ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DA CARNE DE FRANGO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DA CARNE DE FRANGO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: 1990-2002"

Transcrição

1 XLIII CONGRESSO DA SOBER Instituições, Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DA CARNE DE FRANGO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: Maria Lúcia Bahia Lopes Economista e Doutoranda em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) Professora da Universidade Federal da Amazônia (UNAMA) e do Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM) Rua Elvira Santana, 565A CEP Clélia Bernardes Viçosa-MG CPF: Gisalda Carvalho Filgueiras sócia da SOBER Engenheira Agrônoma e Mestre em Economia Doutoranda em Ciências Agrárias pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) Técnica do Banco da Amazônia Av. Presidente Vargas, CEP: , Centro - Belém/PA CPF: Vera Cecília Alves da Rocha Economista e Mestre em Economia pela Universidade da Amazônia (UNAMA) Av. Dr. Freitas, CEP: , Marco - Belém/PA CPF: Ricardo Bruno Nascimento dos Santos Economista Especialista em Estatística Mestrando em Ciências Florestais pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) Professor da Universidade Federal do Pará Passagem Castro Alves, 81 CEP: , Icoaraci Belém/PA CPF: Área Temática: Comércio Internacional Forma de Apresentação: Apresentação com presidente da sessão e sem debatedor

2 2 ESTUDO DA COMPETITIVIDADE DA CARNE DE FRANGO BRASILEIRA NO MERCADO INTERNACIONAL: Resumo: Este estudo teve como objetivo principal fazer uma analise ex-post da competitividade da carne de frango no período a partir da aplicação do modelo Constant-Market- Share (CMS), visando identificar os fatores que influenciam no desempenho do setor avícola no mercado internacional à luz do modelo de competitividade de Porter. Os resultados obtidos do modelo CMS revelaram que no sub-período 1990/96 a 1997/02, a participação média do Brasil no total mundial aumentou de 11,32% para 15,32%. Os efeitos tamanho de mercado e competitividade atuaram de forma conjunta para promover a expansão das exportações brasileiras de carne de frango. Desse aumento, 42,25% está relacionado ao efeito tamanho do mercado e 57,95% ao efeito competitividade. Dentre os fatores que, possivelmente, influenciaram nesse desempenho estão: diversificação dos mercados, principalmente, para a União Européia e a Ásia; os problemas sanitários que atingiram a Europa e a Ásia; a coordenação da atuação de marketing institucional; à agressividade comercial da avicultura de exportação do Brasil; a combinação entre os avanços tecnológicos e o processamento industrial que fez do frango brasileiro um dos mais saudáveis do mundo; ao menor custo de produção do mundo; e a elevação do volume de exportações de partes, possibilitando ao Brasil concorrer competitivamente, alcançando preços mais elevados. PALAVRAS CHAVE: competitividade, market share, carne de frango.

3 3 Estudo da competitividade da carne de frango brasileira no mercado internacional: INTRODUÇÃO O Brasil ocupa o terceiro lugar na produção mundial de carnes de frango. Em , produziu um volume de 7,825 milhões de toneladas, ficando atrás dos Estados Unidos, responsáveis pela produção de 14,920 milhões de toneladas e da China com 10,129 milhões de toneladas, respectivamente (ANUALPEC, 2004; ABEF, 2004). Vale destacar que a abertura comercial da China transformou-a em uma região avícola relevante. Segundo Franchini (2001) a China pode acirrar ainda mais a disputa pelo mercado externo quando se estima um aumento na participação mundial das exportações desse país. Assim, além de uma grande consumidora de carne de frango, está se transformando também em grande país produtor. A União Européia possui uma parcela significativa da produção de carne de frango, ocupando a quarta posição com 5,900 milhões de toneladas em No que diz respeito ao México observa-se que sua produção vem aumentando paulatinamente, produzindo, um volume de 2,412 milhões de toneladas, no mesmo período (ANUALPEC, 2004). Segundo Bittencourt (1995), o Brasil tem se destacado na produção e na exportação de frango nos últimos anos graças à rapidez na assimilação da tecnologia advinda de países desenvolvidos, além da tecnologia nacional, e à rápida e progressiva resposta aos investimentos realizados nos parques industriais, principalmente nos estados do sul do país. Os principais estados produtores e exportadores de carne de frango são, conforme a ordem de importância: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. As exportações brasileiras de carne de frango começaram na metade da década de 70, com apenas toneladas por ano, mas foram alcançando níveis bem maiores, iniciando a década de 80 com cerca de toneladas, ou seja, um volume exportado 47,5 vezes maior do que o verificado em 1975 (BITTENCOURT, 1995). Atualmente o Brasil é o maior exportador de carne de frango do mundo, desde o ano 2000 o Brasil ocupava a segunda posição, sendo superado apenas pelos Estados Unidos. Em 2004, o volume exportado pelo Brasil foi da ordem de 2,4 milhões de toneladas com uma receita de US$2,4 bilhões e pelos Estados Unidos 2,2 milhões de toneladas (ABEF, 2005). Segundo Franchini (2001), no período de os Estados Unidos obtiveram um aumento nas suas exportações na ordem de 643%, graças ao protecionismo adotado através do Export Enhancement Program, criado em 1986, que promoveu às vendas externas de carne de frango, consolidando sua hegemonia no mercado internacional já no início dos anos 90. No período de a taxa de crescimento das exportações americanas foram da ordem de 15,35% a.a. Em 2004, a produção brasileira de carne de frango ultrapassou as 7,6 milhões de toneladas, sendo destinados ao mercado interno aproximadamente 6 milhões e exportados 1,6 milhões de toneladas e teve como destino principal o mercado externo, distribuídos para o Oriente Médio com 30,73%, seguido pela Ásia com 26,0% e em terceiro lugar está a União 1 Dados de previsão fornecidos pela ANUALPEC, 2004, p: Outras informações relativas ao mercado de frango, também foram obtidas no site da ABEF.

4 4 Européia com 11,5%, em quarto a Rússia, com 8,1% e quinto a África, com 7,4%. Os demais países somam em importação 16,3%, segundo os dados da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos ABEF, Em 2004, a liderança do Brasil no mercado internacional de carne de frango foi obtida tanto com a ampliação dos mercados destinos, que atualmente totalizam 130 países, quanto pela rentabilidade da venda. Isto é, o preço médio por tonelada cresceu 16%, graças principalmente a um aumento na participação das exportações de cortes de frango (ABEF, 2005). Pelo exposto, por ser a avicultura um dos setores que mais investem em equipamentos, tecnologia, inovação, manejo e sanidade, e pela importância que representa para a economia brasileira, se torna imprescindível o desenvolvimento de estudos que possam acompanhar o desempenho do setor e, ao mesmo tempo, fornecer subsídios para a tomada de decisão dos agentes econômicos envolvidos no setor avícola. Dadas às considerações expostas, o presente trabalho tem como objetivo fazer uma analise ex-post da competitividade da carne de frango no período a partir da aplicação do modelo Constant-Market-Share (CMS), visando identificar os fatores que influenciam no desempenho do setor avícola no mercado internacional. 2 REFERENCIAL TEÓRICO Os Clássicos formaram o primeiro arcabouço teórico sobre competitividade entre países. Inicialmente, Adam Smith, em 1776, com a teoria da vantagem absoluta. Posteriormente, Torrens (1815) e Ricardo (1817), aperfeiçoaram as idéias de Smith no que ficou conhecido como a teoria da vantagem comparativa (CAMPOS, 2004). Entretanto, essas abordagens não são suficientes para explicar os padrões do fluxo do comércio em mercados imperfeitos, visto que não atribuem papel às estratégias das empresas, às melhorias nos produtos e processos, ao processo de melhoramento e criação de fatores, à diferenciação de produtos, à globalização da economia que possibilita empresas a participarem de cadeias produtivas dentro de uma perspectiva internacional. Neste contexto, surgiu um novo paradigma denominado teoria da vantagem competitiva, que reflete uma concepção mais profunda da competição, associando conceitos da teoria do comércio internacional com a teoria da organização industrial. Dentro desse novo paradigma está o que Porter (1993) denomina de "diamante" que são os efeitos interativos das condições da demanda do produto, das condições da oferta de fatores, da estrutura do mercado e da rivalidade entre as empresas, do desenvolvimento de indústrias correlatas e de apoio. Para ele as combinações desses quatro elementos modelam o ambiente econômico no qual as empresas operam, promovendo ou impedindo a criação da vantagem competitiva. De modo geral, as empresas que obtêm lideranças tecnológicas, associadas com economias de escala ou com alto grau de diferenciação de produtos, são aquelas de melhor desempenho competitivo. Atualmente, o conceito de competitividade sistêmica é o mais abrangente para efeito de análise, pois enfatiza que o desempenho empresarial é influenciado por fatores situados fora do âmbito das empresas e da estrutura industrial a que estão atreladas, como os fatores de ordem macroeconômica, as infra-estruturas que geram externalidades,

5 5 o sistema político-institucional e as características socioeconômicas dos mercados nacionais (SANTOS, 2002). Santana (2000) propõe uma abordagem alternativa para analisar a competitividade sistêmica, tomando por base um conjunto de estudos desenvolvidos pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE, 1992), e adaptados por Esser et al. (1999). Essa abordagem difere das demais sob dois aspectos: primeiro, os conjuntos de fatores determinantes da competitividade encontram-se agregados em quatro níveis de abrangência: metanível, macronível, mesonível e micronível; segundo, a análise é conduzida por meio de uma associação entre os elementos da inovação industrial e econômica e da sociologia industrial, visando identificar as características e padrões de governança e os fenômenos que resultam das negociações, contemplando variadas formas de cooperação e/ou de formação de alianças em torno das políticas industriais nos âmbitos econômico, social e institucional. Nessa abordagem, os níveis meta e meso são adicionados aos níveis micro e macro, e que de modo geral, são contemplados nas demais abordagens teóricas. A idéia central presente no modelo é que a competitividade emerge da interação sinérgica, simultânea e intertemporal dos fatores agrupados nestes quatros níveis estruturais. O modelo competitivo de Porter na agroindústria de frango de corte. No caso da avicultura, os fatores agrícolas, industriais, comerciais e o governo interagem de modo a criar um sistema com relações dinâmicas, independentes e mutuamente influenciadoras. A estrutura do mercado avícola, a predominância da integração agroindustrial e a forte especialização dos agentes envolvidos nas diferentes etapas do processo produtivo exigem que o estudo da competitividade passe pela análise de cada segmento envolvido na atividade (CANEVER et al, 1997). Assim, um modelo que se adequou perfeitamente à análise do setor foi o diamante de Porter, que analisa os fatores determinantes da competitividade, englobando as condições de demanda e de fatores, as indústrias correlatas e de apoio, a estrutura, estratégia e rivalidade das empresas e a ação governamental (Figura 1). Neste estudo serão discutidas apenas as condições de demanda a partir da análise do Market-Share.

6 6 INDÚSTRIAS CORRELATAS E DE APOIO Genética Rações Produtos Biológicos CONDIÇÕES DE FATORES Grãos Transportes Mão-De-Obra Energia Elétrica Instalações Equipamentos GOVERNO Tributação Bioseguridade ESTRATÉGIA, ESTRUTURA E RIVALIDADE DAS EMPRESAS Concentração geográfica Concentração industrial Economias de escala CONDIÇÕES DE DEMAMDA As inter-relações da demanda Formas de consumo Estratégias mercadológicas Market share Figura 1 Inter-relações do sistema avícola de corte. Fonte: Canever et al., METODOLOGIA Neste tópico serão apresentados o modelo analítico Constant-Market-Share (CMS), o mercado de destino e a fonte de dados, através dos quais será traçado o procedimento que permitirá alcançar os objetivos propostos. 3.1 O Modelo Analítico O presente trabalho estará pautado no estudo da competitividade segundo uma abordagem ex-post, que é avaliada a partir dos resultados obtidos por indicadores de marketshare. A forma mais simples do Método CMS define a parcela de mercado (S) de um país A como função de sua competitividade relativa 2. 2 Ver o desenvolvimento do modelo completo em Carvalho (1995); Stalder (1997) e Figueiredo (2004).

7 7 Uma formulação mais complexa leva em consideração a estrutura das exportações do país, que, mesmo na ausência de mudanças na competitividade relativa, pode estar afetando o comportamento das exportações ao longo dos anos. As exportações podem estar concentradas em mercadorias cuja demanda está crescendo mais rapidamente ou destinando-se prioritariamente a regiões de crescimento mais dinâmico e vice-versa. Na formulação específica, considera-se como variável básica o valor das exportações, tendo a seguinte expressão do modelo CMS para um tipo particular de mercadoria e uma região particular de destino: V * ij ij ij ij ij ij ij ij V r V + ( V * V r V ) (1) em que V ij = valor das exportações da mercadoria i do país A para o país j, período 1; V* ij = valor das exportações da mercadoria i do país A para o país j, período 2; e r ij = incremento percentual das exportações mundiais da mercadoria i para o país j do período 1 para o período 2. Da mesma forma, esta equação pode ser agrupada em: V * V rv + ( ri r ) V i. + ( rij ri ) V ij + ( V * ij V ij rijv ij i i j i j )( 2 ) (a) (b) (c) (d) Essa identidade permite decompor a taxa de crescimento das exportações do país A em quatro efeitos. Os dois primeiros estão relacionados com fatores externos e os dois últimos refletem a influência de fatores internos: a) Efeito-crescimento do comércio mundial: incremento observado se as exportações do país A tiverem crescido à mesma taxa de crescimento mundial, isto é, crescimento das exportações do país A devido ao crescimento mundial das exportações. b) Efeito-composição da pauta: mudanças na estrutura da pauta com concentração em mercadorias com crescimento de demanda mais ou menos acelerado, isto é, crescimento devido à composição dos bens na exportação do país A, e, ainda, se aumentarem às exportações mundiais da mercadoria i mais que a média mundial de todas as mercadorias exportadas, (r i r) é positiva e tornará forte esse efeito, se V i for relativamente grande, ou seja, o efeito-composição da pauta será positivo se as exportações do país A estiverem concentradas em mercadorias de maior expansão ou quando a taxa de crescimento for superior à mundial. c) Efeito-destino das exportações: mudanças decorrentes das exportações de mercadorias para mercados de crescimento mais ou menos dinâmicos, isto é, crescimento devido à distribuição do mercado de exportação do país. Essa parcela será positiva se A concentrar suas exportações em mercados que experimentarem maior dinamismo no período analisado e negativa se concentra-las em mercados mais estagnados; e

8 8 d) Efeito-residual, representando competitividade: o resíduo reflete a diferença entre o crescimento efetivo das exportações e o crescimento que teria ocorrido nas exportações do país A se a porcentagem de exportação de cada bem, em cada país, tivesse sido mantida. Este fato está relacionado com mudanças nos preços relativos, o que pode significar que, quando um país deixa de manter sua parcela no mercado mundial, o efeito competitividade é negativo e indica preços crescendo para o país A, proporcionalmente maior que os preços de seus competidores. Neste trabalho não será analisado o efeito da composição da pauta, tendo em vista que estamos considerando apenas um produto, carne de frango. Existem algumas críticas à utilização do modelo CMS como indicador de competitividade, que é a mesma feita aos demais indicadores de desempenho, ou seja, estes indicadores não avaliam as causas das variações no grau de competitividade. Além disso, estes indicadores seriam influenciados por variáveis que estão relacionadas ao comércio exterior e não à competitividade (PINHEIRO et al, 1992). 3.2 O mercado de destino O mercado de destino foi selecionado levando-se em consideração os países de maior participação na pauta de importação de carne de frango do Brasil. Os 10 países escolhidos (Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Hong Kong, Japão, Kuwait, Países Baixos e Rússia) representam 81,66% em média, das exportações brasileiras de carne de frango no sub-período 1990/ Os dados Os dados utilizados neste trabalho foram obtidos Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio Exterior (MDIC/SECEX), que forneceu séries de valores das exportações de carne de frango, em US$ 1000,00 Free on Board (FOB) do Brasil, para cada país de destino selecionado; a Associação brasileira de exportadores de frango (ABEF e ANUALPEC), fornecendo as quantidades e valores das exportações; e Food Agricultural Organization (FAO), com a produção mundial. Os períodos de análise foram determinados da seguinte forma: a) 1990 a 1996 Por representar os primeiros anos da abertura do comércio internacional e, de acordo com a literatura consultada foi um período em que o Brasil estava sofrendo restrições dos Estados Unidos e União Européia, e mesmo assim ainda obteve uma taxa de crescimento de 10,68% a.a. b) 1997 a 2002 período que representa um salto no crescimento das exportações brasileiras de carne de frango, com uma taxa de crescimento de 31,45% a.a. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS No período estudado o Brasil apresentou uma taxa de crescimento das exportações, da ordem 13% a.a. Entretanto, para o sub-período de essa taxa se reduz para 10,68% e no sub-período a taxa de crescimento se eleva para 31,45%. Um fator que pode ter corroborado para o resultado do primeiro sub-período foi o fato das exportações brasileiras terem sido prejudicadas pela política econômica de sobrevalorização da moeda nacional, elevando os preços dos produtos brasileiros no mercado internacional, tornando-os menos competitivos, desestimulando as exportações. Além disso, com a estabilização dos

9 9 preços, a elevação do poder aquisitivo da classe de renda baixa provocou uma expansão do consumo interno. A Figura 2 mostra o comportamento das exportações brasileiras de carne de frango no período 1990 a 2002, comparativamente com EUA e China. É possível visualizar a tendência de crescimento das exportações brasileiras no período em análise. QUANT. (Mt) ANOS EUA Brasil China Figura 2 Exportações brasileiras de carne de frango, no período de 1990 a Fonte: Food Agricultural Organization (FAO) Os resultados obtidos do modelo CMS permitem analisar a decomposição dos efeitos e a influência de cada um no desempenho das exportações brasileiras de carne de frango, nos dois sub-períodos considerados, desagregando-os entre os componentes: tamanho de mercado, distribuição do mercado e competitividade. Para o primeiro sub-período (1990/96), os dez países selecionados importaram juntos cerca de 82% do total da carne de frango comercializada pelo Brasil, evidenciando grande concentração das exportações brasileiras, sendo que os maiores países importadores foram Argentina, Arábia Saudita e Kuwait, com percentual médio de 90,36%; 59,75% e 34,91%, respectivamente. De um modo geral, todos os países elevaram suas importações, exceto a Argentina que reduziu sua parcela de 90,36% para 33,12%. A justificativa, talvez, para esta redução está no fato de uma das grandes empresas brasileiras ter entrado no mercado local daquele país. Entretanto, observa-se que houve uma elevação no montante das suas importações no mercado mundial. Vale destacar a expansão significativa das exportações para os Países Baixos, Rússia e Espanha, cujas participações eram 6,96%, 1,44% e 23,30% no sub-período 1990/96, passando para 40%, 14,79% e 41,62%, respectivamente, no período subseqüente (1997/02). A Tabela 1 demonstra origem das mudanças nas exportações brasileiras de carne de frango, evidenciando que, no sub-período 1990/96 a 1997/02, a participação média do Brasil no total mundial comercializado aumentou de 11,32% para 15,32%. Esse crescimento das

10 10 exportações totais do Brasil em relação ao total das exportações mundiais repercutiu em quase todos os mercados desagregados no modelo CMS. As informações sugerem que os efeitos tamanho de mercado e competitividade atuaram de forma conjunta para promover a expansão das exportações brasileiras de carne de frango. Desse aumento, 42,25% está relacionado ao efeito tamanho do mercado e 57,95%, ao efeito competitividade. Estes dois efeitos mais do que compensam o efeito negativo devido à distribuição do mercado de exportação. Tabela 1 - Origem das mudanças na média anual das exportações brasileiras de carne de frango nos sub-períodos de 1990/96 e 1997/02 (em US$ 1000 FOB) TOTAL MUNDIAL Fluxo de comércio (efetivo) 1990/ /02 Importação mundial , ,2 Exportação do Brasil ,8 (A) ,0 (B) Market-share (%) 11,32% 15,32% EXPORTAÇÕES POTENCIAIS DO BRASIL Variação Exportações Mantendo market-share mundial em 1990/ ,2 (C) ,0 (D) Mantendo market-share em cada país em 1990/ ,3 (E) ,1 (F) Market-share potencial para 1997/02 - média mundial (%) 11,32% Market-share potencial para 1997/02 - média países (%) 11,31% NATUREZA DAS VARIAÇÕES Efeitos Proporção Variação efetiva (B - A) ,2 100,00% Tamanho de mercado (D - A) ,2 42,25% Distribuição de mercado (F - D) -883,9-0,20% Competitividade (F - B) ,9 57,95% Soma dos efeitos 100,00% Fonte: Dados da pesquisa. O efeito positivo devido ao tamanho de mercado, possivelmente, foi influenciado pelo crescimento do comércio mundial. De certa forma, isso demonstra que o Brasil está diversificando mercados, principalmente, para a União Européia e a Ásia. Os fatores que podem estar influenciado esse desempenho estão os problemas sanitários que atingiram a Europa e a Ásia e a coordenação da atuação de marketing institucional. Por outro lado, o

11 11 aumento de ocorrência de doenças e outros problemas relacionados com o consumo de carne aumentaram a preocupação com a segurança alimentar, em termos mundiais. Tudo isso resulta em novos padrões no que diz respeito às relações comerciais entre os países exportadores, que podem ou não ser beneficiados, principalmente no que diz respeito às barreiras e/ou exigências sanitárias. As empresas brasileiras têm direcionado esforços para aumentar sua parcela no mercado externo mediante ao atendimento dessas demandas relativo a qualidade do produto. O mercado europeu é relevante para as exportações de carne de frango do Brasil (inteiros e em cortes) e por isso têm demonstrado alto grau de preocupação com a qualidade dos alimentos, tendo em vista o surgimento de doenças como o mal da vaca louca e a gripe asiática do frango. Sendo assim, a combinação entre os avanços tecnológicos (registrados especialmente na produção, na criação das aves e na genética) e o processamento industrial fez do frango brasileiro um dos mais saudáveis do mundo. Neste sentido, os subsídios americanos e europeus, que reduziram a parcela do mercado brasileiro no mercado internacional em mais de 47%, no período de 1985 a 1995, trouxeram benefícios para as exportações de carne de frango brasileiras no período 1997/02, uma vez que forçou as empresas domésticas a elevarem o padrão de qualidade do produto nacional para fazer frente à concorrência Norte Americana e Européia. Um outro fator que pode ter contribuído para o incremento da demanda por carne de frango são as novas tendências de consumo, que valorizam cada vez mais as carnes brancas, devido aos seus aspectos saudáveis e nutricionais. No Brasil, a demanda externa tem sido o grande sinalizador nas melhorias no processo produtivo e nas formas de consumo. A contribuição do efeito competitividade deveu-se, possivelmente, à agressividade comercial da avicultura de exportação do Brasil e ao menor custo de produção do mundo, segundo o International Finance Corporation (IFC), assim como, a elevação do volume de exportações de partes, possibilitando ao Brasil concorrer competitivamente, alcançando preços mais elevados. A grande vantagem é que produtos de maior valor agregado, como partes, exigem maior quantidade de mão-de-obra por unidade de produto, o que favorece aqueles países ricos em mão-de-obra (CANEVER et al., 1997). Como se pode observar, o setor exportador brasileiro de carne de frango apresenta um bom desempenho no mercado mundial, graças à diversificação de mercado, ao tamanho do mercado e ao padrão de qualidade da carne de frango brasileira, fatores que contribuem para a melhoria da sua competitividade. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo revelou que as exportações brasileiras de carne de frango apresentaram uma tendência de crescimento positiva, da ordem 13% a.a, no período analisado. Entretanto, para o sub-período de essa taxa se reduz para 10,68% e no último sub-período a taxa de crescimento se eleva para 31,45% a. a. No primeiro período, a taxa de crescimento foi menor em virtude das exportações brasileiras terem sido prejudicadas pela política econômica cambial de sobrevalorização da moeda nacional, elevando os preços dos produtos brasileiros no mercado internacional, tornando-os menos competitivos. Além disso, com a estabilização dos preços, o poder aquisitivo da classe de renda baixa se elevou, provocando uma expansão do consumo interno.

12 12 Os resultados obtidos do modelo CMS revelaram que no sub-período 1990/96 a 1997/02, a participação média do Brasil no total mundial aumentou de 11,32% para 15,32%. Esse crescimento das exportações totais do Brasil em relação ao total das exportações mundiais repercutiu em quase todos os mercados desagregados no modelo CMS. De um modo geral, todos os países elevaram suas parcelas de importações do Brasil, exceto a Argentina que reduziu sua parcela de 90,36% para 33,12%. Entretanto, os valores mostram que houve um incremento do montante das suas importações no mercado mundial. Os efeitos tamanho de mercado e competitividade atuaram de forma conjunta para promover a expansão das exportações brasileiras de carne de frango. Desse aumento, 42,25% está relacionado ao efeito tamanho do mercado e 57,95%, ao efeito competitividade. O efeito tamanho de mercado, possivelmente, foi influenciado, de certa forma, pela diversificação dos mercados, principalmente, para a União Européia e a Ásia; os problemas sanitários que atingiram a Europa e a Ásia; a coordenação da atuação de marketing institucional; as novas tendências de consumo, que valorizam cada vez mais as carnes brancas, devido aos seus aspectos saudáveis e nutricionais. A contribuição do efeito competitividade deveu-se, possivelmente, à agressividade comercial da avicultura de exportação do Brasil; a combinação entre os avanços tecnológicos e o processamento industrial que fez do frango brasileiro um dos mais saudáveis do mundo; ao menor custo de produção do mundo; e a elevação do volume de exportações de partes, possibilitando ao Brasil concorrer competitivamente, alcançando preços mais elevados.

13 13 BIBLIOGRAFIA ANUÁRIO DA PECUÁRIA BRASILEIRA. São Paulo: FNP Consultoria, ANUÁRIO DA AGRICULTURA BRASILEIRA. São Paulo: FNP Consultoria, BITTENCOURT, M. V. L. Formação de preços e caracterização do mercado de frango em São Paulo. Piracicaba, SP: ESALQ/USP, p. Dissertação (Mestrado em Economia Agrária) Universidade de São Paulo, BUENO, Y. M. Determinantes das estratégias de marketig no setor exportador de frangos. Viçosa, MG: UFV, p Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) Universidade Federal de Voçosa, CAMPOS, A. C. Teoria da vantagem competitiva. Viçosa, MG: UFV, CANEVER, M. D.; TALAMINI, D. J. D.; CAMPOS, A. C.; SANTOS FILHO, J. I. A cadeia produtiva do frango de corte no Brasil e na Argentina. Concórdia: EMBRAPA-CNPSA, p. (EMBRAPA-CNPSA. Documentos, 45) CARVALHO, F. M. A. de. O comportamento das exportações brasileiras e a dinâmica do complexo agroindustrial. Piracicaba, p. Tese (Doutorado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz /Universidade de São Paulo, CARVALHO, F. M. A. O método Constant-Market-Share. In: SANTOS, M. L. VIEIRA, W.C. Métodos quantitativos em Economia. Viçosa, UFV, p , ESSER, K., HILLEBRAND, W., MESSNER, D., MEYERSTANER, J. Systemic competitiveness: new challenges to business and politics. Economics, v.59, FIGUEIREDO, A. M. Diferenciação por origem na competitividade das exportações mundiais da agroindústria de soja, no período de 1990/2002. Viçosa, MG: UFV, p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) Universidade Federal de Viçosa, FRANCHINI, A. A. A competitividade da carne de frango brasileira e a agenda da rodada do milênio. Viçosa, MG: UFV, p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) Universidade Federal de Voçosa, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECEX Secretaria de Comércio Exterior, Administrador do ALICEWEB Acesso em 26 de novembro de PINHEIRO, A. C., MOREIRA, A. R.B., HORTA, M. H. Indicadores de competitividade das exportações: Resultados Setoriais para o período q980/88. IPEA (textos para Discussão, 257). PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro:Campus, p. RELATÓRIO ANUAL ABEF Disponível em em 26 de novembro de 2004.

14 14 SANTANA, A. C. de. A competitividade sistêmica das empresas de madeira da região norte. Belém, PA. FCAP, SANTOS, A. M. S. dos. Organização e competitividade das micro e pequenas empresas de artefatos de madeira do Estado do Pará. Belém, PA: UNAMA, p. Dissertação (Mestrado em Economia) Universidade da Amazônia, STALDER, S. H. G. M. Análise da participação do Brasil no mercado internacional de açúcar. Piracicaba, p. Dissertação (Mestrado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz /Universidade de São Paulo, 1997.

15 XLIII CONGRESSO DA SOBER Instituições, Eficiência, Gestão e Contratos no Sistema Agroindustrial ANEXO Tabela 1 - Exportação média anual brasileira e mundial de carne de frango nos sub-períodos 1990/96 e1997/02; participação do Brasil nas importações de Carne de frango pelos principais importadores do comércio internacional. 1990/ /02 Participação do Brasil mantendo constante o Market-Share de 1990/96 Var. em Mercado Importações Exportações Participação Importações Exportações Participação (M) Variações em (Xb) mundiais (M) brasileiras (Xb) Brasil (%) mundiais (M) brasileiras (Xb) Brasil (%) [(D)/(A)-1] (G)x(B) (0,348)x(B) (A) (B) (C) (D) (E) (F) (G) (H) (I) Alemanha , ,50 3,63% , ,50 12,74% -0, , ,00 Arábia Saudita , ,40 59,75% , ,70 64,08% 0, , ,10 Argentina , ,00 90,36% , ,20 33,12% 2, , ,60 Emirados Árabes Unidos , ,90 18,14% , ,00 30,16% 0, , ,40 Espanha , ,10 23,30% , ,10 41,62% -0, , ,70 Hong Kong , ,90 6,32% , ,40 9,76% 0, , ,10 Japão , ,20 15,04% , ,90 21,02% -0, , ,60 Kuwait , ,80 34,91% , ,10 50,37% 0, , ,80 Países Baixos , ,00 6,96% , ,00 40,00% 0,06 596, ,40 Urss , ,20 1,44% , ,80 14,79% 0, ,80 Resto do Mundo , ,80 5,35% , ,30 7,13% 0, , ,70 TOTAIS , ,80 11,32% , ,00 15,32% Total países selecionados , , , ,70 0, , ,20 Market-share 61,17% 81,66% 48,71% 76,13%

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Danusa de Paula Sousa Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 936 619 161-49 R. Barão de Piracicamirim, 512. B. Vila Independência

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015

Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Receita com exportação de carne de frango é recorde nos primeiros oito meses de 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Camila Brito Ortelan e Marcos Debatin Iguma e Equipe Aves/Cepea Nos primeiros oito meses

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO Daniel Arruda Coronel, João Armando Dessimon Machado e Fátima Marília Andrade de Carvalho COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO Daniel Arruda Coronel* João Armando Dessimon Machado**

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

FONTES DE CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO

FONTES DE CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO 1 FONTES DE CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES DO COMPLEXO SOJA BRASILEIRO DANIEL ARRUDA CORONEL; FÁTIMA MARÍLIA ANDRADE DE CARVALHO; JOÃO ARMANDO DESSIMON MACHADO; UFRGS PORTO ALEGRE - RS - BRASIL daniel.coronel@ufrgs.br

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Luiz Ricardo Cavalcante 2 Ambiente de negócios é o nome genericamente atribuído às condições que circunscrevem, em um determinado

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO INOVAÇÃO NO AGRONEGÓCIO: O CASO DA EMBRAPA Roger Welker Gomes Machado (UFMS); Carolina Oliveira Reis

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas Estudo realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Enipec 2008 Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Cuiabá, 29 de maio de 2008 O MUNDO MUDOU... A queda do muro de Berlim, o 11

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais