Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (RIMA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (RIMA)"

Transcrição

1 Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (RIMA)

2

3 Parque hotel marina - ponta do coral // 3 Índice O RIMA 4 O Empreendedor 5 O Empreendimento 6 O Hotel 9 A Marina 12 O Parque Público 14 Novos Ranchos de Embarcações 19 Paisagismo e Sistema Viário 20 Objetivos e Justificativas 22 Alternativas Locacionais e Técnicas 24 Áreas de Influência 26 Síntese do Diagnóstico Ambiental 28 Avaliação dos Impactos Ambientais e Medidas Mitigadoras 39 Alterações Ambientais Meio Físico 40 Alterações Ambientais Meio Biótico 44 Alterações Ambientais Meio Socioeconômico 46 Programas Ambientais 54 Fase de Construção 54 Fase de Operação 62 Prognóstico Ambiental 68 Conclusões 73 A Equipe Técnica Multidisciplinar 75 Dados do Empreendedor e Empresa Consultora 77 Empresas Participantes do Projeto Parque Hotel Marina - Ponta do Coral 78

4 4 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente O RIMA De acordo com a Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) nº 01/86 e a Resolução do Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA) n 03/08, para qualquer obra ou atividade capaz de causar modificação no meio ambiente deve ser produzido um Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O EIA é um estudo técnico, desenvolvido por uma equipe multidisciplinar, que avalia as alterações que o projeto pode causar. O Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (RIMA) é um documento requisitado pelo CONAMA, com a apresentação das informações técnicas mais importantes do EIA de um projeto. Este RIMA apresenta as informações técnicas relativas ao EIA do Parque Hotel Marina - Ponta do Coral, um complexo turístico e de lazer a ser implantado junto à Avenida Irineu Bornhausen (Beira-Mar Norte) na localidade conhecida como Ponta do Coral (Ponta do Recife), em Florianópolis, capital de Santa Catarina. O EIA deste projeto também está disponível para consulta junto à sede do órgão ambiental licenciador, a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA).

5 Parque hotel marina - ponta do coral // 5 O Empreendedor Hantei Engenharia: tradição e sustentabilidade Empresa criada em 1997, a Hantei Engenharia é uma das mais tradicionais e importantes construtoras de Santa Catarina, com diversos empreendimentos entregues nas cidades de Florianópolis e São José. A preocupação com o meio ambiente é um diferencial da empresa, que se empenha em oferecer itens de sustentabilidade que agreguem valor aos empreendimentos. Reconhecimento disso, a Hantei obteve certificação internacional na ISO 9001, e nível A no Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H). A empresa também recebeu dois prêmios de reconhecimento, sendo a marca mais lembrada pelo consumidor (Pesquisa Ímpar IBOPE 2009), e o Troféu TOP DE MARCAS 2011, reconhecido pela Agência Sul de Pesquisas e Estatística (ASULPE), e o Prêmio de Marketing & Negócios Internacional ao Talento Empreendedor 2011.

6 6 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente O Empreendimento Construção de um novo e melhor cenário urbano por meio da Engenharia e da Arquitetura

7 Parque hotel marina - ponta do coral // 7 O Parque Hotel Marina - Ponta do Coral envolve uma série de equipamentos, destacando-se: um grande parque de acesso e uso público, contendo ciclovia, anfiteatro, nove praças e academias ao ar livre, hotel, centro de convenções e marina. A localidade possui aproximadamente 15 mil metros quadrados e, para abrigar este complexo, terá um acréscimo de área por meio de aterro mecânico, adjacente ao terreno préexistente. Desta forma, o terreno será acrescido em ,74 metros quadrados, espaço que será ocupado pela área de uso público, mantida pelo empreendedor e sem custos à sociedade.

8 8 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Detalhes da parte interna do Hotel Edificação de ,67m² 91,78 m de altura 661 apartamentos 1322 leitos 51 lojas de apoio Cerca de vagas de estacionamento

9 Parque hotel marina - ponta do coral // 9 O Hotel Florianópolis contará com uma estrutura apropriada para receber grandes eventos internacionais durante o ano todo, reunindo todas as necessidades em um único local: hospedagem, centro de eventos, gastronomia, esporte, cultura e lazer Como objetivo principal, o empreendimento terá um complexo hoteleiro, prevendo-se uma edificação de 9 mil metros quadrados em solo e com altura de 91,78 metros. Será composto por quatro pavimentos, que irão abrigar um espaço gastronômico e comercial, 16 pavimentos de unidades hoteleiras, ático e heliponto. Para o hotel, serão construídos 661 apartamentos, com leitos. Seguindo padrão internacional de qualidade hoteleira, o complexo terá selo 5 estrelas. Para a área comercial, serão disponibilizadas 51 lojas de apoio. O empreendimento também contará com amplo estacionamento para cerca de vagas.

10 10 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Para abrigar eventos internos, estão previstos dois salões maiores com possibilidades de subdivisão. Cada um destes salões possui em torno de metros quadrados, podendo subdividir-se em até três módulos menores. Há, ainda, 18 salas para eventos menores, com área variando de 40 a 150 metros quadrados. O pavimento que comporta o Centro de Convenções conta com amplas áreas de Foyer para receber grandes acontecimentos, bem como eventos simultâneos. Espaço para grandes eventos: m² de área 2 salas articuladas de grande porte 18 salas para eventos menores Estrutura completa de apoio, com restaurante, academia, sauna, piscinas, sala de jogos, áreas de descanso, salas de reunião

11 Parque hotel marina - ponta do coral // 11

12 12 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente A Marina Um sonho antigo que se torna realidade Consolidando um anseio da cidade, o empreendimento prevê uma marina flutuante, podendo abrigar até 247 embarcações, de 35 até 60 pés, em um espelho d'água de metros quadrados. A escolha pelo formato de marina flutuante exclui a necessidade de instalações fixas ou execução de molhes, o que reduz a amplitude de intervenções sobre o meio aquático. A Marina contará com serviços de padrão internacional, disponibilizando píeres com fornecimento de água tratada e coleta de efluentes, posto de combustível, restaurante e bar. Além disso, disponibilizará vagas exclusivas para o uso da Guarda Marítima da Capitania dos Portos, Corpo de Bombeiros, Polícia Ambiental e Polícia Federal.

13 Parque hotel marina - ponta do coral // 13 Marina será flutuante de modo a minimizar os impactos ambientais Marina sem dragagem Usuários utilizarão a profundidade natural para chegar ao local de atracação O projeto prevê ainda que a distância da Marina em relação à costa será de 175 metros, pois deste modo os barcos podem acessar o local em segurança, além de eliminar a necessidade de dragagem para a construção da Marina.

14 14 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente O Parque Público Moderna área de lazer e valorização da cultura catarinense Ocupando metros quadrados - 67% da área do projeto -, os equipamentos de lazer público terão espaços específicos para diversas atividades. Para a realização de eventos, a comunidade contará com um anfiteatro ao ar livre e uma praça de eventos, que poderão ser ocupados pelos cidadãos sem custo algum para a sociedade. Essa praça terá, em seu centro, um chafariz com reservatório sob o piso drenante. Ele funcionará sempre que não houver a necessidade de uso da praça seca, substituindo a aridez de um espaço vazio pelo movimento da água onde crianças e adultos poderão brincar. Parque Público Anfiteatro

15 Parque hotel marina - ponta do coral // 15 Área do terreno: ,71m² Área após aterro: ,45 m² 67% da área após aterro será destinada ao espaço de lazer público 100% da área aterrada será pública Caminho Literário Praça de Eventos

16 16 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Praça dos Ventos Praça do Ócio Valorizando a parte lúdica e o bem-estar, o projeto possui o Caminho Literário, no qual os pedestres andarão por uma estrutura decorada com poesias e trechos de obras de artistas catarinenses. Outro destaque para a cultura de Santa Catarina foi dado no Monumento às Rendeiras, onde o talento e a tradição da Ilha ganham forma. Além disso, a Praça dos Ventos, com diversas birutas, Praça do Ócio e a Praça Pôr Do Sol são espaços ideais para caminhadas e descanso, sempre contemplando a natureza. Praça Pôr do Sol Áreas de uso público e gratuito: 9 praças Anfiteatro 2 Playgrounds Esteiras de descanso Academia ao ar livre Ciclovia Pista de caminhada

17 Parque hotel marina - ponta do coral // 17 Academia ao ar livre Para o esporte, o projeto contém uma moderna e diferenciada academia ao ar livre. Além disso, as crianças terão dois playgrounds educativos para se divertirem. Como este trecho da Avenida Beira-Mar Norte não foi contemplado com a revitalização que a área ganhou em 2010, o projeto irá suprir essa necessidade. Além dos equipamentos que serão instalados, o complexo também irá revitalizar a área, dando continuidade à pista de caminhada, que contornará o empreendimento e ficará ao lado da margem da água, mantendo a proximidade com o mar. Também serão implantados bicicletário, ciclovia, estacionamento e banheiros de uso público. Estas áreas terão manutenção constante pelo empreendedor, sem gerar custo algum para a população ou Poder Público. Playgrounds educativos

18 18 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente

19 Novos Ranchos de Embarcações Valorização dos pescadores Para realocar os ranchos de embarcações que estão instalados na região do empreendimento, serão construídos Ranchos de Embarcações, onde eles poderão armazenar suas embarcações e equipamentos. A nova área irá abrigar todos os pescadores cadastrados que possuem ranchos localizados na área da Ponta do Coral. A estrutura estará disposta de forma paralela ao mar, compondo-se de quatro blocos, todos com 11 metros de largura. Os Ranchos de Embarcações serão construídos ao lado da pista de caminhada e ciclovia que margeia toda a Avenida Beira-Mar, resguardando assim os pescadores do ruído e movimento da rua. A obra terá arquitetura integrada com o meio ambiente e vai valorizar a cultura açoriana. Qualificação da mão de obra local Outro importante compromisso da empresa é a criação do Instituto Hantei - Ponta do Coral, que irá qualificar, preferencialmente, os moradores do entorno do empreendimento. O Instituto irá valorizar a mão de obra da região e possibilitar que esses trabalhadores ocupem as milhares de vagas de empregos que o projeto irá gerar. Ao mesmo tempo em que a implantação do empreendimento atenderá a demanda cada vez maior que a atividade de turismo vem gerando, este projeto representará a geração de, aproximadamente, empregos diretos, envolvendo os serviços na Marina e hotel, e por volta de empregos indiretos, envolvendo os serviços urbanos, turismo e lazer. Geração de mais de empregos diretos qualificados para a comunidade local Geração de mais de empregos indiretos durante a operação

20 20 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Paisagismo e Sistema Viário Revitalização da arborização da Ponta do Coral Para o paisagismo, o projeto prevê uma intensa arborização da área, com uso de espécies da Mata Atlântica. A vegetação será constante próxima às áreas de lazer, ficando mais rarefeita junto ao mar, para valorizar a vista. O paisagismo do projeto irá valorizar, nas áreas verde e de lazer, espécies da Mata Atlântica O sistema viário do empreendimento será acessado por meio da Avenida Irineu Bornhausen (Beira-Mar Norte), sentido bairro-centro, na altura do Palácio da Agronômica. Será executada uma via marginal à avenida para garantir o acesso ao empreendimento sem que interfira no fluxo natural de veículos da Avenida. Além disso, o projeto prevê uma faixa adicional de trânsito, separada por um canteiro da Beira-Mar Norte, para circulação de usuários do empreendimento, sejam eles hóspedes do hotel, usuários da Marina e do parque.

21 Parque hotel marina - ponta do coral // 21

22 22 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Objetivos e Justificativas O Parque Hotel Marina Ponta do Coral irá fomentar e qualificar o Turismo em Florianópolis, além de intensificar o potencial náutico de Santa Catarina Em contrapartida ao fluxo crescente de turistas no País, ocorre, em Santa Catarina, uma queda na qualificação do turismo. Nos últimos anos, segundo dados das entidades que formam o trade turístico catarinense, os gastos dos visitantes no Estado foram reduzidos. Além disso, a sazonalidade do turismo em Santa Catarina ainda representa o problema essencial do setor. Neste sentido, um intenso calendário de eventos representa uma solução para equilibrar a sazonalidade. Assim, o Parque Hotel Marina Ponta do Coral, por conta das áreas propícias à realização de eventos de grande porte que abrigará e à oferta de serviço qualificado e de alto padrão, oportunizará um incremento na qualificação do turista que tem Florianópolis como destino. A criação de espaços propícios à realização de eventos de grande porte também proporcionará uma mudança na percepção do município como destino turístico de férias de Verão, pois o empreendimento possibilitará a criação de um calendário anual de eventos com programações de qualidade. O setor náutico é outro elemento que possui um potencial de crescimento enorme em Santa Catarina e no Brasil, em função da extensa costa marítima do País. A marina planejada para o empreendimento terá capacidade para abrigar 247 embarcações, contando com uma infraestrutura e serviços de padrão internacional. O empreendimento tem a intenção de envolver, por meio da Marina, a sua comunidade de usuários, clientes ou associados, com valores de conduta náutica ambientalmente sustentável. Isso abrange desde as escolinhas de vela, onde será possível educar os jovens e iniciantes com as melhores práticas, até a realização de eventos como palestras e workshops educativos, além da realização de navegadas de conscientização e ações junto ao meio ambiente.

23 Parque hotel marina - ponta do coral // 23 Além de incrementar o potencial turístico e náutico, o empreendimento irá atender necessidades que os próprios moradores da região almejam. Na pesquisa de opinião realizada para o Diagnóstico Socioeconômico do Estudo de Impacto Ambiental, 75% dos entrevistados afirmaram que a Avenida Beira-Mar Norte necessita de novas áreas de lazer de qualidade. Além disto, 82% expressaram que a infraestrutura atual na Ponta do Coral não é convidativa. Quando questionados a respeito das características da Ponta do Coral, a mais mencionada foi a insegurança com 23%, seguida das denominações perigosa e suja, com 20% e 17% das respostas, respectivamente. Por conta da insegurança do local, 57% das pessoas entrevistadas apenas passam em frente ao local, sem adentrar a Ponta do Coral, enquanto que 27% dos entrevistados disseram utilizar o local como área de lazer. Opinião dos moradores sobre a área do projeto: 75 % Afirmaram que a Avenida Beira-Mar Norte precisa de novas áreas de lazer de qualidade 82 % Avaliam a atual infraestrutura da Ponta do Coral como não convidativa 57 % Não adentram a Ponta do Coral por insegurança Opinião dos moradores sobre as áreas de lazer na região: 42 % Ruim 27 % Bom 26 % Regular 5 % Não soube opinar Características atribuídas ao espaço da Ponta do Coral: 17 % 23 % 20 % Sujo Inseguro Perigoso Resultados da pesquisa de opinião do Diagnóstico Socioeconômico do EIA

24 24 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Alternativas Locacionais e Técnicas O projeto utilizará técnicas e será instalado no local que proporcione o menor impacto ambiental possível Alternativas Locacionais Categoria Para a Marina Para o Aterro Alternativas analisadas Marina distante 175 metros da costa Marina mais próxima à costa Aterro no entorno de toda a Ponta Aterro no entorno da Ponta até a altura de seu estreitamento Alternativas selecionadas X X Justificativa A Marina mais distante da costa irá eliminar a necessidade de realização de dragagem, o que minimiza significativamente os impactos ao meio ambiente, especialmente à fauna aquática. O aterramento de somente uma porção no entorno da Ponta do Coral permite a preservação da extremidade da Ponta, fazendo que feições da paisagem natural sejam mantidas. Alternativas Técnicas Para a Marina Para o Aterro Estrutura Contínua Estrutura Discreta Aterro Hidráulico Aterro Mecânico X X A escolha pela Marina flutuante leva em consideração as características de sua execução. O material do sistema flutuante é composto de decks de alumínio ou aço, sobre os quais se tem madeira e sob a estrutura toda são instalados flutuadores rotomoldados de polietileno com enchimento de poliestireno, ou similares, não havendo necessidade de utilização de materiais de obras civis. Este aterro tem atuação mecanizada de equipamentos e do transporte rodoviário de material de jazidas. Utilizar o aterro mecânico exclui a necessidade de dragagem, o que faz com que os impactos ao meio ambiente associados a este tipo de técnica não ocorram.

25 Parque hotel marina - ponta do coral // 25 Categoria Alternativas analisadas Alternativas selecionadas Justificativa Alternativas de Implantação Para o Projeto Ponta José Francisco (bairro Coqueiros) Bairro Abraão Ponta do Coral X A comparação qualitativa entre as três alternativas locacionais baseou-se nos seguintes critérios: relevo terrestre, geologia/ geotecnia, relevo submarino, agitação marítima, cobertura vegetal, fauna terrestre, fauna marinha, pesca artesanal, trânsito, incômodos à vizinhança, potencial turístico e custos de instalação. Os resultados dessa análise constataram que a alternativa da instalação na Ponta do Coral é a que menos impactará ao meio ambiente e, além disso, proporcionará a revitalização da área e também atenderá ao anseio da população florianopolitana pela disponibilização de áreas de lazer naquela localidade, conforme comprovação da pesquisa de opinião realizada com os moradores e usuários da Área de Influência Direta do Empreendimento. A Marina será distante 175 metros da costa, minimizando impactos ambientais. A marina flutuante exlcui a necessidade de dragagem A Ponta do Coral foi a escolhida entre três alternativas locacionais

26 26 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Áreas de Influência Para definir os limites das áreas de influência do empreendimento, levou-se em consideração as características específicas das obras e serviços propostos, bem como a delimitação da bacia hidrográfica da área do empreendimento em estudo As áreas de influência consistem no conjunto dos locais que sofrerão impactos diretos e indiretos decorrentes da manifestação de atividades transformadoras existentes ou previstas, sobre as quais serão desenvolvidos os estudos. Dentre as diversas questões que foram consideradas para a demarcação das áreas de influência, destacamse a área onde serão realizadas todas as obras, os efeitos econômicos da implantação do empreendimento e o local de geração de impactos e seus vetores correspondentes. Sendo assim, foram definidas três Áreas de Influência: Área Diretamente Afetada (ADA), Área de Influência Direta (AID) e Área de Influência Indireta (AII). Área Diretamente Afetada (ADA) A Área Diretamente Afetada foi delimitada pelas intervenções diretas da implantação e operação do Complexo Ponta do Coral, são elas: área de aterro com ,74 metros quadrados, área do espelho d água utilizado pela Marina, com metros quadrados e área do terreno com ,71 metros quadrados, totalizando ,45 metros quadrados. CONVENÇÕES HANTEI ENGENHARIA

27 Parque hotel marina - ponta do coral // 27 Área de Influência Direta (AID) A Área de Influência Direta é aquela sujeita aos impactos diretos provenientes da implantação e operação do Complexo Ponta do Coral. Para os meios físico e biótico, a AID foi definida pelo trecho da bacia hidrográfica relacionada diretamente ao empreendimento (microbacia de drenagem que deságua na Ponta do Coral), juntamente com as áreas que a modelagem numérica previu impactos diretos (alterações na magnitude das correntes, nas alturas significativas de onda e na magnitude do transporte de sedimento residual). A AID é também o limite mais sujeito para manifestação dos efeitos diretos da construção do empreendimento, como o desconforto acústico e alteração da qualidade do ar. Para o meio socioeconômico foi delimitada como AID o Bairro Agronômica e a Avenida Beira-Mar Norte. PONTA DO CORAL N MEIO SOCIOECONÔMICO - BR 101 ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA - MEIO SOCIOECONÔMICO ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA - MEIOS FÍSICO E BIÓTICO CONVENÇÕES PONTA DO CORAL W Área de Influência Indireta (AII) S E CONVENÇÕES A Área de Influência Indireta é aquela onde os impactos provenientes da implantação e operação do Complexo Ponta do Coral são sentidos de maneira indireta e com menor intensidade em relação à AID. Os meios físico e biótico têm como limite da AII a Bacia Hidrográfica Florianópolis, com 9,05 quilomêtros quadrados e Baía Norte da Ilha de Santa Catarina. ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA - MEIO SOCIOECONÔMICO ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA - MEIOS FÍSICO E BIÓTICO (PORÇÃO AQUÁTICA) ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRETA - MEIOS FÍSICO E BIÓTICO (PORÇÃO TERRESTRE) HANTEI ENGENHARIA EIA / RIMA PARQUE HOTEL MARINA - PONTA DO No meio socioeconômico, a AII é constituída pelos bairros Agronômica, MPB FRP 1:30000 Cacupé, Centro, Córrego Grande, Itacorubi, João Paulo, José Mendes, Monte Verde, Saco Grande, Saco dos Limões, Santa Mônica, Trindade e Pantanal, a rota dos caminhões que liga o terreno do Complexo Ponta do Coral às jazidas de material de empréstimo, e o limite da Baía Norte. DE MPB-007 ÁREA DE INFLUÊNCIA DIRET MEIOS FÍSICO, BIÓTICO E SOCIOEC DEZEMBRO/2011 DE MPB-008 Nº DA CONSULTORA MPB 1: FRP DEZEMBRO/2011 ÁREA DE INFLUÊNCIA INDIRETA MEIOS FÍSICO, BIÓTICO E SOCIOECONÔM HANTEI ENGENHARIA EIA / RIMA PARQUE HOTEL MARINA - PONTA DO COR

28 28 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Síntese do Diagnóstico Ambiental Principais resultados obtidos pelo Estudo de Impacto Ambiental nos meios Físico, Biótico e Socioeconômico Resultado de diversas pesquisas do Estudo de Impacto Ambiental, o diagnóstico ambiental dos meios físico, biótico e socioeconômico permite conhecer o estado atual da região na qual o Parque Hotel Marina Ponta do Coral será instalado. Já neste RIMA, apresenta-se os principais resultados do diagnóstico ambiental.

29 Parque hotel marina - ponta do coral // 29 Meio Físico Geologia A área apresenta rochas do Riolito Cambirela, inserido na Suíte Vulcano- Plutônica Cambirela, e do Granito Ilha, constituinte da Suíte Pedras Grandes. Ocorrem ainda Diques de Diabásio, Depósitos Transicionais Lagunares e Depósitos Marinhos Praiais. Geomorfologia e Relevo A Geomorfologia da área é caracterizada pelos modelados de dissecação (Dissecação em Montanha e Morraria) e de acumulação (Depósitos Sedimentares Quaternários: Planície Marinha, Flúvio-Marinha e Rampa Colúvio-Eluvial). Pedologia As áreas de influência direta e indireta do local destinado ao empreendimento apresentam exposições de Argissolos, Neossolos, e Gleissolos, relacionados às alterações dos tipos litológicos mais antigos aflorantes na região e aos materiais oriundos da sedimentação litorânea que envolve as cercanias do local. Clima O clima da região em que se insere o projeto é classificado como Mesotérmico Úmido, particularmente, sem estação seca definida e verões quentes (considerado como Cfa pela Classificação climática de Köppen- Geiger). O clima da região é condicionado pelos domínios das massas de ar - Massa Tropical Atlântica (MTA), quente que atua em 80% do ano, e da Massa Polar Atlântica (MPA), fria de atuação em 20% do ano, especialmente no Inverno. A temperatua média oscila entre 15ºC e 18ºC no Inverno e entre 24ºC e 26ºC no Verão, com temperatura média do mês mais quente sempre superior a 22ºC. Geotecnia Os ensaios geotécnicos realizados indicam uma grande heterogeneidade dos materiais ocorrente no subsolo da Ponta do Coral. Do ponto de vista de fundação de aterro, os solos intemperizados e o substrato rochoso do Granito Ilha, observados na Área Diretamente Afetada emersa do empreendimento, não oferecem maiores problemas ao assentamento do aterro a ser erigido a as estruturas que por ventura vierem a ser estabelecidas. Afloramentos do Granito Ilha no extremo norte da Ponta do Coral. No detalhe observa-se a rocha leucocrática de textura fanerítica granular Vista da lateral oeste da Ponta do Coral, onde se nota um relevo plano coberto por vegetação herbácea Características do solo na porção centro-norte da Ponta do Coral. A variedade de tipologias demonstra que o solo superficial possui uma camada de aterro

30 30 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Hídrologia Florianópolis é subdividida em 25 bacias hidrográficas, cujo empreendimento em estudo compreende inteiramente a Bacia Hidrográfica Florianópolis, com 9,05 quilômetros quadrados. A densidade de drenagem de 0,40 km/km² demonstra a baixa capacidade de drenagem desta bacia. A bacia alongada aliada ao alto coeficiente de compacidade (1,59) e baixo fator de forma (0,33) indica um maior tempo de concentração da bacia e, consequentemente, menor vazão máxima de enchente. Hidrogeologia No município de Florianópolis existem basicamente dois tipos de aquíferos: o Sistema Aquífero Sedimentar Inconsolidado e o Sistema Aquífero Cristalino Fissurado, que, juntos, abrangem as Áreas de Influência Indireta e Direta do empreendimento. Qualidade da Água Nos resultados das análises físico-químicas e bacteriológicas realizadas para este estudo, em 19 parâmetros, registrou-se que nove deles apresentaram concentrações acima do estabelecido pela Resolução CONAMA 357/05. Assim, constatou-se que a água do local do projeto possui classificação e enquadramento de corpos de água e lançamento de efluente fora do padrão. Hidrodinâmica Marinha e Costeira O ponto onde será implantado o empreendimento é protegido dos ventos que sopram de Nordeste, Leste e Sul e desprotegido dos ventos que sopram de Noroeste e Oeste. Apesar da pouca capacidade de transporte de água pelos ventos, em episódios específicos pode haver arrasto de sedimentos sobre as águas superficiais ou ressuspensão (ventos de NE) dos sedimentos de fundo de bancos rasos da baía. Contudo, o transporte de sedimentos pelas correntes de marés pode ser considerado uniforme ao longo de toda a coluna d água e é muito mais efetivo do que o produzido pelos ventos de intensidade habitual. Há, nessas condições, a formação de plumas de turbidez que tendem a ser lançadas de encontro ao local onde será projetado o empreendimento. As obras a serem executadas no local destinado à implantação do empreendimento não ensejarão alterações significativas nas condições de escoamento na Baía Norte. Pesquisadores coletaram amostras nas quatro estações do ano para levantamento da qualidade da água da área

31 Parque hotel marina - ponta do coral // 31 Embarcação utilizada para execução do levantamento batimétrico na região da Ponta do Coral Foram medidos níveis de ruído em três pontos, em diferentes campanhas, na área da Ponta do Coral Levantamento Batimétrico Observou-se que a profundidade média do local investigado é de 1,9 metros, sendo que a área prevista para a instalação da Marina apresenta uma profundidade média de 2,4 metros na baixa-mar. O local previsto para a instalação da Marina compreende uma região de profundidades mais elevadas que vão de, aproximadamente, 2 a 4 metros. Imageamento de Fundo Foram encontrados dois tipos bem definidos de retorno acústico. Um mais claro e intenso e outro mais escuro. Estas diferenças de retorno acústico puderam ser utilizadas para a interpretação das fácies sedimentares existentes no fundo da baía, que foram classificadas como Argila Fina e Argila Grossa. Observou-se, também, a ocorrência de rochas no fundo, ora grandes afloramentos e ora pequenas rochas espaçadas. Ruído Para análise do ruído existente na Ponta do Coral, foram realizadas três campanhas de campo para medição de ruído em três pontos amostrais. Os resultados apontaram valores acima do estabelecido pela legislação apenas no ponto localizado mais próximo ao local de fluxo intenso de veículos.

32 32 // Relatório de Impacto ao Meio Ambiente Meio Biótico Flora Na área onde se pretende instalar o empreendimento, a vegetação encontra-se bastante antropizada (que sofreram alteração devido à ação humana), em estágios secundários (inicial) de desenvolvimento, podendo ser caracterizada como pouco diversa, com a predominância de poáceas e presença de Eucaliptus sp e taperebá/cajuzeiro. Da vegetação nativa, pode ser visualizada algumas espécies, embora em unidades isoladas, representantes do ambiente natural. Dentre estas, estão a espécie nativa litorânea hibiscu-da-praia e aroeira. Além de espécies não caracterizadas como sendo original do trecho: pau-ferro e Solanum sp. Também se verificou que a cobertura vegetal que ocorre na área é caracterizada como Floresta Ombrófila Densa da faixa litorânea, com presença de espécies em estágio inicial de regeneração e de várias espécies exóticas. No levantamento de campo por censo foram registradas 23 espécies, sendo 10 espécies nativas e 13 exóticas, não sendo encontradas espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção (Instrução Normativa do Ministério do Meio Ambiente n 6). Fauna terrestre Para classificar a fauna terrestre da área foi feito o registro de espécies dos grupos de anfíbios, répteis, aves e mamíferos na área de influência do empreendimento. Foram encontradas: 1 espécie de anfíbio, das 45 possíveis de ocorrência; 2 espécies de répteis, das 54 possíveis; 43 espécies de aves, das 296 possíveis; e 1 espécie de mamífero (cão doméstico), das 47 possíveis. O baixo número de espécies registradas devese ao fato, principalmente, do tamanho da área do empreendimento e à inexistência de fragmento florestal relevante próximo à Ponta do Coral. É notório que a área sofreu e sofre perturbação constante, sendo atualmente caracterizada por ambientes abertos e capim, além de perturbações antrópicas e presença de animais domésticos, trilhas ao longo da área do empreendimento e lixo. Por estes motivos o empreendimento não tende a influenciar de forma restritiva na fauna. O empreendimento também não impacta de forma direta os mamíferos terrestres. Agrupamento de espécies arbóreas nativas encontradas na área do projeto Indivíduo da espécie Leptodactylus gracilis registrado na ADA Pesquisa em campo levantou as espécies da fauna aquática da região da Ponta do Coral

A EMPRESA. Fundada em 1997 15 anos de atividade. Empresa 100% Catarinense. 40 Empreendimentos construídos e entregues

A EMPRESA. Fundada em 1997 15 anos de atividade. Empresa 100% Catarinense. 40 Empreendimentos construídos e entregues A EMPRESA Fundada em 1997 15 anos de atividade Empresa 100% Catarinense 40 Empreendimentos construídos e entregues Credibilidade Fornecedores, Parceiros e Clientes Apoio a ações sociais MISSÃO DA HANTEI

Leia mais

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L

L B O C A L I Z A R ÇÃO A S I L L O C A L I Z A Ç Ã O BRASIL L O C A L I Z A Ç Ã O B R A S I L B R A S I L NOVA REALIDADE 6º PIB DO MUNDO 5ª MAIOR ECONOMIA EM 2015 OLIMPÍADAS E COPA DO MUNDO U M P A Í S EM DESTAQUE SANTA CATARINA L O

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br Superintendência do Porto de Rio Grande http://www.portoriogrande.com.br 1º WORSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PORTOS DAS REGIÕES SUL E SUDESTE ESTUDO DE CASO LICENÇA DE OPERAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA NOS ESTUDOS EQUIPE TÉCNICA DO EIA 49 profissionais de

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Conceitualmente, Área de Influência abrange todo o espaço suscetível às ações diretas e indiretas do empreendimento, tanto na fase de implantação como na de operação,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN

IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN IMPACTOS AMBIENTAIS DA OPERAÇÃO DE UM POSTO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS EM NATAL/RN Fernanda Gracielly Santos da Silva (*), Joel Medeiros Bezerra2 *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1 Índice 12 - Conclusões... 1 Índice 1/1 12 - ATE XXII A Linha de Transmissão (LT) 500 kv Marimbondo II Campinas e Subestações Associadas é um empreendimento da ATE XXII Transmissora de Energia S.A a ser

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ.

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de:

canteiro de obras: compreendendo o conjunto de instalações dimensionadas e implantadas para o apoio às obras, podendo constar de: ES MA 04 CANTEIROS DE OBRAS, INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS E EQUIPAMENTOS EM GERAL 1. Generalidades Esta Especificação estabelece os procedimentos a serem observados na instalação e na operação dos canteiros

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / FINANCIAMENTO ADICIONAL PROSER JUNHO 2012 LVA PARA INFRAESTRUTURA

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL 3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS (Avanço no Licenciamento Ambiental de Rodovias) Lucio Lima da Mota São Paulo. 21 de Outubro de 2010 Adaptado

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES 1. Identificação do empreendedor e Empresa Consultora 1 1 1 1 1.1 Identificação do empreendedor 1 1 1 1 CPEA 746 Brasil Intermodal Terminal Santos Terminal Brites Check List 5 1.2 Identificação da empresa

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA

ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA ANEXO II PORTARIA Nº 420, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 TERMO DE REFERÊNCIA DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA REGULARIZAÇÃO DE RODOVIAS RCA INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência tem como objetivo

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal PAINEL III Licenciamento Ambiental Municipal Licenciamento Ambiental Municipal Em 1978 Supressão de vegetação (construções e em áreas públicas) (Código de Posturas de 1974); Em 1981 Supressão de vegetação

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02

1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 1. Canteiro de Obra Cajazeiras 02 A cidade de Cajazeiras, localizada no estado da Paraíba (PB), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros de obras que

Leia mais

PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura

PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura França&Associados e A.S. Estruturas Elétrica e Automação

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

II.10 - CONCLUSÃO. RCA - Relatório de Controle Ambiental Atividade de Perfuração Marítima no Bloco BM-PAMA-8, Bacia do Pará-Maranhão

II.10 - CONCLUSÃO. RCA - Relatório de Controle Ambiental Atividade de Perfuração Marítima no Bloco BM-PAMA-8, Bacia do Pará-Maranhão II.10 - CONCLUSÃO II.10 - Conclusão Pág. 1/5 II.10 - CONCLUSÃO O presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de fornecer as informações necessárias para subsidiar o licenciamento ambiental da Atividade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA GRADAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA FINS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL, DE QUE TRATA A LEI Nº 9.985, DE 18/07/2000. A Comissão

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 Índice 6 -... 1 6.1 - Delimitação das... 2 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 6.1.2 - Área de Influência Indireta (AII)... 2 Índice de Quadros Quadro 1 - Lista dos Municípios da Área de Influência

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais