PROPOSTAS PRÁTICAS PARA O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTAS PRÁTICAS PARA O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 224 RESUMO PROPOSTAS PRÁTICAS PARA O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Mariuza Figuerêdo 1 Rosana de Oliveira Nunes Neto 2 Atualmente o modelo clássico de formação docente tem sido revisto, discutindo-se a necessidade de um processo que permita maior participação do professor, como profissional e como pessoa. Nesse sentido, técnicas projetivas podem se constituir em um procedimento útil a ser empregado nas propostas de ensino. Considerando a falta de tempo dos professores, que muitas vezes são sobrecarregados de horas/aula, e a dificuldade de adquirirem livros de atualização, este trabalho apresenta propostas de atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula de modo mais interessante, e talvez mais proveitoso que as aulas tradicionais, sem se desviar dos conteúdos do currículo. Para tanto, a pesquisa pode ser classificada como exploratória e bibliográfica, apresentando como resultado uma lista de 20 dinâmicas que podem ser utilizadas no ensino de Educação Ambiental. Em se tratando de Educação Ambiental, sob a perspectiva apresentada no trabalho, deve se observar que para utilizar recursos técnicos pedagógicos facilitadores da aprendizagem há de se considerar suas vantagens e desvantagens, procurando ponderar essas possibilidades em relação a situação grupal que trabalha. Espera-se que o trabalho possa contribuir para a formação pedagógica de professores e facilitar o processo de ensinoaprendizagem em Educação Ambiental aos educandos. Palavras-chave: Práticas, Ensino, Educação Ambiental ABSTRACT Currently the classic model of teaching formation has been coats, arguing it necessity of a process that allowed to more participation of the teacher as professional and as person. In this direction to project techniques can consist in a useful procedure to be overloaded of hours / lesson, and the difficulty of acquires update books, this work presents proposals of activities that can be developed in classroom in more interesting way, and perhaps beneficial may that the traditional lessons without if deviating from the contents of the summary. For in such a way, the research can be classified as explore and bibliographical, presenting as resulted one list of 20 dynamic that can be used in the education of Ambient Education, under the perspective presented in the work must be observed to use pedagogical resources technical make easy of the learning has of if considering its advantages and disadvantage, looking for to ponder these possibilities in relation the group situation that works. One expects that the work can contribute for the pedagogical formation of teachers and make easy the process of teachlearning in Ambient Education of the students. Word-key: Practices, teaching, education, ambient. INTRODUÇÃO A concepção de que o trabalho com a questão ambiental deve estar voltado para a realidade de estudantes e comunidades de forma coletiva, enfrentando e construindo alternativas às problemáticas socioambientais locais, através da construção de Teia de Formação Permanente em Educação Ambiental. 2 Graduanda do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal 3 Docente do Curso de Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal. Coordenadora Pedagógica da FACIMED.

2 225 Essa teia, segundo Silva et al. (2004, p. 29), é concebida na totalidade da educação básica, na constituição do ecocidadão planetário, capaz de posicionar-se criticamente e de construir uma nova ética, onde a Terra seja percebida como única comunidade. De acordo com informações de Boff (1995, p. 14), a atual crise ambiental vem trazer uma crítica ao modelo de desenvolvimento e, também, ao modelo epistemológico. O desafio, segundo o autor, está em repensar a educação em sua totalidade, enfrentando a fragmentação do conhecimento. Educar ambientalmente pressupõe investigar e refletir sobre as complexas relações socioambientais existentes e possíveis, à luz da realidade concreta e presente. Pressupõe, portanto, uma intervenção integradora exigindo dos próprios educadores uma postura dialógica, tanto entre seus pares, no exercício da interdisciplinaridade, como com os educandos e comunidade, no diálogo entre os diversos saberes. A educação, na perspectiva da totalidade, procura superar a fragmentação do conhecimento, podendo recuperar o sentido deste na escola, não se limitando à transmissão de determinados conteúdos culturais. O conhecimento, na perspectiva da totalidade, não significa conhecer todos os objetos, mas conhecer qualquer objeto. O desafio é conhecer a essência de determinados objetos considerados mais significativos (SILVA et al., 2004, p. 32). No ensino tradicional, é comum a visão de que se deve ir da parte para o todo, logo, o objeto retirado de seu contexto perde o sentido. Sem uma perspectiva de totalidade o conhecimento carece de sentido para o educando. É importante considerar o saber que o educando tem e não aquele que o educador considera que ele deveria ter. Cabe aos educandos e ao educador, juntos, desvelarem os próprios níveis de compreensão da realidade. Portanto, para organizar o currículo da escola, Silva e colaboradores (2004) destaca que é importante: ter a realidade local contextualizada pelos sujeitos (pesquisa participativa socioambiental); ter a dialogicidade como metodologia de construção das práticas (diálogo entre os diferentes saberes); selecionar os conteúdos significativos, nas áreas do conhecimento, necessários para a compreensão e a transformação desta realidade (interdisciplinaridade). Na escola, a educação não se dá só na sala de aula, não só através dos conteúdos, mas também as estruturas, as formas de organização, os relacionamentos são fatores educativos. Segundo Telles et al. (2002, p. 25), para o educador cabe passar uma mensagem para que certa parte de toda a vertiginosa fase de descobertas e invenções interfira de maneira menos catastrófica em nossas vidas e na vida de nosso Planeta Vivo, e, não existe maneira melhor de fazer isso do que brincando através da prática. Partindo disso, o objetivo do presente trabalho é apresentar aos educadores propostas de práticas ambientais que podem ser

3 226 desenvolvidas no processo de ensino de Educação Ambiental, aproveitando o conhecimento prévio da turma e relacionadas com as realidades de cada escola. 2 MATERIAL E MÉTODOS Para tanto, a pesquisa pode ser classificada como exploratória e bibliográfica, pois segundo dados de Gil (1995), exploratória é toda aquela pesquisa com objetivo de proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo mais explícito ou a construir hipóteses. A pesquisa bibliográfica envolve a busca por informações a partir de um material que já fora elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Utilizou-se da busca por práticas em Educação Ambiental baseado em livros, artigos e sites. As práticas são listadas nos resultados, onde se estabelece o objetivo da prática e os procedimentos de como desenvolve-la em sala. 3. PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL 3.1 ASPECTOS PEDAGÓGICOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL As diretrizes metodológicas existentes em Educação Ambiental são muito diversificadas e estão muitas vezes distantes das reais necessidades das comunidades com as quais se pretende desenvolver um projeto de trabalho. As tendências existentes em Educação Ambiental no Brasil podem ser distinguidas em cinco categorias básicas, a saber: Educação Ambiental Conservacionista (excursões, lutas conservacionistas, preservação da fauna e flora, para conservação da biodiversidade), Educação Ambiental Biológica é aquela que dá ênfase na biologia e ciências nos livros didáticos, cadeias alimentares e aspectos da biosfera; Educação Ambiental Comemorativa, que destaca campanhas temporárias, como Comemoração da Semana do Meio Ambiente, entre outros; Educação Ambiental Política que está vinculada a questões de natureza política, em detrimento dos aspectos naturais e, Educação Ambiental crítica para sociedades sustentáveis, que visa o entendimento das origens, causas e conseqüências da degradação ambiental, por meio de uma metodologia interdisciplinar, visando a uma nova forma de vida coletiva (CPRH, 1994).

4 227 A experiência adquirida no exercício da Educação Ambiental leva a construir uma metodologia que nasce da nossa realidade de trabalho e é adequada aos interesses e demandas que podem fortalecer o exercício da cidadania (TELLES et al., 2002, p. 42). Segundo Dias (1993), em sua obra Educação Ambiental: princípios e práticas, a aprendizagem será mais significativa se a atividade estiver adaptada concretamente às situações da vida real da cidade, ou do meio, do aluno e do professor. Para Piletti (apud TELLES et al., 2002), quando lidamos com experiências diretas, a aprendizagem é mais eficaz, pois é conhecido que aprendemos através dos nossos sentidos (83% através da visão; 11% através da audição; 3,5% através da olfação; 1,5% através do tato; e 1% através da gustação) e que retemos apenas 10% do que lemos, 20% do que ouvimos, 30% do que vemos, 50% do que vemos e executamos, 70% do que ouvimos e logo abordamos e 90% do que ouvimos e logo realizamos. Concomitante a isso, Dale (apud TELLES et al., 2002), enfatiza que o ensino puramente teórico (simbólico-abstrato) deve ser evitado. O imediatamente vivencial permite uma aprendizagem mais efetiva. Portanto, os objetivos, as metas da Educação Ambiental e os enfoques de ensino constituem um todo. Nesse entrelaçamento de componentes, o final desejado é um compromisso de ação orientado por comportamentos adequados em busca da melhoria e elevação da qualidade de vida e, consequentemente, da qualidade da experiência humana. O currículo escolar atual aborda vários aspectos de ecologia e biologia que são importantes para o desenvolvimento social, cultural e intelectual dos alunos. No entanto esses conteúdos são abordados de forma fragmentada, sem relação com a realidade dos alunos e de maneira pouco interessante, não havendo uma sensibilização com relação às questões ambientais, dando ênfase as questões de nomenclatura, levando-os a terem como preocupação principal a aprovação. As estratégias utilizadas para atingir os objetivos da Educação Ambiental são muito variadas, cabendo a cada educador, dentro da sua realidade, a escola daquela mais indicada. Assim com diz Santos (1997), sabemos que a Educação Ambiental não resolve os agudos e complexos problemas do mundo contemporâneo, entretanto, experiências têm demonstrado que, em muitas ocasiões, as políticas, as legislações e as atividades empreendidas em favor da conservação, preservação e melhoria do meio ambiente não têm dado os resultados esperados, entre outras razões, pela falta de processos educativos vinculados, fundamentalmente aos projetos.

5 228 As propostas práticas sempre auxiliam no processo de ensino-aprendizagem e pode ser um segredinho do professor na hora de passar seu conteúdo programático, já que só teoria acaba ficando na linguagem dos alunos, algo chato e cansativo. Visando não ficar tão chato assim, são apresentadas abaixo propostas práticas de se trabalhar com Educação Ambiental. 3.2 PROPOSTAS PRÁTICAS PARA O ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Segundo Freire (1983), ensinar exige compreender que a Educação é uma forma de intervenção no mundo. Exige também a convicção de que a mudança é possível. Ensinar exige liberdade e autoridade. Em nossa prática educativa, a realidade apresenta-se tal qual foi determinada, colocando-nos em situações de dificuldades educacionais nas quais somos desafiados a supera-las. Ao refletirmos sobre esta realidade, podemos oscilar entre aceita-la apenas ou transforma-la. É nas práticas pedagógicas cotidianas que a Educação Ambiental poderá oferecer uma possibilidade de reflexão sobre alternativas e intervenções sociais, nas quais a vida seja constantemente valorizada e os atos de deslealdade, injustiça e crueldade possam ser repudiados. Segundo Reigota (1998), a Educação Ambiental aponta para propostas pedagógicas centradas na conscientização, mudança de comportamento, desenvolvimento de competências, capacidade de avaliação e participação dos educandos. Segundo Santos e Júnior (2009), é preciso dar ênfase que superar essas diferenças culturais não é, de maneira alguma, impor um comportamento frente aos conhecimentos de Educação Ambiental. É, pois, criar condições e oportunidades para que essa lacuna do conhecimento sobre o cuidar do ambiente seja preenchida de forma a facilitar a mudança de hábitos com relação ao ambiente dentro da escola e, que, à partir daí se transponha os seus muros por uma sociedade mais compromissada com tal questão. Com o intuito de obter solução, as questões apresentadas abaixo estabelece alguns pontos chaves para reflexão, conforme Santos e Júnior (2009): * O professor deve ter claro para si a importância da Educação Ambiental, especialmente nas séries iniciai do ensino fundamental. Assim, é relevante considerar sob quais pontos de vista podemos encara-las e suas conseqüências, bem como sua historicidade. * Os princípios metodológicas específicos de um trabalho com Educação Ambiental podem derivar de princípios gerais de qualquer disciplina do currículo básico, porém devem ser compatíveis com as suas características do conhecimento ambiental e, para isso se faz

6 229 necessário esclarecer que existem metodologias que podem ser mais adequadas ou indicadas ao seu ensino. * O processo de ensino-aprendizagem não está colado à avaliação. Ela é apenas um instrumento de mediação desse processo, no qual as mudanças de atitudes é fundamental. Para tanto, é preciso repensar sobre avaliação para melhor entende-la e usa-la. O professor/educador, consciente de seu papel mediador entre o mundo e o ser humano, buscando o seu desenvolvimento, certamente encontrará na Metodologia da Problematização, pois como afirma Dimestein (1997), o papel do educador é estimular a administrar a curiosidade. E porque, na era da informação, o aprendiz do futuro é o aprendiz permanente. Abaixo são listadas as atividades práticas sugeridas de acordo com os autores listados, bem como os seus objetivos. Marins et al. (2004) 1. Jogo sobre os seres vivos Objetivo: Reconhecer a importância dos seres vivos. Levar fichas contendo diferentes representantes dos seres vivos (uma ficha para cada aluno), para que os alunos façam representações livres (teatro, painel, mímica, desenho, produção escrita) em grupo ou individual e para que adivinhem o que está sendo representado por eles. Sugestão: O professor pode usar esta dinâmica para trabalhar os conteúdos: os seres visos e a relação entre os seres vivos nas séries iniciais, despertando nas crianças a criatividade e o gosto pelo trabalho em grupo. 2. Jogo sobre Ecossistema Objetivo: Compreender a importância de cada espécie para o equilíbrio do ecossistema. Montar um ecossistema onde cada aluno é um ser vivo e tem um balão. Num primeiro momento, cada ser vivo ficará encarregado de impedir que o seu balão caia no chão, à medida que o tempo passa algumas espécies vão se extinguindo (o professor designará que espécies alunos serão extintos e os mesmos deverão sentar-se). Caberá às espécies remanescentes impedir que os balões alheios caiam no chão. Chegará um momento em que não será possível a manutenção de todos os balões quando o primeiro balão cair no chão a brincadeira termina. Esse jogo representa um ecossistema, mostrando que, ao se extinguirem espécies, o ecossistema se altera, salientando assim a importância de todos os seus componentes. Sugestão: trabalhar conteúdos sobre o ecossistema e cadeia alimentar Telles et al. (2002) 3. Árvores e Morcegos Objetivo: Desenvolver a concentração e estimular o trabalho em grupo. Peça ao grupo que forme um corredor de árvores. Escolha um ou mais membros do grupo para serem os morcegos e peça a eles que venham para perto de você a fim de serem vendados. Escolha mais um membro do grupo para ser a caverna; os demais serão árvores. Os morcegos terão de passar

7 230 pelos vãos das árvores sem toca-las até chegar a caverna. Sempre que os morcegos gritarem: morcego!, a árvores mais próxima do morcego irá responder: árvore! O grito do morcego vai de encontro aos participantes (árvores) que respondem, para que esse sinal volte ao morcego na forma de radar. Dessa forma, ele percebe que as árvores estão próximas, e ele está pronto para desviar delas. Para ser um morcego bem-sucedido, é necessário muita concentração. É um jogo muito bom para desenvolver a concentração, principalmente de adolescentes. Quanto mais morcegos, mais emoção. A atividade termina quando os morcegos conseguirem chegar na caverna. Sugestão de conteúdo: interação com o meio ambiente. 4. A sementinha Objetivo: Representar a germinação de sementes e nascimento de uma árvore. Para organizar a brincadeira, o professor deverá explicar para o grupo que: um deles representará o sol, outro a chuva, outro um animal e os demais serão sementinhas. Com todos sentados em círculo, o professor fala: agora todos vocês são sementinhas... Vocês estão no meio de uma floresta, cheia de árvores e plantas fortes e cheia de folhas bem verdinhas. As sementinhas começam a se mexer de um lado para outro, empurrando a terra para fixar suas primeiras raízes. Está um dia frio e começa a chover sobre a floresta. A chuva cai sobre cada uma das sementinhas, deixando-as molhadas e afundando-as um pouco mais na terra. O participante que representa a chuva, deverá caminhar até cada participante (sementinha) passando-lhe a mão sobre a cabeça, como se fosse a chuva caindo sobre elas. O tempo passa... Alguns dias depois, uma cotia que vive passeando por ali, pisa sobre as sementinhas, afundando-as ainda mais. A criança que representa o animal deverá caminhar até cada criança (sementinha), passando-lhe a mão sobre a cabeça representando o afundamento da semente no solo. As raízes começam a crescer mais rapidamente. Surgem as primeiras folhinhas. Hoje é um dia de sol muito agradável. O participante que representa o sol deverá caminhar em direção aos participantes (sementinhas), dando-lhes um abraço. O sol que batel sobre elas ajuda-as a crescer (estica uma perninha, agora a outra, o corpinho vai ficando em pé, bem devagarinho). Começa a chover novamente... agora, a sementinha já é uma plantinha que com as gotas de chuva fica mais retinha e começam a nascer os galhinhos que ficam cada vez mais esticadinhos... E assim... a plantinha cresce e se transforma numa árvore bem bonita! Imaginem agora, que árvore cada um gostaria de ser (ninguém fala, só imagina). Agora as árvores vão bem devagarinho voltando a ser criança, e sentada em círculo (como no início da brincadeira) cada criança conta como foi sua experiência em ser sementinha e que árvore imaginou ser. 5. Copiando as Árvores Objetivo: estimular a curiosidade e conhecer a importância das plantas para os seres vivos. Proceder meticulosa observação nas plantas para evidenciar detalhes que não seriamos capazes de perceber num exame sem compromisso, como a textura dos troncos, suas raízes aparentes, as nervuras das folhas, etc. Esta atividade pode ser desenvolvida em vários locais, sendo necessários papel sulfite e giz de cera. Podemos realiza-la utilizando o tronco de uma árvore, uma folha, uma flor, etc. dependendo do que for nosso tema no momento basta coletar o material, colocar o papel sulfite sobre ele e passar o giz de cera deitado para que se evidenciem as características que nos interessam, como textura das folhas e do tronco, nervuras das folhas, tamanho, forma etc. Após a realização da atividade, poderemos discutir a importância das plantas para os seres vivos e que, como nós, cada um tem uma característica diferente e portanto deve ser estudada e preservada. Sugestão de conteúdo: características anatômicas das plantas.

8 231 Inácio et al. (2004) 6. O lixo nosso de cada dia Objetivo: desenvolver o gosto pela reciclagem e entender o mal que os resíduos gerados causam no planeta. Jogo 1: Através da atividade de recortar coisas (figuras) de encartes de supermercado, o professor deve solicitar que os participantes recortem tudo aquilo que responde à pergunta: o que você gostaria de comer, beber ou ganhar de presente entre todas essas figuras? Cada aluno deverá recortar um número x de produtos. Depois disso o professor dirá que agora que todos comeram, beberam, etc., irão se questionar: sobrou alguma coisa? O que sobrou? E aí explicar que há coisas como lata de refrigerante, saco plástico de salgadinho, papel de chocolate, que podem ser usadas novamente pelo ser humano, enquanto outras (semente de laranja, casca de banana) podem também ser utilizadas de novo, só que pela natureza, na decomposição e formação de novos nutrientes para o desenvolvimento dos solos e dos vegetais. Jogo 2: Ainda usando os recortes de encartes, só que agora previamente recortados e espalhados aos montes numa mesa principal, o professor fará a introdução do jogo: quem não sonhou em ficar preso num shopping center para poder comer e beber tudo de graça? Faz de conta que vocês ganharam uma promoção onde o prêmio é poder pegar um número x de mercadorias sem precisar pagar nada. Após eles escolherem o que mais lhe agrada, o professor novamente intervém dizendo que, após terem consumido aquilo tudo, foram gerados resíduos, e agora formará cinco grupos que receberão um tema da reciclagem (grupo Papel, grupo Plástico, grupo Metal, grupo Vidro e grupo Orgânico). Perguntar: agora o que temos? Dentro de cada grupo, teremos os alunos trazendo consigo vários resíduos gerados do que eles consumiram que, vendo na figura e até associando o produto ao seu cotidiano, terão que selecionar os que pertencem a sua temática, e depois irão nos outros grupos atrás de mais coisas, fazendo permutas com as que não pertencem ao tema de seu grupo. No final, cada grupo monta um cartaz com seus produtos e mostra para o grande grupo. Sugestão de conteúdo: ecologia, o problema do lixo, os impostos sobre a vida. Guarim (2002) 7. Desenvolvimento de uma planta Objetivo: conhecer e acompanhar o desenvolvimento de uma planta. Procedimento: Fure, em vários lugares, o fundo de um potinho de margarina. Coloque pedrinhas no fundo para não deixar a terra encharcada. Coloque terra preta em cima das pedrinhas. Coloque três a quatro sementes da plantinha no potinho, cobrindo-as de leve com a terra. Mantenha sempre úmida a terra. Acompanhe junto aos alunos o desenvolvimento das plantas, explicando. Sugestão de conteúdo: fisiologia, crescimento e desenvolvimento das plantas. Dib-Ferreira (2009) 8. Corrida de Animais Objetivo: desenvolver a criatividade e a curiosidade pelo mundo animal. Irá precisar de fichas com fotos ou desenhos de animais terrestres. Procedimento: primeiramente mostram-se as fichas com os animais, que as crianças devem reconhece-los; pergunte: como se movem estes animais? Diante das diversas respostas que darão, convide-os para uma corrida; Distribua uma ficha para cada criança aleatoriamente; Peça para andarem pelo espaço como se fossem o animal; Após o treino, inicie a corrida. Esta brincadeira dará lugar a diversos e divertidos tipos de deslocamentos. Lembre-os de que não é uma corrida de verdade, mas sim uma brincadeira entre diversos animais. Sugestão de conteúdo: características dos seres vivos.

9 Imagem e Informação Objetivo: conhecer através de recortes o que ocorre no meio ambiente. Providenciar imagens coladas em uma cartolina e recortadas como quebra-cabeças. Estas imagens podem ser, por exemplo, folhas de revistas ou jornais, que mostrem cenas relativas ao meio ambiente, tanto saudável quando degradado. Construa um pequeno texto relativo a cada imagem, feito pela própria professora, passando uma mensagem. Como procedimento, divida as crianças em grupos de cinco a seis; Dê para cada grupo uma imagem e um texto que não corresponda à imagem; Após armarem a imagem, verão que o texto não corresponde à mesma; Peça então que um grupo leia seu texto em voz alta, e aquele que está com a imagem correspondente se apresente e leia o seu texto, e assim sucessivamente, até todos estarem com a imagem montada e o texto correspondente; Após terem feito isso, todos terão escutado os textos uns dos outros. Peça para verem a imagem dos outros grupos; Pode-se então, fazer uma pequena discussão sobre o que foi visto e ouvido por todos. Para crianças de menor idade, ou que não saibam ler, os quebra-cabeças deverão ser fáceis, assim como os textos, que a própria professora pode ler, um a um. Sugestão de conteúdo: o ser humano no ambiente. 10. Jogo dos Órfãos Objetivo: conhecer as conseqüências dos impactos causados ao meio ambiente. Material: Cartões com nomes de animais (um para cada participante). Cada participante deverá receber um cartão com um nome de animal de modo que se possam ter fêmeas e filhotes da mesma espécie. Para o jogo funcionar tome o cuidado de colocar alguns cartões de animais que não sejam encontrados em outros cartões. Por exemplo, coloque em um cartão a mamãe macaco e em outros dois cartões coloque filhinho macaco em cada um. Para os indivíduos que não vão formar grupos faça o seguinte: em um cartão escreva mamãe onça ( mas não coloque nenhum cartão). Diga para cada um ler seu cartão reservadamente e não comentar o seu conteúdo com os demais. Diga-lhes que ao inicio do jogo deverão imitar as vocalizações dos seus animais e assim formar grupos de indivíduos da mesma espécie. Alguns participantes não formarão grupo, como a mamãe onça, por exemplo; outros não encontrarão a sua mãe, como os filhinhos arara. Pergunte aos participantes o que sentiram ao encontrar os da sua espécie; pergunte aos que não formaram grupos o que sentiram também. Trabalhe com eles o que será que o animal deve sentir quando não encontra a sua mãe e o que a mãe deve sentir quando não encontra o seu filhote; Se um filhote não encontra a sua mãe o que será que pode acontecer com ele? Ele pode morrer de fome ou virar presa de algum outro animal; Se as fêmeas morrerem o que acontecerá? A taxa de reprodução/natalidade daquela espécie pode diminuir e ela entrar em extinção. Sugestões: Para exemplificar o jogo conte uma história de que houve um desmatamento, queimada ou presença de caçadores na região, por exemplo, e só então peça para que os participantes comecem a vocalizar. Para crianças menores pode-se trabalhar com fotos e, se necessário, vá de uma a uma explicando que animal a criança representa. Nos processos de degradação ambiental diretamente relacionados à vida silvestre pode haver interferências na reprodução das espécies. Isto se dá a partir do instante em que se observa a morte de fêmeas ou de filhotes. Sugestão de conteúdo: o ser humano no ambiente, interações biológicas na comunidade. 11. Que Animal Sou Eu? Objetivo: reconhecer os animais através de suas características listadas pelos participantes. Material: figuras de animais. Procedimento: Prenda com um alfinete a figura de um animal nas costas de uma das crianças do grupo. Não deixe que ela veja a figura. Peça-lhe que fique de costas para o grupo de forma que todos possam ver em que animal ela se transformou. Em seguida, ela deve fazer perguntas para descobrir quem é. As outras crianças só podem responder sim, não e talvez. Considerações e sugestões: Estabeleça um número de perguntas ou tempo para descobrir o animal. Se a criança não descobrir com as perguntas, peça para que a turma imite o animal para que descubra.

10 Caçar Bugigangas Objetivo: encontrar materiais espalhados que ter relação com o meio ambiente. Material: Uma lista de objetos relativos à natureza a serem procurados. Procure escolher somente elementos que possam ser recolocados com segurança e que não causam danos ao ambiente. Uma sacola plástica para cada criança. Procedimento: Reúna seus alunos em um lugar onde eles possam achar as coisas da lista, como em um jardim ou parque. Dê a cada um uma cópia da lista e uma sacola. Especifique o tempo para o término. Após esgotado o tempo, reúna todos e vejam, item por item, o que eles acharam. Lista de bugigangas (exemplo) Uma pena Um pedaço de pele de animal Uma semente espalhada pelo vento Cinco amostra de algo artificial Exatamente cem amostras de alguma coisa Algo que seja completamente reto Uma folha de pua-ferro (outra qualquer da região) Algo que seja bonito Um espinho Algo que não tenha utilidade na natureza Um osso Uma folha mascada ( não por você) Três tipos diferentes de sementes Algo que faça barulho Um animal ou inseto camuflado Algo que seja branco Algo que seja redondo Algo que seja importante na natureza Parte de um ovo Algo que lembre você mesmo Algo que seja felpudo Algo que seja macio Algo que seja pontiagudo Um painel solar *Tudo que existe na natureza tem uma função. **Tudo na natureza é importante. ***Painel solar pode ser qualquer coisa que capte o calor do sol (água, pedras, plantas, animais). Considerações e Sugestões: Esta brincadeira foi adaptada para encontrar objetos relativos à natureza. Você deverá especificar objetos que estimule a criatividade da criança ou que ela tenha de procurar com atenção. Para crianças pequenas, faça uma dinâmica diferente. Diga em voz alta um, dois ou três itens por vez, por exemplo. Tenha o cuidado para não especificar coisas que as crianças tenham que destruir algo ou se machuquem. 13. Animais! Animais! Objetivo: reconhecer os animais através da mímica ou sons. Materiais: Fichas com fotos ou desenhos de animais. Procedimento: Distribua os cartões com figuras de animais (um para cada criança) e diga que deverão manter a identidade de seus animais em segredo. Depois de distribuir os cartões, peça que os participantes representem o comportamento típico de seu animal, um ator por vez, sem falar, apenas representando. O participante poderá, se desejar, emitir um som do animal, seja cantando, seja zurrando, e assim por diante. Antes de cada representação, peça ao participante que lhe entregue o cartão, de modo que você saiba qual é o animal e possa ajudar o restante do grupo com alguns palpites se necessário. Os companheiros tentarão adivinhar o nome do animal. É muito importante que o ator termine seu ato antes que os colegas digam em voz alta o nome do animal. Para que não fiquem muito ansiosos, diga-lhes que você acenará com o braço no momento certo de começar a adivinhação. Podem ser fornecidas pistas, porém você ficará surpreso ao constatar as excelentes imitações que surgirão. Haverá sempre alguém que adivinhará rapidamente o nome do animal. Considerações e sugestões: Na maioria das brincadeiras que necessitam de representação, é mais divertido definir um local como palco e pedir que o participante venha à frente para realizar sua imitação do que deixá-lo no lugar em que está. Os animais deverão ser de fácil identificação, com características físicas e movimentos bastante conhecidos. Os sempre preferidos são: morcegos, pingüim macaco, tartaruga, coruja, onça e garça. Aproveite a ocasião e procure colocar animais da fauna brasileira. Será ótima oportunidade para falar de alguns deles, seus hábitos, onde vivem, de que se alimentam, etc. Esta versão pode ser realizada com todos os tipos de variações engraçadas. Ela aproxima o grupo de forma divertida e cria oportunidades para discussões espontâneas sobre os conceitos do mundo natural.

11 Unidos Venceremos Objetivo: verificar o grau de relacionamento do grupo baseado em temas ambientais. Material: Cinco palavras de cinco letras recortadas por grupo ( uma para cada criança do grupo). As letras em quadrados iguais, de cartolina. Para cada grupo as cartolinas deverão ser de cor diferente; Uma mesa para cada grupo. Procedimento: formar grupos de 5 em volta de cada mesa. Embaralhar as letras ( da mesma cor não misturar cores) e ir distribuindo cinco letras para cada participante, de preferência colocar 5 em frente da pessoa, com as letras voltadas para baixo e pedir para que não virem até você falar ( prestar atenção porque em cada mesa só poderá haver letras da mesma cor). Solicitar silêncio absoluto. Não podem se comunicar verbalmente durante toda a brincadeira. O coordenador dirá apenas: A partir deste momento, vocês deverão formar palavras. Observar as atitudes. a) Quem avança para apanhar as letras dos parceiros. b) Quem esconde as suas. c) Quem tenta trocar ou oferece ajuda ao outro. d) Quem forma sua palavra e cruza os braços em atitude de superioridade. Prestar atenção se o grupo onde trabalharam juntos terminou primeiro. Deverá ser feito um planário, discutindo as atitudes dos participantes. Considerações e sugestões: Em todo trabalho, quando há troca o rendimento é melhor e os participantes criam mais laços de fraternidade e de amizade. Aproveite e tente colocar palavras sobre assuntos ligados à natureza, meio ambiente, etc. 15. Microexcursão Objetivo: despertar a curiosidade pelo mundo animal. Material: Pedaços de barbantes iguais ( de 1 a 2 metros). Lupas de mão ( ideal, mas não essencial). Procedimento: Comece pedindo que estendam os barbantes sobre a parte do solo mais interessante que puderem encontrar. Forneça a cada criança uma lupa mágica, de modo que, ao observar uma formiga, sinta-se do tamanho dela. Você poderá fazer perguntas que estimulem a imaginação das crianças: Que mundo você está percorrendo neste momento? Quem são seus vizinhos mais próximos? Eles são amigos? Estão trabalhando muito? Que tal ser aquele besouro verdemetálico? Como ele passa o dia? Os excursionistas, deitados de bruços, analisam cada centímetro da trilha, examinando pequenas maravilhas da natureza, tais como uma folha de grama dobrada, besouros coloridos salpicados de pólen das flores, aranhas de mandíbulas enormes e com oito olhos, pedrinhas minúsculas. Como as crianças pequenas gostam especialmente de objetos minúsculos, sua intensa absorção no mundo da floresta em miniatura será surpreendente. Considerações e sugestões: No inicio diga as crianças que seus olhos não devem ficar mais do que vinte ou trinta centímetros distante da solo. Peça para contarem para os colegas o que viram em sua excursão. Podem também fazer um relato em desenho. Uma boa forma é fazer uma colagem com o barbante em uma cartolina e deixar que cada um desenhe o que viu ao longo do barbante colado. 16. Ecossistema Objetivos: perceber como a interferência ao meio ambiente pode destruí-lo. Material: Um rolo de barbante, pedaços de papel e um hidrocor. Procedimento: As crianças formam um currículo. O líder coloca-se dentro da circulo, próximo da margem, segurando um rolo de barbante, e então pergunta: Quem pode me dizer o nome de uma planta que cresce nessa área?...cenoura...ótimo! Venha aqui, Srta. Cenoura, e segure a ponta do barbante. Há um animal por aqui que gosta de comer cenouras?...coelho!...ah, uma bela refeição! Sr. Coelho, segure aqui neste barbante; você esta ligado à srta. Cenoura porque depende dela para se alimentar. Agora, quem se alimenta de coelho? Continue ligando as crianças por meio do barbante à medida que vão surgindo relacionamentos com o restante do grupo. Introduza novos elementos e considerações, tais como outros animais, solo, água, ar e assim por diante até que todas as crianças do circulo estejam interligadas, formando uma teia, como um símbolo do entrelaçamento da vida. Vocês acabaram de criar seu próprio ecossistema. Para demonstrar como cada elemento é importante para uma comunidade, imagine um motivo plausível para retirar um elemento do conjunto. Por exemplo, o fogo ou alguém que destrói uma árvore. Quando uma arvore cai, arrasta consigo o barbante que está

12 235 segurando; qualquer um que sinta um puxão em seu barbante foi, de alguma forma, afetado pela morte da árvore. Agora todos os que sentiram um puxão por causa da árvore também devem fazer o mesmo. O processo continua até que cada elemento demonstre ter sido afetado pela destruição da árvore. Considerações e sugestões: Esta é uma brincadeira que torna bastante evidente os interrelacionamentos essenciais entre todos os membros de uma comunidade natural. O encadeamento retrata com clareza como o ar, as pedras, as plantas e os animais trabalham juntos na equilibrada teia da vida. Pode-se escrever ( ou desenhar) os animais, plantas e outros em um pedaço de papel e colar na camisa de cada um para não esquecerem. Ao invés de puxar o barbante para o colega sentir, podese soltá-lo e assim afrouxar a teia, de modo que com alguns elementos ora do ecossistema, a teia fique sem sustentação. 17. Tocar, Sentir, Representar Objetivo: compreender as relações existentes na natureza. Materiais: Diversos objetos naturais, papel, lápis de cor ou giz de cera, aparelho de som. Procedimento: Solicitar aos participantes, posicionados em círculo, para fecharem os olhos. O orientador coloca uma música calma ao fundo, e dispõe na frente de cada participante um elemento componente da natureza ( ex.: pedras, folhas, galhos, etc.). Os participantes, então, exploram ao máximo o objeto, utilizando o tato, olfato e audição. Em seguida, o orientador recolhe os elementos e pede para que cada participante represente, através de desenhos, o objeto que teve nas mãos ou o que imaginou que fosse. Feito o desenho, devolve-se o objeto para cada participante, para efeitos de comparação. O orientador, então, discute com as pessoas as suas impressões e o seu nível de percepção. Considerações e sugestões: Para entendermos verdadeiramente a natureza e as inter-relações existentes entre os seus diversos elementos, é necessário desenvolver a nossa capacidade perceptiva, que nos permite enxergar além do que os olhos vêem. Esta atividade permite sensibilizar os participantes a respeito da importância de todos os elementos existentes em um ecossistema, aguçando os sentidos do tato, olfato e audição e refletir sobre a diferença entre o tocar, o sentir e a realidade. 18. Recolhendo sua Folha Objetivo: reconhecer as folhas de acordo com suas características. Materiais: Um saco plástico e folhas de uma mesma árvore. Procedimento: Posicionados em circulo, cada participante recebe uma folha de uma mesma árvore. O orientador solicita às pessoas que observem bem a sua folha (manchas, coloração, sinais individuais), passando, assim, a conhecê-la muito bem. Em seguida, cada participante deve mostrar a sua folha à pessoa que se encontra ao seu lado, ressaltando as características específicas que encontrou. O orientador recolhe, então, todas as folhas, colocando-as em um saco plástico e embaralhando-as muito bem. As folhas, em seguida, são esparramadas pelo chão, pedindo-se que cada participante encontre a sua. Considerações e sugestões: Todos os elementos existentes no meio ambiente são importantes e merecedores de respeito. Embora muitos elementos possam parecer insignificantes, cada um deles possui a sua função dentro do sistema e é de fundamental importância para a manutenção do equilíbrio. Nesta atividade, demonstra-se que, embora muito parecida com as outras da mesma árvore e fazendo parte de um único objeto, cada folha tem características próprias que a fazem única. Além disso, cada uma delas possui a sua função. Contribuindo com a sua parcela de fotossíntese pára manter a vida da árvore. 19. Cuidando da Vida Objetivo: Fazer com que o aluno compreenda a importância da natureza. Material: Um pôster grande, bonito e significativo, fita e letra de música como uma onda (Lulu Santos). Procedimento: Disponha os participantes em circulo, sentados no chão, o coordenador deverá passar a gravura por todos os participantes para que examinem o pôster. A seguir, peça que alguém rasgue o pôster. Normalmente, há uma resistência. Insista e vá passando até que alguém comece, se ninguém começar, o próprio dirigente tomará a iniciativa. Após o 1º pedaço, outros

13 236 deverão rasgar também. Coloque as partes no centro do círculo e tente junto com eles arrumar novamente a figura. Questione ( de acordo com as atitudes): a) Porque alguns (ou todos) se negaram a rasgar o pôster? ( era apenas um papel pintado!). b) O que é mais importante este papel ou a vida de vocês? c) Vocês tem esse cuidado com ela? Mostre como não é possível o pôster voltar a ser como antes. Assim também atitudes impensadas podem deixar marcas difíceis de retirar. A vida está ai para ser vivida. Não deixemos que os bons momentos passem. Cada momento é único e não volta. Aproveitar os bons momentos e se afastar de situações que não sejam compatíveis com os nossos valores. Cante com eles como uma onda (Lulu Santos), ou outra musica de sua preferência. Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia: tudo passa, tudo sempre passará. A vida vem em ondas como um mar num indo e vindo infinito. Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu há um segundo: tudo muda o tempo todo no mundo. Não adianta fugir nem mentir pra si mesmo Agora há tanta vida lá fora (aqui dentro) Sempre como uma onda no mar como uma onda no mar como uma onda no mar. Considerações e sugestões: Esta dinâmica pode servir para unir um grupo, ou fechar alguma atividade que tenham feito. 20. A arca de Noé Objetivo: verificar a interação entre os grupos animais. Material: Papel (cartolina) e/ou figuras de bichos. Inicie contando o número de participantes. Depois faça uma lista com nomes de bichos, cujo número deve ser a metade do número de participantes. Escreva o nome de cada bicho em duas fichas pequenas (de 3,5 cm) de cartolina. Quando você terminar, deverá haver tantas fichas em mãos quanto forem os participantes uma ficha para cada participante. Se o número de crianças for ímpar, escreva o nome de um dos bichos em três fichas, formando uma trinca para acomodar o participante extra. Embaralhe as fichas e distribua-as. Cada criança deverá ler sua ficha e guardar segredo. Recolha as fichas. A um sinal, os participantes começam a se transformar no bicho cujo nome lá está, representando sons, formas e movimentos típicos do bicho com que foi sorteado, na tentativa de atrair seus parceiros. A atividade torna-se engraçada quando os bichos começam a latir, coaxar, chiar, zumbir, andar de modo pomposo, balançar, saltar e fazer pose. As crianças poderão fazer qualquer ruído que desejarem, mas é proibido falar (cada bicho deve atrais seu parceiro somente por meio da autenticidade de suas representações). Esta brincadeira termina com uma feliz confraternização e muitas gargalhadas. Para crianças que não sabem ler, prepare antecipadamente fichas com fotos ou desenhos dos animais, não se esquecendo de que são em dupla. As atividades práticas são importantes na construção do conhecimento, pois permite ao aluno viver a situação em questão, tirando delas suas conclusões e fixando melhor as informações passadas pelo professor.

14 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante dos desafios que todo processo de mudança representa, a experiência de formação de professores deve ser realizada de forma acolhedora e significativa, para que a atração pelas novas experiências e práticas pedagógicas possa servir de contraponto às incertezas e dificuldades que eles experimentam. Em se tratando de Educação Ambiental, sob a perspectiva apresentada no trabalho, deve se observar que para utilizar recursos técnicos pedagógicos facilitadores da aprendizagem há de se considerar suas vantagens e desvantagens, procurando ponderar essas possibilidades em relação a situação grupal que trabalha. Espera-se que o trabalho possa contribuir para a formação pedagógica de professores e facilitar o processo de ensino-aprendizagem em Educação Ambiental aos educandos. REFERÊNCIAS BOFF, L. Princípio-Terra: a volta à Terra como pátria comum. São Paulo: Ática, CPRH. Fazendo Educação Ambiental. Governo do Estado de Pernambuco, Recife, DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 2.ed. São Paulo: Gaia, DIB-FERREIRA, Declev Reynier. Dicas para práticas em Educação Ambiental. Disponível em: Acesso em 21 de jun DIMESTEIN, Gilberto. Aprendiz do futuro: cidadania hoje e amanhã. São Paulo: Ática, FREIRE, Paulo. A pedagogia do oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. GUARIM, Vera Lucia Monteiro dos Santos. Barranco Alto: uma experiência em Educação Ambiental. Cuiabá: UFMT, p. INÁCIO, Camila Dellanhese et al. O lixo nosso de cada dia: o que fazer? In: KINDEL, Eunice Aita Isaia; SILVA, Fabiano Weber e SAMMARCO, Yanina Micaela (org). Educação Ambiental: vários olhares e várias práticas. Porto Alegre: Mediação, p MARINS, Alessandra et al. Propostas de Atividades integradas no Ensino Fundamental. In: KINDEL, Eunice Aita Isaia; SILVA, Fabiano Weber e SAMMARCO, Yanina Micaela (org). Educação Ambiental: vários olhares e várias práticas. Porto Alegre: Mediação, p

15 238 REIGOTA, M. Desafios à educação ambiental escolar. In: JACOBI, P. et al. (orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, p SANTOS, Ivani Cristina Turini dos, JÚNIOR, Álvaro Lorencini. Metodologia da prolematização: um novo desafio para a Educação Ambiental na escola. Disponível em: < Acesso em 12 jul SILVA, Eliane Simões et al. Política pública de Educação Ambiental da Secretaria de Estado de Educação do Rio Grande do Sul. In: KINDEL, Eunice Aita Isaia; SILVA, Fabiano Weber e SAMMARCO, Yanina Micaela (org). Educação Ambiental: vários olhares e várias práticas. Porto Alegre: Mediação, p TELLES, Marcelo de Queiroz; ROCHA, Mário Borges da; PEDROSO, Mylene Lyra e MACHADO, Silvia Maria de Campos. Vivências Integradas com o Meio Ambiente. São Paulo: Sá Editora, p.

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicasdiadasmaes 6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Apresentamos uma seleção com 6 dinâmicas de grupo para o Dia das Mães, são atividades que podem

Leia mais

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora

A arca de Noé. Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani. Elaboração Anna Flora A arca de Noé Texto: Ruth Rocha Ilustrações: Mariana Massarani Elaboração Anna Flora Brincadeira 1: Cada bicho com seu par Veja nos arquivos anexos e imprima a página que tem os nomes dos bichos da Arca

Leia mais

Centro Educacional Linus Pauling

Centro Educacional Linus Pauling Centro Educacional Linus Pauling Projeto 2º SEmestre 2012 APRESENTAÇÃO Faz-se necessário entender que o equilíbrio da natureza é essencial para a vida na terra, e que atualmente a preocupação com a degradação

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Hallyson Pontes Liberato Dias Universidade Estadual do Ceará, hallysondias16@hotmail.com RESUMO: Este estudo tem como proposta

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

9 Dinâmicas de Grupo para o início das Aulas Atividades Lúdicas

9 Dinâmicas de Grupo para o início das Aulas Atividades Lúdicas Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicasparaprimeirodiadeaula 9 Dinâmicas de Grupo para o início das Aulas Atividades Lúdicas Apresentamos o especial do site Esoterikha.com e Redemotivacao.com.br

Leia mais

> Atividades Motivação 1

> Atividades Motivação 1 > Atividades Motivação 1 MAPA DE SONS Mapeamento dos tipos de sons que são ouvidos na mata. aguçar a percepção auditiva individual e tranqüila de 2 a 30 pessoas a partir de 10 anos aproximadamente 15 minutos

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP Cursos TudoVerde O Modo Close-up Trabalhando o Foco Luz e Iluminação Uso das Cores Temas e Fundos Dicas Álbum On-Line CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP SUMÁRIO A FOTOGRAFIA EM CLOSE-UP 3 ENTENDENDO

Leia mais

Escola Estadual Dr.Moreira Brandão

Escola Estadual Dr.Moreira Brandão Escola Estadual Dr.Moreira Brandão 32ª Superintendência Regional de Ensino de Pouso Alegre Cidade: Camanducaia Professora Responsável pela Elaboração do Projeto: Ângela Aparecida Carvalho. Ano: 4º ano

Leia mais

Dicas para práticas em EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Dicas para práticas em EDUCAÇÃO AMBIENTAL Dicas para práticas em EDUCAÇÃO AMBIENTAL Declev Reynier Dib-Ferreira http://diariodoprofessor.com http://hebdomadario.com ATIVIDADES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Em primeiro lugar, é necessário que se trabalhe

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Relatório de atividades Socioambientais

Relatório de atividades Socioambientais Relatório de atividades Socioambientais Ação 1: Apresentação da programação da Feira do Empreendedor 2014 às instituições da comunidade do entorno do SESI. Realização: Amazônia Socioambiental Equipe Técnica

Leia mais

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012

Projetos Pedagógicos. Agosto 2012 Projetos Pedagógicos Agosto 2012 AMIZADE Amigo a gente cuida, faz carinho, brinca, sorri e até chora junto, e percebemos o quanto precisamos um do outro. A amizade é muito valiosa para nós que construímos

Leia mais

Saúde é qualidade de vida

Saúde é qualidade de vida Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2012 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Saúde é qualidade de vida Justificativa O projeto

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. BRINCANDO COM A NATUREZA: Reciclando Idéias e Atitudes. Tema: Educação Ambiental

PROJETO DE EXTENSÃO. BRINCANDO COM A NATUREZA: Reciclando Idéias e Atitudes. Tema: Educação Ambiental PROJETO DE EXTENSÃO BRINCANDO COM A NATUREZA: Reciclando Idéias e Atitudes Tema: Educação Ambiental Como estudante de origem popular, me proponho a desenvolver esse trabalho em uma comunidade do estado

Leia mais

Catálogo de Atividades...

Catálogo de Atividades... Catálogo de Atividades.... 2015 2016 .... O Parque YMCA CAMP ALAMBRE / PARQUE AMBIENTAL DO ALAMBRE Breve apresentação O Parque Ambiental do Alambre representa o Centro de Campo da Associação Cristã da

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

DINÂMICAS E JOGOS PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DINÂMICAS E JOGOS PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DINÂMICAS E JOGOS PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL FOZ DO IGUAÇU PR. 2 APRESENTAÇÃO Que espaço é esse chamado MEIO AMBIENTE? Será que é o ambiente pela metade? Ou seria o ambiente enquanto meio de vida? Esta é

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO BOM DIA TODAS AS CORES

PROJETO DIDÁTICO BOM DIA TODAS AS CORES PROJETO DIDÁTICO BOM DIA TODAS AS CORES OBJETIVOS DO TRABALHO A SER DESENVOLVIDO Vivenciar estratégias de leitura que ajudem as crianças a: Antecipar a leitura apoiando se no título e nas ilustrações;

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

USO DE TERRÁRIO NA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DE TERRÁRIO NA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DE TERRÁRIO NA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Giovana Pereira dos Santos Lima (PIBIC/Fundação Araucária), Kátya Regina de Freitas (Orientadora), e-mail: giovana_p.lima@hotmail.com, krfreitas@utfpr.edu.br.

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.-

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.- Jogo ProvocAção Aprender brincando! Este foi o objetivo do desenvolvimento desse jogo. É um importante instrumento de aprendizagem, possuiu múltiplos usos e garante muita diversão e conhecimento para crianças,

Leia mais

Recado aos Pais e Professores

Recado aos Pais e Professores Recado aos Pais e Professores A criança aprende fazendo. Um trabalho manual confeccionado logo após a história bíblica fixa os ensinos que a criança acabou de ouvir, e também é um lembrete visual do constante

Leia mais

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I CAMPELO, Luciana Galdino de Azevedo¹; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães²; ARAÚJO, Albanira Duarte

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR

ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR ALFABETIZAR PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE, E RESGATAR O SABER POPULAR Ana Carmem Miranda Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE RESUMO A alfabetização de jovens e adultos utilizando a

Leia mais

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo

Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo Jogos matemáticos para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental Marli Teresinha Quartieri (mtquartieri@univates.br) Ieda Maria Giongo (igiongo@univates.br) Márcia Jussara Hepp Rehfeldt (mrefeldt@univates.br)

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA

FACULDADE EÇA DE QUEIROS. Edna Cristina do Nascimento. Marineide Gonçalves. Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA FACULDADE EÇA DE QUEIROS Edna Cristina do Nascimento Marineide Gonçalves Tâmara de Oliveira PROJETO PEDAGÓGICO JANDIRA MARÇO 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIROS PROJETO PEDAGÓGICO SOBRE O LIVRO: MENINA BONITA

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango

CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango CINEMA NA ESCOLA: aproximações e possibilidades no uso do filme Rango Bárbara Matos da Cunha Guimarães 1 bmatoscg@gmail.com Bolsista - PIBID Interdisciplinar Subprojeto Saúde e Meio Ambiente Frederico

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar.

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar. A qualidade de vida Dentre as prioridades da maioria das instituições de ensino está a qualidade da alimentação oferecida aos seus alunos, isso por desempenhar um papel primordial no ciclo de vida e principalmente

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente?

Oficina 03 Plantas. Atividade 1: O que tem dentro da semente? Oficina 03 Plantas Atividade 1: O que tem dentro da semente? 1- Apresentação do problema Para iniciar a atividade, o professor deverá distribuir diferentes sementes e lançar a pergunta: O que tem dentro

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

A ÁGUA COMO ELEMENTO VITAL UMA ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL PIO XII.

A ÁGUA COMO ELEMENTO VITAL UMA ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL PIO XII. A ÁGUA COMO ELEMENTO VITAL UMA ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ALUNOS DO 5º ANO DA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL PIO XII. Patricia Oliveira Crespo 1 Jane Schumacher 2 GT 3 (Modelos de Desenvolvimento,

Leia mais

Construir uma estratégia

Construir uma estratégia Aula 7 Construir uma estratégia Construindo um Percurso - Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino Básico - Aula 7 - Página: 1 / 21 Programa de Empreendedorismo para o 3º Ciclo do Ensino

Leia mais

Apostila de Atividades

Apostila de Atividades Apostila de Atividades IMAX A viagem pelo espaço continua aqui Transforme a sua sala de aula em uma divertida aventura pelo espaço. Assim que sua classe viver a experiência sem limites pelo universo com

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO Natália Oliveira de Lima; Adjeane Farias da Silva; Thainá Marques

Leia mais

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Responsabilidade Caráter é o jeito que a gente realmente é. É o modo como agimos quando não há ninguém olhando... As pessoas boas fazem coisas boas, não para ganhar aprovação

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

VII Mostra de Trabalhos ABC na Educação Científica - Mão na Massa

VII Mostra de Trabalhos ABC na Educação Científica - Mão na Massa NAS ÁRVORES DO JARDIM DA MINHA ESCOLA TEM... Adriana Ranzani Resumo A pesquisa sobre os animais que vivem nas árvores da escola Ludgero Braga, foi realizada com crianças do 2º ano A, durante o período

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO

EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO EDUCAÇÃO INFANTIL e 1 o ANO (Materiais Complementares) SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DA BASE ALFABÉTICA 1. Jogo do correio: as crianças escrevem mensagens e as colocam num envelope com o nome

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho 2. EPISÓDIO TRABALHADO Situação delicada 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Situação delicada faz parte da série Balinha

Leia mais

Brincadeiras Para Pré-Primários

Brincadeiras Para Pré-Primários Brincadeiras Para Pré-Primários 1. Fazendo o Ninho Novelo grande de lã (de preferência marrom ou amarelo) Giz e quadro negro ou papel cartaz e canetinha Fita adesiva ou tachinhas Escreva o versículo no

Leia mais

Atividades psicomotoras

Atividades psicomotoras Atividades psicomotoras ANDAR Andar de lado (passos laterais) Andar de lado (passos cruzados) Correr com as mãos na cabeça Correr com as mãos nos quadris Correr com as mão nas costas Saltitar com 2 pés

Leia mais

A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES

A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES Maria Jackeline Rocha Bessa (UERN/CAMEAM/Bolsista PIBIC) Maria Veridiana Franco Alves (UERN/CAMEAM/Bolsista PIBIC) Maria do

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE Projeto Identidade Quem sou eu??? NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NTE VARGINHA PROJETO IDENTIDADE ELABORAÇÃO: Míria Azevedo de Lima Bartelega --------------------------------Agosto / 2010 I A Questão

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO SUGESTÕES DE ATIVIDADES PARA ENSINO FUNDAMENTAL I NOME PRÓPRIO A Secretaria Municipal da Educação (SME) apresenta sugestões de atividades que podem ser incorporadas ao planejamento pedagógico do 1º ao

Leia mais

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares 3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares UNIDADE 1 BICHO E GENTE, CADA UM TEM UM JEITO DIFERENTE! A proposta deste tema é estimular a criança a perceber as diferenças existentes

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO PRATICANDO OS RCNEI PROJETO OS SERES VIVOS PLANTAS E A EDUCAÇÃO INFANTIL Morgana Bica Szadkoski 1 e Laís Ferraz Teixeira Ávila 1 Ricardo Antonini 2 RESUMO O trabalho aqui apresentado é o resultado de estudos

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego?

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego? Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Eu me remexo muito. E onde eu chego? Turma: Maternal II A Professora

Leia mais

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. CONSTRUINDO O SISTEMA NERVOSO HUMANO: UTILIZAÇÃO DE MODELOS E MODELAGENS COMO PRÁTICA ALTERNATIVA NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Brayan Paiva Cavalcante¹; Clécio Danilo Dias da Silva²; Dalvan Henrique Luiz Romeiro³;

Leia mais

Apostila para professores

Apostila para professores Apostila para professores Oficina: Pátio Escolar e sua Contribuição para a Educação dos Sentidos Possíveis Atividades Socioambientais que Auxiliem no ensino Escolar Ministrante: Fernanda Poletto Cisternas

Leia mais

verdenovo ESTUDOS ATIVIDADES PRÁTICAS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

verdenovo ESTUDOS ATIVIDADES PRÁTICAS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA verdenovo ESTUDOS ATIVIDADES PRÁTICAS PARA AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA BRUXINHA E AS BRANCAS DE NEVE Faixa etária: 2 a 6 anos Materiais: Chapéu de bruxa Desenvolvimento: Uma criança será escolhida para ser

Leia mais

Lição. Versículo Bíblico "Seja forte e corajoso". Josué 1:7 (NVI)

Lição. Versículo Bíblico Seja forte e corajoso. Josué 1:7 (NVI) FRUTOS-1 Descoberta Lição 12 4-6 Anos C rescimento e Mutualidade são os "Frutos" enfatizados para as crianças de 4 a 6 anos nesse currículo. Nós começamos aprendendo que a Bíblia é o melhor livro da Terra

Leia mais

Blog Cantinho do Saber

Blog Cantinho do Saber Blog Cantinho do Saber BRINCADEIRAS PARA A VOLTA ÀS AULAS 1) Onça Dorminhoca Educação infantil Formar com os alunos uma grande roda. Cada criança fica dentro de um pequeno círculo desenhado sob os pés,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Projeto Biodiversidade Bio=vida Diversidade=variedade Biodiversidade=variedade de vida no planeta FEIRA CULTURAL

Projeto Biodiversidade Bio=vida Diversidade=variedade Biodiversidade=variedade de vida no planeta FEIRA CULTURAL Projeto Biodiversidade Bio=vida Diversidade=variedade Biodiversidade=variedade de vida no planeta FEIRA CULTURAL Justificativa Em janeiro deste ano, a UNESCO (Organização das Nações Unidas, para a Educação,

Leia mais

Porque evitar o "NÃO" e a linguagem negativa. M. H. Lorentz

Porque evitar o NÃO e a linguagem negativa. M. H. Lorentz Porque evitar o "NÃO" e a linguagem negativa. M. H. Lorentz A linguagem tem por objetivo a comunicação entre os seres humanos, portanto quanto mais precisa for a linguagem, melhor será o resultado de nossa

Leia mais

CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL

CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL Nereide Schilaro Santa Rosa ILUSTRAÇÕES: Avelino Guedes SUGESTÕES PEDAGÓGICAS E DE ATIVIDADES Maria Lúcia de Arruda Aranha Eliana Pougy 2 Nereide Schilaro Santa Rosa

Leia mais

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos

SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos CURRÍCULO DO PROGRAMA SESSÃO 1: Descobrindo Seus Sonhos Iniciando o currículo do Sonhe, Realize, o objetivo desta sessão é começar estabelecer um espaço seguro e acolhedor para as participantes, começar

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Notícia PERÍODO APROXIMADAMENTE: 4º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das ideias

Leia mais

PIBID/FSDB. Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil

PIBID/FSDB. Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil PIBID/FSDB Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil PROJETO DIDÁTICO: BRINCANDO COM FORMAS E CORES Turma: Berçário II, Maternal I e II, Jardim I e II Duração: 2 meses. Objetivo Compartilhado: Aprofundar

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Projeto - Desvendando o meio ambiente

Projeto - Desvendando o meio ambiente Projeto - Desvendando o meio ambiente http://pixabay.com/pt/bola-sobrebal%c3%a3o-folhas-jornal-108651/ Público alvo: Educação Infantil Área: Natureza e Sociedade Duração: 8 semanas Justificativa: Tendo

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Como nascem as plantas

Como nascem as plantas Como nascem as plantas AMARAL, DALICE ALVES R. do COUTINHO, ADRIANA CALDEIRA RESUMO Este projeto foi desenvolvido com uma turma de 25 crianças de ETAPA I (crianças que irão completar 5 anos) de uma escola

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Silêncio criativo Em Catador de Palavras, o jovem leitor tem a oportunidade de escolher as palavras mais adequadas que o ajudarão a

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração

Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração Para as crianças de 7 e 8 anos, este trimestre inicia enfatizando o Fruto, do Crescimento.

Leia mais

Aprender brincando e brincar aprendendo: zero a três anos

Aprender brincando e brincar aprendendo: zero a três anos Aprender brincando e brincar aprendendo: zero a três anos Brincadeiras são peças fundamentais na engrenagem da Educação Infantil. Não se trata de apenas distrair as crianças. Brincar contribui para o desenvolvimento

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

TEATRO: A IMPORTÂNCIA DAS ÁRVORES

TEATRO: A IMPORTÂNCIA DAS ÁRVORES TEATRO: A IMPORTÂNCIA DAS ÁRVORES André: Oi mãe, chegamos! Alice: Bom dia crianças! Que bom que você veio almoçar aqui em casa, Mariazinha! Mariazinha: Bom dia, tia Alice! O que a Sra fez de almoço? Alice:

Leia mais

BRINCANDO TAMBÉM SE APRENDE: O USO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES E DAS FRAÇÕES

BRINCANDO TAMBÉM SE APRENDE: O USO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES E DAS FRAÇÕES BRINCANDO TAMBÉM SE APRENDE: O USO DE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM DAS QUATRO OPERAÇÕES E DAS FRAÇÕES Francisca Terezinha Oliveira Alves (UFPB) Carlos Alex Alves (UFPB) Marcelino José de Carvalho

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais