ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG"

Transcrição

1 ANALISES FISICO-QUIMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE CRU REFRIGERADO COLETADAS DE PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE PARACATU MG E. A. S. Mendes 1, C. V. Pires 2, A. M. da Silva 3, L. S. Silva Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Sete Lagoas MG Brasil. 2-Departamento de Engenharia de Alimentos Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Sete Lagoas MG Brasil Departamento de Engenharia de Alimentos Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Sete Lagoas MG Brasil Departamento de Engenharia de Alimentos Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ Sete Lagoas MG Brasil. RESUMO - O presente trabalho objetivou analisar as características físico-químicas de amostras de leite cru refrigerado, obtidos por diferentes sistemas de ordenha e comparar os resultados com a Instrução Normativa 62/2011 (IN 62) do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). Foram coletadas amostras de leite cru refrigerado, proveniente de dezoito produtores de leite da Região de Paracatu-MG. As amostras foram divididas em três grupos: 1-ordenha manual; 2- ordenha canalizada; 3-ordenha balde ao pé. Em geral os resultados encontrados para as características físico-químicas, apresentaram-se em conformidade com os padrões estabelecidos pela IN 62. Diante do estudo, pode-se concluir que as amostras de leite analisadas apresentaram-se em conformidade e que o tipo de ordenha praticado não influenciou na qualidade do produto obtido. ABSTRACT - This study aimed to analyze the physical-chemical characteristics of samples from refrigerated raw milk, produced by different milking systems and compare the results with the Normative Instruction 62/2011 (IN 62) of the Ministry of Agriculture Livestock and Supply (MAPA). Samples of refrigerated raw milk were collected from eighteen milk producers in Paracatu-MG region. The samples were divided into three groups: 1- manual milking; 2-piped milking; 3-bucket at the foot milking. In general the results for the physical-chemical characteristics is in accordance with the established standards presented by IN 62. About this study, it can be concluded that the analyzed milk samples presented in compliance and that the type of milking practiced did not influence the quality of the product. PALAVRAS CHAVE: Leite Cru, Qualidade, Ordenha. KEYWORDS: Raw Milk, Quality, Milking.

2 1. INTRODUÇÃO O leite é um alimento de elevado consumo no Brasil, principalmente por crianças e idosos, por apresentar uma importante fonte de vitaminas, gorduras, proteínas, carboidratos, sais minerais e água, sendo muito consumido na dieta humana. Pela ordenha realizada seja de forma manual ou ordenha mecânica, por meio dos equipamentos e utensílios utilizados sem a higienização adequada e também nas etapas de transporte, armazenamento e distribuição (SALVADOR et al., 2012). Atualmente, o consumidor é particularmente exigente no que se refere à segurança alimentar e suas consequências para a saúde pública. O alimento deve apresentar características nutricionais e dietéticas satisfatórias, bem como garantir a sua inocuidade (CALDEIRA et al., 2010). Deste modo, a higiene pessoal do ordenhador, o tratamento das vacas doentes e a limpeza e desinfecção diária de todos os equipamentos utilizados na ordenha são fatores decisivos que garantem a qualidade bacteriológica do leite (LUZ et al., 2011). Do ponto de vista tecnológico, a qualidade da matéria prima é um dos maiores entraves ao desenvolvimento da indústria de laticínios do País. De maneira geral o controle de qualidade do leite é baseado nas determinações físico-químicas como acidez, crioscopia, densidade, gordura e sólidos totais (MÜLLER, 2002). Sendo assim o presente trabalho objetivou avaliar a qualidade físico-química de amostras de leite cru refrigerado obtido por diferentes sistemas de ordenha coletadas de produtores do município de Paracatu-MG. 2. MATERIAL E MÉTODOS 1.1 Coleta e Preparação das Amostras Foram coletadas 18 amostras de leite cru refrigerado (3 a 5ºC), proveniente de dezoito produtores da Região de Paracatu-MG, divididas em três grupos: Grupo 1- ordenha manual; Grupo 2- ordenha canalizada; Grupo 3- ordenha balde ao pé. As amostras foram coletadas no período de setembro a outubro de 2014, pela manhã sendo armazenadas em frascos estéreis contendo os conservantes bronopol (frasco com tampa vermelha) e azidiol (frasco com tampa azul). Acondicionadas por aproximadamente 20 horas em caixas isotérmicas com gelo e transportadas para o Laboratório da Universidade Federal São João Del Rei Campus Sete Lagoas. 1.2 Análises físico-químicas As análises de gordura, densidade, lactose, proteína, água, temperatura, índice crioscópico, mineral e extrato seco desengordurado foram realizadas no equipamento multianalisador de leite (Milkoscope Modelo Expert Automatic). Por meio do somatório dos resultados de gordura e extrato seco desengordurado, obeve-se o valor do extrato seco total. A determinação da acidez titulável (em graus Dornic) foi realizada em acidemitro Dornic. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados das análises físico-químicas individuais de amostras de leite cru refrigerado (3 o C a 5ºC) obtidas na região de Paracatu MG, em função do tipo de ordenha estão apresentados na Tabela 1.

3 TABELA 1- Resultados das análises físico-químicas individuais de amostras de leite cru refrigerado obtido na região de Paracatu MG, em função do tipo de ordenha. Produtor Acidez Gordura EST Densidade Proteína Lactose ESD Ordenha Manual ,23 11,9 1,031 3,20 4,80 8, ,04 12,0 1,032 3,31 4,97 9, ,57 12,3 1,031 3,22 4,83 8, ,59 12,3 1,031 3,22 4,82 8, ,12 12,0 1,032 3,25 4,88 8, ,06 11,8 1,031 3,23 4,84 8,81 Média 17,6 3,26 12,0 1,031 3,23 4,85 8,84 0,228 1,24 0,19 0,0004 0,035 0,056 0,09 Ordenha Canalizada ,07 11,8 1,031 3,23 4,84 8, ,99 11,9 1,032 3,26 4,90 8, ,00 11,7 1,031 3,21 4,82 8, ,04 11,7 1,031 3,19 4,79 8, ,79 11,3 1,031 3,13 4,70 8, ,70 12,4 1,030 3,19 4,79 8,71 Média 18 3,09 11,8 1,031 3,20 4,80 8,74 6,97 0,283 0,31 0,0005 0,040 0,06 0,10 Ordenha Balde ao pé ,18 12,1 1,032 3,29 4,94 9, ,06 11,6 1,030 3,13 4,70 8, ,58 12,3 1,031 3,20 4,80 8, ,96 12,9 1,031 3,30 4,95 9, ,72 12,8 1,032 3,34 5,01 9, ,99 11,3 1,030 3,05 4,57 8,32 Média 17,08 3,40 12,2 1,031 3,21 4,82 8,78 1,27 0,36 0,59 0,014 0,102 0,15 0,28 Algumas amostras do leite analisadas dos produtores de ordenha manual, canalizada e balde ao pé estão fora dos limites estabelecidos pelo Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, da Instrução Normativa n 62 (BRASIL, 2011). A acidez das amostras de leite analisadas variou entre 17º D e 19º D, estando, portanto, a maioria delas dentro no que preconiza a legislação vigente (14ºD a 18ºD). Apenas duas amostras, um que pratica ordenha canalizada e outro ordenha balde ao pé, que obtiveram valores 19ºD, estão fora do padrão. Os teores de gordura, de acordo com a IN 62 não podem ser menores que 3% e as amostras

4 dos produtores 8, 11 e 18, de ordenhas canalizada, e balde ao pé não estavam em conformidade. Estes resultados foram similares aos obtidos por Carvalho et al. (2013), que verificaram teor médio de 3,49%. Os altos teores de gordura do leite são muito valorizados por laticínios, porque interferem diretamente na qualidade dos produtos lácteos. Então, quanto maior a quantidade de gordura mais os produtores recebem pelo leite. O teor de extrato seco total, que representa os nutrientes do leite sem a água, variou minimamente entre os produtores, apresentando média de 12%. Silva et al. (2009) e Lima et al. (2006) encontraram médias para EST de 12,62% e 12,14%, respectivamente, valores próximos ao do presente trabalho. Os valores encontrados para densidade do leite variaram entre 1,030 e 1,032g/mL, não apresentando diferença estatística entre as amostras em nível de 5% de significância. Segundo a IN 62 a densidade pode apresentar valores que variam entre 1,028 a 1,034 g/ml. Com relação aos teores de proteína, as amostras de todos os tipos de ordenha foram satisfatórias e similares, considerando que o valor mínimo para este parâmetro deve ser de 2,9 g/100 ml. A ordenha balde ao pé, apresentou extremos em teor de proteína, 3,05% para a amostra 18 e 3,34% para a de número 17. A proteína do leite, assim como a gordura, é bem valorizada no mercado de laticínios em geral. A lactose, que é o principal açúcar do leite, é responsável pelo equilíbrio da pressão osmótica da mama e sua produção está diretamente relacionada à produção de leite (Peres, 2001). Seus teores nas amostras analisadas tiveram média de 4,82%, com destaque para a ordenha balde ao pé com o menor (4,57%), e maior (5,01%) valor. 4. CONCLUSÕES A maioria das amostras analisadas apresentou-se preconizada nas normas da Instrução Normativa nº 62. Esses resultados comprovam a qualidade do leite na região e preocupação dos produtores com as características sanitárias de suas fazendas. 5.AGRADECIMENTOS À Universidade Federal de São João del Rei/Minas Gerais e a Fundação de Apoio á Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). 6.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n 62, de 20 de setembro de Diário Oficial da União, 30 dez Seção 1, p.6. CALDEIRA, L. A.; ROCHA JUNIOR, V. R.; FONSECA, C. M.; MELO, L. M.; CRUZ, A. G.; OLIVEIRA, L. L.S. Caracterização do leite comercializado em Janaúba MG. Alimentos e Nutrição, v. 21, n. 2, p , CARVALHO, T. S.; SILVA, M. A. P.; BRASIL, R. B.; CABRAL, J. F.; GARCIA, J. C.; OLIVEIRA, A. N.; Qualidade do leite cru refrigerado obtido através de ordenha manual e mecânica. Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, v. 68, n. 390, p , ELMOSLEMANY, A.M.; KEEFE, G. P.; DOHOO, I. F.; WICHTEL, J. J.; STRYHN, H.; DINGWELL, R. T. The association between bulk tank milk analysis for raw milk quality and on- farm management practices. Preventive Veterinary Medicine, v.95, p , LUZ, D. F.; BICALHO, F. A.; OLIVEIRA, M. V. M.; SIMÓES, A. R. P. Avaliação microbiológica em leite pasteurizado e cru refrigerado de produtores da região do Alto Pantanal Sul-Mato-Grossense. Revista Agraria, v.4, n.14, p , MÜLLER, E. E. Qualidade do leite, células somáticas e prevenção da mastite. Simpósio sobre Sustentabilidade da Pecuária Leiteira na Região Sul do Brasil, v. 2, p , 2002.

5 SALVADOR, F. C.; BURIN, A. S.; FRIAS, A. A. T.; OLIVEIRA, F. S.; FAILA, N. Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado comercializado em Apucarana-PR e região. Revista v.9, n. 5, p.30 41, SILVA, M. A. P. DA; SANTOS, P. A. DOS; ISEPON, J. DOS S.; REZENDE, C. S. M.; LAGE, M. E.; NICOLAU, E. S. Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 68, n. 3, p , LIMA, M. C. G.; SENA, M.J.; MOTA, R.A.; MENDES, E. S.; ALMEIDA, C. C.; SILVA R. P. P. E. Contagem de células somáticas e análises físico-químicas e microbiológicas do leite cru tipo c produzido na região agreste do estado de Pernambuco. Arq. Inst. Biol., São Paulo, v.73, n.1, p.89-95, jan./mar., PERES, J. R. O leite como ferramenta do monitoramento nutricional. In: GONZALEZ, F. H. D.; DÜRR, J. W.; FONTANELE, R. (Eds.). Uso do leite para monitorar a nutrição e o metabolismo de vacas leiteiras. Porto Alegre: Biblioteca Setorial da FV UFRGS, p

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353. Ano IX Número 16 Janeiro de 2011 Periódicos Semestral QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO LEITE CRU REFRIGERADO PRODUZIDO NO MUNICÍPIO DE SAPOPEMA/PR MICROBIOLOGICAL QUALITY AND PHYSICAL CHEMISTRY OF RAW REFRIGERATED MILK PRODUCED IN THE CITY SAPOPEMA/PR

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas.

Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. Procedimentos de coleta e envio de amostras de leite para determinação dos componentes do leite e contagem de células somáticas. 1- Coleta de Amostras Coleta de amostra individual: A- Ordenha manual e

Leia mais

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia

Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . UNEB Produção e qualidade do leite na região Oeste da Bahia - Pesquisa da UNEB analisará

Leia mais

Processo de industrialização do leite pasteurizado

Processo de industrialização do leite pasteurizado Processo de industrialização do leite pasteurizado Bruna dos Santos 1 (FECILCAM) brunadosantos@hotmail.com Igor José do Nascimento 1 (FECILCAM) - igor_jnascimento@live.com Fabiane Avanzi Rezende 1 (FECILCAM)

Leia mais

Análise Físico-química do Leite Cru Refrigerado Proveniente das Propriedades Leiteiras da Região Sul Fluminense

Análise Físico-química do Leite Cru Refrigerado Proveniente das Propriedades Leiteiras da Região Sul Fluminense Análise Físico-química do Leite Cru Refrigerado Proveniente das Propriedades Leiteiras da Região Filipe Pereira de Paula Universidade Severino Sombra, Centro de Ciências Exatas, Tecnológicas e da Natureza,

Leia mais

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE

IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE 1 IMPACTO DA REFRIGERACAO NA CONTAGEM BACTERIANA DO LEITE JOSÉ AUGUSTO HORST A produção de leite no Brasil vem crescendo a cada ano, tendo dobrado sua produção nos últimos 20 anos, com uma produção anual

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA PR

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA PR Rev. Inst. Latic. Cândido Tostes, Jul/Ago, nº 369, 64: 13-18, 2009 Pág. 13 QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA PR Physicochemical

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação de parâmetros físico-químicos de cremes de leite produzidos artesanalmente Karoline Mikaelle de Paiva Soares 1* ; Vilson Alves de Góis

Leia mais

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína

10. Assinale a alternativa que está ausente da fração proteica do leite: a) Caseína FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Curso de Medicina Veterinaria Disciplina: Tecnologia e Inspeção de Leite e Derivados Profª Andrea O B Botelho 8 e 9º períodos ROTEIRO DE ESTUDOS - Estes

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE LEITES UHT COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

ANÁLISE DA ROTULAGEM DE LEITES UHT COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB ANÁLISE DA ROTULAGEM DE LEITES UHT COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB C.R.M. Silva Filho 1, C.D.L. Araújo 2, W.S. Morais 3 1- Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial Universidade Federal

Leia mais

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009

*Silvia Benedetti Edna Regina Amante Luis Fernando Wentz Brum Luis Carlos de Oliveira Jr. São Paulo 2009 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Alimentos REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO E RESÍDUOS DE INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS *Silvia Benedetti Edna Regina Amante

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Convênio APCBRH/UFPR GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ MANUAL GESTÃO DE CONTROLE DE

Leia mais

Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk

Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado. Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk ARTIGO ORIGINAL/ ORIGINAL ARTICLE Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado Influence of the bulk milk shipping on the quality of cooled raw milk RIALA6/1234 Marco Antônio

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS EVALUATE THE HYGIENIC-SANITARY CURD CHEESE SOLD IN STREET FAIR IN THE CITY OF VIÇOSA-ALAGOAS

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess)

Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Caracterização de iogurte elaborado a partir de leite de cabra acrescido com polpa de uvaia (Eugenia uvalha cambess) Emerson Divino PEREIRA 1 ; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI 3 ; Jéssica Ribeiro HENRIQUE

Leia mais

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.

A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011. Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa. A nova regra do mercado: produzir leite com qualidade e Instrução Normativa 62/2011 Guilherme Nunes de Souza gnsouza@cnpgl.embrapa.br 32 3311-7537 Conteúdo 1. Breve histórico sobre o tema Qualidade do

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Produção e análise físico-química de leite in natura em período de seca na região de Avaré, São Paulo, Brasil Anderson Bacciotti 1, Karina Basso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1

A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 A IMPORTÂNCIA DA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E CONTAGEM BACTERIANA TOTAL PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL 1 THE IMPORTANCE OF THE COUNTING OF SOMATIC CELLS AND TOTAL BACTERIAL COUNTING

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE

PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE PAGAMENTO DO LEITE POR QUALIDADE Paulo Fernando Machado Professor Titular em Bovinocultura de Leite Clínica do Leite Departamento de Zootecnia ESALQ-USP O Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO - RDC Nº 91, DE 18 DE OUTUBRO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP)

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE SUCO DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM QUIOSQUES DAS PRAIAS DE SANTOS (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

AVALIAÇÃO FISICO-QUÍMICA DE LEITE CRU E PASTEURIZADO CONSUMIDO NO RECÔNCAVO DA BAHIA

AVALIAÇÃO FISICO-QUÍMICA DE LEITE CRU E PASTEURIZADO CONSUMIDO NO RECÔNCAVO DA BAHIA AVALIAÇÃO FISICO-QUÍMICA DE LEITE CRU E PASTEURIZADO CONSUMIDO NO RECÔNCAVO DA BAHIA Lílian Porto de Oliveira¹, Ludmilla Santana Soares e Barros², Valdir Carneiro Silva³ 1. Pós-Graduanda em Ciência Animal.

Leia mais

[T] Composição físico-química de leites em diferentes fases de lactação

[T] Composição físico-química de leites em diferentes fases de lactação ISSN 0103-989X Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Composição físico-química de leites em diferentes fases de lactação [I] Physico-chemical composition of milk at different stages of lactation

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Monica Cardoso

Universidade Federal de Juiz de Fora. Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Monica Cardoso Universidade Federal de Juiz de Fora Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados Monica Cardoso PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS DE LÁCTEOS SOBRE PROGRAMAS DE PAGAMENTO POR QUALIDADE DO LEITE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CURITIBANOS BACHARELADO EM CIÊNCIAS RURAIS ALINE PEGORARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CURITIBANOS BACHARELADO EM CIÊNCIAS RURAIS ALINE PEGORARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS CURITIBANOS BACHARELADO EM CIÊNCIAS RURAIS ALINE PEGORARO PASTA DE SOJA EM SUBSTITUIÇÃO À SILAGEM DE MILHO EM DIETAS PARA VACAS EM LACTAÇÃO: DESEMPENHO E VIABILIDADE

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil

Material e Métodos Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil 1 SITUAÇÃO ATUAL DA QUALIDADE DO LEITE EM SANTA CATARINA Laboratório Estadual Da Qualidade do Leite De Santa Catarina Companhia Integrada De Desenvolvimento Agrícola De Santa Catarina CIDASC/ Universidade

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133

Coleção SENAR. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 62 TRABALHADOR NA bovinocultura de leite COMO PRODUZIR LEITE DE QUALIDADE - 133 2005, SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

ASPECTOS NÃO MICROBIOLÓGICOS AFETANDO A QUALIDADE DO LEITE

ASPECTOS NÃO MICROBIOLÓGICOS AFETANDO A QUALIDADE DO LEITE ASPECTOS NÃO MICROBIOLÓGICOS AFETANDO A QUALIDADE DO LEITE M. Veiga dos Santos Professor Doutor, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, Campus de Pirassununga, SP. Introdução O principal

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51

Coleção SENAR 133. Leite. Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 Coleção SENAR 133 Leite Produção de leite conforme Instrução Normativa nº 51 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL Presidente do Conselho Deliberativo Senadora Kátia Abreu Entidades Integrantes do Conselho

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO¹, MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 2, NATAN MEDEIROS GUERRA 3, MAURINA DE LIMA PORTO 4. ¹ Graduando(a) do Curso de Medicina

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Qualidade do leite cru refrigerado em função do tipo de ordenha

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Qualidade do leite cru refrigerado em função do tipo de ordenha PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Qualidade do leite cru refrigerado em função do tipo de ordenha Lincoln Campos da Silva Júnior 1 ; Rossane Pereira da Silva 1 ; Tiago Pereira Guimarães

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

Programa Leite das Crianças

Programa Leite das Crianças Programa Leite das Crianças COMISSÃO ESTADUAL DA QUALIDADE DO LEITE CEQL Curitiba 2014 Decreto nº 5659 de 20.08.2012 Dispõe sobre o Programa Leite das Crianças contempla no Art.9º a instituição da Comissão

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS A Tecnologia de Alimentos (T.A.) é das mais novas especialidades da necessidade da obtenção de mais fartas e constantes fontes alimentares. FATORES QUE CONTRIBUÍRAM PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

Cartilha do. Agente de Coleta

Cartilha do. Agente de Coleta Cartilha do Agente de Coleta Edição 1-2011 Índice 04 Introdução Apresentamos um guia indispensável para você fazer uma coleta de leite adequada. Análise de leite e coleta de amostras Um passo a passo dos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1

ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 ANÁLISE COMPARATIVA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE SARDINHAS ENLATADAS EM ÓLEO COMESTÍVEL, MOLHO DE TOMATE E AO NATURAL 1 CASSANEGO, Daniela Buzatti 2 ; MATTANNA, Paula 2 ; GUSSO, Ana Paula 2 ;

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DE GOIÁS

INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO DA REGIÃO SUDOESTE DO ESTADO DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL INFLUÊNCIA DOS TIPOS DE ORDENHA, TRANSPORTE E TEMPO DE ARMAZENAMENTO NA QUALIDADE DO LEITE CRU REFRIGERADO

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE OBTIDO DE DIFERENTES TIPOS DE COMERCIALIZAÇÃO EM PONTES E LACERDA - MT

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE OBTIDO DE DIFERENTES TIPOS DE COMERCIALIZAÇÃO EM PONTES E LACERDA - MT NOTA CIENTÍFICA CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE LEITE OBTIDO DE DIFERENTES TIPOS DE COMERCIALIZAÇÃO EM PONTES E LACERDA - MT GIULIANNA ZILOCCHI MIGUEL 1, MARCELO CORREIA DE MAGALHÃES 2, LUIZ JULIANO VALÉRIO

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM PEQUENAS EMPRESAS PROCESSADORAS DE LEITE: SITUAÇÃO ATUAL E RECOMENDAÇÕES

GESTÃO DE QUALIDADE EM PEQUENAS EMPRESAS PROCESSADORAS DE LEITE: SITUAÇÃO ATUAL E RECOMENDAÇÕES Pág 17 GESTÃO DE QUALIDADE EM PEQUENAS EMPRESAS PROCESSADORAS DE LEITE: SITUAÇÃO ATUAL E RECOMENDAÇÕES Quality management in small dairy products: current situation and recommendations C. A. CALHEIROS

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Fernanda Lima Pereira 1, Suelem Correia Garcia 1, Tiago Rodrigues da Costa 1, Rodrigo Herman da Silva 2 ¹Estudante do curso de Engenharia

Leia mais

Mel com própolis: considerações sobre a composição e rotulagem Honey added with propolis: composition and labeling considerations

Mel com própolis: considerações sobre a composição e rotulagem Honey added with propolis: composition and labeling considerations Bera, A.; Almeida-Muradian, L. B. Mel com própolis: considerações sobre a composição e rotulagem. ARTIGO Rev ORIGINAL/ Inst Adolfo Lutz, ORIGINAL 64(1):117-21, ARTICLE 2005. Mel com própolis: considerações

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados

O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados O PAS-LEITE Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados Brasília - DF, 21 de Fevereiro de 2013. Paschoal G. Robbs Consultor SEBRAE Grande Aliança MANTENEDORES SENA (Colombia) SINDIRAÇÕES ABIMA

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação físico-química de leite in natura comercializado informalmente nas cidades de Cerqueira César, Manduri e Avaré/SP. Sofia Dalaqua 1, Gessler

Leia mais

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade Leite de Qualidade Leite de qualidade Histórico LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL Getúlio Vargas 29 de março de 1952 RIISPOA Decreto nº 30.691 Brasil Mercosul (Anos 90) Ministério da Agricultura 1998 Grupo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE DE TANQUE COMUNITÁRIO *

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE DE TANQUE COMUNITÁRIO * 144 SOUZA, V. et al. DOI: 10.5216/cab.v12i1.6113 CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE AMOSTRAS DE LEITE DE TANQUE COMUNITÁRIO * Viviane Souza, 1 Antonio Nader Filho 2 e Luciano Menezes Ferreira 3 * Dados

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CACHAÇA ARTESANAL PRODUZIDA NA REGIÃO DE RIO POMBA MG EM FUNÇÃO DA SUA QUALIDADE E DO PROCESSO PRODUTIVO 1

AVALIAÇÃO DA CACHAÇA ARTESANAL PRODUZIDA NA REGIÃO DE RIO POMBA MG EM FUNÇÃO DA SUA QUALIDADE E DO PROCESSO PRODUTIVO 1 AVALIAÇÃO DA CACHAÇA ARTESANAL PRODUZIDA NA REGIÃO DE RIO POMBA MG EM FUNÇÃO DA SUA QUALIDADE E DO PROCESSO PRODUTIVO 1 Souza, Luiz Carlos 2 ; Oliveira, Fabíola Cristina³; Costa, Jhonatan Faria⁴; Nunes,

Leia mais

CUSTOS PARA ADEQUAÇÃO À INSTRUÇÃO NORMATIVA 51 POR PECUARISTAS DE LEITE NO SUL DE MINAS GERAIS: ESTUDO MULTICASOS MARIA DAS GRAÇAS CLEMENTE

CUSTOS PARA ADEQUAÇÃO À INSTRUÇÃO NORMATIVA 51 POR PECUARISTAS DE LEITE NO SUL DE MINAS GERAIS: ESTUDO MULTICASOS MARIA DAS GRAÇAS CLEMENTE CUSTOS PARA ADEQUAÇÃO À INSTRUÇÃO NORMATIVA 51 POR PECUARISTAS DE LEITE NO SUL DE MINAS GERAIS: ESTUDO MULTICASOS MARIA DAS GRAÇAS CLEMENTE 2009 MARIA DAS GRAÇAS CLEMENTE CUSTOS PARA ADEQUAÇÃO À INSTRUÇÃO

Leia mais

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM 830 APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM Witã dos Santos Rocha 1 ; Pablo Rodrigo Fica Piras 2 1. Bolsista PIBEX, Graduando em Engenharia de Alimentos, Universidade

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

NATA PASTEURIZADA HISTÓRICO DO PRODUTO

NATA PASTEURIZADA HISTÓRICO DO PRODUTO HISTÓRICO DO PRODUTO Acredita-se que a origem do produto NATA remonta o século XVIII, quando imigrantes europeus, oriundos principalmente da Alemanha e Itália, começaram a utilizar o creme de leite que

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Avaliação do rótulo e rotulagem de diferentes variedades de leites em pó comercializados na cidade de Juiz de Fora - Minas Gerais

Avaliação do rótulo e rotulagem de diferentes variedades de leites em pó comercializados na cidade de Juiz de Fora - Minas Gerais Avaliação do rótulo e rotulagem de diferentes variedades de leites em pó comercializados na cidade de Juiz de Fora - Minas Gerais Evaluation of the label information of different varieties of powdered

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais