice Sumário Executivo Introdução Origem e Aplicação de Fundos Serviço Nacional de Saúde Contas Consolidadas Contas Consolidadas

Leia mais

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII

Orçamento da Segurança Social Mapa XIII Receitas do Sistema Previdencial - Repartição Receitas Correntes 13.881.179.361,00 03 Contribuições para a Segurança Social 12.539.252.302,00 01 Subsistema Previdencial 12.538.176.667,00 02 Regimes Complementares

Leia mais

Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica

Mapa XIII Receitas de cada Subsistema da Segurança Social por Classificação Económica Receitas do Sistema de Proteção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4 519 034 542,00 04 Taxas multas e outras penalidades 3 500,00 06 Transferências correntes 4 516 651

Leia mais

BALANÇO ANO 2015 ENTIDADE M.EVORA MUNICIPIO DE EVORA 2015/01/01 a 2015/12/31 PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 CONTAS

BALANÇO ANO 2015 ENTIDADE M.EVORA MUNICIPIO DE EVORA 2015/01/01 a 2015/12/31 PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 CONTAS BALANÇO ANO 2015 ENTIDADE M.EVORA MUNICIPIO DE EVORA 2015/01/01 a 2015/12/31 PAG. 1 EXERCÍCIOS CÓDIGO DAS N N - 1 CONTAS ACTIVO AB A/P AL AL Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos

Leia mais

RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2008

RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2008 Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2008 APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 657.624,33 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 20.566,18 Operações de Tesouraria 637.058,15 14.407.515,68 Receitas Correntes 9.545.574,12 01 Impostos

Leia mais

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80

RECEITAS QUOTIZAÇÕES , ,80 APM - Custos e Proveitos - Exercício de 2007 QUOTAS RECEITAS QUOTIZAÇÕES 123.798,80 123.798,80 SUBSÍDIOS CENTRO DE FORMAÇÃO 19.413,99 ENCONTRO NACIONAL PROFMAT/2007 50.450,00 GRUPO DE TRABALHO T3 38.132,00

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados 6 3 Plano plurianual de investimentos - aprovado por deliberação de 6/11/2008 7.1 4 Orçamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014-

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014- RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2014 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa Procedeu-se

Leia mais

MUNICÍPIO DE RESENDE

MUNICÍPIO DE RESENDE MUNICÍPIO DE RESENDE Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2007 APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 17.802.769,62 10.829.348,39 DISPONIBILIDADE 7.703.537,60 3.824.493,65 Caixa e Bancos 436.727,86 548.337,85 Aplicações Financeiras 7.266.809,74

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 DEPÓSITOS ,801. Depósitos à ordem. Depósitos a prazo OPERAÇÕES CAMBIAIS BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE E ACTIVO DISPONIBILIDADES 144 564 297 142.881,801 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ Operações no Mercado Monetário Interfinanceiro Operações de compra de títulos de terceiros

Leia mais

Contabilidade II - LEC 110 Resolução Exercício nº2 Capítulo I

Contabilidade II - LEC 110 Resolução Exercício nº2 Capítulo I BALANÇO INICIAL Activo Capital Próprio e Passivo Imobilizado 9. Capital Social 5. Am. Acumuladas -65. Reserva Legal 1. Resultados 1. Prod. Acabados 15. 7. Matérias Primas 2. Fornecedores 35. Clientes 3.

Leia mais

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2013 Câmara Municipal Divisão Administrativa e Financeira ÍNDICE GERAL DESIGNAÇÃO DO DOCUMENTO TC POCAL PG Balanço 1 5 1 Demonstração de Resultados 2 6

Leia mais

A prestação de contas no SIIAL

A prestação de contas no SIIAL CCDRC e os Municípios da Região Centro Sessão de análise e debate A prestação de contas no SIIAL Sistema Integrado de Informação da Administração Local CCDRCentro 31 de janeiro de 2012 - Metodologia de

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em Euros) NOTA INTRODUTÓRIA Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, tem por objecto promover o desporto em todas as áreas de deficiência, tem a sua sede na Rua Presidente Samora Machel, Lote

Leia mais

Mensagem do Presidente da Câmara Municipal do Funchal

Mensagem do Presidente da Câmara Municipal do Funchal Mensagem do Presidente da Câmara Municipal do Funchal Um dos objetivos primordiais do Executivo Municipal desde a sua tomada de posse em Outubro de 2013 é a gestão equilibrada das finanças da autarquia,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2013

RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2013 RELATÓRIO E CONTAS EXERCÍCIO 2013 1 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA DIRECÇÃO... 3 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 4 2.1. BALANÇO (em 31 Dezembro de 2013)... 4 2.2. BALANCETE de 31 Dezembro de 2013...

Leia mais

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de

O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de Conta de Gerência de 2010 RELATÓRIO DE GESTÃO 01-01-2010 A 31-12-2010 1. INTRODUÇÃO O Instituto do Desporto de Portugal, I.P. (IDP, I.P.) é um Instituto Público dotado de personalidade jurídica, autonomia

Leia mais

Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos:

Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos: RELATÓRIO DE GESTÃO Dispõe o Ponto 13 do POCAL que o Relatório de Gestão a apresentar pelo Órgão Executivo ao Deliberativo deve contemplar os seguintes aspetos: - Situação económica relativa ao exercício,

Leia mais

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,18 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ,44 OPERAÇÕES DE TESOURARIA ,74 RECEITAS ORÇAMENTAIS

SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR ,18 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL ,44 OPERAÇÕES DE TESOURARIA ,74 RECEITAS ORÇAMENTAIS PERÍODO 2016/01/01 A 2016/12/31 Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 656.177,18 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 443.336,44 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 212.840,74 RECEITAS ORÇAMENTAIS... 19.056.181,28

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS 2014

RELATÓRIO DE CONTAS 2014 RELATÓRIO DE CONTAS 2014 CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO Agência Fontes de Júlio dos Santos Fontes Lda. @ geral@agenciafontes.pt tel. 227 441 281 FICHA TÉCNICA Proprietário CENTRO SOCIAL PADRE JOSÉ COELHO

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.671.626,66 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.541.850,60 Operações de Tesouraria 129.776,06 19.053.938,41 Receitas Correntes 8.176.200,31 01

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DE EXECUÇÃO junho 2013 (provisório) CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS ÍNDICE Análise Orçamental Global 3 Receita 5 Receitas Correntes 6 Receitas de Capital 12 Despesa 16 Despesas Correntes 19 Despesas

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 168.725,83 Execução Orçamental 52.938,61 Operações de Tesouraria 115.787,22 Total das Receitas Orçamentais 10.303.871,35 Receitas Correntes 7.707.785,16 01 Impostos

Leia mais

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017.

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. Hotel Ibis Budget Manaus Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 ATIVOS 30/06/2017 31/12/2016 PASSIVOS

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS

MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS MESTRADO EM GESTÃO DE EMPRESAS Sistemas de Informação Contabilística e Financeira Documentação avulsa de apoio 2007/2008 Contabilidade O que é? Ciência? Técnica? Instrumento? uma boa solução, como sistema

Leia mais

CONTA 2016 VOLUME II. Tomo III Contabilidade Patrimonial. Balanço e Demonstração de Resultados. Funchal

CONTA 2016 VOLUME II. Tomo III Contabilidade Patrimonial. Balanço e Demonstração de Resultados. Funchal CONTA 2016 VOLUME II Tomo III Contabilidade Patrimonial Balanço e Demonstração de Resultados Funchal SECRETARIA REGIONAL DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2017 CONTA 2016 VOLUME II Tomo III Contabilidade

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.082.354,28 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 521.480,07 Operações de Tesouraria 560.874,21 10.258.992,46 Receitas Correntes 8.628.274,56 01 Impostos

Leia mais