Formal de Adultos: Comissão Europeia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formal de Adultos: Comissão Europeia"

Transcrição

1 BG Educação Formal de Adultos: : Políticas e Práticas na Europa Comissão Europeia

2

3 EURYDICE Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa EURYDICE A Rede de Informação sobre Educação na Europa

4 O presente documento é uma publicação da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA P9 Eurydice). Encontra-se também disponível em inglês ( Adults in Formal Education: Policies and Practice in Europe), francês (L éducation formelle des adultes en Europe: politiques et mise en œuvre) e alemão ( Formelle Erwachsenenbildung: Massnahmen und Praktiken in Europa). O presente documento encontra-se também disponível na Internet (em Texto finalizado em Fevereiro de Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura, O conteúdo da presente publicação pode ser parcialmente reproduzido, excepto se a reprodução se destinar a fins comerciais, e na condição de que o excerto reproduzido é precedido de uma referência à rede Eurydice, seguido da data de publicação do documento. Caso se pretenda reproduzir a totalidade do documento, dever-se-á solicitar a devida autorização à Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA) P9 Eurydice. Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura P9 Eurydice Avenue du Bourget 1 (BOU2) B-1140 Brussels Tel. : Fax : Correio electrónico: Sítio na Internet: EURYDICE Unidade Portuguesa Av. 24 de Julho, n.º LISBOA Tel.: Fax: Correio electrónico: Internet: Editor da versão portuguesa: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação, Ministério da Educação ISBN Depósito Legal: /11 doi: /58805 Outubro 2011 Capa: PIMC, Lda., Produção de Imagem e Meios de Comunicação Tiragem: 80 exemplares Impresso em Portugal por: Editorial do Ministério da Educação

5 ÍNDICE Prefácio 5 Introdução 7 Capítulo 1 Indicadores no quadro da educação e formação de adultos Nível de escolaridade da população adulta europeia Participação de adultos em programas de aprendizagem ao longo da vida Participação de adultos em programas de educação e formação formais 13 Capítulo 2 Definição do conceito de educação e formação formais para adultos Definições de educação formal, não formal e informal A educação formal no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos 19 Capítulo 3 Alunos adultos e qualificações até ao ensino secundário superior (nível 3 da CITE) Padrões organizacionais e principais modelos de oferta Programas até ao ensino secundário inferior (nível 2 da CITE) Programas no ensino secundário superior (nível 3 da CITE) Enquadramento dos vários níveis e tipos de educação Acordos institucionais Adaptação dos programas de educação e formação formais às necessidades dos alunos adultos Modularização dos programas e aumento da flexibilidade dos percursos educativos Reconhecimento e validação das aprendizagens no âmbito da educação não-formal e informal Ensino aberto e a distância Professores e formadores 41 Capítulo 4 Estudantes adultos no ensino superior Políticas, estratégias e medidas para incentivar a participação dos estudantes adultos no ensino superior Reconhecimento e validação das aprendizagens não-formais e informais Enquadramento legislativo e validação das aprendizagens não-formais e informais no ensino superior Acesso ao ensino superior via reconhecimento e validação das aprendizagens prévias Progressão no ensino superior via reconhecimento e validação das aprendizagens prévias Programas de preparação para candidatos não tradicionais ao ensino superior Programas de estudo alternativos no ensino superior Compreensão da terminologia Participação em cursos do ensino superior a tempo parcial Iniciativas a nível nacional que visam incentivar programas alternativos de estudo no ensino superior 55 3

6 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa Capítulo 5 O financiamento da educação formal para adultos e o apoio dado aos alunos Fontes de financiamento da educação formal para adultos Financiamento público Propinas pagas pelos alunos Financiamento por parte dos empregadores Apoio financeiro dado aos alunos e licença de estudo Apoio financeiro directo Incentivos fiscais Licença de estudo Apoio específico aos alunos desempregados 68 Conclusão 71 Bibliografia 75 Glossário 79 Índice de figuras 83 Agradecimentos 85 4

7 PREFÁCIO Na última década, a aprendizagem ao longo da vida ocupou uma posição central na agenda da política de cooperação europeia no âmbito da educação e da formação. A educação de adultos, por sua vez, foi reconhecida como sendo uma componente importante da aprendizagem ao longo da vida. As oportunidades de aprendizagem para adultos são essenciais para garantir o progresso económico e social, bem como a realização pessoal dos indivíduos. A educação de adultos gera retorno sob a forma de uma maior participação cívica, melhor saúde e maior bem-estar dos indivíduos. Entre os benefícios públicos e privados da educação e da formação de adultos estão a maior empregabilidade e a melhor qualidade do emprego. Há cerca de dez anos, os Estados-Membros da UE comprometeram-se com cinco objectivos ou valores de referência no domínio da educação e da formação, um dos quais fixando que, em 2010, uma média de pelo menos 12,5% da população adulta devia participar na aprendizagem ao longo da vida. Em 2009, os Estados-Membros acordaram elevar este valor de referência para 15%, a alcançar até 2020, no âmbito do quadro estratégico para a cooperação no domínio da educação e da formação ( EF 2020 ) ( 1 ). Com o apoio da Comissão, os Estados- -Membros desenvolvem, presentemente, um trabalho conjunto para atingir este objectivo comum. A Comunicação Educação de adultos: nunca é tarde para aprender (Comissão Europeia, 2006) destacou o contributo essencial da educação e da formação de adultos para a competitividade, a empregabilidade e a inclusão social. A esta Comunicação seguiu-se o Plano de Acção para a Educação de Adultos Nunca é Tarde para Aprender (Comissão Europeia, 2007), que identificou cinco áreas de acção, no domínio da educação e da formação de adultos: analisar os efeitos das reformas empreendidas, nos diferentes sectores da educação e formação, ao nível da educação de adultos; melhorar a qualidade dos serviços prestados no sector da educação de adultos; aumentar as possibilidades de os adultos acederem, pelo menos, a um nível de qualificação mais elevado, relativamente ao nível de qualificação que possuem; acelerar o processo de avaliação das competências profissionais e sociais, e garantir a sua validação e reconhecimento em termos de resultados de aprendizagem; melhorar a monitorização ao nível do sector da educação de adultos. O Plano de Acção para a Educação de Adultos decorreu até ao final de 2010, sendo intenção da Comissão propor um novo plano de acção no ano de É, portanto, um momento oportuno para fazer uma retrospectiva do Plano de Acção e das suas prioridades, assim como analisar a forma como os diferentes países europeus enfrentaram os desafios que se colocam. Posto isto, é com grande satisfação que apresento o presente relatório da Eurydice sobre a educação e a formação de adultos, elaborado no quadro do Plano de Acção para a Educação de Adultos, nomeadamente com o objectivo de oferecer aos adultos oportunidades de obterem uma qualificação mais elevada e aumentarem o seu nível ( 1 ) Conselho da União Europeia, Conclusões do Conselho relativamente ao quadro estratégico para a cooperação europeia na área da educação e da formação (EF 2020), JO C 119/2 de

8 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa de escolaridade. O relatório não incide apenas sobre as oportunidades dadas aos adultos pouco qualificados, com vista à obtenção de uma qualificação formal. Abrange, também, as políticas e as medidas destinadas a aumentar a participação no ensino superior, de adultos que regressam ao ensino. Todos estes aspectos são ilustrados com um vasto conjunto de exemplos concretos. É minha convicção que este relatório constitui um inventário valioso das iniciativas e medidas em curso no domínio da educação e da formação de adultos, e que será de grande interesse para decisores políticos, profissionais e todos os interessados em conhecer abordagens eficazes e eficientes em matéria de educação de adultos. Androulla Vassiliou Comissária responsável pela Educação, Cultura, Multilinguismo e Juventude 6

9 INTRODUÇÃO O presente relatório foi elaborado como resposta directa ao Plano de Acção para a Educação de Adultos Nunca é Tarde para Aprender (Comissão Europeia, 2007), mais especificamente ao objectivo definido tendo em vista o aumento das oportunidades de os adultos acederem pelo menos a um nível de qualificação mais elevado do que o detido anteriormente. Este documento centra-se nas oportunidades concedidas aos adultos pouco qualificados para concluírem o ensino básico ou conseguirem uma habilitação ao nível do ensino secundário, incluindo ainda as medidas passíveis de contribuir para a expansão do acesso ao ensino superior dos adultos que regressem ao sistema de educação formal. Âmbito do relatório O documento inclui uma análise de dados estatísticos referentes ao nível de escolaridade da população europeia e à participação de adultos na educação e na formação. De igual modo, clarifica o conceito de educação e formação de adultos formal. No entanto, o relatório foca-se principalmente numa síntese comparativa das políticas e medidas adoptadas pelos países europeus com vista a dar oportunidades aos adultos de aumentarem as suas qualificações. Para efeitos de comparabilidade, o relatório não compreende a totalidade dos programas e/ou qualificações de educação e formação para os adultos que podem estar a ser ministrados nos vários países europeus. Incide sobretudo em programas relacionados com as principais qualificações nacionais, nomeadamente as tradicionalmente associadas à educação e à formação inicial, e analisa como obtê-las numa fase posterior da vida. Sempre que isso for pertinente e adequado, o documento aborda também outras qualificações reconhecidas a nível nacional. Além dos programas de educação e de formação formais propriamente ditos, o relatório analisa até que ponto os resultados da aprendizagem adquiridos em contextos não formais e informais são reconhecidos e acreditados com vista à obtenção de qualificações formais. Estrutura O presente relatório está estruturado em cinco capítulos. O Capítulo 1 apresenta uma série de indicadores sobre a educação de adultos, definindo o contexto para uma análise mais aprofundada das oportunidades de educação formal para adultos na Europa. Inclui dados sobre o desenvolvimento dos recursos humanos na Europa e a participação dos adultos na aprendizagem ao longo da vida, focando especificamente a educação e a formação formais. O Capítulo 2 explana as abordagens teóricas do conceito de educação formal de adultos. Analisa e compara as diferentes definições de educação formal, não formal e informal, aplicadas ao domínio da educação e da formação na Europa, dando especial atenção ao conceito de educação formal de adultos, no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos (Adult Education Survey, AES). O Capítulo 3 faz um levantamento dos programas dirigidos a alunos adultos, e que sejam conducentes a qualificações que, em termos de perspectivas de progressão, podem ser equivalentes às qualificações até ao ensino secundário superior (nível 3 da CITE) regular. Descreve a organização destes programas de segunda oportunidade e a forma como eles se adaptam às necessidades dos alunos adultos. 7

10 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa O Capítulo 4 descreve as medidas que visam promover a participação dos adultos que regressam ao ensino superior. Apresenta políticas explicitamente direccionadas para alunos adultos, bem como medidas destinadas a melhorar o acesso ao ensino superior de alunos não tradicionais, incluindo os alunos adultos. Por fim, o Capítulo 5 fornece informações sobre os modelos de financiamento utilizados a nível da educação e da formação formais, assim como descreve os vários tipos de apoios passíveis de facilitar a participação dos adultos na educação formal. Os Capítulos 3, 4 e 5 incluem um vasto número de exemplos concretos e ilustrativos dos aspectos gerais apresentados no texto, e fornecem informações mais pormenorizadas sobre os vários programas, medidas e políticas actualmente em curso na Europa. Estes exemplos distinguem-se do texto principal empregando um tipo de letra diferente. Metodologia Este documento baseia-se sobretudo em informações recolhidas pela Rede Eurydice e extraídas da sua base de dados descritivos Eurybase ( 1 ). Isto aplica-se especificamente aos Capítulos 3, 4 e 5 do presente relatório. Em casos específicos, a informação disponível na base de dados Eurybase foi complementada com dados de outras fontes, na sua maioria dados recolhidos no âmbito dos estudos Ensino Superior na Europa 2009: Evolução do processo de Bolonha (Eurydice, 2009) e The Modernisation of Higher Education (A Modernização do Ensino Superior) (Eurydice, a publicar), a par de descrições dos sistemas nacionais de ensino e formação profissional, apresentadas pela rede ReferNet ( 2 ) do Cedefop. O Capítulo 1 do presente relatório baseia-se em dados do Eurostat provenientes do Inquérito às Forças de Trabalho da UE (IFT UE) e do Inquérito sobre a Educação de Adultos (AES). Embora a classificação CITE 97 constitua o principal ponto de referência desta análise comparativa, o documento tem, também, em conta a evolução do Quadro Europeu de Qualificações (QEQ) e dos Quadros Nacionais de Qualificações (QNQ). A referência a estes últimos respeita, em especial, aos países que já adoptaram oficialmente um Quadro Nacional de Qualificações ( 3 ). A elaboração e a redacção do relatório foram coordenadas pela Unidade Eurydice da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA), tendo a versão do projecto do relatório sido submetida às Unidades Nacionais para apresentação de comentários e validação. O relatório reflecte a situação a partir de Novembro de Todos os que para ele contribuíram são mencionados no final do documento. ( 1 ) ( 2 ) ( 3 ) Em Maio de 2010, havia quadros nacionais de qualificações instituídos na Bélgica (Comunidade Flamenga), Estónia, França, Irlanda, Malta, Portugal e Reino Unido (Cedefop e Comissão Europeia, 2010). 8

11 CAPÍTULO1: INDICADORES NO QUADRO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS O presente capítulo apresenta um conjunto de indicadores que define o contexto do presente estudo sobre as oportunidades de educação formal para adultos, na Europa. A primeira secção centra-se nos dados relativos ao desenvolvimento dos recursos humanos na Europa. A segunda apresenta dados gerais sobre a participação de adultos na aprendizagem ao longo da vida, e a última secção do capítulo analisa os dados relativos à educação e à formação formais de adultos. O Inquérito às Forças de Trabalho da UE (IFT UE) e o Inquérito sobre a Educação de Adultos (AES), constituíram as principais fontes de informação utilizadas Nível de escolaridade de população adulta europeia Normalmente, o nível de escolaridade da população adulta é utilizado como indicador dos conhecimentos e competências disponíveis na economia, sendo identificado através do nível de educação formal atingido pela população adulta. Segundo o Inquérito às Forças de Trabalho da UE, cerca de 70% dos adultos (25-64 anos) europeus concluíram pelo menos o ensino secundário superior (nível 3 da CITE), pelo que os adultos com baixo nível de escolaridade (ou seja, inferior ao ensino secundário inferior nível 2 da CITE) representam menos de um terço da população adulta europeia. Porém, este valor corresponde a cerca de 76 milhões de adultos na UE. Figura 1.1: População adulta da Europa com um nível de escolaridade inferior ao ensino secundário superior (CITE 3), anos (%), 2009 % % : 0 EU-26 BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 28,0 29,4 22,1 8,6 23,7 14,5 11,1 28,5 38,8 48,5 29,6 45,7 27,6 13,2 8,7 22,7 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 19,4 72,3 26,6 18,1 12,0 70,1 25,3 16,7 9,1 18,0 19,3 25,4 34,1 : 19,5 71,8 Fonte: Eurostat, Inquérito às Forças de Trabalho da UE (dados extraídos em Janeiro de 2011). Analisando individualmente os países, observam-se variações significativas na Europa: na República Checa, Alemanha, Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia e Eslováquia, a proporção da população adulta sem ensino secundário superior (nível 3 da CITE) concluído é relativamente baixa (entre 9% e 15%). Na Hungria, Áustria, Eslovénia, Finlândia, Suécia e Noruega, não vai além dos 20%. Em contrapartida, os adultos sem ensino secundário superior concluído representam quase 50% da população entre os anos em Espanha e Itália, e cerca de 70% em Malta, Portugal e Turquia. 9

12 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa Os dados disponíveis do IFT UE indicam também que, em comparação com a população mais idosa, a probabilidade dos jovens adultos terem pelo menos o ensino secundário superior é muito superior: a percentagem dos que atingiram pelo menos o ensino secundário superior é quase 20 pontos percentuais mais elevada no grupo etário dos anos, do que no grupo dos anos. Importa também referir que a categoria dos adultos com baixo nível de escolaridade inclui, também, as pessoas que abandonaram o ensino inicial antes da conclusão do ensino secundário inferior (nível 2 da CITE). Este baixo nível de escolaridade corresponde a cerca de 8% dos adultos na União Europeia, ou seja, cerca de 23 milhões de pessoas. Na República Checa, Dinamarca, Estónia, Letónia, Lituânia, Hungria, Áustria, Polónia, Eslovénia, Eslováquia, Reino Unido e Islândia, a percentagem de população adulta sem o ensino secundário inferior atinge os 2%. Na Alemanha, Bulgária, Roménia e Suécia, é ainda relativamente baixa, entre 3 % e 5 %. No outro extremo do espectro encontram-se a Grécia, Espanha, Malta, Portugal e Turquia. Nos três primeiros países, os adultos que não concluíram o ensino secundário inferior representam entre 20% e 25% da população adulta, enquanto que, em Portugal, representam pouco mais de 50% e, na Turquia, cerca de 62% das pessoas com anos. Figura 1.2: População adulta da Europa com um nível de escolaridade inferior ao ensino secundário inferior (CITE 2), anos (%), 2009 % 80 % : : EU-27 BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR UE-27 BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 8,4 12,7 4,0 0,2 0,5 3,3 1,0 12,5 24,6 20,4 11,7 12,6 16,1 0,7 1,1 8,9 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 1,5 23,6 7,2 1,1 0,5 50,8 4,9 1,8 0,7 8,3 4,9 0,3 1,7 : : 62,3 Fonte: Eurostat, Inquérito às Forças de Trabalho da UE (dados extraídos em Outubro de 2010) Participação de adultos em programas de aprendizagem ao longo da vida A nível europeu, existem três inquéritos cujos dados permitem avaliar a participação de adultos na educação e formação: o Inquérito às Forças de Trabalho da UE (IFT UE), o Inquérito sobre a Educação de Adultos (AES) e o Inquérito sobre a Formação Profissional Contínua (Continuing Vocational Training Survey, CVTS). Enquanto este último inquérito incide especificamente sobre o ensino e a formação profissional, os primeiros dois apresentam dados mais gerais sobre a participação de adultos em programas de aprendizagem ao longo da vida. O Inquérito às Forças de Trabalho da UE é uma fonte de informação para o indicador de referência da UE relativo à participação de adultos em programas de aprendizagem ao longo da vida. O valor de referência, fixado em 15%, deverá ser atingido até 2020 ( 1 ). Segundo os resultados do inquérito, em 2009, quase 10% da popu- ( 1 ) Conselho da União Europeia, Conclusões do Conselho sobre um quadro estratégico para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação (EF 2020), JO C 119/2 de

13 Capítulo 1 Indicadores no quadro da educação e formação de adultos lação adulta europeia participou, nas quatro semanas anteriores ao inquérito, em acções de educação e formação, formais ou não formais. A nível nacional, a situação mostra que os países Nórdicos, os Países Baixos e o Reino Unido já atingiram o objectivo europeu estabelecido para 2020, ao passo que a Áustria e a Eslovénia estão perto de o alcançar. No entanto, a participação de adultos em programas de educação e formação está muito aquém do valor de referência da UE na Bulgária e na Roménia (onde participam menos de 2% dos adultos), assim como na Grécia, Hungria, Eslováquia e Turquia (onde a percentagem é inferior a 4%). Figura 1.3: Participação de adultos em programas de educação e formação, nas quatro semanas anteriores ao inquérito (IFT UE), anos (%), 2009 % 35 % : EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR UE BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 9,3 6,8 1,4 6,8 31,6 7,8 10,5 6,3 3,3 10,4 6,0 6,0 7,8 5,3 4,5 13,4 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 2,7 5,8 17,0 13,8 4,7 6,5 1,5 14,6 2,8 22,1 22,2 20,1 25,1 : 18,1 2,3 Fonte: Eurostat, Inquérito às Forças de Trabalho da UE (dados extraídos em Janeiro de 2011). Nota explicativa Este indicador inclui a participação em programas de educação e formação formais e não formais. O Inquérito sobre a Educação de Adultos é um novo componente das estatísticas da UE em matéria de educação e aprendizagem ao longo da vida. Será realizado pela primeira vez, por toda a Europa, em No entanto, entre 2005 e 2008, foi efectuado um inquérito AES-piloto, com base numa participação voluntária, envolvendo 29 países da UE, EFTA e países candidatos ( 2 ). Ao contrário do Inquérito às Forças de Trabalho da UE, o Inquérito sobre a Educação de Adultos tem como fim específico avaliar a participação de adultos em programas de educação e formação, fornecendo ainda informações mais pormenorizadas sobre as actividades e os programas de aprendizagem em que os adultos participam. Comparando os resultados do Inquérito às Forças de Trabalho da UE com os do Inquérito sobre a Educação de Adultos, as diferenças poderão parecer, à primeira vista, algo surpreendentes. De acordo com o Inquérito às Forças de Trabalho, menos de 10 % dos adultos participam em programas de aprendizagem ao longo da vida, enquanto que os resultados do Inquérito sobre a Educação de Adultos indicam que cerca de 35 % da população adulta europeia participa em programas de educação e formação, formais ou não formais. ( 2 ) Países participantes: Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Malta, Países Baixos, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia e Reino Unido. 11

14 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa Contudo, esta diferença significativa entre os resultados dos dois inquéritos deve-se, em parte, ao facto de, o período de referência do IFT UE se restringir apenas às quatro semanas anteriores ao inquérito, enquanto que o período de referência do AES é de 12 meses. Isto significa que os adultos que não participem em programas de educação nas quatro semanas anteriores ao IFT UE (sendo, portanto, considerados «não-alunos») poderão participar em programas de educação e formação num período mais prolongado (por exemplo, 12 meses). Tal como refere Rosenbladt (2009), a duração do período de referência é importante, designadamente no que toca à participação de adultos em programas de educação e formação não-formais, pois as actividades de educação não formais caracterizam-se por uma duração bastante curta e, muitas vezes, distribuem-se ao longo do tempo. Segundo os resultados do Inquérito sobre a Educação de Adultos, os países com as taxas mais elevadas de participação de adultos em programas de educação e formação são a Suécia (73%), Finlândia (55%), Noruega (55%) e Reino Unido (49%). Estes países registam também taxas de participação muito elevadas no âmbito do Inquérito às Forças de Trabalho da UE. Pelo contrário, o Inquérito sobre a Educação de Adultos revela taxas de participação relativamente baixas na Roménia (7%), Hungria (9%), Turquia (14%) e Grécia (15%), que são confirmadas por resultados análogos no IFT UE. Figura 1.4: Participação de adultos em programas de educação e formação, nos 12 meses anteriores ao inquérito (AES), anos (%), 2007 % 80 % EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR não participou no inquérito-piloto UE BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 34,9 40,5 36,4 37,6 44,5 45,4 42,1 14,5 30,9 35,1 22,2 40,6 32,7 33,9 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 9,0 33,7 44,6 41,9 21,8 26,4 7,4 40,6 44,0 55,0 73,4 49,3 54,6 14,1 Fonte: Eurostat, Inquérito às Forças de Trabalho da UE (dados extraídos em Janeiro de 2011). Nota explicativa Este indicador inclui a participação em programas de educação e formação formais e não formais. Embora, na maioria dos países, os padrões gerais de participação sejam bastante semelhantes em ambos os inquéritos (ou seja, o IFT UE e o AES), em casos pontuais, os resultados são muito díspares. A discrepância dos resultados é mais notória na Bulgária e na Eslováquia, onde, segundo o Inquérito às Forças de Trabalho da UE, a participação de adultos em programas de educação e formação, continua a ser bastante baixa, ao passo que, segundo o Inquérito sobre a Educação de Adultos, a participação se situa acima da média da UE. Estas disparidades entre os resultados do IFT UE e do AES ainda não foram cabalmente esclarecidas. 12

15 Capítulo 1 Indicadores no quadro da educação e formação de adultos 1.3. Participação de adultos em programas de educação e formação formais Quer os resultados do Inquérito às Forças de Trabalho, quer do Inquérito sobre a Educação de Adultos mostram que a proporção de adultos que participam em programas de educação e formação formais (ou seja, a educação ministrada no sistema de ensino, nas universidades ou noutras instituições de educação e formação formais; para saber mais pormenores, ver o Capítulo 2) é bastante menor do que a proporção dos que participam em programas de educação não formal (ou seja, programas de ensino organizados e contínuos, que não correspondem exactamente à definição supra de educação formal; para saber mais pormenores, ver o Capítulo 2). Segundo os dados do Inquérito sobre a Educação de Adultos, na UE, a taxa de participação média de adultos, em programas de educação ou formação formais, é de 6%. Analisando individualmente os países europeus, a taxa varia entre menos de 3% na Bulgária, Grécia, França, Chipre, Hungria e Turquia e mais de 10% na Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Suécia e Reino Unido. A taxa de participação do Reino Unido, a rondar os 15%, representa o valor mais elevado da Europa a nível nacional. Nos países onde a proporção da população adulta pouco qualificada é relativamente elevada (para saber mais informação, ver o ponto 1.1), as taxas de participação de adultos em programas de educação ou formação formais são os seguintes: 7% em Portugal, 6% em Espanha, 5% em Malta, 4% em Itália e 2% na Grécia e na Turquia. Figura 1.5: Participação de adultos em programas de educação e formação formais e não formais, nos 12 meses anteriores ao inquérito (AES), anos (%), % % EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR Educação e formação formais Educação e formação não formais não participou no inquérito-piloto UE BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 6,2 12,5 2,7 3,9 10,1 5,2 5,0 2,3 5,9 1,7 4,4 2,9 5,4 6,3 31,5 33,5 35,2 35,4 37,6 43,1 40,2 12,7 27,2 34,1 20,2 39,5 30,7 30,9 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 2,5 5,2 6,8 4,2 5,5 6,5 3,3 8,7 6,1 10,2 12,7 15,1 9,9 2,3 6,8 31,3 42,1 39,8 18,6 22,5 4,7 36,1 41,2 51,2 69,4 40,3 50,6 12,8 Fonte: Eurostat, Inquérito sobre a Educação de Adultos (dados extraídos em Janeiro de 2011). De igual modo, interessa referir que, embora na maioria dos países, a participação em programas de educação e formação não formais seja pelo menos cinco vezes superior do que nos programas de educaação formal, há países onde a diferença é menos acentuada. É o que sucede na Bélgica, Hungria, Roménia e Reino Unido. 13

16 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa A estrutura etária da participação de adultos em programas de educação e formação formais mostra que os jovens adultos (25-34 anos) são mais propensos a participar em programas formais do que as faixas mais velhas da população. Em média, na UE, 13% dos indivíduos com idades entre os 25 e os 34 anos participam em programas de educação formal, ao passo que, nos grupos etários dos e anos, apenas 5% e 2%, respectivamente, o fazem. No entanto, uma análise da situação nos diferentes países permite constatar algumas diferenças significativas nas taxas de participação dos diferentes grupos etários. Na Finlândia, por exemplo, a taxa de participação do grupo etário dos anos é relativamente elevada (24%), mas a dos grupos etários dos e anos é de apenas 9% e 1%, respectivamente. A situação é ligeiramente diferente em países como o Reino Unido e Bélgica. No Reino Unido, a taxa de participação é de 23% no grupo etário dos anos, mas continua a ser relativamente elevada nos grupos etários dos e anos (15% e 8%, respectivamente). Observa-se uma situação semelhante na Bélgica (22%, 11% e 7%, respectivamente, nos três grupos etários). Tal como sugere Rosenbladt (2009), a análise por grupo etário pode ser vista como um meio de identificar os países onde a educação formal se cinge à infância e ao início da idade adulta, e aqueles em que a educação formal parece ser uma opção em termos de aprendizagem ao longo da vida. Figura 1.6: Participação de adultos em programas de educação e formação formais, nos 12 meses anteriores ao inquérito (AES) por grupo etário, anos (%), 2007 % 30 % EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR anos anos anos não participou no inquérito-piloto UE BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 13,4 21,8 7,4 9,8 28,0 14,8 11,3 5,8 11,8 5,4 12,5 7,8 10,8 16,4 4,5 11,2 1,5 2,6 7,0 2,8 3,5 1,4 4,1 0,6 2,6 1,2 4,7 3,5 2,0 7,4 0,1 0,3 2,1 1,8 0,6 0,1 1,8 0,2 0,7 0,1 1,3 0,3 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 7,2 10,0 15,2 11,4 13,4 13,9 8,7 22,3 12,7 24,0 26,5 23,1 20,8 5,5 1,5 4,9 5,1 2,4 3,2 4,8 2,4 5,5 4,5 8,5 11,4 14,1 8,2 0,5 0,0 1,2 2,4 0,4 0,1 1,2 0,1 0,5 0,1 1,3 2,7 7,7 2,3 0,1 Fonte: Eurostat, Inquérito sobre a Educação de Adultos (dados extraídos em Janeiro de 2011). Em alguns dos países com uma maior taxa de participação de jovens adultos (25-34 anos) na educação formal, os números podem estar distorcidos pelo facto de o ensino, ou a formação inicial ( 3 ), ser mais prolongado nestes países do que nos outros. Assim, nos inquéritos, os jovens adultos que participam em programas de educação ( 3 ) O ensino ou formação inicial é definido como o ensino geral ou formação profissional que se desenrola no âmbito do sistema de ensino ou formação inicial, em princípio antes da entrada na vida activa (Cedefop, 2008). 14

17 Capítulo 1 Indicadores no quadro da educação e formação de adultos formal podem, na realidade, ser alunos do ensino superior que ainda não concluíram os seus estudos iniciais, e não adultos que voltaram ao sistema de educação e formação formais. Tal pode acontecer nos países onde a idade mais comum para se iniciar o 1.º ciclo do ensino superior é depois dos 20 anos (por exemplo, Dinamarca, Lituânia, Suécia e Finlândia (Eurydice, 2010)), bem como nos países onde o pico de participação no ensino superior se verifica apenas aos 22 anos (Finlândia, Suécia, Islândia e Noruega (Eurydice, 2007a)) ou aos 24 anos (Dinamarca e Liechtenstein (Eurydice, 2007a)). Contudo, o Inquérito sobre a Educação de Adultos não permite distinguir entre os jovens adultos ainda com a sua educação formal inicial por concluir e os que voltaram ao sistema de educação formal após um determinado período de ausência. Em relação aos dados sobre a participação de adultos em programas de educação formal, de acordo com o mais alto nível de escolaridade atingido, é possível observar que em todos os países europeus os indivíduos com um menor nível de escolaridade (ou seja, que concluíram no máximo o ensino básico) são os que registam menores taxas de participação. Em média, na UE, apenas cerca de 2% dos adultos pouco qualificados participam em programas de educação e formação formais. A taxa de participação é de 6% entre os adultos que concluíram o ensino secundário e de 12% entre os que fizeram o ensino superior. Figura 1.7: Participação de adultos em programas de educação e formação formais, nos 12 meses anteriores ao inquérito (AES), e em função do nível mais elevado de escolaridade atingido, anos (%), 2007 % 25 % : : EU BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 0 CITE 0-2 CITE 3-4 CITE 5-6 não participou no inquérito-piloto UE BE BG CZ DK DE EE IE EL ES FR IT CY LV LT LU 2,4 6,6 0,2 0,7 7,4 2,5 1,3 0,4 1,7 0,4 0,6 : 0,3 2,0 5,6 11,8 2,5 3,2 9,6 5,2 3,6 2,5 6,6 1,3 6,1 1,0 2,8 3,9 12,1 19,0 6,0 9,7 13,4 7,1 8,5 5,2 12,6 4,0 13,8 7,8 14,7 12,6 HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK IS LI NO TR 0,4 2,1 3,6 1,0 0,7 3,6 0,2 2,1 : 3,7 6,3 7,8 5,6 0,6 2,5 6,6 5,6 4,1 3,4 14,1 3,5 8,9 4,9 11,7 8,8 17,2 7,5 6,2 5,5 18,1 11,3 8,1 16,1 14,7 8,4 13,6 11,2 12,7 24,8 20,6 17,0 7,8 Fonte: Eurostat, Inquérito sobre a Educação de Adultos (dados extraídos em Janeiro de 2011). A análise a nível nacional mostra que, em certos países europeus, a participação de adultos pouco qualificados em programas de educação formal é claramente superior à média da UE. Por exemplo, é de quase 6% na Noruega e entre 6% e 8% na Bélgica, Dinamarca, Suécia e Reino Unido. Assim, parece que estes países são ligeiramente mais bem sucedidos no que concerne a atrair adultos pouco qualificados para programas da educação e formação formais. A Dinamarca é o país que apresenta as taxas de participação mais equilibradas entre os três níveis de escolaridade. O Inquérito sobre a Educação de Adultos adianta igualmente dados interessantes sobre as características dos programas em que os adultos participam. Uma delas é o total de horas dos programas referidas pelos partici- 15

18 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa pantes. Segundo os dados disponíveis, os programas formais são, em média, significativamente mais prolongados do que os programas de educação não formal: na educação formal a média, tendo como base de cálculo o número de horas referido por participante, é de 383 horas, ficando-se pelas 71 horas em programas de educação e formação não formais. Porém, observam-se variações significativas ao nível dos países. O número de horas mais elevado em programas de educação e formação formais é, de longe, o da Alemanha (905 horas), sendo também consideravelmente superior à média da UE na Bulgária (609 horas), Letónia (572 horas), Portugal (543 horas), Áustria (532 horas) ou Suécia (515 horas). Ao mesmo tempo, no Reino Unido, os programas de educação formal caracterizam-se por terem uma duração relativamente curta (121 horas em média). Isto significa que, neste país, a duração média dos programas de educação formal é praticamente igual à dos programas de educação não formal na Dinamarca, Bélgica, Espanha e Hungria, países onde os programas não formais duram em média entre 111 e 121 horas. Este facto pode decorrer de determinadas diferenças conceptuais, abordadas no Capítulo 2 (ponto 2.2) deste relatório. Por fim, interessa igualmente referir que o Inquérito sobre a Educação de Adultos apresenta alguns detalhes sobre os encargos financeiros tidos com os alunos adultos que participam em programas de educação e formação formais. Os custos incluem propinas e taxas de inscrição, bem como materiais escolares. De acordo com os dados disponíveis, em todos os países europeus, a participação em programas de educação formal de adultos exige um investimento financeiro privado superior ao dos programas de educação não formal: os adultos que participaram em programas de educação formal gastaram em média 603 euros, ao passo que a média do investimento privado exigido em programas de educação e formação não formais não foi além dos 145 euros. A despesa média por participante em programas de educação e formação formais varia de país para país. Assim, na Bélgica, República Checa, Letónia, Países Baixos, Roménia, Finlândia, Suécia e Turquia, os adultos que participam em programas de educação formal não gastaram, em média, mais do que 400 euros. Já os alunos de outros países europeus indicaram valores de investimento financeiro privado muito superiores (ver a Figura 1.8). Figura 1.8: Despesa média por participante, em programas de educação e formação formais, nos 12 meses anteriores ao inquérito (AES), anos (euros), 2007 UE BE BG CZ DK DE EE EL ES FR IT CY LV LT : : HU MT NL AT PL PT RO SI SK FI SE UK NO TR Fonte: Eurostat, Inquérito sobre a Educação de Adultos (dados extraídos em Janeiro de 2011). Porém, importa ressalvar que, nos países onde o investimento médio privado por participante é relativamente elevado, certos tipos de programas formais são cobertos por fundos públicos e/ou é prestado um apoio financeiro específico a determinados grupos-alvo. O Capítulo 5 deste relatório apresenta mais pormenores sobre o financiamento de programas de educação e formação formais para adultos. 16

19 Capítulo 2: DEFINIÇÃO DO CONCEITO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAIS PARA ADULTOS Por regra, educação formal de adultos é entendida como consistindo em programas que permitem obter diplomas e certificados equivalentes aos que podem ser obtidos no sistema educativo ou no ensino superior. Embora estes programas sejam o tema central dos Capítulos 3 e 4 deste relatório, importa ter presente que o termo educação formal de adultos pode abarcar um conjunto de programas mais vasto. O presente capítulo visa apresentar as bases teóricas em torno do conceito de educação formal de adultos. O capítulo divide-se em duas secções, a primeira descreve as principais definições de educação formal, não formal e informal utilizadas no domínio da educação e da formação na Europa, e a segunda foca-se no conceito de educação formal de adultos, no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos (AES) Definições de educação formal, não formal e informal A nível europeu, existem actualmente duas obras de referência terminológica fundamentais que abrangem a educação formal, não formal e informal: as duas edições de um glossário elaborado pelo Cedefop (Cedefop, 2004 e 2008) e o manual Classificação das Actividades de Aprendizagem ( Classification of Learning Activities, CLA) elaborado pelo Eurostat (Eurostat, 2006). As definições do último documento baseiam-se no glossário da Classificação Internacional do Tipo de Educação CITE 1997 (UNESCO, 1997). Para além disso, existe ainda um glossário elaborado no âmbito da iniciativa da Comissão Europeia, o Estudo sobre a Terminologia Europeia da Educação de Adultos para um Conhecimento e um Acompanhamento Comuns do Sector (Study on European terminology in adult education for a common understanding and monitoring of the sector, NRDC, 2010). As definições de educação formal, não formal e informal utilizadas baseiam-se nos glossários do Cedefop acima referidos. O glossário do CEDEFOP de 2008 inclui uma selecção de 100 termos utilizados no domínio da política de educação e formação na Europa. Neste glossário, a educação formal é assim definida: Educação que decorre num contexto organizado e estruturado (em estabelecimento de ensino/formação ou no local de trabalho) e explicitamente concebida como aprendizagem (em termos de objectivos, duração ou recursos). A educação formal é intencional por parte do aluno e, em geral, culmina na validação e certificação. (Cedefop 2008, p. 85). A educação não formal tem a seguinte definição: Educação integrada em actividades planificadas que não são explicitamente designadas como actividades de aprendizagem (em termos de objectivos, duração ou recursos). A educação não-formal é intencional por parte do aluno. (Ibid., p. 93). A educação informal consiste em: Educação resultante das actividades da vida quotidiana relacionadas com o trabalho, a família ou o lazer. Não se trata de uma aprendizagem organizada ou estruturada (em termos de objectivos, duração ou recursos). A educação informal possui, normalmente, um carácter não intencional por parte do aluno. (Ibid., p. 133). O manual Classificação das Actividades de Aprendizagem do Eurostat define assim a educação formal: Ensino ministrado no sistema de escolas, faculdades, universidades e outras instituições de educação formal normalmente integradas numa sequência contínua de ensino a tempo inteiro, para crianças e jovens, geralmente iniciado entre os 5 e 7 anos de idade e prosseguindo até aos anos de idade. Em certos países, a última parte desta sequência consiste em programas organizados que combinam o emprego a tempo parcial com a frequência a tempo parcial no sistema de ensino educativo regular e no sistema universitário. Nestes países, estes programas são designados por sistema dual ou termos equivalentes (Eurostat 2006, p. 13). 17

20 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa A educação não formal é definida como: Qualquer actividade educativa, organizada e contínua, que não corresponda exactamente à definição supra de educação formal. A educação não formal pode, portanto, ocorrer dentro e fora das instituições educativas e acolher pessoas de todas as idades. Consoante os contextos nacionais, pode abranger programas educativos orientados para a literacia dos adultos, ensino básico para crianças que não estão frequentam a escola, competências do quotidiano, competências profissionais e cultura geral. Os programas de educação não formal não seguem necessariamente o sistema de escala, podendo ter uma duração variável (Ibid., p. 13). A educação informal é: Intencional, mas menos organizada e menos estruturada... e pode incluir, por exemplo, momentos (actividades) de aprendizagem que ocorram na vida familiar, no local de trabalho e na vida quotidiana de uma pessoa, a nível individual, familiar ou social (Ibid., p. 13). Além disso, o manual apresenta um termo suplementar aprendizagem aleatória, definida como a aprendizagem não intencional. A aprendizagem aleatória está excluída da observação estatística. Os quadros seguintes resumem as definições atrás apresentadas. Figura 2.1: Conceito de educação formal, não-formal e informal segundo o glossário Terminologia da política europeia de educação e formação profissional (Cedefop, 2008) Educação formal Educação não-formal Educação informal Ministrada num contexto organizado e estruturado Explicitamente concebida como aprendizagem Em geral, culmina na validação e certificação Intencional Integrada em actividades planificadas não explicitamente designadas como actividades de aprendizagem Intencional Não organizada ou estruturada Resultante das actividades da vida quotidiana Normalmente, não intencional Figura 2.2: Conceito de educação formal, não-formal, informal e aleatória segundo o manual Classificação das Actividades de Aprendizagem (Eurostat, 2006) Educação formal Educação não-formal Educação informal Educação aleatória Ministrada no sistema de instituições de educação formal (incluindo o sistema dual ) Constitui uma sequência contínua de educação Intencional Dentro e fora das instituições educativas Actividades organizadas e continuadas Não segue necessariamente o sistema da escala Duração variável Intencional Menos organizada e estruturada do que a educação não-formal Intencional Não intencional Excluída da observação estatística A comparação dos dois conjuntos de definições permite observar algumas diferenças conceptuais entre educação formal, não formal e informal. 18

21 Capítulo 2 Definição do conceito de educação e formação formais para adultos Segundo o glossário do Cedefop (Cedefop, 2008), o conceito de educação formal é relativamente amplo: a educação formal inclui actividades realizadas num contexto organizado e estruturado e explicitamente concebidas como aprendizagem. Comparativamente, a educação não formal é integrada em actividades planificadas, sendo que essas actividades não são explicitamente designadas como aprendizagem. No quadro deste conceito, tal significa que, a educação formal corresponde não apenas aos programas escolares ou académicos que permitem obter as principais qualificações nacionais (por exemplo, certificado de conclusão do ensino secundário, bacharelato, etc.), mas também a actividades de educação e formação de curto prazo conducentes a diversos tipos de certificados. A definição de educação formal constante do manual Classificação das Actividades de Aprendizagem (Eurostat, 2006) é mais restritiva. Com base nesta definição, é possível deduzir que a educação formal corresponde a programas que permitem obter as principais qualificações escolares ou académicas a nível nacional, ao passo que os cursos de educação e formação a curto prazo associados a diversos tipos de certificados se inserem no conceito de educação não formal (por exemplo, cursos de literacia para adultos). Deve-se, contudo, sublinhar que, para além das principais definições acima referidas, o Eurostat define outros critérios para diferenciar a educação formal da educação não formal, os quais estendem o conceito de educação formal a outras actividades educativas. Esses critérios são abordados no ponto 2.2 deste documento. Outra diferença entre os dois conjuntos de definições respeita à educação informal. O glossário do Cedefop define a educação informal como não intencional por parte do aluno, enquanto que o manual do Eurostat a define como intencional, mas [...] menos organizada e menos estruturada. No que toca à aprendizagem não intencional, o Eurostat introduz um termo suplementar, a aprendizagem aleatória, e exclui este tipo de ensino da observação estatística. Embora possam parecer acentuadas, as diferenças atrás mencionadas na definição de educação formal, não formal e informal decorrem, acima de tudo, do facto de cada um dos dois documentos ter sido elaborado para diferentes fins. Assim, o manual do Eurostat foi concebido para servir de instrumento para a compilação e apresentação de estatísticas e indicadores comparáveis sobre as actividades de aprendizagem (tanto no seio dos países como entre eles), enquanto que o glossário do Cedefop tinha como objectivo identificar e definir os termos essenciais à compreensão da actual política de educação e formação na Europa. Atentando à existência de diferenças conceptuais nas definições de educação formal, não formal e informal, o ponto 2.2 centra-se no conceito de educação formal no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos A educação formal no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos O manual Classificação das Actividades de Aprendizagem do Eurostat (Eurostat, 2006) foi elaborado para servir de base conceptual ao Inquérito sobre a Educação de Adultos. Além das definições principais de educação formal, não formal e informal (ver o ponto 2.1), o manual apresenta também pormenores sobre os critérios operacionais que permitem distinguir diferentes tipos de actividades de aprendizagem. Relativamente à educação formal, um critério fundamental distingue-a da educação não formal, ou seja, o facto de a actividade se destinar a atingir um resultado de aprendizagem que se enquadre num Quadro Nacional de Qualificações (QNQ). Este é definido como: A única entidade nacional e internacionalmente aceite através da qual todos os resultados de aprendizagem podem ser medidos e relacionados entre si de forma coerente e que define a relação entre todos os certificados de educação e formação. O manual do Eurostat prossegue explicando que: O QNQ pode assumir a forma de documento normativo que estipula as qualificações e as suas posições relativas na hierarquia dos resultados de aprendizagem, bem como os organismos que atribuem essas qualificações (organismos de certificação). [...] Um Quadro Nacional de Qualificações pode ser um mecanismo utilizado para relacionar resul- 19

22 Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa tados de aprendizagem entre si e comunicá-los a um público amplo e/ou um dispositivo regulamentar, por exemplo, para estabelecer normas gerais em matéria de qualificações (Ibid., pp ) ( 1 ). Com base nesta definição, é evidente que, no âmbito do Inquérito sobre a Educação de Adultos, o conceito de educação formal engloba tanto as actividades que permitem obter as qualificações tradicionais do sistema educativo e do ensino superior, como todas as actividades de aprendizagem conducentes a qualificações/certificados incluídas num Quadro Nacional de Qualificações. Este aspecto tem de ser tido em conta ao analisar os resultados do Inquérito sobre a Educação de Adultos, nomeadamente, a participação dos adultos na educação formal. Importa referir que um quadro nacional de qualificações é uma estrutura definida a nível nacional e não universal, pelo que o seu âmbito pode variar consoante o país, facto patente em vários exemplos concretos. Os cursos de competências essenciais, por exemplo, são actividades de aprendizagem que compreendem as competências essenciais da literacia, da numeracia e das TIC, sendo muitas vezes vistos como um exemplo típico da educação não-formal de adultos. As descrições dos sistemas educativos nacionais da Eurydice incluem vários exemplos de diversos programas de competências essenciais. Embora possam levar à atribuição de vários certificados, os cursos de competências essencias não são, em geral, tidos como qualificações reconhecidas a nível nacional. Deste modo, é válido considerar os programas de competências essências como um exemplo típico de educação não-formal de adultos. Contudo, em certos países, a situação pode ser diferente. Por exemplo, as directrizes para as entrevistas do Inquérito Nacional sobre Aprendizagem de Adultos (National Adult Learning Survey, NALS) ( 2 ) no Reino Unido, incluem nas potenciais actividades de educação formal as que permitem obter qualificações associadas a competências-chave ou competências essenciais (NatCen 2005, p. 38). Isto reflecte o facto de, no Reino Unido (Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte), estas actividades de aprendizagem permitirem a obtenção de qualificações certificadas a nível nacional e acreditadas no Quadro Nacional de Qualificações (QNQ). Estas qualificações podem ter títulos diferentes, tais como competências essenciais, literacia de adultos, numeracia de adultos, competências-chave e competências funcionais. Resulta daí que, segundo o manual Classificação das Actividades de Aprendizagem (Eurostat, 2006), os programas que desenvolvem as competências essenciais em matéria de literacia e numeracia no Reino Unido inserem-se na educação formal, quando, em muitos outros países, actividades de aprendizagem semelhantes não permitem obter uma qualificação acreditada e, portanto, pertencem à educação não formal. De igual modo, na Comunidade flamenga da Bélgica, uma qualificação de literacia pode situar-se no Nível 2 da Estrutura de Qualificações flamenga. Na Suécia, as directrizes para as entrevistas do inquérito AES englobam também algumas actividades de aprendizagem passíveis de ser classificadas de forma diferente noutros países (Löfgren e Svenning, 2009; Rosenbladt, 2009). Por exemplo, estas directrizes incluem nas potenciais actividades de educação formal os programas intitulados Sueco para estrangeiros, quando, em muitos países, os cursos de línguas para falantes de outras línguas seriam classificados na categoria da educação não-formal. Outro elemento diferenciador da classificação das actividades de aprendizagem na Europa podem ser os programas intitulados Formação para o mercado de trabalho através do gabinete do serviço de emprego, classificados na Suécia como educação formal (Löfgren e Svenning, 2009; Rosenbladt, 2009). ( 1 ) Esta definição aproxima-se do conceito de Quadro Nacional de Qualificações (QNQ) inscrito na Recomendação relativa à instituição do Quadro Europeu de Qualificações, na qual um QNQ é definido como um instrumento concebido para a classificação de qualificações segundo um conjunto de critérios para a obtenção de níveis específicos de aprendizagem, que visa integrar e coordenar os subsistemas nacionais de qualificações e melhorar a transparência, o acesso, a progressão e a qualidade das qualificações em relação ao mercado de trabalho e à sociedade civil. (Conselho da União Europeia, Parlamento Europeu, Recomendação do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Abril de 2008, relativa à instituição do Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida. JO C 111/1 de ). ( 2 ) O questionário do Inquérito Nacional sobre a Educação de Adultos (NALS) 2005 inclui perguntas dos inquéritos NALS anteriores (2001 e 2002), do Inquérito sobre a Educação de Adultos da UE e do Inquérito às Forças de Trabalho da UE. O questionário contém uma parte específica para as qualificações de Inglaterra e do País de Gales e outra para as da Escócia. O texto refere-se à parte relativa a Inglaterra e ao País de Gales. 20

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012

Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 O relatório Números-Chave sobre o Ensino das Línguas nas Escolas da Europa 2012 consiste numa análise abarangente dos sistemas de ensino

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir

Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir IP/08/1831 Bruxelas, 28 de Novembro de 2008 Banda larga: o fosso entre os países da Europa com melhores e piores desempenhos está a diminuir De acordo com um relatório publicado hoje pela Comissão Europeia,

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009

PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais nas eleições europeias de 2009 Direção-Geral da Comunicação Unidade do Acompanhamento da Opinião Pública Bruxelas, 13 de novembro de 2012 PESQUISA DOCUMENTAL SOBRE AS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 2009 Abstenção e comportamentos eleitorais

Leia mais

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal

Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal IP/08/1397 Bruxelas, 25 de Setembro de 2008 Internet de banda larga para todos os europeus: Comissão lança debate sobre o futuro do serviço universal Como é que a UE vai conseguir que todos os europeus

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Educação Formal de Adultos:

Educação Formal de Adultos: EURYDICE EURYDICE Educação Formal de Adultos: Políticas e Práticas na Europa A Rede Eurydice disponibiliza informação e análises sobre os sistemas educativos e as políticas europeias. Desde 2011, a Rede

Leia mais

Educação de Sobredotados na Europa

Educação de Sobredotados na Europa Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação Ministério da Educação Educação de Sobredotados na Europa EURYDICE EURYDICE A Educação de Sobredotados na Europa EURYDICE A Rede de Informação sobre Educação

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica

Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica IP/08/641 Bruxelas, 25 de Abril de 2008 Inquérito mede o pulso à saúde em linha na Europa e receita uma maior utilização das TIC pela classe médica A Comissão Europeia publicou hoje as conclusões de um

Leia mais

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) MEMO/11/406 Bruxelas, 16 de Junho de 2011 Saúde: pronto para férias? viaje sempre com o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Em férias nunca se sabe! Está a pensar viajar na UE ou na Islândia,

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005

Regras de Atribuição de DNS. 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 Regras de Atribuição de DNS 21 de Abril de 2005 Luisa Lopes Gueifão CRSC 2005 O DNS em Portugal O nome de domínio.pt Como registar um nome de domínio em.pt As regras As novas possibilidades de registo

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres

A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres IP/10/236 Bruxelas, 5 de Março de 2010 A Comissão Europeia pretende reduzir significativamente as disparidades salariais entre homens e mulheres A Comissão Europeia tenciona lançar uma série de medidas

Leia mais

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP)

Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) Avaliação do Painel de Consulta das Empresas Europeias (EBTP) 23/06/2008-14/08/2008 Existem 457 respostas em 457 que correspondem aos seus critérios A. Participação País DE - Alemanha 84 (18.4%) PL - Polónia

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 16.3.2011 PT Jornal Oficial da União Europeia C 82 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSOS GERAIS EPSO/AD/206/11 (AD 5) E EPSO/AD/207/11

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0

Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 IP/08/1422 Bruxelas, 29 de Setembro de 2008 Comissão efectua consultas sobre a melhor forma de conseguir que a Europa lidere a transição para a Web 3.0 A Europa pode liderar a Internet da próxima geração.

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores

As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores As estatísticas do comércio internacional de serviços e as empresas exportadoras dos Açores Margarida Brites Coordenadora da Área das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA 28.10.2014 C 382/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA/31/2014 Programa Erasmus+, Ação-chave 3 Apoio à reforma de políticas Cooperação com

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia

Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Educação e Formação Europa 2020 e Cooperação Europeia Parlamento Europeu Bruxelas, 21 de Março 2011 Margarida Gameiro Chefe de Unidade Igualdade de oportunidades e Equidade Europa 2020: 3 prioridades interligadas

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020)

PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) PROGRAMA QUADRO EUROPEU PARA A INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO HORIZON 2020 (2014-2020) 2020) Maria da Graça a Carvalho Universidade de Évora 5 Janeiro 2012 Índice Mundo Multipolar na investigação e inovação Europa

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2011 COM(2011) 902 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Projecto de Relatório

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 25.5.2011 PT Jornal Oficial da União Europeia C 155 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELECÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSO GERAL EPSO/AD/215/11 Administradores no

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes

FICHA TÉCNICA AUTORIA DESIGN IMPRESSÃO TIRAGEM ISBN DEPÓSITO LEGAL EDIÇÃO. Relatório Síntese. Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes Relatório Síntese FICHA TÉCNICA AUTORIA Rita Espanha, Patrícia Ávila, Rita Veloso Mendes DESIGN IP design gráfico, Lda. IMPRESSÃO Jorge Fernandes, Lda. TIRAGEM 200 exemplares ISBN 978-989-8807-27-4 DEPÓSITO

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011

Desemprego e regulação do mercado de trabalho. António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Desemprego e regulação do mercado de trabalho António Dornelas ISCTE-IUL e CIES-IUL 28 de Outubro de 2011 Proposições fundamentais 1. O trabalho não pode ser tratado como uma mercadoria sem sérias consequências

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal

A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal A PAC pós 2013 - O Debate Europeu e os Desafios para Portugal Francisco Cordovil (Director do GPP) 30 de Abril de 2010 1 I. A agricultura perante a sociedade: compreender os desafios e agir positivamente

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão

A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão IP/08/836 Bruxelas, 3 de Junho de 2008 A UE volta a divulgar o número de emergência europeu 112 antes das férias de Verão A Comissão Europeia acelerou hoje os seus esforços para promover a utilização na

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Promoting Adult Learning. Promovendo a Educação de Adultos. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português Promoting Adult Learning Summary in Portuguese Promovendo a Educação de Adultos Sumário em Português Sumário Executivo Este livro é uma continuação de Além da Retórica: Políticas e Práticas da Educação

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 1 PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 2 SUMÁRIO EXECUTIVO ESCL apresentação do estudo O primeiro Inquérito Europeu às Competências em Línguas (ESLC 1 ), iniciativa da Comissão Europeia,

Leia mais

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca)

(Apenas fazem fé os textos nas línguas alemã, dinamarquesa, espanhola, grega, inglesa, italiana, letã, neerlandesa, portuguesa, romena e sueca) L 336/42 Jornal Oficial da União Europeia 18.12.2009 DECISÃO DA COMISSÃO de 16 de Dezembro de 2009 relativa a uma contribuição financeira comunitária, para 2009, para as despesas efectuadas pelos Estados-Membros

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSOS GERAIS EPSO/AD/240-243/12 TRADUTORES (ET/GA/LV/PT) (2012/C 204 A/02)

ANÚNCIO DE CONCURSOS GERAIS EPSO/AD/240-243/12 TRADUTORES (ET/GA/LV/PT) (2012/C 204 A/02) 12.7.2012 PT Jornal Oficial da União Europeia C 204 A/5 ANÚNCIO DE CONCURSOS GERAIS EPSO/AD/240-243/12 TRADUTORES (ET/GA/LV/PT) (2012/C 204 A/02) O Serviço Europeu de Seleção do Pessoal (EPSO) organiza

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

Condições para uma aprendizagem eficaz

Condições para uma aprendizagem eficaz Creating Effective Teaching and Learning Environments: First Results from TALIS Summary in Portuguese Criação de Ambientes Eficazes para o Ensino e Aprendizagem: Primeiros Resultados do TALIS Sumário em

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2011 COM(2011) 113 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Qualidade da gasolina e do combustível para motores diesel utilizados no transporte

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL PROGRAMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL 1) Se eu pretender realizar mobilidade apenas no 2º semestre do próximo ano académico, quando é que devo apresentar a candidatura? 2) Quando é que devo efectuar o

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

"Voluntariado e Solidariedade Intergeracional"

Voluntariado e Solidariedade Intergeracional EUROPEAN PARLIAMENT Voluntariado e Solidariedade Intergeracional Relatório Trabalho de campo: Abril-Maio 2011 Publicação: Outubro 2011 Special Eurobarometer / Wave 75.2 TNS Opinion & Social O presente

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais