Para cada programa, por mais simples que seja, comece sempre por esboçar a solução desenhando um fluxograma.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para cada programa, por mais simples que seja, comece sempre por esboçar a solução desenhando um fluxograma."

Transcrição

1 Instruções de Repetição Objetivo A realização deste trabalho deverá permitir ao aluno a familiarização com a utilização de instruções de repetição em C. Para o efeito será proposto um conjunto de exercícios que permitem abordar a utilização de instruções de repetição num leque de situações típicas e que lhe possibilitará: Aprender a sintaxe das instruções de repetição da linguagem C. Aprender como contar e acumular Aprender várias formas de controlo das instruções de repetição Obter alguma experiência na utilização das instruções de repetição em C. Introdução Para escrever cada um dos programas que se seguem deve começar por criar um projeto no Visual Studio. Os projetos devem sempre ser adicionados à solução Programação em C que foi criada no âmbito do LAB2. Criação de Projetos na solução Programação em C 1. Começar por abrir a solução usando um dos seguinte métodos: 1. Fazer duplo clique no ficheiro da solução localizado na pasta com o mesmo nome. 2. Escolher File Open Project/Solution e selecionar o ficheiro da solução. 2. Adicionar um novo projeto à solução escolhendo File Add N ew Project Recorde que em cada projeto deve definir a constante _CRT_SECURE_NO_WARNINGS para evitar a ocorrência de avisos indesejados durante a compilação dos programas. Definição da constante _CRT_SECURE_NO_WARNINGS em cada projeto 1. Com o botão da direito do rato clicar no nome do projeto 2. Escolher a opção Properties 3. Selecionar Configuration Properties C/C+ + Preprocessor 4. Na linha Preprocessor Definitions, do lado direito, acrescentar: ;_CRT_SECURE_NO_WARNINGS (note a presença do ';') 5. Fazer OK Para cada programa, por mais simples que seja, comece sempre por esboçar a solução desenhando um fluxograma. Exercício 1 Contar e Acumular Duas tarefas bastante comuns nos programas consistem em contar e acumular itens. Neste caso o número de vezes que se pretende realizar a repetição é conhecido, pelo que a instrução de repetição utilizada é tipicamente controlada por um contador. Na implementação deste tipo de repetição deve ter em atenção os seguintes pontos: 1. Deve declarar (anunciar a existência) e definir (dar um valor inicial) a variável a utilizar como contador na repetição, antes de a começar a executar. 2. Deve declarar e definir a variável a utilizar como acumulador antes de entrar na repetição. 3. Deve utilizar o contador na condição da repetição de forma a que esta execute o número de vezes pretendido. 4. Deve incluir no corpo da repetição a instrução que realiza a acumulação desejada. 5. Deve incluir no corpo da repetição uma instrução que incremente ou decremente (conforme faça sentido) a variável utilizada como contador. 1º Semestre 2016/2017 Carlos Limão 1/5

2 Números Triangulares n A sequência T n = i i=1, em que n é um número inteiro positivo, gera uma sequência de números inteiros designados por números triangulares. A figura seguinte ilustra os 4 primeiros números triangulares mostrando a razão do seu nome. T 1 = 1 T 2 = 3 T 3 = 6 T 4 = 10 Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.1 e escreva um programa (triangular.c) que solicite um inteiro n ao utilizador, calcule utilizando uma instrução for, e escreva no ecrã o valor T n. Note que não precisa de desenhar os pontos que são usados atrás apenas como ilustração. Nota: Certifique-se que consegue escrever o mesmo programa usando uma instrução while. Exercício 2 Repetição controlada por uma sentinela As repetições podem também ser controladas por uma determinada condição, tipicamente em situações em que não conhecemos à partida o número de vezes que a repetição será realizada. Neste caso, a instrução de repetição é controlada por uma expressão lógica que utiliza um valor particular (sentinela) para sinalizar a terminação da repetição. Este tipo de repetição é útil, por exemplo, na leitura sucessiva de valores introduzidos pelo utilizador até que este indique que quer terminar a introdução de valores digitando um determinado valor (sentinela). Na implementação deste tipo de repetição deve ter em atenção os seguintes pontos: 1. Garantir que a variável utilizada na condição da instrução de repetição contém um valor inicial adequado que garanta a entrada na instrução de repetição. 2. Garantir que a variável utilizada na condição da instrução de repetição é atualizada no corpo da repetição, para garantir que esta eventualmente termina. 3. Escolher para sentinela um valor adequado que possa eventualmente ser atribuído à variável utilizada na condição da instrução de repetição e que garanta, portanto, a sua eventual terminação. Este tipo de repetição pode ser representado, usando um fluxograma, da seguinte forma: Ler Valor Inicial Valor!= SENTINELA? N S Ler Valor Seguinte Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.2 e escreva, recorrendo a uma instrução while controlada por uma sentinela, um programa (maior.c) que calcule o maior dos inteiros positivos fornecidos pelo utilizador. Note que não é conhecida à partida a quantidade de inteiros a ler, pelo que o utilizador sinalizará o facto de querer terminar introduzindo o valor -1 (valor sentinela). 1º Semestre 2016/2017 Carlos Limão 2/5

3 De seguida ilustra-se um exemplo de execução do programa. A vermelho estão as escolhas do utilizador. Calculo do maior inteiro positivo Introduza inteiro (-1 para terminar): 33 Introduza inteiro (-1 para terminar): 44 Introduza inteiro (-1 para terminar): 27 Introduza inteiro (-1 para terminar): 87 Introduza inteiro (-1 para terminar): 45 Introduza inteiro (-1 para terminar): 76 Introduza inteiro (-1 para terminar): 32 Introduza inteiro (-1 para terminar): 54 Introduza inteiro (-1 para terminar): 36 Introduza inteiro (-1 para terminar): 39 Introduza inteiro (-1 para terminar): -1 O maior inteiro introduzido foi: 87 Exercício 3 Repetição com teste no fim Nos exemplos anteriores, as repetições utilizadas realizam sempre a avaliação da condição que quando verdadeira determina a execução das instruções a repetir, antes destas executarem. Diz-se que essas repetições fazem o teste à cabeça. Neste tipo de repetições, as instruções a repetir são realizadas, no mínimo, zero vezes. Isto é, se o teste é falso logo na primeira avaliação, as instruções nunca chegam a ser executadas. A linguagem C permite, no entanto, a realização de repetições em que o teste é realizado no fim. Neste tipo de repetições, as instruções a repetir são sempre realizadas pelo menos uma vez. Este tipo de repetição pode ser representado usando o fluxograma seguinte: Acção Condição Verdadeira? N S Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.3 e escreva, recorrendo a uma instrução de repetição do while, um programa (intervalo.c) que solicite ao utilizador um inteiro entre 100 e 200 (inclusive) e o escreva no ecrã. O programa apenas deve escrever no ecrã o valor lido se este estiver no intervalo indicado. Caso contrário, deverá repetir o pedido ao utilizador, até que este lhe forneça um valor válido. Nota: Como é evidente, na interação com o utilizador, o programa deverá indicar claramente qual o intervalo onde pretende o número. Exercício 4 Tabuada de multiplicação Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.4 e escreva um programa (tabuada.c) que solicite ao utilizador um inteiro entre 2 e 10 (inclusive) e mostre no ecrã a correspondente tabuada de multiplicação. De seguida ilustra-se o comportamento do programa quando o valor introduzido é 3: 1º Semestre 2016/2017 Carlos Limão 3/5

4 Tabuada de multiplicacao Qual o inteiro do qual quer a tabuada: 3 3 x 1 = 3 3 x 2 = 6 3 x 3 = 9 3 x 4 = 12 3 x 5 = 15 3 x 6 = 18 3 x 7 = 21 3 x 8 = 24 3 x 9 = 27 3 x 10 = 30 Exercício 5 Números quadrados e triangulares Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.5 e escreva um programa (triqua.c) que solicite um número inteiro ao utilizador e desenhe no ecrã um quadrado e um triângulo retângulo, com asteriscos, que tenham esse número de asteriscos de lado. De seguida ilustra-se o comportamento do programa quando o valor introduzido é 5: Números quadrados e triangulares Introduza um inteiro: 5 * ** *** **** * Exercício 6 Adivinhar Número Adicione à solução um novo projeto chamado Lab5.6 e escreva um programa (adivinha.c) que adivinhe um número escolhido pelo utilizador (na gama de 1 a 1000) no máximo de 10 tentativas. Por cada tentativa feita pelo programa o utilizador deverá responder indicando se o número a adivinhar é maior (+), menor (-), ou se o computador adivinhou (=). Nota: A forma mais eficiente de adivinhar o número consiste em adotar uma estratégia que não dependa da sorte. Para garantir que em cada escolha eliminamos a maior quantidade de números possível, devemos escolher o valor médio do intervalo, o que torna possível eliminar sempre metade dos números ainda possíveis. Notas Auxiliares Recorde que, tal como aprendeu na aula teórica, quando utilizar uma instrução de repetição deve ser capaz de responder claramente às seguintes questões: Qual é a expressão (lógica) de teste a utilizar? O que precisa de ser atualizado no corpo da repetição? O que precisa de ser inicializado antes da repetição? Quais as instruções a repetir? Qual a condição de terminação (o que se sabe quando a repetição termina)? 1º Semestre 2016/2017 Carlos Limão 4/5

5 Metodologia de Desenvolvimento Como metodologia de desenvolvimento, deve seguir a abordagem sugerida nas aulas desde o início do semestre, começando por conceber um algoritmo para a resolução do problema, expressando-o em pseudo-código e/ou na forma de um fluxograma, certificando-se em seguida de que o algoritmo está correto executando-o manualmente, e finalmente traduzindo-o para C. Quanto ao programa em C, deve também utilizar uma metodologia de desenvolvimento incremental, ou seja, deve começar por implementar um conjunto mínimo da funcionalidade pedida e ir sucessivamente acrescentando mais detalhes, verificando sucessivamente que em cada etapa o seu programa funciona corretamente, até chegar ao resultado final pretendido. Teste Lembre-se que deve testar os seus programas com um conjunto de dados de teste suficiente para que possa certificar-se que estes funcionam corretamente. Documentação e outros requisitos Para além de produzir os resultados corretos, o trabalho a apresentar deverá respeitar as normas para a apresentação de trabalhos (ver documento no site da cadeira). Em particular, deve cumprir os seguintes requisitos: Possuir um cabeçalho que identifique claramente os autores, a cadeira, o trabalho e uma breve descrição do que faz o programa. Possuir um breve comentário que descreva o objetivo de cada variável e constante utilizados no programa. Possuir comentários a descrever o que fazem as diferentes instruções do seu programa, caso a sua utilidade não seja óbvia. Utilizar identificadores descritivos para os nomes das variáveis e constantes. Utilizar constantes com nome em vez de números mágicos sempre que apropriado. Utilizar indentação a 2 espaços. Não utilizar TABs. Entrega do Trabalho O trabalho deverá ser entregue até às 24:00 de domingo da semana em que é realizado, anexando os ficheiros C (triangular.c, maior.c, intervalo.c, tabuada.c, triqua.c e adivinha.c) a uma mensagem destinada ao endereço indicado pelo professor com o assunto PCLAB5. 1º Semestre 2016/2017 Carlos Limão 5/5

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa

Desenvolvimento de programas. Análise do problema. Análise do problema. Análise do problema. Desenvolvimento do algoritmo. Codificação do programa Desenvolvimento de programas 1 Análise do problema Desenvolvimento do algoritmo Codificação do programa Compilação e execução Teste e depuração Análise do problema 2 Conhecer exatamente o que o problema

Leia mais

Programação. Folha Prática 5. Lab. 5. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 5. Lab. 5. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 5 Lab. 5 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved. 1. Revisão. 2. Objectivos. 3. Exercícios LAB. 5 5ª semana ESTRUTURAS

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 AULA 15 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 15.1 O comando enquanto-faca- Considere o problema de escrever um algoritmo para ler um número inteiro positivo, n, e escrever todos os números inteiros de 1 a

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Program João Manuel R. S. Tavares Sumário 1. Ciclo de desenvolvimento de um programa; 2. Descrição de algoritmos; 3. Desenvolvimento modular de programas; 4. Estruturas de controlo de um programa.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2006/2007

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2006/2007 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (ENG. INFORMÁTICA) COMPUTADORES E PROGRAMAÇÃO I (ENG. ELECTROTÉCNICA) 2006/2007 TRABALHO PRÁTICO Nº

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Algoritmos

Introdução à Programação 2006/07. Algoritmos Introdução à Programação 2006/07 Algoritmos Objectivos da Aula Algoritmos e suas características Técnicas de Descrição de Algoritmos Linguagem Natural Pseudocódigo Fluxogramas Especificação do problema

Leia mais

Exercícios Repetição. 8.3 Exercícios

Exercícios Repetição. 8.3 Exercícios Curso de Graduação em Ciência da Computação Disciplina: Algoritmos Professor: Marcelo Cendron Exercícios Repetição 8.3 Exercícios 1. Faça um programa utilizando o comando while, que fica lendo números

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 05 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 05 Disciplina: Linguagem

Leia mais

Exercícios Repetição

Exercícios Repetição Curso de Engenharia de Controle e Automação Disciplina: Informática para a Automação Professor: Marcelo Cendron Exercícios Repetição 1.1 8.3 Exercícios 1. Faça um programa utilizando o comando while, que

Leia mais

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO.

69) Acrescentar uma mensagem de VALOR INVÁLIDO no exercício [68], caso o segundo valor informado seja ZERO. Exercícios 65 ao 72 - Estrutura de Repetição: Enquanto 65) Escreva um algoritmo para ler um valor entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive). Se o valor lido não estiver entre 1 (inclusive) e 10 (inclusive),

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Linguagem C: estruturas de repetição While / Do While / For Prof. Renato Pimentel 1 Estruturas de repetição O real poder dos computadores está

Leia mais

Programação. Folha Prática 5. Lab. 5. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 5. Lab. 5. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 5 Lab. 5 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. 1. Revisão. 2. Objectivos. 3. Exercícios LAB. 5 5ª semana

Leia mais

LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO

LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO LINGUAGEM C: COMANDOS DE REPETIÇÃO Prof. André Backes ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Uma estrutura de repetição permite que uma sequência de comandos seja executada repetidamente, enquanto determinadas condições

Leia mais

Procedimento. Função. Selecção Condicional - a instrução if-then-else. expressão if lógica then instrução else instrução

Procedimento. Função. Selecção Condicional - a instrução if-then-else. expressão if lógica then instrução else instrução Métodos de Programação I 2. 20 2.2.8 ESTRUTURAS DE CONTROLO Estruturas de controlo são instruções especiais em Pascal que permitem controlar o fluxo de sequência de instruções, alterando a ordem sequencial

Leia mais

RESOLUÇÃO. Computação e Programação (2009/2010-1º Semestre) 1º Teste (11/11/2009) Nome. Número. Leia com atenção os pontos que se seguem:

RESOLUÇÃO. Computação e Programação (2009/2010-1º Semestre) 1º Teste (11/11/2009) Nome. Número. Leia com atenção os pontos que se seguem: Computação e Programação (2009/2010-1º Semestre) 1º Teste MEMec - LEAN (11/11/2009) DURAÇÃO: 1h30m RESOLUÇÃO Leia com atenção os pontos que se seguem: Comece por escrever o seu nome e número nesta folha,

Leia mais

Programação 2010/2011 MEEC

Programação 2010/2011 MEEC Programação 2010/2011 MEEC Code::Blocks Criação de projectos O Code::Blocks é um IDE (ambiente de desenvolvimemnto integrado) que permite a escrita do codigo, compilação, correcção de erros e depuração

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 1º semestre Trabalho nº 5 Funções http://tele1.dee.fct.unl.pt/pm

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Hugo de Oliveira Barbalho hbarbalho@ic.uff.br Material produzido pelo professor: Leandro Augusto Frata Fernandes

Leia mais

Programação de Computadores:

Programação de Computadores: Instituto de C Programação de Computadores: Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Roteiro

Leia mais

Exame de 1ª Época Introdução à Programação IGE e ETI 2003/02/25-1º semestre de 2002/2003 ISCTE

Exame de 1ª Época Introdução à Programação IGE e ETI 2003/02/25-1º semestre de 2002/2003 ISCTE Recibo do Exame de 1ª Época de Introdução à Programação (IGE e ETI), 2003/02/25 1º semestre de 2002/2003, ISCTE Nome do aluno:... Número do aluno:... Assinatura do docente:... Notas: Exame de 1ª Época

Leia mais

5 Dicas para manter o seu Outlook organizado

5 Dicas para manter o seu Outlook organizado 5 Dicas para manter o seu Outlook organizado Date : 9 de Outubro de 2014 Por Hugo Sousa para PPLWARE.COM O Microsoft Outlook é utilizado por uma legião de pessoas em todo o mundo, sendo esta uma ferramenta

Leia mais

Programação. Folha Prática 6. Lab. 6. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 6. Lab. 6. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 6 Lab. 6 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved. 1. Revisão. 2. Objectivos. 3. Exercícios LAB. 6 6ª semana SUBPROGRAMAS

Leia mais

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS 782 - Programação em C/C++ - estrutura básica e conceitos fundamentais Linguagens de programação Linguagem de programação são conjuntos de palavras formais, utilizadas na escrita de programas, para enunciar

Leia mais

Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente.

Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente. Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente. Com base numa condição Estruturas de decisão ou selecção Com base num selector ou de escolha múltipla Com contador

Leia mais

CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO CAPÍTULO 5 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Fabio Augusto Oliveira Guilherme da Cunha Fonseca FEPI Centro Universitário de Itajubá Curso de Engenharia de Produção 1 INTRODUÇÃO Em vários momentos, na programação,

Leia mais

Aula 10: Introdução a Vetores e Matrizes

Aula 10: Introdução a Vetores e Matrizes Aula 10: Introdução a Vetores e Matrizes Fernanda Passos Universidade Federal Fluminense Programação de Computadores IV Fernanda Passos (UFF) Vetores e Matrizes Programação de Computadores IV 1 / 50 Agenda

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Pseudocódigo e Estruturas Básicas de Controle Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Linguagem e Ambiente Scratch. Introdução à Laboratório Prof.Alfredo Parteli Gomes

Linguagem e Ambiente Scratch. Introdução à Laboratório Prof.Alfredo Parteli Gomes Linguagem e Ambiente Scratch Introdução à Laboratório Prof.Alfredo Parteli Gomes Scratch Linguagem de programação que visa facilitar a criação de histórias interativas, jogos e animações Informações e

Leia mais

Este conceito é bastante simples e será útil e conveniente nos itens seguintes, na definição das estruturas básicas de controle de execução.

Este conceito é bastante simples e será útil e conveniente nos itens seguintes, na definição das estruturas básicas de controle de execução. Capítulo 7 Controle de Fluxo de Execução Até o momento os algoritmos estudados utilizam apenas instruções primitivas de atribuição, e de entrada e saída de dados. Qualquer conjunto de dados fornecido a

Leia mais

Gestão de Base de dados Formulários

Gestão de Base de dados Formulários Gestão de Base de dados Formulários Ano Letivo 2014/2015 Professora: Vanda Pereira Formulários Os Formulários constituem uma outra forma de visualizar os dados armazenados nas tabela ou disponibilizados

Leia mais

IDES E PROGRAMAÇÃO. Prof. Dr. Cláudio Fabiano Motta Toledo PAE: Maurício A Dias

IDES E PROGRAMAÇÃO. Prof. Dr. Cláudio Fabiano Motta Toledo PAE: Maurício A Dias 1 IDES E PROGRAMAÇÃO Prof. Dr. Cláudio Fabiano Motta Toledo PAE: Maurício A Dias {claudio,macdias}@icmc.usp.br 2 Agenda Conceitos Instalação e Configuração Compilação e Execução de Código IDEs Exemplo

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução As estruturas de repetição, permitem executar mais de uma vez um mesmo trecho de código. Trata-se de uma forma de executar blocos de comandos somente sob determinadas

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO Material produzido por professores da UFABC Objetivos Reconhecer a necessidade do uso de estruturas de repetição Aprender a sintaxe da Estrutura de Repetição ENQUANTO-FAÇA

Leia mais

Aulas Anteriores. Detalhes da linguagem de programação

Aulas Anteriores. Detalhes da linguagem de programação Aulas Anteriores Detalhes da linguagem de programação Elementos básicos (identificadores, constantes, símbolos gráficos) Estrutura básica de um programa (cabeçalho, parte declarativa, parte de execução)

Leia mais

Guia e Utilização do Visual Studio.NET 2003

Guia e Utilização do Visual Studio.NET 2003 Guia e Utilização do Visual Studio.NET 2003 Objectivo Este guia acompanha-o através do processo de criação de uma aplicação C++ utilizando o ambiente de desenvolvimento Visual Studio.NET 2003. Passo 1:

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de PI Objetivos Reconhecer a necessidade do uso de estruturas de repetição Aprender a

Leia mais

Catálogo BloguesEDU Apoio técnico

Catálogo BloguesEDU Apoio técnico Apoio técnico Tutorial Blogs do Sapo Este tutorial pretende apoiar o processo de construção e personalização de um blogue com a ferramenta Blogs Sapo (http://blogs.sapo.pt/) Depois de aceder a http://blogs.sapo.pt/,

Leia mais

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA

Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA Estruturas de Repetição Parte I ENQUANTO-FAÇA Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Reconhecer a necessidade do uso de estruturas de repetição Aprender a sintaxe

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Procedimentos para instalar e aceder a um programa Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Windows Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer os procedimentos associados

Leia mais

Resolução De Problemas Em Informática. Docente: Ana Paula Afonso Resolução de Problemas. 1. Analisar o problema

Resolução De Problemas Em Informática. Docente: Ana Paula Afonso Resolução de Problemas. 1. Analisar o problema ALGORITMIA Resolução De Problemas Em Informática Docente: Ana Paula Afonso 2000-2001 Resolução de Problemas 1. Analisar o problema Conhecer o bem o problema Descrever o problema: subdividir, detalhar 2.

Leia mais

Ambiente de programação

Ambiente de programação EXPLORANDO O O que é o SCRATCH? O software Scratch é um ambiente para a criação de jogos, histórias e animações, usando raciocínio lógico. A partir desta ferramenta é possível exercitar conceitos de lógica

Leia mais

Instruções de repetição

Instruções de repetição Folha Prática Instruções de repetição 1 Instruções de repetição Repetição (e componentes associadas a qualquer repetição: inicialização, teste da condição de paragem e actualização) Repetição com teste

Leia mais

Computação e Programação

Computação e Programação Computação e Programação MEMec, LEAN - 1º Semestre 2015-2016 Aula Teórica 10 Exemplo de desenvolvimento de Programa Modular: Máquina de venda de bilhetes D.E.M. Área Científica de Controlo Automação e

Leia mais

ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PRÉ AULA DIAGNÓSTICO 22/10/2015. Analise o algoritmo a seguir e depois assinale a alternativa correspondente:

ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PRÉ AULA DIAGNÓSTICO 22/10/2015. Analise o algoritmo a seguir e depois assinale a alternativa correspondente: ALGORITMOS E LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com PRÉ AULA Julgue as afirmações enumeradas a seguir em verdadeiras (V) ou falsas

Leia mais

FORCE. João Manuel R. S. Tavares

FORCE. João Manuel R. S. Tavares FORCE Editor e Compilador de FORTRAN: Apresentação João Manuel R. S. Tavares Apresentação O FORCE é um sistema de desenvolvimento de programas em FORTRAN, de domínio público, que inclui um editor e ferramentas

Leia mais

Microsoft Outlook Versão Provisória

Microsoft Outlook Versão Provisória Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Outlook 2003 Versão Provisória Introdução Introdução O Microsoft Outlook

Leia mais

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio

Criar um recurso para QIM com ActivInspire - Studio Como criar um recurso com o Software ActivInspire Studio Depois de abrir o Software ActivInspire deve criar uma nova página, ficheiro Novo e de seguida escolher o formato desejado. Nota: De forma a este

Leia mais

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah,

A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al. Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, A palavra ALGORITMO teve origem com um Matemático Persa, al Khawarizmi. O seu trabalho mais famoso foi Al-jabr walmuquabalah, ou a ciência das Equações que, em última análise suscitaram o desenvolvimento

Leia mais

Objectivos. Programação I (2010/2011) 2 o Trabalho de Programação

Objectivos. Programação I (2010/2011) 2 o Trabalho de Programação Programação I (2010/2011) 2 o Trabalho de Programação Introdução As progressões aritméticas e geométricas são exemplos de sucessões numéricas onde o elemento n + 1 depende do elemento n e de uma constante.

Leia mais

Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas

Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas Estrutura de um Algoritmo, Variáveis, Comandos de Entrada e Saída e Expressões Aritméticas Estrutura de um Programa em Linguagem Algorítmica Nesse curso nós vamos utilizar a linguagem algorítmica para

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Edirlei Soares de Lima Introdução a Computação Aula 02 Lógica de Programação Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para atingir

Leia mais

Compilador de LP3 para C3E e P3

Compilador de LP3 para C3E e P3 Compilador de LP3 para C3E e P3 Luís Gil 1 13 de Junho de 2005 1 estudante de Ciências Informáticas no Instituto Superior Técnico 1 Introdução Este relatório descreve a sintaxe e a semântica da Linguagem

Leia mais

Projecto # 4: HangMan

Projecto # 4: HangMan Projecto # 4: HangMan Entrega: 17 de Junho as 23:59 Para este problema sua missão é escrever um programa que implementa o jogo Hangman. Deve-se ter em conta dois objectivos. Primeiro, o programa é desenhado

Leia mais

Explorador do Windows (manipulação de ficheiros)

Explorador do Windows (manipulação de ficheiros) Vamos começar a explorar o Sistema Operativo Windows 7. Após ligar o Computador e o Sistema Operativo terminar de carregar aparecerá no ecrã uma área de trabalho semelhante à seguinte. Explorador do Windows

Leia mais

Programação de Computadores Profa Jacqueline 1

Programação de Computadores Profa Jacqueline 1 Programação de Computadores Profa Jacqueline 1 REVISÃO Construção de Algoritmos Estruturas de Controle Objetivo: Abordar as técnicas para entrada e saída de dados e as estruturas para controle do fluxo

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Autenticação na plataforma AcinGov

MANUAL DE APOIO. Autenticação na plataforma AcinGov MANUAL DE APOIO Autenticação na plataforma AcinGov 1 ÍNDICE 2 Autenticação na plataforma... 3 2.1 Autenticação via certificado... 3 2.2 Autenticação via cartão de cidadão... 3 3 Autenticação via certificado...

Leia mais

tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo;

tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo; Métodos de Programação I Departamento de Matemática, FCTUC 38 type var tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo;

Leia mais

Manual do Utilizador do Connection Manager

Manual do Utilizador do Connection Manager Manual do Utilizador do Connection Manager Edição 1.0 2 Índice Sobre a aplicação Gestor de ligações 3 Actualizar a aplicação Gestor de ligações 9 Resolução de problemas de ligação 10 Como começar 3 Abrir

Leia mais

Aula 3 Primeiros programas

Aula 3 Primeiros programas Aula 3 Primeiros programas FACOM-UFMS 2012 OBJETIVOS DA AULA Introdução ao CodeBlocks; Criação dos primeiros programas; Esta aula foi baseada nos capítulos 3 e 4 da apostila de Programação de Computadores

Leia mais

Tecnologias da informação e comunicação

Tecnologias da informação e comunicação TIC Excel Tecnologias da informação e comunicação Módulo n.º 1 (32 horas) Folha de cálculo MS Excel Módulo n.º 2 (32 horas) Gestão de bases de dados MS Access Módulo n.º 3 (36 horas) Páginas web Avaliação

Leia mais

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1

Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação. Lista de Exercícios 1 Faculdade Anglo-Americano Curso de Ciência da Computação Linguagem de Programação Lista de Exercícios 1 1. O programa seguinte tem vários erros em tempo de compilação. Encontre-os. Main() int a=1; b=2,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Estruturas de repetição. Prof. Alex Camargo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Estruturas de repetição. Prof. Alex Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO Estruturas de repetição Prof. Alex Camargo alexcamargoweb@gmail.com Estruturas de repetição As estruturas de repetição provém uma maneira

Leia mais

Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como

Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como Vamos estudar o que se entende por «programação», que é uma linguagem de programação e ver algumas terminologias própria de programação e como utilizá-la. 1 Por si só, uma equipe não é muito inteligente.

Leia mais

Instruções de repetição

Instruções de repetição Instruções de repetição Estruturas de controlo na linguagem C Repetição (e componentes associadas a qualquer repetição: inicialização, teste da condição de paragem e actualização) Repetição com teste à

Leia mais

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER

Biblioteca Escolar António Bento Franco MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER MANUAL DE UTILIZADOR WINDOWS LIVE MOVIE MAKER Criar o vídeo - início Para iniciar a criação de um filme, devemos em primeiro lugar criar uma pasta, onde colocaremos todos os objetos que pretendemos inserir

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Fundamentos de Programação Trabalho para casa 22 de Setembro de 2008 Este trabalho corresponde à instalação, no seu computador, do interpretador

Leia mais

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Plataforma Office 365. Gestão de alertas para correio eletrónico

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Plataforma Office 365. Gestão de alertas para correio eletrónico SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L Plataforma Office 365 Gestão de alertas para correio eletrónico Conteúdo Gestão de alertas para correio eletrónico... 2 Criar um novo alerta... 2 Modificar as opções de um

Leia mais

Introdução à Algoritmos INF 1005 e INF Programação I

Introdução à Algoritmos INF 1005 e INF Programação I Introdução à Algoritmos INF 1005 e INF1004 - Programação I Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática 1 Algoritmo: Conceito Sequência finita e não ambígua de passos para a solução de

Leia mais

FERRAMENTA DE COMPRESSÃO E CIFRAGEM

FERRAMENTA DE COMPRESSÃO E CIFRAGEM Programa de COMPRESSÃO E CIFRAGEM SECRETZIP (apenas para Windows) O programa está incluído na unidade Flash USB. Consulte o manual na unidade Flash USB ou visite www.integralmemory.com para transferir

Leia mais

Engenharia de Software 2006/2007

Engenharia de Software 2006/2007 Instituto Superior Técnico Engenharia de Software 2006/2007 Segundo Teste (perguntas 5-10, 70 minutos) Primeiro Exame (perguntas 1-10, 120 minutos) 29/6/2007 Nome: Número: Escreva o seu número em todas

Leia mais

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro.

Ficheiros de texto 1. Ficheiros de texto. 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. Ficheiros de texto 1 Ficheiros de texto 1. Implementar um programa que leia uma frase do teclado e a escreva num ficheiro. 2. Implementar um programa que procure num ficheiro uma palavra lida do teclado.

Leia mais

REVISÕES DA SESSÃO ANTERIOR

REVISÕES DA SESSÃO ANTERIOR REVISÕES DA SESSÃO ANTERIOR Fluxogramas Um fluxograma é uma forma padronizada e eficaz para representar os passos lógicos de um determinado processamento. Com os fluxogramas podemos definir uma sequência

Leia mais

CEFAPA Aplicação Informática

CEFAPA Aplicação Informática CEFAPA Aplicação Informática Guia do Utilizador versão do documento: 1.1 Índice Entrar no sistema... 2 Perfil do Utilizador... 3 Lista de Formadores... 4 Pesquisa de Formadores... 4 Criar Nova Ficha do

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - ro. 02

LISTA DE EXERCÍCIOS - ro. 02 USP ICMC SSC SSC0100 - Introdução à Ciência da Computação I (Prática) Professor responsável: Fernando Santos Osório Semestre: 2009/1 Horário: Terça 14h20 (Turma A2) E-mail: fosorio.at. icmc.usp.br fosorio.at.

Leia mais

A resposta apresentada em aula, no quadro, (em Chapin e/ou Português Estruturado) está correta?

A resposta apresentada em aula, no quadro, (em Chapin e/ou Português Estruturado) está correta? 23 Algoritmos com Repetição Nos exemplos e exercícios vistos até agora, sempre foi possível resolver os problemas com uma sequência de instruções que eram executadas apenas uma vez. Existem três estruturas

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) Estruturas Condicionais e de Repetição 1 Comando while Deseja-se calcular o valor de: 1 + 2 + 3 +... + N. Observação: não sabemos, a priori, quantos termos

Leia mais

Programação de Computadores ( ) Sexta folha de Problemas

Programação de Computadores ( ) Sexta folha de Problemas Programação de Computadores (2013-2014) Sexta folha de Problemas Matéria abordada: funções (passagem de parâmetros por valor), alcance das variáveis, ciclos (while, do while, for), switch; gama dos números

Leia mais

mail.pt correio electrónico... abrir o programa pag.. 14 registo de um endereço pag.. 8 e 9 caixa de correio...

mail.pt  correio electrónico... abrir o programa pag.. 14 registo de um endereço pag.. 8 e 9 caixa de correio... mail.pt 1 http://www.uarte.mct. correio electrónico...... pag.. 2 abrir o programa...... pag.. 3 registo de um endereço...... pag.. 4 a 7 caixa de correio...... pag.. 8 e 9 escrever e enviar uma mensagem...

Leia mais

Simulação de Caixa Automático

Simulação de Caixa Automático Programação Funcional UFOP DECOM 2014.1 Trabalho 1 Simulação de Caixa Automático Sumário Resumo Com esta atividade pretende-se explorar a construção de programas interativos usando ações de entrada e saída

Leia mais

Programas Interativos

Programas Interativos Programação Funcional DECOM UFOP 2012-1 Aula prática Capítulo 8 Prof. José Romildo Malaquias Programas Interativos Resumo Nesta aula pretende-se explorar construção de programas interativos usando ações

Leia mais

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves

Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Gestão de Base de dados Tabelas e Chaves Ano Letivo 2014/2015 Professora: Vanda Pereira Criar tabelas Considerações importantes: Os nomes das tabelas deverão ter por base as entidades que representam.

Leia mais

BLOCO 1 Algoritmia - PL2

BLOCO 1 Algoritmia - PL2 ASSUNTO - Algoritmia OBJETIVOS GERAIS: Analisar e conceber algoritmos para resolução computacional de problemas OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA 1ª SEMANA: Compreender e utilizar o conceito algoritmo e variável

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Estruturas de repetição

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Estruturas de repetição Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Estruturas de repetição Prof. Renato Pimentel 1 Estruturas de repetição Utilização: Trecho de um algoritmo precisa ser executado mais de uma vez:

Leia mais

Fundamentos da Programação. Ano lectivo , 2 o Semestre Projecto Primeira Parte 1. Nim

Fundamentos da Programação. Ano lectivo , 2 o Semestre Projecto Primeira Parte 1. Nim Fundamentos da Programação Ano lectivo 2013-14, 2 o Semestre Projecto Primeira Parte 1 Nim Nim é um jogo de estratégia matemática, que pode ser jogado casualmente usando um conjunto de objectos dispostos

Leia mais

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA LEITURA DE CARTÕES

MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA LEITURA DE CARTÕES ÁREA RESERVADA A PRESTADORES MANUAL DE ATUALIZAÇÃO DE SOFTWARE PARA 26 de Maio de 2015 1269-152 Lisboa - Portugal Capital Social 27 000 000 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 3 3. PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Fundamentos de programação

Fundamentos de programação Fundamentos de programação Iteração O Comando While / do while Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Comandos de repetição Garante a repetição de um trecho de código Evita

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3 AULA 17 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 3 17.1 O cálculo da média aritmética Considere o seguinte problema: dados um número inteiro positivo, n, e uma seqüência, x 1, x 2,..., x n, com n números reais,

Leia mais

Introdução aos Algoritmos

Introdução aos Algoritmos Introdução aos Algoritmos Aula 05 Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa http://www2.ufersa.edu.br/portal/professor/diogopedrosa diogopedrosa@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semiárido Bacharelado

Leia mais

Visual Basic. V - Repetição. CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador João Manuel R. S. Tavares

Visual Basic. V - Repetição. CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador João Manuel R. S. Tavares Visual Basic V - Repetição CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador João Manuel R. S. Tavares Sumário 1) Estruturas de repetição (ciclo); 2) Elementos de uma estrutura de repetição; 3) Processar

Leia mais

Criar e Apresentar Apresentações

Criar e Apresentar Apresentações Criar e Apresentar Apresentações Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática 1 Transição dos Slides Podem ser usadas várias

Leia mais

Introdução ao SciLab. SciLab O que é? Onde obter o programa:

Introdução ao SciLab. SciLab O que é? Onde obter o programa: Introdução ao SciLab SciLab O que é? SciLab é uma plataforma interativa para computação numérica composta de uma rica coleção de algoritmos numéricos e de uma linguagem de programação associada. CN04 2010

Leia mais

CONCEITOS DE ALGORITMOS

CONCEITOS DE ALGORITMOS CONCEITOS DE ALGORITMOS Fundamentos da Programação de Computadores - 3ª Ed. 2012 Editora Prentice Hall ISBN 9788564574168 Ana Fernanda Gomes Ascênsio Edilene Aparecida Veneruchi de Campos Algoritmos são

Leia mais

Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários.

Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários. BARRA DE FERRAMENTAS DE FORMULÁRIOS Neste exercício, vamos criar uma Folha de Cálculo, onde vamos utilizar alguns Controlos de Formulários. A Barra de Ferramentas de Formulário contém objectos gráficos

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

Outlook Web App (OWA)

Outlook Web App (OWA) Outlook Web App (OWA) 2010 Índice 1. O que é o Outlook Web App (OWA) 2010?... 3 2. Como acessar o OWA:... 3 3. Como navegar no OWA... 5 4. As seções do OWA... 5 5. O painel de mensagens OWA... 6 5.1 Como

Leia mais

2º Laboratório de Sistemas e Sinais (LEIC Alameda 2008/09)

2º Laboratório de Sistemas e Sinais (LEIC Alameda 2008/09) 2º Laboratório de Sistemas e Sinais (LEIC Alameda 2008/09) Data de realização e de entrega: aula das semanas 6-17/Abril /2009. Local da realização: Laboratório de Controlo, Automação e Robótica, localizado

Leia mais

Exemplo de número de caixa. Exemplo de número de posto

Exemplo de número de caixa. Exemplo de número de posto 1. Índice 2. Inicialização....2 3. Configuração..3 4. Configuração inicial de ZS Rest APP em terminal móvel........12 5. Funcionamento ZS Rest APP em terminal móvel.....14 2 Este manual serve para o ajudar

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest Backoffice... 3 1 4. Confirmar desenho de mesas...... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5.

Leia mais

OUTLOOK PERGUNTAS MAIS FREQUENTES. Fernando Andrade.

OUTLOOK PERGUNTAS MAIS FREQUENTES. Fernando Andrade. OUTLOOK PERGUNTAS MAIS FREQUENTES Fernando Andrade fernando@pessoasetecnologia.com.br www.pessoasetecnologia.com.br E-mails de respostas para uma reunião tudo na mesma pasta Todos já temos muitos e-mails

Leia mais

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE)

ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Algoritmos e Estruturas de Dados 1 Prof. Eduardo 1 ALGORITMOS COM SELEÇÃO 1 - ESTRUTURA CONDICIONAL (ESTRUTURAS DE CONTROLE) Até o momento da disciplina vimos comandos de entrada, processamento e saída

Leia mais