Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrumentos Financeiros Derivativos. Gerenciamento e Controle"

Transcrição

1 Instrumentos Financeiros Derivativos Gerenciamento e Controle

2 Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos Financeiros Derivativos Conceito; Apreçamento. Gerenciamento de Riscos Conceito; Descasamento de Operações; Derivativos; Hedge/ Estratégias; 2

3 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Títulos Moedas Derivativos Atividade Fim Gerar Lucro Posições e arbitragens Atividade Meio Gerenciar Liquidez Funding Descasamentos Preços 3

4 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Principais funções negócio e suporte Atuar nos mercados financeiros Gerenciar as posições com clientes Analisar gerencialmente o resultado (risco / retorno) Front Office / Middle Office Gerenciar a posição institucional da Instituição (*) Administrar produtos e operações Back Office Controlar e analisar a atividade de Tesouraria Riscos / Controladoria (*) Em algumas instituições a função de gerenciamento do descasamento de ativos e passivos (ALM) está posicionada fora da Tesouraria 4

5 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mesas de operação ORIGEM Orientação a Produtos TENDÊNCIA ATUAL Orientação a Riscos e Clientes CONTA PROPRIETARIA (Trading) MARKET MAKER ORIGINAÇÃO DAS VENDAS RISCOS CLIENTES 5

6 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Principais atividades Front Office Negócio Formação de Preços e Taxas (Market Maker) Negociação (Trading) Mesa de Clientes Suporte ao Negócio (Middle Office) Suporte Back Office Controladoria Gestão de Riscos Mercado Crédito Operacional 6

7 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Front Office Negócio Formação de Preços e Taxas (Market Maker) Negociação (Trading) Mesa de Clientes Principais Atividades: Acompanhar o comportamento do mercado e avaliar a oscilação de preços e taxas. Realizar a cobertura de riscos oriundos de operações realizadas pelo banco (varejo e atacado). Prover serviços a outras áreas e unidades da Instituição, facilitando a distribuição de produtos e preços de referência. Assessorar nos preços, produtos e operações aos clientes próprios (operações internas) e a outras áreas e unidades. Gerenciar a liquidez, posições institucionais e riscos da instituição. Executar as táticas e estratégias definidas pelo ALCO. 7

8 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Front Office Negócio Formação de Preços e Taxas (Market Maker) Negociação (Trading) Mesa de Clientes Principais Atividades: Acompanhar o comportamento do mercado e avaliar a oscilação de preços e taxas. Assumir posições próprias em função das expectativas de comportamento do mercado, respeitando os limites definidos pela Alta Administração e Comitês. Arbitrar, aproveitando as diferenças de taxas e câmbio nos mercados. 8

9 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Front Office Negócio Formação de Preços e Taxas (Market Maker) Negociação (Trading) Mesa de Clientes Principais Atividades: Acompanhar e demandar o desenvolvimento de produtos para atendimento às necessidades de clientes corporativos. Prover suporte ao varejo em operações com condições de volumes e taxas fora dos padrões. Desenvolvimento de mercado e negociação de operações com clientes corporativos, de acordo com os limites de crédito estabelecidos. Realizar o gerenciamento da carteira de operações com os clientes. Transferir o risco de mercado das operações com clientes para as mesas de formação de preços e mercados. 9

10 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Front Office Negócio Formação de Preços e Taxas (Market Maker) Negociação (Trading) Mesa de Clientes Suporte ao Negócio (Middle Office) Principais Atividades: Analisar o mercado e clientes para a identificação de oportunidades. Apoiar a atividades de vendas por meio da elaboração de relatórios gerenciais. Elaborar informações gerenciais sobre riscos e resultados. Participar no lançamento de novos instrumentos financeiros. Confirmar operações registradas pelas mesas de operação. Interagir com as áreas de suporte (Tecnologia, infra-estrutura, controles, etc.) para transmitir as necessidades e informações de negócio. Apoiar a área de negócio na resolução de pendências (cadastro, limites, garantias, divergências nos dados das operações, etc.). 10

11 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Suporte Back Office Controladoria Gestão de Riscos Principais Atividades: Realizar e controlar os procedimentos administrativos relacionados com a confirmação, formalização e acompanhamento de operações. Identificar e solucionar divergências de operações em relação aos dados registrados pelas mesas de operação. Conciliar a carteira com as câmaras e contrapartes. Processar os eventos operacionais relacionados às operações que compõem a carteira. Garantir o suporte administrativo e contábil das operações. Resolver e prevenir incidentes. Manter os fluxos de informação com órgãos públicos e privados. 11

12 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Suporte Back Office Controladoria Gestão de Riscos Principais Atividades: Verificar e controlar o cumprimento dos procedimentos estabelecidos. Definição de políticas e critérios financeiros de apuração de resultado. Apurar e divulgar informação oficial de resultados. Controlar e divulgar a posição oficial das carteiras. Elaboração de notas explicativas sobre o resultado. Elaborar e acompanhar o orçamento anual. Divulgar informação oficial para acompanhamento de desempenho das mesas. 12

13 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Controladoria Etapas do Processamento de Transações Operações Origem das Transações Entrada de Dados Processament o / Interfaces Emissão Relatórios Informações relevantes para divulgação Contabilização Conversão Relatórios Financeiros Confiança nos Controles Internos 13

14 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Processos de Tesouraria Suporte Back Office Controladoria Gestão de Riscos Principais Atividades: Verificar e controlar o cumprimento dos limites de risco estabelecidos pela Alta Administração. Propor metodologia e critérios de valorização para o controle de riscos. Divulgar informação de riscos. Apurar o descasamento de posições. Atender aos requisitos regulatórios referentes aos cálculos para alocação de capital. 14

15 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados Mercados organizados características Contratos padronizados. Existência de câmara de compensação com as seguintes funções: Assegurar aos operadores o exercício de seus direitos, assumindo e gerenciando o risco de contraparte; Constituição de depósitos de garantias das posições em aberto; Liquidação diária dos ganhos e perdas das posições em aberto; Liquidação dos contratos no vencimento. 15

16 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados Mercados organizados estrutura organizacional Investidores Conta Margem Agentes, Bancos intermediários Margem de Compensação Câmara de Compensação Clearing house Bolsa de Valores 16

17 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados Agentes COMPRADOR VENDEDOR OPERADOR, AGENTE ORDEM DE COMPRA ORDEM PROCESSADA ORDEM PROCESSADA OPERADOR, AGENTE ORDEM DE VENDA OPERADOR OFERTA DEMANDA EXECUÇÃO OPERADOR DADOS DA OPERAÇÃO BOLETA SISTEMA PREÇOS Câmara de Liquidação DADOS DA OPERAÇÃO 17

18 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados Mercados de balcão características Não existe um lugar determinado para negociação dos contratos, sendo estes negociados entre os próprios agentes; Não existe câmara de compensação, sendo que os riscos, desta forma, são assumidos pelas partes; É complemento do mercado organizado; Os participantes dos mercados de balcão geralmente cobrem suas posições nos mercados organizados. 18

19 Agentes COMPRADOR Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados VENDEDOR OPERADOR, AGENTE ORDEM DE COMPRA ORDEM PROCESSADA ORDEM PROCESSADA OPERADOR, AGENTE ORDEM DE VENDA Fechamento da Operação DADOS DA OPERAÇÃO Contrato / Registro DADOS DA OPERAÇÃO 19

20 Objetivos e Visão Geral da Tesouraria Mercados CARACTERÍSTICAS ORGANIZADOS BALCÃO Término do contrato Padronizados Definido pelos agentes Lugar do contrato Mercado específico Qualquer Fixação de preços Cotação aberta Negociada Flutuação de preços Relação entre partes Com limites em alguns casos Através da câmara de compensação Livre Direta Depósitos de garantia Para ambas partes Não usual Riscos de contraparte Assumido pela câmara Assumido pelas partes Acompanhamento das posições Regulação Fácil (imprensa, tv, etc..) Governo e auto regulamentação Meios especializados Não possuem Liquidez Abundante Escassa 20

21 Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos Financeiros Derivativos Conceito; Apreçamento. Gerenciamento de Riscos Conceito; Descasamento de Operações; Derivativos; Hedge/ Estratégias; 21

22 Instrumentos Financeiros Derivativos Conceito Derivativo é um instrumento financeiro: Cujo valor muda em resposta à mudança específica no ativo base, como por exemplo: taxa de juros, preço de títulos e valores mobiliários, preços de commodities, taxa de câmbio, índice de preços, rating ou índice de crédito, ou outra variável similar (por vezes chamada de subjacente - underlying ). Não requer nenhum (ou pequeno) investimento inicial. É liquidado em uma data futura. Derivativos comuns - exemplos Forwards (moedas e commodities ). Swaps (taxas de juros e moedas). Futuros (mercadorias e moedas). Opções (ações e commodities ). 22

23 Instrumentos Financeiros Derivativos Apreçamento Definição de Valor Justo O valor justo de um ativo (ou passivo) é o preço a ser recebido para vender um ativo ou o pago para transferir um passivo em uma transação ordenada entre participantes do mercado na data da avaliação. O mercado pode ser interpretado como sendo composto por todos os potenciais compradores e vendedores. O conceito supõe que o ativo em questão estará disponível ao mercado durante um período de tempo razoável, onde a razoabilidade depende das características do ativo e das condições do mercado. Ou seja, um preço não pode ser o valor justo de um ativo se sua formação foi influenciada por motivações ou fatores específicos ao comprador ou vendedor em questão, fatores estes que não são considerados por um participante típico do mercado. O conceito de valor justo é utilizado para transações que são registradas pelo valor de mercado, marcadas a mercado (MTM) e vem sendo introduzido em substituição à contabilização pelo custo histórico. 23

24 Instrumentos Financeiros Derivativos Apreçamento Definição de Marcação a Mercado O MTM de um ativo ou passivo se refere ao valor de uma posição tomada em um instrumento financeiro baseado no preço justo corrente de mercado para o respectivo instrumento ou em instrumentos semelhantes. MTM é o valor justo de um instrumento em uma data específica. Importância do MTM: Noção de que investidores modernos não estão interessados em informações passadas (ex: custo histórico) do ativo ou passivo em questão, mas sim em fluxos de caixa futuros esperados. Neste sentido, surge a necessidade de atualizações nas normas contábeis - demonstrações financeiras a custo histórico de pouco servem ao investidor em um ambiente econômico cada vez mais dinâmico. Introdução de novas normas no IFRS e CPCs. 24

25 Instrumentos Financeiros Derivativos Apreçamento Formas de Cálculo do MTM O registro de instrumentos financeiros pelo valor justo é uma tendência que permanente na contabilidade. Surge então a pergunta: como se calcula o valor justo? As normas contábeis determinam que o valor justo de um instrumento financeiro deve ser determinado a partir da seguinte hierarquia: Nível I O instrumento tem um mercado ativo e observável (por exemplo ações cotadas em bolsa). O valor justo seria o valor disponível no mercado. Nível II O valor justo é obtido por meio de informações disponíveis no mercado. Nível III Quando são efetuados cálculos, assumindo premissas que não estão disponíveis (por exemplo, a avaliação de uma companhia fechada com base em seus fluxos de caixa descontados). 25

26 Formas de Cálculo do MTM (cont.) Swaps, Forwards e Futuros: Instrumentos Financeiros Derivativos Apreçamento Nível I Observação das cotações de mercado. Nível II Avaliação através de fluxos de caixa descontados a partir de curvas futuras de mercado divulgadas. Nível III Utilização de metodologias de apreçamento, como simulação de Monte Carlo, por exemplo. Opções: Nível I Observação dos preços negociados em bolsa. Níveis II e III Utilização de metodologias de apreçamento, tais como: Black, Scholes e Merton (1973); Método Binomial de Cox, Ross e Rubinstein (1979); 26 Simulação de Monte Carlo (recomendado para opções exóticas).

27 Agenda Objetivos e Visão Geral da Tesouraria; Principais Funções da Tesouraria; Mesas de Operação; Processos de Tesouraria; Mercados. Instrumentos Financeiros Derivativos Conceito; Apreçamento. Gerenciamento de Riscos Conceito; Descasamento de Operações; Derivativos; Hedge/ Estratégias; 27

28 Gerenciamento de Riscos O que fazer? GERENCIAR RISCOS 28

29 Gerenciamento de Riscos Formas de Mitigação de Riscos nas Organizações DIVERSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES INTRODUÇÃO DE FLEXIBILIDADE NAS OPERAÇÕES MELHORIA NOS PROCESSOS INTERNOS TRANSFERÊNCIA A TERCEIROS Deloitte All rights reserved.

30 Gerenciamento de Riscos Forma de Cobertura das Perdas Evento de Risco? Impacto? Forma de Cobertura? Esperado Alta Alta Probabilidade Probabilidade // Pequenas Pequenas Perdas Perdas Impacto Financeiro Conhecido ORÇAMENTO OU PROVISÃO Inesperado Baixa Baixa Probabilidade Probabilidade // Altas Altas perdas perdas Impacto Financeiro Médio // Alto ALOCAÇÃO DE CAPITAL CONTRATAÇÃO DE SEGURO/ PROTEÇÃO FINANCEIRA Deloitte All rights reserved.

31 Gerenciamento de Riscos Principais influenciadores na tomada de decisão de fazer ou não fazer hedge EXPOSIÇÃO A VOLATILIDADE NOS NOS CUSTOS E LUCROS RISCO DO NEGÓCIO Operacionais / Estratégicos EXPOSIÇÃO A VOLATILIDADE NOS NOS JUROS, MOEDAS E COMMODITIES RELACIONADOS À OPERAÇÃO RISCO FINANCEIRO / MERCADO EXPOSIÇÃO A ESCASSEZ DE DE RECURSOS RISCO DE LIQUIDEZ EXPOSIÇÃO A DEFAULT DE DE CLIENTES (INADIMPLÊNCIA) RISCO DE CRÉDITO Deloitte All rights reserved.

32 Gerenciamento de Riscos Descasamento de Posições Por prazo: Manter prazos diferentes entre ativos e passivos Descasamento Negativo Ativo Passivo 6 meses a 30% a.a. 1 ano a 40% a.a. Novo empréstimo 6 meses a 25% a.a 6 meses a 45% a.a. ganho perda Descasamento Positivo Ativo Passivo 6 meses a 40% a.a. 1 ano a 30% a.a. Nova aplicação 6 meses a 45% a.a 6 meses a 20% a.a. ganho perda Deloitte All rights reserved.

33 Gerenciamento de Riscos Descasamento de Posições Oscilação de preço para um mesmo indexador: Fatores de riscos iguais entre ativos e passivos Ativo Compra a US$ pré-fixado Descasamento Passivo Venda US$ spot (flutuante) Estratégia Venda de US$ futuro ou compra de ativo financeiro vinculado ao Dólar Deloitte All rights reserved.

34 Gerenciamento de Riscos Descasamento de Posições Por indexador, moeda ou commodity Manter fatores de riscos diferentes entre ativos e passivos Ativo 1 ano a variação do US$ Descasamento Passivo 1 ano a variação do CDI Estratégia Swap ativo em CDI e passivo em USD ou aquisição de dívida em US$ por 1 ano. Venda de US$ futuro (1 ano) e compra de DI futuro (1 ano) ou aquisição de ativo financeiro vinculado ao DI Deloitte All rights reserved.

35 Gerenciamento de Riscos Descasamento de Posições Ferramentas para monitoração FLUXO DE DE CAIXA CAIXA DEFINIÇÃO Instrumento de controle que tem por objetivo auxiliar o tesoureiro a tomar decisões sobre a situação financeira da Companhia. Consiste em um relatório gerencial que informa toda a movimentação dos recursos (entradas e saídas), sempre considerando um período determinado, que pode ser uma semana, um mês etc. APLICAÇÃO No dia a dia das operações de tesouraria (contas a pagar e receber) da Companhia, demonstrando os descasamento de posições entre pagamentos e recebimentos (previstos e realizados). DURATION SENSIBI- SENSIBI- LIDADE LIDADE VaR VaR ESTRESSE ESTRESSE Instrumento de controle definido como o prazo médio das operações ponderado pelos fluxos de caixa. Leva em conta, além do principal, os pagamentos intermediários de juros e amortizações, representando, portanto, uma melhor ferramenta de avaliação de descasamento de prazo. Analisa o comportamento da carteira em função de variações percentuais predeterminadas nos principais fatores de riscos (ex.: impactos derivados da alta ou baixa do CDI em 100 bps). VaR (Value at Risk) - Mede a perda estimada para determinado horizonte de tempo com determinado nível de confiança. Apuração dos resultados (perdas ou ganhos) de posições financeiras em função da aplicação de cenários extremos (estressados) de variação de preços, taxas de juros e índices, os quais podem ser históricos ou prospectivos. Calcular o prazo médio de uma carteira ativa e/ou passiva, comparando o descasamento médio ponderado entre essas carteiras (fluxos de aplic. e fluxos de captação). Normalmente é estabelecido um limite para o resultado da análise de sensibilidade, determinando a tomada de decisões em relação à proteção contra as variações dos principais fatores de risco. Normalmente é estabelecido limite para o VaR, de acordo com o apetite de risco da Organização. Observar a limitação do VaR, uma vez que este utiliza informações históricas de volatilidade e, portanto, não considera cenários futuros. Complementa o VaR, uma vez que determina os impactos a partir de dados hipotéticos que possam ocorrer no futuro Deloitte All rights reserved.

36 DERIVATIVOS -- CONCEITO Derivativos são ativos que derivam, integral ou parcialmente, do valor de outro ativo financeiro ou mercadoria. Podem também ser entendidos como operações financeiras que tenham como base de negociação o preço ou cotação de um ativo (chamado de ativo-objeto) negociados nos mercados futuros, a termo, de opções de compra e venda, de swaps e demais operações financeiras mais complexas. DERIVATIVOS -- FUNÇÕES Gerenciamento de Riscos Principal Instrumento Hedgers: clientes que buscam eliminar riscos (financeiros e de mercado). Arbitradores: participantes do mercado que procuram lucro sem risco, realizando operações simultâneas em dois ou mais mercados, aproveitando-se da variações de preços. Especuladores: investidores que procuram ganhos financeiros assumindo uma posição de risco. DERIVATIVOS -- PRINCIPAIS INSTRUMENTOS Futuros Termos Swap Opções 2008 Deloitte All rights reserved.

37 Gerenciamento de Riscos Hedge CONCEITO HEDGE MICRO HEDGE MACRO HEDGE Operação financeira estratégica que tem como objetivo, proteger ( hedgear ) a exposição de uma empresa às variações de uma determinada taxa, índice ou moeda. Proteção de risco para um ativo / passivo específico. Exemplo: Aquisição de um ativo (ou derivativo) vinculado ao dólar para uma proteção de exposição passiva específica em dólar. Proteção de risco para todo portfólio da empresa (exposição líquida), passivo ou ativo. Exemplo: Aquisição de um ou mais ativos (derivativos) vinculado a taxa pré, para uma proteção a exposição ativa (carteira pré de clientes), tendo em vista o aumento dos juros básicos. ESTRATÉGIAS DE HEDGE SEM DERIVATIVOS NATURAL COM DERIVATIVOS OTC COM DERIVATIVOS PADRONIZADOS Deloitte All rights reserved.

38 Gerenciamento de Riscos Hedge Por que as empresas fazem hedge? REDUZIR REDUZIR A VOLATILIDADE DO DO FLUXO FLUXO DE DE CAIXA CAIXA E RESULTADOS CONTÁBEIS REDUZIR REDUZIR A DIFERENÇA ENTRE ENTRE PREVISTO PREVISTO E REALIZADO RESUMO AUMENTAR AS AS CHANCES CHANCES DE DE REALIZAÇÃO DE DE UM UM BOM BOM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ADICIONAR VALOR VALOR AO AO PERFIL PERFIL DE DE RISCO RISCO DA DA EMPRESA EMPRESA REDUZIR RISCOS AUMENTAR A CAPACIDADE DE DE ENDIVIDAMENTO AUMENTAR RETORNOS EVITAR EVITAR STRESS STRESS FINANCEIRO (EVENTO (EVENTO INESPERADO) MANUTENÇÃO DA DA AUMENTO AUMENTO DA DA CAPACIDADE DE DE CONFIANÇA DOS DOS INVESTIMENTO E CREDORES DISPONIBILIDADE DE DE CAPITAL CAPITAL 38 REDUÇÃO REDUÇÃO DOS DOS IMPOSTOS IMPOSTOS MÉDIOS MÉDIOS PAGOS, PAGOS, GERADOS GERADOS PELA PELA ESTABILIDADE E CONTROLE DOS DOS LUCROS LUCROS 2008 Deloitte All rights reserved.

39 Hedge Natural Gerenciamento de Riscos Estratégias de Hedge Definição Exposição das entradas e saídas de caixa (ou investimentos) aos mesmos fatores de risco, também chamado de hedge operacional. Vantagens Baixo custo financeiro, quando a operação da empresa de entradas e saídas de caixa está vinculada a um mesmo fator de risco. Não há risco de contra-parte. Desvantagens Alto custo de aquisição, quando a operação da empresa de entradas e saídas de caixa não está vinculada a um mesmo fator de risco. Dificuldade no casamento dos fluxos financeiros. Exemplo Exportação de produto acabado e importação de matéria prima vinculados a exposição ao dólar, euro, etc.; Aquisição de ativo ou passivo financeiro vinculado ao mesmo indexador ou moeda. Participação em empresas com fluxos de caixa em dólar, euro, etc Deloitte All rights reserved.

40 Gerenciamento de Riscos Estratégias de Hedge Estudo de caso - Hedge Natural Uma indústria brasileira possui a média mensal de US$ 8 milhões em exportação para o mercado norte americano. Esta indústria também importa cerca de US$ 5 milhões mensais e para modernizar sua principal operação, resolveu adquirir uma máquina de US$ 10 milhões, com financiamento em 10 meses. Qual a necessidade do tesoureiro desta industria recorrer a derivativos para sua estratégia de hedge? Fluxo de Caixa Operação e Financiamento Média Mensal Total (em 10 meses) (-) Importação (5) (50) (+) Exportação 8 80 (=) Saldo da Operação 3 30 (-) Financiamento (1) (10) (=) Resultado antes do hedge 2 20 Valores em US$ milhões Saldo mensal resultado da operação com financiamento. A companhia possui operação que proporciona hedge natural de suas exposições. Saldo mensal inerente a operação da companhia. O fluxo da operação proporciona o pagamento da máquina em 3,33 meses ($10 mm / #3 mm = 3,33 meses). A decisão de efetuar uma operação de hedge (com ou sem derivativos) dependerá do apetite a risco da organização durante os 10 meses de financiamento. É importante analisar também os indicadores macro-econômicos (perspectivas de aumento das cotações do US$, dentre outros fatores). Caso a empresa não seja exportadora, seria possível também adquirir um título publico ou privado vinculado a variação do US$ (em 10 mm) e com vencimento em 10 meses (mesmo período do financiamento) Deloitte All rights reserved.

41 Gerenciamento de Riscos Estratégias de Hedge Hedge com derivativos padronizados Definição Operação realizada com o objetivo de proteção quanto à possibilidade de oscilação de preço, índice ou taxa, utilizando contratos padronizados em bolsa. Vantagens Sem risco de default (bolsa age como contraparte central); Alta liquidez; Baixa complexidade contratual (legal). Desvantagens Custo financeiro de manutenção; Contratos não flexíveis (prazo, vencimento e quantidade); Acertos financeiros diários (para alguns derivativos); Manutenção de Margem de Garantia custo de controle. Exemplo 41 Utilização de derivativos listados em bolsa de mercadorias e futuros (futuros, swaps e opções) para anulação dos riscos envolvidos em operações financeiras de financiamento / investimentos. Utilização para anulação de riscos financeiros inerentes a operação da companhia (importação de matéria prima cujo fator de risco é uma moeda, taxa ou mercadoria) Deloitte All rights reserved.

42 Gerenciamento de Riscos Estratégias de Hedge Estudo de caso derivativos padronizados Um importador brasileiro toma um empréstimo de US$ 1 milhão para aquisição de máquina, por 360 dias. A PTAX no início da operação foi de R$ 1,70 e a taxa prefixada para este período está em 12% ao ano. Na data inicial da operação é assinado um contrato de swap (listado em bolsa) entre o importador e o banco. O valor deste contrato é de R$ ,00 (equivalente a US$ 1 milhão). O importador neste caso irá receber variação cambial e pagar a taxa prefixada (12% a.a.). O banco está na posição exatamente inversa, vai receber a taxa prefixada (12% a.a.) e vai pagar variação cambial. Qual o resultado da operação? Na data de vencimento, vamos supor que a PTAX é de R$ 1,90 Ponta Dólar (Ativa) US$ 1 milhão x 1,90 = R$ ,00 Ponta taxa Pré (Passiva) US$ 1 milhão x 1,70 x 1,12 = R$ ,00 Resultado R$ ,00 R$ ,00 = R$ 4.000,00 A liquidação do Swap será pelo valor de R$ 4.000,00. Como a variação do US$ foi maior que a taxa prefixada, o importador recebe os R$ 4 mil pagos pelo banco. Caso a companhia não tivesse feito o hedge, sua dívida seria de R$200 mil (R$ ,00 R$ ,00) 42 Diferencial a receber 2008 Deloitte All rights reserved.

43 Gerenciamento de Riscos Estratégias de Hedge Hedge com derivativos OTC (específicos) Definição Operação realizada com o objetivo de proteção quanto à possibilidade de oscilação de preço, índice ou taxa, utilizando contratos de instrumentos financeiros não padronizados em bolsa. Vantagens Contratos altamente flexíveis (prazo, vencimento, quantidade e objeto de hedge); Desembolso financeiro na liquidação do contrato (vencimento). Desvantagens Ausência de liquidez no mercado; Risco de default ; Ausência de contratos ou contratos não padronizados. Exemplo 43 Utilização de derivativos não listados em bolsa de mercadorias e futuros (termos, swaps e opções flexíveis) para anulação dos riscos envolvidos em operações financeiras de financiamento / investimentos. Utilização para anulação de riscos financeiros inerentes a operação da companhia (importação de matéria prima cujo fator de risco é uma moeda, taxa ou mercadoria) Deloitte All rights reserved.

44 Gerenciamento de Riscos Principais Produtos por Tipo de Operação OPERAÇÃO Trading Cobertura (Hedge) Clientes PRODUTOS Produtos Padronizados (mercado organizado) Ex: Ações, Títulos Públicos, Moedas, Futuros, Opções; Produtos Padronizados + Necessidade Específica Ex: Títulos Públicos, Moedas, Futuros, Non- Deliverable Forwards, Swaps. Produtos Balcão + Estruturados Ex: Contratos de Câmbio, Non-Deliverable Forwards, Opções Flexíveis, Swaps; 44

45 Principais riscos e controles operacionais inerentes aos IFs Governança Corporativa Os escândalos presenciados no mercado financeiro nos últimos anos, associados à maior complexidade e volatilidade dos negócios oriundos da globalização, têm aumentado as expectativas da Alta Administração em relação ao fortalecimento das estruturas de Governança Corporativa. As linhas básicas de defesa das instituições contra estes fatores podem ser descritas em três níveis inter-relacionados: 1. Implementação, pelos gestores das áreas de negócio, de estrutura de controles internos alinhada aos riscos de negócio; 2. Monitorização do grau de exposição à riscos e aderência (interna e externa) dos processos realizados pelas áreas de Gestão de Riscos e Compliance, com suporte da estrutura de Ouvidoria; e 3. Verificação independente do grau de exposição à riscos e adequação da estrutura de controles internos pela Auditoria Interna. Controles Auditoria interna 3 Internos Compliance Áreas de Negócio Gestão de riscos Ouvidoria 45

46 Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Comitê de Auditoria Aprovar o plano de auditoria interna para o processo de Risco de Mercado. Comitê Executivo Definir limites de riscos; Definir o apetite de risco e implantação dos limites Definir modelagens; Aprovar alterações relevantes (processos e modelos) Participantes: CEO / CFO / CRO / COO Comitê de Risco de Mercado e Liquidez Aprovar os modelos de mensuração de riscos Tomar conhecimento das estratégias e performance da Tesouraria Definir limites operacionais e de exposição à riscos pela Tesouraria, considerando diferentes medidas (GAP, DV01, Stop-Loss, etc.). Analisar e deliberar sobre extrapolações de limites. Participantes: Finanças e Gestão de Riscos Comitê de Investimentos Definir políticas de risco de liquidez/ critérios e regras para marcação a mercado e precificação das operações da Companhia/ modelos para gestão de resultados das carteiras para transferência de preços; e para realização de perdas e de ganhos com derivativos negociados. Avaliar fluxos de caixa e risco de liquidez frente a cenários de mercados; Avaliar o impacto das estratégias de negócio/produtos no fluxo de caixa, conforme níveis de exposição aprovados pelo Comitê de Gestão de Riscos; Propor ajustes nas políticas de risco de mercado, de liquidez e de operações financeiras Participantes: CEO / CFO / CRO Comitê de Produtos Aprovar novos produtos, estruturas ou operações Definir as condições de negociação de cada produto (ex: volumes de operações, taxas, mercados, etc.) Analisar as condições de riscos de cada produto Participantes: Operações, Comercial e Finanças Comitê de Cenários Econômicos Estabelecer os cenários econômicos relevantes para os limites de riscos Definir os cenários para testes de estresse Participantes: Tesouraria, Controladoria e Gestão de Riscos POLÍTICAS RELACIONADAS A RISCO DE MERCADO Risco de Mercado / Limites / Novos Produtos / Classificação de operações / Hedge e Utilização de Derivativos / Validação Risco de Mercado / Teste de estresse / Backtesting / Marcação a Mercado / Captura e controle de preços / Relatório de acesso público OUTROS ASPECTOS DE GOVERNANÇA Definição das alçadas para aprovação de políticas, normas e procedimentos Formalização das decisões em ata (ex:reunião de Caixa) Segregação do mandato, definição das estratégias e controle da classificação das operações Acesso restrito apenas aos traders, para boletagem das operações Segregação entre a gestão de recursos próprios e de terceiros Independência da área de riscos Validação independente dos modelos Conciliação das posição contábil versus gerencial Definição de aspectos voltados para gestão de riscos como métrica para composição da remuneração variável Definição do perímetro da área de Validação RM, Controles Internos e Auditoria Interna Plano de Continuidade dos Negócios / Backup Segregação de ambientes de desenvolvimento e produção Aplicação da metodologia de TI (ex: implementação e desenvolvimento de sistemas e controle de acesso)

47 PERGUNTAS

48 FIM

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Política. Gestão de Risco de Mercado

Política. Gestão de Risco de Mercado Política de Gestão de Risco de Mercado Superintendência de Riscos Aprovada no Comitê de Riscos e Liquidez de 30/09/2010 Índice 1. OBJETIVO 3 2. PERÍMETRO 3 2.1 CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO 3 2.2 CARTEIRA ESTRUTURAL

Leia mais

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - SECRETARIA EXECUTIVA DELIBERAÇÃO Nº 550, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008: Dispõe sobre a apresentação de informações sobre instrumentos financeiros derivativos em nota explicativa

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

O novo conceito sobre Valor Justo. Magnus Chaib. XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul

O novo conceito sobre Valor Justo. Magnus Chaib. XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul O novo conceito sobre Valor Justo Magnus Chaib XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul Introdução Apresentação do instrutor Agenda do painel Valor Justo PricewaterhouseCoopers

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à Importação São Paulo 2012 Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 Objetivo. 2 Diretrizes. 2.1 Princípios para Gerenciamento do Risco de Liquidez ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS No Banco De Lage Landen SA (DLL) a Gestão de Riscos é responsabilidade da Diretoria de Risco que se reporta diretamente à Presidência. 1 - Risco Operacional (RO) A

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS Banco do Estado do Pará S.A SUMÁRIO Pág. APRESENTAÇÃO... 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 1.1 Cultura

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado

Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Cooperativa de Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da Policia Militar do Estado de São Paulo Cooperacs - SP Políticas de Gerenciamento de Risco de Mercado Aprovados pela Diretoria Executiva em 02/08/2010

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A.

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A. Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC CAMBIAL DOLAR 02.294.024/0001-26 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO CAMBIAL LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez

Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez Gerenciamento de Riscos Risco de Liquidez 5. Risco de Liquidez O Risco de Liquidez assume duas formas distintas, porém intimamente relacionadas: risco de liquidez de ativos ou de mercado e risco de liquidez

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RISCO DE MERCADO E DE LIQUIDEZ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO RESUMO DESCRITIVO Princípios, Diretrizes e Instrumentos de Gerenciamento de Risco de Mercado. 1) Objetivo 2) Abrangência 3)

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Governança de Riscos em Instituições Financeiras

Governança de Riscos em Instituições Financeiras 1 Governança de Riscos em Instituições Financeiras Sérgio Ribeiro da Costa Werlang Vice Presidente Executivo da Área de Controle de Risco e Financeiro Itaú - Unibanco São Paulo, 20 de outubro de 2011 2

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014 Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 31 de março de 2014 Este relatório apresenta informações do Banco Daycoval requeridas pela Circular

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44

BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 BANRISUL ÍNDICE FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF nº 02.131.725/0001-44 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA COMISSÃO

Leia mais

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013

Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013 Gestão de Riscos e Patrimônio de Referência (Resolução BACEN nº 3.444/07 e Circular nº 3.477/09) Data base 30 de junho de 2013 O Banco Daycoval entende a gestão de riscos como um instrumento essencial

Leia mais