DEPARTAMENTO DE FÍSICA: PROPOSTA DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO DE UMA UNIDADE ACADÊMICA UNIVERSITÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPARTAMENTO DE FÍSICA: PROPOSTA DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO DE UMA UNIDADE ACADÊMICA UNIVERSITÁRIA"

Transcrição

1 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06 (01 e 02): 19-29, 2008 DEPARTAMENTO DE FÍSICA: PROPOSTA DE ATIVIDADE DE EXTENSÃO DE UMA UNIDADE ACADÊMICA UNIVERSITÁRIA M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias Departamento de Física, Universidade Estadual de Feira de Santana; Avenida Transnordestina, s/n, Novo Horizonte, Campus Universitário, , Feira de Santana, BA, Brasil Nesse trabalho apresentamos as linhas gerais da concepção de atividade de extensão desenvolvida pelo Departamento de Física da Universidade Estadual de Feira de Santana. Para tanto, a partir de considerações filosófico-epistemológicas do conhecimento humano, definimos o Campo do Saber para propiciar a base teórica de uma unidade acadêmica universitária. Estabelecido esse pressuposto, colocamos a definição de Departamento, por nós defendida, e a concepção, natureza e tipos de atividade de extensão universitária. Para finalizar, definimos o Departamento de Física e descrevemos sucintamente as atividades de extensão a ele associadas. I. INTRODUÇÃO A discussão sobre a estrutura universitária é muito recorrente na academia. Em particular, a questão departamental sempre vem à tona relacionada com a fragmentação disciplinar (MARCOVITCH, 2000; FARIAS e MILTÃO, 2005; PEREIRA, 1999). Nesse trabalho vamos apresentar uma proposta de unidade acadêmica (nesse caso, departamental) que objetiva desenvolver a atividade de extensão, levando em conta uma ação não fragmentada em relação ao conhecimento humano MILTÃO, 2005). (ÁREA DE FÍSICA..., 1998; FARIAS e Por departamento, em nossa Universidade, que até o momento pertence ao modelo binário de estrutura organizacional, entendemos uma Unidade Acadêmica que [representa-materializa] um dado campo do saber, de tal forma que [incorpore] o conjunto de disciplinas curriculares afins a este campo, congregando professores para objetivos comuns de Ensino, Pesquisa e Extensão (FARIAS e MILTÃO, 2005, p. 80). 19

2 M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Sendo a concepção de departamento relacionada com um campo do saber, temos a necessidade de estabelecer o significado desse conceito e como se relaciona com o conhecimento humano. Em Cruz (1940) se delineia que o conhecimento é uma faculdade, normalmente irredutível à afetividade e à atividade, que indica a função da alma, assim como o resultado dessa função, de tornar compreensível-concebível um objeto (interno ou externo), obtendo dele um juízo ou uma representação. Como resultado dessa função, o conhecimento é um produto do processo de produção da existência humana; é um produto de um processo que, além de histórico, tem sua existência manifestada por um comportamento cosmológico do indivíduo que faz parte de um todo social (ABRAMCZUK, 1981). Sendo assim, o conhecimento da humanidade é tão vasto e tão amplo que a fraca inteligência humana não [o] pode abranger. Daí a necessidade de fragmentar o conjunto de imensos conhecimentos que se propunham dar a explicação universal das coisas (CRUZ, 1940, p. 359). Conseqüentemente, estabeleceram-se os Saberes Particulares, ou Campos do Saber, ou Disciplinas, entre os quais foram distribuídos todos os conhecimentos, segundo o critério de seu objeto. O Campo do Saber, portanto, defini-se como um conjunto sistematizado de conhecimentos relativos a um grupo de fenômenos ou objetos (CRUZ, 1940; SANTOS FILHO, 1992), i.e., relativos a fenômenos ou objetos que manifestam propriedades em comum, sendo que tais conhecimentos são sistematizados a partir de investigação especializada a qual consiste em fazer surgir novos conhecimentos que substituem a outros mais antigos (FARIAS e MILTÃO, 2005, p. 80). Observemos que a característica essencial da definição de um Campo do Saber esta assentada no conceito de grupo de fenômenos que ele cultiva. Sendo um grupo de fenômenos, então tais fenômenos devem manifestar alguma propriedade em comum para participar do grupo. Isso implica, por sua vez, que no conjunto de todos os fenômenos existentes na natureza (e que venham a existir no futuro), devemos observar em quais fenômenos a propriedade se manifesta para garantir a sua (do fenômeno) pertinência no domínio material do Campo do Saber. Note-se que, por essa implicação, a quantidade de fenômenos pertencentes a um domínio material não é pré-estabelecida na definição do respectivo Campo do Saber, visto que a capacidade de percepção da manifestação da propriedade aludida evolui com o desenvolvimento intelectual da própria humanidade, podendo ser percebida, tal propriedade, em fenômenos até 20

3 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Departamento de Física... então distintos daqueles do domínio material anterior. Além disso, um dado fenômeno não pertence exclusivamente ao domínio material de determinado Campo do Saber, visto que diferentes propriedades de interesse de distintos Campos podem se manifestar nesse dado fenômeno, fazendo com que ele passe a pertencer, também, a estes distintos Campos. Por essa análise percebemos que o conceito de Campo do Saber não implica na disjunção do conhecimento humano, posto que, em princípio, as propriedades que interessam a cada um dos Campos podem se manifestar (a depender da capacidade intelectual de percepção da humanidade) em cada um dos fenômenos existentes na natureza, o que impele a uma atitude dialógica dos indivíduos. Assim, a disjunção aludida, como ocorre nos dias atuais, está na atitude do indivíduo e não na existência dos Campos do Saber. A nosso ver, pelo que foi escrito acima, considerar que as unidades acadêmicas universitárias sejam aquelas que cultivem, cada uma, distintos campos do saber não tem como conseqüência imediata uma visão compartimentalizada do saber. A Universidade é uma Instituição que elabora, transmite e preserva o complexo, vasto e diverso conhecimento humano, e deve comprometer-se em ser um agente do próprio processo da sociedade, enquanto uma força transformadora desta; logo a organização natural da Universidade será aquela que leve em conta a própria concepção do saber humano, traduzindo e ecoando a sua diversidade, supradisciplinaridade 1 e complexidade (FARIAS e MILTÃO, 2005). A partir dessas considerações definimos Departamento de Física, DFIS, da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS, como a Unidade Acadêmica que representa/materializa o campo do saber da Física, de tal forma que incorpora o conjunto de disciplinas curriculares afins a este campo, congregando professores para objetivos comuns de Ensino, Pesquisa e Extensão em Física (ÁREA DE FÍSICA..., 1998, p. 182). Entre os objetivos gerais do DFIS, tem-se: 1 Por ações supradisciplinares entendemos as seguintes formas de interação disciplinar: multidisciplinaridade (como uma justaposição através da informação, sem cooperação metodológica), pluridisciplinaridade (como uma justaposição através da informação, com cooperação metodológica, mas sem coordenação), disciplinaridade cruzada (como uma justaposição através da permuta de informações, i.e., interação, com cooperação, mas sem coordenação), interdisciplinaridade (como uma redução através da interseção, com cooperação e coordenação) e transdisciplinaridade /metadisciplinaridade (como uma unificação através da comunicação, com cooperação e coordenação para uma visão comum, total) (FARIAS e MILTÃO, 2005, p. 83). 21

4 M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 (...) Congregar professores para metas comuns de Ensino, de Pesquisa e de Extensão no campo do saber da Física, Ser um dos elementos da base geradora do pensamento-conhecimento humano complexo, Estimular, no campo da Física, a criação de grupos de pesquisa e extensão buscando as formas de supradisciplinaridade e o intercâmbio com os grupos de pesquisa e extensão consolidados (FARIAS e MILTÃO, 2005, p. 84). Entre os objetivos específicos do DFIS, tem-se: (...) Adotar e implementar políticas claras de produção e transmissão do conhecimento científico de Física, o que só é possível dentro de um Departamento forte e coeso, numa perspectiva extensionista de alcance social, outorgando à Universidade uma função transformadora da sociedade, Garantir a implementação (através de uma programação e execução efetivas) das atividades de ensino, pesquisa e extensão, dando ao DFIS-UEFS uma Personalidade Acadêmica clara e inconfundível, 22

5 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Departamento de Física... Contribuir para que as aspirações de crescimento da UEFS, reveladas na Avaliação Institucional e no Planejamento Estratégico, tornem-se realidade, na medida em que o seu porte, assumido como pequeno no passado (...), deve ser modificado, possibilitando à UEFS assumir o efetivo perfil, tão almejado, de uma Universidade com pluridisciplinaridade de pesquisa, de extensão, e de formação de profissionais de nível superior (FARIAS e MILTÃO, 2005, p. 84). No que tange à atividade de extensão, na estrutura acadêmico-administrativa do DFIS foram incluídas a Sub-Unidade de Extensão e a Coordenação de Extensão, de acordo com o seguinte organograma: Fig. 1: Organograma do DFIS-UEFS A Sub-Unidade de Extensão foi definida como aquela que suportará e agrupará as Atividades de Extensão do Departamento de Física da UEFS (ÁREA DE FÍSICA..., 1998, p. 257). A Coordenação de Extensão foi definida como o órgão que representa a Sub-Unidade de Extensão do Departamento de Física, de tal forma que coordenará e auxiliará o desenvolvimento das Atividades de Extensão, através das Atividades Administrativas pertinentes, sendo constituída por um Coordenador, e por representantes das diversas atividades de extensão desenvolvidas pelo DFIS. Concepção da Atividade de Extensão do DFIS-UEFS 23

6 M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 De acordo com o Projeto do Departamento de Física (ÁREA DE FÍSICA..., 1998), entendese que a extensão em Física é o conjunto de atos praticados pelo Departamento de Física no sentido de integrar-se à sociedade, atendendo as finalidades básicas do compromisso políticosocial e da prática acadêmica. A primeira, referindo-se a obrigação da Universidade reverter seus benefícios em favor da maioria da população, sem perda da pluralidade, que é essencial à prática universitária, e sem confundir definição filosófico-política com postura político partidária; a segunda, referindo-se à extensão como o elemento articulador do ensino e da pesquisa com a sociedade, outorgando à Universidade uma função transformadora do meio social. A Extensão, portanto, é uma via de mão dupla, com trânsito assegurado à comunidade acadêmica que encontrará, na sociedade, a oportunidade da elaboração da práxis de um Conhecimento acadêmico; no retorno à Universidade, docentes e discentes trarão um aprendizado que, submetido à reflexão teórica, será acrescido àquele Conhecimento (UNB, 1989). Dessa forma, as áreas de extensão do Departamento de Física, também, são coincidentes com os próprios Sub-Domínios da Física. Os atos extensionistas praticados pelo Departamento de Física são aqueles do tipo (UNB, 1989; BARROS, 1980; GARRAFA, 1987; REIS, 1992): Difusão Científica: é compreendida como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, é tomado como um pólo de onde emanam e circulam os produtos culturais/científicos por ele criados. Entre outras atividades, nesse ato se incluem: os eventos promovidos pelo Departamento de Física, tais como Semana de Física, e as participações dos Professores do DFIS naqueles promovidos por outras Instituições, tais como Reunião Anual da SBPC, Encontro de Físicos do Norte/Nordeste ; as publicações especializadas e de divulgação editadas pelo Departamento de Física, e as participações dos Professores do DFIS naquelas editadas por outras Instituições; o registro de patentes; os cursos e outras formas de apresentação de divulgação, tais como cursos, exposição de filmes, palestras, colóquios, seminários, mesas-redondas, ou outros trabalhos equivalentes cuja natureza seja a de divulgação; etc.; Ação Cultural: é compreendida como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, estabelece uma relação com a comunidade, tanto externa quanto interna, na qual ambos (o Departamento e a comunidade) comportam-se ativamente como sujeitos objetivando a sensibilização e conscientização junto às comunidades na 24

7 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Departamento de Física... valorização e proteção do Patrimônio histórico, artístico, científico e cultural, a formação crítica da opinião pública, e a prática humanística; Aperfeiçoamento Profissional/Acadêmico da população, através de Cursos: é compreendido como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, desenvolve a educação continuada com o objetivo de evitar que o perfil dos profissionais formados em Física torne-se obsoleto no decurso da vida por conta da dinâmica existente no processo de produção científica e tecnológica desse Campo do Saber; Assessoria/Consultoria Técnica/Científica e Pedagógica: é compreendido como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, desenvolve a prestação de serviços com o objetivo de auxiliar a comunidade nas suas formas de organização através de atividades de assessorias e/ou consultorias no Campo da Física; Trabalhos Técnicos/Científicos apresentados pelo Departamento de Física à comunidade em geral, seja ela interna ou externa à Universidade: é compreendido como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, dissemina o Conhecimento Físico de natureza específica através de atividades do tipo: seminários, colóquios, conferências, etc.; e, Trabalhos Técnicos/Científicos apresentados por Instituições públicas ou privadas ao Departamento de Física e/ou à comunidade em geral, seja ele interna ou externa à Universidade: é compreendido como a ação em que a Universidade, em particular o Departamento de Física, recebe o Conhecimento Físico emanado de outras Instituições de natureza específica através de atividades do tipo: seminários, colóquios, conferências, etc. Atividades de Extensão desenvolvidas pelo DFIS-UEFS Entre as atividades de extensão desenvolvidas pelo DFIS-UEFS, temos FÍSICA..., 1998; FARIAS e MILTÃO, 2005): (ÁREA DE Interações Extensionistas em Física: atividade do tipo Trabalhos Técnico- Científicos apresentados por Instituições públicas ou privadas ao Departamento de Física e à comunidade em geral, seja ele interna ou externa à Universidade que na época 25

8 M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 (1997) constava de seminários seguidos de discussões, proferidos por professores de outras instituições convidados, objetivando o aprofundamento das questões abordadas para o desenvolvimento e fortalecimento das áreas de pesquisa e extensão, Difusão de Física no 1 o e 2 o graus: atividade do tipo Difusão Científica que na época (1998) constava de palestras e exposições de filmes e experiências feitas na UEFS e nas escolas do 1 o e 2 o graus, objetivando divulgar e propagar a Física nas escolas de 1 o e 2 o graus para mostrar não só os aspectos fenomenológicos e experimentais, mas também a vasta possibilidade de utilização de seus conhecimentos. Com isso almejava-se evitar a grande aversão que existe em relação à Física, atrair futuros interessados nos cursos de Física, bem como evitar a evasão existente nesses cursos, Caderno de Física da UEFS: atividade do tipo Difusão Científica, na forma de Divulgação que visa divulgar, na forma de artigos, resultados de extensão, pesquisa e experiências em ensino, importantes para o conhecimento em Física, em linguagem ao nível de graduação, com periodicidade semestral. Além disso, a capa do caderno tem como objetivo a divulgação das artes, Sitientibus Série Ciências Físicas: atividade do tipo Difusão Científica, na forma de Publicação Especializada que visa divulgar resultados de pesquisa em uma linguagem ao nível de pós-graduação, onde cada número são veiculados trabalhos nas diversas áreas de pesquisa da Física, Colóquios de Física: atividade do tipo Trabalhos Técnico-Científicos apresentados por Instituições públicas ou privadas ao Departamento de Física e à comunidade em geral, seja ele interna ou externa à Universidade de caráter mais abrangente no que se refere à abordagem ao campo do saber da Física, que visa propiciar e estimular o surgimento de ações supradisciplinares relacionadas com a Física, Seminários de Física: atividades do tipo Trabalhos Técnico-Científicos apresentados pelo Departamento de Física à comunidade em geral, seja ele interna ou externa à Universidade e do tipo Trabalhos Técnico-Científicos apresentados por Instituições públicas ou privadas ao Departamento de Física e à comunidade em geral, seja ele interna ou externa à Universidade, ambas de caráter mais específico no que se refere à 26

9 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Departamento de Física... abordagem ao campo do saber da Física, que visa propiciar e estimular as discussões possibilitando não só o surgimento de pesquisas relacionadas ao tema exposto, mas também o fortalecimento das pesquisas em andamento, Semana de Física: atividade do tipo Difusão Científica na forma de Evento, constando de mini-cursos, palestras, sessão de comunicações, e mesas-redondas que visa integrar o DFIS com a comunidade universitária, bem como com a comunidade da região de Feira de Santana, com periodicidade anual, Escola de Verão do Departamento de Física: atividade do tipo Difusão Científica na forma de Evento e do tipo Aperfeiçoamento Profissional-Acadêmico da população através de Cursos que visa apresentar temas importantes para a complementação ou especialização da formação dos estudantes de graduação em Física, Matemática, Química, Engenharia, Biologia, Geografia, Geologia, História, Filosofia e áreas correlatas, bem como de profissionais e graduados ao nível de pós-graduação e sem periodicidade definida. Projeto Física no Campus, parte extensionista: atividade do tipo Difusão Científica, Ação Cultural e Aperfeiçoamento Profissional/Acadêmico da população, através de Cursos que visa estudar a interação entre a Física, os Movimentos Populares e a Cultura, desenvolvendo a ação supradisciplinar da transdisciplinaridade para re-significar a função social da universidade em seu contexto acadêmico inserido no nordeste brasileiro, Grupo de Trabalho para a Produção de Atividades Didáticas e Formação Continuada de Licenciados em Física: atividade do tipo Aperfeiçoamento Profissional/Acadêmico da população, através de Cursos e Assessoria/Consultoria Técnica/Científica e Pedagógica que visa a produção de atividades didáticas e o aperfeiçoamento da formação de graduados em licenciatura, As Ciências Físicas e a Chapada Diamantina: atividade do tipo Difusão Científica, Ação Cultural, e Aperfeiçoamento Profissional/Acadêmico da população, através de Cursos que visa apresentar as Ciências Físicas e as suas relações com o quotidiano dos fenômenos ocorridos na região da Chapada Diamantina para aprofundar a intervenção do Departamento de Física na Chapada Diamantina, realizando atividades permanentes de acordo com os anseios da comunidade. 27

10 M. S. R. Miltão e Franz Alves Farias CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Considerações Finais Como visto, o DFIS-UEFS procura desenvolver as atividades de extensão buscando uma ação integradora no que tange à concepção do conhecimento humano. No entanto, ainda não foram completamente estabelecidos os seus objetivos extensionistas em função de muitos pontos, dentre os quais destacamos: corpo docente pequeno; visão dos docentes, em geral, ainda não contemplando ou entendendo o significado de uma atividade de extensão; dificuldades institucionais no que tange a estímulos à atividade de extensão tais como bolsa para estudantes; inexistência de uma relação curricular efetiva com as atividades de extensão. Acreditamos que a proposta aqui apresentada pode se configurar como mais uma opção para que compreendamos o verdadeiro papel da extensão, propiciando que os seus objetivos de transformação da sociedade sejam atingidos. Referências ABRAMCZUK, A. A. O mito da Ciência Moderna: Proposta de análise da Física como base de ideologia totalitária, Cortez/Autores Associados, São Paulo - SP, ÁREA DE FÍSICA UEFS. Departamento de Física da UEFS, PubliFis, Feira de Santana BA, BARROS, Z. G. P. de. A extensão universitária e o ensino de 1 o e 2 o graus. Educação Brasileira, Ano II (5): , 2 o sem CRUZ, E. Compêndio de Filosofia, Edições Globo, Porto Alegre - RGS, FARIAS, Franz A. e MILTÃO, M. S. R. Departamento de Física da UEFS: sua natureza, diretrizes e perspectivas sob a ótica das considerações teórico-filosóficas consubstanciadas no seu projeto de criação. Sitientibus Série Ciências Físicas, Feira de Santana, v. 01, p , GARRAFA, V. Extensão: do assistencialismo ao compromisso. Humanidades, Ano IV (12): 88-90, MARCOVITCH, J. Não aceito o pessimismo paralisante (entrevista por Pedro Estevam da Rocha Pomar). Revista Adusp, p , março PEREIRA; Elisabete Monteiro de Aguiar. Universidade e novas formas de estruturar o conhecimento: a questão departamental. Revista Avaliação, Campinas, v. 4, n. 4, p ,

11 CADERNO DE FÍSICA DA UEFS 06, (01 e 02): 19-29, 2008 Departamento de Física... REIS, R. H. dos. A institucionalização da extensão. Educação Brasileira, 14 (28): 67-81, 1 o sem SANTOS FILHO, J. C. dos. A interdisciplinaridade na Universidade: relevância e implicações. Educação Brasileira, 14 (29): 59-80, 2 o sem UNB. Extensão - a universidade construindo saber e cidadania. Documento final do I Encontro de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Brasileiras (1987), Brasília, SOBRE OS AUTORES - Milton Souza Ribeiro Miltão - Doutor em Física pela UFRJ e Especialista em Educação pela UFBA, é Professor Adjunto do Departamento de Física da UEFS. Franz Alves Farias - Doutor em Física pela UFRJ, é Professor Adjunto do Departamento de Física da UEFS. 29

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Sitientibus Série Ci^encias Físicas 01: 79-103 (2005)

Sitientibus Série Ci^encias Físicas 01: 79-103 (2005) Sitientibus Série Ci^encias Físicas 01: 79-103 (2005) Departamento de Física da UEFS: sua natureza, diretrizes e perspectivas sob a ótica das considerações teórico-filosóficas consubstanciadas no seu projeto

Leia mais

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE UNIOESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL DA EDUNIOESTE EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES ===================================== REVISTAS

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado

Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado Universidade Federal do Amapá Coordenação do Curso de História - Licenciatura e Bacharelado Regulamento Interno de Extensão Licenciatura e Bacharelado Macapá 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora

Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora Elizabeth Fontoura Dorneles Reitora Sirlei De Lourdes Lauxen Vice-Reitora de Graduação Fábio Dal-Soto Vice-Reitor de Administração Cléia Rosani Baiotto Vice-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015.

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. PROGRAMA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA, CULTURAL, ARTÍSTICA E TECNOLÓGICA Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Produção Científica, Cultural, Artística e Tecnológica visa fortalecer a relação

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID ANEXO I Detalhamento do PROJETO INSTITUCIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 02/2009 CAPES/DEB Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas.

A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. 1364 X Salão de Iniciação Científica PUCRS A Tríade: Ensino, Pesquisa e Extensão na construção de Escolas Inclusivas. FONTOURA, Maria Eugênia 1, PEREIRA, Débora Couto 1, LEBEDEFF, Tatiana 1, BASTOS, Amélia

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR

APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR Marceli Behm Goulart Universidade Estadual Ponta Grossa marcelibg@gmail.com Resumo: O último edital do Programa de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) da

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari Apresentação da institução A UNESP foi criada em 1976, pela Lei Estadual n.º 952, de 30.01.76,

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP

PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP PROJETO PEDAGÓGICO DO BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM (IEL) DEPARTAMENTO DE TEORIA LITERÁRIA UNICAMP I.) Histórico da criação do curso A proposta de criação de uma nova

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 APROVA O PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E INOVAÇÃO DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE O DIRETOR GERAL DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As atividades complementares constituem-se em ações de ensino, pesquisa e extensão de caráter obrigatório a serem

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Governo do Estado do Paraná Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS/USF

Governo do Estado do Paraná Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS/USF Governo do Estado do Paraná Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS/USF CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II 2 de dezembro de 1837 PORTARIA N 340 DE 03 DE MARÇO DE 2008 Regulamenta as atividades docentes que dão cumprimento ao Regime de Trabalho de Dedicação Exclusiva (

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA

Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Projeto de Qualificação da Gestão do Ensino - Progen/UNIPAMPA Equipe responsável: PROGRAD - Coordenadoria de Desenvolvimento do Ensino de Graduação GVR - Coordenadoria de Apoio Pedagógico CAP E-mail: pedagogiauniversitária@unipampa.edu.br

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO Diretoria de Educação a Distância REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Art. 1º. As atividades acadêmico-científico-culturais

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05 de NOVEMBRO de 2015.

Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05 de NOVEMBRO de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE GESTÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado

Leia mais

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades

Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Esta etapa do projeto contitue uma análise de algumas universidades do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. Foi pesquisada a estrutura dessas universidades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h Umbelino Brasil (Facom/UFBa) Apresentação da Comissão Cinema UFBa: RICARDO BORDINI, Escola de Música LUIZ MARFUZ, Escola de Teatro ADRIANA BITTENCOURT, Escola

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS Conceito de extensão, institucionalização e financiamento UNB Brasília, 04 e 05 de novembro de 1987 DOCUMENTO FINAL Foi realizado

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade normatizar o planejamento,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Diálogos interdisciplinares na formação de educadores: propostas articuladas no contexto das licenciaturas em Matemática, Educação Física e Letras.

Diálogos interdisciplinares na formação de educadores: propostas articuladas no contexto das licenciaturas em Matemática, Educação Física e Letras. EDITAL n o 21/2013/PRG/UFLA PROGRAMA DE BOLSA INSTITUCIONAL DE ENSINO E APRENDIZAGEM SUBMODALIDADE ENSINO/EDUCAÇÃO TUTORIAL - PETI Diálogos interdisciplinares na formação de educadores: propostas articuladas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais