PRODUTO 1: MAPEAMENTO BIBLIOGRÁFICO E DO ESTADO DA ARTE SOBRE INDICADORES DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUTO 1: MAPEAMENTO BIBLIOGRÁFICO E DO ESTADO DA ARTE SOBRE INDICADORES DE GESTÃO"

Transcrição

1 MELHORIA DA GESTÃO PÚBLICA POR MEIO DA DEFINIÇÃO DE UM GUIA REFERENCIAL PARA MEDIÇÃO DO DESEMPENHO DA GESTÃO, E CONTROLE PARA O GERENCIAMENTO DOS INDICADORES DE EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E DE RESULTADOS DO PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO PRODUTO 1: MAPEAMENTO BIBLIOGRÁFICO E DO ESTADO DA ARTE SOBRE INDICADORES DE GESTÃO Brasília, Agosto de 2009

2 SUMÁRIO 1. ESCOPO DOS TRABALHOS E DO RELATÓRIO METODOLOGIAS DE GESTÃO DO DESEMPENHO BALANCED SCORECARD (BSC) BAIN & COMPANY PRISMA DE PERFORMANCE (ÊNFASE EM STAKEHOLDERS) GESPÚBLICA MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO PÚBLICA (MEGP) HOSHIN KANRI TOTAL QUALITY MANAGEMENT (TQM) RUMMLER & BRACHE QUANTUM (MEDIDAS DE TEMPO, QUALIDADE E CUSTO) CADEIA DE VALOR DE PORTER GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS (SUPPLY CHAIN MANAGEMENT) GESTÃO FINANCEIRA COBIT (ÊNFASE NA INFORMAÇÃO) CASOS REFERENCIAIS REINO UNIDO AUSTRÁLIA NOVA ZELÂNDIA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA (EUA) CANADÁ FRANÇA CHILE COLÔMBIA ARGENTINA MINAS GERAIS CURITIBA ORGANIZAÇÕES SOCIAIS CONCLUSÕES CONCEITOS DE PARTIDA, METODOLOGIAS E CASOS REFERENCIAIS APRESENTAÇÃO DO META MODELO OS 6ES DO DESEMPENHO AGRUPAMENTO DOS INDICADORES EM CATEGORIAS (MODELO DE SUBNÍVEIS)

3 ANEXO 1. QUADRO COMPARATIVO DOS CONCEITOS ENCONTRADOS NA LITERATURA RECENTE OBRA: INSTRUMENTOS, MÉTODOS Y ENFOQUES. DEPARTAMENTO DE EVALUACIÓN DE OPERACIONES DEL BANCO MUNDIAL OBRA: MANUAL DISEÑO DE UN SISTEMA DE MEDICIÓN DE DESEMPEÑO PARA EVALUAR LA GESTIÓN MUNICIPAL: UNA PROPUESTA METODOLÓGICA OBRA: PUBLIC SERVICE PERFORMANCE, CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS OBRA: KEY PERFORMANCE INDICATORS OBRA: MEASURING PERFORMANCE IN PUBLIC AND NONPROFIT ORGANIZATIONS OBRA: PERFORMANCE MEASUREMENT (2ND EDITION) OBRA: PERFORMANCE MEASUREMENT OBRA: MEASURING PERFORMANCE OBRA: MANAGEMENT BY MEASUREMENT OBRA: THE DYNAMICS OF PERFORMANCE MANAGEMENT: CONSTRUCTING INFORMATION AND REFORM OBRA: CHIEF PERFORMANCE OFFICER OBRA: ORGANIZATIONAL PERFORMANCE AND MEASUREMENT IN THE PUBLIC SECTOR OBRA: QUICKER, BETTER E CHEAPER OBRA: PERFORMANCE MEASUREMENT OBRA: BUSINESS PERFORMANCE MEASUREMENT. UNIFYING THEORY AND INTEGRATING PRACTICE ANEXO 2. BANCO DE INDICADORES ENCONTRADOS NA LITERATURA RECENTE ANEXO 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 1. Escopo dos Trabalhos e do Relatório Este documento corresponde ao Produto 1 Mapeamento bibliográfico e do estado da arte sobre indicadores de gestão do contrato nº 005/2009 firmado entre a Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento e a consultoria Marini, Borges e Martins Ensino, Pesquisa e Consultoria em Gestão Organizacional S/S, cujo objeto é a prestação de serviço de consultoria para auxiliar no mapeamento bibliográfico sobre indicadores de gestão incluindo os da administração pública direta e indireta, propor indicadores para as diversas dimensões da gestão, alinhado ao Modelo de Excelência em Gestão Pública, e propor indicadores de eficiência, eficácia, efetividade e de resultados do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública. O objetivo geral deste trabalho é contribuir para a melhoria da gestão por meio da definição de um Guia Referencial para Medição de Desempenho de Gestão, que consiste em um conjunto de indicadores para as diversas dimensões da gestão, que possam ser utilizados por todas as organizações públicas brasileiras, bem como o controle para o gerenciamento dos indicadores de eficiência, eficácia e de resultados do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização. O estudo também contempla os seguintes objetivos específicos: Estabelecer um panorama nacional e internacional do estado da arte na utilização de indicadores para medir o desempenho da gestão; Obter descrições e realizar um levantamento prévio do conjunto de princípios orientadores e conceituais, objetivos específicos e metas que compõem as dimensões de gestão a serem avaliadas; Definir indicadores para as principais dimensões da gestão pública para servir de referencial no governo; Envolver e comprometer os órgãos centrais de governo na definição dos indicadores de gestão; Subsidiar o documento Síntese Temática do Departamento de Modernização Institucional, da Secretaria de Gestão, bem como para outros documento da SEGES; e 3

5 Subsidiar a atualização dos demais instrumentos do GesPública. De acordo com a proposta de trabalho, o estudo está dividido em cinco etapas. Estas etapas e seus desdobramentos em termos de subetapas, atividades, produtos e prazos, cuja síntese esquemática encontra se disposta no quadro 1 e cujo cronograma encontra se disposto na figura 1, bem como o diagrama de macro etapas com destaque para o caminho crítico do projeto ilustrada na figura 2. 4

6 Quadro 1. Síntese esquemática do Plano de Trabalho Etapa Sub etapa Produto Prazo 1 Mapeamento bibliográfico e do estado da arte sobre indicadores de gestão Mapeamento bibliográfico e do estado da arte de indicadores de gestão Mapeamento e descrição do conjunto de princípios orientadores e conceituais de indicadores de gestão já utilizados nas diversas dimensões da gestão e análise dos contextos de aplicação Produto I Documento referencial sobre o levantamento bibliográfico realizado e o estado da arte na utilização de indicadores de gestão, e sobre o conjunto de indicadores utilizados em cada uma das dimensões da gestão pública em âmbito nacional e internacional, detalhando seus contextos de aplicação e fórmulas de cálculo e explicitando a justificativa da sua proposição 30 dias 2 Levantamento de necessidade do GesPública e articulação com órgãos centrais de sistema de administração do governo federal Identificação das dimensões de gestão e do conjunto de objetos mensuráveis tendo como base o Modelo de Excelência em Gestão Pública e o Instrumento para Avaliação da Gestão Pública IAGP para os quais serão estabelecidos os indicadores Acompanhar a equipe da SEGES, quando convocado, nas diversas reuniões de articulação com os órgãos centrais de administração do governo federal (orçamento, serviços gerais, recursos humanos, planejamento, entre outros) com a finalidade de elaborar documentos referenciais sobre os temas tratados que subsidiarão a construção do conjunto de indicadores de gestão Produto II Documento referencial sobre a identificação das dimensões de gestão e do conjunto de objetos mensuráveis tendo como base o Modelo de Excelência em Gestão Pública e o IAGP para os quais serão estabelecidos os indicadores Produto III Documento referencial sistematizando o resultado das reuniões de articulação com os órgãos centrais de administração do governo federal 50 dias 60 dias 5

7 Etapa Sub etapa Produto Prazo 3 Guia referencial para medição de desempenho e Manual para construção de indicadores proposição e validação Proposição inicial do Guia Referencial para Medição do Desempenho das Organizações Públicas, na definição de um conjunto de indicadores para cada dimensão de gestão estabelecida e um painel de medição do desempenho da gestão para as organizações públicas Produto IV Guia referencial para Medição de Desempenho das Organizações e Manual para Construção de es revisados e adequados em decorrência de sugestões e contribuições apresentadas durante as reuniões de validação junto às partes interessadas 90 dias Proposição inicial do Manual para Construção de es Acompanhar a equipe da SEGES, quando convocado, na validação do Guia Referencial e do Manual proposto junto aos órgãos centrais de sistema Adequação do Guia Referencial para Medição do Desempenho da Gestão e do Manual para a construção de indicadores em decorrência de sugestões apresentadas durante as reuniões de validação e de outras partes interessadas 4 Sistema de Gestão de desempenho do GesPública Elaboração de diretrizes e requisitos para institucionalização de um sistema de gestão de desempenho do GesPública Definir o conjunto de indicadores para a gestão do GesPública, com suas respectivas fórmulas de cálculo e justificativas da sua proposição Produto V Documento referencial com diretrizes e requisitos para institucionalização do Sistema de gestão de desempenho do GesPública 110 dias Definir painel de indicadores de eficiência, eficácia, resultados, ganho social e qualidade e produtividade que permita a medição do desempenho do GesPública para diversos níveis de tomada de decisão na SEGES 6

8 Etapa Sub etapa Produto Prazo 5 Fechamento do trabalho Participação em oficina onde serão discutidos, juntamente com consultores internacionais os resultados alcançados no trabalho Consolidação de todos os documentos levantados e produzidos no decorrer do trabalho para documentação e posterior consulta Produto VI Elaboração de relatório documentando todo o trabalho desenvolvido e sistematizando e consolidando todos os documentos levantados e produzidos no desenvolvimento do decorrer do trabalho, compreendendo inclusive atas e o resultado da oficina 120 dias 7

9 Figura 1. Cronograma detalhado de Trabalho Id EAP Atividades Início Término 1 0 Delineamento do projeto e elaboração do Plano de Trabalho 08/06/09 19/06/ Apresentação do Plano de Trabalho, ajustes e alinhamento 22/06/09 30/06/ Levantamento bibliográfico, o estado da arte do uso de indicadores de gestão e conjunto de 01/07/09 27/07/09 indicadores para cada dimensão da gestão pública Mapeamento bibliográfico e do estado da arte de indicadores de gestão 01/07/09 17/07/ Levantamento de fontes de pesquisa e documentos 01/07/09 10/07/ Catalogação e priorização de documentos e indicadores levantados 13/07/09 17/07/ Mapeamento e descrição de princípios orientadores e conceituais de indicadores de 01/07/09 20/07/09 gestão utilizados nas diversas dimensões da gestão e análise dos contextos Levantamento de metodologias e casos referenciais 01/07/09 10/07/ Catalogação e priorização e descrição dos modelos levantados 13/07/09 20/07/ Elaboração do documento referencial sobre o levantamento bibliográfico, o estado da arte 21/07/09 27/07/09 do uso de indicadores e conjunto de indicadores para cada dimensão da gestão pública 11 2 Identificação das dimensões de gestão e do conjunto de objetos mensuráveis tendo como 28/07/09 13/08/09 base o MEGP e o IAGP Identificação das dimensões de gestão com base no MEGP e no IAGP 28/07/09 10/08/ Caracterização do conjunto de objetos mensuráveis tendo como base o MEGP e o IAGP 28/07/09 10/08/ Elaboração do documento referencial sobre a identificação e do conjunto de objetos 11/08/09 13/08/ Realização de entrevistas, reuniões e oficinas de articulação com os órgãos centrais de 03/08/09 31/08/09 administração do Governo Federal, Estadual e Municipal para o levantamento de necessidades Reuniões de levantamento com órgãos de Governo e principais atores chaves 03/08/09 25/08/ Documentação dos resultados das reuniões de articulação com os órgãos centrais de 26/08/09 31/08/09 administração do Governo Federal, Estadual e Municipal 18 4 Concepção de um Guia Referencial para a Medição do Desempenho das Organizações e 01/09/09 29/09/09 Manual para construção de indicadores Proposição inicial do Guia para medição do desempenho das organizações públicas 01/09/09 24/09/ Identificação das dimensões de análise 01/09/09 02/09/ Definição de um conjunto de indicadores para cada dimensão estabelecida 03/09/09 14/09/ Definição de um painel de medição de desempenho da gestão para as organizações 15/09/09 24/09/09 públicas Proposição inicial do Manual para construção de indicadores 07/09/09 24/09/ Definição da estrutura do manual 07/09/09 10/09/09 Junho Julho Agosto Setembro 8

10 Id EAP Atividades Início Término Elaboração do conteúdo do manual 11/09/09 24/09/ Reuniões de validação do Guia Referencial e do Manual propostos 25/09/09 25/09/ Realização de oficinas para apresentação e coleta de sugestões sobre o Guia e o Manu 25/09/09 25/09/09 propostos Adequação do Guia Referencial para medição do Desempenho da Gestão e do Manual 28/09/09 29/09/09 para construção de indicadores inserindo as sugestões levantadas Elaboração da versão validada do Guia Referencial para Medição de Desempenho das 28/09/09 29/09/09 Organizações e do Manual para a construção de indicadores 30 5 Concepção do Sistema de Gestão de Desempenho do GesPública 01/09/09 30/09/ Definição de diretrizes e requisitos para a institucionalização do sistema de gestão de 01/09/09 11/09/09 desempenho do GesPública Elaboração de diretrizes e requisitos para a institucionalização da sistemática de gestão 01/09/09 07/09/09 do desempenho Documentação de diretrizes e requisitos para institucionalização de um sistema de 08/09/09 11/09/09 gestão de desempenho do GesPública Elaboração de es para a gestão do GesPública 14/09/09 22/09/ Definição do conjunto de es para gerenciamento do GesPública 14/09/09 18/09/ Formulação de es para a gestão do GesPública 14/09/09 18/09/ Definição das justificativas da proposição dos indicadores 14/09/09 18/09/ Elaboração do Documento referencial contendo o conjunto de indicadores para a 21/09/09 22/09/09 gestão do GesPública Definição do Painel de es do GesPública 23/09/09 28/09/ Elaboração do painel de indicadores de eficiência, eficácia, resultados, ganho social, 23/09/09 28/09/09 qualidade e produtividade Oficinas de apresentação do Sistema de Gestão de Desempenho do GesPública proposto e 29/09/09 29/09/09 coleta de sugestões Adequação do Sistema de Gestão de Desempenho do GesPública 30/09/09 30/09/ Elaboração da versão validada do Sistema de Gestão de Desempenho do GesPública 30/09/09 30/09/ Conclusão dos trabalhos 02/10/09 16/10/ Realização de oficinas para apresentação dos resultados finais, com a participação de 02/10/09 07/10/09 consultores internacionais Elaboração do relatório final, consolidando todos os documentos desenvolvidos no decorre do trabalho 08/10/09 16/10/09 Julho Agosto Setembro Outubro 9

11 Figura 2. Diagrama de macro etapas, relação com produtos e destaque para o Caminho Crítico Modelo de Medição do Desempenho de Organizações Públicas Modelo de gestão de desempenho do GesPública Legenda: : atividade crítica, cujo atraso prejudica o andamento do projeto 10

12 Este relatório contempla: a análise e discussão de quatorze metodologias e indicadores concernentes à gestão do desempenho; a análise e discussão de doze casos referenciais de países, estados e entes do terceiro setor qualificados como organização social, e seus modelos e indicadores concernentes à gestão do desempenho; a discussão das metodologias e casos apresentados e a apresentação do Meta modelo para a mensuração do desempenho; a relação de conceitos identificados a partir da literatura recente sobre mensuração de desempenho; o banco de indicadores identificados na literatura recente sobre o tema. 11

13 2. Metodologias de Gestão do Desempenho As metodologias de desempenho apresentadas são modelos consolidados e testados em diversos contextos e organizações. Dentre os modelos existentes foram selecionados os quatorze mais representativos no cenário da gestão, a saber: Balanced Scorecard (BSC); Bain & Company; Prisma de Performance (ênfase em stakeholders); GesPública MEGP; Hoshin Kanri; TQM; Cadeia de Valor de Porter; Rummler & Brache (variáveis de desempenho em objetivos, projeto e gestão); Quantum (medidas de tempo, qualidade e custo); PMBOK (áreas do conhecimento e ciclo de vida do projeto); Gestão de Pessoas; Gestão da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management); Gestão Financeira; Cobit (ênfase em sistemas informacionais). Esses modelos serão apresentados a seguir, descritos em quatro dimensões de análise e comparação: i) contextualização da metodologia, ii) conceito de desempenho, iii) mensuração de desempenho; e iv) exemplos de indicadores. 12

14 2.1. Balanced Scorecard (BSC) Contextualização da metodologia O Balanced Scorecard (BSC) é um dos sistemas de medição do desempenho mais difundidos nas organizações. Segundo Kaplan e Norton, seus criadores, o BSC é um modelo de gestão estratégica cuja finalidade é traduzir a missão e a estratégia de uma unidade de negócio em objetivos e medidas tangíveis, que permitem avaliar o desempenho global de organizações. Conceito de desempenho Uma das principais premissas do BSC é o balanceamento da medição de desempenho em diversas perspectivas, tendo como ênfase não somente os indicadores financeiros, mas também os indicadores não financeiros. Para isso, o BSC, em sua estrutura conceitual, mensura o desempenho organizacional tendo como base quatro perspectivas: financeira, clientes, processos internos e aprendizagem e crescimento. O sistema de mensuração do BSC explicita as relações (hipóteses) entre os objetivos (e as medidas) nas diversas perspectivas, de modo que possam ser gerenciadas e validadas, tornando explicitas as hipóteses de causa e efeito da estratégia para que os tomadores de decisão possam testá las e adaptá las à maneira que aprendem sobre sua implementação e a eficácia organizacional. Uma das vantagens do modelo é a possibilidade de adequação do modelo a diferentes contextos, conforme as necessidades e contingências específicas de cada organização. Por exemplo, podem ser desenvolvidas as perspectivas da responsabilidade social, ambiental ou cultural. O importante é que as medidas de desempenho sejam equilibradas e envolva todos os níveis da organização, possibilitando o alinhamento de todos os recursos à estratégia organizacional. A partir de várias experiências de implementação do BSC, foi concebida uma ferramenta de grande importância que é o mapa estratégico. O mapa comunica a estratégia da organização com precisão e clareza por meio de uma representação gráfica das relações de causalidade dos objetivos e indicadores por perspectivas do BSC. Inicialmente, o BSC foi criado, para ambiente do setor privado, no entanto, posteriormente, passou a ser adotado também pela 13

15 administração pública e organizações do terceiro setor. No contexto da gestão pública, foi inserida a perspectiva da Sociedade ao modelo, destacando se como uma perspectiva principal, substituindo a perspectiva financeira que é finalística para as organizações privadas. Um exemplo de estrutura de Mapa Estratégico para uma organização pública pode ser visto na figura 3 a seguir. Figura 3: Estrutura do Mapa Estratégico adaptado à administração pública Missão Que valor público queremos gerar para a sociedade e governo? Perspectiva da Sociedade Que segmentos atendemos e que valor agregamos? Perspectiva do Cliente/ Beneficiários Que requisitos devem pautar os processos? Que competências queremos desenvolver? Perspectiva dos Processos Internos Perspectiva de Aprendizagem e Crescimento Fonte: modelo de Mapa Estratégico concebido pelo Instituto Publix, adaptado da obra Strategy Maps: Converting Intangible Assets into Tangible Outcomes (2004) A lógica de construção do BSC, de acordo com o modelo adaptado para organização pública, segue o seguinte caminho: Estabelecimento de objetivos para a perspectiva da sociedade; Elaboração dos objetivos para a perspectiva do cliente/beneficiário, tendo como base os objetivos almejados para a sociedade; 14

16 Identificação e elaboração dos objetivos e medidas para os processos internos, com destaque para os processos críticos que contribuirão para o alcance das metas pretendidas para a sociedade e clientes/beneficiários; Estabelecimento dos objetivos de aprendizagem e crescimento, identificando os investimentos necessários e, pessoal, sistemas e procedimentos organizacionais. Esperase que estes investimentos produzem inovações e melhorias importantes para os processos internos, para os clientes e, por fim, para a sociedade e governo, numa relação de causa e efeito. Mensuração de desempenho O método de mensuração de desempenho é realizado a partir do desdobramento das perspectivas que compõem o BSC em objetivos, indicadores, metas e iniciativas estratégicas. No desdobramento das perspectivas em objetivos, definem se os indicadores e as iniciativas estratégicas. Os indicadores possuem metas que são confrontadas com o ambiente real. A periodicidade de monitoramento e revisão de cada indicador é definida conforme a natureza específica de cada um. Cada indicador do BSC é desdobrado em iniciativas estratégicas necessárias para o alcance das metas traçadas. As iniciativas são responsáveis pela obtenção dos resultados e, por conseguinte, a execução da estratégia. Esse processo é exemplificado na figura 4 a seguir. 15

17 Figura 4: Perspectivas do BSC e seus componentes Perspectiva Sociedade Perspectiva do Clientes/Beneficiarios Visão e Estratégia Traduzidas em Objetivos Estratégicos Medidos por es Associados a Ações Realizados por meio de Metas Perspectiva dos Processos Internos Perspectiva da Aprendizagem e Crescimento Fonte: Strategy Maps: Converting Intangible Assets into Tangible Outcomes (2004) Em suma, verifica se que o BSC se baseia na construção de um conjunto de indicadores interligados numa relação de causalidade e alinhamento com a estratégia da organização, garantindo uma visão sistêmica do desempenho organizacional. O quadro 2 a seguir apresenta alguns exemplos dos indicadores referentes às quatro perspectivas do BSC adaptado ao contexto da administração pública. 16

18 Quadro 2: Exemplos de indicadores do BSC Perspectiva Objetivo Fórmula de Cálculo Contribuir para o Perspectiva % de crescimento do PIB Ano atual Desenvolvimento Sócio Sociedade PIB da Saúde PIB Ano anterior Econômico do País. Promover a qualidade e a agilidade dos serviços Satisfação dos Perspectiva Quantidade de usuários satisfeitos x 100 municipais por meio do uso usuários com os dos Clientes Quantidade de usuários intensivo de tecnologia da serviços informação e comunicação Promover a qualidade e a agilidade dos serviços Tempo de Perspectiva tempo total de atendimento x 100 municipais por meio do uso atendimento ao dos Clientes total de pessoas atendidas intensivo de tecnologia da cidadão informação e comunicação Quantidade de % de documentos documentos orçamentários emitidos x orçamentários 100 Garantir a melhoria emitidos Quantidade de documentos orçamentários Processos contínua nos processos de demandados Internos execução orçamentária, Quantidade de financeira e contábil. % de documentos documentos financeiros emitidos x 100 financeiros emitidos Quantidade de documentos financeiros demandados Tipo de Efetividade Efetividade Eficiência Execução Execução Classificação do Impacto Final Impacto Intermediário Tempo Execução dos Processos de Suporte Execução dos Processos de Suporte 17

19 Perspectiva Objetivo Fórmula de Cálculo Percentagem de Processos com indicativo de TCE Recuperar de forma Processos processos com instaurados que foram solucionados X 100 eficiente e eficaz os danos Internos solicitação do TCE Processos com indicativos de TCE financeiros apurados. solucionados recebidos % de execução da Total de acompanhamentos realizados X Assegurar a qualidade do meta de 100 processo de acompanhamento Meta de acompanhamento programada monitoramento das programada Processos atividades de Internos Total de análises de acompanhamento e de % de execução da prestação de contas de convênios prestação de contas de meta de prestação de realizadas X 100 convênios celebrados. contas programada Meta de prestação de contas programada Tipo de Execução Execução Execução Classificação do Eficácia dos Processos de Suporte Execução dos Processos finalísticos Execução dos Processos finalísticos Processos Internos Realizar a habilitação de proponentes e a celebração de convênios e outros instrumentos similares de forma eficiente e eficaz. % de convênios prorrogados a pedido Total de convênios prorrogados a pedido X 100 Total de convênios que foi pedida a prorrogação Eficiência Produtividade Processos Internos Otimizar os processos de trabalho % de processos otimizados Total de processos otimizados X 100 Total de processos previstos para serem otimizados Eficiência Produtividade 18

20 Perspectiva Objetivo Fórmula de Cálculo % de profissionais Quantidade de profissionais capacitados X Perspectiva da Desenvolver capacitados, de 100 Aprendizagem conhecimentos, habilidades acordo com o plano Quantidade de profissionais previstos e Crescimento e atitudes nos profissionais de capacitação para serem capacitados % das equipes em que Quantidade de equipes em que Perspectiva da Realizar uma eficiente e as situações de todos os seus integrantes Aprendizagem eficaz gestão do trabalho são conhecem todas as situações de trabalho e Crescimento conhecimento. conhecidas por todos X 100 os seus integrantes Quantidade de equipes existentes Avaliação do clima organizacional atual Perspectiva da Valorizar o profissional e % de satisfação obtido Avaliação inicial do clima organizacional X Aprendizagem desenvolver um bom clima na pesquisa de clima 100 e Crescimento organizacional. organizacional. Avaliação inicial do clima organizacional % de integrantes que Perspectiva da Fortalecer o desempenho Profissionais que atingiram as metas Aprendizagem individual orientado para atingiram as metas estabelecidas X 100 estabelecidas pela e Crescimento resultados. Totais de profissionais gestão Tipo de Excelência Excelência Excelência Eficácia Classificação do Excelência/Conformidade dos Processos de Suporte Excelência/Conformidade dos Processos de Suporte Excelência/Conformidade dos Processos de Suporte Quantidade/Volume 19

21 2.2. Bain & Company Contextualização da metodologia A Bain & Company é em uma empresa de consultoria com foco na gestão da estratégia. Em sua abordagem, a consultoria apresenta a idéia de se alcançar resultados por meio de um modelo de gestão com base na simplicidade. Define se, neste modelo, o ponto de partida, o ponto de chegada e como atuar nesse caminho para transitar de um ponto ao outro gerando resultados positivos. Conceito de desempenho O desempenho, segundo esta metodologia, é a forma mais simples e eficaz de construir o caminho de ir do ponto de partida ao ponto de chegada. Observa se que há três aspectos fundamentais com relação ao modelo de desempenho organizacional, a saber: Ponto de partida; Ponto de chegada; e Caminho até os resultados. Primeiramente, no ponto de partida, é necessário realizar um diagnóstico detalhado sendo esta a atividade mais urgente e prioritária, compreendendo a posição atual da organização. Toda a organização possui pontos fortes e fracos e enfrenta ameaças e oportunidades e a análise desses pontos se torna vital para se obter o desempenho desejado. Após a definição do ponto de partida é necessário pensar nos objetivos que se pretende alcançar. Todos os gestores definem, de forma autônoma ou não, um conjunto de objetivos a serem atingidos. Esses objetivos nem sempre são formalizados e expressos de forma clara, contudo fazem parte da organização. A definição desses objetivos é a orientação para o ponto de chegada. O ponto de chegada deve ser ambicioso e inspirador, além de específico, realista e exeqüível. Ele deve ser composto por um conjunto de objetivos, indicadores e metas mensurados e monitorados intensivamente. Esta metodologia aborda a importância de se obter objetivos mais imperativos e planos de ação que, a partir do seu ponto de partida, conduzirão a organização ao seu ponto de chegada, resultando no que a metodologia chama de caminho até os resultados. 20

22 O modelo tem como conceito de desempenho a execução os planos de ação atingindo os objetivos e as metas estabelecidas. A figura 5, a seguir, ilustra os elementos deste modelo. Figura 5. Modelo Bain & Company PONTO DE PARTIDA Diagnóstico completo de melhoria de desempenho baseado em 12 fatores imprescindíveis PONTO DE CHEGADA Visão Objetivos Planos de ação Painel de controle das métricas principais 1 Tema Tema Tema imperativos de ação Planos de ação detalhados 2 3 métricas chave 2 3 métricas chave 2 3 métricas chave 4 Tema Planejar Liderar 2 3 métricas chave Monitorar Operar Fonte: Adaptado da obra Administração de alto impacto (2008) Mensuração de desempenho O modelo baseia se na sistemática supracitada para definir a visão, os objetivos e os planos de ação. Seguindo essa lógica, o modelo propõe uma estrutura de mensuração da capacidade da organização em conseguir um alto impacto de sua gestão, condicionado pelo ciclo planejar, liderar, operar e monitorar. Para a mensuração é importante possuir simplicidade ao definir métricas significativas, uma vez a grande quantidade de indicadores são empecilhos que não implicam em resultados práticos e vão de encontro a abordagem proposta na metodologia. A seguir o quadro três apresenta alguns dos indicadores referentes à metodologia. 21

23 Quadro 3. Exemplos de es do modelo da Bain & Company Tema Necessidades Fórmula de Cálculo Tipo indicador de Classificação dos indicadores Educação Educação Qualificação do professor no ensino básico Aprovação no ensino fundamental Taxa de professores com nível superior no ensino básico Taxa de aprovação no ensino fundamental Quantidade de professores com nível superior no ensino básico/total de professores do ensino básico Quantidade de alunos aprovados no ensino fundamental/total de alunos do ensino fundamental Economicidade Eficácia Quantidade de recursos Qualidade do produto/serviço Educação Abandono no ensino fundamental Taxa de abandono no ensino fundamental Quantidade de alunos evadidos pelo ensino fundamental/total Eficácia Qualidade do produto/serviço Saúde Quantidade de registro de mortes de Redução da mortalidade infantil Taxa de mortalidade infantil crianças/total de crianças Eficácia Cobertura Saúde Gastos per capita com a saúde Gastos públicos per capita com a saúde Volume de recursos gastos com a saúde/total de habitantes Execução Financeira Processo finalístico Saneamento Saneamento Desenvolvimento Econômico e Finanças Públicas Domicílios atendidos por água Percentual de domicílios Quantidade de Domicílios atendidos por Eficácia tratada atendidos por água tratada água tratada/total de domicílios Percentual de domicílios Domicílios atendidos pela rede Quantidade de domicílios atendidos pela atendidos pela rede de Eficácia de esgotos rede de esgotos/total de domicílios esgotos PIB per capita PIB per capita PIB per capita Efetividade Cobertura Cobertura Impacto intermediário 22

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN 6º ENCONTRO NACIONAL DOS OBSERVATÓRIOS SOCIAIS PAINEL 1 EFICIÊNCIA DA GESTÃO MUNICIPAL PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR. Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL 2009 GESTÃO PARA RESULTADOS RELATOR Maria Tereza Gonçalves RESPONSÁVEIS Maria do Carmo Aparecida de Oliveira - (41) 3350-9565 - - - IMAP -

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Qual a melhor técnica para auto-avaliação?

Qual a melhor técnica para auto-avaliação? técnicas Qual a melhor técnica para auto-avaliação? : Integração das ferramentas de auto-avaliação 1. Por meio de questionários aplicados às partes interessadas (docentes, discentes, funcionários e sociedade)

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos

EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Guia de Modelagem de Estruturas Organizacionais EXERCÍCIO 3 Metodologia de gestão de processos Exercício de mapeamento, avaliação, análise e melhoria 1 A gestão de processos permite identificar o conjunto

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) CENTROS DE PESQUISA (15)

ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) CENTROS DE PESQUISA (15) ESTRUTURA DO ICMBio 387 UNIDADES ORGANIZACIONAIS COORDENAÇÕES REGIONAIS (11) SEDE (1) UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (312) CENTROS DE PESQUISA (15) ACADEBio (1) BASES AVANÇADAS DOS CENTROS (38) UNIDADES AVANÇADAS

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais