Forças intermoleculares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Forças intermoleculares"

Transcrição

1 Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio

2 Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio

3 Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio As ligações de hidrogênio são responsáveis pela: Flutuação do gelo Os sólidos são normalmente mais unidos do que os líquidos; Portanto, os sólidos são mais densos do que os líquidos. O gelo é ordenado com uma estrutura aberta para otimizar a ligação H. Conseqüentemente, o gelo é menos denso do que a água. Na água, o comprimento da ligaçao H-O é 1,0 Å. O comprimento da ligação de hidrogênio O H é 1,8 Å. O gelo tem águas ordenadas em um hexágono regular aberto. Cada δ+ H aponta no sentido de um par solitário no O.

4 Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio

5 Forças intermoleculares

6 Algumas propriedades dos líquidos Viscosidade Viscosidade é a resistência de um líquido em fluir. Um líquido flui através do deslizamento das moléculas sobre outras. Quanto mais fortes são as forças intermoleculares, maior é a viscosidade. Tensão superficial As moléculas volumosas (aquelas no líquido) são igualmente atraídas pelas suas vizinhas.

7 Algumas propriedades dos líquidos Viscosidade

8 Algumas propriedades dos líquidos Tensão superficial

9 Algumas propriedades dos líquidos Tensão superficial As moléculas da superfície são atraídas apenas para dentro no sentido das moléculas volumosas. Conseqüentemente, as moléculas da superfície estão mais densamente empacotadas do que as moléculas volumosas. A tensão superficial é a energia necessária para aumentar a área superficial de um líquido. As forças de coesão ligam as moléculas entre si. As forças de adesão ligam as moléculas a uma superfície.

10 Algumas propriedades dos líquidos Tensão superficial Menisco é a forma da superfície do líquido. Se as forças de adesão são maiores do que as forças de coesão, a superfície do líquido é atraída para o seu recipiente mais do que as moléculas volumosas. Portanto, o menisco tem formato de U (por exemplo, água em um copo). Se as forças de coesão são maiores do que as forças de adesão, o menisco é curvo para baixo. Ação capilar: Quando um tubo de vidro estreito é colocado em água, o menisco puxa a água para o topo do tubo.

11 Mudanças as de fase As moléculas da superfície são atraídas apenas para dentro no sentido das moléculas volumosas. Sublimação: sólido gás. Vaporização: líquido gás. Derretimento ou fusão: sólido líquido. Deposição: gás sólido. Condensação: gás líquido. Congelamento: líquido sólido.

12 Mudanças as de fase

13 Variações de energia acompanhado as mudanças de fase Sublimação: H sub > 0 (endotérmica). Vaporização: H vap > 0 (endotérmica). Derretimento ou Fusão: H fus > 0 (endotérmica). Deposição: H dep < 0 (exotérmica). Condensação: H cond < 0 (exotérmica). Mudanças as de fase Congelamento: H cong < 0 (exotérmica).

14 Mudanças as de fase Variações de energia acompanhando as mudanças de fase Geralmente o calor de fusão (entalpia de fusão) é menor do que o calor de vaporização : mais energia é gasta para separar completamente as moléculas do que para separá-las parcialmente.

15 Mudanças as de fase

16 Mudanças as de fase Variações de energia acompanhando as mudanças de fase Todas as mudanças de fase são possíveis sob as condições corretas. A sequência aquecer sólido derreter aquecer líquido ferver aquecer gás é endotérmica. A sequência resfriar gás condensar resfriar líquido congelar resfriar sólido é exotérmica.

17 Mudanças as de fase Curvas de aquecimento O gráfico de variação da temperatura versus calor fornecido é uma curva de aquecimento. Durante a mudança de fase, a adição de calor não provoca nenhuma variação na temperatura. Esses pontos são usados para calcular o H fus e o H vap. Super-resfriamento: ocorre quando um líquido é resfriado abaixo de seu ponto de fusão e ele permanece como um líquido. Atingido através da manutenção da temperatura baixa e do aumento da energia cinética para a quebra das forças intermoleculares.

18 Mudanças as de fase

19 Mudanças as de fase Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura. Temperatura crítica: a temperatura mínima para liquefação de um gás utilizando pressão. Pressão crítica: a pressão necessária para a liquefação.

20 Mudanças as de fase Temperatura e pressão críticas

21 Pressão do vapor Explicando a pressão de vapor no nível molecular Algumas das moléculas na superfície de um líquido têm energia suficiente para escaparem da atração do líquido volumoso. Essas moléculas se movimentam na fase gasosa. À medida que aumenta o número de moléculas na fase gasosa, algumas das moléculas atingem a superfície e retornam ao líquido. Após algum tempo, a pressão do gás será constante à pressão de vapor.

22 Pressão do vapor Explicando a pressão de vapor no nível molecular

23 Pressão do vapor Explicando a pressão de vapor no nível molecular Equilíbrio termodinâmico: o ponto em que tantas moléculas escapam da superfície quanto as que atingem. A pressão de vapor é a pressão exercida quando o líquido e o vapor estão em equilíbrio dinâmico. Volatilidade, pressão de vapor e temperatura Se o equilíbrio nunca é estabelecido, então o líquido evapora. As substâncias voláteis evaporam rapidamente.

24 Pressão do vapor Volatilidade, pressão de vapor e temperatura Quanto mais alta for a temperatura, mais alta a energia cinética média, mais rapidamente o líquido evaporará.

25 Pressão do vapor Volatilidade, pressão de vapor e temperatura

26 Pressão do vapor

27 Pressão do vapor Pressão de vapor e ponto de ebulição Os líquidos entram em ebulição quando a pressão externa se iguala à pressão de vapor. A temperatura do ponto de ebulição aumenta à medida que a pressão aumenta.

28 Pressão do vapor Pressão de vapor e ponto de ebulição Duas maneiras de levar um líquido à ebulição: aumentar a temperatura ou diminuir a pressão. As panelas de pressão operam a alta pressão. A alta pressão o ponto de ebulição da água é mais alto do que a 1 atm. Conseqüentemente, há uma temperatura mais alta em que a comida é cozida, reduzindo o tempo necessário de cozimento. O ponto de ebulição normal é o ponto de ebulição a 760 mmhg (1 atm).

29 Diagrama de fases Diagrama de fases: gráfico da pressão versus temperatura resumindo todos os equilíbrios entre as fases. Dada uma temperatura e uma pressão, os diagramas de fases nos dizem qual fase existirá. Qualquer combinação de temperatura e pressão que não esteja em uma curva representa uma fase única.

30 Diagrama de fases Características de um diagrama de fases: Ponto triplo: temperatura e pressão nas quais todas as três fases estão em equilíbrio. Curva de vapor-pressão: geralmente, à medida que a pressão aumenta, a temperatura aumenta. Ponto crítico: temperatura e pressão críticas para o gás. Curva de ponto de fusão: à medida que a pressão aumenta, a fase sólida é favorecida, se o sólido é mais denso do que o líquido. Ponto de fusão normal: ponto de fusão a 1 atm.

31 Diagrama de fases

32 Diagrama de fases Diagramas de fases de H 2 O e CO 2

33 Diagrama de fases Água: Diagramas de fases de H 2 O e CO 2 A curva do ponto de fusão inclina para a esquerda porque o gelo é menos denso do que a água. O ponto triplo ocorre a 0,0098 C e a 4,58 mmhg. O ponto de fusão (congelamento) é 0 C. O ponto de ebulição normal é 100 C. O ponto crítico é 374 C e 218 atm.

34 Diagrama de fases Diagramas de fases de H 2 O e CO 2 Dióxido de carbono: O ponto triplo ocorre a -56,4 C e a 5,11 atm. O ponto de sublimação normal é -78,5 C. (A 1 atm, o CO 2 sublima, ele não funde.) O ponto crítico ocorre a 31,1 C e a 73 atm.

35 Estruturas dos sólidos Células unitárias Sólido cristalino: arranjo definido e bem ordenado de moléculas, átomos ou íons. Os cristais têm uma estrutura ordenada, que se repete. A menor unidade que se repete em um cristal é uma célula unitária. A célula unitária é a menor unidade com toda a simetria de um cristal inteiro. Uma pilha tridimensional de células unitárias é a rede cristalina.

36 Estruturas dos sólidos Célula unitária

37 Estruturas dos sólidos Células unitárias Três tipos comuns de células unitárias. Cúbica primitiva, átomos nas extremidades de um cubo simples, cada átomo é compartilhado por oito células unitárias. Cúbica de corpo centrado (ccc), átomos nos vértices de um cubo mais um no centro do corpo do cubo. Os átomos das extremidades são compartilhados por oito células unitárias, e o átomo central está completamente incluso em uma célula unitária. Cúbica de face centrada (cfc), átomos nas extremidades de um cubo mais um átomo no centro de cada face do cubo. os átomos das extremidades são compartilhados por oito células unitárias, e os átomos das faces são compartilhados por duas células unitárias.

38 Estruturas dos sólidos Células unitárias

39 Estruturas dos sólidos Células unitárias

40 Estruturas dos sólidos Células unitárias

41 Estruturas dos sólidos A estrutura cristalina do cloreto de sódio Duas maneiras equivalentes de definir a célula unitária: os íons de Cl - (maiores) estão nas extremidades da célula, ou os íons de Na + (menores) estão nas extremidades da célula. A proporção cátion-ânion em uma célula unitária é a mesma para o cristal. No NaCl, cada célula unitária contém o mesmo número de íons de Na + e de Cl -. Observe que a célula unitária para o CaCl 2 precisa de duas vezes mais íons Cl - do que íons Ca 2+.

42 Estruturas dos sólidos A estrutura cristalina do cloreto de sódio

43 Estruturas dos sólidos A estrutura cristalina do cloreto de sódio

44 Estruturas dos sólidos Empacotamento denso de esferas Os sólidos têm forças intermoleculares máximas. As moléculas podem ser modeladas por esferas. Os átomos e íons são esferas. Os cristais moleculares são formados através de empacotamento denso de moléculas. Racionalizamos a força intermolecular máxima em um cristal através do empacotamento denso de esferas.

45 Estruturas dos sólidos Empacotamento denso de esferas Quando as esferas são empacotadas da maneira mais densa possível, há pequenos espaços entre as esferas adjacentes. Os espaços são denominados orifícios intersticiais. Um cristal é formado pela superposição de camadas de esferas densamente empacotadas. Existe apenas uma posição para a segunda camada de esferas.

Equilíbrio Físico. Equilíbrio físico estado no qual duas ou mais fases de uma substância coexistem sem uma tendência a mudança.

Equilíbrio Físico. Equilíbrio físico estado no qual duas ou mais fases de uma substância coexistem sem uma tendência a mudança. Equilíbrio Físico Equilíbrio físico estado no qual duas ou mais fases de uma substância coexistem sem uma tendência a mudança. FASES E TRANSIÇÕES DE FASES SOLUBILIDADE PROPRIEDADES COLIGATIVAS MISTURAS

Leia mais

1. Algumas Propriedades dos Líquidos

1. Algumas Propriedades dos Líquidos 1. Algumas Propriedades dos Líquidos 1.1 Viscosidade Alguns líquidos, como o melaço e o óleo de motor, fluem lentamente; enquanto que outros, como a água e a gasolina, fluem rapidamente. A resistência

Leia mais

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White

QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 11 Forças intermoleculares, líquidos e sólidos David P. White Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em

Leia mais

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR

Prof. Dra. Lisandra Ferreira de Lima PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR PROPRIEDADES FÍSICAS PARTE II VISCOSIDADE; TENSÃO SUPERFICIAL E PRESSÃO DE VAPOR SUBSTÂNCIA PURA Densidade - revisão Tensão superficial forças de adesão Tensão superficial As moléculas volumosas (no líquido)

Leia mais

Transformações Físicas

Transformações Físicas Físico-Química I Profa. Dra. Carla Dalmolin Transformações Físicas Transições de Fase de Substâncias Puras Diagrama de Fases Transformações Físicas Transformações onde não ocorrem mudança na composição

Leia mais

Introdução Moléculas se atraem líquido (atração = força) forças propriedades explicam as diferenças entre os materiais.

Introdução Moléculas se atraem líquido (atração = força) forças propriedades explicam as diferenças entre os materiais. CAPÍTULO 5 LÍQUIDOS E SÓLIDOS FORÇAS INTERMOLECULARES ESTRUTURA DE LÍQUIDOS ESTRUTURA DE SÓLIDOS IMPACTO SOBRE OS MATERIAIS :METAIS IMPACTO SOBRE OS MATERIAIS; SÓLIDOS NÃO METÁLICOS Introdução Moléculas

Leia mais

Transformações Físicas

Transformações Físicas Físico-Química I Profa. Dra. Carla Dalmolin Transformações Físicas Transições de Fase de Substâncias Puras Diagrama de Fases Transformações Físicas Transformações onde não ocorrem mudança na composição

Leia mais

Ciências dos materiais- 232

Ciências dos materiais- 232 1 Ciências dos materiais- 232 2 a aula - Ligações químicas - Estruturas Cristalinas Quinta Quinzenal Semana par 10/03/2015 1 Professor: Luis Gustavo Sigward Ericsson Curso: Engenharia Mecânica Série: 5º/

Leia mais

Diagramas de Energia

Diagramas de Energia Diagramas de Energia 1.1- Análise Gráfica Reação exotérmica Reação endotérmica (a) Energia de ativação (Ea) para a reação inversa (b) Energia de ativação (Ea) para a reação direta (c) ΔH 1.2- Entropia

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

Forças Intermoleculares

Forças Intermoleculares Forças Intermoleculares Você já se perguntou por que a água forma gotas ou como os insetos conseguem caminhar sobre a água? Gota d'água caindo sobre a superfície da água. Inseto pousado sobre a superfície

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos 1 T.102 Resposta: Soma 28 (04 08 16) (01) Incorreta. O estado X corresponde à região onde a substância está na fase sólida e o estado Y à região onde a substância está na fase líquida. Portanto, a passagem

Leia mais

FORÇAS INTERMOLECULARES

FORÇAS INTERMOLECULARES FORÇAS INTERMOLECULARES São as forças que mantêm os sólidos e líquidos unidos. A ligação covalente que mantém uma molécula unida é uma força intramolecular. A atração entre moléculas é uma força intermolecular.

Leia mais

Professor: Rodrigo Rocha Monteiro

Professor: Rodrigo Rocha Monteiro Professor: Rodrigo Rocha Monteiro Pressão Máxima de Vapor Definição Vamos imaginar um cilindro munido de um êmbolo totalmente apoiado em um líquido puro contido no seu interior. Se elevarmos o êmbolo,

Leia mais

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES

INTERAÇÕES INTERMOLECULARES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA QUÍMICA INORGÂNICA FUNDAMENTAL I INTERAÇÕES INTERMOLECULARES Prof. Fabio da Silva Miranda e-mail: miranda@vm.uff.br

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES

PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES PROPRIEDADES COLIGATIVAS DAS SOLUÇõES Propriedades coligativas são propriedades de uma solução que dependem exclusivamente do número de partículas do soluto dissolvido e não da sua natureza. Cada uma dessas

Leia mais

FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Diagrama de Fase

FÍSICA, 2º Ano do Ensino Médio Diagrama de Fase Estuda as fases em que uma substância pura pode se apresentar, de acordo com as condições de pressão e de temperatura a que está submetida. A neblina que se observa na foto resulta da transformação do

Leia mais

sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante Carbonato de sódio NaCl

sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante Carbonato de sódio NaCl sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante NaCl Carbonato de sódio Substância T fusão Dureza Solubilidade em Condutividade Condutivida fusão água térmica de elétrica Sacarose 160 o C Baixa Solúvel Baixa

Leia mais

Aula 15 Diagramas de Fase

Aula 15 Diagramas de Fase Aula 15 Diagramas de Fase 1. Introdução O diagrama de fases de uma substância é um mapeamento que mostra as condições de temperatura e pressão em que as diferentes fases são termodinamicamente mais estáveis.

Leia mais

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura

Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Capítulo 3: Propriedades de uma Substância Pura Substância pura Princípio de estado Equilíbrio de fases Diagramas de fases Substância Pura Substância pura é a aquela que tem composição química invariável

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS. Mestranda: Marindia Decol

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS. Mestranda: Marindia Decol ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS Mestranda: Marindia Decol Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Processos espontâneos A termodinâmica está relacionada com a pergunta: uma reação pode ocorrer? 2 Al (s) + Fe 2 O 3 (s) Al 2 O 3 (s) + 2 Fe (s) H 2 (g) + 1/2O 2 (g) H 2 O(g) 2 2 2 A primeira lei de termodinâmica:

Leia mais

CALORIMETRIA Calor. CALORIMETRIA Potência ou Fluxo de Calor

CALORIMETRIA Calor. CALORIMETRIA Potência ou Fluxo de Calor CALORIMETRIA Calor É a transferência de energia de um corpo para outro, decorrente da diferença de temperatura entre eles. quente frio Unidades de calor 1 cal = 4,186 J (no SI) 1 kcal = 1000 cal Fluxo

Leia mais

Ligação metálica corrente elétrica

Ligação metálica corrente elétrica Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

Estados físicos da matéria. Estado Sólido. Estado Líquido

Estados físicos da matéria. Estado Sólido. Estado Líquido Estados físicos da matéria A matéria é composta por pequenas partículas e, de acordo com o maior ou menor grau de agregação entre elas, pode ser encontrada em três estados: sólido, líquido e gasoso. O

Leia mais

PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS ESTRUTURA E TIPO DE LIGAÇÕES

PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS ESTRUTURA E TIPO DE LIGAÇÕES PROPRIEDADES DOS SÓLIDOS ESTRUTURA E TIPO DE LIGAÇÕES 1 REPRESENTAÇÃO Diferentes estados da matéria gás pouca ordem, movimentos rápidos. Sólido cristalino altamente ordenado líquido polar mais ordenado,

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

QUESTÕES PARA ESTUDO - MUDANÇAS DE ESTADO

QUESTÕES PARA ESTUDO - MUDANÇAS DE ESTADO 1. Além de fazer parte da constituição dos organismos vivos, a água apresenta outras características importantes, que são vitais à manutenção dos ecossistemas do planeta. Com relação às características

Leia mais

Físico-Química Farmácia 2014/02

Físico-Química Farmácia 2014/02 Físico-Química Farmácia 2014/02 1 2 Aspectos termodinâmicos das transições de fase A descrição termodinâmica das misturas Referência: Peter Atkins, Julio de Paula, Físico-Química Biológica 3 Condição de

Leia mais

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj

C m Q C T T 1 > T 2 T 1 T 2. 1 cal = 4,184 J (14,5 o C p/ 15,5 o C) 1 Btu = 252 cal = 1,054 kj A teoria do calórico (~1779) Para atingir o estado de equilíbrio térmico, T 1 T 2 T 1 > T 2 -Substância fluida - invisível - peso desprezível T a quantidade de calórico Esta teoria explicava um grande

Leia mais

Estado Físico Características Macroscópicas Características Microscópicas

Estado Físico Características Macroscópicas Características Microscópicas Sistemas materiais Estados de agregação Estado Físico Características Macroscópicas Características Microscópicas Sólido forma e volume constantes. partículas com arranjo característico; formam estruturas

Leia mais

Aula 6: Estrutura Cristalina dos Metais

Aula 6: Estrutura Cristalina dos Metais Aula 6: Estrutura Cristalina dos Metais - Como a ligação metálica é não-direcional, não há restrições quanto ao número e posições dos vizinhos mais próximos. - A estrutura cristalina dos metais têm um

Leia mais

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS ! AULA PRÁTICA 2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS 1) - M A S S A E S P E C Í F I C A ( ρ ) OU DENSIDADE ABSOLUTA (ρ ). - É o quociente entre a Massa do fluido e o Volume que contém essa massa. m ρ

Leia mais

Biologia Molecular ÁGUA

Biologia Molecular ÁGUA Biologia Molecular ÁGUA Direitos autorais reservados. INTRODUÇÃO A vida depende de reações químicas que ocorrem dentro das células reações bioquímicas do metabolismo. Constituição da matéria viva: água,

Leia mais

29/2/2008. Interações intermoleculares

29/2/2008. Interações intermoleculares Química 2 ano Forças Intermoleculares Décio Helena Fev/08 O tipo de interação existente entre as moléculas e/ou íons definem algumas propriedades importantes das substâncias, como o estado físico, temperaturas

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br DEFINIÇÃO: Um fluído consiste numa substância não sólida

Leia mais

TEMPERATURA. Os constituintes da matéria (moléculas, átomos etc.) movem-se continuamente em um movimento de agitação.

TEMPERATURA. Os constituintes da matéria (moléculas, átomos etc.) movem-se continuamente em um movimento de agitação. TEMPERATURA Os constituintes da matéria (moléculas, átomos etc.) movem-se continuamente em um movimento de agitação. É possível associar a existência de uma energia à energia cinética média desses constituintes

Leia mais

A Ligação Iônica ou Eletrovalente

A Ligação Iônica ou Eletrovalente A Ligação Iônica ou Eletrovalente Formação de pares iônicos As substâncias sólidas podem ser formadas por átomos, moléculas, macromoléculas, ou seja, por partículas eletricamente neutras ou por íons dispostos

Leia mais

TERMODINÂMICA PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS

TERMODINÂMICA PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS TERMODINÂMICA PROPRIEDADES DAS SUBSTÂNCIAS PURAS Profa. Danielle Cardoso www.profadanielle.com.br danielle@profadanielle.com.br Substância Pura É um a substância que possui a mesma composição química em

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos 1 P.109 p a) AB corresponde a uma fusão (passagem da Sólido F fase sólida para a fase líquida). A B Líquido G b) B corresponde a uma vaporização E (passagem da fase líquida para a fase de D Vapor vapor).

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução Propriedades das soluções O processo de dissolução O soluto e o solvente são componentes da solução. Uma solução é uma mistura homogênea de soluto (presente em menor quantidade) e solvente (presente em

Leia mais

CALORIMETRIA E TERMOLOGIA

CALORIMETRIA E TERMOLOGIA CALORIMETRIA E TERMOLOGIA CALORIMETRIA Calor É a transferência de energia de um corpo para outro, decorrente da diferença de temperatura entre eles. quente Fluxo de calor frio BTU = British Thermal Unit

Leia mais

Termoquímica Pa P rte t 2

Termoquímica Pa P rte t 2 Termoquímica Parte 2 Entalpiasde mudançade de estado físico O calor necessário para mudar o estado físico de uma substância é conhecido como: Entalpia de fusão H fus ; ENDOTÉRMICO Entalpia de vaporização

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Estrutura Cristalina Prof. Vera L Arantes 2014 25/3/2014 ESTRUTURA CRISTALINA 2 ARRANJO ATÔMICO Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão

Leia mais

A Matéria. Profº André Montillo

A Matéria. Profº André Montillo A Matéria Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído, as diferentes

Leia mais

ESTADO SÓLIDO. paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs. Profª. Loraine Jacobs

ESTADO SÓLIDO. paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs. Profª. Loraine Jacobs ESTADO SÓLIDO lorainejacobs@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Profª. Loraine Jacobs Estado Sólido Tradicionalmente, um sólido é definido como uma substância que mantém um volume e uma

Leia mais

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE

30/03/2017 Química Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE SOLUÇÕES E SOLUBILIDADE 1. Objetivos Aprender a preparar soluções usando balão volumétrico Reconhecer soluções diluídas, saturadas e supersaturadas Observar a termodinâmica do processo de dissolução 2.

Leia mais

FORMULÁRIO DE DIVULGAÇÃO DO CONTEÚDO DA PROVA FINAL E RECUPERAÇÃO FINAL

FORMULÁRIO DE DIVULGAÇÃO DO CONTEÚDO DA PROVA FINAL E RECUPERAÇÃO FINAL FORMULÁRIO DE DIVULGAÇÃO DO CONTEÚDO DA PROVA FINAL E RECUPERAÇÃO FINAL A) SÉRIE/ANO: 2º Ano Médio B) DISCIPLINA: Química - Enio C) CONTEÚDO A SER EXIGIDO/ORIENTAÇÃO PARA O ESTUDO: SOLUÇÕES: Coeficiente

Leia mais

interações nucleares fortes e interações nucleares fracas.

interações nucleares fortes e interações nucleares fracas. Estados da Matéria Gases Líquidos (água) Sólidos - na atmosfera - nos oceanos, lagos, etc... - terra As forças da natureza: gravidade, coulômbica, interações nucleares fortes e interações nucleares fracas.

Leia mais

Professora Sonia ITA 1964

Professora Sonia ITA 1964 ITA 964 (A prova está dividida por assuntos) Cada TESTE de múltipla-escolha admite sempre uma única resposta dentre as opções apresentadas. TODAS as respostas aos testes deverão ser justificadas no CADERNO

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada. Profº Vitor de Almeida Silva

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada. Profº Vitor de Almeida Silva ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Profº Vitor de Almeida Silva 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido;

Leia mais

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano

Cursos Profissionais-Física e Química 10º ano 3.1.4. Parâmetros da ligação covalente A. O comprimento da ligação nas moléculas diatómicas Como já se referiu, quando os átomos se aproximam formando ligações dão origem a uma nova unidade estrutural-

Leia mais

Fisico-Química da Redução de Óxidos de Ferro

Fisico-Química da Redução de Óxidos de Ferro Fisico-Química da Redução de Óxidos de Ferro Análise Termodinâmica da Redução de Óxidos Metálicos Seja a reação de formação de um óxido a partir do metal Me e de oxigênio puro: 2 Me (s,l) + O 2(g) = 2

Leia mais

Na Terra encontra-se água em três estados físicos: estado líquido, estado sólido e estado gasoso (ou de vapor).

Na Terra encontra-se água em três estados físicos: estado líquido, estado sólido e estado gasoso (ou de vapor). Lee Prince/Shutterstock/Glow Images Na Terra encontra-se água em três estados físicos: estado líquido, estado sólido e estado gasoso (ou de vapor). Como ocorrem as transformações de um estado para o outro?

Leia mais

ORDEM. Periocidade. SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico de átomos, moléculas ou iões, formando uma estrutura cristalina regular

ORDEM. Periocidade. SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico de átomos, moléculas ou iões, formando uma estrutura cristalina regular Capítulo I ESTRUTURA CRISTALINA DE SÓLIDOS ORDEM curto alcance médio alcance longo alcance Periocidade unidimensional bidimensional tridimensional SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico

Leia mais

Equilíbrio Físico. Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier

Equilíbrio Físico. Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier 1 Equilíbrio Físico Disciplina Química Geral II Curso de Química habilitação em licenciatura Prof a. Marcia Margarete Meier 2 Equilíbrio Físico Estamos rodeados por substâncias que mudam de uma forma a

Leia mais

Ligações Químicas. Professor Haroldo

Ligações Químicas. Professor Haroldo Ligações Químicas Professor Haroldo 1. A regra do dueto e do octeto: Para se estabilizar um elemento precisa possuir sua camada de valência igual à camada de valência do GÁS NOBRE MAIS PRÓXIMO (8 e -,

Leia mais

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica

Colégio Estadual Professor Ernesto Faria. Subprojeto Pibid - Química UERJ. Termoquímica Colégio Estadual Professor Ernesto Faria Subprojeto Pibid - Química UERJ Termoquímica REAÇÕES ENDOTÉRMICAS E EXOTÉRMICAS Processo Exotérmico Libera calor para ambiente (vizinhança) Transmite sensação de

Leia mais

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura.

Mudanças de fase. Temperatura e pressão críticas Os gases são liquefeitos sob o aumento da pressão a uma temperatura. Mudanças de fase Sublimação: sólido gás. Vaporização: líquido gás. Derretimento ou fusão: sólido líquido. Deposição: gás sólido. Condensação: gás líquido. Congelamento: líquido sólido. Mudanças de fase

Leia mais

Estrutura Cristalina

Estrutura Cristalina Estrutura Cristalina Para todos os tipos de sólidos (metálicos, iónicos, covalentes ou moleculares), a energia de ligação é máxima para uma distância de equílibrio específica r 0. Um sistema de átomos

Leia mais

Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 02 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Ligação Covalente...1 Ligação Iônica...3 Teoria de Lewis...5 Ligações Intermoleculares...6 Exercícios...7

Leia mais

Propriedades dos Materiais

Propriedades dos Materiais Propriedades dos Materiais Matéria O universo é composto de átomos, que ao se unirem formam a Matéria que pode ser denominado como tudo que ocupa lugar no espaço. Os Estados Físicos A matéria pode apresentar-se

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA. Em relação aos três estados físicos de agregação da matéria: sólido, líquido e gasoso, é correto afirmar que

PROPRIEDADES DA MATÉRIA. Em relação aos três estados físicos de agregação da matéria: sólido, líquido e gasoso, é correto afirmar que LISTA: 02 1ª série Ensino Médio Professor(a): Leonardo Gomes Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: PROPRIEDADES DA MATÉRIA DIA: MÊS: 02 2017 Questão 01 - (IFGO/2015) Em relação aos três estados

Leia mais

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio

Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio Capítulo 18 Entropia, Energia de Gibbs e Equilíbrio As Três Leis da Termodinâmica Processos Espontâneos Entropia A Segunda Lei da Termodinâmica Energia de Gibbs Energia de Gibbs e Equilíbrio Químico Termodinâmica

Leia mais

Volume e forma - não são tão fixos como na teoria. Os sólidos sofrem dilatação com o aumento da temperatura, embora outros se contraem.

Volume e forma - não são tão fixos como na teoria. Os sólidos sofrem dilatação com o aumento da temperatura, embora outros se contraem. Roberto Márcio Assinado de forma digital por Roberto Márcio DN: CN = Roberto Márcio, C = BR, O = Área 1, OU = Faculdade de Ciência e Tecnologia Motivo: Sou o autor deste documento Dados: 2004.08.10 21:56:32-03'00'

Leia mais

LISTA B QUÍMICA TONI ATITUDE

LISTA B QUÍMICA TONI ATITUDE LISTA B QUÍMICA TONI ATITUDE Site: www.sosprofessor.xpg.com.br Lei da conservação (lei de Lavoisier)= em um sistema fechado a massa total não varia Lei da proporção constante (lei de Proust)= os elementos

Leia mais

Termoquímica. Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica Parte 3 Profa. Marcia Margarete Meier 1 Processos espontâneos Um processo que é espontâneo em um sentido não é espontâneo no sentido contrário. O sentido de um processo espontâneo pode depender

Leia mais

Energia Reticular em Sólidos Iônicos

Energia Reticular em Sólidos Iônicos Energia Reticular em Sólidos Iônicos Estutura Cristalina A fórmula química é uma fórmula empírica, simplesmente dando a proporção de íons com base no equilíbrio de carga. Entalpia de rede A estabilidade

Leia mais

Diagramas de fases. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Diagramas de fases. Antes de estudar o capítulo PARTE I PARTE I Unidade C 6 Capítulo Diagramas de fases Seções: 61 Diagrama de fases 62 Equilíbrio sólido-líquido Fusão e solidificação 63 Equilíbrio líquido- Ebulição e condensação 64 Pressão máxima de Isotermas

Leia mais

Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici

Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici Profª Luiza P. R. Martins EEB Presidente Médici Slides podem ser baixados no site perfumesequimica.wordpress.com 2 Algumas perguntas... Por que a água ferve a 71 C no Monte Everest? Por que o sal ou o

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS Faculdade Sudoeste Paulista Engenharia Civil/Produção Notas de aula: CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATERIAIS PROPRIEDADES TÉRMICAS Prof. Msc. Patrícia Corrêa Avaré, 2014 Propriedades de materiais: 1. Térmica

Leia mais

Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos. Princípio de Ciências dos Materiais Prof.: Luciano H. de Almeida

Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos. Princípio de Ciências dos Materiais Prof.: Luciano H. de Almeida Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos Princípio de Ciências dos Materiais Prof.: Luciano H. de Almeida Porque estudar estrutura atômica? Ligação atômica e as propriedades dos materiais

Leia mais

Gabarito das Questões

Gabarito das Questões II OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 19 DE MAIO DE 2007 Gabarito das Questões Para cada questão de 1 a 5, marque com um X a alternativa correta e justifique porque as outras duas estão erradas. QUESTÃO 1 a)

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE - QUÍMICA 9º ANO Nome: Turma:

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE - QUÍMICA 9º ANO Nome: Turma: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO 1º TRIMESTRE - QUÍMICA 9º ANO Nome: Turma: ROTEIRO E INSTRUÇÕES: Estados físicos da matéria. Mudanças de estado físico. Substâncias e misturas. O trabalho deve ser respondido à

Leia mais

Aula 15 15/mai Rafael

Aula 15 15/mai Rafael Aula 15 15/mai Rafael Em condições ambientes, compostos iônicos são sólidos devido à forte atração entre seus cátions e ânions. Metais são quase todos sólidos devido à ligação metálica. Já os compostos

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS

CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS CONCEITO DE LIGAÇÃO IÔNICA UNIÃO ENTRE ÁTOMOS METÁLICOS E AMETÁLICOS OXIDAÇÃO ESTABILIZAÇÃO DO METAL REDUÇÃO ESTABILIZAÇÃO DO AMETAL LIGAÇÃO IÔNICA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO. Aula 1 Água

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO. Aula 1 Água UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP MEDICINA VETERINÁRIA PROFA. DRA. VIVIAN C. C. HYODO Aula 1 Água COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE MATÉRIA VIVA Principais átomos C, H, O, N, P, S. Principais Moléculas 70% a 80% Água 10%

Leia mais

Fisica do Corpo Humano ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01. Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6

Fisica do Corpo Humano ( ) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01. Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6 Fisica do Corpo Humano (4300325) Prof. Adriano Mesquita Alencar Dep. Física Geral Instituto de Física da USP B01 Temperatura Aula 5 e 1/2 da 6 1. Existem em torno de uma centena de átomos 2. Cada átomo

Leia mais

Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT.

Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT. Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT E-mail: rita@debiq.eel.usp.br ritaclb_rodrigues@hotmail.com Fone: 3159-5027 Conceitos importantes: Matéria Massa Peso Uma balança

Leia mais

Sistemas de Refrigeração Parte I

Sistemas de Refrigeração Parte I Sistemas de Refrigeração Parte I 1 Tópicos da Aula de Hoje Introdução / definições sobre sistemas de refrigeração Ciclo de refrigeração por compressão Fatores que influenciam o desempenho do sistema de

Leia mais

Composição Densidade (g/mol) Carvão 0,3 0,6 Ossos 1,7 2,0 Areia 2,0 2,4 Solo 2,6 2,8 Pedras 2,6 5,0

Composição Densidade (g/mol) Carvão 0,3 0,6 Ossos 1,7 2,0 Areia 2,0 2,4 Solo 2,6 2,8 Pedras 2,6 5,0 QUÍMICA Arqueologistas usam diferenças de densidade para separar as misturas que eles obtêm por escavação. Indique a opção correta para uma mostra que contém a seguinte composição: Composição Densidade

Leia mais

Apostila de Química 12 A Matéria

Apostila de Química 12 A Matéria Apostila de Química 12 A Matéria 1.0 Átomo x Elemento Átomo é uma partícula fundamental que compõe toda a matéria. Elemento químico é um conjunto de átomos quimicamente iguais (com o mesmo número atômico).

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUÍMICA

INTRODUÇÃO À QUÍMICA INTRODUÇÃO À QUÍMICA O QUE É QUÍMICA? É a ciência que estuda a matéria, suas propriedades, transformações e interações, bem como a energia envolvida nestes processos. QUAL A IMPORTÂNCIA DA QUÍMICA? Entender

Leia mais

Sólidos iônicos. Classificações de solidos iônicos pela razão radial razão radial = raio do íon menor dividido pelo raio do íon maior

Sólidos iônicos. Classificações de solidos iônicos pela razão radial razão radial = raio do íon menor dividido pelo raio do íon maior Sólidos iônicos Sólidos iônicos são construídos pela atração mútua de cátions a ânions. Sólidos reticulares consistem de átomos ligados aos seus vizinhos covalentemente através da extensão do sólido. Sólidos

Leia mais

Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar

Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar Professora: Daniela Becker Mestranda: Jéssica de Aguiar JOINVILLE SC BRASIL 2016 Estruturas Cerâmicas São compostas por pelo menos dois elementos; Em geral são mais complexas do que a dos metais; Ex.:

Leia mais

A Matéria. Profº André Montillo

A Matéria. Profº André Montillo A Matéria Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído, as diferentes

Leia mais

Fenômenos Térmicos : primeiro conjunto de problemas

Fenômenos Térmicos : primeiro conjunto de problemas Fenômenos Térmicos - 2014: primeiro conjunto de problemas Termômetros, temperatura e escalas de temperatura 1. Suponha que em uma escala linear de temperatura X, a água ferva a 81.5 o X e congele a-190

Leia mais

Física 3 aulas 11 e 12

Física 3 aulas 11 e 12 www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br/cei Mudança de Estado Processos Q > 0 Q < 0 Calor e Mudança de Estado Curva de Aquecimento Temperatura e Calor Exercício 1 Um calorímetro ideal possui em

Leia mais

MÓDULOS 45 e 46 QUÍMICA. Cristais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias 1. CONCEITO DE CELA OU CÉLULA UNITÁRIA

MÓDULOS 45 e 46 QUÍMICA. Cristais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias 1. CONCEITO DE CELA OU CÉLULA UNITÁRIA II Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias QUÍMICA MÓDULOS 45 e 46 Cristais. CONCEITO DE CELA OU CÉLULA UNITÁRIA É a menor unidade que se repete em um cristal, isto é, o retículo cristalino

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1999 QUESTÃO 46 Um limão foi espremido num copo contendo água e as sementes ficaram no fundo do recipiente. A seguir, foi adicionado ao sistema um pouco de açúcar, que se dissolveu

Leia mais

Atenção: Leia o texto a seguir e responda à questão 1.

Atenção: Leia o texto a seguir e responda à questão 1. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

Diagramas de Fase. Objetivos:

Diagramas de Fase. Objetivos: 1 Diagramas de Fase Objetivos: Interpretar diagramas de fases de substâncias puras Deslocamento da fronteira entre as fases Interpretar diagramas de fases de compostos Diagramas de misturas líquidas Diagramas

Leia mais

Propriedades dos Materiais

Propriedades dos Materiais Propriedades dos Materiais Matéria O universo é composto de átomos, que ao se unirem formam a Matéria que pode ser denominado como tudo que ocupa lugar no espaço. Os Estados Físicos A matéria pode apresentar-se

Leia mais

PROPRIEDADES COLIGATIVAS

PROPRIEDADES COLIGATIVAS Química 2ª série EM Apostila 2 página 1 PROPRIEDADES COLIGATIVAS Os solventes puros apresentam propriedades específicas que os identificam. A água pura, por exemplo, congela a 0ºC e ferve a 100ºC ao nível

Leia mais

Ligação iônica = transfere elétrons (um doa outro recebe) 1, 2, 3 e - c.v. 5, 6, 7 e - c.v. Doar e - Receber e - Íon+ Íon - Cl - : NaCl.

Ligação iônica = transfere elétrons (um doa outro recebe) 1, 2, 3 e - c.v. 5, 6, 7 e - c.v. Doar e - Receber e - Íon+ Íon - Cl - : NaCl. LIGAÇÕES QUÍMICAS Os gases nobres aparecem isolados na natureza, ou seja, são estáveis na forma atômica. Isso ocorre em razão de possuírem 8 elétrons na última camada (exceção do hélio, que possui 2 elétrons

Leia mais

Prof. Vanderlei I Paula -

Prof. Vanderlei I Paula - Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Gabarito 3 a lista de exercícios 01 Alimentos desidratados apresentam maior durabilidade e mantêm a maioria das

Leia mais

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer

Propriedades Coligativas. Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas Tecnologia de Alimentos Prof a. Msc. Fernanda Caspers Zimmer Propriedades Coligativas: São mudanças que ocorrem no comportamento de um líquido. Quando comparamos, em análise química,

Leia mais

Estudos de Calor Nas Reações Químicas

Estudos de Calor Nas Reações Químicas studos de Calor Nas Reações s 1. Leia as informações a seguir: Uma árvore, em um ambiente natural a 0 C, apresentando 10 5 folhas com área média de 0,5 dm por folha, está perdendo água para a atmosfera

Leia mais