Seleção do Irrigâmetro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seleção do Irrigâmetro"

Transcrição

1 Capítulo 2 Seleção do Irrigâmetro Este capítulo trata dos procedimentos para indicação dos modelos de réguas de Manejo, Temporal e Percentual do Irrigâmetro, incluindo diversos exemplos. A sua leitura é recomendada aos técnicos que prestam serviços na área de irrigação. Assim, os usuários que têm interesse apenas na montagem, na operação e na manutenção do Irrigâmetro podem se abster da leitura deste capítulo, embora as informações nele contidas sejam importantes na compreensão do manejo da irrigação. Considerações gerais Para implementar um programa de manejo é necessário fazer um diagnóstico prévio do sistema de irrigação e a caracterização do solo, da água, do clima e da cultura. O manejo da irrigação utilizando o Irrigâmetro integra estas características, sendo o aparelho equipado com réguas que são específicas para as condições do solo,

2 22 Manual do Irrigâmetro da cultura e do sistema de irrigação existentes na propriedade. Na seleção da Régua de Manejo do Irrigâmetro, que indica quando irrigar, é necessário saber qual cultura será irrigada, além das seguintes características do solo: umidade na capacidade de campo e no ponto de murcha permanente e a densidade do solo. Dependendo do sistema de irrigação existente na propriedade, o Irrigâmetro deve ser equipado com uma Régua Temporal, se o sistema de irrigação for aspersão convencional, gotejamento ou microaspersão, ou com uma Régua Percentual, se o sistema for pivô central ou linear. Na seleção da Régua Temporal é necessário conhecer a intensidade líquida de aplicação de água do sistema de irrigação, que depende do modelo do emissor, da sua vazão e do espaçamento entre emissores. Na seleção da Régua Percentual é necessário conhecer a lâmina líquida aplicada pelo pivô central ou pelo sistema linear, com o equipamento se deslocando na velocidade de 100%. O diagnóstico prévio do sistema de irrigação deve considerar a uniformidade e a eficiência de aplicação de água, além de verificar as condições operacionais dos sistemas de bombeamento, das tubulações e dos emissores. No caso de aspersão convencional, gotejamento ou microaspersão deve-se verificar se há problemas de vazamentos, se os emissores são d0 mesmo modelo e diâmetro de bocal, se operam com pressão adequada e não apresentam entupimento e se estão igualmente espaçados ao longo da tubulação. Na aspersão convencional, deve-se

3 Seleção do Irrigâmetro 23 observar ainda se os tubos de elevação do aspersor têm a mesma altura e se estão posicionados verticalmente. No caso de pivô central ou sistema linear, deve-se verificar se há problemas de vazamentos, de entupimento de aspersores e se há válvulas reguladoras de pressão com defeito. No caso de pivô central, deve-se verificar também se os aspersores estão posicionados de acordo com a seqüência de bocais especificada no projeto e no caso de sistema linear verificar se os aspersores são de mesmo modelo e se possuem o mesmo diâmetro de bocal. Com o resultado do diagnóstico, se for constatado algum problema, devem-se fazer as correções necessárias e, posteriormente, avaliar a uniformidade de aplicação de água do sistema de irrigação existente na propriedade. Conceitos Básicos Aplicados ao Irrigâmetro 1. Lâmina de água Em irrigação, a quantidade de água aplicada no solo é usualmente expressa em milímetros. Se for aplicado um litro de água numa superfície impermeável, plana e horizontal, de um metro quadrado de área, será formada uma camada líquida com altura de um milímetro; portanto, lâmina de água é a altura da camada resultante da aplicação de certo volume de água numa área. A unidade usual de lâmina de água em irrigação é, portanto, o milímetro (1 mm = 1 L/m 2 = 10 m 3 /ha).

4 24 Manual do Irrigâmetro volume de água (L) Lâmina (mm) = 2 área (m ) Exemplo 1. Numa área cultivada com milho, de 30 hectares, foi feita uma irrigação aplicando uma lâmina média de 20 mm. Qual o volume de água aplicado? Volume de água (L) = lâmina (mm) x área (m 2 ) Sabendo-se que um hectare é igual a m 2, tem-se: Área (m 2 ) = 30 ha x m 2 /ha = m 2 Volume de água (L) = 20 mm x m 2 L 2 Volume de água = 20 x m 2 m Volume de água = de litros de água Exemplo 2. Um sistema de irrigação do tipo pivô central irriga uma área de 100 hectares, cultivada com feijão. A necessidade de água da cultura, durante dois dias, foi de 7 mm. Por não fazer manejo da água de irrigação, o produtor utilizou o pivô central regulado para aplicar uma lâmina no solo, disponível à cultura, de 12 mm. Qual o desperdício de água nesta irrigação e o seu custo financeiro, sabendo-se que a lâmina de 1 mm/ha custa ao produtor R$1,10. Lâmina de água aplicada em excesso = 12 mm 7 mm Lâmina de água aplicada em excesso = 5 mm L 5 mm = 5 2 m

5 100 ha = 100 x m 2 = m 2 Cálculo do desperdício de água na irrigação: L 5 m 2 x m 2 Seleção do Irrigâmetro 25 = L de água Custo financeiro do desperdício de água: R$1,10 mm ha x 5 mm x 100 ha = R$550,00 2. Densidade do solo - Ds A densidade do solo é a relação entre a massa de uma amostra de solo seco e o seu volume. A unidade usual de Ds utilizada em irrigação é kg/m 3 e g/cm 3. O valor da densidade do solo está relacionado à sua textura e à sua estrutura, além de ser indicativo de seu nível de compactação. Em irrigação, a determinação da densidade do solo é necessária para converter o valor de umidade obtido em base gravimétrica para base volumétrica, o que permite calcular a lâmina de água armazenada no solo. Para determinar a densidade do solo é necessário retirar uma amostra de volume conhecido, usualmente com o trado Uhland (Figura 4), secá-la em estufa durante 24 horas e, em seguida, obter sua massa. A densidade do solo é calculada aplicando a seguinte fórmula:

6 26 Manual do Irrigâmetro massa de solo seco D s = volume de solo Figura 4. Amostragem de solo para determinação de sua densidade usando trado Uhland. O trado Uhland não é facilmente encontrado no mercado e seu uso tem sido restrito a instituições de ensino e pesquisa. Visando facilitar a amostragem para determinação da densidade do solo para fins de manejo da irrigação com uso do Irrigâmetro, os autores deste Manual propuseram e testaram um método alternativo denominado Método do Tubo de PVC. O Método do Tubo de PVC é simples e de baixo custo. Em um solo previamente umedecido (Figura 5) crava-se um tubo de 50 mm de diâmetro com 15 cm de comprimento (Figura 6) até que o solo atinja a sua borda superior. Em seguida, escava-se o solo em torno do tubo de PVC para facilitar o acesso à sua extremidade inferior. Com uma faca, corta-se o solo na base do tubo (Figura 7), retira-se o conjunto (tubo com solo) e apara-se a base da

7 Seleção do Irrigâmetro 27 Figura 5. Umedecimento do solo para retirada de amostra pelo Método do Tubo de PVC. Figura 6. Cravação do tubo de PVC no solo.

8 28 Manual do Irrigâmetro Figura 7. Retirada do tubo após abertura de trincheira. amostra, para eliminar o excesso de solo (Figura 8). Limpar o tubo e vedar as duas extremidades da amostra de solo com fita plástica adesiva (Figura 9). O tubo de PVC com a amostra de solo deve ser enviado para um laboratório de física do solo, solicitandose a determinação de sua densidade. No laboratório, o tubo é cortado transversalmente (Figura 10) retirando-se 2,5 cm em cada extremidade, ficando a amostra de solo com 10 cm de comprimento (Figura 11).

9 Seleção do Irrigâmetro 29 Figura 8. Retirada do excesso de solo na base do tubo de PVC. Figura 9. Vedação das extremidades do tubo de PVC.

10 30 Manual do Irrigâmetro Figura 10. Corte de 2,5 cm em cada extremidade do tubo de PVC. Figura 11. Amostra de solo preparada no laboratório para determinação da densidade do solo.

11 Seleção do Irrigâmetro 31 Em seguida, a amostra de solo é retirada do tubo e colocada em estufa regulada na temperatura de 105º C, durante 24 horas. Após esse tempo, a amostra de solo seco é pesada e a densidade do solo é obtida da seguinte maneira: D s massa de solo seco = volume de solo em que D s é a densidade do solo em g/cm 3. O volume da amostra de solo é calculado pelo volume interno do tubo de PVC, multiplicando área da seção transversal do tubo pelo seu comprimento. π D volume de solo = 4 em que: 2 x C D = diâmetro interno do tubo de PVC, em cm; e C = comprimento do tubo de PVC, em cm. Exemplo 3. O Método do Tubo de PVC foi utilizado na amostragem para determinação da densidade de um solo argiloso de uma área irrigada por pivô central no município de Piedade do Rio Grande, MG. O tubo utilizado na amostragem tinha um diâmetro interno de 47,5 mm e comprimento de 15 cm. A amostra foi enviada pelo correio para o Laboratório de Hidráulica da Universidade Federal de Viçosa, onde foi preparada, ficando com 10 cm de comprimento. O solo foi retirado do tubo e levado à estufa

12 32 Manual do Irrigâmetro por 24 horas. Em seguida pesou-se o solo seco, obtendo-se 161,3 gramas. Qual o valor da densidade deste solo? π D volume de solo = 4 volume de solo = 177,2 cm 3 D s 2 3,1416 x 4,75 x C = 4 massa de solo seco 161,3 = = = 0,91g/cm volume de solo 177,2 3. Capacidade de campo - Cc 2 3 x 10 Capacidade de campo representa a condição de armazenamento máximo de água no solo que ocorre após a drenagem da água contida nos macroporos pela ação gravitacional. Quando a umidade do solo está na capacidade de campo é o momento em que as plantas encontram a condição mais favorável à absorção de água e nutrientes. A umidade na capacidade de campo é usualmente expressa em % ou kg/kg. A capacidade de campo pode ser determinada em campo, porém é mais usual a sua determinação em laboratório com uso de extrator de Richards (Figura 12). O laboratório fornece a umidade do solo correspondente a diferentes tensões às quais as amostras foram submetidas.

13 Seleção do Irrigâmetro 33 Figura 12. Extrator de Richards. Na irrigação, para fins práticos, a umidade correspondente à capacidade de campo tem sido geralmente obtida na tensão de 10 kpa, em solos arenosos, e de 33 kpa, nos argilosos. No entanto, para uso do Irrigâmetro em solos argilosos, o valor da umidade na capacidade de campo deve ser obtido tirando-se a média dos valores de umidade nas tensões de 10 e 33 kpa. 4. Ponto de murcha permanente - Pm Ponto de murcha permanente é a capacidade mínima de armazenamento de água do solo que ocorre quando as plantas murcham por causa de deficiência hídrica e não recuperam a sua turgidez. O ponto de murcha permanente representa a condição de umidade do solo que restringe severamente a absorção de água pelas plantas, que morrerão se não houver reposição da água no solo. A

14 34 Manual do Irrigâmetro umidade no ponto de murcha permanente é usualmente expressa em % ou kg/kg. Na irrigação, para fins práticos, a umidade correspondente ao ponto de murcha permanente tem sido obtida na tensão de kpa. Exemplo 4. A amostra usada na determinação da densidade do solo, considerada no Exemplo 3, foi também utilizada na determinação da umidade do solo nas tensões de 10, 33 e kpa, obtendo-se os valores apresentados na Tabela 5. Quais os valores de umidade de capacidade de campo e de ponto de murcha permanente que devem ser usados no cálculo da disponibilidade total de água no solo para fins de uso do Irrigâmetro? Tabela 5. Valores de umidade do solo nas tensões de interesse para uso do Irrigâmetro. Tensão (kpa) Umidade do solo (% em peso) 10 36, , ,55 Por se tratar de um solo argiloso, a capacidade de campo é obtida pela média dos valores de umidade nas tensões de 10 e 33 kpa. 36, ,85 Cc = = 34,96% em peso 2 O valor da umidade do solo no ponto de murcha permanente é 23,55% em peso, correspondente à tensão de kpa.

15 Seleção do Irrigâmetro 35 Exemplo 5. Na análise física de uma amostra de solo retirada num lote do projeto Jaíba, localizado no norte de Minas Gerais, obteve-se os resultados apresentados na Tabela 6. Quais os valores de umidade de capacidade de campo e de ponto de murcha permanente que devem ser usados no cálculo da disponibilidade total de água no solo para fins de uso do Irrigâmetro? Tabela 6. Valores de umidade do solo nas tensões de interesse para uso do Irrigâmetro. Tensão (kpa) Umidade do solo (% em peso) 10 4, , ,96 Por se tratar de um solo arenoso, a capacidade de campo é obtida diretamente do valor de umidade na tensão de 10 kpa, igual a 4,72%. O valor da umidade do solo no ponto de murcha permanente é 2,96%, correspondente à tensão de kpa. 5. Disponibilidade total de água no solo - DTA O solo é o reservatório natural de água para as plantas. Para fins de irrigação, a água disponível no solo é a quantidade armazenada entre a capacidade de campo e o ponto de murcha permanente. Na Figura 13 está apresentada uma curva de retenção de água de um solo argiloso, onde se observa que a

16 36 Manual do Irrigâmetro umidade diminui à medida que aumenta a tensão da água no solo, ficando a água remanescente mais fortemente retida entre as partículas do solo. Figura 13. Curva de retenção de água num solo argiloso. A disponibilidade total de água (DTA) é a lâmina armazenada numa camada de solo de um centímetro de espessura, entre as condições de capacidade de campo e de ponto de murcha permanente. A unidade usual de DTA, em irrigação, é mm/cm. A disponibilidade total de água no solo é calculada aplicando-se a seguinte equação: (Cc - Pm) DTA = 10 em que x Ds

17 Seleção do Irrigâmetro 37 DTA = disponibilidade total de água no solo, mm/cm; Cc = capacidade de campo, % em peso; Pm = ponto de murcha permanente, % em peso; e Ds = densidade do solo, g/cm 3. Os solos arenosos possuem baixa capacidade de reter água, com valores de DTA compreendidos entre 0,3 a 1,0 mm/cm. Em solos de textura média, os valores de DTA variam entre 1,1 e 1,6 mm/cm. Por outro lado, os solos argilosos possuem alta capacidade de reter água, geralmente encontrando-se valores de DTA maiores que 1,7 mm/cm. Seleção da Régua de Manejo A Régua de Manejo é selecionada de acordo com a classe de sensibilidade da cultura ao déficit hídrico (Tabela 3) e com a disponibilidade total de água no solo, cujo valor deve ser expresso com uma decimal. A Régua de Manejo é codificada com letras e números, sendo as letras as abreviações das três classes de enquadramento das culturas (CMS, CS e CPS de acordo com a Tabela 3) e os números representam o valor da DTA. Portanto, na seleção da Régua de Manejo existe um modelo específico que deve equipar o Irrigâmetro para atender as condições de cultura e solo. No caso de irrigação localizada, a freqüência de irrigação é alta, o que torna os sistemas de irrigação por gotejamento e por microaspersão pouco dependentes da

18 38 Manual do Irrigâmetro capacidade de retenção de água no solo. Assim, quando a DTA for maior que 1 mm/cm, a seleção da Régua de Manejo deve ser feita com o código numérico igual a 1.0, como mostrado nos dois exemplos seguintes. Exemplo 6. Uma lavoura de café está sendo irrigada por gotejamento no município de Campos Altos, MG. Na análise físico-hídrica do solo, obtiveram-se os seguintes resultados: Capacidade de campo = 41,2 % em peso; Ponto de murcha permanente = 27,5 % em peso; Densidade do solo = 1,22 g/cm 3. O valor da disponibilidade total de água no solo (DTA) é: (Cc - Pm) DTA = 10 x Ds (41,2-27,5) DTA = x 1,22 = 1,67 mm/cm 10 Neste caso, por se tratar da cultura do café (cultura pouco sensível ao déficit hídrico) e de irrigação localizada, a Régua de Manejo que deve equipar o Irrigâmetro nesta propriedade é a CPS 1.0. Exemplo 7. Uma lavoura de tomate está sendo irrigada por gotejamento no município de Pedra do Anta, MG. Na análise físico-hídrica do solo, obtiveram-se os seguintes resultados:

19 Capacidade de campo = 27,0 % em peso; Seleção do Irrigâmetro 39 Ponto de murcha permanente = 18,5 % em peso; Densidade do solo = 1,33 g/cm 3. O valor da disponibilidade total de água no solo (DTA) é: (27,0-18,5) DTA = 10 x 1,33 = 1,13mm/cm Assim, a Régua de Manejo que deve equipar o Irrigâmetro é a CMS 1.0, por ser o tomate uma cultura muito sensível ao déficit hídrico e por se tratar de irrigação localizada. Seleção da Régua Temporal A Régua Temporal é codificada com um número que corresponde ao valor da intensidade líquida de aplicação de água (I L ) do sistema de irrigação. No sistema de irrigação por aspersão convencional a I L pode ser determinada de duas maneiras: (a) distribuindose coletores igualmente espaçados na área irrigada, entre aspersores da linha lateral (Figura 14), fazendo-se, posteriormente, a sobreposição das lâminas coletadas e o cálculo do coeficiente de uniformidade de Christiansen (CUC) e da lâmina líquida média aplicada; ou (b) medindose a vazão dos aspersores da linha lateral, em litros por hora, obtendo-se posteriormente a vazão média, cujo valor deve ser dividido pelos espaçamentos entre aspersores e

20 40 Manual do Irrigâmetro entre linhas laterais, em metros, sendo o resultado multiplicado pela eficiência de aplicação (Ea) do sistema de irrigação em decimal. Em locais de clima árido ou semi-árido, a eficiência de aplicação de sistemas de irrigação por aspersão convencional bem dimensionados pode ser assim estimada: 70%, para condições de velocidade média do vento maior que 2 m/s; 75% para velocidade do vento entre 1 e 2 m/s e 80% para condição de velocidade do vento menor que 1 m/s. Em locais de clima ameno, a eficiência de aplicação pode ser estimada em 75, 80 e 85% para os intervalos respectivos de velocidade do vento descritos anteriormente. Figura 14. Teste de uniformidade de aplicação de água de um sistema de aspersão convencional, mostrando a distribuição dos coletores na área irrigada.

21 Seleção do Irrigâmetro 41 Exemplo 8. Na avaliação de um sistema de irrigação por aspersão convencional, com aspersores espaçados de 12 x 12 m, foram distribuídos 48 coletores numa malha de 3 m de acordo com a Figura 15, sendo que cada coletor foi posicionado no centro da quadrícula com dimensões 3 m x 3 m. Após duas horas de funcionamento, mediram-se as lâminas de água em cada coletor (Figura 16) e os valores, em milímetros, foram anotados (Figura 17). Figura 15. Esquema de distribuição de coletores em torno de um aspersor da linha lateral num teste de uniformidade de aplicação de água de um sistema de aspersão convencional.

22 42 Manual do Irrigâmetro Figura 16. Medição das lâminas de água dos coletores. Figura 17. Valores de lâminas de água coletadas, em milímetros, após duas horas de funcionamento do sistema de irrigação.

23 Seleção do Irrigâmetro 43 Posteriormente fez-se a sobreposição dos valores das lâminas (Figura 18). O primeiro valor em cada quadrícula é contribuição da linha lateral superior e o segundo é da linha lateral inferior. O terceiro valor que aparece em algumas quadrículas é a contribuição de outra linha lateral que estará posicionada 12 m abaixo da linha lateral inferior. O resultado da sobreposição das lâminas de água (Figura 19) é obtido somando-se os valores das lâminas de água em cada quadrícula da Figura 18. Figura 18. Processo de sobreposição das lâminas de água, mostrando os valores de contribuição das linhas laterais espaçadas de 12 m.

24 44 Manual do Irrigâmetro Figura 19. Resultado da sobreposição das lâminas de água. A lâmina média de água coletada (Lm) na área irrigada durante duas horas (15,1 mm) foi determinada dividindo-se a soma dos dados da Figura 19 por 16, que é o número de quadrículas existentes no espaçamento 12 x 12 m. A intensidade líquida de aplicação de água (I L ) do sistema de irrigação foi calculada dividindo-se a lâmina média (15,1 mm) pelo tempo de duração do teste (2 h), obtendo-se 7,55 mm/h. A avaliação do desempenho do sistema de irrigação foi feita calculando-se o coeficiente de uniformidade de Christiansen com a aplicação da equação:

25 Seleção do Irrigâmetro 45 CUC n L i= 1 = Lm = 15,1 mm i n L - L m m N = 16 n L i=1 i - L m = 15,9 15,1 + 17,8 15,1 + 19,0 15, ,5 15,1 + 14,0 15,1 n Li - Lm = 0,8 + 2,7 + 3, ,6 + 1,1 = 21,6 i= 1 21,6 CUC = = 91,1% 16 x 15,1 A uniformidade de aplicação de água do sistema de irrigação é satisfatória, visto que o valor do CUC foi maior que 80%. Uma vez constatado que o equipamento de irrigação está operando com bom desempenho e que a intensidade líquida de aplicação de água é 7,55 mm/h, a Régua Temporal que deve equipar o Irrigâmetro é a 7.5 (Tabela 1).

26 46 Manual do Irrigâmetro Exemplo 9. Na avaliação de um sistema de irrigação por aspersão convencional com aspersores espaçados de 12 x 18 m, mediu-se a vazão dos dois bocais de quatro aspersores (Figura 20) de uma linha lateral, cujos valores se encontram na Tabela 6. Figura 20. Medição de vazão do aspersor. Tabela 6. Valores de vazão, em litros por segundo, de quatro aspersores do sistema de irrigação Vazão Aspersores Bocal maior 0,432 0,442 0,441 0,435 Bocal menor 0,307 0,247 0,310 0,310 Aspersor 0,739 0,689 0,751 0,745 A vazão média dos aspersores é 0,73 L/s. A intensidade de aplicação de água do sistema de irrigação, em mm/h, foi calculada dividindo-se a vazão média dos aspersores (0,73 L/s) pelo valor dos espaçamentos entre

27 Seleção do Irrigâmetro 47 aspersores (12 m) e entre linhas laterais (18 m), e multiplicando o resultado por 3.600, obteve-se 12,2 mm/h. A intensidade líquida de aplicação de água foi calculada multiplicando-se a intensidade de aplicação do aspersor (12,2 mm/h) pelo valor, em decimal, da eficiência de aplicação estimada em 80%, para condição de clima ameno com velocidade média do vento entre 1 e 2 m/s. O valor encontrado foi 9,75 mm/h. Portanto, a Régua Temporal que deve equipar o Irrigâmetro é a 9.5 (Tabela 1). Embora esta metodologia seja mais fácil de ser aplicada, recomenda-se usar a primeira para determinar a intensidade líquida de aplicação de água, pois ela possibilita calcular o valor do CUC e certificar se o equipamento está em boas condições de operação. Exemplo 10. Na instalação de um Irrigâmetro para manejar a irrigação de uma área cultivada com coco-anão (Figura 21), plantado no espaçamento 7,0 x 7,0 m, foi necessário avaliar o sistema de microaspersão. O sistema possui dois setores, cada um deles com 36 pares de linhas laterais de 94,5 m de extensão (14 plantas). Os emissores estão instalados na linha lateral, espaçados de 7 m, próximos às plantas. Na avaliação determinou-se a vazão de quatro microaspersores em quatro linhas laterais, coletando-se o volume de água em cada um deles, durante 30 segundos (Tabela 7). Em cada linha lateral, mediu-se o volume de água no primeiro microaspersor, nos outros posicionados a 1/3 (5º microaspersor) e a 2/3 do início da linha lateral (9º

28 48 Manual do Irrigâmetro microaspersor) e no último (14º microaspersor), de acordo com a Figura 22. As quatro linhas laterais avaliadas no setor estavam nos pares 1 (início do setor), 12 (1/3 do início do setor), 24 (2/3 do início do setor) e 36 (último par do setor). As linhas laterais localizadas nas posições 1 e 24 estão à direita da linha de derivação e as linhas laterais localizadas nas posições 12 e 36 estão situadas à esquerda (Figura 23). Figura 21. Plantas jovens de coqueiro irrigadas por microaspersão.

29 Seleção do Irrigâmetro 49 Tabela 7. Volumes de água, em mililitros, coletados durante 30 segundos em 16 emissores de quatro linhas laterais de um sistema de irrigação por microaspersão Posição do par de linhas laterais no setor Posição do microaspersor na linha lateral avaliada Figura 22. Posição dos quatro microaspersores nas linhas laterais avaliadas.

30 50 Manual do Irrigâmetro Figura 23. Posição das quatro linhas laterais com microaspersores (nos pares 1, 12, 24 e 36) avaliadas no setor de irrigação. Após medir os volumes de água aplicada pelos microaspersores que foram avaliados, calculou-se a vazão, em litros por hora, dividindo-se o volume, em litros, pelo

31 Seleção do Irrigâmetro 51 tempo de coleta de água (30 segundos), sendo o resultado multiplicado por 3,6 (Tabela 8). Tabela 8. Vazão, em L/h, dos 16 microaspersores utilizados na avaliação do sistema de irrigação por microaspersão. Posição da linha lateral no setor Posição do microaspersor na linha lateral ,5 62,4 61,9 60, ,5 61,0 60,4 59, ,5 59,2 58,5 57, ,9 57,5 56,8 55,1 UE = em que A uniformidade de emissão pode ser calculada por: q Q x100 UE = uniformidade de emissão, %; (q ) = vazão média do menor quartil, ou seja, a média dos 25% menores valores de vazão, L/h; e Q = vazão média dos microaspersores, L/h. Os quatro menores valores de vazão dos microaspersores (25% dos 16 avaliados) são: 55,1; 56,8; 57,3 e 57,5 L/h, cuja média é 57 L/h ( q ). A média dos 16

32 52 Manual do Irrigâmetro valores de vazão é 59,55 L/h (Q). Aplicando-se os valores médios na equação anterior tem-se: 57 UE = x100 = 95,7% 59,55 O sistema de irrigação por microaspersão opera adequadamente, uma vez que o valor de uniformidade de emissão é superior a 90%. A intensidade de aplicação de água é calculada dividindo-se a vazão média dos microaspersores (59,55 L/h) pelos valores dos espaçamentos entre os microaspersores na linha lateral (7 m) e entre as linhas laterais (7 m). Ia = Q E E x E LL em que E E = espaçamento entre os emissores, m; E LL = espaçamento entre as linhas laterais 59,55 Ia = = 1,21 mm/h 7 x 7 O valor encontrado foi 1,21 mm/h. Portanto, a Régua Temporal que deve equipar o Irrigâmetro é a 1.2 (Tabela 1).

33 Seleção do Irrigâmetro 53 Exemplo 11. Deseja-se instalar um Irrigâmetro numa área de 10 hectares cultivada com café, plantado no espaçamento 0,6 x 4,0 m e irrigado por gotejamento. O sistema de irrigação é constituído por dois setores, possuindo cada um deles 125 pares de linhas laterais de 50 m de comprimento. Ao longo de cada fileira de plantas foi instalada uma linha lateral com gotejadores espaçados de 0,5 m. Na avaliação do sistema de irrigação, mediu-se a vazão de oito gotejadores em quatro linhas laterais. Em cada linha lateral, a vazão foi medida no primeiro gotejador e nos seguintes, posicionados a 1/7 (15º gotejador); 2/7 (29º gotejador); 3/7 (43º gotejador); 4/7 (57º gotejador); 5/7 (71º gotejador) e a 6/7 (85º gotejador) do início da linha lateral e no último gotejador, de acordo com a Figura 24. As quatro linhas laterais estavam localizadas nos pares 1 (primeiro par do setor localizado no início da linha de derivação), 42 (1/3 do início da linha de derivação), 83 (2/3 do início da linha de derivação) e 125 (último par do setor, localizado no fim da linha de derivação). A primeira linha lateral do primeiro par e outra situada a 2/3 do início do setor estão à direita da linha de derivação e as linhas laterais, localizadas a 1/3 do início do setor e no final, estão situadas à esquerda. Em cada emissor coletou-se o volume de água numa proveta, durante 5 minutos (Tabela 9). Após medir os volumes de água aplicada pelos gotejadores avaliados, calculou-se a vazão em litros por hora, dividindo-se o volume em mililitros por e pelo tempo de coleta de água (5 minutos), multiplicando o resultado por 60 (Tabela 10).

34 54 Manual do Irrigâmetro Os oito menores valores de vazão dos gotejadores (25% dos 32 avaliados) são: 1,75; 1,77; 1,77; 1,80; 1,81; 1,84; 1,87 e 1,87 L/h, cuja média é 1,81 L/h ( q ). A média dos 32 valores de vazão é 1,97 L/h. Aplicando-se os valores médios na equação para cálculo da uniformidade de emissão, tem-se: Figura 24. Posição dos oito gotejadores nas quatro linhas laterais avaliadas. 1,81 UE = x100 = 92,05% 1,97 O sistema de irrigação por gotejamento opera adequadamente, uma vez que o valor de uniformidade de emissão é superior a 90%.

35 Seleção do Irrigâmetro 55 A intensidade de aplicação de água é calculada dividindo-se a vazão média do emissor (1,97 L/h) pelos valores dos espaçamentos entre os gotejadores na linha lateral (0,5 m) e entre as linhas laterais (4 m). Ia = Q E E x E LL 1,97 Ia = = 0,985 mm/h 0,5 x 4 O valor encontrado foi 0,985 mm/h. Portanto, a Régua Temporal que deve equipar o Irrigâmetro é a 1 (Tabela 1). Tabela 9. Volumes de água, em mililitros, coletados durante cinco minutos em 32 emissores de quatro linhas laterais de um sistema de irrigação por gotejamento. Posição do gotejador na linha lateral Posição do par das linhas laterais avaliadas no setor

36 56 Manual do Irrigâmetro Tabela 10. Vazão, em L/h, dos 32 gotejadores utilizados na avaliação do sistema de irrigação por gotejamento. Posição do gotejador na linha lateral Posição do par das linhas laterais avaliadas no setor ,30 2,25 2,05 2, ,22 2,15 1,93 1, ,15 2,00 1,92 1, ,09 1,98 1,95 1, ,06 1,88 1,90 1, ,06 1,88 1,88 1, ,00 1,80 1,77 1, ,95 1,77 1,84 1,75 Exemplo 12. Um agricultor possui uma área irrigada por aspersão convencional no município de Janaúba, MG, a qual está sendo cultivada com algodão. Foi feita uma avaliação da intensidade líquida de aplicação de água dos aspersores do sistema de irrigação, obtendo-se 8,9 mm/h. Na área foram retiradas amostras de solo para sua caracterização físico-hídrica, obtendo-se os seguintes valores: Capacidade de campo (Cc) = 32 % em peso. Ponto de murcha permanente (Pm) = 19,8 % em peso. Densidade do solo (Ds) = 1,33 g/cm 3.

37 Seleção do Irrigâmetro 57 Quais os modelos de Régua de Manejo e de Régua Temporal que devem equipar o Irrigâmetro para atender esta situação? Seleção da Régua de Manejo: a cultura do algodão é classificada como pouco sensível ao déficit hídrico (CPS) para fins de uso do Irrigâmetro, de acordo com a Tabela 3. A disponibilidade total de água no solo (DTA) é calculada aplicando-se a seguinte equação: (Cc - Pm) DTA = 10 (32-19,8) DTA = 10 DTA =1,62 mm/cm x Ds x 1,33 Para fins de seleção da Régua de Manejo, o valor de DTA deve ser expresso com uma casa decimal. Sendo assim, o modelo da régua é CPS 1.6 (Tabela 4). Seleção da Régua Temporal: como o valor da intensidade líquida de aplicação de água dos aspersores do sistema de irrigação foi 8,9 mm/h, o Irrigâmetro deve ser equipado com a Régua Temporal 9 (Tabela 1). Seleção da Régua Percentual O código numérico da Régua Percentual corresponde ao valor da lâmina líquida aplicada pelo equipamento de irrigação (L L ) quando este está operando na velocidade percentual de 100%. A lâmina líquida é menor que a de

38 58 Manual do Irrigâmetro projeto em razão das perdas de água que ocorrem por evaporação e por deriva pelo vento e seu valor deve ser determinado em campo. Exemplo 13. Para avaliar um sistema de irrigação por pivô central, com velocidade de deslocamento de 100%, foram distribuídos em um raio do círculo molhado (Figura 25) 67 coletores espaçados de 6 m, de acordo com a Figura 26. Figura 25. Marcação da posição e colocação dos coletores ao longo de um raio do círculo de molhamento de um pivô central. Os coletores foram identificados do centro para a periferia do pivô central (Figura 26), sendo Ni o número do coletor (coluna 1 da Tabela 11).

39 Seleção do Irrigâmetro 59 Figura 26. Posição dos coletores dispostos em um raio do círculo de molhamento de um pivô central. Após o pivô central aplicar água sobre a linha de coletores (Figura 27), as lâminas (Li) foram medidas em milímetros (coluna 2 da Tabela 11).

40 60 Manual do Irrigâmetro Figura 27. Passagem do pivô central sobre a linha de coletores. Posteriormente calculou-se a lâmina ponderada (Lp - coluna 3 da Tabela 11) multiplicando-se o número de ordem do coletor (Ni) pela respectiva lâmina (Li), ou seja, Lp = Ni x Li. Em seguida calculou-se a lâmina média ponderada (Lm) dividindo-se a soma de todos os valores da lâmina ponderada pela soma do número de ordem dos coletores, ou seja:

41 Seleção do Irrigâmetro 61 Tabela 11. Número de ordem do coletor (N i ), lâmina coletada (L i ), lâmina ponderada (Lp) e desvio L, em valor absoluto, num teste de i L m avaliação de um pivô central. N i L i Lp i Li Lm (1) (2) (3) (4) 1 3,6 3,6 0,12 2 3,9 7,8 0,42 3 3,1 9,3 0,38 4 2,6 10,4 0,88 5 3,4 17,0 0,08 6 3,7 22,2 0,22 7 3,2 22,4 0,28 8 3,2 25,6 0,28 9 2,9 26,1 0, ,0 30,0 0, ,8 30,8 0, ,9 34,8 0, ,7 35,1 0, ,5 49,0 0, ,4 51,0 0, ,8 60,8 0, ,5 59,5 0, ,0 54,0 0, ,2 60,8 0, ,3 66,0 0, ,5 73,5 0, ,2 70,4 0, ,8 87,4 0, ,7 88,8 0, ,6 90,0 0,12

42 62 Manual do Irrigâmetro 26 3,6 93,6 0, ,1 110,7 0, ,1 114,8 0, ,6 104,4 0, ,8 114,0 0, ,0 124,0 0, ,5 112,0 0, ,5 115,5 0, ,5 119,0 0, ,0 140,0 0, ,4 122,4 0, ,5 129,5 0, ,3 125,4 0, ,1 120,9 0, ,5 140,0 0, ,0 123,0 0, ,4 142,8 0, ,0 129,0 0, ,6 114,4 0, ,4 153,0 0, ,5 161,0 0, ,6 169,2 0, ,2 153,6 0, ,5 220,5 1, ,0 150,0 0, ,1 158,1 0, ,0 208,0 0, ,0 159,0 0, ,7 199,8 0, ,2 176,0 0, ,5 196,0 0, ,9 222,3 0, ,0 232,0 0,52

43 Seleção do Irrigâmetro ,0 177,0 0, ,3 258,0 0, ,0 183,0 0, ,6 223,2 0, ,0 189,0 0, ,0 192,0 0, ,6 234,0 0, ,5 99,0 1, ,4 428,8 2,92 Soma=2.278 Soma=7.924,2 Soma=26,32 Lm = n Lp i=1 n N i=1 i i n O termo Lp i é a soma dos valores da coluna 3 da i=1 Tabela 11, ou seja: 67 Lp i = 3,6 + 7,8 + 9, ,8 = 7.924,2 i=1 O termo N n i é a soma dos valores da coluna 1 da i=1 Tabela 11, ou seja: 67 N i = = i=1 Assim, a lâmina média ponderada (Lm) é igual a:

44 64 Manual do Irrigâmetro 67 Lp i=1 Lm = 67 N i=1 i i 7.924,2 = = 3,48mm A uniformidade de aplicação de água do pivô central é calculada aplicando-se a seguinte equação: n Li - L i=1 CUC =100 1 N Lm n m O termo Li - Lm é a soma dos desvios, em valor i=1 absoluto, entre cada lâmina L i (coluna 2 da Tabela 11) e o valor calculado de Lm (3,48 mm). 67 L i=1 - L = 3,6-3,48 + 3,9-3, ,5-3,48 i m + 6,4-3,48 Todos os valores dos desvios absolutos estão apresentados na coluna 4 da Tabela 11 e a sua soma é: 67 Li - Lm = 0,12 + 0, ,98 + 2,92 = 26,32 i=1 Todos os desvios estão apresentados na coluna 4 da Tabela 11. Assim o valor do coeficiente de uniformidade de Christiansen (CUC) do pivô central avaliado é:

45 Seleção do Irrigâmetro 65 26,32 CUC = = 88,7% 67 x 3,48 Neste caso, observa-se que o pivô central opera adequadamente, uma vez que o valor do coeficiente de uniformidade de Christiansen é superior a 80%. No entanto, mesmo tendo sido feita uma vistoria preliminar das condições de funcionamento do pivô central deve-se vistoriar novamente os aspersores e respectivas válvulas reguladoras de pressão que se encontram no final do equipamento, uma vez que o coletor de ordem 66 apresentou um valor de lâmina baixo (1,5 mm) e o de ordem 67, um valor elevado (6,4 mm). Uma vez constatado que o pivô central está operando em boas condições (CUC > 80%) e que a lâmina média coletada foi igual a 3,48 mm, deve-se equipar o Irrigâmetro com a Régua Percentual 3.5/100 (Tabela 2). No caso de irrigação de cultura com alto valor econômico, como em olerícolas, é conveniente calcular a lâmina líquida, para fins de indicação da Régua Percentual do Irrigâmetro, multiplicando-se a lâmina média coletada pelo valor do CUC, em decimal, e posteriormente, selecionar essa régua com base no valor da lâmina líquida.

46 66 Manual do Irrigâmetro

Operação do Irrigâmetro

Operação do Irrigâmetro Capítulo 4 Operação do Irrigâmetro Preparação da água de abastecimento Adicionar cinco litros de água filtrada em um balde e acrescentar apenas uma pitada de sulfato de cobre, misturando o suficiente para

Leia mais

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I CCA 039 - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Centro/Setor: Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas Núcleo de Engenharia de Água e Solo NEAS Professores: Prof. Dr. Vital Pedro

Leia mais

Por que estudar uniformidade de aplicação da água?

Por que estudar uniformidade de aplicação da água? Por que estudar uniformidade de aplicação da água? Uma baixa uniformidade de distribuição da água do sistema de irrigação e no solo ocasiona desuniformidade de crescimento do cultivo e queda da produção

Leia mais

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada

Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada São Mateus, ES 02 de setembro de 2016 Otimização do Uso da Água na Agricultura Irrigada Prof. Ds. Robson Bonomo Programa de Pós-graduação em Agricultura Tropical Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

Registro do histórico das irrigações. O uso diário do Irrigâmetro não requer cálculo ou. Capítulo

Registro do histórico das irrigações. O uso diário do Irrigâmetro não requer cálculo ou. Capítulo Capítulo 5 Registro do histórico das irrigações O uso diário do Irrigâmetro não requer cálculo ou tabela. No entanto, se houver o interesse do irrigante em registrar o manejo da irrigação ao longo do ciclo

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO ASPERSÃO Convencionais Mecanizados MICROIRRIGAÇÃO Gotejamento Microaspersão SUPERFÍCIE Sulcos Faixas Inundação QUAL O MELHOR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO? Não existe um único sistema de

Leia mais

Dimensionar um projeto de irrigação por aspersão para as seguintes condições:

Dimensionar um projeto de irrigação por aspersão para as seguintes condições: Departamento de Engenharia Rural - ESALQ/USP LER 1571 Irrigação Prof. Marcos V. Folegatti Projeto de um sistema de irrigação por ASPERSÃO Dimensionar um projeto de irrigação por aspersão para as seguintes

Leia mais

INTRODUÇÃO Bacia hidrográfica do Tietê - Paraná

INTRODUÇÃO Bacia hidrográfica do Tietê - Paraná Centro Universitário do Triângulo O sistema de irrigação por aspersão é o mais utilizado no Brasil IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO 20 mil pivôs centrais 1,275 milhões de hectares de pivô 100 maiores municípios

Leia mais

Relações da água no Sistema Solo-Planta-Atmosfera LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

Relações da água no Sistema Solo-Planta-Atmosfera LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA IRRIGAÇÃO Relações da água no Sistema Solo-Planta-Atmosfera LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO Antenor de Oliveira de Aguiar Netto Introdução A quantidade

Leia mais

22/2/2012. Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar. Introdução. Coeficiente de esgotamento (f)

22/2/2012. Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar. Introdução. Coeficiente de esgotamento (f) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Aula 8: Projeto Agronômico Disciplina: Irrigação e drenagem Prof.: Marcos Eric Barbosa Brito Introdução Necessidade

Leia mais

Registro do histórico das irrigações 133

Registro do histórico das irrigações 133 Registro do histórico das irrigações 133 Exemplo 21. Um agricultor do município de São Gotardo, MG, está cultivando cenoura irrigada por pivô central, em um quadrante com área de 13,5 hectares. O solo

Leia mais

Avaliação da eficiência do sistema de pivô central e sua uniformidade de aplicação de lâmina d água

Avaliação da eficiência do sistema de pivô central e sua uniformidade de aplicação de lâmina d água Avaliação da eficiência do sistema de pivô central e sua uniformidade de aplicação de lâmina d água Tiago PARCA¹, ²; José CORDEIRO NETO¹, ²; Diorge de OLIVEIRA¹; Flávio GODINHO³ ¹Estudante de Agronomia.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 8 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 8 ROTEIRO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 0472 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 8 ROTEIRO Tópicos da aula: )

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMA SEMI-FIXO DE ASPERSÃO ESPAÇADO DE 15 EM 15 METROS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DE SISTEMA SEMI-FIXO DE ASPERSÃO ESPAÇADO DE 15 EM 15 METROS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DE SISTEMA SEMI-FIXO DE ASPERSÃO ESPAÇADO DE 15 EM 15 METROS NO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO V. D. B. ARAUJO 1, G. BARROS JUNIOR², D. V. LOPES³, J. de O. ALVES³, M. das G. R. SÁ³, R. T. de S. DUQUE

Leia mais

Uniformidade de irrigação em microaspersor operando abaixo da pressão de serviço em diferentes simulações de espaçamentos

Uniformidade de irrigação em microaspersor operando abaixo da pressão de serviço em diferentes simulações de espaçamentos Resumo A avaliação da uniformidade de distribuição de um sistema de irrigação deveria ser um elemento imprescindível ao projeto e manejo da irrigação. Alguns dados de caracterização hidráulica são normalmente

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS LSO 310 - Física do Solo DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Prof. Miguel Cooper Prof. Jairo Antonio Mazza RELAÇÃO ENTRE A MASSA SÓLIDA E O VOLUME TOTAL (VOLUME DOS SÓLIDOS + VOLUME POROSO) DENSIDADE

Leia mais

UNIFORMIDADE DEDISTRIBUIÇAO DO PERFIL DE APLICAÇÃO PARA MICROASPERSORES

UNIFORMIDADE DEDISTRIBUIÇAO DO PERFIL DE APLICAÇÃO PARA MICROASPERSORES UNIFORMIDADE DEDISTRIBUIÇAO DO PERFIL DE APLICAÇÃO PARA MICROASPERSORES R. C. NASCIMENTO 1, P. R. F. MEDEIROS 2, E. C. P. V. A. TELES 3, G. S. SANTOS 3, D. R. GONÇALVES 3 RESUMO: O objetivo deste trabalho

Leia mais

Var. Mar. Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de sólidos Vv = volume de poros (vazios) = Var + Va

Var. Mar. Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de sólidos Vv = volume de poros (vazios) = Var + Va RELAÇÕES ÁGUA-SOLO SOLO-PLANTA 1. Relação massa volume dos constituintes do solo. Var Mar Vv Vt Va Ma Mt Vs Ms Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO PARA FINS PAISAGÍSTICOS

AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO PARA FINS PAISAGÍSTICOS AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO PARA FINS PAISAGÍSTICOS João Paulo Barreto Cunha 1 ; Michael Silveira Thebaldi 2 ; Marco Sathler da Rocha

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s

IRRIGAÇÃO POR SULCOS Pa P t a r t i r c i ia i A n A g n é g li l c i a c A l A v l e v s s Ma M rq r u q e u s IRRIGAÇÃO POR SULCOS Patricia Angélica Alves Marques 1. DEFINIÇÃO A irrigação por sulcos é um método que consiste na distribuição de água através de pequenos canais (os sulcos), paralelos às fileiras de

Leia mais

Capítulo VIII Irrigação

Capítulo VIII Irrigação Capítulo VIII Irrigação Eugênio Ferreira Coelho Édio Luiz da Costa Antônio Heriberto de Castro Teixeira Em qualquer região do Brasil há riscos de ocorrência de déficit de água no solo nos períodos secos,

Leia mais

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo.

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo. 7 POTENCIAIS DE ÁGUA NO SOLO Potencial de água no solo define o estado de energia em que a água se encontra no solo em relação a um potencial padrão Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições

Leia mais

Centro de Ciências Agrárias Dom Pedrito Curso de Zootecnia. Forrageiras II. Irrigação

Centro de Ciências Agrárias Dom Pedrito Curso de Zootecnia. Forrageiras II. Irrigação Centro de Ciências Agrárias Dom Pedrito Curso de Zootecnia Forrageiras II Irrigação Prof. José Acélio Fontoura Júnior acelio.fontoura@unipampa.edu.br Irrigação é uma técnica utilizada na agricultura que

Leia mais

Componentes do Irrigâmetro

Componentes do Irrigâmetro Capítulo 1 Componentes do Irrigâmetro O Irrigâmetro é composto pela associação de um evaporímetro com um pluviômetro (Figura 1), descritos a seguir. Evaporímetro O Evaporímetro é constituído pelos seguintes

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS Jarbas Honorio de Miranda 1 Manoel Alves de Faria 1 Giuliano da Silva Igarashi 2 1 O que é Irrigação Localizada? A irrigação localizada nada

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA

MANEJO DA IRRIGAÇÃO MANEJO DA MANEJO DA IRRIGAÇÃO Prof o Dr. Marcos Vinícius Folegatti LER 1571 Irrigação EVAPOTRANSPIRAÇÃO E O MANEJO DA IRRIGAÇÃO ETP, ETo & ETR Penman Monteith (FAO56) Tanque Classe A Thornthwaite Camargo Hangreves

Leia mais

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão

parâmetros de cálculo 4. Velocidade 5. Vazão parâmetros de cálculo 4. Velocidade Velocidade é distância percorrida por unidade de tempo. A unidade usual é m/s. Uma maneira de entender a velocidade da água na tubulação é imaginar uma partícula de

Leia mais

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA 1 ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS PLANTAS MOVIMENTO DA ÁGUA DO SOLO PARA A ATMOSFERA ATRAVÉS DA PLANTA COMPOSIÇÃO DO SOLO SOLO material poroso, constituído de três fases: Sólida

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Gotejamento Microaspersão Área irrigada no Brasil por sistemas localizados 350.000 ha IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA SOB DIFERENTES VAZÕES E COMPRIMENTO DE MICROTUBOS Janielle Lima Fernandes 1, Monikuelly Mourato Pereira 2, Gerlange Soares da Silva 3, Gean Duarte da Silva

Leia mais

DISPONIBILIDE DE ÁGUA NO PLANETA

DISPONIBILIDE DE ÁGUA NO PLANETA DISPONIBILIDE DE ÁGUA NO PLANETA ¾ do planeta terra é água 3/4/2008 DISPONIBILIDE DE ÁGUA NO PLANETA UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO O Brasil possui 13,7% da água doce do planeta. x 80% das águas brasileiras

Leia mais

Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo

Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo Presidente da SEEA Sociedade Espiritossantense de Engenheiros Agrônomos Sumario Crise hídrica Vilões

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas NEAS - Núcleo de Engenharia de Água e Solo Campus Universitário de Cruz das Almas, Bahia Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

Dispositivos de autolimpeza

Dispositivos de autolimpeza Capitulo 7 Dispositivos de autolimpeza A água quando percola por uma fratura de uma rocha se expande ao se congelar gerando uma pressão de 207.000 kpa (30.000 psi) suficiente para romper a mais dura das

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE MICROASPERSORES NOVOS E USADOS

AVALIAÇÃO DA UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE MICROASPERSORES NOVOS E USADOS AVALIAÇÃO DA UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE MICROASPERSORES NOVOS E USADOS Márcio Mesquita 1,5 ; Kady Salomão Espindola Bessa 2,5 ; Delvio Sandri 3,5 ; Lazaro Carlos Roberto Assis Prado 4,5 1

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PROJETO DE IRRIGAÇÃO POR SULCO CONVENCIONAL (SEM REDUÇÃO DE VAZÃO OU REÚSO) Titico de Souza

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PROJETO DE IRRIGAÇÃO POR SULCO CONVENCIONAL (SEM REDUÇÃO DE VAZÃO OU REÚSO) Titico de Souza PROCEDIMENTO DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PROJETO DE IRRIGAÇÃO POR SULCO CONVENCIONAL (SEM REDUÇÃO DE VAZÃO OU REÚSO) Titico de Souza DADOS NECESSÁRIOS Infiltração - primeira irrigação: a, k, f o

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

Irrigação de Fruteiras

Irrigação de Fruteiras Fruticultura Geral Irrigação de Fruteiras Alessandra Alves Rodrigues DCR / FAPESQ / CNPq Prof a Railene Hérica Carlos Rocha UAGRA / CCTA / UFCG Introdução Definição de irrigação: é a aplicação artificial

Leia mais

Técnicas de determinação das características de infiltração

Técnicas de determinação das características de infiltração UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA CURSO DE MESTRADO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Disciplina: AD 732 - Irrigação por superfície Professor: Raimundo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VAZÃO E UNIFORMIDADE DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO

AVALIAÇÃO DA VAZÃO E UNIFORMIDADE DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO AVALIAÇÃO DA VAZÃO E UNIFORMIDADE DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO S. Silva 1 ; M. A. L. Santos 1 ; P. L. V. S. Sarmento 1 ; R. A. S. Lima 1 ; L. A. Sá1, G. B. Lyra 2 RESUMO: O trabalho foi realizado

Leia mais

Hidráulica de linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de linhas pressurizadas Dimensionamento da Tubulação Consiste em: Dimensionar o valor do diâmetro comercial. Critérios: Velocidade média permitida ao longo da linha; Valores de perdas de carga

Leia mais

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo.

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Irrigação pode ser definida como sendo a aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade adequada ao desenvolvimento normal das plantas

Leia mais

IT AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires -

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires - Produção de Folhosas sem desperdício de água Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento Regina Célia de Matos Pires - IAC Campinas, 10 agosto de 2016 Economia de água - importância População mundial

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014

Universidade Tecnológica Federal do Paraná. CC54Z - Hidrologia. Evaporação e evapotranspiração. Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Evaporação e evapotranspiração Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir os conceitos básicos da evaporação e evapotranspiração

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECAPTULAÇÃO DOS CONTEÚDOS

LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECAPTULAÇÃO DOS CONTEÚDOS Curso : Engenharia civil Disciplina: Fenômeno dos transportes Professor(a): Nome do(s) Aluno(a)(s): LISTA DE EXERCÍCIOS PARA RECAPTULAÇÃO DOS CONTEÚDOS Período Letivo: 2014.2 Unidade: I Nota: Semestre:

Leia mais

HIDROMET RIA ORIFÍCIOS E BOCAIS

HIDROMET RIA ORIFÍCIOS E BOCAIS HIDROMET RIA ORIFÍCIOS E BOCAIS MEDIÇÃO DAS VAZÕES: MÉTODO DIRETO Vazão ( Q ) = Volume Tempo ( v ) ( T ) O volume v pode ser dado em litros ou metros cúbicos e o tempo T em minutos ou segundos, dependendo

Leia mais

Uniformidade de Irrigação por Microaspersão sob Condição de Cobertura Morta e Doses De Água na Cultura do Coqueiro Anão

Uniformidade de Irrigação por Microaspersão sob Condição de Cobertura Morta e Doses De Água na Cultura do Coqueiro Anão IV Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 54 Uniformidade de Irrigação por Microaspersão sob Condição de Cobertura Morta e Doses De Água na Cultura do Coqueiro

Leia mais

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Profª. Priscila Pini

HIDROLOGIA AULA semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO. Profª. Priscila Pini HIDROLOGIA AULA 08 5 semestre - Engenharia Civil EVAPOTRANSPIRAÇÃO Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br CONCEITOS Retorno da água precipitada para a atmosfera, fechando o ciclo hidrológico.

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS LSO 310 - Física do Solo DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Prof. Rafael Otto Prof. Miguel Cooper Prof. Jairo Antonio Mazza RELAÇÃO ENTRE A MASSA SÓLIDA E O VOLUME TOTAL (VOLUME DOS SÓLIDOS +

Leia mais

Um simples teste de campo para avaliação da capacidade de infiltração e comportamento hidrodinâmico de horizontes pedológicos superficiais 1

Um simples teste de campo para avaliação da capacidade de infiltração e comportamento hidrodinâmico de horizontes pedológicos superficiais 1 Um simples teste de campo para avaliação da capacidade de infiltração e comportamento hidrodinâmico de horizontes pedológicos superficiais 1 Pedro Luiz de Freitas 2 Para realizar um bom diagnóstico do

Leia mais

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013

Décima aula de FT. Segundo semestre de 2013 Décima aula de FT Segundo semestre de 2013 Vamos eliminar a hipótese do fluido ideal! Por que? Simplesmente porque não existem fluidos sem viscosidade e para mostrar que isto elimina uma situação impossível,

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

Planejamento e Manejo da água na Agricultura Irrigada

Planejamento e Manejo da água na Agricultura Irrigada Universidad Nacional Del Litoral 17 a 21 de outubro de 2011 Esperanza/Santa Fe Planejamento e Manejo da água na Agricultura Irrigada Daniel Fonseca de Carvalho Prof. Associado III Departamento de Engenharia

Leia mais

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular

Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular Lista de Exercícios Perda de Carga Localizada e Perda de Carga Singular 1. (Petrobrás/2010) Um oleoduto com 6 km de comprimento e diâmetro uniforme opera com um gradiente de pressão de 40 Pa/m transportando

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas NEAS - Núcleo de Engenharia de Água e Solo Campus Universitário de Cruz das Almas, Bahia Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE.

MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. MEMORIAL REFERENTE AO PROJETO AO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO NA PROMOTORIA DO ESTADO - MT EM PRIMAVERA DO LESTE. PRIMAVERA DO LESTE-MT ABRIL DE 2014. 1 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO...

Leia mais

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação

Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Sistemas de Filtragem e Fertirrigação Irrigação Localizada Filtros uma medida eficaz na redução de bloqueios físicos dos emissores; escolha dos filtros deve ser realizada de acordo com o tipo de emissor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Adução de Água DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Adução Adutoras são canalizações dos sistemas

Leia mais

Tensões no Solo Exercícios

Tensões no Solo Exercícios Tensões no Solo Exercícios 1. Dado o perfil geotécnico abaixo, calcule: a) as tensões devidas ao peso próprio do solo σ e σ e as pressões neutras; ( ) V V b) adotando o valor de k 0 = 0,5 para todas as

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 4 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 4 ROTEIRO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB047 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 4 ROTEIRO Tópicos da aula 4: )

Leia mais

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e

Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento. 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e Lista de exercícios- Hidráulica I Conceitos- Vazão, movimento e regime de escoamento 1) Determine o regime de escoamento sabendo que o tubo tem um diâmetro de 75 mm e transporta água (ν=10 6 m 2 /s) com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS

DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Nome: unesp DEPARTAMENTO DE ENERGIA LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS Turma: Conservação da Massa e Quantidade de Movimento 1 - OBJETIVO Os principais objetivos desta aula prática é aplicar as equações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 3 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 3 ROTEIRO 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 047 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 3 ROTEIRO Tópicos da aula 3:

Leia mais

Irrigação. Irrigação. Escoamento ou gravidade 09/03/2011. Infiltração, utilizando canais abertos entre fileiras de plantas

Irrigação. Irrigação. Escoamento ou gravidade 09/03/2011. Infiltração, utilizando canais abertos entre fileiras de plantas Irrigação Irrigação Prof. Luciane Costa de Oliveira Fonte: Eng. Agrônomo Lucas de Paula Mera É uma técnica utilizada na agricultura que tem por objetivo o fornecimento controlado de água para as plantas

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 18 Exercícios Complementares. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 18 Exercícios Complementares Tópicos Abordados Nesta Aula. Exercícios Complementares. 1) A massa específica de uma determinada substância é igual a 900kg/m³, determine o volume ocupado por uma massa

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS Questão 1- Uma amostra de solo foi coletada em campo. Verificou-se que a amostra, juntamente com seu recipiente, pesavam 120,45g. Após permanecer

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas

LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas LISTA DE EXERCÍCIOS Máquinas Hidráulicas 1- Água escoa em uma tubulação de 50 mm de diâmetro a uma vazão de 5 L/s. Determine o número de Reynolds nestas condições, informe se o escoamento é laminar ou

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM. Prof. Fernando Campos Mendonça. Aula 11 Drenagem Subterrânea Hidrologia e Drenagem Aula 11 Drenagem Subterrânea 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Aula 11 Drenagem Subterrânea

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 7 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 7 ROTEIRO 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 0472 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 7 ROTEIRO Tópicos da aula:

Leia mais

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d João Paulo Chaves Couto 1, Antônio Ramos Cavalcante 1, Neilon Duarte da Silva 1, Tatyana Keyty de Souza Borges 2 Resumo: A uniformidade de aplicação

Leia mais

ÁGUAS PLUVIAIS INSTALAÇÕES HIDROSANITARIAS

ÁGUAS PLUVIAIS INSTALAÇÕES HIDROSANITARIAS ÁGUAS PLUVIAIS INSTALAÇÕES HIDROSANITARIAS Introdução A água da chuva é um dos elementos mais danosos à durabilidade e boa aparência das construções. As coberturas das edificações destinam-se a impedir

Leia mais

Planejamento e Manejo da Água na Agricultura Irrigada 17 a 21 de outubro de 2011 UNL (Esperanza/Santa Fe) 3 Necessidade hídrica dos cultivos

Planejamento e Manejo da Água na Agricultura Irrigada 17 a 21 de outubro de 2011 UNL (Esperanza/Santa Fe) 3 Necessidade hídrica dos cultivos 3 Necessidade hídrica dos cultivos 3.1 Introdução à Evapotranspiração dos cultivos ETc ETo arquitetura da planta resistência aerodinâmica Essas diferenças estão incorporadas no coeficiente de cultura (kc)

Leia mais

SOLO. Matéria orgânica. Análise Granulométrica

SOLO. Matéria orgânica. Análise Granulométrica SOLO ph Matéria orgânica Análise Granulométrica Disponibilidade dos nutrientes em função do ph Os nutrientes necessários aos vegetais são divididos em duas categorias: Macronutrientes - N, P, K, Ca, Mg,

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE IRRIGAÇÃO Francisco Fernandes da Costa Eng o. Agr o, M.Sc. em Irrigação e Drenagem; Projetar Irrigação LTDA, Av. Monsenhor Ângelo Sampaio, 56302-290, Petrolina-PE, fone (87) 3864.4010. E-mail:

Leia mais

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME RELAÇÕES MASSA/ VOLUME Atributos físicos e químicos do solo -Aula 7- Prof. Alexandre Paiva da Silva DENSIDADE DO SOLO 1 Introdução Porque uma amostra de solo de mata ou de um horizonte superior é mais

Leia mais

Engenharia Ambiental Laboratório de Física II. Irrigador Solar. Pedro Collado Ulisses Rodrigues Lucas Netto Marcelo Sampaio Leme Pedro Ferrari

Engenharia Ambiental Laboratório de Física II. Irrigador Solar. Pedro Collado Ulisses Rodrigues Lucas Netto Marcelo Sampaio Leme Pedro Ferrari Engenharia Ambiental Laboratório de Física II Irrigador Solar Pedro Collado Ulisses Rodrigues Lucas Netto Marcelo Sampaio Leme Pedro Ferrari Sorocaba/2016 1. Objetivos Construir um regador a luz solar,

Leia mais

Saneamento Ambiental I

Saneamento Ambiental I Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 23 O Sistema de Esgoto Sanitário: dimensionamento Profª Heloise G. Knapik 1 EXERCÍCIO ESTIMATIVA DE VAZÕES E CARGA DE ESGOTO

Leia mais

Irrigação. Cultivo do Milho. Métodos de Irrigação

Irrigação. Cultivo do Milho. Métodos de Irrigação Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO

DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO DETERMINAÇÃO DO CONTEÚDO DE ÁGUA DE SOLO PELO MÉTODO DA FRIGIDEIRA EM UM LATOSSOLO VERMELHO ESCURO Márcio Rodrigues TAVEIRA 1; Mário dos SANTOS 2 ; Antonio Clarette Santiago TAVARES 3, José ALVES Jr. 4,

Leia mais

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE IRRIGAÇÃO VIA ASPERSÃO EM ESPAÇEMENTO TRIANGULAR

UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE IRRIGAÇÃO VIA ASPERSÃO EM ESPAÇEMENTO TRIANGULAR UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE IRRIGAÇÃO VIA ASPERSÃO EM ESPAÇEMENTO TRIANGULAR M. A. L. Santos 1 ; S. Silva 1 ; P. L. V. S. Sarmento 1 ; A. E. Q. Rocha 1 ; R. A. S. Lima 1 ; I. Teodoro 2 RESUMO: O presente

Leia mais

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO ENTERRADO EM PAISAGISMO.

IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO ENTERRADO EM PAISAGISMO. IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO ENTERRADO EM PAISAGISMO. A Irrigação por gotejamento enterrado é reconhecido como um método eficiente e perfeito para arbustos, plantas e gramados. No entanto, durante anos houve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Decantação DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito São unidades

Leia mais

Capítulo 68 Trash rack

Capítulo 68 Trash rack Capítulo 68 Trash rack 68-1 Capítulo 68- Trash rack 68.1 Introdução Sempre temos a possibilidade de entupimento de entrada de orifícios causados por lixo e resíduos e para isto precisamos de grades de

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos

FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos FUNDAMENTAÇÃO HIDROMECÂNICA Princípios Básicos Sistemas Hidráulicos podem ser descritos por leis que regem o comportamento de fluidos confinados em: regime permanente (repouso) invariante no tempo; regime

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1 INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA - DADOS PARA PROJETO 1. Consumo Predial Para fins de cálculo do consumo diário, não havendo outras indicações, deve-se considerar as seguintes taxas de consumo (extraído

Leia mais

Capítulo 9 Orifício e vertedor e curva cota-volume Nunca podemos alcançar a verdade, só podemos conjecturar Karl Popper

Capítulo 9 Orifício e vertedor e curva cota-volume Nunca podemos alcançar a verdade, só podemos conjecturar Karl Popper Cálculos hidrológicos e hidráulicos 179 para obras municipais Capítulo 9 Orifício e vertedor e curva cota-volume Nunca podemos alcançar a verdade, só podemos conjecturar Karl Popper 9-179 Cálculos hidrológicos

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado

Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias Mestradoe Doutorado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas NEAS - Núcleo de Engenharia de Água e Solo Campus Universitário de Cruz das Almas, Bahia Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MECÂNICAS DOS FLUIDOS PROFESSOR: WAGNER A. S. CONCEIÇÃO 3º BIMESTRE LISTA 1

MECÂNICAS DOS FLUIDOS PROFESSOR: WAGNER A. S. CONCEIÇÃO 3º BIMESTRE LISTA 1 MECÂNICAS DOS FLUIDOS PROFESSOR: WAGNER A. S. CONCEIÇÃO 3º BIMESTRE LISTA 1 1- Um fluido a 20ºC escoa a 850cm 3 /s por um tubo de 8 cm de diâmetro. Verifique se o escoamento é laminar ou turbulento, determine

Leia mais

1 de 5 21/10/2010 14:28 Pré-visualização do trabalho Código do trabalho 68 CRESCIMENTO DA GRAMA BERMUDA (CYNODON DACTYLON) SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO LEONARDO DE ANDRADE MOREIRA 1 ANTONIO CARLOS

Leia mais

MANEJO AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO

MANEJO AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UFC MANEJO AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO ADUNIAS DOS SANTOS TEIXEIRA adunias@ufc.br INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO: CONCEITOS SENSORES ATUADORES CONTROLE MALHA ABERTA MALHA FECHADA ALGORITMOS DE CONTROLE SENSORES TENSIÔMETRO

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais