Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1 Danilo Tiisel CAPTAÇÃO (MOBILIZAÇÃO) DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

2 CONTEXTO: O TERCEIRO SETOR Terceiro Setor O Terceiro Setor é um tipo de Frankenstein : grande, heterogêneo, construído de pedaços, desajeitado, com múltiplas facetas (Maria da Glória Marcondes Gohn). Conceito ainda em construção Tende a ser impreciso e genérico (genérico) Organizações sem fins lucrativos de interesse social (público ou coletivo) Genericamente: não é Estado nem mercado

3 Natureza Jurídica e Características das Organizações

4 ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Diversidade de Nomenclaturas Associação OSCIP Entidade Institutos UP ONG CEBAS Fundação Instituição OS

5 ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR DENOMINAÇÕES ONG; Instituição; Entidade; Instituto PESSOAS JURÍDICAS Associação e Fundação TÍTULOS RELACIONADOS A ASSOCIAÇÕES E FUNDAÇÕES OSCIP; Utilidade Pública; Organização Social; CEBAS

6 ATIVIDADES ECONÔMICAS DAS OSCs Fins não econômicos Existe confusão quanto aos conceitos de Fins não econômicos e Atividades econômicas Não há impedimento para uma organização de fins não econômicos desenvolver atividades econômicas para geração de recursos, desde que o Seja atividade meio o Não partilhe os resultados decorrentes entre os associados o Destine tais resultados integralmente à consecução de seu objetivo social

7 O que é mobilização de recursos

8 CAPTAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação, relações públicas, elaboração de projetos, questões jurídicas e ética Apoio à finalidade principal da organização (meio para que a entidade cumpra sua missão) Objetivo: geração de diferentes recursos (humanos, financeiros, materiais) Ferramenta de educação pela causa

9 Requisitos básicos para a mobilização de recursos

10 REQUISITOS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Missão clara: coerência entre necessidade social e vocação institucional Boa gestão: equilíbrio entre material humano, recursos e serviços; eficiência

11 REQUISITOS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Transparência: as necessidades financeiras precisam ser compreendidas e aceitas (comunicação com partes interessadas) Ética: informações aos financiadores, confidencialidade, evitar conflito de interesses entre captação de recursos e missão, etc.

12 REQUISITOS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Regularidade Jurídica: Existência jurídica e modelo jurídico adequado (estatutos) Obrigação legal, base da Responsabilidade Social Títulos, qualificações e certificados Isenções, imunidades e incentivos fiscais Aspectos contratuais

13 REQUISITOS PARA MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Competência Técnica: capacitação é essencial Planejamento: essencial, com orçamento, cronograma, objetivos, prioridades, responsáveis bem definidos, etc.

14 TIPOS DE CAMPANHAS

15 TIPOS DE CAMPANHAS Campanha Anual Fundos para despesas operacionais (funcionários, aluguel, telefone, comunicação, materiais de uso geral, etc.) Financiamento serviços permanentes Recursos desvinculados: Indivíduos, eventos, geração de renda, etc.

16 TIPOS DE CAMPANHAS Campanha Capital Campanha de grande porte Pontual Objetiva investimentos em ativos fixos: Construção Reforma Ampliação de edifício Pesquisa Fundos patrimoniais, etc.

17 TIPOS DE CAMPANHAS Campanhas para projetos São pontuais, concretizado o projeto, encerra-se a campanha Objetivam o desenvolvimento e a realização de um projeto específico Disco, livro, limpeza de lago, etc.

18 Fontes de Recursos

19 FONTES DE RECURSOS Essencial Diversificação das fontes de recursos Menor risco Legitimidade social A organização deverá desenvolver contato com diversos públicos e conquistar o reconhecimento da necessidade de sua existência

20 PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS Indivíduos Pessoas físicas Empresas e Institutos Empresariais Empresas e organizações sem fins lucrativos de caráter empresarial Fundações Pela Causa, familiares e comunitárias Fontes Institucionais Geração de Renda Governos, agências, organizações laicas e religiosas, nacionais e internacionais Venda de produtos e serviços, MRC, Eventos, Fundo patrimonial, etc.

21 PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS Indivíduos Pessoas físicas Empresas e Institutos Empresariais Empresas e organizações sem fins lucrativos de caráter empresarial Fundações Pela Causa, familiares e comunitárias Fontes Institucionais Geração de Renda Governos, agências, organizações laicas e religiosas, nacionais e internacionais Venda de produtos e serviços, MRC, Eventos, Fundo patrimonial, etc.

22 PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS Indivíduos Pessoas físicas Empresas e Institutos Empresariais Empresas e organizações sem fins lucrativos de caráter empresarial Fundações Pela Causa, familiares e comunitárias Fontes Institucionais Geração de Renda Governos, agências, organizações laicas e religiosas, nacionais e internacionais Venda de produtos e serviços, MRC, Eventos, Fundo patrimonial, etc.

23 PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS Indivíduos Pessoas físicas Empresas e Institutos Empresariais Empresas e organizações sem fins lucrativos de caráter empresarial Fundações Pela Causa, familiares e comunitárias Fontes Institucionais Geração de Renda Governos, agências, organizações laicas e religiosas, nacionais e internacionais Venda de produtos e serviços, MRC, Eventos, Fundo patrimonial, etc.

24 PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS Indivíduos Pessoas físicas Empresas e Institutos Empresariais Empresas e organizações sem fins lucrativos de caráter empresarial Fundações Pela Causa, familiares e comunitárias Fontes Institucionais Geração de Renda Governos, agências, organizações laicas e religiosas, nacionais e internacionais Venda de produtos e serviços, MRC, Eventos, Fundo patrimonial, etc.

25 Estatuto Social e mobilização de recursos

26 ESTATUTO E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS O Estatuto deve estar adequado à realidade da organização o Roupagem jurídica do planejamento Deve conduzir para uma gestão eficiente e transparente (ferramenta de gestão), essencial à mobilização de recursos

27 ESTATUTO E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Associações (artigo 54 CC) A denominação, os fins e a sede da associação Os requisitos para admissão, demissão e exclusão dos associados Os direitos e deveres dos associados As fontes de recursos para sua manutenção O modo de constituição e funcionamento dos órgãos deliberativos As condições para alteração das disposições estatutárias e para a dissolução A forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas

28 ESTATUTO E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS As fontes de recursos para sua manutenção Meios pelos quais conseguirá sustentar suas atividades para alcançar as finalidades Diferente da constituição do patrimônio Exemplos o Venda de produtos e prestação de serviços o Alianças e contratos estabelecidos com particulares e com entes públicos o Doações, patrocínios, auxílios, subvenções, etc.

29 ESTATUTO E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS As fontes de recursos para sua manutenção. Exemplo: I - as contribuições dos Mantenedores; II - as doações ou auxílios que lhe sejam destinados por quaisquer pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, nacional ou internacional quando realizadas para fim específico ou não e as subvenções recebidas diretamente da União, dos Estados e dos Municípios ou por intermédio de órgãos públicos da administração direta ou indireta; III legados, heranças, direitos, créditos e/ou quaisquer contribuições de pessoas físicas ou jurídicas, associadas ou não; IV os bens e valores que lhe sejam destinados, na forma da lei, pela extinção de instituições similares; V as receitas decorrentes de campanhas, programas e/ou projetos específicos; VI as rendas em seu favor constituídas por terceiros; VII o usufruto instituído em seu favor; VIII rendimentos de aplicações de seus ativos financeiros e outros, pertinentes ao patrimônio sob a sua administração; X - rendimentos produzidos por todos os seus direitos e atividades realizadas para a consecução dos seus objetivos sociais, tais como, mas não se limitando a prestação de serviços, comercialização de produtos, rendas oriundas de direitos autorais e/ou propriedade industrial.

30 O ITCMD e Incentivos Fiscais

31 MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS ITCMD Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD Tributo de competência dos Estados ou Distrito Federal, previsto no art. 155, I da CF; Incidência: transmissão não onerosa de quaisquer bens ou direitos. Art. 155, CF. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: I - transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos

32 MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS ITCMD Competência - Art. 155, 1º, CF Bem imóvel: o tributo será devido ao Estado (ou Distrito Federal) de situação do bem (tanto para doação quanto para transmissão causa mortis ) Bem móvel: depende do motivo da transmissão: Causa mortis : o ITCMD deverá ser recolhido ao Estado (ou Distrito Federal) onde se processar o inventário ou o arrolamento. Doação: o ITCMD deverá ser recolhido pelo Estado (ou Distrito Federal) onde tiver domicílio o doador.

33 MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS ITCMD Imunidade de ITCMD - para Instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos (Artigo 4º, do Decreto /2002); Artigo 14 CTN o Imunidade refere-se aos bens vinculados às finalidades essenciais Isenção de ITCMD o Limite mínimo legal (2.500 UFESPs) o Transmissões "causa mortis" e sobre doação de quaisquer bens ou direitos a entidades sem fins lucrativos, cujos objetivos sociais sejam vinculados à promoção dos direitos humanos, da cultura ou à preservação do meio ambiente (procedimentos - resoluções conjuntas)

34 Isenção de ITCMD (São Paulo) Organizações culturais Certificado de Reconhecimento de Instituição Cultural, emitido pela Secretaria da Cultura, válido na data do protocolo do pedido de isenção do ITCMD. Organizações ambientais Certificado de Reconhecimento de Entidade Ambientalista, emitido pela Secretaria do Meio Ambiente, válido na data do protocolo do pedido de isenção do ITCMD. Organizações que promovem os direitos humanos Certificado de Reconhecimento de Entidade Promotora dos Direitos Humanos, emitido pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, válido na data do protocolo do pedido de isenção do ITCMD.

35 INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Estímulos concedidos pelo governo, na área fiscal, para que recursos sejam canalizados para segmentos específicos (econômico, cultural, social) Por um lado, os incentivos funcionam como estratégia de captação de recursos Por outro lado, os incentivos promovem a criação de uma cultura de participação cidadã

36 Doações para INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Principais Modalidades Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Fundos do Idoso Entidades sem fins lucrativos que prestam serviços gratuitos de Utilidade Pública ou OSCIPs Operações de caráter cultural e artístico (Lei Rouanet) Projetos desportivos e paradesportivos PRONON E PRONAS/PCD

37 INCENTIVOS FISCAIS (FEDERAIS) Principais Modalidades no Terceiro Setor Formas de dedução do investimento incentivado Dedução da base de cálculo do Imposto de Renda como despesa operacional Dedução direta do valor do Imposto de Renda devido Combinação das duas formas anteriores

38 INCENTIVOS FISCAIS: IR Incentivos Fiscais Empresa Pessoa Física Cultura 4 % do Valor do IR Esporte 1 6 Criança 1 Idoso 1 PRONON 1 1 PRONAS 1 1 TOTAL 9 8

39 O Plano de mobilização de recursos e sustentabilidade

40 PLANO DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE O que é? GUIA para as atividades de captação e mobilização de recursos. Serve para esclarecer as questões estratégicas envolvidas e para oferecer suporte à atividade de comunicação de apoio à mobilização.

41 Elementos fundamentais Diagnóstico da organização com ênfase em captação de recursos Definição dos valores a mobilizar (conforme o planejamento) Tipos de campanhas Justificativas Fontes de recursos Contrapartidas Estratégias para acesso às fontes de recursos Orçamento e cronograma Prospecção de investidores sociais Plano de ação PLANO DE MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS E SUSTENTABILIDADE

42 ESTRATÉGIAS Estratégias para captação de recursos são caminhos ou soluções para: Ultrapassar os desafios da atividade Atrair novas e diferentes fontes de recursos Fidelizar os investidores sociais

43 ESTRATÉGIAS Exemplos Captação de recursos de investidores sociais do entorno Captação de recursos materiais e serviços Realização de evento para mobilização (diferentes recursos) Quadro de mantenedores pessoas físicas e jurídicas Fundo patrimonial

44 ESTRATÉGIAS Exemplos Captação de recursos de organizações socialmente responsáveis (investimento social privado) Marketing relacionado à causa Captação de legados Captação por meio da venda de produtos (geração de renda)

45 UMA CAMPANHA Execução do plano Ações Coordenadas Solicitações Fontes de Recursos Comunicação e Marketing Elaboração de Projetos Testes e Criação do Plano de Captação Contatos Divulgação Promoções Diagnóstico Planejamento Pesquisa Follow up Relações Públicas Agradecimentos monitoramento Avaliações e P. Contas

46 Mensagem final PENSAR NA ATIVIDADE DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS COMO ÓTIMA OPORTUNIDADE DE EDUCAÇÃO SOBRE A CAUSA DO OBSERVATÓRIO SOCIAL OBRIGADO!

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD Conceito

Leia mais

Mobilização de Recursos e Sustentabilidade

Mobilização de Recursos e Sustentabilidade Mobilização de Recursos e Sustentabilidade XI Workshop Instituto Cândido de Des. Social 9/5/15 Danilo Tiisel danilo@socialprofit.com.br O QUE É CAPTAÇÃO OU MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS? CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA

VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COMO FORMA DE GERAÇÃO DE RENDA Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilotiisel@socialprofit.com.br TEMAS Geração de renda e mobilização de recursos

Leia mais

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina

Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Graduado em Educação Física - Universidade Estadual de Londrina Especialista em Gestão de Pessoas Especialista em Gestão e Organização Pública Especialista em Qualidade e Produtividade no Setor Público

Leia mais

ITCMD e o Pagamento de Complementação de Pensão por EFPC. Patricia Linhares

ITCMD e o Pagamento de Complementação de Pensão por EFPC. Patricia Linhares ITCMD e o Pagamento de Complementação de Pensão por EFPC Patricia Linhares ITCMD Limites de incidência Autorização constitucional para os Estados é limitada! Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito

Leia mais

Incentivos fiscais e investimento social privado

Incentivos fiscais e investimento social privado Incentivos fiscais e investimento social privado Leandro Marins de Souza Doutor em Direito do Estado pela USP Presidente da Comissão de Direito do Terceiro Setor da OAB/PR Diretor do Centro de Ação Voluntária

Leia mais

Daniel Salgueiro Profº de Planejamento Tributário Universidade Federal de Alagoas

Daniel Salgueiro Profº de Planejamento Tributário Universidade Federal de Alagoas Daniel Salgueiro Profº de Planejamento Tributário Universidade Federal de Alagoas 1 Doações a Entidades Sem Fins Lucrativos Caracteriza-se como investimento social a doação voluntária da Pessoa Jurídica

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

MANUAL DO PATROCINADOR Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016

MANUAL DO PATROCINADOR  Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016 MANUAL DO PATROCINADOR www.manualdopatrocinador.com.br Conselho Regional de Contabilidade - SC 31/08/2016 Panorama Panorama Incentivo Fiscal Estímulos concedidos pelo governo, na área fiscal, para viabilização

Leia mais

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade.

É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. O QUE É? É o processo de planejamento, implementação e controle dos recursos de uma entidade. OBJETIVO Fornecer informações adequadas para subsidiar as decisões que envolvam desembolso e/ou a captação

Leia mais

Fundo da Infância e do Adolescente - FIA

Fundo da Infância e do Adolescente - FIA Fundo da Infância e do Adolescente - FIA O que são incentivos fiscais? Os tributos são instituídos para serem arrecadados. Entretanto, para atingir outros fins de interesse da sociedade através do legislativo,

Leia mais

GUIA PARA O CADASTRO DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO SITE DO INSTITUTO LIGA SOCIAL

GUIA PARA O CADASTRO DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO SITE DO INSTITUTO LIGA SOCIAL GUIA PARA O CADASTRO DE ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL NO SITE DO INSTITUTO LIGA SOCIAL O Liga Social, novo nome do Ajuda Paraná, foi criado para fazer a ponte entre Organizações da Sociedade Civil e

Leia mais

NEGÓCIOS SOCIAIS E SOCIEDADES SEM FINS LUCRATIVOS

NEGÓCIOS SOCIAIS E SOCIEDADES SEM FINS LUCRATIVOS BAPTISTA LUZ ADVOGADOS R. Ramos Batista. 444. Vila Olímpia 04552-020. São Paulo SP baptistaluz.com.br NEGÓCIOS SOCIAIS E SOCIEDADES SEM FINS LUCRATIVOS / Diogo Perroni Carvalho / Laura Rodrigues da Cunha

Leia mais

Fiscalidade Carga horária: 36 horas

Fiscalidade Carga horária: 36 horas Fiscalidade Carga horária: 36 horas PROGRAMA 1. O Sistema Fiscal Português (1 hora: Sérgio Cruz) 1.1. Os impostos nos orçamentos do Estado 1.2. Evasão e fraude fiscais 1.3. Benefícios fiscais 1.4. Contencioso

Leia mais

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista

CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL. Jôer Corrêa Batista CENÁRIO ATUAL e PERSPECTIVAS FUTURAS da AÇÃO SOCIAL Jôer Corrêa Batista Considerações Preliminares. Filantropia Assistência Ação Social Transformação Social Tendências O amadorismo no Terceiro Setor vem

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO III: IMPOSTOS ESTADUAIS: ITCMD E IPVA. Prof. Thiago Gomes

DIREITO TRIBUTÁRIO III: IMPOSTOS ESTADUAIS: ITCMD E IPVA. Prof. Thiago Gomes DIREITO TRIBUTÁRIO III: IMPOSTOS ESTADUAIS: ITCMD E IPVA Prof. Thiago Gomes IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO O ITCMD E SEUS FUNDAMENTOS LEGAIS Incidente sobre transmissão causa mortis

Leia mais

LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995

LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 LEI Nº 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a Legislação do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas, bem como da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, e dá outras providências. Art. 13. Para efeito

Leia mais

Relatório Anual. Instituto Arte,Cidadania,Educação,Saúde,Solidariedade

Relatório Anual. Instituto Arte,Cidadania,Educação,Saúde,Solidariedade Resumo da ONG O ACESSO é uma instituição de direito privado e utilidade pública,localizada no bairro da Aerolândia, periferia de Fortaleza -CE ; começou suas atividades em 2008 com a implantação da Biblioteca

Leia mais

* Data de publicação no Diário Oficial da União (D.O.U.).

* Data de publicação no Diário Oficial da União (D.O.U.). COMUM PARA TODAS AS ÁREAS Utilidade Pública Federal e Estadual ou do Distrito Federal ou Municipal. Certificado (CEBAS) e Registro de Entidade de Fins Filantrópicos (CNAS), renovado a cada três anos. Promova

Leia mais

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa

Programa de Trabalho por Função/SubFunção/Programa Programa de Trabalho por //Programa 03 ESSENCIAL À JUSTIÇA 0,00 574.708,77 0,00 574.708,77 03 092 REPRESENTAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL 0,00 574.708,77 0,00 574.708,77 03 092 0406 GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DAS FINANÇAS CAPÍTULO I DA AUTONOMIA, DE GESTÃO FINANCEIRA, ORÇAMENTÁRIA E PATRIMONIAL

TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DAS FINANÇAS CAPÍTULO I DA AUTONOMIA, DE GESTÃO FINANCEIRA, ORÇAMENTÁRIA E PATRIMONIAL TÍTULO II DO PATRIMÔNIO E DAS FINANÇAS CAPÍTULO I DA AUTONOMIA, DE GESTÃO FINANCEIRA, ORÇAMENTÁRIA E PATRIMONIAL Art. 12 A UNILAB goza de autonomia de gestão financeira, orçamentária e patrimonial, conforme

Leia mais

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar...

SUMÁRIO Direito Tributário...2 O Direito Tributário e as demais ciências jurídicas...5 O Direito Tributário e os Limites ao Poder de Tributar... SUMÁRIO Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA CAPITULO I Da Natureza, Denominação, Sede, Finalidade Artigo 1º A Fundação Eduardo Carlos Pereira, dotada e organizada pela Igreja Presbiteriana Independente do

Leia mais

Políticas Públicas, Sustentabilidade e Captação de Recursos. Elton Bozzetto (51)

Políticas Públicas, Sustentabilidade e Captação de Recursos. Elton Bozzetto (51) Políticas Públicas, Sustentabilidade e Captação de Recursos Elton Bozzetto (51)99666 5592 eltonbozzetto@gmail.com SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade: é a capacidade de uma organização de manter o seu projeto

Leia mais

Esta Política é aplicável a todas as áreas, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou a quem vier atuar em seu nome.

Esta Política é aplicável a todas as áreas, colaboradores, médicos, terceiros e fornecedores do Grupo Fleury ou a quem vier atuar em seu nome. 1. OBJETIVO A presente Política de Patrocínio ( Política ) tem como objetivo dar transparência e formalizar as diretrizes do Grupo Fleury para a escolha dos parceiros que poderão receber apoio institucional

Leia mais

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar...

SumáriO Direito tributário...2 O Direito tributário e as demais Ciências Jurídicas...5 O Direito tributário e os Limites ao poder de tributar... sumário Direito Tributário...2 Conceito...2 Polos...2 Receitas Públicas...2 Natureza...3 Exemplos de receitas derivadas...3 Exemplos de receitas originárias...4 O Direito Tributário e o Direito Público...4

Leia mais

SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL DE IMPOSTOS

SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL DE IMPOSTOS SUMÁRIO 1 O IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS IMÓVEIS 1.1 Evolução histórica 1.2 Na Constituição Federal de 1988: arts. 155, I, e 156, II 2 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E O ITBI 3 DISCRIMINAÇÃO CONSTITUCIONAL

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais

AULAS DE 20 e 22/10/15

AULAS DE 20 e 22/10/15 AULAS DE 20 e 22/10/15 8. IMPOSTOS EM ESPÉCIE 8.1. Impostos da União d) Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) Art. 153, da CF; art. 46 e seguintes do TN. - Também utilizado com finalidade extrafiscal.

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 19/2017

NOTA TÉCNICA N o 19/2017 NOTA TÉCNICA N o 19/2017 Brasília, 18 de abril de 2017. ÁREA: Assistência Social TÍTULO: Recursos para os Fundos Municipais da Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal 4.320, de 17 de março

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR. 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR

TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR. 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR TRIBUTAÇÃO DO TERCEIRO SETOR 23 de junho de 2016 Por: Inaiá Nogueira Queiroz Botelho OAB/PR 31.840 O QUE SÃO TRIBUTOS? Art. 3º do Código Tributário Nacional Tributo é toda prestação pecuniária compulsória,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO

IX CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CMDCA CAMPINAS II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO II ENCONTRO ESTADUAL DE GESTORES MUNICIPAIS DE CONVÊNIO FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE FIA O Estatuto da Criança e Adolescente - ECA estabelece a Política de Atendimento a Criança e Adolescente:

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS. Prof. Danilo Pastorelli danilopastorelli.wordpress.com

PROJETOS SOCIAIS. Prof. Danilo Pastorelli danilopastorelli.wordpress.com prof.dpastorelli@usjt.br danilopastorelli.wordpress.com PLANO DE NEGÓCIOS: a arte de materializar o projeto social (Parte 1) questão geradora Realmente é necessária a elaboração de um Plano de Negócios

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010.

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 520, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares S.A. - EBSERH e dá outras providências.

Leia mais

Diretrizes de Patrocínio e Doação Novelis América do Sul

Diretrizes de Patrocínio e Doação Novelis América do Sul Diretrizes de Patrocínio e Doação Novelis América do Sul 1 - Apresentação A Novelis, líder mundial em laminados e reciclagem de alumínio, é uma empresa comprometida com o desenvolvimento e a transformação

Leia mais

OABSP. Temas Jurídicos do Terceiro Setor

OABSP. Temas Jurídicos do Terceiro Setor OABSP Temas Jurídicos do Terceiro Setor Incentivos fiscais Flavia Regina de Souza Oliveira Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados Títulos concedidos pelo Poder Público Título de Utilidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE SLIM CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE SLIM CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE SLIM CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS 1. O Clube SLIM é pessoa jurídica de direito privado constituída sob a forma de associação sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

PRÁTICAS CONTÁBEIS E LEGISLAÇÃES DO TERCEIRO SETOR. Contador Tadeu Pedro Vieira Coordenador da Comissão PVCC

PRÁTICAS CONTÁBEIS E LEGISLAÇÃES DO TERCEIRO SETOR. Contador Tadeu Pedro Vieira Coordenador da Comissão PVCC PRÁTICAS CONTÁBEIS E LEGISLAÇÃES DO TERCEIRO SETOR Contador Tadeu Pedro Vieira Coordenador da Comissão PVCC ORGANIZAÇÃO JURÍDICA Código Civil - Lei nº 10.406/2002 Art. 44. São pessoas jurídicas de direito

Leia mais

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS

CURSO JURÍDICO FMB CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS MÓDULOS Sumário DIREITO TRIBUTÁRIO... DIREITO TRIBUTÁRIO PROFS. GUILHERME ADOLFO DOS SANTOS MENDES E DIMAS MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito Tributário - Conceito; Tributo -

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 TRIBUTOS Modalidades MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto

Leia mais

GESTÃO ADMINISTRATIVA DAS OSCS: Contratualização Sustentabilidade Certificação. Paula Raccanello Storto

GESTÃO ADMINISTRATIVA DAS OSCS: Contratualização Sustentabilidade Certificação. Paula Raccanello Storto GESTÃO ADMINISTRATIVA DAS OSCS: Paula Raccanello Storto Gestão Administrativa das OSCs Breve panorama jurídico Premissa: liberdade de associação Constituição Federal: Vedação da interferência estatal.

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE

POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE POLÍTICA DE CONTROLE DE REGISTROS E CONTABILIDADE A presente Política de Controle de Registros e Contabilidade compõe a regulamentação pertinente ao Programa de Integridade da Fundação Instituto de Pesquisa

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização INSTRUÇÃO NORMATIVA 007/2014 DISPÕE SOBRE O MANUAL DE PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS DA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DA SECRETARIA DA FAZENDA DO MUNICÍPIO DE LAGES Considerando a necessidade de promover agilidade

Leia mais

Paula Farias PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO CONHEÇA A IMPORTÂNCIA. Advocacia. Edifício Office Green Rua da Praça 241 Sala 615 Pedra Branca Palhoça/SC

Paula Farias PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO CONHEÇA A IMPORTÂNCIA. Advocacia. Edifício Office Green Rua da Praça 241 Sala 615 Pedra Branca Palhoça/SC Advocacia PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO CONHEÇA A IMPORTÂNCIA Edifício Office Green Rua da Praça 241 Sala 615 Pedra Branca Palhoça/SC contato@paulafariasadvocacia.com CEO Advogada Especialista em Direito Imobiliário

Leia mais

Seção: SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS. Manual do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES do Sistema Unicred

Seção: SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS. Manual do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES do Sistema Unicred Capítulo: ÍNDICE Manual do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES do Sistema Unicred Capítulo: ÍNDICE DESCRIÇÃO NUMERAÇÃO CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. CAPÍTULO 2 FORMAÇÃO E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

4. Desempenho Operacional Aplicação de recursos: Programas Sociais e Administrativo Aplicação de recursos: Projeto Expansão CPC

4. Desempenho Operacional Aplicação de recursos: Programas Sociais e Administrativo Aplicação de recursos: Projeto Expansão CPC Relatório Financeiro Contábil Exercício 2015 Sumário 1. Introdução 2. Apresentação/Histórico 3. Ideologia 4. Desempenho Operacional 3. 1 4. 1. Aplicação de recursos: Programas Sociais e Administrativo

Leia mais

Lei Nacional de Incentivo à Cultura

Lei Nacional de Incentivo à Cultura Lei Nacional de Incentivo à Cultura Lei nº 8.313 de 23 de dezembro de 1991 Sancionada pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello é a lei que institui políticas públicas para a cultura nacional, como o

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO. Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br. Site: Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II

DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO. Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br. Site:  Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II 2012 DIREITO TRIBUTÁRIO CLAUDIO CARNEIRO Blog: claudiocarneiroadv.blogspot.com.br Site: www.claudiocarneiro.com.br Facebook: CLAUDIO CARNEIRO II IMPOSTOS: FEDERAIS: II, IE, IR, IPI, IOF, ITR, IGF, Extraordinário

Leia mais

DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ MATO GROSSO

DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ MATO GROSSO PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA/2016 DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ MATO GROSSO SETEMBRO/2016 PIR/2016 PALESTRA: FUNDO DO IDOSO Palestrante: Yuiti Shimada Renato Moreira Pinheiro

Leia mais

Terceiro Setor e o Direito Administrativo

Terceiro Setor e o Direito Administrativo Terceiro Setor e o Direito Administrativo Ponto n. 7 Qualificações e instrumentos de parcerias com a Administração Pública: legislação e regime jurídico: Convênios, Termos de Fomento, Termos de Colaboração

Leia mais

POLÍTICA ENDOWMENT. Aprovada na Reunião nº 417 do Conselho Curador em 17 de outubro de 2016

POLÍTICA ENDOWMENT. Aprovada na Reunião nº 417 do Conselho Curador em 17 de outubro de 2016 POLÍTICA ENDOWMENT Aprovada na Reunião nº 417 do Conselho Curador em 17 de outubro de 2016 Capítulo 1 - Finalidade Artigo 1º - O Endowment da Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira - FOSB é um fundo patrimonial,

Leia mais

DOUTORES DA ALEGRIA Arte Formação e Desenvolvimento

DOUTORES DA ALEGRIA Arte Formação e Desenvolvimento DOUTORES DA ALEGRIA Arte Formação e Desenvolvimento Palhaços atuando em hospitais, somos os Doutores da Alegria, há 16 anos provocando encontros. Uma OSC com 58 palhaços e 21 profissionais que trabalham

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios

Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios Política de Responsabilidade Social, Doações e Patrocínios Política de Responsabilidade Sumário Introdução Objetivo Aprovação Patrocínios 3 4 5 6 1. Categorias de Patrocínios 6 2. Patrocínios via Leis

Leia mais

Relatório Anual. Associação Catarinense para Integração do Cego. Associação Catarinense para Integração do Cego

Relatório Anual. Associação Catarinense para Integração do Cego. Associação Catarinense para Integração do Cego Resumo da ONG A ASSOCIAÇÃO CATARINENSE PARA INTEGRAÇÃO DO CEGO-ACIC é uma é uma associação civil sem fins econômicos, de âmbito estadual que promove ações no campo político nas áreas de habilitação, reabilitação,

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 23/2016 Cria o Museu de Ciências da Universidade Federal de Goiás, Órgão Suplementar vinculado à Pró- Reitoria de Extensão e

Leia mais

Relatório Anual. Associação de Amigos da Criança e Adolescente do Mocotó

Relatório Anual. Associação de Amigos da Criança e Adolescente do Mocotó Resumo da ONG A ACAM - Associação de Amigos da Casa da Criança e do Adolescente do Morro do - é uma Instituição de direito privado,de natureza associativa sem fins econômicos ou de lucros para seus sócios,com

Leia mais

Lei No de 2011 Criação da EBSERH.

Lei No de 2011 Criação da EBSERH. PROF. ÉRICO VALVERDE Lei No. 12.550 de 2011 Criação da EBSERH. EBSERH Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, Hospitais Universitários Federais HUF s, Criada pelo Governo Federal, Vinculado ao Ministério

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Mobilização de Recursos e Legislação Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Introdução CAPTAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada

Leia mais

LEI Nº 6423, DE 22 DE MARÇO DE 2013.

LEI Nº 6423, DE 22 DE MARÇO DE 2013. Page 1 of 5 Lei nº 6423/2013 Data da Lei 22/03/2013 Texto da Lei [ Em Vigor ] LEI Nº 6423, DE 22 DE MARÇO DE 2013. ISENTA DO ITCMD, DO IPVA, DA CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA E DAS TAXAS DE SERVIÇOS ESTADUAIS

Leia mais

ITCMD para AFR/SP PARTE 1

ITCMD para AFR/SP PARTE 1 "Nossa maior fraqueza está em desistir. O caminho mais seguro para o sucesso é sempre tentar apenas uma vez mais. (Thomas Edison) ITCMD para AFR/SP PARTE 1 O ITCMD Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis"

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP Novembro/2017 Página 1 de 9 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA INTRODUÇÃO CONSIDERANDO que compete ao Ministério

Leia mais

2.1. Serão avaliados projetos com realização nos municípios de Catalão e Ouvidor, no Estado de Goiás; e Cubatão, no Estado de São Paulo.

2.1. Serão avaliados projetos com realização nos municípios de Catalão e Ouvidor, no Estado de Goiás; e Cubatão, no Estado de São Paulo. MANUAL PARA APOIO A PROJETOS SOCIAIS - SELEÇÃO 2016/2017 NEGÓCIOS NIÓBIO E FOSFATOS 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Iniciativas sociais são parte do compromisso dos negócios de Nióbio e Fosfatos com as comunidades

Leia mais

Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil

Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil Concurso Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil Concurso Concurso para Apresentação de Propostas no âmbito de Selecção de um Fiscal Único Nº 02/2017 I. Entidade Contratante: Agencia de Aviação

Leia mais

O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas

O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas Transparência Orçamental e os principais documentos orçamentais na fase de Auditoria das Contas Públicas O Parecer do Tribunal de Contas sobre a Conta Geral do Estado no Âmbito da Prestação de Contas Luanda,

Leia mais

CONTRATO E CAPTAÇÃO DE RECURSOS 2ªPARTE OAB SP. Comissão de Direito do Terceiro Setor. Rodrigo Mendes Pereira

CONTRATO E CAPTAÇÃO DE RECURSOS 2ªPARTE OAB SP. Comissão de Direito do Terceiro Setor. Rodrigo Mendes Pereira CONTRATO E CAPTAÇÃO DE RECURSOS 2ªPARTE OAB SP Comissão de Direito do Terceiro Setor Rodrigo Mendes Pereira romepe@terra.com.br Observações OAB SP CLASSIFICAÇÃO EQUIVOCADA: DOAÇÃO? (1) Embora existam instrumentos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP

PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP PRESTAÇÃO DE CONTAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO OAB SP Danilo Brandani Tiisel danilo@criando.net Mobilizam recursos da sociedade OAB SP ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR Características básicas Atuam em prol

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO, TRIBUTÁRIO E EMPRESARIAL PROFESSOR DIEGO ALVES DE OLIVEIRA IFMG CAMPUS OURO PRETO MARÇO DE 2017

INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO, TRIBUTÁRIO E EMPRESARIAL PROFESSOR DIEGO ALVES DE OLIVEIRA IFMG CAMPUS OURO PRETO MARÇO DE 2017 INTRODUÇÃO AO DIREITO DO TRABALHO, TRIBUTÁRIO E EMPRESARIAL PROFESSOR DIEGO ALVES DE OLIVEIRA IFMG CAMPUS OURO PRETO MARÇO DE 2017 Direito Tributário Conjunto de normas que regulamentam a arrecadação de

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017.

LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 599, DE 31 DE JULHO DE 2017. Dispõe sobre o Programa do Artesanato do Estado do Rio Grande do Norte (PROARTE-RN), e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Transparência Brasil. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Transparência Brasil. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Transparência Brasil Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 31 de Dezembro de 2006 e de 2005 1 Parecer dos auditores independentes Aos conselheiros da Transparência

Leia mais

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. Apresentação Institucional 2015

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. Apresentação Institucional 2015 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil Apresentação Institucional 2015 Uma questão de Saúde Pública 830 mil crianças morrem vítimas de acidentes, anualmente, em todo o mundo*. Mais de 90% destas mortes acontece

Leia mais

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO REGULAÇÃO NO SETOR DE SANEAMENTO: A BUSCA PELA EFICIÊNCIA E UNIVERSALIZAÇÃO Edilson Eduardo Werneck Machado Engenheiro Divisão de Engenharia

Leia mais

Relatório Anual. Projeto de Educação Comunitária Integrar. Projeto de Educação Comunitária Integrar

Relatório Anual. Projeto de Educação Comunitária Integrar. Projeto de Educação Comunitária Integrar Resumo da ONG O (www.projetointegrar.org) foi criado a partir de interesses comuns de um grupo de professores da cidade de Florianópolis, que acreditam que a educação tem um papel imprescindível na transformação

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre

Leia mais

Acesse:http://www.institutodoar.org

Acesse:http://www.institutodoar.org Conteúdo desta apresentação Objetivo FUMCAD Por que destinar parte do IR a pagar para a Instituição Dr. Klaide? Parceiros Instituição Dr. Klaide Fontes de Recursos Instituição Dr. Klaide Procedimentos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS DEMOSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 E 2011 ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA PETRÓPOLIS Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2012 e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISCAL DE TRIBUTOS PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o Código Tributário do Município de Miracema (lei nº 1.453, de 26 de setembro de 2013), responda às questões de números 1 a 6. 1) É de competência do município

Leia mais

Sistema Tributário Nacional

Sistema Tributário Nacional A estrutura de um sistema tributário não se forma pelo lado da receita, mas do gasto público. Forma-se a partir da investigação de quais são os tributos necessários para a satisfação das necessidades coletivas.

Leia mais

-Aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais;

-Aplicar integralmente seus recursos na manutenção e desenvolvimento dos seus objetivos sociais; Entidades sem fins lucrativos As organizações sociais são pessoas jurídicas que recebem do poder publico uma especial qualificação, a fim de desempenharem serviços sociais não privativos do estado.nao

Leia mais

A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor

A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor CÂMARA TÉCNICA DEBATE - CRCSC A Contabilidade e os Desafios do Terceiro Setor JUAREZ DOMINGUES CARNEIRO MARCO REGULATÓRIO Lei 13.019/2014 e o Decreto 8.726/2016 Marco Regulatório Missão: aperfeiçoar o

Leia mais

LEGALE PÓS GRADUAÇÃO Renato S. Piccolomini de Azevedo

LEGALE PÓS GRADUAÇÃO Renato S. Piccolomini de Azevedo ASPECTOS TRIBUTÁRIOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES LEGALE PÓS GRADUAÇÃO Renato S. Piccolomini de Azevedo rpa.adv@outlook.com IRPF ITBI ITCMD IRGCap ASPECTOS TRIBUTÁRIOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E DAS

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO Definição... 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I Direito Tributário... 13 1. Definição... 13 2. Relação com outros ramos do direito... 13 3. Fontes do direito tributário... 14 4. Legislação tributária... 20 Capítulo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS

ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA - PETRÓPOLIS DEMOSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO RENOVAR SAÚDE CRIANÇA PETRÓPOLIS Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e

Leia mais

Organização da Aula 2. Gestão do Orçamento Público. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula 2. Gestão do Orçamento Público. Aula 2. Contextualização Organização da Aula 2 Gestão do Orçamento Público Aula 2 Base legal e orçamento público Princípios Constitucionais; Legislação e instrumentos legais de planejamento público orçamentário. Prof. Nivaldo

Leia mais

Relatório Anual. Associação das Damas de Caridade de Florianópolis

Relatório Anual. Associação das Damas de Caridade de Florianópolis Resumo da ONG A (ADAC), é uma instituição filantrópica sem fins lucrativos,fundada em 1907 por senhoras católicas que tinham por objetivo assistir a pessoas doentes e carentes. Tendo em vista o atual contexto

Leia mais

Consultoria Projetos Incentivados Recursos Públicos ao Esporte

Consultoria Projetos Incentivados Recursos Públicos ao Esporte Consultoria Projetos Incentivados Para refletir... A LIE pode ser uma armadilha para quem se aventurar a usá-la A maior dificuldade dos Clubes será na execução Eles costumam ter muita dificuldade de comprovar

Leia mais

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE

RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E GESTÃO PPA - Exercício - RECURSOS PREVISTOS PARA OS PROGRAMAS, INICIATIVAS E AÇÕES POR CATEGORIA DA DESPESA SEGUNDO ORGÃO E UNIDADE Órgão

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FATES. (Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social)

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FATES. (Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social) REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO FATES (Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. FINALIDADE... 1 3. DAS COMPETÊNCIAS... 1 4. DA FORMAÇÃO... 1 5. DA ALOCAÇÃO E APLICAÇÃO

Leia mais

IPVA, IPTU, ITBI E ITCMD

IPVA, IPTU, ITBI E ITCMD Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto IPVA, IPTU, ITBI E ASPECTOS CONCEITUAIS Prof. Amaury José Rezende Agenda 1. IPTU 2. ITBI 3. IPVA 4. ICMD

Leia mais

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa:

Política institucional de governança corporativa. 1. Esta Política institucional de governança corporativa: 1. Esta Política institucional de governança corporativa: a) é elaborada por proposta da área de Normas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob (Sicoob Confederação), entidade definida como

Leia mais

Relatório Anual FEAI FEDERAÇÃO DAS ENTIDADES ASSISTENCIAIS DE INDAIATUBA

Relatório Anual FEAI FEDERAÇÃO DAS ENTIDADES ASSISTENCIAIS DE INDAIATUBA Resumo da ONG A Federação das Entidades Assistenciais de Indaiatuba FEAI, instituída em 09 de setembro de 1999 é uma Entidade sem fins lucrativos, A FEAI, esta devidamente cadastrada no Conselho Municipal

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil LEI Nº 17.480, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2011. Cria o Fundo Especial de Reaparelhamento e Modernização do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de

Leia mais