MÓDULO. Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação M 02

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO. Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação M 02"

Transcrição

1 MÓDULO M 02 Conjunto de Instruções do 8086/88 Aritméticas, lógicas, deslocamento e rotação OBJETIVOS Compreender o significado dos bits de estado no registrador de flags do 8086/88; Conhecer as representações numéricas aceitas pelo 8086/88, para os operandos; Conhecer as instruções aritméticas, lógicas, de deslocamento e de rotação do 8086/88. O CONJUNTO DE INSTRUÇÕES DO 8086/88 O microprocessador 8086/88 possui um conjunto de instruções básicas, que associadas aos diversos modos de endereçamento fornecem um grande número de códigos de operação. Neste experimento utilizaremos, entre outras, as instruções aritméticas, que permitem realizar adição, subtração, multiplicação e divisão. Essas operações podem aceitar diversos tipos de operandos (8 ou l6 bits, sinalizados ou não, BCD, ASCII, etc.). Os operandos podem ser imediatos, ou estar contidos em registradores ou locações de memória. Para fazermos referência a dados na memória, utilizamos a notação [XXXX], onde XXXX representa um endereço da memória e [XXXX] representa o seu conteúdo. Algumas vezes não fica bem claro se um operando a ser obtido da memória é de apenas um byte ou maior. Nesses casos, é necessário usar os qualificativos BYTE, WORD ou DWORD, conforme os operandos sejam de 8, l6 ou 32 bits. Isso se aplica às instruções INC, NEG, MUL e DIV, a serem utilizadas neste experimento, quando um dos operandos deve vir da memória. Você encontrará outras situações que requerem qualificativos. Caso esqueça de usá-los, o SID enviará uma mensagem ambiguous operand. 1. REGISTRADOR DE FLAGS (SEMÁFORO) No 8086/88, o registrador de flags é um registrador de l6 bits, contendo nove flags de um bit, que são usados para indicar várias condições decorrentes da execução de instruções. Os bits 0, 2, 4, 6, 7 e 11 contém flags de estado, que denotam os resultados de operações no programa. Os bits de 8 a 10 contém flags de controle, e os bits 1, 3, 5, 12 e 15 não são utilizados. Ao longo da apresentação do conjunto de instruções, em particular das operações aritméticas, será discutido o efeito da realização das operações sobre os flags de estado. No entanto, o aluno deve pesquisar a estrutura do registrador de flags, para conhecer também o significado dos flags de controle. 2. NOTAÇÃO NUMÉRICA Para trabalhar com o conjunto de instruções aritméticas é necessário conhecer o tipo de representação numérica utilizada pelo processador. O hardware do microprocessador 8086/88 foi projetado para operar números binários em complemento de dois. Tal notação simplifica bastante a implementação da unidade lógica e aritmética. Você verá, no entanto, que é possível trabalhar com outros tipos de representações, dependendo da escolha das instruções e interpretação do resultado.

2 Números Sinalizados - Notação em Complemento de Dois Na representação em complemento de dois o bit mais significativo é usado para indicar o sinal do numero ( 0 para positivo, l para negativo), e os demais bits representam a magnitude do número. A magnitude de um número positivo é a sua representação direta na base binária. Em um byte, a faixa de números positivos varia de 00H a 7FH (em decimal, de 0 a 127). Uma regra simples para trocar o sinal de um número consiste em complementar todos os seus bits ( inclusive o de sinal) e somar l ao resultado, desprezando o, caso exista. A partir dessa regra, podemos deduzir como obter o módulo de números negativos. A faixa de números negativos de um byte varia de 80H a FFH (em decimal, de -128 a -1). Consulte uma referência adicional sobre essa notação, bem como suas propriedades relativas as operações de soma e subtração. Em particular, veja o que significam, overflow e bit de sinal. Números não Sinalizados Nesta notação, todos os bits são utilizados para representar a magnitude do número, diretamente na base binária. Assim, números de um byte variam de 00H a FFH (em decimal, de 0 a 255). Números em BCD A notação BCD (decimal codificado em binário) consiste basicamente em converter cada dígito decimal para os quatro bits de sua representação binária, como no exemplo. decimal BCD INSTRUÇÕES ARITMÉTICAS 3.1 Instruções de Adição Nestas operações os operandos podem ser de oito ou dezesseis bits. Destino pode ser um registrador ou uma locação de memória. Fonte pode ser: um dado imediato, um registrador ou uma locação de memória. Nem todas as combinações são permitidas. Por exemplo, você não pode somar diretamente os conteúdos de duas locações de memória. Consulte o conjunto de instruções do 8086/88 (apostila Assembly Manual de Referência ) para conhecer as opções válidas. ADD ADC INC DAA AAA destino ADD soma destino com fonte e coloca o resultado em destino. ADC soma destino com fonte e com o flag, colocando o resultado em destino e então reseta o bit Carry (C = 0). É útil quando precisamos somar dados longos, como no exemplo F931 =? F9 31 4C 3B 4 l ADC ADC ADD

3 INC adiciona l ao conteúdo de destino. O conteúdo de destino é tratado como um número não sinalizado. O flag C () não é afetado. Se isso for um inconveniente, você pode usar ADD destino, 1. Significado dos flags: S(sinal), O (overflow) e C () na Adição A ULA (Unidade Lógica e Aritmética) do 8086/88 trata operandos em complemento de dois. No entanto, você pode usar as instruções ADD e ADC para somar números não sinalizados. Nesse caso, os flags S (sinal) e O (overflow) deixam de ter significado, e o flag C () passa a detectar overflow. A representação BCD é bem interessante, principalmente quando envolve dados de entrada ou saída. O 8086/88 dispõe da instrução DAA, que realiza ajustes nos resultados quando números BCD são somados. É necessário que esses resultados estejam no registrador AL. Por exemplo, ao somarmos (decimal), deveríamos ter como resultado 31. A instrução ADD, no entanto, daria como resultado 2B. O necessário ajuste (somar 6 aos resultados maiores que 9) é realizado pela instrução DAA (ajuste decimal), como no programa exemplo abaixo. prog. fonte ação MOV AL, 14 AL 14 ADD AL, 17 AL = 2B DAA AL 2B + 06 = 31 INT 3 Finalmente, AAA (ajuste ASCII) é usada para operandos codificados em ASCII. Esta instrução não será utilizada neste experimento. 3.2 Instruções de Subtração As instruções SUB, SBB, DEC, DAS (ajuste decimal) e AAS (ajuste ASCII) são similares às de soma. A instrução NEG troca o sinal do operando contido em destino, de acordo com as regras do complemento de dois. Observe que todo o operando é afetado, não apenas o bit de sinal. SUB SBB DEC DAS AAS NEG destino destino A instrução SUB subtrai fonte de destino (destino fonte) e armazena o resultado em destino. 3.3 Instrução de Multiplicação MUL fonte MUL multiplica números não sinalizados. Se fonte é de oito bits, multiplica fonte por AL e coloca o resultado em AX. Exemplos: MUL MUL BL BYTE [0l00] Se fonte é de dezesseis bits, multiplica fonte por AX e coloca o resultado em DX : AX (parte mais significativa em DX, parte menos significativa em AX). Exemplos: MUL BX MUL WORD [0200]

4 Comportamento dos flags nas operações de multiplicação Verifique nas tabelas do conjunto de instruções do microprocessador (apostila Assembly Manual de Referência ) o que é dito a respeito dos flags. Veja que esses flags são afetados, em sua maior parte, de forma aleatória. Observe que, embora os flags de overflow e sejam afetados pelas instruções de multiplicação, você precisa interpretar isto com um certo cuidado. Para operandos de 8 bits, o micro reserva um espaço de 16 bits para o resultado. Isso garante que nunca haverá overflow ou se considerarmos o resultado global. No entanto, esses flags comparam a dimensão do resultado com a dos operandos. Assim, por exemplo, se o flag O = 0, após uma multiplicação de operandos de oito bits, isso significa que o resultado coube em 8 bits ( ou seja, AH = 00 e AL = resultado ); se o flag O = 1, significaria que o resultado não coube em 8 bits ( ou seja, AH 00, mas AX = resultado ). A situação é similar para operandos de 16 bits, com resultados de 32 bits. Procure analisá-la. 3.4 Instrução de Divisão DIV fonte Esta instrução divide números não sinalizados. Para operandos fonte de um byte, divide AX por fonte e coloca o quociente em AL, e o resto da divisão em AH. Para operandos fonte de dezesseis bits, divide DX : AX por fonte, colocando o quociente em AX e o resto em DX. Verifique nas tabelas como se comportam os flags de estado no caso de operações de divisão. Você verá que o estado dos flags (semáforos) não é definido para esta operação. No entanto, existem situações incompatíveis, e é importante que você as evite. Pode acontecer, por exemplo, uma tentativa de dividir um número por zero ou, mais freqüentemente, uma tentativa de dividir dois números tais que o resultado não cabe no espaço a ele destinado. Como exemplo, considere o trecho de programa abaixo: MOV AX, 1000 MOV BL, 02 DIV BL Parece correto, mas se observarmos com cuidado veremos que o quociente não cabe em AL, nem o resto em AH. Nesses casos, o microprocessador vai gerar uma interrupção que desativará o próprio SID. Para evitar esse problema, escolha cuidadosamente os dados quando for testar a instrução de divisão. O 8086/88 dispõe de instruções específicas para multiplicar e dividir números sinalizados, no entanto estas instruções não serão discutidas porque estão fora do escopo deste experimento. 4. INSTRUÇÕES LÓGICAS O microprocessador 8086/88 possui um conjunto de instruções que realizam operações lógicas AND OR XOR NOT destino. As operações lógicas são realizadas bit a bit, entre os bits de mesma ordem. Os operandos destino e fonte podem ser registradores ou locações de memória referenciadas por diversas formas de endereçamento. Em geral, nas instruções que envolvem dois operandos, não é possível referenciar ambos os operandos em locações de memória, e apenas o operando fonte pode ser imediato. Verifique nas tabelas do conjunto de instruções do microprocessador quais flags são afetados e de que forma.

5 5. INSTRUÇÕES DE DESLOCAMENTO Dois tipos de instrução de deslocamento são disponíveis: deslocamento lógico e deslocamento aritmético. Cada um desses tipos pode realizar deslocamentos para a direita ou para a esquerda. SHL destino, contador (desl. lógico à esquerda) SAL destino, contador (desl. aritmético à esquerda) SHR destino, contador (desl. lógico à direita) SAR destino, contador (desl. aritmético à direita) O Destino pode ser um registrador ou uma locação de memória. O contador pode ser igual a 1, e, nesse caso, o deslocamento será de apenas um bit; pode também ser igual ao valor de CL e, nesse caso, o conteúdo desse registrador indicará de quantos bits é o deslocamento. No deslocamento aritmético à direita (SAR) os bits vagos à esquerda são preenchidos com o valor original do bit mais significativo. Veja exemplos a seguir. Exemplo 1 : SAR BL,1 BL anterior BL final Exemplo 2 : MOV CL, 02 SAR AL, CL AL anterior AL final Sendo o operando um número sinalizado, você pode observar que, a cada bit deslocado, o conteúdo anterior é dividido por dois. O sinal original do número é preservado. No deslocamento lógico à direita (SHR), bem como nos deslocamentos aritméticos ou lógicos à esquerda, os bits vagos são preenchidos por zeros. Você pode observar que SAL e SHL realizam exatamente a mesma operação. Para o microprocessador não há diferença entre essas duas instruções. Apenas por uma questão de coerência do programa fonte, você utilizará SAL quando trabalhar com operandos sinalizados. Nesse caso, o efeito de cada bit deslocado é multiplicar o operando por dois. As instruções de deslocamento lógico serão usadas quando o operando representar um número não sinalizado, ou quando o mesmo não tiver significado numérico. Analise detalhadamente as instruções de deslocamento aqui abordadas, propondo exemplos para você mesmo. Verifique nas tabelas quais flags são afetados. Procure descobrir em que condições ocorrerá overflow O, e o que significa o bit de paridade P. 6. INSTRUÇÕES DE ROTAÇÃO São semelhantes às instruções de deslocamento. Executam deslocamentos à esquerda ou à direita, de apenas 1 bit, ou utilizando CL como contador de deslocamentos. A diferença está no fato de que as instruções de rotação realimentam os bits que saem por uma extremidade para as posições vagas na outra extremidade. Destino pode ser um registrador ou locação de memória. O contador pode ser "1" ou CL. ROL destino, contador (rotação à esquerda) ROR destino, contador (rotação à direita) RCL destino, contador (rotação à esquerda com ) RCR destino, contador (rotação à direita com )

6 Exemplo 1: ROL BL, 1 [BL ] a nte rior [BL ] fina l Exemplo 2: MOV CL, 03 RCR [0500], CL [0500] anterior deslocamentos [0500] final PREPARAÇÃO 1. Faça um mapa do registrador de flags, e indique a função de cada bit: (O, S, Z, A, P, C). 2. Determine o resultado da soma abaixo, bem como os bits de estado (flags) resultantes. Considerando que os operandos são números representados em complemento de dois, o resultado obtido está correto? Qual o flag que assegura isto? Se os operandos são números não sinalizados, o resultado está correto? Qual flag assegura isto? Flags: O, S, Z, A, P, C Faça um programa para carregar dados (modo imediato) em AX e BX, e em seguida subtraí-los, deixando o resultado em AX. 4. Faça um programa para somar operandos BCD provenientes das locações de memória 0200 e 020l, deixando o resultado em O programa a seguir soma operandos longos provenientes da memória, e coloca o resultado também na memória. Após analisar o programa, faça um mapa de memória indicando as locações onde devem estar armazenados os operandos abaixo, e a locação onde será armazenado o resultado. ORG 1000 MOV AX, [0100] ADD AX, [0104] MOV [0108], AX MOV AX, [0102] ADC AX, [0106] MOV [010A], AX INT 3 operando 1: 001A2B03 operando 2: 03F90201

7 6. Faça um programa para multiplicar operandos de dezesseis bits. Escolha o modo de endereçamento. 7. Suponha um valor inicial zero para todos os flags de estado. Preencha a tabela abaixo, mostrando o valor esperado (em hexa) para AH e AL, bem como os flags de estado (1 ou 0) após a execução de cada instrução do programa dado. MOV AX, 23C5 OR AH, AL AND AH, 0F XOR AH, AL NOT AX INT 3 AH AL O S Z A P C 8. Compare os resultados e flags decorrentes das duas instruções abaixo, apontando semelhanças e diferenças. XOR NOT AX, FFFF AX

José Augusto Fabri. Assembly Básico

José Augusto Fabri. Assembly Básico José Augusto Fabri Assembly Básico Aritmética em Modo Hexadecimal Operações da adição e subtração em hexadecimal (comando H) Número negativos: Que número representa o FFFF? Aritmética em Modo Hexadecimal

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 1 Conceitos necessários Prof. Leonardo Augusto Casillo Sistema de numeração: conjunto de regras que nos permite escrever e ler

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Representação de Números de Ponto Flutuante Aritmética

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 22

Circuitos Lógicos Aula 22 Circuitos Lógicos Aula 22 Aula passada Armazenamento e transferência Paralela x Serial Divisão de frequência Contador Microprocessador Aula de hoje Aritmética binária Representação binária com sinal Complemento

Leia mais

Circuitos Lógicos. Capítulo 9 Aritmérica Digital: Operações e Circuitos

Circuitos Lógicos. Capítulo 9 Aritmérica Digital: Operações e Circuitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Circuitos Lógicos Capítulo 9 Aritmérica Digital: Operações e Circuitos Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno http://www.ufsj.edu.br/nepomuceno nepomuceno@ufsj.edu.br

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Organização Funcional

Organização Funcional Organização Funcional Modelo de Arquitectura de Von Neuman 26 Organização Funcional Modelo de Arquitectura de Von Neuman CPU Unidade Central de processamento (central process unit) Onde tudo se passa ;

Leia mais

Operações com números binários

Operações com números binários Operações com números binários Operações com sistemas de numeração Da mesma forma que se opera com os números decimais (somar, subtrair, multiplicar e dividir) é possível fazer essas mesmas operações com

Leia mais

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DE INSTRUÇÕES 1 CARACTERÍSTICAS DE INSTRUÇÕES DE MÁQUINA Quando um programador usa uma linguagem de alto-nível, como C, muito pouco da arquitetura da máquina é visível. O usuário que deseja programar

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

Unidade III. Sistemas Numéricos e o Computador

Unidade III. Sistemas Numéricos e o Computador III.1 - O Sistema Decimal - Base: 10 - Dígitos: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 Unidade III Sistemas Numéricos e o Computador Raimundo G. Nóbrega Filho - UFPB - CCEN - DI Notas de aula da disciplina Introdução

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto

ARITMÉTICA BINÁRIA. Adão de Melo Neto ARITMÉTICA BINÁRIA Adão de Melo Neto 1 Sumário Adição Multiplicação Subtração Divisão Complemento de 1 Complemento de 2 Representação de um número com sinal Sinal magnitude Complemento de 2 Valor em decimal

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Linguagem de Montagem e Linguagem de Máquina Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Conceitos básicos Linguagem/código

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Infra-Estrutura de Hardware Sistemas de Numeração Conversão entre bases Bit e byte ECC Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conversão de bases Aritmética binária e hexadecimal

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086).

No. de bits. O primeiro IBM PC foi construído com o 8088 (versão de 8 bits do 8086). Cap2.1 2. Arquitetura do microprocessador 8086 2.1 A família Intel iapx86 (ou 80X86) Processador Co-proc. Ano de introdução No. de bits No. de transistores Velocidade (MHz) 4004-1971 4 2.205-8008 - 1972

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Representação e aritmética binária

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Representação e aritmética binária Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Representação e aritmética binária Prof. Renato Pimentel 1 Tipos de informação Representação por meio de sequências binárias: 8 bits (byte) Também

Leia mais

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES DE UM PROCESSADOR (UCP)

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES DE UM PROCESSADOR (UCP) CONJUNTO DE INSTRUÇÕES DE UM PROCESSADOR (UCP) 1 LINGUAGENS Conhecida pelo PROCESSADOR Conhecida pelo Usuário COMPILADOR LINGUAGEM DE ALTO NÍVEL LINGUAGEM ASSEMBLY 2 INSTRUÇÕES EM ASSEMBLY Para programar

Leia mais

PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE I I: ARITMÉTICA COMPUTACIONAL ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Como representar números em memória? Como representar números negativos e de ponto flutuante?

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Aula 7: Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k

Aula 7: Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k Aula 7: Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF)

Leia mais

Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos

Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos. Circuitos Aritméticos 1 - ADIÇÃO BINÁRIA Computadores digitais e calculadoras realizam as várias operações aritméticas sobre os números representados em forma binária. Na adição binária apenas quatro situações podem ocorrer

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Ministério da Educação e Ciência U.C. 2 Arquitectura de Computadores 5 de Fevereiro de 25 INSTRUÇÕES O tempo de duração da prova de exame é de 2 horas, acrescida de 3 minutos de tolerância. O estudante

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador

Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Sistemas numéricos e a Representação Interna dos Dado no Computador Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br URL: http://www.inf.ufsc.br~silveira Material elaborado pelo prof

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Práticas Laboratoriais Semana 2 Prof. Bruno Medeiros Prof. Antonio Pina Sumário Sistemas de numeração e conversão de bases Operações aritméticas e lógicas em base 2 Representação

Leia mais

A arquitectura IA32. A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador.

A arquitectura IA32. A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador. A arquitectura IA32 A arquitectura de um processador é caracterizada pelo conjunto de atributos que são visíveis ao programador. Tamanho da palavra Número de registos visíveis Número de operandos Endereçamento

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Sistemas Numéricos

Arquitetura e Organização de Computadores. Sistemas Numéricos Arquitetura e Organização de Computadores Sistemas Numéricos 1 A Notação Posicional Todos os sistemas numéricos usados são posicionais. Exemplo 1 (sistema decimal): 1999 = 1 x 1000 + 9 x 100 + 9 x 10 +

Leia mais

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Instruções são representadas em linguagem de máquina (binário) E x i s t e m l i n g u a g e n

Leia mais

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes

Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Aula 16: UCP: Conceitos Básicos e Componentes Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) UCP: Conceitos Básicos e Componentes FAC 1 / 34

Leia mais

Lista de Exercícios 110 Bases numéricas (lista adaptada das listas do prof. Tiago Dezuo)

Lista de Exercícios 110 Bases numéricas (lista adaptada das listas do prof. Tiago Dezuo) Professor: Arthur Garcia Bartsch Data: 2510/0810/201710 Lista de Exercícios 110 Bases numéricas (lista adaptada das listas do prof. Tiago Dezuo) 1. Converta para a base decimal os seguintes números: a)

Leia mais

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 6 Representação de números com sinal

Sistemas Digitais / Sistemas Digitais I 6 Representação de números com sinal Os números têm valores negativos e positivos. Como representar essa informação (sinal do número) em binário? Por outras palavras, como representar o positivo (+) e o negativo (-)? Há três formas de o fazer:

Leia mais

Representação da Informação no Computador

Representação da Informação no Computador Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Representação da Informação no Computador Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT3 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Aritmética Computacional Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Representação de quantidade(número)

Representação de quantidade(número) Códigos Numéricos Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional Béabase A i osalgarismosdessabase ioíndiceposicionaldoalgarismo OalgarismodemaiorsignificadoéB-1 Exemplos 9875

Leia mais

Números Binários Operações Aritméticas. Prof. Patrícia G. P. Magalhães

Números Binários Operações Aritméticas. Prof. Patrícia G. P. Magalhães Números Binários Operações Aritméticas Prof. Patrícia G. P. Magalhães Soma de números Binários Se faz semelhante as operações com números decimais, mas lembre-se que estamos falando de binários, assim:

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO III AULA I, II e III Abril 2014 Índice Aritmética para computadores Intro Adição e subtração Multiplicação Divisão Virgula Flutuante Virgula Flutuante - aritmética

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Arquitetura de Um Processador I

Arquitetura de Um Processador I Arquitetura de Um Processador I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-11-08 José Costa (DEI/IST) Arquitetura de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções

Arquitetura de Computadores. Conjunto de Instruções Arquitetura de Computadores Conjunto de Instruções Arquitetura do Conjunto das Instruções ISA (Instruction Set Architecture) Traduz para uma linguagem intermediária (ISA) os vários programas em diversas

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Eduardo Albuquerque Adaptado do material do Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 Representação de Dados e Aritmética Computacional Roteiro Números inteiros

Leia mais

Sistemas Numéricos, Operações Lógicas e Tipos de Dados Tratados pelo Computador

Sistemas Numéricos, Operações Lógicas e Tipos de Dados Tratados pelo Computador Capítulo 2 Sistemas Numéricos, Operações Lógicas e Tipos de Dados Tratados pelo Computador 2.0 Índice 2.1 Sistemas Numéricos 2 2.1.1 Sistema Binário 2 2.1.2 Sistema Octal 3 2.1.3 Sistema Hexadecimal 3

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III

UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III UNIVERSIDADE PAULISTA (UNIP) Curso de Engenharia Mecatrônica Disciplina: Microprocessadores e Microcontroladores (MM) LISTA III Orientações: Esta lista de Exercícios deve ser entregue juntamente com a

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

Binários: Operações matemáticas

Binários: Operações matemáticas Soma Subtração Multiplicação Divisão Eng. da Computação Eng. de Controle e Automação Binários: awmascarenhas@gmail.com https://sites.google.com/site/awmascarenhas Conteúdo : 1 Adição 1.1 Regras básicas

Leia mais

Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional

Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional Códigos Numéricos Representação de quantidade(número) Expressão de significância posicional Béabase A i osalgarismosdessabase ioíndiceposicionaldoalgarismo OalgarismodemaiorsignificadoéB-1 Exemplos 9875

Leia mais

1/50. Conceitos Básicos. Programa Básico

1/50. Conceitos Básicos. Programa Básico 1/50 Conceitos Básicos Programa Básico 2/50 Operações básicas de entrada e saída #include main retorna um inteiro int main() { std::cout

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Engenharia da Computação Universidade Católica de Petrópolis Arquitetura de Computadores Sistema de Numeração v. 0.1 Luís Rodrigo de O. Gonçalves luisrodrigoog@gmail.com Petrópolis, 1 de Março de 2016

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k

Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k Representações de Números Inteiros: Sinal e Magnitude e Representação em Excesso de k Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material de Fernanda Passos

Leia mais

Códigos de Detecção de Erros 2ª. parte. Prof. Ricardo de O. Duarte DECOM - UFOP

Códigos de Detecção de Erros 2ª. parte. Prof. Ricardo de O. Duarte DECOM - UFOP Códigos de Detecção de Erros 2ª. parte Prof. Ricardo de O. Duarte DECOM - UFOP Códigos de Checksum Principais características: Código separável. Usados em Pen-drives, HDs, Floppy Disks, Redes. Código Não

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL I

ELETRÔNICA DIGITAL I ELETRÔNICA DIGITAL I Parte 2 Aritmética Digital Professor Dr. Michael Klug 1 Sistema Decimal: Sistema Binário: Adição Binária carry 1 472 246 718 A B S C 0 0 0 0 0 1 1 0 1 0 1 0 1 1 0 1 S=AB C=carry 2

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL

REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI - EPUSP REPRESENTAÇÃO DE NÚMEROS EM BINÁRIO E HEXADECIMAL 1. Hexadecimal [A1] Hexadecimal é o sistema

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Computação A Informação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Aritmética Computacional Prof. Helcio Wagner

Leia mais

Aula 9. Aritmética Binária. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 9. Aritmética Binária. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 9 Aritmética Binária SEL 044 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira . SOMA DE DOIS NÚMEROS BINÁRIOS Álgebra Booleana (OR) Aritmética (+) 0 + 0 = 0 0 + = + 0 = + = 0 + 0 = 0

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

Aula de hoje. Códigos numéricos. Códigos binários. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados

Aula de hoje. Códigos numéricos. Códigos binários. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados. Armazenamento de dados SCC 24 - Introdução à Programação para Engenharias Aula de hoje Códigos numéricos Professor: André C. P. L. F. de Carvalho, ICMC-USP Pos-doutorando: Isvani Frias-Blanco Monitor: Henrique Bonini de Britto

Leia mais

Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. RUIDO em Sistemas Computacionais. Arquiteturas de Computadores

Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. RUIDO em Sistemas Computacionais. Arquiteturas de Computadores Arquiteturas de Computadores Sistema de Numeração Decimal - (..9) Número 23 na base (): = Prof. Edward David Moreno Cap 2 Número 23,456 na base (): = AC - CAP2 - Edward Moreno AC - CAP2 - Edward Moreno

Leia mais

Multiplicação Divisão

Multiplicação Divisão Multiplicação Divisão 1 Introdução Nesta aula iremos analisar como podemos usar o Sistema Numérico para calcular operações básicas usando a Aritmética Decimal na: Multiplicação; Divisão. 2 MULTIPLICAÇÃO

Leia mais

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados CPU CPU Unidade Central de Processamento Função: leitura, escrita e processamento de dados Constituída por: dispositivos que gerem a entrada (leitura) e saída (escrita) de dados; registos (memórias auxiliares)

Leia mais

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Programação de Microprocessadores Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários

Leia mais

Conjunto de Instruções (ISA) I

Conjunto de Instruções (ISA) I Conjunto de Instruções (ISA) I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-10-16 José Costa (DEI/IST) Conjunto de Instruções

Leia mais

Estouro e Representação em Ponto Flutuante

Estouro e Representação em Ponto Flutuante Estouro e Representação em Ponto Flutuante Cristina Boeres Insituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Prof.ª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof.ª Danielle Casillo NORMA (NumberTheOreticRegisterMAchine) Possui como memória um conjunto infinito de registradores naturais e

Leia mais

Sistemas Numéricos e o Computador

Sistemas Numéricos e o Computador Sistemas Numéricos e o Computador 1 - Computador e Sistemas Numéricos O computador trabalha basicamente com sistemas numéricos na base 2 (binário). Na realidade todas as informações manipuladas e armazenadas

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga

Prof. Adilson Gonzaga Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários armazenados em memória. Prof. Adilson Gonzaga 1 As ordens ou comandos

Leia mais

Sistemas de Numeração e Códigos

Sistemas de Numeração e Códigos Sistemas de Numeração e Códigos 123=Cento e Vinte e Três! Porquê? Qual o algoritmo de cálculo de um número? 123 = 1*10 2 + 2*10 1 + 3*10 0 123,95 = 1*10 2 + 2*10 1 + 3*10 0 + 9*10-1 + 5*10-2 Símbolos válidos:0,1,2,3,4,5,6,7,8,9

Leia mais

Aula 3 - Representação de Dados

Aula 3 - Representação de Dados Aula 3 - Representação de Dados Marcos A. Guerine Universidade Federal Fluminense mguerine@ic.uff.br Na aula passada... História dos sistemas de numeração Bases de numeração Conversão entre bases Conversão

Leia mais

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Aritmética de Inteiros

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Aritmética de Inteiros Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores - Aritmética de Computadores "Matemática Real" f: RxR R Aritmética de Inteiros "Matemática no Computador" nº finito de números representáveis

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2013 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Introdução aos processos de operação aritmética - Subtração

Introdução aos processos de operação aritmética - Subtração Introdução aos processos de operação aritmética - Subtração Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas, comunicação

Leia mais

Departamento de Sistemas de Computação - SSC. Sistemas Digitais. 2 o Semestre Projeto CPU. Data da apresentação: 26/27 de outubro

Departamento de Sistemas de Computação - SSC. Sistemas Digitais. 2 o Semestre Projeto CPU. Data da apresentação: 26/27 de outubro UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação - SSC Sistemas Digitais 2 o Semestre Projeto CPU Data da apresentação: 26/27 de outubro

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

X. B Y Base do sistema de numeração Dígito do número em questão

X. B Y Base do sistema de numeração Dígito do número em questão INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO TÈCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL PROF. MARIA CLÁUDIA DE ALMEIDA CASTRO 1.1 Introdução Os Números 1. Sistemas

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Your Logo Here Prof. Bruno de Jesus bruno.jesus@ic.ufal.br Introdução à Computação Tipos de dados, variáveis e expressões Conteúdo de hoje... Tipos de dados Dados numéricos Inteiro Real Dados literais

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Faculdades SENAC Sistemas de Informação 27 de fevereiro de 2008 Contextualizando Aritmética Binária Os Computadores e as calculadoras digitais realizam várias operações aritméticas sobre números representados

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução

Arquitetura de Computadores. Ciclo de Busca e Execução Arquitetura de Computadores Ciclo de Busca e Execução Ciclo de Busca e Execução Início Buscar a próxima instrução Interpretar a instrução Executar a instrução Término Funções realizadas pela UCP Funções

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

Departamento de Sistemas de Computação - SSC. SSC-110 Elementos de lógica digital I SSC-111 Laboratório de elementos de lógica digital I.

Departamento de Sistemas de Computação - SSC. SSC-110 Elementos de lógica digital I SSC-111 Laboratório de elementos de lógica digital I. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação - SSC SSC-110 Elementos de lógica digital I SSC-111 Laboratório de elementos de lógica

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Projeto de Somador com e sem Sinal. Qualificadores

Projeto de Somador com e sem Sinal. Qualificadores ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I Projeto de Somador com e sem Sinal Qualificadores César A. M. Marcon Planejando a Descrição de um Somador 2 Como descrever uma soma? S

Leia mais

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho

Linguagem de Montagem e Assembly. André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem e Assembly André Luiz da Costa Carvalho Linguagem de Montagem Todo programa para ser executado precisar ser convertido de linguagem fonte (alto nível) para um programa equivalente

Leia mais

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação

7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação 7. Instruções lógicas, de deslocamento e de rotação São instruções que permitem mudar o padrão de bits num byte (8 bits) ou numa palavra (16 bits). Linguagens de alto nível (exceto C) não permitem manipular

Leia mais

Conversão de Bases. Introdução à Organização de Computadores 5ª Edição/2007 Página 54. Sistemas Numéricos - Aritmética. Prof.

Conversão de Bases. Introdução à Organização de Computadores 5ª Edição/2007 Página 54. Sistemas Numéricos - Aritmética. Prof. Conversão de Bases Introdução à Organização de Computadores 5ª Edição/2007 Página 54 1 NOTAÇÃO POSICIONAL - BASE DECIMAL O SISTEMA DE NUMERAÇÃO É FORMADO POR UM CONJUNTO DE SÍMBOLOS UTILIZADOS PARA REPRESENTAR

Leia mais

2 Representação numérica

2 Representação numérica 2 Representação numérica Agora que já conhecemos um pouco da história da Computação e da arquitetura de um computador, estudaremos como podemos representar números em outras bases numéricas e como algumas

Leia mais

Sistemas Numéricos - Aritmética. Conversão de Bases. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

Sistemas Numéricos - Aritmética. Conversão de Bases. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA Conversão de Bases 1 NOTAÇÃO POSICIONAL - BASE DECIMAL Desde os primórdios da civilização o homem adota formas e métodos específicos para representar números, para contar objetos e efetuar operações aritméticas.

Leia mais