Fevereiro Artigo Especial Reformas e Crescimento Econômico Antonio Delfim Netto Akihiro Ikeda CONSULTORIA S/C LTDA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fevereiro 2007. Artigo Especial Reformas e Crescimento Econômico Antonio Delfim Netto Akihiro Ikeda CONSULTORIA S/C LTDA."

Transcrição

1 RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA CONSULTORIA S/C LTDA. Fevereiro 2007 Artigo Especial Reformas e Crescimento Econômico Antonio Delfim Netto Akihiro Ikeda RUA ARMANDO PENTEADO, 382 TEL PACAEMBU SÃO PAULO FAX

2 ARTIGO ESPECIAL Reformas e Crescimento Econômico *, por Antonio Delfim Netto, Akihiro Ikeda Introdução Nos anos imediatamente anteriores ao Plano Real a economia brasileira revelou um ritmo de crescimento satisfatório (que continuou em 1995) sem desajustes nos seus fundamentos, exceto uma inflação muito elevada. As médias dos anos de 1993/94 foram: PIB de 5,4% aa.; saldo em contas correntes de -1,2 US$ bilhões; razão dívida externa líquida/exportação de bens de 2,7; carga tributária bruta de 26,6%; investimento público de 3,4% do PIB e razão dívida pública/pib de 31,3%. Em 1995 o crescimento foi de 4,2% acompanhado de uma dramática queda da inflação (de 916% em 1994 para 22% em 1995) com o início de um grande desequilíbrio em conta corrente. Dois anos após o Plano Real o Brasil continuava a apresentar condições internas favoráveis. As circunstâncias externas ofereciam oportunidades excepcionais para um crescimento econômico elevado e duradouro. O Governo gozava de imensa credibilidade popular pelo sucesso do combate à inflação. Possuía, portanto, um enorme ativo político que lhe permitiria tomar as iniciativas necessárias para reformar a Constituição e, assim, retomar o crescimento. Em vez disso, preferiu gastá-lo (com métodos ultra heterodoxos) na busca da reeleição sem desincompatibilização. Os principais indicadores da situação em 1996 eram os seguintes: 1. favoráveis: a) taxa de inflação em queda (7/96-6/97) IPCA: 7,0% b) carga tributária bruta (1996): 28,6% do PIB c) dívida líquida do setor público (1996): 33,3% do PIB d) dívida externa líquida/exportação de bens (1996): 2,5 e) reserva externa/importação de bens (1996): 1,1 f) crescimento vigoroso do PIB e do comércio mundial g) liquidez internacional elevada * Agradecemos à Equipe Técnica da Idéias Consultoria pelo fornecimento e elaboração dos dados. 2

3 2. desfavoráveis: a) taxa de câmbio valorizada b) déficit em transações correntes elevado e crescente: US$ 23,5 bi em 1996 (que continuou até 2002, acumulando 186 bilhões de dólares) c) taxa de juros alta, selic (1/1997): 21,7% para sustentar o câmbio valorizado d) déficit nominal do setor público alto (1996): 5,9% e) descaso do Governo em relação ao crescimento. Ênfase na estabilidade para obter a reeleição. Todos sabem o que aconteceu. Nos últimos doze anos o crescimento não poderia ter sido pior. No período o produto real do Mundo cresceu 39,2%, o dos paises emergentes 54,9% e o nosso apenas 21,1%, um desempenho decepcionante. Jogou-se fora uma grande oportunidade. Que fatores econômicos podem explicar esse fracasso? As quatro primeiras condições desfavoráveis (a até d) estão associadas entre si, sendo as três últimas comandadas em parte pela primeira, a valorização da taxa de câmbio sustentada pela taxa de juro real mais elevada do Mundo. A seqüência dos eventos é conhecida. Uma taxa valorizada de câmbio por muito tempo, mesmo numa economia em lenta expansão, tende a produzir um crescente déficit comercial e em transações correntes. Para financiá-lo aumenta-se o diferencial entre o juro doméstico e externo. Isso provoca a elevação das dívidas interna e externa o que implica em maior ônus futuro. A elevação dos juros corta a demanda interna, aumenta o custo doméstico de produção, reduz a competitividade e dificulta a exportação. O resultado é previsível: crise cambial, deterioração das finanças públicas e redução do crescimento. Os Fatos Foi o que ocorreu no Brasil. A longa valorização da taxa cambial, embora fosse um procedimento cômodo para a redução da taxa de inflação, acabou sobrepondo-se à lógica econômica. Exagerou-se na dose. É só olhar os números de 1998: déficit em contas correntes de US$ 34,9 bilhões (acumulado de US$ 106 bilhões); IPCA de 1,66% e crescimento do PIB de 0,1%! O choque de produtividade e a redução do custo Brasil prometidos pelo Governo como substitutos do cambio valorizado não deu, como era previsível, o resultado que se esperava. A política de desinflação competitiva acabou quebrando o País que se socorreu no FMI em 1998 para poder realizar a reeleição. As finanças públicas foram ainda prejudicadas pela elevação real dos gastos de custeio (acima das taxas de crescimento do PIB). A tragédia continuou mesmo depois da intervenção do FMI. Em 1999, ao lado da expansão da dívida pública, iniciou-se uma longa escalada da carga tributária para financiar os gastos de custeio. Os investimentos públicos foram gradualmente sacrificados no altar dos superávits primários sem qualquer 3

4 consideração sobre sua qualidade. O setor privado era comprimido enquanto o setor público gastava sem controle. Juros altos, aumento dos gastos públicos correntes, aumento da carga tributária e da dívida pública com relação ao PIB são, fundamentalmente, os ingredientes que engendraram o ridículo crescimento brasileiro dos últimos 12 anos. A piora dos fundamentos econômicos não ocorreu apenas durante o processo de estabilização em sua fase mais importante ( ), mas nos anos seguintes. Um apelo aos dados, comparando-se a situação de 1996 com a de 1998, ilustra esse fato Resultado Carga tributária bruta/pib (%) 28,6 29,7 piora Div. líq.setor público/pib (%) 33,3 41,7 piora Div.externa líquida/exportação 2,5 3,9 piora Reservas externas/importação 1,1 0,8 piora Crescimento do PIB (%) 5,0* 2,0** piora * média ** média O gráfico a seguir mostra a trajetória da relação dívida líquida do setor público/pib. Dívida líquida (%PIB) Trajetória da Dívida Líquida do Setor Público & Superávit Primário Efeito gasto público + juros Governo FHC Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: Idéias Consultoria Efeito câmbio + juros 2001 Superávit prímário (%PIB) Governo FHC Governo Lula Governo Itamar

5 A tabela abaixo registra as principais causas que a afetaram: aumento dos gastos (redução do superávit primário), juros elevados e crescimento modesto do PIB. O chamado esqueleto, ao contrário do que costuma afirmar, teve uma influência relativamente pequena quando comparado com as causas mencionadas anteriormente. Fatores da Variação da Dívida Líquida do Setor Público ( ) 1. Razão dívida líquida total do setor púlbico/pib (%) , , , , , ,0 Variação no período 11,7 13,8-5,5 2. Fatores de variação (%PIB) Aumentos 5,9 53,9 27,5 Juros 6,3 29,1 31,6 Variação cambial -1,5 19,9-4,6 Esqueletos 1,1 5,0 0, Reduções 5,9-40,1-33,0 Superávit primário 3,0-13,0-17,5 Crescimento do PIB 4,0-24,2-15,3 Privatização -1,1-2,9-0,2 Variação no período 11,7 13,8-5,5 Fonte: Banco Central do Brasil A crise cambial culminou com a maxidesvalorização de 1999, a ida ao FMI e a instituição do cambio flutuante. Afirma-se que a forma como a crise foi administrada no Brasil teve o mérito de não produzir uma recessão econômica acentuada, como ocorreu em situações parecidas em outros países emergentes. De fato, a comparação com países que nessa mesma época sofreram problemas semelhantes parece mostrar essa assertiva: o Brasil teve um crescimento do PIB baixo, mas não negativo. O argumento, insatisfatório e falacioso, é desmascarado na tabela seguinte: 5

6 Tabela: Ajuste da crise externa Brasil Coréia Filipinas Indonésia Malásia Tailândia Ano do ajuste Desvalorização cambial (%) 2. Saldo em CC (US$ bi.) a. Antes -29,1-13,4-3,4-6,0-6,3-10,4 b. Depois -18,4 14,9-2,3 6,9 9,5 9,3 3. Variação do PIB (%) a. No ano 0,8-6,8-0,6-13,1-7,4-10,5 b. Antes 2,0 6,9 5,2 6,9 9,1 4,6 c. Depois 2,6 6,4 4,3 3,7 5,0 4,7 4. Inflação (%) a. Antes 5,5 4,6 7,8 7,5 3,2 5,8 b. Depois 8,6 2,7 4,7 10,9 1,7 1,2 Fontes: Banco Central do Brasil, FMI Notas: i) antes : média dos 3 anos anteriores ao ano do ajuste ii) depois : média dos 5 anos posteriores ao ano do ajuste, exceto saldo em transações correntes que é uma média de 3 anos. Ela mostra que: 1º) a intensidade da nossa desvalorização foi inferior somente à da Indonésia, mas o tempo de ajuste foi mais longo como prova a evolução dos saldos em contas correntes. Com exceção do Brasil e da Filipinas os demais países reverteram rapidamente os déficits. Aliás, na crise cambial de 1983, o Brasil com recessão e desvalorização conseguiu, também, eliminar o déficit no ano seguinte e voltou a crescer, como ocorreu com os asiáticos em 1995; 2º) a crise cambial dos outros paises foi, em parte, decorrência do intenso crescimento. O Brasil foi a única exceção: sofreu a crise por contágio, sem crescimento; 3º) os outros países apresentaram, depois da crise, taxas de crescimento bastante satisfatórias nas circunstancias, embora menores do que nos anos anteriores. O Brasil nunca mais recuperou seu crescimento. Não há dúvida, portanto, que longe de ser virtuosa, a relação custo/benefício do nosso ajuste foi a mais decepcionante e 6

7 4º) exceto no Brasil e na Indonésia, a inflação pós ajuste foi menor do que nos anos anteriores. Por Que Não Crescemos O que existe na economia desses países em comparação com a do Brasil que explica as diferenças de crescimento do PIB pós ajuste externo? Os níveis de desenvolvimento econômico, exceto a Coréia, não são muito discrepantes entre os paises. Diferenças da renda per-capita (PPP) poderiam ser uma explicação por causa da associação negativa que existe com a taxa de crescimento do PIB, mas a Coréia que possui uma renda per-capita bem superior à nossa tem registrado um crescimento mais vigoroso. Nos demais países: (a) o nível de tributação é menor; (b) o setor público tem sido mais austero; (c) o juro real e o spread são muito menores: (d) as economias são mais abertas; (e) o crescimento econômico é a grande prioridade governamental e (f) last but not least, aqui tivemos a surpresa do apagão de energia, talvez a maior demonstração de incompetência administrativa da história deste País. O gráfico a seguir mostra o desempenho dos mesmos países nos últimos 3 anos. O Brasil cresceu bem menos do que os demais. Conseguiu, apenas, ser melhor do que a Filipinas e a Indonésia em matéria de inflação. 11 PIB & Inflação (Média *) 10 9 PIB Inflação 8 7 % *Previsão para 2006 Fontes: IBGE, FMI Elaboração: Idéias Consultoria Brasil Coréia Filipinas Indonésia Malásia Tailândia Embora o ajuste externo brasileiro tenha sido lento, o problema da vulnerabilidade externa deixou de existir nos últimos anos graças à expansão do comércio 7

8 mundial. Os superávits em contas correntes têm sido robustos, o que permitiu a amortização de parcela importante da dívida externa. Entretanto a super valorização real da nossa moeda nos anos recentes (maior do que a dos competidores) já prejudicou, pela clara perda de competitividade, alguns setores mais intensivos de mão de obra na indústria, reduzindo o crescimento do PIB. Contam-se hoje às dezenas os mais agressivos e imaginosos empresários brasileiros que reduziram os investimentos domésticos e montaram unidades industriais em países com melhor competitividade, principalmente no Sudeste Asiático. Não se trata apenas de multinacionais, mas da fina flor da nossa capacidade empresarial aplicada em plantas de grande, médio e pequeno porte. Não há dúvida que a desordenada internacionalização do capital e da produção são eventos inevitáveis, mas os fatos mostram que o Brasil está perdendo a preferência dos investidores nacionais e estrangeiros, o que significa menor crescimento futuro. O gráfico a seguir mostra a intensidade da valorização cambial real de cada um dos países com os quais estamos fazendo nossa comparação. Atualmente o grande competidor em manufaturados é a China cuja valorização foi irrisória no período. 40 Valorização do Câmbio Real (Mar/2004 a Dez/2006) % Brasil Coréia Filipinas Indonésia Malásia Tailândia China Fonte: The Economist Elaboração: Idéias Consultoria A Situação Atual A inflação brasileira encontra-se bem comportada, praticamente em níveis internacionais. Requer certamente vigilância, mas não há grande preocupação com ela enquanto o equilíbrio fiscal for bem ancorado. As grandes questões que vêm sendo discutidas há algum tempo, como a reforma tributária, a da previdência, a das relações de trabalho, a melhoria do sistema educacional, 8

9 a melhoria das condições sanitárias e de atendimento à saúde, a retomada do investimento na infra-estrutura, são certamente fundamentais para o país. Todas necessitam de inteligentes e difíceis decisões políticas e da melhoria da eficiência da administração pública, o que exige esclarecidas e corajosas decisões do Poder Executivo. Mas para o Brasil não há outra saída: todas têm que ser perseguidas vigorosa e ordenadamente, num tempo adequado e pelo caminho de menor resistência política e social, embora difíceis, trabalhosas e, às vezes, dolorosas. O grande problema é como deter o avanço do setor público, não como produtor de bens e serviços como no passado, mas como devorador de recursos. Na história econômica mundial não há caso em que se conseguiu controlar o Estado, reduzir os seus gastos em termos reais e diminuir a carga de impostos, a não ser diante de tragédia iminente. No caso brasileiro, na atual conjuntura política e social, isto é impensável. O que se pode almejar, e não é pouco, é limitar os gastos reais do Governo a um crescimento igual ao da população atualmente de 1,3% aa, taxa inferior à da expansão do PIB nos últimos anos. Esta limitação, mesmo mantida a baixa eficiência da administração pública, permite entregar exatamente o mesmo volume per-capita e a mesma qualidade, dos serviços prestados pelo setor público à sociedade. Esta é uma questão fundamental. Por muito tempo alguns economistas, com o aval do FMI, aceitaram a mais completa deterioração das finanças publicas pela má aplicação do conceito de superávit primário. Nas condições que gostam de pensar ( ceteris paribus ) qualquer aumento do superávit primário (não importa a sua qualidade ) é sempre bem vindo pois reflete, por hipótese, um esforço de contenção das despesas públicas. Mas não foi isto que ocorreu: em lugar de cortar as despesas de custeio, aumentou-se a carga tributária e, ainda por cima, reduziu-se o investimento público para obter o superávit primário, enquanto se consumia a infraestrutura do País. O controle dos gastos de custeio e a redução da carga tributária são de extrema importância porque se sabe, pela experiência internacional, que: 1º) existe uma relação inversa entre o nível de carga tributária e a taxa de expansão econômica, controlados os demais fatores relevantes; 2º) a carga tributária no Brasil é a mais elevada do Mundo, entre países com níveis semelhantes de desenvolvimento. Ele apresenta, como conseqüência, a menor taxa de crescimento do PIB nos últimos anos, como se vê por sua colocação no gráfico abaixo, onde os números envolvidos nos pequenos círculos indicam o crescimento médio dos países de cada quadrante. 9

10 PIB per Capita, Carga Tributária Bruta & Crescimento do PIB em Carga tributária (%PIB em ) Brasil Romênia Turquia Russia China Argentina Jorndânia Índia Malásia Filipinas Tailândia Indonésia Venezuela Hungria Israel Polônia Rep. Eslováquia África do Sul Eslovenia Coréia do Sul US$ 10.0 mil Suécia Italia Taiwan Japão Dinamarca Noruega Islândia Canadá Irlanda Cingapura Hong Kong EUA 2.7 Luxemburgo 30% , , ,2 13, , , ,0 100, Fonte: IMD World Competitiveness Yearbook Elaboração: Idéias Consultoria PIB per capita (US$ mil em PPP de 2005) A elevada dívida pública junto com a persistência de um déficit nominal (3% do PIB) dificulta a redução do juro e do spread. Acrescido ao viés conservador do Banco Central a redução do juro real é ainda mais difícil e mais lenta. Quais países, que com inflação de 4% e crescimento do PIB menor do que 3% ostentam um juro real de 9% e um spread médio da taxa de juros (diferença entre a taxa de empréstimo e a de captação) tão elevado quanto o Brasil? No item relativo ao spread, numa lista de 120 países, o nosso só é menor do que o de Angola e do Zimbabwe! (World Economic Forum, dados referentes a 2005). Conclusões Limitar o gasto público corrente é altíssima prioridade, não somente para o crescimento econômico mas para a melhoria futura das condições de bem estar do país. Não se propõe, como foi visto, reduzir o volume de atendimento aos doentes, nem deteriorar a qualidade do ensino, nem piorar as demais tarefas essenciais do Estado. Mantida a mesma eficiência atual da administração pública, que por sinal é muito baixa e pode, portanto, ser melhorada, a qualidade e a quantidade de serviços que a população receberá do Estado serão as mesmas. Mas receber os mesmos serviços não é suficiente para um país que deseja melhorar. Há necessidade imediata de elevar a eficiência do setor público, providencia que depende de decisão política profunda que envolve o Congresso e a firme vontade do Executivo. É cada vez mais evidente que existem desperdícios em setores estratégicos para o desenvolvimento como educação, saúde, previdência e assistência social. A 10

11 simples comparação com paises de níveis semelhantes de renda e com gastos públicos per-capita também parecidos, mostra que o Brasil usa mal os seus recursos. O importante não é somente quanto se gasta, mas o controle da qualidade do gasto. Não há como pensar na redução da carga tributária sem a prévia disposição de controlar os gastos públicos e eliminar as vinculações orçamentárias, decisões políticas também de grande envergadura. O problema não está na Receita, mas na Despesa que a condiciona! Tais providências no setor público seriam, naturalmente, seguidas de redução substancial do juro real. O aumento da competição no setor financeiro levará à redução do spread. Um controle rígido do custeio público e uma redução do custo financeiro criarão as condições iniciais para a retomada do crescimento. Para dar maior vigor ao crescimento, é necessário iniciar, simultaneamente, as demais reformas começando pela trabalhista: não para cortar direitos dos trabalhadores, mas para universalizá-los através de negociação, melhorando o nível de emprego e reduzindo a informalidade. A atitude positiva do Governo com o lançamento do PAC que coloca, depois de longo tempo o crescimento como meta prioritária, é um sinal importante para a mobilização do Congresso e do setor privado para ajudarem na criação das condições que permitirão o País voltar ao crescimento que se deseja. Ele há de ser simultâneo: 1º) com a redução paulatina das desigualdades pessoais e regionais de renda; 2º) com o respeito ao equilíbrio fiscal, à redução da relação Dívida/PIB e à superação da vulnerabilidade externa; 3º) com o controle da inflação pelo sistema de metas, com Banco Central autônomo e completa ausência de controle de preços e 4º) com a ampliação das liberdades civis e dos direitos democráticos. O desafio está lançado. Vamos respondê-lo à altura com inteligência e coragem! CONSULTORIA S/C LTDA.. Rua Armando Penteado, Pacaembu - São Paulo - SP Tel.: Fax.: Análise e textos Paulo Yokota Akihiro Ikeda James Hiroshi Habe Patrícia Castelo Stefani Samuel Kinoshita Rita de Cássia Libanio

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF Desenvolvimento Mundial e Concentração de CO 2 (ppm) 9 360 PIB Per

Leia mais

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público

Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Ministério da Fazenda Uma Visão Macro da Qualidade do Gasto no Setor Público Antonio Delfim Netto 1º de Setembro de 2010 Brasília, DF 1 1000 1500 1600 1700 1820 1870 1913 1950 1970 2008 PIB Per Capita

Leia mais

Gastos Públicos: cortar para crescer.

Gastos Públicos: cortar para crescer. Gastos Públicos: cortar para crescer. Um novo arranjo para romper o imobilismo Introdução A evolução das contas e indicadores fiscais do Governo Federal tem-se tornado cada vez mais fonte de preocupação,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional -SP Fundação: 1937- origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia?

Brasil: Potência ou Colônia? Brasil: Potência ou Colônia? Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

Economia Política Internacional

Economia Política Internacional Economia Política Internacional Reinaldo Gonçalves rgoncalves@alternex.com.br Economia Política Internacional Fundamentos Teóricos e Experiência Brasileira Sumário PARTE I: ECONOMIA POLÍTICA INTERNACIONAL:

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP

BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008. Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP BRASIL: ANTES, DURANTE E DEPOIS DA CRISE DE 2008 Geraldo Barros Cepea/Esalq/USP O CRESCIMENTO DE LONGO PRAZO BRASIL: 1850-2008 10 9 FIM DA SUBST DE IMPORT 8 7 CRISE JANGO- RETOMADA? 6 5 4 ANOS 30 3 2 APOGEU

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011 O DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho Janeiro/2011 O modelo atual (1994/2010) MAIS QUE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO É UM MODELO DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002?

POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? POR QUE O REAL SE VALORIZA EM RELAÇÃO AO DÓLAR DESDE 2002? Resenha produzida por Paulo Springer de Freitas 1 Este texto é uma resenha do estudo O câmbio no Brasil: perguntas e respostas, de autoria de

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2

C O R E C O N PE. BRASIL: conjuntura econômica AMUPE. Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE LOGO 2 C O R E C O N PE AMUPE CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA LOGO 2 BRASIL: conjuntura econômica Tania Bacelar de Araujo Sócia da CEPLAN Consultoria Professora aposentada da UFPE Recife, 29 de Abril de 2015 ROTEIRO

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira

Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Ajuste Macroeconômico na Economia Brasileira Fundação Getúlio Vargas 11º Fórum de Economia Ministro Guido Mantega Brasília, 15 de setembro de 2014 1 Por que fazer ajustes macroeconômicos? 1. Desequilíbrios

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

Com o objetivo de trazer alguma luz sobre estas questões, elaboramos este trabalho que tem a seguinte estrutura.

Com o objetivo de trazer alguma luz sobre estas questões, elaboramos este trabalho que tem a seguinte estrutura. . Apresentação O presente trabalho foi realizado para o Seminário Internacional Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento pelos Departamentos de Pesquisas Econômicas (DEPECON) e de Competitividade

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos?

O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos? www.brasil-economia-governo.org.br O que é desoneração da folha de pagamento e quais são seus possíveis efeitos? Josué Pellegrini 1 Marcos Mendes 2 Desde 2011 o Governo Federal tem alterado a forma pela

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011 A EUROPA FINANCEIRA Lisboa, 30 Novembro 2011 As economias avançadas confrontam-se com o esgotamento do modelo de crescimento baseado num endividamento e com efeitos sofríveis no potencial de crescimento

Leia mais