Centro de Serviços Compartilhados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Serviços Compartilhados"

Transcrição

1 Centro de Serviços Compartilhados Conceitos e principais discussões da literatura Prof. Samir Lótfi 2012

2 SÍNTESE DA APRESENTAÇÃO CONCEITUAL Definições e premissas sobre o conceito Benefícios e riscos na adoção do modelo CSCs versus concentração e outsourcing Principais processos e princípios operacionais Implementação e fatores críticos de sucesso Gestão de pessoas, serviços e de T.I. em CSCs

3 A ORIGEM DO CONCEITO E DO MODELO DE CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Em meados das décadas de 60 e 70, artigos executivos publicados nos Estados Unidos já faziam referência ao conceito, utilizado por empresas que compartilhavam, entre si, armazéns, para estoque e distribuição de seus produtos (FRIEDMAN, 1975). Os centros de serviços compartilhados no modelo até hoje utilizado surgiram na década 80, em empresas como a Hewlett- Packard (HP) e, especialmente, a General Eletric (GE). Após perseguir por anos uma estratégia de descentralização, a GE percebeu que possuía em sua estrutura 45 sistemas de contas a pagar, 44 de livros/razões contábeis e 37 de ativos fixos. Com a implementação de um CSC, a empresa reduziu em 80% o número de sistemas financeiros (MECHLING; SCHWARZ, 2007).

4 ALGUMAS EMPRESAS PELO MUNDO QUE POSSUEM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS

5 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL BA PR SP MG RJ SC MG RJ SP BA SC PR

6 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL MG voltar

7 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL SP voltar

8 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL RJ voltar

9 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL BA voltar

10 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL SC voltar

11 EMPRESAS COM CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NO BRASIL PR voltar

12 DEFINIÇÕES PARA CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Os serviços compartilhados consistem em um ambiente no qual uma determinada empresa pode absorver atividades que apoiam os principais processos do negócio de cada uma de suas demais unidades de negócio, consolidando tais atividades em uma unidade de operação principal. (SILVA et al., 2006, p. 22) Estratégia na qual diversas funções de negócios existentes são concentradas dentro de uma nova e semiautônoma unidade de negócio, que tem uma estrutura gerencial designada para promover eficiência, geração de valor, redução de custos e melhoria nos serviços para clientes internos da empresa como se fosse um negócio competindo no mercado aberto. (BERGERON, 2003, p.3) A concentração dos recursos da empresa atuando com atividades, difundidas através da organização, a fim de servir a múltiplos parceiros internos, a baixo custo e com alto nível de serviços, com o objetivo comum de satisfazer os clientes externos e acrescentar valor à empresa. (SCHULMAN, 2001, p. 9).

13 MOTIVADORES E BENEFÍCIOS NA ADOÇÃO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Argumentos em custos Argumentos em serviços Argumentos estratégicos Economias de escala e escopo Localização em áreas que permitem reduções de custos trabalhistas Alavancagem das compras por meio da consolidação de fornecedores Maior expertise por meio da especialização Transparência e accountability As expectativas são gerenciadas por meio de acordos de níveis de serviços (ANS) Padronização e otimização de processos O conhecimento é retido dentro da organização e pode ser escalonado para outras atividades Redução da dependência de partes terceiras (problemas de hold up) Facilidade da alta gerência (nível corporativo) para acesso a informações, mais uniformes e acuradas Foco no core business Fonte: MECHLING; SCHWARZ, 2007.

14 MOTIVADORES E BENEFÍCIOS NA ADOÇÃO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Os motivos que levam à escolha da organização em utilizar serviços fora de seus domínios contemplam quatro dimensões: 1. Estratégia e organizacional - onde melhor alocar as atividades de staff. 2. Política - razões intrínsecas que podem fazer com que um CSC se instale em determinada localidade. 3. Técnica - as possibilidades tecnológicas de uma região pode torná-la mais atrativa a um CSC. 4. Econômica - busca de economias de escala com um centro de atividades compartilhadas. Fonte: DA CUNHA, 2011.

15 MOTIVADORES E BENEFÍCIOS NA ADOÇÃO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS (MUNDO) Menores custos 87% Especialização Flexibilidade em contratação 61% 69% Infraestrutura / Maior escala Pressões políticas / aspectos internos 46% 52% Busca por qualidade 35% Busca por talentos 26% Expansão geográfica Outros 17% 13% Fonte: DELOITTE, 2011.

16 MOTIVADORES E BENEFÍCIOS NA ADOÇÃO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS (BRASIL) Redução de custos 81% Melhoria dos processos 71% Melhoria dos níveis de serviço 42% Aumento dos controles Estratégias corporativas (fusões e aquisições de novos negócios) Implementação de ERP único Acurácia na obtenção de informações 29% 27% 24% 22% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007

17 ASPECTOS NOS QUAIS CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS GERAM IMPACTOS POSITIVOS 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Redução de custos Nível de controles Eficiência de processos Escalabilidade Visibilidade de informações Habilidade para garantir normas e padrões Qualidade de processos Aperfeiçoamento no nível de serviços Foco no core business Comparabilidade intra-organizacional Sinergias em F&A Níveis de serviços Capital de giro Desenvolvimento de novos talentos Vantagens tributárias 29% 26% 22% 20% 20% 19% 18% 15% 15% 12% 11% 11% 9% 8% 3% 25% 62% 59% 65% 63% 63% 57% 63% 63% 51% 62% 31% 57% 43% 55% Impacto significativamente positivo Impacto positivo Fonte: DELOITTE, 2011.

18 RAZÕES PARA NÃO IMPLEMENTAR UM CSC (BRASIL) Desconhecimento do modo de operação 29% Custos do processo de implantação 21% Baixa expectativa de sucesso 21% Barreira tecnologica para a implantação Estrutura organizacional da empresa excessivamente fragmentada 8% 10% Cultura empresarial inflexível para mudança 4% Estrato de empresas que não contam com CSC Fonte: DELOITTE, 2011.

19 ALGUNS FATORES DESFAVORÁVEIS E DE RISCO Perda de controle dos custos de implementação (infraestrutura, realocação de pessoas, treinamento etc.). Gerentes funcionais de áreas/unidades de negócios podem ver reduzidas suas responsabilidades e poder na tomada de decisão. Falta de comprometimento da cúpula estratégica em garantir os recursos necessários ao CSC e à utilização de seus serviços. Insatisfação do cliente interno em relação ao serviço prestado, mesmo quando os resultados tangíveis são atingidos. Possível rigidez na execução do serviço, eliminando a criatividade, customização e a prontidão para mudar.

20 ALGUNS FATORES DESFAVORÁVEIS E DE RISCO Possibilidade de não aceitação e resistência a uma nova unidade de CSC (longo tempo de adaptação e mudanças culturais, sociais e tecnológicas). Problemas específicos no gerenciamento de pessoas (planos de carreira e motivação no trabalho). Baixo desenvolvimento de novas práticas (clientes e a corporação demandam atividades repetitivas). A distância física pode ser desfavorável ao relacionamento entre as áreas, acarretar em problemas de comunicação (gestão de T.I.) e gerar perda de controle por parte da corporação. Fonte: DA CUNHA, 2011.

21 MOTIVOS QUE LEVAM ÁREAS/UNIDADES DE NEGÓCIOS A SAÍREM DE CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Incapacidade do CSC em dar suporte remoto aà unidade de negócios 48% Falta de capacidade de resposta dos serviços 35% Qualidade ruim 28% Maiores custos 28% Incapacidade de controlar as operações do CSC 17% Outros 30% Fonte: DELOITTE, 2011.

22 DIRETRIZES PARA CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Ser dirigida pela competitividade do mercado, sendo seus serviços equivalentes aos produtos de uma empresa de serviços. Incorporar a visão de uma empresa semiautônoma, com ideologia organizacional e diretrizes estratégicas específicas. Estar orientada a processos e focalizar atividades específicas dentro dos processos (especialização). Alavancar os investimentos tecnológicos e perseguir a melhoria contínua. Estabelecer orientação de parceria com as demais unidades de negócio com as quais se relaciona, indo além da noção tradicional de serviço ou suporte ao cliente. Fonte: SILVA et al., 2006, p. 24

23 DIRETRIZES PARA CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS Os serviços são de posse, dirigidos e contratados pelos clientes, demais negócios da corporação. A orientação deve ser dirigida para o que os clientes querem e precisam, não para os serviços que o grupo quer prestar. Clientes e os provedores de serviços compartilham a oportunidade, após certo período de transição, de fornecer serviços para partes externas. Os clientes são responsáveis por gerenciar suas demandas por serviços e trabalhar com o provedor (CSC) em prol de baixos custos. Fonte: QUINN et al., 2000.

24 POR QUE SERVIÇOS COMPARTILHADOS NÃO SÃO O MESMO QUE CENTRALIZAÇÃO OU CONSOLIDAÇÃO Serviços compartilhados O papel é o de promover produtos e serviços com custo, qualidade e rapidez que atendam as necessidades de clientes internos. Permitem a clientes internos selecionar serviços e níveis de serviços, com base no que querem e estão dispostos a pagar. Cobram custos integrais (por absorção) por seus produtos e serviços. Não necessariamente, ou idealmente, seguem as normas e políticas da corporação. Centralização e consolidação O papel é o de promover produtos e serviços a razoáveis custos, qualidade e rapidez, que atendam as necessidades da corporação. Geralmente oferece um amplo conjunto de produtos e serviços sob níveis considerados razoáveis. Os custos de quaisquer operações e transações tendem a ser alocados nos negócios/divisões com margens adicionais (custo padrão). Seguem as normas e políticas da corporação. Quinn et al., 2000

25 CSC VERSUS OUTSOURCING Os motivos que levam à escolha por se implantar um CSC são em grande parte os mesmos que justificam o outsourcing (DA CUNHA, 2011). Ambos os seus serviços através de contratos com o grupo corporativo (ULBRICH, 2006). A grande diferença entre o outsourcing e a Central de Serviços Compartilhados está baseada em questões legais, dado que o outsourcing é provido por um terceiro, enquanto o serviço compartilhado faz parte do grupo corporativo (ULBRICH, 2003). A disponibilidade no mercado de provedores dos serviços e a competência dos mesmos também influenciam na decisão entre CSC ou outsourcing (GOSPEL; SAKO, 2010). Os custos de transação e nível de especificidade de ativos representam, portanto, importante peso na balança...

26 COMPARAÇÃO ENTRE CSC E OUTSOURCING Os CSCs conseguem oferecer um serviço mais específico à organização, que detém maior controle e consegue reter conhecimentos e expertise. Também favorecem que as atividades de suporte sejam realizadas de acordo com a cultura da corporação. O modelo de CSC é mais indicado para obtenção de ganhos estratégicos de médio e longo prazo (lógica de parceria). Por outro lado, a opção de outsourcing tende a ter maior rapidez para início das atividades externas à organização, que também não incorre em investimentos iniciais. Fonte: DA CUNHA, 2011.

27 PRINCIPAIS SETORES DE ATUAÇÃO DE EMPRESAS QUE POSSUEM CSC (BRASIL E MUNDO) Serviços financeiros Imobiliário 5% 3% Serviços públicos 5% Recursos globais 8% Aviação e Saúde serviços de 1% transporte 3% Bens de consumo e varejo 36% Serviços financeiros 6% Varejo 7% Energia 8% Setor Mídia público 4% 5% Hotelaria 2% Industria 20% Bens de consumo 17% Tecnologia, mídia e telecomunic ações 9% Manufatura 30% Conglomer ado 8% Saúde 8% T.I./Teleco m 15% Fonte: DELOITTE, 2007, 2011.

28 AS PRINCIPAIS FUNÇÕES CONDUZIDAS POR CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS SÃO RELATIVOS A SETE ÁREAS Financeiro 93% Recursos Humanos 60% Tecnologia da Informação 48% Logística / Suprimentos 47% Comercial/Suporte a Marketing 26% Imobiliário / Instalações 23% Legal/jurídico 19% 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral Fonte: DELOITTE, 2011.

29 PROCESSOS COMPARTILHADOS EM FUNÇÕES ESPECÍFICAS Fonte: BRIDELLI et al., 2005.

30 PROCESSOS CONDUZIDOS POR CSCS DE EMPRESAS BRASILEIRAS Contas a pagar Escrituração Fiscal Contabilidade Tesouraria Tecnologia da informação Folha de pagamento Contas a receber Gestão Financeira Relatórios Gerenciais Gestão de capital humano Suprimentos Suporte administrativo Help Desk Entrada de pedidos Atendimento ao cliente Outros 29% 34% 63% 61% 61% 59% 54% 49% 44% 83% 78% 78% 76% 76% 76% 76% Fonte: DELOITTE, 2011.

31 PROCESSOS TERCEIRIZADOS POR EMPRESAS BRASILEIRAS Help Desk 45% Atendimento ao cliente 36% Tecnologia da informação 13% Suprimentos 8% Folha de pagamento Tesouraria Contas a receber Contabilidade Entrada de pedidos Suporte administrativo Relatórios gerenciais Gestão financeira Contas a pagar 6% 6% 6% 6% 6% 5% 4% 4% 3% Fonte: DELOITTE, 2011.

32 RESPONSÁVEIS PELA CONDUÇÃO DE CSCS (BRASIL E MUNDO) Coordenador 8% Supervisor 3% Outros 2% Presidente 5% VP 25% Director 38% Gerente 41% Diretor 36% SVP 15% Superintende nte 5% CXO 12% Other 2% Manager 8% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007, 2011.

33 NÍVEL HIERÁRQUICO A QUEM O CSCS REPORTA (BRASIL E MUNDO) Supervisor 4% Outros 4% Coordenado r 4% Gerente 11% Presidente 21% Chief people Officer (CPO) 0% Other 28% Chief Financial Officer (CFO) 43% Superintend ente 15% Diretor 41% Chief Operating Officer (COO) Chief Administrati 2% ve Officer (CAO) 3% Controller 7% Chief Information Officer (CIO) 7% Chief Executive Officer (CEO) 10% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007, 2011.

34 MODELOS DE CSCS a. Centro de Serviços Compartilhados Único (Single Center): um único centro de serviços para processar todas as transações a serem compartilhadas. b. Centro Regional de Serviços Compartilhados ( Single Regional Centers): caracteriza-se por adotar um CSC para cada região geográfica, que irá processar todas as transações compartilhadas nessa dada região (ex: Europa, Américas, Ásia). c. Múltiplos Centros Regionais de Serviços Compartilhados (Multiple Regional Centers): caracterizam-se pela concepção de vários centros de serviços dentro de uma mesma região, para processar as respectivas transações compartilhadas em sub-regiões específicas. d. Múltiplos Centros de Serviços Compartilhados Funcionais (Multiple Functional Centers): caracterizam-se pela utilização de centros múltiplos numa dada região para processar transações muito específicas a serem compartilhadas na região como um todo (single) ou em parte dela (regional). Fonte: MARTINS; AMARAL, 2008.

35 PRINCÍPIOS OPERACIONAIS PARA CENTROS DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS 1. Não pode haver duplicidade das funções/processos nas unidades de negócios. 2. O CSC deve ter status de fornecedor exclusivo durante um período de adequação (18 a 24 meses), no qual as decisões de terceirização são rigorosamente avaliadas. 3. Os serviços são cobrados a custos integrais (por absorção). 4. Custos relacionados à governança são pagos pelo corporativo (devem ser ao menos bem declarados pelo CSC). 5. Os custos do CSC devem ser continuamente avaliados por benchmarking externo e feedback de avaliação dos clientes internos. Fonte: QUINN et al., 2000.

36 CENTROS DE ESCALA E CENTROS DE EXPERTISE Serviços Compartilhados Centros de escala Centros de expertise Benefícios e folha De pagamento Processamento financeiro Serviços de consultoria em RH Serviços de consultoria em T.I. Quinn et al., 2000

37 Modelo Hierárquico - Modelo Baseado na Visão Financeira CEO CXO COO CIO CFO CSC Prós Alto controle financeiro Boa gestão de números Foco em controle Foco em redução de custos Contra Pouco foco em demais áreas migradas para o CSC Pouco desenvolvimento do CSC Modelo Hierárquico - Modelo Baseado em Departamento CEO UN UN UN UN CSC Prós Utiliza conhecimento da unidade escolhida Padronização baseada no modelo da UN. Contra Equipe subordinada à U.N. em que atua, e não à corporação Conflitos entre gestores Internews (2010)

38 Modelo Hierárquico - Modelo Baseado em Unidade de Negócio Independente CEO UN UN UN CSC Prós Independência de gestão Foco em desenvolvimento do negócio Foco em Suporte ao cliente Contra Alto investimento inicial Resistência dos gestores poder e informação Modelo Hierárquico - Modelo Baseado em Holding (Corporativo) Prós Contra CEO UN UN UN CSC Foco no controle do negócio Baixa resistência dos gestores Foco em serviços de gestão de desempenho e relatórios corporativos CSC tende a desenvolverse como controladoria Internews (2010)

39 Evolução de centros de serviços compartilhados ao longo do tempo Redução de custos Redesenho e melhoria da produtividade Melhoria contínua e criação de valor Lucratividade e integração estratégica de serviços Custos alocados para unidades de negócios, que são estimuladas a usarem os serviços Clientes determinam a frequência e escopo dos serviços Unidades de negócio irão selecionar o provedor mais eficiente O CSC se estabelece como negócio que gera resultado para a empresa Redução de custos fixos com equipes de apoio Inclusão de serviços de maior valor agregado Serviços cobrados com base em preços de mercado Foco em direcionadores estratégicos da empresa Realização da especialização e economias de escala Acordos de níveis de serviços são negociados com unidades de negócios Unidades de negócios podem optar por terceirizar atividades (opt-out) Predomina relação de parceria estratégica com unidades de negócios Consolidação e padronização de processos transacionais Maior rapidez e acuracidade das informações O CSC se torna o fornecedor preferencial de serviços para as unidades de negócios Ocorre integração transparente com processos de outsourcing Custos são alocados nas unidades de negócios Ocorrem preços de transferência para alocar custos Possibilidade de oferta de serviços para clientes externos Existe alto percentual de clientes externos

40 AGENTES INDUTORES PARA A FORMAÇÃO DE UM CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS A implantação de um CSC pode ser proveniente de duas principais iniciativas: 1. liderada pela própria matriz da organização, por meio da criação de um projeto de implantação do CSC interno; 2. capitaneada por empresas terceiras, de consultoria, que trabalham especificamente para a instalação e implantação de CSCs. Independentemente de que forma ocorra a implementação do CSC, o agente que mantiver relações com o centro de serviços em sua formação vai ter grande influência na construção de valores e do ambiente socioinstitucional do CSC. Fonte: DA CUNHA, 2011.

41 ANÁLISE DE INVESTIMENTO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CSCS A avaliação do possível CSC deve ser similar à dos demais investimentos da empresa. Sugerem-se perguntas tais como: Qual é o ganho potencial? Quais são os investimentos necessários, os custos de manutenção e o valor presente líquido da iniciativa? No entanto, pelo menos duas outras questões devem ser respondidas antes do início da implementação: qual é a proposta de valor do CSC e quais processos centralizar? Fonte: BRIDELLI et al., 2005.

42 DIMENSÕES E ABORDAGENS DE IMPLEMENTAÇÃO DE CSCS Dimensão transacional Dimensão transformacional Abordagem introspectiva: redução de custos Abordagem extrovertida: orientação ao cliente Foco nas atividades rotineiras da organização: economias de escala Atendimento aos diferentes clientes pela melhoria dos processos internos e não no atendimento às exigências desses clientes Padronização das atividades quando a atenção principal deveria ser atender as exigências qualitativas do serviço prestado Foco no atendimento das demandas dos clientes: serviços focados na qualidade proposta e maior proximidade entre CSC e cliente Fonte: DA CUNHA, 2011.

43 ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO DE CSCS 1. Implementação por processos: implementação progressiva de cada processo do CSC. 2. Implementação Big Bang: a operação do CSC é efetuada em uma só vez. 3. Implementação por piloto: define-se um processo piloto a ser implementado na nova localização. Depois do acompanhamento desse processo, implementam-se os outros de uma só vez. Fonte: INTERNEWS, 2010.

44 ETAPAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO CSC 1. Encorajamento: definição clara de um plano de negócios seguindo as necessidades e estratégia da organização. Atenção para a comunicação. 2. Consolidação: conduzir uma avaliação detalhada e construir um modelo de operação apropriado. A escolha do local para a instalação do CSC também é uma discussão relevante (mão de obra, infraestrutura tecnológica etc.). 3. Padronização: busca-se neste estágio a realização dos benefícios provenientes das economias de escala. Importante ressaltar que, além da padronização, a cultura de prover respostas às exigências dos clientes deve ser desde cedo incorporada e desenvolvida (FORST, 1997). 4. Automação: construção de uma base tecnológica sólida, 5. Colaboração: estabelecer estruturas de governança robustas e linhas de comunicação. Fonte: DA CUNHA, 2011.

45 NÍVEL DE ESFORÇO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO CSC (BRASIL) Esforço igual ou menor do que o planejado Treinar pessoal nas novas funções. Atender as unidades nos prazos esperados. Comunicar mudanças. Recrutar novos profissionais. Atingir as metas de ganhos preestabelecidas. Definir padrões de serviços. Estabelecer meios de cobrança. Obter o envolvimento da liderança. Adaptar as pessoas ao seu novo papel. Esforço maior do que o planejado Uniformizar os sistemas de informação. Administrar diferentes aspectos culturais. Alinhar os processos. Fonte: DELOITTE, 2007.

46 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Fonte: BRIDELLI et al., 2005.

47 FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Conselhos para implementação bem-sucedida de CSCs: padronize os processos antes da consolidação, para evitar imprevistos; adote a implementação por processos. Pode-se utilizar um programa-piloto com áreas/unidades cuja consolidação seja mais fácil; atualize normas e políticas formais específicas; obtenha suporte da alta administração. utilize Acordos de Níveis de Serviços (ANS) simples. Fonte: IOMA, 2007.

48 DURAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DE CSCS NO BRASIL Tempo entre a aprovação do projeto e o início das atividades do CSC (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Até um ano Até dois anos Até um ano e meio Mais de dois anos Tempo para alcançar as metas de eficácia (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Mais de 2 anos Até 2 anos Até 1 ano e meio Tempo de retorno do projeto de CSC (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) De 2 a 3 anos De 3 a 4 anos 4 anos ou mais Não foi atingido 7% 15% 24% 22% 28% 12% 51% 66% 19% 8% 35% 5% 8% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007.

49 MELHORIAS A SEREM FEITAS NOS CSCS BRASILEIROS Medidores de desempenho Mapeamento de processos 71% 76% Benchmarking externo 49% Sugestões de funcionários 42% Benchmarking interno Troca de informações com outros líderes de outros CSCs Melhores práticas externas Sugestões de clientes 22 % 20% 17 % 15% Outros 7% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007.

50 AÇÕES A SEREM ADOTADAS PARA PROMOVER MELHORIAS EM CSCS BRASILEIROS Otimização de processos 90% Melhoria do nível de serviço prestado Aumento da automoção 63% 63% Expanção do escopo dos serviços do CSC Melhoria dos controles 46% 51% Melhoria de estrutura de governança Desenvolvimento/melhoria dos programas de treinamento Aumento do número de clientes internos Integração com clientres externos/fornecedores (rede) Melhoria da gestão de desempenho e dos programas de Aumento do nível de terceirização 32% 29% 24% 22% 20% 17% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Outros 7% Fonte: DELOITTE, 2007.

51 ASPECTOS CRÍTICOS RELACIONADOS ÀS PESSOAS EM CSCS BRASILEIROS Cultura de foco no cliente 56% Retenção de Talentos Gestão de desempenho Plano de carreira Recrutamento de profissionais qualificados Qualidade dos serviços 42% 37% 37% 34% 29% Educação continuada Turnover 17% 22% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007.

52 GESTÃO DE PESSOAS EM CSCS Para que o empregado de um CSC tenha compromisso com a organização, ele deve ter valores associados com sua função (provedor de serviços internos). Com isso, ele poderá prover serviços de alta qualidade (BARNETT; PENDER, 2007). O treinamento extensivo da equipe do CSC, bem como para gerentes de linha, é um dos elementos críticos para o bom desempenho (HACKETT GROUP, 2005; COOKE, 2006). Deve haver iniciativas capazes de incentivar os empregados dos CSCs que desempenham atividades operacionais e repetitivas (acarretam serviços de baixa qualidade).

53 GERENCIANDO A MUDANÇA EM RHS COMPARTILHADOS As descobertas negativas do estudo de caso da Consult-Corp UK não significam necessariamente que o modelo de CSC em RH por si só seja disfuncional e mal concebido. A transição envolve uma importante mudança e um gerenciamento cuidadoso. Merecem destaque alguns aspectos negativos do caso: 1. Impacto da perda do contato pessoal dos funcionários. 2. Impactos negativos na carreiras dos profissionais de RH. 3. Ação de gestores diretos remete ao problema do agente principal. Fonte: COOKE, 2006.

54 GESTÃO DE PESSOAS EM CSCS BRASILEIROS Taxa de turnover nos CSCs (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Mais de 25% De 20% a 25% De 15% a 20% De 10% a 15% De 5% a 10% De 1% a 5% Menos de 1% 12% 8% 4% 4% 15% Nível de escolaridade dos profissionais CSCs (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) 13% Ensino Superior Ensino Técnico Ensino Médio 3% Horas de treinamento oferecidas a cada profissional do CSCs (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) De 10 a 20 horas De 20 a 40 horas Mais de 40 horas Até 10 horas Não oferece treinamento 10% 6% 16% 30% 27% 30% 74% 24% 24% Estrato de empresas que contam pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007.

55 GESTÃO DE SERVIÇOS EM CSCS Para que os serviços prestados pelo CSC mantenham níveis satisfatórios de desempenho, é possível utilizar Acordos de Níveis de Serviços (ANS). Trata-se de contratos firmados com os parceiros demais unidades de negócios para entrar em consenso e reger os padrões e especificações dos serviços que serão prestados pelo CSC. Tais acordos devem estar embasados em considerações-chave, tais como alinhamento estratégico, planejamento e priorização, visibilidade e melhoria contínua. Fonte: SILVA et al., 2006.

56 Gestão de desempenho dos serviços prestados por CSCs Categorias Níveis Exemplos de Indicadores Atendimento Confiabilidade Entrega Satisfatório: atendimento eficaz (serviços realizados segundo especificações previamente disponibilizadas. Insatisfatório: atendimento prejudicado (imprecisão de informações, erros no atendimento e contradições entre o contratado e o fornecido) Precisão : os prazos acordados são respeitados rigorosamente. Imprecisão: incerteza quanto ao momento de atendimento de suas demandas. Rápida: ciclos mais curtos do pedido a entrega Lenta: ciclos de pedido mais longos Produto /Serviço conforme Especificações Qualidade do atendimento % dos pedidos atendidos completamente % de pedidos atendidos no prazo Tempo médio de atraso do pedido Tempo de resposta a solicitações de informações ou reclamações Fonte: COELHO et al., 2011.

57 FLUXOGRAMA DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM CSCS Estabelecer sistema de indicadores de desempenho Benchmarking Metas Dados históricos Medir Estabelecer padrões de referência Comparar medidas x padrão Desvio? Não Desempenho esperado Sim Investigar as causas Propor soluções Aplicas soluções Fonte: COELHO et al., 2011.

58 Processo do serviço Resultado do serviço AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO EM CSCS Notas a serem atribuídas Expectativas do cliente antes da compra do serviço Expectativas excedidas Qualidade ideal 8, 9 ou 10 Expectativas atendidas Qualidade Satisfatória 5, 6 ou 7 Percepção do cliente Sobre o serviço prestado Expectativas Não atendidas Qualidade Inaceitável ou 4 Fonte: COELHO et al., 2011.

59 GESTÃO DE SERVIÇOS EM CSCS BRASILEIROS O CSC estabelece acordo de Níveis de Serviços? (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Sim, para todos os serviços Sim, para alguns serviços Para nenhum serviços Nível de eficácia na prestação dos serviços pelos CSCs (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Eficaz Ineficaz Indiferente Modo de remuneração dos serviços prestados pelo CSC (em % de empresas que assinalaram cada alternativa) Repasse integral de custo Base em orçamento anual Base em custo e margem de lucratividade Base em preços de mercado 25% 11% 7% 3% 24% 50% 8% 45% 25% 79% 8% 15% Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Fonte: DELOITTE, 2007.

60 GESTÃO DE T.I. EM CSCS 1. Modernize sua plataforma de entrega A arquitetura deve permitir a escalabilidade e oferta de serviços com qualidade. Sugere-se o uso de cloud computing, sistemas computacionais unificados (ex: Cisco Systems) e modelos do tipo multi-inquilino (multi-tenancy). 2. Inclua componentes e sistemas específicos de gestão: alguns exemplos são catálogos de serviços, aplicações de selfservice, sistemas de gerenciamento de configurações e de eventos. 3. Promova alavancagem por meio de Gerenciamento de Serviços Empresariais (BSM): sugere-se o uso de Information Technology Infrastructure Library (ITIL) para alcançar a consistência dos processos. Fonte: EMMETT; WILLIAMS, 2010.

61 TECNOLOGIAS PARA SUPORTE DAS OPERAÇÕES DE CSCS DO BRASIL Armanezamento de dados Troca eletrônica de dados Serviços web Transferência eletrônica de fundos Ferramentas de planejamento e orçamento Tecnologia de Call Center para atendimento dos clientes Compras eletrônicas Ferramentas de automatização de fluxos de trabalho Ferramentas de gestão financeira para atender Sistema de inteligência de negócio - BI Autosserviço Auto-serviço de cliente Customer Relationship Management - CRM Cartões de compra Digitalização de documentos Autosserviço Auto-serviço de fornecedor 88% 83% 80% 76% 71% 63% 61% 59% 56% 49% 49% 39% 34% 24% 32% 32% 2% 7% 7% 5% 7% 17% 20% 27% 15% 27% 29% 34% 46% 47% Empresas que utilizam a tecnologia Estrato de empresas que contam com pelo menos um CSC Empresas que intencionam utilizar a tecnologia Fonte: DELOITTE, 2007.

62 REFERÊNCIAS Afonso; Martins, (2011). Centro de serviços compartilhados: impactos da implementação do modelo na estratégia, na estrutura e na gestão de empresas do setor privado, Alberto, J. (2005). A Prática dos Serviços Compartilhados no Processo de Criação de Valor e a Aplicação do Balanced Scorecard como Instrumento de Gerenciamento da Performance em Estruturas de Suporte Administrativo. Barret, R. (2006). IT Shared Services: Managing and Aligning Costs for Better Performance Bedell, D. (2000). Shared Value There are many options for how to set up and roll out a shared service center, providing an approach for every budget and corporate structure Bornam, M. (2006). THE DESIGN AND SUCCESS OF SHARED SERVICES CENTRES. BRIDELLI, Stefano, WERNECK, Sergio, MARTINS, Fernando. Centro de Serviços Compartilhados:uma solução definitiva para os processos administrativos? Bain&Company, Coelho et al,. (2007). Modelo para gestão do nível de serviço em centros de serviços compartilhados, Cook, F. L. (2006). MODELING AN HR SHARED SERVICES CENTER: EXPERIENCE OF AN MNC IN THE UNITED KINGDOM Delloite. (2011). Global Shared Services Survey Results: Executive Summary

Centros de Serviços Compartilhados

Centros de Serviços Compartilhados Centros de Serviços Compartilhados Tendências em um modelo de gestão cada vez mais comum nas organizações Uma pesquisa inédita com empresas que atuam no Brasil Os desafios de compartilhar A competitividade

Leia mais

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program

O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada. CFO Program O futuro da área de finanças Uma visão a ser compartilhada CFO Program O futuro da área de finanças Temos o orgulho de compartilhar com vocês nossa visão de como será a área de finanças no futuro. Esta

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

GESTÃO DE ALTA PERFORMANCE FUSÕES & AQUISIÇÕES PREPARAÇÃO DE EMPRESAS PARA O IPO GOVERNANÇA CORPORATIVA VIABILIZAÇÃO DA VENDA DE EMPRESAS

GESTÃO DE ALTA PERFORMANCE FUSÕES & AQUISIÇÕES PREPARAÇÃO DE EMPRESAS PARA O IPO GOVERNANÇA CORPORATIVA VIABILIZAÇÃO DA VENDA DE EMPRESAS a IN.business é uma empresa especializada em gestão empresarial estratégica a missão da IN.business é ajudar empresários e executivos a viabilizar a realização do potencial máximo de geração de valor de

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI

Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Soluções completas em tecnologia Convergência natural entre negócios e TI Abordagem multidisciplinar e equipe especializada em integração tecnológica A dinâmica e as mudanças dos negócios têm tornado a

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação 432 horas-aula OBJETIVO DO CURSO Proporcionar uma visão estratégica dos processos organizacionais e de como os diversos processos dentro das organizações

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS: PRINCIPAIS CONCEITOS E PRÁTICAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS: PRINCIPAIS CONCEITOS E PRÁTICAS GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS: PRINCIPAIS CONCEITOS E PRÁTICAS Samir Lótfi, Maria Clara Castro, Victor Vianna Gomes

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Planejamento Diretor de Tecnologia da Informação. Alano Arraes, PMP PMI-RMP

Planejamento Diretor de Tecnologia da Informação. Alano Arraes, PMP PMI-RMP Diretor de Tecnologia da Informação Alano Arraes, PMP PMI-RMP Cuiabá-MT, 19 de Maio de 2011 Índice Índice CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações Contexto Visão conceitual do PDTI

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Cada vitória é importante pois são de vitórias que se constroem conquistas. São de conquistas que se constrói o sucesso.

Cada vitória é importante pois são de vitórias que se constroem conquistas. São de conquistas que se constrói o sucesso. Cada vitória é importante pois são de vitórias que se constroem conquistas. São de conquistas que se constrói o sucesso. Somos a FIDELITY IT, seu novo parceiro nas próximas vitórias e conquistas. Mais

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

O CSC e a TI. A centralização da Tecnologia da Informação em um CSC: Boa prática? Conhecimento em Tecnologia da Informação

O CSC e a TI. A centralização da Tecnologia da Informação em um CSC: Boa prática? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O CSC e a TI A centralização da Tecnologia da Informação em um CSC: Boa prática? 2012 Bridge Consulting Sobre a Autoria Esse artigo foi escrito a partir da parceria

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Também conhecida como Governança Empresarial " os mecanismos ou

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD

CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS X CENTRAL DE SERVIÇOS: UMA ABORDAGEM PARA A EAD Maringá-PR Maio 2014 Prof. Evandro Paulo Bolsoni Centro Universitário de Maringá NEAD-UniCesumar evandro.bolsoni@unicesumar.edu.br

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Bancos Corretoras Seguradoras

Bancos Corretoras Seguradoras Bancos Corretoras Seguradoras A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência

Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência Adoção e Tendências dos Serviços de Cloud na América Latina: Rumo a um modelo de TI baseado em eficiência Luciano Ramos Coordenador de Pesquisa de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta o desafio

Leia mais

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Sourcing de TI. Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Sourcing de TI Eficiência nas iniciativas de sourcing de TI Como alcançá-la? 2010 Bridge Consulting Apresentação Apesar de ser um movimento de grandes dimensões,

Leia mais

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio VISÃO GERAL DA SOLUÇÃO: BENS E DANOS Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio Esse é um fato inquestionável as seguradoras de bens e danos devem concentrar toda a sua capacidade

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação

Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação Conquistando vantagem competitiva com os sistemas de informação slide 1 3.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como o modelo das cinco forças competitivas

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177 mil (global)

Leia mais

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY Julho 2013 FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira

Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de Transformação de TI em Seguradoras Carlos Figueiredo Fabio Pereira Programas de transformação de TI em Seguradoras: Tendências e Desafios Tech Trends 2015 Exponenciais Principais problemas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

a IN.business é uma empresa especializada em gestão empresarial estratégica

a IN.business é uma empresa especializada em gestão empresarial estratégica a IN.business é uma empresa especializada em gestão empresarial estratégica a missão da IN.business é ajudar empresários e executivos a viabilizar a realização do potencial máximo de geração de valor de

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Supply Chain Finance 2011 3 Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Autores: Vanessa Saavedra/ Manuela Dantas/ Maurício Cavalieri/ Rafael Pinheiro

Leia mais

10º Estudo da Gestão de TI no Brasil

10º Estudo da Gestão de TI no Brasil www.pwc.com/br 10º Estudo da Gestão de TI no Brasil Sumário executivo Maio de 2011 PwC Índice Introdução Resultados Conclusão 3 5 11 1 1. Introdução A 10º edição do Estudo da Gestão de Tecnologia da

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Governança de TI Ementa: Relacionar a governança de TI com a governança corporativa. Boas práticas

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Carlos Augusto Angrisano (USP) carlos.angrisano@poli.usp.br Fernando José Barbin Laurindo (USP) fjblau@usp.br Resumo

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Governança de TI. O alinhamento da TI ao negócio da organização - diferencial competitivo

Governança de TI. O alinhamento da TI ao negócio da organização - diferencial competitivo Governança de TI O alinhamento da TI ao negócio da organização - diferencial competitivo Fabio Marzullo Carlos Henrique de Azevedo Moreira Jose Roberto Blaschek Créditos Este trabalho foi desenvolvido

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS.

MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. MAIS RENTABILIDADE, SEGURANÇA E AGILIDADE NA GESTÃO DE SEUS CONTRATOS, PROJETOS E SERVIÇOS. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange

Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange Vantagens competitivas das parcerias estratégicas entre empresas brasileiras e as subsidiárias das empresas globais Eduard de Lange 15 de Fevereiro 2006 1 A TIVIT nasce da fusão entre a modernidade e o

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. Catálogo de Serviços. Conceitos, Maturidade Atual e Desafios. 2012 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Conceitos, Maturidade Atual e Desafios 2012 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Esta publicação tem por objetivo apresentar

Leia mais

O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade. Othon de Almeida 1 de julho de 2015

O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade. Othon de Almeida 1 de julho de 2015 O futuro da área de finanças Simplificação, eficiência e produtividade Othon de Almeida 1 de julho de 2015 Os desafios da área de finanças Os desafios da área de finanças em um ambiente competitivo Acompanhamento

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio?

Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio? Você tem a organização de TI certa para suportar sua estratégia de negócio? Jean-Claude Ramirez Vice-Presidente Gabriele Zuccarelli Manager A habilidade de uma empresa de alavancar o potencial da tecnologia

Leia mais

Café da manhã ELO Group

Café da manhã ELO Group Café da manhã ELO Group RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BELO HORIZONTE BRASÍLIA Copyright ELO Group 2012 - Confidencial O QUE FAZEMOS ESTRATÉGIA E DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Acreditamos que a base de um bom esforço

Leia mais

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference Consulting, IT & Outsourcing Professional Services everis BPO. Nossa razão de ser: Direcionamos

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Cloud Computing O novo paradigma de Custeio. Anderson Baldin Figueiredo Consultor

Cloud Computing O novo paradigma de Custeio. Anderson Baldin Figueiredo Consultor Cloud Computing O novo paradigma de Custeio Anderson Baldin Figueiredo Consultor O momento da 3ª. Plataforma $$$$$ $ Conceituando Cloud Computing Mas o que significa cloud computing mesmo? Cloud = Evolução

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais