VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)"

Transcrição

1 VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Desfibrilador externo automático (DEA) Resumo: Gabriel Rodrigues de Mendonça Adélia Maria C. da Silva Santos Alexandra Silva Ferreira Gabriel Garbelini Fogaça Graduado do Curso de Enfermagem Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee O presente artigo discute e demonstra as técnicas de utilização do Desfibrilador Externo Automático (DEA), bem como os tipos de ritmos cardíacos chocáveis e não chocáveis. A cadeia de sobrevivência inclui uma série de ações criadas para reduzir a mortalidade associada à parada cardíaca. A Reanimação Cardiopulmonar (RCP) precoce desempenha um papel fundamental na cadeia de sobrevivência. A chegada de um DEA e de uma unidade de suporte avançado de vida é o melhor tratamento de parada cardíaca bem como profissional treinado e qualificado para a realização do mesmo. Estudo descritivo exploratório de revisão bibliográfica que foi realizado no período de julho a agosto de Palavras-chave: Parada Cardiopulmonar, Desfibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular. Seção 4 - Curso de Graduação em Enfermagem Meio Ambiente. Apresentação: oral. 1. Introdução DEA é um aparelho que incorpora um sistema de análise de ritmo cardíaco e um sistema de aviso de choque para vítimas de parada cardíaca. O DEA avisa sobre o choque e o operador deve tomar a decisão final de 1

2 deflagrá-lo. As normas internacionais para RCP e cuidados cardiovasculares de emergência concluem que a ressuscitação cardiopulmonar precoce é o melhor tratamento de parada cardíaca até a chegada de um DEA e de uma unidade de suporte avançado de vida. A cadeia de sobrevivência inclui uma série de ações criadas para reduzir a mortalidade associada à parada cardíaca. A RCP precoce desempenha um papel fundamental na cadeia de sobrevivência, que inclui os seguintes tópicos: a) Reconhecimento precoce de parada cardiorrespiratória; b) RCP precoce; c) Desfibrilação precoce quando indicada; d) Suporte avançado de vida. 2. Objetivo Geral Descrever as técnicas de uso do DEA e demonstrar os ritmos cardíacos que são chocáveis e não chocáveis. 3. Metodologia Este é um estudo descritivo exploratório de revisão bibliográfica que foi realizado no período de julho a agosto de A coleta de dados foi feita através bibliografias e artigos científicos. Nessa pesquisa foram utilizados textos que mais contribuíram com o tema devido ao seu modo de explanação e atualidade sobre o assunto. 4. Resultados e Discussão A RCP precoce pode prevenir que a fibrilação ventricular evolua para assistolia, aumentar a chance de sucesso da desfibrilação, contribuir para a preservação das funções cardíacas e cerebrais e aumentar significativamente as chances de sobrevivência. É importante para vítimas de parada cardíaca súbita e em choque em Fibrilação Ventricular (FV) ou Taquicardia Ventricular (TV) com ausência de pulso, que o único e mais importante determinante de sobrevivência é o tempo do colapso à desfibrilação. Foi documentada uma taxa de sobrevivência entre vítimas de parada cardíaca com fibrilação ventricular confirmada acima de 90% quando a desfibrilação é atingida dentro do primeiro minuto de colapso. As taxas de sobrevivência declinam 7 a 10% a cada minuto em que a desfibrilação é atrasada, de modo que uma vítima de parada cardíaca sem desfibrilação por 12 minutos tem apenas 2 a 5% de chance de sobrevivência. A RCP deve ser iniciada logo que uma parada for reconhecida e deve continuar até que o DEA seja instalado na vítima e ativado. Em casos de parada cardíaca que não seja devido à FV ou TV, o DEA não será útil, e a RCP deve ser mantida. Além disso, após a recuperação dessas situações o socorrista deve abrir as vias aéreas e manter a ventilação e circulação com compressões torácicas até a chegada do suporte de emergência avançado. 2

3 Figura 1 Ritmo cardíaco normal. a) Ritmos Chocáveis Figura 2 Taquicardia Ventricular. b) Ritmos não chocáveis Figura 3 Fibrilação Ventricular. Figura 4 AESP Atividade Elétrica Sem Pulso. Figura 5 Assistolia. 3

4 c) Revisão O que é Desfibrilador Externo Automático (DEA)? É um aparelho que diagnostica o ritmo elétrico do coração e sugere a aplicação do choque. Guia a sequência de procedimentos do suporte básico da vida e desfibrilação. Usa comandos verbais e de sinais sonoros. Qual a importância? Desfibrilação precoce e diagnóstico automático. Quem deve usar? Qualquer pessoa treinada. Quando usar? Em toda situação de reanimação. Aonde usar? Aonde o DEA estiver disponível. Onde se encontra o DEA na sua cidade???????????????????? Quando não usar o DEA? Em ambientes molhados e em ambientes com risco de explosão. O DEA dá o choque automaticamente? Não. É preciso apertar o botão! Não. O DEA avalia o nível de consciência? O que fazer enquanto o DEA é posicionado? Avaliar nível de consciência, pedir ajuda 192 ou 193 e iniciar RCP. Por que não tocar no doente quando o DEA estiver avaliando o ritmo cardíaco? O toque interfere com a leitura e interpretação. d) Corrente de sobrevida Figura 6 Corrente de Sobrevida. Fonte: (internet, s.d) 4

5 Chamar ajuda, iniciar RCP, instalar e realizar tratamento com o DEA e transporte rápido para o Hospital mais próximo. e) Cuidados ao instalar o DEA Exposição da região para a colocação dos eletrodos (roupas); Tricotomia (se necessário); Limpar pele (retirar areia, lama e secar pele); Posicionar os eletrodos; Conectar o cabo (último passo); O DEA não dispara automaticamente; é preciso apertar o botão! Afastar todos para analisar o ritmo elétrico do coração; Afastar todos para dar o choque; O DEA não toma decisão! Quem toma a decisão é o socorrista! 5. Referências Bibliográficas 1.American Heart Association and international liaison committee on resuscitations. Guidelines 2000 for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation 102(Suppl. 1):I60 76, Traduzido. 2.Desfibriladores externos automáticos (DEA) no atendimento pré-hospitalar e acesso público à desfibrilação: uma necessidade real. Disponível em: Acesso em: Agosto Ressuscitação cardiopulmonar com a utilização do desfibrilador externo semi-automático: avaliação do processo ensino-aprendizagem. Disponível em: Acesso em: Julho de

PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR. Prof. Marcos Girão

PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR. Prof. Marcos Girão PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR Prof. Marcos Girão 1. American Heart Association (AHA) - Diretrizes 2010 O negócio é o seguinte: em 2010, a American Heart Associantion (AHA) estabeleceu novas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia Belo Horizonte 2011 DEFINIÇÃO O desfibrilador Externo Automático (DEA) é um equipamento portátil,bifásico, utilizado em

Leia mais

Novas diretrizes da ressuscitação cardiopulmonar

Novas diretrizes da ressuscitação cardiopulmonar Novas diretrizes da ressuscitação cardiopulmonar Maria Celia Barcellos Dalri I ; Izilda Esmenia Muglia Araújo II ; Renata Cristina de Campos Pereira Silveira III ; Silvia Rita Marin da Silva Canini IV

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

Ressuscitação Cardiopulmonar 2005 Básico e Avançado

Ressuscitação Cardiopulmonar 2005 Básico e Avançado Ressuscitação Cardiopulmonar 2005 Básico e Avançado Manoel Canesin Comitê Brasil ECC / AHA Diretor Científico da SBC / Regional PR Faculdade de Medicina da UEL Centro de Treinamento RCP/ECV Cor/UEL Diretrizes

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA PARADA CARDÍACA... é a cessação súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente, em pessoas sem moléstia incurável e irreversível. " DISCIPLINA: URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PARADA CARDÍACA

Leia mais

RCP no Adulto. Módulo 1. Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial

RCP no Adulto. Módulo 1. Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial Módulo 1 RCP no Adulto Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial Atendimento Completo Atendimento em Equipe Via Aérea Avançada Conclusão Tarefa 1 Introdução RCP

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO ETIOLOGIA Adulto Criança PCR súbita e de origem cardíaca; PCR resulta de insuficiência respiratória e choque O reconhecimento

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara Técnica de

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Conceito de PCR : interrupção súbita da atividade mecânica cardíaca. É a falência cardio-pulmonar aguda que torna insuficiente o fluxo sangüíneo para manter a função cerebral.

Leia mais

RINALDO, A. MARTINS,D.C

RINALDO, A. MARTINS,D.C PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO(POP):PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA NA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE JANDAIA DO SUL- PARANÁ RINALDO, A. MARTINS,D.C Resumo: Esse

Leia mais

AED Plus. O Melhor Suporte. Para Socorristas

AED Plus. O Melhor Suporte. Para Socorristas AED Plus O Melhor Suporte Para Socorristas Necessidade de RCP As diretrizes mais recentes da American Heart Association (AHA) (Associação Americana de Cardiologia), emitidas em 2010, são claras: uma desfibrilação

Leia mais

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE)

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) Lucimar Aparecida Françoso Definições: Lactente ou bebê: menor de um ano de idade Criança: de um ano até antes do início da puberdade (detectado na

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

Emergência Intra-Hospitalar II. Prof Enfermeiro Diogo Jacintho

Emergência Intra-Hospitalar II. Prof Enfermeiro Diogo Jacintho Emergência Intra-Hospitalar II Prof Enfermeiro Diogo Jacintho O Eletrocardiograma ou ECG é o registro gráfico da atividade elétrica do coração em um aparelho chamado eletrocardiográfico. O Ciclo Cardíaco

Leia mais

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1 ATENDIMENTO A PCR Prof. Fernando Ramos -Msc 1 HISTÓRICO Primeira reanimação - bíblia Trotar sobre um cavalo com a vítima debruçada sobre este, rolar a vítima sobre um barril 1899 - Prevost e Batelli introduziram

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DAS NOVAS DIRETRIZES DE RCP PARA A EDUCAÇÃO CONTINUADA DAS EQUIPES MULTIDISCIPLINARES DE UM HOSPITAL PRIVADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

ATUALIZAÇÃO DAS NOVAS DIRETRIZES DE RCP PARA A EDUCAÇÃO CONTINUADA DAS EQUIPES MULTIDISCIPLINARES DE UM HOSPITAL PRIVADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA ATUALIZAÇÃO DAS NOVAS DIRETRIZES DE RCP PARA A EDUCAÇÃO CONTINUADA DAS EQUIPES MULTIDISCIPLINARES DE UM HOSPITAL PRIVADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Vanessa dos Santos Silva; Fabiano Limeira da Silva; Larissa

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV) EM ADULTOS. Enfª.(s): Cilene Bisagni e Márcia Fernandes Mendes Araújo

SUPORTE BÁSICO DE VIDA (SBV) EM ADULTOS. Enfª.(s): Cilene Bisagni e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Associação de técnicas de compressão torácica, abertura de vias aéreas, respiração artificial e desfibrilação que define a sequência primária de ações para salvar vidas.células

Leia mais

cuidado dos pacientes que sofrem uma PCR no hospital daqueles acometidos no ambiente extra-hospitalar.

cuidado dos pacientes que sofrem uma PCR no hospital daqueles acometidos no ambiente extra-hospitalar. Este e-book traz, com detalhes, o atendimento da parada cardiorrespiratória (PCR) no adulto segundo as últimas diretrizes (2015) da American Heart Association. É recomendado, agora, o uso de cadeias de

Leia mais

Edis Rodrigues. Professor. #REPENSE seu modo de estudar

Edis Rodrigues. Professor. #REPENSE seu modo de estudar Professor Edis Rodrigues A prática de Ressuscitação Cardiopulmonar vem sendo aperfeiçoada ao longo do tempo, exigindo com o passar dos anos um aprofundamento científico e considerações éticas sobre quando

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR PARA O LEIGO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DA MORTE SÚBITA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA DOS ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE PARA ATUAREM NA PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA: UM ESTUDO PROSPECTIVO

FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA DOS ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE PARA ATUAREM NA PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA: UM ESTUDO PROSPECTIVO FORMAÇÃO TEÓRICO-PRÁTICA DOS ESTUDANTES DE ENSINO MÉDIO PROFISSIONALIZANTE PARA ATUAREM NA PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA: UM ESTUDO PROSPECTIVO Autores : Jadson de Oliveira RODRIGUES; Vanessa de Freitas

Leia mais

Parada cardíaca extra-hospitalar: fatores determinantes da sobrevida imediata após manobras de ressuscitação cardiopulmonar 1

Parada cardíaca extra-hospitalar: fatores determinantes da sobrevida imediata após manobras de ressuscitação cardiopulmonar 1 Rev. Latino-Am. Enfermagem jul.-ago. 2014;22(4):562-8 DOI: 10.1590/0104-1169.3453.2452 Artigo Original Parada cardíaca extra-hospitalar: fatores determinantes da sobrevida imediata após manobras de ressuscitação

Leia mais

Conceito Fase-Dependente na Ressuscitação Cardiopulmonar

Conceito Fase-Dependente na Ressuscitação Cardiopulmonar 60 Vol 20 N o 1 Artigo de Atualização Conceito Fase-Dependente na Ressuscitação Cardiopulmonar Phase-Dependent Concept in Cardiopulmonary Resuscitation Lutgarde Magda Suzanne Vanheusden, Deyse Conceição

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº002 / 2009

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº002 / 2009 1 PARECER COREN-SP CAT Nº002 / 2009 Assunto: Realização de intubação traqueal por enfermeiros. 1. Do fato Solicitado parecer pela diretoria do Colégio Brasileiro de Enfermagem em Emergência e Sociedade

Leia mais

28/03/ % 52% 19% Pré hospitalar 24h. de internação 48h. de internação 30 dias pós IAM DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO

28/03/ % 52% 19% Pré hospitalar 24h. de internação 48h. de internação 30 dias pós IAM DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO ÓBITOS 2007 EMERGÊNCIAS CARDIOVASCULARES 350000 300000 250000 200000 150000 100000 131032 104498 308466 161491 50000 Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle 0 CAUSAS EXTERNAS DE MORBIDADE E MORTALIDADE DOENÇAS

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA

SUPORTE BÁSICO DE VIDA SUPORTE BÁSICO DE VIDA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO No final da acção devem conseguir demonstrar: Como abordar uma vitima inconsciente. Como realizar Compressões é Insuflações. Como colocar uma vitima inconsciente

Leia mais

Suporte Avançado de Vida Prof. Marcos Wesley

Suporte Avançado de Vida Prof. Marcos Wesley Suporte Avançado de Vida Prof. Marcos Wesley marcoswesley@gmail.com 1 1- AOCP - 2013 - IBC Enfermeiro - Durante a Reanimação Cárdio-Pulmonar (RCP), as ventilações realizadas em paciente com via aérea avançada

Leia mais

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council Suporte Básico de Vida Objectivos No fim deste curso deverá conseguir: Abordar a vítima inconsciente. Executar compressões torácicas e ventilação boca-a-boca/nariz/nariz e boca. Colocar a vítima inconsciente

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA REANIMAÇÃO CARDÍACA EM GESTANTES

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA REANIMAÇÃO CARDÍACA EM GESTANTES TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA REANIMAÇÃO CARDÍACA EM GESTANTES Dr. Márcio de Pinho Martins Rio de Janeiro, Brasil. Correspondência para marciopinho2007@yahoo.com.br QUESTIONÁRIO Antes de continuar, tente

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

Reanimação cardiopulmonar pediátrica. Profa Dra Norma Suely Oliveira 2012

Reanimação cardiopulmonar pediátrica. Profa Dra Norma Suely Oliveira 2012 Reanimação cardiopulmonar pediátrica Profa Dra Norma Suely Oliveira 2012 Reanimação cardiopulmonar pediátrica Roteiro Introdução ao tema Considerações gerais Avaliação pediátrica (abordagem sistemática)

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 8:00 às 14:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 8:00 às 14:00 INVESTIMENTO SUPORTE BáSICO DE VIDA (SBV) E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (FEV 2017) - PORTO "Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso e testado, certificado pela American Heart Association (AHA) e pelo Instituto

Leia mais

Manejo da PCR. Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC

Manejo da PCR. Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC Manejo da PCR Sarah Pontes de Barros Leal PET Medicina UFC Ritmo cardíaco durante a PCR Fibrilação ventricular (60-80%) Taquicardia ventricular sem pulso Bradiarritmia/assistolia Atividade elétrica sem

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 14:00 às 20:00 INVESTIMENTO. COMO CHEGAR De comboio: estação Coimbra-B

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Tarde - 14:00 às 20:00 INVESTIMENTO. COMO CHEGAR De comboio: estação Coimbra-B SUPORTE BáSICO DE VIDA (SBV) E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (SET 2017) - COIMBRA "Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso e testado, certificado pela American Heart Association (AHA) e pelo Instituto

Leia mais

Projeto de Lei Nº 201/2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA:

Projeto de Lei Nº 201/2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA: Projeto de Lei Nº 201/2011 Dispõe sobre a obrigatoriedade de equipar com desfibriladores cardíacos, as academias de ginástica e estabelecimentos similares, no município de Salvador. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NA ESCOLA: UMA AÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE EMERGÊNCIAS CLÍNICAS DO AMAZONAS (LAEC-AM)

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NA ESCOLA: UMA AÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE EMERGÊNCIAS CLÍNICAS DO AMAZONAS (LAEC-AM) RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NA ESCOLA: UMA AÇÃO DA LIGA ACADÊMICA DE EMERGÊNCIAS CLÍNICAS DO AMAZONAS (LAEC-AM) Pietro Pinheiro Alves 1 Marcelo de Assis Ferreira 2 Alex Wilker Alves Soares 3 RESUMO Este

Leia mais

Tipo Documental PoliticaAssistencial Título Documento Código Amarelo Neonatal Morumbi

Tipo Documental PoliticaAssistencial Título Documento Código Amarelo Neonatal Morumbi INTRODUÇÃO O Código Amarelo Neonatal atende pacientes entre as faixas etárias de 0 (zero) até 28 dias internados na unidade neonatal que estão no berçário ou juntamente com a mãe nas unidades de internação

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE BáSICO DE VIDA E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (JUL 2016) PORTO "Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso e testado, que contém a componente

Leia mais

Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências

Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências EMERGÊNCIAS Suporte Básico a Avançado de Vida em Emergências Recomendado pelo Laboratório de Treinamento e Simulação em Emergências Cardiovasculares e pela Unidade Clínica de Emergência do Instituto do

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE

PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE PRIMEIROS SOCORROS COM SUPORTE BáSICO DE VIDA E DAE CERTIFICAçãO AHA E INEM (FEV 2016) PORTO "Primeiros Socorros com Suporte Básico de Vida e DAE é um curso rigoroso, testado e certificado pela American

Leia mais

A equipe multidisciplinar na atenção a pessoa em parada cardiorrespiratória: uma revisão de literatura

A equipe multidisciplinar na atenção a pessoa em parada cardiorrespiratória: uma revisão de literatura Ciência et Praxis v. 7, n. 13, (2014) 49 A equipe multidisciplinar na atenção a pessoa em parada cardiorrespiratória: uma revisão de literatura The multidisciplinary team in person at stop watching cardiorespiratory:

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1º Simulado EBSERH Urgência e Emergência Prof. Elton Chaves (IBFC/EBSERH/ENFERMEIRO/HUAP-UFF/2016). Considerando os sinais clínicos de uma criança com choque hipovolêmico, analise as afirmativas abaixo,

Leia mais

Reanimação Neonatal 2015

Reanimação Neonatal 2015 Reanimação Neonatal 2015 Preview das novas diretrizes da SBP Maria Fernanda B de Almeida & Ruth Guinsburg Membros de ILCOR Delegação Neonatal Coordenação Geral PRN-SBP http://www.sbp.com.br/reanimacao

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

KAMILA MARIA SENA MARTINS COSTA KARINE GONÇALVES DAMASCENA LEONARDO BATISTA

KAMILA MARIA SENA MARTINS COSTA KARINE GONÇALVES DAMASCENA LEONARDO BATISTA ENFERMAGEM CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FACULDADE ICESP/ PROMOVE DE BRASÍLIA SOBRE O SUPORTE BÁSICO DE VIDA SCHOLARS OF KNOWLEDGE GRADUATING AND ENTERING COLLEGE OF NURSING COURSE

Leia mais

Fácil! Pronto para uso. Use para salvar, porque cada segundo conta. DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO. Life400 FUTURA

Fácil! Pronto para uso. Use para salvar, porque cada segundo conta. DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO. Life400 FUTURA Fácil! Pronto para uso. Use para salvar, porque cada segundo conta. DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO Life400 FUTURA DIFERENCIAIS DE USABILIDADE, PORTABILIDADE E SEGURANÇA TRAÇADO DE ECG NA TELA DE CRISTAL

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO FORMADOR SUPORTE AVANçADO DE VIDA CERTIFICAÇÃO AHA E INEM (FEV 2016) - LISBOA O Curso de Suporte Avançado de Vida Cardiovascular (Advanced Cardiovascular Life Support), acreditado pela American Heart Association

Leia mais

PACIENTE GRAVE IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TREINAMENTO

PACIENTE GRAVE IDENTIFICAÇÃO E TRATAMENTO TREINAMENTO TREINAMENTO A maioria das PCRs intra-hospitalares são evitáveis (~ 85%) Até 70% são secundárias a insuficiência respiratória ou deterioração neurológica. Porque as PCRs não são evitadas? Atraso diagnóstico

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES DO SUPORTE AVANÇADO DE VIDA DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015

NOVAS DIRETRIZES DO SUPORTE AVANÇADO DE VIDA DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015 NOVAS DIRETRIZES DO SUPORTE AVANÇADO DE VIDA DA AMERICAN HEART ASSOCIATION 2015 Izabela Aparecida Moro da SILVA- izinhamoro@hotmail.com Caroline Lourenço de Almeida PINCERATI- caroline_lat@hotmail.com

Leia mais

FORMADORES (OCEAN MEDICAL) MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00

FORMADORES (OCEAN MEDICAL) MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 SUPORTE AVANçADO DE VIDA CERTIFICAÇÃO AHA E INEM (MAR 2016) - COIMBRA O Curso de Suporte Avançado de Vida Cardiovascular (Advanced Cardiovascular Life Support), acreditado pela American Heart Association

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR: Conhecimento do leigo e do profissional da saúde perante a vítima

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR: Conhecimento do leigo e do profissional da saúde perante a vítima RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR: Conhecimento do leigo e do profissional da saúde perante a vítima Willian de Freitas Oliveira Graduando em Enfermagem Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Natalia

Leia mais

Of. nº 595/GP. Paço dos Açorianos, 20 de junho de 2014.

Of. nº 595/GP. Paço dos Açorianos, 20 de junho de 2014. Of. nº 595/GP. Paço dos Açorianos, 20 de junho de 2014. Senhor Presidente: Tenho a honra de submeter à apreciação dessa Colenda Câmara de Vereadores o Projeto de Lei que Dispõe sobre a obrigatoriedade

Leia mais

Suporte Básico de Vida: avaliação do conhecimento dos graduandos de enfermagem

Suporte Básico de Vida: avaliação do conhecimento dos graduandos de enfermagem Suporte Básico de Vida: avaliação do conhecimento dos graduandos de enfermagem Basic Life Support: knowledge level of undergraduate nursing Saulo Santos Oliveira 1, Jaqueline de Oliveira Santos 1, Sandra

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL Cap Amarildo Primeiros Socorros Sumário: Importância da preparação Omissão de Socorro Definições sobre socorro Mecanismo do Trauma Primeiros

Leia mais

Descritores: reanimação cardiopulmonar, parada cardiorrespiratória, enfermagem

Descritores: reanimação cardiopulmonar, parada cardiorrespiratória, enfermagem PROPOSTA DE PROTOCOLO EM REANIMAÇÃO EM PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA: UMA ANÁLISE A PARTIR DE TRÊS PROTOCOLOS PROTOCOL PROPOSAL ON RESUMING IN CARDIORRESPIRATORY STOP: AN ANALYSIS FROM THREE PROTOCOLS DIRCÉLIA

Leia mais

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia

ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia ACLS Advanced Cardiologic Life Support SAVC - Suporte Avançado de Vida em Cardiologia Centro de Ensino, Treinamento e Simulação-CETES-HCor A simulação aplicada ao ensino em saúde é uma técnica destinada

Leia mais

PMDAE. Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa

PMDAE. Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa PMDAE Plano Municipal Desfibrilhação Automática Externa O Plano Municipal DAE em OVAR visa dotar as entidades do concelho de OVAR com meios técnicos e humanos preparados para acudir a uma situação de

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O PROTOCOLO RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO SETOR DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O PROTOCOLO RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO SETOR DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO 66 Recebido em 8/2012. Aceito para publicação em 12/2012. CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O PROTOCOLO RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO SETOR DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL PÚBLICO KNOWLEDGE OF

Leia mais

MPB0256 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA COM DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO

MPB0256 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA COM DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO XVII Encontro de Iniciação Científica XIII Mostra de Pós-graduação VII Seminário de Extensão IV Seminário de Docência Universitária 16 a 20 de outubro de 2012 INCLUSÃO VERDE: Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva

Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva Disciplina de Enfermagem em Centro de Terapia Intensiva ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Fernando Ramos-Msc 1 Arritmias Cardíacas Uma arritmia cardíaca é uma anormalidade na freqüência, regularidade ou na origem

Leia mais

Diretrizes de Ressuscitação Cardiopulmonar : O que mudou em 2010?

Diretrizes de Ressuscitação Cardiopulmonar : O que mudou em 2010? Diretrizes de Ressuscitação Cardiopulmonar : O que mudou em 2010? Bruno Azevedo da Cruz Instituto Nacional de Cardiologia Hospital Copa D`Or GSE - CBMERJ Introdução 2010 : 50º aniversário 1ª publicação

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO FRENTE CONDUTAS ÀS VÍTIMAS EM PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA¹

O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO FRENTE CONDUTAS ÀS VÍTIMAS EM PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA¹ O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO FRENTE CONDUTAS ÀS VÍTIMAS EM PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA¹ Kellen De Campos Guimarães ² Cristiana da Costa Luciano ³ RESUMO: O objetivo do estudo foi avaliar a produção científica

Leia mais

DEVELOPMENT OF A THEORETICAL GUIDE FOR NURSING CARE IN CARDIAC ARREST

DEVELOPMENT OF A THEORETICAL GUIDE FOR NURSING CARE IN CARDIAC ARREST Artigo Original ELABORAÇÃO DE GUIA TEÓRICO DE ATENDIMENTO EM PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA PARA ENFERMEIROS DEVELOPMENT OF A THEORETICAL GUIDE FOR NURSING CARE IN CARDIAC ARREST ELABORACIÓN DE GUÍA TEÓRICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Kerginaldo Severiano de Melo Junior

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Kerginaldo Severiano de Melo Junior UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Kerginaldo Severiano de Melo Junior Capacitação em Advanced Cardiovascular Life Support (ACLS) para profissionais da sala vermelha de um hospital público FLORIANÓPOLIS

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO À PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Rízia Rocha Menezes * Anna Karina Lomanto Rocha ** artigo de revisão RESUMO O estudo tem como objetivo identificar

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: INTRODUÇÃO Segundo as estatísticas, existe uma imensa probabilidade que cada um de nós venha a presenciar uma situação de emergência e levando em consideração que a maioria delas acontece longe dos hospitais,

Leia mais

ROSELI DE FÁTIMA ESPESSOTTI

ROSELI DE FÁTIMA ESPESSOTTI 1 ROSELI DE FÁTIMA ESPESSOTTI O ENFERMEIRO E O IMPACTO DE SUA ATUAÇÃO NA SOBREVIDA DE PACIENTES EM PCR Assis 2011 2 ROSELI DE FÁTIMA ESPESSOTTI O ENFERMEIRO E O IMPACTO DE SUA ATUAÇÃO NA SOBREVIDA DE PACIENTES

Leia mais

Atuação da equipe de enfermagem no atendimento à parada cardiorrespiratória cerebral

Atuação da equipe de enfermagem no atendimento à parada cardiorrespiratória cerebral Atuação da equipe de enfermagem no atendimento à parada cardiorrespiratória cerebral Rendimiento del personal de enfermería en la asistencia al paro cardiopulmonar cerebral Nursing team s performance in

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA de SALVAMENTO AQUÁTICO - SOBRASA PREVENÇÃO E INSTRUÇÃO É O NOSSO LEMA, SALVAR A NOSSA MISSÃO

SOCIEDADE BRASILEIRA de SALVAMENTO AQUÁTICO - SOBRASA PREVENÇÃO E INSTRUÇÃO É O NOSSO LEMA, SALVAR A NOSSA MISSÃO Recomendação QUAL A MELHOR ABORDAGEM NO AFOGAMENTO COM PARADA RESPIRATÓRIA e NA PCR? ABC X CAB X SÓ-COMPRESSÃO (versão de 06/11/2013) Aprovado pela Diretoria da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

Desfibrilador Life 400 Futura DEA

Desfibrilador Life 400 Futura DEA 1 INTRODUÇÃO Parabéns pela aquisição do Desfibrilador Life 400 Futura- DEA da CMOS DRAKE. Este produto incorpora tecnologia de ponta destinada ao auxílio à pacientes em meio uma emergência médica e à ressuscitação

Leia mais

REANIMAÇÃO EM CASO DE AFOGAMENTO

REANIMAÇÃO EM CASO DE AFOGAMENTO Página 1 de 5 1. Abordagem. Após a fase de aproximação. 2. Ventilações de emergência na água. Após verificação de inconsciência da vítima. 3. Reboque. Após a abordagem à vítima. Rescue tube, nadadeira,

Leia mais

Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência

Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência Hospital São José Centro Hospitalar de Lisboa Central Tiago Amaral MSc, RN, PHRN, CNS enf.tiagoamaral@gmail.com Serviço Urgência

Leia mais

MESTRADO EM ENFERMAGEM RAYLTON TOMIOSSO

MESTRADO EM ENFERMAGEM RAYLTON TOMIOSSO MESTRADO EM ENFERMAGEM RAYLTON TOMIOSSO ANÁLISE DAS AÇÕES DE ENFERMAGEM NA RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR EM FUNÇÃO DAS DIRETRIZES DA AMERICAN HEART ASSOCIATION Guarulhos 2016 RAYLTON TOMIOSSO ANÁLISE DAS

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2;

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2; Edis Rodriguês Emergência Pré-Hospitalares PRIMEIROS SOCORROS Diretrizes criadas para os profissionais que executam a RCP e ACE. O Guidelines 2015 para RCP e ACE, foi revisado por 250 pessoas de 39 países.

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO 1. Cumprir os pré-requisitos abaixo até dia 20/01/2007, antes do teste físico: - Ter ciência e assinar o regulamento do curso. - Ter efetuado o pagamento integral do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ESTÁGIO CURRICULAR III MELINA MARIA TROJAHN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ESTÁGIO CURRICULAR III MELINA MARIA TROJAHN 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ESTÁGIO CURRICULAR III MELINA MARIA TROJAHN RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA PORTO ALEGRE 2012 2 MELINA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VERÔNICA BARBOSA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VERÔNICA BARBOSA LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA VERÔNICA BARBOSA LIMA CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE O ATENDIMENTO DA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA EM UM HOSPITAL SECUNDÁRIO DE FORTALEZA-CE FLORIANÓPOLIS

Leia mais

nº de participantes 1º etapa 2º etapa Erro padrão médio 1ª etapa 4, ,493 0,394 2ª etapa 16, ,958 0,151 < 0,001

nº de participantes 1º etapa 2º etapa Erro padrão médio 1ª etapa 4, ,493 0,394 2ª etapa 16, ,958 0,151 < 0,001 do desfibrilador externo semi-automático: avaliação do processo ensino-aprendizagem CARDIOPULMONARY RESUSCITATION WITH SEMI-AUTOMATED EXTERNAL DEFIBRILLATOR: ASSESSMENT OF THE TEACHING-LEARNING PROCESS

Leia mais

Ensino Técnico. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015

Ensino Técnico. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015 Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015 Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Saúde e segurança do trabalho. Componente Curricular: Suporte

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO

CURSO DE FORMAÇÃO DE BRIGADA DE INCÊNDIO ENSINDO A PREVENIR, SALVAR E COMBATER TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, CARAZAL, CEP: 68040-410, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades

Leia mais

Grupo Técnico de Auditoria em Saúde

Grupo Técnico de Auditoria em Saúde Grupo Técnico de Auditoria em Saúde Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 05/2010 Belo Horizonte Fevereiro de 2010 Tema: Vasopressina na Ressuscitação Cardiorespiratória. Grupo Técnico de Auditoria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

Guia de referência rápida

Guia de referência rápida Guia de referência rápida DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO COM FUNÇÃO MANUAL Fabricante Instramed Indústria Médico Hospitalar Ltda. CNPJ: 90.909.631/0001-10 I.E.: 096/0642048 Unidade Industrial: Beco José

Leia mais

PROTOCOLO DE PARADA CARDÍACA 2008

PROTOCOLO DE PARADA CARDÍACA 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UTI CARDIOLÓGICA HOSPITAL DE CLÍNICAS PROTOCOLO DE PARADA CARDÍACA 2008 1 FIBRILAÇÃO VENTRICULAR / TAQUICARDIA VENTRICULAR

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CRISTINA SILVA DE MATOS PARADA CARDÍACA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO CENTRO CIRÚRGICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CRISTINA SILVA DE MATOS PARADA CARDÍACA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO CENTRO CIRÚRGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CRISTINA SILVA DE MATOS PARADA CARDÍACA E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR NO CENTRO CIRÚRGICO FLORIANÓPOLIS (SC) 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CRISTINA

Leia mais

Plano de ensino. OFERECIDA PARA O CURSO DE: Engenharia Elétrica

Plano de ensino. OFERECIDA PARA O CURSO DE: Engenharia Elétrica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE - CAIXA POSTAL 476 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA TEL. (048) 331-9731 - FAX.

Leia mais