Curso Tributário Teoria e Exercícios AFRF (ESAF) Professor Alberto Macedo. Aula 06 Legislação Tributária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Tributário Teoria e Exercícios AFRF (ESAF) Professor Alberto Macedo. Aula 06 Legislação Tributária"

Transcrição

1 Conteúdo Direito Tributário 1. CONSTITUIÇÃO FEDERAL EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEI COMPLEMENTAR LEIS LEI ORDINÁRIA (LEI EM SENTIDO ESTRITO) MEDIDA PROVISÓRIA LEI DELEGADA DECRETO LEGISLATIVO RESOLUÇÃO DO SENADO FEDERAL DECRETO-LEI TRATADOS E CONVENÇÕES INTERNACIONAIS DECRETOS NORMAS COMPLEMENTARES ATOS NORMATIVOS EXPEDIDOS PELAS AUTORIDADES ADMINISTRATIVAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS COM EFICÁCIA NORMATIVA PRÁTICAS REITERADAS DAS AUTORIDADES ADMINISTRATIVAS CONVÊNIOS CELEBRADOS ENTRE U, E, DF, M QUESTÃO DISCURSIVA Quando falamos em legislação, falamos dos diversos diplomas normativos que o Direito possui. Esses diplomas são chamados pela doutrina de fontes formais do direito, origens de onde surgem as normas jurídicas. 1

2 No Direito Tributário brasileiro, temos as seguintes fontes formais: FONTES FORMAIS PRIMÁRIAS FONTES FORMAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO Constituição Federal Emenda à Constituição Lei Complementar Leis Tratados Internacionais Decretos Lei Ordinária Medida Provisória Lei Delegada Decreto Legislativo Resolução do Senado Decreto-Lei Atos Normativos FONTES FORMAIS SECUNDÁRIAS = NORMAS COMPLEMENTARES Decisões Administrativas Práticas Reiteradas Convênios entre U, E, DF, M 2

3 Há também as fontes não formais. Costume FONTES NÃO FORMAIS Doutrina Jurisprudência Costume regras de conduta não escritas surgidas pela sua prática constante e uniforme, na sociedade. Doutrina é a produção de estudos jurídicos, objetivados em livros, artigos, opiniões, pareceres etc. Jurisprudência é o conjunto de decisões proferidas pelo Poder Judiciário que seguem um mesmo sentido. Elas não têm caráter vinculante, a não ser as Súmulas Vinculantes, que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma estabelecida em lei (art.103-a, CF88). Sempre quando falar em legislação, estarei me referindo às fontes formais. Vamos a elas, então. 1. CONSTITUIÇÃO FEDERAL A CF88 está no topo da pirâmide normativa. É a lei das leis. Ela é o fundamento de validade de todas as outras normas jurídicas internas que estão abaixo dela. No que tange ao direito tributário, nela, estão previstas os princípios constitucionais (explícitos ou implícitos), as normas de competência tributária e as de imunidade tributária, entre outras. 3

4 Lembre-se de que a Constituição não cria tributo, mas apenas outorga competência às pessoas jurídicas de direito público interno instituí-lo. Para estudarmos as demais fontes, partamos de norma da própria CF88: Art. 59, CF88. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias; VI - decretos legislativos; VII - resoluções. Parágrafo único. Lei complementar disporá sobre a elaboração, redação, alteração e consolidação das leis. 2. EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta: I - de um terço, no mínimo, dos membros da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal; II - do Presidente da República; III - de mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da Federação, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros. 1º - A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio. 2º - A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos membros. 3º - A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com o respectivo número de ordem. 4º - Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: I - a forma federativa de Estado; II - o voto direto, secreto, universal e periódico; III - a separação dos Poderes; IV - os direitos e garantias individuais. 4

5 5º - A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa Proposta e Aprovação PROPOSTA 1/3 da Câmara dos Deputados ou 1/3 do Senado Federal ou do Presidente ou Maioria das Assembleias Legislativas (maioria relativa em cada uma) APROVAÇÃO 3/5 em cada Casa do Congresso, em dois turnos 2.2. Cláusula Pétrea As cláusulas pétreas, listadas nos incisos do 4º do art.60, não podem ser alteradas ou revogadas, mesmo que por emenda constitucional. E os direitos e garantias individuais (inciso IV do 4º do art.60) não se encontram apenas no art.5º, como dispõe seu próprio parágrafo 2º: Art.5º, 2º - Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte. As cláusulas pétreas que se relacionam com o direito tributário são a forma federativa de Estado e os direitos e garantias individuais. No julgamento da ADI 939, sobre o IPMF, Imposto Provisório sobre a Movimentação ou a Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira, o trecho de ementa abaixo é esclarecedor: 1. Uma Emenda Constitucional, emanada, portanto, de Constituinte derivada, incidindo em violação à Constituição originária, pode ser declarada inconstitucional, pelo Supremo Tribunal Federal, cuja função precípua é de guarda da Constituição (art.102, I, a, da C.F.). 2. A Emenda Constitucional nº 3, de , que, no art. 2º, autorizou a União a instituir o I.P.M.F., incidiu em vício de 5

6 inconstitucionalidade, ao dispor, no parágrafo 2º desse dispositivo, que, quanto a tal tributo, não se aplica o art.150, III, b e VI, da Constituição, porque, desse modo, violou os seguintes princípios e normas imutáveis (somente eles, não outros): 1º - o princípio da anterioridade, que é garantia individual do contribuinte (art.5º, 2º, art.60, 4º, inciso IV, e art.150, III, b, da Constituição); 2º - o princípio da imunidade tributária recíproca (que veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios a instituição de impostos sobre o patrimônio, rendas ou serviços uns dos outros) e que é garantia da Federação (art.60, 4º, inciso I, e art.150, VI, a, da C.F.); 3º - a norma que, estabelecendo outras imunidades, impede a criação de impostos (art.150, III) sobre: b ): templos de qualquer culto; c ): patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das atividades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei; e d ): livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão; [...] 6

7 Podemos sintetizar assim: Cláusula pétrea Direito e garantia individual Forma federativa de Estado Direito e garantia individual (Liberdade de culto) Direito e garantia individual (Liberdade de organização partidária, Liberdade de manifestação do pensamento e liberdade de associação, liberdade sindical) Direito e garantia individual (Liberdade de manifestação do pensamento, liberdade de informação, liberdade de expressão intelectual) Princípio / Imunidade Princípio da Anterioridade (art.150, III) Imunidade Recíproca (art.150, VI, a ) Imunidade Religiosa (art.150, VI, b ) Imunidade dos Partidos Políticos, Sindicatos dos Trabalhadores e Instituições de Educação e Assistência Social Sem Fins Lucrativos (art.150, VI, c ) Imunidade de Livros, Jornais, Periódicos e o Papel Destinado a Sua Impressão (art.150, VI, d ) Quanto à Forma Federativa de Estado, ainda podemos incluir: Cláusula pétrea Princípio / Imunidade Forma federativa de Estado Princípio da Uniformidade Geográfica da Tributação (art.151, I) Forma federativa de Estado Princípio da Uniformidade na Tributação da Renda (art.151, II) Forma federativa de Estado Princípio da Vedação à Isenção Heterônoma (art.151, III) Forma federativa de Estado Princípio da Não-Discriminação Tributária Baseada em Procedência ou Destino (art.152) 3. LEI COMPLEMENTAR 3.1. Quorum Qualificado Art. 69. As leis complementares serão aprovadas por maioria absoluta. 7

8 O quorum de aprovação é a única diferença formal entre a lei complementar e a lei ordinária: (i) Lei Ordinária exige maioria relativa para aprovação; (ii) Lei Complementar exige maioria absoluta para aprovação. As pessoas costumam falar metade mais um para se referir à maioria. Mas o mais correto é que a maioria quer dizer o primeiro número inteiro acima da metade (ou mais da metade ) dos Parlamentares. 1º número inteiro acima da metade dos Parlamentares......presentes à sessão MAIORIA RELATIVA Lei Ordinária...existentes na Casa Legislativa MAIORIA ABSOLUTA Lei Complementar No caso brasileiro atual, as Casas Legislativas do Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal) possuem a seguinte composição: Câmara dos Deputados 513 Deputados Federais Senado Federal 81 Senadores Se falássemos metade mais um, para o quorum de aprovação de uma Lei Complementar seriam necessários 256,5 Deputados e 40,5 Senadores aprovando. O primeiro número inteiro acima da metade dos Parlamentares existentes é de 257 Deputados na Câmara dos Deputados e de 41 Senadores no Senado Federal. Esse quorum privilegiado para a lei complementar significa que ela regula matérias de especial importância, demandando um maior consenso entre os Parlamentares. Quando a Constituição prevê que determinada matéria exige lei complementar, normalmente o faz expressamente no texto constitucional. 8

9 3.2. O Art.146 da CF88 Art Cabe à lei complementar: I - dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; II - regular as limitações constitucionais ao poder de tributar; III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre: a) definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados nesta Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes; b) obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários; c) adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas. d) definição de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte, inclusive regimes especiais ou simplificados no caso do imposto previsto no art. 155, II, das contribuições previstas no art. 195, I e 12 e 13, e da contribuição a que se refere o art Parágrafo único. A lei complementar de que trata o inciso III, d, também poderá instituir um regime único de arrecadação dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, observado que: I - será opcional para o contribuinte; II - poderão ser estabelecidas condições de enquadramento diferenciadas por Estado; III - o recolhimento será unificado e centralizado e a distribuição da parcela de recursos pertencentes aos respectivos entes federados será imediata, vedada qualquer retenção ou condicionamento; IV - a arrecadação, a fiscalização e a cobrança poderão ser compartilhadas pelos entes federados, adotado cadastro nacional único de contribuintes. O referido artigo é um dos mais importantes, no que tange a atribuições à lei complementar em regular matéria tributária. 9

10 Assim, cabe à lei complementar: Dispor sobre Conflito de Competência entre U, E, DF, M Ex.: CTN quando define zona urbana (art.32) e zona rural (art.29) para evitar conflito de competência entre IPTU (Municípios) e ITR (União). Cabe à Lei Complementar Regular Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar Definir tributos e suas espécies Ex.: CTN quando regula, no seu art.14, a imunidade das instituições de assistência social sem fins lucrativos (art.150, VI, c, CF88) Ex.: CTN definindo tributo no seu art.3º Definir fato gerador, base de cálculo e contribuinte dos impostos Ex.: CTN definindo, para o Imposto de Renda, fato gerador (art.43), base de cálculo (art.44) e contribuinte (art.45) Estabelecer Normas Gerais em Matéria Tributária Obrigação, Lançamento, Crédito, Prescrição e Decadência Tributários Ex.: CTN definindo regras de decadência (art.173, por exemplo) e de prescrição (art.174, por exemplo) Tratamento tributário ao ato cooperativo Essa lei complementar ainda não foi editada Tratamento diferenciado e favorecido para ME e EPP Ex.: LC 123/2006, que instituiu o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME e EPP (SIMPLES NACIONAL) 10

11 Dispor sobre Conflitos de Competência Art.146, I, CF88 Há situações em que não há dúvida sobre qual seja o tributo que deva incidir. Mas situações outras há as quais ficam numa área fronteiriça uma região de penumbra entre a competência tributária de um ente tributante e a competência tributária de outro ente tributante. Aí surge o potencial conflito de competência tributária, quando aparecem dúvidas sobre se determinada situação econômica deve acarretar a incidência do tributo de um ente político ou a incidência do tributo de outro ente político. Imagine um imóvel que fique numa região que não se sabe ao certo se é urbana ou rural: alguns entendem ser urbana e outros entendem ser rural. Essa dúvida faz toda a diferença quando se for definir o imposto sobre a propriedade imóvel que deverá incidir: ITR (União) ou IPTU (Municípios). Esta aí um caso em que é fundamental a lei complementar dispor sobre esse potencial conflito de competência. E o CTN o fez, definindo os conceitos de zona urbana (onde os imóveis ali situados ficarão sujeitos ao IPTU) e de zona rural (onde os imóveis ali localizados ficarão sujeitos ao ITR), arts.32 e 29, respectivamente. Outro exemplo de potencial conflito de competência a ser definido pela lei complementar é aquele da tributação do comércio que envolve não só bens (mercadorias), mas sim serviços. Uma situação dessas, que envolva bens e serviços, ensejará a incidência do ICMS ou do ISS? Cabe à lei complementar definir, dispondo sobre conflito de competência. E a LC 116/2003 definiu, no seu art.1º, 2º, que ressalvadas as exceções expressas na lista de serviços anexa, os serviços nela mencionados não ficam sujeitos ao ICMS, ainda que sua prestação envolva fornecimento de mercadorias. Se houver exceção expressa: ISS sobre o valor do serviço; ICMS sobre o valor do bem. Ex.: subitem Recondicionamento de motores (exceto peças e partes empregadas, que ficam sujeitas ao ICMS). 11

12 Se não houver exceção expressa: ISS sobre o valor total, ainda que o serviço envolva fornecimento de mercadoria. Ex.: subitem Carpintaria e serralheria (neste serviço, certamente será utilizado madeira, metal e acessórios. Mesmo assim, não caberá ICMS no material, mas ISS sobre o valor total) Regular As Limitações Constitucionais Ao Poder De Tributar Art.146, II, CF88 Prevê o art.150, VI, c, c/c art.150, 4º: Art Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: [...] VI - instituir impostos sobre: [...] c) patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei; [...] Essa lei a que se refere a parte final da alínea c é a LEI ORDINÁRIA, mas apenas a que vem para fixar normas sobre a constituição e o funcionamento da entidade educacional ou assistencial (RE ; ADI MC). Pelo art.146, II, é que se exige LEI COMPLEMENTAR para regular a imunidade, o que é feito atualmente pelo art.14, CTN, que traz os seguintes requisitos para as entidades serem consideradas sem fins lucrativos: I não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer título; II - aplicarem integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos institucionais; III - manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades capazes de assegurar sua exatidão. Não pode ter lucro, mas pode ter superávit financeiro. 01- (PROCURADOR DE CONTAS TCE AMAPÁ 2010 FCC) A lei complementar em matéria tributária é, por exigência constitucional, aplicada para (A) regular as limitações constitucionais ao poder de tributar. 12

13 (B) instituir imposto extraordinário. (C) instituir contribuição de intervenção no domínio econômico. (D) atribuir a condição de responsável tributário. (E) disciplinar o processo judicial tributário. Resolução (A) CORRETA. regular as limitações constitucionais ao poder de tributar. (ART.146, II, CF88). (B) ERRADA. instituir imposto extraordinário É POR LEI ORDINÁRIA. (ART.154, II, CF88). (C) ERRADA. instituir contribuição de intervenção no domínio econômico É POR LEI ORDINÁRIA. (ART.149, CF88). (D) ERRADA. atribuir a condição de responsável tributário É POR LEI ORDINÁRIA. (ART.128, CTN). (E) ERRADA. disciplinar o processo judicial tributário É POR LEI ORDINÁRIA. (ART.22, I, CF88). GABARITO: A Estabelecer Normas Gerais Em Matéria De Legislação Tributária Art.146, III, CF88 O estabelecimento de normas gerais em matéria tributária por lei complementar (lei complementar nacional) é fundamental para a sobrevivência da Federação. Afinal, já pensou se o CTN não estabelecesse, por exemplo, as regras de prazos de decadência e de prescrição, deixando essa função à União, aos 26 Estados, ao Distrito Federal, e cada um dos mais de Municípios? Seria um verdadeiro caos normativo, com cada um desses entes definindo das formas mais diversas esses prazos. Quando se fala em normas gerais em direito tributário, temos que lembrar do art.24, CF88: Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I - direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico; [...] 1º - No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais. 13

14 2º - A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados. 3º - Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades. 4º - A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário. O dispositivo é claro que caso não haja a lei complementar regulando a norma geral, podem os Estados (e também os Municípios, conforme o STF, como veremos abaixo) exercer sua competência legislativa plena Definição de Tributo e Suas Espécies Definição Dos Fatos Geradores, Bases De Cálculo E Contribuintes Dos Impostos Previstos Na Constituição Art.146, III, a, CF88 Quanto à definição dos tributos e de suas espécies, particularmente quanto à definição das espécies, a CF88 tem um papel relevante, trazendo, por exemplo, as contribuições sociais como espécies da classificação dos tributos. Como vimos acima, a ausência de lei complementar definindo fato gerador, base de cálculo e contribuinte de algum tributo previsto constitucionalmente não impede o ente federado competente de criar o tributo de exercer sua competência (inclusive Municípios). Isso aconteceu com o IPVA, de competência dos Estados, conforme AI-AgR SP: IMPOSTO SOBRE PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES DISCIPLINA. Mostra-se constitucional a disciplina do Imposto sobre Propriedade De Veículos Automotores mediante norma local. Deixando a União de editar normas gerais, exerce a unidade da federação a competência legislativa plena - 3º do artigo 24, do corpo permanente da Carta de , sendo que, com a entrada em vigor do sistema tributário nacional, abriu-se à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, a via da edição de leis necessárias à respectiva aplicação - 3º do artigo 34 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Carta de

15 02- (AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL 2000 ESAF) O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição, mediante (A) lei complementar federal (B) lei ordinária de cada ente tributante (C) lei complementar de cada ente tributante (D) lei ordinária federal (E) lei ordinária, medida provisória ou lei delegada federal Resolução Obrigação, Lançamento, Crédito, Prescrição E Decadência Tributários Art.146, III, b, CF88 A lei ordinária federal nº 8.212/1991 previa, nos seus arts.45 e 46, prazos de decadência e prescrição, respectivamente, de 10 anos; destoando do CTN, lei complementar material, cujos prazos de decadência e prescrição previstos são de 5 anos. Com a jurisprudência do STF definindo pela inconstitucionalidade dos dispositivos, por estabelecerem regras de decadência e prescrição por lei ordinária, foi editada a Súmula Vinculante nº 8, em 2008 (vinculante porque tem efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, conforme art.103-a, CF88): Súmula Vinculante 8 São inconstitucionais o parágrafo único do artigo 5º do Decreto-Lei nº 1.569/1977 e os artigos 45 e 46 da Lei nº 8.212/1991, que tratam de prescrição e decadência de crédito tributário. O dispositivo do referido Decreto-Lei trazia regra de suspensão de prazo prescricional. Questão 02: GABARITO: A 15

16 Adequado Tratamento Tributário Ao Ato Cooperativo Praticado Pelas Sociedades Cooperativas Art.146, III, c, CF88 Na verdade, ainda não existe essa lei complementar, que venha a dar o tratamento tributário adequado ao ato cooperativo das sociedades cooperativas. Esse setor ainda é regulado pela Lei ordinária nº 5.764/1971, que define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas. Segundo essa lei, sociedade cooperativa é aquela em que os associados se reúnem e reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica, de proveito comum, sem objetivo de lucro, mediante um contrato de sociedade cooperativa (art.3º). A sociedade cooperativa é uma sociedade de pessoas, com forma e natureza jurídica próprias, de natureza civil, não sujeita a falência, constituída para prestar serviços aos associados (art.4º). Pela referida lei, ato cooperativo é aquele praticado entre as cooperativas e seus associados, entre estes e aquelas e pelas cooperativas entre si quando associados, para a consecução dos objetivos sociais, não implicando, esse ato, operação de mercado, nem contrato de compra e venda de produto ou mercadoria (art.79). A diretriz tomada pela CF88 de favorecer a atividade cooperativa também se revelou no art.174, 2º, que previu: Art.174, 2º - A lei apoiará e estimulará o cooperativismo e outras formas de associativismo Definição De Tratamento Diferenciado E Favorecido Para As Microempresas E Para As Empresas De Pequeno Porte Art.146, III, d, CF88 Antes, o tratamento favorecido para as ME e EPP estava previsto apenas no art.170, IX, e no art

17 Art.170, IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País [Princípio da Ordem Econômica]. Art A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresas e às empresas de pequeno porte, assim definidas em lei, tratamento jurídico diferenciado, visando a incentiválas pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícias, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei. Esses dispositivos foram o fundamento de validade para a Lei ordinária nº 9.317/1996, que criou o Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de pequeno Porte SIMPLES. Essa lei dava um tratamento diferenciado, simplificado e favorecido, aplicável às microempresas e as empresas de pequeno porte, relativo aos impostos e às contribuições que mencionava, com um recolhimento, numa guia única, de vários impostos e contribuições. Mas, entre outros motivos, um que lhe conferia certa limitação é que o SIMPLES só abrangeria o ICMS e o ISS se o Estado ou o Município a ele aderissem mediante convênio. Com a EC 42/2003, foi inserida a alínea d ao inciso III do art.146, bem como um parágrafo único, ambos trazendo normas constitucionais de maior amplitude para o tratamento diferenciado aqui tratado, entre elas a determinação de que o regime abrangia os impostos e contribuições não só da União, mas também dos Estados, Distrito Federal e Municípios. E com esse novo fundamento de validade é que adveio a LC 123/2006 (revogou a Lei ordinária nº 9.317/1996), que criou o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Simples Nacional, o qual abrange, hoje, os seguintes tributos: (i) IRPJ; (ii) IPI; (iii) CSLL; 17

18 (iv) COFINS; (v) PIS/Pasep; (vi) Contribuição Patronal Previdenciária CPP; (vii) ICMS; (viii) ISS. 03- (AUDITOR TCE ALAGOAS 2008 FCC) A definição, em matéria tributária, de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e empresas de pequeno porte (A) é incompatível com a Constituição da República, em decorrência da vedação de estabelecimento de distinção entre contribuintes em razão de sua ocupação profissional ou função por eles exercida. (B) não poderá implicar em instituição de regimes especiais ou simplificados no caso do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. (C) será estabelecida por lei complementar, que poderá, inclusive, instituir regime único de arrecadação de impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nos termos da Constituição da República. (D) não poderá resultar no estabelecimento de condições de enquadramento diferenciadas por Estado, nem em obrigatoriedade para os contribuintes de adesão ao regime. (E) implicará na centralização, pela União, de recolhimento dos impostos e contribuições sujeitos ao regime, devendo ser imediata a distribuição de parcelas de recursos pertencentes a outros entes da Federação, excetuadas hipóteses de retenção ou condicionamento, previstas na Constituição. Resolução (A) ERRADA. NÃO é incompatível com a Constituição da República, em decorrência da vedação de estabelecimento de distinção entre contribuintes em razão de sua ocupação profissional ou função por eles exercida. A VEDAÇÃO DE DISTINÇÃO ENTRE CONTRIBUINTES POR SUA OCUPAÇÃO PROFISSIONAL OUO FUNÇÃO EXISTE, CONFORME O PRINCÍPIO DA ISONOMIA TRIBUTÁRIA (ART.150, II, CF88), MAS ESSA VEDAÇÃO, CONFORME O MESMO DISPOSITIVO, APLICA-SE A CONTRIBUINTES QUE SE ENCONTREM EM SITUAÇÃO EQUIVALENTE. É A VELHA MÁXIMA: ISONOMIA 18

19 É TRATAR DESIGUALMENTE OS DESIGUAIS, NA MEDIDA EM QUE SE DESIGUALEM. (B) ERRADA. Não poderá implicar em instituição de regimes especiais ou simplificados no caso do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação. (ART.146, PARÁGRAFO ÚNICO, CF88). (C) CORRETA. será estabelecida por lei complementar, que poderá, inclusive, instituir regime único de arrecadação de impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nos termos da Constituição da República. (ART.146, PARÁGRAFO ÚNICO, CF88). (D) ERRADA. não poderá resultar no estabelecimento de condições de enquadramento diferenciadas por Estado, nem MAS NÃO em obrigatoriedade para os contribuintes de adesão ao regime. (ART.146, PARÁGRAFO ÚNICO, I e II, CF88). (E) ERRADA. implicará na centralização, pela União, de recolhimento dos impostos e contribuições sujeitos ao regime, devendo ser imediata a distribuição de parcelas de recursos pertencentes a outros entes da Federação, excetuadas hipóteses de retenção ou condicionamento, previstas na Constituição VEDADA QUALQUER RETENÇÃO OU CONDICIONAMENTO. (ART.146, PARÁGRAFO ÚNICO, III, CF88). GABARITO: C 3.3. Lei Complementar Nacional Lei Complementar Federal A lei complementar demandada pela CF88 para regular determinada matéria pode ser, materialmente, uma lei complementar nacional ou federal. Ora, mas há 2 espécies de lei complementar e só agora você avisa isso professor?! Calma. Formalmente, só existe um tipo de lei complementar, expedida pelo Congresso Nacional, com quorum de maioria absoluta para aprovação, como vimos. Mas, assim como a União, na CF88, aparece às vezes como pessoa jurídica de direito público interno, e às vezes como Estado Federal Total, Estado Nacional, República Federativa do Brasil; a lei complementar expedida pela União também pode ter o caráter de produto legislativo para o ente federado União, ou o caráter de produto legislativo para toda a Nação. 19

20 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL UNIÃO LEI COMPLEMENTAR NACIONAL LEI COMPLEMENTAR FEDERAL Como exemplo de lei complementar federal, a CF88 prevê, no art.128, 5º, que lei complementar da União estabelecerá a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público federal. É uma espécie de lei complementar voltada para um órgão federal, e não estadual nem municipal. Ou seja, lei complementar federal, e não nacional. Já a lei complementar à qual o art.146, CF88, confere diversas competências é uma lei complementar nacional, pois as normas por ela reguladas (muitas pelo CTN) aplicam-se não só à União, ente federado, mas também aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios. O próprio STF entende nesse sentido, como por exemplo, no julgamento do RE RS, em que decidiu não ser inconstitucional isenção de ICMS (tributo estadual) prevista em Tratado Internacional celebrado pela União, não como ente federado, mas sim como República Federativa do Brasil, com base no art. 98, CTN, que prevê que os tratados internacionais revogam ou modificam a legislação tributária interna, e serão observados pela que lhes sobrevenha Outros Dispositivos Constitucionais que Tratam de Lei complementar Tributária Art. 146-A. Lei complementar poderá estabelecer critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência, sem prejuízo da competência de a União, por lei, estabelecer normas de igual objetivo. Art A União, mediante lei complementar, poderá instituir empréstimos compulsórios: [...] Art Compete à União instituir impostos sobre: VII - grandes fortunas, nos termos de lei complementar. Art A União poderá instituir: 20

21 I - mediante lei complementar, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição; Art.155, 1.º O imposto previsto no inciso I [ITCMD]: [...] III - terá competência para sua instituição regulada por lei complementar: a) se o doador tiver domicilio ou residência no exterior; b) se o de cujus possuía bens, era residente ou domiciliado ou teve o seu inventário processado no exterior; Art.155, 2º [ICMS], XII - cabe à lei complementar: a) definir seus contribuintes; b) dispor sobre substituição tributária; c) disciplinar o regime de compensação do imposto; d) fixar, para efeito de sua cobrança e definição do estabelecimento responsável, o local das operações relativas à circulação de mercadorias e das prestações de serviços; e) excluir da incidência do imposto, nas exportações para o exterior, serviços e outros produtos além dos mencionados no inciso X, "a" f) prever casos de manutenção de crédito, relativamente à remessa para outro Estado e exportação para o exterior, de serviços e de mercadorias; g) regular a forma como, mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados. h) definir os combustíveis e lubrificantes sobre os quais o imposto incidirá uma única vez, qualquer que seja a sua finalidade, hipótese em que não se aplicará o disposto no inciso X, b; [ICMS-MONOFÁSICO COMBUSTÍVEIS] i) fixar a base de cálculo, de modo que o montante do imposto a integre, também na importação do exterior de bem, mercadoria ou serviço. Art Compete aos Municípios instituir impostos sobre: III - serviços de qualquer natureza, não compreendidos no art. 155, II, definidos em lei complementar. 21

22 Art.156, 3º Em relação ao imposto previsto no inciso III [ISS] do caput deste artigo, cabe à lei complementar: I - fixar as suas alíquotas máximas e mínimas; II - excluir da sua incidência exportações de serviços para o exterior. III - regular a forma e as condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados. 04- (AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL 2012 ESAF) Em matéria tributária, de acordo com a Constituição Federal, compete à Lei Complementar, exceto, (A) instituir as limitações constitucionais ao poder de tributar. (B) dispor sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários. (C) estabelecer critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência. (D) dispor sobre o adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas. (E) estabelecer tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte, inclusive regimes especiais ou simplificados. Resolução (A) ERRADO. INSTITUIR É CRIAR. QUEM CRIA AS LIMITAÇÕES CONSTITUCIONAIS AO PODER DE TRIBUTAR É A CONSTITUIÇÃO, E NÃO A LEI COMPLEMENTAR. CABE À LEI COMPLEMENTAR REGULAR ESSAS LIMITAÇÕES, E NÃO CRIÁ-LAS. (ART.146, II, CF88). (B) CORRETO. ART.146, III, B, CF88. (C) CORRETO. ART.146-A, CF88. (D) CORRETO. ART.146, III, C, CF88. (E) CORRETO. ART.146, III, D, CF88. GABARITO: A 3.5. Tributos que Devem Ser Instituídos por Lei Complementar Empréstimo Compulsório art.148 Imposto sobre Grandes Fortunas art.153, VII 22

23 Novos Impostos art.154, I Novas Contribuições art.195, 4º 05- (FISCAL DE TRIBUTOS ESTADUAIS SEFA PA 2002 ESAF) Prestamse a adensar a disciplina constitucional conferida ao sistema tributário e a criar certos tributos: (A) normas complementares (B) decretos (C) tratados internacionais (D) leis ordinárias (E) leis complementares Resolução adensar a disciplina constitucional conferida ao sistema tributário = quando a CF confere poder à lei complementar regular alguma norma constitucional tributária. Lei complementar cria os seguintes tributos: Empréstimo Compulsório art.148 Imposto sobre Grandes Fortunas art.153, VII Novos Impostos art.154, I Novas Contribuições art.195, 4º GABARITO: E 06- (FISCAL DE RENDAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO 2010 ESAF) Em matéria tributária, são privativas de lei complementar, exceto: (A) instituição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados na Constituição Federal, dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes. (B) adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas. (C) dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios. (D) definição de tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e para as empresas de pequeno porte. (E) instituição, por parte da União, de novos impostos, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados na Constituição. 23

24 Resolução (A) ERRADA. DEFINIÇÃO, E NÃO INSTITUIÇÃO, de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados na Constituição Federal, dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes. Art.146, III, a, CF88. (B) CORRETA. Art.146, III, c, CF88. (C) CORRETA. Art.146, I, CF88. (D) CORRETA. Art.146, III, d, CF88. (E) CORRETA. Art.154, CF88. GABARITO: A 07- (AUDITOR DO TCE GO - DIREITO CONSTITUCIONAL 2007 ESAF) Em matéria tributária e conforme a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, não cabe à lei complementar (A) dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. (B) estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos tributos discriminados na Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes. (C) estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados na Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes. (D) regular as limitações constitucionais ao poder de tributar. (E) estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas. Resolução (A) CABE dispor sobre conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios (Art.146, I, CF88). (B) NÃO CABE estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos TRIBUTOS discriminados na Constituição, a dos 24

25 respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes (TRIBUTOS NÃO, IMPOSTOS) (Art.146, III, a, CF88). (C) CABE estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre definição de tributos e de suas espécies, bem como, em relação aos impostos discriminados na Constituição, a dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes (Art.146, III, a, CF88). (D) CABE regular as limitações constitucionais ao poder de tributar (Art.146, II, CF88). (E) CABE estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, inclusive sobre adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas (Art.146, III, c, CF88). GABARITO: B 08- (AUDITOR DO TCE GO - DIREITO TRIBUTÁRIO 2007 ESAF) Sobre o Sistema Constitucional Tributário, é incorreto afirmar que (A) competem à União, em Território Federal, os impostos estaduais e, se o Território não for dividido em Municípios, cumulativamente, os impostos municipais; ao Distrito Federal cabem os impostos municipais. (B) os Municípios e o Distrito Federal poderão instituir contribuição, na forma das respectivas leis, para custeio do serviço de iluminação pública, sendo facultada a cobrança na fatura de consumo de energia elétrica. (C) cabe à lei complementar estabelecer normas gerais em matéria tributária sobre o adequado tratamento tributário ao ato cooperativo praticado pelas sociedades cooperativas. (D) a aplicação dos recursos provenientes de empréstimo compulsório não será vinculada à despesa que fundamentou sua instituição. (E) a Constituição Federal permite a edição de lei complementar que defina tratamento diferenciado e favorecido para microempresas e empresas de pequeno porte. Resolução (A) CORRETO. Art.147, CF88. (B) CORRETO. Art.149-A, CF88. (C) CORRETO. Art.146, III, c, CF88. (D) INCORRETO. A aplicação dos recursos provenientes de empréstimo compulsório SERÁ vinculada à despesa que fundamentou sua instituição (Art.148, parágrafo único, CF88). (E) CORRETO. Art.146, III, d, CF88. 25

26 GABARITO: D 09- (PROCURADOR DO DISTRITO FEDERAL 2007 ESAF) Assinale a opção correta. As leis complementares prestam-se basicamente a três (3) tipos de atuação em matéria tributária. Em conseqüência, elas dispõem sobre: (A) conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; normas gerais de legislação tributária. (B) conflitos de competência, em matéria tributária, só entre os Estados e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União e dos Estados; normas gerais de direito tributário. (C) conflitos de competência, em matéria tributária, só entre a União e os Estados e o Distrito Federal; limitações constitucionais ao poder de tributar dos Estados; normas gerais de direito tributário. (D) conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; normas gerais de legislação tributária. (E) conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União e dos Estados, desdobrando as exigências do princípio da legalidade, regulando as imunidades tributárias etc; normas gerais de direito tributário material e formal. Resolução (A) CORRETA. conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; normas gerais de legislação tributária (Art.146, I, II e III, CF88). (B) ERRADA. conflitos de competência, em matéria tributária, só entre os Estados e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União e dos Estados DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS; normas gerais de direito tributário (Art.146, I, II e III, CF88). (C) ERRADA. conflitos de competência, em matéria tributária, só entre a União e os Estados e o Distrito Federal E OS MUNICÍPIOS; limitações 26

27 constitucionais ao poder de tributar dos Estados Da União Do Distrito Federal E DOS MUNICÍPIOS; normas gerais de direito tributário (Art.146, I, II e III, CF88). (D) ERRADA. conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar DA UNIÃO, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; normas gerais de legislação tributária. (Art.146, I, II e III, CF88). (E) ERRADA. conflitos de competência, em matéria tributária, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; limitações constitucionais ao poder de tributar da União e dos Estados DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS, desdobrando as exigências do princípio da legalidade, regulando as imunidades tributárias etc; normas gerais de direito tributário material e formal (Art.146, I, II e III, CF88). GABARITO: A 10- (AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL - Tecnologia da Informação 2005 ESAF) Leis complementares, ou leis complementares à Constituição, são espécies normativas que têm a função de complementar dispositivos constitucionais que tratam genericamente de determinadas matérias, normalmente devido à sua complexidade. As leis complementares, por força do art. 69 da Constituição, serão aprovadas pela maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional. Considerando apenas o texto expresso da Constituição, pode-se concluir que as leis complementares em matéria tributária não tratam: (A) da instituição de impostos residuais. (B) da definição dos produtos industrializados sobre os quais o imposto incidirá uma única vez. (C) da instituição de um regime único de arrecadação dos impostos e contribuições da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. (D) do estabelecimento de critérios especiais de tributação com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência. (E) da regulação da forma e das condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados, relativamente ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Resolução (A) ERRADA. Art.154, I, CF88. 27

28 (B) CORRETA. da definição DE COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES sobre os quais o imposto incidirá uma única vez (Art.155, 2º, XII, h, CF88). (C) ERRADA. Art.146, parágrafo único, CF88. (D) ERRADA. Art.146-A, CF88. (E) ERRADA. Art.155, 2º, XII, g, CF88. GABARITO: B 11- (ANALISTA JURÍDICO SEFAZ-CE 2006 ESAF) As leis complementares são diplomas legais que têm por objetivo complementar dispositivos constitucionais que tratam genericamente de determinadas matérias, em geral devido a sua complexidade. Sobre elas, em matéria tributária, podemos afirmar que serão utilizadas para I. estabelecer critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência. II. instituir determinados tributos, como os empréstimos compulsórios, a contribuição de intervenção no domínio econômico sobre os combustíveis e os impostos residuais. III. estabelecer regras para a resolução de conflitos de competência entre os entes federativos. IV. definir tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e empresas de pequeno porte. V. regular as limitações constitucionais ao poder de tributar. Estão corretos apenas os itens (A) I, III e V. (B) I, III, IV e V. (C) II, III, IV e V. (D) I, II, III e V. (E) I, IV e V. Resolução I. CORRETA. estabelecer critérios especiais de tributação, com o objetivo de prevenir desequilíbrios da concorrência (Art.146-A, CF88). II. ERRADA. instituir determinados tributos, como os empréstimos compulsórios, a contribuição de intervenção no domínio econômico sobre os combustíveis e os impostos residuais (Art.177, 4º, CF88). III. CORRETA. estabelecer regras para a resolução de conflitos de competência entre os entes federativos (Art.146, I, CF88). 28

29 IV. CORRETA. definir tratamento diferenciado e favorecido para as microempresas e empresas de pequeno porte (Art.146, III, d, CF88). V. CORRETA. regular as limitações constitucionais ao poder de tributar (Art.146, II, CF88). GABARITO: B 12- (MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO 2006 ESAF) Sobre o Sistema Tributário Nacional, na Constituição Federal de 1988, assinale a única opção correta. (A) A Constituição Federal veda à lei complementar que disciplinar o Sistema Tributário Nacional o estabelecimento de normas gerais sobre definição de tratamento diferenciado e favorecido para empresas de pequeno porte. (B) A Constituição Federal prevê a possibilidade de, por lei complementar, a União delegar para Estados e Distrito Federal competência para a instituição de contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas. (C) Cabe à lei complementar federal fixar os combustíveis e lubrificantes derivados do petróleo sobre os quais o ICMS incidirá uma única vez, sendo que, neste caso, por força de disposição constitucional, o imposto caberá ao Estado produtor. (D) A União poderá instituir impostos extraordinários, compreendidos ou não em sua competência tributária, na iminência ou no caso de guerra externa, a eles não se aplicando o princípio da anterioridade nonagesimal. (E) Pertence aos Municípios o total do produto da arrecadação do imposto sobre a propriedade de veículos automotores licenciados em seus territórios, desde que o imposto seja fiscalizado e cobrado pelos Municípios. Resolução (A) ERRADA. A Constituição Federal DETERMINA à lei complementar que disciplinar o Sistema Tributário Nacional o estabelecimento de normas gerais sobre definição de tratamento diferenciado e favorecido para empresas de pequeno porte (Art.146, III, d, CF88). (B) ERRADA. Competência Exclusiva da União (Art.149, CF88). (C) ERRADA. Cabe à lei complementar federal fixar os combustíveis e lubrificantes derivados do petróleo sobre os quais o ICMS incidirá uma única vez, sendo que, neste caso, por força de disposição constitucional, o imposto 29

30 caberá ao Estado ONDE OCORRER O CONSUMO (Art.155, 2º, XII, g, e 4º, I, CF88). (D) CORRETA. A União poderá instituir impostos extraordinários, compreendidos ou não em sua competência tributária, na iminência ou no caso de guerra externa, a eles não se aplicando o princípio da anterioridade nonagesimal (Art.154, II, CF88). (E) ERRADA. Pertence aos Municípios o total do produto da arrecadação do imposto sobre a propriedade de veículos automotores licenciados em seus territórios, desde que o imposto seja fiscalizado e cobrado pelos Municípios (Art.153, 4º, III, c/c art.158, II, CF88). GABARITO: D 13- (AUDITOR-FISCAL DA RECEITA ESTADUAL MG 2005 ESAF) Considerando o disposto no art. 146 da CRFB/88, marque com (V) a assertiva verdadeira e com (F) a falsa, assinalando ao final a opção correspondente. ( ) Somente lei complementar pode criar formas de extinção do crédito tributário. ( ) Lei ordinária pode atribuir imunidade a determinado grupo ou conjunto de contribuintes. ( ) Lei ordinária pode criar modalidade de lançamento do crédito tributário. ( ) Lei ordinária pode prever a extinção do crédito tributário mediante dação em pagamento de bens móveis. (A) V, F, F, F (B) F, V, F, V (C) V, F, F, V (D) F, F, F, V (E) V, F, V, F Resolução (V) Somente lei complementar pode criar formas de extinção do crédito tributário (Art.146, III, b, CF88). (F) NORMA CONSTITUCIONAL pode atribuir imunidade a determinado grupo ou conjunto de contribuintes. (F) LEI COMPLEMENTAR pode criar modalidade de lançamento do crédito tributário (Art.146, III, b, CF88). (F) LEI COMPLEMENTAR pode prever a extinção do crédito tributário mediante dação em pagamento de bens móveis (Art.146, III, b, CF88). 30

31 GABARITO: A 14- (ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE - AFC 2002 ESAF) Sabendo que o Código Tributário Nacional (CTN) foi editado antes da Constituição de 1988, sob a forma de lei ordinária, é possível afirmar que as normas do CTN que regulam limitações constitucionais ao poder de tributar (A) continuam em vigor, desde que o seu conteúdo seja concordante com as normas da Constituição de (B) são consideradas revogadas pela nova Constituição, uma vez que esta exige para o tratamento da matéria o instrumento normativo da lei complementar. Resguardam-se, porém, direitos adquiridos. (C) podem ser declaradas, pelo STF, em ação direta de inconstitucionalidade, supervenientemente inconstitucionais, por não se revestirem da forma de lei complementar. (D) são tecnicamente consideradas repristinadas pela nova ordem constitucional, depois de assim afirmado pelo Supremo Tribunal Federal. (E) uma vez que o poder constituinte originário dá início ao ordenamento jurídico, as normas referidas no enunciado devem ser tidas como revogadas desde o advento da Constituição de 1988, nada obstando, porém, que o Congresso Nacional as revigore expressamente, por ato legislativo com efeitos retroativos. Resolução PELO PRINCÍPIO DA RECEPÇÃO, a Constituição aproveita as normas previstas no CTN, que é formalmente lei ordinária (Lei nº 5.172/66), que se prestam a regulamentar normas constitucionais que exigem lei complementar. O CTN, então, é formalmente lei ordinária, mas materialmente lei complementar, naquelas suas normas que foram recepcionadas pela Constituição. GABARITO: A 15- (AUDITOR DE TRIBUTOS MUNICIPAIS FORTALEZA CE 1998 ESAF) É matéria reservada a lei complementar (A) a determinação de medidas para que os consumidores sejam esclarecidos acerca dos impostos que incidam sobre mercadorias e serviços 31

DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO. Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br. Site: Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II

DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO. Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br. Site:  Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II 2012 DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br Site: www.claudiocarneiro.com.br Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II IMPOSTOS: FEDERAIS: II, IE, IR, IPI, IOF, ITR, IGF, Extraordinário

Leia mais

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS Sumário DIREITO TRIBUTÁRIO... DIREITO TRIBUTÁRIO PROFS. GUILHERME ADOLFO DOS SANTOS MENDES E DIMAS MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito Tributário - Conceito; Tributo -

Leia mais

Como a Constituição trata tal imposto:

Como a Constituição trata tal imposto: Como a Constituição trata tal imposto: Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993) (...) II - operações relativas

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar...

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar... sumário Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas Públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

Direito Tributário Limitações ao Poder de Tributar

Direito Tributário Limitações ao Poder de Tributar Direito Tributário Limitações ao Poder de Tributar Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar É vedado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Sumário Capítulo 1 Direito tributário Capítulo 2 Espécies de tributo Capítulo 3 Empréstimos compulsórios e contribuições especiais Sumário Capítulo 1 Direito tributário... 1 1.1. Direito... 1 1.2. Direito público e direito privado... 1 1.3. Direito tributário... 2 1.4. Direito tributário e os demais ramos do Direito... 4 1.5. Estado...

Leia mais

CAPÍTULO. Competência Tributária. Competência Tributária Comum

CAPÍTULO. Competência Tributária. Competência Tributária Comum CAPÍTULO Competência Tributária Competência Tributária Comum C.F. art. 145 A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: II - taxas, em razão do exercício

Leia mais

Sistema Tributário Nacional

Sistema Tributário Nacional Sistema Tributário Nacional Considerações Iniciais Direito Direito e Contabilidade como Ciências Ciência das Normas obrigatórias que disciplinam as relações dos homens em sociedade. É o conjunto das normas

Leia mais

SUMÁRIO. Abreviaturas... 13

SUMÁRIO. Abreviaturas... 13 SUMÁRIO Abreviaturas... 13 Capítulo 1 Tributo: Conceito e Espécies... 15 1. Conceito de tributo... 15 1.1. Prestação pecuniária, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir... 15 1.2. Prestação compulsória...

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA: Direito Tributário. Tributos. Conceitos e limitações ao poder de tributar. Competência e Legislação Tributária. Interpretação e integração da norma tributária. I NOÇÕES INTRODUTÓRIAS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o Código Tributário do Município de Miracema (lei nº 1.453, de 26 de setembro de 2013), responda às questões de números 1 a 6. 1) É de competência do município

Leia mais

Direito Tributário para o Exame de Ordem

Direito Tributário para o Exame de Ordem Direito Tributário para o Exame de Ordem Introdução, Normas Gerais, Competência Tributária e Imunidade Tributária Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Competência tributária

Leia mais

Direito Tributário. Aula 2: Legislação Tributária e Limitações ao Poder de Tributar

Direito Tributário. Aula 2: Legislação Tributária e Limitações ao Poder de Tributar Direito Tributário Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Aula 2: Legislação Tributária e Limitações ao Poder de Tributar Legislação Tributária ria (Conceito) A expressão "legislação tributária"

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani M O M E N T O D E R E F L E X Ã O 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani Planejamento Tributário atividade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XXI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XXI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A União, por não ter recursos suficientes para cobrir despesas referentes a investimento público urgente e de relevante interesse nacional, instituiu, por meio da

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 19 1. Breves considerações sobre o direito financeiro... 19 2. Direito tributário. Noção conceptual... 22 2.1. Autonomia do Direito Tributário...

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XXI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XXI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A União, por não ter recursos suficientes para cobrir despesas referentes a investimento público urgente e de relevante interesse nacional, instituiu, por meio da

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal. Prof.ª Luciana Batista

DIREITO TRIBUTÁRIO. Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal. Prof.ª Luciana Batista DIREITO TRIBUTÁRIO Espécies Tributárias Impostos dos Estados, Municípios e do Distrito Federal Prof.ª Luciana Batista IMPOSTOS DOS ESTADOS/ DISTRITO FEDERAL (art. 155, CF/88). ITCD : transmissão causa

Leia mais

PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente 1. PODER CONSTITUINTE NATUREZA DO PODER CONSTITUINTE:...

PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente 1. PODER CONSTITUINTE NATUREZA DO PODER CONSTITUINTE:... 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente Precedentes: RExt 466.343 RExt 349.703 HC 87.585 1. PODER CONSTITUINTE Poder de elaborar

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor: Mauro Moreira

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor: Mauro Moreira DIREITO TRIBUTÁRIO Professor: Mauro Moreira 1 RACIOCÍNIO JURÍDICO TRIBUTÁRIO CONSTITUIÇÃO -Princípios -Imunidades -Espécies Tributárias - I M P O S T O S T A X A S - C O N T R I B U IÇ Ã O D E M E L H

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I Direito Tributário... 13 1. Definição... 13 2. Relação com outros ramos do direito... 13 3. Fontes do direito tributário... 14 4. Legislação tributária... 20 Capítulo

Leia mais

Processo Legislativo II. Prof. ª Bruna Vieira

Processo Legislativo II. Prof. ª Bruna Vieira Processo Legislativo II Prof. ª Bruna Vieira 1.4. Espécies normativas (art. 59 da CF) a) emendas à Constituição b) leis complementares c) leis ordinárias d) leis delegadas e) medidas provisórias f) decretos

Leia mais

Sumário CAPÍTULO 3 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS

Sumário CAPÍTULO 3 EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Sumário CAPÍTULO 1 DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito 2. Direito público e direito privado 3. Direito tributário 4. Direito tributário e os demais ramos do Direito 5. Estado 6. Receitas do Estado 7. Definição

Leia mais

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM

Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM Exercícios: Princípios e Imunidades Coordenação do material: Emersom Fernandes TV EXAME DE ORDEM 1-Lei catarinense, publicada em 01.12.2008, alterou, de 3% para 4%, a alíquota do IPVA relativo à propriedade

Leia mais

MANUAL DE DIREITO TRIBUTÁRIO

MANUAL DE DIREITO TRIBUTÁRIO MARCELO ALEXANDRINO Auditor Fiscal da Receita Federal desde 1997, exerce suas atribuições na Divisão de Tributação da Superintendência da Receita Federal, no Rio Grande do Sul. Professor de Direito Tributário

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

Questão 01 ESAF/PGFN-Procurador da Fazenda Nacional/2015

Questão 01 ESAF/PGFN-Procurador da Fazenda Nacional/2015 Questão 01 ESAF/PGFN-Procurador da Fazenda Nacional/2015 Sobre a competência tributária prevista no CTN, assinale a opção incorreta. a) Os tributos cuja receita seja distribuída, no todo ou em parte, a

Leia mais

Previsão normativa. Leis. Tratados e as convenções internacionais Decretos Normas complementares. Conteúdo

Previsão normativa. Leis. Tratados e as convenções internacionais Decretos Normas complementares. Conteúdo AULA : LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA - Prof. Paulo Henrique de Oliveira Previsão normativa Conteúdo Distinção Leis LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA CTN Art. 96. A expressão legislação tributária compreende as leis, os tratados

Leia mais

CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 CAPÍTULO 3 PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO...

CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 CAPÍTULO 3 PRINCÍPIOS DO DIREITO TRIBUTÁRIO... SUMÁRIO PARTE 1 TEORIA DIREITO MATERIAL CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES...19 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...21 2.1 Repartição das receitas tributárias... 23 2.2 Exercício da competência tributária...

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A ÚLTIMA PROVA Edital 2015 (DPE/SP) 88 questões 5 Alternativas. (4h30 de prova em todas as fases)

COMENTÁRIOS SOBRE A ÚLTIMA PROVA Edital 2015 (DPE/SP) 88 questões 5 Alternativas. (4h30 de prova em todas as fases) Aula 01 e 02 Direito tributário Dia 06.03.2017 Professor: Victor Alves Advogado Tributarista. COMENTÁRIOS SOBRE A ÚLTIMA PROVA Edital 2015 (DPE/SP) 88 questões 5 Alternativas. (4h30 de prova em todas as

Leia mais

Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade II DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Imunidades tributárias Aliomar Baleeiro (1976, p. 87): Vedações absolutas ao poder de tributar certas pessoas (subjetivas)

Leia mais

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado

Recife, 19 de julho de Armando Moutinho Perin Advogado Recife, 19 de julho de 2016 Armando Moutinho Perin Advogado Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: I direito tributário,

Leia mais

Concurseiros Unidos Maior RATEIO da Internet Auditor Fiscal de Juiz de Fora

Concurseiros Unidos Maior RATEIO da Internet Auditor Fiscal de Juiz de Fora Concurseiros Unidos Maior RATEIO da Internet Aula 01 - Questões Professor: Ricardo Wermelinger www.pontodosconcursos.com.br 1 01 AOCP 2012 TCE/PA - Com relação ao Sistema Tributário Nacional, de acordo

Leia mais

Tributação do e-commerce

Tributação do e-commerce Tributação do e-commerce Alterações realizadas por meio da Emenda Constitucional 87/15 Tatiana Martines SEFAZ/SP EC 87/2015: Características principais O que é? A EC 87/2015 altera a sistemática de cobrança

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor Victor Alves Aula dia 14/03/2017

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor Victor Alves Aula dia 14/03/2017 DIREITO TRIBUTÁRIO Professor Victor Alves Aula dia 14/03/2017 Conceito de Tributo: Art. 3º do CTN - Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não

Leia mais

Unidade 2 Sistema Tributário Nacional: teoria do tributo e espécies tributárias.

Unidade 2 Sistema Tributário Nacional: teoria do tributo e espécies tributárias. Unidade 2 Sistema Tributário Nacional: teoria do tributo e espécies tributárias. Na aula anterior entendemos o conceito de Tributo, descrito no próprio CTN, em seu artigo 3º: Art. 3 - Tributo é toda prestação

Leia mais

Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Exercícios Direito Tributário Exercício Rafael Saldanha 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. QUESTÃO 01 Um município brasileiro, desconsiderando as regras

Leia mais

Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP

Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP Guerra Fiscal 2.0 O Protocolo Confaz 21/2011 e as operações interestaduais pela internet para consumidor final Marcelo Viana Salomão Mestre e doutorando PUC/SP CONVÊNIOS CTN - Art. 199. A Fazenda Pública

Leia mais

Introdução ao direito tributário

Introdução ao direito tributário Capítulo 1 - Introdução ao direito tributário 1.1. Considerações iniciais 17 1.2. Conceito de tributo 19 1.3. Tipos de tributo.. 20 1.3.1. Imposto.... 20 1.3.2. Taxas..25 1.3.2.1. Diferenças entre taxa

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 TRIBUTOS Modalidades MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

Sumário PARTE 1 TEORIA DIREITO MATERIAL CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 19

Sumário PARTE 1 TEORIA DIREITO MATERIAL CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 19 Sumário PARTE 1 TEORIA DIREITO MATERIAL CAPÍTULO 1 TRIBUTO. CONCEITO E ESPÉCIES... 17 CAPÍTULO 2 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 19 2.1 Repartição das receitas tributárias... 21 2.2 Exercício da competência

Leia mais

SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL DE IMPOSTOS

SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL DE IMPOSTOS SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 1.1 Evolução histórica 1.2 Na Constituição Federal de 1988: arts. 155, I, e 156, II 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL

Leia mais

Prof. Helena de Souza Rocha 1

Prof. Helena de Souza Rocha 1 Prof. Helena de Souza Rocha 1 2 Fonte: Pedro Lenza. Direito Constitucional Esquematizado. Originário histórico revolucionário Poder Constituinte Derivado reformador decorrente Difuso revisor Supranacional

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008 SIMPLES NACIONAL Histórico e Fundamentos Legais Maio/2008 1 FUNDAMENTOS LEGAIS Dispositivos Constitucionais: Art. 179 Art. 146, III, d e único (redação da EC 42/2003) Art. 94 do ADCT LC 123/2006 - Estatuto

Leia mais

21/03/2017 LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA ESTADUAL

21/03/2017 LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA ESTADUAL LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA ESTADUAL Profs.: AndréFantoni e Eduardo da Rocha "Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela" professorfantoni@yahoo.com.br 1 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Constituição Federal/88

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais

TAXAS Art. 145, II e 2º, CF e arts. 77 a 80, CTN

TAXAS Art. 145, II e 2º, CF e arts. 77 a 80, CTN CONCEITO DE INGRESSO PÚBLICO ORIGINÁRIO PRÓPRIO REPARAÇÕES DE GUERRA DEFINIÇÃO DE TRIBUTOS Art. 3, CTN TRIBUTO É TODA PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA PENALIDADES COMPULSÓRIA INGRESSO PÚBLICO DERIVADO EM MOEDA OU

Leia mais

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR

O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR IMUNIDADES E ISENÇÕES DE TRIBUTOS PARA O TERCEIRO SETOR O CENÁRIO DO TERCEIRO SETOR NO BRASIL 6º ENCONTRO GAÚCHO DO TERCEIRO SETOR TRIBUTOS (art. 145 CF). IMUNIDADES E ISENÇÕES IMUNIDADE VEDAÇÃO - PROIBIÇÃO

Leia mais

ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS

ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS ICMS: GUERRA FISCAL A CONCESSÃO IRREGULAR DE BENEFÍCIOS FISCAIS ICMS Traços característicos - imposto de consumo - plurifásico e não-cumulativo - ênfase na seletividade - caráter nacional - representatividade

Leia mais

01) São funções do lançamento em matéria tributária, independente da modalidade adotada para sua realização, exceto:

01) São funções do lançamento em matéria tributária, independente da modalidade adotada para sua realização, exceto: Irapua Beltrao 01) São funções do lançamento em matéria tributária, independente da modalidade adotada para sua realização, exceto: a) atestar a ocorrência do fato gerador b) individualizar o sujeito passivo

Leia mais

PEC 87/2015 e Convênio 93/2015 Novas regras de ICMS

PEC 87/2015 e Convênio 93/2015 Novas regras de ICMS Ref.: nº 02/2016 PEC nº 87/2015 A Emenda Constitucional nº 87/2015, alterou o Art. 155 da Constituição Federal, determinando novas regras para a divisão do ICMS em operações interestaduais, com o objetivo

Leia mais

Desejamos um ótimo Curso!

Desejamos um ótimo Curso! Desejamos um ótimo Curso! TRIBUTAÇÃO E DIREITOS DO CONTRIBUINTE Renato Aparecido Gomes renato.gomes@advocaciagac.com.br Tel.11 3929-5876 Bacharel em Direito e Mestre em Direito pela Universidade Presbiteriana

Leia mais

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias. Professora Giuliane Torres.

Direito Tributário. Repartição das Receitas Tributárias.  Professora Giuliane Torres. Direito Tributário Repartição das Receitas Tributárias Professora Giuliane Torres www.acasadoconcurseiro.com.br www.estudaquepassa.com.br Direito Tributário REPARTIÇÃO DAS RECEITAS TRIBUTÁRIAS REPASSE

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Poder Constituinte PODER CONSTITUINTE - Poder responsável por criar e modificar uma constituição. - Sempre está latente. - O titular é o povo. PODER CONSTITUINTE PODER

Leia mais

REFORMA TRIBUTÁRIA: Análise da nova proposta de Governo Federal. FEDERASUL Meeting Jurídico Porto Alegre, 24 de abril de 2008

REFORMA TRIBUTÁRIA: Análise da nova proposta de Governo Federal. FEDERASUL Meeting Jurídico Porto Alegre, 24 de abril de 2008 REFORMA TRIBUTÁRIA: Análise da nova proposta de Governo Federal FEDERASUL Meeting Jurídico Porto Alegre, 24 de abril de 2008 Para que uma Reforma Tributária ria? simplificação do sistema tributário desoneração

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ROBERTO ROCHA PSB/MA PARECER Nº, DE Relator: Senador ROBERTO ROCHA

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ROBERTO ROCHA PSB/MA PARECER Nº, DE Relator: Senador ROBERTO ROCHA PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 96, de 2015, do Senador Fernando Bezerra Coelho e outros, que outorga competência à União

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA PARA O TERCEIRO SETOR

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA PARA O TERCEIRO SETOR IMUNIDADE TRIBUTÁRIA PARA O TERCEIRO SETOR Compreendê-la e usá-la é um Direito seu DIFERENÇA ENTRE IMUNIDADE E ISENÇÃO IMUNIDADE Norma disposta em sede Constitucional. Tem à União, Estados, Distrito Federal

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO - 1

DIREITO TRIBUTÁRIO GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO - 1 Roteiro 1ª aula: 1) Do que se ocupa o Direito Tributário? 2) O que é tributo? 2.1) Quantas e quais são as espécies tributárias? 2.2.1) O que as diferencia? 3) Qual o enquadramento do CTN? 4) O que distingue

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Simples Nacional e a transferência de créditos de PIS/COFINS Paulo Nadir Rosa de Moura* A Constituição Federal (CF) de 1988, no artigo 146, inciso III, alínea "d", dispõe que lei

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CONSTITUCIONAL 1. Na Federação Brasileira, os Estados-Membros: I organizam-se e regem-se pelas respectivas Constituições, ainda que contrariem alguns

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 1º de janeiro de 2014, a União publicou lei ordinária instituindo Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico (CIDE) incidente sobre as receitas decorrentes

Leia mais

CAPÍTULO. Competência Tributária. Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar IMUNIDADE TRIBUTÁRIA Introdução

CAPÍTULO. Competência Tributária. Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar IMUNIDADE TRIBUTÁRIA Introdução CAPÍTULO Competência Tributária Limitações Constitucionais ao Poder de Tributar IMUNIDADE TRIBUTÁRIA Introdução IMUNIDADE TRIBUTÁRIA (Introdução) Diferença entre imunidade, isenção, notação N/T e alíquota

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO. Aula Ministrada pelo Prof. Pedro Bonifácio AULA 7 03/04/2017 PRINCÍPIOS TRIBUTÁRIOS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO. Aula Ministrada pelo Prof. Pedro Bonifácio AULA 7 03/04/2017 PRINCÍPIOS TRIBUTÁRIOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO. Aula Ministrada pelo Prof. Pedro Bonifácio AULA 7 03/04/2017 PRINCÍPIOS TRIBUTÁRIOS Os Princípios são regras do direito positivo que visa proteger a segurança

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE Competência De acordo com o art. 102, I, a, CR(Constituição da República Federativa do Brasil), compete ao Supremo Tribunal Federal processar e julgar, originariamente,

Leia mais

1. A respeito das limitações constitucionais ao poder de tributar do Sistema Tributário Nacional, analise as afirmativas a seguir.

1. A respeito das limitações constitucionais ao poder de tributar do Sistema Tributário Nacional, analise as afirmativas a seguir. 1. A respeito das limitações constitucionais ao poder de tributar do Sistema Tributário Nacional, analise as afirmativas a seguir. I. Pelo princípio da legalidade somente a Constituição Federal pode criar

Leia mais

Tropa de Elite Delegado Federal Direito Previdenciário

Tropa de Elite Delegado Federal Direito Previdenciário Tropa de Elite Delegado Federal Direito Previdenciário Seguridade Social André Studart 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Conceito de Seguridade Social Art. 194.

Leia mais

MÓDULO 01 DIREITO TRIBUTÁRIO LIMITAÇÕES CONSTITUCIONAIS AO PODER DE TRIBUTAR EVOLUIR CONCURSOS PLANILHA 02

MÓDULO 01 DIREITO TRIBUTÁRIO LIMITAÇÕES CONSTITUCIONAIS AO PODER DE TRIBUTAR EVOLUIR CONCURSOS PLANILHA 02 Questão 01 ESAF/PGFN-Procurador da Fazenda Nacional/2015 A Lei que diminui o prazo de recolhimento de tributo a) submete-se ao princípio da anterioridade nonagesimal. b) somente se aplica no exercício

Leia mais

Sumário. Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas. Capítulo 1 Conceitos iniciais 1

Sumário. Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas. Capítulo 1 Conceitos iniciais 1 Sumário Agradecimentos Apresentação Siglas e abreviaturas utilizadas XIX XXI XXIII Capítulo 1 Conceitos iniciais 1 1 Direito e as relações jurídicas 1 1.1 Direito Público e Direito Privado 2 1.2 Direito

Leia mais

CURSO LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO DF GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO 6

CURSO LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO DF GUIA PARA SALA DE AULA MÓDULO 6 1. SUPER-SIMPLES ou SIMPLES NACIONAL O SIMPLES tem base na CF/1988 artigos 146, III, d ; 170, inciso IX e 179. Art. 146. Cabe à lei complementar: III estabelecer normas gerais em matéria de legislação

Leia mais

CTN Lei n de 25 de Outubro de 1966 Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à

CTN Lei n de 25 de Outubro de 1966 Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à CTN Lei n 5.172 de 25 de Outubro de 1966 Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Art. 3º Tributo é toda prestação

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Conjunto de normas que norteiam o ordenamento jurídico tributário não ultrapassar o limite do razoável, tendo em vista que a tributação implica na restrição ao direito

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE II

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE II EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE II Olá pessoal, vamos à PARTE II da bateria de questões que selecionei dos últimos concursos realizados pela FCC e outras bancas, de acordo com o edital

Leia mais

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 1. Processo e procedimento... 25 1.1. Procedimentos legislativos... 26 2. Princípios

Leia mais

CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB. Prof. Vilson Cortez - Tudão

CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB. Prof. Vilson Cortez - Tudão CURSO DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA RFB Prof. Vilson Cortez - Tudão Prof. Vilson Cortez Especialista em Direito Tributário e Legislação Tributária pela Escola Superior da Procuradoria Geral do Estado de São

Leia mais

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas...

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas... S u m á r i o Unidade I Teoria Geral dos Tributos Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3 1.1. Conceito de Tributo... 3 1.2. As Espécies Tributárias... 8 Capítulo 2 Os Impostos... 18 2.1. Teoria

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. Objetiva corrigir os desequilíbrios

Leia mais

PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO

PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO PARECER JURÍDICO ANUIDADE CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA COBRANÇA - ISENÇÃO Interessado: COSEMS-MG 1. Relatório Trata-se de consulta realizada por diversos municípios do FORUM REGIONAL acerca da legalidade

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Prevê a edição de lei complementar relativamente à conceituação de pequeno Município, aos princípios de que trata o art. 37 da Constituição e às normas gerais aplicáveis

Leia mais

AULA 03. Conteúdo da aula: Tributo; Classificação Qualitativa; Impostos; Conceito.

AULA 03. Conteúdo da aula: Tributo; Classificação Qualitativa; Impostos; Conceito. Turma e Ano: Master A (2015) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 03 Professor: Vanessa Siqueira Monitora: Evellyn Nobre AULA 03 Conteúdo da aula: Tributo; Classificação Qualitativa; Impostos; Conceito.

Leia mais

Benefícios Fiscais de ICMS

Benefícios Fiscais de ICMS Resumos Tributários IOB Benefícios Fiscais de ICMS Volume III Roseli Ferreira da Silva Aprigio Experiência de oito anos na área fiscal em empresas e escritório contábil e consultora em impostos pela IOB

Leia mais

Estrutura da Obra Sobre os Autores Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17

Estrutura da Obra Sobre os Autores Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17 SUMÁRIO Estrutura da Obra... 9 Sobre os Autores... 11 Prefácio à 1. a edição Antônio de Pádua Ribeiro... 15 Apresentação à 7.ª edição Vladimir Passos de Freitas... 17 Apresentação à 6. a edição Vladimir

Leia mais

Decreto /2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS

Decreto /2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS Decreto 58.918/2013 de São Paulo: mais um capítulo da Guerra Fiscal de ICMS Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 21 de março de 2013 Aspectos Constitucionais dos Incentivos Fiscais CF/88 Art.

Leia mais

PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº /04)

PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº /04) PIS-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO (LEI Nº 10.865/04) Vimos por meio do presente resumo destacar nosso entendimento sobre a sistemática de incidência do PIS e da COFINS nas operações de importação, bem

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO Aula 06 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 Altera o art. 146 da Constituição Federal e acrescenta o art. 88-A ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para introduzir regramento para o imposto

Leia mais

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 SUMÁRIO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 Preâmbulo...1 TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS (Arts. 1º a 4º)...3 TÍTULO

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor Victor Alves Aula dia 28/03/2017

DIREITO TRIBUTÁRIO. Professor Victor Alves Aula dia 28/03/2017 DIREITO TRIBUTÁRIO Professor Victor Alves Aula dia 28/03/2017 PRINCÍPIO DA LEGALIDADE :Só paga tributo se houver lei. PRINCÍPIO DA NÃO SURPRESA PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE

Leia mais

Efeitos financeiros do Simples

Efeitos financeiros do Simples Efeitos financeiros do Simples Limites de sua utilização frente ao ordenamento jurídico PAULO AYRES BARRETO Simples e Efeitos Financeiros Arrecadação Custo de Conformidade Constituição Federal Lei Complementar

Leia mais

PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015

PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015 1 2 PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 18 de junho de 2015 1. Introdução 3 Lei 10.637/02 e 10.833/03

Leia mais

tributarioparaconcursos.wordpress.com

tributarioparaconcursos.wordpress.com PROVA COMENTADA DE DIREITO TRIBUTÁRIO PARA PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA APLICADA EM 13/12/2015 PELO CENTRO DE SELEÇÃO DA UFG QUESTÃO 34 Leia o conceito a seguir. É vedado aos Municípios cobrar tributos

Leia mais

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Tributos e Competência Tributária. Organizado por: Samille Lima Alves Tributos e Tributária Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. TRIBUTOS E COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA... 3 1. Caracterizando o tributo... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Classificação dos tributos... 4 2 tributária...

Leia mais

MÓDULO 01 DIREITO TRIBUTÁRIO IMPOSTOS DE COMPETÊNCIA DOS ESTADOS EVOLUIR CONCURSOS PLANILHA 04

MÓDULO 01 DIREITO TRIBUTÁRIO IMPOSTOS DE COMPETÊNCIA DOS ESTADOS EVOLUIR CONCURSOS PLANILHA 04 Questão 01 ESAF/AFRFB/2012 Sobre o imposto de transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos, de competência dos Estados e do Distrito Federal, assinale a opção incorreta. a) Sua incidência

Leia mais

INFORMAÇÕES 4x30min DIREITO TRIBUTÁRIO - ESAF - ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

INFORMAÇÕES 4x30min DIREITO TRIBUTÁRIO - ESAF - ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO INFORMAÇÕES 4x30min DIREITO TRIBUTÁRIO - ESAF - ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Observação: Teve prova de ATRF em 2009 e 2012. Em 2009 a questão foi de Legislação

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Repartição de Competência Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Repartição de Competência Repartição de Competência na CF/88 Noções Básicas: Em 1988, a Assembleia Nacional Constituinte tinha numa das mãos

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2014 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS 1 Matheus Brito Meira 2 No

Leia mais

Aulão de direito tributário. Questões comentadas banca FGV

Aulão de direito tributário. Questões comentadas banca FGV Aulão de direito tributário Questões comentadas banca FGV Competência tributária Secretaria de fazenda de Recife 2014 Auditor do Tesouro Municipal 16 Com relação à competência tributária, assinale a afirmativa

Leia mais