LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica"

Transcrição

1 LOGÍSTICA REVERSA Vantagem Competitiva e Econômica Benedito Inácio De OLIVEIRA 1 - RGM Kelly Cristina PUJOL 1 - RGM Maria José Da SILVA 1 - RGM Pamela Thais Mendes De MORAES 1 - RGM Tarciso Guilherme GUILGE 1 - RGM Renato Francisco Saldanha SILVA 2 Elcio Aloísio FRAGOSO 3 Resumo A Logística Reversa surgiu como um conceito de remanejamento de materiais e resíduos, cujo um dos principais objetivos é o recolhimento e a recolocação dos mesmos nos canais de distribuição, podendo assim promover ganhos econômicos consideráveis, menos desgastes ambientais e agregar maior valor ao produto. A eficiência em relação ao combate á desperdícios que esse conceito pode trazer eleva significativamente a lucratividade para as empresas que desejam longevidade. A escolha do tema foi motivada pela necessidade em explanar a logística reversa como o oxigênio para as empresas de todos os portes e como ela ofertará campo de grande atuação profissional aos que dominarem esse assunto. Palavras-chave: logística reversa. Eficiência. Competitividade. Lucratividade. Longevidade. Introdução A crescente demanda, especialmente por bens de consumo, passou a ser responsável pelo lançamento anual de milhares de toneladas de resíduos no meio ambiente, que vão de embalagens plásticas de produtos de uso doméstico à fuselagens sucateadas de antigos aviões de passageiros. Mas que fazer com esse material após o seu descarte? A logística reversa (conhecida também como reversível ou inversa) tem como objetivo a recuperação ou deposição em local seguro de produtos, embalagens, materiais, entre outros, desde o ponto de consumo até o local de origem. Essa nuance da logística abrange fatores econômicos, uma vez que os serviços de devolução ou reparo passam a ser um fator competitivo em termos de qualidade, eficiência e baixo custo nos serviços de pós-venda e, especialmente, a responsabilidade ambiental e questões de sustentabilidade, em detrimento a utilização desenfreada de recursos naturais e a falta de um cuidado especial com resíduos que atualmente são políticas tão importantes para a sociedade e interessantes para os objetivos de marketing da empresa. 1 Formandos do curso de Administração do CEUNSP (ano de conclusão 2012). 2 Professor do CEUNSP; Especialista em Administração. 3Professor do CEUNSP; Especialista em Administração

2 2 Embora por muito tempo não fosse tratada ou denominada como tal, já existiam processos de logística reversa, como por exemplo, o retorno de garrafas (vasilhame). No final dos anos 80, o inicio de estudos mais aprofundados tornou possível a sistematização dos processos inerentes à logística reversa, tal como ela é nos dias atuais. Já no ano de 2003, mais de 80% dos operadores logísticos atuantes no Brasil ofereciam o serviço de logística reversa, revelando crescimento acentuado de interesse, diferente entre setores em razão dos diversos níveis de impacto causados pelo retorno de produtos e materiais ao ciclo de negocio e produtivo (Leite, 2009, p.16). Nos países mais desenvolvidos e com maior qualidade de vida existe o maior numero de pessoas e organizações conscientes ante as questões ambientais, colaborando na separação e recolha de diferentes tipos de resíduos domésticos e industriais, que em grande parte podem ser reciclados ou reaproveitados, ou a sua matéria prima reutilizada em novos produtos e retornar a cadeia de distribuição. Nos EUA, a logística reversa já representa 0,5% do produto interno bruto. Em Portugal, existem cada vez mais empresas especializadas em gestão de resíduos, realizando a recolha, transporte, separação e deposição no local próprio, e algumas delas, executando a reciclagem do próprio material. Isso se deve à conscientização dos empresários em tornar a empresa ambientalmente adequada e denota uma visão de longo prazo por parte deles, que ao observarem tendências sociais de consumo, leva-os a criar processos que traga bons resultados financeiros, pois o consumidor geralmente busca por marcas ambientalmente corretas. No entanto, essa característica ainda é um privilégio da minoria entre o empresariado brasileiro, pois além de não haver uma legislação federal que obrigue os fabricantes a receberem seus produtos de volta ao final de suas vidas úteis, esse tipo de atividade, em sua implantação, costuma ser cara e nem mesmo as próprias empresas costumam mapear o custo. Embora o cenário nacional ofereça frequentemente a alternativa de cooperativas, que tanto podem comprar os resíduos dessas empresas como recolher os materiais que já chegaram ao fim de sua vida útil, essa ainda depende da boa vontade do consumidor em fazer a devida separação, o que reforça a tese de que, a oportunidade de recuperação está também diante de quem produz, e não apenas de quem consome.

3 3 Conceito de logística reversa Antes de entrarmos nesse assunto, precisamos entender que, nas últimas décadas, houve um enorme crescimento de modelos diferentes, em uma única categoria de produtos, nos mais diversos seguimentos de mercado. Esse crescimento atendeu as diversas expectativas do mercado mundial por produtos cada vez mais diversificados, especialmente os que atendessem às particularidades de cada organização. Produtos e modelos que atendessem os mais diferentes seguimentos de clientes, em uma variedade de aspectos: cores, tamanhos, capacidades e propriedades específicas, tecnologia agregada, além de aspectos ainda mais íntimos como sexo, idade, etnia, tamanho e tipo de embalagens, etc. De acordo com leite (2009), com a constante oferta de novos produtos e a respectiva necessidade de aquisição por parte do mercado, houve uma nítida redução no tempo de vida mercadológico e útil dos produtos anteriormente produzidos. Essa substituição vem em consequência de projetos mais sofisticados, concepção de único uso, pelo uso de materiais de pouca durabilidade, inviabilidade técnica e econômica de conserto, etc. Como reflexo dessa expansão e substituição contínua, há quantidades maiores de produtos retornando ao ciclo de negócio na busca pela recuperação de valor, esses ainda novos, com pouco uso, já consumidos, com defeitos ou dentro da garantia, obsoletos ou com validade vencida. Produtos no fim de sua vida útil, em condições de reutilização ou aproveitamento de sua matéria prima e resíduos industriais, que não mais despertando interesse ao primeiro proprietário, retornam ao ciclo de negócio ou produtivo com objetivos idênticos, porém por caminhos diferentes. Com o advento da globalização e da alta competitividade, as organizações reconheceram a necessidade em atender a uma variedade de interesses sociais, ambientais e governamentais, e garantir seus negócios e sua lucratividade ao longo do tempo. Contudo, satisfazer acionistas, clientes, fornecedores, funcionários, comunidade local, governo, enfim, seus stakeholders, que avaliam a empresa sob diferentes perspectivas, seria praticamente impossível ignorando os reflexos negativos que o retorno de crescentes quantidades de produtos de pós-venda e de pós-consumo poderiam causar nas operações empresariais (e consequentemente na rentabilidade), e a saturação dos sistemas tradicionais de disposição final (aterros sanitários, ferro-velho, etc.), o que pode provocar poluição por contaminação ou por excesso.

4 4 Prosseguindo com os estudos de leite, legislações ambientais passaram a responsabilizar cada vez mais as empresas pelo correto equacionamento dos fluxos reversos de seus produtos de pós-consumo. Para muitas, isso representa apenas maiores níveis de custo. Para outras, apesar dos custos inerentes, uma excelente oportunidade para o marketing da organização, pois essas ações valorizam a imagem da empresa como cidadã e consciente da responsabilidade socioambiental diante da comunidade. Os primeiros estudos sobre logística reversa se encontram nas décadas de 1970 e 1980, (embora muitas práticas empresariais que podem ser entendidas como logística reversa já existissem a muito tempo, inclusive no brasil, como o retorno de garrafas de cerveja). Na época, o foco principal era relacionado ao retorno de bens a serem processados em reciclagem de materiais, denominados como canais de distribuição reversos. O tema ganhou uma melhor distinção no cenário empresarial a partir da década de Como consequência do crescimento de volumes que passaram a integrar o mercado, pelos motivos já citados, houve uma maior difusão das principais ideias e um estudo mais aprofundado por parte dos agentes das cadeias de suprimentos sobre as possibilidades estratégicas e oportunidades empresariais através da aplicação da logística reversa, o que possibilitou importantes avanços nessa área e fez com que ela ganhasse um maior espaço nos hábitos empresariais brasileiros. Mas afinal, qual o conceito geral de logística reversa? Levando em consideração o parecer de alguns autores como a council of logistics management (1993, p.323), stock, rogers (1998, p.20) e tibben-lembke (1999, p.2), e sintetizando os principais tópicos que ajudam a definir melhor as características principais dessa variante da logística, podemos dizer que: A logística reversa é um amplo termo que relaciona entre si as atividades contidas nos processos de planejamento, implementação, direcionamento e controle da eficiência e do custo efetivo do fluxo inverso de matérias primas, estoques em processo, produtos acabados, produtos em fim de sua vida mercadológica e útil, sucatas, embalagens e resíduos. O tema engloba também o gerenciamento de produtos retornados para reforma ou reparação (pósvendas), devolução, substituição de materiais, remanufatura, reciclagem, reuso de materiais, movimentação e disposição e informações correspondentes do ponto de consumo ao ponto de origem.

5 5 O objetivo dessas atividades é a recaptura de valores ainda agregados a esses itens, efetivo atendimento do pós-vendas, redução de consumo e a destinação final adequada dos itens pós-consumo. Logística reversa é um processo de planejamento, implementação e controle, eficiente e á um custo eficaz, do fluxo de matérias primas, estoques em processamento e produtos acabados, assim como do fluxo de informação, desde o ponto de consumo até ao ponto de origem, com o objetivo de recuperar valor ou realizar um descarte final adequado (barbieri; dias, 2002 p.32). Objetivos da logística reversa Segundo Leite, a logística reversa tem por objetivo todas as operações relacionadas com a reutilização de produtos e materiais, incorporados em todas as atividades logísticas como coletar, desmontar e processar produtos ou materiais e peças usadas a fim de assegurar uma recuperação sustentável. Foi historicamente associada com as atividades de reciclagem de produtos e aspectos ambientais, passando a ter importância nas empresas devido á pressão exercida pelos Stakeholders relacionadas às questões ambientais na cadeia de suprimentos. (Kopicki; Berg; Legg,1993; Kroon, Vrijens 1995; Stock, 1992; Hu; Sheu; Haung, 2002). Segundo Christopher (1999), a decisão pelo gerenciamento de fluxos reversos amplia ainda mais as oportunidades de acréscimo de valor de diferentes naturezas que a atividade logística pode agregar ao bem. A logística reversa apresenta diversas definições, que ao longo dos tempos foram evoluindo e se encaixando nas organizações. Seu principal objetivo é o de atender os princípios de sustentabilidade ambiental, a partir da conscientização das empresas, no momento da compra da matéria prima, durante o processo produtivo, até a distribuição final da mercadoria. Também tem o objetivo de reduzir a poluição e insumos que degradem o meio ambiente, adotando produtos e procedimentos que auxiliem esse processo. Logística reversa é um amplo termo relacionado ás habilidades e atividades envolvidas no gerenciamento de redução, movimentação e disposição de resíduo de produtos, embalagens e prestação de serviços (CLM, 1993: 323, Apud: Leite, 2003). As empresas, de alguma forma, estão se adequando a estes procedimentos e se adequando involuntariamente aos 3R s (Redução, Reutilização e Reciclagem), com a finalidade de maximizar o aproveitamento do material utilizado como um todo, tanto na

6 6 utilização das sobras quanto nos produtos refugados, reaproveitando-os e evitando os desperdícios e danos ao meio ambiente, abrindo assim subsídios para o atendimento do mercado com menores custos. Hoje os produtos estão sendo diferenciados pela qualidade, benefícios e satisfação nos produtos ecológicos. Planejamento, implementação e controle. Partindo sempre do pressuposto de que a Logística Reversa deve ser introduzida em um meio para trazer benefícios à organização e a sociedade, sem desprezar os objetivos econômicos, as empresas devem estabelecer clareza em suas implantações e ao que almejam nas mudanças em médio prazo. Normalmente é o profissional do gerenciamento da cadeia de suprimentos - Supply Chain Management (SCM) - quem cria as estratégias, devendo contar sempre com o comprometimento e apoio da alta direção e com a participação direta de colaboradores de áreas chaves como financeira, comercial e estoque, pois todas as ações deverão ser planejadas e executadas entre as áreas que farão parte de uma estrutura sistêmica e integrada relacionadas á logística direta e reversa. PRM Administração da Recuperação de Produtos De acordo com Sergio Lopes de Souza Junior, especialista em projetos EPC e automação de projetos de engenharia em 16/10/2009, no portaldomarketing.com.br, a Administração da Recuperação de Produtos - Product Recovery Management (PRM) - é o gerenciamento das operações que compõem o fluxo reverso. Seu objetivo é a recuperação, tanto quanto possível, de valor econômico e ecológico dos produtos, componentes e materiais, sendo algumas de suas atividades parcialmente similares às que ocorrem no processo de devoluções internas de itens defeituosos, devido a processos de produção não confiáveis. O sistema de logística reversa deverá ser desenhado de acordo com as opções de PRM escolhida por cada empresa. O gerenciamento de todos os produtos, componentes e materiais usados e descartados pelos quais uma empresa fabricante é responsável legalmente, contratualmente ou por qualquer outra maneira (Thierry et al, APUD Krikke: 1998, p.9).

7 7 A PRM lida com uma série de problemas administrativos, entre os quais se encontra a logística reversa. As seis áreas principais do PRM são: (Thierry et al., APUD Krikke: 1998, pp ). Tecnologia: nesta área estão incluídos desenho do produto, tecnologia de recuperação e adaptação de processos primários. Marketing: diz respeito à criação de boas condições de mercado para quem está descartando o produto e para os mercados secundários. Informação: Diz respeito à previsão de oferta e demanda, assim como à adaptação dos sistemas de informação nas empresas. Organização: distribui as tarefas operacionais aos vários membros de acordo com sua posição na cadeia de suprimentos e estratégias de negócios. Finanças: Inclui o financiamento das atividades da cadeia e a avaliação dos fluxos de retorno. Logística Reversa e Administração de Operações: este é o foco do trabalho e será aprofundado no decorrer do desenvolvimento. Segundo Krikke (1998, pp ) os produtos retornados podem ser recuperados em quatro níveis: nível de produto, módulo, partes e material, se tratando o último da reciclagem propriamente dita. Por fim, um estudo aprofundado de todo o contexto econômico inerente ao tipo de indústria e ramo de negócios se faz necessário para a elaboração de uma projeção de cenários possíveis, essencial para o planejamento estratégico de médio e longo prazo, além do impacto econômico esperado e seus resultados. Avaliar o aspecto econômico de uma cadeia reversa torna-se às vezes um processo difícil. Isso irá depender das quantidades retornadas ao ciclo produtivo através da cadeia reversa e das quantidades que são produzidas na cadeia produtiva direta (LEITE, 2003, p. 108). Implementação Primeiramente, buscar as parcerias necessárias, como operadores logísticos especializados, empresas de correios, fornecedores e clientes, através de contratos escritos ou mesmo verbalmente, dependendo da complexidade das negociações, sem descartar a necessidade de se utilizar os serviços de um consultor em logística ou mesmo do apoio do Conselho de Logística Reversa do Brasil (CLRB).

8 8 Como esse projeto implica em muitas iniciativas e mudanças organizacionais essenciais para a implementação e efetividade do processo de logística reversa na companhia, o gestor poderá se deparar com algumas barreiras e resistências, sejam econômicas, culturais, operacionais, etc. Nessa fase, será necessário muito incentivo e integração, e uma especial atenção á criticas e sugestões de todos, o que poderá torna-los fortes aliados. Segundo (Chouinard et al., 2004, p. 107), para adequar e integrar as atividades de logística reversa com as atividades primárias, as organizações precisam se estruturar e organizar-se, passando pelas seguintes etapas. Análise de possibilidades de mercado para recuperação de produtos: a) Políticas de retorno para controlar os fluxos reversos de material; b) Fechar ou abrir o canal reverso; c) Processos alternativos de recuperação de paletes; Examinar a necessidade de uma rede de logística reversa: d) Definir um critério de desempenho da rede; Determinar o grau de integração da logística reversa com a cadeia de suprimentos regular: e) Rede de logística reversa dedicada ou integrada; f) Rede centralizada ou descentralizada; g) Número de níveis das redes; h) Recursos dedicados ou recursos comuns à cadeia de suprimentos regular; i) Definir processos operacionais; j) Definir necessidade de informação; k) Estabelecer um desenvolvimento contínuo do canal de logística reversa. De acordo com o artigo publicado no site %20enegep/8.pdf, os clientes de atacado e varejo são o elo final da cadeia reversa, e passam a ser estratégicos no sentido de promover a eficiência da cadeia reversa de retorno de itens pósconsumo, o que traz a necessidade de se envolver no projeto o departamento comercial, para que esse mostre aos parceiros a necessidade e a importância dessa operação, considerando

9 9 ainda estabelecer através de contrato, a recaptura de valor desses ativos acarretando maior flexibilidade e ganhos nessa cadeia, tanto para o fornecedor que obtêm redução de seus custos na recuperação desses ativos e para o cliente que terá frequentemente disponibilidade de área em suas lojas. O mesmo artigo acima demonstra que a gestão eficiente do fluxo somente é possível em função de outros fatores importantes: a) Estruturar um centro consolidador de retorno: A criação dessa estrutura acarreta inúmeras vantagens operacionais, com o objetivo de concentrar todo o gerenciamento de movimentação, triagem, conserto, seleção e distribuição. Para (Arima et. al, 2003, p. 6) estabelecer um centro consolidador de retorno traz inúmeras vantagens operacionais, como a concentração dos seus recursos operacionais e técnicos, que irão separar e identificar os materiais com melhor qualidade, destinando aos locais, tornando o processo visível e gerencial. b) Mapear e padronizar os processos: Atividade mandatória relacionada ao desenho de todos os fluxos, definindo itens de controle, ciclos e tempos de execução e treinamento de todos os envolvidos. c) Planejar a malha logística de transporte: Estudo, mapeamento e padronização de toda a malha logística, para atender o fluxo de retorno de itens pós-consumo ao centro consolidador de retorno. A vantagem principal são os ganhos com consolidação de fretes e maior aproveitamento de veículos da frota de transportadores. d) Sistemas de Informação: Nem todos os que fazem parte da cadeia de logística reversa tem acesso ao sistema de gestão da companhia. Os sistemas integrados de gestão acabam não sendo customizados para atendimento do fluxo de logística reversa, mas o princípio de um sistema de informação para (Arima et al, 2003, p. 6) é ser flexível e absorver de forma lógica as exceções do processo, fazendo a interface com vários participantes, enviando e recebendo informações fundamentais. De acordo com (Richey et al, 2005, p.831) para obter uma logística reversa otimizada, eficiente e efetiva, com sistemas de informações e gerenciamento dos dados têm que ser redesenhados ou expandidos para compreender os retornos. Controle Assim como em qualquer área, os trabalhos devem ter acompanhamento em seu desenvolvimento. Especialmente no começo, os processos de logística reversa representarão

10 10 um destino de investimentos sem retornos garantidos, onde o objetivo de redução de custos será ainda mais alcançado dentro de alguns meses ou anos, por isso, o monitoramento dos recursos investidos e de todas as etapas operacionais se faz tão importante como provedor de um futuro de êxito no projeto. Sondar fatores externos como índices inflacionários, cotação de preços de materiais, tendências, legislação ambiental, novos fornecedores e clientes, enfim, todos os ofensores e catalisadores do mercado são de suma importância para reduzir riscos e cada vez mais encontrar oportunidades de melhorias dentro dos canais reversos para a empresa. Do ponto de vista operacional, Resende (2006) afirma que uma boa gestão dos processos requer a mensuração dos processos inerentes à prestação de serviços, para que seja possível identificar os desvios e as melhorias necessárias. Taylor (2005) propõe o uso de um conjunto de medidas de monitoramento do desempenho como estratégia de otimização das operações. Ballou (1995) defende a ideia das atividades logísticas como sendo um processo contínuo do colaborador como monitor e provedor das informações sobre o desempenho das atividades logísticas. Ponto de vista econômico De acordo com os estudos de LEITE (2009), no âmbito das operações industriais, a logística reversa de pós-consumo tem o papel fundamental de reintegrar ao ciclo produtivo matérias primas e componentes secundários provenientes dos canais reversos de remanufatura, reciclagem ou de revalorizações mercadológicas. Devido aos seus preços muito menores em relação aos de primeira linha ou novos, esses materiais oferecem oportunidades de reduções nos custos, consumo de insumos energéticos e nos investimentos necessários às operações que envolvem materiais secundários. Se empregado com o devido planejamento, o investimento consequentemente trará a rentabilidade satisfatória pode ser conferida aos agentes comerciais e industriais em todas as etapas dos canais reversos. Podemos, assim, entender que o objetivo econômico da logística reversa é a comercialização de um produto usado, em suas plenas condições de utilização pelo futuro comprador, e a revalorização do produto ou componente que ofereça condições tecnológicas de remanufatura. O objetivo estratégico econômico da implementação da logística reversa está na economia observada entre o valor produzido com matérias primas primárias e secundárias, e valor do produto de pós-consumo.

11 11 O interesse econômico e o equilíbrio entre as partes Segundo LEITE (2009, p. 103), a cadeia logística de suprimentos, tanto direta quanto reversa, é constituída por elos, ou seja, fornecedores, produtores, cooperativas, distribuidores, operadores logísticos, consumidores, etc. Esses, como já vimos, buscam (e precisam) obter uma rentabilidade satisfatória em retorno à sua respectiva função dentro da cadeia de suprimentos, sendo no caso dos agentes da cadeia inversa, constituída pela coleta de pósconsumo, processamentos diversos de agrupamento e separação, reciclagem ou remanufatura industrial e reintegração ao ciclo produtivo ou de negócios por meio de um produto aceito pelo mercado. Porém, os objetivos econômicos devem ser sempre alcançados por todos os agentes da cadeia reversa para que exista, além da motivação e interesse por estes em se manter no negócio, o fluxo financeiro correspondente aos esforços e custos inerentes ao processo e aos valores agregados aos produtos a serem reaproveitados, para que esses possam manter a continuidade de suas funções. Resumindo a colocação de LEITE (2009 p.103), a falta da rentabilidade esperada geralmente resulta em uma característica estrutural negativa para o mercado de produtos de pós-consumo. Quando um desses elos se vê obrigado a tomar a decisão de interromper ou abandonar suas atividades por falta de recursos financeiros, a dinâmica da cadeia é quebrada, ou seja, o fluxo inverso até então existente fica prejudicado, desfalcado pela ausência desse agente. O resultado é o desequilíbrio entre os fluxos diretos e reversos na oferta e demanda dos produtos de pós-consumo, prejudicando assim todos os outros agentes da cadeia. CLM (1993) afirma que, devido á própria natureza do mercado, muitos canais reversos se desenvolveram sem mesmo a necessidade de uma legislação ou fatores ecológicos e sociais que o motivassem a tal processo. A consolidação desses mercados de fluxo reverso, já existentes há muito tempo em muitos países, se deu às condições essenciais para a consecução e o desenvolvimento, e os efetivos ganhos proporcionais aos agentes envolvidos. São os casos, por exemplo, dos metais ferrosos e não ferrosos, papeis, lubrificantes automotivos, entre outros. Em contrapartida, é fácil perceber a existência de uma concorrência entre melhores produtos de pós-consumo, centros de interesse e estruturação da cadeia reversa de seu setor e provedores dos melhores resultados financeiros pela quantidade disponível, custo do processo de reaproveitamento, ou pelo seu valor comercial praticado.

12 12 A história e as pesquisas em diversos países demonstram que os canais de distribuição reversos se organizam e se estruturam, apresentando relação eficiente e equilibrada entre o fluxo reverso de materiais e produtos e a disponibilidade de bens de pós-consumo correspondentes, pelo fato de seus agentes da cadeia reversa encontrarem, nas diversas etapas, resultados financeiros compatíveis com suas necessidades, empresas ou trabalhadores isolados. (Penman e Stock, 1995). LEITE (2009) também aponta as características conjunturais de mercado como sendo responsáveis pela interrupção ou modificação do fluxo reverso dos materiais reciclados ou produtos a serem reaproveitados. Os fatores que provocam essas alterações geralmente são a escassez temporária de resíduos industriais ou de produtos a serem reaproveitados, mercados concorrenciais, redução de demanda, entre outros, referentes ao mercado em questão. Neste trecho, com base nos estudos de LEITE (2009, p.104, 105 e 107), veremos os papeis fundamentais das cadeias reversas de remanufatura, reciclagem e reuso (tópicos 2.4.2, e 2.4.4), e suas respectivas funções como um agente de reaproveitamento de materiais de pós-consumo. Os canais reversos de remanufatura As cadeias reversas de remanufatura de pós-consumo já existem há muito tempo e tem hoje um papel fundamental, visto pela grande maioria das empresas como uma oportunidade de grande economia e rentabilidade no processo produtivo e na montagem ou fabricação do produto final. Seu objetivo no canal reverso é reintroduzir parte de um produto - denominado de core ou carcaça, como motores elétricos em geral, e cartuchos de impressoras - na linha produtiva industrial, em substituição a componentes novos, mantendo as mesmas características físicas, tecnológicas, qualitativas e funcionais de um produto inteiramente novo. Mesmo as partes que não são inteiramente aproveitadas podem ser recicladas e, muitas vezes, se tornam elementos acrescidos ao mesmo produto remanufaturado, reduzindo lhe ainda mais o custo e tornando seu preço mais competitivo, o que explica os altos retornos financeiros e a grande quantidade de produtos e componentes em transação. Os canais reversos de reciclagem O objetivo dos canais reversos de reciclagem é reintegrar os materiais constituintes de produtos de pós-consumo, como sucata de ferro e plásticos, como substitutos de matérias primas primárias na fabricação de outras matérias primas, ou na fabricação de outros produtos, como plástico na indústria de plásticos. Porém, como já citamos, para que esses

13 13 canais possam existir, se desenvolver e trabalhar na melhor sincronia possível, é necessária a viabilidade econômica e o interesse comercial em sua utilização por todos os membros da cadeia. Para atender á esse requisito, exceto em condições extraordinárias de mercado, o preço do material reciclado deve ser sempre menor em relação ao da matéria-prima que substitui. Paralelamente, o material de pós-consumo tem seu preço regulado pelo próprio mercado, de acordo com as variações de preço da matéria-prima primária. Uma das principais questões é a da reciclagem dos resíduos sólidos. O mundo possui sofisticados canais para matérias primas e produtos acabados, porém deu-se pouca atenção para a reutilização destes materiais de produção. É geralmente mais barato usar matérias primas virgens do que material reciclado, em parte pelo pouco desenvolvimento dos canais de retorno, que ainda são menos eficientes do que os canais de distribuição de produtos. (BALLOU, P.348). O mecanismo econômico do mercado na formação de preços O preço do material reciclado considerando as variações e particularidades de cada canal de distribuição reverso - é formado pela soma dos custos (incluindo eventuais subsídios ou tributos), e dos lucros respectivos dos agentes em cada etapa do canal reverso. Essa soma começa desde a aquisição do produto ou componente de pós-consumo pelo primeiro proprietário e segue até a sua reintegração ao ciclo produtivo, conforme a demonstração básica do esquema abaixo que exemplifica funcionamento das transações entre comprador e vendedor e os respectivos diferenciais de custos e lucros. Etapa de coleta Custo de coleta (Cc) = Custo de posse (Cp) + custo de beneficiamento inicial (Cb) Preço de venda ao sucateiro = Cc + lucro do coletor (Lc) Etapa do sucateiro Custo para o sucateiro = Cc +LC + custo p róprio (Cs) Preço de venda do sucateiro = Cc + Lc + Cs + Lucro do sucateiro (Ls) Etapa de reciclagem Custo do reciclador = Cc + Lc+ Cs+Ls+custo próprio (Cr) Preço de venda do reciclador = Cc+LC+Cs+Ls+Cr+lucro do reciclador (Lr) FONTE: Adaptado do livro Logística Reversa 2º Edição, Paulo Roberto Leite, 2009, p. 104.

14 14 Os canais reversos de reuso A implementação da logística reversa, nesse contexto, surge a partir da percepção da viabilidade econômica e o diferencial de preços obtidos no mercado secundário, considerando, em cada caso, a existência de outros fatores importantes e suas variações aos efetivos resultados econômicos. Podemos exemplificar o comércio de itens de segunda mão como sendo o de veículos, máquinas, ferramentas industriais, componentes eletrônicos de diversos tipos, entre outros, bem como a reutilização (ou o retorno ao centro produtivo) de embalagens e vasilhames. Assim, com essas três explanações resumidas a partir da obra de LEITE (2009), é possível entender que o crescimento, organização e estruturação dos canais de distribuição reversos de pós-consumo surgem a partir da procura e pelo interesse comercial dos agentes da cadeia reversa por esses itens. Logística Reversa e suas vantagens Devido ao dinamismo do cenário global, manter a competitividade está cada vez mais complicado. É preciso encontrar os diferenciais para manter a liderança do mercado ou permanecer entre os primeiros, seja qual for a necessidade. Trata-se de uma tarefa cada vez mais difícil, e neste contexto a logística reversa vem agregando vantagens para as organizações, pois não basta encontrar vantagens competitivas, é preciso sustentar as vantagens encontradas. A cadeia reversa é uma tendência inevitável, cabe a cada um difundir essa cultura a favor dos beneficio estratégicos e econômicos. Segundo LEITE (2009, p.21), atualmente as preocupações relativas ao tree bottom line (figura abaixo) tem mudado suas realidades no sentindo de que as preocupações relativas à responsabilidade empresarial e ética ambiental e social sejam o alicerce necessário para a garantia da sustentabilidade econômica. O processo de planejamento e implementação deve ser bem entendido, pois o seu fluxo é inverso ao da logística direta. Trata-se do reaproveitamento de matéria prima na cadeia de produção, como descarte dentro da empresa, reaproveitando as rebarbas para produzir outros itens, retornos de produtos de pós-consumo permitindo realocação, reciclagem, reuso e desmanche, diminuindo consideravelmente a agressão ao meio ambiente (conforme informação da associação brasileira de logística), além dos citados acima, há outros motivos que tornam a logística reversa competitiva para o mercado.

15 15 Segundo LACERDA (in CEL 2000), os processos de logística reversa têm oferecido consideráveis retornos para as empresas. O reaproveitamento de materiais e a economia com embalagens retornáveis têm trazido ganhos que estimulam cada vez mais novas iniciativas e esforços em desenvolvimento e melhoria nos processos reversos. Os consumidores também estão preocupados com a questão ambiental, e essa sensibilidade ecológica faz com que procurem por empresas com a certificação ISO 14000, e por ser politicamente correta, sua imagem de boa reputação deixa sua marca muito mais confiável, ganhando espaço no mercado e conquistando seu público alvo. Com relação à concorrência, LACERDA (in CEL 2000) defende que os clientes valorizam empresas que possuem políticas de retorno de produtos, pois isso garante á eles o direito de devolução ou troca de produtos. Este processo envolve uma estrutura para recebimento, classificação e expedição de produtos. Desta forma, empresas que possuem um processo de logística reversa bem gerido tendem a se sobressair no mercado, uma vez que estas podem atender seus clientes de forma melhor e diferenciadas de seus concorrentes. A questão econômica é vista mais fortemente na lucratividade e rentabilidade, pois a redução de custo inicialmente é muito baixa. A logística reversa precisa de investimentos e seu retorno geralmente é de médio á longo prazo, dependendo do seguimento, mas o custo é rapidamente revertido em benefícios, como por exemplo, aumento de sua carteira de clientes, nas vendas, na família de produtos e da longevidade, pois a empresa que se preocupa com os recursos naturais certamente preservará tal recurso, e através de avançadas tecnologias e inovações inteligentes terá outras opções como outros tipos de matéria prima e outras fontes de produção. A logística reversa é atual e viável, não faltarão estímulos para sua adesão. Não podemos esquecer que a maior vantagem é do planeta, onde todos são beneficiados, pois a aplicação da logística nos canais reversos implica em proteção do planeta terra. Sustentabilidade, o mercado exige, e o planeta agradece. (Revista LogWeb Ed,133 Jul 2011). Pensando nisto, não podemos deixar de comentar sobre a logística verde, que recicla os materiais descartáveis, transformando-os em matéria prima e permitindo a criação de centros produtivos, gerando empregos formais e informais que colaboram com uma pequena parcela na economia do país. O Brasil movimentou R$ 850 milhões (Reciclagem, 2003).

16 16 A logística reversa, de maneira discreta, enfatiza a necessidade de melhorar a relação entre indústria e varejo, seja para corrigir um problema ou para que negociações liberais sejam tratadas de maneira clara e com menos custo possível. Não há nada mais difícil de controlar, mais perigoso de conduzir, ou mais incerto no seu sucesso, do que liderar a introdução de uma nova ordem. (Maquiavelli N;1469). Essa frase expressa bem o nosso interesse em desenvolver o trabalho sobre logística reversa, muitas organizações já a praticam, mas sem dar a devida atenção ao processo, sem foco, sem controle nos custos, com isso não conseguem absorver as vantagens que ela tem a oferecer. Muitas empresas oferecem o serviço de logística reversa, uma delas são os correios, que agregou aos seus serviços uma oportunidade de parceria com as empresas no que diz respeito a retorno ou envio de materiais. Esse serviço facilita as negociações através de contratos, com descontos progressivos, rapidez na entrega, pagamento mensal e sem burocracias. (Maria Cláudia - correios Vl Martins-Itu). Projeção da logística reversa no Brasil A logística reversa é o principal instrumento para o cumprimento da política nacional de resíduos sólidos, metais, agrotóxicos, radiações e outros mais. Porém, muitas empresas brasileiras continuam concentrando seus esforços somente na logística tradicional, que abrange apenas o fluxo direto entre o fornecedor, passando pela fábrica até o cliente final, ou seja, estão seguindo apenas o simples conceito de produção e venda, o que explica certo atraso no desenvolvimento da logística reversa em nosso país. O crescimento da logística reversa no Brasil se dará com as simplificações de seus processos. Suas transações através de meios eletrônicos fiscais tendem a ser menos burocráticas, aumentando as compras e, proporcionalmente, as devoluções de produtos quando necessário. Segundo as informações do site Negócios em Transportes (http://www.negociosemtransporte.com.br/logistica/noticias/terceirizacao_de_servicos_impul siona_setor_de_logistica.html), publicadas em 19/03/2012, a expectativa de faturamento para a logística no Brasil em 2012 será próximo R$ 450 bilhões, valor acima da media de R$ 400 bilhões anuais. Com essa projeção, é esperado o aumento de terceirizações dos serviços logísticos, entre eles, os de logística reversa de pós-consumo.

17 17 O diretor-executivo da Associação Brasileira de Logística (ABRALOG), Adalberto Panzan, projeta um avanço de 20% em 2012 para os setores de logística reversa, somente com os negócios do setor de resíduos eletrônicos, atribuindo esse crescimento justamente pela simplificação e redução da burocracia. As empresas estão se concentrando mais em seus produtos, e passaram a terceirizar serviços como armazenagens, estoques, planejamento de demandas e processamento de seus pedidos. O segmento deverá abrir varias oportunidades para os próximos anos. Um exemplo disso é o comércio eletrônico (E-Commerce) que, segundo a publicação do portal R7 (http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/comercio-eletronico-deve-crescer-25-em para-r-23-4-bi html) de 14/03/2012, deverá crescer 25% em Com a projeção para a logística reversa, todos os municípios deverão estar se preparando para não descartar resíduos sólidos em aterros, ter suas responsabilidades compartilhadas com os fabricantes, consumidor e com o governo. Todos os cidadãos devem ter comprometimentos em descartar corretamente os resíduos sólidos. No sistema de logística reversa voltado aos metais, seu investimento inicial que está previsto para junho de 2012 é de dois milhões de reais. A reciclagem de metais vai ser monitorada por um sistema próprio da logística reversa. Segundo a postagem site Guia da Embalagem (http://www.guiadaembalagem.com.br/noticias_action.php?id=3706o) do dia 21/03/2011, o Sindicato Nacional Da Indústria Da Estampa De Metais SINIEM - em parceria com a Associação Brasileira da Embalagem de Aço ABEAÇO - informaram a construção de um centro-modelo com aproximadamente m 2, onde vão ser recicladas todas as embalagens de aço de pós-consumo, para preservar o meio ambiente e a economia nacional. O novo sistema, específico para metais, contará com investimento inicial de dois milhões de reais e funcionará a partir de junho de No site, o presidente do SINIEM, Antonio Carlos Teixeira Álvares afirma que a embalagem metálica geram insumos, pois o aço ou alumínio são 100% recicláveis e retornam à condição de matéria-prima com alto valor comercial. O setor de metal já possui no Brasil a experiência bem-sucedida de coleta: as latas de alumínio registram 98% de reciclagem, e as latas de aço obtiveram um índice de 82%, ambas registrando recorde mundial. Com o novo sistema, haverá aumento na reciclagem das demais latas de aço utilizadas para produtos alimentícios, tintas e produtos químicos.

18 18 Segundo Thais Fagury, gerente-executiva da ABEAÇO, entidade que coordenará o novo centro, o início do projeto ocorrerá na periferia da Grande São Paulo, por concentrar o maior mercado consumidor do Brasil, onde também está situado o maior número de cooperativas de reciclagem e de catadores. A executiva afirma que o projeto representa uma maneira de formalizar e incentivar a reciclagem dos metais, além de educar e conscientizar a sociedade em relação à coleta espontânea. Hoje, são reciclados no Brasil aproximadamente 47% das embalagens de aço. A projeção é aumentar esse percentual para 70% dentro de cinco anos, com a construção de novos centros complementa. O custo do investimento será dividido entre fabricantes de embalagens de aço, siderúrgicas e envasadores interessados em participar da iniciativa. Esse centro receberá latas e tampas de aço das indústrias, do varejo, de cooperativas, de catadores, dos consumidores finais, entre outros, isso facilitará o descarte correto. Os metais que são 100% recuperados terão sua matéria prima encaminhada para as indústrias siderúrgicas, onde serão reutilizadas para outros fins. Com esse projeto, a ABEAÇO formalizará e incentivará a reciclagem dos metais, educando e conscientizando a sociedade em relação coleta espontânea, pois além de ser um facilitador, o novo centro de logística reversa deverá estimular o mercado siderúrgico com o reaproveitamento do aço, que é importante para a redução de custos. O projeto permitirá o registro de dados reais e auditados da reciclagem das latas de aço e as cooperativas interessadas em participar receberão o selo do projeto por realizarem a coleta das latas de aço. Considerações Finais Este trabalho tem o intuito de fornecer ao leitor conhecimento e consciência sobre a importância do desenvolvimento da logística reversa no Brasil visto que a logística reversa é uma obrigatoriedade para atender a legislação ambiental, especialmente a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). A falta de conhecimento e aplicação deste processo pelas empresas as faz com que percam oportunidades competitivas e econômicas. Considerando a projeção dos especialistas nos próximos anos, observado a necessidade e demanda do mercado, pela diversificação de produtos e pela exigência governamental, a logística reversa será muito mais praticada, fazendo-se assim necessário seu crescimento e maturação dentro do contexto empresarial.

19 19 Referências Bibliográficas A Importância da devolução. Intra Logística. São Paulo: IMAM, 2011, nº 254, p BALLOU, Ronald H. Logistica Empresarial. São Paulo: Atlas, CARVALHO, José Crespo de; DIAS, Eurico Brilhante Estratégias Logísticas: Como servir o cliente a baixo custo. Lisboa. Edições Sílabo ISBN LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa: Meio Ambiente e Competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, ISBN NOVAS, Antonio Galvão N. ALVARENGA, Antonio Carlos. Logistica Aplicada: Suprimento e Distribuição Física. São Paulo: Pioneira, RODRIGUES, G.; PIZZOLATO, N. A Logística Reversa Nos Centros De Distribuição de Lojas de Departamento. Anais do XXIII ENEGEP, Ouro Preto, 2003.

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas

Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Logística reversa no Brasil: a visão dos especialistas Adriano Nguyen Ngoc Phuoc Nhan (CEFET/RJ) nhan@ig.com.br Cristina Gomes de Souza (CEFET/RJ) cgsouza@cefet-rj.br Ricardo Alexandre Amar de Aguiar (CEFET/RJ)

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo

Logística. Canais de Distribuições Reversos. Objetivos. Logística. Prof: Roberto Macedo Logística Prof: Roberto Macedo Canais de Distribuições Reversos Objetivos Apresentar os conceitos da logística reversa e os canais utilizados; Evidenciar a importância destes canais e as formas corretas

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais