Redução de emissões e consumo de combustível Alternadores High Efficiency com redução de peso e materiais de perda magnética reduzida

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redução de emissões e consumo de combustível Alternadores High Efficiency com redução de peso e materiais de perda magnética reduzida"

Transcrição

1 Redução de emissões e consumo de combustível Alternadores High Efficiency com redução de peso e materiais de perda magnética reduzida Jair Pasquini¹, Heleno Penachin² e Fernando Landgraf3 Robert Bosch Ltda. Universidade de São Paulo - USP. s: RESUMO Nesse trabalho estaremos concentrados no alternador veicular, através da nova família de produtos com faixa de potencia de 7A até 6rpm (temperatura 25ºC), com o aumento significativo da relação W/kG e da eficiência em até 4% conforme método VDA, em comparação aos produtos atuais disponíveis no mercado. Mantida a competitividade do produto exigida pelos mercados de veículos de baixo custo, acrescenta-se também uma outra característica que é o baixo momento de inércia do rotor reduzindo o impacto das acelerações no motor de combustão, além de ruído reduzido. Com uma extensão do design dessa família obtém-se uma versão qualificada chamada Ultra Quiet. Um projeto de design robusto e cálculo elétrico adequado garantem o suprimento de energia exigida pelos consumidores elétricos do veículo, com elevada eficiência e redução de consumo de combustível e emissões. Alternadores com eficiência acima de 7% reduzem o consumo em até,5l/1km em comparação com os modelos antigos, em ciclos práticos de rodagem. As reduções das perdas internas do alternador, implicam no aumento de eficiência. Para redução de perda utilizam-se materiais (Chapas de aço) com perda magnética reduzida (histerese magnética). Por outro lado, essas chapas de aço devem suportar um processo de produção, principalmente do estator que inclui estampagem e rolagem tipo Slink, este processo por sua vez infringe deformações no Yoke do estator que causarão perdas magnéticas mais elevadas nesta região. O desenvolvimento do material com perda magnética reduzida e segurança do processo com redução de perdas através da deformação, proporcionou a definição de um material nacional para produção de chapas de aço laminado nas espessuras de,35 e,mm assegurando o processo de estampagem/rolagem do pacote do estator com um aumento de eficiência em todas as faixas de potência do alternador de até 3,5%. Soma-se a isso uma otimização do design elétrico para uma máquina de 6rpm (temperatura 25ºC) atingindo valores de 7% de eficiência, garantindo uma redução de consumo de combustível e emissões desejadas. 1) Diretor de Engenharia Motor de Partida e Alternadores Bosch 2) Chefe de desenvolvimento e aplicação de alternadores Bosch 3) Professor Dr. Ciência dos materiais USP

2 1.INTRODUÇÃO Dentro do contexto do programa governamental de aumento de eficiência veicular, a Bosch tem desenvolvido tecnologias de sistemas e produtos que proporcionam redução de consumo de combustível e de emissões. Dentre eles o sistema de recuperação de energia que tem como componente principal o alternador de alta eficiência. Segundo informado pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB), dentre as principais ações para redução da poluição causada pelos sistemas de transporte, independentemente do país onde ela ocorra, passa por diversas ações como a articulação do planejamento de uso e ocupação do solo e melhoria do sistema viário; a melhoria do sistema de transportes; a redução das emissões de veículos automotores; a melhoria dos sistemas de circulação e fiscalização do tráfego; a melhoria da qualidade dos combustíveis e alternativas energéticas de baixo potencial poluidor; o desenvolvimento de instrumentos econômicos e fiscais; educação e o desenvolvimento social [1]. Pesquisas do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, realizadas com amostras de emissões veiculares colhidas em túneis da cidade de São Paulo, confirmaram que as substâncias destas emissões são as maiores responsáveis pelo excesso de ozônio registrado na Região Metropolitana de São Paulo. Os estudos mostraram também que a gasolina utilizada no Brasil é ainda mais nociva neste aspecto do que as gasolinas mais limpas (como a utilizada no estado da Califórnia nos Estados Unidos) e o etanol [2]. Esta concentração fica ainda mais agravada quando envolvem túneis ou lugares de baixa circulação de ar em dias quentes, onde os gases encontrados são na sua totalidade proveniente de emissões veiculares e a reação de formação do ozônio é intensificada pela maior presença da radiação solar [1]. O grande desafio das empresas fabricantes de veículos e fornecedores de sistemas e componentes automotivos é oferecer produtos e soluções que possam atender esta expectativa de redução dos níveis de poluição no ar dos grandes centros. Com esse desafio o foco o principal da Bosch se tornou a redução da emissão dos hidrocarbonetos e CO. Adicionalmente temos a existência do programa que relaciona o consumo de combustível com o poder calorífico (CONPET - Programa Nacional de Racionalização do Uso dos Derivados do Petróleo e do Gás Natural). Esse programa constitui na criação de uma etiqueta que informará a eficiência energética dos veículos, facilitando a escolha entre modelos mais econômicos e eficientes. Os carros serão classificados de A a E, sendo A o mais econômico. A adesão de montadoras e importadoras ao programa é voluntária [11]. 21) Redução de consumo, baseada na reprodução contínua de simulação normalizada do ciclo de medição ECE15/NEDC.

3 A inexistência de uma legislação específica obrigatória de consumo de combustível resulta no interesse individual das montadoras de veículos e as fabricantes de sistemas e autopeças orientadas pela competitividade, tecnologia e sustentabilidade. Nesse contexto a Bosch vem desenvolvendo sistemas e produtos mais eficientes que proporcionam a redução de emissões e de consumo de combustível. Nesse trabalho nos vamos concentrar no aumento da eficiência do alternador que é medida através da comparação da energia fornecida pelo motor a combustão e a energia elétrica gerada pela máquina elétrica, cujo método de medição é o procedimento VDA (Verband Deutsche Automobil Hersteller) que pondera um mapeamento de rotações e respectivas saídas de potência do alternador. Outro sistema citado no trabalho é o sistema de recuperação de energia através do controle de carga da bateria que proporciona uma redução de combustível de até 2% em um ciclo. 2. Emissões legislação local e internacional para aplicação veicular Novas legislações mais agressivas de redução de emissões de CO2 e de consumo de combustíveis fósseis estão sendo difundidos principalmente na Europa e no Japão, com níveis de até 13 e 1 g/km em 212, respectivamente. Níveis muito mais reduzidos são objetivos para 2 e estão pendentes em discussões nos conselhos e entidades nos Estados Unidos. Legislation & Commitments EU CAFE CARB CHINA JAPAN l/1 km 1,5 9,4 8,4 7,5 6,3 5,7 4,2 3,8 mpg 22,3 24,9 27,9 31,2 37,2 41,6 55,7 62,3 gasoline (diesel) CO 3 2 g/km CAFE LT/MDV CAFE PC 1,9 t weight 14 O : in discussion, pending : agreed legislation Average CAFE PC and LT 13 EU targets PC CARB GHG LDT2/MDPV Senate Bill 357 average CAFE 35 mpg PC & LT CARB GHG PC/LDT CAFE = Corporate Average Fuel Economy PC = Passenger Cars, LT / LDT = Light Trucks (pick-ups, vans, SUVs), MD(P)V = Medium Duty (Passenger) Vehicles GHG = Greenhouse Gases NHTSA = National Highway Transportation and Safety Administration CARB = California Air Ressources Board mpg = miles per gallon China weight based limits (here for 1,9 tons curb weight) CAFE data NHTSA report October 26 EU data for ACEA (Association des Constructeurs Européens d Automobiles) 6th EU Report , for MY5 and 6 from T&E 26 / Bush 2 in 1 average 4%/a increase in mpg Japan fuel consumption PC average

4 O Proconve (Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores) estabelece os limites de emissões e principalmente o monóxido de carbono (CO) e os hidrocarbonetos para veículos nacionais. Outro programa de aumento de eficiência veicular foi lançado em outubro de 28 pelo Ministério de Minas e Energia sob coordenação do CONPET que relaciona o poder calorífico dos combustíveis e o consumo dos motores de combustão, medindo em kj/km, que para o consumidor final é traduzido em consumo de combustível. As montadoras participam voluntariamente desse programa de validação especifica em dinamômetro, controlada pelo CONPET, e recebem no final o selo de classificação de consumo de combustível de seus motores. Veículos com motores de consumo reduzido reforçam o marketing ecológico, a competitividade e fomentam o desenvolvimento de produtos e sistemas eficientes. Ciclos padrão de rodagem em dinamômetro são utilizados para levantamento dos índices de emissões; como por exemplo o americano FTP 75 (Federal Test Procedure 75) e o europeu NEDC (New European Driving Cycle), que correlacionam situações de velocidade, aceleração, marcha lenta e tempo de rodagem respectivos. A figura abaixo compara o impacto de emissões de um motor 2.L (gás) nos ciclos NEDC e FTP 75. Brazilian regulation Proconve Emission: Cycle Comparison EURO x FTP75 Passenger Car Emission limits Year CO HC NOx Jan/9 2,5 1 or,3 2,12 3 or, Hidrocarbonetos não metano (NMHC). 2 - Hidrocarbonetos totais somente para veículos a GNV, que também atendem ao item (1). 3 - Apenas para veículos do ciclo Otto, inclusive a GNV 4 Apenas para veículos do ciclo Diesel Brazilian Otto Vehicle Efficiency Program Result: - engine 2.L E22 (same calibration) Cycle test THC CO CO2 NOx NMHC CH4 Cons (L/1km) EURO,176 2,75 236,6,125,152,24 9,971 FTP75,125 1, ,44,17,1,25 11,17

5 3. SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ENERGIA A distribuição das perdas de energia do veículo em movimento se concentra em: 62% perdas térmicas, 6% em propulsão, rodagem, frenagem, 17% perdas em marcha lenta (semáfor, congestionamentos, 13% para movimentação do veiculo e 2% em sistema elétrico que inclui os consumidores elétricos, bateria e alternador [12]. Um sistema de recuperação de energia que monitora a carga da bateria e otimiza a excitação elétrica do alternador Energy Brake Recovery proporciona uma redução de combustível de até 2 % para um ciclo de rodagem específico. Este sistema, apesar de não ser detalhado neste estudo, corresponde à diferença de energia elétrica gerada pelo alternador e a energia mecânica consumida pelo motor de combustão para a excitação do alternador. A otimização da excitação máxima na fase de desaceleração do motor para o carregamento da bateria e utilização desta energia elétrica acumulada nas fases de aceleração e manutenção da velocidade do veículo são traduzidas na redução de consumo de combustível, economizando a energia mecânica do motor de combustão nos respectivos ciclos de rodagem. Um software instalado na unidade eletrônica de comando do motor controla as fases de excitação do alternador via regulador de tensão (com comunicação) a partir de um monitoramento da carga da bateria através de um sensor eletrônico que analisa a função, o estado da carga e o seu envelhecimento em tempo real. Este processo se dá de maneira a garantir a energia exigida pelos consumidores elétricos do veículo. Energy Brake Recovery system overview Vehicle - Velocity + Driving stage Acel Dec. Acel. Dec. v Alternator control (Voltage) U Set Battery SOC (Energy accumulation) SOC Set Min t t t Remark Optimisation Alternator monitoring according to battery SOC and engine output demand Brake energy Recovery throught accumulation in 12V Battery CO 2 -Benefit: ~ 2,% in NEDC (wasted output altern.) Fuel saving Benefit : expected bis 2,5% local driving cycle Development grade Idea Study Development Series Study / customer application phase

6 4. Perdas Elétricas avaliação de eficiência O acionamento dos consumidores elétricos reduz a carga da bateria, que é reposta pelo alternador, que, por sua vez, consome energia mecânica do motor de combustão, e conseqüentemente, impactando no consumo de combustível. Ciclos de rodagem específicos, níveis de carga de consumidores elétricos e a eficiência dos alternadores são as variáveis dos níveis de potência mecânica exigida do motor de combustão. A demanda energética do veículo se dá pela ponderação baseada na taxa de utilização e na potência individual dos consumidores nos determinados ciclos de rodagem. Os ciclos de rodagem por sua vez simulam as diferentes condições de velocidade a que o veículo é submetido, a fim de entender o real significado destes ciclos para o alternador. Essa velocidade veicular deve ser convertida em rotação do motor e esta por sua vez, ser convertida para rotação do alternador. A eficiência dos alternadores depende da carga elétrica e da rotação do alternador sendo que a eficiência máxima se dá em cargas parciais (ca.% da máxima) e em regiões de rotação moderada (entre 18 3rpm). Por essa razão a eficiência nominal do alternador é dada por uma ponderação de rotações medidas com carga constante. O método mais largamente utilizado é o VDA que consiste na seguinte ponderação: Eta(%I nom -1.,1 1 Vehicle-velocity [km/h] (NEDC) L NEFZ =11km, T NEFZ =2min Shifting point Gear ratio Idle speed Engine speed 1 Generator speed [1/min] P G_el time [s] 1 M Mot k*p me n Mot ρ petrol =74g/l Generatorratio 1 time [s] Temperature 1/U G I G U G n G I G [A] Generator efficiency 2 <4% Fuel consumption Consumption combustion engine M Mot P Mot P propulsion P G_mech P mech_aggregates Belt efficiency 1 >55% >% >45% >4% 1 >65% >7% >6% Generator speed [1/min]

7 1 η Generator speed [1/min] 1 VDA =,25 η,4 η,25 η,1 η η i = P G_el time [s] P G_mech Temperature 1 1 >7% >65% n G Generator efficiency ( U )/1 i Ii I G [A] η 1 ( ) i = MDi ni Κ 2 <4% >55% >6% >% >45% >4% I G Generator speed [1/min] I G Charge Balance (A) - Example Electrical Loads [%] Ig [A] cluster + fuel injection 1 3, sidelight + rear light 1 3, headlight 1 9, blower avg. speed 13, máx. speed 25, auto radio engine cooling high speed fuel Injection System air condition compressor brake light indicator light heating - hear window wiper system - front (max. Speed) wiper system - rear etc Total of Loads 1 2, 1 28, 1 12, 1 3, 4 5, 3 2, 3 17, 3 3, 1 2, 9 U = Voltage I = Current MD = Torque n = Speed K = const. = 6/(2xπ) 5. Perdas elétricas do alternador impacto na eficiência A eficiência do alternador é dada pela razão entre a energia mecânica absorvida pelo alternador e a potência elétrica gerada, a diferença entre estas duas grandezas são o que chamamos de perdas. As perdas no alternador podem ser dividas em 3 categorias, mecânicas, elétricas e magnéticas. As perdas mecânicas estão relacionadas com as perdas por atrito nos rolamentos, coletores e ventoinhas sendo assim aumentam na maioria dos casos com o quadrado da rotação As perdas elétricas se dão nos diodos da ponte retificadora e nas resistências elétricas das bobinas do estator e rotor e são proporcionais a corrente fornecida. As perdas magnéticas são especialmente formadas por perdas por correntes de Foucault e histerese que se concentram nas superfícies das rodas polares e principalmente no estator.

8 Alternator power losses efficiency impact I G [A] 2 Generator efficiency <4% 1 1 >7% >65% >55% >6% >% >45% >4% Generator speed [1/min]

9 Segue a investigação resumida de dois materiais, suas propriedades químicas e mecânicas, utilizados para amostras de alternadores tipo 11A, com seus respectivos resultados de potência e eficiência. Para assegurar a eficiência esperada, com aços de perda magnética reduzida o Layout elétrico teve de modificado, aumentando a quantidade básica de cobre do estator. Material specification trials Serie Material New 1 New 2 Measurement with Thickness,5,5,5 B3 11A alternator LE máx Dureza HV1 C máx. Si Mn P máx. S máx. Al máx. 1, T 6Hz 1,5 T 6Hz Output 25 C (A) (18 / 6 rpm) ,6,2...,35,3...,5,3,25,3 máx. 1 máx. 19,1 / 113,4 138,2,74,54,36,8,24 7,3 13,83 47,54 / 112,1 145 (HV5),3,73,54,36,5,25 4,6 8,62 46,92 / 112,92 Electrical layout improvement Output (A) 25 C warm 18/6 55,8/115,8 56,7/114,6 56,2/115,3 Results (3 samples) VDA Efficiency (%) 67,1 66,3 67,4 VDA Efficiency (%) 63,45 66,8 67,88 Uma análise das perdas magnéticas, campo magnético, permeabilidade dos aços nas freqüências de 6 e 18 Hz foi profundamente investigada, resultando na especificação final do material e processo do pacote do estator com aplicação no alternador high efficiency Magnetic characteristics Material losses B vs. H curve 6Hz 18Hz

10 7. Portfólio de alternadores direcionados para potencia e eficiência. Alternadores com otimização da relação potência/kg (maior potência, menor peso), e aumento da eficiência em até 4% constituem a linha de alternadores New Base Line B3, B5. NBL Alternator Portifolio Output and efficiency driven Type M4 Current B 3-9 (B 3) B 3-11 (B 3Ph) B 3P-11 (B 3Ph+) B B U/min (A)* U/min (A)* Efficiency, VDA (%) Inertia (kg cm 2 ) Weight w/o pulley (kg) 5,2 4,8 4,9 5, 5,5 5,6 Outer diameter w/o screw (mm) Length w/o pulley (mm) ,5 12,5 Customer Benefits Optimized W/kg ratio (more output, less weight) Higher efficiency (ca. 4%) Less emissions 8. Portfólio de alternadores direcionados para eficiência Alternadores com otimização da relação potência/kg (maior potência, menor peso), e aumento da eficiência de 7 a 1% constituem a linha de alternadores Efficiency Line EL 5. Este representa o melhor da categoria no fator eficiência NBL Alternator Portifolio Efficiency driven Type M6E Current EL 5-13 EL -13HED 1.8 U/min (A)* U/min (A)* Efficiency, VDA (%) Inertia (kg cm 2 ) Weight w/o pulley (kg) Outer diameter w/o screw (mm) Length w/o pulley (mm) 24 5,7 142, , ,5 Customer Benefits Optimized W/kg ratio (more output, less weight) Best efficiency in class (ca. 7%-1%) Less emissions

11 9. Portfólio completo dos alternadores Bosch até 215, modelos New Base Line e Efficiency Line. Bosch Alternator Roadmap SOP standard SOP HED version Efficiency Line EL 8-21 (HED) Efficiency / Power density New Baseline High Efficiency to reduce fuel and CO 2 consumption High output optimized for Start/Stop applications Robust and reliable design Global platform Local production in emerging markets & EU EL 8-18 (HED) EL (HED) EL 7-1 (HED) EL 5-13 (HED) B B 3-11 (B3-9 in series) B Consumo de combustível/eficiência de alternadores A fim de se avaliar teoricamente o impacto to aumento de eficiência do alternador no consumo de combustível, é necessário primeiro se compreender a diferença entre os ciclos de avaliação de consumo e as condições reais de utilização do veiculo. No que se refere o coletivo de rotações tanto os ciclos americanos quanto os europeus são relevantes, no entanto em ambos os ciclos os veículos são testados sem cargas elétricas. Em outras palavras esta particularidade apenas avalia a eficiência mecânica do veiculo negligenciando completamente o impacto dos consumidores elétricos presentes 1 % do tempo nas condições reais de rodagem. A fim de realizar avaliações mais coerentes com as condições reais a Bosch adaptou os ciclos NEDC e ECC para veículos com diferentes perfis de consumidores.

12 Bosch-Simulations Fuel saving by 5% Fuel pts. saving alternator by 5%-pts. efficiency alternator increase efficiency increase,2 NEDC ECC Highway 12 km/h 1,8% 1,6% l / 1 km,15,1,5 1,4% 1,2% 1,%,8%,6%,4%,2% 3 W 8 W 12 W 3 W 8 W 12 W 3 W 8 W 12 W,% Compact class (l/1 km),2,7,11,4,11,18,1,3,4 Upper class (l/1 km),3,6,1,5,11,17,1,2,4 Compact class (% pro 1 km),2%,9% 1,3%,4% 1,% 1,7%,1%,3%,4% Upper class (% pro 1 km),2%,5%,8%,3%,6%,9%,1%,2%,3% Como resultado foram observados ganho entre,2% até 1,7% (dependendo do ciclo) para carros básicos para cada 5% de eficiência adicionais no alternador. Como a emissão de CO 2 é diretamente proporcional ao consumo de combustível as emissões serão também reduzidas. Alternator - CO 2 -Reduction Potential EU Driving Cycle Board net load ~3W Real Driving Board net load 8 12W NEDC [%CO 2 /km] ECE15 [%CO 2 /km] (NEDC) [%CO 2 /km] (ECE15) [%CO 2 /km] Efficiency (7% γ 75%),3 %,5 % 1 1,5 % 1,5 2 % Energy Brake Recovery 1 1,5% (limited at 14V) Increased Generator Efficiency: Additional benefit in real world driving Energy Brake Recovery: benefit in NEDC and real world Simulation 14V, AGM-Battery, Compact class, 4Zyl. Otto, 1kW, Manual transmission

13 11. CONCLUSÃO Como conclusão podemos dizer que a melhoria na especificação do aço do estator apresentou um bom custo benefício já que implicou no aumento de cerca de 3% na eficiência VDA do alternador, contribuindo com redução de consumo e emissões conforme indicado acima, no entanto, existe potencial de desenvolvimento de sistemas e produtos Bosch para atingir as metas as metas futuras de consumo e emissões. A fim de se dar seguimento no processo de melhorias técnicas, como redução nas perdas elétricas (diodos de alta eficiência) e larga utilização do sistema de recuperação de energia também devem ser implementadas. REFERÊNCIAS [1] CETESB. Relatório Qualidade do Ar no Estado de São Paulo 26. Secretaria de Estado do Meio Ambiente SP.São Paulo:26. [1.1] CONAMA. PROCONVE resolução 315/22 Art 3º e 4º. Disponível em Acesso em 29/7/28. [2] USP. Emissões veiculares são maiores causadoras da formação de ozônio em São Paulo. Disponível em www4.usp.br/index.php/noticias. Acesso em 25/7/28. [3] ROBERT BOSCH. Desenvolvimento Sistema Start/Stop Bosch. Campinas: 27 [4] ROBERT BOSCH. Dados institucionais. Disponível em Acesso em 26/7/28. [5]BAUER, Horst. Bosch Automotive Handbook. 4º ed. Stuttgart, Bauer &Partner GmbH, [6] ROBERT BOSCH. Electrical Energy Management Demonstrator Report. Campinas: 27 [7] ROBERT BOSCH. Catálogo de Baterias Bosch. 68.FP1.726/27, Campinas, 4, 4p, 27. [8] ROBERT BOSCH. Bosch AGM technology Battery Report. Campinas: 27 [9] ESTEVES, Gheisa Roberta Telle. Estimativa de Redução do Custo da Saúde Pública da Cidade de São Paulo.São Paulo: Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade Estadual de Campinas, 27, 157p. Tese (Doutorado). [1] ABVE. Meios de transporte são responsáveis por 9% da poluição em SP. Disponível em Acesso em 29/7/28 [11] Disponível em: (accesso ) [12] Unites States Economy Academy

Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões

Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões Motorização Diesel Medidas para atender os requisitos em eficiência energética e emissões mario.massagardi@br.bosch.com 1 Segmento: Carros e LD Motorização Diesel para carros e veículos leves 2 EU: Metas

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

Carlos Alexandre P. Pires Brazil

Carlos Alexandre P. Pires Brazil Carlos Alexandre P. Pires Brazil Combustíveis no Transporte 5.5 Participação 2.2 14.3 29.3 46.2 2.4 Diesel Biodiesel Gasolina GNV Etanol Outros BEN - 2014 Mercado de diesel 1.000 900 MBPD GNV 800 700 600

Leia mais

BRASIL. 1. Introdução:

BRASIL. 1. Introdução: BRASIL BRASIL 1. Introdução: O Brasil tem a regulamentação de emissões de veículos leves baseada nos procedimentos americanos e a de veículos pesados e motocicletas baseada em procedimentos europeus e

Leia mais

Fuel consumption reduction potential of a Mild Hybrid system applied to a popular flex fuel vehicle

Fuel consumption reduction potential of a Mild Hybrid system applied to a popular flex fuel vehicle Fuel consumption reduction potential of a Mild Hybrid system applied to a popular flex fuel vehicle Terms Definition Pág. 2 07.06.2013 Definitions for the proposed system: Battery state of charge (SOC)

Leia mais

IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL

IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL Eduardo Costa Quadros Continental Indústria Automotiva LTDA Email: eduardo.quadros@continental-corporation.com RESUMO Com a crescente preocupação

Leia mais

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA 67º CONGRESSO ABM - 02/08/2012 LUÍS CARLOS MONTEIRO SALES, DSc. ENGENHARIA DO PRODUTO INTEGRAÇÃO VEÍCULO CENÁRIO DRIVERS DE TECNOLOGIA PARA

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL JOSÉ AUGUSTO MARINHO SILVA IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica

Leia mais

Híbrido integral em paralelo com tecnologia plug-in, motor a combustão e módulo híbrido com motor elétrico e embreagem de separação eletromagnética

Híbrido integral em paralelo com tecnologia plug-in, motor a combustão e módulo híbrido com motor elétrico e embreagem de separação eletromagnética Sistema de propulsão Tipo Potência máxima do sistema Torque máximo do sistema Híbrido integral em paralelo com tecnologia plug-in, motor a combustão e módulo híbrido com motor elétrico e embreagem de separação

Leia mais

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Marcos Clemente Centro Tecnológico de Jundiaí 25 de outubro de 2017 1 ROTA 2030 O que é? Nova trajetória para a

Leia mais

COLÔMBIA 1. Introdução : 2. Classificação de veículos : 2.1. Classificação conforme critérios europeus (aplicação com limites europeus)

COLÔMBIA 1. Introdução : 2. Classificação de veículos : 2.1. Classificação conforme critérios europeus (aplicação com limites europeus) COLÔMBIA COLÔMBIA 1. Introdução : Na Colômbia são aplicados, alternativamente, os limites de emissões americanos ou europeus, com seus respectivos ciclos de ensaio. Não existem laboratórios de emissões

Leia mais

Processamento da Energia de Biocombustíveis

Processamento da Energia de Biocombustíveis Processamento da Energia de Biocombustíveis Professor: Marcello Mezaroba Dr. Email: marcello.mezaroba@udesc.br Junho de 2016 Sumário I. Biomassa II. Cogeração de energia a partir de biocombustíveis III.

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA CADEIA ENVOLVIDA NA REPOSIÇÃO DE CATALISADORES QUANTO À RESPONSABILIDADE AMBIENTAL ANTECIPANDO A LEGISLAÇÃO

CONSCIENTIZAÇÃO DA CADEIA ENVOLVIDA NA REPOSIÇÃO DE CATALISADORES QUANTO À RESPONSABILIDADE AMBIENTAL ANTECIPANDO A LEGISLAÇÃO CONSCIENTIZAÇÃO DA CADEIA ENVOLVIDA NA REPOSIÇÃO DE CATALISADORES QUANTO À RESPONSABILIDADE AMBIENTAL ANTECIPANDO A LEGISLAÇÃO Carlos Eduardo L. Moreira e Alan van Arnhem Umicore Brasil Ltda. RESUMO A

Leia mais

Tecnologias Bosch para Etanol

Tecnologias Bosch para Etanol Tecnologias Bosch para Etanol Bruno Bragazza Fábio Ferreira Mário Massagardi 1 RBLA/MIT 1/7/2015 Robert Bosch Ltda 2014. Reserves all rights even in the event of industrial property rights. We reserve

Leia mais

Porsche Híbridos, Elétricos e a Mobilidade Câmara Alemã. PAG Region V5

Porsche Híbridos, Elétricos e a Mobilidade Câmara Alemã. PAG Region V5 Porsche Híbridos, Elétricos e a Mobilidade Câmara Alemã Bem-vindos. Mariana Roméro Gerente de RP e Imprensa Porsche Brasil Bem-vindos. Matthias Brück Diretor Presidente Porsche Brasil A personalidade da

Leia mais

ARGENTINA. 1. Introdução :

ARGENTINA. 1. Introdução : ARGENTINA ARGENTINA 1. Introdução : A Argentina adota limites de emissões e procedimentos de ensaio baseados nos europeus. As regulamentações argentinas, em seu texto, citam os números das diretivas européias

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Elétrica de Autos 1. O movimento ordenado de elétrons livres em um condutor

Leia mais

Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System -

Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System - Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System - Ricardo Abe Gerente de Engenharia de Produto Nissan do Brasil Automóveis LTDA Maiores desafios para a indústria automotiva atualmente Energia Aquecimento

Leia mais

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 IBAMA MMA O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 C E T E S B Renato R. A. Linke SEMINÁRIO TENDÊNCIAS E O FUTURO DAS EMISSÕES VEICULARES: IMPACTO NA SAUDE, LEGISLAÇÃO E TECNOLOGIA AEA São Paulo 02 de Abril de

Leia mais

Find us locally at

Find us locally at Dynapac PL1000 Compact planers Cutting section Working width 1,000 mm Cutting depth 300 mm Cutting drum diameter 930 mm Spacing 15 mm Number of tools 93 Working performance Operating speed 0-30 m/min Travel

Leia mais

Injeção eletrônica de combustíveis

Injeção eletrônica de combustíveis Injeção eletrônica de combustíveis É um sistema de dosagem de combustível nos motores ciclo Otto com o objetivo de controlar a relação estequiométrica (ar/combustível) de forma que a mesma seja sempre

Leia mais

Arquitetura das Conexões e dos Sensoriamentos

Arquitetura das Conexões e dos Sensoriamentos Arquitetura das Conexões e dos Sensoriamentos nos Veículos Elétricos Wilson Nogueira da Silva Marketing de Produto - 2013 Exemplos de Veículos Elétricos: Exemplos de sistemas p/ Veículos Elétricos: Exemplos

Leia mais

Projeto Veículo Elétrico

Projeto Veículo Elétrico Projeto Veículo Elétrico Palio Weekend Elétrico Leonardo Gaudencio Cavaliere Supervisor de Inovações do Produto Belo Horizonte, 05 julho 2010 GRUPO FIAT NO MUNDO GRUPO FIAT NO BRASIL MONTADORAS COMPONENTES

Leia mais

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média Lista 1 de Motores de Combustão Interna 1. Para alguns motores Diesel é adequada a representação do ciclo motor segundo um ciclo dual, no qual parte do processo de combustão ocorre a volume constante e

Leia mais

Estado da arte: Tração

Estado da arte: Tração Estado da arte: Tração Índice Introdução... 3 Motor CC com escovas... 3 Motor com excitação independente... 4 Motor CC em derivação (shunt)... 4 Motor CC série... 4 Motor CC composto... 4 Motor de indução...

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE A FASE PROCONVE MAR-1 A FASE PROCONVE MAR-1 ESTABELECE LIMITES DE EMISSÕES DE MOTORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS E DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

Motor elétrico: é uma máquina projetada para transformar energia elétrica em mecânica

Motor elétrico: é uma máquina projetada para transformar energia elétrica em mecânica Motor elétrico: é uma máquina projetada para transformar energia elétrica em mecânica Motores de indução assíncronos: tem normalmente com uma velocidade constante que varia ligeiramente com a carga mecânica

Leia mais

II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA

II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - FPT FPT - POWERTRAIN TECHNOLOGIES FÁBRICAS FÁBRICAS CENTRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO UMA EMPRESA GLOBAL

Leia mais

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências.

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. LEI N 8.723 28 DE OUTUBRO DE 1993 Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1)

LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) Acionamentos Eletrônicos de Motores Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara LISTA DE EXERCÍCIOS 1 (L1) 1) A velocidade de motor de corrente contínua com excitação separada de 125 hp, 600V, 1800rpm é controlada

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E MENSURAÇÃO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DE ORIGEM VEICULAR NO MUNICÍPIO DO NATAL RN

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E MENSURAÇÃO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DE ORIGEM VEICULAR NO MUNICÍPIO DO NATAL RN ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E MENSURAÇÃO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DE ORIGEM VEICULAR NO MUNICÍPIO DO NATAL RN J. L. TAVARES 1 ; A.G. FERREIRA 2, FERNANDES, S. F. e W. M. A. COSTA E-mail: jean.tavaresl@ifrn.edu.br

Leia mais

EURO VI. Tecnologias & Estratégias

EURO VI. Tecnologias & Estratégias EURO VI Tecnologias & Estratégias Euro VI A entrada na força da normativa do novo Euro VI dá um estímulo à Iveco para actualizar a oferta de motores perseguindo a lógica da melhoria tecnológica Euro VI:

Leia mais

Apêndice A. Ozônio: um exemplo atual de poluente secundário

Apêndice A. Ozônio: um exemplo atual de poluente secundário Apêndice A Ozônio: um exemplo atual de poluente secundário 121 Apêndice A - Ozônio: um exemplo atual de poluente secundário. O ozônio não é um poluente emitido diretamente pelas fontes, o que o caracteriza

Leia mais

Desenvolvimento da Rede - Treinamento

Desenvolvimento da Rede - Treinamento Desenvolvimento da Rede - Treinamento ÍNDICE Introdução... 3 Dados técnicos... 4 Vantagens da utilização do sistema de gerenciamento eletrônico... 5 Inovações técnicas... 6 Componentes e sistemas... 7

Leia mais

Umicore Brasil Ltda.

Umicore Brasil Ltda. IMPACTO DO SISTEMA DE FORNECIMENTO AR/COMBUSTÍVEL NO DESENVOLVIMENTO DE CATALISADORES AUTOMOTIVOS Nunes, L. 1, Lima, W. 1, Piccoli, R. 1 e Zoca, M. 1 1 Umicore Brasil Ltda lucas.nunes@am.umicore.com; walter.lima@am.umicore.com,

Leia mais

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme.

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme. Apresentar: 1) Alguns conceitos de motores de combustão interna; 2) Funcionamento simplificado da tecnologia Total-Flex ; Motor Otto: Para cada 13,8g de ar você pode colocar 1g de combustível (gasohol);

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MOTORES ALTERNATIVOS DE COMBUSTÃO INTERNA MACI Dinamômetro Freio de Prony Objetivos dos ensaios dinamométricos Avaliar o desempenho de motores, verificando curva de potência,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA IBAMA MMA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA CETESB HOMERO CARVALHO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO ATO PÚBLICO PELA MELHORIA DA QUALIDADE DO DIESEL 12/09/2007 homeroc@cetesbnet.sp.gov.br CENÁRIO

Leia mais

Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos. Introdução

Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos. Introdução Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos Introdução Energia e Meio Ambiente A partir da década de 1960 a indústria automobilística passou a ter de resolver dois grandes problemas relacionados

Leia mais

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO GRUPOS MOTOGERADORES Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão interna utilizados para converter energia

Leia mais

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti CAPITULO 2 Potência e pressões médias de um motor de combustão Eng. Julio Cesar Lodetti Definição de Potência e rendimento A potência, é por definição função do torque fornecido sobre o virabrequim, e

Leia mais

SISTEMA DE CALIBRAÇÃO DE EMISSÕES EM TEMPO REAL

SISTEMA DE CALIBRAÇÃO DE EMISSÕES EM TEMPO REAL Blucher Engineering Proceedings Setembro de 2015, Número 1, Volume 2 SISTEMA DE CALIBRAÇÃO DE EMISSÕES EM TEMPO REAL André Gouvêa¹, Marcello Depieri¹, Fernando Urcino¹, Gledson Rocha¹, Alexandre Maria¹,

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos

Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Novos Materiais para a Redução de Peso dos Veículos Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Rio de Janeiro 12 de Dezembro de 2012 Marcelo C.Carboni CBMM Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração

Leia mais

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving João A. Madeiras Pereira INESC-ID/IST Pavilhão Atlântico, Lisboa, 20 Maio 2009 Apresentação Criar um simulador de condução económica

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 3.4 Motor de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Torque x velocidade Rotores de Barras Profundas e Dupla Gaiola de Esquilo Com o rotor parado a frequência

Leia mais

Preparando o caminho para um mundo mais limpo e energeticamente eficiente.

Preparando o caminho para um mundo mais limpo e energeticamente eficiente. Preparando o caminho para um mundo mais limpo e energeticamente eficiente. Onde quer que seja a v soluções de propulsão Seja um motor de combustão altamente eficiente, um sistema híbrido inteligente ou

Leia mais

1988/89: Entrou em vigor a primeira etapa no Brasil: (fase 1). 1992: Entrou em vigor a fase 2 no Brasil. 1997: Entrou em vigor a fase 3 no Brasil.

1988/89: Entrou em vigor a primeira etapa no Brasil: (fase 1). 1992: Entrou em vigor a fase 2 no Brasil. 1997: Entrou em vigor a fase 3 no Brasil. 1 INTRODUÇÃO Nas áreas metropolitanas o problema da poluição do ar tem-se constituído numa das mais graves ameaças à qualidade de vida de seus habitantes. Os veículos automotores são os principais causadores

Leia mais

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda 1 Introdução O fenômeno da combustão sempre esteve diretamente ligado à história da humanidade desde os primórdios de sua existência. No início, através do fogo espontâneo presente na natureza. Pelas suas

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS

LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS LEGISLAÇÃO SOBRE O CONTROLE DE POLUIÇÃO CAUSADA POR MOTOCICLETAS ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DO PROCONVE & PROMOT C E T E S B

APERFEIÇOAMENTO DO PROCONVE & PROMOT C E T E S B APERFEIÇOAMENTO DO PROCONVE & PROMOT C E T E S B Rui de Abrantes Renato R. A. Linke SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EMISSÕES: NOSSO AR PODE SER MELHOR UMA ABORDAGEM CRÍTICA DAS EMISSÕES VEICULARES AEA São Paulo

Leia mais

NEXT ENERGY REVOLUTION BioFUELS???; Electric Vehicles???? Carla Silva

NEXT ENERGY REVOLUTION BioFUELS???; Electric Vehicles???? Carla Silva NEXT ENERGY REVOLUTION BioFUELS???; Electric Vehicles???? Carla Silva camsilva@ciencias.ulisboa.pt 2 Who am I Carla Silva camsilva@ciencias.ulisboa.pt Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Integrated

Leia mais

GBA17L. Características Principais Frequência Hz 50 Tensão V 400 Fator de Potência cos ϕ 0.8 Fase e Conexão 3

GBA17L. Características Principais Frequência Hz 50 Tensão V 400 Fator de Potência cos ϕ 0.8 Fase e Conexão 3 GBA17L Características Principais Frequência Hz 50 Tensão V 400 Fator de Potência cos ϕ 0.8 Fase e Conexão 3 Potência Potência Máxima LTP kva 17.60 Potência Máxima LTP kw 14.08 Potência Contínua PRP kva

Leia mais

ECO 2 EFICIÊNCIA EM FROTAS DE CARGA

ECO 2 EFICIÊNCIA EM FROTAS DE CARGA Blucher Engineering Proceedings Setembro de 2015, Número 1, Volume 2 ECO 2 EFICIÊNCIA EM FROTAS DE CARGA Décio Magioli Maia 1, Rogério Nascimento de Carvalho 1 1 PETROBRAS E-mails: deciomaia@petrobras.com.br,

Leia mais

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO:

IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: IMPACTO DOS VEÍCULOS ELÉTRICOS NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO BRASILEIRO: SETOR DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Caderno FGV Energia: Carros Elétricos Rio de Janeiro 24 maio 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.723, DE 28 DE OUTUBRO DE 1993. Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 MÁXIMA QUALIDADE E TECNOLOGIA DA MARCA QUE VOCÊ CONHECE E CONFIA! A FORÇA QUE VOCÊ PRECISA, AGORA NO BRASIL! A Hyundai Corporation é uma empresa renomada e líder no comércio

Leia mais

Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles. Tiago Lopes Farias

Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles. Tiago Lopes Farias Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles Tiago Lopes Farias Instituto Superior Técnico Otto Engine: : 4 stroke cycle ADMISSÃO COMPRESSÃO EXPANSÃO ESCAPE Main variables curso

Leia mais

O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados

O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados Fabio Araujo, Latin America Product Manager, Engine Oils 6 º Encontro Internacional com o Mercado America do Sul 2016 Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS. 29 de Outubro de Fuel Economy. Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA

2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS. 29 de Outubro de Fuel Economy. Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA Fuel Economy Douglas McGregor (Afton Chemical) Em nome da ABRAFA ABRAFA 2º SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FABRICANTES DE ADITIVOS Associação legalmente constituída pelos

Leia mais

Climatologia de Cubatão

Climatologia de Cubatão Climatologia de Cubatão Simone Valarini e Rita Yuri Ynoue 1 1 Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo- IAG-USP- Rua do Matão, 1226 São Paulo SP Brasil, email:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DE MOTORES

DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA DE MOTORES UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO I Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULURA I 154- MOORES E RAORES DEERMINAÇÃO DA OÊNCIA DE MOORES Carlos Alberto Alves Varella 1

Leia mais

Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos. Características de Desempenho 1ª Parte

Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos. Características de Desempenho 1ª Parte Disciplina: Sistemas Fluidomecânicos Características de Desempenho 1ª Parte Características de Desempenho Para especificar uma máquina de fluxo, o engenheiro deve ter em mãos alguns dados essenciais: altura

Leia mais

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics

PSA PEUGEOT CITROËN. Franck Turkovics PSA PEUGEOT CITROËN Franck Turkovics Tecnologia Hybrid Air Uma tecnologia de ruptura no mundo dos híbridos Preço vsemissões de CO2 ( base França) Volt 40000 35000 HEV HSD PHEV HSD HEV Hy4 Híbrido Plugin

Leia mais

Inovações das Tecnologias Diesel

Inovações das Tecnologias Diesel Inovações das Tecnologias Diesel Seminário Frotas e Fretes Verdes Dezembro 2013 Marco Rangel Cummins América do Sul 2 Inovações Tecnológicas Diesel e as Mudanças Climáticas Globais Qual o ambiente regulamentador

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS . Nº GSI ART054-09 - CD 382-09 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS João Roberto Cogo Artigo apresentado no Seminário de Técnicas de Conservação de Energia Elétrica Publicação CEMIG/PROCEL

Leia mais

Versão para Impressão do Tópico

Versão para Impressão do Tópico Versão para Impressão do Tópico Clique aqui para ver o tópico em seu formato original Fórum Peugeot SportClube _ OFICINA MECÂNICA _ Tudo sobre escapamentos Postado por: Luiz Fernando Jr em Jul 31 2008,

Leia mais

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2015

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2015 CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2015 FICHA TÉCNICA Carroceria / motorização: Construção: Fabricação: Chevrolet S10 Cabine Simples Flexpower Picape, 2 portas, 2 ou 3 ocupantes (dependendo da

Leia mais

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014

CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014 CHEVROLET S10 CABINE SIMPLES 2.4 FLEXPOWER 2014 FICHA TÉCNICA Carroceria / motorização: Construção: Fabricação: Chevrolet S10 Cabine Simples Flexpower Picape, 2 ou 3 ocupantes (dependendo da versão), 2

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais

Pengcheng. A Primeira Frota de Táxis T. Elétricos no Mundo. Michael Kwei. del Shenzhen Bus Group. Shenzhen, China

Pengcheng. A Primeira Frota de Táxis T. Elétricos no Mundo. Michael Kwei. del Shenzhen Bus Group. Shenzhen, China SHENZHEN BUS Pengcheng A Primeira Frota de Táxis T Elétricos no Mundo uma subsidiária del Shenzhen Bus Group Michael Kwei Shenzhen Bus Group Shenzhen, China www.shenzhenbus.com Onde está Shenzhen Beijing

Leia mais

Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013

Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013 1 Eng.. JOSIAS MATOS DE ARAUJO Diretor-Presidente da Eletrobras Eletronorte 26 de novembro de 2013 2 O Sistema Elétrico Brasileiro em Números Geração Instalada: 124.873 MW Linhas de Transmissão: 115.964

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização;

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; 1 Motores de Alto Rendimento - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; - Mais cobre nos enrolamentos, diminuindo as perdas por efeito Joule; - Alto fator de

Leia mais

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil

Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil Renato Alvarenga Diretor de Comercialização e Logística Cam Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Agenda Introdução sobre veículos elétricos Desafios para a adoção em massa

Leia mais

NT PowerBox. Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo.

NT PowerBox. Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo. NT PowerBox Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo. SEU MOTOR TEM BAIXA PERFORMANCE? DÊ UMA DOSE DE NT POWERBOX

Leia mais

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010 Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar São Paulo Novembro/2010 Objetivos Implementação dos instrumentos previstos na Política

Leia mais

DPU4545 Placas vibratórias reversíveis. Chega rapidamente e de modo fiável ao destino

DPU4545 Placas vibratórias reversíveis. Chega rapidamente e de modo fiável ao destino DPU4545 Placas vibratórias reversíveis Chega rapidamente e de modo fiável ao destino O DPU 4545 oferece elevada produtividade devido à boa potência de compactação em combinação com o rápido avanço e retorno.

Leia mais

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014 Introdução Aula 9 O sistema Flex Fuel é capaz de reconhecer e adaptar, automaticamente, as funções de gerenciamento do motor para qualquer proporção de mistura de álcool e de gasolina que esteja no tanque.

Leia mais

Funcionamentos Sonda lambda

Funcionamentos Sonda lambda Linea 1.4 16v Turbo Funcionamnetos 10-020 - SONDA LAMBDA Características De tipo "planar", estão montadas a montante e a jusante do catalisador e informam a centralina de injeção sobre o andamento da combustão

Leia mais

B310r 4x2 rodoviário VOLVO PNEUS 295/80R22,5. DIMENSÕES (mm)

B310r 4x2 rodoviário VOLVO PNEUS 295/80R22,5. DIMENSÕES (mm) VOLVO B310r 4x2 rodoviário Computador de bordo com diagnóstico de falhas Arquitetura BEA2 (Bus Electrical Architecture) Motor eletrônico Volvo D11C Suspensão com controle eletrônico Sistema Volvo de freios

Leia mais

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA.

TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. TÉCNICA DE ANÁLISE DE GASES PARA GANHO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. 1 - Resumo Desde a assinatura do Protocolo de Kyoto em 1997, o mundo vive, um momento de reflexão sobre o desequilíbrio ocasionado pela

Leia mais

Tecnologias e Soluções para o Futuro das Acessibilidades Restricted Siemens SA 2013 All rights reserved.

Tecnologias e Soluções para o Futuro das Acessibilidades Restricted Siemens SA 2013 All rights reserved. 11º Congresso Nacional Adfersit Herbert Seelmann Tecnologias e Soluções para o Futuro das Acessibilidades Restricted Siemens SA 2013 All rights reserved. Adfersit 2013 Herbert Seelmann Novo paradigma Restricted

Leia mais

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara

Máquinas Térmicas Turbinas a Gas. Jurandir Itizo Yanagihara Máquinas Térmicas Turbinas a Gas 1 Vantagens da Vantagens Turbinas a gás tendem a ser mais compactas, isto é, tem uma maior razão potência/peso (até 70% em relação a outros motores). Por isso, elas são

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO N.º 12

DOCUMENTO DE TRABALHO N.º 12 Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão de Inquérito sobre a Medição das Emissões no Setor Automóvel 30.11.2016 DOCUMENTO DE TRABALHO N.º 12 sobre o inquérito à medição das emissões no setor automóvel Apêndice

Leia mais

Composição do servoacionamento

Composição do servoacionamento SERVOACIONAMENTO Composição do servoacionamento O servoacionamento é constituído dos seguintes componentes: Um servomotor, um servoconversor e um transdutor de posição Os Servoacionamentos são utilizados

Leia mais

Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE)

Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE) Centro de Inovação em Sistemas Logísticos Uso da tecnologia GPS para estimativa das emissões dos gases causadores do efeito estufa (GEE) Flávio G. Vaz de Almeida Fo. Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki Cláudio

Leia mais

Seminário Internacional de Emissões - AEA

Seminário Internacional de Emissões - AEA Seminário Internacional de Emissões - AEA Redução de Emissões de CO 2 nos Transportes: eficiência e biocombustíveis Francisco E. B. Nigro Professor São Paulo: 25/04/2013 Agenda Legislação sobre Mudanças

Leia mais

Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética

Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética II Simpósio Internacional de Combustíveis, Biocombustíveis e Aditivos Virgilio Cerutti Presidente Magneti Marelli

Leia mais

O APERFEIÇOAMENTO DAS ESTIMATIVAS DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2013

O APERFEIÇOAMENTO DAS ESTIMATIVAS DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2013 Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 O APERFEIÇOAMENTO DAS ESTIMATIVAS DAS EMISSÕES VEICULARES NO ESTADO DE SÃO PAULO, NO PERÍODO DE 2008 A 2013 Cristiane Dias 1 ; Marcelo

Leia mais

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012 MOTORES Flex Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM UFRJ Dezembro de 2012 FLEX FUEL BRASILEIRO Permite a utilização de álcool hidratado (E100), gasolina (E22) ou qualquer mistura

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE MOTORES PNEUMÁTICOS EM VEÍCULOS

ANÁLISE DE VIABILIDADE DE MOTORES PNEUMÁTICOS EM VEÍCULOS ANÁLISE DE VIABILIDADE DE MOTORES PNEUMÁTICOS EM VEÍCULOS Johnny Martinez de Moraes 1, Cristiane Aparecida Martins 1, Susane Ribeiro Gomes 1 1 Instituto Tecnológico de Aeronáutica E-mails: johnnymartinez9@gmail.com,

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

Introdução às máquinas CA

Introdução às máquinas CA Introdução às máquinas CA Assim como as máquinas CC, o princípio de funcionamento de máquinas CA é advindo, principalmente, do eletromagnetismo: Um fio condutor de corrente, na presença de um campo magnético,

Leia mais

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 13/09/2013 PBE Veicular

Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular. 13/09/2013 PBE Veicular Evolução do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PBE Veicular Sumário Histórico do Programa e Marcos Legais O programa veicular PBEV Próximos Passos Inovar Auto Resultados Conclusões Histórico e

Leia mais

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw DD25B COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw Visibilidade de 360 Com um assento deslizante posicionado de forma ideal, suportes angulados do cilindro e um projeto de capô inclinado, o DD25B

Leia mais

Estruturas leves para novas tecnologias em carros

Estruturas leves para novas tecnologias em carros Estruturas leves para novas tecnologias em carros Hartwig Meier Chefe de Desenvolvimento de Produto e Aplicações da unidade de negócios Semi-Crystalline Products AUTOMOTIVE DAY BRASIL, 6 de outubro de

Leia mais

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA LTC/PET/COPPE/UFRJ PROGRAMA DE LOGÍSTICA VERDE BRASIL (PLVB)

PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA LTC/PET/COPPE/UFRJ PROGRAMA DE LOGÍSTICA VERDE BRASIL (PLVB) LABORATÓRIO DE DE CARGA PROGRAMA DE LOGÍSTICA VERDE BRASIL (PLVB) POTENCIALIZADO A SUSTENTABILIDADE LOGÍSTICA POR MEIO DE BOAS PRÁTICAS NO RODOVIÁRIO DE CARGAS RELACIONANDO PRESSÃO DE CALIBRAGEM DOS PNEUS

Leia mais