Autor: Celso Gnecco...Gerente de Treinamento Técnico... Sherwin-Williams do Brasil - Divisão Sumaré

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autor: Celso Gnecco...Gerente de Treinamento Técnico... Sherwin-Williams do Brasil - Divisão Sumaré"

Transcrição

1 Autor: Celso Gnecco...Gerente de Treinamento Técnico... Sherwin-Williams do Brasil - Divisão Sumaré Se a galvanização a quente já é, por si mesma, uma grande proteção anticorrosiva, então por que pintá-la? Dois motivos justificam a pintura de galvanizados: a) a necessidade de cores para a estética, identificação ou sinalização, e b) a máxima durabilidade em meios agressivos. Somente a camada de zinco depositada é suficiente para proporcionar muitos anos de vida útil ao aço carbono. No gráfico abaixo, extraído do Manual de Galvanização do ICZ, pode-se observar o comportamento da galvanização em diversos meios.... espessura µm massa/área g/m Tabela elaborada com base na norma ABNT NBR 7399 (massa específica do zinco: 7,10 g/cm3 ) Através do gráfico é possível estimar o tempo de duração das galvanizações a quente, por que a camada é uniforme e constituída preponderantemente por zinco, sendo o desempenho da proteção, função exclusivamente da espessura e da agressividade do meio ambiente. Observase também que a mesma espessura da camada de zinco exposta a um ambiente industrial e que dura cerca de 10 anos para sofrer desgaste significativo, pode durar quase 40 anos quando exposta a um ambiente rural (sem poluição e sem névoa salina). Princípio da proteção Utilizadas de proteção contra a corrosão do aço. Em clima úmido o tipo de corrosão mais importante é o provocado por processos eletroquímicos. Quando dois metais diferentes são colocados em contato em um líquido condutor de eletricidade chamado de eletrólito, o metal mais eletronegativo, cede elétrons para o outro, que tem carência de elétrons. O metal mais eletronegativo se sacrifica, cedendo os elétrons as custas da liberação de íons para o eletrólito. A conversão do metal à íons, faz com que ele se desmanche. Já o que está recebendo os elétrons permanece intacto. É a corrosão eletroquímica. O metal mais eletronegativo, menos nobre, é o Anodo (o que se corrói) e o metal mais eletropositivo é o Catodo (o que permanece intacto). Este é o princípio das pilhas galvânicas - o eletrólito fecha o circuito e a lâmpada se acende, pois os elétrons fluem do anodo para o catodo. No desenho abaixo, os elétrons fuem através do fio metálico; a prova disto é quea lâmpada se acende. No eletrólito, o transporte de cargas elétricas se realiza por meio de íons (sais, gases ou ácidos dissolvidos na água.) Para que a corrrosão eletroquímica ocorra, é necessário que existam as três condições: a) metais com potenciais diferentes; b) presença do eletrólito e c) contato elétrico entre os metais.

2 No caso do par metálico zinco/ferro, o zinco é o anodo e o ferro o catodo. Já para o caso ferro/cobre, o ferro é anodo e o cobre, catodo. Na tabela abaixo podem ser verificados os potenciais anódicos e catódicos dos principais metais usados na engenharia. ELEMENTOS METÁLICOS Magnésio Alumínio Zinco Cromo Ferro Níquel Hidrogênio Cobre Prata Ouro POTENCIAL mais eletronegativo - 2,38-1,66-0,76-0,74-0,44-0,23 0,00 + 0,34 + 0,80 + 1,50 mais eletropositivo - NOBRE ANÓDICO CATÓDICO + NOBRE...

3 A galvanização é uma proteção do tipo catódica, ou seja o zinco se corrói protegendo o aço que é composto basicamente por ferro. O ferro neste caso se comporta como catodo, daí o nome de proteção catódica. Enquanto há zinco suficiente não há corrosão do ferro. Este tipo de proteção é conhecida também como revestimento de sacrifício, pois o zinco se desgasta para proteger o aço. Isoladamente, o ferro tem velocidade de corrosão maior do que o zinco. Entretanto, na galvanização, além do zinco se constituir em uma camada adicional, seus produtos de corrosão são menos solúveis em água dos que os do ferro. O sucesso da associação zinco/ferro é devido aos produtos de corrosão do zinco, geralmente brancos, que permanecem por tempos maiores na superfície, dificultando a sua desintegração. Em regiões rurais, se forma carbonato de zinco por causa do gás carbônico (CO 2 ) da atmosfera. Nas regiões marítimas e industriais, onde existem névoa salina e gás anidrido sulfuroso (SO2) respectivamente, o desgaste é maior em virtude dos produtos de corrosão serem principalmente cloreto de zinco e sulfato de zinco, ambos mais solúveis do que o carbonato de zinco. A menor solubilidade do carbonato, é benéfica pois as águas de chuvas não lavam a superfície tão rápido como acontece com os outros produtos de corrosão do zinco. Isto explica as diferenças de comportamento mostradas no primeiro gráfico. A pintura Uma entidade australiana, a Australazian Zinc Development Association, efetuou um estudo onde demonstrou a vantagem de se pintar o galvanizado: No gráfico abaixo pode ser observado um resumo da pesquisa:.. O aço pintado durou cerca de 3 anos para apresentar ferrugem. O mesmo aço porém galvanizado, durou cerca de 4 anos e este aço galvanizado e pintado, durou mais de 10 anos. A explicação é a sinergia: Os produtos de corrosão do aço são mais volumosos, possuem maior solubilidade e em 3 anos levantam e destroem a tinta. Já os do zinco são menos volumosos, menos solúveis e após 3 anos ainda não afetam a camada de tinta que continua protegendo. O tempo total (11) é maior do que a soma das parcelas individuais (3 + 4 = 7). Isto é sinergia. A tinta é a mesma, a espessura da camada é a mesma, mas a sua durabilidade sobre o zinco é maior. Aço comum Aço galvanizado O aço galvanizado pintado dura muito mais do que se pode supor, desde que sejam utilizadas tintas adequadas. É muito freqüente observar-se que painéis e tubos galvanizados pintados, apresentam destacamentos da pintura.

4 O motivo é o desconhecimento da maioria dos pintores que utilizam tintas à óleo e alquídicas (primer e esmalte sintéticos), por serem estas as mais comuns e mais fáceis de serem encontradas no mercado. Algumas semanas após a pintura, estas tintas apresentam, ainda, aderência e desempenho satisfatório e no entanto, tempos depois começam se destacar. Estes tipos de tintas falham quando aplicada sobre zinco pelas seguintes razões: As tintas a óleo, os primers e os esmaltes sintéticos contém óleos vegetais. Estes óleos por sua vez contém ácidos graxos livres que reagem com os produtos de corrosão do zinco de caráter alcalino. Nesta reação dos compostos ácidos com os alcalinos, se formam sabões de zinco. Por causa da alta permeabilidade ao vapor de água e ao oxigênio destas resinas, as películas de tintas não estarão mais aderidas diretamente sobre o zinco, mas sobre seus produtos de corrosão, principalmente óxido, hidróxido e sabões de zinco. Compostos solúveis sob a película de tinta provocam o surgimento de bolhas por causa do fenômeno de osmose, que também contribuem para agravar o problema de destacamento. A presença de óxido de zinco na superfície, causa envelhecimento precoce da película de tinta alquídica com conseqüente perda de aderência e de flexibilidade. Com o fissuramento, a água penetra na interface Metal/Tinta, onde existem os compostos solúveis e os sabões, causando o colapso total do sistema de pintura, culminando com o seu destacamento completo. A solução é o emprego de tintas insaponíficáveis, de alta aderência e de alta impermeabilidade. Até bem pouco tempo a tinta chamada "wash primer", a base de resina vinílica, ácido fosfórico e pigmento de cromato de zinco, foi muito usada. O ácido reagia com a superfície de zinco formando fosfato de zinco e o pigmento fornecida o cromato, formando um complexo de cristais na superfície do zinco, que propiciava a aderência da tinta. No entanto esta tinta não era tão impermeável e continha cromo, um metal pesado perigoso para a saúde. Posteriormente veio a tinta epoxi-isocianato, que hoje é a mais usada na indústria por oferecer uma série de vantagens. A tinta epoxi-isocianato é insaponificável, se liga quimicamente ao zinco e oferece uma excelente base de aderência para diversos sistemas de pintura, como por exemplo alquídicos, acrílicos, epoxídicos e poliuretanos. Atualmente existem também as tintas acrílicas à base de água que proporcionam grande aderência sobre o galvanizado. Sobre os acrílicos à base de água devem ser usadas tintas de acabamento também acrílicas. Sistema de pintura para aço galvanizado Lembrando que para estas superfícies, são necessárias tintas de alta aderência e alta impermeabilidade, na tabela 1 são apresentados alguns sistemas: MEIO INTERNO EXTERNO AMBIENTE Úmido Seco Industrial Seco PREP. DE SUPERF. lixamento (lixa 120) e desengorduramento com pano limpo embebido em solvente limpo PRIMER 1 demão de 25 m m ACAB. 2 demãos de 125 m m total : 275 m m 1 demão de 125 m m total : 150 m m poliuretano total : 275 m m poliuretano total : 150 m m Quando o galvanizado deve ser pintado? O quanto antes, de preferência enquanto o galvanizado está novo, pois se a camada de zinco for consumida, mais difícil e cara fica a limpeza da superfície e por não existir mais a sinergia do sistema zinco/tinta, menor será a durabilidade da pintura. O Sr. T.J.Eberhardt, fez as seguintes considerações em artigo publicado na revista Eletric Light and Power, cujo resumo é apresentada na tabela 2: Tabela 2 - Pintura sobre aço galvanizado

5 Área afetada Durabilidade sem ferrugem 10 a 12 anos -- 5 a 10 % 8 a 10 anos 25% 10 a 20 % 5 a 8 anos duplica ou triplica AUMENTO DO CUSTO DA LIMPEZA EM RELAÇÃO A SUPERFÍCIE SEM FERRUGEM acima de 20 % 4 a 5 anos depende da profundidade da corrosão e do meio Da tabela, pode-se concluir que, se por hipótese, um sistema de pintura aplicado sobre galvanizado intacto tiver durabilidade estimada em cerca de 10 a 12 anos (até apresentar ferrugem), sobre galvanizado com cerca de 10 a 20 % de ferrugem, terá apenas a metade do tempo previsto e custará o dobro ou até mesmo o triplo, em relação ao intacto. O aumento do custo da preparação de superfície será tanto maior quanto mais danificado o galvanizado estiver, devido à dificuldade de remoção dos produtos de corrosão, necessitando de ferramentas mecanizadas ou de jateamento abrasivo. O pior, é a necessidade de trocar peças corroídas, como custos ainda maiores. Até no caso de manutenção, a pintura do galvanizado, enquanto ele está novo, é vantajosa, pois os gastos na ocasião da repintura serão apenas com a remoção da camada de tinta envelhecida e com o lixamento superficial do galvanizado. Há interesse na preservação da camada de zinco, que ainda estará íntegra para receber a nova pintura e atuar junto com ela por outros tantos anos..

IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas São Paulo/SP

IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas São Paulo/SP IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas São Paulo/SP 15 de agosto de 2017 9:30 h as 10:15 h Sistema duplex Celso Gnecco Sherwin-Williams 35 + 10 = 45 min Sistema duplex é a tinta aplicada sobre o aço galvanizado

Leia mais

Painel: Corrosão em Ativos de Geração

Painel: Corrosão em Ativos de Geração Painel: Corrosão em Ativos de Geração A Corrosão em Linhas de Transmissão e Subestações Alberto P. Ordine, Cristina C. Amorim, Elber V. Bendinelli, Marcos M. Sá Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA

FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA FORMAÇÃO DE CORROSÃO GALVÂNICA EJC ENGENHARIA DE UTILIDADES WWW.EJCENGENHARIA.COM.BR CORROSÃO GALVÂNICA O aço inox ou o alumínio, quando utilizados em placas de identificação para vasos de pressão, através

Leia mais

Faculdade Multivix Campus Vitória - Rua José Alves, Goiabeiras, , Vitória - ES

Faculdade Multivix Campus Vitória - Rua José Alves, Goiabeiras, , Vitória - ES VANTAGENS DO SISTEMA DUPLEX A PINTURA DO AÇO GALVANIZADO À QUENTE COMO UMA ALTERNATIVA EFICIENTE PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO Wandercleiton da Silva Cardoso Brena da Silva Porcino; Faculdade Multivix

Leia mais

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle

Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle Curso Técnico Integrado em Química Físico-química III VÍDEO AULA Corrosão: Definições e implicações práticas Aspectos termodinâmicos Formas de controle 1 Professor: Me. Sebastião Junior T. Vasconcelos

Leia mais

Goniwater IN. Resultados de Ensaio Salt Spray

Goniwater IN. Resultados de Ensaio Salt Spray Goniwater IN Resultados de Ensaio Salt Spray Mais de 3 anos de P&D... Desenvolvida pela Marangoni para pintar os produtos fornecidos para o exigente mercado elétrico Resultado dos quase 70 anos da Marangoni

Leia mais

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas

Corrosão e degradação de materiais. Modificação aparência. Interação Comprometimento pp mecânicas Corrosão e degradação de materiais Modificação aparência Interação Comprometimento pp mecânicas Deterioração é diferente para os diversos tipos de materiais: M Dissolução (corrosão) Formação de crosta

Leia mais

CORROSÃO. Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal

CORROSÃO. Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal CORROSÃO Processo de destruição superficial de um metal, dando origem a sais iónicos (óxidos hidróxidos) do referido metal Corrosão Química: reacção superficial de transferência de carga em ambiente seco

Leia mais

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO

ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO Valentim M B Nunes, 2003 ELECTROQUÍMICA E CORROSÃO CORROSÃO 1. Corrosão Podemos definir como corrosão a interacção físico-química de um metal com o meio do qual resultam alterações das propriedades do

Leia mais

Prof André Montillo

Prof André Montillo Prof André Montillo www.montillo.com.br Reações de Oxido-Redução Definição: São as reações químicas onde ocorre a variação dos números de oxidação (Nox) das substâncias envolvidas. Portanto haverá transferência

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Estruturas Metálicas www.we.net Soluções para estruturas metálicas 2 Soluções para Estruturas Metálicas Soluções em tintas

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Galvanização a fogo (zincagem por imersão a quente) - Conforme NBR 6323 O processo de zincagem por imersão a quente é o mesmo que qualquer produto, podendo variar na espessura da camada

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 153

Norma Técnica SABESP NTS 153 Norma Técnica SABESP NTS 153 Esquema de pintura para equipamentos e materiais plásticos expostos a raios solares Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 153 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS. 2.1 Da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 3.

NORMA TÉCNICA 1/6 NE ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS. 2.1 Da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) 3. NORMA TÉCNICA Título: IDENTIFICAÇÃO E COMPATIBILIDADE ENTRE ESQUEMAS DE PINTURA Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/6 NE-005 1ª Edição 1. OBJETIVO 2.

Leia mais

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-006 PINTURA DE AÇO GALVANIZADO. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

NORMA TÉCNICA 1/7 NE-006 PINTURA DE AÇO GALVANIZADO. 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS Título: NORMA TÉCNICA PINTURA DE AÇO GALVANIZADO Aprovação Subcomitê de Manutenção das Empresas Eletrobras - SCMT Vigência 10.03.2016 1/7 NE-006 1ª Edição 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2.1 Das

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Energia

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Energia Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Energia Soluções para Usinas Hidrelétricas ERD 33 Tinta epóxi poliamida, de alto teor de sólidos Revestimento aplicável

Leia mais

I Marcelo Almeida. é tão difundida no Brasil quanto nos outros países. desenvolvidos. É que, por desconhecimento e/ou

I Marcelo Almeida. é tão difundida no Brasil quanto nos outros países. desenvolvidos. É que, por desconhecimento e/ou MATÉRIA TÉCNICA GALVANIZAÇÃO POR IMERSÃO A QUENTE* I Marcelo Almeida I A cultura da galvanização por imersão a quente não é tão difundida no Brasil quanto nos outros países desenvolvidos. É que, por desconhecimento

Leia mais

PROTECÇÃO DOS METAIS

PROTECÇÃO DOS METAIS PROTECÇÃO DOS METAIS FORMAÇÃO DE LIGAS Neste caso associase o metal a proteger a outro, originando uma liga altamente resistente à corrosão. Exemplo: aço inox PROTECÇÃO CATÓDICA A protecção catódica é

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 158

Norma Técnica SABESP NTS 158 Norma Técnica SABESP NTS 158 Esquema de pintura para equipamentos e materiais metálicos não-ferrosos em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS 158 : 2001 Norma Técnica

Leia mais

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão

Corrosão Metálica. Introdução. O que é corrosão? Classificação dos processos de corrosão. Principais tipos de corrosão Corrosão Metálica Introdução O estudo da corrosão de superfícies é importante para a solução de problemas de peças e equipamentos. Ter o conhecimento dos tipos de corrosão existentes, compreender os seus

Leia mais

PINTURA & ACABAMENTOS

PINTURA & ACABAMENTOS PINTURA & ACABAMENTOS 01/05/2005 Pag.: 1 de 12 LEGENDA TXE-123 PIE-100 primer anti-corrosivo epoxi primer de aderência - epoxi isocianato PAE-200 primer selador epoxi de alta espessura SELADORA VLU-400

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO

RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO RADIADORES GALVANIZADOS & GALVANIZADOS PINTADOS PAULO SILVA SOBRINHO & MARCELO RAYMUNDO SOBRE A MARANGONI Anos 40 - Sr. José Marangoni cria uma pequena oficina de reparos em equipamentos elétricos. Com

Leia mais

Proteção anódica e catódica

Proteção anódica e catódica 6/2/17 PROTEÇÃO CONTRA A CORROSÃO Proteção catódica e anódica Inibidores - Revestimentos - - Proteção anódica e catódica Como prevenir ou minimizar os efeitos da corrosão de um metal? 4-1823, Sri Humplrray

Leia mais

Aula 20 Eletrodeposição

Aula 20 Eletrodeposição Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Química e Biologia Aula 20 Eletrodeposição Dr. Tiago P. Camargo Eletrólise Eletroquímica Processo inverso das pilhas. Células galvânicas

Leia mais

# $ %&' ( ) # " # % " *! " $ % + (, " $ - & "! "! " $ %&. ' ( ) #! " $ %' & +!

# $ %&' ( ) #  # %  *!  $ % + (,  $ - & ! !  $ %&. ' ( ) #!  $ %' & +! / 0 1 0 2 5 4 4 0 3 4 4 ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G DATA 01.09.99 01.09.99 10.07.00 EXECUÇÃO J.S. J.S. J.S. VERIFICAÇÃO J.S. J.S. J.S. APROVAÇÃO 6 1.0 0BJETIVO O objetivo

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 146

Norma Técnica SABESP NTS 146 Norma Técnica SABESP NTS 146 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 146 : 2001

Leia mais

Química. Eletroquímica

Química. Eletroquímica CIC Colégio Imaculada Conceição Química Eletroquímica Msc. Camila Soares Furtado Couto Eletrólise Inverso da Pilha; Reação de oxi-redução que é provocada pela corrente elétrica; Não espontânea!!!! Eletrólise

Leia mais

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons.

01) O elemento X reage com o elemento Z, conforme o processo: Nesse processo: Z 3 + X Z 1 + X 2. b) X ganha elétrons de Z. d) X e Z perdem elétrons. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: TURMA(S): 2º anos

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA NUMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-016 ET-65-940-CPG-016 1 / 7 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 145

Norma Técnica SABESP NTS 145 Norma Técnica SABESP NTS 145 Esquema de pintura para equipamentos e materiais metálicos não-ferrosos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 145 : 2001 Norma Técnica SABESP

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 147

Norma Técnica SABESP NTS 147 Norma Técnica SABESP NTS 147 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos sujeitos a ambientes úmidos e quimicamente agressivos Especificação São Paulo Maio -

Leia mais

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 1º e 2º ANOS DO ENSINO MÉDIO Objetivo Vivenciar alguns testes para a determinação das causas do surgimento da ferrugem, ou seja, da oxidação dos objetos

Leia mais

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Enem 15 semanas 1. O trabalho produzido por uma pilha é proporcional à diferença de potencial (ddp) nela desenvolvida quando se une uma meia-pilha onde a reação eletrolítica

Leia mais

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea

ELETROQUÍMICA REAÇÃO ENERGIA QUÍMICA ELÉTRICA. Pilha. Eletrólise. espontânea. não espontânea ELETROQUÍMICA REAÇÃO Pilha espontânea ENERGIA QUÍMICA Eletrólise não espontânea ELÉTRICA SEMI REAÇÕES DE OXIDAÇÃO E REDUÇÃO Zn 0 Zn +2 + 2e - semi-reação de oxidação Cu +2 + 2e - Cu 0 semi-reação de redução

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA. Construção Civil II Curso: Engenharia Civil Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco DISCIPLINA Construção Civil II Aula 07 Pinturas Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. Sumário Aula 07 Pinturas Funções

Leia mais

02/10/2017 ELETRÓLISE AQUOSA

02/10/2017 ELETRÓLISE AQUOSA ELETRÓLISE AQUOSA Ocorre quando um eletrólito é dissolvido em água (havendo ionização ou dissociação do mesmo), além dos seus íons, devemos considerar a ionização da própria água. 1 Experimentalmente,

Leia mais

Metais. informativo técnico

Metais. informativo técnico Metais informativo técnico METAIS Móveis de metal são uma escolha de materiais para mobília, usados tanto em área interna quanto em área externa. A variedade de ligas metálicas existentes permite o uso

Leia mais

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5

1 Introdução Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica... 5 Sumário 1 Introdução................................ 1 2 Princípios Básicos da Corrosão Eletroquímica........ 5 2.1 POTENCIAIS ELETROQUÍMICOS............................ 5 2.2 PILHAS DE CORROSÃO...................................17

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Zarcão Pitbull serralheiro óxido. 2 - DESCRIÇÃO: É um fundo anticorrosivo recomendado para proteger superfícies de ferro, novas ou com vestígios de ferrugem, para ser usado antes da pintura.

Leia mais

CORROSÃO EM FRESTAS ("crevice corrosion")

CORROSÃO EM FRESTAS (crevice corrosion) CORROSÃO EM FRESTAS ("crevice corrosion") Corrosão relativamente localizada em frestas de uma peça metálica, ou formadas pela sobreposição de outro metal ou de materiais inertes sobre o metal. Exemplos

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 007 Junho/2012

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 007 Junho/2012 1 - PRODUTO: Esmalte sintético brilhante Branco Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É um produto de fácil aplicação e excelente cobertura e rendimento. Recomendado para pintura de superfícies externas e internas

Leia mais

Abrange todos processo químicos que envolvem transferência de elétrons.

Abrange todos processo químicos que envolvem transferência de elétrons. Abrange todos processo químicos que envolvem transferência de elétrons. Quando um processo químico ocorre, produzindo transferência de elétrons, é chamado de pilha ou bateria. 1 2 Anodo: eletrodo negativo,

Leia mais

Como o Zinco Protege o Aço Rev1.1jan 2011

Como o Zinco Protege o Aço Rev1.1jan 2011 - Um programa do International Zinc Association 3. Corrosão Mecanismos, Prevenção e Teste GalvInfoNote 3.1 Como o Zinco Protege o Aço Rev1.1jan 2011 Introdução A chapa de aço é um produto muito versátil.

Leia mais

Físico-Química. Eletroquímica Prof. Jackson Alves

Físico-Química. Eletroquímica Prof. Jackson Alves Físico-Química Eletroquímica Prof. Jackson Alves 1. Pilhas Processo espontâneo de conversão de energia química em energia elétrica. Observe o esquema a seguir: Lâmina de zinco Semicela Zn / Zn 2+ ponte

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA. Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013. Ambiente bucal favorece a degradação dos materiais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA. Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013. Ambiente bucal favorece a degradação dos materiais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Roteiro de estudos Corrosão Data: 17/04/2013 Corrosão de ligas metálicas e suas implicações clínicas 1 Introdução

Leia mais

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir:

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: 01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: A equação da reação total desta pilha é: a) Zn 0 + 2 Ag 0 Zn +2 + Ag + b) Zn 0 + 2 Ag + Zn +2 + 2 Ag 0 c) Zn +2 + 2 Ag 0 Zn 0 +

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Eletroquímica

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Eletroquímica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Eletroquímica Reações Redox Reações onde ocorre a transferência de elétrons entre átomos Fluxo de elétrons

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE V PINTURA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE V PINTURA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE V PINTURA Pintura industrial A pintura industrial constitui-se no método de proteção anticorrosiva de maior utilização na vida moderna. Pela sua simplicidade, proteger por pintura

Leia mais

OXIDAÇÃO - REDUÇÃO. - Oxidantes e redutores; - Pares conjugados; - Número de oxidação; - Acerto de equações redox; -Série eletroquímica;

OXIDAÇÃO - REDUÇÃO. - Oxidantes e redutores; - Pares conjugados; - Número de oxidação; - Acerto de equações redox; -Série eletroquímica; OXIDAÇÃO - REDUÇÃO - Oxidantes e redutores; - Pares conjugados; - Número de oxidação; - Acerto de equações redox; -Série eletroquímica; - Proteção de metais. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO - REDUÇÃO O termo oxidação

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Transformadores

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Transformadores Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Transformadores Soluções para Transformadores A WEG possui grande experiência na fabricação de transformadores e equipamentos

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL FABRICAÇÃO DE BÓIAS TIPO BLE PARA A SINALIZAÇÃO NÁUTICA PARA O PORTO DE FORTALEZA

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL FABRICAÇÃO DE BÓIAS TIPO BLE PARA A SINALIZAÇÃO NÁUTICA PARA O PORTO DE FORTALEZA COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL FABRICAÇÃO DE BÓIAS TIPO BLE PARA A SINALIZAÇÃO NÁUTICA PARA O PORTO DE FORTALEZA ESPECIFICAÇÃO DEZEMBRO/2013 ÍNDICE I. OBJETO... 2 II. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 III.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REAÇÕES OXIRREDUÇÃO, ELETROQUÍMICA E CORROSÃO.

LISTA DE EXERCÍCIOS REAÇÕES OXIRREDUÇÃO, ELETROQUÍMICA E CORROSÃO. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA FTC COLEGIADO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL DOCENTE: SHAIALA AQUINO. LISTA DE EXERCÍCIOS REAÇÕES OXIRREDUÇÃO, ELETROQUÍMICA E CORROSÃO. Q01. Cobre e ferro

Leia mais

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa.

Em conformidade com os parâmetros abaixo recomendados na implementação do revestimento, você previne danos às pedras Preciosa. Galvanização A galvanoplastia é um processo que utiliza a corrente elétrica contínua para a eliminação dos revestimentos finos dos metais a partir de uma solução dos seus sais em objetos condutores elétricos.

Leia mais

Conteúdo: Eletrólise (ígnea, aquosa e aspectos quantitativos)

Conteúdo: Eletrólise (ígnea, aquosa e aspectos quantitativos) 3º Trimestre Sala de Estudo - Química Data: 30/10/17 Ensino Médio 2º ano classe: A_B_C Profª Danusa Nome: nº Conteúdo: Eletrólise (ígnea, aquosa e aspectos quantitativos) Questão 01 - (PUC Camp SP/2017)

Leia mais

FORUM PERNAMBUCANO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL SINDUSCON 2014 RECIFE/PE IMPACTO DO CUSTO DA GALVANIZAÇÃO A QUENTE AUTOR: ENG.

FORUM PERNAMBUCANO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL SINDUSCON 2014 RECIFE/PE IMPACTO DO CUSTO DA GALVANIZAÇÃO A QUENTE AUTOR: ENG. FORUM PERNAMBUCANO DE CONSTRUÇÃO SUSTENTAVEL SINDUSCON 2014 RECIFE/PE IMPACTO DO CUSTO DA GALVANIZAÇÃO A QUENTE AUTOR: ENG. ILO BORBA 1 Introdução Estima-se que os custos com a corrosão, representem cerca

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Implementos Agrícolas

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Implementos Agrícolas Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Implementos Arícolas www.we.net Soluções para Implementos Arícolas Cada semento de mercado tem suas características específicas.

Leia mais

PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Ba 0 / Ba 2+ // Cu + / Cu 0

PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º. ALUNO(a): Ba 0 / Ba 2+ // Cu + / Cu 0 GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA: Química SÉRIE: 3º ALUNO(a): Lista de exercícios No Anhanguera você é + Enem 1. Com base no diagrama da pilha: E nos potenciais-padrão de redução

Leia mais

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos.

Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sistemas de pintura Oque é? Conjunto estabelecido pela associação da tinta de acabamento a respectivas massas e fundos, através de ferramentas/utensílios específicos. Sua aplicação resulta em uma película

Leia mais

Ocorrência de reações

Ocorrência de reações Ocorrência de reações Dados: Força de ácidos e bases Classificação dos hidrácidos mais conhecidos: Regra prática para a classificação dos oxiácidos Determine a diferença (D) entre a quantidade de átomos

Leia mais

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica

15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15. Trabalho Experimental - Proteção Catódica 15.1 - Introdução A proteção catódica é um método de controle de corrosão que consiste em transformar a estrutura à proteger no cátodo de um célula eletroquímica

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 9. (ENEM 2013) A produção de aço envolve o aquecimento do minério de ferro, junto com carvão (carbono) e ar atmosférico em uma série de reações de oxirredução. O produto é chamado de ferro-gusa e contém

Leia mais

TITAN ESMALTE ANTIOXIDANTE DIRETO À FERRUGEM

TITAN ESMALTE ANTIOXIDANTE DIRETO À FERRUGEM TITAN ESMALTE ANTIOXIDANTE é o melhor esmalte do mercado para aplicar diretamente sobre a ferrugem. é uma marca exclusiva de TITAN. Nenhum outro produto do mercado é OXIRON, só TITAN. foi sempre a marca

Leia mais

ELETROQUÍMICA Profº Jaison Mattei

ELETROQUÍMICA Profº Jaison Mattei ELETROQUÍMICA Profº Jaison Mattei ELETROQUÍMICA 1) Eletrólise: reações provocadas pela corrente elétrica. 2) Pilhas: reações que produzem corrente elétrica. Eletrólise é a reação não espontânea provocada

Leia mais

Corrosão e Eletroquímica

Corrosão e Eletroquímica Química Aplicada Corrosão e Eletroquímica O corrosionista tem por objetivo estudar a deterioração dos materiais pela ação do meio em que são usados. Existe um grande interesse prático neste estudo uma

Leia mais

ELETROQUÍMICA. 1. Introdução

ELETROQUÍMICA. 1. Introdução ELETROQUÍMICA 1. Introdução Em geral, uma célula eletroquímica é um dispositivo em que uma corrente elétrica o fluxo de elétrons através de um circuito é produzida por uma reação química espontânea ou

Leia mais

Assunto: Eletroquímica Folha 4.1 Prof.: João Roberto Mazzei

Assunto: Eletroquímica Folha 4.1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (UEL 2009) A clássica célula galvânica ou pilha de Daniel é representada por: Zn (s) / Zn +2 (aq) / / Cu +2 (aq) / Cu (s) No laboratório de uma escola, o professor e seus alunos fizeram duas alterações

Leia mais

SINTECOAT IZ100. USOS - Proteção anticorrosiva especialmente indicada em áreas de severas condições de corrosão.

SINTECOAT IZ100. USOS - Proteção anticorrosiva especialmente indicada em áreas de severas condições de corrosão. SINTECOAT IZ100 DESCRIÇÃO Zinco silicato Inorgânico de auto cura, com um alto conteúdo de zinco metálico que atua como ânodo de sacrifício, protegendo o aço da corrosão por períodos muito prolongados.

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 28 TURMA ANUAL

RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 28 TURMA ANUAL RESOLUÇÃO DE EXERCÍCIOS PROPOSTOS AULA 28 TURMA ANUAL 01. Item [C] Análise das alternativas; a) Incorreta. Durante a descarga, o número de oxidação do cobalto passa de +4 para +3. ( + 4)( 4) + + + ( 1)(

Leia mais

Eletroquímica. Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise.

Eletroquímica. Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise. Eletroquímica IX Eletroquímica: Pilhas Galvânicas. Potencial de redução. Força eletromotriz. Equação de Nernst. Electrólise. Eletroquímica A Eletroquímica estuda a relação entre a eletricidade e as reações

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Base A esmalte base água brilhante Sistema Multicores Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma base de uso exclusivo do SISTEMA MULTICORES NATRIELLI. Recomendada para pigmentação de cores pastéis.

Leia mais

FR (REV. 01) Textura Lisa Hidrorrepelente

FR (REV. 01) Textura Lisa Hidrorrepelente BOLETIM TÉCNICO FR413-00 (REV. 01) Textura Lisa Hidrorrepelente A textura Lisa hidrorrepelente Anjo é um acabamento para efeitos mais suaves. Fácil aplicação, secagem rápida, boa aderência e sua hidrorrepelência

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A ideal Engenharia de Superfície ÍNDICE 1- Organograma -------------------------------------------------- Pág. 01 2- Quem somos ---------------------------------------------------

Leia mais

E (V) Ag + e Ag 0,80 Zn + 2e Zn 0,76

E (V) Ag + e Ag 0,80 Zn + 2e Zn 0,76 PROVA DE QUÍMICA - 2 o TRIMESTRE 2013 PROF. MARCOS NOME N o 2 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

e - Zinco ZnSO 4 Zn(s) Zn 2 Zn(s) Zn 2+ (aq) + 2 e - + 0,76 V Cu(s) Cu 2+ (aq) + 2 e - - 0,34 V

e - Zinco ZnSO 4 Zn(s) Zn 2 Zn(s) Zn 2+ (aq) + 2 e - + 0,76 V Cu(s) Cu 2+ (aq) + 2 e - - 0,34 V Capítulo 7 Introdução teórica Pilhas e baterias são células eletroquímicas ou células galvânicas que produzem energia elétrica por meio de reações de oxirredução. A diferença básica é que a bateria é formada

Leia mais

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise

Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Resumo de Química: Pilhas e eletrólise Número de oxidação (NOX) Nox fixo:1a(+1), 2A (+2), Al +3, Zn +2 e Ag + Nox usual: Hidrogênio (+1), exceto nos hidretos metálicos (-1) e Oxigênio (-2), exceto nos

Leia mais

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s.

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s. AÇOS REVESTIDOS Além dos acabamentos de superfície convencionais, a tira relaminada pode ainda ser revestida superficialmente pelos mais diversos metais com propósitos técnicos, decorativos ou outros fins,

Leia mais

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN

O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN DOUBLE DIP O NOVO PROCESSO DE GALVANIZAÇÃO PARA SISTEMAS DE CAMINHO DE CABOS DA OBO BETTERMANN A OBO Bettermann inclui na sua ampla gama de produtos uma grande variedade de soluções em calha caminho de

Leia mais

Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por Tathy Xavier)

Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por Tathy Xavier) DEPARTAMENTO DE BIOMATERIAIS E BIOLOGIA ORAL Disciplina ODB 401 Materiais para uso indireto Roteiro de estudos Data: 28/03/2017 Corrosão (aula do Prof. Braga, roteiro elaborado pelo Prof. Rafael e por

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica

Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica Catálise e Inibição de Reação Eletroquímica - Se o material do eletrodo não se transforma em produto; - em principio, é apenas para transferir elétrons; - mas, podendo também participar adsorvendo reagentes

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS Alessandro José Büsemayer Faculdade Anhanguera

Leia mais

DICAS. Multiplicador de Qualidade Futura

DICAS. Multiplicador de Qualidade Futura DICAS Multiplicador de Qualidade Futura 1. Patologias Patologia é qualquer anormalidade que venha a ocorrer abaixo ou acima do filme da tinta e que provoque o desgaste acelerado do sistema de pintura.

Leia mais

Especificação Técnica de Esquemas de Pintura Fatores Importantes a serem considerados

Especificação Técnica de Esquemas de Pintura Fatores Importantes a serem considerados Especificação Técnica de Esquemas de Pintura Fatores Importantes a serem considerados Autor: Roberto Mariano (Akzo Nobel) Dez/2014 COLABORADORES Celso Gnecco Fernando Fernandes Fernando Fragata Agenda

Leia mais

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA

Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Eletroquímica PROF. SAUL SANTANA Como o Cobre é mais nobre que o Zinco, ele reduz oxidando o zinco Espontaneidade de reações de oxirredução e pilhas Forma metálica e forma oxidada Ferro oxidado (minério)

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

EleELETROQUÍMICA (Parte I)

EleELETROQUÍMICA (Parte I) EleELETROQUÍMICA (Parte I) I INTRODUÇÃO A Eletroquímica é responsável pela explicação dos fenômenos que envolvem a transferência de elétrons. Esses fenômenos são de grande importância cotidiana, pois através

Leia mais

REVISÃO DE QUÍMICA CEIS Prof. Neif Nagib

REVISÃO DE QUÍMICA CEIS Prof. Neif Nagib REVISÃO DE QUÍMICA CEIS 2017 Prof. Neif Nagib CÁLCULO DO ph e do poh EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 01. O estômago produz suco gástrico constituído de ácido clorídrico, muco, enzimas e sais. O valor de ph no

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FR (REV. 00)

BOLETIM TÉCNICO FR (REV. 00) BOLETIM TÉCNICO FR413-00 (REV. 00) Base A - Esmalte Base Água Brilhante É um produto de excelente qualidade e brilho. É a base de água, oferecendo baixo odor e dispensando o uso do aguarrás. Possui elevada

Leia mais

TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS

TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS TECNOLOGIAS E APLICABILIDADE DAS TINTAS IMOBILIÁRIAS FESTCOR A TINTA DO NORDESTE NOSSO MERCADO 1200 PDVS 320 CONSTRUTORAS NOSSOS PLAYERS Este é o Mundo Festcor CASE DE SUCESSO!!! CASE DE SUCESSO!!! CERTIFICADOS

Leia mais

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS

METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS, AÇOS E PROCESSOS SIDERÚRGICOS METAIS Podem ser moldados; São dúcteis (deformam antes de romper); Bons condutores de energia elétrica e calor. OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS METAIS OBTENÇÃO DOS

Leia mais

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia

Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Disciplina: Química Professor: Lourival Neto Cidade: Uberlândia Introdução Corrosão Tipos de corrosão Corrosão Eletroquímica Exemplos e reações Corrosão Química Exemplos e reações Corrosão Eletrolítica

Leia mais

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA

CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS. Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA CORROSÃO E DEGRADAÇÃO DE MATERIAIS Proteção e Combate à Corrosão CARLA SOARES SOUZA O controle da corrosão inclui as medidas tomadas em cada etapa desde o projeto até a fabricação, instalação e utilização

Leia mais

Pintura 100% Sólidos ST BOLETIM TÉCNICO. Pintura 100%

Pintura 100% Sólidos ST BOLETIM TÉCNICO. Pintura 100% BOLETIM TÉCNICO Pintura 100% Sólidos ST DESCRIÇÃO DO PRODUTO A Pintura 100% Sólidos ST é um sistema de pintura epóxi, 100% sólidos, bi-componente, formulado para proporcionar, através de uma película protetora

Leia mais

Corrosão e Proteção Anticorrosiva para Equipes de Manutenção e de Projeto do Setor Elétrico

Corrosão e Proteção Anticorrosiva para Equipes de Manutenção e de Projeto do Setor Elétrico Corrosão e Proteção Anticorrosiva para Equipes de Manutenção e de Projeto do Setor Elétrico Alberto Pires Ordine Cristina da Costa Amorim Elber Vidigal Bendinelli Marcos Martins de Sá Corrosão e Proteção

Leia mais

GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO. Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre

GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO. Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO 1 Alternativa B Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre 2 Alternativa C Agente oxidante é aquela substancia que contém

Leia mais

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto

Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto Corrosão das Armaduras das Estruturas de Concreto FELIPE KOBUS, FRANCINE FERNANDES, GIOVANNI GUIDELLI, JAQUELINE F. SOARES, JULYANA ROCHA E MARINA D. TRENTIN Passivação da Armadura no Concreto Passivação

Leia mais

Eletroquıḿica Pilhas. Estudo das Celas Galvânicas. Zn + Cu Cu + Zn

Eletroquıḿica Pilhas. Estudo das Celas Galvânicas. Zn + Cu Cu + Zn Eletroquıḿica Pilhas Estudo das Celas Galvânicas A pilha de Daniell Do ponto de vista didático, uma das celas galvânicas cujo funcionamento é mais simples de se entender é a pilha de Daniell, construída

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

ROGERTEC. Jaqueta AG (Proteção Catódica de estacas metálicas na zona de variação da maré) INTRODUÇÃO. O problema da corrosão

ROGERTEC. Jaqueta AG (Proteção Catódica de estacas metálicas na zona de variação da maré) INTRODUÇÃO. O problema da corrosão Jaqueta AG (Proteção Catódica de estacas metálicas na zona de variação da maré) Situação comum de piers com estacas metálicas. INTRODUÇÃO A destruição do aço em razão de sua alta reatividade com o meio

Leia mais