REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD

2 I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura 4 IV Critérios de Admissão 5 V Admissão 6 VI Regras de Funcionamento do CD 6 VII Processo Individual do Cliente 7 VIII Lista de Espera 7 IX Pagamentos e Mensalidades 7 X Tabela de Comparticipação / Preçário de Mensalidades 8 XI Refeições 10 XII Quadro de Pessoal 11 XIII Direcção Técnica 11 XIV Direitos dos Clientes 12 XV Deveres dos Clientes 12 XVI Direitos da Fundação 13 XVII Deveres da Fundação 14 XVIII Interrupção da prestação de Cuidados por iniciativa Do Cliente 14 XIX Contrato 14 XX Cessação da Prestação Serviços por facto imputável ao Prestador 14 XXI Livro de Reclamações 14 XXII Entrada em vigor 14 2

3 I. O Centrode Dia Natureza: Tem capacidade para 40 idosos e destina-se a pessoas de ambos os sexos, com mais de 60 anos na situação de reforma ou pré-reforma, contribuindo para que tenham uma vida digna, confortável e saudável, evitando a solidão e o abandono dos familiares, criando laços de amizade e solidariedade entre outros. Pode haver situações em que a idade não seja facto que impossibilite a sua permanência no Centro de Dia, desde que a situação sócio-familiar o justifique. O Centro de Dia oferece aos seus clientes um conjunto de serviços, nomeadamente, alimentação, tratamento de roupas, higiene pessoal e actividades de animação, entre outros. Pode ainda prestar, sempre que as situações o exijam, o serviço de transporte a consultas e a tratamentos no Centro de Saúde de Sta. Maria dos Olivais, a tratamentos de fisioterapia, assim como a realização de determinadas compras. Objectivos: São objectivos da valência proporcionar condições de bem-estar e melhor qualidade de vida aos clientes da Instituição através da prestação de serviços e oferta de actividades, de modo a sentirem-se em casa, esquecendo as preocupações e tristezas nas horas que passam em convívio no Centro de Dia. O Centro de Dia, da Fundação Cardeal Cerejeira, Instituição Particular de Solidariedade Social, tem Acordo de Cooperação, celebrado com o Centro Distrital de Lisboa, em 23 de Novembro de Os utentes do Centro de Dia da Fundação Cardeal Cerejeira podem usufruir dos seguintes serviços e actividades Desenvolvidas: Serviços base: Alimentação ( Almoço e Lanche ) Actividades Socioculturais Serviços Complementares: Transporte Pequeno almoço Apoio na Alimentação Higiene Pessoal Apoio na medicação Cuidados de Saúde ( Medição de tensão arterial e Glicemia) Apoio psicológico Tratamento de roupas 3

4 II. Condições de Admissão Constituem critérios de admissão: Residência na área abrangida pela instituição Situação de isolamento Morte de um dos conjugues Necessidade de convívio por recomendação medica Desajustamento psico-social Problemas habitacionais III. Candidatura 1 Para efeitos de admissão, o cliente deverá candidatar-se através do preenchimento de uma ficha de Atendimento - Inscrição que constitui parte integrante do processo de cliente, devendo fazer prova das declarações efectuadas, mediante a entrega de cópia dos seguintes documentos: Bilhete de Identidade do cliente e do responsável legal, quando necessário; Cartão de Contribuinte do cliente e do responsável quando necessário; Cartão de Beneficiário da Segurança Social do cliente; Cartão de utente dos Serviços de saúde ou de subsistemas a que o cliente pertença; Relatório médico, comprovativo da situação clínica do cliente, prescrição médica e informações sobre o tipo de dieta; IRS do ano anterior; Caso não tenha IRS: Comprovativo das pensões do cliente e de todo o agregado familiar; Fotocópia dos recibos da renda de casa e respectivo contrato de arrendamento, ou no caso de casa própria, a amortização do empréstimo; Comprovativo das despesas médicas mensais em medicamentos de doença crónica comprovada pelo médico. Declaração assinada pelo cliente em como autoriza a informatização dos dados pessoais para efeitos de elaboração de processo de cliente. 4

5 2 No acto da inscrição, o Técnico Superior da Área Social / Comportamental, entrevistará o candidato ou seu familiar, anotando os elementos considerados convenientes e, organizará o processo individual do cliente, no qual incluirá o seu parecer, cabendo ao Director Geral da Fundação decidir sobre a sua admissão. 3 As candidaturas podem ser efectuadas durante todo o ano. Horário de atendimento: 3ª Feira e 5ª feira das 9h30m h às 12h30 m e das 15 h às 17 h 4 O atendimento presencial, efectuado pelo técnico, será efectuado nas instalações do Centro de Idosos, sito na Av. Cidade de Luanda, Lote 33, porta 5 A, piso térreo, Olivais Sul, Lisboa. 5 Em caso de admissão urgente, pode ser dispensada a apresentação de candidatura e respectivos documentos probatórias, no entanto a situação deverá ser regularizada no prazo máximo de 5 dias úteis. O cliente nesta situação, terá que aceitar automaticamente o valor de mensalidade correspondente ao custo real de utente em CD. IV. Critérios de Admissão Sempre que não seja possível a admissão de todos os candidatos a clientes, as admissões serão feitas de acordo com os seguintes critérios: 1 Ser residente na Freguesia de Stª Maria dos Olivais; 2 Encontrar-se em situação de risco ( isolamento, desajustamento familiar); 3 Situação económica desfavorecida; Os critérios de selecção ficam sujeitos a ponderação do Técnico responsável para posterior aprovação do Director Geral. Esta ponderação tem em conta eventuais situações que possam surgir directamente na Instituição ou que sejam colocadas pelos Serviços de Saúde ou acção Social. 5

6 V. Admissão 1 Após o atendimento personalizado, é analisada a candidatura pelo Técnico responsável, a quem compete elaborar a proposta de admissão, a submeter à decisão da entidade competente. 2 É competente para decidir o Director Geral. 3 Da decisão será dado conhecimento ao cliente no prazo de 2 dias úteis. 4 No acto da admissão são devidos os seguintes pagamentos: - Inscrição : no valor igual a meia mensalidade. VI. Regras de Funcionamento do Centro de Dia O Centro de Dia da Fundação Cardeal Cerejeira, funciona todos os dias úteis das 9,00 às horas. Pontualmente, este horário, poderá ser prolongado, por motivos excepcionais, nomeadamente no acompanhamento dos clientes aos serviços de saúde. Interrupções no serviço: Estaremos encerrados nos feriados Nacionais, 3ª feira de Carnaval, 13 de Junho. Poderão ainda ocorrer algumas interrupções esporádicas, previamente informadas aos nossos clientes. Reuniões de clientes: O Técnico Superior da Área Social / Comportamental, promoverá a realização de reuniões de clientes, sempre que considerar oportuno. As sugestões e propostas apresentadas nas reuniões, serão levadas em consideração na definição das regras de funcionamento do CD, na resolução de eventuais problemas que surjam, ou no sentido da melhoria continua dos serviços prestados. 6

7 VII. Processo Individual do Cliente Aquando da admissão do cliente, é elaborado um processo Individual com o seguinte índice: Identificação do Cliente Documentação Pessoal Ficha de Atendimento / Inscrição Ficha de Pré diagnóstico / diagnóstico Ficha de Avaliação e Pareceres Contrato / Declarações PDI Processo de Desenvolvimento Individual Registos Registo de Acção Não Conforme / Reclamação / Observação Correspondência Registos Clínicos Registos Financeiros VIII. Lista de Espera Caso não seja possível proceder à admissão por inexistência de vagas, o cliente será inscrito na nossa lista de espera. O cliente será informado da posição que ocupa na lista de espera e logo que se encontrem reunidas as condições de admissão será contactado pelo Técnico da Fundação. IX. Pagamentos de Mensalidades 1 O pagamento da mensalidade / comparticipação deverá ser efectuado, na secretaria da Sede ou na Secretaria do Centro de Idosos, até ao dia 8 de cada mês, em dinheiro ou em cheque, contra entrega de um recibo. 2 Decorrido o prazo acima indicado, o valor da mensalidade sofrerá um agravamento de 20%. 7

8 X. Tabela de Comparticipação / Preçário de Mensalidades 1 A tabela de comparticipações familiares foi calculada de acordo com a legislação / normativos em vigor e encontra-se afixada em local bem visível. Centro de Dia Situação tipo 30% 2 De acordo com o disposto na Circular Normativa nº 3 de 02/05/97 e na Circular Normativa nº 7 de 14/08/97, da Direcção Geral da Acção Social ( DGAS), o cálculo do rendimento per capita do agregado familiar é realizado de acordo com a seguinte formula: R = RF D N 8

9 Sendo que: R = Rendimento per capita RF = Rendimento mensal ilíquido do agregado familiar D = Despesas fixas N = Número de elementos do agregado familiar No que respeita às despesas fixas, consideram-se para o efeito: O valor das taxas e impostos necessários à formação do rendimento líquido, designadamente do imposto sobre o rendimento e da taxa social única; O valor da renda de casa ou da prestação mensal devida pela aquisição de habitação própria; As despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado em caso de doença crónica. A comparticipação familiar mensal é efectuada no total de 12 mensalidades, sendo que o valor do rendimento mensal ilíquido do agregado familiar é o duodécimo da soma dos rendimentos anualmente auferidos, por cada um dos seus elementos. 3 Haverá lugar a uma redução de 20%, nas mensalidades, sempre que se verifique a frequência por mais de um cliente do mesmo agregado familiar. 4 Haverá uma redução de 25% do valor da mensalidade, quando os períodos de ausência, devidamente justificada, exceda 15 dias não interpolados. 5 No inicio de cada ano civil serão feitas actualizações das mensalidades, sempre tendo em consideração o rendimento do agregado familiar. Sempre que haja lugar a alteração dos serviços prestados, as mensalidades também serão revistas. Os valores resultantes dessas alterações, serão comunicados por escrito, até 30 dias de entrada em vigor da nova mensalidade. 9

10 XI. Refeições As refeições são confeccionadas nas nossas instalações, sob responsabilidade de uma empresa de Catering, cumprindo todas as normas do HACCP. As refeições serão fornecidas no refeitório da Fundação no seguinte horário: Pequenos almoços: das 9h.00m às 11h00 Almoço 1º turno: das 12h00 às 13h00m Almoço 2º turno: das 13h às 13h 30 m Lanche 1º turno: das 16h00 às 16h30m Lanche 2º turno: das 17h às 17h 30m O Pequeno almoço consiste: Café com leite; chá; Cereais; Pão com manteiga O almoço consiste: Um prato de sopa Um prato de peixe ou de carne, com guarnição Pão Fruta ou sobremesa O Lanche consiste: Chá ; Iogurte ou leite com chocolate Pão com guarnição diversa O cliente pode sempre optar por dieta, desde que seja prescrita pelo médico e informe atempadamente os serviços. As ementas estão afixadas na Fundação em locais bem visíveis. 10

11 XII. Quadro de pessoal 1 O quadro de pessoal desta resposta social, encontra-se afixado em local bem visível. 2 O pessoal afecto à resposta social - CD é o seguinte: Nº de Unidades Categoria / Função Afectação 1 Directora Técnica 20% 1 Chefe de Divisão 33,3% 1 Assistente Social 25% 1 Psicólogo 25% 1 Animadora Sociocultural 10% 1 Escriturária 33,3% 2 Auxiliares de Acção Directa 75% 2 Motoristas 33,3% 2 Auxiliar de serviços gerais 33,3% XIII. Direcção Técnica A Direcção Técnica deste estabelecimento, compete a um técnico, nos termos da legislação em vigor para a resposta social do CD, cujo nome, formação funcional se encontra afixado em lugar visível. 11

12 XIV. Direitos dos Clientes Aos clientes do CD, são garantidos os seguintes direitos: Serem tratados com dignidade independentemente da raça, religião, nacionalidade, idade, sexo ou condição social; Serem tratados com respeito e proporcionar boas condições de higiene, segurança e alimentação; Direito a participar em todas as actividades socioculturais e recreativas promovidas pela instituição; Serem informados das normas e regulamentos vigentes pela Fundação e seus representantes; Proceder ao pagamento da mensalidade pontualmente até ao dia 10 de cada mês. XV. Deveres dos Clientes Fornecer à Fundação as informações necessárias à elaboração do respectivo processo, não omitindo nem falseando nenhum dado relevante; Tratar com urbanidade o pessoal do CD; Pagar atempadamente a respectiva comparticipação no custo do CD. Tratar com respeito e dignidade os companheiros, os funcionários e dirigentes da instituição. 12

13 XVI. Direitos da Fundação Sem prejuízo das regras genericamente estabelecidas neste Regulamento, a Instituição tem ainda os seguintes direitos: A lealdade e respeito por parte dos clientes e pessoas próximas; Exigir o cumprimento do presente regulamento; Receber as comparticipações mensais e outros pagamentos devidos nos prazos fixados. XVII. Deveres da Fundação São deveres da Fundação: Prestar os serviços constantes deste Regulamento Interno; Garantir a qualidade dos serviços prestados, nomeadamente através do recrutamento de profissionais com formação e qualificação adequadas; Admitir ao seu serviço funcionários idóneos; Avaliar o desempenho dos prestadores de serviços, designadamente através da auscultação dos clientes; Manter o Ficheiro de pessoal e clientes actualizados e em bom estado de conservação; Manter actualizados os processos de clientes; Garantir o sigilo dos dados constantes nos processos dos clientes; Dispor de um livro de reclamações; Manter actualizado o preçário dos serviços e respectivas condições de prestação. 13

14 XVIII. Interrupção da prestação de Cuidados por iniciativa do Cliente Apenas é admitida a interrupção da prestação do serviço de Centro de Dia em caso de internamento do Cliente ou férias / acompanhamento de familiares. No caso de internamento superior a 15 dias, ao cliente usufrui de um desconto na mensalidade de 25% a efectuar aquando do pagamento da mensalidade do mês seguinte. No caso de férias não haverá lugar a qualquer desconto. XIX. Contrato Nos termos da legislação em vigor, entre o Cliente ou seu representante legal e a Fundação Cardeal Cerejeira deve ser celebrado, por escrito, um contrato de prestação de serviços. XX. Cessação da Prestação de Serviços por facto não imputável ao Prestador A prestação do Serviço em Centro de Dia cessa por denúncia, institucionalização ou morte do cliente. Se o Cliente fizer cessar o contrato por denuncia, deverá informar por escrito a Fundação da vontade de o fazer, com uma antecedência mínima de 15 (quinze) dias. XXI. Livro de Reclamações Nos termos da legislação em vigor, este estabelecimento possui livro de Reclamações, que poderá ser solicitado junto da recepção do Centro de Idosos, sempre que desejado. XXII. Entrada em vigor O presente Regulamento entra em vigor em de de 14

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação A reposta social de Lar designada por Centro Social de Tolosa; Lar Dr. José Manuel Semedo Basso, licenciado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA O Serviço de Apoio Domiciliário do Lar Frei Manoel das

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, designada por S.C.M.A., com acordo de cooperação para

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Centro de Dia é um estabelecimento da Associação de Solidariedade Social de

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Julho de 2012) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

Cáritas Paroquial de Vilar

Cáritas Paroquial de Vilar Cáritas Paroquial de Vilar Regulamento Interno Serviço de Apoio Domiciliário 1/14 Índice Capítulo I Enquadramento, Objectivos e Serviços ----------------------------------------------- pag. 3 Capítulo

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CCD (CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DO PESSOAL DO MUNICIPIO DE CASCAIS) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO JARDIM DE INFÂNCIA DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO

Leia mais

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche)

REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) REGULAMENTO DO INFANTÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PURIFICAÇÃO (Creche) SITE: www.infantarionspurificacao.net (Revisto em Novembro de 2014) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CRECHE) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro designada por S.C.M.A., com acordo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO Lar residencial CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Cercipenela Cooperativa para a Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Penela, Cooperativa de

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA CRECHE CRECHE. Enquadramento CRECHE Enquadramento A actual organização dos modos de vida familiar, tendo em conta a crescente integração da mulher no mercado de trabalho, tem vindo a acentuar a necessidade de criação de estruturas

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial

Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial Regulamento Interno de Funcionamento Lar Residencial Preâmbulo A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Norma I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Norma I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário, designado por Ajudacuida - Apoio Domiciliário Unipessoal, Limitada, Sociedade Unipessoal por

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica,

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...8 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CAPITULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Identificação) O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...6 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO. Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação e Legislação Aplicável 1. A Creche de A Previdência Portuguesa é propriedade de A Previdência Portuguesa - Associação

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social desenvolvida

Leia mais

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUÍS BARROS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Lar da Misericórdia designado por Santa Casa da Misericórdia de Alcobaça, com acordo de cooperação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, adiante designado por APCG, Instituição Particular

Leia mais

Regulamento Interno CENTRO DE DIA. Capítulo I Disposições gerais

Regulamento Interno CENTRO DE DIA. Capítulo I Disposições gerais Regulamento Interno CENTRO DE DIA Capítulo I Disposições gerais Norma I Âmbito de aplicação A resposta social de Centro de Dia, sita nos vários Centros Sociais pertencentes à Obra Diocesana de Promoção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) Índice Capitulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação 3 Norma II Legislação Aplicável 3 Norma III Objetivos do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Associação Betesda, Esperança e Vida é uma Instituição Particular de

Leia mais

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O presente tem por finalidade dotar o lar de idosos designado por Casa de Repouso

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS P á g i n a 1 REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação 1. A Benéfica e Previdente Associação Mutualista, com estatuto

Leia mais

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza Regulamento Interno do Lar Artigo 1º Natureza O Lar constitui uma resposta social desenvolvida em alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para idosos em situação de maior risco de

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES

Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES CENTRO PASTORAL D. ANTÓNIO BENTO MARTINS JUNIOR REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE ACTIVIDADES TEMPOS LIVRES Rua da Rainha, nº 6 - Guimarães 4800 248 GUIMARÃES Telefone 253 416 144 / Fax 253 416 113 E-mail:

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL DE LEÇA DO BALIO REGULAMENTO DO APOIO DOMICILIÁRIO VILA DE LEÇA DO BALIO - MATOSINHOS INTRODUÇÃO O Regulamento Interno do Serviço de Apoio Domiciliário do Lar da 3ª Idade do Centro Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO (CSPSSM) Resposta Social: Creche CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Paroquial de S. Martinho de Sande, designado por CSPSSM,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS Página II NORMAl Âmbito de Aplicaç5o 1. O Sonho dos Avozinhos é uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada exploradora de um

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar.

I Determinação da comparticipação familiar. A comparticipação familiar é determinada de forma proporcional ao rendimento do agregado familiar. MODELO DE REGULAMENTO DAS COMPARTICIPAÇÕES DOS UTENTES E SEUS FAMILIARES PELA UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL I Determinação da comparticipação

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II Âmbito de Aplicação 1 - A Estrutura Residencial para idosos, visa a protecção dos cidadãos na velhice e invalidez, bem como

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Centro de Dia é uma resposta social desenvolvida e integrada no Lar de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559

Santa Casa da Misericórdia de Penela Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 Instituição Particular de Solidariedade Social - NIPC 501 057 501 Fundada em 1559 MEDALHA DE OURO DE HONRA DO MUNICÍPIO PENELA - 29-09 - 1999 REGULAMENTO INTERNO CRECHE CAPITULO I NATUREZA E OBJETIVOS

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE

REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE REGULAMENTO INTERNO DO JARDIM DE INFÂNCIA INDICE Introdução 2 Capitulo I Descrição, Inscrição e Condições Admissão/Matrícula 5 Descrição e Localização Inscrição Condições de Admissão/Matrícula Capitulo

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO LAR

REGULAMENTO INTERNO LAR REGULAMENTO INTERNO LAR www.cprn.pt 2015 REGULAMENTO INTERNO LAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito e Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Casa do Povo de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, adiante designado por APCG, Instituição

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Capítulo I Disposições gerais Norma I Âmbito de aplicação A resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, doravante designada por SAD, sita nos vários

Leia mais

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal...

Índice... 1. Capítulo I... 3. Enquadramento, objectivos e serviços... 3. Artigo 1º - Enquadramento... 3. Artigo 2º - Âmbito pessoal... REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ÍNDICE Índice... 1 Capítulo I... 3 Enquadramento, objectivos e serviços... 3 Artigo 1º - Enquadramento... 3 Artigo 2º - Âmbito pessoal... 3 Artigo 3º -

Leia mais

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno

JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA. Regulamento Interno JARDIM-DE-INFÂNCIA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA Regulamento Interno Rua Cidade Nova de Lisboa (Tras. da Rua Cidade do Negage), n.º 7 e 9, Cave- Olivais Sul 1800-096 Lisboa Tel. 21 851 54 07 Fax. 21 855 12

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação A resposta Social de Serviço de Apoio Domiciliário da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º

REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA NATUREZA E FINS. Art.º 1º REGULAMENTO INTERNO PARA A VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I NATUREZA E FINS Art.º 1º A Associação de Paralisia Cerebral de Évora, com sede na Avenida Diniz Miranda, 23 - Évora, é uma Instituição Particular

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO Abril de 2015 Qta. Anjo - do Barreiro REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO IMP02.PC05 MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação Felisbela Tavares Santos Parrinha, Lda., gestora do Jardim Infantil Nossa Senhora da

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS

NORMAS REGULADORAS DAS CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS CENTROS DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES COM FINS LUCRATIVOS A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Despacho Normativo n.º 96/89, de 21 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Despacho Normativo n.º 96/89 de

Leia mais

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO ÍNDICE INTRODUÇÃO 4 MISSÃO, VISÃO, VALORES 5 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE JARDIM DE INFÂNCIA I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da instituição, ao nível da valência de Jardim de Infância, para que

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DA CASA DA POESIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de Aplicação O Centro Social São Nuno de Santa Maria é uma associação sem fins lucrativos de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE SAD

REGULAMENTO INTERNO DE SAD 1/18 CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Denominação e Fins da Instituição A IPSS designada por, com sede na Freguesia de Praia do Ribatejo, concelho de Vila Nova da Barquinha, cujos estatutos se encontram

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJECTO Gai@prende+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROJETO GAI@PRENDE+ 2 PREÂMBULO A educação é um instrumento fundamental para assegurar uma sociedade do conhecimento e um melhor entendimento do mundo, para o garante de uma cidadania

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPITULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Fundação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE

REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE REGULAMENTO INTERNO DA VALÊNCIA DE CRECHE I - OBJETIVOS ARTº 1 - O Regulamento Interno visa ordenar e reger a vida interna da Instituição, ao nível da valência de Creche, para que todos possam colaborar

Leia mais

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Bruna Raquel Mendanha Cargo: Assistente Social Ana Filipa Belchior Cargo: Assistente Social Mónica Isabel Santos Cargo:Animadora Sócio Cultural

Bruna Raquel Mendanha Cargo: Assistente Social Ana Filipa Belchior Cargo: Assistente Social Mónica Isabel Santos Cargo:Animadora Sócio Cultural IDENTIFICAÇÃO SOCIAL Denominação Social: Centro Social Paroquial de São Jorge de Arroios Morada: Rua Carlos José Barreiros, 19 1000-087 Lisboa Freguesia: São Jorge de Arroios Telefone: 21 8435200 Fax:

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CRECHE

REGULAMENTO INTERNO CRECHE REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina

Leia mais

LAR FREI MANOEL DAS ENTRADAS REGULAMENTO DO CENTRO DE DIA

LAR FREI MANOEL DAS ENTRADAS REGULAMENTO DO CENTRO DE DIA LAR FREI MANOEL DAS ENTRADAS REGULAMENTO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 1 1. De acordo com os Estatutos, o Lar Frei Manoel das Entradas, é uma Instituição Particular

Leia mais

INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA

INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA INSTITUTO DE PEDAGOGIA CURATIVA E SOCIOTERAPIA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL Data: 2009-03-02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Data: 2015-04-22 Regulamento Interno Resposta Social:

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011

REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 REGULAMENTO INTERNO 2010-2011 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA

FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA FUNDAÇÃO LUIZ BERNARDO DE ALMEIDA REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social, designada

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais