Serviço Público Inteligente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Público Inteligente"

Transcrição

1 Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI

2 Business Intelligence no Banco de Portugal Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

3 AGENDA Introdução - Enquadramento e Visão Geral Estratégia para atingir um DW Gestão da informação de referência Arquitetura de BI Implementação incremental Perspetiva de evolução Sumário /Principais conclusões Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

4 Enquadramento As funções que competem ao Banco de Portugal, nomeadamente no que concerne a: Intervenção ao nível do Eurosistema (designadamente ao nível de Política Monetária); Supervisão da Estabilidade do Sistema Financeiro; Elaboração de Estatísticas; Produção de Estudos e Análises Económicas; Regulação dos Sistemas de Pagamentos ; necessitam de um suporte analítico apropriado, pois recebem informação de várias fontes que consolidam, analisam e cruzam de acordo com diferentes perspetivas. Acrescem, tal como à generalidade das instituições, as funções operacionais sobre as quais também é necessário assegurar uma adequada gestão dos recursos internos. Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

5 SPAI Sistema de partilha Gestão da informação de referência Definição da Arquitetura de Referência BI Enquadramento Visão Cronológica Primeiros sistemas a disponibilizarem facilidades analíticas: Estatísticas BoP e SEIS Sistema de Exploração de Informação de Supervisão Processo de revisão da Arquitetura de Referência Implementação incremental Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

6 1º pilar SPAI Sistema de partilha Gestão da informação de referência Âmbito do SPAI Estratégia para atingir uma DW - centrada na informação de referência (dimensões) (partilhada e gerida por um sistemas de partilha SPAI) Informação de Estado Informação de Referência Caraterização: Específica Dinâmica Quantifica Comum / Partilhada Semi-estática Qualifica Exemplos: Balanços Movimentos Fluxos Posições Stocks Montantes Valores Instituição Financeira Empresa não Financeira País Divisa Setor de Atividade Económica Tipo de Operação Enquadramento: Factos Dimensões Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

7 Partilha da informação de referência Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

8 Partilha da Informação de referência Tipo Crédito Data Instit Crédito Mês Prazo Instit Monet CRC Cruzamento Região de dados EMF Rubrica País CAE Região CAE Devedor

9 Necessidade de gestão da informação de referência C l I e n t e s F o n t e s Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

10 Ausência de gestão dos dados de referência Problemas Comparabilidade e integração de dados Dispersão Proliferação de identificadores de negócio não relacionados Incompatibilidade de conceitos, metodologias e classificações Informação inconsistente entre sistemas Custos de desenvolvimento e manutenção SI Custos de gestão da informação (utilizador) Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

11 Estratégia para atingir umdw SPAI Gestão da Informação de Referência C l I e n t e s F o n t e s Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

12 Estratégia para atingir uma DW - centrada na informação de referência (dimensões) (partilhada e gerida por um sistemas de partilha SPAI) Objetivos Qualidade da Informação de Referência controlo da redundância, articulação e coerência dos dados Reutilização da informação comum utilizada nos sistemas operacionais / transacionais ou analíticos (Facilitador da) Integração de Sistemas através dos dados de referência partilhados Benefícios Consistência dos dados Como resultado da gestão centralizada (necessário para) cruzamento de informação A atribuição de um id único no SPAI, permite referenciar as mesmas dimensões em diferentes SI s Redução de esforço no desenvolvimento e manutenção bem como na gestão dos dados Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

13 Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação SPAI Domínios de informação 15 de Maio de 2013 TPAICAL0_Calendario PAICAL_IdDia PAICAL_Data PAICAL_NumMes PAICAL_NomeMes PAICAL_NomeMesAbrv PAICAL_Month PAICAL_MonthAbrv PAICAL_DiaMes PAICAL_FimMes PAICAL_FimTrim PAICAL_FimSmtr PAICAL_FimAno PAICAL_DiaSema PAICAL_NomeDia PAICAL_NomeDiaAbrv PAICAL_FimSema PAICAL_FeriadoNac PAICAL_FeriadoReg PAICAL_SemaAno PAICAL_IniSema PAICAL_Ano PAICAL_AnoMes PAICAL_Trimestre PAICAL_Semestre U1 PAICAL_NumSeqDia PAICAL_NumSeqSema PAICAL_NumSeqMes PAICAL_DiaEqvAnoAnt FK1 PAITER_IdMembro TPAISTI0_SectorInstituc PAISTI_IdMembro FK2,I2 PAITAE_IdMbrTipoAE FK1,I1 PAIRSI_IdRegiao TPAISTI1_SectorInstitSIET,FK1 PAISTI_IdMembro PAISTI_SIETCodSI PAISTI_SIETDsgSI PAISTI_SIETNivHier PAISTI_SIETCodSIPai TPAISTI2_SectorInstitEMF,FK1 PAISTI_IdMembro PAISTI_EMFCodSI PAISTI_EMFDsgSI PAISTI_EMFNivelHier PAISTI_EMFCodSIPai PAISTI_EMFFormula TPAISTI3_SectorInstitCN,FK1 PAISTI_IdMembro U1 PAISTI_CNCodSI PAISTI_CNDsgSI PAISTI_CNSiglaSI PAISTI_CNDsgSIIngles PAISTI_CNNivHier PAISTI_CNCodSIPai PAISTI_CNIdSI PAISTI_CNIdSIPai PAISTI_CNOrdem PAISTI_CNFicticio TPAIRSI0_RegiaoSI,I1 PAIRSI_IdRegSI PAIRSI_DsgRegiao FK1,U2,U1 PAITER_IdMbrTerr TPAITAE0_TipoAgEcon,I1 PAITAE_IdMembro PAITAE_DsgTipoAgEcon PAITAE_FlagSI PAITAE_FlagSIBase I3 PAITAE_FlagTipoAF I2 PAITAE_FlagIFM TPAINUT0_NUTS PAINUT_CodNUTS FK1,I1 PAITER_IdMembro PAINUT_NivHierUT TPAICNC0_Concelho,FK1,I1,U1 PAITER_IdMembro FK4,I4 PAIDST_CodDstr PAICNC_CodConc FK3,I3 PAINUT_NUTS_III PAICNC_CodDstrEstat PAICNC_CodConcEstat FK2,I2,I5 PAITER_IdMbrDstr PAITER_IdMbrTerrNac TPAIDST0_Distrito PAIDST_CodDstr FK1,U2,U1 PAITER_IdMembro TPAIFRG0_Freguesia PAIFRG_CodFreg FK1 PAITER_IdMembro TPAIHAT0_HierAgregTerrit,FK1,FK2 PAINEG_IdAreaNeg,FK2,I2 PAITAT_CodTaxAgrTerr,FK1,I3,I1 PAIVAT_IdVerAgrTerr PAIHAT_NivHier PAIHAT_CodOrden TPAITPT0_TipoTerritorio,I1 PAITPT_IdTipoTerr PAITPT_TipoTerritorio TPAINEG0_AreaNegocio,I1 PAINEG_IdAreaNeg PAINEG_DsgAreaNegocio TPAICAT0_ComposAgregTerrit,FK2 PAINEG_IdAreaNeg,FK2,I4,I2 PAIVAT_IdVerAgrTerr,FK1,I1,I5 PAITER_IdMbrTerrFilho PAICAT_DataIni I3 PAICAT_DataFim TPAITAT0_TaxonAgregTerrit,FK1 PAINEG_IdAreaNeg PAITAT_CodTaxAgrTerr PAITAT_DsgTaxonom PAITAT_Disjuncao TPAIVAT0_VersaoAgregTerrir,FK2 PAINEG_IdAreaNeg,I4 PAIVAT_IdVerAgrTerr FK1,I3,I1 PAITER_IdMembro TPAITER0_Territorio PAITER_IdMembro I2 PAITER_DesignPT PAITER_DesignPTm PAITER_DesignEN PAITER_DesignENm PAITER_AcronPT PAITER_AcronEN I4 PAITER_ISONum PAITER_ISOAlfa2 I3 PAITER_ISOAlfa3 PAITER_DataIni PAITER_DataFim I1 PAITER_Activo PAITER_#Versoes PAITER_DesignAnterior PAITER_ISONumAnt PAITER_ISOAlfa3Ant TPAICTT0_ClassifTipoTerrit,FK2,I2 PAITER_IdMembro,FK1,I4,I1 PAINEG_IdAreaNeg FK3,I3 PAITPT_IdTipoMembro TPAIDIV0_Divisa PAIDIV_IdMembro U1 PAIDIV_ISOAlfa I1 PAIDIV_ISONum PAIDIV_DsgDivisa PAIDIV_DataIni PAIDIV_DataFim PAIDIV_DivSubst PAIDIV_DsgAnterior PAIDIV_FlgEuro PAIDIV_FlgPrinc PAIDIV_FlgCambio PAIDIV_EntidCotac TPAIPDV0_Pais_Divisa,FK2,I4,I2 PAITER_IdMbrTerrit,FK1,I3,I1 PAIDIV_IdMbrDivisa PAIRPD_DataIni PAIRPD_DataFim TPAIDVH0_HistClassDivisaBP FK1,I1 PAIDIV_IdMembro PAIDVH_DataIni PAIDVH_DataFim PAIDIV_FlgCambio PAIDIV_FlgPrinc TPAICAF0_ClassificAF FK1,I1 PAIEMP_IdMbrAF FK2,I2 PAITAE_IdMbrTipoAF PAIAGF_CodAF PAITAF_CodTipoAF PAICAF_DataIni PAICAF_DataFim PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf TPAIAFM0_AF_IMF PAITAE_IdMbrTipoIMF PAIAFM_DataIniIMF PAIAFM_DataFimIMF PAIAFM_TipoIniIMF PAIAFM_TipoFimIMF PAIAGE_IdMbrAFDestActlz PAIAFM_RespReporte PAIAFM_PeriodicReporte PAIAFM_RepTxJuro PAIAFM_Estracto PAIAFM_ActivOffShore PAIAFM_NomeCasaMae PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf TPAIAGF0_AgenteFinanceiro,FK3 PAIAGE_IdMembro PAIAGF_FlgIFR PAIAGF_CodAF PAIAGF_DataOriAF PAIAGF_DataExtAF FK1,I1 PAIAGE_IdMbrAFDestino PAIAGF_MotivoFimAF PAIAGF_MoradaAF PAIAGF_LocalidadeAF PAIAGF_CodPostalAF PAIAGF_ExtCodPostalAF PAIAGF_ZonaPostalAF PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf FK2 PAITER_IdMembro TPAITAF0_TipoAgFinanc,FK1,I1 PAITAE_IdMembro PAITAF_CodTipoAF PAITAF_SiglaTipoAF PAITAF_SuperTAF PAITAF_FlagAntRev PAITAF_FlagPosRev TPAIGFI0_GrupoFinanceiro PAIGFI_IdMembro PAIGFI_CodGF PAIGFI_FlgGFEstrang PAIGFI_DataCriacaoGF PAIGFI_DataExtincaoGF PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf TPAIAFV0_VersaoAF,FK6 PAIEMP_IdMbrVer FK1,I1 PAIAGE_IdMembro PAIAFV_SiglaAF PAIAFV_NomeAFAbrev PAIAFV_NomeAFCompl FK2,I3 PAITAE_IdMbrTipoAF PAIAFV_NIPC FK3,I4 PAITER_IdMbrPaisSede FK4,I5 PAITER_IdMbrPaisOrigCapital FK5,I2,I6 PAITER_IdMbrPaisResid PAIAFV_DataIniVer PAIAFV_DataFimVer PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf TPAIGFV0_VersaoGF PAIGFV_IdMbrVer FK2,I2 PAIGFI_IdMembro PAIGFV_SiglaGrupoFinanceiro PAIGFV_NomeGrupoFinanceiro PAITER_IdMbrPaisMaioriaCapital PAIGFV_DataIniVer PAIGFV_DataFimVer PAIXFI_TipoDimensao PAIXFI_SistFonteInf FK1,I1 PAIGFI_IdMbrGFPai TPAIGFC0_ComposGF I3 PAIGFC_IdSeq FK2,I2 PAIAGE_IdMbrAF FK1,I1 PAIGFI_IdMbrGF PAICGF_FlgCabecaGrupo PAICGF_FlgReportador PAICGF_FlgFilial PAICGF_FlgPerimConsolid PAICGF_DataIni PAICGF_DataFim PAICGF_FlgCancel PAINEG_IdAreaNeg PAIGFC_UseridProposta PAIGFC_UseridRespons PAIGFC_DtHoraProposta PAIGFC_DtHoraRegDefinit TPAIXUG1_UtilizMembroSI,FK6,I2 PAISIS_CodSistInfo FK1,I1,I3 PAIDIM_IdDim FK2,FK3,FK4,FK5,FK7,FK8 PAIXUG_IdMembro PAIXUG_CodSIMembro TPAIDIM0_Dimensao,I1 PAIDIM_IdDim I2 PAIDIM_NumDigMemb I3 PAIDIM_NumDigVer PAIDIM_DsgDimensao TPAISIS0_SistemaInformacao PAISIS_CodSistInfo PAISIS_DsgSistemaInform TPAITVL0_TipoValor PAITVL_IdMembro PAITVL_DsgTipoValor TPAITCT0_TipoConta PAITCT_IdMembro PAITCT_DsgTipoConta TPAIPRZ0_IntervPrazos PAIPRZ_IdMembro PAIPRZ_DscrIntervPrazo PAIPRZ_CodOrdem TPAIECR0_EscalaoCredito PAIECR_IdMembro PAIECR_DsgEscCredito TPAIFCR0_FinalidadeCredito PAIFCR_IdMembro PAIFCR_DsgFinCredito TPAIRUB0_Rubrica PAIRUB_IdMembro PAIRUB_CodRubrica PAIRUB_DsgRubrica PAIRUB_Formula TPAIAEC0_ActivEcononica PAIAEC_IdMembro PAIAEC_DsgActivEcon TPAICAE0_CodActivEcon,I2 PAICAE_IdMembro PAICAE_CAE FK1,I3,I1 PAIAEC_IdMbrActEcon PAICAE_Revisao PAICAE_NivHier PAICAE_Divisao PAICAE_SubDiv PAICAE_Classe PAICAE_Grupo PAICAE_SubGrp PAICAE_DataIni AUX_TPAIIAE_IdentAgEcon_020 PAIIAEPaisDoc PAITPDTipoDoc PAIIAENumDoc FK1 PAIAGE_IdMembro PAIIAEDtReg PAIIAEDtFim PAIXFITipoDimensao PAIXFISistFonteInf PAIAGETipoEmpPart AUX_TPAIAGE_AgEcon_020 PAIAGE_IdMembro PAIAGENomeAgEcon PAIAGETipoEmpPart PAIAGETipoNacEstrang PAIAGEPaisResidencia PAIAGEPaisNacionalidade PAIAGEDtReg PAIAGEDtFim PAIXFITipoDimensao PAIXFISistFonteInf PAIAGEDtRegFonte AUX_TPAIEMP0_EmpresaVersao_020 PAIEMP_IdVerMbr FK1 PAIAGE_IdMembro PAIAGENomeAgEcon PAIDSTCodDistrito PAIDSTCodConcelho PAIEMPDtCriacaoEmpresa FK2 PAICAE_IdMbrCAEResCred PAINJUCodNatJuridica PAIEMPDtHoraReg PAIEMPDtHoraFim PAIXFITipoDimensao PAIXFISistFonteInf PAIEMP_OrdemVersao Empresa Agente Financeiro Actividade Económica Sector Institucional Tempo Unidade Territorial Território Divisa Título

14 F o n t e s C l I e n t e s Armazenamento efetivo de dados de referência conformes; Processos específicos de ETL Views dedicadas para disponibilizar os dados Gestão da Informação de referência -SPAI gestão ViewPoint consulta on-line ETL Views ETL Base de Dados SPAI ETL Views aquisição armazenamento disponibilização

15 SI Cliente SPAI - Equipa dedicada interatua com equipa de projeto (desenvolvimento incremental) Estudo Planeamento Análise Desenho Construção Testes Inicial Implem. SPAI Identificação Domínios Informação Partilhada Identificação Necessidades Informação e Serviços SPAI Definição Requisitos Informação Referência Definição Condições Fornecimento Serviços Definição Views Alter. Base Dados SPAI Desenv. Proc. ETL Parametriz. ViewPoint Certificação Qualidade Serviços SPAI Passagem Produção Objectos SPAI

16 2º pilar Definição da Arquitetura de Referência BI Enquadramento e visão geral da arquitetura de BI decomposição em camadas Arquitetura de BI abordada a 3 níveis: Negócio (conceitos do negócio independentes da tecnologia) Concetual (tipos de tecnologias ou categorias de funcionalidades ) Tecnológica (Infraestrutura e componentes aplicacionais específicas)

17 Difusão: BPstat, BDIE Camada de negócio visão de dados Identificação de domínios de informação Função Domínios de Informação SI s Estatísticas Monetárias e Financeiras EMF Estatística Estatísticas da Balança de Pagamentos Estatísticas da Posição do Investimento Internacional BoP PII Estatísticas de Títulos Estatísticas das Contas Nacionais Financeiras Estatísticas das Empresas não Financeiras Estatísticas das Responsabilidades de Crédito SIET CN Central de Balanços ITENF CRC/CRE Supervisão

18 Camada de negócio visão de dados Cruzamento de informação entre domínios estatísticos

19 Correlação entre domínios de Informação partilha de informação de referência

20 Camada de Negócio Cadeia de Valor da informação Aquisição Produção Exploração Disseminação Controlo Aquisição Gestão Produção Gestão Exploração Gestão Dif usão Gestão Dados Ref erência Gestão Meta-Inf ormação (semântica, regras negócio e operação) Desenvolvimento Metodológico / Auditoria Estatística A cadeia de valor inicialmente estudada para os sistemas estatísticos é abrangente e generalizável para outros sistemas de BI (os quais poderão não passar por todos os passos no mínimo Aquisição e Exploração sempre presentes).

21 Cadeia de Valor da informação atividades tipo Aquisição Produção Exploração Difusão Recolha Estimação / Extrapol Consulta Dados Monitorização Recepção Amostragem Cálculo Indicadores Análise Interactiva Extracção Análise Temporal Cálculo Representativ Public Relatórios Validação Cruzam / Integração Agregação Ad hoc Consulta Relatórios Qualidade Agreg / Contributos Análise Dimensional Subscr Relatórios Correcção Cálculo Variáveis Análise Tendência Distrib Relatórios Categorização Ranking Análise Exploratória Reporte Periódico Transformação Análise Descritiva Análise Predictiva Publicação Identificação Outliers Ad hoc Reporting

22 Dados de trabalho atualizáveis transacionais detalhados Microdados base e derivados Dados atualizáveis Voláteis (ciclo prod.) Camada Concetual repositórios de dados Estruturado para consulta e análise Atualizações calendarizadas / automáticas Não volátil (todo o histórico existente) Dados menos detalhados (e anonimizados) Não volátil

23 B D I E B P s t a t Aquisição Produção Conceptual Exploração layer data view Data repositories Difusão Central de Balanços Data Staging Central de Responsabilidades de Crédito Data Staging Balança de Pagamentos Data Staging Working Data Store Data Warehouse Data Marts Estatísticas de Títulos Data Staging (Outros domínios estatísticos) Data Staging SPAI Reference Data ViewPoint Metadata

24 Camada concetual componentes funcionais

25 Camada Tecnológica Infraestrutura de dados

26 Camada Tecnológica componentes aplicacionais

27 Excel Services Camada Tecnológica - Componentes da plataforma de BI Microsoft Ferramentas end-user Microsoft Office Excel 2007 /2010

28 Nova gama de ferramentas Perspetiva de evolução - principais drivers da reformulação da Arquitetura Novos Conceitos Necessidades do negócio Reformulação da Arquitetura de BI Novos suportes tecnológicos Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

29 Sumário / Ideias chave: Arquitetura de BI abordada a 3 níveis: Negócio (conceitos do negócio independentes da tecnologia); Concetual (tipos de tecnologias ou categorias de funcionalidades ); Tecnológica (produtos específicos). Cadeia de Valor da informação para sistemas de BI com similitudes e generalizável. Estratégia de implementação: Desenvolvimento incremental por projetos individualizados (sem perder a visão de conjunto); Integração assente na informação de referência (dimensões) e com o suporte de um sistema (de partilha); Recurso a uma arquitetura (e consequentemente a uma plataforma tecnológica) comum - a utilização da mesma arquitetura e tecnologia facilita a integração e reutilização de soluções. Parceria entre técnicos das áreas de negócio e dos SI s. Departamento de Organização, Sistemas e Tecnologias de Informação 15 de Maio de 2013

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Serviço Público Inteligente

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI Conferência Serviço Público

Leia mais

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Sucesu RJ - IV Congresso de Inteligência Competitiva Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Eugenio Pedrosa Petrobras Roteiro Arquitetura de BI Evolução da BI nas Empresas Corporate Performance

Leia mais

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques

Papel das empresas no novo sistema das estatísticas externas. Carla Marques Papel das empresas no P ld novo sistema das estatísticas externas Carla Marques ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Estatísticas externas Portuguesas II. Sistema das estatísticas externas e necessidade de reformulação

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário 11 de novembro de 2014 Auditório da Torre do Tombo PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI Casos de implementação Gerir a complexidade

Leia mais

Uma peça estratégica para o seu negócio

Uma peça estratégica para o seu negócio Uma peça estratégica para o seu negócio INFORMAÇÃO GERAL DA EMPRESA CASO DE SUCESSO EM IMPLEMENTAÇÃO BI PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundada em 1997, Habber Tec é uma empresa especializada na oferta de soluções

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais. Business Intelligence na Saúde. Perspetivas e Desafios

As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais. Business Intelligence na Saúde. Perspetivas e Desafios As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais Business Intelligence na Saúde Perspetivas e Desafios Agenda 1 2 3 4 5 6 7 Glintt Global Intelligent Technologies Glintt

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Solução e Tecnologia

Solução e Tecnologia Solução e Tecnologia Introdução VER OFERTA sobre BSCC BI Novabase, simpler and happier. Tornamos a vida das pessoas e das empresas mais simples e mais feliz. #1 Serviços BI em Portugal +170 Consultores

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Estatísticas das Finanças Públicas

Estatísticas das Finanças Públicas Departamento de Estatística Área de Contas Nacionais Financeiras e de Estatísticas de Títulos Estatísticas das Finanças Públicas Dezembro de 2009 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 I CARACTERIZAÇÃO GERAL... 3 1. Versão/Data...

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

25 Maio Reitoria UNL

25 Maio Reitoria UNL 25 Maio Reitoria UNL 25 Maio Reitoria UNL Gestão de Serviços Partilhados na Administração Pública José Cordeiro Gomes Gestão de Serviços Partilhados na AP Agenda: 1. Enquadramento dos Serviços Partilhados

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista

Business Intelligence para Computação TítuloForense. Tiago Schettini Batista Business Intelligence para Computação TítuloForense Tiago Schettini Batista Agenda Empresa; Crescimento de Dados; Business Intelligence; Exemplos (CGU, B2T) A empresa Empresa fundada em 2003 especializada

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Mini-MBA de Especialização em Auditoria Contabilística, Financeira e Fiscal

Mini-MBA de Especialização em Auditoria Contabilística, Financeira e Fiscal Mini-MBA de Especialização em Auditoria Contabilística, Financeira e Fiscal Índice Duração Total...2 Destinatários...2 Perfil de saída...2 Pré-Requisitos...2 Objetivo Geral...2 Objetivos Específicos...3

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS

GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS 1 GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS 1 2014 Agenda 2 1. Introdução 2. Actividades gerais do Arquivo Técnico de E&P 3. Importância do Arquivo Técnico de E&P para a Sonangol 4. Tipo de documentos e formatos 5. Tipos

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário

Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário Gestão Documental e Governança da Informação - O Debate Necessário 11 de novembro de 2014 Auditório da Torre do Tombo PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI Gestão por Processos de Negócio

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social

Balanço das Medidas do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Balanço das do Domínio de Valorização do Capital Humano e Gestão de Apoio à Segurança Social Dr. Hugo Brás ENAD. 31 de Agosto de 2015 AGENDA Academia INSS Transferência de Conhecimento Apoio Operacional

Leia mais

Sistema Informação Geográfico

Sistema Informação Geográfico Sistema Informação Geográfico Autoridade Tributária e Aduaneira Judas Gonçalves IT Project Manager Agenda Enquadramento; Sistema de Informação Geográfico da AT: - Base de Dados Geográfica Centralizada;

Leia mais

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1

2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 1 2015 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos reservados. 2 Agenda

Leia mais

Apresentação DAMARECE

Apresentação DAMARECE Apresentação DAMARECE Madrid 24 Abril 2007 F E D E R Levantamento processos Key User Ana Teresa Duarte Filipe Fátima Enes Wanda Bizarro Glória Fidalgo Isabel Almeida João Valente Manuel Melo Augusto Elavai

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto de BI/DW-UFBA

Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto de BI/DW-UFBA Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA67 Projeto Final II Uma análise de ferramentas de modelagem e gerência de metadados aplicadas ao projeto

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA PARA A ADMINISTRAÇÃO LOCAL: DESENVOLVIMENTO E PERSPETIVAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO

2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO 2015/06/17 - IDC BUSINESS INTELLIGENCE DO ORÇAMENTO A DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO (DGO) 1849 Criação da Direção Geral da Contabilidade 1863 - Passou a designar-se por Direção-Geral da Contabilidade Pública

Leia mais

PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH

PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH PORQUÊ A META4? UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE RH Orientados para o cliente Na Meta4 temos um objetivo claro: a satisfação dos nossos clientes. Para isso, dedicamos todos nossos esforços para oferecer um apoio

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Realização de Prova de Conceito dos Sistemas Legados da Secretaria de Saúde

Realização de Prova de Conceito dos Sistemas Legados da Secretaria de Saúde Departamento AD & BI Realização de Prova de Conceito dos Sistemas Legados da Secretaria de Saúde Belo Horizonte, 2012 15/05/2012 Allana Dias Escopo_BH 1/9 Status do Documento: Histórico do documento: DATA:

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa

Relatório de Atividades 2011. Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividades 2011 Carlos da Silva Costa Banco de Portugal Relatório de Atividade 2011 Esquema da Apresentação I. Enquadramento da Atividade Enquadramento externo Linhas Gerais

Leia mais

Apresentação Corporativa. 23 Janeiro 2013

Apresentação Corporativa. 23 Janeiro 2013 Apresentação Corporativa 23 Janeiro 2013 Mais de 29 anos de experiência no mercado nacional e internacional, contando com uma equipa de 50 colaboradores especializados Vasta oferta de Soluções de Gestão

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico

Auditoria ao Processo de. no Sector Eléctrico Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador no Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento e objectivos 2. Descrição dos trabalhos do auditor 3. Conclusões do trabalho do auditor 4. Recomendações

Leia mais

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito

Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito Acesso à informação das empresas na Central de Responsabilidades de Crédito P l C i i Paula Casimiro ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. A do Banco de Portugal II. Acesso à informação da CRC 2 A do Banco de Portugal

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution IAPMEI EEN KMS Knowledge Management Solution Praia, 1 e 2 de Dezembro de 2011 IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação http://www.iapmei.pt/ Principal instrumento das políticas

Leia mais

FORMAÇÃO BPM BUSINESS PROCESS MANAGMENT (CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL) UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP. V5 Mai 13

FORMAÇÃO BPM BUSINESS PROCESS MANAGMENT (CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL) UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP. V5 Mai 13 FORMAÇÃO BPM BUSINESS PROCESS MANAGMENT (CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL) UMA PARCERIA ENTRE A ABPMP E A AEP V5 Mai 13 CERTIFIED BUSINESS PROCESS PROFESSIONAL A Associação Internacional de Profissionais

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DOCUMENTO METODOLÓGICO Inquérito ao Sistema Educativo Regional Código: 47 Versão: 1.0 INTRODUÇÃO A necessidade de formular Políticas

Leia mais

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável

As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável As potencialidades do cluster Português da água ao serviço do desenvolvimento sustentável PAULO LEMOS, Secretário de Estado Ambiente e do Ordenamento do Território Missão da Parceria Portuguesa para a

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Gabinetes de Consulta Jurídica Código: 485 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Gabinetes de Consulta

Leia mais

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015.

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015. Instruções para preenchimento dos formulários relativos ao total dos ativos e das posições em risco para efeitos de recolha dos fatores de taxa utilizados no cálculo das taxas de supervisão Fevereiro de

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO

AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO DE TODOS RESUMO http://www.tterra.pt/publicacoes/guia_agenda_21.html 1. ENQUADRAMENTO A Agenda 21 Local mais não é do que um Sistema de Sustentabilidade Local (SSL) constituindo

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

As 6ªs da reforma Lei de Enquadramento Orçamental

As 6ªs da reforma Lei de Enquadramento Orçamental As 6ªs da reforma Lei de Enquadramento Orçamental Luís Morais Sarmento As opiniões e posições expressas são da responsabilidade do autor, não coincidindo necessariamente com as do Banco de Portugal ou

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI 24 Maio 2012 Inteligência Competitiva A Nova Agenda Digital

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin

BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin CUSTOMER SUCCESS STORY BancoEstado ganha eficiência de dados e mais rapidez no desenvolvimento de sistemas com CA ERwin PERFIL DO CLIENTE Setor: Serviços Financeiros Organização: BancoEstado de Chile Funcionários:

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias Código: 484 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos processos dos Tribunais

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES DOMÍNIOS CRÍTICOS DA ACTIVIDADE ASSOCIATIVA: - Intervenção Política e Institucional / Produção Normativa; - Formação; - Assistência Técnica; - Assistência Documental; - Tratamento e Fornecimento de Informação:

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Outubro de 2013 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Ciente da relevância estratégica

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0

SPEKX Platform DATA SHEET. Visão Resumida da Plataforma. Release 3.3. Versão 1.0 SPEKX Platform DATA SHEET Visão Resumida da Plataforma Release 3.3 Versão 1.0 ÍNDICE ANALÍTICO Introdução... 3 Funcionalidade Modular... 4 de s SPEKX Platform...5 Funcionalidades Adicionais...7 Introdução

Leia mais

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing A perspetiva do cliente - 18 de Junho de 2013 - Agenda Enquadramento Atividades em Outsourcing Caraterísticas do Modelo Prestação de

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Gestão Documental na Administração Pública

Gestão Documental na Administração Pública Gestão Documental na Administração Pública 6 de dezembro de 2012 Auditório da Torre do Tombo Patrocínio Gold Patrocinadores Globais APDSI Patrocínio Prata Polícia Judiciária: Gestão de Documentos, Processos,

Leia mais

Capítulo 2 Data Warehousing

Capítulo 2 Data Warehousing Capítulo 2 Data Warehousing Objetivos de Aprendizado Compreender as definições e os conceitos básicos dos data warehouses Compreender as arquiteturas de data warehousing Descrever os processos usados no

Leia mais

Soluções de Inteligência de Negócio e Mercado

Soluções de Inteligência de Negócio e Mercado Soluções de Inteligência de Negócio e Mercado Fernando Garre e Majela Fortes Especialistas em consultoria de Business Intelligence / Data Warehouse Consultoria focada nas Soluções de Business Intelligence

Leia mais