Composição química dos seres vivos I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Composição química dos seres vivos I"

Transcrição

1 a a a a ã Cmpsi química ds seres vivs I ã a a a ã ã a a a a ã Milhões de espécies cm frmas e tamanhs variads habitam s mais diverss ambientes d nss planeta e tdas elas, ds mais simples micrrganisms até as frmas mais cmplexas de plantas e animais, têm em cmum a prpriedade da vida. Mas que é vida? Embra aumas respstas a esse questinament já tenham sid dadas, uma defini precisa e abrangente que pssa ser aplicada para tdas as espécies de seres vivs ainda deverá ser elabrada. Entretant, mesm sem essa defini, pdems sentir a vida dentr de nós e a nss redr, prque recnhecems as características ds seres que a manimanifestam. A Biia (d greg bis, vida; s, estud) é a ciência que estuda s seres vivs e td cnheciment relativ a eles. Uma das características que estudaestudarems neste capítul é a cmpsi química da matéria viva e as substâncias que frmam crp human e ds demais seres vivs. Estudar essas substâncias e as funções pr elas exercidas é primeir pass para cmpreenderms melhr que é vida. ga iv ã ul ga g ã ul ga a v ç u ã a i ã l i l ga g ã ul a g v ã u a a ã iv ul ga a a iv ul ga ã ga Capítul 1 a a a a Frente A Ângel Carvalh Figura 1. N crp ds seres vivs crrem a td mment inúmeras reões químicas que sã respnsáveis pela manuten da vida. cnjunt dessas reões é denminad metablism. 5

2 s seres vivs pssuem uma cmpsi química cmplexa cnstituída principalmente pr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Esses quatr elements sã s mais abundantes na matéria viva, perfazend 95% u mais de sua cmpsi. utrs elements, cm fósfr, enxfre, cálci, sódi e ptássi cmpletam restante dessa massa. s átms ds diferentes elements químics encntrads ns seres vivs pdem se dissciar, frmand íns, u se assciar uns cm s utrs, frmand estruturas mais cmplexas, as mléculas. s íns sã átms que perderam u ganharam um u mais elétrns e, em cnsequência, trnaramse eletricamente psitivs u negativs. s íns psitivs (Na, pr exempl) sã chamads de cátins, e s negativs (Cl, pr exempl), de ânins. As mléculas, pr sua vez, sã cnjunts eletricamente neutrs cnstituíds pela uniã de dis u mais átms, que pdem ser iguais, cm as mléculas de xigêni ( 2 ), u diferentes, cm as mléculas ( 2 ). Elas, junt as íns, frmam substân cias (diferentes tips de matéria) que pdem ser inrgânicas u rgânicas. Tá na mídia Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para defi nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e a bisfera. <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> Exercícis de Fixã 01. Analise text a seguir: á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. CURTIS,. Biia. Ri de Janeir: Guanabara Kgan, 1977, 2. ed., p. 28. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls químics desses elements. Qual é essa sigla? 02. A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais indicads na tabela a seguir: Substâncias % Água 65 Prteínas 15 Lipídis 14 Sais minerais 4,5 Carbidrats 0,9 utrs cmpsts 0,6 Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale V para F para as falsas. N indivídu em questã, além de substâncias inrgânicas, existem as rgânicas, que nitidamente predminam. Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da matéria bruta. indivídu apresenta cerca de 65 Kg em seu crp. 10,5 Kg da massa desse indivídu crrespndem às prteínas. entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpsts. Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr pequens íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. Cle Estud EM1 6 Frente A Capítul 1 Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para definir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e a bisfera. <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls químics desses elements. Qual é essa sigla? A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais indicads na tabela a seguir: á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr CURTIS,. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Substâncias Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale ( ) N indivídu em questã Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da matéria bruta. ( ) indivídu apresenta cerca de ( ) 10,5 Kg da massa desse indiví ( ) entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. ( ) Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. Cle Estud EM1 6 mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr ( ) ( ) Cle Estud EM1 Cle Estud EM Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst il il il il ( ) ( ) N indivídu em questã N indivídu em questã ( ) ( ) Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da ( ) ( ) N indivídu em questã N indivídu em questã Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da matéria bruta. matéria bruta. ( ) ( ) indivídu apresenta cerca de indivídu apresenta cerca de ( ) ( ) 10,5 Kg da massa desse indiví 10,5 Kg da massa desse indiví ( ) ( ) N indivídu em questã N indivídu em questã Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da matéria bruta. matéria bruta. indivídu apresenta cerca de indivídu apresenta cerca de 10,5 Kg da massa desse indiví 10,5 Kg da massa desse indiví entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst Ácids nucleics e vitaminas estã incluss em utrs cmpst N indivídu em questã N indivídu em questã Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da Tda a massa d indivídu é frmada pr substâncias rgânicas, já que as substâncias inrgânicas sã exclusivas da matéria bruta. matéria bruta. indivídu apresenta cerca de indivídu apresenta cerca de 10,5 Kg da massa desse indiví 10,5 Kg da massa desse indiví entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. entre as substâncias rgânicas presentes n indivídu, as prteínas sã as mais abundantes. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls químics desses elements. Qual é essa sigla? químics desses elements. Qual é essa sigla? A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais indicads na tabela a seguir: indicads na tabela a seguir: A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls químics desses elements. Qual é essa sigla? químics desses elements. Qual é essa sigla? A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais indicads na tabela a seguir: indicads na tabela a seguir: químics desses elements. Qual é essa sigla? químics desses elements. Qual é essa sigla? A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls químics desses elements. Qual é essa sigla? químics desses elements. Qual é essa sigla? A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Substâncias Substâncias A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais A análise das substâncias que cnstituem crp, de 70 Kg, de um indivídu da espécie humana revelu s percentuais Substâncias Substâncias Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Lipídis Lipídis Sais minerais Sais minerais Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale Cm base ns dads frnecids pela tabela e ns cnheciments sbre a cmpsi química ds seres vivs, assinale F F para as falsas. para as falsas. á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. cmpõem as principais mléculas ds sistemas vivs. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr CURTIS,. CURTIS,. á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr CURTIS,. CURTIS,. Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr CURTIS,. CURTIS,. Biia Biia Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls Um md fácil de memrizar s seis elements mencinads n text é representáls pr uma sigla frmada pels símbls á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu á quase cem elements diferentes na crsta da Terra, nas águas que cbrem a mair parte da sua superfície e n fin véu da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã da atmsfera que a envlve. esses muits elements, apenas quatr cnstituem mais de 95% de tda a matéria viva. Sã carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr carbn, hidrgêni, xigêni e nitrgêni. Juntamente cm dis utrs elements ( fósfr e enxfre), esses quatr CURTIS,. CURTIS,. ), u diferentes, ), u diferentes, ). Elas, junt as íns, frmam substân ). Elas, junt as íns, frmam substân cias (diferentes tips de matéria) que pdem ser inrgânicas u rgânicas. cias (diferentes tips de matéria) que pdem ser inrgânicas u rgânicas. Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e a bisfera. a bisfera. <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra a bisfera. a bisfera. <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e <http://www.infescla.cm/biia/niveis <http://www.infescla.cm/biia/niveis derganizacaembiia> derganizacaembiia> Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque Água e sais minerais, classificads cm substâncias inrgânicas, sã frmads pr pequenas mléculas u pr peque ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra ns íns, e, pr iss, sã mais simples. Essas substâncias sã encntradas na natureza, tant ns seres vivs quant fra deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr deles. Já as substâncias rgânicas, cm prteínas, carbidrats, lipídis, vitaminas e ácids nucleics, sã frmadas pr mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element mléculas mais cmplexas, geralmente de tamanh mair, send, muitas vezes, macrmléculas. Elas têm cm element principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. principal carbn e sã fabricadas principalmente ns rganisms vivs, pdend ser sintetizadas também em labratóri. cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e gia/ascaracteristicasdsseresvivs> gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl gia/ascaracteristicasdsseresvivs> gia/ascaracteristicasdsseresvivs> link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: nir um ser viv, diferenciand da matéria bruta: <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl <http://www.cladaweb.cm/biia/ecl link a seguir traz infrmões de cm a link a seguir traz infrmões de cm a matéria se rganiza em tds s seus níveis, matéria se rganiza em tds s seus níveis, desde átms e mléculas até ecssistemas e desde átms e mléculas até ecssistemas e Tá na mídia Tá na mídia Neste link vcê encntrará infrmões sbre Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi Neste link vcê encntrará infrmões sbre Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi Neste link vcê encntrará infrmões sbre Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi Neste link vcê encntrará infrmões sbre Neste link vcê encntrará infrmões sbre cnjunt de características necessárias para defi cnjunt de características necessárias para defi

3 1. Água Biia Ângel Carvalh a a a a ã Entre tdas as substâncias que cmpõem a massa de uma estrutura viva, a água é, cm raras exceções, a mais abundante. Entretant, seu percentual nã é mesm em tds s rganisms, variand de acrd cm a espécie, a atividade metabólica e a idade ds indivídus. Pr exempl, em um indivídu adult da espécie humana, a água crrespnde a aprximadamente 65% da massa crpral; em determinadas espécies XIGÊNI de fungs, também na fase adulta, essa substância representa cerca de 85% da massa; e, nas medusas (águasvivas), pde chegar a 98%. A mair parte da água, nessas espécies, encntrase n mei intracelular. a a a a ã Entre as estruturas vivas mais desidratadas, estã as sementes, que, muitas IRGÊNI IRGÊNI vezes, chegam a apresentar taxas inferires a 20%. Entretant, essas estruturas encntramse em estad de vida latente, situã em que as atividades metabólicas ficam reduzidas a valres tã baixs que as faz parecer sem vida. Para saírem desse estad de latência e desenvlveremse, as sementes precisam encntrar cndições ambientais favráveis, send uma dessas a dispnibilidade. Figura 2. Embra seja uma substância muit As principais funções desempenhadas pela água ns seres vivs sã: imprtante para s seres vivs, a estrutura Slvente e reagente de reões d metablism A mairia das mlecular da água é muit simples. Frmada reões metabólicas só crre quand s reagentes estã disslvids pr apenas dis átms de hidrgêni e em mei aqus. Iss crre prque, quand estã disslvidas, as um átm de xigêni, sua mlécula tem substâncias reagem mais facilmente, já que suas partículas têm mair dispsi gemétrica angular, carregada prbabilidade de entrar em cntat cm as de utras substâncias. psitivamente próxim as átms de hidrgêni A plaridade das mléculas é fatr respnsável pela sua e, negativamente próxim as de xigêni. eficácia cm slvente de substâncias rgânicas e inrgânicas. Essa ã a a a ã 2 Na C Na Ângel Carvalh C pr exempl). que nã a pssuem sã aplares (grduras, ga iv ã ul ga g ã ul ga a v ç u ã a i ã l i l ga g ã ul a g v ã u a a ã iv ul ga a a iv ul ga ã, u seja, que apresentam um dipl, sã denminadas de mléculas plares. As Uma slu pde ser prduzida quand uma substância ( slut) é disslvida em um líquid ( slvente). Cas slvente seja a água, tems uma slu aqusa, em que muitas reões d metablism, indispen indispensáveis as prcesss vitais, crrem. A água é slvente da vida! Mléculas que apresentam essa cnfigura capacidade de disslver substâncias depende da atrã de seu pl negativ pel pl psitiv da mlécula de slut, e viceversa. As substâncias plares que, em cntat cm a água, tendem a envl envlver suas mléculas u partículas, separandas, sã chamadas de hidrfílicas (d greg hydr, água; phils, amig). Exempl diss é clret de sódi (sal de czinha), que, cm muitas substâncias ds sistemas bilógics, é plar e, prtant, slúvel em água. Em cntrapartida, tems as substâncias aplares, que sã inslúveis em água, chamadas de hidrfóbicas (d greg, hydr, água; phbs, med, aversã), cm as grduras. ã ga a a a a Cmpsi química ds seres vivs I Figura 3. clret de sódi é frmad pr um agregad de íns C Cl (clret) e Na (sódi). Quand cristais de clret de sódi C e Na, separands. Iss acntece prque as sã clcads na água, as mléculas se unem em trn ds íns Cl regiões negativas das mléculas sã atraídas pels íns psitivs de sódi (Na), enquant as regiões psitivas das (C ). esse md, s íns de clr e de sódi ficam separads mléculas sã atraídas pels íns negativs de clr (Cl uns ds utrs e distribuíds de md hmgêne na água, u seja, eles sã disslvids. Editra Bernulli 7

4 Exercíci de Fixã 03. A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten ds prcesss vitais. text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de água é respnsável pr ela? Além de atuar cm slvente de muits reagentes, a água caracterizase também cm reagente de diversas reões metabólicas, cnhecidas cm reões de hidrólise (d greg hydr, água; lise, quebra), em que a mlécula é quebrada e seus átms de hidrgêni e xigêni sã adicinads a utras substâncias. Seja cm slvente u cm reagente, a água n estad líquid é indispensável para funcinament d metablism. A taxa varia de maneira direta cm a atividade metabólica, u seja, quant mair fr essa atividade em uma célula, tecid u órgã, mair deverá ser a taxa nessas estruturas. Cm a atividade metabólica tende a diminuir cm envelheciment da célula, de um md geral, a taxa em um mesm rganism varia de maneira inversamente prprcinal à idade. Na espécie humana, pr exempl, a massa crpral de um fet de três meses é cnstituída pr aprximadamente 94% ; em um recémnascid, a taxa é de aprximadamente 70% e, em um indivídu adult, de cerca de 65%. Transprte de substâncias Substâncias disslvidas na água pdem ser transprtadas para diversas partes da célula u d crp. esse md, a água além de cntribuir para a distribui de substâncias n interir d rganism, cntribui também para transprte de catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss meta blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul de excre. Termrregulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns seres vivs. Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de calr necessária para elevar em 1 ºC a temperatura de 1 g de uma substância. Para alterar a temperatura da água, que pssui calr específic mais elevad que utras substâncias, é necessári frnecer u retirar uma mair quantidade de calr. Cm a água perde u ganha calr cm mair dificuldade, iss cntribui para que a temperatura d crp, nde existe grande quantidade, permaneça estável durante mudanças bruscas de temperatura n mei. A água é a principal substância que atua na manuten da nssa temperatura crpral. Figura 4. Cada mlécula pde frmar 4 ligões de hidrgêni cm utras mléculas. Embra cada li seja fraca, a frça ttal das ligões que mantêm as mléculas unidas é muit grande. alt calr específic da água se rigina das muitas ligões de hidrgêni que prendem as mléculas umas às utras. Ângel Carvalh Cle Estud EM1 8 Frente A Capítul 1 catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss metablism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade Exercíci de Fixã 03. A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten ds prcesss vitais. text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de água é respnsável pr ela? de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de calr necessária para elevar em 1 Ângel Carvalh Cle Estud EM1 8 de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade água é respnsável pr ela? água é respnsável pr ela? Cle Estud EM1 Cle Estud EM água é respnsável pr ela? água é respnsável pr ela? Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 água é respnsável pr ela? água é respnsável pr ela? il il Exercíci de Fixã il Exercíci de Fixã 03. il 03. il il Exercíci de Fixã il Exercíci de Fixã 03. il 03. Exercíci de Fixã Exercíci de Fixã A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten Exercíci de Fixã Exercíci de Fixã A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten ds prcesss vitais. ds prcesss vitais. text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de água é respnsável pr ela? água é respnsável pr ela? Exercíci de Fixã Exercíci de Fixã A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten ds prcesss vitais. ds prcesss vitais. text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de água é respnsável pr ela? água é respnsável pr ela? Exercíci de Fixã Exercíci de Fixã A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres A água n estad líquid é uma substância indispensável para que crram diversas atividades metabólicas ns seres vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten vivs, pis n mei aqus a mair parte das substâncias participa das reões que sã necessárias para a manuten ds prcesss vitais. ds prcesss vitais. text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de text faz referência a uma imprtante prpriedade da água. Qual é essa prpriedade e que característica da mlécula de Figura 4. Cada mlécula pde frmar 4 ligões de hidrgêni cm Figura 4. Cada mlécula pde frmar 4 ligões de hidrgêni cm utras mléculas. Embra cada li seja fraca, a frça ttal das utras mléculas. Embra cada li seja fraca, a frça ttal das Ângel Carvalh Ângel Carvalh Ângel Carvalh Ângel Carvalh Ângel Carvalh Ângel Carvalh da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de Pdese definir calr específic cm a quantidade de da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de Pdese definir calr específic cm a quantidade de da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de Pdese definir calr específic cm a quantidade de calr necessária para elevar em 1 calr necessária para elevar em 1 de 1 g de uma substância. Para alterar a temperatura de 1 g de uma substância. Para alterar a temperatura da água, que pssui calr específic mais elevad que da água, que pssui calr específic mais elevad que utras substâncias, é necessári frnecer u retirar utras substâncias, é necessári frnecer u retirar da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand cmprmetiment de suas atividades metabólicas. cmprmetiment de suas atividades metabólicas. Pdese definir calr específic cm a quantidade de Pdese definir calr específic cm a quantidade de calr necessária para elevar em 1 calr necessária para elevar em 1 de 1 g de uma substância. Para alterar a temperatura de 1 g de uma substância. Para alterar a temperatura e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns seres vivs. seres vivs. Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns que a fazem atuar cm mderadr de temperatura ns Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária Calr de vaprizã é a quantidade de calr necessária para a vaprizã de uma substância. A evaprã da para a vaprizã de uma substância. A evaprã da água realizada em superfícies de rganisms terrestres água realizada em superfícies de rganisms terrestres (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura (na pele, pr exempl) ajuda a manter a temperatura crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade na água pdem ser transprtadas para diversas partes na água pdem ser transprtadas para diversas partes esse md, a água além de esse md, a água além de cntribuir para a distribui de substâncias n interir cntribuir para a distribui de substâncias n interir d rganism, cntribui também para transprte de d rganism, cntribui também para transprte de crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand da pele, reduzind a temperatura crpral e evitand a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade crpral em equilíbri, pis absrve grande quantidade de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece de calr dessas superfícies, resfriandas. Iss acntece em nss rganism quand a água cntida n sur em nss rganism quand a água cntida n sur sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente sfre evaprã. Quand a temperatura d ambiente u d crp ultrapassa determinads valres (devid u d crp ultrapassa determinads valres (devid a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as a exercícis físics mais intenss, pr exempl), as glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas glândulas sudríparas d ser human sã estimuladas a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr a prduzir e a eliminar mais sur, que retira calr blism celular também sã excretads disslvids na blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul Termrregulã Termrregulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades blism celular também sã excretads disslvids na blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul Termrregulã Termrregulã A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades blism celular também sã excretads disslvids na blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades blism celular também sã excretads disslvids na blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades blism celular também sã excretads disslvids na blism celular também sã excretads disslvids na água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu água. Iss acntece, pr exempl, cm a ureia (resídu d metablism prteic), que é eliminada disslvida em d metablism prteic), que é eliminada disslvida em nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul nssa urina. Assim, a água também atua cm veícul A água clabra para a regulã A água clabra para a regulã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã térmica ds rganisms. elevad calr de vaprizã e elevad calr específic da água sã prpriedades e elevad calr específic da água sã prpriedades catabólits (resídus d metablism) d mei intern catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss meta utras partes d crp. Muits resídus d nss meta catabólits (resídus d metablism) d mei intern catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss meta utras partes d crp. Muits resídus d nss meta catabólits (resídus d metablism) d mei intern catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss meta utras partes d crp. Muits resídus d nss meta catabólits (resídus d metablism) d mei intern catabólits (resídus d metablism) d mei intern para mei extern. N rganism human, pr exem para mei extern. N rganism human, pr exem pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri pl, muits ds nutrientes absrvids n tub digestóri entram na crrente sanguínea e sã transprtads para entram na crrente sanguínea e sã transprtads para utras partes d crp. Muits resídus d nss meta utras partes d crp. Muits resídus d nss meta

5 Lubrificante A água tem também a fun de lubrificar superfícies, diminuind atrit entre diversas estruturas d rganism. N nss ctvel e em utras articulões móveis, pr exempl, existe líquid sinvial, cmpst basicamente, que diminui atrit nessas regiões, facilitand, assim, deslizament de uma superfície óssea sbre a utra. Cm desempenha imprtantes funções n rganism, é fácil cmpreender prque s seres vivs precisam manter um equilíbri hídric n mei intern. Para manter esse equilíbri, a água perdida u eliminada para mei extern, através da urina, das fezes, da transpirã, da respirã e de utrs prcesss fisilógics, precisa ser repsta, a fim de prteger rganism de uma desidratã excessiva. s seres vivs pdem bter a água de que necessitam para sbreviver de diferentes frmas. Pr exempl, as plantas terrestres repõem a água perdida durante a transpirã fliar sugand, pr mei de suas raízes, a água d sl; muits animais bebem água a partir de uma fnte (ris, lags, etc.), assim cm ingerem aliments líquids (leite, suc de frutas, seiva vegetal, etc.) e sólids que têm certa quantidade de água em sua cmpsi. Auns animais, cm fcas e leões marinhs, nã precisam beber água, btenda apenas ds aliments que ingerem. Ângel Carvalh Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamífer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua sbrevivência n desert. Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism à mrte? Leitura cmplementar A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a vida, tal qual cm cnhecems em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existência de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. Ctidian A água é verdadeiramente a substância da vida. Sem ela, sbreviveríams pr pucs dias, pis, diariamente, perdems água através da respirã, da transpirã, da urina e das fezes. Para repr esse líquid perdid, bebems água. Quants cps precisams beber tds s dias para que nss rganism funcine nrmalmente? A sabedria ppular e, também, muits especialistas recmendam que, em média, um adult deve ingerir, pr dia, cerca de 8 cps (± 2 litrs). Entretant, nem sempre pdems levar iss a pé da letra, pis, além da ingestã na frma natural, pdems bter água pr mei da ingestã de verduras, frutas e muitas bebidas (sucs, chás, refrescs). Além d mais, a quantidade diária ideal de água depende de diverss fatres, cm quantidade de atividade física, lcal de trabalh cm ar cndicinad u ar muit sec, prdu de sur, estad de febre, diarreia u vômit, etc. Prém, quand precisams em nss rganism, ele mesm ns dá alerta. Assim, sempre que tiver sede, beba água. imprtante é se manter hidratad. SXC Editra Bernulli 9 Biia Cmpsi química ds seres vivs I Leitura cmplementar A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua dependência metabólica em relã a essa substância prvavelmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism à mrte? científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. Ctidian É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. il il vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism à mrte? à mrte? na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism à mrte? à mrte? vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive vida d rganism. Na mairia das espécies de mamífers, inclusive na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n na espécie humana, a perda de 20% d ttal da água cntida n crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais crp é, em geral, fatal. Aumas espécies, entretant, sã mais tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que tlerantes à desidratã. É cas, pr exempl, d camel que cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. cnsegue sbreviver perdend até 40% da água crpórea. Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism Pr que prcess de desidratã pde levar um rganism à mrte? à mrte? Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde Para cncluir, é bm lembrar que a água também pde ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões ser prduzida ns rganisms pr mei das muitas reões d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de d metablism celular, que sã cnhecidas pr reões de síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã síntese pr desidratã, nas quais as mléculas sã frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, frmadas juntamente cm utrs prduts. Iss acntece, pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã pr exempl, na síntese de prteínas, em que, devid à uniã de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. n rganism é denminada endógena. de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a de aminácids, frmase prteína e mléculas. de aminácids, frmase prteína e mléculas. Essa água prveniente das reões químicas que crrem Essa água prveniente das reões químicas que crrem n rganism é denminada endógena. n rganism é denminada endógena. A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a A desidratã excessiva é um quadr grave que põe em risc a Ângel Carvalh Ângel Carvalh Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru Figura 5. abitante cmum d desert american, ratcanguru pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds pde passar a vida inteira sem beber água, btenda apenas ds aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí aliments que cnsme (sementes, principalmente). Esse mamí fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e fer nã pssui glândulas sudríparas, tem hábits nturns e evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua ecnmizar grande quantidade, cntribuind para a sua Ctidian Ctidian evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, evita calr d dia escndendse em tcas prfundas. Essas, entre utras características, sã adaptões que permitemn entre utras características, sã adaptões que permitemn Ctidian Ctidian seiva vegetal, etc.) e sólids que têm certa quantidade de seiva vegetal, etc.) e sólids que têm certa quantidade de seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a vida, tal qual cm cnhecems vida, tal qual cm cnhecems em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs. essa maneira, acreditase que a dependência ds seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu seres vivs em relã à água persistiu cm decrrer da evlu (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades (transfrmã e frmã de nvas espécies) nas unidades fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se fundamentais ds seres vivs, ist é, nas suas células. Cm se trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã trata de uma hipótese, pdems aceitála u nã. Entretant, nã pdems negar fat de que a pdems negar fat de que a em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. água em sua cmpsi. Auns animais, cm fcas e leões água em sua cmpsi. Auns animais, cm fcas e leões marinhs, nã precisam beber água, btenda apenas ds marinhs, nã precisam beber água, btenda apenas ds Ângel Carvalh Ângel Carvalh É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. em nss planeta, nã pde existir sem água n estad líquid. É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên É pr iss que, quand s cientistas prcuram sinais da existên cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, cia de vida em utrs pnts d univers fra d nss planeta, uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u uma das primeiras bservões que prcuram é a existência u nã n estad líquid, pis a vida depende das reões nã n estad líquid, pis a vida depende das reões metabólicas e tais reões dependem da água. metabólicas e tais reões dependem da água. dependência metabólica em relã a essa substância prva dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs dependência metabólica em relã a essa substância prva dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs dependência metabólica em relã a essa substância prva dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs dependência metabólica em relã a essa substância prva dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs dependência metabólica em relã a essa substância prva dependência metabólica em relã a essa substância prva velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em velmente é uma cnsequência da própria rigem da vida em nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade nss planeta. Uma das hipóteses mais aceitas pela cmunidade científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns científica admite que as primeiras frmas de vida surgiram ns ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de ceans primitivs há cerca de 3,5 bilhões de ans. Prtant, de acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as acrd cm essa hipótese, fi n mei aqus que crreram as reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs reões químicas que culminaram n surgiment ds primeirs Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Leitura cmplementar Leitura cmplementar A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Leitura cmplementar Leitura cmplementar A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Leitura cmplementar Leitura cmplementar A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua A elevada taxa existente ns seres vivs e a sua

6 10 Frente A Capítul 1 Exercícis de Fixã 04. (UFUMG) A água é a substância que se encntra em mair quantidade n interir da célula. Iss se justifica pels imprtantes papéis que exerce ns prcesss metabólics. Qual papel da água na regulã térmica ds animais? 05. (UFSC) A água é a substância mais abundante na cnstitui ds mamífers. É encntrada ns cmpartiments extracelulares (líquid intersticial), intracelulares (n citplasma) e transcelulares (dentr de órgãs cm a bexiga e estômag). Sbre a água e sua presença ns mamífers, é CRRET afirmar que 01. a quantidade em que é encntrada ns rganisms é invariável de espécie para espécie. 02. cm passar ds ans, existe uma tendência de aumentar seu percentual ns tecids. 04. é imprtante fatr de regulã térmica ds rganisms. 08. em tecids metablicamente ativs é inexistente. 16. participa da cnstitui ds fluids rgânics que transprtam substâncias disslvidas pr td crp. 32. cnstitui mei dispersante para facilitar a realizã das reões químicas. Sma ( ) 2. Sais minerais s minerais, encntrads na matéria viva sb a frma inslúvel (imbilizads em estruturas esqueléticas, pr exempl) e sb a frma slúvel (disslvids na água e dissciads em íns), representam, em média, de 3 a 5% da massa ds seres vivs. s animais nrmalmente s btém através da ingestã de aliments e (nde também existe certa taxa de minerais disslvids) e, n cas ds vegetais, a bten se dá através da absr da água que está n sl. Auns minerais e suas principais funções n rganism fósfr é um ds cnstituintes ds ácids nucleics e d ATP. sódi e ptássi sã indispensáveis para a cndu ds impulss nervss. cálci e fósfr participam, junts, da cnstitui ds sss, na frma de Ca (P 3 ) (fsfat de cálci). 4 2 Cle Estud EM1 id participa da frmã ds hrmônis da tireide, que estimulam as reões d metablism. clr é imprtante para a frmã de ácid clrídric (Cl), um ds cmpnentes d suc gástric. ferr está presente na mlécula de hemglbina e é imprtante para transprte de xigêni n sangue. il Ângel Carvalh

7 entre s diverss minerais encntrads ns seres vivs, pdese destacar: Cálci (Ca) Sb a sua frma inslúvel, é respnsável pela rigidez das estruturas esqueléticas (sss, dentes, cnchas de mluscs). É mineral mais abundante n crp human, cnstituind cerca de 1,5% d ttal da massa crpral e cncentrandse ns sss sb a frma de fsfat de cálci. Pr iss, a carência desse element pde cmprmeter a frmã ds sss na infância, caracterizand raquitism, e, na fase adulta, pde causar steprse. Sb a frma iônica (Ca 2 ), cálci participa de imprtantes reões d metablism, cm a cntrã muscular e a cagulã sanguínea, send necessári também para a transmissã de impulss nervss. A taxa reduzida desse ín n plasma sanguíne (hipcalcemia) pde acerretar um retardament da cagulã d sangue e um mau funcinament ds músculs. Leite e derivads (queij, igurte, etc.), grãs de cereais, legumes, nzes e sardinha sã aliments rics em cálci. Fósfr (P) Juntamente cm cálci, sb a frma de fsfat de cálci, Ca 3 (P 4 ) 2 da frmã de estruturas esqueléticas. Na frma de ín fsfat (P ), participa da frmã das mléculas ds ácids nucleics (NA e RN e d ATP. Leite e derivads, carnes, peixes e cereais sã aliments rics em fósfr. Ferr (Fe) s sais de ferr frmam ín Fe, que par ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte de xigêni ( 2 ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracterizand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha sã aliments rics em sais de ferr. Magnési (Mg) Sb a frma iônica Mg das reões de fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celular respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respnsável pela absr da luz necessária à realizã da ftssíntese. sã imprtantes fntes de magnési. Sódi (Na) Sb a frma de Na, é essencial para a cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smótic) das células. clret de sódi (NaCl), também cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. Ptássi Assim cm sódi, s íns K têm imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds íns Na, a cncentrã ds íns K é mair n mei intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de frutas sã imprtantes fntes de ptássi. Cl é utr ín cm imprtante papel n equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits animais, participa da frmã d Cl (ácid clrídric), um ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã de determinads tips de aliments, em especial aqueles que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de clr para nss rganism é sal de czinha. Id (I) É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds hrmônis T 3 (triidtirnina) e T (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, devems ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. Creative Cmmns Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as indústrias de sal de czinha acrescentassem a seu prdut cert percentual de id. Cbre (Cu) Na frma iônica Cu 2, cbre participa na cnstitui da mlécula de hemcianina, pigment respiratóri de cr azul, encntrad n sangue de auns animais (crustáces, aracnídes e mluscs), cuja fun é transprtar xigêni pel rganism. Fígad, carnes e fruts d mar estã entre s principais aliments que cntêm cbre. Flúr (F) Imprtante para a frmã ds sss e d esmalte ds dentes. É encntrad na água e em auns aliments (peixes e chás, pr exempl). Em regiões nde ter de flúr na água destinada a cnsum da ppulã é baix, devese adicinál à água ptável nas estões de tratament (fluretã) a fim de reduzir a incidência da cárie dental. excess de flúr, entretant, acarreta a flurse, dença que prvca lesões ósseas e manchas ns dentes. Cbalt (C) Cnstituinte da vitamina B 12 da prdu das hemácias. Carnes e laticínis estã entre as suas principais fntes. Enxfre (S) É um ds cmpnentes ds aminácids cistina e metinina, s quais participam da estrutura de prteínas. Está presente, também, nas vitaminas B 1 (tiamina) e B 8 (bitina). Sua deficiência retarda cresciment. Alh, amênda, aveia, cebla, cuve, carnes, vs, peixes, leite e derivads sã aliments rics em enxfre. Editra Bernulli 11 Biia Cmpsi química ds seres vivs I ) n rganism. A carência de ferr acarreta, que participa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Sb a frma iônica Mg fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. Sb a frma de Na, é essencial para a cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. Ptássi (K) Assim cm sódi, s íns K imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds íns Na, a cncentrã ds íns K intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de frutas sã imprtantes fntes de ptássi. Clr (Cl) equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani mais da frmã d C ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã de determinads tips de aliments, em especial aqueles que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de clr para nss rganism é sal de czinha. É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. clr para nss rganism é sal de czinha. clr para nss rganism é sal de czinha. clr para nss rganism é sal de czinha. clr para nss rganism é sal de czinha. il il intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de frutas sã imprtantes fntes de ptássi. frutas sã imprtantes fntes de ptássi. Clr Clr intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de frutas sã imprtantes fntes de ptássi. frutas sã imprtantes fntes de ptássi. Clr Clr (C (C equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani mais da frmã d C mais da frmã d C ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã de determinads tips de aliments, em especial aqueles de determinads tips de aliments, em especial aqueles frutas sã imprtantes fntes de ptássi. frutas sã imprtantes fntes de ptássi. C C equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani mais da frmã d C mais da frmã d C ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã de determinads tips de aliments, em especial aqueles de determinads tips de aliments, em especial aqueles que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de clr para nss rganism é sal de czinha. clr para nss rganism é sal de czinha. intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de frutas sã imprtantes fntes de ptássi. frutas sã imprtantes fntes de ptássi. ) ) C C equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani equilíbri hídric. Além diss, n estômag de muits ani mais da frmã d C mais da frmã d C ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã ds cmpnentes d suc gástric, que atua na digestã de determinads tips de aliments, em especial aqueles de determinads tips de aliments, em especial aqueles que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de que sã rics em prteínas. Uma imprtante fnte de manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. (Na) (Na) Sb a frma de Na Sb a frma de Na cndu ds impulss nervss. Também exerce papel cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. Sb a frma de Na Sb a frma de Na cndu ds impulss nervss. Também exerce papel cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. Sb a frma de Na Sb a frma de Na cndu ds impulss nervss. Também exerce papel cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, lar respnsável pela síntese de prteínas. Nas plantas, cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn cnstitui as mléculas de clrfila, substância respn sável pela absr da luz necessária à realizã da sável pela absr da luz necessária à realizã da sã imprtantes fntes de magnési. sã imprtantes fntes de magnési. Sb a frma de Na Sb a frma de Na, é essencial para a, é essencial para a cndu ds impulss nervss. Também exerce papel cndu ds impulss nervss. Também exerce papel imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. desse mineral para nss rganism. Ptássi Ptássi imprtante papel na cndu ds impulss nervss imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. desse mineral para nss rganism. Ptássi Ptássi (K) (K) imprtante papel na cndu ds impulss nervss imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds íns Na íns Na intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. desse mineral para nss rganism. (K) (K) Assim cm sódi, s íns K Assim cm sódi, s íns K imprtante papel na cndu ds impulss nervss imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds, a cncentrã ds íns K, a cncentrã ds íns K intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. desse mineral para nss rganism. Assim cm sódi, s íns K Assim cm sódi, s íns K imprtante papel na cndu ds impulss nervss imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds, a cncentrã ds íns K, a cncentrã ds íns K intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó imprtante na manuten d equilíbri hídric (smó das células. clret de sódi (NaC das células. clret de sódi (NaC cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes cnhecid pr sal de czinha, é uma das principais fntes desse mineral para nss rganism. desse mineral para nss rganism. Assim cm sódi, s íns K Assim cm sódi, s íns K imprtante papel na cndu ds impulss nervss imprtante papel na cndu ds impulss nervss e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds e na manuten d equilíbri hídric. A cntrári ds, a cncentrã ds íns K, a cncentrã ds íns K intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de intracelular. Carnes, leite, verduras e muits tips de n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha sã aliments rics em sais de ferr. sã aliments rics em sais de ferr. Sb a frma iônica Mg Sb a frma iônica Mg fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Sb a frma iônica Mg Sb a frma iônica Mg fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Sb a frma iônica Mg Sb a frma iônica Mg fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Sb a frma iônica Mg Sb a frma iônica Mg 2 2 fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte ) n rganism. A carência de ferr acarreta ) n rganism. A carência de ferr acarreta na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri na diminui da taxa nrmal de hemglbina, caracteri zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Sb a frma iônica Mg Sb a frma iônica Mg 2 2 fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. zand um tip de anemia cnhecida pr anemia ferrpriva. Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha Carnes, vísceras, espinafre, cuve, bróclis, feijã e ervilha fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da manuten da estrutura d ribssm, rganela celu manuten da estrutura d ribssm, rganela celu ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as indústrias de sal de czinha acrescentassem a seu prdut cert indústrias de sal de czinha acrescentassem a seu prdut cert percentual de id. percentual de id. fsfrilã que sintetizam ATP e da fsfrilã que sintetizam ATP e da das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume ( papeira, pap ), que cnsiste n aument exagerad d vlume da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em da tireide. Para evitar bóci, que crria de frma endêmica em aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as aumas áreas d nss país, trnuse brigatóri pr lei que as indústrias de sal de czinha acrescentassem a seu prdut cert indústrias de sal de czinha acrescentassem a seu prdut cert Juntamente cm cálci, sb a frma Juntamente cm cálci, sb a frma da frmã de da frmã de estruturas esqueléticas. Na frma de ín fsfat (P estruturas esqueléticas. Na frma de ín fsfat (P ), ), nucleics nucleics (NA e RN e d ATP. Leite e derivads, carnes, peixes (NA e RN e d ATP. Leite e derivads, carnes, peixes s sais de ferr frmam ín Fe s sais de ferr frmam ín Fe 2 2, que par, que par ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte nucleics nucleics (NA e RN e d ATP. Leite e derivads, carnes, peixes (NA e RN e d ATP. Leite e derivads, carnes, peixes, que par, que par ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte, que par, que par ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida ticipa da cnstitui da mlécula de hemglbina, cntida n sangue de muits animais, respnsável pel transprte n sangue de muits animais, respnsável pel transprte Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci das atividades metabólicas d rganism, a frmã d bóci mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina Figura 6. A falta de sais de id em nss rganism casina mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir mau funcinament da tireide, que, entã, passa a prduzir taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid taxas menres de hrmônis, caracterizand um quadr cnhecid pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu pr hiptireidism. Esse quadr casina, além de uma redu td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve hrmônis, a tireide necessita de id, pr iss, deve ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais ms ingerir sais de id ns aliments. s aliments mais rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s rics em sais de id sã aqueles rigináris d mar e s vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis vegetais terrestres plantads em áreas litrâneas, pis quant mais próxims a litral, mais rics em id sã quant mais próxims a litral, mais rics em id sã s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. s sls e, cnsequentemente, s vegetais ali plantads. Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I É um ds cmpnentes ds hrmônis É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (triidtirnina) e T (triidtirnina) e T tirxina), que estimulam as reões d metablism em tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I É um ds cmpnentes ds hrmônis É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (triidtirnina) e T (triidtirnina) e T 4 4 (tetraidtirnina u (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I É um ds cmpnentes ds hrmônis É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (tetraidtirnina u (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses É um ds cmpnentes ds hrmônis É um ds cmpnentes ds hrmônis prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte prduzids pela tireide, glândula lcalizada na parte anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (tetraidtirnina u (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds anterir d pescç, à frente da traqueia e prdutra ds (tetraidtirnina u (tetraidtirnina u tirxina), que estimulam as reões d metablism em tirxina), que estimulam as reões d metablism em td crp (metablism geral). Para prduzir esses td crp (metablism geral). Para prduzir esses

8 Exercícis de Fixã 06. (VUNESP) Em uma criança, fi cnstatada, pr mei de exames, anemia prvcada pr deficiência alimentar. médic receitu medicaments à base de ferr. Cm essas infrmões, respnda: Que tip de anemia pderia ter a criança? Qual a imprtância d ferr n prcess em questã? 07. (UnicampSP) A adi de id a sal de czinha fi estabelecida pr lei gvernamental, após a análise da principal causa da elevada incidência de pessas cm bóci (também cnhecid cm pap u papeira) n país. EXPLIQUE, d pnt de vista fisilógic, pr que essa medida deu bns resultads. 08. (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. A alternativa que relacina CRRETAMENTE sal mineral cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e s dentes. C) P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. ) frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã sanguínea. 3. Vitaminas As vitaminas sã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de sã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quínatureza quí sã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quínatur sã substâncias rgânicas de natureza quínatureza quí sã substâncias rgânicas de natureza quínatur sã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza quínatureza quí sã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza química diversificada, cm hidrcarbnets, ácids rgânics, amidas, aminas, etc. N 2 3 C 3 C N N S N vitamina B1 (Tiamina) e seu grupament amina. nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras substâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e amplamente utilizada. pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clabrand para funcinament de muitas enzimas, substâncias que sã indispensáveis para as reões d metablism. delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hipvitaminse. As hipvitaminses sã mais cmuns que as avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina, pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrsslúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B N chamad cmplex B, estã incluídas diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferentes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham is muit parecids n rganism. Fazem parte desse cmplex várias vitaminas, cm B 1, B 2, B 3 u PP, B 6, B 12,, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem as vitaminas A,, E e K. Figura 8. As vitaminas estã distribuídas em diverss aliments de rigem animal e vegetal. Assim, uma dieta balanceada ns frnece a quantidade diária ideal de vitaminas, para evitar quadrs de avitaminses e de hipvitaminses. É bm ressaltar que, hje, as vitaminas também sã prduzidas de frma sintética em labratóris, que trnu pssível a crre desses quadrs de frma rápida e ecnômica. Ângel Carvalh Cle Estud EM1 12 Frente A Capítul 1 diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. CRRETAMENTE sal mineral cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da tireide. F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san vitamina B1 (Tiamina) e seu nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N 2 ). Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e amplamente utilizada. pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias sã indispensáveis para as reões d metablism. delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip vitaminse. As hipvitaminses avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham papé cmplex várias vitaminas, cm B, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem Cle Estud EM de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina, graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess vitaminse. As hipvitaminses vitaminse. As hipvitaminses Cle Estud EM1 Cle Estud EM vitaminse. As hipvitaminses vitaminse. As hipvitaminses Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 vitaminse. As hipvitaminses vitaminse. As hipvitaminses il que il que il delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as il delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. il células e para rganism. il il delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as il delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. il células e para rganism. indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip vitaminse. As hipvitaminses vitaminse. As hipvitaminses delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip vitaminse. As hipvitaminses vitaminse. As hipvitaminses indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as delas nã exercem suas funções, gerand prejuízs para as células e para rganism. células e para rganism. ependend d tip de vitamina, sua carência prvca ependend d tip de vitamina, sua carência prvca distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal distúrbis de mair u menr gravidade. A carência ttal de uma determinada vitamina n rganism cnstitui de uma determinada vitamina n rganism cnstitui uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip uma avitaminse, e a carência parcial cnstitui uma hip que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N 2 2 Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, Pr iss, Funk passu a chamar tal substância de vitamina, que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs que significa amina da vida. Psterirmente, utras subs tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr tâncias cm prpriedades semelhantes àquela descrita pr Funk fram descbertas. Entretant, a análise química Funk fram descbertas. Entretant, a análise química delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura delas mstru que nem tdas pssuíam em sua estrutura mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a mlecular grupament amin. Pr essa perspectiva, a designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é designã vitaminas para se referir a tdas elas nã é crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e amplamente utilizada. amplamente utilizada. pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias sã sã crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e amplamente utilizada. amplamente utilizada. pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e crreta, mas fi cnsagrada pel us e, pr iss, é aceita e pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% pel rganism em pequenas quantidades (mens de 1% da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a da massa ttal d crp), sã indispensáveis. Iss prque a mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab mairia delas atua cm cenzima u parte de uma, clab rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias rand para funcinament de muitas enzimas, substâncias indispensáveis para as reões d metablism. indispensáveis para as reões d metablism. vitamina B1 (Tiamina) e seu vitamina B1 (Tiamina) e seu grupament amina. grupament amina. nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N vitamina B1 (Tiamina) e seu vitamina B1 (Tiamina) e seu nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez vitamina B1 (Tiamina) e seu vitamina B1 (Tiamina) e seu nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez que pssuía em sua estrutura grupament amin (N que pssuía em sua estrutura grupament amin (N nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir nme vitamina, usad pela primeira vez pr Casimir Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à Funk (químic plnês), está diretamente relacinad à descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham pap pap descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. uma substância imprescindível para certs prcesss vitais. Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez Sua análise química revelu ser esta uma amina, uma vez ). ). diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham pap pap cmplex várias vitaminas, cm B cmplex várias vitaminas, cm B descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu descberta dessas substâncias. Em 1911, Funk descbriu diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham is muit parecids n rganism. Fazem parte desse is muit parecids n rganism. Fazem parte desse cmplex várias vitaminas, cm B cmplex várias vitaminas, cm B, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem as vitaminas A,, E e K. as vitaminas A,, E e K. lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen diversas vitaminas que, embra tenham fórmulas diferen tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham tes, têm rigem quase nas mesmas fntes e desempenham é éis muit parecids n rganism. Fazem parte desse is muit parecids n rganism. Fazem parte desse cmplex várias vitaminas, cm B cmplex várias vitaminas, cm B, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem, P, entre utras. As vitaminas lipsslúveis cmpreendem as vitaminas A,, E e K. as vitaminas A,, E e K. P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. encntrada nas hemácias. ) ) C Cl l frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã san avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. encntrada nas hemácias. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã san avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. encntrada nas hemácias. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã san avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. encntrada nas hemácias. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã san avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína encntrada nas hemácias. encntrada nas hemácias. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã san avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã sanguínea. guínea. avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess P participa da cnstitui da hemglbina, prteína P participa da cnstitui da hemglbina, prteína frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. frtalece s sss e s dentes e previne as cáries. Ca auxilia na cagulã san Ca auxilia na cagulã sanguínea. guínea. avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência avitaminses e, geralmente, têm cm causa a deficiência sã substâncias rgânicas de natureza quí sã substâncias rgânicas de natureza quísã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza quí sã substâncias rgânicas de natureza quíeza quísã substâncias rgânicas de natureza química diversificada, cm hidrcarbnets, ácids rgânics, mica diversificada, cm hidrcarbnets, ácids rgânics, nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina de vitamina graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina de vitamina graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina de vitamina graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess de vitamina de vitamina graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess pr exempl, pde determinar calcificões pr exempl, pde determinar calcificões,, graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess,, pr exempl, pde determinar calcificões pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess pr exempl, pde determinar calcificões pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess pr exempl, pde determinar calcificões pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B lúveis cmpreendem as vitaminas d chamad cmplex B nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess nutricinal alimentar. Pr utr lad, quand há excess de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que de determinada vitamina, falase em hipervitaminse, que também pde acarretar distúrbis n rganism. excess também pde acarretar distúrbis n rganism. excess pr exempl, pde determinar calcificões pr exempl, pde determinar calcificões graves em certs órgãs. graves em certs órgãs. A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua A classificã das vitaminas é feita de acrd cm a sua slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss slubilidade em água u em lipídis. As vitaminas hidrss saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. A alternativa que relacina A alternativa que relacina cm sua fun n rganism é: cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da K participa ds hrmônis da F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e s dentes. s dentes. saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. A alternativa que relacina A alternativa que relacina CRRETAMENTE CRRETAMENTE cm sua fun n rganism é: cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da K participa ds hrmônis da F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e cm sua fun n rganism é: cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da K participa ds hrmônis da F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. CRRETAMENTE CRRETAMENTE cm sua fun n rganism é: cm sua fun n rganism é: K participa ds hrmônis da K participa ds hrmônis da tireide. tireide. F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. CRRETAMENTE CRRETAMENTE sal mineral sal mineral tireide. tireide. F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. sal mineral sal mineral F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n íns ns líquids crprais, frmand cristais encntrads n esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. esquelet, u ainda cmbinads cm mléculas rgânicas. sal mineral sal mineral F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e F cnstitui, juntamente cm Ca, tecid ósse e (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais (PUCPR2009) s sais minerais, encntrads ns mais variads aliments, desempenham fun imprtante na variads aliments, desempenham fun imprtante na saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de saúde d hmem. Eles pdem estar disslvids na frma de

9 ependend da fnte alimentar, as vitaminas pdem ser encntradas já na frma ativa, prntas para serem absrvidas e utilizadas pel rganism, u também na frma de prvitaminas, ist é, numa frma precursra, ainda nã ativa, que precisa ser transfrmada em nss rganism para pder ser utilizada. carten, pr exempl, encntrad ns vegetais, especialmente s que pssuem clrã amarela u alaranjada (cenura, mamã, laranja, etc.) é a prvitamina A, que em nss rganism é tr é tr é tr transanstransanstranstrans transé tr transé tr trans é tr transé transtransanstrans anstransansanstransansanstransansfrmada em vitamina A. Creative Cmmns Figura 9. ergsterl e 7deidrclesterl sã dis exempls de prvitamina, que na nssa pele, pr ã ds rais slares, sã transfrmads em vitamina ativa. ergsterl é prduzid pels vegetais e absrvid pel ser human quand ingerid. 7deidrclesterl é um derivad d clesterl encntrad nas secreções das glândulas situadas na nssa pele. Apesar desse efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair incidência ds rais UV, cmpreendid entre 10 h e 16 h. As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resultante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand cm xigêni d ar. entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm principais as seguintes: Vitamina A (axerftl, retinl) É encntrada principalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). Essa vitamina clabra para cresciment de animais, inclusive hmem, estimuland a ssificã através da síntese da substância que faz parte da matriz óssea (substância intercelular d tecid ósse). A integridade d tecid epitelial de revestiment encntrad em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da transparência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. Esclerótica Córnea Pupila Cristalin Íris Nerv óptic Retina Cride Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é necessária para a síntese de rdpsina, pigment indispensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad retinen (retinl), derivad da vitamina A. A falta dessa vitamina, prtant, acarreta ausência de rdpsina, que causa hemeralpia (cegueira nturna). RPSINA RETINEN PSINA Luz bscuridade Na presença de luz, a rdpsina é desdbrada em retinen e psina. Na bscuridade, crre a síntese da rdpsina. A síntese desse pigment visual depende de retinen, cujas fntes sã as mléculas de vitamina A. Em diferentes situões, sms capazes de perceber s efeits das reões da síntese e d desdbrament da rdpsina em nssa retina. Cnsidere as seguintes situões: I. Quand entrams numa sala de prje em que filme já tenha cmeçad, cstumams ficar temprariamente cegs. Entretant, após auns segunds, a nssa visã trnase mais nítida. II. Quand passams rapidamente de um lugar escur para utr muit clar, é cmum s nsss lhs ficarem temprariamente fuscads durante auns segunds até a nssa visã se nrmalizar. Pr que na situã I crre uma cegueira temprária e, na situã II, um fuscament? Ângel Carvalh Editra Bernulli 13 Biia Cmpsi química ds seres vivs I indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se estendem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresciment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand cm xigêni d ar. entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi pais as seguintes: Vitamina A (axerftl cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). Essa vitamina clabra para cresciment de animais, inclusive hmem, estimuland a ssificã através da síntese da substância que faz parte da matriz óssea (substância intercelular d tecid ósse). A integri dade d tecid epitelial de revestiment encntrad Nerv óptic tina Cride Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad Ângel Carvalh Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci Certs cuidads também precisam ser tmads para calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de dade d tecid epitelial de revestiment encntrad dade d tecid epitelial de revestiment encntrad dade d tecid epitelial de revestiment encntrad dade d tecid epitelial de revestiment encntrad il il cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). Essa vitamina clabra para cresciment de animais, Essa vitamina clabra para cresciment de animais, inclusive hmem, estimuland a ssificã através inclusive hmem, estimuland a ssificã através da síntese da substância que faz parte da matriz óssea da síntese da substância que faz parte da matriz óssea cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). Essa vitamina clabra para cresciment de animais, Essa vitamina clabra para cresciment de animais, inclusive hmem, estimuland a ssificã através inclusive hmem, estimuland a ssificã através da síntese da substância que faz parte da matriz óssea da síntese da substância que faz parte da matriz óssea (substância intercelular d tecid ósse). A integri (substância intercelular d tecid ósse). A integri cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, fígad de peixes. Ns vegetais, cm mamã, cenura, abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é abóbra e utrs de clrã amarellaranja, ela é encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). encntrada sb a frma de prvitamina A (carten). Essa vitamina clabra para cresciment de animais, Essa vitamina clabra para cresciment de animais, inclusive hmem, estimuland a ssificã através inclusive hmem, estimuland a ssificã através da síntese da substância que faz parte da matriz óssea da síntese da substância que faz parte da matriz óssea (substância intercelular d tecid ósse). A integri (substância intercelular d tecid ósse). A integri que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma que s aliments nã percam seu valr vitamínic, uma vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel vez que aumas vitaminas sã facilmente destruídas pel calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm calr e pela expsi prlngada a xigêni d ar. Cm regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de regra geral, para preservar a máxim valr vitamínic de cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul cnsumids crus u czids pr puc temp. líquid resul tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u tante d cziment pde ser utilizad para fazer spas u calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam calds, de md que as vitaminas nele presentes nã sejam crtads na hra de serem servids para evitar a xidã crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand cm xigêni d ar. cm xigêni d ar. entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi pais as seguintes: pais as seguintes: crtads na hra de serem servids para evitar a xidã crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand cm xigêni d ar. cm xigêni d ar. entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi pais as seguintes: pais as seguintes: Vitamina A (axerftl Vitamina A (axerftl cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de crtads na hra de serem servids para evitar a xidã crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand cm xigêni d ar. cm xigêni d ar. entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi pais as seguintes: pais as seguintes: Vitamina A (axerftl Vitamina A (axerftl cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de crtads na hra de serem servids para evitar a xidã crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi Vitamina A (axerftl Vitamina A (axerftl cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de crtads na hra de serem servids para evitar a xidã crtads na hra de serem servids para evitar a xidã destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand destrutiva de suas vitaminas pel cntat mais prlngand entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi entre as vitaminas cnhecidas, citamse cm princi Vitamina A (axerftl Vitamina A (axerftl,, retinl) retinl) cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de cipalmente n leite e derivads, gema d v e óles de As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus indivídu para utr e em um mesm indivídu, cnfrme seus hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá hábits de vida. Em aumas situões, rganism pderá precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss precisar de um aument das necessidades vitamínicas. Iss acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular acntece, pr exempl, quand há um trabalh muscular intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci intens e prlngad, gravidez e lactã, na fase de cresci ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad retinen (retinl), derivad da vitamina A. A falta dessa retinen (retinl), derivad da vitamina A. A falta dessa vitamina, prtant, acarreta ausência de rdpsina, que vitamina, prtant, acarreta ausência de rdpsina, que causa hemeralpia (cegueira nturna). causa hemeralpia (cegueira nturna). ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. ment e da denti, na recuperã após uma dença, etc. Certs cuidads também precisam ser tmads para Certs cuidads também precisam ser tmads para necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pensável para a visã em lcais de puca luminsidade, pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é pis aumenta a sensibilidade da retina à luz. A rdpsina é frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad frmada pr uma prteína (psina) e um radical, chamad retinen (retinl), derivad da vitamina A. A falta dessa retinen (retinl), derivad da vitamina A. A falta dessa Nerv óptic Nerv óptic Nerv óptic Nerv óptic Re Retina tina Cride Cride Nerv óptic Nerv óptic tina tina Cride Cride Nerv óptic Nerv óptic de prvitamina, que na nssa pele, pr ã ds rais slares, de prvitamina, que na nssa pele, pr ã ds rais slares, sã transfrmads em vitamina ativa. ergsterl é prduzid sã transfrmads em vitamina ativa. ergsterl é prduzid pels vegetais e absrvid pel ser human quand ingerid. pels vegetais e absrvid pel ser human quand ingerid. 7deidrclesterl é um derivad d clesterl encntrad nas 7deidrclesterl é um derivad d clesterl encntrad nas secreções das glândulas situadas na nssa pele. Apesar desse secreções das glândulas situadas na nssa pele. Apesar desse efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair incidência ds rais UV, cmpreendid entre 10 h e 16 h. incidência ds rais UV, cmpreendid entre 10 h e 16 h. As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um 7deidrclesterl é um derivad d clesterl encntrad nas 7deidrclesterl é um derivad d clesterl encntrad nas secreções das glândulas situadas na nssa pele. Apesar desse secreções das glândulas situadas na nssa pele. Apesar desse efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair incidência ds rais UV, cmpreendid entre 10 h e 16 h. incidência ds rais UV, cmpreendid entre 10 h e 16 h. efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele efeit benéfic, é precis ter certs cuidads a expr a pele a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair a Sl, cm usar prtetr slar e evitar períd de mair As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um As necessidades diárias de vitaminas pdem variar de um Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Ângel Carvalh Ângel Carvalh Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis necessária para a síntese de rdpsina, pigment indis Ângel Carvalh Ângel Carvalh anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Ângel Carvalh Ângel Carvalh Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e Figura 10. A córnea (lcalizada na camada mais externa e anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã anterir d lh) e a retina (camada mais interna d lh) sã Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é Além diss, em nsss lhs, a vitamina A também é dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. a vitamina antixerftálmica. dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. a vitamina antixerftálmica. ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. a vitamina antixerftálmica. dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm a vitamina antixerftálmica. a vitamina antixerftálmica. dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da acarretar atrfia, que resulta em uma diminui da prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament prdu de lágrimas cm cnsequente ressecament da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh da córnea, causand a chamada xerftalmia ( lh ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans ressecad ), que resulta em ulcerões, perda da trans parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. parência da córnea e, em cass extrems, a cegueira. Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Pr essa razã, a vitamina A também é cnhecida cm Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid em nssa pele e mucsas, bem cm a d tecid A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm A carência dessa vitamina trna a pele áspera, cm descamões e erupções, que, geralmente, aparecem descamões e erupções, que, geralmente, aparecem primeir ns membrs superires e, depis, se esten primeir ns membrs superires e, depis, se esten dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde dem pr td crp. Nas glândulas lacrimais, pde

10 Vitamina B1 (tiamina) Essa fi a primeira vitamina descberta e suas principais fntes sã lêveds, cutículas de cereais (arrz, trig, etc.), sja, feijã, fígad, peixes, vs, leite e derivads. Atua cm cenzima nas descarbxilases, enzimas de grande imprtância nas reões da respirã celular realizadas a partir da glicse. Cm tecid nervs é extremamente dependente da glicse cm fnte de energia, a carência dessa vitamina prvca plineurite e, cnsequentemente, atrfia e paralisia ds músculs. Esse quadr clínic caracteriza a avitaminse cnhecida pr beribéri, fazend da vitamina B 1 a vitamina antiberibérica. Essa dença, além de causar plineurite e prfunda fraqueza muscular, que impede muitas vezes indivídu de manterse em pé szinh, prvca na pessa dente uma má absr de aliments n intestin, emagreciment, anrexia, cresciment retardad e insuficiência cardíaca cm retardament ds batiments cardíacs (bradicardia). Vitamina B2 (ribflavina) Cntém uma mlécula de ribse em sua cnstitui química e é facilmente encntrada em váris aliments, cm leite e derivads, vs, legumes, vegetais flhss, fígad, lêved da cer veja, entre utrs. É sintetizada em pequena quantidade pelas bactérias da nssa micrbita intestinal natural e faz parte das citcrm xidases e citcrm redutases, enzimas que também atuam nas reões da respirã celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. Vitamina B3 (niacina, nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachaduras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, a vitamina B também é chamada de vitamina PP (preventiva da pelagra) e de vitamina antipelágrica. Vitamina (ácid panttênic) Suas principais fntes sã carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. piridxina) Encntrada em carnes, cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza muscular e cálculs renais. Vitamina B8 u (bitina) É encntrada principal mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada e alpecia. Vitamina B9 (ácid fólic) Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imaturs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Pssui cbalt em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua pernicisa e, pr iss, é cnhecida cm vitamina antianêmica. Vitamina P (rutina) Encntrada principalmente em legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragilidade. Sua carência pde determinar apareciment de micrvarizes. Vitamina C (ácid ascórbic) Suas principais fntes sã frutas cítricas (acerla, limã, laranja, etc.), tmate, pimentã e hrtaliças verdes e flhsas (cuve, agriã, etc.). Essa vitamina evita a fragilidade ds capilares sanguínes, tem fun antixidante e atua na síntese d clágen, prteína que cnfere resistência a tecid cnjuntiv. Sua carência causa perda de apetite, de pes e da resistência rgânica, além da avitaminse escrbut, caracterizada pr hemrragias cutâneas e gengivais e pr inflamã nas articulões. É pr iss chamada de vitamina antiescrbútica. A mairia ds mamífers sintetiza vitamina C n crp. s primatas, inclusive humans, nã pssuem essa capacidade, precisand, entã, btêla na dieta. Pr ser essencial para rganism, a taxa diária necessária está em trn de 75 a 100 mg. Entretant, aumas campanhas publicitárias estimulam a ingestã diária de cmprimids cntend até mg dessa vitamina. Qual é destin da mair parte da vitamina C que as pessas tmam em excess em relã à sua necessidade crpral? Vitamina (calciferl) É encntrada em aliments cm leite e derivads, gema d v e óle de fígad de bacalhau e, pr mei da expsi as rais slares, essa vitamina é sintetizada em nssa pele. A vitamina exerce imprtante fun n metablism d cálci e d fósfr, Cle Estud EM1 14 Frente A Capítul 1 celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, a vitamina B também é chamada de vitamina PP (pre Vitamina B5 (ácid panttênic) fntes sã carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. Vitamina B6 ( cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus cular e cálculs renais. É encntrada principalmente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. Vitamina P legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili dade. Sua carência pde determinar apareciment de micrvarizes. Cle Estud EM carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte participantes das reões de desidrgenã (reões atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, cular e cálculs renais. cular e cálculs renais. Cle Estud EM1 Cle Estud EM cular e cálculs renais. cular e cálculs renais. Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 cular e cálculs renais. cular e cálculs renais. il ilsja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar il na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar il ilsja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar il na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. Vitamina B6 ( Vitamina B6 ( cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. Vitamina B6 ( Vitamina B6 ( cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus cular e cálculs renais. cular e cálculs renais. sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. Vitamina B6 ( Vitamina B6 (piridxina) piridxina) cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus cular e cálculs renais. cular e cálculs renais. sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e sja, amendim e milh. Atua na respirã celular e na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar na síntese da hemglbina, e sua carência pde causar anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. anemia, fadiga e frmigament ns pés e nas mãs. Vitamina B6 ( Vitamina B6 (piridxina) piridxina) cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima cereais integrais, verduras, fígad e atua cm cenzima nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência nas reões metabólicas ds aminácids. Sua carência causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus causa alterões neurlógicas, dermatite, fraqueza mus participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu que liberam hidrgênis), e d NA, substância que que liberam hidrgênis), e d NA, substância que atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas atua cm aceptr e transprtadr de hidrgênis nas reões da respirã celular. A carência dessa vitamina reões da respirã celular. A carência dessa vitamina n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã n rganism causa a pelagra, dença grave que, se nã tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença tratada, pde culminar na mrte d indivídu. Essa dença se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu se caracteriza pr uma dermatite intensa, cm rachadu ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial ras dlrsas na pele, lesões das mucsas, em especial a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, a vitamina B a vitamina B Vitamina Vitamina fntes sã fntes sã a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, a vitamina B a vitamina B 3 3 também é chamada de vitamina PP (pre também é chamada de vitamina PP (pre Vitamina Vitamina B5 B5 fntes sã fntes sã a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, também é chamada de vitamina PP (pre também é chamada de vitamina PP (pre (ácid panttênic) (ácid panttênic) carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, também é chamada de vitamina PP (pre também é chamada de vitamina PP (pre (ácid panttênic) (ácid panttênic) carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave a mucsa intestinal, prvcand diarreia e neurite grave d sistema nervs central, que pde levar à demência. d sistema nervs central, que pde levar à demência. Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu Pr apresentar esses sintmas, a pelagra também ficu cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, cnhecida cm a dença ds três e, pr previnila, também é chamada de vitamina PP (pre também é chamada de vitamina PP (pre (ácid panttênic) (ácid panttênic) carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, carne, fígad, rim, v, laticínis, feijã, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui perturbões digestivas, depressã nervsa, diminui da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. da vitalidade e predispsi para desrdens mentais. nictinamida, vitamina PP) nictinamida, vitamina PP) Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili dade. Sua carência pde determinar apareciment de dade. Sua carência pde determinar apareciment de magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas Vitamina P Vitamina P legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas da cnstitui das desidrgenases, que sã enzimas participantes das reões de desidrgenã (reões participantes das reões de desidrgenã (reões paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili dade. Sua carência pde determinar apareciment de dade. Sua carência pde determinar apareciment de Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes Suas principais fntes sã lêved de cerveja, carnes magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte magras, vs, fígad, peixes, leite e derivads. Faz parte legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili dade. Sua carência pde determinar apareciment de dade. Sua carência pde determinar apareciment de micrvarizes. micrvarizes. Vitamina C (ácid ascórbic) Vitamina C (ácid ascórbic) sã frutas cítricas (acerla, limã, laranja, etc.), tmate, sã frutas cítricas (acerla, limã, laranja, etc.), tmate, Vitamina P Vitamina P legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as legumes e vegetais flhss, essa vitamina frtalece as paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili paredes ds capilares sanguínes, evitand sua fragili dade. Sua carência pde determinar apareciment de dade. Sua carência pde determinar apareciment de micrvarizes. micrvarizes. Vitamina C (ácid ascórbic) Vitamina C (ácid ascórbic) bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, anemia pernicisa. anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a anemia pernicisa. anemia pernicisa. Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma necessária para a frmã ds ácids nucleics, uma vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza vez que participa cm cenzima da reã que sintetiza nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. nucletídes e n prcess de maturã das hemácias. Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu Na carência dessa vitamina, glóbuls vermelhs imatu rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a rs sã lançads na crrente sanguínea, casinand a Vitamina B12 (ciancbalamina) Vitamina B12 (ciancbalamina) encntrada em váris aliments, cm leite e derivads, encntrada em váris aliments, cm leite e derivads, vs, legumes, vegetais flhss, fígad, lêved da cer vs, legumes, vegetais flhss, fígad, lêved da cer veja, entre utrs. É sintetizada em pequena quantidade veja, entre utrs. É sintetizada em pequena quantidade pelas bactérias da nssa micrbita intestinal natural e pelas bactérias da nssa micrbita intestinal natural e faz parte das citcrm xidases e citcrm redutases, faz parte das citcrm xidases e citcrm redutases, enzimas que também atuam nas reões da respirã enzimas que também atuam nas reões da respirã celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, faz parte das citcrm xidases e citcrm redutases, faz parte das citcrm xidases e citcrm redutases, enzimas que também atuam nas reões da respirã enzimas que também atuam nas reões da respirã celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds enzimas que também atuam nas reões da respirã enzimas que também atuam nas reões da respirã celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga celular. Tem imprtante papel n cresciment d rga nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, nism e sua carência pde acarretar queilse, ftfbia, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. Vitamina P Vitamina P carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. Vitamina P Vitamina P (rutina) (rutina) em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. Vitamina P Vitamina P em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, em sua cnstitui e suas principais fntes sã lêved, carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança carne, fígad, peixes, leite e derivads. À semelhança d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds d ácid fólic, atua cm cenzima na bissíntese ds ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de ácids nucleics e tem fun essencial n prcess de maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua maturã ds glóbuls vermelhs. essa frma, sua é cnhecida cm vitamina antianêmica. é cnhecida cm vitamina antianêmica. pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada (ácid fólic) (ácid fólic) fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada (ácid fólic) (ácid fólic) Recebeu nme ácid Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada Recebeu nme ácid Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada Recebeu nme ácid Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É Recebeu nme ácid Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada Recebeu nme ácid Recebeu nme ácid fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas fólic prque fi encntrada primeiramente nas flhas ds vegetais. Entretant, também está presente em ds vegetais. Entretant, também está presente em aliments de rigem animal, cm fígad, crã e aliments de rigem animal, cm fígad, crã e rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas rins de bvins. Além diss, é sintetizada pr numersas bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É bactérias, inclusive as da nssa micrbita intestinal. É É encntrada principal É encntrada principal mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada É encntrada principal É encntrada principal mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada É encntrada principal É encntrada principal mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads mente ns legumes, fruts, vs, fígad, leite e derivads e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr e n lêved. Sintetizada pr bactérias da nssa micr bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment bita intestinal, preserva s epitélis de revestiment (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds (pele e mucsas) e cntribui para evitar a queda ds pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada pels. Sua carência pde causar dermatite generalizada

11 Biia a a a a ã Cmplex B ã a a a ã ã Vitamina C Vitamina E ga iv ã ul ga g ã ul ga a v ç u ã a i ã l i l ga g ã ul a g v ã u a a ã iv ul ga a a iv ul ga ã ga Vitamina E (tcferl) É abundante em aliments vegetais (óles vegetais, verduras frescas, ervilha, aveia, cevada, milh, amendim, banana, etc.) e em aliments de rigem animal, cm carne, fígad e vs. Além diss, age cm antixidante. Experiências realizadas cm rats cnstataram que s machs alimentads cm rões deficientes em vitamina E apresentaram atrfia ds testículs, e, em cnsequência, ência ência,, trnaramse estéreis. aí essa vita vitamina ser cnhecida cm vitamina antiestéril. Nas fêmeas desses animais, cnstatuse que, embra cntinuassem a lar, a gestã nã se cmpletava. Pr iss, a vitamina também passu a ser cnhecida cm vitamina da fecunfecundã. Na espécie humana, nã existe cmprvã de que a carência da vitamina E seja um fatr de esterilidade u de abrts espntânes,, send seu efeit antiestéril ainda muit discutid pr pesquisadres. Essa vitamina, n hmem e em utrs animais, também exerce fun prtetra sbre a musculatura, e sua carência pde causar degenerã, atrfia e paralisia ds músculs esquelétics. Vitamina K (filquinna, naftquinna) Fígad, hrtaliças flhsas (alface, cuve, espinafre, etc.), alh e legumes sã imprtantes fntes dessa vitamina, que também é sintetizada pr bactérias da nssa micrbita intestinal. N fígad das reões que sintetizam a prtrmbina, prteína indispensável a prcess de cagulã d sangue. Assim, ns indivídus carentes dessa vitamina, a cagulã sanguínea é mais dem demrada, aumentand temp da hemrragia, que, em certs cass, pde ser fatal. Pr iss, a vitamina K é cnhecida cm vitamina antihemrrágica. a a a a ã estimuland a absr desses elements n intestin e a fixã ds mesms ns sss e dentes. Na ssificã, é indispensável a presença de sais de cálci e fósfr para a plena frmã desses órgãs e, para a perfeita fixã desses elements ns sss, é vital a presença da vitamina. A carência dessa vitamina na infância causa raquitism, avitaminse caracterizada pela frmã de sss fracs e trtuss, pel peit de pmb (curvatura óssea d tórax para fra) e pels membrs inferires recurvads. Pr iss, a vitamina é a vitamina antiraquítica. N indiindivídu adult, cujs sss já estã ttalmente frmads, a deficiência da vitamina prvca stemalácia. Além das alterões ósseas, a falta dessa vitamina cmprmete desenvlviment nrmal ds dentes, pdend causar denti defeitusa e predispsi a apareciment de cárie. a a a a Cmpsi química ds seres vivs I Vitamina K Vitaminas e suas principais fntes Vitamina 15 Ângel Carvalh Ângel Carvalh Cmplex B Vitamina A

12 Exercícis de Fixã 09. (UFUMG) Uma criança fi levada a médic devid a desenvlviment físic deficiente em relã a seus clegas da mesma idade. epis de examinála e analisar auns exames, médic indicu banhs de Sl e a utilizã de óle de peixe em sua alimentã. Cm base nessas infrmões, respnda: Para qual patia, que tem pr característica desenvlviment físic deficiente, tmar Sl auxilia n tratament? Qual vitamina está carente n rganism desta criança? C) Essa vitamina é lipsslúvel u hidrsslúvel? ) Pr que lhe fi indicad tmar Sl? Experimentand eterminand ter de vitamina C ns aliments Neste experiment, vcê irá determinar qual prdut alimentíci é mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr quantidade dessa vitamina. Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para restabelecer a clrã azul. 2(aq) Equã simplificada de redu de id a idet Materiais e reagentes necessáris 1 cmprimid efervescente de 1 g de vitamina C. Tintura de id a 2% (cmercial). Sucs de frutas variads (limã, laranja, maracujá e caju). 5 pipetas de 10 ml (u seringas de plástic descartáveis). 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a álcl). 6 cps de vidr e farinha de trig u amid de milh. 1 garrafa PET de 1 L. 1 termômetr 1 bastã de vidr Prcediment Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar vlume até um litr. Clcar 20 ml da mistura (amid de milh água) em cada um ds seis cps de vidr, numerands de 1 a 6. N cp 2, adicinar 5 ml da slu de vitamina C, e, em cada um ds cps 3, 4, 5 e 6, adicinar 5 ml de cada suc a ser testad. Psterirmente, pingar, gta a gta, a slu de id n cp 1, agitand cnstantemente, até que apareça clrã azul. Ante númer de gtas adicinadas (nesse cas, uma gta, em geral, é suficiente). Repita prcediment para cp 2. Ante númer de gtas necessárias para apareciment da cr azul. Cas a cr desapareça, cntinue adicinand gtas de id até que a cr persista. Fa mesm cm s demais cps. Cp Material N de gtas necessárias 1 Farinha água 2 Slu da vitamina C 3 Suc de limã 4 Suc de laranja 5 Suc de caju 6 Suc de maracujá Assim, cm base ns resultads btids, será pssível determinar qual ds sucs testads pssui mair e menr ter de vitamina C. spnível em: <http://qnesc.sbq.rg.br/nline/qnesc02/exper1.pdf>. Acess em: 10 ag (Adaptã). 10. A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas pr avitaminses. Asscie as duas clunas relacinand as vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. 1. Vitamina A 2. Vitamina B 3. Vitamina B 3 (PP) 4. Vitamina B Vitamina C 6. Vitamina 7. Vitamina E ( ) Antianêmica ( ) Antixerftálmica ( ) Antiberibérica ( ) Antiestéril ( ) Antiescrbútica ( ) Antihemrrágica Cle Estud EM1 16 Frente A Capítul 1 termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas Asscie as duas clunas relacinand as vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para 2(aq) 2e 2I (aq) Equã simplificada de redu de id a idet Materiais e reagentes necessáris 1 cmprimid efervescente de 1 g de vitamina C. Tintura de id a 2% (cmercial). Sucs de frutas variads (limã, laranja, maracujá e caju). 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a álcl). 6 cps de vidr 1 clher de chá de farinha de trig u amid de milh. 1 béquer de 500 ml. Água filtrada. 1 cntagtas. 1 garrafa PET de 1 L. 1 termômetr 1 bastã de vidr Prcediment Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar vlume até um litr. 5. Vitamina C 6. Vitamina 7. Vitamina E 8. Vitamina K ( ) Antianêmica ( ) Antipelágrica ( ) Antixerftálmica ( ) Antiberibérica ( ) Antiestéril ( ) Antiescrbútica Cle Estud EM Prcediment bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para Cle Estud EM1 Cle Estud EM Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 il il il 6 cps de vidr il6 cps de vidr il il il il 6 cps de vidr 6 cps de vidr 1 clher de chá d 1 clher de chá d 1 béquer de béquer de 500 Água filtr Água filtr 1 cntagtas. 1 cntagtas. 6 cps de vidr 6 cps de vidr.. 1 clher de chá d 1 clher de chá de farinha de trig u amid de milh. e farinha de trig u amid de milh. 1 béquer de béquer de 500 Água filtr Água filtrada. ada. 1 cntagtas. 1 cntagtas. 1 garrafa PET de 1 L. 1 garrafa PET de 1 L. 1 termômetr 1 termômetr 1 bastã de vidr 1 bastã de vidr e farinha de trig u amid de milh. e farinha de trig u amid de milh. 1 garrafa PET de 1 L. 1 garrafa PET de 1 L. 1 termômetr 1 termômetr 1 bastã de vidr 1 bastã de vidr e farinha de trig u amid de milh. e farinha de trig u amid de milh. ml. ml. 1 cntagtas. 1 cntagtas. 1 garrafa PET de 1 L. 1 garrafa PET de 1 L. 1 termômetr 1 termômetr 1 bastã de vidr 1 bastã de vidr antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para restabelecer a clrã azul. restabelecer a clrã azul. I I 2(aq) 2(aq) Equã simplificada de redu de id a idet Equã simplificada de redu de id a idet quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para 2e 2e Equã simplificada de redu de id a idet Equã simplificada de redu de id a idet slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para 2I 2I (aq) (aq) Equã simplificada de redu de id a idet Equã simplificada de redu de id a idet rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em antixidante, a vitamina C prmve a redu d id a idet, que, em slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, slu aqusa e na ausência de metais pesads, é inclr. essa frma, quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais quant mais ácid ascórbic um determinad aliment pssuir, mais rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá rapidamente a clrã azul inicial da mistura amilácea desaparecerá e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para e mair será a quantidade de gtas de slu de id necessária para Equã simplificada de redu de id a idet Equã simplificada de redu de id a idet Materiais e reagentes necessáris Materiais e reagentes necessáris 1 cmprimid ef 1 cmprimid ef Tintura de id a 2% (cmercial). Tintura de id a 2% (cmercial). Sucs de frutas Sucs de frutas 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a álcl). álcl). Materiais e reagentes necessáris Materiais e reagentes necessáris ervescente de 1 g de vitamina C. ervescente de 1 g de vitamina C. Tintura de id a 2% (cmercial). Tintura de id a 2% (cmercial). Sucs de frutas Sucs de frutas variads (limã, laranja, maracujá e caju). variads (limã, laranja, maracujá e caju). 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a álcl). álcl). Materiais e reagentes necessáris Materiais e reagentes necessáris ervescente de 1 g de vitamina C. ervescente de 1 g de vitamina C. Tintura de id a 2% (cmercial). Tintura de id a 2% (cmercial). variads (limã, laranja, maracujá e caju). variads (limã, laranja, maracujá e caju). 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a ervescente de 1 g de vitamina C. ervescente de 1 g de vitamina C. Tintura de id a 2% (cmercial). Tintura de id a 2% (cmercial). variads (limã, laranja, maracujá e caju). variads (limã, laranja, maracujá e caju). 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 5 pipetas de 10 ml (u seringas de 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a ervescente de 1 g de vitamina C. ervescente de 1 g de vitamina C. variads (limã, laranja, maracujá e caju). variads (limã, laranja, maracujá e caju). plástic descartáveis). plástic descartáveis). 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a 1 fnte de calr (aquecedr elétric, bic de Bunsen u lamparina a ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente nã é pssível determinar a quantidade exata de ácid ascórbic existente em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr em cada aliment, mas apenas saber qual deles tem mair u menr Cnceits necessáris para a interpretã d experiment Cnceits necessáris para a interpretã d experiment A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à amid de milh) prvca n mei uma clrã azul intensa, devid à frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade frmã de um cmplex entre ele e amid. Pr ter uma prpriedade farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u A adi de id à slu amilácea (água farinha de trig u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar vlume até um litr. vlume até um litr. Clcar 20 ml da mistura (amid de milh água) em cada um ds Clcar 20 ml da mistura (amid de milh água) em cada um ds seis cps de vidr, numerands de 1 a 6. N cp 2, adicinar 5 ml seis cps de vidr, numerands de 1 a 6. N cp 2, adicinar 5 ml 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u termômetr. Clcar uma clher de chá cheia de amid de milh (u farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm farinha de trig) na água aquecida, agitand sempre a mistura cm bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. bastã de vidr até que ela alcance nvamente a temperatura ambiente. Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml Na garrafa PET de 1 L cntend, aprximadamente, 500 ml filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar filtrada, disslver um cmprimid efervescente de vitamina C e cmpletar vlume até um litr. vlume até um litr. 5. Vitamina C 5. Vitamina C 6. Vitamina 6. Vitamina 5. Vitamina C 5. Vitamina C 6. Vitamina 6. Vitamina 7. Vitamina E 7. Vitamina E 8. Vitamina K 8. Vitamina K 5. Vitamina C 5. Vitamina C 6. Vitamina 6. Vitamina 7. Vitamina E 7. Vitamina E 8. Vitamina K 8. Vitamina K 6. Vitamina 6. Vitamina 7. Vitamina E 7. Vitamina E 8. Vitamina K 8. Vitamina K ( ) Antiberibérica ( ) Antiberibérica ( ) Antiestéril ( ) Antiestéril ( ) Antiberibérica ( ) Antiberibérica ( ) Antiestéril ( ) Antiestéril ( ) Antiescrbútica ( ) Antiescrbútica ( ) Antihemrrágica ( ) Antihemrrágica ( ) Antiberibérica ( ) Antiberibérica ( ) Antiestéril ( ) Antiestéril ( ) Antiescrbútica ( ) Antiescrbútica ( ) Antihemrrágica ( ) Antihemrrágica Neste experiment, vcê irá determinar qual prdut alimentíci é Neste experiment, vcê irá determinar qual prdut alimentíci é mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, Neste experiment, vcê irá determinar qual prdut alimentíci é Neste experiment, vcê irá determinar qual prdut alimentíci é mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid mais ric u mais pbre em vitamina C de acrd cm seu ter de ácid ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, ascórbic. Tratase de um valr relativ prque, cm essa experiência, Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d Prcediment Prcediment Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d Prcediment Prcediment Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Prcediment Prcediment Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d 50 ºC, cuj acmpanhament pderá ser realizad cm auxíli d Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Clcar 200 ml filtrada n béquer de 500 ml. Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a Em seguida, aquecer líquid até uma temperatura próxima a vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. 1. Vitamina A 1. Vitamina A 2. Vitamina B 2. Vitamina B Vitamina B 3. Vitamina B 4. Vitamina B 4. Vitamina B vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. 3 3 (PP) (PP) ( ) Antianêmica ( ) Antianêmica (PP) (PP) vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. ( ) Antianêmica ( ) Antianêmica ( ) Antipelágrica ( ) Antipelágrica ( ) Antixerftálmica ( ) Antixerftálmica vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. ( ) Antianêmica ( ) Antianêmica ( ) Antipelágrica ( ) Antipelágrica ( ) Antixerftálmica ( ) Antixerftálmica ( ) Antixerftálmica ( ) Antixerftálmica vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. vitaminas e seus nmes de acrd cm suas avitaminses. ( ) Antipelágrica ( ) Antipelágrica ( ) Antixerftálmica ( ) Antixerftálmica A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas Asscie as duas clunas relacinand as Asscie as duas clunas relacinand as A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas Asscie as duas clunas relacinand as Asscie as duas clunas relacinand as A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas Asscie as duas clunas relacinand as Asscie as duas clunas relacinand as A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas A carência ttal de vitaminas acarreta denças cnhecidas Asscie as duas clunas relacinand as Asscie as duas clunas relacinand as

13 Leitura cmplementar Água: fnte de vida Tds nós sabems que nã dá para viver sem água. Além de ser indispensável para as reões metabólicas, sem ela muitas tarefas essenciais d nss dia a dia ficariam cmprmetidas. Imagine cm faríams a nssa higiene pessal sem água? Cm lavaríams as mãs antes das refeições, tmaríams banh e escvaríams s dentes? Já imaginu certas tarefas dmésticas, cm lavar rupas, luças e piss, e prepar de muits aliments sem água? Apesar de 70% da superfície d nss planeta ser cberta pr água, cerca de 1%, apenas, é dce e está dispnível para c nsum human. Embra ciente da imprtância da água para sua sbrevivência, hmem tem sid grande respnsável pela destrui e redu ds recurss hídrics d planeta. s desperdícis, a plui ds ris causada pel lançament de esgts, agrtóxics, lix e de resídus industriais, desmatament e utras agressões a mei ambiente têm reduzid cada vez mais as reservas dce em lençóis subterrânes, ris e lags. Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Muitas fntes dce estã pluídas e impróprias para cnsum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a preservã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse recurs natural. Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de nsss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. Exercícis Prpsts 01. (UNIFESP) Um ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa água encntrase lcalizada n mei intracelular n líquid linfátic. C) testinais. ) na saliva. n plasma. 02. (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa MAIR taxa hídrica é MAIR taxa hídrica é MAIR crã, anciã, cgumel. estômag, criança, abacateir. múscul da perna, recémnascid, medusa. sss, adult, relhadepau. pele, jvem adlescente, cral. 03. (FCMSCSP) Pdese dizer CRRETAMENTE que ter ns tecids ds animais superires é mair quant mair seu metablism e diminui cm aument da idade. é mair quant mair seu metablism e aumenta cm aument da idade. C) é mair quant menr seu metablism e diminui cm aument da idade. ) é mair quant menr seu metablism e aumenta cm aument da idade. 04. (UFPR) A água apresenta inúmeras prpriedades que sã fundamentais para s seres vivs. Qual, dentre as características a seguir relacinadas, é uma prpriedade da água de imprtância fundamental para s sistemas bilógics? Pssui baix calr específic, pis sua temperatura varia cm muita facilidade. Suas mléculas sã frmadas pr hidrgêni de dispsi espacial linear. C) Seu pnt de ebuli é entre 0 e 100 C. ) É um slvente limitad, pis nã é capaz de se misturar cm muitas substâncias. Pssui alta capacidade térmica e é slvente de muitas substâncias. Editra Bernulli 17 Biia Cmpsi química ds seres vivs I Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa um cnjunt de MAIR crã, anciã, cgumel. estômag, criança, abacateir C) ) nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa testinais. dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; il il il il um cnjunt de um cnjunt de um cnjunt de um cnjunt de crã, anciã, cgumel. crã, anciã, cgumel. estômag, criança, abacateir estômag, criança, abacateir C) C) MAIR MAIR crã, anciã, cgumel. crã, anciã, cgumel. estômag, criança, abacateir estômag, criança, abacateir múscul da perna, recémnasc múscul da perna, recémnasc sss, adult, relhadepau sss, adult, relhadepau um cnjunt de um cnjunt de MAIR MAIR crã, anciã, cgumel. crã, anciã, cgumel. estômag, criança, abacateir estômag, criança, abacateir múscul da perna, recémnasc múscul da perna, recémnasc ) ) sss, adult, relhadepau sss, adult, relhadepau n mei intracelular n mei intracelular.. n mei intracelular. n mei intracelular n mei intracelular. n mei intracelular n líquid linfátic. n líquid linfátic. na saliva. na saliva. n plasma. n plasma. testinais. testinais. testinais. testinais. testinais. testinais. testinais. testinais. (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres (UFFRJ) A taxa varia em fun de três fatres básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de básics: atividade d tecid u órgã (a quantidade de água é diretamente prprcinal à atividade metabólica água é diretamente prprcinal à atividade metabólica d órgã u tecid em questã); idade (a taxa d órgã u tecid em questã); idade (a taxa decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem decresce cm a idade) e espécie em questã ( hmem é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, é cnstituíd pr, 65%, s fungs, 83%, s celenterads, 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa 96%, etc.). Baseand nesses dads, item que representa Exercícis Prpsts Exercícis Prpsts ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa água encntrase lcalizada água encntrase lcalizada Exercícis Prpsts Exercícis Prpsts ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa Exercícis Prpsts Exercícis Prpsts ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa ser human tem de 40% a 60% de sua ser human tem de 40% a 60% de sua massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa massa crpórea cnstituída pr água. A mair parte dessa ds recurss hídrics d planeta. s desperdícis, a plui ds ris ds recurss hídrics d planeta. s desperdícis, a plui ds ris servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse recurs natural. recurs natural. Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes Ações gvernamentais, pr mei de leis e fiscalizã eficientes cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. cntra as agressões a mei ambiente, sã medidas imprescindíveis. Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns Prém, preservar a água também depende de uma reavaliã de ns ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s ss hábits, cm nã deixar a trneira aberta enquant escvams s dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams dentes u ensabams a luça; fechar chuveir enquant ensabams crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; causada pel lançament de esgts, agrtóxics, lix e de resídus causada pel lançament de esgts, agrtóxics, lix e de resídus industriais, desmatament e utras agressões a mei ambiente industriais, desmatament e utras agressões a mei ambiente têm reduzid cada vez mais as reservas dce em lençóis têm reduzid cada vez mais as reservas dce em lençóis têm reduzid cada vez mais as reservas dce em lençóis têm reduzid cada vez mais as reservas dce em lençóis crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; crp; apertar btã da descarga pr, n máxim, cinc segunds; lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de lavar calçadas e veículs cm baldes ; reutilizar a água de nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments nssa casa sempre que fr pssível; verificar se nã há vazaments em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente em trneiras e tubulões. Pequenas atitudes cm essas certamente reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. reduzirã risc de extinguirms a nssa fnte de vida: a água. Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões Atualmente, metade da ppulã mundial (mais de 3 bilhões de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui de pessas) enfrenta prblemas de abasteciment. Mui tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn tas fntes dce estã pluídas e impróprias para cn sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de sum u simplesmente secaram. Entretant, ainda há temp de se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres se evitar agravament desse prblema e assegurar melhres cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre cndições de vida para as gerões futuras. A slu é a pre servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse servã, cmbatend a plui e evitand desperdíci desse Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I

14 05. (PUC Minas) A tabela a seguir mstra s cmpartiments de líquid crpóre em auns vertebrads. Animal Água crpórea ttal (%) Água intracelular (%) Água extracelular (%) Vlume sanguíne (%) Lampreia ,5 Cã ,8 Carpa (água dce) ,0 Vermelh (peixe marinh) ,2 Rã ,3 Jacaré ,1 Cbra ,0 Pmba 9,2 Cruja 6,4 Cabra ,9 Analise a tabela dada e assinale a afirmativa CRRETA Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads cnsiste em água. aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd hídric. C) A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad extern das membranas celulares. ) A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. 06. (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem CRRETAMENTE a imprtância da água ns seres vivs. 01. A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. 02. A água atua n transprte e na rem ds prduts A grande capacidade da água de absrver calr prtege material viv cntra súbitas mudanças térmicas. A água atua cm lubrificante, estand presente ns líquids crprais, entre um órgã e utr. Sma ( ) 07. (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais minerais encntrads sb a frma de ín, cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões maires dentr da célula d que fra. C) ferr está presente na hemglbina, mlécula respnsável pel transprte de xigêni n rganism. ) magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. 08. (UFFRJ) s sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans Citssl Extracelular 0 I II III mm Íns Atividade bilógica Ín envlvid Cndu nervsa I, II Cntrã muscular III Cagulã III Analisandse gráfic e a tabela, pdese afirmar que s íns representads pr I, II e III sã, respectivamente, Ca 2, Na e K. Na, K e Ca 2. C) K, Ca 2 e Na. ) K, Na e Ca 2. Na, Ca 2 e K. 18 Frente A Capítul 1 Cle Estud EM1 aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad extern das membranas celulares. A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem CRRETAMENTE a imprtância da água ns seres vivs. A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. 02. A água atua n transprte e na rem ds prduts d metablism. 04. A grande capacidade da água de absrver calr prtege material viv cntra súbitas mudanças térmicas. 08. A água atua cm lubrificante, estand presente ns líquids crprais, entre um órgã e utr. Sma ( ) (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais minerais encntrads sb a frma de ín, cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. (UFFRJ) s sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans Cle Estud EM1 ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans. A menr parte da água está lcalizada n interir terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, Sma ( ) Sma ( ) Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 Sma ( ) Sma ( ) Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 Sma ( ) Sma ( ) il il il il A água atua n transprte e na rem ds prduts A água atua n transprte e na rem ds prduts d metablism. d metablism A água atua n transprte e na rem ds prduts A água atua n transprte e na rem ds prduts d metablism. d metablism. A grande capacidade da água de absrver calr prtege A grande capacidade da água de absrver calr prtege material viv cntra súbitas mudanças térmicas. material viv cntra súbitas mudanças térmicas A água atua cm lubrificante, estand presente ns A água atua cm lubrificante, estand presente ns A água atua n transprte e na rem ds prduts A água atua n transprte e na rem ds prduts d metablism. d metablism. A grande capacidade da água de absrver calr prtege A grande capacidade da água de absrver calr prtege material viv cntra súbitas mudanças térmicas. material viv cntra súbitas mudanças térmicas. A água atua cm lubrificante, estand presente ns A água atua cm lubrificante, estand presente ns líquids crprais, entre um órgã e utr. líquids crprais, entre um órgã e utr. A água atua n transprte e na rem ds prduts A água atua n transprte e na rem ds prduts d metablism. d metablism. A grande capacidade da água de absrver calr prtege A grande capacidade da água de absrver calr prtege material viv cntra súbitas mudanças térmicas. material viv cntra súbitas mudanças térmicas. A água atua cm lubrificante, estand presente ns A água atua cm lubrificante, estand presente ns líquids crprais, entre um órgã e utr. líquids crprais, entre um órgã e utr. A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid a tip de ambiente cupad pr eles. a tip de ambiente cupad pr eles. terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e A água crpórea ttal ns vertebrads aquátics e terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid terrestres apresenta variões cnsideráveis, devid (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de (UFSC) A mair parte ds seres vivs é cmpsta de água. N crp human, a prcentagem pde água. N crp human, a prcentagem pde variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem nas medusas (animais marinhs), a prcentagem CRRETAMENTE CRRETAMENTE A mairia ds elements químics presentes ns seres A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver vivs necessita de um mei aqus para se disslver variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem nas medusas (animais marinhs), a prcentagem CRRETAMENTE CRRETAMENTE A mairia ds elements químics presentes ns seres A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. e reagir uns cm s utrs. variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem nas medusas (animais marinhs), a prcentagem a imprtância da água ns seres vivs. a imprtância da água ns seres vivs. A mairia ds elements químics presentes ns seres A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. e reagir uns cm s utrs. variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem nas medusas (animais marinhs), a prcentagem a imprtância da água ns seres vivs. a imprtância da água ns seres vivs. A mairia ds elements químics presentes ns seres A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. e reagir uns cm s utrs. variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; variar de 20%, ns sss, a 85%, nas células nervsas; nas medusas (animais marinhs), a prcentagem nas medusas (animais marinhs), a prcentagem a imprtância da água ns seres vivs. a imprtância da água ns seres vivs. A mairia ds elements químics presentes ns seres A mairia ds elements químics presentes ns seres vivs necessita de um mei aqus para se disslver vivs necessita de um mei aqus para se disslver e reagir uns cm s utrs. e reagir uns cm s utrs. aument de massa crpral devid a acúmul de aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad extern das membranas celulares. extern das membranas celulares. aument de massa crpral devid a acúmul de aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad aument de massa crpral devid a acúmul de aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad aument de massa crpral devid a acúmul de aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad aument de massa crpral devid a acúmul de aument de massa crpral devid a acúmul de grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd grdura nã implica aument prprcinal de cnteúd A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad das células, e a mair frã está lcalizada d lad A menr parte da água está lcalizada n interir A menr parte da água está lcalizada n interir pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares (UFFRJ) s (UFFRJ) s pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. (UFFRJ) s (UFFRJ) s bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. (UFFRJ) s (UFFRJ) s bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. (UFFRJ) s (UFFRJ) s sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, pnsável pel transprte de xigêni n rganism. pnsável pel transprte de xigêni n rganism. magnési é um ín indispensável na transferência magnési é um ín indispensável na transferência de energia ns prcesss metabólics celulares. de energia ns prcesss metabólics celulares. sais minerais sã de imprtância vital para sais minerais sã de imprtância vital para bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, bm funcinament de diverss prcesss fisilógics, 9,9 9,9 CRRETA CRRETA Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads CRRETA CRRETA.. Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads Aprximadamente um terç d crp ds vertebrads send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans. humans. send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans. humans. send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans. humans. humans. humans. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres humans. humans. send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres send necessária a repsi da cncentrã de cada send necessária a repsi da cncentrã de cada ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. ín para que seja mantida a hmestasia d rganism. gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã gráfic e a tabela a seguir mstram a cncentrã e aumas atividades bilógicas de três íns em seres e aumas atividades bilógicas de três íns em seres minerais encntrads sb a frma de ín, minerais encntrads sb a frma de ín, cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res minerais encntrads sb a frma de ín, minerais encntrads sb a frma de ín, cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res minerais encntrads sb a frma de ín, minerais encntrads sb a frma de ín, cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável para que crra prcess de ftssíntese. para que crra prcess de ftssíntese. sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai res dentr da célula d que fra. res dentr da célula d que fra. ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res cálci está presente na clrfila e é indispensável cálci está presente na clrfila e é indispensável sódi apresentase sempre em cncentrões mai sódi apresentase sempre em cncentrões mai ferr está presente na hemglbina, mlécula res ferr está presente na hemglbina, mlécula res (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais minerais encntrads sb a frma de ín, minerais encntrads sb a frma de ín, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais minerais encntrads sb a frma de ín, minerais encntrads sb a frma de ín, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, (FMUSP) s sais minerais pssuem funções diversificadas, pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb pdend existir, ns seres vivs, disslvids em água, sb a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de a frma de íns, u imbilizads cm cmpnentes de esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais esquelets. Assim send, pdems dizer que, ds sais

15 09. (UnBF) A desidratã prvcada pela diarreia é ainda a segunda mair causa de mrtalidade infantil n Brasil. prblema tem sid cmbatid pela distribui de uma mistura de sais cnsiderada eficaz pela rganizã Mundial de Saúde (MS) indicada na tabela a seguir cm teres / MS e pela dil de receita simplificada, cnhecida cm sr caseir. A ppulã de baixa renda e s que pretendem restringir us da alpatia utilizam chás caseirs. Em um estud que bjetivava verificar a Chá de carqueja 0, Chá de giabeira 0, Chá de pitangueira 0,3 2 0,3 0,2 2 Chá de funch 0, ,5 30 Chá de tanchagem 0, < 0,05 7 Chá de jatbá 0,04 3 0,3 < 0,05 10 Água de cc verde Sr caseir 82 0,3 83 < 0, A partir ds dads da tabela, juue s itens adiante cm VERAEIRS (V) u FALSS (F): ( ) s teres de eletrólits presentes nas amstras ds chás caseirs variam de planta e sã insuficientes para repr s sais minerais perdids pel rganism na diarreia. ( ) A substitui da água d sr caseir pels chás das plantas carqueja e funch u pela água de cc verde leva a uma cmpsi química mais próxima da estipulada pela MS d que própri sr caseir. ( ) sal de czinha pssui baixs teres de ptássi. ( ) Entre as amstras citadas, chá de pitangueira é mais recmendad para a recuperã ds impulss nervss, ns cass de desidratã. 10. (ACAFESC) A alternativa que apresenta a crrespndência AEQUAA é Sais minerais Funções Principais aliments Magnési Frma a hemglbina Leite e frutas Frma a clrfila Cmpsi química ds seres vivs I eficiência ds prduts mais usads n tratament da diarreia infantil, bservaramse s dads cntids na seguinte tabela. Cncentrã de eletrólits em aumas amstras (nml/l) Sódi Ptássi Clret Citrat Glicídis Amstras (Na ) (K ) (Cl ) trissódic ttais Teres / MS Ferr C) ) ,3 Cereais e hrtaliças Cálci Frma sss e dentes Laticínis, hrtaliças e flhas verdes Flúr Faz parte ds hrmônis Fígad e legumes Id Atua n trabalh ds nervs Carne e vs 0,1 < 0,05 0,5 il 6 26 Editra Bernulli 19 Biia

16 20 Frente A Capítul (PUC Ri) Para a realizã de auns prcesss fisilógics, rganism human tem necessidade de íns de cálci. Entre s mecanisms que dependem diretamente desses íns para sua realizã, temse excre de txinas e atividades da tireide. digestã de aliments básics e respirã. C) cagulã d sangue e cntrã muscular. ) atividade neurlógica e ferta de 2 às células. cresciment ds sss e atividade da hipófise. 12. (UNESP) s médics de uma cidade d interir d estad de Sã Paul, a avaliarem a situã da saúde de seus habitantes, detectaram alts índices de anemia, de bóci, de cárie dentária, de steprse e de hemrragias cnstantes através de sangraments nasais. Verificaram a crrência de carência de auns íns minerais e, para suprir tais deficiências, apresentaram as prpstas seguintes: Prpsta I stribui de leite e derivads. Prpsta II Adicinar flúr à água que abastece a cidade. Prpsta III Adicinar id a sal cnsumid na cidade, 15. (UnBF) Quant às vitaminas, tdas as afirmativas a seguir estã crretas, EXCET ns terms da legislã vigente. A vitamina A, encntrada principalmente em vs e leite, é prtetra de epitéli, e sua carência pde Prpsta IV Incentivar s habitantes a utilizar panelas determinar a cegueira nturna. de ferr na preparã ds aliments. A vitamina, encntrada principalmente nas frutas cítricas, age n metablism das grduras, e sua Prpsta V Incrementar cnsum de frutas e carência pde determinar beribéri. verduras. C) A vitamina B 12 pde ser sintetizada pr bactérias ante dessas prpstas, respnda: intestinais, e sua carência pde determinar a anemia pernicisa. Qual delas teria mair benefíci à ppulã, cm n cm bate à anemia? JUSTIFIQUE. ) A vitamina C, encntrada em vegetais, mantém nrmal tecid cnjuntiv, e sua carência pde determinar Qual prpsta que, pel seu principal cmpnente iônic, pderia reduzir, também, s alts índices de cáries dentárias, de steprse e de hemrragias? Pr quê? escrbut. A vitamina K atua cm um ds fatres indispensáveis à cagulã sanguínea. 13. (UnicampSP) Segund dcument d Unicef, 250 mil crianças pr an perdem a visã pr falta de uma vitamina; muitas mulheres brasileiras grávidas abrtam u perdem seus filhs após nasciment pr apresentarem anemia causada pr deficiência de ferr; e cerca de 50 milhões de crianças têm metablism cmprmetid pr falta de id. PPULAR, 13 ag (Adaptã). Qual é a vitamina cuja deficiência traz prblemas de visã? CITE um aliment de rigem animal ric nesta vitamina. Pr que a deficiência de ferr causa anemia? C) Qual é órgã diretamente afetad pela falta de id? CRREI Que relã existe entre id e metablism? Cle Estud EM1 14. (UFMG) Eijkman, em 1983, pesquisand sbre as pssíveis causas da incidência de beribéri em Java, cletu, em 100 prisões da regiã, s dads tabulads a seguir: I. eta cnstituída de: II. Idade ds edifícis: III. Ventilã ns edifícis: arrz integral arrz plid arrz integral e plid % de prisões nde crria beribéri 02 a 20 ans 45,2 34,4 40 a 100 ans 50,0 41,2 42,7 33,3 A partir desses dads, pdese cncluir que, (s) principal(is) fatr(es) relacinad(s) à incidência de beribéri é(sã) dieta. ) dieta e ventilã. ventilã. idade d edifíci e ventilã. C) idade d edifíci. 16. (UEMPR) Vitaminas sã substâncias rgânicas necessárias a funcinament adequad d rganism human. Assim, identifique que fr CRRET sbre s seus sintmas de deficiência e as suas fntes alimentares. 01. A cagulã d sangue é prejudicada pela carência da vitamina K, cuja fnte alimentar sã s vegetais verdes, entre utrs exempls. 02. escrbut surge n rganism human em cnsequência de alimentã deficitária em vitamina C. 04. Vegetais vermelhs, cm beterraba e pimentã, sã as principais fntes alimentares de vitamina. 08. A vitamina E previne a dença cnhecida cm pelagra. 16. A dença cnhecida pr beribéri surge em decrrência da deficiência de vitamina A. Sma ( ) Cndições analisadas analisadas 21 a 40 ans ba média deficiente ) il edifícis: 2,7 70,6 46,0

17 17. (PUC Minas) riginária da Índia, a manga ganha paladar ds brasileirs. A fruta é muit rica em vitamina C, que, além de utras funções específicas n rganism, atua cm antixidante cmbatend s radicais livres, respnsáveis pel envelheciment das células. e acrd cm text anterir, assinale a alternativa que apresenta sintmas da avitaminse que pdem ser cmbatids pela ingestã frequente de manga. Inflamã e degenerã ds nervs. Anemia pernicisa e distúrbis d sistema nervs. C) emrragias e sangrament das gengivas. ) Prblemas de visã, especialmente cegueira nturna. 18. (UFMG) Segund estud feit na Etiópia, crianças que cmiam aliments preparads em panelas de ferr apresentaram uma redu da taxa de anemia de 55 para 13%. Essa redu pde ser explicada pel fat de que ferr, aquecid, ativa vitaminas d cmplex B presentes ns aliments prevenind a anemia. cntid ns aliments, se transfrma facilmente durante cziment e é absrvid pel rganism. C) riund das panelas, mdifica sabr ds aliments, aumentand apetite das crianças. ) prveniente das panelas, é misturad as aliments e absrvid pel rganism. 19. (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era BUEN, Eduard. A viagem d descbriment. Ri de Janeir: bjetiva, 1998 (Adaptã). Que nutriente é esse? Que dença é causada pela falta desse nutriente? C) CITE duas manifestões aparentes u sintmas dessa dença. 20. (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssibilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad Glden Rice, u Glden Rice, u Glden Rice arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s prblemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é INCRRET afirmar que está assciada a betacarten. sua deficiência está nrmalmente assciada a escrbut. pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e na abóbra. sua deficiência está assciada à xerftalmia. nã é bissintetizada pel rganism human. Se Enem 01. (Enem2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. Tip de célula Quantidade Tecid nervs 85% Tecid nervs substância branca 70% 75% 60% 15% emácias 65% 20% istia Básica. 8. ed. Ri de Janeir: Guanabara Kgan, urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa é uma amstra de tecid nervs. tecid nervs substância branca. C) hemácias. ) tecid cnjuntiv. tecid adips. 02. (Enem2009) 2009) 2009) 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic 2009) A água apresenta prpriedades físic A água apresenta prpriedades físic químicas que a clcam em psi de destaque cm substância essencial à vida. entre essas, destacamse as prpriedades térmicas biicamente muit imprtantes, pr exempl, elevad valr de calr latente de vaprizã. Esse calr latente referese à quantidade de calr que deve ser adicinada a um líquid em seu pnt de ebuli, pr unidade de massa, para cnvertêl em vapr na mesma temperatura, que n cas da água é igual a 540 calrias pr grama. A prpriedade físicquímica mencinada n text cnfere à água a capacidade de servir cm dadr de elétrns n prcess de ftssíntese. funcinar cm reguladr térmic para s rganisms vivs. C) agir cm slvente universal ns tecids animais e vegetais. ) transprtar s íns de ferr e magnési ns tecids vegetais. funcinar cm mantenedra d metablism ns rganisms vivs. 21 Editra Bernulli Biia Cmpsi química ds seres vivs I saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era A viagem d descbriment. Ri de Janeir: Que nutriente é esse? Que dença é causada pela falta desse nutriente? duas manifestões aparentes u sintmas dessa (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é está assciada a betacarten sua deficiência está nrmalmente assciada a escrbut. C) pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e ) Quantidade Tecid nervs Tecid nervs substância branca Medula óssea Tecid cnjuntiv Tecid adips emácias Cagulã urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa é uma amstra de urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na ta desse nutriente? Que dença é causada pela falta desse nutriente? Cagulã il il il il Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é está assciada a betacarten está assciada a betacarten sua deficiência está nrmalmente assciada a sua deficiência está nrmalmente assciada a escrbut. escrbut. C) C) está assciada a betacarten está assciada a betacarten sua deficiência está nrmalmente assciada a sua deficiência está nrmalmente assciada a escrbut. escrbut. pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e na abóbra. na abóbra. ) ) sua deficiência está assciada sua deficiência está assciada Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é está assciada a betacarten está assciada a betacarten sua deficiência está nrmalmente assciada a sua deficiência está nrmalmente assciada a escrbut. escrbut. pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e pde ser encntrada cm prvitamina na cenura e na abóbra. na abóbra. ) ) A viagem d descbriment A viagem d descbriment Que nutriente é esse? Que nutriente é esse? Que dença é causada pela fal Que dença é causada pela fal duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa dença. dença. (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi Que dença é causada pela fal Que dença é causada pela fal A viagem d descbriment A viagem d descbriment Que nutriente é esse? Que nutriente é esse? Que dença é causada pela fal Que dença é causada pela fal duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi A viagem d descbriment A viagem d descbriment ta desse nutriente? ta desse nutriente? Que dença é causada pela fal Que dença é causada pela fal duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa A viagem d descbriment A viagem d descbriment duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi Que dença é causada pela fal Que dença é causada pela falta desse nutriente? ta desse nutriente?. Ri de Janeir:. Ri de Janeir: ta desse nutriente? ta desse nutriente? duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa. Ri de Janeir:. Ri de Janeir: ta desse nutriente? ta desse nutriente? duas manifestões aparentes u sintmas dessa duas manifestões aparentes u sintmas dessa (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de blemas de carência dessa vitamina em ppulões de (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de blemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de blemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de blemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi (UFVMG) Recentemente, a Engenharia Genética pssi bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bilitu a transferência de genes cntrladres da rta de bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. bissíntese da prvitamina A para genma d arrz. esse md, fi prduzid chamad esse md, fi prduzid chamad arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, arrz durad. e acrd cm s autres d prjet, cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr cnsum desse tip de arrz pderia amenizar s pr blemas de carência dessa vitamina em ppulões de blemas de carência dessa vitamina em ppulões de países subdesenvlvids. países subdesenvlvids. Em relã à prvitamina A, é Em relã à prvitamina A, é saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. saada, cebla, vinagre, azeite e 12 Kg de biscit. vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era vinagre era usad nas refeições e para desinfetar vinagre era usad nas refeições e para desinfetar prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível prã, n qual, acreditavase, escndiase a mais temível enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa enfermidade da vida n mar. A partir d sécul XVIII, essa dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dença fi evitada cm a intrdu de frutas ácidas na dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era é uma amstra de é uma amstra de dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era dieta ds marinheirs. je, sabese que essa dença era 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa é uma amstra de é uma amstra de substância branca substância branca Medula óssea Medula óssea Tecid cnjuntiv Tecid cnjuntiv Medula óssea Medula óssea Tecid cnjuntiv Tecid cnjuntiv emácias emácias substância branca substância branca Medula óssea Medula óssea Tecid cnjuntiv Tecid cnjuntiv Tecid adips Tecid adips emácias emácias Cagulã Cagulã Tecid cnjuntiv Tecid cnjuntiv Tecid adips Tecid adips emácias emácias Cagulã Cagulã Cagulã Cagulã Cagulã Cagulã aliments, se transfrma facilmente aliments, se transfrma facilmente durante cziment e é absrvid pel rganism. durante cziment e é absrvid pel rganism. panelas, mdifica sabr ds aliments, panelas, mdifica sabr ds aliments, prveniente das panelas, é misturad as aliments prveniente das panelas, é misturad as aliments (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral panelas, mdifica sabr ds aliments, panelas, mdifica sabr ds aliments, prveniente das panelas, é misturad as aliments prveniente das panelas, é misturad as aliments (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral prveniente das panelas, é misturad as aliments prveniente das panelas, é misturad as aliments (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral (UnicampSP) Cada marinheir da esquadra de Cabral urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa 80 mg. Baseandse na tabela, pdese afirmar que essa urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid urante uma biópsia, fi islada uma amstra de tecid para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa para análise em um labratóri. Enquant intacta, essa amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand amstra pesava 200 mg. Após secagem em estufa, quand se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar se retiru tda a água d tecid, a amstra passu a pesar quantidade varia em seres humans, dependend quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. da cmpsi química de um indivídu nrmal. Tip de célula Tip de célula Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs quantidade varia em seres humans, dependend quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. da cmpsi química de um indivídu nrmal. Tip de célula Tip de célula Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs Tecid nervs quantidade varia em seres humans, dependend quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. da cmpsi química de um indivídu nrmal. Tecid nervs Tecid nervs quantidade varia em seres humans, dependend quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. da cmpsi química de um indivídu nrmal. Quantidade Quantidade d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% Quantidade Quantidade 85% 85% quantidade varia em seres humans, dependend quantidade varia em seres humans, dependend d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% d tip de células. Em média, a água crrespnde a 70% da cmpsi química de um indivídu nrmal. da cmpsi química de um indivídu nrmal. Quantidade Quantidade 85% 85% 2005) A água é um ds cmpnentes mais 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I 2005) A água é um ds cmpnentes mais 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a Cmpsi química ds seres vivs I Cmpsi química ds seres vivs I 2005) A água é um ds cmpnentes mais 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a 2005) A água é um ds cmpnentes mais 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a 2005) A água é um ds cmpnentes mais 2005) A água é um ds cmpnentes mais imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a imprtantes das células. A tabela a seguir mstra cm a

18 03. A água apresenta diversas prpriedades físicquímicas que influenciaram direta u indiretamente s prcesss seletivs ds seres vivs em nss planeta. Cientistas que buscam vida em utrs planetas clcam cm cndi fundamental a presença líquida. Pdems afirmar, em relã às prpriedades da água e às pssíveis adaptões ds seres vivs, gras à presença da mesma em seus crps, que a água permite cnstantes variões de p d sangue de animais cm hmem. baix calr específic permite que a água só cntrle a temperatura crpórea ds seres vivs quand está acima de 80% n crp ds mesms. C) a pressã exercida sbre um líquid é transmitida para tds s pnts d líquid. Iss permite que a água sirva de esquelet hidrstátic ns crps de auns invertebrads. ) a pequena capacidade da água de slubilizã de substâncias limita s seres vivs em relã a transprte ns fluids crpóres. a ferra da água pde impedir aumas infecções de transmissã rfecal, prém elimina tds s sais e cmprmete a nutri ds indivídus. 04. (Enem2000) N Brasil, mais de 66 milhões de pessas beneficiamse hje d abasteciment fluretada, medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm us abusiv de aumas marcas mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm flúr. APC, Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas, v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: I. A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. II. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. Pdese afirmar que apenas I é crreta. ) I e III sã crretas. II é crreta. II e III sã crretas. III é crreta. 05. (Enem2005) A besidade, que ns países desenvlvi ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm as A,, E e K, pis pr serem mais energéticas que as demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr d desnecessária. C) reagem cm remédi, transfrmandse em utras vitaminas. ) as lípases também desdbram as vitaminas para que essas sejam absrvidas. se disslvem ns lipídis e só sã absrvidas junt cm eles. 06. enriqueciment de aliments cm nutrientes essenciais para hmem é uma prática que vem aumentand pr parte da indústria alimentícia. As pções abaix representam nutrientes acrescentads a auns aliments cm as respectivas vantagens para nss rganism. I. Biscits enriquecids cm cálci, nutriente imprtante para prevenir escrbut. II. Farinha de trig cm ferr, para diminuir a incidência de anemia. III. Leite enriquecid cm vitamina A, imprtante na preven da diarreia. IV. Sucs acrescids de vitamina C, que apresenta ã antixidante. É crret que se afirma apenas em I e II. I e III. C) II e III. ) II e IV. III e IV. 22 Frente A Capítul 1 Cle Estud EM1 beneficiamse hje d abasteciment fluretada, medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água tratada. III. As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. Pdese afirmar que apenas I é crreta. II é crreta. C) III é crreta. A besidade, que ns países desenvlvids já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm as A,, E e K, pis demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita mandse em utras vitaminas. ) Cle Estud EM1 demais, precisam de lipídis para sua absr. nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm C) C) Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 III é crreta. III é crreta. Cle Estud EM1 Cle Estud EM1 III é crreta. III é crreta. il il il il III. III. As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment utras fntes de flúr, além da água de abasteciment Pdese afirmar que apenas Pdese afirmar que apenas As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment utras fntes de flúr, além da água de abasteciment públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. Pdese afirmar que apenas Pdese afirmar que apenas I é crreta. I é crreta. As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment utras fntes de flúr, além da água de abasteciment públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. Pdese afirmar que apenas Pdese afirmar que apenas I é crreta. I é crreta. II é crreta. II é crreta. As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad As pessas que adquiriram flurse pdem ter utilizad utras fntes de flúr, além da água de abasteciment utras fntes de flúr, além da água de abasteciment públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. públic, cm cremes dentais e vitaminas cm flúr. Pdese afirmar que apenas Pdese afirmar que apenas I é crreta. I é crreta. II é crreta. II é crreta. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. casinar desde efeits estétics até defeits estruturais. Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm Fram registrads cass de flurse tant em cidades cm água fluretada pels pderes públics cm em utras água fluretada pels pderes públics cm em utras abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm abastecidas pr lençóis freátics que naturalmente cntêm Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas Revista da Assciã paulista de Cirurgiões entistas v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). v. 53, n 1, jan. fev., 1999 (Adaptã). Cm base n text anterir e em seus cnheciments Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. II. II. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água em cncentrões superires às existentes na água Cm base n text anterir e em seus cnheciments Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água em cncentrões superires às existentes na água tratada. tratada. Cm base n text anterir e em seus cnheciments Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água em cncentrões superires às existentes na água Cm base n text anterir e em seus cnheciments Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água em cncentrões superires às existentes na água Cm base n text anterir e em seus cnheciments Cm base n text anterir e em seus cnheciments sbre assunt, analise as afirmões a seguir: sbre assunt, analise as afirmões a seguir: A fluretã da água é imprtante para a manuten A fluretã da água é imprtante para a manuten d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. d esmalte dentári, prém nã pde ser excessiva. s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr s lençóis freátics citads cntêm cmpsts de flúr em cncentrões superires às existentes na água em cncentrões superires às existentes na água beneficiamse hje d abasteciment fluretada, beneficiamse hje d abasteciment fluretada, medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm us abusiv de aumas marcas us abusiv de aumas marcas mineral que cn mineral que cn tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde beneficiamse hje d abasteciment fluretada, beneficiamse hje d abasteciment fluretada, medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência medida que vem reduzind, em cerca de 50%, a incidência de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, de cáries. crre, entretant, que prfissinais de saúde, muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí muitas vezes, prescrevem flúr ral u cmplexs vitamí nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à nics cm flúr para crianças u gestantes, que leva à ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde ) ) mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cnmineral que cnmineral que cn mineral que cnmineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cn mineral que cnde água mineral que cn mineral que cntém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde tém flúr. excess de flúr flurse ns dentes pde ingestã exagerada da substância. mesm crre cm ingestã exagerada da substância. mesm crre cm mandse em utras vitaminas. mandse em utras vitaminas. as lípases também desdbram as vitaminas para que as lípases também desdbram as vitaminas para que essas sejam absrvidas. essas sejam absrvidas mandse em utras vitaminas. mandse em utras vitaminas. ) ) as lípases também desdbram as vitaminas para que as lípases também desdbram as vitaminas para que quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas absrvidas pel intestin, e parte das grduras ingeridas é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente é eliminada cm as fezes. Cm s lipídis sã altamente energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, energétics, a pessa tende a emagrecer. N entant, esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis esse remédi apresenta aumas cntraindicões, pis a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand a grdura nã absrvida lubrifica intestin, causand desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer desagradáveis diarreias. Além d mais, pdem crrer cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm cass de baixa absr de vitaminas lipsslúveis, cm a ferra da água pde impedir aumas infecções de a ferra da água pde impedir aumas infecções de transmissã rfecal, prém elimina tds s sais e transmissã rfecal, prém elimina tds s sais e Brasil, mais de 66 milhões de pessas Brasil, mais de 66 milhões de pessas beneficiamse hje d abasteciment fluretada, beneficiamse hje d abasteciment fluretada, Brasil, mais de 66 milhões de pessas Brasil, mais de 66 milhões de pessas beneficiamse hje d abasteciment fluretada, beneficiamse hje d abasteciment fluretada, as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis Brasil, mais de 66 milhões de pessas Brasil, mais de 66 milhões de pessas beneficiamse hje d abasteciment fluretada, beneficiamse hje d abasteciment fluretada, as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita C) C) C) C) as A,, E e K, pis as A,, E e K, pis demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita pr serem mais energéticas que as pr serem mais energéticas que as demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita pr serem mais energéticas que as pr serem mais energéticas que as demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita pr serem mais energéticas que as pr serem mais energéticas que as demais, precisam de lipídis para sua absr. demais, precisam de lipídis para sua absr. a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita a ausência ds lipídis trna a absr dessas vita IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse acima d pes, u seja, 38,8 milhões de adults. esse ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as ttal, 10,5 milhões sã cnsiderads bess. Várias sã as dietas e s remédis que prmetem um emagreciment dietas e s remédis que prmetem um emagreciment rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad rápid e sem riscs. á auns ans fi lançad n mercad brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis brasileir um remédi de ã diferente ds demais, pis inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de inibe a ã das lípases, enzimas que aceleram a reã de quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã quebra das grduras. Sem serem quebradas elas nã sã A besidade, que ns países desenvlvi A besidade, que ns países desenvlvi ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã A besidade, que ns países desenvlvi A besidade, que ns países desenvlvi ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã A besidade, que ns países desenvlvi A besidade, que ns países desenvlvi ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar ds já é tratada cm epidemia, cmeça a precupar especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de especialistas n Brasil. s últims dads da Pesquisa de rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel rçaments Familiares, realizada entre 2002 e 2003 pel IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã IBGE, mstraram que 40,6% da ppulã brasileira estã

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes Universidade Federal da Paraíba Centr de Ciências Exatas e da Natureza Departament de Química Disciplina: Química Geral Sluções Curs: Química Industrial Prfessra: Liliana Lira Pntes Cnceits Sluções Sluçã

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro

Universidade Federal de Juiz de Fora. e Fitorremediação. Grupo: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Polidoro Universidade Federal de Juiz de Fra Birremediaçã e Fitrremediaçã Grup: Juliana Brum Natália Buzinari Samuel l Ferraz Taimara Plidr 1 2 Sumári Intrduçã Áreas cntaminadas Remediaçã de sls cntaminads Parâmetrs

Leia mais

Direção do deslocamento

Direção do deslocamento Referência: Sears e Zemansky Física I Mecânica Capítul 6: TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA Resum: Prfas. Bárbara e Márcia. INTRODUÇÃO A imprtância d cnceit de energia se baseia n princípi da cnservaçã da energia:

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

Química. Questão 2. Questão 1 ETAPA. Resposta. Resposta. DADOS Massas atômicas (u.m.a.) 16 12 1 112 59 80 Dados termodinâmicos: Fe(s) Fe3C(s)

Química. Questão 2. Questão 1 ETAPA. Resposta. Resposta. DADOS Massas atômicas (u.m.a.) 16 12 1 112 59 80 Dados termodinâmicos: Fe(s) Fe3C(s) Química DADOS Massas atômicas (u.m.a.) O C H Cd Ni Br 6 59 80 Dads termdinâmics: Fe(s) Fe3C(s) CH 4(g) H(g) 0 ΔH f (kj. ml ) 0 5,0 74,80 0 ΔS 0 ( J. ml ) 7,30 04,6 86, 30,6 Ptencial de eletrd: Cd(OH) (s)

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B

Questão 31. Questão 33. Questão 32. Questão 34. alternativa B. alternativa D. alternativa B Questã 31 Os irradiadres de aliments representam hje uma pçã interessante na sua preservaçã. O aliment irradiad, a cntrári d que se imagina, nã se trna radiativ, umavezquearadiaçãquerecebeédtip gama. A

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

Capacitância e Capacitores

Capacitância e Capacitores Nessa prática, farems um estud sbre capacitres. erá intrduzid cnceit de capacitância e estudarems as leis de carga e descarga de capacitres, bem cm as regras de assciaçã desses elements de circuit. empre

Leia mais

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica

Lista de Exercício COMPLEMENTAR de Termoquímica e Termodinâmica Lista de Exercíci COMPLEMENTAR de Termquímica e Termdinâmica 1) A água expande-se quand cngela. Quant trabalh realiza uma amstra de 100g de água quand cngela a 0 C e estura um can de água quand a pressã

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL ANÁLISES QUÍMICAS

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL ANÁLISES QUÍMICAS ANO LECTIVO 015 016 DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL ANÁLISES QUÍMICAS INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ELECTROANALÍTICOS

Leia mais

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: BIOLOGIA GERAL Códig: ENF - 101 Pré-requisit: Nenhum Períd Letiv: 2016.1 Prfessr:

Leia mais

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2015.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2015.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal?

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal? 1) A faculdade mediúnica é indíci de algum estad patlógic u simplesmente anrmal? - As vezes anrmal, mas nã patlógic. Há médiuns de saúde vigrsa. Os dentes sã pr utrs mtivs. 2) O exercíci da faculdade mediúnica

Leia mais

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes

Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes. Lugar Geométrico das Raízes Cnstruíd dretamente a partr ds póls e zers da funçã de transferênca de malha aberta H(. Os póls de malha fechada sã sluçã da equaçã + H( = 0, u: arg( H( ) = ± 80 (k+), k = 0,,,... H( = Para cada pnt s

Leia mais

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa.

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. Estu cm febre? Triiiimmm!! Tca despertadr, é hra de acrdar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. - Vams, Gaspar, que já está na hra! Vcê vai se atrasar! Gaspar se mve na cama, afundand

Leia mais

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34 The Glbal Leadership Summit Ntas d Facilitadr Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duraçã 62:34 Resum da Sessã Lições de liderança e estratégias que geram resultads tangíveis em nssas

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

AULA CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA APOSTILA ELÉTRIA PARA AULA 11 MÓDULO - 1 ORRENTE ONTÍNUA E ALTERNADA Induçã Eletrmagnética Geraçã de crrente cntínua e alternada Frmas de nda - icl - Períd - Frequência lts de pic e pic-a-pic Tensã eficaz

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Em qualquer situação é importante que estejamos perante um desconhecido PURO.

Em qualquer situação é importante que estejamos perante um desconhecido PURO. Química Orgânica II Identificaçã de cmpsts. Em qualquer situaçã é imprtante que estejams perante um descnhecid PURO. Se a amstra cntém 1 cmpnente: estad de pureza (F u Eb) + identificaçã sistemática. Se

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Professores: Rosimere Machado dos Santos e Laura Chaves

Professores: Rosimere Machado dos Santos e Laura Chaves 1 Escla: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DINARTE RIBEIRO Disciplina: Química Prfessres: Rsimere Machad ds Sants e Laura Chaves Supervisra: Cristiane Crrêa Turma/série: 203 Tema: Cmbustíveis Fósseis e Mei Ambiente

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar:

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar: IFS - ampus Sã Jsé Área de Refrigeraçã e ndicinament de r Prf. Gilsn ELEENTS E GEETRI Gemetria significa (em greg) medida de terra; ge = terra e metria = medida. nss redr estams cercads de frmas gemétricas,

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

3 DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS

3 DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS 30 3 DISPOSITIVOS OPTOELETRÔNICOS 3.1. Dispsitivs Opteletrônics Básics O camp mdern da pteletrônica é extremamente vast, abrangend estud ds dispsitivs cuj funcinament envlve fenômens óptics e elétrics,

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

FERRO PARA A SAÚDE. Deficiência em ferro: a preocupação. Ferro na alimentação

FERRO PARA A SAÚDE. Deficiência em ferro: a preocupação. Ferro na alimentação FERRO PARA A SAÚDE Licinia de Camps Ferr é um imprtante mineral para a saúde. O ferr faz parte de tdas as células. O ferr (cm parte da prteína hemglbina) carreia xigêni ds pulmões para td rganism. A mairia

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR

SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR SOGILUB.NET MANUAL DO UTILIZADOR Índice Intrduçã... 3 Aspect Gráfic... 4 Regist na aplicaçã... 5 Recuperaçã de Códigs de Acess... 6 Área Reservada... 8 Entrar na Área Reservada... 8 Editar Perfil... 9

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS

PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai PRINCÍPIOS DE ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Elsa Sampai ems@uevra.pt Departament de Geciências Universidade de Évra 2006 Elsa P. M. Sampai ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ALTERAÇÃO DAS ROCHAS 2.1 PRINCIPAIS

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONIFÍCIA UNIVERSIDADE CAÓLICA DE GOIÁS DEPARAMENO DE MAEMÁICA E FÍSICA Prfessres: Edsn Vaz e Renat Medeirs ELERICIDADE E MAGNEISMO NOA DE AULA II Giânia 2014 1 ENERGIA POENCIAL ELÉRICA E POENCIAL ELÉRICO

Leia mais

Receptores de imagem por sistema de radiografia computadorizada (CR-Computed radiography)

Receptores de imagem por sistema de radiografia computadorizada (CR-Computed radiography) Receptres de imagem pr sistema de radigrafia cmputadrizada (CR-Cmputed radigraphy) 1 Sistema receptr CR Intrduzid pela Fuji em 1981, cm primeir sistema de imagem digital cmercializad de radigrafia cmputadrizada,

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano.

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano. Aula 3: Mviment Anual d Sl e Estações d An. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Suza Oliveira Filh &Alexei Machad Müller O espetácul d pr d sl n Guaíba, em Prt Alegre. Intrduçã Prezad alun, Observar

Leia mais

LAR - 04/06/08/10. Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1- Outubro/2010

LAR - 04/06/08/10. Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: SKYMSEN. 13241.1- Outubro/2010 METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METAL RGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA

Manual de Instruções. PCP-98M(Monofásico) PCP-98T(Trifásico) POLI O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. 28088.7 - Novembro/2010 LINHA DIRETA O PREÇO ALIADO A QUALIDADE. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-10 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: +55 7 3255 2000 Fax: +55 7 3255 2020

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Serviços de Fisioterapia Estética Corporal e Facial. Tratamentos corporais

Serviços de Fisioterapia Estética Corporal e Facial. Tratamentos corporais Serviçs de Fisiterapia Estética Crpral e Facial. Trataments crprais Prtcl Redutr Pacte : 10 sessões R$ 380,00 Manta térmica Ultra-sm u crrente russa Massagem mdeladra R$ 285,00 em 2x Ent/30 u R$ 270,00

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

2,25kg. m C ( ) 22,00kg. m

2,25kg. m C ( ) 22,00kg. m Questã 01 A massa inercial mede a dificuldade em se alterar estad de mviment de uma partícula Analgamente, mment de inércia de massa mede a dificuldade em se alterar estad de rtaçã de um crp rígid N cas

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais