DESENVOLVIMENTO DO MODELO DE SINTESE E OTIMIZAÇÃO APLICADO A PROCEDIMENTOS DE CANHONEIO DE POÇOS DE PETRÓLEO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DO MODELO DE SINTESE E OTIMIZAÇÃO APLICADO A PROCEDIMENTOS DE CANHONEIO DE POÇOS DE PETRÓLEO"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DO MODELO DE SINTESE E OTIMIZAÇÃO APLICADO A PROCEDIMENTOS DE CANHONEIO DE POÇOS DE PETRÓLEO Juliana Souza Baioco Carolina dos Santos Seckler PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ENGENHEIRO DE PETRÓLEO. Aprovado por: Prof. Breno Pinheiro Jacob, D.Sc. Prof. Virgílio José Martins Ferreira Filho, D.Sc. Antônio Cláudio Soares, Eng. RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL JANEIRO DE 2009

2 Agradecimentos Dedicamos este projeto de fim de curso a nossas famílias e amigos, que nos apoiaram durante todo o curso e sempre nos deram força. Dedicamos também ao nosso orientador, Breno Pinheiro Jacob, por ter nos guiado na execução do projeto. Gostaríamos de agradecer aos nossos professores, por terem repassado pacientemente seus conhecimentos, em especial aos professores Virgílio José Martins Ferreira Filho e Paulo Couto, pela ajuda no conteúdo do projeto. Agradecemos ao pessoal do LAMCSO, especialmente aqueles que acompanharam e ajudaram no desenvolvimento do projeto: Karinna Freitas da Silva, Ian Nascimento Vieira, Carl Horst Albrecht, Beatriz de Souza Leite Pires de Lima. Agradecemos também aos engenheiros do CENPES pela oportunidade de trabalhar no projeto e pela ajuda no desenvolvimento da monografia. Gostaríamos de agradecer a Mariana Fernandes Ramos pela ajuda na revisão e a Pedro Paulo dos Santos Machado pela edição das figuras. Por fim, somos muito gratas a ANP e a COPPETEC pelas bolsas de iniciação científica. ii

3 Sumário LISTA DE FIGURAS... V LISTA DE TABELAS... VII 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA PROCESSO DE CANHONEIO Descrição do Processo Classificação Overbalance Underbalance Extreme Overbalance FLUXO EM MEIOS POROSOS Equação da Continuidade Equação de Darcy Equação de Estado Soluções da Equação da Difusividade Fluxo Linear Fluxo Radial MODELAGEM NUMÉRICA Modelo Padrão Razão de Produtividade ESTUDOS PARAMÉTRICOS CONCEITOS DE OTIMIZAÇÃO Otimização Algoritmos Genéticos Conceitos Básicos iii

4 7.2.2 Composição dos Algoritmos Genéticos IMPLEMENTAÇÃO DA OTIMIZAÇÃO Função Objetivo: Modelo Analítico de Fluxo no Canhoneado Restrições Restrições dos Parâmetros Geométricos Restrições nos Parâmetros de Físicos Modelo de Síntese e Otimização Estudos de Caso CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo A Anexo B iv

5 Lista de Figuras Figura 1 - (a) Canhoneio convencional. (b) Canhoneio TCP. (c) Canhoneio através da coluna de produção. (Fonte: THOMAS, 2001)... 6 Figura 2 - Carga de um perfurador. (Fonte: MATTA, 2007 modificada)... 7 Figura 3 - Detonação da carga de um perfurador e a formação de jato. (Fonte: MATTA, 2007)... 8 Figura 4 - Classificação do canhoneio. (Fonte: SILVA, 2007 modificada)... 9 Figura 5 - Elemento de um meio poroso. (Fonte: ROSA et al., 2006) Figura 6 - Fluxo linear em um reservatório com alimentação no limite externo. (Fonte: ROSA et al., 2006) Figura 7 - Fluxo radial permanente. (Fonte: ROSA et al., 2006) Figura 8 - Estrutura esquemática do canhoneio Figura 9 - Razão de Produtividade (PR) versus Profundidade do Túnel (L p ) Figura 10 - Razão de Produtividade (PR) versus Diâmetro do Túnel na Rocha (D ehr ).. 27 Figura 11 - Esquema representativo do Algoritmo Genético básico Figura 12 Tipos de Crossover. (Fonte: LIMA, 2008) Figura 13 Processo de Mutação Figura 14 (a) Esquema de um canhoneado. (b) Aproximação do canhoneado por um cilindro Figura 15 - Divisão do canhoneado em áreas Figura 16 - Malha de resistências representativa do fluxo em meio poroso Figura 17 Representação do cromossomo Figura 18 Variáveis otimizadas do caso Figura 19 Parâmetros da otimização do caso Figura 20 Evolução do algoritmo do caso Figura 21 - Variáveis otimizadas de MATTA, (Fonte: MATTA, 2007) v

6 Figura 22 - Variáveis otimizadas do caso Figura 23 - Parâmetros da otimização de MATTA, (Fonte: MATTA, 2007) Figura 24 Parâmetros da otimização do caso Figura 25 - Evolução do algoritmo de MATTA, (Fonte: MATTA, 2007) Figura 26 Evolução do algoritmo do caso vi

7 Lista de Tabelas Tabela 1 Valores dos parâmetros do modelo padrão Tabela 2 Escolha dos parâmetros livres do modelo de otimização Tabela 3 Validação do modelo analítico para 1spf Tabela 4 Comparativo dos valores ótimos vii

8 Resumo O processo de canhoneio é uma etapa importante da fase de construção de poços, realizando o contato da rocha-reservatório com o poço e viabilizando a produção do óleo. O procedimento consiste em utilizar cargas explosivas moldadas para abrir túneis no revestimento e na rocha, permitindo a vazão do fluido para o interior do poço. Desta forma, a seleção adequada do tipo de canhão e da carga a ser utilizada é de extrema importância, visto que vários fatores influenciam nesse processo, interferindo na produtividade, como densidade de tiros, profundidade de penetração, diâmetro do túnel, entre outros. O objetivo deste trabalho é apresentar resultados de estudos paramétricos para avaliar a influência de algumas variáveis relacionadas às cargas explosivas na produtividade do poço, já que existem vários tipos de cargas com diferentes propriedades, as quais conferem características específicas aos canhoneados. Além disso, exibir um modelo de otimização para encontrar o valor ótimo para os parâmetros envolvidos no processo de canhoneio. Para o estudo paramétrico, foi aplicado um programa comercial que permite simular o problema de fluxo, em conjunto com um préprocessador e um aplicativo de geração de malhas de elementos finitos, que permite a construção de modelos representando o reservatório, o poço e os túneis canhoneados. Para o modelo de otimização, foi desenvolvida uma função analítica, a qual avalia a vazão no canhoneado, a partir de uma analogia com transferência de calor e resistências térmicas. Dos parâmetros estudados, pode-se observar que a influência causada pela variação do comprimento do túnel é maior que a do diâmetro de entrada do túnel, sendo um fator importante na escolha do tipo de carga moldada a ser utilizada no projeto do poço. Palavras-chave: Petróleo, Canhoneio, Algoritmos Genéticos. viii

9 Abstract The perforating process is an important step in the well construction phase, making contact with the reservoir and allowing the oil production. The procedure is to use shaped explosive charges to open a tunnel on the casing and rock, allowing the flow of fluid into the well. Thus, the proper selection of the type of gun and charge in use is of extreme importance, since many factors modify this process, interfering with the productivity, such as density of shots, penetration depth, tunnel diameter, among others. The aim of this paper is to present results of parametric studies to gauge the influence of some variables related to explosive charges in the well productivity, since there are various types of charge with different properties, which confer specific characteristics to the perforated area. Also, display an optimization model to find the optimum value for the parameters involved in perforation. For the parametric study, were applied a commercial program that is able to simulate the flow problem, together with a preprocessor and a finite element meshes generator software, allowing the construction of models representing the reservoir, the well and perforated area. For the optimization model, it was developed an analytical function, which evaluates the flow in the perforated area, from an analogy with heat transfer and thermal resistance. Of the parameters studied, one can observe that the influence caused by changes in the tunnel length is larger than the tunnel diameter, being an important factor in choosing the type of shaped charge used in the design of the well. Keywords: Petroleum, Perforation, Genetic Algorithms ix

10 1 - INTRODUÇÃO No atual cenário econômico, no qual a oscilação do valor do petróleo tem definido a viabilidade de projetos, é importante verificar a relevância de otimizar a produção a fim de elevar a receita, diminuindo os custos. O presente trabalho tem a motivação de otimizar o processo de canhoneio para elevar a produtividade de poços de petróleo. Um poço de petróleo, antes de entrar em produção, necessita de uma série de operações, as quais têm como função equipá-lo de modo que sejam minimizadas as intervenções durante a sua vida produtiva. O procedimento de canhoneio compreende uma etapa dessa operação denominada completação, tendo como objetivo restabelecer o contato poço-formação, permitindo o fluxo do óleo para o interior do poço. Esse procedimento possui várias variáveis, as quais influenciam no processo, interferindo na produtividade, como a geometria do canhoneio e as propriedades físicas da rocha. Desta forma, dentre os diversos parâmetros associados à operação de canhoneio, o diâmetro de entrada do túnel e comprimento do canhoneado, estão diretamente relacionados com a escolha do tipo de carga moldada a ser utilizada no projeto do poço. Assim, este trabalho tem como objetivo apresentar os resultados de alguns estudos paramétricos, que possibilitem determinar como algumas características afetam a produção, como variáveis geométricas do poço e da região canhoneada, e propriedades da rocha-reservatório. Desse modo, é possível definir como esses parâmetros influenciam no índice de produtividade, e auxiliar na avaliação do tipo de carga a ser empregada no canhoneio. Como a finalidade do projeto do poço é realizar as operações de forma a minimizar os danos à formação e maximizar a produção, o estudo dos parâmetros que influenciam o desempenho do canhoneio é de extrema importância para alcançar uma maior produtividade de óleo ou gás. Adicionalmente é exibido um modelo de síntese e otimização, o qual tem a função de encontrar o valor ótimo para os parâmetros envolvidos no processo de canhoneio. Este modelo utiliza uma função analítica para o cálculo da vazão e toma como premissa o estudo paramétrico para selecionar as variáveis de interesse. 1

11 O trabalho possui uma revisão bibliográfica, citando outros autores que executaram projetos correlatos, seguida pela descrição do processo de canhoneio. Além disso, está inserida uma exposição de fluxo em meios porosos e uma definição da modelagem numérica, a qual serve de premissa para os estudos paramétricos. Por fim, descreve-se os conceitos de otimização que são utilizados na implementação do modelo de síntese e otimização. 2

12 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Estudos na área de Completação de poços são importantes, visto a relevância desta etapa no desempenho do poço de petróleo. Neste sentido, alguns trabalhos serão descritos abaixo no tocante do estudo de fluxo em poços canhoneados, da análise paramétrica das variáveis que influenciam a operação de canhoneio, bem como da aplicação de ferramentas de síntese e otimização. ANSAH et al. (2002) apresentaram um modelo numérico tridimensional de elementos finitos para solucionar o problema de fluxo em poços canhoneados, mostrando que o escoamento é influenciado por um conjunto de fatores. Desta forma, relacionaram o comprimento dos túneis, o diâmetro de entrada no revestimento, a densidade de tiros, o ângulo de fase entre as cargas e o dano provocado pelo canhoneio. Vale salientar que o modelo numérico estudado foi confrontado com resultados experimentais. Já em MATTA (2007) e em SILVA (2007), o problema de fluxo em poços canhoneados foi bem representado, utilizando um modelo tridimensional cujas cargas foram alocadas em espiral na parede do poço. Foram adotados, também, túneis cônicos e anisotropia de permeabilidade, além de considerar os danos da formação e do canhoneio. Vale destacar que os modelos utilizados foram validados em FREITAS et al. (2006). Adicionalmente foram realizados nesses trabalhos estudos paramétricos envolvendo fatores geométricos do túnel do canhoneado e propriedades físicas da rocha-reservatório. A partir dos resultados obtidos, pode-se observar a influência do parâmetro estudado na produtividade do poço. Desta forma, foi possível verificar que a extensão do túnel apresenta expressiva influência no desempenho do fluxo e, por conseguinte, na produtividade. Além disso, o dano à formação provocado, principalmente, pelo fluido de perfuração, afeta negativamente a vazão do fluido, reduzindo significativamente a produtividade do poço quando a permeabilidade do dano é reduzida. Outro fator relevante é a espessura do dano à formação, visto que quando o túnel do canhoneado penetra o dano e se estende pela rocha virgem, a produtividade é expressivamente melhorada, uma vez que ultrapassa a região de baixa permeabilidade. 3

13 O último aspecto que merece ser destacado é a anisotropia, a qual está relacionada com a orientação da permeabilidade e pode ter uma grande influência na produtividade. Por último, em MATTA (2007) foi aplicada uma ferramenta de síntese e otimização em algoritmos genéticos, na qual se pode observar que métodos de otimização baseados em algoritmos evolutivos são altamente recomendados em otimização de poços canhoneados, conseguindo analisar dados do canhoneio com eficiência e em menor tempo de análise global. 4

14 3 - PROCESSO DE CANHONEIO Para contextualizar o problema é necessário introduzir os conceitos inerentes ao processo de canhoneio de um poço de petróleo, o qual, antes de entrar em produção, necessita de uma série de operações. Estas, por sua vez, têm como objetivo equipá-lo de modo que sejam minimizadas as intervenções durante a sua vida produtiva, diminuindo assim os custos e os riscos envolvidos. A esse conjunto de atividades é dado o nome de completação. Ao ser perfurado, o poço na maioria das vezes necessita ser revestido com tubos de aço. Isso é feito com uma série de objetivos, entre eles possibilitar uma seletividade na produção ou injeção de fluidos em diversos intervalos de interesse, uniformizar o diâmetro do poço e dificultar seu desmoronamento ou colapso. O espaço anular entre esse revestimento e a formação é então cimentado para fixação. Uma das etapas da completação do poço é, portanto, restabelecer o contato poço-formação, permitindo o fluxo do óleo. Esse procedimento é chamado de canhoneio. Essa operação é responsável por gerar túneis, cuja geometria e propriedades físicas dependem das características do reservatório. Entretanto, ela também provoca danos na rocha, o que reduz o fluxo de fluido ao criar regiões de baixa permeabilidade devido à compactação dos poros rochosos, resultante da energia proveniente dos jatos das cargas durante a abertura dos túneis. Assim, é de vital importância que esse procedimento seja otimizado, para que os danos sejam diminuídos, aumentando a recuperação de óleo e conseqüentemente, os ganhos da produção. 3.1 Descrição do Processo O processo convencional de canhoneio emprega cargas explosivas dispostas em série dentro de canhões, que são cilindros de aço ou cápsulas fixadas a uma lâmina ou arames, onde as cargas se alojam, sendo estes responsáveis pelo isolamento entre o explosivo e o poço. Os canhões podem ser descidos por dentro da coluna de produção (through tubing guns), pelo interior do revestimento (casing guns), a cabo (wireline 5

15 guns) ou com a coluna de perfuração ou de produção (tubing conveyed perforating TCP), como mostra a Figura 1. Figura 1 - (a) Canhoneio convencional. (b) Canhoneio TCP. (c) Canhoneio através da coluna de produção. (Fonte: THOMAS, 2001) As cargas explosivas podem ser do tipo gun perforation, que é feito por balas de munição, ou jet perforation, que consiste em jatos com cargas moldadas. Esse último é o mais usado desde o final da década de 40 e evoluiu das armas militares da Segunda Guerra Mundial (OTT et al., 2003). O jet perforation tem como vantagem a maior penetração e o menor risco de destruição da formação. Uma carga moldada para canhoneio a jato é constituída por um invólucro externo (Case), uma carga principal de alto explosivo, uma carga iniciadora (Primer) e um liner (revestimento cônico metálico), conforme a Figura 2. 6

16 Figura 2 - Carga de um perfurador. (Fonte: MATTA, 2007 modificada) O invólucro externo é um vaso de contenção projetado para suportar as forças de detonação da carga durante a formação do jato. Este invólucro é também importante na prevenção de interferências com as cargas adjacentes, ao longo da seqüência de disparos. Pode ser fabricado com aço, zinco ou alumínio e a precisão nas tolerâncias de projeto e fabricação são parâmetros importantes no desempenho dos disparos. A carga iniciadora realiza a ligação entre o cordão detonante e a carga principal de explosivo. É geralmente composta por um material explosivo de maior sensibilidade, reforçando o sinal de detonação do cordão detonante para a carga principal. O liner, revestimento cônico metálico, ou ainda simplesmente cone, é colapsado sob a força de detonação da carga principal, contribuindo para a formação do jato, conforme ilustrado na Figura 3. Inicialmente, os liners eram fabricados de metal sólido. Estas cargas produziam com sucesso, jatos de alta densidade, mas tendendo a tampar o túnel canhoneado com grande quantidade de resíduos. Já nas cargas mais modernas os liners são fabricados com uma mistura de metais pulverizados, que produzem jatos com densidade suficiente para uma grande penetração na formação, com uma razoável redução na quantidade de resíduos. Os materiais que comumente compõem os liners podem ser cobre, zinco, tungstênio, estanho e chumbo (MATTA, 2007). Além disso, existem vários tipos de cargas explosivas com diferentes propriedades, as quais conferem características especificas aos canhoneados como, por exemplo, as cargas deep penetration (DP), super deep penetration (SDP), big hole (BH), super big hole (SBH), entre outras. A escolha do tipo de carga a ser usada é de 7

17 extrema importância, uma vez que as cargas DP e SDP conferem maiores profundidades no túnel e as BH e SBH atribuem maiores diâmetros de entrada. Figura 3 - Detonação da carga de um perfurador e a formação de jato. (Fonte: MATTA, 2007) 3.2 Classificação O processo de canhoneio pode ser classificado quanto à pressão exercida pelo disparo junto à formação. Ele pode ser Overbalance, Underbalance ou Extreme Overbalance, como ilustrado na Figura 4. 8

18 Figura 4 - Classificação do canhoneio. (Fonte: SILVA, 2007 modificada) Overbalance Até o final da década de 40, a maioria das operações de canhoneio realizadas utilizavam lama de perfuração como fluido de amortecimento e diferencial de pressão no sentido poço/formação, caracterizando o canhoneio sobre-balanceado ou Overbalance. Devido a esse diferencial de pressão, logo após o canhoneio ocorre uma invasão do fluido de completação dentro da área canhoneada, contaminando as imediações do poço. Havendo uma incompatibilidade entre o fluido e as argilas da formação, a invasão do fluido pode provocar um dano tal que só seja possível a descontaminação através de tratamento químico específico, o que acarretaria mais gasto com o poço. O fluxo iniciado após o disparo empurra os resíduos dos explosivos, do cimento e do revestimento, assim como outras partículas existentes na lama ou no fluido de completação, em direção aos poros da formação. Este fenômeno é chamado tamponamento e ocorre devido à compactação dos detritos da explosão nos poros da 9

19 formação, o que dificulta o fluxo de fluido da formação em direção ao poço, implicando em queda de produtividade (SILVA, 2007). Uma vantagem do processo Overbalance, é que o poço fica automaticamente amortecido durante o canhoneio, tornando a operação mais segura e, portanto sendo favorável que os disparos ocorram antes que a completação do poço esteja totalmente finalizada (MATTA, 2007) Underbalance Estudos indicaram que a indução de um fluxo, da formação para o poço, imediatamente após o canhoneio, implicava uma melhoria significativa na produtividade dos canhoneados, uma vez que possibilitava a remoção de parte dos resíduos existentes no interior dos furos e da matriz da formação. Se um diferencial de pressão no sentido formação/poço fosse aplicado no momento do disparo das cargas, caracterizando um canhoneio sub-balanceado ou Underbalance, utilizando ainda um fluido limpo em frente à zona a ser canhoneada, resultados melhores poderiam ser obtidos. Esse diferencial de pressão é, neste caso, favorável à limpeza dos detritos do canhoneio imediatamente após a explosão, prevenindo assim o tamponamento. Outra vantagem é que, se o fluxo tende a ser da formação para o poço, então também não deve haver contaminação da formação pelo fluido de completação. Neste tipo de canhoneio é necessário que o poço seja totalmente completado antes de se iniciar o processo, visto que a pressão negativa no mesmo, em relação à formação, indica que logo que os disparos ocorram, o poço dará início à produção do fluido do reservatório. Esta capacidade de início imediato da produção é uma das principais vantagens deste método. Em geral, o Underbalance é muitas vezes preferível ao Overbalance, devido à limpeza dos detritos da explosão, o que desobstrui as vias para escoamento do fluido da formação. Entretanto, além do custo adicional devido à segurança do poço, para reservatórios de gás altamente pressurizados, o canhoneio Overbalance pode obter melhores resultados do que o Underbalance (SILVA, 2007). 10

20 3.2.3 Extreme Overbalance Objetivando encontrar possíveis soluções para o problema do dano causado pelo canhoneio em poços de petróleo, em 1988, a partir de diversas idéias, optou-se pelo aperfeiçoamento da técnica que utilizava um alto diferencial de pressão no sentido poço/formação no momento do canhoneio, conhecida como Extreme Overbalance Perforating EOP. O uso desta técnica busca basicamente limpar os túneis dos canhoneados dos resíduos sólidos ou depositados, resultantes do disparo das cargas, e criar fraturas de pequena penetração e alta condutividade que ultrapassem a região danificada pelo fluido de perfuração e pelo próprio canhoneio, ampliando o raio de drenagem do poço. Dois processos são combinados para atingir esses objetivos: o grande excesso de pressão e a ação do fluxo de fluido e gás pelos canhoneados, no momento do disparo das cargas, asseguram a completa remoção de quaisquer resíduos que possam bloquear a entrada dos canhoneados, forçando-os para o fundo dos túneis; a alta pressão no poço resulta em ruptura abrupta da formação, criando fraturas radiais, de pequena penetração, a partir do túnel canhoneado, cuja extensão ultrapassa a zona danificada pelo fluido de perfuração e pelo próprio canhoneio do poço. O resultado desse processo representa uma eficiência de quase 100% do canhoneio, com a maioria dos canhoneados aptos a contribuir para o fluxo de hidrocarbonetos (SILVA, 2007). 11

21 4 - FLUXO EM MEIOS POROSOS O estudo de fluxo em meios porosos é importante para a definição da formulação dos estudos paramétricos, bem como na compreensão da função de avaliação do modelo de otimização proposto neste trabalho. Desta forma, adicionalmente, ao descobrir uma acumulação de petróleo deve-se estimar a quantidade de hidrocarbonetos e o tempo de produção desta jazida, sendo necessário o conhecimento das leis que regem o movimento dos fluidos nos meios porosos. Para as diversas situações em que os reservatórios se encontram são desenvolvidas soluções que se baseiam em uma equação conhecida como equação da difusividade hidráulica ou simplesmente equação da difusividade. Ela é obtida a partir da associação de três equações: da equação da continuidade, que é uma equação de conservação de massa; da equação de Darcy, que é uma equação de transporte de massa; e, de uma equação de estado, que tanto pode ser uma lei dos gases como a equação da compressibilidade para o caso dos líquidos. Para a obtenção da equação da difusividade hidráulica admitiu-se a hipótese de o meio poroso ser homogêneo e isotrópico. Além disso, o fluxo deve ser estritamente horizontal e isotérmico, o poço deve penetrar totalmente a formação, a permeabilidade deve ser constante, deve haver pequenos gradientes de pressão, o fluido e a rocha devem ter compressibilidade pequena e constante, a viscosidade do fluido deve ser constante, as forças gravitacionais desprezíveis e, por fim, fluidos e rochas não reagentes entre si. Para o desenvolvimento das equações será utilizado um elemento de meio poroso através do qual está ocorrendo o fluxo de um fluido, cuja saturação é igual a 100%, ou seja, é o único fluido presente no meio. O elemento em questão tem a forma de um paralelepípedo com dimensões Δx, Δy e Δz, e o fluxo através do mesmo será estudado durante um intervalo de tempo Δt (ROSA et al., 2006). 12

22 Figura 5 - Elemento de um meio poroso. (Fonte: ROSA et al., 2006) 4.1 Equação da Continuidade A equação da continuidade afirma, basicamente, que a diferença entre a massa que entra e a massa que sai nas três direções de fluxo é igual à variação de massa dentro do meio poroso no Δt considerado. Ela é descrita por: (1) onde ν x, ν y, e ν z são as velocidades aparentes do fluido nas direções x, y e z respectivamente, ρ é a massa específica e φ é a porosidade. As velocidades aparentes do fluido são descritas por: (2) (3) 13

23 (4) onde q x, q y e q z são as vazões de entrada e de saída nas três direções. 4.2 Equação de Darcy Em 1856, em Dijon, França, Henry Darcy a partir de uma das suas experiências apresentou uma relação matemática que se tornou a base para a compreensão do fenômeno do escoamento de fluidos através de meios porosos. Em seus experimentos, Darcy estudou o fluxo de água através de um filtro de areia horizontal. A formulação geral dessa lei é usualmente feita na forma diferencial, deste modo: (5) onde ν é a velocidade macroscópica do fluxo, µ é a viscosidade do fluido, k é a constante de permeabilidade do meio e dp/ dl é o gradiente de pressão na direção do fluxo. Para os casos em que os efeitos gravitacionais sobre o fluxo são desprezíveis, a seguinte equação diferencial para o escoamento do fluido pode ser obtida: (6) onde k x, k y, k z são as permeabilidades do meio poroso nas direções x, y e z, respectivamente. 14

24 4.3 Equação de Estado As equações de estado são aquelas que representam as compressibilidades dos fluidos e da rocha, para o caso dos líquidos. A compressibilidade dos fluidos é dada por: (7) e a compressibilidade da rocha é dada por: (8) Assim, a compressibilidade total do meio é dada pela soma dessas duas compressibilidades: (9) A introdução das equações (7), (8) e (9) na equação diferencial do escoamento (6) e a consideração de que a compressibilidade e a viscosidade do fluido são constantes, permitem a conclusão: (10) A equação (10) pode ser também escrita em termos da pressão do fluido no reservatório: 15

25 (11) Para um meio poroso homogêneo e isotrópico, as permeabilidades nas três direções são iguais, ou seja, k x =k y =k z =k. Além disso, tanto a compressibilidade do líquido como os gradientes de elevação são, em geral, valores muito pequenos, de modo que, quando elevados ao quadrado, resultam em termos muito menores ainda. Assim, mostram-se desprezíveis quando comparados com os outros termos da equação, o que está de acordo com o desenvolvimento deste trabalho, onde se considera o fluido incompressível. Assim, a equação da difusividade hidráulica pode ser escrita de forma mais compacta como: (12) onde η é a constante de difusividade hidráulica e é dada por: μ (13) 4.4 Soluções da Equação da Difusividade As soluções da equação da difusividade podem ser dadas para sistemas lineares e radiais. Nesse trabalho, o único regime de fluxo tratado é o permanente, assim só serão apresentadas soluções nesse regime. Deve ser salientado que as soluções a serem apresentadas foram todas obtidas considerando-se que a vazão no ponto de coordenada x = 0 para o caso de fluxo linear, ou r = r w (raio do poço) no fluxo radial, é constante. 16

26 4.4.1 Fluxo Linear Para um sistema de fluxo linear, ou seja, quando há apenas uma direção de fluxo, a direção x, por exemplo, os termos referentes às direções y e z são iguais a zero e a equação da difusividade se reduz a: (14) As equações para fluxo linear permanente descrevem o movimento de um fluido em um meio poroso linear limitado, de comprimento L e área aberta ao fluxo A. Figura 6 - Fluxo linear em um reservatório com alimentação no limite externo. (Fonte: ROSA et al., 2006) Nesse regime de fluxo, tanto a vazão quanto a pressão não variam com o tempo. Assim, a equação da difusividade toma o aspecto: 0 (15) Assim, inserindo as condições de contorno para as pressões e resolvendo para pressão e para a vazão, a solução da equação da difusividade para regime de fluxo linear e permanente pode ser escrita, de forma reduzida, como: 17

27 (16) onde: (17) Fluxo Radial Admitindo-se que não há fluxo no sentido vertical, a equação da difusividade pode ser escrita, em coordenadas cilíndricas, como: (18) As equações para regime permanente descrevem o movimento do fluido em um meio poroso cilíndrico, de raio da base igual a r e e altura h, com um poço de raio r w situado no seu centro. Figura 7 - Fluxo radial permanente. (Fonte: ROSA et al., 2006) 18

28 Novamente, em regime de fluxo permanente, tanto a vazão quanto a pressão não variam com o tempo. Assim, a equação da difusividade toma o aspecto: 0 (19) Assim, inserindo as condições de contorno para as pressões e resolvendo para pressão e para a vazão, a solução da equação da difusividade para regime de fluxo radial e permanente pode ser escrita, de forma reduzida, como: (20) 19

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

TÍTULO: ESTUDOS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA NA ESTIMULAÇÃO DE POÇOS EM RESERVATÓRIOS CARBONÁTICOS

TÍTULO: ESTUDOS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA NA ESTIMULAÇÃO DE POÇOS EM RESERVATÓRIOS CARBONÁTICOS TÍTULO: ESTUDOS DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA NA ESTIMULAÇÃO DE POÇOS EM RESERVATÓRIOS CARBONÁTICOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA

Leia mais

Completação. Prof. Delmárcio Gomes

Completação. Prof. Delmárcio Gomes Completação Prof. Delmárcio Gomes Ao final desse capítulo, o treinando poderá: Explicar o conceito de completação; Diferenciar os tipos de completação; Identificar as etapas de uma intervenção de completação;

Leia mais

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS

3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3 ALGORITMOS GENÉTICOS : CONCEITOS BÁSICOS E EXTENSÕES VINCULADAS AO PROBLEMA DE MINIMIZAÇÃO DE PERDAS 3.1 - Conceitos Básicos Entendemos como algoritmo um conjunto predeterminado e bem definido de regras

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

Algoritmos Genéticos

Algoritmos Genéticos UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Algoritmos Genéticos Rafael Xavier e Willyan Abilhoa Outubro/2012 www.computacaonatural.com.br

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática

Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Conceitos Básicos de Algoritmos Genéticos: Teoria e Prática Thatiane de Oliveira Rosa 1, Hellen Souza Luz 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa

Leia mais

2. Produção de sólidos em poços de petróleo

2. Produção de sólidos em poços de petróleo 2. Produção de sólidos em poços de petróleo A produção de partículas sólidas, em poços de petróleo produtores, durante a extração de fluídos em um campo de petróleo é denominada produção de areia ou produção

Leia mais

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos

SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos SLAG - Resolvendo o Problema do Caixeiro Viajante Utilizando Algoritmos Genéticos Fredson Vieira Costa 1, Fábio Silveira Vidal 1, Claudomiro Moura Gomes André 1 1 Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

- Computação Evolutiva -

- Computação Evolutiva - - Computação Evolutiva - Prof. Dr. Cícero Garrozi DEINFO - UFRPE PPGIA@UFRPE cicerog@gmail.com Site da disciplina: http://cicerog.blogspot.com Sumário Situando a Computação Evolucionária Metáfora principal

Leia mais

Introdução às Redes Neurais Artificiais

Introdução às Redes Neurais Artificiais Introdução às Redes Neurais Artificiais Treinamento via Algoritmos Genéticos Prof. João Marcos Meirelles da Silva http://www.professores.uff.br/jmarcos Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico

Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS Perspectivas da Produção de Óleo e Gás pelo Método de Fraturamento Hidráulico Wilson Trigueiro de Sousa Carlos Mouallem

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS

ALGORITMOS GENÉTICOS ALGORITMOS GENÉTICOS INTRODUÇÃO São métodos adaptativos que podem ser usados para resolver problemas de busca e otimização. Na natureza a combinação de boas características provenientes de diferentes indivíduos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT Rafael Soares da Silva 1 ; Hícaro Hita Souza Rocha 2 ; Gabriel Bessa de Freitas Fuezi Oliva

Leia mais

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção).

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção). 10 CICLONES ENTRE OS EQUIPAMENTOS DE SEPARAÇÃO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS OU DE GOTÍCULAS LÍQUIDAS, DO TIPO CENTRÍFUGO, O MAIS AMPLAMENTE USADO É O CICLONE. 10.1 VANTAGENS DO CICLONE a) Baixo custo. b) Não

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Avaliação da Formação

Avaliação da Formação Avaliação da Formação 01. Conceito Estudos e Atividades que visam avaliar qualitativamente e quantitativamente o potencial uma jazida petrolífera, ou seja, a sua capacidade produtiva e a valoração das

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Completação Inteligente

Completação Inteligente Petróleo Orientador: Profº Robson Dourado Completação Inteligente Grupo de trabalho: Bruno Luiz Dias dos Santos José Maria Soares Luis Carlos Laranjeira Petroleum - petra = pedra - oleium = óleo Resultado

Leia mais

Computação BioInspirada

Computação BioInspirada Computação BioInspirada Os Engenheiros da Natureza Fabrício Olivetti de França The reasonable man adapts himself to the world; the unreasonable one persists in trying to adapt the world to himself. Therefore

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009

Algoritmos Genéticos: Aspectos Práticos. Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 : Aspectos Práticos Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Junho/2009 Principais Tópicos População Inicial Funções Objetivo de Alto Custo Critérios de Parada Convergência Prematura Diversidade Tipos de Substituição

Leia mais

2 A Construção de Poços Off Shore

2 A Construção de Poços Off Shore 2 A Construção de Poços Off Shore A área de construção de poços evoluiu significativamente nas últimas décadas, principalmente, em função das dificuldades encontradas na execução de projetos cada vez mais

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1

Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Artigos Aplicativo visual para problemas de transferência de calor 1 Lin Chau Jen, Gerson Rissetti, André Guilherme Ferreira, Adilson Hideki Yamagushi, Luciano Falconi Coelho Uninove. São Paulo SP [Brasil]

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest )

Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest ) Generalidades A metáfora Biológica Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest ) Operadores Genéticos (Mendel) - recombinação (crossover ) - mutação (mutation ) Algoritmos

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores

USP EEL - Escola de Engenharia de Lorena Reatores Aula 1 Introdução a Engenharia de Reatores 1 - Introdução A cinética química e o projeto de reatores estão no coração de quase todos os produtos químicos industriais. É, principalmente, o conhecimento da cinética química e o projeto do reator que

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Maio de 2012 Completação Objetivo da Completação Deixar o poço

Leia mais

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE PVC EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS.

APLICAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE PVC EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS. APLICAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE PVC EM POÇOS TUBULARES PROFUNDOS. Cesar Bianchi Neto 1, Fernando Wili Bastos Franco Filho 1 e Flavio Luis Fernandes 1 Resumo - O incremento na aplicação de revestimentos em

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos

Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos Ajuste dos parâmetros de um controlador proporcional, integral e derivativo através de algoritmos genéticos ADJUSTMENT OF CONTROLLER PID S PARAMETERS OF GENETIC ALGORITHMS Luiz Eduardo N. do P. Nunes Victor

Leia mais

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR ANAIS (A30B) Vs^>/ RIO TRABALHO PAPE» 1M5 COBEM 81 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECÂNICA DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 N. A-14 P.P. 145-151 PROCEEDINGS I Ifcl " ü* PUC/RJ ESTUDO ANALÍTICO

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

BC-0005 Bases Computacionais da Ciência. Modelagem e simulação

BC-0005 Bases Computacionais da Ciência. Modelagem e simulação BC-0005 Bases Computacionais da Ciência Aula 8 Modelagem e simulação Santo André, julho de 2010 Roteiro da Aula Modelagem O que é um modelo? Tipos de modelos Simulação O que é? Como pode ser feita? Exercício:

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO RESFRIAMENTO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS EM AERONAVES Rafael Bernardo Cardoso de Mello IC rafael@redecasd.ita.br Divisão de Engenharia Aeronáutica Cláudia Regina de Andrade PQ - claudia@mec.ita.br

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

1Introdução 20. 1 Introdução

1Introdução 20. 1 Introdução 1Introdução 20 1 Introdução Quando um poço de petróleo é perfurado e o mesmo atravessa um reservatório portador de uma estrutura mineralógica onde os grãos da rocha reservatório não estão suficientemente

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA LINHA D ÁGUA EM UMA SEÇÃO DE TRANSIÇÃO DE UM CANAL COM MOVIMENTO GRADUALMENTE VARIADO, EM FUNÇÃO DA DECLIVIDADE DOS TALUDES. Rejane

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos

Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos 1. Introdução Verificação de Impressões Digitais usando Algoritmos Genéticos Matheus Giovanni Pires, Fernando Vieira Duarte, Adilson Gonzaga Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo Política de Troca de Brocas de Perfuração Autor Crystal Ball Sumário Quando perfurando certos tipos de terrenos, a performance de uma broca de perfuração diminui com o tempo devido ao desgaste. Eventualmente,

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

Algoritmos Genéticos (GA s)

Algoritmos Genéticos (GA s) Algoritmos Genéticos (GA s) 1 Algoritmos Genéticos (GA s) Dado um processo ou método de codificar soluções de um problema na forma de cromossomas e dada uma função de desempenho que nos dá um valor de

Leia mais

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula

15.053 Quinta-feira, 14 de março. Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 15.053 Quinta-feira, 14 de março Introdução aos Fluxos de Rede Handouts: Notas de Aula 1 Modelos de Rede Modelos de programação linear que exibem uma estrutura muito especial. Podem utilizar essa estrutura

Leia mais

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios

Curso Prático & Objetivo Direitos Autorais Reservados. Fluidos de Reservatórios Fluidos de Reservatórios Esquematicamente, os fluidos de reservatórios são três: óleo, água e gás. A interação entre os fluidos é estudada em uma célula PVT, equipamento de laboratório onde se pode misturar

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2

INFORMAÇÕES TÉCNICAS - - Fig. 3. Fig. 2 Fig. 1 02 Fig. 3 Fig. 2 03 INFORMAÇÃO TÉCNICA SOBRE VÁLVULAS DE PULSO 1 8 9 10 A ASCO possui uma ampla linha de válvulas de pulso para o mercado de filtros de manga com acessórios que permitem monitorar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO

ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO ALGORITMO PARA O DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE UMA REDE MALHADA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA A PARTIR DO SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior ; Manoel Lucas Filho Resumo - O dimensionamento de

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO

ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO ALGORITMO HÍBRIDO PARA SISTEMAS DE RECOMENDAÇÃO UTILIZANDO FILTRAGEM COLABORATIVA E ALGORITMO GENÉTICO Renan de Oliveira Yamaguti Faculdade de Engenharia de Computação / CEATEC renan.yamaguti@terra.com.br

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM CONCENTRADOR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS.

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM CONCENTRADOR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS. PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM CONCENTRADOR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA AQUECIMENTO DE FLUIDOS. Paula Cordeiro Rodrigues da Cunha (*), Kássia Graciele dos Santos, Patrícia Moisés Urias, Karla Santos de Araújo

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais

Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais Valdson S. Cleto 1, Routo Terada 1 1 Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo (USP) São Paulo SP Brazil vcleto@gmail.com,

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos.

Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos. Problemas Multi-modais e Distribuições Espaciais em Algoritmos Genéticos. Thiago da Mota Souza Coordenação de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Centro de Tecnologia Universidade Federal do Rio de

Leia mais

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES

5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES 5 VASOS SEPARADORES, ACUMULADORES E DECANTADORES SÃO EQUIPAMENTOS MUITO USADOS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PARA VÁRIAS FUNÇÕES, ENTRE ELAS: MISTURA OU SEPARAÇÃO DE FASES DISSOLUÇÃO AQUECIMENTO NEUTRALIZAÇÃO CRISTALIZAÇÃO

Leia mais

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes

Lingotes. Estrutura de solidificação dos lingotes Lingotes Estrutura de solidificação dos lingotes Genericamente é possível identificar três regiões diferentes em um lingote após solidificação de uma liga metálica: - a região mais externa denominada zona

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFC Universidade Federal de anta Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento FLUIDIZAÇÃO A fluidização baseia-se fundamentalmente na circulação

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D

PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D PACOTE SOLIDWORKS SIMULATION SOLUÇÕES DE ENGENHARIA 3D PROJETO E ENGENHARIA 3D ORIENTADOS POR SIMULAÇÃO Fábricas de todos os setores tornaram a simulação virtual 3D uma ferramenta de engenharia valiosa

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais