Manual do sistema SMARam. Módulo Patrimônio - Básico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do sistema SMARam. Módulo Patrimônio - Básico"

Transcrição

1 Manual do sistema SMARam Módulo Patrimônio - Básico

2 LISTA DE FIGURAS Figura 1-Acesso ao Cadastro de Fatores de Influência... 4 Figura 2- Cadastro de Fatores de Influência... 4 Figura 3-Acesso ao Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência... 5 Figura 4- Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência... 6 Figura 5- Acesso ao Cadastro de Classes Patrimoniais... 8 Figura 6- Cadastro de Classes Patrimoniais... 8 Figura 7-Tela de Consulta de Classes Patrimoniais... 9 Figura 8- Acesso ao Cadastro de Tipo de Movimento Contábil... 9 Figura 9- Cadastro de Tipo de Movimento Contábil Figura 10- Acesso ao Cadastro de Grupos X Classes X Tipo Movimento Figura 11- Cadastro de Grupos X Classes X Tipo Movimento Figura 12- Acesso ao Cadastro Classificação de Inservibilidade Figura 13- Cadastro Classificação de Inservibilidade Figura 14-Acesso ao Cadastro de Tipos de Baixa Patrimonial Figura 15- Cadastro de Tipos de Baixa Patrimonial Figura 16-Acesso ao Cadastro de Tipos de Baixa X Classe X Grupo X Tipo Bem Figura 17-Cadastro de Tipos de Baixa X Classe X Grupo X Tipo Bem... 15

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. OBJETIVO 3 3. FATORES DE INFLUÊNCIA DE REAVALIAÇÃO PATRIMONIAL 4 4. PONTUAÇÃO DE FATORES DE REAVALIAÇÃO PATRIMONIAL 5 5. CLASSES PATRIMONIAIS Bens de uso comum Bens de uso especial Bens dominicais Bens intangíveis 7 6. TIPO MOVIMENTO CONTÁBIL PATRIMONIAL 9 7. GRUPOS X CLASSES X TIPO MOVIMENTO CLASSIFICAÇÃO DE INSERVIBILIDADE DE BENS TIPOS DE BAIXA PATRIMONIAL TIPOS DE BAIXA X GRUPOS X CLASSES X TIPO BEM 14

4 1. INTRODUÇÃO De acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) T 16.02, entendese Patrimônio Público como: Patrimônio Público é o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou intangíveis, onerados ou não, adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor público, que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à prestação de serviços públicos ou à exploração econômica por entidades do setor público e suas obrigações. A contabilidade pública brasileira passa por um momento de renovação estrutural efetiva e de indispensáveis atualizações daí decorrentes. Uma das grandes modificações ocorridas na Contabilidade Aplicada ao Setor Público é a forma de evidenciação do Balanço Patrimonial. Este será apresentado de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP). Dessa forma, visando atender as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBCASP foram criadas novas definições no Módulo de Patrimônio. 2. OBJETIVO O objetivo deste manual é demonstrar as novas definições e implementações realizadas no Módulo Básico do Patrimônio. 3

5 3. FATORES DE INFLUÊNCIA DE REAVALIAÇÃO PATRIMONIAL Foi criado o cadastro de Fatores de influência para avaliação de valores de bens patrimoniais. O Cadastro estará disponível apenas para consulta. Os Fatores de influência são: EC - Estado de Conservação do Bem PUB - Período de Utilização do Bem PVU - Período de Vida Útil do Bem O Acesso ao Cadastro de Fatores de Influência pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Fatores de Influência. Figura 1-Acesso ao Cadastro de Fatores de Influência Será apresentada a janela do Cadastro de fatores de Influência. Figura 2- Cadastro de Fatores de Influência 4

6 4. PONTUAÇÃO DE FATORES DE REAVALIAÇÃO PATRIMONIAL Foi criado o cadastro de Pontuação de Fatores de Influência. Esse cadastro definirá os valores dos Fatores de Influência para avaliação dos bens patrimoniais. O Cadastro estará disponível apenas para consulta. Os possíveis valores de acordo com o Fator de Influência são: Estado de Conservação Período de Vida Útil do Bem Período de Utilização do Bem EC PVU PUB Excelente 35 anos 35 anos Bom 34 anos 34 anos Regular Péssimo 3 anos 3 anos 2 anos 2 anos 1 ano 1 ano Tabela 1 Fatores de Influência para Reavaliação O Acesso ao Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Pontuação de Fatores. Figura 3-Acesso ao Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência 5

7 Será apresentada a janela do Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência. Figura 4- Cadastro de Pontuação de Fatores de Influência 5. CLASSES PATRIMONIAIS Não será mais permitida a inclusão de Classes Patrimoniais. As classes patrimoniais obedecerão ao desmembramento dos Grupos dispostos no PCASP. Toda e qualquer inclusão deverá receber análise de impacto para possíveis movimentações e variações que poderá sofrer de acordo com o ciclo de vida do bem. Para uma melhor identificação para registro da contabilização de lançamentos, as Classes Patrimoniais foram padronizadas de acordo com o Grupo de Bens disposto no PCASP: Bens Móveis Bens de Uso Especial Bens Dominicais Bens de Uso Comum 6

8 Outros Bens Imóveis Bens Intangíveis Bens de Consumo 5.1. Bens de uso comum Bens de uso comum do povo (ou bens de domínio público) correspondem a todos os bens destinados ao uso da comunidade, quer individual ou coletivamente, sejam constituídos natural ou artificialmente Bens de uso especial Bens de uso especial (ou do patrimônio administrativo) são os destinados à execução dos serviços públicos, como os edifícios ou terrenos utilizados pelas repartições ou estabelecimentos públicos, bem como os móveis e materiais indispensáveis a seu funcionamento. Tais bens têm uma finalidade pública permanente, razão pela qual são denominados bens patrimoniais indispensáveis Bens dominicais Os bens dominiais (ou do patrimônio disponível) são os que integram o domínio público com características diferentes, pois podem ser utilizados em qualquer fim, ou mesmo alienados se a administração julgar conveniente Bens intangíveis Bens Intangíveis são aqueles bens que não podem ser tocados ou vistos, porque são incorpóreos (não tem corpo), ou seja, ativo intangível poderia ser definido, em termos práticos, como aquele que possui valor econômico, mas carece de substância física. 7

9 O Acesso ao Cadastro de Classes Patrimoniais pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Classes Patrimoniais. Figura 5- Acesso ao Cadastro de Classes Patrimoniais Será apresentada a janela do Cadastro de Classes Patrimoniais. Figura 6- Cadastro de Classes Patrimoniais Pesquisa. Para efetuar a Consulta de uma Classe patrimonial deve-se clicar no botão de Será exibida a tela de Pesquisa de Classes Patrimoniais. 8

10 Figura 7-Tela de Consulta de Classes Patrimoniais 6. TIPO MOVIMENTO CONTÁBIL PATRIMONIAL Foi criado o cadastro de Tipo de Movimento Contábil Patrimonial. O Cadastro estará disponível apenas para consulta. Os movimentos contábeis influenciarão a movimentação financeira do bem ao decorrer do seu ciclo de vida. O Acesso ao Cadastro de Pontuação de Tipo de Movimento Contábil Patrimonial pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Tipo de Movimento Contábil. Figura 8- Acesso ao Cadastro de Tipo de Movimento Contábil 9

11 Será apresentada a janela do Cadastro de Tipo de Movimento Contábil. Figura 9- Cadastro de Tipo de Movimento Contábil 7. GRUPOS X CLASSES X TIPO MOVIMENTO Foi criado o cadastro para fazer a relação entre Grupos, Classes e Tipo de Movimento Contábil a fim de permitir efetuar somente os lançamentos correspondentes a determinado Grupo e/ou Classe Patrimonial. Por exemplo, a Baixa por Morte, somente estará associada à Classe de Bens Semoventes do Grupo de Bens Móveis. O Acesso ao Cadastro de Grupos X Classes X Tipo de Movimento pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Grupos X Classes X Tipo Movimento. Figura 10- Acesso ao Cadastro de Grupos X Classes X Tipo Movimento 10

12 Será apresentada a janela do Cadastro de Grupos X Classes X Tipo Movimento. Figura 11- Cadastro de Grupos X Classes X Tipo Movimento 8. CLASSIFICAÇÃO DE INSERVIBILIDADE DE BENS Foi criado o Cadastro da Classificação de Inservibilidade bens. O Cadastro estará disponível apenas para consulta. Esse cadastro será utilizado para classificar os bens inservíveis durante o processo da Declaração de Inservibilidade, e terá os seguintes valores: Irrecuperável, Ocioso, Recuperável e Antieconômico. O Acesso ao Cadastro da Classificação de Inservibilidade pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Classificação de Inservibilidade de bens. Figura 12- Acesso ao Cadastro Classificação de Inservibilidade 11

13 Será apresentada a janela do Cadastro de Classificação de Inservibilidade. Figura 13- Cadastro Classificação de Inservibilidade 9. TIPOS DE BAIXA PATRIMONIAL Foi Criado um cadastro para os Tipos de baixa Patrimonial. Consultando legislação, foi realizada a padronização dos tipos de baixas, também bloqueando seu cadastramento devido ao tipo de contabilização e controle de suas variações. Os Tipos de Baixa serão: Inutilização/Abandono; Extravio/Perda; Alienação por Venda; Alienação por Permuta; Alienação por Doação; Contaminação; Morte ou Sacrifício de Semoventes; Furto/Roubo; Lançamento Indevido. 12

14 O Acesso ao Cadastro de Tipo de Baixa Patrimonial pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Tipos de Baixa Patrimonial. Figura 14-Acesso ao Cadastro de Tipos de Baixa Patrimonial Será apresentada a janela do Cadastro de Tipos de Baixa Patrimonial. Figura 15- Cadastro de Tipos de Baixa Patrimonial 13

15 10. TIPOS DE BAIXA X GRUPOS X CLASSES X TIPO BEM Nem toda Baixa pode ser realizada para qualquer Tipo de Bem e para evitar problemas, foi desenvolvido uma relação para definir quais Tipos de Baixa os Grupos de Bens, Classes e Tipo de Bem podem sofrer. Exemplos: O Tipo de Baixa Morte ou Sacrifício de Semoventes somente pode ser aplicado à Classe Semovente que pertence ao Grupo de Bens Móveis e ao Tipo de Bem Móvel; O Tipo de Baixa Contaminação somente pode ser aplicado as Classes Represa/Açudes e Reservas. O Acesso ao Cadastro de Tipo de Baixa X Grupos X Classes X Tipo de Bem pode ser efetuado através do caminho: Patrimônio > Básico > Tipo de Baixa X Grupos X Classes X Tipo Bem. Figura 16-Acesso ao Cadastro de Tipos de Baixa X Classe X Grupo X Tipo Bem Tipo Bem. Será apresentada a janela do Cadastro de Tipos de Baixa X Classe X Grupo X 14

16 Figura 17-Cadastro de Tipos de Baixa X Classe X Grupo X Tipo Bem 15

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do

Ramo da ciência contábil que aplica, no. prestação de contas; e o necessário suporte para a instrumentalização do NBC TSP 16.1 - Conceituação, Objeto e Campo de Aplicação - CASP CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA ENTIDADES DO OBJETO SETOR PÚBLICO Ramo da ciência contábil que aplica, no processo Fornecer gerador informações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEMONSTRATIVO DE ATENDIMENTO AO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO NBCASP ATENDIMENTO A PORTARIA 828/11

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEMONSTRATIVO DE ATENDIMENTO AO MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO NBCASP ATENDIMENTO A PORTARIA 828/11 ITEM DESCRIÇÃO PRODUTO Área Responsável Início (mês/ano) Término (mês/ano) I 1.1 1.2 RECONHECIMENTO, MENSURAÇÃO E EVIDENCIAÇÃO DOS CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS OU NÃO, POR COMPETÊNCIA, E A DIVIDA ATIVA, INCLUINDO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ Av. Tapejara, 88 CEP 87.780-000 Fone: (44) 3431 1132 CNPJ 75.476.556/0001-58 www.paraisodonorte.pr.gov.br DECRETO Nº 58/2012 SÚMULA: Dispõe

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011 1 Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos direitos, das 2012 2013 2014 obrigações e provisões por competência. Elaboração de procedimentos para Metodologia de reconhecimento e mensuração dos direitos

Leia mais

Palestra. Contabilidade Pública (Módulo I): Controle do Patrimônio Público e Lançamentos Contábeis Típicos. Roberto de Oliveira Júnior.

Palestra. Contabilidade Pública (Módulo I): Controle do Patrimônio Público e Lançamentos Contábeis Típicos. Roberto de Oliveira Júnior. Palestra Contabilidade Pública (Módulo I): Controle do Patrimônio Público e Lançamentos Contábeis Típicos A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual,

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

Manual do Sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Móveis

Manual do Sistema SMARam. Módulo Cadastro de Bens Móveis Manual do Sistema SMARam Módulo Cadastro de Bens Móveis LISTA DE FIGURAS Figura 1-Acesso ao Cadastro de Bens Móveis... 4 Figura 2- Cadastro de Bens Móveis... 4 Figura 3- Cadastro de Bens Móveis Guia Patrimônio...

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS

DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS DIREITO ADMINISTRATIVO BENS PÚBLICOS Atualizado em 16/10/2015 BENS PÚBLICOS São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO

I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO I SIMPÓSIO MINEIRO DE CONTABILIDADE APLICADA NO SETOR PÚBLICO A CONVERGÊNCIA DAS NORMAS INTERNACIONAIS AO SETOR PÚBLICO MARIA DA CONCEIÇAO BARROS DE REZENDE SITUAÇAO DA CONTABILIDADE PÚBLICA NO BRASIL

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Objetivo Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência

Leia mais

SMARAM MANUAL DE CÁLCULO PATRIMONIAL

SMARAM MANUAL DE CÁLCULO PATRIMONIAL SMARAM MANUAL DE CÁLCULO PATRIMONIAL ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Acesso ao cálculo do móvel e veículo. 8 Figura 2 Acesso ao cálculo do acervo. 8 Figura 3 Acesso ao cálculo do intangível. 8 Figura 4 Acesso

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

DECRETO Nº 3.379/2015

DECRETO Nº 3.379/2015 Publicado no Jornal "O Presente" em 24/06/2015, Edição nº 4114, Página nº 29 DECRETO Nº 3.379/2015 SÚMULA: Dispõe sobre a obrigatoriedade de realizar os procedimentos para reavaliação, redução ao valor

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial. A Mudança de Paradigmas

Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial. A Mudança de Paradigmas Os Desafios da Nova Gestão Patrimonial A Mudança de Paradigmas A EVOLUÇÃO DA GESTÃO PATRIMONIAL NO BRASIL BRASIL IMPÉRIO - O ESTADO PATRIMONIALISTA Os governantes consideravam o Estado como seu patrimônio,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA E PLANEJAMENTO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ESPERANÇA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA E PLANEJAMENTO ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN Nº 828, DE 14/DEZEMBRO/2011 Poder Executivo Municipal de Nova Esperança do Sul - RS ASSUNTO: Adequação dos procedimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO A Experiência do Estado de Santa Catarina. Michele Patricia Roncalio GENOC/DCOG/SEF-SC

AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO A Experiência do Estado de Santa Catarina. Michele Patricia Roncalio GENOC/DCOG/SEF-SC AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO Michele Patricia Roncalio GENOC/DCOG/SEF-SC IMOBILIZADO Bens Móveis e Imóveis INTANGÍVEL Softwares ATIVOS DE INFRAESTRUTURA Rodovias IMOBILIZADO Bens Móveis

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade Contabilidade PARTE 1 G Parte 1 Conceitos Conceito de Contabilidade A Contabilidade é a ciência que estuda e controla o patrimônio, objetivando representá-lo graficamente, evidenciar suas variações, estabelecer

Leia mais

Inventário UFSC a 30 de outubro

Inventário UFSC a 30 de outubro Inventário UFSC 2015 5 a 30 de outubro OBRIGAÇÃO LEGAL Destinado a comprovar a quantidade e o valor dos bens patrimoniais do acervo de cada unidade gestora, existente em 31 de dezembro de cada exercício

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE E ANÁLISE CONTÁBIL

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE E ANÁLISE CONTÁBIL MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO COORDENADORIA DE CONTROLE E ANÁLISE CONTÁBIL ORIENTAÇÃO CONTÁBIL Nº 4/2015 Assunto: Interessados: Registros patrimoniais

Leia mais

Cordilheira Sistema Contábil 2.85a Conciliação Contábil

Cordilheira Sistema Contábil 2.85a Conciliação Contábil LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.21 IT 1 REGULAMENTAÇÃO DO ITEM 10.21.1.4 Esta (IT) visa explicitar o item 10.21.1.4 da Resolução CFC

Leia mais

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Objetivos dos Relatórios Financeiros Desem -penho Fluxos de Caixa Posição Financeira e Patrimonial Usuário Externo Propriedade X Gestão Projeção do Futuro Fluxos

Leia mais

Manual do Sistema SMARam. Módulo Cadastro de Materiais

Manual do Sistema SMARam. Módulo Cadastro de Materiais Manual do Sistema SMARam Módulo Cadastro de Materiais LISTA DE FIGURAS Figura 1-Cadastro do Material - Classificação... 4 Figura 2-Consulta de Classificação de Materiais... 4 Figura 3-Cadastro do Material

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I

MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I MANUAL DE CONFIGURAÇÕES MÓDULO CONTABIL I SUMÁRIO COMO CADASTRAR UM PLANO DE CONTAS... 3 COMO CADASTRAR CENTROS DE CUSTO... 7 CADASTRO DE HISTÓRICOS PADRÕES... 9 COMO CADASTRAR LANÇAMENTOS PADRÕES... 12

Leia mais

Novo RDE-IED. Orientações para homologação do sistema

Novo RDE-IED. Orientações para homologação do sistema Novo RDE-IED Orientações para homologação do sistema I - Principais mudanças de regras 1. A responsabilidade pelo registro volta a ser exclusivamente da receptora. 2. A identificação da receptora passa

Leia mais

Manual de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Manual de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Manual de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Site ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

Site  ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. Site www.amaralina.go.gov.br/ E-mail prefamaralina@cultura.com.br ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DA PORTARIA STN N 828, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. ASSUNTO: Adequação

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

EXECÍCIOS Módulo B. Patrimônio

EXECÍCIOS Módulo B. Patrimônio EXECÍCIOS Módulo B Patrimônio EXERCÍCIO 1 Classifique os elementos em: A - Bens, direitos ou obrigação B positivo ou negativo C Ativo ou Passivo Fonte: Ribeiro1999 elementos A B C Computador Estante Duplicatas

Leia mais

Orientações sobre O. iss.fortaleza.ce.gov.br

Orientações sobre O. iss.fortaleza.ce.gov.br Orientações sobre O COntrOle de acesso iss.fortaleza.ce.gov.br Inicialmente, o ISS FORTALEZA concedeu acesso ao sistema a partir do CPF do representante legal, que é o usuário máster de cada estabelecimento,

Leia mais

CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCASP.

CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCASP. XV Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul - 2015 CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DAS PORTARIAS STN 828/2011 E 753/2012

ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DAS PORTARIAS STN 828/2011 E 753/2012 ADEQUAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ADOTADOS E A ADOTAR EM FACE DAS PORTARIAS STN 828/2011 E 753/2012 ASSUNTO: Adequação dos procedimentos adotados e a adotar pelo Município, em face da determinação

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

BALANÇO DO ANO DE 2014

BALANÇO DO ANO DE 2014 BALANÇO DO ANO DE 214 ACTIVO--------------------------------------------1.739.223 Activo não corrente ------------------------------ 1.447.599 Activos fixos tangíveis Activos fixos tangíveis é o termo

Leia mais

Boletim Técnico. Fonte:

Boletim Técnico. Fonte: Amarração de Lançamentos Produto : - Versão 11.50 Processo : Novo Modelo BackOffice Subprocesso : Amarração de Lançamentos Data da publicação : 02/10/2012 O processo de Amarração de Lançamentos permite

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC)

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: CONTABILIDADE (TRE-SP AJAC) 1 Ortografia oficial. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

Liberação de Atualização

Liberação de Atualização Liberação de Atualização Cordilheira Recursos Humanos 2.149h Criado tratamento para controle de pagamento das guias de desconto sindical: sindical patronal e sindicais diversos (contribuição assistencial,

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Liberação de Atualização

Liberação de Atualização Liberação de Atualização Autônomos Efetuadas diversas alterações e novas implementações nas rotinas de Autônomos. Com estas alterações, será possível criar eventos diversos de vencimento e desconto e lançá-los

Leia mais

Manual de Plano de Contas do LALUR

Manual de Plano de Contas do LALUR Manual de Plano de Contas do LALUR Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE GESTÃO PATRIMONIAL MANUAL DO USUÁRIO ABRIL DE 2012 Sistema de Gestão Patrimonial 2 Í N D I C E Í N D I C E... 2 Apresentação... 5 Capítulo I Instalação, Atualização e Execução... 6 1. Instalação...

Leia mais

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Sumário Prefácio à Décima Quinta Edição, xv Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Prefácio à Décima Segunda Edição, xviii Prefácio à Décima Primeira Edição, xix Prefácio

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ANO XXVI - 2015-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS AQUISIÇÃO DE BENS PARA O ATIVO IMOBILIZADO - CRÉDITO DO ICMS... Pág. 680 SIMPLES NACIONAL AGENDAMENTO DA OPÇÃO

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 O QUE VEREMOS A SEGUIR: Balanço Patrimonial; NBC T 3-2; Demonstração do Resultado do Exercício (DRE); NBC T 3-3; Demonstração das Mutações

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012 ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 4.983 DE 26 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a realização de inventário e de procedimentos de avaliação, redução ao valor recuperável, depreciação, amortização e exaustão dos

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA Docente: E-mail: Nome da Disciplina: Curso: Carga horária Total (horas): Aulas: Coordenador de Curso: Carine Maria Senger carine.senger@gmail.com; casenger@fecea.br Contabilidade

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO. Michele Patricia Roncalio, Me

AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO. Michele Patricia Roncalio, Me AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO Michele Patricia Roncalio, Me Quais são os desafios ainda? Dar ênfase à Contabilidade Patrimonial. Adotar o Princípio da Evidenciação, que é fazer o registro

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Ö : Parte residual do patrimônio Riqueza líquida da empresa PL = Ativo Passivo Evidencia os recursos dos proprietários aplicados no empreendimento

Leia mais

O DIRETOR DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições,

O DIRETOR DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições, NOTA TÉCNICA N.º 03/2014 Dispõe sobre a evidenciação contábil dos ativos das Câmaras Municipais e dos Fundos Especiais O DIRETOR DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.5 REGISTRO CONTÁBIL Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 FORMALIDADES DA ESCRITURAÇÃO

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Boquira - Bahia Poder Executivo Ano VIII Nº 1161 12 de Setembro de 2016 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: DECRETOS DECRETO N.92 DE 26 DE AGOSTO

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CURSO CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO LUÍS - MA 19 a 21 OUTUBRO/2015 APRESENTAÇÃO A contabilidade pública brasileira passa por um momento de renovação

Leia mais

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor

Orientações técnicas para padronização contábil das fundações e do terceiro setor As ORIENTAÇÕES TÉCNICAS CCF/CIP Ns. 001/2009 a 006/2009 foram revogadas em 13/11/2014 pelos Coordenadores do CDH e do CIP. Seus objetos passam a constituir, devidamente atualizados, as ORIENTAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO

SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO SPED CONTÁBIL PREENCHIMENTO Registro 0000 - Abertura do Arquivo Digital e Identificação do Empresário ou da Sociedade Empresária O registro 0000 é o registro de abertura do arquivo digital onde levará

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment.

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment. USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111-Contabilidade e Análise de Balanço DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6., Intangível e Impairment Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Fale Conosco MT Última Atualização 23/07/2015

Fale Conosco MT Última Atualização 23/07/2015 Fale Conosco MT-611-00002-7 Última Atualização 23/07/2015 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: 1. Abrir um chamado para relacionamento com o Cadastro de Fornecedores através

Leia mais

MANUAL DE INVENTÁRIO E AVALIAÇÃO DO EXERCÍCIO 2014

MANUAL DE INVENTÁRIO E AVALIAÇÃO DO EXERCÍCIO 2014 MANUAL DE INVENTÁRIO E AVALIAÇÃO DO EXERCÍCIO 2014 1. DO INVENTÁRIO 1.1.Introdução O Inventário é um procedimento administrativo e contábil obrigatório, previsto no artigo 85 da Lei nº 4.320, de 17 de

Leia mais

SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos CATÁLOGO DE MATERIAIS

SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos CATÁLOGO DE MATERIAIS SIPAC Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos CATÁLOGO DE MATERIAIS Visão Geral Catálogo de Materiais Principais funções: o Definir datas para solicitar material; o Atender, negar ou

Leia mais

MODERIZAÇÃO PÚBLICA S I S T E M A D E A L M O X A R I F A D O M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S

MODERIZAÇÃO PÚBLICA S I S T E M A D E A L M O X A R I F A D O M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S MODERIZAÇÃO PÚBLICA S I S T E M A D E A L M O X A R I F A D O M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S SISTEMA DE ALMOXARIFADO Guia do usuário Obs.: Informamos que por conta de ajustes e aperfeiçoamentos realizados

Leia mais

NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION. Versão

NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION. Versão VERSÃO 008.017 NOVID AD ES E MELHORIAS E109A9 Jéssica Pinheiro 01/04/2016 2/11 NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION Versão 008.017 1. Parâmetro para controle do saldo na geração de pedido de compra de venda

Leia mais

QAD Localização Brasil

QAD Localização Brasil QAD Localização Brasil Documentação Técnica Manad Versão eb2 e QAD 2007 Revisão 01 Maio/2008-1 1 OBJETIVOS... 3 2 INTRODUÇÃO... 3 3 CADASTROS... 3 3.1 DADOS CADASTRAIS... 3 3.2 MANUTENÇÃO DOS RESPONSÁVEIS...

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Auditoria Contábil Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades Financeiro A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles financeiros adotados pela empresa são

Leia mais

Harmonização da Contabilidade Pública às Normas Internacionais

Harmonização da Contabilidade Pública às Normas Internacionais Harmonização da Contabilidade Pública às Normas Internacionais Fortalecimento da Contabilidade Gerencial no Setor Público Tópicos da apresentação: Normativos sobre a Convergência Contábil; Experiência

Leia mais

Manual de Lançamentos e Contabilização de Cheques

Manual de Lançamentos e Contabilização de Cheques Manual de Lançamentos e Contabilização de Cheques Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

SINACOR TESOURARIA LIQUIDANTE. Classificação das Informações. Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público 6/6/2016

SINACOR TESOURARIA LIQUIDANTE. Classificação das Informações. Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público 6/6/2016 SINACOR TESOURARIA LIQUIDANTE Classificação das Informações 6/6/2016 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 Interface Visual... 3 2 LOGIN / Acesso... 4 3 Conceitos - Liquidante... 6 4

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A.

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrações contábeis regulatórias em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrações contábeis regulatórias em 31

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

RICMS BASE CALCULO DIFERENCIAL DE ALIQUOTA

RICMS BASE CALCULO DIFERENCIAL DE ALIQUOTA RICMS BASE CALCULO DIFERENCIAL DE ALIQUOTA Manual de Instalação LOGIX 10.02 ou superior Chamado TSKYHB Revisão do documento: 21/03/2016 1. Pré-requisitos Não há necessidade de aplicar este chamado caso

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34 Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais (*) exploração, no contexto deste Pronunciamento, se refere à fase entre a obtenção do

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

SLF e SCP. Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar

SLF e SCP. Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar SLF e SCP Sistema de Livros Fiscais e Sistema de Contas a Pagar Cadastros - Cadastros Cadastros dos Parâmetros da Empresa: Cadastro de Fornecedores: O Cadastro de Fornecedores pode ser alimentado manualmente

Leia mais

4 NORMAS DE AUDITORIA

4 NORMAS DE AUDITORIA 4.10 Quadro de normas de contabilidade/auditoria/perícia e profissional A relação abaixo foi extraída do livro eletrônico publicado pelo CFC cujo título é: Princípios Fundamentais e Normas Brasileiras

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Bens Públicos Bens públicos. Conceito. Classificação. Características. Uso dos bens públicos por particular. Bens públicos

Leia mais