Cor pulmonale. Autores Denise Moreira de Andrade Cotrim 1 Alberto Cukier 2 Publicação: Mai-2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cor pulmonale. Autores Denise Moreira de Andrade Cotrim 1 Alberto Cukier 2 Publicação: Mai-2002"

Transcrição

1 Cor pulmonale Autores Denise Moreira de Andrade Cotrim 1 Alberto Cukier 2 Publicação: Mai Qual a definição de cor pulmonale? A Organização Mundial de Saúde define cor pulmonale como: "aumento do ventrículo direito secundário a uma doença pulmonar que causa hipertensão pulmonar, excluindo-se as dilatações de ventrículo direito secundárias à falência de ventrículo esquerdo, tais como as causadas por doença congênita ou doença valvular adquirida". 2 - Qual o papel da hipóxia no desenvolvimento do cor pulmonale? A circulação pulmonar é um circuito de grande distensibilidade e baixa resistência, sendo capaz de acomodar o mesmo fluxo sanguíneo que a circulação sistêmica, e ainda, com uma pressão média aproximadamente cinco vezes menor. Os mecanismos envolvidos no aumento da resistência vascular pulmonar são vasomotores e/ou anatômicos. A hipóxia alveolar aguda ou crônica é um estímulo potente para vasoconstricção pulmonar e é o estímulo mais importante na fisiopatologia do cor pulmonale crônico. A hipóxia pode resultar de ventilação inadequada de alvéolos bem perfundidos ou da diminuição difusa da ventilação alveolar. 3 - Qual a importância da hipertrofia das paredes dos vasos no desenvolvimento do cor pulmonale? Ao lado dos estímulos vasomotores, as alterações anatômicas também concorrem para hipertensão pulmonar. A camada íntima das artérias submetidas a regime de hipóxia crônica sofre acúmulo de células musculares lisas, que leva a seu espessamento. A camada média das artérias pulmonares também sofre hipertrofia, podendo haver necrose fibrinóide concomitante. Estes vasos hipertrofiados respondem com vasoconstricção a estímulos hipóxicos subsequentes. Pode ainda ocorrer trombose secundária a processos inflamatórios. 4 - Pode a perda do leito vascular levar ao desenvolvimento do cor pulmonale crônico? Sim, a hipertensão pulmonar pode ser causada por perda irreversível do leito vascular, em doenças que afetam primariamente os vasos sanguíneos (embolização, esclerodermia) ou por perda maciça de tecido pulmonar (cirurgia ou enfisema). 5 - Quais fatores podem contribuir para o desenvolvimento do cor pulmonale crônico? A hipóxia arterial sistêmica potencializa os efeitos locais da hipóxia alveolar, através de reflexos neurais simpáticos. Outros fatores como acidose (ph<7,2), hipercapnia e aumento da viscosidade sanguínea agem de maneira sinérgica à hipóxia. A hipercapnia exerce seu efeito indiretamente, através da acidose que induz. O aumento da viscosidade decorre da policitemia secundária à hipóxia crônica. Hipoxemia e acidose freqüentemente agravam uma doença de ventrículo esquerdo que pode coexistir de forma independente e pioram os sintomas respiratórios se a falência de ventrículo esquerdo levar a edema pulmonar. 6 - Quais as causas mais freqüentes do cor pulmonale? 1 Doutoranda do Programa de Doutorado em Pneumologia da Faculdade de Medicina da USP 2 Professor Associado de Pneumologia da Faculdade de Medicina da USP Presidente do XXXI Congresso Brasileiro de Pneumologia

2 O cor pulmonale agudo pode ser resultado de embolização pulmonar maciça ou, mais freqüentemente, pode ocorrer durante uma exacerbação infecciosa aguda, reversível, de um cor pulmonale crônico, em um paciente com doença pulmonar durante uma infecção respiratória. O cor pulmonale crônico é causado, com maior freqüência, pela doença pulmonar obstrutiva crônica (bronquite crônica e enfisema). 7 - Quais outras doenças podem evoluir para cor pulmonale crônico? Causas menos freqüentes de cor pulmonale crônico são:? perda extensa de tecido pulmonar por cirurgia ou trauma;? embolia pulmonar crônica, hipertensão pulmonar primária;? doença veno-oclusiva pulmonar;? doenças do colágeno;? fibrose pulmonar;? cifoescoliose;? obesidade com hipoventilação alveolar;? doenças neuromusculares envolvendo músculos respiratórios;? hipoventilação alveolar idiopática;? síndrome da imunodeficiência adquirida;? causas exógenas (anorexígenos, crack, cocaína). 8 - Quais colagenoses podem evoluir para cor pulmonale crônico? Na síndrome de CREST (calcinose, raynaud, dismotilidade esofágica, esclerodactilia e telangectasia), uma variante da esclerodermia, 80% das autópsias tem alterações histopatológicas sugestivas de hipertensão pulmonar. Devido à alta incidência de hipertensão pulmonar em pacientes com síndrome de CREST, a Organização Mundial de Saúde recomenda a realização anual de ecocardiograma nestes pacientes. Alterações histológicas consistentes com hipertensão pulmonar também têm sido demonstradas no lúpus eritematoso sistêmico (LES), doença mista do tecido conectivo e artrite reumatóide. 9 - Existe associação entre hipertensão pulmonar e fenômeno de Raynaud? Existe uma grande associação entre a presença de doença do tecido conectivo relacionada à hipertensão pulmonar e a presença de fenônemo de Raynaud, sugerindo que podem existir similaridades entre as vasculopatias presentes em cada uma dessas doenças Qual a incidência de cor pulmonale em pacientes com a síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA)? Uma associação entre a infecção pelo vírus da SIDA e a hipertensão pulmonar foi relatada pela primeira vez em Numa revisão de 1200 pacientes portadores de SIDA, a incidêncida de hipertensão pulmonar foi de 0,5%. Embora ela ocorra em pacientes usuários de drogas endovenosas, não se estabeleceu uma ligação etiológica entre embolia por corpo estranho ou de hipertensão pulmonar relacionada à cirrose pelo vírus da hepatite B ou C. Nestes pacientes, cada um destes fatores está, independentemente, associado à hipertensão pulmonar Os anorexígenos usados atualmente podem causar cor pulmonale crônico? A associação entre o uso de agentes anoréticos e hipertensão pulmonar foi descrita pela primeira vez em 1960, quando uma epidemia de hipertensão pulmonar surgiu na Europa, após a introdução do aminorex. Este medicamento foi removido do mercado. No entanto, compostos estruturalmente relacionados a ele, como fenfluramine e dexfenfluramine, foram desenvolvidos nos anos 80. O uso destes agentes também está associado a aumento na incidência de hipertensão pulmonar, principalmente nos indivíduos que os utilizam por mais de 6 meses Existe associação entre hipertensão pulmonar e hipertensão portal?

3 Existe uma associação, embora infreqüente, entre hipertensão pulmonar e hipertensão portal: 2% dos pacientes com hipertensão portal têm hipertensão pulmonar associada. O mecanismo desta associação não está claro, mas cirrose sem hipertensão portal parece ser insuficiente para o aparecimento de hipertensão pulmonar Existem achados específicos para o diagnóstico de cor pulmonale crônico? O cor pulmonale e a hipertensão pulmonar não possuem sinais e sintomas específicos no início do quadro, o que dificulta o diagnóstico durante as fases precoces da doença. O sintoma inicial mais freqüente é a dispnéia de esforço e, à medida que a doença progride, chega a afetar 100% dos pacientes. Sintomas na doença mais avançada incluem: fadiga, dor torácica, que pode ter características de angina, síncope, sinais de insuficiência cardíaca direita, incluindo ganho de peso, aumento abdominal e edema de membros inferiores Quais os achados no exame físico em um paciente com cor pulmonale? As alterações mais precoces são aumento do componente pulmonar na segunda bulha e presença de quarta bulha à direita. Com a evolução da doença pode-se ouvir terceira bulha à direita, com aparecimento de ritmo de galope, com terceira e quarta bulhas; ocorrem sinais de insuficiência tricúspide, com distensão das veias jugulares, hepatomegalia, cianose e edema. O exame físico deve incluir avaliação de sinais associados a doença do tecido conjuntivo, cirrose hepática e infecção pelo HIV Quais são os achados no radiograma de tórax? O radiograma de tórax pode ser normal em 10% dos pacientes que apresentam hipertensão pulmonar, no entanto ele pode fornecer pistas para a presença de elevação da pressão da circulação pulmonar e do coração direito: artérias pulmonares proeminentes e apagamento dos vasos periféricos. Em pacientes com doença avançada pode-se observar hipertrofia de ventrículo direito Quais os achados no eletrocardiograma? No ECG temos sinais de hipertrofia de ventrículo direito, que se correlaciona bem com o grau de hipertensão pulmonar. Ocorre aumento da onda P por sobrecarga de átrio direito. Pode aparecer onda QR em V Qual o melhor exame para avaliar a presença de cor pulmonale? O ecocardiograma é o melhor exame para avaliar pacientes com suspeita de hipertensão pulmonar. Tipicamente mostra aumento de ventrículo e de átrio direito. O exame permite ainda avaliar a presença de disfunção de coração esquerdo, doença valvar e avaliar a presença de defeitos congênitos. Se houver suficiente refluxo da valva tricúspide, o pico sistólico da pressão pulmonar pode ser estimado. À medida que a doença progride, há diminuição do ventrículo esquerdo devido ao desvio do septo interventricular para a esquerda e insuficiências mitral e tricúspide freqüentemente estarão presentes. Na doença avançada a veia cava inferior estará distendida e não sofre colapso na inspiração Os exames laboratoriais são úteis? Os exames laboratoriais são úteis na avaliação de doenças que podem levar ao cor pulmonale, como as doenças do tecido conectivo, particularmente lúpus e esclerodermia, infecção pelo vírus HIV, testes de função hepática e sorologia para hepatites e esquistossomose. Recentemente a dosagem de troponina foi avaliada na disfunção do coração direito e não se mostrou útil, pois embora aumente na doença isquêmica e mesmo na falência cardíaca não isquêmica do coração esquerdo, ela não se eleva no cor pulmonale Quais são os achados nos testes de função pulmonar? Os testes de função pulmonar não são específicos, já que irão mostrar distúrbio obstrutivo ou restritivo, a depender da doença de base.

4 20 - Quais são os achados na tomografia computadorizada de tórax? Os achados na tomografia dependem da doença de base. O parênquima pulmonar pode mostrar doença intersticial, ou achados consistentes com doença veno-oclusiva pulmonar. Na suspeita dessas doenças, deve-se solicitar tomografia computadorizada de alta resolução. Se houver suspeita de tromboembolismo recorrente, a tomografia helicoidal deve ser realizada para visualizar as artérias pulmonares centrais e analisar a possibilidade do encontro de trombo no seu interior Qual o papel dos fármacos digitálicos no cor pulmonale crônico? Estudos clínicos não dão suporte ao uso de fármacos digitálicos em pacientes com cor pumonale crônico, exceto nos casos em que co-exista falência de ventrículo esquerdo. O uso de digital não aumenta a fração de ejeção de ventrículo direito. Além da falta de benefícios, podem ocorrer arritmias como efeito adverso do digital, facilitadas pela hipóxia e pela hipopotassemia, que podem coexistir nos pacientes portadores de DPOC Existe indicação de uso do digital no cor pulmonale agudo? Embora a digoxina não tenha indicação no manejo hemodinâmico do cor pulmonale crônico, em pacientes portadores DPOC, com falência respiratória aguda, o uso de digital endovenoso aumenta a força de contração e o fluxo sanguíneo do diafragma e pode ter influência positiva no manejo da descompensação do paciente com DPOC e cor pulmonale A teofilina deve ser utilizada no tratamento do cor pulmonale? A teofilina parece ter um efeito benéfico no tratamento do cor pulmonale, em pacientes com DPOC. Ela produz diminuição na pós-carga, diminuindo a resistência vascular pulmonar periférica e aumentando a contratilidade cardíaca, levando a aumento da função de bomba bi-ventricular. A melhora na função bi-ventricular parece ser uma ação primária da teofilina, independente do seu efeito broncodilatador. Estudos com músculo papilar isolado mostram aumento da contratilidade do músculo com o uso da teofilina Há alguma indicação para o uso de agentes beta adrenérgicos no tratamento do cor pulmonale? Embora tradicionalmente usados como broncodilatadores, os beta2 agonistas seletivos podem ter efeitos benéficos no cor pulmonale por sua ação vasodilatadora no pulmão e por seu efeito inotrópico direto no miocárdio. Estudos com terbutalino demonstram efeitos cardiovasculares benéficos, não relacionados ao efeito broncodilatador ou na troca gasosa. Em estudos realizados em pacientes com DPOC, que não apresentavam resposta ao broncodilatador, e portadores de hipertensão pulmonar leve a moderada, o uso de terbutalino levou a um aumento da fração de ejeção bi-ventricular, com melhora significativa no índice cardíaco. Como a pressão arterial de oxigênio manteve-se estável, houve aumento da distribuição sistêmica de oxigênio. Estes efeitos parecem ocorrer tanto no repouso como no exercício A ação dos vasodilatadores na hipertensão sistêmica e na hipertensão pulmonar são semelhantes? O sucesso do uso de vasodilatadores no tratamento da falência de ventrículo esquerdo tem estimulado o interesse no benefício potencial de seu uso em hipertensão pulmonar e cor pulmonale, incluindo a hipertensão pulmonar primária, aonde é agora claro, que o benefício hemodinâmico é visto em apenas uma minoria dos pacientes e que muitos efeitos colaterais estão associados ao seu uso. Os maiores efeitos adversos pelo uso de vasodilatadores na hipertensão pulmonar são: a hipotensão sistêmica e a diminuição na saturação de oxigênio. A hipertensão pulmonar causada por DPOC é uma doença bastante diferente da hipertensão pulmonar primária, inclusive pelo fato da vasoconstricção hipóxica ser um fator etiológico bem definido. A hipóxia faz com que a ação dos vasodilatadores nestes pacientes seja diferente de sua ação na hipertensão arterial sistêmica.

5 26 - Quais alterações hemodinâmicas são observadas com o uso de vasodilatadores? Existem diferenças no mecanismo de ação dos vários vasodilatadores e o uso de cada um deles pode levar a diferentes alterações hemodinâmicas. Alguns vasodilatadores levam a queda da resistência vascular pulmonar, no entanto, concomitantemente, podem causar aumento do débito cardíaco, ficando a pressão na artéria pulmonar inalterada. Mesmo assim, poderia haver um resultado benéfico, pois ocorreria um aumento no transporte de oxigênio. Drogas que reduzem o retorno venoso (nitroglicerina) ou que deprimem a função de ventrículo direito podem diminuir a pressão na artéria pulmonar por redução no débito cardíaco, não trazendo, no entanto, resultado benéfico, pois, apesar da redução da pressão na artéria pulmonar, o transporte de oxigênio estaria diminuído Qual o papel da nifedipina no tratamento do cor pulmonale? A nifedipina geralmente produz queda aguda na resistência vascular pulmonar e aumento do débito cardíaco. Em muitos casos ocorre um decréscimo na pressão de artéria pulmonar, mas este efeito é inconsistente e relativamente modesto. Estudos nos pacientes realizando exercício indicam que a nifedipina geralmente reduz a resistência vascular pulmonar e a pressão em artéria pulmonar, enquanto melhora o débito cardíaco e a distribuição de oxigênio. No entanto, não há melhora na tolerância ao exercício. A maior ação da nifedipina parece ser a inibição da vasoconstricção hipóxica. Uma diminuição na pressão parcial de oxigênio arterial é observada em alguns pacientes recebendo nifedipina, provavelmente pela alteração causada na relação ventilação/perfusão devido à reversão da vasoconstricção hipóxica. Alguns estudos sugerem que a sua administração crônica pode ter efeito deletério (bloqueando a redução da pressão pulmonar induzida pelo uso de oxigênio). A nifedipina, portanto, não deve ser utilizada no tratamento a longo tempo do cor pulmonale, embora isto não impeça, obrigatoriamente, o seu uso no manejo das descompensações agudas do cor pulmonale Qual o papel dos bloqueadores alfa adrenérgicos no tratamento do cor pulmonale? Prazosin, um fármaco alfa antagonista seletivo pós sináptico, é capaz de aumentar o débito cardíaco e diminuir a pressão da artéria pulmonar, em alguns pacientes com DPOC, após 1 a 8 semanas de tratamento. Urapidil é um novo agente bloqueador alfa 1 seletivo que parece ser um potente vasodilatador pulmonar. Em contraste com outros vasodilatadores, este agente reduz o tônus simpático central e inibe os reflexos dos baroreceptores, prevenindo a taquicardia reflexa e o aumento do débito cardíaco que ocorre com o uso de outros vasodilatadores. Um estudo recente mostrou que o urapidil melhora a hemodinâmica pulmonar e a troca gasosa em pacientes com DPOC durante o exercício. Esta droga parece ser promissora no tratamento do cor pulmonale Qual o papel do captopril no tratamento do cor pulmonale? Captopril é um inibidor do sistema renina-angiotensina, sendo ativo por via oral. O papel do sistema renina-angiotensina na vasoconstricção pulmonar não está esclarecido. Existem dados muito limitados e conflitantes sobre o uso de captopril em pacientes com DPOC e cor pulmonale Então, quando devemos indicar o uso de vasodilatadores no tratamento do cor pulmonale? Vasodilatadores só estão indicados quando a terapia convencional e oxigenoterapia tiverem falhado em melhorar os sintomas de falência ventricular direita ou hipertensão pulmonar. Em face aos efeitos adversos potenciais destes medicamentos, uma verificação cuidadosa de seus efeitos hemodinâmicos e na oxigenação precisa ser realizada, o que, usualmente, requer cateterização invasiva do ventrículo direito Quais alterações hemodinâmicas que devem ser consideradas para se indicar o uso de vasodilatadores?? A resistência vascular pulmonar precisa ser reduzida em pelo menos 20% e? o débito cardíaco deve ser aumentado ou manter-se inalterado e? a pressão de artéria pulmonar deve ser diminuída ou manter-se inalterada e

6 ? a pressão arterial sistêmica não deve sofrer redução importante (isto é, sem efeitos colaterais). Se estes benefícios forem confirmados, inicia-se o tratamento com a medicação e, após 4 a 6 meses de terapia, repete-se o cateterismo direito para documentar se os benefícios hemodinâmicos persistem Como realizar a prevenção do cor pulmonale? A melhor forma é o diagnóstico precoce das doenças que causam cor pulmonale. A correção da hipoxemia e da acidose secundária à hipercapnia são medidas eficazes de prevenção. A prevenção primária ao vício de fumar e o estímulo à interrupção do vício são medidas eficazes na prevenção da DPOC e, portanto, do cor pulmonale Quais os efeitos da oxigenoterapia no cor pulmonale? A utilização suplementar de oxigênio produz benefícios fisiológicos, diminuindo os sintomas e aumentando a expectativa de vida. A correção da hipoxemia diminui a dispnéia aos esforços e melhora o desempenho das atividades da vida diária. A utilização de pelo menos 15 horas/dia de oxigênio melhora a qualidade de vida e aumenta a sobrevida de pacientes com DPOC e cor pulmonale Quando devemos indicar a oxigenoterapia? A utilização suplementar de oxigênio aplica-se quando:? a pressão parcial de oxigênio arterial (PaO2) for menor ou igual a 55 mmhg ou a saturação arterial de oxigênio (SaO2) for igual ou menor a 88%;? a PaO 2 estiver entre 56 a 59 mmhg ou a SaO 2 igual 89%, mas na presença de sinais clínicos de cor pulmonale, insuficiência cardíaca direita ou policitemia secundária (hematócrito acima de 56%). Pacientes que apresentem estes parâmetros durante o sono ou o exercício poderão se beneficiar de oxigênio suplementar nestes períodos. O fluxo de oxigênio deve ser ajustado para manter a PaO 2 entre 60 e 80 mmhg ou a SaO 2 entre 90 e 92% Leitura recomendada Ferguson G.T. Update on pharmacologic therapy for chronic obstructive pulmonary disease. Clinics in Chest Medicine 2000;21: Klings E.S., Farber H.W. Current management of primary pulmonary hypertension. Drugs 2001;61: Macnee, W. Pathophysiology of cor pulmonale in chronic obstructive pulmonary disease. Part one. Am J Respir Crit Care Med 1994;150: Macnee, W. Pathophysiology of cor pulmonale in chronic obstructive pulmonary disease. Part two. Am J Respir Crit Care Med 1994;150: Widemann H.P., Matthay R.A. Cor pulmonale in chronic obstructive pulmonary disease. Clinics in Chest Medicine 1990;11:

7 CLENIL PULVINAL DIPROPIONATO DE BECLOMETASONA Pó para inalação Embalagem contendo inalador Pulvinal multidose (100 doses), nas apresentações de 100 mcg, 200 mcg e 400 mcg USO ADULTO E PEDIÁTRICO Cada dose inalada de Clenil Pulvinal 100 contém: Dipropionato de beclometasona: 100 mcg Excipiente qsp: 1 dose Cada dose inalada de Clenil Pulvinal 200 contém: Dipropionato de beclometasona: 200 mcg Excipiente qsp: 1 dose Cada dose inalada de Clenil Pulvinal 400 contém: Dipropionato de beclometasona: 400 mcg Excipiente qsp:1 dose Componentes não ativos: lactose monoidratada e estearato de magnésio INFORMAÇÕES AO PACIENTE O dipropionato de beclometasona possui atividade antiinflamatória tópica quando administrado por via inalatória, diminuindo os sintomas da asma brônquica. Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC) e proteger da umidade. Prazo de validade: 36 meses. ATENÇÃO: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob risco de não produzir os efeitos desejados. Informar ao médico se está amamentando. Siga corretamente a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interromper o tratamento sem o conhecimento de seu médico. A interrupção do tratamento com corticosteróide deve ser sempre feita de modo gradual. Informe seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis tais como, exantema, urticária, prurido e eritema, edema dos olhos, da face, dos lábios e da faringe, dificuldade respiratória, candidíase, rouquidão ou irritação na garganta. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS Clenil Pulvinal é contra-indicado em pacientes com alergias aos corticosteróides (ou a qualquer componente do produto) ou em pacientes com tuberculose pulmonar ativa ou latente. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento. NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO POIS PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE. INFORMAÇÃO TÉCNICA Propriedades farmacodinâmicas O dipropionato de beclometasona é um corticosteróide tópico com potente atividade antiinflamatória e anti-alérgica da mucosa das vias aéreas. Em particular, o dipropionato de beclometasona demonstra uma ação antiinflamatória brônquica, reduzindo o edema e a hipersecreção e inibindo o início do broncoespasmo. Administrada por inalação, a substância atua somente na estrutura do sistema respiratório e, portanto, na dosagem recomendada, é isenta de efeitos sistêmicos e não interfere na função adrenocortical. Propriedades farmacocinéticas Após inalação, o dipropionato de beclometasona absorvido diretamente pelos pulmões é rapidamente metabolizado pela via hepática para 17-monopropionato de beclometasona e, subseqüentemente, ao derivado inativo. Indicações Clenil Pulvinal, administrado através de inalação, oferece tratamento preventivo da asma leve, moderada ou grave e das condições de broncoestenose. Clenil Pulvinal proporciona efetiva ação antiinflamatória nos pulmões, sem os problemas do tratamento com corticosteróide sistêmico. Contra-indicações Hipersensibilidade conhecida aos corticosteróides (ou a qualquer componente). Cuidado especial em pacientes com tuberculose pulmonar ativa ou latente. Precauções e Advertências Pacientes devem ser instruídos no uso apropriado do sistema inalador e sua técnica verificada para assegurar que a droga atinja as áreas-alvo nos pulmões. Devem também ser informados que Clenil Pulvinal deve ser utilizado regularmente, todos os dias, mesmo quando estiverem assintomáticos, para melhor benefício do tratamento. O tratamento com Clenil Pulvinal não dever ser interrompido abruptamente. Clenil Pulvinal não é destinado para tratamento das crises e sintomas da asma aguda, quando um broncodilatador inalatório de curta ação é requerido. Pacientes devem ser orientados para ter a medicação de alívio das crises disponível. Supressão supra-renal raramente ocorre com as doses preconizadas de até mcg/dia; reduções dos níveis plasmáticos de cortisol foram relatadas em alguns pacientes tomando mcg por dia, principalmente durante períodos prolongados. Nestas condições, o risco de desenvolvimento de supressão supra-renal deve ser considerado frente às vantagens terapêuticas. Supressão prolongada do eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal pode, eventualmente, levar a efeitos sistêmicos, incluindo déficit de crescimento em crianças e adolescentes. O uso de Clenil Pulvinal em pacientes que foram tratados com esteróides sistêmicos durante longos períodos ou em altas doses, necessita de cuidado especial uma vez que a recuperação de qualquer supressão adrenocortical pode levar um tempo considerável. Aproximadamente uma semana após o início do tratamento com Clenil Pulvinal pode ser iniciada a redução da dose do esteróide sistêmico. A redução deve corresponder à dose de manutenção do esteróide sistêmico. Reduções de dose de não mais que 1 mg são adequadas para pacientes recebendo doses de manutenção de 10 mg ou menos de prednisolona ou seu equivalente. Reduções maiores podem ser apropriadas para doses de manutenção maiores. A função adrenocortical deve ser monitorada regularmente, enquanto a dose de esteróide sistêmico é gradualmente reduzida. Em alguns casos, a substituição do tratamento esteróide sistêmico pela terapêutica inalatória pode desencadear alergias tais como rinite alérgica ou eczema. Estes processos devem ser tratados sintomaticamente com anti-histamínicos e/ou preparações tópicas, incluindo corticosteróides tópicos. Como ocorre com todos os corticosteróides inalatórios, é necessário cuidado especial em pacientes com tuberculose ativa ou latente. Não existem dados de segurança na gravidez. Nas mulheres grávidas, o produto deve ser utilizado no caso de efetiva necessidade e sob controle médico. Nas doses inalatórias normalmente utilizadas, não foram detectados níveis significativos de beclometasona no leite materno. No entanto, o uso da beclometasona em mães amamentando requer que os benefícios da terapêutica sejam levados em consideração frente aos riscos para mãe e lactente. Interações medicamentosas Nenhuma conhecida. Reações adversas Como com qualquer terapêutica inalatória, pode ocorrer broncoespasmo paradoxal com aumento imediato de sibilos após dosificação. Neste caso, o paciente deve ser tratado, imediatamente, com broncodilatadores de ação rápida. Ocasionalmente, podem ocorrer infecções do tipo fúngico (candidíase) na cavidade oral e faringe, que regridem rapidamente após uso de antimicóticos, não havendo necessidade de interromper o tratamento. O aparecimento da infecção fúngica pode ser minimizada orientando-se que os pacientes procedam à lavagem da boca após cada inalação. Reações de hipersensibilidade, incluindo exantema, urticária, prurido, eritema, edema dos olhos, face, lábios e da faringe, foram reportadas. Em alguns pacientes, a beclometasona inalada pode causar rouquidão ou irritação da faringe. Nas doses preconizadas é improvável que ocorram alterações colaterais sistêmicas. Posologia Clenil Pulvinal administrado por inalação não deve ser utilizado para o tratamento das crises de asma; constitui, ao contrário, um tratamento preventivo e de controle da doença asmática, devendo ser utilizado nas dose prescritas, regularmente, durante períodos prolongados, mesmo quando os pacientes encontram-se assintomáticos. Adultos: Uma dose de Clenil Pulvinal 400 mcg, duas vezes ao dia ou uma dose de Clenil Pulvinal 200 mcg, três ou quatro vezes ao dia. Crianças: Uma dose de Clenil Pulvinal 100 mcg, duas a quatro vezes ao dia ou uma dose de Clenil Pulvinal 200 mcg, duas vezes ao dia. Nenhum ajuste de dose é requerido em pacientes idosos ou naqueles com insuficiência renal ou hepática. INSTRUÇÕES PARA USO Leia atentamente as instruções para o uso correto. Se necessário, consulte o seu médico para OBTER explicações mais detalhadas. O sistema inalatório em pó seco deve ser conservado em um local arejado e à temperatura ambiente. Não remover a tampa protetora até o momento do uso. ABERTURA Figura A: Gire a tampa protetora no sentido anti-horário ("desrosqueie") e puxe para tirá-la. Antes de usar, verifique se o bocal está limpo; se necessário, limpe o bocal com um lenço de papel ou pano macio. Antes de girar o inalador, mantenha-o na posição vertical e bata o aparelho delicadamente sobre uma superfície rígida para nivelar o pó dentro da câmara. CARREGAMENTO Figura B-1: Mantenha o aparelho em posição vertical, aperte o botão marrom do bocal com uma mão e com a outra, gire o corpo do inalador em sentido anti-horário (meia volta completa) até aparecer a marca vermelha (posição de carregamento da dose). Figura B-2: Ainda em posição vertical, solte o botão marrom e gire o corpo do aparelho inalador em sentido horário (outra meia volta) até ouvir um "click" e ver uma marca verde (posição de administração da dose). Administração Expire todo o ar que tiver nos pulmões. Figura C: Mantenha o aparelho em posição vertical, coloque o bocal entre os lábios e inspire com a boca o mais profundamente possível. Prenda a respiração por alguns segundos. Fechamento Remova o inalador da boca. Recoloque a tampa protetora. ORIENTAÇÕES GERAIS Caso o médico receite duas inalações em cada tomada, é necessário repetir as etapas de "carregamento" e "administração". Nível de pó no corpo transparente do dispositivo diminui progressivamente com o uso. Quando começar a aparecer um fundo vermelho, o produto deve ser novamente adquirido. A presença do pó na cavidade oral e uma ligeira sensação de sabor doce confirmam que a dose foi corretamente administrada. Após a administração da dose prescrita, recomenda-se lavagem da boca. Superdosagem Na evidência de uma superdosagem, nenhuma ação especial de emergência necessita ser tomada. A função supra-renal é recuperada em poucos dias e pode ser verificada através da dosagem de cortisol plasmático. O tratamento com Clenil Pulvinal deve ser continuado com a mesma dose recomendada para controle do processo asmático. Uso Geriátrico Clenil Pulvinal pode ser usado por pessoas acima de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções relativas ao produto. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

USO PEDIÁTRICO (somente a apresentação de 50 e 100 mcg) E ADULTO

USO PEDIÁTRICO (somente a apresentação de 50 e 100 mcg) E ADULTO Clenil HFA dipropionato de beclometasona Uso Inalatório (Oral) Forma Farmacêutica: Solução pressurizada para inalação (spray). Apresentações: Clenil HFA Spray 50, 100, 200 e 250 mcg: aerossol dosimetrado

Leia mais

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz.

Cuidados de armazenamento: Conservar o produto em temperatura ambiente (entre 15º e 30ºC). Proteger da luz. Alerfin dipropionato de beclometasona Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão nasal aquosa em frasco plástico âmbar com válvula dosimetrada e aplicador nasal, na apresentação de 120 doses. USO ADULTO

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida APRESENTAÇÕES SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida Pó inalante de 6/100

Leia mais

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina sulfato de salbutamol guaifenesina Edulito Solução oral sem açúcar FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO edulito é uma solução oral aromatizada e edulcorada, mas isenta de açúcar, apresentada em frasco com

Leia mais

Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2 ml cada.

Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem com 10 flaconetes contendo 2 ml cada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Clenil Compositum A dipropionato de beclometasona salbutamol APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização. Cada ml contem 400 mcg beclometasona e 800 mcg de salbutamol. Embalagem

Leia mais

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose

Aerodini. Aerossol 100mcg/jato-dose Aerodini Aerossol 100mcg/jato-dose MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Aerodini sulfato de salbutamol APRESENTAÇÃO Aerossol 100mcg/jato-dose Embalagem contendo 01 tubo de alumínio com 200 doses

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora.

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. Dizeres de Bula BAMBAIR* cloridrato de bambuterol FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR

BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR BULA PACIENTE AMINOLEX HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 24 mg/ml Aminolex IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Aminolex FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Solução injetável 24mg/ml. Ampola de vidro de 10 ml Solução

Leia mais

abcd Spiriva Respimat brometo de tiotrópio SPIRIVA RESPIMAT PACIENTE

abcd Spiriva Respimat brometo de tiotrópio SPIRIVA RESPIMAT PACIENTE Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por puff: frasco de 4 ml (60 doses ou 60 puffs que equivalem a um mês de tratamento) acompanhado do inalador RESPIMAT. INALAÇÃO

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromidrato de fenoterol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução Oral/Gotas 5mg/mL

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Actifedrin cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Formas farmacêuticas e apresentações Xarope embalagem contendo 100 ml Comprimidos embalagem contendo 20 comprimidos USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Modelo de Bula - AstraZeneca

Modelo de Bula - AstraZeneca SYMBICORT fumarato de formoterol diidratado/ budesonida TURBUHALER 6/100 mcg/inalação Modelo de Bula - AstraZeneca CONFIDENCIAL FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pó inalante. 6/100 mcg/inalação. Embalagem

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico Modelo de Bula Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES AAS Infantil comprimidos

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona

Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona Modelo de Texto de Bula Beclosol spray nasal aquoso dipropionato de beclometasona suspensão tópica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Beclosol spray nasal aquoso é uma suspensão aquosa microfina em aerosol,

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução a 0,025% para inalação, frasco com 20 ml USO INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

COMPOSIÇÃO: Cada dose (jato) de Clenil HFA 50 mcg contém: Dipropionato de beclometasona... 50 mcg Excipientes q.s.p... 1 dose

COMPOSIÇÃO: Cada dose (jato) de Clenil HFA 50 mcg contém: Dipropionato de beclometasona... 50 mcg Excipientes q.s.p... 1 dose IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Clenil HFA dipropionato de beclometasona APRESENTAÇÃO Solução pressurizada para inalação (aerossol). Clenil HFA Spray 50 e 250 mcg: aerossol dosimetrado contendo 200 doses

Leia mais

ONBRIZE TM indacaterol

ONBRIZE TM indacaterol ONBRIZE TM indacaterol APRESENTAÇÕES Cápsulas com pó para inalação. Onbrize TM 150 mcg embalagens contendo 10, 30 ou 90 cápsulas acompanhadas de 1 inalador. Onbrize TM 300 mcg embalagens contendo 10, 30

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico

INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico MODELO DE BULA INTAL NASAL 4% cromoglicato dissódico SANOFI-AVENTIS Forma farmacêutica e apresentação Solução nasal. Frasco plástico dotado de aplicador nasal, contendo 13 ml ou 15 ml de solução. Cada

Leia mais

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol diidratado/ budesonida

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol diidratado/ budesonida SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol diidratado/ budesonida 6/100 mcg/inalação FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pó inalante. 6/100 mcg/inalação. Embalagem com 1 tubo contendo 60 doses. O mecanismo

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg

abcd SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg SPIRIVA RESPIMAT brometo de tiotrópio Solução para inalação 2,5 mcg Spiriva Respimat brometo de tiotrópio APRESENTAÇÃO Solução para inalação 2,5 mcg por dose liberada (puff): frasco de 4 ml (60 doses liberadas

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida.

Drenol hidroclorotiazida. Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. Cada comprimido de Drenol contém 50 mg de hidroclorotiazida. Drenol hidroclorotiazida PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Drenol Nome genérico: hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações: Drenol 50 mg em embalagem contendo 30 comprimidos. USO ADULTO

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

BAMBEC cloridrato de bambuterol

BAMBEC cloridrato de bambuterol BAMBEC cloridrato de bambuterol I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BAMBEC cloridrato de bambuterol APRESENTAÇÕES Solução oral de 1 mg/ml em frasco contendo 100 ml + 1 copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg

Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg Valtrian (losartana potássica) Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimido revestido 50 mg e 100 mg VALTRIAN losartana potássica APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 50 mg: embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir

PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir. fanciclovir PARA EVITAR USO IMPRÓPRIO DO MEDICAMENTO, LEIA ESTA BULA COM ATENÇÃO. Penvir fanciclovir Forma farmacêutica e apresentações: Penvir comprimidos revestidos 125 mg: caixa contendo 10 comprimidos. Penvir

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL Abcd BEROTEC Boehringer Ingelheim Solução 5mg/mL Berotec bromidrato de fenoterol APRESENTAÇÃO Solução (gotas) de 5 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ORAL OU INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína

XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO XYLOCAÍNA Pomada 5% lidocaína APRESENTAÇÕES Pomada 50 mg/g em embalagem com uma bisnaga contendo 25 g. VIA TÓPICA SOBRE MUCOSA E PELE USO ADULTO

Leia mais

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco

Leia mais

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml

acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína União Química Farmacêutica Nacional S.A xarope 20 mg/ml acetilcisteína Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. Xarope IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Xarope

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE

BULA PARA O PACIENTE BULA PARA O PACIENTE FURP-PROPRANOLOL 40 mg Comprimido cloridrato de propranolol APRESENTAÇÃO Comprimido simples Embalagem com 20 comprimidos de 40 mg. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína

PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína MODELO DE TEXTO DE BULA PROCTO-GLYVENOL tribenosídeo + lidocaína TRATAMENTO LOCAL DAS HEMORRÓIDAS Formas farmacêuticas, via de administração e apresentações: Supositórios. Embalagens com 5 ou 10 supositórios.

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Cardizem cloridrato de diltiazem IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Cardizem cloridrato de diltiazem FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimido de 30 mg: embalagem com 20 e 50 comprimidos. Comprimido de 60 mg: embalagem com 20 e 50

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - BRICANYL COMPOSTO EXPECTORANTE

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - BRICANYL COMPOSTO EXPECTORANTE BRICANYL Composto Expectorante IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - BRICANYL COMPOSTO EXPECTORANTE BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina 0,3/13,3 mg/ml FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS

Leia mais

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA Comprimidos revestidos de liberação programada em blíster de 12 Xarope em frasco de 120 ml, acompanhado de copo-medida de 10 ml Solução

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml.

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. PULMICORT budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PULMICORT budesonida APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. VIA INALATÓRIA

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal com 30 ou 50 ml. SALSEP 0,9% cloreto de sódio 9 mg/ml USO NASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO SOLUÇÃO NASAL FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Anandron nilutamida

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Anandron nilutamida Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Anandron nilutamida FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos de

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil cloridrato de oxomemazina / guaifenesina / paracetamol FORMA

Leia mais

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada.

BENALET. cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio. Benalet em embalagens múltiplas contendo 25 envelopes com 4 pastilhas cada. BENALET cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Benalet Nome genérico: cloridrato de difenidramina, cloreto de amônio, citrato de sódio.

Leia mais

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg loratadina Merck S/A revestidos 10 mg loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES revestidos de 10 mg em embalagem com 12 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)*

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)* DIAGNÓSTICO De acordo com a Sociedade Americana do Tórax (American Toraxic Society), os elementos diagnósticos para a DPOC são a história clínica,

Leia mais

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Tracur besilato de atracúrio Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tracur besilato de atracúrio APRESENTAÇÃO Solução Injetável

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

ANADOR PRT paracetamol 750 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos.

ANADOR PRT paracetamol 750 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos. ANADOR PRT paracetamol 750 mg Antitérmico e analgésico Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos 750 mg: embalagem com 20 e 256 comprimidos. Outra forma farmacêutica e apresentação Solução oral: frasco

Leia mais

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina.

Antes de tomar este medicamento informe o seu médico: Se tem história de doença cardíaca, ritmo irregular cardíaco ou angina. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Onsudil 0,05 mg comprimidos Onsudil 0,005 mg/ml xarope Onsudil 0,1 mg/ml solução para inalação por nebulização cloridrato de procaterol Leia atentamente

Leia mais