MÍDIA E MEIO AMBIENTE: LIMITES E POSSIBILIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÍDIA E MEIO AMBIENTE: LIMITES E POSSIBILIDADES"

Transcrição

1 MÍDIA E MEIO AMBIENTE: LIMITES E POSSIBILIDADES CIDOVAL MORAIS DE SOUSA FRANCISCO ASSIS MARTINS FERNANDES Departamento de Comunicação Social Universidade de Taubaté RESUMO A proposta deste trabalho é oferecer uma contribuição à discussão sobre as relações mídia-meio ambiente. Parte-se de uma breve revisão da literatura mais recente a respeito do assunto, acrescentando exemplos atuais do tratamento dispensado pelas grandes redes de comunicação aos temas ambientais. O texto se alinha a uma perspectiva crítica, que entende os meios de comunicação como integrantes de uma complexa cadeia industrial, cuja principal função, na sociedade capitalista, é produzir lucro e, conseqüentemente, reproduzir o sistema que a sustenta. A reflexão se desenvolve em três itens que se completam: no primeiro é apresentado um panorama dos estudos sobre a presença, na mídia, das questões ambientais; no segundo, discute-se a função pedagógica da mídia, seus limites e possibilidades; e no terceiro, como contraponto aos dois primeiros, é apresentado um modelo, ainda em construção, de jornalismo cidadão, que tem na democracia, na participação, no compromisso ético com a vida no planeta suas bases de sustentação. PALAVRAS-CHAVE: mídia; educação ambiental; cidadania INTRODUÇÃO Na sociedade atual, quando as Ciências Humanas estão voltadas para os valores do meio ambiente, o fenômeno da globalização padroniza os interesses dos habitantes do Planeta, torna-se necessário que se busque analisar criticamente os fatos comunicacionais na sua interface com a economia, com a ecologia, uma vez que a mídia perpassa tudo, desde o contexto sócio-histórico em que ocorrem os fatos, até os processos de produção, transmissão e recepção das formas simbólicas que têm o poder de manipular os seres humanos. A partir dessas premissas é que elaboramos esta análise. Não é um trabalho conclusivo; é uma provocação. Mais do que esgotar o assunto, a intenção foi contribuir para a consolidação de uma educação ambiental crítica e cidadã, capaz de transformar a sociedade em que vivemos. A pretexto do que se fala O interesse da mídia pelas questões ambientais é tão recente quanto a organização do movimento ambientalista, particularmente no Brasil. A existência de veículos especializados, impressos ou eletrônicos, dedicados hoje ao tema, não significa, ainda, a consolidação de uma tradição. A Conferência Rio-92 é, para muitos pesquisadores, um marco divisor de águas e revelador da natureza paradoxal da cobertura midiática. Se por um lado tivemos uma superexposição multimídia dos assuntos tratados na Conferência da ONU, no Rio, por outro, poucos dias depois do evento, como atesta Ramos (1996, p. 146), a temática foi praticamente esquecida como se os problemas ambientais tivessem desaparecido de uma hora para outra. O autor conclui, a contragosto, que com esse movimento da imprensa, ela acaba reforçando a tese que tomou conta dos grupos mais conservadores da sociedade brasileira, segundo a qual a ecologia não passa de um modismo. As conferências da Biosfera (Paris, 1968) e Meio Ambiente (Estocolmo, 1972) são marcos importantes da agenda ambiental na mídia e exerceram, sem dúvida, influência sobre alguns poucos profissionais. No Brasil, é o caso de Randau Marques, que chegou a ser preso pela Operação Bandeirantes, no auge do Regime Militar, por denunciar a contaminação de gráficos e sapateiros por chumbo, na cidade de Franca, berço dos curtumes paulistas. Ele, também, cobriu para o grupo Estado, de dezembro de 73 a março de 74, no Rio Grande do Sul, uma das grandes polêmicas ambientais: o fechamento da fábrica de celulose Borregaard, que estava poluindo o Rio Guaíba. Num texto sobre os fatos desse período, Villar (2001) escreve que a imagem mais forte da época não é a da chaminé lançando fumaça no ar, mas a foto, publicada em vários jornais, do estudante universitário Carlos Ayerel, em cima de uma acácia, tentando impedir o

2 corte da árvore pela prefeitura, para a construção de um viaduto. Mídia e meio ambiente parecem se encontrar num momento crítico da história: o da crise dos modelos de desenvolvimento, calcados na exploração sem limites dos recursos naturais e no conseqüente esgotamento destes últimos. É nesse contexto que se consolida o processo de industrialização e a ocupação desordenada do espaço urbano, impulsionada pela expropriação camponesa, como garras afiadas do capital na materialização do círculo vicioso do lucro (Marx, 1998). As conseqüências sociais são imediatas, mas as ambientais demoram a aparecer. Só entram na pauta das lutas político-sociais no final dos anos de É quando a mídia, timidamente, primeiro na Europa, depois na América, se sente provocada pelo tema. A partir daí, o desenvolvimento dos meios de comunicação, segundo Maimon (1996), contribuiu, sobremaneira, para acelerar a consciência ambiental. Enfatizando tragédias como as de Seveso, Bhopal, Chernobyl, Basel, Césio 137 (Brasil), vazamentos de petróleo no mar, degradação da fauna e da flora, imagens e textos percorreram o mundo globalizando um sentimento comum de revolta e preocupação com o futuro do planeta. Se por um lado o interesse da mídia cresce à medida que a sociedade também se organiza e cobra ações mais equilibradas em relação ao meio ambiente, por outro temos o problema da qualidade do material que se mostra na TV ou se publica nos jornais ou na Internet. Os chamados sistemas de comunicação social, principalmente os de natureza privada e estabelecidos como redes nacionais, trazem, para a ordem do dia, uma manobra positivista, na expressão contiana do termo: o real mostrado por sua utilidade, precisão e segurança na afirmação dos modelos vigentes. Em outras palavras, ao revelar a extensão de tragédias ambientais, desmatamentos, poluição do ar e da água, não vão além da indignação e do apelo sensacional: a mudança de atitude reclamada não passa pela supressão da ordem nem pela transformação do modelo de progresso. Não importa o contexto, a fragmentação dos discursos, a espetacularização do trágico, como bem descreve Miura (2000), em sua monografia Os caminhos do Jornalismo Ambiental. Temos, então, uma cobertura viciada numa ética que não é a do cuidado (Boff, 1999), nem a da responsabilidade (Cavalcanti, 2001). Uma leitura, mesmo que apressada do material veiculado pela mídia impressa e pela televisão sobre a atual crise energética sugere, por exemplo, que 1) o discurso da crise foi comprado pelos meios de comunicação sem questionamentos. De uma forma geral, a proposta de racionamento foi encampada e reforçada com exemplos de desperdícios e, no contraponto, com a massificação de personagens aderentes; 2) não houve menção, direta ou indireta, nos grandes jornais e nas grandes redes de TV, às razões estruturais da crise, ou pelo menos a como ficou o sistema de distribuição de energia no País depois dos processos tão questionados de privatização; 3) passouse, por fim, a imagem da crise como conseqüência, apenas, de fatores climáticos, como a falta de chuva nas cabeceiras dos grandes rios. No bojo da crise energética, a Rede Globo de Televisão, através de seu principal telejornal O Jornal Nacional veiculou, no período de 27 a 31 de agosto (2001), uma série de cinco matérias entitulada: água o bem mais precioso do mundo. A nota de abertura da série, lida pelo apresentador Willian Bonner, dizia o seguinte: A organização das Nações Unidas já previu: no século que está começando, a água será o bem mais precioso do mundo. Nesta semana, o Jornal Nacional vai mostrar por quê, numa série de reportagens especiais. Na primeira delas, o repórter Vinícius Dônola registra o desperdício sem limites que seca torneiras nos lares de milhões de brasileiros. 1 A matéria, personalizada com vinheta produzida com a sobreposição de imagens de uso da água em diferentes situações, da abundância à carência, oferecia uma carga de números impressionante para traduzir uma realidade paradoxal: água existe, mas por que falta? A resposta se fazia acompanhar de imagens fortes: a culpa é do desperdício. Em meio a dramas e ameaças de racionamentos em grandes e pequenas cidades, o repórter parece convicto de sua descoberta e se ancora no recorte da fala de um professor da Cope: a quantidade de água perdida no Brasil daria para abastecer os países da França, Bélgica, Suíça e parte da Itália. A matéria termina com uma frase melancólica, lida em off pelo repórter: um bem cada vez mais raro que se perde pelo caminho. As matérias seguintes discutiram o papel dos esgotos na contaminação das águas, mostraram empresas que estão revendo sua posição de poluidora, como a CSN, apresentaram experiências de privatização dos serviços de água e esgoto com certa simpatia e destacaram como a Europa, especialmente a Inglaterra está cuidando desse bem precioso. A análise da série, embora nos faltem elementos de bastidores do processo de produção, importantes para a compreensão dos discursos elaborados, segue a mesma tradição crítica do início deste texto. Em primeiro lugar, mais uma vez fica evidente a superficialidade da 1 Transcrição de parte do texto da primeira matéria da série sobre água veiculada pelo Jornal Nacional, disponível, também, na Internet: As próximas transcrições serão apresentadas em itálico, no corpo do texto.

3 discussão proposta: se os números convencem da existência do problema, o discurso é ingênuo em relação as causas: falta água porque há desperdício. Nessa perspectiva, a solução óbvia seria racionar. Não que o desperdício não seja um agravante, mas também não é a causa pura. Temos, ao longo da história da expansão capitalista, uma série de fatores que, com certeza, contribuíram muito mais para o agravamento desse quadro do que o desperdício. Outra observação que nos parece importante sobre o material veiculado é quanto à questão dos esgotos e da poluição das águas. O texto do repórter Vinícius Dônola, na segunda reportagem da série, afirma que 8% dos brasileiros não têm água encanada e que 47% não têm esgoto. Explica, ainda, que a meta do governo é levar esgoto para o País inteiro num prazo de 10 anos. Mas que para isso terá que gastar algo em torno de 44 bilhões de reais. O argumento da dúvida quanto à efetivação da meta não sai da boca do repórter, mas de um especialista, o diretor da companhia Águas do Amazonas: o setor público jamais terá condições de enfrentar esses 44 bilhões de reais e o setor privado também sozinho não enfrentará. O texto segue sem comentário algum sobre a fala. Quando apresenta mananciais contaminados em São Paulo (represa de Guarapiranga) e no Rio de Janeiro (Rio Guandu) a matéria cita esgotos domésticos e industriais, mas o exemplo que aparece é o de uma favela na zona Oeste do Rio: os moradores perfuram a tubulação com canos plásticos para roubar água tratada, o que acaba contaminando o produto antes de chegar ao consumidor. Não aparece, na matéria, nenhuma empresa poluidora. Da forma como o material é apresentado, a população é culpada por despejar esgoto bruto nas águas, por falta de saneamento. A responsabilidade do governo é dirimida na fala de outro especialista, o diretor da Companhia de Água e Esgoto do Rio: se a sociedade não fizer sua parte, as próximas gerações, ou até esta geração, terão problema na sua quantidade de água posta à sua disponibilidade. Mas o repórter, como que para compensar os furos de sua radiografia sobre o problema, encerra a matéria de quase 5 minutos, com uma quase advertência: investir na coleta do esgoto, no tratamento da água, também é uma questão de economia. Para cada real aplicado em saneamento, o País poupa de 4 a 5 reais em saúde. Dinheiro que hoje é gasto nos hospitais e que poderia ser investido no bemestar da nossa população. As matérias da série também apresentam características alarmistas, como técnica de reforço para chamar atenção do telespectador para a gravidade do problema. Assim, a água desperdiçada no Brasil daria para abastecer França, Bélgica e Suíça; em 30 anos, a previsão é que falte água para 5 bilhões e meio de habitantes da terra; especialistas acreditam que a gota d água para a terceira guerra pode ser exatamente a falta de água; e os africanos estão assustados com a previsão de que em 25 anos, metade da população não terá água para viver. A série do Jornal Nacional ainda nos oferece outras possibilidades de análise e muitos questionamentos. No entanto, como exemplo da relação mídia-meio ambiente neste estudo nos pareceu oportuno e significativo. Baixando um pouco a guarda, é possível dizer, também, que as matérias apresentaram elementos positivos: chamaram atenção para o desperdício; para o papel que cada cidadão pode desempenhar no sentido de cuidar mais do meio ambiente, particularmente da água; para as experiências que estão sendo feitas no mundo de tratamento e cuidado com a água; e, por fim, para os riscos que todos estamos correndo de ficar sem esse bem precioso, segundo a ONU. A série foi exibida em meio a matérias sobre violência (seqüestros), corrupção, esportes e indicadores econômicos e sociais. Proporcionalmente, nos dois primeiros dias, ela ocupou o maior espaço no telejornal. Só perdeu em importância para a libertação da filha do empresário Sílvio Santos, que ficou oito dias em poder dos seqüestradores, num cativeiro em São Paulo. A leitura possível até aqui dessa relação é que, embora os temas ambientais interessem como notícia, a abordagem não avança da mera constatação e a crítica não atravessa fronteiras estruturais, onde interesses políticos e econômicos se organizam. Comunicação x Educação Ambiental Num documento prévio sobre a implementação da Convenção do Clima, Born (2000) escreve que para haver maior pressão social e política em torno do tema será necessário garantir, ao público, através da mídia, acesso à informação para a compreensão dos aspectos técnicos, institucionais e sociais. Reconhece, porém, que a chamada grande imprensa não tem desempenhado uma função continuada na questão da mudança do clima, mas acredita que assim como ocorre com outros setores da sociedade civil, a mídia também pode ser capacitada para tratar das questões ambientais numa perspectiva de sustentabilidade. Embora admita que os meios de comunicação de massa não tenham procurado, ao longo dos anos, traduzir a associação do homem com o meio em que vive, Ziggiatti (2000) destaca que a comunicação é essencial para a conscientização pública de segmentos da sociedade sobre como agir para a promoção do desenvolvimento sustentável. Enfatiza, também, que todos têm direito à informação e que a imprensa é a forma de democratizar a informação científica e tecnológica embutida nas questões ambientais. Para a autora, a mídia deve expressar a pluralidade de opiniões

4 em matérias controversas e proporcionar um retrato não fragmentado da realidade. Os autores apresentados acima, embora seus textos não possam ser incluídos na categoria de científicos, oferecem elementos importantes para a reflexão que pretendemos desenvolver neste item sobre a importância dos sistemas de informação para a educação ambiental. Por um lado, há o reconhecimento do papel mobilizador dos meios e da necessidade de qualificar a informação para que ela funcione como instrumento de pressão; por outro, a afirmação de um direito inalienável do homem, que é o de ter/receber informações de natureza plural e não fragmentada. É nesse contexto que se impõe como missão da mídia a promoção ou massificação do conceito de desenvolvimento sustentável nos termos definidos no Relatório Brundtland, Nosso Futuro Comum (1987): busca simultânea de eficiência econômica, justiça social e harmonia ecológica. Em outras palavras, a exploração dos recursos naturais, os investimentos econômicos e o desenvolvimento tecnológico não devem comprometer a construção de um futuro justo, seguro e próspero, embasado na responsabilidade comum com o estado do Planeta. Esse ponto de vista resgata uma discussão antiga sobre o papel da comunicação de massa: informar, educar, entreter, persuadir, promover a integração individual e coletiva, na realização do bemestar social (BELTRÃO; QUIRINO, 1986). Pensar os meios de comunicação com uma função pedagógica, particularmente com relação ao meio ambiente, tem algumas implicações. Uma delas é estrutural. As grandes redes estão organizadas como indústrias e como tal buscam sobrevivência mercadológica dentro do sistema capitalista. Ainda que falem de meio ambiente e sustentabilidade, não perdem de vista o modelo que as sustenta: não se trata de transformar esse modelo, mas de fazer ajustes. É nessa direção que a chamada ética ambiental ganha corpo: sugere mudanças de comportamento individual e empresarial, ajusta a legislação, consolida os processos de certificação e, como não poderia deixar de ser, converte-se em oportunidade negócio (Maimon, 1996). Esta nova consciência, ao mesmo tempo que se constitui, para a mídia, numa ferramenta importante de massificação de conceitos como responsabilidade social, na qual se inclui, a questão ambiental, limita, por outro lado, a percepção crítica da realidade. Basta ver a série sobre a água produzida pela Rede Globo e já comentada aqui, no item anterior. Na democratização das responsabilidades, os mais fracos (favelados, moradores de baixa renda e comunidades ribeirinhas) são apontados como responsáveis pelo desperdício, pela contaminação da água e pela sujeira dos rios. As indústrias, que, na prática, são as grandes vilãs desse processo, não aparecem nominadas e se escondem sob o coletivo: indústrias. Uma outra implicação é a absorção e massificação de conceitos quase sempre de forma superficial. Foi assim com desenvolvimento sustentável, que viveu sua fase áurea na Rio-92, mas que nunca passou de uma frase de efeito, nas páginas informativas dos jornais e nos telejornais das grandes redes. O estudo de Ramos (1996), já mencionado neste trabalho, revela que as matérias publicadas no período da Conferência privilegiaram, apenas, o enfoque político-econômico da problemática ambiental, reduzindo a dimensão multidisciplinar da questão por ignorar os seus elementos sociais e científicos, longe de uma visão sistêmica do problema. Passou ao largo a idéia de entender desenvolvimento sustentável como uma crítica e uma proposta de superação do modelo que privilegiou a degradação da natureza e a exclusão social. O mesmo acontece, agora, com a noção de cidadania ecológica ou ecocidadania, que amplia a tradicional concepção de Marshall (1967), em que a garantia de direitos por um Estado forte é a garantia de uma vida digna. A ecocidadania, como explica Loureiro (2000), implica a clara noção de direitos, deveres e responsabilidades cívicos na busca de uma sociedade sustentável, o que envolve, segundo ele, o plano ideocultural e o político-econômico. Muito mais do que a simples idéia de cidadão, ecologicamente correto, vendida pela mídia. Há, ainda, implicações de natureza mais grave no campo da educação básica. Pesquisa recente realizada por Bortolozzi (1999) revela que boa parte das informações que os professores de escolas públicas recebem sobre meio ambiente vem da mídia, especialmente da televisão. Não que a mídia não possa ser fonte, mas a questão é como esse material é trabalhado em sala de aula. A tendência mais comum é ser repassado como verdade absoluta. Diga-se de passagem que a educação ambiental, pela nova LDB (1996), foi incluída nos chamados temas transversais e incorporada aos currículos de escolas públicas e privadas do ensino fundamental ao ensino médio. Para a ONU, num documento preparatório à Conferência sobre Meio Ambiente, citado por Dias (1993, p. 27),...a educação ambiental deve permitir a compreensão da natureza complexa do meio ambiente interpretar a interdependência entre os diversos elementos que conformam o ambiente, com vistas a utilizar racionalmente os recursos do meio na satisfação material e espiritual da sociedade no presente e no futuro. E acrescenta: Para fazê-lo, a educação ambiental deve capacitar ao pleno exercício da cidadania, através da formação de uma base conceitual abrangente, técnica e culturalmente capaz de permitir a superação dos obstáculos à utilização sustentada do meio. O direito à informação e o

5 acesso às tecnologias capazes de viabilizar o desenvolvimento sustentável constituem, assim, um dos pilares desse processo de formação de uma nova consciência em nível planetário, sem perder a ótica local, regional e nacional. O desafio da educação, nesse particular, é o de criar as bases para a compreensão holística da realidade. Retomando, mais uma vez, a discussão sobre a série produzida pela Rede Globo a respeito da água e considerando a pesquisa de Bortolozzi (2000), o cenário informacional não parece dos melhores, principalmente se levarmos em conta o conceito de educação ambiental expresso acima. Se a televisão é a fonte principal de informação dos professores, o conteúdo sobre água, para ficar no exemplo, será discutido sem criticidade e na perspectiva do veículo, ou melhor, dos interesses do veículo. A crítica feita até aqui não tem o objetivo de condenar os meios, mas, sim, de sugerir uma leitura mais atenta de jornais, revistas e programas de televisão antes de levá-los à sala de aula. Moran (1993, p. 37) explica que a comunicação é uma das dimensões da cidadania e que uma leitura crítica não pode pretender, simplesmente, afastar-nos dos meios, mas procurar que a nossa participação seja a mais atenta, democrática e crítica possível em cada momento. Para ele, a finalidade principal da educação para uma leitura crítica dos meios é......ajudar a desenvolver em cada um a percepção mais ativa, atenta, de acompanhamento consciente do que significa viver em comunhão com o mundo e conseguir formas de comunicação mais fortes, autênticas, expressivas, significativas, ricas que superem o reducionismo empobrecedor das formas convencionais de relacionamento (1993, p. 40). Segundo Moran, a atitude de ignorar os meios por parte dos educadores é profundamente simplista: eles estão aí com suas possibilidades e contradições. Não basta criticá-los ou desconhecê-los. O desenvolvimento de métodos que permitam uma leitura crítica dos meios de comunicação de massa deve ser estimulado, porque representa um elemento importante na busca de uma nova prática educacional. Educar para os meios, afirma, é reconhecer sua importância e sua não transparência pela complexidade de códigos, de representações e de interesses envolvidos, disfarçados na idéia de naturalidade e objetividade com que se relacionam com o público. Nesse sentido,... o desenvolvimento da consciência crítica é uma forma de capacitação, capacitação para analisar, compreender os meios e a comunicação como um todo dentro da cultura da sociedade. Educação é capacitar, também, para a produção de novas relações comunicacionais e de novos produtos e meios ou formas de produzir esses meios e esses produtos. Educar para a comunicação pressupõe trabalhar todas essas dimensões de forma integrada e não estanque (1993, p ). Começamos esse item discutindo as implicações da chamada função pedagógica dos meios de comunicação. Apontamos implicações de natureza estrutural, conceitual e outras específicas da educação, que exigem, do professor, capacitação para ler criticamente os meios condição necessária para a formação de ecocidadãos. Outras, ainda, poderiam ser discutidas e/ou apontadas, como a desvinculação dos conteúdos do contexto histórico, político e social; da divulgação seletiva de temas ambientais, dificultando o acesso, da população, a informações importantes para o exercício da cidadania; do denuncismo pelo denuncismo, sem acompanhamento, fiscalização e/ou cobrança; e da sazonalidade das coberturas matérias vinculadas a eventos. Cada uma dessas questões merece, sem dúvida, um tratamento mais apurado. Entretanto, para os objetivos deste trabalho consideramos suficiente as reflexões feitas até aqui. A intenção não é esgotar o assunto, mas fazer uma pequena provocação e deixar a porta aberta para novas possibilidades de estudo e pesquisa. Para além dos modelos: uma quase proposta A proposta, aqui, é discutir alguns aspectos da relação mídia-ciência ambiental numa Televisão de natureza pública a TV Setorial, afiliada da Rede Brasil (TVE do Rio), com sede em Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba (SP). O ponto de partida é a concepção de notícia que norteia o projeto denominado de jornalismo cidadão, que tem, entre suas preocupações, a divulgação da produção científica e tecnológica regional, num formato que ofereça possibilidades de redução da tensão tão comum nas relações entre jornalistas e pesquisadores. Diga-se de passagem que jornalismo cidadão é um conceito ainda em processo de construção. Há poucas pesquisas e publicações no Brasil sobre o assunto. A prática, contudo, tem revelado boas experiências nas tv s de natureza comunitária, em alguns canais pagos como a GNT, a Rede Sesc Senac, programas terceirizados da Rede Vida e, mais recentemente, as inovações levadas a cabo pela Rede Cultura, com destaque para os telejornais exibidos só no Estado de São Paulo: Matéria Pública e Diário Paulista. O que caracteriza, em linhas gerais, o jornalismo cidadão é seu compromisso com a defesa dos direitos do cidadão e com a conseqüente melhoria da qualidade de vida daí decorrente.

6 O foco, no caso da TV Setorial, é o aspecto pedagógico: a informação, por si só, não forma cidadãos, mas se discutida, numa perspectiva ampliada e crítica, contribui para a construção da cidadania 2. O conceito de cidadania, nesse contexto, não se restringe, também, à visão clássica dos direitos civis, políticos e sociais, mas avança no sentido de que, antes de mais nada, cidadania é o direito a ter direitos. 3. Essa visão conceitual muda a concepção tradicional de construção da notícia: a relação com as fontes parte (pelo menos em tese) de um compromisso, e as negociações que se desenvolvem são mais dialógicas, o que nem sempre acontece nos modelos convencionais. A experiência em andamento convida a comunidade a participar do planejamento semanal da emissora e discute com ela os possíveis encaminhamentos do que pode vir a ser notícia. No caso das questões ambientais, da ciência e da tecnologia, o modelo tem se revelado desafiador e produtivo. De um lado, porque o diálogo, independente do lugar em que aconteça, na televisão ou no laboratório da universidade ou instituto de pesquisa, tem como meta a busca de uma linguagem que, reconstruindo o discurso científico, não comprometa a qualidade deste nem se torne uma peça pouco atraente para o veículo; de outro, porque ao se despir de seus mistérios e porque ao se despir de seus mistérios e segredos técnicos, de seu pretenso saber comunicacional, e ao expor, de forma clara, seus limites e possibilidades, a televisão acaba quebrando o gelo, deixando o pesquisador mais à vontade e menos inseguro com relação ao que deve ou não comunicar. A TV tem se permitido, entre outras coisas, deixar que o cientista reporte o conhecimento que produziu, com ênfase para os aspectos mais práticos e com potencial de intervenção na realidade local. É o caso da parceria estabelecida com pesquisadores do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade de Taubaté. Em reuniões e palestras eles foram apresentados ao veículo: discutiram linguagem, formatos, estética, conteúdos e decidiram participar de uma experiência de divulgação científica para público leigo. Toda semana gravam um quadro de até 3 minutos apresentando pesquisas e projetos desenvolvidos no Departamento, tendo como público-alvo produtores rurais, criadores, empresários que investem no campo, tomadores de decisão. É cedo para avaliar audiência e retorno, mas pode-se afirmar: a) o modelo tem se mostrado mais eficiente do que as relações convencionais jornalista-fonte; b) a tensão mídia-ciência, discutida já por vários autores, 4 tem sido ressignificada: deixa de ser barreira para o diálogo e passa a ser encarada como possibilidade de encontro e aprendizado; c) a clareza do projeto reduz tensões subjetivas como a da vaidade, comuns nas duas comunidades jornalistas e cientistas, uma vez que os papéis são pré-definidos e negociados; d) o projeto coloca na ordem do dia a amplitude do conceito de cidadania e considera a divulgação científica para público leigo uma tarefa do jornalismo cidadão. Há, ainda, dois outros projetos em andamento um envolvendo a formação de profissionais (alunos do curso de jornalismo) para a produção de matérias sobre ciência e meio ambiente para a televisão; e o outro, a produção de documentários de natureza histórica sobre expedições científicas, museus, corrida espacial e produção de energia limpa. Todos, de alguma forma, se desenvolvem dentro dos modelos de produção negociada. A TV Setorial é administrada por uma fundação sem fins lucrativos. Presta contas ao Ministério Público e, por força de lei, não pode exibir comerciais apelativos. Não recebe subvenções dos governos Federal, Estadual e Municipal e é mantida, por enquanto, por patrocínios e apoios culturais. O quadro de funcionários é enxuto: são pouco mais de 20 entre jornalistas e técnicos e é a única TV, no Vale do Paraíba, que tem autonomia na grade de programação. No final do ano passado, a concessão que era provisória, foi renovada e a TV ganhou status de geradora o que lhe permite controle absoluto sobre seus horários. Essas informações são importantes, no nosso ponto de vista, para contextualizar o ambiente em que as decisões de divulgar ciência e tecnologia são tomadas. No que tange à informação ambiental, a mídia tem dado destaque para os grandes acidentes que afetam o ecossistema. O caso da Petrobrás é um dos que mais aparecem nas telas da televisão e nas páginas de jornais e revistas. Porém, as queimadas, a venda ilegal de madeira, como foi o caso da venda de mogno, envolvendo até mesmo os índios do Pará, como sublinha o jornalista Lúcio Flávio Pinto (2001), não são tão divulgadas. O próprio Greenpeace e autoridades brasileiras às quais foram feitas as denúncias constataram numa operação realizada no ano passado, quando foram flagrados 20 mil metros cúbicos de mogno estocados em pátios dentro da reserva dos índios caiapós ou em jangadas que desciam o rio Xingu. As multas apliucadas às serrarias alcançaram seis milhões de reais. 2 Documento base que norteia a Linha Editorial da TV Setorial. 3 Idem. 4 Weingart, Collins, Krainz, Hernando, Urioste, Santos, Medeiros, entre outros.

7 A devastação não pára. E o Estado não tem condições para inibir a depredação da natureza amazônica. Eron Brum (2001, p. 22) identifica três tipos de cobertura jornalística sobre questões ambientais: as matérias baseadas em denúncias; as que representam propostas de solução para problemas ambientais e a divulgação amena de assuntos como nichos ecológicos, parques e reservas florestais. O processo educacional global a que fomos e estamos todos sendo submetidos parece ter mantido uma cega ignorância no que tange aos valores do meio ambiente. Estamos habituados na inverídica e fantasiosa suposição da existência de um mundo estável, comportado, esquematizado, em que conhecimentos, problemas, valores, idéias, instituições, normas, desvios, tudo isso e muito mais, ocupem lugares certinhos, gavetas previamente preparadas e sabidas, intercomunicantes e logicamente dispostas. A criatura humana deve saber interpretar todo esse conjunto, compreendê-lo, aceitá-lo ou não, transformá-lo se quiser e puder. Como observa Rosa (1982, p. 16), o processo de educação global não atinge a todos. É necessário se criar uma consciência crítica, uma visão de mundo capaz de proporcionar mudanças na vida humana, na luta a favor da defesa do meio ambiente. CONCLUSÃO A título de conclusão, as observações e a vivência profissional nesse ambiente, mediando e tomando decisões, apontam para dois tipos de desafios: um de natureza teórica e outro de natureza prática. Do ponto de vista teórico, embora as experiências aqui expostas estejam em andamento, há pouco menos de um ano, já produziram um farto material que precisa ser discutido, analisado e pensado em seus limites e possibilidades. O conceito de jornalismo cidadão, embora amplo e aparentemente flexível, ainda é problemático em suas relações com a divulgação científica para público leigo. Talvez tenhamos, aí, um grande projeto de pesquisa. Do ponto de vista da práxis jornalística, a notícia como uma construção negociada num processo dialógico de micro-escolhas é algo novo, exige novas posturas, mais conhecimento, mais flexibilidade, mais compromisso. Divulgar ciência, nessa perspectiva, pode ser um rico exercício de cidadania. É importante acrescentar que o modelo aqui passado em revista ainda não foi de todo absorvido pela emissora e que os conflitos editoriais entre Departamento de Jornalismo e Direção não desapareceram com ele. A vantagem é que a democratização do planejamento também abriu, internamente, mais possibilidades de diálogo. Do ponto de vista, especificamente, da questão ambiental, acabamos de colocar no ar, não sem muita discussão, uma coluna semanal chamada Zé do Paraíba um personagem caipira que tem como missão manter o telespectador atento aos problemas ambientais da região, entre eles, o Rio Paraíba. Há muito ainda por ser feito e por aprender. Não nos pareceu justo apontar falhas em modelos consagrados dos quais já participamos como profissional e os referendamos em muitas ocasiões e não oferecer um contraponto. É preciso dizer, contudo, que mesmo nas grandes redes de jornais e emissoras de televisão, apesar das críticas aqui feitas, coisas boas estão sendo realizadas. Há profissionais sérios e comprometidos, também, com a causa ambiental. A guerra mercadológica, a formação, as pressões políticas e econômicas são, sem dúvida, fatores limitantes e impeditivos de uma ação comunicacional mais eficaz. Entendemos, como Loureiro (2000), que a degradação ambiental é resultante de um complexo interativo de fatores políticos, econômicos, tecnológicos e culturais e que a dinâmica capitalista é a base estrutural dessa degradação. Nesse sentido, a ação ambientalista será mais eficiente se incorporar a prática da democracia e o exercício da cidadania plena e ecológica. A qualidade da vida, segundo o autor, depende de condições materiais e objetivas, da igualdade social e da distribuição de renda, que devem ser construídas a partir da reflexão sobre qual é o padrão de vida adequado para se alcançar a emancipação e a liberdade humana, em um planeta habitável e fora do risco de destruição. Os sistemas de informação, a nosso ver, têm um papel importante nesse processo. Observamos também que para uma análise crítica do papel da mídia na construção do conhecimento e sua interface com a educação ambiental faz-se necessário examinar a diversidade de matérias veiculadas, procurando-se evidenciar a forma como esses conteúdos foram absorvidas pelo público-alvo. A mídia deveria levar leitores e telespectadores a ter condições de, além de interpretar, incorporar valores da consciência ambiental ao seu cotidiano ou mesmo subsidiá-los com as próprias decisões. ABSTRACT The aim of this work is to offer a contribution to disccus about the environmental media relations. From a brief most recent literature review about the subject, and adding current examples of the treatment given by the great nets of communication to the environment themes. The text presents a critical perspective, that understands the means of communications as participants of a complex industrial chair, whose the main function, in the capitalist society, is to produce profit and, in consequence, to produce the system that supports it. The reflection is developed into three itens which complete themselves: a) an outline of the studies about

8 environmental questions in the media; b) it is discussed the pedagogic functions of the media, their limits and possibilities; c) as a counterpoint to the other itens, it is presented a citizen journalism model, under construction, who aims to take his sustentation bases on democracy, participation, ethical commitment with the life in the planet. KEY-WORDS: media; ambient education; citizenship REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BELTRÃO, L.; QUIRINO, N. de O. Subsídios para uma Teoria da Comunicação de Massa. São Paulo: Summus Editorial, BOFF, L. Saber Cuidar. Ética do humano compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes, BORTOLOZZI, A. Comunicação, ensino e temática ambiental. Comunicação & Educação, n. 14, jan./abr., p , CAVALCANTI, R. N. Reflexões sobre ética e responsabilidade. Disponível em: <http:/www.akatu.com.br/empresasa...ferencia_ rcavalcanti.asp?submenu=1> Acesso em: set PINTO, L. F. O Comércio de Mogno. São Paulo, Folha de S. Paulo, São Paulo, 22 jul Caderno Ciência, p. 17. RAMOS, L. F. A. Meio Ambiente e Meios de Comunicação. São Paulo: Annablume, ROSA, F. de M. Poder, Direito e Sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, VILLAR, R. Jornalismo Ambiental Evolução e Perspectivas. Disponível em: <http://www.agirazul. com.br/jorental.htm> Acesso em: set ZIGGIATTI, M. M. Jornalismo Ambiental. Disponível em: <http://www.eca.usp/emalta/densust/jamb.htm> Acesso em: set Cidoval Morais de Sousa é Professor Colaborador Assistente no Departamento de Comunicação Social da Universidade de Taubaté Francisco Assis Martins Fernandes é Professor Titular no Departamento de Comunicação Social da Universidade de Taubaté DIAS, G. F. Educação Ambiental Princípios e Práticas. 2. ed. rev. ampl. São Paulo: Gaia, LOUREIRO, C. F. B. Teoria Social e questão ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em Educação Ambiental. In: LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R.S. (Orgs.). Sociedade e Meio Ambiente: A Educação Ambiental em Debate. São Paulo: Cortez, MAIMON, D. Passaporte Verde: Gestão Ambiental e Competitividade. Rio de Janeiro: Qualitymark,1996. MARSHALL, T. H. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar, MARX, K. O Capital (Edição Condensada). São Paulo: Edipro, MIURA, J. Os caminhos do Jornalismo Ambiental. Disponível em:<http://www.folhadomeioambiente. com.br/fma- 109/imprensa109.htm> Acesso em: set MORAN, J. M. Leitura dos Meios de Comunicação. São Paulo: Pancast, 1993.

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Inserção do Pantanal como área de preservação e conservação nas principais mídias impressas de Mato Grosso do Sul 1

Inserção do Pantanal como área de preservação e conservação nas principais mídias impressas de Mato Grosso do Sul 1 Inserção do Pantanal como área de preservação e conservação nas principais mídias impressas de Mato Grosso do Sul 1 Lairtes Chaves RODRIGUES FILHO 2 Greicy Mara FRANÇA 3 Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR Ana Carmem Miranda Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE RESUMO A alfabetização de jovens e adultos utilizando a

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS:

ÁREA TEMÁTICA: OBJETIVOS: TÍTULO: CONHECENDO E PRESERVANDO O MEIO AMBIENTE AUTORES: Mintza Idesis Jácome (mintza@bol.com.br) INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente OBJETIVOS: O Projeto

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CARVALHO, Jaciara FE/USP jsacarvalho@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta a tese 1 brasileira Educação Cidadã a Distância: aportes de uma perspectiva

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia

Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Política de Comunicação Fundação Luterana de Diaconia Missão da FLD Apoiar e acompanhar programas e projetos de grupos organizados da sociedade civil que fortaleçam o protagonismo das pessoas e suas comunidades,

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Jornalismo e Meio Ambiente: compreender para apoiar 1. João Vicente SILVA 2 Joyce Carelli FREITAS 3 Macarena MAIRATA 4 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 5

Jornalismo e Meio Ambiente: compreender para apoiar 1. João Vicente SILVA 2 Joyce Carelli FREITAS 3 Macarena MAIRATA 4 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 5 Jornalismo e Meio Ambiente: compreender para apoiar 1 João Vicente SILVA 2 Joyce Carelli FREITAS 3 Macarena MAIRATA 4 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 5 Faculdade Martha Falcão, Manaus, AM RESUMO Este paper

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável

Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável Criselli MONTIPÓ 1 Pedro SALANEK FILHO 2 Juliana SARTORI 3 Revista

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999.

Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. GESTÃO PARA UM MUNDO MELHOR Gestão para um mundo melhor EMPREENDEDOR/Entrevista. Julho 1999. RESUMO: Para o consultor e empresário Oscar Motomura, a sociedade global precisa evoluir, abandonando sua ganância

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas

Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas Responsável pelo Projeto: Sindicato da Indústria de Calçados, Componentes para Calçados de Três Coroas. 2015 CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Educomunicação Comunicação-Educação Uma área emergente Pesquisa na linha do NCE/ECA/USP As pesquisas do NCE/ECA/USP buscam

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA Revista. ISSN: 1982-3878 João Pessoa, PB, DGEOC/CCEN/UFPB http://www.okara.ufpb.br A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA Debora do Nascimento Fernandes Universidade Estadual da

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1

O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1 O PAPEL DO JORNALISMO PÚBLICO NA CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 1 Yuri Santana Iriarte 2 RESUMO: Estudos da mídia crítica das últimas décadas apontam para a decadência da atividade jornalística como instrumento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA Muito prazer. Somos a Associação Comercial de São Paulo. A ACSP faz parte da vida de empreendedores de diversos tamanhos. Nós existimos para

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES

O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES O TERCEIRO SETOR NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL: LIMITES E POSSIBILIDADES ARAÚJO. Inaê Adorno de. UNIMEP/ inaearaujo@hotmail.com TOMAZELLO, Maria Guiomar C. UNIMEP

Leia mais

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL O processo de elaboração, tramitação, aprovação e regulamentação da lei

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Sustentabilidade x Seguros

Sustentabilidade x Seguros 6 JOSÉ ELI DA VEIGA Professor titular de economia da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador do Núcleo de Economia Socioambiental (NESA) e orientador em dois programas de pós-graduação: Relações Internacionais

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA

AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA AS TRÊS DIMENSÕES DO CONTEÚDO NA EDUCAÇÃO FÍSICA: TEMATIZANDO OS ESPORTES RADICAIS NA ESCOLA PÚBLICA Daniel Teixeira Maldonado Maurício Bráulio Daniel Bocchini Prefeitura de São Paulo EMEF 19 de Novembro

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹

Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ Comunicação Comunitária: Uma Análise de Conteúdo do Jornal-Laboratório Portal Comunitário¹ RESUMO Vinícius SABINO¹ José TOLEDO² Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, PR Universidade Estadual

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA

A EVOLUÇÃO DA ESCRITA A EVOLUÇÃO DA ESCRITA Percebemos a partir da observação das imagens exibidas no vídeo A EVOLUÇÃO DA ESCRITA que o homem sempre buscou muitas formas de transmitir pensamentos. O texto é uma das formas mais

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais