MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS"

Transcrição

1 MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número de produtos obtidos, independentemente do objetivo da produção. Na medida em que se obtém maior número de animais nascidos, maior será o número de animais para o processo de seleção, para a comercialização e, conseqüentemente, maior será a rentabilidade da criação. Desta forma, para que o manejo reprodutivo possa ser de fato eficiente, deve ser entendido como um item indissociável do manejo geral do rebanho. O manejo reprodutivo está inserido em aspectos diversos como, por exemplo, a alimentação, o sistema de acasalamento, as biotécnicas a serem utilizadas no processo de evolução genética, o estabelecimento de critérios para a seleção de reprodutores e matrizes e o controle de doenças da esfera reprodutiva. Uma vez que a eficiência de um rebanho pode ser avaliada pelo número de crias desmamadas por fêmea/ano, algumas diretrizes devem ser buscadas para que haja promoção dos índices produtivos: Elevação da taxa de fertilidade Elevação da taxa de prolificidade Redução da taxa de mortalidade de jovens Redução do intervalo entre partos Neste texto serão abordados aspectos da fisiologia e comportamento sexual e a aplicação destes conhecimentos nas atividades rotineiras do manejo reprodutivo de caprinos e ovinos. Puberdade Em termos fisiológicos a puberdade é a idade em que os animais iniciam a vida reprodutiva, o que corresponde nas fêmeas quando ocorre o primeiro estro e ovulação, e nos machos, ao início da produção de espermatozóides ou liberação

2 do pênis. Nessa fase inicial, os animais apresentam ainda limitações reprodutivas, as fêmeas apresentam um porte anatômico inadequado à gestação e os machos apresentam um número exagerado de células espermáticas inviáveis para fertilização. O desenvolvimento de uma gestação em momento anátomo-fisiológico inadequado causa atraso no crescimento da jovem fêmea. Inicialmente pela gestação em si, pois o feto demanda grande quantidade de nutrientes, principalmente, no terço final da gestação. E, após o parto, a fêmea continua o seu desgaste, de forma bastante acentuada, pela subseqüente produção de leite. Desta forma, visando evitar erros no manejo reprodutivo de animais jovens, separa-se a puberdade em dois momentos: fisiológica e zootécnica. A puberdade fisiológica ocorre aproximadamente entre quatro (caprinos) e seis (ovinos) meses de idade, quando machos e fêmeas atingem 40 a 50% de seu peso adulto. No entanto, admite-se que o momento ideal para uma fêmea entrar no lote de reprodução é quando o seu porte atingir 65-70% do peso médio das fêmeas adultas do rebanho (puberdade zootécnica). É óbvio que ocorrerá variação em termos de idade, a depender da espécie, raça e do manejo a que estão submetidos os animais. Ovários e testículos Os ovários e os testículos são os órgãos responsáveis diretamente pela reprodução, uma vez que são os produtores de óvulos e espermatozóides, respectivamente. Embora sejam órgãos bastante semelhantes, existem diferenças entre o funcionamento dos ovários e dos testículos. Depois de atingida a puberdade, os testículos produzem espermatozóides de maneira ininterrupta, enquanto que os ovários funcionam de forma cíclica, o chamado ciclo estral. A fêmea, ou seja, os ovários têm o número definido de óvulos que poderá produzir ao longo de sua vida útil, e o testículo, apresenta uma capacidade quase que ilimitada durante a vida útil do macho. Assim, enquanto uma fêmea pode produzir cerca 50 a 200 óvulos durante a sua vida reprodutiva, o macho pode produzir de 1 a 10 bilhões de espermatozóides a cada ejaculado.

3 Esta capacidade fisiológica de produção de óvulos e espermatozóides demonstra que podemos maximizar a utilização dos animais, nas fêmeas através de produção de embriões e, especialmente nos machos, por meio da inseminação artificial. Ciclo estral Ciclo estral é o nome dado ao período entre dois estros. Cada espécie tem uma duração de ciclo definido, sendo que na cabra este período é de 21 dias e na ovelha 17 dias, em média. O conhecimento deste ciclo é de grande importância para o manejo reprodutivo, pois, uma vez que a fêmea tenha sido coberta, a não repetição do estro após um período de 21 dias na cabra ou 17 dias na ovelha, pode ser entendido como uma confirmação de gestação. Esta informação facilita, por exemplo, a definição do manejo nutricional das fêmeas. É oportuno lembrar que o período do ciclo estral pode sofrer variações, particularmente na cabra, embora cerca de 80% dos estros da cabra apresentem duração entre 17 e 25 dias, podendo ser tão curtos quanto oito a nove dias e tão longos quanto 40 dias. Por esta razão, é importante a atenta observação diária até a comprovação do não retorno ao estro. O estro ou cio é o período no qual a fêmea aceita o macho para a cópula. É de fundamental importância o reconhecimento do momento do estro, para que os resultados com o manejo reprodutivo sejam satisfatórios. O estro da cabra e da ovelha, embora ocorram variações individuais (12 a 42 horas), tem uma duração média de 30 horas. Existem raças cujas fêmeas apresentam estros o ano inteiro e, por isso, são chamadas poliéstricas contínuas. É o caso das fêmeas de raças tropicais como, por exemplo, Santa Inês e Moxotó. Porém, existem raças cujas fêmeas somente apresentam estros naturais em determinadas estações do ano, sendo então denominadas poliéstricas estacionais. Este fenômeno é observado nas fêmeas de regiões de clima temperado como a Texel e a Saanen.

4 Os sinais que caracterizam uma cabra ou ovelha em estro são os seguintes: Inquietação; Procura e se aproxima do macho; Monta e aceita ser montada (por machos e fêmeas); Apresenta a vulva avermelhada/edemaciada e a vagina úmida; Há corrimento de um muco cristalino no início, creme claro durante o cio e esbranquiçado e viscoso no final do estro. Naturalmente que há diferenças de comportamento entre as duas espécies, sendo que as ovelhas apresentam estes sinais com menor intensidade que a cabra. O início da maioria dos estros ocorre pela manhã. Muito embora os sinais que caracterizam o estro possam ser de grande auxílio na sua identificação, o melhor método de identificação do estro é pelo uso de rufiões. Rufião é um macho inteiro, impossibilitado, através de processo cirúrgico, de fecundar a fêmea. A detecção do estro, com resultados satisfatórios, pode ser realizada por fêmeas que apresentam comportamento de macho. O tratador deve estar atento para separar as fêmeas marcadas pelo rufião, devendo inspecionar o rebanho duas vezes ao dia, pela manhã e pela tarde. Este procedimento não só permite a separação das fêmeas para a inseminação artificial ou cobrição, como também serve para poupar o esforço do rufião. Inseminação artificial A inseminação artificial consiste na substituição do reprodutor, no processo de monta natural, por meios artificiais de fecundação da fêmea. O conhecimento do método da inseminação artificial provém das Arábias. Há relatos de que a sua primeira utilização foi no ano de 1332, trabalhando com a espécie eqüina. No Brasil as primeiras inseminações ocorreram em 1954, contudo o seu uso mais corrente aconteceu a partir de O uso da inseminação

5 artificial na caprino-ovinocultura brasileira é ainda mais recente e, ainda hoje, é muito pouco praticada pelos criadores. A Inseminação Artificial é sem dúvida o mais rápido e seguro instrumento disponível para promoção do melhoramento genético. O uso da inseminação artificial apresenta algumas vantagens em relação ao sistema de monta natural: Reduz ou elimina o inconveniente da presença de reprodutores na propriedade; Permite a maximização do reprodutor, ou seja, possibilita que um reprodutor excepcional possa fertilizar um maior número de fêmeas; Proporciona um rápido e seguro melhoramento genético, uma vez que os reprodutores doadores de sêmen são geneticamente superiores; Permite aos pequenos criadores a possibilidade utilização de reprodutores de alto valor comercial; Reduz ou previne a transmissão de doenças transmissíveis pelo coito; Permite a preservação do sêmen de reprodutores por longo tempo, inclusive dos que já morreram ou o uso de reprodutores que estejam impossibilitados de realizarem a monta; Favorece e induz o estabelecimento da escrituração zootécnica. O uso da biotécnica da inseminação artificial exige uma infra-estrutura mínima na propriedade, no entanto esta exigência pode ser entendida como essencial para qualquer propriedade de finalidade zootécnica, quer faça ou não uso deste sistema de acasalamento. Técnicas da inseminação artificial Quando a técnica de inseminação artificial utilizada é a transcervical, o sêmen é depositado na entrada ou após a cérvix. Em função do pequeno porte dos animais, o processo de deposição do sêmen é realizado através da visualização da cérvix, com auxílio de um espéculo. A fêmea é contida de cabeça para baixo, de forma que facilite a ação do inseminador, e caso haja possibilidade

6 de atravessar os anéis da cérvix, e a deposição sêmen seja intra-uterina, maiores serão os índices de prenhez. Uma outra forma de realização de inseminação artificial é a intra-uterina por laparoscopia. Esta técnica consiste na deposição, semicirúrgica, do sêmen diretamente dentro do corno do útero, através do uso de um laparoscópio. Esta técnica, apesar de apresentar maior possibilidade de fertilização, requer instrumentos de alto valor e mão-de-obra qualificada, o que tem dificultado a sua utilização com maior freqüência de maneira comercial. Na monta natural, o macho deposita bilhões de espermatozóides no canal vaginal da fêmea, na entrada do útero. No processo de inseminação cada dose de sêmen contém aproximadamente 200 milhões de células, o que corresponde a uma quantidade 10 ou 20 vezes menor. Desta forma, para que sejam alcançados índices satisfatórios de prenhez a inseminação artificial deve ser criteriosa em todos os seus aspectos: a) adequado manejo sanitário e nutricional; b) qualidade/conservação do sêmen; c) identificação do início do estro e, d) habilidade do inseminador. Intervalo entre partos (IEP) O intervalo Entre Partos é o período de tempo decorrido entre dois partos. Deste modo considera-se como variáveis para esta característica a duração da gestação e o período de serviço. A gestação em caprinos dura em média 150 dias (146 a 154). Uma explicação para esta variação está fundamentada no número de fetos, já que gestações múltiplas seriam mais curtas que gestações simples. Outra teoria aponta o peso dos filhotes como justificativa para diferentes durações. O fato é que a média de duração da gestação é uma característica ligada raça e é determinada pelo feto. O Período de Serviço se refere ao espaço de tempo ocorrido entre o parto e a próxima fertilização. Este período é altamente influenciado por questões de ordem ambiental como, por exemplo, manejo reprodutivo, sanidade e alimentação.

7 Existe uma estreita relação com o fenômeno da involução uterina. Este fenômeno de recomposição do útero ocorre em, aproximadamente, 30 dias após o parto. Considerando um período equivalente a 60 dias para que a fêmea possa retomar a atividade reprodutiva e emprenhar, conclui-se que a cabra ou a ovelha pode ter três partos a cada dois anos, ou seja, um intervalo entre partos de oito meses. Por outro lado, se a propriedade apresenta limitações para proporcionar uma alimentação adequada durante todo o ano, será preferível a opção de um parto por ano, evidentemente com menor número de cabritos nascidos por ano, porém com menor taxa de mortalidade e animais mais pesados a desmama. Considerações finais Com o conhecimento dos mecanismos fisiológicos da reprodução é perfeitamente possível a realização de um adequado planejamento do manejo reprodutivo do rebanho. Uma vez que as fêmeas de raças tropicais possuem atividade reprodutiva durante todo o ano, e que os machos produzem uma quantidade extraordinária de espermatozóides ao longo do ano, é sensata a utilização de biotécnicas como a inseminação artificial que visem maximizar a eficiência reprodutiva. Evidentemente que o sucesso na utilização destes instrumentos de melhoramento genético depende do manejo geral, em especial do estado sanitário e nutricional do rebanho. Bibliografia consultada CRUZ, J.F. & FREITAS V.J.F. A ultrasonografia na reprodução de caprinos. Ciência Animal, 11:45-53, GONSALVES, P.B.D.; FIGUEIREDO, J.R.; FREITAS, V.J.F. Biotécnicas aplicadas à reprodução animal. São Paulo, Varela. 340p. SANTOS, D.O.; SIMPLÍCIO, A.A.; MACHADO, R. Guia pratico do inseminador de caprinos e ovinos. Sobral, Embrapa/Caprinos. 29p. NUNES, J.F.; CIRÍACO, A.L.T.; SUASSUNA, U. Produção e reprodução de caprinos e ovinos. Fortaleza, Ed.LCR. 2 a ed. 199p. MEDEIROS, L.P.; GIRÃO, R.N.; GIRÃO, E.S.; PIMENTEL, J.C.M. CAPRINOS Princípios básicos para sua exploração. Teresina, EMBRAPA/CPAMN. 177P. TRALDI, A.S. Performance reprodutiva dos ovinos deslanados no Brasil. In: Anais 1 o e 2 o Curso de Extensão universitária em Produção de ovinos. Jaboticabal: UNESP. 210p

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas

O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas ISSN 0100-8625 O Emprego da Inseminação Artificial nas Ovelhas 25 Bagé, RS Junho, 2002 Autor José Carlos Ferrugem Moraes Méd. Vet., Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Caixa Postal 242, Bagé, RS,

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS David R. Rocha Manejo reprodutivode de novilhas NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE:??? venda, engorda, reprodutor, rufião, etc. CRIA E RECRIA Manejo reprodutivode de novilhas

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda

Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda São Paulo, 12 março de 2014 Curso de inseminação artificial da Alta dá dicas de como aumentar a rentabilidade em sua fazenda Suprir a demanda de mercado com produtos de qualidade e sustentáveis. Este é

Leia mais

Caprinocultura. Caprinocultura. Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro -2000 Preço - Linha Caprinocultura Informações

Caprinocultura. Caprinocultura. Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro -2000 Preço - Linha Caprinocultura Informações 1 de 9 10/16/aaaa 11:10 Caprinocultura Caprinocultura Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro -2000 Preço - Linha Caprinocultura Informações Resenha resumidas sobre Caprinocultura

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL Caroline

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

Pontos de controlo críticos:

Pontos de controlo críticos: Pontos de controlo críticos: Pontos de Controlo Critico Valores Padrão Medidas Peso à 1ª cobrição Idade ao 1º Parto 350 kg

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes

Leia mais

Escolha de Reprodutrizes

Escolha de Reprodutrizes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Escolha de Reprodutrizes Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Fisiologia reprodutiva de ovinos Ernesto Lobato¹, Rafael Alves da Costa Ferro², Klayto José Gonçalves dos Santos³, Miliane Alves da Costa, Diogo

Leia mais

Diagnóstico Precoce de Prenhez

Diagnóstico Precoce de Prenhez UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Diagnóstico Precoce de Prenhez Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS. Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura

FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS. Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura FERTILIDADE DE CAPRINOS MOCHOS Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária Universidade Federal da Bahia

Leia mais

O que é gametogênese?

O que é gametogênese? O que é gametogênese? É o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br Os Felinos domésticos no geral tem sua domesticação recente quando comparada ao cão; Os gatos de raça pura para

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II

REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II REPRODUÇÃO HUMANA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS OU ANTICONCEPCIONAIS Prof. Me. Cristino Rêgo 8º Ano Ensino Fundamental II Métodos Contraceptivos ou Anticoncepcionais 1 Coito Interrompido (Onanismo): Consiste

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3.1. Introdução Simone Cristina Méo Niciura I A aplicação de biotécnicas da reprodução animal, como a IA, requer o conhecimento da anatomia e da

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL!

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Um guia para usar o Método de Ovulação AMAMENTAÇÃO Billings durante QUE a amamentação COISA NATURAL DE SE FAZER! Julyanne White, SRN AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Amamentação

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17 Nome: Mónica Algares Ano: 9º Turma: B Nº 17 Métodos contraceptivos naturais Método do calendário Se a menstruação ocorre de 28 em 28 dias, a ovulação ocorrerá por volta do 14º dia. Assim, o período fértil

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Minas Gerais, como

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR

CIÊNCIAS DA NATUREZA REVISÃO 1 REVISÃO 2 INTERATIVIDADE SISTEMA SOLAR SISTEMA SOLAR 2 Aula de Revisão 1 Planeta terra Somos todos habitantes do planeta Terra. É nosso dever mantê-lo habitável. 3 Planeta Terra habitável 4 Planeta Terra não habitável 5 Dicas para cuidar melhor

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eio Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação Profissional:

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES

MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES MANEJO REPRODUTIVO DA OVELHA RECOMENDAÇÕES PARA UMA PARIÇÃO A CADA 8 MESES RUI DE CASTRO PILAR 1 JUAN RAMÓN O. PÉREZ 2 CRISTIANE LEAL DOS SANTOS 3 1. INTRODUÇÃO A eficiência produtiva de um rebanho ovino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISCIPLINA: ZOO 003U - TÓPICOS ESPECIAIS EM ZOOTECNIA - Avanços em reprodução de bovinos de corte

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PLANO DE AULA 01. DADOS PROFESSOR: EVELYN RABELO ANDRADE ÁREA / DISCIPLINA: BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO (VET30066) UNIDADE: ROLIM DE MOURA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80 HORAS CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 HORAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA. Gene Boorola. Edgard G. Malaguez Rafael Assunção MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA Gene Boorola Edgard G. Malaguez Rafael Assunção Ovelha Booroola? É uma mutação genética que tem na característica

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS E OVINOS

ASPECTOS GERAIS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS E OVINOS ASPECTOS GERAIS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS E OVINOS Capacitação dos técnicos e produtores do Norte e Noroeste Fluminense em Reprodução de Caprinos e Ovinos ASPECTOS GERAIS DA REPRODUÇÃO DE CAPRINOS E OVINOS

Leia mais

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos

O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos O uso de genes principais no incremento da prolificidade e produtividade dos ovinos Valor econômico de características produtivas em ovinos criados no Bioma Pampa Lampert et al., 2013 Foco da produção

Leia mais