Biotecnologia UNIFESP, SJC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biotecnologia UNIFESP, SJC"

Transcrição

1 Biotecnologia UNIFESP, SJC

2 PROPOSTA DE BIOTECNOLOGIA Trajetória no BCT Pós-BCT (Bacharel em Biotecnologia)

3 PANORAMA DA BIOTECNOLOGIA 1. O que é Biotecnologia? 2. Em que áreas atua? 3. O que é necessário para fazer Biotecnologia? 4. O que se faz de Biotecnologia no Brasil? 5. Trajetória BCT 6. Perspectivas no Brasil.

4 1. DEFINIÇÃO

5 BIOTECNOLOGIA: DEFINIÇÃO "Aplicação de ciência e tecnologia a organismos vivos ou, partes, produtos e modelos deles, para modificar materiais vivos e não vivos com o fim de produzir conhecimento, produtos e serviços. OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico)

6 2. Em que áreas atua? *AGRICULTURA *AGROENERGIA *SAÚDE *INDÚSTRIA *MEIO AMBIENTE *NANOTECNOLOGIA *OUTRAS

7 *AGRICULTURA* AGROENERGIA Desenvolvimento de BIOCOMBUSTÍVEIS espécies vegetais resistentes a insetos e tolerantes a herbicidas. Biotecnologia ETANOL OUTROS COMBUStÌVEIS INDUSTRIAL Levedura geneticamente modificada (GM) usada na fabricação de biocombustíveis. Mosquitos Aedes Aegypti transgênicos já são realidade no Brasil

8 MELHORAMENTO TRADICIONAL DE PLANTAS: BIOTECNOLOGIA DE PLANTAS

9

10 TRANSGÊNICOS

11 SAÚDE VACINAS TERAPIA GÊNICA NANOBIOTECNOLOGIA Biotecnologia ANTIBIÓTICOS E HORMÔNIOS CÉLULAS TRONCO DIAGNÓSTICOS

12 TRANSGÊNICOS NA INDÚSTRIA

13 O pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Francisco Aragão, um dos responsáveis pela primeira semente de feijão transgênico, acrescenta que já há estudos de biossegurança para o desenvolvimento de espécies de feijão e de soja que necessitam de menos água no cultivo. Segundo ele, também está em desenvolvimento uma espécie de alface enriquecida com ácido fólico, prescrito pelos médicos para o prénatal para evitar a anemia.

14 STONEWASHING COM ALGODÃO TRANSGÊNICO Há alguns anos, era comum colocar a calça jeans nova com pedras e ácido em máquinas para obter um efeito desbotado e aumentar a maciez do tecido, num processo conhecido como stonewashing. Graças à biotecnologia, foram desenvolvidos microrganismos transgênicos capazes de dar ao jeans as mesmas características, eliminando-se, assim, um processo altamente poluidor do meio ambiente.

15 Japão: produção de meias-calça mais resistentes.

16 SABÃO EM PÓ COM ENZIMAS DE BACTERIAS GM No sabão em pó, por exemplo, enzimas produzidas por bactérias geneticamente modificadas são usadas para degradar a gordura dos tecidos e resistir às condições do processo de lavagem.

17 INOVAÇÃO IDEIAS E INVENÇÕES QUE POSSAM GERAR PRODUTOS OU PROCESSOS QUE TENHAM ALGUM VALOR ECONÔMICO.

18 Quím. Nova vol.32 no.3 (2009)

19 BIOTECNOLOGIA: POTENCIAL Estimativa 2030: Biotec contribuirá para 100% dos remédios novos, 35% da produção química, 50% da produção do setor primário; Total : 2,7% PIB (ca bilhões de USD).

20 3. O QUE É NECESSÁRIO PARA FAZER BIOTECNOLOGIA?

21 BIOTECNOLOGIA: FUNDAMENTOS. Biologia Biologia Molecular Microbiologia Engenharia Engenharia Bioquímica Química Bioquímica Química Analítica

22 BIOTECNOLOGIA MODERNA Biotecnologia Vermelha Biomedicina Biotecnologia Verde Agricultura Biotecnologia Branca Industrial

23 4. O QUE SE FAZ DE BIOTECNOLOGIA NO BRASIL?

24 Seqüenciamento genético da bactéria Xylella fastidiosa Em 131 anos de existência da Nature, jamais um artigo produzido por um grupo de pesquisa brasileiro chegara à capa da revista.

25 BIOTECNOLOGIA APLICADA A SAÚDE: EX. CÉLULAS TRONCO

26 O governo norteamericano já planeja importar 2,5 bilhões de litros de etanol de cana do Brasil. BRASIL: 2 PRODUTOR MUNDIAL DE ETANOL

27 BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA O Brasil, se destaca no cenário internacional por ter aprovado, após 10 anos de pesquisa, a primeira variedade GM de feijão do mundo, desenvolvida inteiramente em uma instituição pública de pesquisa, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Esse feijão é resistente ao vírus do mosaico dourado, causador de uma doença que prejudica seriamente a produtividade das plantações dessa leguminosa.

28 Natura Boticário

29 NANOCOSMÉTICOS Rugas preenchidas por micropartículas rejuvenescedoras, maquiagem com o mesmo brilho e cor das asas da borboleta, protetor solar com melhor fixação à pele, emulsões com hidratação de 24 horas. Dentre os benefícios destacam-se a melhor penetração de ingredientes ativos na pele e cabelo, maior eficácia dos produtos e a possibilidade de liberação controlada dos ativos.

30 LINHAS DE PESQUISAS DESENVOLVIDAS PELO CORPO DOCENTE DA UNIFESP-ICT

31 PESQUISA ICT-UNIFESP

32 EMPRESAS DA REGIÃO Monsanto: Produz em SJC 90% do mercado nacional de Roundup, uma herbicida aparentemente de baixa toxicidade líder de mercado, contra à qual a mesma cia. desenvolve plantas transgênicas (soja, milho, etc.). Vale Soluções Energia e Instituto Tecnológico Vale (Parque Tecnológico SJC): Pesquisa em energia e fontes de energia renováveis. Johnson&Johnson: Centro de Pesquisa e Tecnologia. supre todo o mercado latino-americano na busca de novos produtos, métodos de trabalho e processos de análise e fabricação.de suporte para o desenvolvimento de produtos, como Pesquisa Analítica e Microbiologia; e de avaliação de produtos. INPE: Projeção em Biotec esperada (degradação de pesticidas etc.) Indústria química: Henkel, BASF, Votorantim Medianas e Pequenas Empresas: Biossena, Selaz, Touch Tecnologia, Vexon, Intercientífica, Lifemed, Probes, CST Biotecnologia, Delta Life Tecnologia, Quinabra, Natupol, Sanevale, Natupur, Floresta Tecnologia.

33 5. TRAJETÓRIA BIOTEC MATRIZ CURRICULAR SUGERIDA

34 MATRIZ CURRICULAR: LISTA TEMÁTICA o o o o o o o o o o Bioquímica e Biologia Molecular; Fisiologia e Modelos Experimentais; Microbiologia Geral e Aplicada; Física; Química Geral, Termodinâmica Química, Química Orgânica; Engenharia Bioquímica; Bioinformática e Biologia de Sistemas; Ciências da Computação; Matemática (Cálculo, Geometria Analítica, Algebra Linear, Estatística); Ciências Humanas.

35 6. PERSPECTIVAS

36 Por que investir no Brasil? Concluímos que o Brasil está num estágio de inovação que daqui para frente só vai melhorar. O governo investe e apóia cada vez mais novas tecnologias e tem um mercado consumidor cada vez maior para elas. Também é muito clara a posição de liderança no segmento de biocombustíveis no mundo. Então quem quer atuar nesse segmento tem que vir para o Brasil. O mercado de biotecnologia é mesmo promissor? É o futuro, claramente. Do ponto de vista de saúde com certeza a biotecnologia é o futuro. O que ela oferece de novos tratamentos e terapias ultrapassa em muito o que a química convencional pode oferecer.

37

38

39

40 2006- Inauguração do Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares (LECC) da Coppe-UFRJ.

41 BIOTECNOLOGIA

42

43 BIOTECNOLOGIA NO BRASIL (SETOR PRIVADO)

44

45

46 CONCLUSÃO A área de biotecnologia tem um potencial elevado na região, no Brasil e no mundo. O entorno multidisciplinar e aplicado da UNIFESP SJC é muito favorável para a realização de pesquisa e ensino na biotecnologia. A tradição de pesquisa da UNIFESP em biomedicina é um diferencial importante que também deve ser levado em consideração.

47

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA 2016*

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA 2016* HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA * Alteração em Reunião de Conselho de Curso realizado em 25/11/2015 2016* 1º SEMESTRE 1º ANO Física I Biologia Celular Introdução

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA HORÁRIO DE AULAS

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA HORÁRIO DE AULAS (h) 1º ANO - 1º SEMESTRE 8-10 - 1 Trabalho Interdisciplinar Orientado I 8-10 - 2 Trabalho Interdisciplinar Orientado I 8-10 - Cálculo Diferencial e Integral I 10-12 - Química Geral - 14-18 DAC 1 Microbiologia

Leia mais

HORÁRIO PARA O ANO LETIVO DE CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA

HORÁRIO PARA O ANO LETIVO DE CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA HORÁRIO PARA O ANO LETIVO DE 2016 - CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA 1 ANO 1 SEMESTRE SALA 1 - Prédio Biotecnologia Horário 2 a feira 3 a Feira 4 a Feira 5 a feira 6 a feira sábado Química Geral Química

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Biotecnologia

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Biotecnologia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Biotecnologia estado da arte e aplicações na agropecuária Editores Técnicos Fábio Gelape Faleiro Solange

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR AGRONOMIA - ATUAL

MATRIZ CURRICULAR AGRONOMIA - ATUAL MATRIZ CURRICULAR AGRONOMIA - ATUAL Semestre Código Disciplina Carga horária total Créditos Pré-requisitos AGR 101 Biologia Celular - AGR 102 Cálculo Diferencial e Integral 80 4 - AGR 103 Desenho Técnico

Leia mais

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA 2017 * Aprovado em Reunião de Conselho de Curso de Graduação em Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia realizado em 16/11/2016

Leia mais

Biotecnologia no Melhoramento de Plantas PLANTAS TRANSGÊNICAS. João Carlos Bespalhok Filho

Biotecnologia no Melhoramento de Plantas PLANTAS TRANSGÊNICAS. João Carlos Bespalhok Filho Biotecnologia no Melhoramento de Plantas PLANTAS TRANSGÊNICAS João Carlos Bespalhok Filho Resumo Algumas definições Como se faz uma planta transgênica? Aplicações de transgênicos Estatística de transgênicos

Leia mais

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia.

A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. A atuação profissional do graduado em Biotecnologia. Com ênfases especialmente fortes em e Celular, e Bioinformática, o profissional em Biotecnologia formado pela UFRGS irá ocupar uma ampla lacuna existente

Leia mais

4.4 MATRIZ CURRICULAR CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA

4.4 MATRIZ CURRICULAR CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA 4.4 MATRIZ CURRICULAR CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA AGRONÔMICA 1º PERÍODO Carga Horária Horas/ Calculo Diferencial e Integral 70 10 80 4 Básica Obrigatória - Química I 40 20 60 3 Básica Obrigatória

Leia mais

Há um Brasil que todos conhecem! Floresta amazônica Futebol Carnaval Rio de Janeiro. Segue sendoum sucesso, mashámaisdo queisso!

Há um Brasil que todos conhecem! Floresta amazônica Futebol Carnaval Rio de Janeiro. Segue sendoum sucesso, mashámaisdo queisso! Avanços da Biotecnologia no Brasil Deise M. F. Capalbo Há um Brasil que todos conhecem! Floresta amazônica Futebol Carnaval Rio de Janeiro Segue sendoum sucesso, mashámaisdo queisso! Baseado na aprees.

Leia mais

Grade Curricular do Curso de Bacharelado em Biotecnologia - São Carlos

Grade Curricular do Curso de Bacharelado em Biotecnologia - São Carlos Grade Curricular do Curso de Bacharelado em Biotecnologia - São Carlos Perfil 01 Código Disciplina Creditos Aula Lab. Est. Conjunto 1 070211 QUIMICA GERAL PARA ESTUDANTES DE BIOLOGIA 4 4 0 0 OBRIGATORIAS

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Eduardo Magalhães dos Santos

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Eduardo Magalhães dos Santos AGRONOMIA COORDENADOR Carlos Eduardo Magalhães dos Santos carlos.magalhaes@ufv.br 46 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais

Leia mais

INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR. Aula 1. LGN0232 Genética Molecular. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética

INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR. Aula 1. LGN0232 Genética Molecular. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética INTRODUÇÃO À GENÉTICA MOLECULAR Aula 1 LGN0232 Genética Molecular Maria Carolina Quecine Departamento de Genética mquecine@usp.br LGN0232 Genética Molecular Método de avaliação 1ª PROVA TEÓRICA: 25/09-29/09

Leia mais

c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009

c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009 c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009 Introdução A Biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com tecnologia, é um conjunto de técnicas que utilizam os seres

Leia mais

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente Isolamento, Seleção e Cultivo

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV AGRONOMIA. COORDENADOR Cláudio Pagotto Ronchi

Currículos dos Cursos UFV AGRONOMIA. COORDENADOR Cláudio Pagotto Ronchi 52 Currículos dos Cursos UFV AGRONOMIA COORDENADOR Cláudio Pagotto Ronchi claudiopagotto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 53 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar

Leia mais

Currículo do Curso de Agronomia

Currículo do Curso de Agronomia Currículo do Curso de Agronomia Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas na Resolução nº 218, de 29.6.73, do CONFEA, e atuar nos seguintes

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados

Organismos Geneticamente Modificados Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Biotecnologia Organismos Geneticamente Modificados Breve Panorama da Soja Transgênica no Brasil e no Mundo Antônio Carlos Roessing

Leia mais

Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum

Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum Equivalências entre as disciplinas da CNeM nos dois regimes acadêmicos: Tronco Comum 1º. Semestre Inserção à Vida Universitária 40h Inserção à Vida Universitária 15h Iniciação ao Pensamento Científico

Leia mais

CURSO BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 9 a 20 de julho de Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan. 4 a edição

CURSO BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 9 a 20 de julho de Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan. 4 a edição CURSO BIOTECNOLOGIA Aplicada à Agropecuária 9 a 20 de julho de 2012 Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan 4 a edição Introdução A Biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com tecnologia,

Leia mais

Grade Horária - Engenharia Bioprocessos (1º Semestre de 2016)

Grade Horária - Engenharia Bioprocessos (1º Semestre de 2016) Grade Horária - Engenharia (1º Semestre de 2016) 1º PERÍODO 17:05-18:55 Algoritmos Estruturas e Dados 1 A Química Geral Experimental B Calculo Diferencial e Integral I Química Geral Teorica Calculo Diferencial

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira

AGRONOMIA. COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira AGRONOMIA COORDENADOR Carlos Alberto de Oliveira calberto@ufv.br 42 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Manipulação Genética

Manipulação Genética Manipulação Genética O que é Biotecnologia? Biotecnologia significa, qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos, organismos vivos, ou seus derivados, para fabricar ou modificar produtos

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de em diante)

Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de em diante) Matriz Curricular do Curso de Ciências da Natureza Licenciatura em BIOLOGIA (de 2009.2 em diante) Formação e Estrutura da Vida na Terra 60 Mecânica Clássica I 60 Trabalhos Experimentais 60 Química Geral

Leia mais

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO: ENGENHARIA FLORESTAL Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008/1º

Leia mais

BIOPROSPECÇÃO MICROBIANA

BIOPROSPECÇÃO MICROBIANA BIOPROSPECÇÃO MICROBIANA BIOPROSPECÇÃO MICROBIANA O Brasil, por sua grande diversidade de biomas e de ecossistemas, vasta extensão territorial e por estar nos trópicos onde se concentra a maior biodiversidade

Leia mais

CURSO. 8 a edição BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 18 a 29 de julho de Embrapa Cerrados. Auditório Roberto Engel Aduan

CURSO. 8 a edição BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 18 a 29 de julho de Embrapa Cerrados. Auditório Roberto Engel Aduan CURSO 8 a edição BIOTECNOLOGIA Aplicada à Agropecuária 18 a 29 de julho de 2016 Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan Introdução A Biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com tecnologia,

Leia mais

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há Nome da UC Categoria CH Total Pré-Requisitos Álgebra Linear Eletiva 72 Geometria Analítica Álgebra Linear Computacional Eletiva 72 Cálculo Numérico Álgebra Linear II Eletiva 72 Álgebra Linear Algoritmos

Leia mais

9. Matriz Curricular Curso de Agronomia IFTO/Araguatins

9. Matriz Curricular Curso de Agronomia IFTO/Araguatins 9. Matriz Curricular Curso de Agronomia IFTO/Araguatins Carga Horária 1º PERÍODO Horas/ semana 80 4 Básica Obrigatória - Química I 60 3 Básica Obrigatória - Educação Ambiental 40 2 Básica Obrigatória -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia Matriz Curricular do Curso de Agronomia Total 240 120 360 24 2º Período Letivo: Componentes curriculares 1º Período Letivo: Componentes curriculares Prérequisito AGR 100 Biologia Celular Inexistente AGR

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR /1º semestre. 1º período Carga horária Teórica Prática Total

ESTRUTURA CURRICULAR /1º semestre. 1º período Carga horária Teórica Prática Total MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA ESTRUTURA CURRICULAR - 2002/1º semestre 1º período MAT019

Leia mais

Biotecnologia. à Conjunto de técnicas que utilizam seres vivos para a obtenção de produtos para uso humano. Produção de antibióticos - fungos

Biotecnologia. à Conjunto de técnicas que utilizam seres vivos para a obtenção de produtos para uso humano. Produção de antibióticos - fungos Biotecnologia à Conjunto de técnicas que utilizam seres vivos para a obtenção de produtos para uso humano. Produção de antibióticos - fungos Produção de álcool e pães (fermentação alcoólica - leveduras)

Leia mais

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 06/09/2016 Currículo de Cursos Hora: 16:19:44

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 06/09/2016 Currículo de Cursos Hora: 16:19:44 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 06/09/2016 Currículo de Cursos Hora: 16:19:44 Curso: Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Documento de Autorização: Agronomia - Alegre

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 13/02/2017

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 13/02/2017 VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA - 07 STG 3/0/07 INTEGRAL - º semestre Início:3/03/07 Término: 5/07/07 Amanda Martins Baviera Bioquímica de Macromoléculas / 60h Ana Marisa Fusco Almeida Microbiologia Geral

Leia mais

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis Embrapa Agroenergia Inaugurada em 2010; ~100 empregados: Pesquisadores, Analistas e Assistentes ~150 colaboradores: Laboratórios Temáticos Embrapa Agroenergia

Leia mais

BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA

BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA São Paulo, fevereiro de 2017 BIOTECNOLOGIA NA AGRICULTURA BRASILEIRA A D R I A N A B R O N D A N I A BIOTECNOLOGIA MODERNA REÚNE AS TÉCNICAS DE MAIOR PRECISÃO PARA O MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS MELHORAMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 075/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Química Campus Diadema

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Curso de Engenharia Química Campus Diadema Curso de Matriz Curricular do Curso de - Período Integral 1 o Termo 2 o Termo 3 o Termo 4 o Termo 5 o Termo 6 o Termo 7 o Termo 8 o Termo 9 o Termo 10 o Termo Álgebra Linear e Geometria Analítica Geral

Leia mais

Currículo do Curso de Bioquímica

Currículo do Curso de Bioquímica Currículo do Curso de Bioquímica Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Bacharelado em Bioquímica se destina à formação de profissionais para atuar em pesquisa e ensino de instituições de ensino superior e, ou,

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV BIOQUÍMICA. COORDENADORA Juliana Lopes Rangel Fietto

Currículos dos Cursos UFV BIOQUÍMICA. COORDENADORA Juliana Lopes Rangel Fietto 68 BIOQUÍMICA COORDENADORA Juliana Lopes Rangel Fietto jufietto@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 69 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Bacharelado em Bioquímica se destina à formação de profissionais

Leia mais

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS AMBIENTAIS Adolf Hitler Cardoso de Araújo (1) Universidade Estadual da Paraíba, adolf_araujo@hotmail.com INTRODUÇÃO Com os diversos avanços biotecnológicos como a engenharia

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS

ENGENHARIA DE ALIMENTOS 132 Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Paulo Henrique Alves da Silva phasilva@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O Engenheiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Campus Diadema 4.9.1 Quadro de Unidades Curriculares As Tabelas 4.9.1 e 4.9.2 mostram a distribuição das Unidades Curriculares s e eletivas, com

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL TOTAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL NÚCLEO DE CONTEÚDOS ÁREA DE FORMAÇÃO MATÉRIAS DISCIPLINAS CH T P 1º PERÍODO Silvicultura Ecossistemas Florestais Introdução à Engenharia Florestal

Leia mais

Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química

Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química Laboratórios Nacionais O CNPEM é dedicado à pesquisa de ponta em Materiais, Nanociências, Ciências da vida, Física e Química. Divisão de Pesquisa e desenvolvimento

Leia mais

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas.

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. EMENTÁRIO 1º SEMESTRE CALCULO I Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. AGROINFORMÁTICA Conceitos básicos da informação. Organização de máquinas, Sistemas operacionais, Ambiente

Leia mais

Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação. Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia

Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação. Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia São Carlos, 28/nov/2008 Escopo de Atuação da Embrapa Agroenergia Dados Básicos: Unidade

Leia mais

EDITAL Nº 02/2017 CLASSIFICAÇÃO FINAL DO EDITAL DE PROGRAMA BOLSAS MONITORIA Nº 01/2017

EDITAL Nº 02/2017 CLASSIFICAÇÃO FINAL DO EDITAL DE PROGRAMA BOLSAS MONITORIA Nº 01/2017 EDITAL Nº 02/2017 CLASSIFICAÇÃO FINAL DO EDITAL DE PROGRAMA BOLSAS MONITORIA Nº 01/2017 CLASSIFICAÇÃO UNIDADE CURSO DISCIPLINA 1 Santa Cruz do Sul Eng. BioBio Álgebra Linear e Geometria Analítica 2 Guaíba

Leia mais

RELATÓRIO DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PARA O ANO DE Curso: Engenharia Agronômica

RELATÓRIO DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PARA O ANO DE Curso: Engenharia Agronômica RELATÓRIO DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PARA O ANO DE 2014 Curso: Engenharia Agronômica a) criação de disciplina optativa eletiva a.1.) LCB0222 Tópicos em Ciências Biológicas optativa 2 0 6º sem. sem requisito

Leia mais

Planejamento para os Três Quadrimestres de 2014

Planejamento para os Três Quadrimestres de 2014 Planejamento para os Três s de 2014 Antes de analisar os horários, saiba como o planejamento é elaborado: 1) A coordenação de curso recebe os horários das disciplinas do BC&T da Direção de Centro. Os horários

Leia mais

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS

Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura. Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS Oportunidades para Biotecnologia na Agricultura Denis Lima Diretor LatAm para Assuntos Regulatórios Bayer CropScience - SEEDS AGENDA Bayer Fatores de Sucesso para Biotecnologia Fatores de Risco Conclusões

Leia mais

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE ADRIANA BRONDANI, PhD em Ciências Biológicas Diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) V I I I C O N G

Leia mais

PMCD OFERTA DE VAGAS

PMCD OFERTA DE VAGAS Ciências da Saúde/CPqRR 1 CPqRR Doenças Infecciosas e Parasitárias / Biologia Celular e Molecular 7 2 UFOP Ciências Biológicas 1 UFOP Engenharia Civil PROPEC 4 UFOP Engenharia de Materiais REDEMAT 10 Agroquimica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Rio de Janeiro MATRIZ

Leia mais

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO

OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO OS TRANSGÊNICOS E OS IMPACTOS À MICROBIOTA DO SOLO Adolf Hitler Cardoso de Araújo (1) Universidade Estadual da Paraíba, adolf_araujo@hotmail.com INTRODUÇÃO A engenharia genética é uma das inovações da

Leia mais

Concursos de Professor Assistente Liberados em 2012

Concursos de Professor Assistente Liberados em 2012 Desp. FOAç 1548/10 Patologia e Propedêutica Clinica Patologia Geral; Patologia Bucal 07/12 60/12 1 FOAç 1 FCLAr 110/11 Antropologia, Política e Filosofia Introdução à Filosofia; Filosofia; Filosofia Moderna

Leia mais

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D Distribuição das disciplinas da matriz curricular do Curso de Agronomia do Campus Universitário de Alta Floresta por fase (semestre) CURSO DE AGRONOMIA 1ª Fase Citologia 3 0 1 0 0 Ecologia Geral 2 0 1

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS

ENGENHARIA DE ALIMENTOS ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADORA Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br 214 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro de Alimentos ATUAÇÃO O Engenheiro de Alimentos tem como campo profissional

Leia mais

Planejamento para os Três Quadrimestres de 2015

Planejamento para os Três Quadrimestres de 2015 Planejamento para os Três s de 2015 Antes de analisar os horários, saiba como o planejamento é elaborado: 1) A coordenação de curso recebe os horários das disciplinas do BC&T da Direção de Centro. Os horários

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM Currículo Cursos por Versão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM Currículo Cursos por Versão ADE1000 POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA 99 4 75 Disciplina BBM1020 BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL 99 2 60 Disciplina BBM1021 BIOQUÍMICA B 99 4 60 Disciplina BLG1001 INTRODUÇÃO À BIOLOGIA 99 4 75

Leia mais

Mestrado Integrado em Bioengenharia (MIB)

Mestrado Integrado em Bioengenharia (MIB) Mestrado Integrado em Bioengenharia (MIB) Algumas Informações - CRIADO EM PARCERIA PELA FEUP E PELO ICBAS - 1ª EDIÇÃO EM 2006/07 1 os finalistas 2010/11 - DISCIPLINAS ESPECÍFICAS MATEMÁTICA A, FÍSICA E

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADORA Regina Célia Santos Mendonça

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADORA Regina Célia Santos Mendonça 220 ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADORA Regina Célia Santos Mendonça rmendonc@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 221 Engenheiro de Alimentos ATUAÇÃO O Engenheiro de Alimentos tem como campo profissional

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 30/09/2016

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 30/09/2016 VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA - 06 STG 30/09/06 INTEGRAL - º semestre Início:9/0/06 Término: 04/07/06 Adelino Vieira de Godoy Netto Química Geral / IQ Gabriela Francini Bozza Ricci 04/0/06 Álvaro Martim

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia de Alimentos

Currículo do Curso de Engenharia de Alimentos Currículo do Curso de Engenharia de Engenheiro de ATUAÇÃO O Engenheiro de tem como campo profissional de atuação as indústrias que operam com processamento de alimentos, qualidade e conservação de matérias-primas

Leia mais

Distribuição dos componentes curriculares do curso de Bacharelado em Biotecnologia

Distribuição dos componentes curriculares do curso de Bacharelado em Biotecnologia Distribuição dos componentes curriculares do curso de Bacharelado em Biotecnologia 1º período 2º período 3º período 4º período 5º período 6º período 7º período 8º período Ética FAFCS Química Orgânica -

Leia mais

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo Alimentos transgênicos Aluna: Maria Eugênia Araújo Sumário O que é um transgênico? Métodos de transgenia Aplicações da transgenia Pontos positivos Pontos negativos Rotulagem dos transgênicos Considerações

Leia mais

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento:

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: Biotecnologia Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: É definida como uma técnica que usa organismo vivo ou parte

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Ronaldo Perez

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Ronaldo Perez UFV Catálogo de Graduação 2013 119 ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR Ronaldo Perez rperez@ufv.br 120 Currículos dos Cursos UFV Engenheiro de ATUAÇÃO O Engenheiro de tem como campo profissional de atuação

Leia mais

Tabela 1. Matriz curricular de disciplinas obrigatórias do curso de Bacharelado em Agronomia 1º PERÍODO Hora/ Pré-requisito/ Código Disciplina CH

Tabela 1. Matriz curricular de disciplinas obrigatórias do curso de Bacharelado em Agronomia 1º PERÍODO Hora/ Pré-requisito/ Código Disciplina CH BACHARELADO EM AGRONOMIA - MATRIZ CURRICULAR A matriz curricular do curso de Agronomia encontra-se organizada em períodos, nos quais estão listadas as disciplinas previstas para os respectivos. Também

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 3 0 PERÍODO CARGA HORÁRIA SEMESTRAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIDADE VALENÇA 1 0 PERÍODO GEAL 1101 Cálculo Diferencial e Integral I - - GEAL 1102 Biologia Geral 2 0 0 2 36 - - GEAL 1103 Química Experimental

Leia mais

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para:

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para: Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios Apresentação para: Março 2014 Agenda Ambiente regulatório Eucalipto GM FuturaGene Avaliação ambiental e de segurança Resumo 2 Estrutura legal no

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E PETROQUÍMICA

MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E PETROQUÍMICA III Encontro da Escola Brasileira de Química Verde MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E PETROQUÍMICA Maria Letícia Murta Valle Mestrado Profissional III Encontro da EBQV Escola de Química

Leia mais

Edital n 59/2013. Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico ANEXO I CARGOS E VAGAS

Edital n 59/2013. Concurso Público para Provimento de Cargos de Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico ANEXO I CARGOS E VAGAS Cód. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO Áreas de Atuação / Conhecimento Edital n 59/2013 Concurso

Leia mais

ENEM PROVA AZUL RESUMO

ENEM PROVA AZUL RESUMO ENEM 2009 - PROVA AZUL RESUMO 2009 (19 questões) 1 Ecologia - Desequilíbrio Ambiental Bioquímica 1 2 Fisiologia Humana - Interpretação gráfica Biotecnologia 1 3 Doenças virais e Bioquímica - Soro x Vacina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Lista Pré-Requisitos por Curso

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Lista Pré-Requisitos por Curso Código Nome da Tipo Pré Requisito Curso: BAEQ ENGENHARIA QUIMICA Ano do Curriculo: 2010 Descrição da Estrutura: 2º SEMESTRE BA010903 FISICA II BA011004 CALCULO I BA010901 FISICA I BA010904 LABORATORIO

Leia mais

Transgênicos x HLB: existe a bala de prata?

Transgênicos x HLB: existe a bala de prata? 39 a Semana da Citricultura Transgênicos x HLB: existe a bala de prata? Marcos A. Machado O que é um organismo transgênico? Organismo cujo material genético (ADN/ARN) tenha sido modificado por qualquer

Leia mais

3002 Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO 2

3002 Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO Epistemiologia das Ciências Biológicas SALA 6 BLOCO 2 1ª SÉRIE MANHÃ 07h30min 3001 Fundamentos de Matemática 08h20min 09h10min 3001 Fundamentos de Matemática Biologia Celular / Processo 4178/2017) Biologia Celular / Processo 4178/2017) Biologia Celular /

Leia mais

Curso: Engenharia Agronômica

Curso: Engenharia Agronômica RELATÓRIO DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS PARA O ANO DE 2016 Curso: Engenharia Agronômica a) criação de disciplinas obrigatórias a.1) 0110130 Vida Universitária e Cidadania 2 0 1º sem. Adaptação: para ingressantes

Leia mais

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres

MSc. Wagner Fernando Fuck Letícia Pavoni Grasselli Drª Mariliz Gutterres Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente ESTADO DA ARTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESTÁGIO NA EMBRAPA AGROENERGIA

ESTÁGIO NA EMBRAPA AGROENERGIA ESTÁGIO NA EMBRAPA AGROENERGIA 1. Requisitos para admissão de Estagiário: O Estudante deverá ter vínculo com alguma instituição de ensino; Será aceito Estudante do 2 grau, ou seja, ensino médio; Será aceito

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR /1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 26 CONSEPE, de 06/12/2011). 1º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR /1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 26 CONSEPE, de 06/12/2011). 1º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DIAMANTINA CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA QUÍMICA ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 27/06/2017

CURSO: ENGENHARIA DE BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA STG 27/06/2017 VAGAS DE ESTÁGIO DE DOCÊNCIA - 07 STG 7/06/07 INTEGRAL - º semestre Início:3/03/07 Término: 5/07/07 Amanda Martins Baviera Bioquímica de Macromoléculas / 60h Ana Marisa Fusco Almeida Microbiologia Geral

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá. Curso de Especialização em Biotecnologia e Bioprocessos Ementa e Programa das disciplinas

Universidade Estadual de Maringá. Curso de Especialização em Biotecnologia e Bioprocessos Ementa e Programa das disciplinas Ementa e Programa das disciplinas Iniciação à Pesquisa Fundamentos teóricos da produção do conhecimento científico como instrumento para a análise e desenvolvimento de estudos na área de biotecnologia.

Leia mais

Matriz de Disciplinas do Curso de Engenharia Industrial Elétrica. Formação Básica

Matriz de Disciplinas do Curso de Engenharia Industrial Elétrica. Formação Básica Matriz de Disciplinas do Curso de Engenharia Industrial Elétrica Formação Básica I MATEMÁTICA 1 Álgebra Vetorial e Geometria Analítica 60 2 Cálculo Integral e Diferencial I 60 3 Cálculo Numérico 60 4 Probabilidade

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA DE ALIMENTOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 21/06/2012-12:31:49 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Curso: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Grau Conferido: [x] Bacharel [ ] Licenciatura [ ] Tecnólogo Matriz Válida para Ingressos a partir do ano: 2015 Versão da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Curso de Engenharia Agronômica

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Curso de Engenharia Agronômica MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA GRADE 1 Currículo Pleno aprovado pelo Conselho de Curso para o ano de 2013 Cód. Disc. DISCIPLINAS 1º SEMESTRE CRÉD. CH TOTAL TEÓRICA PRÁTICA 6249-1 Língua

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA

BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA CRBio2 na Fundação Rio-Zoo Rio de Janeiro 4/09/2014 SIMPÓSIO DE BIOLOGIA: DESAFIOS DA DÉCADA Alimentos transgênicos: economia e qualidade de vida BIOTECNOLOGIA E ALIMENTOS: DESAFIOS DA DÉCADA Dra. MARIA

Leia mais

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2016

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2016 GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2016 Disciplinas em Sequência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal LCB0103(5) Morfologia Vegetal 4 0 4 60 1 LCE0108(5)

Leia mais

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2014

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2014 GRADE CURRICULAR ENGENHARIA FLORESTAL ESALQ/USP 2014 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal LCB0103(5) Morfologia Vegetal 4 0 4 60 1 LCE0108(4)

Leia mais

PD&I em Processos Bioquímicos

PD&I em Processos Bioquímicos PD&I em Processos Bioquímicos Dra Thaís Salum Laboratório de Processos Bioquímicos (LPB) Simpósio Agroenergia em Foco Novembro de 2015 Linhas de Pesquisa e Projetos Produção de microalgas como matéria-prima

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira 106 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 107 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Florestal

Currículo do Curso de Engenharia Florestal Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades relacionadas com: construções de madeira; silvimetria e inventário; recursos naturais renováveis;

Leia mais

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade

Departamento do Agronegócio Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade Segurança Alimentar: O Desafio de Abastecer o Mundo com Sustentabilidade O Mundo atravessa um período de aumento expressivo do consumo de alimentos, impulsionado pela melhora da renda das famílias dos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA QUÍMICA Campus: MACAÉ SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Química da Universidade Estácio de Sá, campus Macaé, tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos

Leia mais

Decisões sobre biossegurança no Brasil

Decisões sobre biossegurança no Brasil Decisões sobre biossegurança no Brasil Mesa de controvérsias sobre transgênicos CONSEA 12 de julho de 2013 Gabriel B. Fernandes Transgênicos liberados Milho 19 Soja 5 Algodão 12 Feijão 01 15 Vacinas 02

Leia mais

Resolução n o 139 de 31/08/2015 CAS

Resolução n o 139 de 31/08/2015 CAS Resolução n o 139 de 31/08/2015 CAS Disciplina a matrícula e a rematrícula dos cursos de Engenharia da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior da

Leia mais