SERPOBRA Sociedade de Desenvolvimento Local e Reabilitação Urbana, EM ESTATUTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERPOBRA Sociedade de Desenvolvimento Local e Reabilitação Urbana, EM ESTATUTOS"

Transcrição

1 SERPOBRA Sociedade de Desenvolvimento Local e Reabilitação Urbana, EM ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação e natureza, personalidade e capacidade jurídica, duração, regime jurídico, sede e objecto Artigo 1.º Denominação, personalidade e capacidade jurídica 1 - A SERPOBRA Sociedade de Desenvolvimento Local e Reabilitação Urbana, EM, abreviadamente denominada como Serpobra, EM, é uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos de âmbito municipal, dotada de personalidade jurídica, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, constituída ao abrigo da Lei n.º 53-F/2006, de 29 de Dezembro. 2 A capacidade jurídica da Serpobra, EM, compreende o universo de direitos e obrigações necessários e/ou convenientes à boa prossecução do seu objecto social. Artigo 2.º Sede 1 - A Serpobra, EM, tem a sua sede social na Rua dos Cavalos, n.º 21 em Serpa; 2 - O Conselho de Administração fica desde já autorizado a deslocar a sua sede para qualquer outro local do Município de Serpa; 3 - Por deliberação do Conselho de Administração, a Serpobra, EM, pode proceder à abertura de agências, delegações ou qualquer outra forma de representação que entenda conveniente. Artigo 3.º Duração A Serpobra, EM durará por tempo indeterminado. Artigo 4.º Objecto 1 - Serpobra, EM tem por objecto social a promoção do desenvolvimento económico, social e cultural local, devendo assegurar a promoção do crescimento económico local, a eliminação de assimetrias, o reforço da coesão económica e social e a reabilitação urbana das zonas históricas e degradadas. Artigo 5º Atribuições 1 Para concretização desse objecto a Serpobra, EM poderá realizar, entre outras as seguintes atribuições: a) Desenvolver todas as acções que visem assegurar, de forma regular, contínua e eficiente o seu objecto social; b) Assegurar a construção, promoção, manutenção e conservação de infra-estruturas urbanísticas, com particular relevo para a rede viária e a gestão urbana; 1

2 c) Assegurar a renovação e reabilitação urbanas, a gestão do património edificado e a promoção do desenvolvimento urbano e rural; d) Elaborar estudos e projectos conducentes à prossecução dos seus fins; e) Apresentar candidaturas a programas nacionais ou de âmbito comunitário, bem como outras propostas de engenharia financeira adequadas ao desenvolvimento dos seus fins, desde que para tal devidamente autorizada pela tutela; f) Adquirir o património imobiliário que se revele necessário à prossecução do seu objecto social, nomeadamente para efeitos de conservação e reabilitação; g) Gerir o parque habitacional próprio e de propriedade municipal, bem como o de outras entidades publicas ou privadas que contratem este serviço com a empresa; h) Gerir os serviços ou investimentos que vierem a ser constituídos no quadro dos fins da empresa; i) Participar em associações, federações, cooperativas, fundações, sociedades ou outras pessoas colectivas, desde que tal participação se mostre necessária ou conveniente à prossecução dos fins da empresa; j) Promover a aquisição, conservação e divulgação de património cultural, histórico e arquitectónico; m) Promover acções de formação profissional, em particular, nas matérias que se prendam com o seu objecto social; l) Assegurar a gestão e exploração da Rede de Transportes Colectivos de Serpa, em particular o Mini Autocarro de Tracção Eléctrica, denominado Serpentina e o Sistema Automático de Gestão de Bicicletas Urbanas; m) Desenvolver, por si ou em colaboração com outras entidades, acções de apoio, exploração, promoção e divulgação do turismo concelhio; Artigo 6º Regime Jurídico A Serpobra, EM rege-se pelos presentes estatutos, pela Lei n.º 53-F/2006, de 29 de Dezembro, e subsidiariamente pelo regime jurídico do sector empresarial do Estado e pelas normas aplicáveis às sociedades comerciais. CAPÍTULO II Da composição, competência e regime de funcionamento dos órgãos 1 São órgãos de Serpobra, EM: a) A Assembleia-Geral; a) O Conselho de Administração; b) O Fiscal Único Artigo 7.º Órgãos Sociais 2 - Compete à Assembleia-Geral nomear e exonerar os membros do Conselho de Administração e designar o Fiscal Único. 3 - O mandato dos titulares dos órgãos sociais será coincidente com o dos titulares dos órgãos autárquicos, sem prejuízo dos actos de exoneração e da continuação de funções até à sua efectiva substituição. 2

3 SECÇÃO I Assembleia Geral Artigo 8.º Assembleia-Geral 1 - A Assembleia-Geral é constituída por três representantes do Município Serpa. 2 O Município é representado pelo Presidente da Câmara Municipal e por dois Vereadores por este designados para o efeito. 3 No acto de designação o Presidente da Câmara indica qual dos vereadores o substituirá em caso de falta ou impedimento. 2 - A Assembleia-Geral reúne-se na sede da SERPOBRA, EM ou noutro local expressamente indicado para o efeito na convocatória. 3 - A Assembleia-Geral reúne em sessões ordinárias e extraordinárias. 4 - Em sessão ordinária a Assembleia-Geral reúne: a) Até 15 de Outubro de cada ano, para apreciar e votar os Instrumentos de Gestão Previsional relativos ao ano seguinte; b) Até 31 de Março de cada ano, para apreciar e votar o Relatório do Conselho de Administração, as Contas do Exercício e a Proposta de Aplicação de Resultados, bem como o Parecer do Fiscal Único, referentes ao ano transacto. 5 - A Assembleia-Geral reúne extraordinariamente sempre que for convocada, nos termos legais ou mediante requerimento do Conselho de Administração, do Fiscal Único ou de qualquer dos representantes dos detentores do capital. 6 - As sessões da Assembleia-Geral são convocadas com uma antecedência mínima de dez dias seguidos, através de convocatória expedida para a sede dos membros, com a respectiva ordem de trabalhos, data, hora e local. 7 - Quando requerida a convocação da Assembleia-Geral em sessão extraordinária a mesma deve ser convocada no prazo máximo de dez dias seguidos, contados a partir da data da recepção do requerimento. 8 A Assembleia Geral só reunirá na presença da maioria dos seus membros. Artigo 9.º Competências da Assembleia-Geral 1 - Compete à Assembleia-Geral: a) Eleger os titulares de Órgãos Sociais cuja designação não esteja estatutariamente atribuída a qualquer dos detentores do capital; b) Apreciar e votar, até 15 de Outubro de cada ano, os Instrumentos de Gestão Previsional relativos ao ano seguinte, nomeadamente os Planos de Actividades Anuais e Plurianuais, o Orçamento Anual, incluindo estimativa das operações financeiras com o Município e o Estado; c) Apreciar e votar, até 31 de Março de cada ano, o Relatório de Gestão, as Contas do Exercício, a Proposta de Aplicação de Resultados e o Parecer do Fiscal Único, referentes ao ano transacto; d) Proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da Empresa; e) Deliberar sobre as propostas de alterações dos Estatutos e aumentos de capital; 3

4 f) Deliberar sobre as remunerações dos membros dos Órgãos Sociais, podendo para o efeito designar uma comissão de vencimentos; g) Deliberar adquirir, alienar ou onerar participações no capital de outras sociedades; h) Autorizar a aquisição e alienação de imóveis ou a realização de investimentos de valor superior a 20 % do capital social; i) Deliberar sobre qualquer assunto para que tenha sido convocada, podendo emitir os pareceres ou recomendações que considerar convenientes. 2 - As deliberações serão tomadas por um número de votos que representem a maioria do capital. Artigo 10.º Mesa da Assembleia-Geral 1 - A Assembleia-Geral é presidida pela Mesa. 2 - A Mesa da Assembleia-Geral é composta por um Presidente, um Vice-presidente e um Secretário. 3 - O Presidente é substituído, nas suas faltas e impedimentos, pelo Vice-presidente. Artigo 11.º Funções da Mesa Compete à Mesa da Assembleia-Geral: a) Convocar e dirigir os trabalhos das reuniões; b) Organizar o processo eleitoral; c) Conferir posse aos titulares dos cargos dos Órgãos Sociais. SECÇÃO II Conselho de Administração Artigo 12.º Conselho de Administração 1 - O Conselho de Administração é o órgão de gestão da SERPOBRA, EM. 2 - O Conselho de Administração é constituído por três membros: um Presidente e dois Vogais. 3 - Compete à Assembleia-Geral a nomeação e exoneração dos membros do Conselho de Administração. Artigo 13.º Mandato e exercício de funções 1 - O mandato dos membros dos órgãos sociais tem a duração de quatro anos e será coincidente com o dos titulares dos órgãos autárquicos, sem prejuízo dos actos de exoneração e da continuação de funções até à efectiva substituição. 2 - Os membros dos órgãos sociais mantêm-se em funções até serem legalmente substituídos. 3 - O exercício de funções dos membros dos órgãos sociais é acumulável com o exercício de outras funções profissionais, sem prejuízo das incompatibilidades previstas na lei. 4 - Os membros dos órgãos sociais não carecem de prestar caução. 4

5 Artigo 14.º Competências do Conselho de Administração 1 - Compete ao Conselho de Administração: a) Gerir a SERPOBRA, EM, praticando todos os actos e operações relativos ao objecto social; b) Administrar o património da SERPOBRA, EM; c) Adquirir, alienar e onerar direitos ou bens móveis e imóveis; d) Estabelecer a organização técnico-administrativa da empresa e as normas do seu funcionamento interno, designadamente em matéria de pessoal e da sua remuneração; e) Constituir mandatários com os poderes que julgue convenientes, incluindo os de substabelecer. 2 - Compete ainda ao Conselho de Administração: a) Elaborar e aprovar os instrumentos de gestão previsional; b) Elaborar anualmente o relatório de gestão e demonstração económico-financeira, as contas de exercício e a proposta de aplicação de resultados; c) Promover a contratação de pessoal; d) Contrair empréstimos, angariar financiamentos e realizar outro tipo de operações, tendo em vista a realização do objecto social; e) Organizar e manter actualizado o cadastro de bens da empresa; f) Praticar os demais actos que lhe sejam cometidos pelos presentes estatutos, leis e regulamentos. 3 - O Conselho de Administração poderá delegar em qualquer dos seus membros algumas das suas competências, definindo em acta os limites e as condições do seu exercício. 4 - Poderá ser delegado conjuntamente em mais de um membro do conselho de administração determinadas áreas de actividade desta, e um membro do conselho de administração pode ser responsável por mais de uma área de actividade. Artigo 15.º Presidente do Conselho de Administração 1 - Compete, em especial, ao presidente do conselho de administração: a) Coordenar as actividades de gestão e de administração da SERPOBRA, EM, tendo em vista a realização do seu objecto social; b) Representar a SERPOBRA, EM, em juízo e fora dele, activa e passivamente, e em quaisquer actos ou contratos em que ela deva intervir; c) Convocar e presidir às reuniões do conselho de administração, dirigindo os trabalhos e providenciando pela execução plena das deliberações tomadas; d) Desempenhar as demais competências estabelecidas na lei e nestes estatutos. 2 - Nas suas faltas e impedimentos, o presidente será substituído pelo membro do conselho de administração por si designado ou, na falta de designação, pelo membro do conselho de administração mais idoso. 5

6 Artigo 16.º Reuniões, deliberações e actas 1 - O conselho de administração deliberará sobre a periodicidade das reuniões ordinárias e reunirá extraordinariamente sempre que o respectivo presidente o convoque, por sua iniciativa ou por requerimento da maioria dos seus membros ou do fiscal único. 2 - As reuniões terão lugar na sede social, ou noutro local. 3 - O conselho de administração não pode deliberar sem a presença de todos os seus membros. 4 - Os membros do conselho de administração poderão fazer-se representar nas reuniões por outro membro do conselho, designado por simples carta dirigida ao presidente do conselho de administração. 5 - Os membros do conselho de administração que não possam estar presentes na reunião poderão, em caso de deliberações consideradas urgentes pelo respectivo presidente, expressar o seu voto por carta dirigida ao presidente. 6 - As deliberações são tomadas por maioria simples de votos dos membros presentes ou representados. 7 - O presidente ou quem o substituir terá voto de qualidade. 8 - As reuniões do conselho de administração poderão ser realizadas por videoconferência, desde que esta assegure aos membros do conselho de administração um pleno conhecimento dos assuntos em questão e um ambiente deliberativo em tudo similar ao obtido através de presença física. 9 - As deliberações do conselho de administração constarão sempre de acta assinada pelos membros do conselho de administração presentes na reunião, que consignará os votos de vencido. Artigo 17.º Forma de Obrigar 1 - A Serpobra, EM obriga-se pela assinatura conjunta de dois membros do Conselho de Administração, sendo um deles o seu Presidente. 2 - Nos actos de gestão corrente e sem implicações financeiras e/ou patrimoniais é bastante a assinatura de qualquer um dos membros do Conselho de Administração. SECÇÃO III Fiscal Único Artigo 18.º Composição e competência 1 - A fiscalização da SERPOBRA, EM é exercida por um revisor ou por uma sociedade de revisores oficiais de contas que procederá à revisão legal, a quem compete, designadamente: a) Fiscalizar a acção do conselho de administração; b) Verificar a regularidade dos livros, registos contabilísticos e documentos que lhes servem de suporte; c) Participar aos órgãos competentes as irregularidades, bem com os factos que considere reveladores de graves dificuldades na prossecução do objecto da empresa; d) Proceder à verificação dos valores patrimoniais da SERPOBRA, EM, ou por ela recebidos em garantia, depósito ou outro título; 6

7 e) Remeter semestralmente a todos os accionistas informação sobre a situação económica e financeira da empresa; f) Pronunciar-se sobre qualquer assunto de interesse para a SERPOBRA, EM, a solicitação do conselho de administração; g) Emitir parecer sobre o relatório do conselho de administração e contas do exercício; h) Emitir parecer sobre o valor das indemnizações compensatórias a receber pela empresa; i) Emitir a certificação legal das contas; j) Exercer as demais funções estabelecidas por lei, pelos presentes estatutos e pelos regulamentos da SERPOBRA, EM. 2 - O mandato do Fiscal Único tem a duração de quatro anos e será coincidente com o dos titulares dos órgãos autárquicos, sem prejuízo dos actos de exoneração e da continuação de funções até à efectiva substituição. SECÇÃO IV Poderes de Superintendência Artigo 19º Competências No exercício da tutela sobre a Serpobra, EM, e em especial da tutela económica e financeira, a Câmara Municipal de Serpa tem o poder de: a) Emitir recomendações e instruções genéricas à Assembleia-geral no âmbito dos objectivos a prosseguir; b) Acompanhar os instrumentos de gestão previsional, nomeadamente os planos de actividades anuais e plurianuais c) Determinar a realização de auditorias e averiguações ao funcionamento Serpobra, EM; d) Solicitar todas as informações e documentos julgados úteis para acompanhar de modo continuado a actividade da Serpobra, EM, com vista a assegurar a boa gestão dos fundos públicos e a evolução da sua situação económico financeira; e) Pronunciar-se sobre quaisquer assuntos de interesse para a Serpobra, EM, podendo emitir as recomendações que considerar convenientes; f) Exercer outros poderes que lhe sejam conferidos por lei. CAPITULO III Do Capital Social e Acções, Fundos de Reserva e Aplicação de Resultados SECÇÃO I Do Capital Artigo 20.º Capital Social 1 - O capital social, detido na sua totalidade pela Câmara Municipal de Serpa, é de ,00 (Cento e Cinquenta Mil Euros) está integralmente subscrito e realizado em dinheiro e representado em 150 (Cento e Cinquenta) acções ordinárias, todas com o valor nominal de Euros cada uma; 7

8 Artigo 21.º Acções 1 - As acções são obrigatoriamente nominativas e são representadas por títulos de 1, 5, 10, 100 ou 1000 acções. 2 - Os títulos representativos das acções são assinados por dois administradores, podendo a assinatura ser aposta por chancela. Artigo 22.º Aumentos de Capital A Assembleia-Geral poderá a todo o tempo alterar o capital social mediante a realização de novas entradas, em numerário ou em espécie, ou mediante a incorporação de reservas; Secção II Dos Fundos de Reserva Artigo 23.º Fundos de reserva legal 1 - A Serpobra, EM deverá constituir os fundos de reserva julgados necessários, sendo obrigatória a constituição de Reserva legal; 2 O fundo de Reserva Legal será dotado anualmente com pelo menos 10 % do resultado liquido do exercício, deduzido da quantia necessária à cobertura de prejuízos transitados; 3 - A reserva legal só pode ser utilizada para incorporação no capital ou para cobrir eventuais prejuízos transitados. Artigo 24º Outros Fundos de Reserva 1 - A Serpobra, EM poderá a qualquer momento criar outros fundos de reserva, mediante proposta à Assembleia Geral, apresentada pelo Conselho de Administração ou pelo Fiscal Único; 2 A proposta de criação de novos fundos conterá o conjunto de regras previstas para a sua utilização, nomeadamente as restrições a que fica sujeita; SECÇÃO III Da Aplicação de Resultados Artigo 25º Aplicação de Resultados 1 - A aplicação de resultados será proposta, de acordo com a lei e os presentes estatutos, pelo Conselho de Administração no relatório e contas do exercício que submete à aprovação da Assembleia Geral. 2 Sempre que a aplicação de resultados seja diferente da proposta pelo Conselho de Administração, a Assembleia Geral deverá sustentar a decisão tomada. 8

9 CAPÍTULO IV Das Normas de Gestão Administrativa e Financeira Secção I Normas de Gestão Artigo 26º Princípios de Gestão 1 - A gestão da Serpobra, EM, deve articular-se com os objectivos prosseguidos pelo Município de Serpa, visando a promoção do desenvolvimento local e assegurando a sua viabilidade económica e equilíbrio financeiro. 2 - Na gestão da Serpobra, EM, ter-se-ão em conta, nomeadamente os seguintes condicionalismos e objectivos: a) Adaptação da oferta à procura economicamente rentável, salvo quando sejam acordadas com a Câmara Municipal de Serpa especiais obrigações decorrentes de contratos-programa a celebrar; b) Prática de tarifas e preços que permitam o equilíbrio da exploração a médio prazo; c) Fixação de objectivos económico-financeiros de médio prazo, designadamente no que respeita à remuneração do trabalho e do capital investido ou à obtenção de um adequado auto - financiamento; d) Minimização dos custos de exploração, mediante o melhor aproveitamento dos recursos postos à disposição da Serpobra, EM. e) Subordinação de novos investimentos a critérios de decisão empresarial, período de recuperação do capital e grau de risco, excepto quando sejam acordados com a Câmara Municipal de Serpa outros critérios a aplicar; f) Adequação dos recursos financeiros à natureza dos activos a financiar; g) Compatibilidade de estrutura financeira com a rendibilidade da exploração e o grau de risco da actividade; h) Adopção de uma gestão previsional por objectivos, assente na descentralização e delegação de responsabilidades e adaptação à dimensão da Serpobra, EM; i) Recrutamento do pessoal deve ser orientado por métodos de selecção adequados à comprovação da competência e idoneidade dos candidatos. 3 - Por força de imperativos inerentes ao serviço público desenvolvido pela Serpobra, EM, e por expressa indicação da Câmara Municipal de Serpa e havendo lugar à prossecução de objectivos ou investimentos de natureza político-social de que resulte um afastamento dos princípios da equilibrada gestão empresarial, deverão ser acordadas entre a Serpobra, EM, e a Câmara Municipal de Serpa as contrapartidas destinadas a reequilibrar a equação económica, que existiria se não houvesse lugar aos referidos investimentos. Artigo 27.º Instrumentos de Gestão Previsional 1 - A gestão económica e financeira da Serpobra, EM, é disciplinada, no mínimo, pelos seguintes instrumentos de gestão previsional: a) Planos plurianuais e anuais de actividades, de investimento e financeiros; 9

10 b) Orçamento anual de investimentos; c) Orçamento anual de exploração, desdobrado em orçamento de proveitos e de custos; d) Orçamento anual de tesouraria; e) Balanço previsional; f) Contratos-programa, quando os houver. 2 - Os instrumentos de gestão previsional deverão ser remetidos à Câmara Municipal de Serpa, para acompanhamento e controlo, até 30 de Novembro do ano anterior aquele que respeitem, após aprovação pela Assembleia Geral da Serpobra, EM. Artigo 28.º Contabilidade 1 - A contabilidade da Serpobra, EM, respeitará o Sistema de Normalização Contabilística e deve responder às necessidades de gestão da Serpobra, EM, e permitir um controlo orçamental permanente, bem como a fácil verificação da correspondência entre os valores patrimoniais. 2 - A organização e execução da contabilidade e dos orçamentos e suas actualizações deverão processar-se em conformidade com regulamentos a estabelecer de harmonia com os presentes estatutos e as leis em vigor. Artigo 29.º Instrumentos de Prestação de Contas 1 - A Serpobra, EM deverá elaborar, com referência a 31 de Dezembro de cada ano, os seguintes documento: a) Balanço; b) Demonstração de resultados; c) Anexo ao balanço e à demonstração de resultados; d) Demonstração dos fluxos de caixa; e) Relação das participações no capital de sociedades e dos financiamentos obtidos a médio e longo prazo; f) Relatório sobre a execução anual do plano plurianual de investimentos; g) Relatório do Conselho de Administração e proposta de aplicação dos resultados; h) Parecer do Fiscal Único. 2 O relatório do Conselho de Administração deve permitir uma compreensão clara da situação económica e financeira relativa ao exercício, analisar a evolução da gestão nos sectores da actividade da empresa, designadamente no que respeita a investimentos, custos e condições de mercado e apreciar o seu desenvolvimento; 3 O Parecer do Fiscal Único deve conter a apreciação deste órgão sobre a gestão e o relatório do Conselho de Administração, bem como sobre a exactidão das contas e a observância das leis e dos contratos; 4 - O relatório anual do Conselho de Administração, o balanço, a demonstração de resultados e o parecer do Fiscal Único serão objecto de publicação nos termos legais. 10

11 Secção II Normas Financeiras Artigo 30.º Planos de actividade, de investimento e financeiros 1 - Os planos plurianuais e anuais de actividades, de investimento e financeiros, devem estabelecer a estratégia a seguir pela Serpobra, EM, sendo reformulados sempre que as circunstâncias o justifiquem. 2 - Os planos de actividade, de investimento e financeiros deverão ser completados com os desdobramentos necessários para permitir a descentralização de responsabilidades e o adequado controlo de gestão. 3 - Os instrumentos previsionais deverão explicar a forma como procuram concretizar os planos plurianuais, referindo, nomeadamente, os investimentos projectados e as respectivas fontes de financiamento. Artigo 31.º Património 1 - O Património da empresa é constituído pelos bens e direitos recebidos ou adquiridos para ou no exercício da sua actividade. 2 A Serpobra, EM, só poderá alienar ou adquirir património imobilizado com autorização expressa da Assembleia-Geral, nas condições definidas nos presentes estatutos, nos instrumentos de gestão aprovados, ou em documento avulso para os casos imprevistos. 3 A Serpobra, EM, não pode contrair empréstimos de favor nem intervir como garante de empréstimos ou outras dívidas de terceiros. Artigo 32.º Receitas Constituem receitas da Serpobra, EM: a) As provenientes da sua actividade e as resultantes de serviços por ela prestados; b) O rendimento dos bens próprios; c) As comparticipações, dotações e subsídios que lhe sejam destinados; d) O produto da alienação de bens próprios ou da sua oneração; e) As doações, heranças e legados; f) O produto da contracção de empréstimos a curto, médio e longo prazo, bem como da emissão de obrigações; g) Quaisquer outras que a, através de lei ou contrato, venha a receber. Artigo 33.º Contratos-programa 1 - O Conselho de Administração celebrará necessariamente com a Câmara Municipal de Serpa contratos-programa sempre que esta pretenda que a Serpobra, EM, prossiga objectivos sectoriais, realize investimentos de rendibilidade não demonstrada ou adopte preços sociais, contratos-programa 11

12 esses nos quais serão acordadas as condições a que as partes se obrigam para a realização dos objectivos programados. 2 - Os contratos-programa integrarão o plano de actividades da Serpobra, EM, para o período a que respeitam. 3 - Dos contratos-programa constará, obrigatoriamente, o montante dos subsídios e das indemnizações compensatórias que a Serpobra, EM, terá direito a receber como contrapartida das obrigações assumidas. Artigo 34.º Empréstimos 1 - A sociedade pode contrair empréstimos a curto, médio e longo prazo, bem como emitir obrigações. 2 - Os empréstimos destinam-se prioritariamente à realização de investimentos, ou de obras e melhoramentos de interesse público. 3 - A Serpobra, EM, poderá ainda contrair empréstimos a curto e médio prazo para antecipação de receitas, aquisição de material e equipamento ou fundo de maneio da tesouraria. Artigo 35.º Tribunal de Contas A actividade da Serpobra, EM, encontra-se sujeita à fiscalização do Tribunal de Contas, nos termos da lei, e ao controlo financeiro da legalidade por parte da Inspecção-Geral das Finanças. Artigo 36.º Regime Fiscal A Serpobra, EM, está sujeita a tributação directa e indirecta nos termos gerais. Artigo 37.º Responsabilidade civil e penal 1 - A Serpobra, EM, responde civilmente perante terceiros pelos actos e omissões dos seus administradores nos mesmos termos em que os comitentes respondem pelos actos ou omissões dos comissários, de acordo com a lei geral. 2 Os titulares dos órgãos respondem civilmente perante estes pelos prejuízos causados pelo incumprimento dos seus deveres legais ou estatutários. 3 O disposto nos números anteriores não prejudica a responsabilidade penal dos titulares dos órgãos da empresa. CAPÍTULO V Pessoal Artigo 38.º Estatuto do pessoal 1 - O estatuto do pessoal da Serpobra, EM, é o do regime do contrato individual de trabalho, sem prejuízo do regime legal da contratação colectiva aplicável. 12

13 2 - Os funcionários da administração central, regional e local e de outras entidades públicas podem exercer funções na Serpobra, EM em regime de cedência especial ou de afectação específica, nos termos da lei aplicável. Artigo 39.º Regime da segurança social 1 - O pessoal da Serpobra, EM, está sujeito ao regime geral da Segurança Social. 2 - O pessoal da Serpobra, EM, que exerça funções em regime de comissão de serviço, requisição ou destacamento mantém o direito à segurança social inerente ao local de origem. CAPÍTULO VI Disposições diversas Artigo 40.º Extinção e liquidação 1 - A extinção da Serpobra, EM, é da competência da Assembleia Municipal de Serpa, sob proposta da Assembleia Geral. 2 - A extinção pode visar a reorganização das actividades da Serpobra, EM, mediante a sua cisão ou fusão com outras, ou destinar-se a pôr termo a essa actividade, sendo então seguida de liquidação do respectivo património. Artigo 41.º Delegação de poderes e prerrogativas de autoridade 1 - Nos termos do art. 17º da Lei n.º 53-F/2006, de 29 de Dezembro, a Câmara Municipal de Serpa poderá delegar na Serpobra, EM, os poderes que considerar convenientes e necessários à persecução do seu objecto. Artigo 42.º Prerrogativas de autoridade Para o exercício dos poderes públicos a que se refere o artigo anterior, os funcionários, trabalhadores e demais representantes da Serpobra, EM podem exercer as prerrogativas de autoridade que a lei ou os regulamentos aplicáveis atribuem aos funcionários municipais e no âmbito dos poderes delegados. Artigo 43.º Tribunais competentes 1 Sem prejuízo do disposto no número seguinte, compete aos tribunais judiciais o julgamento de todos os litígios em que seja parte a empresa 2 É da competência dos tribunais administrativos o julgamento do contencioso de anulação dos actos praticados pelos órgãos da empresa quando actuem no âmbito do direito público, bom como o julgamento das acções emergentes dos contratos administrativos que celebrem e das que se refiram à responsabilidade civil que a sua gestão pública provoque 13

14 Artigo 44.º Casos omissos e interpretação As omissões e dúvidas de interpretação ou aplicação dos presentes estatutos serão resolvidos pela legislação em vigor ou, na falta ou omissão desta, pela Câmara Municipal de Serpa. 14

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS. Lei nº 58/98, de 18 de Agosto

EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS. Lei nº 58/98, de 18 de Agosto EMPRESAS MUNICIPAIS INTERMUNICIPAIS e REGIONAIS : PÚBLICAS de CAPITAIS PÚBLICOS e de CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS Lei nº 58/98, de 18 de Agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos

Leia mais

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A.

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Denominação, sede, objeto e duração Artigo 1.º Tipo,

Leia mais

Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M.

Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M. Texto completo e actualizado dos Estatutos da VARZIM LAZER EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M. CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Denominação e natureza 1 - A

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M.

PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M. PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M. Em 31/08/2012 foi publicada a Lei n.º 50/2012, que aprovou o novo regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais, revogando as Leis n.º 53

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME JURÍDICO E SEDE

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME JURÍDICO E SEDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME JURÍDICO E SEDE Artigo 1º Denominação, personalidade e capacidade jurídica 1 SABUGAL +, Empresa Municipal

Leia mais

ESTATUTOS DA AMBISOUSA. Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1º Denominação e natureza

ESTATUTOS DA AMBISOUSA. Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1º Denominação e natureza ESTATUTOS DA AMBISOUSA Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Denominação e natureza A Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM (de ora em diante AMBISOUSA) é uma

Leia mais

SABUGAL +, EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE ESPAÇOS CULTURAIS, DESPORTIVOS TURÍSTICOS E DE LAZER, EM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS

SABUGAL +, EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE ESPAÇOS CULTURAIS, DESPORTIVOS TURÍSTICOS E DE LAZER, EM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SABUGAL +, EMPRESA MUNICIPAL DE GESTÃO DE ESPAÇOS CULTURAIS, DESPORTIVOS TURÍSTICOS E DE LAZER, EM CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME

Leia mais

TUMG - Transportes Urbanos da Marinha Grande, E.M. UNIPESSOAL, S.A. ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º Natureza e Designação

TUMG - Transportes Urbanos da Marinha Grande, E.M. UNIPESSOAL, S.A. ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º Natureza e Designação TUMG - Transportes Urbanos da Marinha Grande, E.M. UNIPESSOAL, S.A. ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Designação A TUMG Transportes Urbanos da Marinha Grande, E.M. UNIPESSOAL,

Leia mais

ESTATUTOS DA ALBIGEC GESTÃO DE EQUIPAMENTOS CULTURAIS, DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M., S.A.

ESTATUTOS DA ALBIGEC GESTÃO DE EQUIPAMENTOS CULTURAIS, DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M., S.A. ESTATUTOS DA ALBIGEC GESTÃO DE EQUIPAMENTOS CULTURAIS, DESPORTIVOS E DE LAZER, E.M., S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação e Natureza Jurídica 1. A ALBIGEC Gestão de Equipamentos Culturais,

Leia mais

-------------------------------------ESTATUTOS-------------------------------------

-------------------------------------ESTATUTOS------------------------------------- -------------------------------------ESTATUTOS------------------------------------- ------------------------------------------------CAPÍTULO I---------------------------------------------------- -------------------------------------DISPOSIÇÕES

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1.º (Denominação e natureza) 1- A Rumo 2020, E.E.M., abreviadamente designada por Rumo 2020 é uma entidade

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM. Artigo 1º. (Denominação e natureza jurídica)

ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM. Artigo 1º. (Denominação e natureza jurídica) ESTATUTOS FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM Artigo 1º (Denominação e natureza jurídica) 1. A FLUVIÁRIO DE MORA EMPRESA MUNICIPAL, EM, adiante também designada simplesmente por Fluviário de Mora,

Leia mais

ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO

ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO ESTATUTOS DA EMPRESA LOCAL BRAGAHABIT EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE BRAGA, E.M. ÍNDICE SISTEMÁTICO Págs. PERSONALIDADE JURÍDICA E ELEMENTOS CONSTITUTIVOS...3 Artigo 1 º - Denominação...3 Artigo 2 º

Leia mais

PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DECORRENTE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS POR FORÇA DA LEI 50/2012 DE 31 DE AGOSTO

PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DECORRENTE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS POR FORÇA DA LEI 50/2012 DE 31 DE AGOSTO 1 PACTO SOCIAL ACTUALIZADO DECORRENTE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS POR FORÇA DA LEI 50/2012 DE 31 DE AGOSTO ESTATUTOS DA EMPRESA MUNICIPAL QUINTA DE TUBERAIS ENSINO PROFISSIONAL DE CINFÃES, E.M. CAPÍTULO

Leia mais

CAPITULO I Denominação, regime jurídico, sede, duração e objecto social

CAPITULO I Denominação, regime jurídico, sede, duração e objecto social CAPITULO I Denominação, regime jurídico, sede, duração e objecto social Artigo 1º Denominação A Empresa municipal regulada pelos presentes Estatutos, adopta a denominação de ECALMA EMPRESA MUNICIPAL DE

Leia mais

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda.

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. Capital Social 3.562.000,00 NIF. 502 814 063 Registada na Conservatória do Registo Comercial de Loures sob o nº 0001/920522 1 CAPÍTULO

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95:

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95: CCV Correios de Cabo Verde, SA Decreto Lei nº 9-A/95: Transforma a empresa Pública dos Correios e Telecomunicações CTT, em duas sociedades anónimas de capitais públicos. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação,

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A.

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. ESTATUTO DA SOCIEDADE.. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. CAPÍTULO I Da Firma, Tipo, Sede, Duração e Objecto Social ARTIGO 1.º (Natureza jurídica, denominação e duração) A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I

EMPRESA MUNICIPAL DE CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I . EMPRESA MUNICIPAL DE CAPITAIS MAIORITARIAMENTE PÚBLICOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME JURÍDICO E SEDE Artigo 1º. (Denominação,

Leia mais

Estatutos da Esposende 2000 EM, Sociedade Unipessoal, Lda

Estatutos da Esposende 2000 EM, Sociedade Unipessoal, Lda Estatutos da Esposende 2000 EM, Sociedade Unipessoal, Lda ESPOSENDE 2000 ACTIVIDADES DESPORTIVAS E RECREATIVAS, EM, CAP I - Disposições Gerais Art.º 1º - Denominação e natureza 2 Art.º 2º - Capital Social

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO. ARTIGO 1.º (Denominação e natureza)

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO. ARTIGO 1.º (Denominação e natureza) ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS SECÇÃO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1.º (Denominação e natureza) 1. A FUTURLAGOS EMPRESA LOCAL PARA O DESENVOLVIMENTO, E.M., S.A., abreviadamente

Leia mais

Estatutos. CMPEA - EMPRESA de ÁGUAS do MUNICÍPIO do PORTO, EM. CAPÍTULO I Disposições gerais

Estatutos. CMPEA - EMPRESA de ÁGUAS do MUNICÍPIO do PORTO, EM. CAPÍTULO I Disposições gerais Estatutos CMPEA - EMPRESA de ÁGUAS do MUNICÍPIO do PORTO, EM CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Denominação e natureza jurídica) 1. A empresa adota a denominação de CMPEA Empresa de Águas do Município

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A.

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ Código Postal 8104-001 ESTATUTOS LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CAPÍTULO I Da Sociedade e do capital social ARTIGO 1.º Denominação A Sociedade adota a denominação

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

Anexo 1 PROPOSTA DE ALTERAÇÂO DOS ESTATUTOS DA GEBALIS GESTÃO DO ARRENDAMENTO SOCIAL EM BAIRROS MUNICIPAIS DE LISBOA, E.M.

Anexo 1 PROPOSTA DE ALTERAÇÂO DOS ESTATUTOS DA GEBALIS GESTÃO DO ARRENDAMENTO SOCIAL EM BAIRROS MUNICIPAIS DE LISBOA, E.M. Anexo 1 PROPOSTA DE ALTERAÇÂO DOS ESTATUTOS DA GEBALIS GESTÃO DO ARRENDAMENTO SOCIAL EM BAIRROS MUNICIPAIS DE LISBOA, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Secção I Denominação, natureza e sede Artigo 1º

Leia mais

Gesamb Gestão Ambiental e de Resíduos, EIM ESTATUTOS. Artigo 1

Gesamb Gestão Ambiental e de Resíduos, EIM ESTATUTOS. Artigo 1 Gesamb Gestão Ambiental e de Resíduos, EIM ESTATUTOS Artigo 1 1. A Gesamb Gestão Ambiental e de Resíduos, EIM, abreviadamente designada por Gesamb, é uma empresa local com natureza intermunicipal de capitais

Leia mais

Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto. Artigo 1.º (Natureza e designação)

Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto. Artigo 1.º (Natureza e designação) Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto Artigo 1.º (Natureza e designação) A Sociedade é comercial, encontra-se constituída sob o tipo de sociedade anónima, tem existência

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CAPÍTULO I FIRMA, OBJECTO SOCIAL E SEDE ARTIGO PRIMEIRO (Firma) Um) A Sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

ESTATUTOS AMBILITAL Investimentos Ambientais no Alentejo, EIM

ESTATUTOS AMBILITAL Investimentos Ambientais no Alentejo, EIM ESTATUTOS AMBILITAL Investimentos Ambientais no Alentejo, EIM CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) A empresa, criada por deliberação da Assembleia Intermunicipal da Associação de

Leia mais

ESTATUTOS DA SOCIOHABITAFUNCHAL - EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E.M.

ESTATUTOS DA SOCIOHABITAFUNCHAL - EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E.M. ESTATUTOS DA SOCIOHABITAFUNCHAL - EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E.M. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE E CAPACIDADE JURÍDICA, REGIME JURÍDICO E SEDE Artigo r Denominação,

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

CONSEST, promoção imobiliária, S.A.

CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CONSEST, promoção imobiliária, S.A. CAPITULO I Denominação, objecto e sede social Artigo 1º Denominação e sede 1. A Sociedade adopta a firma CONSEST Promoção Imobiliária, S.A., e tem sede na Av. Defensores

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA, REGIME JURÍDICO E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA, REGIME JURÍDICO E DURAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA, REGIME JURÍDICO E DURAÇÃO 1. A Cascais Dinâmica - Gestão de Economia, Turismo e Empreendedorismo, E.M., S.A. é uma sociedade anónima de capitais

Leia mais

Estatutos REFER Rede Ferroviária Nacional, E.P.E.

Estatutos REFER Rede Ferroviária Nacional, E.P.E. Estatutos REFER Rede Ferroviária Nacional, E.P.E. DIPLOMA / ACTO : Decreto-Lei n.º 141/2008, de 22 de Julho NÚMERO : 140 SÉRIE I EMISSOR : Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações SUMÁRIO

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Disposições Gerais ARTIGO 1º. Denominação e natureza jurídica

ESTATUTOS CAPÍTULO I. Disposições Gerais ARTIGO 1º. Denominação e natureza jurídica ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1º Denominação e natureza jurídica 1- A Empresa adopta a denominação de A.D.C. Águas da Covilhã, E.M.. 2- A Empresa é uma Empresa municipal de capitais maioritariamente

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação 1. - A associação adopta a designação completa de Associação de Municípios do Vale do Minho,adiante designada abreviadamente de Associação. 2. - A Associação

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º (Composição do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração é composto por um número mínimo de três

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

ESTATUTOS DA CP COMBOIOS DE PORTUGAL, E. P. E. CAPÍTULO I Denominação, sede e objeto. Artigo 1.º Denominação e sede. Artigo 2.

ESTATUTOS DA CP COMBOIOS DE PORTUGAL, E. P. E. CAPÍTULO I Denominação, sede e objeto. Artigo 1.º Denominação e sede. Artigo 2. ESTATUTOS DA CP COMBOIOS DE PORTUGAL, E. P. E. CAPÍTULO I Denominação, sede e objeto Artigo 1.º Denominação e sede 1 A CP Comboios de Portugal, E. P. E., abreviadamente designada por CP, E. P. E., é uma

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL Aprovados pelo CA em de 02-12-2008; pela CMS em 10.12.2008; pela AM em 29.12.2008 Escritura celebrada pelo Notário Privativo da CMS em 16.01.2009 Publicado

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA SCOIEDADE ANÓNIMA PORTUCEL, S.A., ELABORADO NOS TERMOS DO Nº 2 DO ARTIGO 59º DO CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL, EM CONSEQUÊNCIA DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL EFECTUADA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma CONTRATO DE SOCIEDADE de Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO Tipo e Firma A sociedade é constituída segundo o tipo de sociedade anónima e adopta a firma Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

ESTATUTOS DA INFRATRÓIA, INFRAESTRUTURAS DE TRÓIA, E.M. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Capital ARTIGO PRIMEIRO Denominação, Sede, Natureza

ESTATUTOS DA INFRATRÓIA, INFRAESTRUTURAS DE TRÓIA, E.M. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Capital ARTIGO PRIMEIRO Denominação, Sede, Natureza ESTATUTOS DA INFRATRÓIA, INFRAESTRUTURAS DE TRÓIA, E.M. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Capital ARTIGO PRIMEIRO Denominação, Sede, Natureza Jurídica Um - A Empresa adota a denominação Infratróia

Leia mais

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A.

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração A sociedade adopta a denominação de PME Investimentos Sociedade de Investimento,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

ESPAÇO MUNICIPAL RENOVAÇÃO URBANA E GESTÃO DO PATRIMÓNIO, E.M. S.A. ESTATUTOS

ESPAÇO MUNICIPAL RENOVAÇÃO URBANA E GESTÃO DO PATRIMÓNIO, E.M. S.A. ESTATUTOS ESPAÇO MUNICIPAL RENOVAÇÃO URBANA E GESTÃO DO PATRIMÓNIO, E.M. S.A. ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Artigo 1.º Denominação, natureza e duração 1. A ESPAÇO MUNICIPAL RENOVAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições gerais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições gerais ARTIGO 1º Forma, denominação e duração 1. A Associação é composta pelos municípios portugueses de Alandroal, Moura, Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Serpa

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

ESTATUTOS ARTIGO 1º. (Denominação) 1. A sociedade adota a firma de EPRM Escola Profissional de Rio Maior, Lda., EM.

ESTATUTOS ARTIGO 1º. (Denominação) 1. A sociedade adota a firma de EPRM Escola Profissional de Rio Maior, Lda., EM. Estatutos aprovados pela Câmara Municipal de Rio Maior em 18/02/2013, pela Assembleia Municipal de Rio Maior em 23/02/2013 e ratificados pela Assembleia Geral da EPRM em. ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

CAPÍTULO I. Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1º

CAPÍTULO I. Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1º CONTRATO DE SOCIEDADE DE TRANSPORTES AÉREOS PORTUGUESES, S. A. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1º 1. A sociedade anónima que, por força do Decreto-Lei nº 312/91, de 17 de Agosto,

Leia mais

Estatutos da Fundação CEBI

Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da CEBI - Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca Capítulo I (Disposições Gerais) Art.º 1º - A CEBI - Fundação Para o Desenvolvimento Comunitário de

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES ARTIGO 1 Dos Membros 1- Podem ser membros da MUTUALIDADE

Leia mais

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO (Denominação e Qualificação) A FUNDAÇÃO ALENTEJO adiante designada apenas por Fundação, é uma Pessoa Colectiva

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I Natureza, denominação, duração, sede e objeto Artigo 1.º Natureza e denominação A sociedade tem a natureza de sociedade anónima de capitais

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º

ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º CONSTITUIÇÃO E DENOMINAÇÃO É constituída a Associação, sem fins lucrativos, denominada ADRUSE Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela, abreviadamente designada

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais