Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais."

Transcrição

1 Condomínios fechados em Mossoró/RN: novas formas de moradia e a produção de novas áreas habitacionais. Michele de Sousa Doutoranda em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP/Presidente Prudente Resumo O processo de diferenciação socioespacial sempre existiu nas cidades, no entanto, mais recentemente, ele pode ser percebido de maneira exacerbada nos processos de segregação e fragmentação socioespaciais. Muitos estudos existem acerca destes processos nas metrópoles e um conjunto já considerável de trabalhos vem se dedicando ao estudo da diferenciação socioespacial em cidades médias e pequenas com o intuito de apreender sua dinâmica também nestas localidades, buscando especificidades, tanto quanto observando elementos gerais, compreendendo-se que, independentemente do tamanho demográfico, da extensão territorial, ou das funções de intermediação, as cidades são uma manifestação dos processos gerais da sociedade capitalista de onde decorre a diferenciação aludida. Mossoró, segunda maior cidade do Estado do Rio Grande do Norte, não foge a esse princípio. Com este trabalho procuramos expor alguns dos agentes e fatores desencadeadores desta mudança no espaço urbano mossoroense e analisar transformações deste espaço, com ênfase para os espaços de moradia em loteamentos fechados. Introdução Este trabalho é uma reflexão inicial acerca das transformações no espaço urbano de Mossoró-RN, com ênfase para a moradia em condomínios fechados. Os procedimentos metodológicos incluíram a leitura de referencial teórico que contemplam a temática da diferenciação socioespacial e segregação urbana. Trata-se de observação in loco e análise de registros da Gerência Executiva do Desenvolvimento Urbanístico da Prefeitura Municipal de Mossoró. 2 Diferenciação socioespacial e segregação Segundo Corrêa (2007) após a segunda metade do século XIX [...] o capital industrial e financeiro iria simultaneamente refragmentar e articular a superfície terrestre, estabelecendo instáveis diferenças socioespaciais, passíveis de apreensão em diversas escalas, entre elas a da rede urbana e a do espaço intra-urbano (p.63). Na escala do espaço intra-urbano, Corrêa (2007) afirma que a diferenciação sócio-espacial pode ser revelada por meio da divisão econômica do espaço e da divisão social do espaço. A divisão econômica do espaço estaria vinculada a produção, circuito das empresas e do capital, e a

2 divisão social do espaço à reprodução social, ao consumo, ambas são interdependentes e articuladas por meio dos fluxos. Sendo o espaço urbano uma construção humana que está em constante modificação, passa por processos (políticos, econômicos, sociais ou ecológicos) protagonizados, em sua maioria, pelos agentes que produzem o espaço, no intuito de valorizar ou desvalorizar determinadas áreas dentro da cidade, de acordo com seus interesses. Assim, a produção do espaço é também uma produção social que traduz, bem como o sistema econômico vigente, as desigualdades sociais no espaço. Para compreender a produção da cidade segregada, é importante entender a natureza do termo segregação, que está relacionada na sua origem aos estudos realizados na Escola de Chicago dos guetos americanos, onde sua dimensão era cultural, levando em consideração aspectos como raça, língua, religião. No entanto, esse tipo de segregação, da realidade americana, pode não corresponder quando utilizada para estudar outras realidades, como a brasileira. Villaça (1998) analisando algumas metrópoles brasileiras assegura que no Brasil pode-se encontrar segregação de diversas naturezas, seja cultural ou socioeconômica, no entanto o seu estudo levou em consideração a segregação das classes sociais, que segundo o autor é a que predomina nas metrópoles brasileiras e que ele define como [...] um processo segundo o qual diferentes classes ou camadas sociais tendem a se concentrar cada vez mais em diferentes regiões gerais ou conjuntos de bairros da metrópole (1998, p. 142). A respeito do uso do termo segregação nas ciências sociais, Spósito (1996) afirma que ele pode ser utilizado em um sentido restrito ( ação voluntária de separar e marginalizar ) ou mais amplo ( formas de expressão, no nível espacial, de um processo de diferenciação social ), sendo esta última a que se aproxima dos estudos de Villaça. Além da abrangência, Spósito (1996) analisa ainda as dimensões da segregação Tanto no sentido mais restrito e preciso, quanto na aplicação mais ampla e difusa do termo segregação, podemos observar em grande parte da bibliografia que a ele faz referência, pelo menos duas dimensões do processo, a social e a espacial, sendo a segunda muitas vezes compreendida como decorrência da primeira. Ou seja, à medida em que observamos a ocorrência de processos de discriminação social ou de diferenciação social, é possível verificar a ocorrência de arranjos espaciais que expressam em nível do território essa discriminação ou diferenciação (p. 72). Assim, para Spósito (1996, p. 74) a segregação seria um processo de diferenciação que se desenvolve ao extremo, considerando, portanto produtiva a análise da relação dialética entre as dimensões social e espacial para a interpretação do espaço urbano na atualidade. Portanto, a segregação, seja no sentido mais restrito ou mais amplo, não se encontra presente apenas nas metrópoles, é um fenômeno social que pode ser visto nas cidades brasileiras

3 independente do seu tamanho. Esse vem sendo um tema estudado por alguns pesquisadores no intuito de apreender a dinâmica deste processo para além das metrópoles. Cabe relembrar ainda que a segregação implica em diferenças socioespaciais que, por sua vez são decorrentes do acúmulo de processos e práticas espaciais, sendo os processos realizados por agentes produtores do espaço e de forma frequente e duradoura. Já as práticas são ações individuais e isoladas, no entanto se ocorrerem de forma contínua poderão caracterizar um processo (CORRÊA, 2007). Inserido neste processo podemos observar a auto-segregação na produção de novas formas de moradia pelo mercado imobiliário para atender as classes com maior poder de consumo e, com o intuito claro de segmentação dessas classes entre seus iguais, a exemplo disto podemos citar os condomínios residenciais fechados de alto padrão, que tem por objetivo, além de exercer a função de separação, proteger os seus moradores do perigo que está fora de seus muros. Caldeira (2000, p. 211), em estudo na cidade de São Paulo, identifica três tipos de segregação social em períodos três diferentes da história A primeira estendeu-se do final do século XIX até os anos 1940 e produziu uma cidade concentrada em que os diferentes grupos sociais se comprimiam numa área urbana pequena e estavam segregados por tipos de moradia. A segunda forma urbana, a centro-periferia, dominou o desenvolvimento da cidade dos anos 40 até os anos 80. Nela, diferentes grupos sociais estão separados por grandes distâncias: as classes média e alta concentram-se nos bairros centrais com boa infraestrutura, e os pobres vivem nas precárias e distantes periferias. Embora os moradores e cientistas sociais ainda concebam e discutam a cidade em termos do segundo padrão, uma terceira forma vem se configurando desde os anos 80 e mudando consideravelmente a cidade e sua região metropolitana. Sobreposta ao padrão centro-periferia, as transformações recentes estão gerando espaços nos quais os diferentes grupos sociais estão muitas vezes próximos, mas estão separados por muros e tecnologias de segurança, e tendem a não circular ou interagir em áreas comuns. O principal instrumento desse novo padrão de segregação espacial é o que chamo de enclaves fortificados. Trata-se de espaços privatizados, fechados e monitorados para residência, consumo, lazer e trabalho. A sua principal justificação é o medo do crime violento. Esses novos espaços atraem aqueles que estão abandonando a esfera pública tradicional das ruas para os pobres, os marginalizados e os sem-teto (grifos nossos). Pode-se observar que as transformações recentes apresentam um ajuste entre os tipos de segregação vivenciados até os anos 1940 e aqueles da segunda forma urbana, predominantes até década de Esse ajuste tem como principal motivação a insegurança urbana que transformou a segurança em um produto de consumo, inclusive quanto à forma de moradia, e produção do espaço urbano, pois mesmo que as pessoas não tenham sido vítimas de nenhum episódio de violência, ainda assim há uma tendência a se sentirem ameaçadas e, por conseguinte, se sentirem mais seguras em um ambiente fechado e monitorado, onde há uma vigilância em relação às pessoas que entram e saem de seus muros, característica dos condomínios horizontais ou verticais e dos loteamentos fechados, que estão cada vez mais presentes na paisagem urbana da cidade capitalista.

4 Considerando questões como a mudança nos padrões de moradia e segregação socioespacial em condomínios, passamos a analisar o caso da cidade de Mossoró, baseada em análise de arquivo da Prefeitura Municipal de Mossoró acerca das solicitações de alvará de construção para unidades multifamiliares e loteamentos, no período de 1973 a Mossoró e a expansão urbana por meios dos condomínios fechados Apesar de os estudos acerca da segregação socioespacial estarem voltados às metrópoles onde este processo pode ser identificado de forma mais desenvolvida, o mesmo está presente também em cidades menores, pois as cidades e o urbano, independente do tamanho demográfico, da extensão territorial, ou das funções de intermediação, sofrem processos semelhantes, pois estão submetidos às mudanças do modo de vida da sociedade capitalista. Mossoró, segunda maior cidade do Estado do Rio Grande do Norte, não foge à dinâmica desses processos. O município que conta, pelo censo 2010 do IBGE com mil habitantes, é pólo na região Oeste do Estado, não somente em relação à economia que está baseada na extração do petróleo, sal e fruticultura irrigada, mas também pelo setor de comércio e serviços e, ainda, por reunir cinco universidades que atendem alunos de toda a região. Nos últimos anos, mais precisamente de 2006 a 2010 de acordo com os dados analisados, Mossoró vêm passando por um processo de mudança na sua paisagem urbana. Uma cidade que era predominantemente horizontal e composta por residências unifamiliares, em pouco mais de cinco anos foi adensada por condomínios verticais e horizontais. Pelos arquivos de solicitação de alvarás de construção da Gerência Executiva do Desenvolvimento Urbanístico pertencente à Secretaria Municipal do Desenvolvimento Territorial e Ambiental da Prefeitura Municipal de Mossoró, podemos perceber que os requerimentos para alvará de construção dos primeiros residenciais multifamiliares, que são imóveis a partir de duas unidades, datam de 1973, no entanto durante um período de 19 anos 1973 a 1991 as solicitações por ano variaram entre 1 e 2 pedidos e o número de unidades a serem construídas eram entre 2 e 15 por solicitação. Pode-se associar esse quadro a um modelo de construção comum na cidade, pequenos condomínios residenciais horizontais, inclusive com o propósito de locação para complemento de renda, isso ocorreu especialmente após a década de 1980 com a descoberta de petróleo na cidade e instalação da Petrobrás, o que demandou a locação de imóveis para acomodação dos funcionários, pois a cidade não contava com infraestrutura para atendimento da demanda inesperada. Esse fato mudou a forma, a função e o conteúdo de alguns bairros, como o Alto de São Manoel e o Centro que foram os mais utilizados na instalação da estatal (ROCHA, 2005).

5 Analisando o quadro 1 podemos fazer algumas considerações acerca das mudanças ocorridas na forma da cidade ao longo do período observado. Em um período de 30 anos (1973 a 2002), foram solicitadas a construção de 207 unidades multifamiliares. Esse cenário começa a mudar em 2003, quando apenas naquele ano foi solicitado o alvará para a edificação de 256 unidades nos bairros Santo Antonio e Centro. Uma construção emblemática de unidade multifamiliar na cidade, cujo alvará foi expedido em 2003, é o Residencial Jardim do Thermas, um empreendimento com 10 torres no bairro Santo Antonio, no prolongamento da Avenida Rio Branco, via que atualmente é um eixo de nova centralidade na cidade. De acordo com a reportagem do Correio da Tarde esse processo de mudança, além da urbanização da Avenida Rio Branco mais recentemente, teve início em [...] 2004, quando a Caixa Econômica Federal (CEF) entregou 160 unidades residenciais do condomínio Jardim do Thermas, o primeiro do Programa de Arrendamento Residencial (PAR) em Mossoró. Na oportunidade, foram investidos R$ 4,1 milhões. O Programa de Arrendamento Residencial é desenvolvido pela Caixa em parceria com a prefeitura de Mossoró, que fica responsável pela infra-estrutura e dispensa alguns impostos municipais. (VERTICALIZAÇÃO..., 2011). Ano Número de solicitações Solicitações de Alvará para Construção Unidades (Quantidade no ano ou período) Bairros predominantes Bom Jardim, Centro, Doze anos, Santo Antonio, Alto da Conceição, Costa e Silva Santo Antônio Nova Betânia, Centro Nova Betânia, Centro Santo Antônio, Centro Nova Betânia, Centro Nova Betânia, Costa e Silva , 224 lotes Nova Betânia, Centro, Santa Delmira, Doze anos, Aeroporto, Rincão , 160 lotes, 153 (hotéis) Alto de São Manoel, Abolição, Nova Betânia, Alto do Sumaré, Doze anos, Costa e Silva, Santo Antonio, Aeroporto Abolição, Santo Antônio, Nova Betânia, Doze anos, Planalto 13 de maio, Abolição, Alto de , 97 (flat) 1119, 172 (Conjunto habitacional) São Manoel, Costa e Silva, Santa Delmira Nova Betânia, Santo Antônio, Abolição, Alto de São Manoel, Costa e Silva, Alto do Sumaré, Ilha de Santa Luzia, Planalto 13 de maio Nova Betânia, Planalto 13 de maio, Abolição, Costa e Silva, Santo Antônio, Aeroporto, Alto do Sumaré Quadro 1 Solicitações de alvará para construção de imóveis multifamiliares, loteamentos e hotéis no município de Mossoró-RN 1973 a Fonte: Dados da Gerência Executiva do Desenvolvimento Urbanístico pertencente à Secretaria Municipal do Desenvolvimento Territorial e Ambiental da Prefeitura Municipal de Mossoró. Organizado por: Michele de Sousa.

6 Em 2004 as solicitações diziam respeito, em sua maioria, a pequenos condomínios horizontais e verticais, no entanto o alvará de construção do West Plaza, condomínio horizontal de alto padrão no bairro Nova Betânia data deste ano. A continuidade da construção de condomínios horizontais e verticais neste bairro e para as classes média e alta começa a surgir como uma tendência que mudaria a forma e o conteúdo deste bairro dentro de poucos anos. No ano de 2005 ocorre a federalização da Escola Superior de Agricultura de Mossoró ESAM, a partir de então, Universidade Federal Rural do Semi-árido. A expansão da oferta de cursos e do quadro docente da UFERSA e, também, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte passa a demandar imóveis para acomodação de docentes e discentes. A partir de 2006, ainda observando o quadro 1, se pode verificar o início do incremento, tanto do número de solicitações quanto do número de unidades a serem construídas, começando o que se configuraria na cidade um novo conceito de moradia, condomínios verticais, horizontais e, mais recentemente, loteamentos fechados 1. A entrada de loteamentos fechados no mercado imobiliário mossoroense teve início neste mesmo ano, quando foi concedido alvará para o loteamento Ecoville, localizado no trecho urbano da BR-110 em Mossoró, denominado Avenida Francisco Motta, estrada que vai para o município de Areia Branca, no bairro do Rincão. Pode ser considerada uma área de expansão, já que após o Ecoville, nas suas adjacências, surgiram mais dois empreendimentos. A partir do ano de 2007 começaram a surgir na cidade outros loteamentos voltados para a classe alta e média, tais como o Residencial Sunville, no prolongamento da Avenida João da Escóssia, próximo ao shopping. Essa expansão nesta área da cidade motivou a criação de um novo bairro, como se pode observar na matéria do jornal De Fato Com o crescimento da cidade, tornou-se necessário a expansão de novas áreas que absorvam os novos instrumentos urbanos que têm chegado à cidade. É assim com a criação do novo bairro, o Alto da Bela Vista, que compreende a área que transpassa a BR 304, entre o terminal rodoviário, área do Mossoró West Shopping e a continuação do Abolição IV. [...] A lei que cria o novo bairro (Alto da Bela Vista) já foi encaminhada à Câmara dos Vereadores de Mossoró e deve ser votada logo em breve. [...] O bairro será o trigésimo de Mossoró e vai incorporar parte do Nova Bethânia e uma segunda parte do Dix-sept Rosado. Para ser mais claro, o Alto da Bela Vista vai contemplar a região da Universidade Potiguar, o shopping, os novos condomínios e residenciais que começam a ocupar aquela parte da zona sul da cidade. (NOVAS..., 2011). 1 Alguns fatores diferenciam loteamentos fechados e condomínios horizontais, no condomínio horizontal o que é comercializado são as casas com a fração do terreno em que elas estão localizadas, inclusive área para jardim, o proprietário tem direito ainda a uma fração ideal das áreas comuns relativas às ruas, praças e espaços livres. No caso dos loteamentos fechados um terreno é subdivido em lotes numerados, sendo estes comercializados individualmente, suas praças, ruas e espaços públicos são de responsabilidade do poder público local. Neste caso o que ocorre para que o lote possa ser fechado é uma concessão de uso para os residentes. (MIÑO; SPOSITO, 2003).

7 A expansão desta área foi impulsionada pela inauguração do Mossoró West Shopping e da Universidade Potiguar no prolongamento da Avenida João da Escóssia no ano de O terreno do shopping foi uma concessão da prefeitura municipal, assim como o prolongamento da via também foi uma ação municipal. Posteriormente instalou-se, também vizinho ao shopping, um hipermercado de rede multinacional francesa que atua na modalidade atacarejo, além de alguns loteamentos voltados para as classes alta e média. Vale salientar que essas transformações ocasionaram uma valorização no valor do preço do metro quadrado dos terrenos, não apenas nas áreas mais elitizadas da cidade, mas também em outras áreas que foram sendo absorvidas posteriormente pelo mercado imobiliário. É interessante também salientar a inclinação do mercado imobiliário na produção dos novos empreendimentos, os condomínios clubes, nestes empreendimentos não somente a segurança, piscinas e salão de festas são os atributos principais na promoção do empreendimento, além disto oferecem quadras poliesportivas, salão de jogos, campo de futebol, quadras para vôlei e/ou tênis, quadra de areia, pistas para cooper e caminhada, equipamentos de ginástica, playgroud, espaço kids, sala de cinema, espaço gourmet, praças, bosques, redário, espaço ecumênico. Estas características de diferenciação no mercado também estão presentes nos loteamentos fechados. Essas ações no espaço urbano de Mossoró ocasionaram, em poucos anos, como se pode perceber, um novo padrão de moradia, não só pelas construções, mas pela adesão que as mesmas tiveram por parte da população mossoroense, inicialmente pelas classes alta e média alta, sendo seguidas pela classe média (média e baixa) por meio dos subsídios do Governo Federal. Quanto a isto, pode-se fazer uma observação levando em consideração que, após a liberação do alvará de construção, decorre um tempo para edificação dos empreendimentos. Muitos dos imóveis cujo alvará foi expedido após 2006 estavam terminados dois ou três anos depois, o que coincide com o momento do País em que a economia alcançou uma maior estabilidade, os juros estavam mais baixos e o crédito facilitado para a habitação. Em julho de 2009, o Programa Minha Casa Minha Vida foi regulamentado por meio da Lei e tinha por finalidade criar mecanismos de incentivo à produção e aquisição de novas unidades habitacionais, requalificação de imóveis urbanos e produção ou reforma de habitações rurais, para famílias com renda mensal de até dez salários mínimos. A associação destes fatores resultou em um boom imobiliário no Brasil no começo de E em Mossoró não foi diferente. Após o investimento dos empreendedores imobiliários em áreas e imóveis direcionados à elite e à classe média inicialmente, outros investimentos vêm sendo realizados em áreas mais periféricas, direcionados a um público com um poder aquisitivo menor que ainda não possui habitação, embora os dados do censo 2010 do IBGE tenham revelado um contraste entre déficit habitacional e imóveis desocupados na cidade.

8 Acompanhando a realidade do Brasil, Mossoró é uma cidade de contrastes. Se milhares de pessoas não têm onde morar, bem mais gente tem casa de sobra. Enquanto Mossoró precisa de algo em torno de moradias para eliminar o déficit habitacional, segundo a Secretaria Municipal do Desenvolvimento Territorial e Ambiental (Sedetema), domicílios simplesmente estão desocupados os donos moram em outros imóveis. Essa "sobra" foi constatada no Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que pesquisou domicílios em Mossoró. (SEDETEMA..., 2011). Para eliminar o déficit habitacional podem-se observar algumas ações públicas e privadas. Em janeiro de 2012 foram entregues 802 casas construídas com recursos do programa Minha Casa Minha Vida, o que corresponde ao novo conjunto habitacional da cidade, Monsenhor Américo Simonetti, localizado na zona Oeste da cidade, após o bairro abolição IV. Os moradores foram beneficiados com isenção, por parte da prefeitura municipal, do Imposto Sobre Serviço (ISS) e do Imposto Territorial Urbano (IPTU) por dez anos. No entorno do conjunto Monsenhor Américo Simonetti pode-se ainda verificar a construção de outras edificações, também populares e voltadas a um estrato social mais popular. Além de conjuntos populares, outros empreendimentos, direcionados a uma classe média (média e baixa) estão sendo construídos e comercializados pelas construtoras e imobiliárias em bairros mais periféricos, como o bairro Alto do Sumaré, na zona Leste da cidade e próximo a base da Petrobras, que tem sido alvo do mercado imobiliário para a construção de condomínios horizontais e verticais. Estas edificações, apesar da localização periférica, possuem também as características de condomínio clube, assim como os condomínios e loteamentos direcionados à elite, embora a qualidade ou a quantidade dos itens da construção sejam mais simples. Destarte, pode-se perceber que em Mossoró, especialmente nos últimos seis anos, tem havido de fato uma expansão de sua área urbana, seja por adensamento e/ou verticalização nos bairros elitizados e periféricos, e nesses últimos uma construção destinada a uma classe média (média e baixa), bem próximo ou vizinho às áreas de moradia dos pobres. Neste caso, observa-se que em Mossoró ainda é característico o modelo centro-periferia. Algumas considerações Pela análise dos dados da cidade de Mossoró e pela observação in loco, podemos inferir que a mudança no padrão de moradia para condomínios fechados, não está mais restrita a elite, mas também as classes médias (em todos os níveis) motivadas pela segurança e qualidade de vida, mesmo que as que tenham um menor poder aquisitivo habitem na periferia da cidade. Percebe-se ainda que Mossoró vem passando, nos últimos seis anos, por intenso processo de expansão urbana, inclusive nas áreas periféricas da cidade, permeado especialmente pela

9 verticalização e pelos condomínios horizontais. Cabe ainda colocar, que depois do Programa Minha Casa Minha Vida, outros demandas vem sendo incorporadas, de um público-alvo com menor poder aquisitivo, mas que deseja morar no mesmo padrão vigente das elites. Embora as localizações e morfologia dos imóveis sejam diferentes, a filosofia dos empreendimentos comercializados tem sido praticamente a mesma, a dos condomínios clubes. Assim, entende-se que mais pesquisas são necessárias para a compreensão desta forma de moradia, não apenas das elites, mas também, por oportuno dos condomínios dos moradores com menor poder aquisitivo para apreender o conteúdo social destes espaços e o impacto disto no espaço urbano. Referências bibliográficas CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. 2.ed. São Paulo: Ed. 34/Edusp, CORRÊA, Roberto Lobato. Diferenciação sócio-espacial, escala e práticas espaciais. Cidades, vol. 4, n. 6, 2007, p MIÑO, Oscar Alfredo Sobarzo; SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Urbanizaciones cerradas: reflexiones y desafios. Ciudades, Puebla-México, n.59, p , jul./set., NOVAS áreas urbanas começam a se definir. De fato, Mossoró, 07 abril Mossoró. Disponível em:< Acesso em: 13 mar ROCHA, Aristotelina Pereira Barreto. Expansão urbana de Mossoró (de 1980 a 2004): geografia dinâmica e reestruturação do território. Natal, RN: EDUFRN Editora da UFRN, SEDETEMA aponta que número de imóveis desocupados supera déficit habitacional. O mossoroense, Mossoró, 19 jun Cotidiano. Disponível em: < Acesso em: 10 maio SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Reflexões sobre a natureza da segregação espacial nas cidades contemporâneas. Revista de Geografia, Dourados-MS, n.4, p , set./dez., VERTICALIZAÇÃO muda cenário de bairros mais periféricos. Correio da tarde, Natal e Mossoró, 16 jul Correio Mossoró. Disponível em: < >. Acesso em: 13 mar VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: FAPESP: Lincoln Institute, 1998.

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP NASCIMENTO, R. S. Departamento de Geografia - IGCE, Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG 428 PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG INTRODUÇÃO: ¹ Ariádina Aparecida Lelis Ribeiro Orientador: ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ ariadinaribeiro@bol.com.br

Leia mais

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha.

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Diamantino Augusto Sardinha Neto Doutor em Ciências Sociais PUC/SP Guilherme

Leia mais

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista.

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista. INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Urbanização e segregação socioespacial na Baixada Santista: Mapeamento do município de Santos a partir dos dados do Censo - IBGE Área do Conhecimento

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 9 Urbanização I redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária O processo de urbanização apresenta diferentes dimensões,

Leia mais

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município.

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. Rubia Nara Silva Martins 1 rubianara00@hotmail.com Ivanilton José de Oliveira 2 ivanilton.oliveira@gmail.com

Leia mais

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS Carlos Vinícius da Silva Pinto Juliana Cristina Franz Giancarla Salamoni 1 INTRODUÇÃO A expansão do perímetro urbano,

Leia mais

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL Wéliton Carlos dos Santos 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante do Curso de Geografia - UEMS, Unidade

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS NAS VIAS PÚBLICAS DO SUB-BAIRRO MANGABEIRA VI, LOCALIZADO NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Hawick Arnaud do Nascimento Lopes Universidade Federal da Paraíba hawickarnaud@hotmail.com Rafael de Mendonça Arruda Prefeitura Municipal de Sapé rafaelmend@ymail.com ANÁLISE DO USO DOS MOBILIÁRIOS URBANOS

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA Mesa REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA ELEUSINA LAVOR HOLANDA DE FREITAS Demacamp PLANO METROPOLITANO DE HIS, 2009 fonte: prefeituras Município CEM João Pinheiro Fichas municipais CEBRAP Total Urbano Rural

Leia mais

Salvador Desafios Principais

Salvador Desafios Principais Leitura de Bordo No. 09 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador Desafios Principais Gilberto Corso (**) Salvador Problemas Legados Salvador enfrenta em 2015 um conjunto de problemas que podem comprometer seu desenvolvimento

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS -

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - iuribar@yahoo.com.br INTRODUÇÃO A cidade média de Passo Fundo, pólo de uma região

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

Déficit Habitacional. Vladimir Fernandes Maciel. Pesquisador do Núcleo N. de Pesquisas em Qualidade de Vida NPQV Universidade Presbiteriana Mackenzie

Déficit Habitacional. Vladimir Fernandes Maciel. Pesquisador do Núcleo N. de Pesquisas em Qualidade de Vida NPQV Universidade Presbiteriana Mackenzie Déficit Habitacional Vladimir Fernandes Maciel Pesquisador do Núcleo N de Pesquisas em Qualidade de Vida NPQV Universidade Presbiteriana Mackenzie 15/05/2006 Semana da FCECA 1 Estrutura do Workshop Motivação

Leia mais

O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias.

O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias. Aline Fernanda Coimbra 1 alinefcoimbra@hotmail.com FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias. INTRODUÇÃO O estudo se desenvolve a partir da Rede de Pesquisadores

Leia mais

Goiânia. Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória.

Goiânia. Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória. Report DGBZ Goiânia Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória Abril/2017 Qual é o perfil do comprador de imóveis em

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Report DGBZ. São Paulo. Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena. Maio/2017

Report DGBZ. São Paulo. Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena. Maio/2017 Report São Paulo Maio/2017 Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena 02 Qual é o perfil do comprador de imóveis em bairros da Zona Oeste de São Paulo? Panorama

Leia mais

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 As cidades e a urbanização brasileira Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 O que consideramos cidade? No mundo, existem diferentes cidades (tamanhos, densidades demográficas

Leia mais

O mercado Imobiliário no Interior

O mercado Imobiliário no Interior O mercado Imobiliário no Interior Joaquim Ribeiro 21/09/2011 São José do Rio Preto São José do Rio Preto São José do Rio Preto Localização: Altitude: Temperatura: Hidrografia: Sudeste do Brasil e Noroeste

Leia mais

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL Monique Bruna Silva do Carmo 1, ²Orientadora Profa. Dra.Sandra Maria Fonseca da

Leia mais

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo.

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo. Análise comparativa do Índice de Densidade Informacional das atividades de comércio varejista; reparação de veículos automotores e motocicletas nas cidades médias paulistas de Presidente Prudente/SP, Ribeirão

Leia mais

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ PASQUOTTO, Geise Brizotti; SILVA, Ricardo Alexandre da; LIMA,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Condomínios e Loteamentos: uma nova forma de configurar as cidades

Urban View. Urban Reports. Condomínios e Loteamentos: uma nova forma de configurar as cidades Urban View Urban Reports Condomínios e Loteamentos: uma nova forma de configurar as cidades Condomínios e loteamentos: uma nova forma de configurar as cidades Enquanto as cidades crescem desordenadamente

Leia mais

Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação

Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação por Victor Carvalho Pinto Conceito Não há uma definição legal do chamado condomínio horizontal. Tal expressão é utilizada, no

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO ABRIL DE 2014

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO ABRIL DE 2014 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO ABRIL DE 2014 A partir de agora, a Pesquisa Mensal de Valores de Locação Residencial passa a divulgar dados de um bairro específico

Leia mais

CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE.

CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE. CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE. Robson Renato Sales do Nascimento Graduando do Curso de Geografia UERN/CAMEAM Bolsista do Programa Institucional

Leia mais

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo Instituto de Engenharia Visto que o fundamento da propriedade é a utilidade, onde não houver utilidade possível não pode existir propriedade. Jean Jacques

Leia mais

URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA

URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA Moizes Rodrigues da Silva 1, Frederico Tristão Cruvinel Silva 2 1,2 Universidade Federal

Leia mais

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto BATISTA, Ramony Pereira LEITE, Marcos Esdras Laboratório de Geoprocessamento Departamento

Leia mais

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília

Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília Edilene Américo Silva Doutoranda em Geografia - Universidade de Brasília edileneamerico@hotmail.com José Luis Santos Neto CEB Distribuição jluisneto@uol.com.br Fernando Luiz Araújo Sobrinho Prof. Doutor

Leia mais

O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO URBANA EM MINEIROS GO

O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO URBANA EM MINEIROS GO O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO URBANA EM MINEIROS GO Gabriel Pereira dos Santos 1 Pedro Gabriel da Rocha 2 Valter Henrique Alves do Nascimento 3 William de Jesus Stoll 4 Stelamara Souza Pereira 5. Resumo:

Leia mais

Ronaldo Roscoe

Ronaldo Roscoe Ronaldo Roscoe 31 9994-2839 A MASB é o resultado da fusão da competência, credibilidade, experiência e excelência da Metro Participações Imobiliárias, Alicerce Empreendimentos e Santa Bárbara Desenvolvimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento 2 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO 2.1 INSERÇÃO DE LONDRINA NO CONTEXTO REGIONAL Londrina está localizada na Macrorregião Sul do Brasil, na mesorregião Norte Central Paranaense em uma posição geoeconômica

Leia mais

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 ¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 Introdução Sara Cristiny Ramos Meireles A partir da década de 1970 as cidades médias brasileiras destacam-se no contexto nacional

Leia mais

Prepare-se para conhecer o mais novo empreendimento. a Reserva Real. Um novo conceito de viver e morar.

Prepare-se para conhecer o mais novo empreendimento. a Reserva Real. Um novo conceito de viver e morar. P r i m e C o m m u n i t i e s Como um grande gesto de acolhida, o portal marca a entrada da Reserva Real. Nada para conter a serena ligação entre o chão e o céu. Prepare-se para conhecer o mais novo

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Urbanização é um conceito geográfico que representa o desenvolvimento das cidades. Neste processo, ocorre a construção de casas, prédios, redes de esgoto, ruas, avenidas, escolas,

Leia mais

Alunos: Gabriel Rodrigues Orminda Bezerra. Seminário: Políticas Habitacionais na América Latina: PERU. 1-Contextualização

Alunos: Gabriel Rodrigues Orminda Bezerra. Seminário: Políticas Habitacionais na América Latina: PERU. 1-Contextualização Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte Departamento De Políticas Públicas Mestrado Em Estudos Urbanos E Regionais Disciplina: Habitação em Perspectiva Internacional Comparada Professor: Márcio Valença

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

O DIREITO À CIDADE, AS DESIGUALDADES URBANAS E O ACESSO A TERRA

O DIREITO À CIDADE, AS DESIGUALDADES URBANAS E O ACESSO A TERRA PROGRAMA DE FORMAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna Curso de Capacitação e Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento

Leia mais

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS Clayton José Budin Discente do bacharel UNESP/ Presidente Prudente claytonbariri@gmail.com 1.

Leia mais

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS.

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. Paula Neumann Novack 1 Gilciane Soares Jansen 2 Sidney Gonçalves Vieira 3 RESUMO O crescimento e expansão urbana existente

Leia mais

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação.

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação. CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS Willian Cesar Dadalto willdadalto@gmail.com PET Geografia UFMS Três Lagoas Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados,

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO Redes urbanas, cidades médias e dinâmicas territoriais Eliseu Savério Sposito Arthur Magon Whitacker O projeto parte da diversidade de cidades que serão estudadas,

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG André Silva Tavares ¹ andresttavares@gmail.com ¹ Discente do curso de Geografia Licenciatura Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG 1254 Palavras

Leia mais

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO Autora-Taciana Andrade Teles UFS, Taciana_prin@hotmail.com Coautor: Cléverton Machado Reis UFS, Kleverton_iluminado@hotmail.com Coautora: Michele Santana de Jesus UFS,Mitcher2010@gmail.com Produção da

Leia mais

AIZ & Advogados Associados OAB/PR LAUDO DE AVALIAÇÃO. Mossoró Rio Grande do Norte. Matricula nº do 2º CRI

AIZ & Advogados Associados OAB/PR LAUDO DE AVALIAÇÃO. Mossoró Rio Grande do Norte. Matricula nº do 2º CRI LAUDO DE AVALIAÇÃO Mossoró Rio Grande do Norte Matricula nº 17.402 do 2º CRI Página 1 de 8 1. LAUDO DE AVALIAÇÃO À pedido de parte interessada, procedi a avaliação do imóvel Matrícula n 17.402 do 2º Registro

Leia mais

Ainda segundo o Regulamento Interno (Associação..., 1999), é proibido o estabelecimento de empreendimentos não residenciais, como de comércio,

Ainda segundo o Regulamento Interno (Associação..., 1999), é proibido o estabelecimento de empreendimentos não residenciais, como de comércio, 163 Muro de divisa Novo acesso Figura 104: Vista parcial dos lotes localizados na Rua das Tulipas, o muro de divisa do loteamento e o novo acesso ao fundo. O loteamento Jardim Haras Bela Vista tem definido

Leia mais

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA O DESAFIO DE FAZER CIDADE NO BRASIL 90% da população mora em cidades Saneamento, habitação, saúde, educação, transporte, meio ambiente. A CONTA NÃO

Leia mais

GT 6 ESPAÇO URBANO E REGIONAL

GT 6 ESPAÇO URBANO E REGIONAL RESULTADO DA AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS DO XXIII EGEORN 2017 COMISSÃO CIENTÍFICA DO XXIII EGEORN EM 25 DE MAIO DE 2017 Em caso de dúvida, entrar em contato com: xxiiiegeorn@gmail.com https://contatoxxiiiegeorn.wixsite.com/xxiiiegeorn/inscricoes

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

REQUERIMENTO. (Da Sra. Fátima Bezerra)

REQUERIMENTO. (Da Sra. Fátima Bezerra) REQUERIMENTO (Da Sra. Fátima Bezerra) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação do Campus da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), com sede no município de Assú/RN.

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Inglês 1 Caderno de Atividades 016 Os exercícios deverão ser feitos no caderno. Resgatando conteúdos

Leia mais

David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto²

David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto² Ciências Humanas. David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto² ¹ Acadêmico do curso de Geografia/UFGD, ² Orientadora de pesquisa Dourados- MS, E-mail: ¹David.ader@hotmail.com ²Mjmartinelli@yahoo.com.br..

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

SEGREGAÇÃO E O MERCADO IMOBILIÁRIO: O CASO DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS VERTICAIS

SEGREGAÇÃO E O MERCADO IMOBILIÁRIO: O CASO DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS VERTICAIS SEGREGAÇÃO E O MERCADO IMOBILIÁRIO: O CASO DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS VERTICAIS Cintia Pereira dos Santos Aluna do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita

Leia mais

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial AULA 6 GEOGRAFIA URBANA Reestruturação urbano industrial Indutor: Reestruturação produtiva em São Paulo: Crescimento maior do INTERIOR (perda de peso relativo da metrópole no crescimento industrial). Dados

Leia mais

GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE

GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE GRUPO TEMÁTICO MORADIA E MOBILIDADE Maio de 2013 Litoral Norte 2 HABITAÇÃO E DINÂMICAS URBANAS Taxa Geométrica de Crescimento Anual (2000 2010) Incremento Populacional (2000 2010) INCREMENTO POPULACIONAL

Leia mais

Política e Programas Habitacionais em São Paulo

Política e Programas Habitacionais em São Paulo Política e Programas Habitacionais em São Paulo Papel de Agentes Públicos e Privados AUP 0563 - Estruturação do Espaço Urbano: Produção Imobiliária Contemporânea Profa. Dra. Luciana de Oliveira Royer LABHAB

Leia mais

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015

Circular nº 704, de 30 de dezembro de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional de Ativo do FGTS Circular

Leia mais

ALEXIOS CENTRO LOCALIZAÇÃO ALEXIOS JAFET - AHD. Distancia do centro: 23 km (percurso de carro) Distancia do centro: 16 km (em linha reta)

ALEXIOS CENTRO LOCALIZAÇÃO ALEXIOS JAFET - AHD. Distancia do centro: 23 km (percurso de carro) Distancia do centro: 16 km (em linha reta) ENTIDADE: ASSOCIAÇÃO POR HABITAÇÃO COM DIGNIDADE (AHD) ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO) MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO: AQUISIÇÃO DE TERRENO E CONSTRUÇÃO Nº S:

Leia mais

CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO

CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO O NEGÓCIO CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundada em 2010 Base operacional em Caruaru (Agreste de PE) Base de negócios no Recife (Capital) Imóveis

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

OS CONDOMÍNIOS FECHADOS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM MOSSORÓ: SEGREGAÇÃO E ACUMULAÇÃO DO CAPITAL IMOBILIÁRIO

OS CONDOMÍNIOS FECHADOS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM MOSSORÓ: SEGREGAÇÃO E ACUMULAÇÃO DO CAPITAL IMOBILIÁRIO OS CONDOMÍNIOS FECHADOS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM MOSSORÓ: SEGREGAÇÃO E ACUMULAÇÃO DO CAPITAL IMOBILIÁRIO CONDOMINIUMS AND THE PRODUCTION OF THE URBAN SPACE OF MOSSORÓ: SEGREGATION AND ACCUMULATION

Leia mais

Mercado Imobiliário. Celso Petrucci. Economista-Chefe do SecoviSP. 16ª Conferência Internacional da LARES

Mercado Imobiliário. Celso Petrucci. Economista-Chefe do SecoviSP. 16ª Conferência Internacional da LARES Mercado Imobiliário Celso Petrucci Economista-Chefe do SecoviSP 16ª Conferência Internacional da LARES Economia 2 Atividade econômica - de crescimento do PIB no Brasil Impeachment da Presidente Dilma Roussef

Leia mais

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH SEMINÁRIO NACIONAL AS METRÓPOLES E AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS: 9, 10 e 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH Jupira Mendonça Luciana Andrade Alexandre Diniz História marcada

Leia mais

PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO

PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO 389 PROJETO DE HABITAÇÃO SOCIAL EM ÁREA DE LAZER EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP ESTUDO DE CASO Mariana Malheiro Negrão Bandeira¹, Karen Staquecini Martinês¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MOSSORÓ/RN: ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA A PARTIR DO CONJUNTO HABITACIONAL AMÉRICO SIMONETTI

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MOSSORÓ/RN: ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA A PARTIR DO CONJUNTO HABITACIONAL AMÉRICO SIMONETTI HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL EM MOSSORÓ/RN: ANÁLISE DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA A PARTIR DO CONJUNTO HABITACIONAL AMÉRICO SIMONETTI Débora Bruna Félix Gomes Discente da Universidade do Estado do

Leia mais

A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE

A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE Lucas de Andrade Lira Miranda Cavalcante Universidade Federal de Sergipe lucassirius@gmail.com Palavras-chave: Segregação;

Leia mais

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação

Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação Os Planos do Ministério das Cidades para a Habitação CÂMABA BRASILEIRA DA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC Brasília/DF, 05 de outubro de 2016 PAÍS Imperativo para atingir metas de agendas e acordos Internacionais

Leia mais

DOCENTE: JORDANA MEDEIROS COSTA

DOCENTE: JORDANA MEDEIROS COSTA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: JORDANA MEDEIROS COSTA Conteúdos Estrutura fundiária brasileira; Mão-de-obra empregada no campo;

Leia mais

PMCMV_Oferta Pública de 2013

PMCMV_Oferta Pública de 2013 PMCMV_Oferta Pública de 2013 O Programa O Programa Minha Casa, Minha Vida em municípios com população de até 50.000 (cinquenta mil) habitantes, operado com recursos disponibilizados por meio da terceira

Leia mais

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

Renata Rodrigues da Silva Universidade Federal de Uberlândia

Renata Rodrigues da Silva Universidade Federal de Uberlândia A GEOGRAFIA DO COMÉRCIO E OS PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO E CRIAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES EM UBERLÂNDIA (MG) A PARTIR DA INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SHOPPING CENTERS Renata Rodrigues da Silva Universidade

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA

A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA Jadna Téssia Oliveira 1 Márcio Toledo 2 891 INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa o crescimento urbano do município de São João del-rei levando em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS 424 Felipe Clemente felipeclemente@uol.com.br Pesquisador voluntário de iniciação cientifica Bacharel

Leia mais

Secovi-SP divulga Estudo do Mercado Imobiliário da Baixada Santista

Secovi-SP divulga Estudo do Mercado Imobiliário da Baixada Santista Secovi-SP divulga Estudo do Mercado Imobiliário da Baixada Santista Nos últimos três anos, encerrados em junho de 2014, foram lançadas 18.610 unidades na Baixada Santista, de acordo com o Estudo do Mercado

Leia mais

RECUPERAÇÃO 7 ANO Capítulo 5 e 6 1. O que é cidade? 2. Explique duas causas para o êxodo rural. 3. Explique duas consequências do êxodo rural.

RECUPERAÇÃO 7 ANO Capítulo 5 e 6 1. O que é cidade? 2. Explique duas causas para o êxodo rural. 3. Explique duas consequências do êxodo rural. Nome: Série: 7º ano Nota: Disciplina:Geografia Professor (a): Giovana Victal RECUPERAÇÃO 7 ANO Capítulo 5 e 6 1. O que é cidade? 2. Explique duas causas para o êxodo rural. 3. Explique duas consequências

Leia mais

Lagoa Urussanga Velha Lagoa Mãe Luzia

Lagoa Urussanga Velha Lagoa Mãe Luzia Lagoas Costeiras Objetivando constatar a situação atual das lagoas costeiras dos municípios do setor Sul do litoral catarinense, nos dias 17 de abril e 12 de junho de 2008 foram realizadas vistorias terrestres

Leia mais

ANEXO II TABELA I Categorias de Uso

ANEXO II TABELA I Categorias de Uso R-I R-II R-III R-IV R-V R-VI Uso Rural Agrosilvopastoril Compreende as atividades de agricultura, silvicultura, criação de animais e extração vegetal, incluindo as atividades realizadas pela agroindústria,

Leia mais

Boletim Gaúcho de Geografia

Boletim Gaúcho de Geografia Boletim Gaúcho de Geografia http://seer.ufrgs.br/bgg RESENHA: PASSO FUNDO E MOSSORÓ - ESTUDOS DE CASO PARA REVISÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE AS CIDADES MÉDIAS Samuel Martins Boletim Gaúcho de Geografia, 41:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ / Lei nº 1.589/2010 Regulamenta a implantação de CONDOMÍNIO RESIDENCIAL HORIZONTAL e CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VERTICAL e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Disciplina : Teoria Urbana Acadêmicas: Ana Luiza Tomasi, Natália Moneró, Greice Merin Moresco, Thiele Londero. Análise Territorial

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO CONJUNTO HABITACIONAL NA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) Pedro Gabriel de Paiva FRANCISCO 1 ; Diego Cândido da SILVA 2

A IMPLANTAÇÃO DO CONJUNTO HABITACIONAL NA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) Pedro Gabriel de Paiva FRANCISCO 1 ; Diego Cândido da SILVA 2 A IMPLANTAÇÃO DO CONJUNTO HABITACIONAL NA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) Pedro Gabriel de Paiva FRANCISCO 1 ; Diego Cândido da SILVA 2 RESUMO O processo de desconcentração das grandes metrópoles, a partir

Leia mais

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Viviane Candoletta Arquitetura e Urbanismo CEATEC vivi_candoletta@ puc-campinas.edu.br Manoel Lemes da Silva

Leia mais

O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de m², com acesso pela Avenida Mac Artur.

O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de m², com acesso pela Avenida Mac Artur. Vista interna do condominio Fonte: SAMPAIO, 13/ out /2009. O condomínio Panorama Home & Resort, tem área de 17.700 m², com acesso pela Avenida Mac Artur. O terreno pertencia ao Grupo Pão de Açúcar, onde,

Leia mais

Publicado em: 07/03/2007

Publicado em: 07/03/2007 O Fórum Nacional de Reforma Urbana e o Programa de Aceleração do Crescimento: desafios na construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável com cidades Justas e democráticas* Publicado em: 07/03/2007

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Porto Alegre, 2015 Se encontra no cruzamento da área central e municípios da Região Metropolitana; Grande

Leia mais

A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS

A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS Jadna Téssia Oliveira Discente no Programa de Pós-graduação em Geografia da UFSJ email: jadnatessia@gmail.com Bolsista Fapemig Márcio

Leia mais

Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli

Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli 7 a 9 de junho 2017 Instituto de Economia - Unicamp Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli gisela@fec.unicamp.br

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

Os móveis, equipamentos e utensílios utilizados nas perspectivas ilustradas são de mera sugestão de decoração e não fazem parte do contrato de compra

Os móveis, equipamentos e utensílios utilizados nas perspectivas ilustradas são de mera sugestão de decoração e não fazem parte do contrato de compra conceito do Loft originou-se de espaços industriais antigos que foram reciclados em prédios residenciais sem, contudo, alterar as suas características originais. Inicialmente, esta transformação se dava

Leia mais

SECRETARIA DA HABITAÇÃO

SECRETARIA DA HABITAÇÃO SECRETARIA DA HABITAÇÃO CASA PAULISTA PPP HABITACIONAL ÁREA CENTRAL CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO 07 Agosto 2013 PPP HABITACIONAL CENTRO CIDADE DE SÃO PAULO Distritos da Intervenção: Sé, República, Santa

Leia mais