Palavras chave: Emissários, modelação, dispersão, campo próximo e campo afastado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras chave: Emissários, modelação, dispersão, campo próximo e campo afastado."

Transcrição

1 SIMULAÇÃO INTEGRAA A ISPERSÃO E POLUENTES NO CAMPO PRÓXIMO E NO CAMPO AFASTAO E UM EMISSÁRIO Paulo LEITÃO Ph, Hidromod, Taguspark, Núcleo Cenral, 363, Oeiras, Ramiro NEES Ph, Prof. / Insiuo Superior Técnico, Av. Rovisco Pais 1, 1096 Lisboa Codex, Frank BRAUNSCHWEIG Maser, Researcher / Insiuo Superior Técnico, Av. Rovisco Pais 1, 1096 Lisboa Codex, José LEITÃO Ph, Hidromod, Taguspark, Núcleo Cenral, 363, Oeiras, Rodrigo FERNANES Maser, Researcher / Insiuo Superior Técnico, Av. Rovisco Pais 1, 1096 Lisboa Codex, RESUMO Esa comunicação visa apresenar o rabalho desenvolvido pelos auores no acoplameno de um modelo inegral de jacos com impulsão com um sisema de modelação 4 que permie simular a variação espacial e emporal de um meio coseiro. Ese rabalho em por objecivo permiir simular a dispersão de plumas de emissários no campo próximo e no campo afasado de forma inegrada. Esa foi a esraégia adopada pelos auores que eve como principal consequência o desenvolvimeno de um módulo de dispersão no campo próximo (MOHIJET) que facilmene se inegra em sisemas 4 de modelação do meio aquáico. Nesa comunicação apresena-se a meodologia adopada no desenvolvimeno do módulo MOHIJET e alguns exemplos de aplicação. Os resulados a apresenar podem ser divididos em duas secções. Na primeira, é apresenada a comparação dos resulados do MOHIJET com resulados obidos com os modelos CORJET e JETLAG para rês cenários. Na segunda secção, são apresenados resulados em casos reais, nomeadamene a simulação da dispersão das plumas dos emissários de São Jacino (Aveiro) e da Guia (Cascais) no campo próximo e no campo afasado de forma inegrada. No caso do emissário da Guia o MOHIJET acoplado ao sisema MOHI é uilizado no modelo operacional do esuário do Tejo (hp://www.mohid.com/ejo-op) para fazer previsões diárias da evolução da pluma de coliformes fecais associada a ese emissário. Palavras chave: Emissários, modelação, dispersão, campo próximo e campo afasado. 1

2 1. INTROUÇÃO As comunidades écnica e cienífica êm à sua disposição uma grande variedade de modelos que permiem simular a dispersão de poluenes no campo próximo de um emissário. Os modelos normalmene uilizados em engenharia resolvem a pluma do emissário na sua forma inegral admiindo propriedades ambienais esacionárias (ex: CORJET, PLUMES e JETLAG). A pluma do emissário pode ser visa como um jaco ou um conjuno de jacos com impulsão, que são emiidos juno ao fundo. Eses modelos resolvem uma equação de conservação de quanidade de movimeno segundo as 3 direcções. Nesa equação admiem o efeio da impulsão na direcção verical da misura, por efeio de core e de arrasameno, nas direcções angencial e normal ao eixo da pluma. Eses modelos resolvem ambém uma equação de conservação de massa que em apenas em cona a misura por efeio de core e de arrasameno da pluma no meio recepor. Eses modelos apenas permiem esudar a zona próxima dos emissários. No enano, exisem alguns esforços de resolver o campo afasado, mas sem considerar oalmene a variabilidade 4 das propriedades ambienes do meio recepor (ex: CORMIX). Em ambienes com fore variabilidade espacial e emporal, como é o caso do meio esuarino esas abordagens podem er sérias limiações. Uma forma de ulrapassar esas limiações consise em acoplar um modelo inegral de jacos com impulsão com um sisema de modelação 4, que permia simular a variação espacial (3) e emporal (1) do meio recepor. Esa foi a esraégia adopada pelos auores que consisiu em desenvolver um módulo de dispersão no campo próximo (MOHIJET) que facilmene se inegra em sisemas 4 de modelação do meio aquáico. Ese módulo foi inegrado no sisema de modelação do meio aquáico denominado MOHI (hp://www.mohid.com) que em vindo a ser desenvolvido nos úlimos 0 anos pelo MARETEC e pela HIROMO. Nesa comunicação preende-se apresenar a meodologia adopada no desenvolvimeno do módulo MOHIJET e alguns exemplos de aplicação. Os resulados a apresenar podem ser divididos em duas secções. Na primeira são apresenados resulados de comparação enre o MOHIJET e os modelos CORJET e JETLAG para rês cenários. Na segunda secção são apresenados resulados em casos reais nomeadamene: emissário de São Jacino (Aveiro) e emissário da Guia (Guia). Ambas as aplicações foram realizadas no âmbio de programas de moniorização, implemenados pelas empresas SimRia e Sanes, respecivamene. O MOHIJET acoplado ao sisema MOHI é uilizado no modelo operacional do esuário do Tejo (hp://www.mohid.com/ejo-op) para fazer previsões diárias da evolução da pluma de coliformes fecais associado a ese emissário (hp://www.mohid.com/ejoop/aq_prev_mapas.asp).. METOOLOGIA O módulo inegral MOHIJET visa simular a diluição inicial associada aos emissários. Ese módulo resolve de uma forma inegral, jacos com impulsão. O seu papel no sisema MOHI (hp://www.mohid.com) consise em gerar as condições iniciais do módulo de raçadores Lagrangeanos (módulo Lagrangian), uilizado para simular a dispersão da pluma de emissários no campo afasado. esa forma, o sisema MOHI é capaz de simular a dispersão de plumas de emissários no campo próximo (módulo MOHIJET) e no campo afasado (módulo Lagrangian) de uma forma inegrada. Na discreização espacial do MOHIJET é uilizado um referencial lagrangeano, sendo esa abordagem semelhane à uilizada no modelo JETLAG (Lee and Cheung, 1990, hp://www.aoewaer.hku.hk/visje/index.hm). A meodologia consise em simular a rajecória de um raçador com uma forma geomérica cilíndrica. No caso da paramerização da misura urbulena (enrainmen) opouse programar duas opções, uma, proposa pelos auores do JETLAG e, oura, proposa por Jirka (1999). Ese auor paricipa acivamene no desenvolvimeno do modelo CORJET (Cornell Buoyan Je

3 Inegral Model) que é o modelo inegral de jacos com impulsão do CORMIX (Cornell Mixing Zone Exper Sysem)..1. Condição inicial A condição inicial do jaco, à saída dos orifícios é condicionada pelo diâmero e orienação do orifício relaivamene à correne do meio recepor e pelo caudal e diferença de massa volúmica enre o efluene e o meio recepor. As propriedades apresenadas na Tabela 1, são uilizadas para descrever cada jaco à saída dos orifícios do difusor. Tabela 1 Propriedades do jaco à saída de cada orifício. Propriedade escrição 0 A espessura inicial do raçador 0 iâmero do orifício Q0 Caudal emiido aravés do orifício 0 Massa volúmica do efluene à saída do orifício θ0 Ângulo enre o eixo do orifício e o plano horizonal Ângulo enre o eixo do orifício e a direcção verical σ0.. Forças No caso em que o jaco é emiido numa massa de água parada com massa volúmica igual à do efluene (força de impulsão nula), nenhuma força é aplicada direcamene ao jaco. Quando a massa volúmica do jaco é diferene do meio recepor enão a força de impulsão em que ser considerada. Esa força em apenas uma componene verical ( 1). I g ( 1) ( Ambien Je ) ez em que: I - força de impulsão; (N) g - aceleração da gravidade; (m/s ) Ambien - massa volúmica do meio recepor; (kg/m 3 ) Je - massa volúmica do jaco; (kg/m 3 ) - volume do raçador; (m 3 ) e - vecor uniário que define a direcção verical; () z Quando o jaco é emiido numa massa de água em movimeno é necessário er em cona a força de arrasameno. Nese caso se a projecção da velocidade ambiene num plano perpendicular à rajecória da pluma, é diferene de zero, a força de arrasameno acua sobre a pluma (Figura 1). 3

4 Ambiene FArrasameno Orifício ifusor Figura 1 Força de arrasameno acuando sobre um jaco esquemáico com impulsão. Esa força é semelhane à força de arrasameno que se esabelece à vola de um corpo cilíndrico que se enconra no meio de um escoameno ( ). F 1 ( ) C Ambien em que (ver Figura 1): C coeficiene de ario; () Jirka (1999) considera o coeficiene de ario (C) igual a 1,3. A projecção da velocidade ambiene num plano perpendicular à rajecória da pluma ( ), é facilmene calculada. Considerando n (nx,ny,nz) como o vecor uniário que define a direcção em que o raçador cilíndrico se desloca em cada pono, enão: Ambien n n cos ϖ arccos Ambien n Ambien Ambien cos( ψ ) ψ 90 ϖ cos(90 ϖ ) Ambien Ambien ( ϖ ) cos( ϖ ) Ambien O vecor n pode ser calculado a parir da velocidade do raçador da seguine forma: ( 3) 4

5 ( u, v, w ) arcan θt arcan u u w w + v + v u + π u > 0 < 0 ( 4) σ T v arcan u v arcan u u + π u > 0 < 0 ( 5) n σ ( cos( Θ ) cos( σ ),cos( Θ )sin( ),sin( Θ )) T T T T T ( 6).3. Evolução das propriedades da pluma O MOHIJET calcula a evolução de diversas propriedades do raçador cilíndrico aneriormene referido admiindo um esado esacionário para as propriedades da água e do escoameno do meio recepor. A pluma do jaco é, na realidade, a envolvene definida com base na rajecória do raçador cilíndrico e no seu diâmero. Na Tabela, esão enumeradas as propriedades cuja evolução é calculada pelo MOHIJET. Tabela Lisa de propriedades calculadas ao longo da pluma. Propriedades do Nome da Processos dominanes Equação de evolução (ou Traçador variável lei) elocidade ariação de volume Conservação da quanidade Impulsão de movimeno Força de arrasameno olume Misura por efeio de core Conservação de massa Misura associada à força de arrasameno Espessura ivergência da elocidade Conservação de massa Salinidade Temperaura S T ariação de olume Conservação de massa e de calor Massa volúmica ariação de olume Equação da UNESCO.4. Evolução do volume A evolução do volume é conrolada por dois processos, a misura por efeio de core, e a misura, associada à força de arrasameno descria aneriormene. O primeiro processo é proporcional à diferença enre a velocidade do raçador e a componene da velocidade do meio recepor paralela à velocidade do raçador (ou da pluma). O segundo processo é proporcional à inensidade da 5

6 componene da velocidade do meio recepor perpendicular à rajecória do raçador (ou pluma). Jirka (1999) apresena a seguine formulação: ES + E ES α Sπ E α π Ambien n ( 7) em que: 0.6 sin( θ α S Fl α 0.5 ) iscreizando a equação ( 7) obém-se: Ambien n Fl max 4.66, Ambien g Ambien racer ( E + E ) + + ( 8) S.5. Evolução da massa volúmica A evolução da massa volúmica é calculada com base em duas equações: uma, de conservação de massa de sal e, oura, de conservação de calor. A equação (9) ano serve para descrever a evolução de salinidade (S), como de emperaura (T). No primeiro caso PS e no segundo PT. epois de ser calculado S e T é calculada a massa volúmica com base numa equação publicada pela UNESCO que relaciona T, S e a pressão com a massa volúmica da água. Nese caso, admiiu-se a pressão igual à pressão amosférica, uma vez que os efeios da pressão só são significaivos no oceano profundo. P iscreizando a eq. (9) fica: ( ES + E ) PAmbien PAmbien (9) P + P + + P P + P + P Ambien + Ambien ( E + E ) S P + P Ambien ( 10).6. Evolução da velocidade A evolução da velocidade é calculada resolvendo a conservação de quanidade de movimeno nas rês direcções (11). 6

7 M (11) I + F Em que M é a massa do raçador. iscreizando (11) para cada uma das direcções (x,y,z) fica respecivamene (1), (13) e (14): ( Mu ) ( Mu ) + (1) Fx ( Mv ) ( Mv ) + (13) Fy ( Mw ) ( Mw ) + (14) Fz + I A evolução das velocidades pode enão ser calculada para cada uma das direcções (u, v, w), respecivamene por (15), (16) e (17). u + u + Ambien u Ambien + + C + 1 Ambien x (15) v + v + Ambien v Ambien + + C + 1 Ambien y (16) w g + + ( ) Ambien + w + Ambien w + Ambien + C + 1 Ambien z + (17).7. A evolução da espessura do raçador O raçador cilíndrico, aneriormene referido, é o volume de conrole uilizado em odas as equações já apresenadas. Ese volume de conrole, devido às variações de velocidade que se fazem senir ao longo da sua rajecória, vai sofrendo processos de compressão e dilaação ao longo do eixo da sua rajecória. A evolução da espessura do raçador pode ser calculada com base na variação de velocidade, que ese sofre ao longo da sua rajecória ( 18). ( ) ( ) x, y, z cos( Θ)cos( σ ), x x x, y y, z z y cos( Θ)sin( σ ), z sin( Θ) ( 18) 7

8 A velocidade ( ) x x, y y, z z do pono (x,y,z) é a velocidade calculada no passo emporal anerior ( ) x x, y y, z z em que: x u y z ( ) ; x ( v ) ; y ( w ). z. não é conhecida. A velocidade que se conhece mais pero A velocidade do raçador no pono (x,y,z) é ( ) x, y, z ( ). Considerando uma evolução linear da velocidade, ao longo da rajecória do raçador, a ( 18) pode ser discreizada da seguine forma: + * + K cos( w sin( Θ) cos( Θ)sin( σ ) + * u u cos( Θ)cos( σ ) + + u + + v v * w + sin( Θ) + + v u * + K + u u Θ) cos( σ ) + u + w + u v + cos( Θ)sin( σ ) que, ambém, pode ser represenada por w + v + v e forma a eviar espessuras negaivas, é uilizada uma abordagem explícia quando K é posiivo e uma abordagem implícia quando K é negaivo ( 0). (1 + K) K > 0 /(1 K) K < ( 19) ( 0).8. Passo emporal variável O jaco, à saída do orifício, em gradienes muio inensos, o que obriga a que a evolução das diversas propriedades seja calculada com passos emporais muio reduzidos. No enano, a endência é que eses gradienes se reduzam conforme o volume de conrole se afasa dos orifícios devido aos processos de misura urbulena. Uma forma de aumenar a eficiência compuacional é uilizando um passo emporal variável. O criério uilizado consise em resringir o aumeno de volume do raçador ( (ES+E) ) impondo um passo emporal que obrigue a que ese aumeno seja inferior a uma percenagem (k) do volume ( 1). Esa percenagem é definida pelo uilizador. < k E + E S No início da simulação é, necessário definir um passo emporal porque o volume inicial do raçador é igual ao caudal, vezes o passo emporal (Q ). Inicialmene, só é conhecido o caudal e o 100 ( 1) 8

9 diâmero de cada orifício. Subsiuindo em ( 1) (ES + E ) por ( 7) obêm-se ( ) que é considerado o passo emporal inicial do modelo. k 100 ( α n ) 4 S Ambien +α.9. Paramerizações da misura urbulena por efeio de core e por arrasameno O uilizador do MOHIJET pode escolher enre as paramerizações uilizadas pelo modelo CORJET (Tabela 3) ou pelo modelo JETLAG (Tabela 4) para simular os processos de misura urbulena por efeio de core e por arrasameno. Esas paramerizações foram baseadas em Lee e Cheung (1990) e em Jirka (1999). Tabela 3 Paramerizações implemenadas no MOHIJET obidas a parir da descrição do modelo CORJET (Jirka, 1999) Processos Misura por efeio de core Misura por efeio de arrasameno Força arrasameno de 0.6 sin( θ α S Fl E E F S ) Expressão Ambien n ( Ambien n ) α Sπ α π α C Ambien Fl max 4.66, Ambien g Ambien racer ( ) Tabela 4 - Paramerizações implemenadas no MOHIJET obidas a parir da descrição do modelo JETLAG (Lee e Cheung, 1990). Processos Expressão Misura por efeio de core 0.554sin( θ) + αs Fl max 4.66, Fl Ambien Ambien n g Misura por efeio de arrasameno Força de arrasameno ( n ) ES α Sπ Ambien E α α F 1 C Ambien 0.5 Ambien racer 9

10 .10. Simulação da diluição inicial associada a um difusor com diversos orifícios Os difusores dos emissários são, normalmene, consiuídos por um elevado número de orifícios. Esa caracerísica levana um problema de capacidade de cálculo aos modelos que, simulam apenas um jaco, uma vez que a um difusor podem esar associados dezenas de jacos. Um ouro problema esá relacionado com a ineracção enre jacos. Os modelos do ipo do MOHIJET (ex: CORJET e JETLAG) não conseguem resolver ese processo. A sobreposição de jacos é, usualmene, simulada de uma forma simplificada admiindo que, o jaco não é emiido num orifício, mas sim ao longo de uma linha com o comprimeno do difusor. Esa abordagem permie resolver o problema da sobreposição dos jacos e da capacidade de cálculo, na medida em que resolve apenas um jaco. No enano, esa simplificação é um pouco grosseira uma vez que admie que os jacos à saída do difusor já esão sobreposos. Na realidade, é à saída de cada orifício que a axa de misura é máxima proporcionalmene ao diâmero da pluma. Caso esa inensa misura inicial seja desprezada, pode-se esar a subavaliar o cálculo da diluição inicial da pluma. Nese arigo, propõe-se uma meodologia que consise em calcular a diluição inicial associada a um difusor simulando, ambém, apenas um jaco. Todavia, nese caso em vez de se admiir uma emissão ao longo de uma linha, simula-se apenas um jaco para um orifício que se considere represenaivo e impõe-se um diâmero a parir do qual exise sobreposição de jacos. Quando o raçador cilíndrico ainge ese diâmero, admie-se que a área, aravés da qual se processa a misura urbulena com o meio recepor, fica resringida, devido ao efeio de sobreposição dos jacos. Na práica, quando o raçador ainge o diâmero, a parir do qual se considera que exise sobreposição, admie-se que o raçador passa a er uma forma recangular e que a área aravés da qual exise misura urbulena com o meio recepor (meio não conaminado), permanece consane. Início da sobreposição dos jacos Figura Esquema uilizado no MOHIJET para similar a sobreposição de jacos. 3. RESULTAOS 3.1. alidação em rês cenários A validação foi feia comparando os resulados dos modelos CORJET e JETLAG com os resulados do MOHIJET em rês cenários. A solução foi considerada saisfaória quando as diferenças dos resulados dos rês modelos eram da mesma ordem de grandeza. Nese capíulo são apresenados resulados dessa comparação para siuações represenaivas dese esudo. Os modelos CORJET e JETLAG parem de fundamenos eóricos semelhanes, sendo as principais diferenças decorrenes do méodo numérico uilizado e de algumas opções ao nível da paramerização da misura. O modelo CORJET uiliza uma abordagem euleriana, enquano o modelo 10

11 JETLAG uiliza uma abordagem Lagrangeana semelhane à uilizada pelo módulo MOHIJET, o qual pode usar as formulações da dispersão de qualquer um deles em alernaiva, embora por defeio seja usada a do modelo CORJET, por er mais radição e maior número de uilizadores. A validação foi efecuada em rês cenários: meio recepor com perfil homogéneo de massa volúmica com escoameno (cenário 1) e sem escoameno (cenário ), perfil linear de massa volúmica com escoameno (cenário 3). Todos os cenários foram corridos para uma coluna de água com 40 m, um orifício de 10 cm de diâmero e para um caudal de 5 l/s. Os resulados que se apresenam da Figura 3 à Figura 8 represenam a diluição do lado esquerdo e a profundidade da pluma do lado direio, em função da disância ao orifício. A diluição não é mais que a concenração inicial do efluene a dividir pela concenração do raçador ao longo da sua rajecória. As figuras mosram resulados basanes semelhanes para a evolução da diluição e da profundidade ambas em função da disância ao orifício segundo X. Na Figura 5, aparenemene as disâncias a que a pluma esabiliza são muio diferenes, mas a diferença é aparene, uma vez que esa é apenas da ordem de 1 mero segundo x. As publicações que descrevem os modelos CORJET e JETLAG não são exausivas e por isso eram esperadas algumas diferenças. A limiação do número de Froude no caso do cálculo do coeficiene de difusão associado à misura por efeio de core (Tabela 3, Tabela 4) é uma das lacunas das descrições daqueles modelos e por conseguine foi necessário omar opções específicas no MOHIJET, que podem dar origem a pequenas diferenças enre o MOHIJET e os ouros modelo. No enano, esas diferenças são muio inferiores às que exisem enre os modelos CORJET e JETLAG. Figura 3 Cenário 1, resulados da pluma simulada pelo CORJET e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. Figura 4 - Cenário 1, resulados da pluma simulada pelo JETLAG e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. 11

12 Figura 5 - Cenário, resulados da pluma simulada pelo CORJET e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. Figura 6.Cenário, resulados da pluma simulada pelo JETLAG e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. Figura 7 Cenário 3, resulados da pluma simulada pelo CORJET e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. Figura 8 Cenário 3, resulados da pluma simulada pelo JETLAG e pelo MOHIJET uilizando paramerizações de misura urbulena semelhanes a) diluição e b) profundidade. 1

13 3.. Aplicação a casos Reais Emissário de São Jacino O sisema MOHI foi aplicado com o objecivo de quanificar o impace do emissário de São Jacino sobre o meio recepor no âmbio de um programa de moniorização financiado pela empresa SimRia. Uma das conclusões dese relaório é que o limie da pluma do emissário depende do indicador de qualidade que se preende moniorizar. Os indicadores que foram escolhidos foram os coliformes fecais e a cor. O primeiro é o indicador por excelência uilizado para avaliar o impace microbiológico sobre o meio recepor. As medidas feias e os resulados de modelação mosram que a pluma associada a ese indicador é da ordem de grandeza do difusor do emissário. A dimensão da pluma é avaliada em função dos valores máximos (000 coli. Fecais/100ml) e recomendados (100 coli. Fecais/100ml) definidos na legislação. Ouro indicador escolhido foi a cor. Ese indicador apesar de não ser quanificável é imporane porque condiciona, em muio, a percepção inuiiva que as pessoas êm do impace do emissário. Com o objecivo de ilusrar o ipo de plumas que podem esar associadas ao emissário foram simuladas a dispersão de uma pluma de coliformes e de uma pluma de um poluene conservaivo para diversos cenários de veno e de maré. No caso dos cenários de veno, foram escolhidos aqueles que se consideraram mais desfavoráveis, em ermos de conaminação poencial da cosa. Os cenários de veno escolhidos foram veno Oese, Sul e Noroese com 4 m/s. Tano a inensidade como o rumo foram considerados consanes ao longo de odo o período de simulação ( dias). Os resulados da pluma de coliformes mosram que o impace microbiológico do emissário é muio localizado (Figura 9), para o efluene considerando (0.3 m3/s de caudal e 000 coli. Fecais/100 ml condições em 001). A diluição no campo próximo simulada pelo MOHI é da ordem de 100 o que faz com que à superfície juno ao emissário as concenrações diminuam ordens de grandeza. Ese resulado é confirmado pelo rabalho desenvolvido por Ramos e al. (00) para o emissário de São Jacino. Figura 9 Pluma de coliformes fecais à superfície para uma siuação de veno de NW e de maré viva durane a vazane. 13

14 3... Modelo operacional do esuário do Tejo O MOHIJET é ambém uma peça fundamenal do modelo operacional do esuário do Tejo. Aquele visa apresenar previsões diárias do impace do emissário da Guia sobre a qualidade da água do meio recepor. Ouro dos objecivos é a sisemaização da informação sobre as propriedades da água e do escoameno, obida por diversas fones que se complemenam: Campanhas de moniorização; Sisemas de aquisição auomáica de dados; eecção remoa; Modelação numérica. e forma a aingir os objecivos proposos, foi necessário recorrer a uma abordagem que uiliza um vaso leque de ferramenas. Esas vão desde modelos numéricos (Mohid - meio aquáico, MM5 - amosfera), a sisemas de aquisição auomáica de dados amosféricos e do meio aquáico, bases de dados (Access, MySQL), ou a WebGIS (Mapserver). A inegração desa panóplia de ferramenas é denominada de modelo operacional. Ese visa disponibilizar de uma forma inuiiva e em empo real a evolução de um deerminado sisema naural. Preende-se que esa informação enha a maior coninuidade espacial e emporal possível. Na página da Inerne são apresenadas previsões da pluma de coliformes fecais à superfície e a 5 meros de profundidade, para o campo afasado (Figura 10). Os resulados que êm sido obidos, mosram uma grande variabilidade, em ermos dos valores de concenrações de coliformes fecais à superfície. No mesmo ciclo de maré pode-se ober valores exacamene por cima do emissário de 0 e de 10 4 coli. fecais/ 100 ml. Esa variabilidade esá associada ao faco da ascensão da pluma depender não só da esraificação mas, ambém, da inensidade da correne. O primeiro facor em uma variabilidade associada principalmene ao ciclo sazonal enquano a variabilidade do segundo esá essencialmene associada à maré (ciclo semi-diurno). As medidas de coliformes fecais feias com uma periodicidade mensal e na época balnear com uma periodicidade quinzenal revelam que os valores máximos regisados, muio esporadicamene, são da ordem de 10 4 coli. fecais/ 100 ml apenas sobre o emissário e que a 1 km do emissário os valores são inferiores ao máximo recomendável. As medidas apesar do seu carácer discreo espacial e emporal confirmam os resulados do modelo. Figura 10 Resulado da dispersão da pluma de coliformes fecais do emissário de São Jacino. Ese ipo de resulados é produzido diariamene pelo sisema MOHI e publicado na Inerne. 14

15 4. CONCLUSÕES O sisema MOHI (hp://www.mohid.com) com a adição do módulo MOHIJET ficou apo a simular a dispersão de plumas associadas a emissários no campo próximo e no campo afasado de uma forma inegrada. A validação do MOHIJET foi efecuada comparando os resulados dese com resulados dos modelos CORJET e JETLAG em rês cenários. Eses modelos enconram-se muio disseminados e êm um processo de validação basane sólido, susenado em diversas comparações com dados obidos com modelos reduzidos. No MOHIJET foram programados dois ipos de paramerização dos processos de misura urbulena. Eses dois ipos de paramerização enconram-se nas publicações que descrevem os modelos CORJET e JETLAG. No enano, esas não são exausivas e por isso eram esperadas algumas diferenças. A limiação do número de Froude no caso do cálculo do coeficiene de difusão associado à misura por efeio de core é uma das lacunas das descrições daqueles modelos e por conseguine foi necessário omar opções específicas no MOHIJET que podem dar origem a pequenas diferenças. No enano, os resulados mosram que esas diferenças são muio inferiores às que exisem enre os modelos CORJET e JETLAG para os mesmos cenários. A nova meodologia, apresenada nese arigo, para simular a dispersão de plumas associadas a difusores com múliplos orifícios, permie um cálculo concepualmene mais rigoroso que a meodologia normalmene uilizada em que se admie uma emissão de um jaco ao longo de uma linha. O MOHIJET é acualmene uilizado regularmene nos programas de moniorização do emissário da Guia (Cascais) e do emissário de São Jacino. No caso do primeiro é uilizado diariamene para fazer previsões da dispersão da pluma. Acualmene, a validação consisene de modelos, que simulam a diluição inicial de emissários, só é possível com base em dados recolhidos em modelos reduzidos. A validação deses modelos com base em dados recolhidos in siu é ainda uma arefa complexa. A uilização de AS (Auonomous Submarine ehicle) em-se revelado a forma mais eficaz de ober dados que, permiam descrever a variabilidade especial das plumas dos emissários. BIBLIOGRAFIA RAMOS P., M.. NEES, F. L. PEREIRA, E I. QUINTANEIRO, Plano da missão de moniorização ao exuor submarino de S. Jacino uilizando o SA Isurus, 6º Congresso Nacional da Água, Poro, Porugal, 00. LEE, J.H.W. E. CHEUNG. Generalized Lagrangian model for buoyan jes in curren. Journal of Environmenal Engineering, ASCE, 116(6), pp , JIRKA, G.H. "Five Asympoic Regimes of a Round Buoyan Je in Sraified Crossflow, 8h IAHR Biennial Congress, Graz (Ausria), 3-7 Aug

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL

COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAXAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL COINTEGRAÇÃO E CAUSALIDADE ENTRE AS TAAS DE JURO E A INFLAÇÃO EM PORTUGAL JORGE CAIADO 1 Deparameno de Maemáica e Informáica Escola Superior de Gesão Insiuo Poliécnico de Caselo Branco Resumo No presene

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA

SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA SANEAMENTO AMBIENTAL I SISTEMAS DE ADUÇÃO EDUARDO RIBEIRO DE SOUSA LISBOA, SETEMBRO DE 200 ÍNDICE DO TEXTO. INTRODUÇÃO... 2. BASES PARA O DIMENSIONAMENTO HIDRÁULICO DAS ADUTORAS... 2. Tipos de escoameno...

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal.

O objectivo deste estudo é a obtenção de estimativas para o número de nados vivos (de cada um dos sexos) ocorrido por mês em Portugal. REVISTA DE ESTATÍSTICA 8ª PAGINA NADOS VIVOS: ANÁLISE E ESTIMAÇÃO LIVE BIRTHS: ANALYSIS AND ESTIMATION Auora: Teresa Bago d Uva -Gabinee de Esudos e Conjunura do Insiuo Nacional de Esaísica Resumo: O objecivo

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Do modelo neo-clássico de crescimento de Solow ao Modelo de Vantagens Competitivas Dinâmicas

Do modelo neo-clássico de crescimento de Solow ao Modelo de Vantagens Competitivas Dinâmicas Do modelo neo-clássico de crescimeno de Solow ao Modelo de Vanagens Compeiivas Dinâmicas Por Anónio Rebelo de Sousa SINOPSE O presene arigo preende explicar as conribuições posiivas, bem como as limiações,

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO*

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Arigos Inverno 2006 O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Cláudia Rodrigues Braz** 1. INTRODUÇÃO 1 Nos úlimos anos, o saldo orçamenal ajusado do ciclo em ganho

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 Márcio Poubel Lima *, Laercio Lucena Marins Jr *, Enio Anonio Vanni *, Márcio Dornellas Machado

Leia mais

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade Universidade de Coimbra Faculdade de Economia A axa de juro overnigh e a sua volailidade O caso do Mercado Moneário Inerbancário Poruguês, anes e após a implemenação da Moeda Única Fáima Teresa Caselo

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing Universidade dos Açores Deparameno de Maemáica Monografia Modelos Maemáicos na Tomada de Decisão em Markeing Pona delgada, 3 de Maio de Orienador: Eng. Armado B. Mendes Orienanda: Marla Silva Modelos Maemáicos

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Boletim Económico Inverno 2006

Boletim Económico Inverno 2006 Boleim Económico Inverno 2006 Volume 12, Número 4 Disponível em www.bporugal.p Publicações BANCO DE PORTUGAL Deparameno de Esudos Económicos Av. Almirane Reis, 71-6.º andar 1150-012 Lisboa Disribuição

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira DMX Ligh Conrol Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira Resumo DMX-Ligh Conrol efecua o conrolo de sisemas de luzes que funcionam segundo o proocolo DMX, aravés de rádio frequência. Ese sisema foi

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

DIFERENCIAL DE INFLAÇÃO ENTRE PORTUGAL E A ALEMANHA*

DIFERENCIAL DE INFLAÇÃO ENTRE PORTUGAL E A ALEMANHA* DIFERENCIAL DE INFLAÇÃO ERE ORUGAL E A ALEMANHA* Sónia Cosa** Em orugal, nas úlimas décadas, o rácio enre o preço dos bens não ransaccionáveis e o preço dos bens ransaccionáveis observou um crescimeno

Leia mais

Fatores de influência no preço do milho no Brasil

Fatores de influência no preço do milho no Brasil Faores de influência no preço do milho no Brasil Carlos Eduardo Caldarelli Professor adjuno da Universidade Esadual de Londrina UEL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Professora associada do Deparameno de Economia,

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1 ETFSC UNED/SJ CURSO DE TELEFONIA DIGITAL CAPÍTULO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM. INTRODUÇÃO. Uma grande pare dos sinais de inormações que são processados em uma rede de elecomunicações são sinais

Leia mais

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I

ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA GERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AGUIAR I ESTUDO DO POTENCIAL ENERÉTICO PARA A COMPLEMENTAÇÃO POR PCH DA ERAÇÃO DA USINA HIDRELÉTRICA AMADOR AUIAR I Silva, F. B.; uimarães Jr., S. C.; Vanço, W. E.; Borges, D. T. S.; Cunha, M. J.; Alves, T. B.

Leia mais

ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DO MODELO IPH II PARA ALGUMAS BACIAS URBA- NAS BRASILEIRAS

ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DO MODELO IPH II PARA ALGUMAS BACIAS URBA- NAS BRASILEIRAS ESTIMATIVA DOS PARÂMETROS DO MODELO IPH II PARA ALGUMAS BACIAS URBA- NAS BRASILEIRAS Andréa Germano CPRM - Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais Rua Banco da Província, 15 PORTO ALEGRE - RS Carlos

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1

Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combustíveis 1 1 Relações Comerciais e de Preços no Mercado Nacional de Combusíveis 1 Mara Crisina Marjoa-Maisro 2 Geraldo San Ana de Camargo Barros 3 Arigo elaborado em fevereiro/2002 Aprovado para o XL Congresso Brasileiro

Leia mais