MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS"

Transcrição

1 Patrocínio: MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Realização: Secretaria do Patrimônio da União Ministério do Planejamento Ministério das Cidades Ministério do Desenvolvimento Agrário

2

3 Doação de áreas públicas da União para Municípios Senhor(a) Prefeito(a), em seu município, como ocorre em outros municípios brasileiros, podem existir áreas urbanas que estão na informalidade por se encontrarem em terras da União. Com isso, as prefeituras têm sido prejudicadas, pois não podem recolher impostos e nem possuem terras para dar destinação que atenda às necessidades de desenvolvimento da cidade. Quem perde é o cidadão e a economia do município. Preocupado em resolver esse problema o Presidente da República sancionou a Lei , de 25 de junho de Você a conhece? Bem, resumidamente, ela modifica e simplifica as formas da regularização das terras públicas federais. Essa Lei é o primeiro resultado do Programa Terra Legal, que foi criado justamente para resolver esse assunto na Amazônia Legal. Para que ela seja implementada, vamos conhecer os agentes que vão ajudar o seu município a desenvolver as ações para solucionar esse problema. Agentes da ação: Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA/ INCRA); Ministério das Cidades, por meio da Secretaria Nacional de Programas Urbanos; Secretária de Patrimônio da União (SPU), do Ministério do Planejamento, por meio da Gerência Regional do Patrimônio da União (GRPU) do seu Estado; e Prefeitura Municipal.

4 1. Que fará o MDA? O MDA transferirá as áreas urbanas consolidadas ou de expansão urbana para os municípios, mediante um processo de Doação. Áreas com ocupações urbanas consolidadas são aquelas onde existe um arruamento (sistema viário) implantado, pavimentado ou não, e que tenha também mais de 12 habitantes por hectare. Desta forma, basta dividir a área total ocupada pelo número de seus habitantes. Não é necessário fazer um recenseamento completo para saber quantas pessoas moram na área. Basta fazer uma estimativa do número de moradias e utilizar o número de habitantes médio por domicílio urbanos informado pelo IBGE. Áreas de expansão urbana são aquelas desocupadas que o município deseja obter para planejar o crescimento da cidade. Para receber essas áreas, o município deve apresentar o ordenamento territorial urbano da área a ser doada, que é um conjunto de diretrizes e regras que dizem como o município pretende ocupar essa área nos próximos dez anos. Essas regras devem definir que tipo de ocupação a área vai ter (habitação, comércio, serviços), quantas pessoas vão morar, que tipo de equipamentos elas vão ter (escolas, hospitais, postos de saúde etc) e como será o abastecimento de água e luz e a coleta de esgotos. Também deve dizer como as áreas ambientais existentes serão preservadas, as áreas históricas e culturais protegidas, quais quadras serão reservadas para a implantação de casas para a população de baixa renda e outros elementos que atendam aos princípios do Estatuto das Cidades. O ordenamento territorial da área de expansão urbana deve ser acompanhado de uma justificativa técnica que demonstre as formas de utilização da área a ser doada para fins de urbanização além de estar definido numa lei que pode ser o Plano Diretor, ou outra lei específica, aprovada pela Câmara Municipal. O processo de elaboração deste plano deve prever ampla participação da sociedade e antes de ser aprovado, o mesmo deve ser submetido a audiências públicas. Recomenda-se que o município consulte o material disponível no site do Ministério das Cidades e que siga as resoluções do Conselho Nacional das Cidades.

5 Como requerer a regularização dessas áreas? O prefeito deve encaminhar um requerimento (conforme modelo), acompanhado de todos os documentos necessários, listados abaixo, à Coordenação Regional de Regularização Fundiária do MDA, na capital do seu estado. 1. Fotocópia dos documentos pessoais do representante; 2. Fotocópia do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ da prefeitura; 3. Fotocópia do diploma e Termo de Posse do prefeito; 4. Planta e memorial descritivo do perímetro da área requerida para doação, de acordo com a norma técnica de georreferenciamento; 5. Mapa de situação da área objeto do pedido de doação com a sua localização em relação à ocupação urbana do município, informando os bairros adjacentes; 6. Comprovação das condições de ocupação da área pretendida por meio de representação cartográfica (mapas ou imagem aérea), desde que georreferenciada e em escala adequada, apresentada em cópia impressa e em meio digital, indicando, a ocupação da área com as ruas e edificações (se a área for consolidada), os acidentes geográficos, tais como vales, córregos, rios, lagoas e elevações e as áreas com vegetação; 7. Cópia do plano diretor do município ou da lei que contenha o ordenamento territorial da área de expansão urbana requerida conforme já descrito; 8. Relação de melhorias naturais (acessões) e benfeitorias (edifícios) federais existentes na área pretendida, contendo suas identificações e localizações. A Secretaria do Patrimônio da União, por meio de sua Gerência Estadual, fornecerá ao município os endereços dos órgãos federais que possui cadastrados; e 9. Declaração ou laudo assinado por técnico habilitado, atestando que a área do pedido de doação perdeu sua vocação de uso agrícola. 5

6 E a Titulação? O MDA expedirá um Título de Doação da área ao município que deverá ser registrado em cartório. Neste título estará registrado o que o município deve fazer para alienar ou ceder os lotes urbanos aos seus ocupantes. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO REQUERIMENTO Identificação do Município e seu Representante Município: Estado: CNPJ: Prefeito: Data da Posse: Identidade: Emissão: / / Órgão: CPF: Endereço: Telefones: Requer: Transferência de área com ocupação urbana consolidada. Transferência de área para fins de expansão urbana. Dados para solicitação de transferência de área com ocupação para fins urbanos consolidada Localização (bairro): Nome da Gleba: Área (m ): População estimada na área: Número de domicílios: Densidade bruta (hab/ha): Existem acessões e benfeitorias federais? Não Sim Quantas: Dados para solicitação de transferência de área para expansão urbana Localização (bairro): Nome da Gleba: Área (m ): Lei do Plano Diretor? Não Sim Número da Lei do Plano Diretor Data de aprovação: Outra Lei de Ordenamento Territorial para a área? Não Sim Se sim, especifique Data de aprovação: Exmo Senhor Secretário-Executivo Adjunto Extraordinário de Regularização Fundiária Na Amazônia Legal, Eu, representante acima identificado, venho requerer em favor deste município, a transferência da área identificada nas peças técnicas anexas, com fundamento na lei de 25 de junho de 2009 e no Decreto de 28 de abril de Nestes termos, peço deferimento. Maio de

7 2. O que fará o Ministério das Cidades? O Ministério das Cidades, por meio da Secretaria Nacional de Programas Urbanos (SNPU), terá várias funções neste processo de doação: 1. Analisar os documentos apresentados pelo município no que diz respeito à comprovação das condições de ocupação das áreas urbanas consolidadas ou, no caso das áreas de expansão urbana, se o ordenamento territorial apresentado atende aos princípios e diretrizes do Estatuto das Cidades; 2. Apoiar os municípios para montagem e instrução dos processos de solicitação de áreas urbanas consolidadas ou de expansão urbana junto ao MDA e na elaboração das plantas e memorial descritivo do perímetro da área a ser pleiteada; 3. Apoiar os municípios na regularização fundiária das áreas urbanas consolidadas, garantindo que as áreas doadas sejam regularizadas, os lotes titulados em nome dos seus moradores e que o processo de regularização seja gratuito nos casos de interesse social; 4. Apoiar os municípios na elaboração de planos diretores que contemplem o ordenamento territorial da área a ser doada, e também na implantação dos instrumentos de gestão urbana e ambiental nas áreas de expansão urbana doadas pelo Incra; 5. Capacitação e mobilização de técnicos locais e representantes de movimentos social. A mobilização, capacitação e assistência técnica aos Municípios serão feitas em parceria com os Governos Estaduais, por meio de Convênios de Cooperação Técnica, sendo que os recursos necessários estão previstos no Orçamento Geral da União. 7

8 3. O que fará a Secretaria do Patrimônio da União? A SPU, por meio da Gerencia Regional do Patrimônio da União (GRPU) do seu Estado, transferirá as áreas urbanas consolidadas ou de expansão urbana para os Municípios, mediante a entrega do título de Concessão de Direito Real de Uso, desde que estejam localizadas parcial ou totalmente em áreas de: Várzeas federais, Terrenos de marinha e marginais de rios federais, ou seus acrescidos, como aterros, Ilhas fluviais ou costeiras federais, Atenção! Áreas urbanas de ocupação consolidada existentes em seu município localizadas em outras áreas da União geridas pela SPU poderão ser doadas. Os imóveis oriundos de órgãos federais extintos, ou do pagamento de dívidas com a União, são exemplos destes casos. O que é CDRU? É um instrumento de regularização das terras da União pelo qual é feita a concessão de uso de terrenos públicos para fins de regularização fundiária. A Concessão de Direito Real de Uso (CDRU) transferida ao Município é gratuita e por tempo indeterminado, mas a Prefeitura terá prazo para transferir os títulos de CDRU aos ocupantes da área urbana. A CDRU garante a segurança da posse dos ocupantes, é registrável em Cartório, transferível após a anuência da GRPU ou por herança, vale como garantia para financiamentos junto às instituições financeiras e pode ser cancelada se for descumprido o contrato. 8

9 Como será a Regularização Fundiária pela SPU? É importante ressaltar que algumas áreas da União serão sempre de sua propriedade, não podem ser doadas ou vendidas, conforme define o artigo 20 de nossa Constituição Federal. Por esta razão elas serão transferidas para a gestão do Município por meio da Concessão de direito real de uso. Isso porque as várzeas amazônicas de rios federais e outras áreas inalienáveis da União são consideradas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do Brasil. São importantes para a preservação do meio ambiente, do patrimônio cultural e da soberania nacional. Não à toa, as várzeas amazônicas são habitadas por diversas comunidades tradicionais que a SPU está regularizando, cumprindo assim a função socioambiental da propriedade da União. Como o Município deve requerer a Regularização à SPU? 1º Passo: O Município deve elaborar a planta e memorial descritivo da área pretendida a ser regularizada, dos quais constem a sua descrição, com o perímetro detalhado da área total, sua localização, a identificação do entorno, com coordenadas georreferenciadas de seus limites. 2º Passo: No caso de áreas urbanas localizadas parcialmente em áreas que não serão doadas, o Município poderá participar de comissão de identificação das áreas que serão transferidas pela SPU e pelo MDA. Para isso é importante que a Prefeitura possa disponibilizar técnicos, da área de demarcação e cadastramento, para compor a comissão. Estes técnicos elaborarão o levantamento topográfico citado no 1º Passo. Esta comissão terá o papel de: Identificar as áreas que poderão ser doadas ou não; Identificar os imóveis destinados ao uso público federal que deverão ser excluídos da Doação ou Concessão. 9

10 Como identificar as áreas que não serão doadas? As áreas da União que serão transferidas por CDRU são identificadas levando em consideração a cheia dos rios federais ou da maré. A calha do rio, o calçadão beirario ou beira-mar, ou, ainda, intervenções urbanísticas existentes nas áreas urbanas ajudam a definir o limite das cheias. As áreas que não podem ser doadas estendem-se até 15 metros da cheia dos rios federais ou 33 metros no caso de áreas com influência de maré. Por esta razão, toda informação cartográfica que o Município ou o Estado tiver sobre a cheia dos rios ajudará a agilizar a regularização. Se a área requerida pelo Município estiver localizada integralmente em áreas de várzeas, aterros ou ilhas federais, o procedimento é mais fácil! Isso porque estas áreas são incontestavelmente da União, não precisando da comissão de identificação. 10

11 4. Existem casos que não haverá a doação das áreas? Sim. E que casos são esses? Se a área requerida estiver ocupada por população indígena, comunidade quilombola ou outra comunidade tradicional, como os ribeirinhos, por exemplo; Quando a área fizer parte de Florestas Públicas ou de Unidades de Conservação; Quando nela se identificarem melhorias naturais (acessões) ou benfeitorias federais;e Quando fizer parte da Administração Militar ou se constituir de interesse público. Nesses casos não serão emitidos Títulos de Doação ou Concessão de Direito Real de Uso. 5. Outras informações sobre o processo de regularização: Quando emitidos os Títulos de Doação ou a Concessão de Direito Real de Uso todos os títulos não definitivos outorgados pelo Incra existentes nas áreas como, por exemplo, a Licença de Ocupação (LO) e Autorização de Ocupação (AO), entre outros, serão automaticamente cancelados total ou parcialmente. As pessoas cujos documentos citados acima foram cancelados poderão: Optar pela aquisição do lote urbano Optar pela indenização das benfeitorias de boa-fé construídas nas áreas que lhe foram retiradas. Atenção: Pedidos de doação que possuem processos abertos junto ao Incra devem se adequar às normas vigentes. É importante procurar o MDA e/ou a GRPU para saber quais os novos documentos que devem ser acrescentados para dar prosseguimento ao processo. 11

12 6. O que deve ser feito pelos municípios após a titulação? Após receberem as áreas por doação ou por outorga de concessão do direito real de uso, os municípios deverão: Regularizar a situação de todos os que estão na área; Indenizar as benfeitorias de boa fé existentes nas áreas que, por algum motivo, não poderão ser regularizadas; e Alienar ou conceder gratuitamente para pessoa natural que tenha ingressado na área antes de 11 de fevereiro de 2009, atendidas as seguintes condições: não possua renda familiar mensal superior a cinco salários mínimos; ocupe área urbana de até mil metros quadrados, sem oposição, por no mínimo, 01 (um) ano ininterruptos; utilize o imóvel como única moradia ou como meio lícito de subsistência, exceto locação ou assemelhado; e não seja proprietário ou possuidor de outro imóvel urbano ou rural acima de quatro módulos fiscais, mediante declaração pessoal, sob pena de responsabilidade; Alienar ou conceder de forma onerosa, precedida de licitação com direito de preferência, das áreas entre m² e m², desde que se comprove a ocupação por um ano ininterrupto, sem oposição, até 10 de fevereiro de Como os órgãos federais podem ajudar as prefeituras nos critérios técnicos? Poderão ser firmados convênios, acordos, ajustes ou qualquer outro instrumento entre a União e órgão ou entidade da administração pública direta ou indireta, entre outros. Por meio dos seguintes instrumentos: Contrato de repasse; Portaria de descentralização; Termo de parceria; Cooperação técnica; e Termo de Cooperação Técnica. 12

13 Para mais informações, entre em contato com: Ministério do Desenvolvimento Agrário MDA Tel.: (61) e (61) Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Programas Urbanos Tel.: (61) , Ministério do Planejamento Secretaria do Patrimônio da União SPU Coordenação Terra Legal: (61) ; Acre: (68) ; Amapá: (96) ; Amazonas: (92) ; Maranhão: (98) ; Mato Grosso: (65) ; Pará: (91) ; Rondônia: (69) ; Roraima: (95) ; Tocantins: (63) ; 13

14 14

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010:

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Extinção de dívidas do contrato Compra do imóvel com base no art. 12 da Lei nº 11.483/2007 Substituição do beneficiário do contrato de compra e venda ou cessão de direitos Emissão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2009. (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, a fim de prever o registro de legitimação de posse e de ocupação urbanas no Registro de Títulos e

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula :

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA. Lei nº. 116/2003. Súmula : ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA GABINETE DA PREFEITA Lei nº. 116/2003 Súmula : Dispõe sobre a autorização ao Poder Executivo Municipal de Colniza MT, em aprovar o Projeto de Desmembramento

Leia mais

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União OFICINA Observatório Litoral Sustentável Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União Cristiane Siggea Benedetto Coordenação Geral de Habitação e Regularização Fundíária Secretaria Nacional

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 436, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2009. II - promover o apoio ao desenvolvimento sustentável das Unidades de Conservação Federais;

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 436, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2009. II - promover o apoio ao desenvolvimento sustentável das Unidades de Conservação Federais; PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 436, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2009 OS MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, Interino, e DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08

LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 LEI MUNICIPAL Nº2.557 0/08 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Caeté, Minas Gerais, aprova: Art. 1º - Fica instituída a Política

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária

Consolidação Territorial de Unidades de Conservação. Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária Consolidação Territorial de Unidades de Conservação Eliani Maciel Lima Coordenadora Geral de Regularização Fundiária CONSOLIDAÇÃO TERRITORIAL Implantação e gestão territorial das UCs REGULARIZAÇÃO DA SITUAÇÃO

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

Informações básicas para Doação a Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente 2014/2015

Informações básicas para Doação a Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente 2014/2015 Informações básicas para Doação a Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente 2014/2015 Antes de enviar um Projeto, saiba que Rio Paranapanema No caso dos Conselhos Municipais dos Direitos

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária

PREFEITURA MUNICIPAL DE AQUIRAZ Secretaria de Finanças e Execução Orçamentária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/ 2013 Dispõe sobre a criação e funcionamento da comissão de avaliação de imóveis para fins de calculo do Imposto sobre transmissão inter-vivos de bens imóveis, e dá outras providências.

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 - O discente ingressante no Curso de Direito da Faculdade Zumbi dos Palmares deverá cumprir obrigatoriamente 240 (duzentas e quarenta) de atividades complementares.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUENTAL (CHECK LIST) CONSTRUÇÃO CIVIL CÓDIGO 10.00 GRUPO/ATIVIDADES CONSTRUÇÃO CIVIL PPD 10.01 Empreendimentos ultifamiliares Sem Infra- Estrutura (Condomínios e Conjuntos Habitacionais); 10.02

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE CÓDIGO 11.00 GRUPO/ATIVIDADES GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE PPD 11.01 Linhas de Distribuição B 11.02 Linhas de Transmissão

Leia mais

Solicitação de transferência do aluno

Solicitação de transferência do aluno Solicitação de transferência do aluno 1 Conteúdo Conteúdo... 2 Introdução... 3 Solicitação de transferência de aluno... 4 Aba Solicitação de Transferência:... 5 Aba Acompanhamento de Solicitações:... 12

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL Nº 030 /2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA O Projeto

Leia mais

Barracões Industriais Orientações aos Municípios

Barracões Industriais Orientações aos Municípios ESTADO DE GOIÁS COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS - GOIASINDUSTRIAL Barracões Industriais Orientações aos Municípios A. O projeto de barracões industriais será cadastrado pelo município no SICONV

Leia mais

1. DO PRAZO E DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA DA PROMOÇÃO

1. DO PRAZO E DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA DA PROMOÇÃO A PANAMERICANA DE SEGUROS S.A. que é subscritora dos Títulos de Capitalização emitidos e administrados pela CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A., inscrita no CNPJ sob o n 11.467.788/0001-67, cuja Nota Técnica e respectiva

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulariza áreas públicas municipais ocupadas para fins de moradia e estabelece diretrizes para concessão de outorga para uso especial e dá outras providências.

Leia mais

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA?

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? 1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? Sim 2. Qual precisão poderemos adotar para o levantamento das coordenadas horizontais e das coordenadas verticais? Submétrica para

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO

ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO ANEXOS AO DECRETO Nº 25.023 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 ANEXO I - DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INGRESSO DO PROCESSO DE ALVARÁ PROVISÓRIO 2.Cópia do contrato de locação do imóvel onde funcionará a atividade,

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO CARREFOUR GARANTIA ESTENDIDA TELEMARKETING

REGULAMENTO PROMOÇÃO CARREFOUR GARANTIA ESTENDIDA TELEMARKETING REGULAMENTO PROMOÇÃO CARREFOUR GARANTIA ESTENDIDA TELEMARKETING Dados da Promotora: Cardif do Brasil Seguros e Garantias S.A. CNPJ: 08.279.191/0001-84 Rua Campos Bicudo, 98 1º ao 7º andar, São Paulo -

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF

Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB. Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável CEDRS-PB Câmara Técnica de Ação Fundiária CTAF Edital de Convocação para Credenciamento de Entidades Prestadoras de Serviços de Medição de Área Perimetral

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013

Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013 Senhor Presidente, Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013 Para os efeitos legais estou submetendo a deliberação dessa Câmara Municipal a seguinte matéria: PROJETO DE LEI EMENTA: AUTORIZA

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DA SECRETARIA DA SAUDE PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente, auxilia na

Leia mais

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Departamento do Patrimônio Genético Secretaria Executiva do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E REMESSA A COMPONENTE

Leia mais

Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO

Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO Atualizado em 22/07/2015 PROCEDIMENTO PARA CADASTRO DE GERADOR DE MATERIAL SECUNDÁRIO CADASTRO DA SOLICITAÇÃO 1. Acessar www.agricultura.gov.br => Serviços e Sistemas => Sistemas => Sistemas Integrado

Leia mais

Processo de Pagamento de solicitações de ingressos para o Público Geral para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

Processo de Pagamento de solicitações de ingressos para o Público Geral para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 1. Quais são os meios de pagamento aceitos? Nas Fases de Vendas nº 1 e nº 2, é possível realizar pagamentos para compra de Ingressos pelos seguintes meios: - Cartão de pagamento - VISA - Outros cartões

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Introdução. Vantagens. Utilização

Introdução. Vantagens. Utilização Introdução O Sistema de Transferência de Propriedade online permite ao Proprietário transferir a Propriedade de um animal de forma alienada ou não, sem a necessidade de encaminhamento da Guia de Transferência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

Projeto de Lei n.º 026/2015

Projeto de Lei n.º 026/2015 [ Página n.º 1 ] DECLARA A ÁREA QUE MENCIONA DO PATRIMÔNIO MUNICIPAL DE ZONA ESPECIAL DE INTERESSE SOCIAL, PARA FINS DE LOTEAMENTO OU DESMEMBRAMENTO E ALIENAÇÃO DE LOTES PARA FAMÍLIAS CARENTES RADICADAS

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ

Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Passo-a-passo para alteração de representante legal no CNPJ Fundamentação legal: A entidade estará obrigada a atualizar no CNPJ qualquer alteração referente aos seus dados cadastrais até o último dia útil

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental O QUE É O Cadastro Ambiental Rural - CAR-PA é um dos instrumentos

Leia mais

Medida Provisória nº 691/2015

Medida Provisória nº 691/2015 Medida Provisória nº 691/2015 Brasília, Setembro/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO GESTÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO APERFEIÇOAMENTO DO MARCO LEGAL- MP 691/2015 Alienação de terrenos em áreas urbanas consolidadas

Leia mais

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial FAQ Perguntas Frequentes versão 19/3/13 Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONE: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO: (

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União

Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Ordenamento da ocupação do espaço litorâneo em áreas da União Seminário Nacional de Gerenciamento Costeiro Brasília, 4 de novembro de 2014 Reinaldo Redorat A área pública não é do Estado e sim, de todos!

Leia mais

Manual do Estagiário

Manual do Estagiário CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA NILO DE STÉFANI - JABOTICABAL Manual do Estagiário CURSO DE TECNOLOGIA EM BIOCOMBUSTÍVEIS 2º Semestre de 2014 Sumário 1 Informações

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AGROPECUÁRIA CÓDIGO 01.00 GRUPO/ATIVIDADES AGROPECUÁRIA PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 01.01 Criação de Animais Sem Abate(avicultura,ovinocaprinocultura,suino M cultura,bovinocultura,escargot, ranicultura)

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

RESOLUÇÃO CZPE N º 2, DE 15 DE MAIO DE 2009.

RESOLUÇÃO CZPE N º 2, DE 15 DE MAIO DE 2009. RESOLUÇÃO CZPE N º 2, DE 15 DE MAIO DE 2009. (DOU nº 93, de 19 de maio de 2009) Estabelece procedimentos para apresentação de Propostas de Criação de Zonas de Processamento de Exportação. O CONSELHO NACIONAL

Leia mais

1 LEI Nº 005/2014 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2014 Autoriza à doação de Cestas Básicas do Programa Cesta Solidária a família de baixa renda e dá outras providências legais que específica. ANDRÉ LUIZ SEVERINO

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) COLETA, TRANSPORTE, ARMAZENAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E PRODUTOS ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 03.00 GRUPO/ATIVIDADES RESÍDUOS SÓLIDOS E PPD Armazenamento Temporário de Resíduos A 03.01 das Classes I Perigoso ou A Serviço de Saúde 03.02 Armazenamento Temporário

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3

PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES Reunião Presencial com Municípios do Grupo 3 PERGUNTAS FREQUENTES 1. Quanto será a contrapartida mínima dos municípios? R: A contrapartida de OGU será zero. 2. Haverá liberação de

Leia mais

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013.

Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013. Instrução Normativa PROEX/IFRS nº 13, de 17 de dezembro de 2013. Estabelece o fluxo e os procedimentos para o registro, a análise e o acompanhamento das ações de extensão do IFRS e dá outras providências.

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Roteiro de orientações para uso do Contas Online

Roteiro de orientações para uso do Contas Online FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro para registro de Prestação de Contas PNAE/2013 no SiGPC Contas Online Atualização: Agosto de 2013 Roteiro de orientações para uso do Contas Online

Leia mais

Orçamento Padrão. Introdução. Objeto

Orçamento Padrão. Introdução. Objeto Introdução Objeto Orçamento Padrão Nossa base de preços foi elaborada considerando o fato de que os pedidos de registros protocolados à partir de 2007 deverão ser analisados em 3-5 anos. A definição do

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-003/SGP Revisão 00 Assunto: Aprovada por: AUXÍLIO MORADIA Portaria nº 2526, de 19 de novembro de 2012, publicada no Boletim de Pessoal e Serviço BPS, v.7, nº 47, de 23 de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO 1 MODELO 01 (matrícula imprópria para o registro de loteamento por ferir o princípio da especialidade subjetiva e objetiva) Obs. Deverá o imóvel estar perfeitamente descrito

Leia mais

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse.

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse. 1- O que é? O IPTU é um tributo que incide sobre a propriedade imobiliária, incluindo todos os tipos de imóveis residências, prédios comerciais e industriais, terrenos e chácaras de recreio. 2- Qual é

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE 2015 PROCESSO DE BAIXA Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte - e-cac) 1 Como visto anteriormente sobre o processo de baixa de empresa, o procedimento inicial diante

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU Perguntas Frequentes Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Sistema de Seleção Unificada - SISU 1 - O que é o Sistema de Seleção Unificada

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1. Aplicação Esta política aplica-se a todos os colaboradores Técnico-administrativos, sejam vínculo CLT ou contrato de estágio. 2. Objetivo Estabelecer critérios

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014

LEI Nº 1.265 DE 25 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a campanha de fiscalização e melhoria da arrecadação de tributos, mediante o sorteio de prêmios e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACOBINA-BA, no uso de suas atribuições

Leia mais

ID Proposta 71. 1. Dados do Município / Distrito Federal. 2.1. Dados gerais / Caracteristicas do terreno. Carta Consulta CIE - Administração

ID Proposta 71. 1. Dados do Município / Distrito Federal. 2.1. Dados gerais / Caracteristicas do terreno. Carta Consulta CIE - Administração ID Proposta 71 1. Dados do Município / Distrito Federal Nome Munic./Distrito: UF: Prefeito: CPF do Prefeito: Endereço Pref.: CEP: Telefones: Prefeitura Municipal de Queimados Rio de Janeiro Max Rodrigues

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO Prezado Cliente, A fim de facilitar seu dia-a-dia a Zitune Empreendimentos Imobiliários, criou o manual do proprietário. Através deste manual você poderá esclarecer suas principais

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais