ANÁLISE DO CURTA-METRAGEM O ÚLTIMO DIA RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO CURTA-METRAGEM O ÚLTIMO DIA RESUMO"

Transcrição

1 1 ANÁLISE DO CURTA-METRAGEM O ÚLTIMO DIA RESUMO Tamires Ferreira Coêlho 1 O último dia é um curta-metragem que se destaca por sua repercussão no meio cinematográfico e por elementos de sua estrutura narrativa como a justaposição da história de Cristo e da temática da violência urbana. Buscamos entender porque esse filme obteve tanta repercussão, já que, mesmo apresentando uma boa fotografia e elementos contemporâneos de produção, pode ser considerado bastante linear e conservador. Trazendo à discussão teóricos como Aumont (1994), García Jiménez (1993), Kristeva (1988), Navarro (2006), Zani (2009) e Zavala (2005), podemos afirmar que o filme é eminentemente clássico, apresentando um roteiro padrão com começo, meio e final esperado, partindo de uma polarização entre bem versus mal. A análise deste curta pode também sugerir uma reflexão sobre quais aspectos são valorizados atualmente no meio cinematográfico. PALAVRAS-CHAVE: Cinema. Curta-metragem. Narrativa. 1. INTRODUÇÃO O último dia é um curta-metragem que chama a atenção pela repercussão 2 que ganhou em festivais sendo selecionado para vinte festivais dentro e fora do Brasil e tendo nove indicações para prêmios. Essa repercussão nos festivais e no meio 1 Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da UNISINOS; Bolsista do CNPq; graduada em Jornalismo pela Universidade Federal do Piauí (UFPI); membro dos grupos de pesquisa PROCESSOCOM e NUJOC; orientada pela Profa. Dra. Jiani Bonin; 2 Festival Art Deco (São Paulo, SP, 2011): Melhor Filme Júri Popular e Melhor Direção de Arte; Guarú Fantástico. 1ª Mostra de Curtas Fantásticos (Guarulhos, SP, 2011): Melhor Efeito Especial e Melhor Fotografia; 12º Festival Internacional de Cinema Fantástico (Buenos Aires Rojo Sangre, Argentina, 2011); Montevideo Fantástico VI (Uruguai 2011); 2ª Mostra CORTADOS (Argentina, 2011); 9º Arouca Film Festival (Portugal 2011); VII Festival Latino-Americano de Curtas Metragens de Canoa Quebrada (Ceará, Fortaleza, 2011); CineFantasy - Festival Internacional de Cinema Fantástico (SP, 2011); V Festival Curta Cabo Frio (RJ, 2011); Mostra especial na CINEMATECA (SP, 2011); Cineclube Auditório da ONG Ação Educativa (SP, 2011); Cineclube LUNETIM MÁGICO (SP, 2011); 3º Festival Art Déco de Curtas e Docs (SP, 2011); 2º Festival de Cinema CurtaAmazônia (2011); Guarú Fantástico. 1ª Mostra de Curtas Fantásticos (Guarulhos, SP, 2011). TAKE 1 (Indaiatuba, SP, 2011); 5ª Mostra de Cinema e Vídeo de Miracema (Tocantins, 2010); 2º Curta Neblina - Festival Latino Americano de Cinema (Paranapiacaba, SP, 2010); 1ª Mostra do Clube Glória (SP, 2010); 3º Curta Taquary (Taquaritinga do Norte, PE, 2010); Pré-estreia no Xtreme Club (São Paulo, SP, 2010).

2 2 cinematográfico foi inclusive incorporada à montagem do filme em seus primeiros trinta segundos de apresentação e em sua descrição na versão oficial do curta-metragem disponível no Youtube 3. O filme também se destaca por manter uma estrutura narrativa, que, apesar de ser considerada linear e comum, consegue justapor originalmente duas histórias (ou temáticas): a história de Jesus Cristo e a temática da violência urbana tão comumente abordada no nosso cotidiano. Com boa produção em termos de fotografia e maquiagem, o curta-metragem fala de um grupo de extermínio que envolve policiais e um jovem de classe alta, cujo objetivo é poder fazer justiça por conta própria, assassinando pessoas que se encontram numa posição de marginalização social, no contexto de uma cidade grande. A polícia a corporação/instituição como um todo, excluindo-se aí os policiais envolvidos no grupo de extermínio tenta localizar os criminosos e desmontar o grupo. A história constrói uma espécie de apocalipse urbano, trazendo a temática da violência associada às drogas de forma a afetar vários sujeitos direta ou indiretamente. As duas principais vítimas do filme são um morador de rua cujo nome é Jesus e uma prostituta, os quais participam de muitas cenas de violência do curta. O objetivo desta pesquisa foi analisar o curta tendo em vista entender porque um filme que não é tem uma grande produção, que pouco inova e que tem uma narrativa com características conservadoras teve uma repercussão tão relevante no meio cinematográfico, sendo inserido entre os festivais da área. A análise é feita partindo da observação de elementos narrativos do filme associada a uma pesquisa bibliográfica e virtual sobre o objeto em si e sobre teorias que auxiliem a entender o curta e sua narrativa. 2. ANÁLISE Nesta análise consideramos que a narrativa pode se dar de maneira distinta, dependendo do veículo ou meio que a suporta. A narrativa, de acordo com Navarro (2006, p. 16), é o ato de converter em uma série de formas inteligíveis uma série de acontecimentos, de maneira que a transmissão, em qualquer suporte, desta forma gere um conhecimento sobre esses acontecimentos [...] A narrativa pode se dar em formatos distintos e em formas muito diferentes. Na narrativa ficcional do curta O último dia, as 3 Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=a3heww_9apo>.

3 3 unidades narrativas mínimas do filme são organizadas segundo um padrão lógico e cronológico. Sobre a narrativa audiovisual, mais especificamente, García Jiménez (1993, p. 13) explica que há uma exploração da capacidade de as imagens visuais e acústicas contarem histórias: [...] la facultad o capacidad de que disponen las imágenes visuales y acústicas para contar historias, es decir, para articularse con otras imágenes y elementos portadores de significación hasta el punto de configurar discursos constructivos de textos, cuyo significado son las historias, la narrativa audiovisual es la ordenación metódica y sistemática de los conocimientos, que permiten descubrir, describir y explicar el sistema, proceso y los mecanismos de la narratividad de la imagen visual y acústica fundamentalmente, tanto en su forma como en su funcionamiento. A junção de temáticas para a construção da narrativa do filme nos sugere que a intertextualidade e o dialogismo presentes nas produções cinematográficas vão muito além da técnica e se organizam de modo a gerar novos sentidos. O cinema não copia de um modo objetivo, naturalista ou contínuo uma realidade que lhe é proposta: corta seqüências, isola planos, e recombina-os através de uma nova montagem. O cinema não reproduz coisas: manipula-as, organiza-as, estrutura-as. E só na nova estrutura obtida pela montagem dos elementos é que estes ganham um sentido. Este princípio da montagem, ou melhor da junção de elementos isolados, semelhantes ou contraditórios, e cujo choque provoca uma significação que eles não têm em si mesmos, foi Eisenstein encontrá-lo na escrita hieroglífica. (KRISTEVA, 1988, p. 361) Faz-se interessante a percepção de que, apesar de ser construído em uma narrativa linear e de características bastante clássicas, o filme analisado traz alguns elementos do cinema moderno como cortes bruscos que dão ideia de montagem e movimentos instáveis de câmera. Simultaneamente, o curta ainda traz uma tentativa de representação de uma situação real, de algo que está no mundo a violência urbana, mesclando elementos históricos religiosos que aludem a Cristo, de forma que é criada uma representação de uma história que nem é totalmente real, pois não há uma simulação que tenta imitar uma situação que tenha ocorrido com aqueles personagens na vida real, mas também não é totalmente ficcional já que traz elementos históricos e do cotidiano. Para Aumont (1994, p. 100), uma ficção seria uma espécie de representação em dobro, já que o cenário e os atores representam uma situação, que é a ficção, a história contada e o próprio filme representa, na forma de imagens justapostas, essa primeira representação. No entanto, apesar de Aumont (1994, p. 100) considerar o filme

4 4 ficcional duas vezes irreal irreal pelo que representa (a ficção) e pelo modo como representa (imagens de objetos ou atores), não consideramos aqui o curta analisado como irreal no sentido de oposição a produções reais. Entendemos que o curtametragem sobre o qual nos debruçamos não é pura e completamente ficcional, porque até a ficção mais fantasiosa está ancorada na realidade e é nutrida por elementos concretos. Evidenciando estruturas narrativas conservadoras e arquétipos de personagens da tradição clássica, destacamos o roteiro padrão do curta com situações que oscilam entre tensão e relaxamento e com uma apresentação das situações e do contexto do filme imerso em uma pretensa realidade. Uma obra clássica tende a possuir um roteiro padrão e industrial, com doses bem-estabelecidas em suas situações de tensão e relaxamento. A intenção do cinema clássico é envolver o espectador e fazê-lo acreditar que a estória contada é real, eliminando-se as lacunas causadas pelo corte da edição e transmitindo a sensação de tempo corrido, conforme nos define Burch ao notar que essa conquista, ou melhor, esse banimento do acaso, caminhou junto com a progressiva entronização da noção de grau zero do estilo cinematográfico, que visava [a] tornar a técnica invisível e eliminar quaisquer falhas devidas às interferências do acaso (2006, p. 136). Isso quer dizer que os fatos apresentados na tela não precisam essencialmente ser verdadeiros, mas necessitam ser fiéis e realistas com as diegeses fílmicas, com a linha narrativa ficcional que está sendo mostrada ao público. (ZANI, 2009, p. 132) Zani (2009) também explica sobre a curva dramática contida nos filmes clássicos, que têm um começo, um meio e um fim bem-definidos, e sua segmentação respeita a distinção por blocos, estabelecendo uma divisão em etapas que permite uma visão clara dos acontecimentos narrativos, privilegiando-se uma tríade linear, que determina pontos distintos em um filme (2009, p. 133). O curta O último dia deixa perceptível sua curva dramática e sua tríade linear, apresentando um começo (apresentação do contexto, personagens), um meio (tortura de pessoas no desenrolar da trama), e o desenlace próximo a um final esperado da trama (punição dos torturadores, resolução do problema). Essa tríade é definida pelo início da obra, quando as personagens são apresentadas, e os protagonistas e seus respectivos antagonistas são destacados, momento em que o problema principal é apresentado e também é quando surge o conflito; pelo desenvolvimento da trama, etapa que faz a ligação entre o início e o fim do filme, sempre desenvolvida numa linha ascendente, tal etapa também pode ser chamada crise; e pelo desenlace, que não é necessariamente o fim da obra, mas o ponto de virada da narrativa, o momento em que as decisões são tomadas, e os problemas começam a ser resolvidos. no desenlace, o grande motivo da crise torna-se claro, e a objetividade para a resolução desse é evidenciada. É o antecedente direto do clímax ou do fim. (ZANI, 2009, p. 133)

5 5 É perceptível que o filme e sua narrativa ao estilo clássico do cinema trazem uma trilha sonora que parece apenas complementar as imagens. Sobre essa relação entre som e imagem nas produções cinematográficas, é sabido que o som tem uma alta capacidade referencial e a potencialidade de produzir imagens o que não parece ser muito explorado na narrativa de O último dia. Em geral, os personagens, à exceção de Jesus, não têm um nome (próprio) na trama. Dessa forma, os nomes têm pouca relevância no curta, mas sobressaem-se os papéis que eles desempenham, ora corroborando ora distorcendo estereótipos sobre os sujeitos que representam. Isso, no entanto, não prejudica as necessidades dramáticas da narração, tampouco o movimento de acompanhamento do espaço em relação aos personagens. La puesta en escena está sometida a las necesidades dramáticas de la narración, de tal manera que el espacio acompaña al personaje. Esta preeminencia del personaje sobre la puesta en escena otorga unidad dramática a cada secuencia, y propone una lógica fácilmente reconocible por el espectador, al reproducir las convenciones de los arquetipos del héroe, su antagonista y los demás personajes. (ZAVALA, 2005) A polícia enquanto corporação é mostrada de forma heroica. Os policiais que mostram a parte corrompida, arbitrária e autoritária da instituição não representariam a corporação, mas seriam exceções. No final, é mostrada a maioria nobre ou ética da corporação, que acaba com o grupo de extermínio. 3. CONSIDERAÇÕES O filme é norteado por uma disputa bem definida entre o bem e o mal. O bem é representado eminentemente pela polícia. O mal é representado pelos torturadores que, pouco a pouco, perdem a disputa contra o bem, constituindo um final narrativo que traz resolução aos enigmas da trama. Bastante conservador e de características clássicas, o filme apela para o clichê da violência em cenas cuja fotografia e maquiagem chegam a surpreender, mas que não se sobressaem em relação à linearidade da narrativa e à sua estrutura rígida. A escolha por fazer movimentos nervosos de câmera durante a filmagem é um dos poucos elementos que fogem ao padrão clássico. A repercussão do curta-metragem no meio cinematográfico nos leva a refletir e questionar acerca dos critérios adotados pelos circuitos de festivais. A inserção dos

6 6 filmes nos festivais estaria ligada a escolhas políticas ou a moldes ideais de produção? Escolhas conservadoras associadas à boa fotografia e a uma narrativa quadrada seriam características desejáveis às produções exibidas/concorrentes nesses festivais? No entanto, esses questionamentos necessitam de um aprofundamento teórico e empírico mais denso, constituindo um novo problema de pesquisa. AN ANALYSIS OF THE SHORT FILM O ÚLTIMO DIA ABSTRACT O último dia is a short film that stood out because of its impact on cinematic environment and also because of its narrative structure's elements as the juxtaposition of Christ's story and the theme of urban violence. We tried to understand why this film got so much impact, because even with a good photography and with contemporary elements of production, it can be considered as a linear and conservative movie. Constructing a discussion based on researchers as Aumont (1994), García Jiménez (1993), Kristeva (1988), Navarro (2006), Zani (2009) and Zavala (2005), we can say that the movie is eminently classic, because of its standard script which shows beginning, middle and expected end, and also because of its polarization between good versus evil. This analysis can also suggest a reflection about which aspects are currently valued at the cinema environment. KEYWORDS: Cinema. Short film. Narrative. REFERÊNCIAS AUMONT, J. A estética do filme. Campinas: Papirus, GARCÍA JIMÉNEZ, J. Narrativa audiovisual. Madrid: Cátedra, KRISTEVA, J. História da linguagem. Lisboa: Edições 70, NAVARRO, J. S. Narrativa audiovisual. Barcelona: Editorial UOC, ZANI, R. Cinema e narrativas: uma incursão em suas características clássicas e modernas. Conexão Comunicação e Cultura. UCS, Caxias do Sul, v. 8, n. 15, jan./jun Disponível em: <http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/viewfile/118/109>. Acesso em: nov

7 ZAVALA, L. Cine clásico, moderno y posmoderno. Razón y Palabra. n. 46, Ago./Set Disponível em: <http://www.razonypalabra.org.mx/anteriores/n46/lzavala.html >. Acesso em: data nov

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades -----------------------------------------------------

Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades ----------------------------------------------------- Regulamento para Inscrição na Mostra Competitiva Mercocidades ----------------------------------------------------- 1 - O Evento: O Primeiro Plano 2015 - Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades,

Leia mais

11º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 11º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 10 a 15 de dezembro de 2012.

11º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 11º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 10 a 15 de dezembro de 2012. 11º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 11º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 10 a 15 de dezembro de 2012. Inscrições para as Mostras Competitivas: 03 de setembro a 09

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

10º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 10º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 05 a 10 de dezembro de 2011 REGULAMENTO

10º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 10º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 05 a 10 de dezembro de 2011 REGULAMENTO 10º SANTA MARIA VÍDEO E CINEMA 10º SMVC FESTIVAL DE CINEMA DE SANTA MARIA Santa Maria Rio Grande do Sul Brasil 05 a 10 de dezembro de 2011 REGULAMENTO Inscrições para as Mostras Competitivas: 08 de setembro

Leia mais

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 1 - DO FESTIVAL 1.1 - O CINEfoot - Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara.

Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara. Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara. Cristhian Caje 1 Resumo A promoção da igualdade de gênero, assim

Leia mais

Regulamento 2014. Objetivos

Regulamento 2014. Objetivos Regulamento 2014 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 19ª edição do festival

Leia mais

Curta-metragem Se Houver Quórum 1

Curta-metragem Se Houver Quórum 1 Curta-metragem Se Houver Quórum 1 Marcelo GERNHARDT 2 Giancarlo Backes COUTO 3 Luan Menezes KONRATH 4 Lucas de Quadros POOCH 5 Leonardo COUTO 6 Fábio SCHMITZ 7 Donesca CALLIGARO 8 José Francisco Mendonça

Leia mais

Trilhando um Blues 1

Trilhando um Blues 1 Trilhando um Blues 1 Cristian Giovani Belló ROSA 2 Eduarda de Oliveira dos SANTOS 3 Francielle CARMINATTI 4 Mayara BOHNENBERGER 5 Mariana Dalpizzo DORINI 6 Robison FLEMMING 7 Arnaldo Telles FERREIRA 8

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

REGULAMENTO Festival Luz de Cinema 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014

REGULAMENTO Festival Luz de Cinema 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014 REGULAMENTO 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014 1 ORGANIZAÇÃO O evento será realizado pela Escola de Comunicação e Artes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO ANO: PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Disciplina: Tópicos Especiais em Arte e Visualidades - Imagem

Leia mais

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Ana Carolina Ribeiro 1 RESUMO Com base nos conceitos imagem-sonho e imagem-lembrança apresentados na teoria de Gilles Deleuze sobre o cinema,

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Vídeo de divulgação do FUSCA 2014 - A Forca 1

Vídeo de divulgação do FUSCA 2014 - A Forca 1 Vídeo de divulgação do FUSCA 2014 - A Forca 1 Aryel Silva SIQUEIRA 2 Bryan José Ferreira de SOUZA 3 Adryan Kaike Fortaleza Alves MOREIRA 4 Laércio Cruz ESTEVES 5 Faculdade Estácio do Pará, Belém, PA RESUMO

Leia mais

Regulamento 2015. Objetivos

Regulamento 2015. Objetivos Regulamento 2015 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 20ª edição do festival

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

PERÍODO/ DATA EVENTO LOCAL 29 de novembro de 2014 Publicação da portaria Diário Oficial do Estado. 01 de dezembro de 2014 Divulgação do regulamento

PERÍODO/ DATA EVENTO LOCAL 29 de novembro de 2014 Publicação da portaria Diário Oficial do Estado. 01 de dezembro de 2014 Divulgação do regulamento PORTARIA SEE Nº 5840 DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES em exercício, no uso de suas atribuições, por intermédio da Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação, considerando

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira Universidade Federal de Alagoas Luciana Fonseca Oliveira O tempo e espaço do filme A Rosa Púrpura do Cairo, uma análise para Fundamentos em Cinema Maceió, dezembro de 2012. Cristian Metz em seu texto A

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Pibid Letras. Interdisciplinaridade. Curta-metragem.

PALAVRAS CHAVES: Pibid Letras. Interdisciplinaridade. Curta-metragem. PROJETO DE LETRAMENTO INTERDISCIPLINAR: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO Aline Fernanda Guse 1 Andressa Regiane Gesser 2 Larissa Patricia Theiss 3 Maristela Pereira Fritzen

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Aluna: Juliana Pereira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

Herlam Pechar GLÓRIA 2 Leonardo de QUEIROZ 3 Leila Ronize Moraes de SOUZA 4 Centro Universitário do Norte Uninorte/Laureate, Manaus, AM

Herlam Pechar GLÓRIA 2 Leonardo de QUEIROZ 3 Leila Ronize Moraes de SOUZA 4 Centro Universitário do Norte Uninorte/Laureate, Manaus, AM Haitianos: documentário sobre a imigração dos Haitianos para o Amazonas 1 Herlam Pechar GLÓRIA 2 Leonardo de QUEIROZ 3 Leila Ronize Moraes de SOUZA 4 Centro Universitário do Norte Uninorte/Laureate, Manaus,

Leia mais

A trama acompanha um dia fantástico na vida de um jovem negro, funcionário de uma

A trama acompanha um dia fantástico na vida de um jovem negro, funcionário de uma DIA DE PRETO, primeiro filme de longa-metragem do trio Marcial Renato, Daniel Mattos e Marcos Felipe, vai estrear em salas de cinema na sexta-feira dia 23 de novembro de 2012, quando se comemora a Semana

Leia mais

3 DO 2º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO

3 DO 2º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO 2º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO 1 DO FESTIVAL 1.1 O CINEfoot Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

REGULAMENTO DO I FESTIVAL PRIMEIRO FILME REALIZAÇÃO: PRANA FILMES e SANTANDER CULTURAL

REGULAMENTO DO I FESTIVAL PRIMEIRO FILME REALIZAÇÃO: PRANA FILMES e SANTANDER CULTURAL REGULAMENTO DO I FESTIVAL PRIMEIRO FILME REALIZAÇÃO: PRANA FILMES e SANTANDER CULTURAL A PRANA FILMES e o SANTANDER CULTURAL publicam o presente Regulamento para a realização do II FESTIVAL PRIMEIRO FILME.

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Alunas: Flávia Moreira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo. 16º Concurso de Roteiro Capixaba

Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo. 16º Concurso de Roteiro Capixaba 1 Festival de Vitória 21º Vitória Cine Vídeo 16º Concurso de Roteiro Capixaba A GALPÃO PRODUÇÕES, empresa privada com sede à Rua Professora Maria Cândida da Silva, nº 115 - Bairro República Vitória - Espírito

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

CHAMADA PARA RECEBIMENTO DE PROJETOS OFICINAS 8º DocBsAs

CHAMADA PARA RECEBIMENTO DE PROJETOS OFICINAS 8º DocBsAs CHAMADA PARA RECEBIMENTO DE PROJETOS OFICINAS 8º DocBsAs A Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, através de sua Gerência Internacional, faz saber que estão abertas as inscrições ao 8º Fórum

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURTAS METRAGENS DOCUMENTÁRIOS REPORTAGENS JORNALÍSTICAS PARA VEÍCULOS IMPRESSOS (CDC) e TIRAS DE DESENHO EM QUADRINHOS (QCiência) - INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

BrLab. laboratório de desenvolvimento de projetos no Brasil

BrLab. laboratório de desenvolvimento de projetos no Brasil BrLab laboratório de desenvolvimento de projetos no Brasil De 5 a 11 de novembro de 2012 acontece na cidade de São Paulo a nova edição do laboratório de desenvolvimento de projetos no Brasil, o BrLab.

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI

A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI A POESIA E O CINEMA EM TARKOVSKI Roberto Acioli 1 O meu mais fervoroso desejo sempre foi o de conseguir me expressar nos meus filmes, de dizer tudo com absoluta sinceridade, sem impor aos outros os meus

Leia mais

FESTIVAL DE AUDIOVISUAL DE BELÉM FAB 2015 REGULAMENTO CURTAS METRAGENS

FESTIVAL DE AUDIOVISUAL DE BELÉM FAB 2015 REGULAMENTO CURTAS METRAGENS FESTIVAL DE AUDIOVISUAL DE BELÉM FAB 2015 REGULAMENTO CURTAS METRAGENS 01. O FESTIVAL Criado em 2013, o Festival de Audiovisual de Belém FAB é uma promoção do CLIC, empreendimento sociocultural especializado

Leia mais

Interação Música-Imagem 1

Interação Música-Imagem 1 Interação Música-Imagem 1 Sérgio Basbaum Quase todo o material disponível em português sobre a questão do uso do som no cinema é bastante ingênuo. Esta aula visa mapear o território a partir dos livros

Leia mais

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1

A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 A ARTE DOS ENCONTROS: OS PROFESSORES E O CINEMA 1 RECH, Indiara 2 ; OLIVEIRA, VALESKA FORTES DE 3 ; BREOLIN, Caroline Ferreira 4 ; ZINI, Hallana Cristina Peransoni 5 ; FORTES, Nátali Dezordi 6 1 Trabalho

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

3 DO 3º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO

3 DO 3º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO 3º CONCURSO CINEFOOT 100 ANOS DE PAIXÃO REGULAMENTO 1 DO FESTIVAL 1.1 O CINEfoot Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ. Valeria Valenzuela

ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ. Valeria Valenzuela ENTRE O PRIVADO E O PÚBLICO CONFLITOS DA MEMÓRIA NO DOCUMENTÁRIO CHILENO CALLE SANTA FÉ Valeria Valenzuela Calle Santa Fé (Chile/França, 2007. 167 min.) Direção e Roteiro: Carmen Castillo Echeverría Produção:

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE VÍDEO DE CURTA DURAÇÃO DO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS DO IFTO

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE VÍDEO DE CURTA DURAÇÃO DO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS DO IFTO REGULAMENTO DO 1º CONCURSO DE VÍDEO DE CURTA DURAÇÃO DO DO IFTO 1. TEMA: Aniversário de 1 (um) ano do Campus Colinas do Tocantins, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins. 2.

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: narrativa sonora; som; bullying, PNE.

PALAVRAS-CHAVE: narrativa sonora; som; bullying, PNE. O que os olhos não veem, o coração não sente 1 Adrielly Campos e ALMEIDA 2 Camila Peixoto LESSA 3 Matheus Vitorino BUENO 4 Roberto RODRIGUES 5 Thalita Magalhães BASTOS 6 Geórgia Cynara Coelho de Souza

Leia mais

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1

Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Vídeo institucional para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá: apoio e solidariedade 1 Welytton Cesar Cabral Mazzer HERRERA 2 Ailton Pereira BARBOSA 3 Gilson Moraes da COSTA 4 Antonio Carlos do AMARAL

Leia mais

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez

Roteiro. Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto. Autor Professor Conteudista Rafael Moralez Roteiro 1 Coordenador do curso Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Autor Professor Conteudista Rafael Moralez PACC Programa Anual de Capacitação Continuada Curso: Produção de Vídeo. de Massetto, F. I.,

Leia mais

Luz câmera, ação! Você é o artista com a máquina na mão!

Luz câmera, ação! Você é o artista com a máquina na mão! Luz câmera, ação! Você é o artista com a máquina na mão! E. E. Revendo Augusto Paes de Ávila Sala 2 / Sessão 2 Professora Apresentadora: Vanessa Castelão dos Santos Realização: Foco Desenvolver, por meio

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Roteiro: o projeto narrativo audiovisual 1 Elisabete Alfeld Rodrigues 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUCSP.

Roteiro: o projeto narrativo audiovisual 1 Elisabete Alfeld Rodrigues 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUCSP. Roteiro: o projeto narrativo audiovisual 1 Elisabete Alfeld Rodrigues 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUCSP Resumo O roteiro é um projeto de construção da narrativa audiovisual. Um projeto

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PARA O 8º. FESTIVAL ENTRETODOS DE CURTA METRAGENS EM DIREITOS HUMANOS Nº 002/SMDHC/2015

EDITAL DE CONCURSO PARA O 8º. FESTIVAL ENTRETODOS DE CURTA METRAGENS EM DIREITOS HUMANOS Nº 002/SMDHC/2015 PROC. N. 2015-0.001.536-5 EDITAL DE CONCURSO PARA O 8º. FESTIVAL ENTRETODOS DE CURTA METRAGENS EM DIREITOS HUMANOS Nº 002/SMDHC/2015 A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, no cumprimento

Leia mais

Estética Contemporânea

Estética Contemporânea Estética Contemporânea Mário Xavier Gomes Rocha Ua 71145 Nicolas Provost Moving Stories Nicolas Provost é um realizador e artista visual, que vive e trabalha em Bruxelas. Estudou na Royal Academy of Fine

Leia mais

9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA

9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA 9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA De 05 a 09 de novembro de 2014 Floriano/PI e Barão de Grajaú/MA

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Grete Stern: imagens de sonhos, colagens como máquinas de subjetividade

Grete Stern: imagens de sonhos, colagens como máquinas de subjetividade Grete Stern: imagens de sonhos, colagens como máquinas de subjetividade Laila Melchior 1 Resumo Esta apresentação busca propor algumas reflexões quanto à colagem fotográfica em possíveis aproximações com

Leia mais

6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS

6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS 1 6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS De 22 a 26 de novembro de 2011 Floriano - PI REGULAMENTO

Leia mais

7º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS

7º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS 1 7º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS De 07 a 11 de novembro de 2012 Floriano - PI REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES ESPECIALIZAÇÃO NO ENSINO DA ARTE: TEATRO Roseane Tavares de Araújo Silva - especializanda

Leia mais

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA

CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA CRÍTICA GENÉTICA E ROTEIROS DE CINEMA Carlos Gerbase 1 Resumo Este ensaio mostra as diversas fontes que podem ser utilizadas na crítica genética de roteiros de cinema (incluindo não só textos, mas também

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015 10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS De 04 a 08 de novembro de 2015 REGULAMENTO I DA DATA E LOCAL Art. 1º: O 10º ENCONTRO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FEMININA NO AUDIOVISUAL BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DO FILME LOUCAS PRA CASAR

REPRESENTAÇÃO FEMININA NO AUDIOVISUAL BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DO FILME LOUCAS PRA CASAR REPRESENTAÇÃO FEMININA NO AUDIOVISUAL BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DO FILME LOUCAS PRA CASAR Ana Karolyne Florencio Amorim (1); Anderson Klisnmann Costa Dantas (1) Francicléia Lopes Silva (2); Kamilla de Fátima

Leia mais

DIÁLOGOS Comparação Semiótica entre o Cinema e a Literatura Luciana Lima Alves da Silva Garrit

DIÁLOGOS Comparação Semiótica entre o Cinema e a Literatura Luciana Lima Alves da Silva Garrit COMPARAÇÃO SEMIÓTICA ENTRE O CINEMA E A LITERATURA Luciana Lima Alves da Silva Garrit 1 UERJ INTRODUÇÃO Este trabalho monográfico é uma análise comparativa entre dois tipos de linguagem: O livro Memórias

Leia mais

REGULAMENTO CURTA-SE 12 - Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe. De 17 a 22 de Setembro 2012.

REGULAMENTO CURTA-SE 12 - Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe. De 17 a 22 de Setembro 2012. Regulamento REGULAMENTO CURTA-SE 12 - Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe. De 17 a 22 de Setembro 2012. I FINALIDADE O Curta-SE 12 tem por finalidade levar ao público sergipano a produção de cinema

Leia mais

Alzheimer: de Volta ao Começo 1

Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Alzheimer: de Volta ao Começo 1 Marcelo de Paula LEMOS 2 Marcela Terra Cunha MATARIM 3 Mariana Alves MENDES 4 Celi CAMARGO 5 Universidade de Uberaba, Uberaba, MG RESUMO Alzheimer: de Volta ao Começo é

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURTAS METRAGENS DOCUMENTÁRIOS REPORTAGENS JORNALÍSTICAS PARA VEÍCULOS IMPRESSOS (CDC) e TIRAS DE DESENHO EM QUADRINHOS (QCiência) - INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

IMAGENS EM PAUTA 1. Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pelo ECCO/UFMT. E-mail: jucurvo@gmail.com.

IMAGENS EM PAUTA 1. Mestre em Estudos de Cultura Contemporânea pelo ECCO/UFMT. E-mail: jucurvo@gmail.com. IMAGENS EM PAUTA 1 MEDEIROS, Flor Costa Queiróz 2 ; LIMA, Diego Baraldi de 3 ; CURVO, Juliana Cristina 4 ; FRONZA, Cristiane Guze 5. BARROS, Moacir Francisco de Sant Ana 6. Palavras-chave: cinema; difusão;

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa.

Pré-requisito: Conhecimentos básicos de língua inglesa. Pare de assistir e comece a escrever, criar e produzir para a televisão! A arte de contar histórias é a força cultural dominante no mundo contemporâneo, e as séries televisivas são o meio mais atraente

Leia mais

4º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES De 1 a 12 de dezembro de 2009. Floriano - PI REGULAMENTO

4º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES De 1 a 12 de dezembro de 2009. Floriano - PI REGULAMENTO 4º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES De 1 a 12 de dezembro de 2009. Floriano - PI 1 REGULAMENTO I DA DATA E LOCAL Art. 1º: O 4º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES será realizado

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Regulamento do Projeto Educativo do Madeira Film Festival 2015

Regulamento do Projeto Educativo do Madeira Film Festival 2015 Regulamento do Projeto Educativo do Madeira Film Festival 2015 Enquadramento e Objetivos 1. Este concurso é organizado pelo Madeira Film Festival com a colaboração da Direção Regional de Educação da Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais