PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA. CAlte PETRONIO Coordenador do PRM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA. CAlte PETRONIO Coordenador do PRM"

Transcrição

1 PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA CAlte PETRONIO Coordenador do PRM

2 INTRODUÇÃO SUMÁRIO A IMPORTÂNCIA DAS ÁGUAS BRASILEIRAS O PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA CONSIDERAÇÕES FINAIS 2 de 27

3 BRASIL Superfície : 8.5 milhões km 2 População : 190 milhões Litoral : km 3 de 27

4 AMAZÔNIA AZUL BRASIL AREA CONTINENTAL mi km 2 ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA (ZEE) mi km 2 EXTENSÃO (EPC) mi km 2 ZEE + EPC mi km 2 53% da Área Continental 4 de 27

5 Bacia da Foz do Amazonas Bacia do Pará Maranhão Bacia de Barreirinhas PRODUÇÃO de ÓLEO Total de > 2 mi barris/dia Amazônia Azul : 1.82 mi ( ~ 91 %) Bacia do Ceará Bacia Potiguar Bacia de Pernambuco Paraíba OCEAN O PÓS SAL Bacia de Sergipe Alagoas Bacia de Camamu-Almada Bacia de Jequitinhonha Bacia de Cumuruxatiba SAL PRÉ SAL Bacia de Campos Bacia de Santos EXPLORAÇÃO Bacia de Pelotas ÓLEO e GÁS 5 de 27

6 Evolução das Bacias Petrolíferas Até to to 2006 Pré Sal 6 de 27

7 FONTES MINERAIS Ouro de Viseu Bioclásticos Nódulo de Manganês Diamante Jequitinhonha Carvão Crosta Ferromanganês Fosforita Hidrato de gás Fonte: Departamento Nacional de Produção Mineral 7 de 27

8 Rotas do Tráfego Marítimo > 1500 Navios Mercantes/Dia (95% Comércio exterior brasileiro) US$ 370 bilhões 2011 America do Norte Europa Pacífico América do Sul Costa brasileira Golfo da Guiné Sul da África e Oriente 8 de 27

9 ATIVIDADES PESQUEIRAS PRODUÇÃO MUNDIAL 2020 = 146 milhões tons BRASIL 2003 = 0,99 milhões tons 2009 = 1,24 millhões tons 2010 = 1,26 millhões tons Crescimento de 27% entre 2003 and de 27

10 12% reservas mundiais de água doce km de rios navegáveis km potencialmente navegáveis. 10 de 27 10

11 RESPONSABILIDADE DE BUSCA e SALVAMENTO (15.3 mi km 2 ) 11 de 27 11

12 Ilhas Atlântico Oceânicas Sul 16ºN F. Noronha S. Pedro S.Paulo São Tomé e Ascensã Príncip o e Santa Helena Trindade Tristão da Gough Cunha Simon's Town Falkland s Georgia do Sul Órcada s do Sandwich do Sul Bouvet 12 de 27

13 PROGRAMA DE REAPARELHAMENTO DA MARINHA DO BRASIL CONFIDENCIAL 13 de 27 13

14 Submarinos Navio Aeródromo Navios Escolta Navio de Apoio Logístico PRM Corvetas Navios Patrulha Navios Patrulha Oceânico Navios de Propósito Múltiplo Aeronaves de Asa Fixa Helicópteros 14 de 27

15 Submarinos Navio Aeródromo Navios Escolta Navio de Apoio Logístico PRM Corvetas Navios de Propósito Múltiplo Navios Patrulha Navios Patrulha Oceânico Aeronaves de Asa Fixa Helicópteros 15 de 27

16 SUBMARINOS 4 SUBMARINOS COVENCIONAIS (CLASSE SCORPÈNE) PRIMEIRO SUBMARINO PROPULSÃO NUCLEAR CONSTRUÇÃO DO ESTALEIRO NAVAL CONSTRUÇÃO DA BASE NAVAL PROGRAMA DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 16 de 27 16

17 SUBMARINOS CLASSE SCORPÈNE Comprimento : m Diâmetro : 6.2 m Deslocamento : 1,870 t (sub) Velocidade : maior 20 nós Tripulação : 31 Autonomia : 80 dias Raio de Ação: MN 17 de 27 17

18 SUBMARINOS BASE e ESTALEIRO 18 de 27

19 BASE e ESTALEIRO 19 de 27

20 PROSUPER (Programa de Navios de Superfície) 5 Navios Escolta (Fragatas) com deslocamento de t 1 Navio de Apoio Logístico com capacidade de carga de t 5 Navios Patrulha Oceânico com deslocamento de t Transferência de Tecnologia (ToT), Apoio Logístico Integrado (ALI), Nacionalização e OFFSETS de 27

21 PROSUPER s STRATEGIC MODEL A construção destes navios tem sido tratada como uma parceria estratégica entre dois países, apoiada por Acordos de Governo para Governo. Sete Países apresentaram propostas para o Programa: Alemanha, Coréia do Sul, Espanha, França, Itália, Países Baixos e Reino Unido de 27

22 Projetos testados e adaptados para atender os requisitos impostos pela Marinha do Brasil. Construção no Brasil por um Estaleiro estrangeiro associado com um Estaleiro privado brasileiro. 22 de 27 22

23 NAVIOS ESCOLTA Total def 30 unidades (PROSUPER = 5) Navios de múltipla missão. Principais Características: Deslocamento = ton Comprimento Total = 145 m Máxima velocidade = maior que 28 nós Raio de ação = MN Permanência = 30 dias Canhão / Mísseis/ Sonar / helicóptero 23 de 27

24 NAVIO DE APOIO LOGÍSTICO Total = 5 unidades (PROSUPER = 1) Apoio logístico à Esquadra, Missões Humanitárias Principais Características: Capacidade de carga = ton Comprimento total = 175m Velocidade máxima = maior que 20 nós Raio de Ação = MN Permanência = 30 dias 24 de 27

25 NAVIOS PATRULHA OCEÂNICO REQUERIMENTOS: Emprego em águas azuis Apoio: Patrulha e Inspeção Naval Vigilância das águas jurisdicionais brasileiras Repressão às atividades ilícitas Atividades de Busca e Salvamento Controle de Área Marítima 25 de 27

26 Deslocamento = entre 1,750 t / 1,850 t Tripulação = Velocidade máxima > 20 nós Raio de Ação > 4,000 MN Permanência > 25 dias Helicóptero / Botes flexíveis / Canhão 26 de 27 26

27 Deslocamento = 1,815 t Tripulação = Velocidade máxima > 20 nós Raio de ação > 5,000 MN Permanência > 30 dias Armamento = 1 canhão de 30 mm + 2 metralhadoras 20 mm 27 de 27

28 CORVETAS Navios de múltipla missão. Principais Características: Deslocamento = ton Comprimento = 103 m Velocidade máxima = maior que 28 nós Raio de Ação = MN Permanência = 30 dias Canhão / Mísseis / Torpedos / Sonar / Helicópteros 28 de 27

29 NAVIO PATRULHA (NPa Ton) Comprimento = 54.2 m Raio de ação = 2,500 MN Permanência = 10 dias Deslocamento = 500 t Tripulação = 35 Velocidade máxima = maior que 21 nós Armamento = 1canhão 40 / 2 metralhadoras 20 mm NPa = 46 unidades 29 de 27

30 1 º grupo = 2 unidades NPa Macaé - comissionado 12/2009 NPa Macau - comissionado 11/ º grupo = 5 unidades Comissionados 2013/ º grupo = 20 unidades 30 de 30 27

31 AERONAVES DE ASA FIXA / HELICÓPTEROS 31 de 27

32 CONSIDERAÇÕES FINAIS 32 de 27

33 UMA NAÇÃO QUE CONFIA EM SEUS DIREITOS, EM VEZ DE CONFIAR EM SEUS MARINHEIROS E SOLDADOS, ENGANA-SE A SI MESMA E PREPARA A SUA PRÓPRIA QUEDA RUI BARBOSA Cartas da Inglaterra 33 de 27

34 OBRIGADO 34 de 27

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA Projetos Estratégicos da Marinha SUMÁRIO AMAZÔNIA AZUL - Patrimônio Nacional PROJETOS ESTRATÉGICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS Amazônia Azul, um patrimônio a ser preservado 3

Leia mais

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade.

3º Ciclo de Palestras sobre. Pré-Sal - o Papel da. Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. 3º Ciclo de Palestras sobre Defesa Nacional Pré-Sal - o Papel da Marinha ih do Brasil na Defesa do Patrimônio e Alocação de Recursos para essa Finalidade. Apresentação para a Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

Belo Horizonte, 24 de setembro de 2009.

Belo Horizonte, 24 de setembro de 2009. Belo Horizonte, 24 de setembro de 2009. 13º Congresso Brasileiro de Mineração Belo Horizonte, 24 de setembro de 2009. 3 A A Potencialidade Mineral da Amazônia Azul 4 Sumário A importância do mar para

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 17 MAIO 2016 FIRJAN / GICAN SUMÁRIO 1. AMAZÔNIA AZUL 2. PROJETOS ESTRATÉGICOS 3. BENEFÍCIOS PARA O PAÍS 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS AMAZÔNIA AZUL AMAZÔNIA AZUL 97% DO COMÉRIO

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Panorama e Oportunidades da Indústria de Defesa no Brasil Seminário: As oportunidades da indústria de defesa e a segurança para o Brasil e a região do ABC São Bernardo do Campo, 20 de outubro de 2011 Luciano

Leia mais

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016

PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA DO BRASIL CEEEX 22 NOVEMBRO 2016 PROJETOS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 22 NOVEMBRO 2016 DO BRASIL CEEEX SUMÁRIO 1. AMAZÔNIA AZUL 2. PROJETOS ESTRATÉGICOS 3. BENEFÍCIOS PARA O PAÍS 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS AMAZÔNIA AZUL AMAZÔNIA AZUL 97% DO

Leia mais

III Simpósio de CT&I 26SET2013. SisGAAz

III Simpósio de CT&I 26SET2013. SisGAAz III Simpósio de CT&I 26SET2013 SisGAAz SUMÁRIO SisGAAz INTRODUÇÃO A AMAZÔNIA AZUL O Que é Recursos vivos e não vivos Ameaças as Vulnerabilidades A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA O SisGAAz MODELO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

História das Relações Internacionais BH1335 (4-0-4)

História das Relações Internacionais BH1335 (4-0-4) História das Relações Internacionais BH1335 (4-0-4) Professor Dr. Demétrio G. C. de Toledo BRI demetrio.toledo@ufabc.edu.br UFABC 2016.I Aula 17 2ª-feira, 11 de abril Módulo III: Sistema internacional

Leia mais

O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA. Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA. Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto O CAMINHO MARÍTIMO PARA A INDUSTRIA EXTRATIVA Joaquim Góis Departamento de Engenharia de Minas Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 2 AGENDA 1. O PLANETA TERRA E OS OCEANOS OS OCEANOS 2. PORTUGAL

Leia mais

ENTREVISTA José Luís Fiori Atlântico Sul: militarismo revisitado

ENTREVISTA José Luís Fiori Atlântico Sul: militarismo revisitado ENTREVISTA José Luís Fiori Atlântico Sul: militarismo revisitado Nem todos sabem. Mas, nas barbas do litoral brasileiro, há uma rotina complexa de bases e exercícios militares empreendidos pelas forças

Leia mais

MPHP - Site Racionalista Humanista Secular. VAlte(Ref) José Luiz Feio Obino

MPHP - Site Racionalista Humanista Secular. VAlte(Ref) José Luiz Feio Obino Patrulha Naval VAlte(Ref) José Luiz Feio Obino A Patrulha Naval requer meios dos mais variados, conforme indicado pelo exame corrente da situação. A Patrulha Naval, a cargo dos Comandos dos Distritos Navais,

Leia mais

A segurança e a defesa do Atlântico Sul no âmbito da cooperação Brasil-África

A segurança e a defesa do Atlântico Sul no âmbito da cooperação Brasil-África A segurança e a defesa do Atlântico Sul no âmbito da cooperação Brasil-África XIII Congresso Acadêmico sobre Defesa Nacional - 2016 ESCOLA DE GUERRA NAVAL CENTRO DE ESTUDOS POLÍTICO-ESTRATÉGICOS PROGRAMA

Leia mais

BAP Tacna suspende da Holanda para o Peru

BAP Tacna suspende da Holanda para o Peru BAP Tacna suspende Holanda para o Peru da Por Guilherme Wiltgen Suspendeu ontem (10.12) da Base Naval de Den Helder, na Holanda, o BAP Tacna com destino a Callao, no Peru. Sob o Comando do Capitán de Navío

Leia mais

Acre Previsão por Coeficiente no Estado

Acre Previsão por Coeficiente no Estado Acre 0,6 121.073,55 262.729,59 0,8 161.431,39 350.306,12 1,0 201.789,24 437.882,66 1,2 242.147,09 525.459,19 1,4 - - 1,6 322.862,79 700.612,25 1,8 363.220,64 788.188,78 2,0 - - 2,2 - - 2,4 - - 2,6 524.652,03

Leia mais

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira

Mineração e sua Importância na Economia Brasileira Mineração e sua Importância na Economia Brasileira 25 de novembro de 2010 2º CONGRESSO DE MINERAÇÃO DA AMAZÔNIA ANTONIO LANNES Área > 3 milhões Km² Brasil no Mundo Bangladesh Pop > 140 milhões Nigéria

Leia mais

Contra pirataria, Brasil expande ação naval na África

Contra pirataria, Brasil expande ação naval na África Contra pirataria, Brasil expande ação naval na África Para proteger riquezas marítimas como as reservas do pré-sal e combater crescentes ameaças de pirataria e narcotráfico no Atlântico Sul, a Marinha

Leia mais

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015

PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR. Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de May 2015 PORTUGAL A CRESCER ECONOMIA DO MAR Roadshow Portugal Global Setúbal, 2 de março de 2016 May 2015 Uma oportunidade económica Área: 92,152 Km 2 (108 º maior país do Mundo) Linha de Costa: 1,859 Km (incluindo

Leia mais

Liberdade. in «Antologia Mar», Sophia de Mello Breyner Andresen. LEME - Barómetro PwC da Economia do Mar PwC

Liberdade. in «Antologia Mar», Sophia de Mello Breyner Andresen. LEME - Barómetro PwC da Economia do Mar PwC Liberdade Aqui nesta praia onde Não há nenhum vestígio de impureza, Aqui onde há somente Ondas tombando ininterruptamente, Puro espaço e lúcida unidade, Aqui o tempo apaixonadamente Encontra a própria

Leia mais

Tipos de Embarcações, Qualidades Náuticas e Operacionais. Arquitectura Naval

Tipos de Embarcações, Qualidades Náuticas e Operacionais. Arquitectura Naval Tipos de Embarcações, Qualidades Náuticas e Operacionais Classificação dos Navios de Comércio Segundo Natureza do Transporte Os navios de carga podem ser divididos em vários tipos básicos: Navios de Massa

Leia mais

Flotilha do Amazonas recebe lanchas colombianas LPR-40

Flotilha do Amazonas recebe lanchas colombianas LPR-40 Flotilha do Amazonas recebe lanchas colombianas LPR-40 A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 9º Distrito Naval, realizou, no dia 11 de março, a Cerimônia de Entrega de duas Lanchas-Patrulha

Leia mais

Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional

Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional Visão de Futuro para o Sistema Financeiro Nacional Sumário Financeirização da Economia Financiamento de Longo Prazo Desafios e Reflexões USD Milhões Capitalização de Mercado 2005-2009 70000000 60000000

Leia mais

Programa de Vigilância Marítima Integrada

Programa de Vigilância Marítima Integrada ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Programa de Vigilância Marítima Integrada 1. Introdução Com o propósito de apresentar o Programa de Vigilância Marítima Integrada (ProVMInt), conceituado

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA Brasília, em 30 de janeiro de 2014. A Marinha do Brasil (MB) esclarece que o Navio-Aeródromo (NAe) São Paulo desatracou no dia

Leia mais

QUESTÕES MARÍTIMAS PÓS CNUDM UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA

QUESTÕES MARÍTIMAS PÓS CNUDM UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA UMA BREVE ANÁLISE EM PERSPECTIVA COOPERATIVA Professora Drª Daniele Dionisio da Silva Graduação em Defesa e Gestão Estratégica Internacional UFRJ Laboratório de Simulações e Cenários EGN/Marinha do Brasil

Leia mais

I- CONVENÇÃO DO MAR 1982 LIMITES MARÍTIMOS

I- CONVENÇÃO DO MAR 1982 LIMITES MARÍTIMOS TEMAS -LINHA DE BASE I- CONVENÇÃO DO MAR 1982 LIMITES MARÍTIMOS -ESPAÇO AÉREO NACIONAL -ESPAÇO AÉREO INTERNACIONAL -LITORAL -12 NM -24 NM -MAR TERRITORIAL -ZONA CONTÍGUA -ALTO-MAR -ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA

Leia mais

Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014

Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014 Wilson Sons Meet the Management Day (2014) 6 DE JUNHO DE 2014 Aviso Legal Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos e/ou resultados futuros ( forward-looking

Leia mais

O Oceano Atlântico situa-se entre a América (oeste) e África e Europa (leste). Ao norte localiza-se o Oceano Glacial Ártico e ao sul a Antártida.

O Oceano Atlântico situa-se entre a América (oeste) e África e Europa (leste). Ao norte localiza-se o Oceano Glacial Ártico e ao sul a Antártida. * O Oceano Atlântico situa-se entre a América (oeste) e África e Europa (leste). Ao norte localiza-se o Oceano Glacial Ártico e ao sul a Antártida. É o segundo maior oceano do mundo em extensão, possuindo

Leia mais

ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL

ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL ESTRUTURA SAR NA MARINHA DO BRASIL Gabriel Koff da Costa Graduando de Direito Departamento de Direito Centro de Ciências Jurídicas SUMÁRIO O QUE É SAR HISTÓRICO ESTRUTURA SAR NO BRASIL SALVAMAR SUL ESTATÍSTICAS

Leia mais

GeoIntelligence Brasil 2014

GeoIntelligence Brasil 2014 PROJETOS ESTRATÉGICOS MARINHA DO BRASIL GeoIntelligence Brasil 2014 Diretoria-Geral do Material da Marinha Diretoria de Gestão de Programas Estratégicos da Marinha Sumário 1 2 AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Em que continente fica o Brasil?

Em que continente fica o Brasil? Em que continente fica o Brasil? (América do Sul) Qual a capital política do Brasil? (Brasília) Qual a maior cidade do Brasil? (São Paulo 19 milhões habitantes) Quantos habitantes tem o Brasil? (193 milhões)

Leia mais

ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013

ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013 ESTALEIRO EISA MOMENTO ATUAL E PERSPECTIVAS APIMEC 26/03/2013 SUMÁRIO O GRUPO O EISA PROJETOS MILITARES SYNERGY ENTERPRISES -Shipbuilding & Repair -Offshore repair and conversions shipyards SYNERGY RESOURCES

Leia mais

Programa Nuclear da MB

Programa Nuclear da MB Programa Nuclear da MB Presente e Futuro Alan Paes Leme Arthou INTRODUÇÃO COGESN: Criada em 26SET2008, com as seguintes atribuições de gerenciamento: - Projeto e construção do Estaleiro dedicado aos submarinos;

Leia mais

BIBLIOTECA DeA Caderno Licitação de 3 bi atrai Navantia ao Brasil Virgínia Silveira Para o Valor, de Madri

BIBLIOTECA DeA Caderno Licitação de 3 bi atrai Navantia ao Brasil Virgínia Silveira Para o Valor, de Madri Fonte: 17/01/12 Caderno: Empresas - Pág. B-8 Licitação de 3 bi atrai Navantia ao Brasil Por Virgínia Silveira Para o Valor, de Madri Luis Cacho Quesada, principal executivo: "Estratégia com o Brasil vai

Leia mais

PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE

PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE PROTEGENDO NOSSAS RIQUEZAS CUIDANDO DA NOSSA GENTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS DA MARINHA 1 MARINHA DO BRASIL AMAZÔNIA AZUL PROJETOS ESTRATÉGICOS BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE 2 BRASILEIRA

Leia mais

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020

Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 Marcelo Mafra Borges de Macedo Superintendente de Segurança Operacional e Maio Ambiente Análise das Rodadas de Licitação até 2013 e perspectivas para a exploração de petróleo no horizonte 2020 O Papel

Leia mais

Mar: Importância, ameaças e comunidade

Mar: Importância, ameaças e comunidade SEMINÁRIO NACIONAL ECO-ESCOLAS 2011 Teatro Municipal da Guarda 4, 5, 6 de Fevereiro 2011 Mar: Importância, ameaças e comunidade Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar Mónica Albuquerque O que é o

Leia mais

Vale do Rio Doce tem fábrica no Bahrein e vai fazer pesquisa mineral na Arábia Saudita

Vale do Rio Doce tem fábrica no Bahrein e vai fazer pesquisa mineral na Arábia Saudita Agência de Notícias Brasil-Árabe - SP 23/03/2004-00:00 Vale do Rio Doce tem fábrica no Bahrein e vai fazer pesquisa mineral na Arábia Saudita Na segunda reportagem da série sobre as maiores empresas exportadoras

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS PRODUTO INTERNO BRUTO PIB Centro de Ensino Superior do Amapá - CEAP José Reinaldo Picanço Evolucao do Produto Interno Bruto - PIB (2005/2010) TAXA DE CRESCIMENTO MEDIA DE 13,7% Fonte:

Leia mais

BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO

BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO BRASIL NOSSO TERRITÓRIO E FRONTEIRAS MODULO 02 PALMAS - TO ESPAÇO GEOGRÁFICO E A AÇÃO HUMANA É o espaço onde os homens vivem e fazem modificações, sendo o resultado do trabalho do homem sobre a natureza.

Leia mais

Mesas Redondas Simultâneas: Identificando Oportunidades de Mercado 10FEV2017

Mesas Redondas Simultâneas: Identificando Oportunidades de Mercado 10FEV2017 Mesas Redondas Simultâneas: Identificando Oportunidades de Mercado 10FEV2017 OBJETIVOS PRINCIPAIS DA MESA SOBRE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL Participação da Base Industrial Brasileira na cadeia produtiva

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO

HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO 13 Oto C^ ' ^ HISTÓRIA DA MARINHA PORTUGUESA HOMENS, DOUTRINAS E ORGANIZAÇÃO 1824-1974 (TOMO I) Coordenador e Autor ANTÓNIO JOSÉ JELO ACADEMIA DE MARINHA LISBOA 1999 ÍNDICE SIGLAS E ABREVIATURAS PREFÁCIO

Leia mais

9, R$ , , R$ ,

9, R$ , , R$ , Rondônia 2005 R$ 601.575,17 2005 10.154 2004 1.027.983 2004 108.139 2004 10,52 2006 R$ 609.834,21 2006 10.757 2005 1.025.249 2005 101.539 2005 9,90 2007 R$ 1.229.490,00 2007 9.100 2006 1.047.004 2006 111.068

Leia mais

Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e o Poder Naval Brasileiro: ameaças e perspectivas.

Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e o Poder Naval Brasileiro: ameaças e perspectivas. Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e o Poder Naval Brasileiro: ameaças e perspectivas. Referências - Geoffrey Till - Seapower: A Guide for the Twenty-First Century - Olav F. Knudsen

Leia mais

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira PARNAÍBA GÁS NATURAL Gas onshore Desafios e Oportunidades de Exploração em Bacias de Nova Fronteira QUEM SOMOS A PGN é uma empresa independente de exploração e produção que opera na Bacia do Parnaíba,

Leia mais

Marinha do Brasil envia fragata para integrar Força da ONU no Líbano

Marinha do Brasil envia fragata para integrar Força da ONU no Líbano Marinha do Brasil envia fragata para integrar Força da ONU no Líbano A Fragata Constituição (F 42) deixou, nesta terçafeira, a Base Naval do Rio de Janeiro para integrar a Força Interina das Nações Unidas

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas - ano 2015 Pernambuco 5,20% Ceará 5,44% Maranhão 5,14% Pará 4,89% Paraná 4,43% Rio Grande do Sul 4,37% Santa Catarina 2,54% Rio Grande do Norte 2,48% Espírito Santo 2,14% Amazonas 2,06% Sergipe 1,87% Alagoas

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t )

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 2.068.913,89 Valor Fob ( Us$/Mil ) 72.142,83 99.905,76 104.619,97

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Nódulos Polimetálicos e outros Depósitos de Mar Profundo: o Retorno do Interesse

Nódulos Polimetálicos e outros Depósitos de Mar Profundo: o Retorno do Interesse ISSN 1678-5975 Dezembro - 2006 Nº 4 125-131 Porto Alegre Nódulos Polimetálicos e outros Depósitos de Mar Profundo: o Retorno do Interesse Martins L.R.; Barboza E.G. & Rosa M.L.C.C.* * Centro de Estudos

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET PREVISÃO DE NORMALIDADE DE CHUVAS E DE TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS

Leia mais

DGS lança nova geração do modelo 650

DGS lança nova geração do modelo 650 DGS lança nova geração do modelo 650 Fabricada pelo estaleiro DGS Defence, que desenvolve projetos e constrói barcos militares exclusivos, a DGS 650 é uma embarcação tubular rígida híbrida Rio de Janeiro,

Leia mais

Brasil Em Números. Maio 2014

Brasil Em Números. Maio 2014 Brasil Em Números Maio 2014 Dados gerais Nome oficial - República Federativa do Brasil Capital: Brasília, localizada no Distrito Federal, Centro-Oeste do país e inaugurada oficialmente em 1960 Idioma:

Leia mais

PIB 2012 Estado do Tocantins

PIB 2012 Estado do Tocantins PIB 2012 Estado do Tocantins Parceiros: GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SANDOVAL LÔBO CARDOSO Governador do Estado TOM LYRA Vice-governador do Estado JOAQUIM CARLOS PARENTE JUNIOR Secretário JOAQUÍN EDUARDO

Leia mais

SEDIMENTOS MARINHOS TERRÍGENOS BIOGÊNICOS AUTIGÊNICOS COSMOGÊNICOS VULCANOGÊNICOS

SEDIMENTOS MARINHOS TERRÍGENOS BIOGÊNICOS AUTIGÊNICOS COSMOGÊNICOS VULCANOGÊNICOS SEDIMENTOS MARINHOS SEDIMENTOS MARINHOS TERRÍGENOS BIOGÊNICOS AUTIGÊNICOS COSMOGÊNICOS VULCANOGÊNICOS PELÁGICOS MAR ABERTO, ÁGUAS PROFUNDAS HEMIPELÁGICOS - TRANSICIONAIS NERÍTICOS - COSTEIROS FONTES E

Leia mais

RECURSOS MINERAIS MARINHOS

RECURSOS MINERAIS MARINHOS RECURSOS MINERAIS MARINHOS O FUNDO MARINHO CONTEM RECURSOS ENERGÉTICOS (PETRÓLEO E GÁS) E MINERAIS (AREIA E CASCALHO, FOSFORITA, CARBONATO DE CALCIO, MINERAIS PESADOS, MAGNÉSIO, FERRO, COBALTO...) Por

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PANORAMA ECONÔMICO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PANORAMA ECONÔMICO Maio/2015 Investidores Municípios Geolocalização Soluções tributárias Suporte na implantação e na ampliação Criação de Distritos Industriais Projetos especiais

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014

Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014 Diálogos Capitais Portos Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento do Nordeste 28 de Janeiro de 2014 Aluisio Sobreira Diretor Associação de Comércio Exterior do Brasil - AEB O papel da infraestrutura

Leia mais

Evolução Geológica da Terra

Evolução Geológica da Terra Evolução Geológica da Terra Estúdio Arena Observe a ilustração. Ela apresenta alguns elementos que fazem parte do planeta Terra. No Caderno Bio significa vida. O que é biosfera? Que elementos estão presentes

Leia mais

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem.

Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. Ferrovia é infra-estrutura que precisa existir e crescer para que outras atividades prosperem. A EMPRESA Empresa privada de logística, antiga Companhia Ferroviária do Nordeste Opera com 95 locomotivas,

Leia mais

Águas Oceânicas. 4º Período. Nome: Nº. Águas Oceânicas

Águas Oceânicas. 4º Período. Nome: Nº. Águas Oceânicas Águas Oceânicas 4º Período Nome: Nº 6º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina : Geografia Data: Professor : Leonardo Bergqvist Águas Oceânicas Os oceanos são imensas massas de água salgada que abrangem

Leia mais

NORDESTE MOLHADO: A AMAZÔNIA AZUL E O DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE

NORDESTE MOLHADO: A AMAZÔNIA AZUL E O DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR NORDESTE MOLHADO: A AMAZÔNIA AZUL E O DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE Contra-Almirante Silva Rodrigues SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL

Leia mais

Amazônia Azul O patrimônio brasileiro no mar 21/10/2016

Amazônia Azul O patrimônio brasileiro no mar 21/10/2016 Amazônia Azul O patrimônio brasileiro no mar EXTENSÃO DA PLATAFORMA CONTINENTAL ZONA ECONÔNIMA EXCLUSIVA (ZEE) MAR TERRITORIAL Arquipélago de São Pedro e São Paulo Fernando de ZEE + EXTENSÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA PROGNÓSTICO DE PRECIPITAÇÃO 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Novembro-Dezembro-Janeiro 2003. Este período é caracterizado por chuvas em grande parte do Brasíl, com temporais, trovoadas, vendavais e queda de granizo nas Regiões Sul, Sudeste

Leia mais

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 4 o bimestre

Jimboê. História. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 4 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou à Unidade 4 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê História 4 o ano Avaliação 4 o bimestre 1 Avaliação História NOME: ESCOLA:

Leia mais

Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30)

Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30) Nota complementar da Marinha sobre a avaria no NDD Ceará (G 30) MARINHA DO BRASIL CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA NOTA À IMPRENSA Brasília-DF, 2 de maio de 2015. Avaria no Navio de Desembarque-Doca

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

R E I D I. September, 2012

R E I D I. September, 2012 Aduana Brasileira R E I D I September, 2012 Organograma R E I D I Aduana Responsabilidades Regulador Economico Protecao comercial Regimes especiais Arrecadacao Ambiente Competitivo Seguranca Publica Crimes

Leia mais

CESA Iaundé 2017 MELHORANDO O COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA A SEGURANÇA MARÍTIMA NA ÁFRICA CDR LOÏC MOUDOUMA MARINHA DO GABÃO 18/07/2017 CESA 1

CESA Iaundé 2017 MELHORANDO O COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA A SEGURANÇA MARÍTIMA NA ÁFRICA CDR LOÏC MOUDOUMA MARINHA DO GABÃO 18/07/2017 CESA 1 CESA Iaundé 2017 MELHORANDO O COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA A SEGURANÇA MARÍTIMA NA ÁFRICA CDR LOÏC MOUDOUMA MARINHA DO GABÃO 18/07/2017 CESA 1 18/07/2017 CESA 2 PLANO DE APRESENTAÇÃO Como as diferentes

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança A Indústria Nacional de Defesa e Segurança Armando Lemos Diretor Técnico 5 de novembro de 2013 Roteiro 1. Cenário 2. ABIMDE 3. A

Leia mais

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística

A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística Brasil: uma vocação natural para a indústria química A Competitividade da Indústria Química no contexto da Logística USUPORT Bahia 29 de Novembro de 2016 País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais

Leia mais

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar

O Mar nos Programas Temáticos Regionais João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Mar nos Programas Temáticos Regionais 2014-2020 João Fonseca Ribeiro Diretor Geral de Politica do Mar O Panorama Nacional e Internacional Oceano Atlântico Norte Oceano Atlântico Sul Reafirmar Portugal

Leia mais

Não é só aqui! David Cameron nega que MoD não possa financiar novos navios para a RN

Não é só aqui! David Cameron nega que MoD não possa financiar novos navios para a RN Não é só aqui! David Cameron nega que MoD não possa financiar novos navios para a RN Ilustração da futura Fragata Type 26 David Cameron rejeitou as acusações de que um programa de construção naval da Marinha

Leia mais

ATENÇÃO. É obrigatório o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI). É proibido fotografar, filmar ou gravar com qualquer tipo de dispositivo.

ATENÇÃO. É obrigatório o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI). É proibido fotografar, filmar ou gravar com qualquer tipo de dispositivo. ATENÇÃO É obrigatório o uso do Equipamento de Proteção Individual (EPI). É proibido fotografar, filmar ou gravar com qualquer tipo de dispositivo. Verifique se o seu celular está desligado ou no modo silencioso.

Leia mais

OS RECURSOS PISCÍCOLAS

OS RECURSOS PISCÍCOLAS 1 OS RECURSOS PISCÍCOLAS 16 9,7 12 21,7 27,8 7,8 8,2 6,6 21,1 Contributo do pescado na dieta alimentar (% do total de proteínas animais) Mundo Europa Oriental Europa Ocidental Ásia do sul e sudeste Ásia

Leia mais

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS DA LOGÍSTICA BRASILEIRA ANTONIO CARLOS SOLERA TARANTINO TERRITÓRIO RIO 8,5 MILHÕES KM 2 BRASIL / VITORIA 27 ESTADOS / UNIDADES POPULAÇÃ ÇÃO O 190 MILHÕES HAB RIQUEZAS NATURAIS E MINERAIS ÁREA

Leia mais

ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007

ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007 ARTILHARIA DE CAMPANHA NO EXÉRCITO BRASILEIRO EM 2007 A Arma de Artilharia no Exército Brasileiro é dividida em Artilharia Antiaérea e Artilharia de Campanha. A de Campanha é assim definida: A Artilharia

Leia mais

Terra: Fogo, Água e Ar

Terra: Fogo, Água e Ar Terra: Fogo, Água e Ar Curso para a Terceira Idade IAG/USP 2016 Professoras Leila Soares Marques e Márcia Ernesto 1 A teoria do Big Bang!!!! Big Bang ou Grande Expansão ocorreu há cerca de 13,3-13,9 bilhões

Leia mais

Brasil Março Mercado em números

Brasil Março Mercado em números Março 2017 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: Site:

FONTES ENERGÉTICAS. Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: Site: FONTES ENERGÉTICAS Prof. Dr. Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.wiki.br Revisão: Geologia Adilson_dinamica_global.ppt Tectônica de Placas Adilson_dinamica_global.ppt Dinâmica

Leia mais

O Comércio de Serviços do Brasil

O Comércio de Serviços do Brasil Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços IV Seminário Estadual de Negócios Internacionais do Paraná O Comércio de Serviços do Brasil Curitiba, 17 de

Leia mais

Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e seus Reflexos para a Defesa. O Poder Naval Brasileiro.

Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e seus Reflexos para a Defesa. O Poder Naval Brasileiro. Os Interesses Estratégicos do Brasil no Atlântico Sul e seus Reflexos para a Defesa. O Poder Naval Brasileiro. Especulação (opinião) Securitização ( speech act ) Unidade de Análise: Estado Nível de Análise:

Leia mais

Marinha do Brasil realiza Operação Fraterno XXX

Marinha do Brasil realiza Operação Fraterno XXX Marinha do Brasil realiza Operação Fraterno XXX A Marinha do Brasil realizou, em conjunto com a Armada Argentina, a Operação Fraterno XXX, entre os dias 29 de agosto e 11 de setembro, na área marítima

Leia mais

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação

CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK. Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação CHRIS JONES/CORBIS/LATINSTOCK Capítulo 4 Meios de transporte e de comunicação Objetos fixos, fluxos e rede de transporte Do ponto de vista da circulação, o espaço geográfico é uma combinação de objetos

Leia mais

EMBAIXADA DE FRANÇA EM MOÇAMBIQUE

EMBAIXADA DE FRANÇA EM MOÇAMBIQUE EMBAIXADA DE FRANÇA EM MOÇAMBIQUE Escala da Fragata «Nivôse» 30 de Agosto - 8 de Setembro de 2013 / Maputo Missão de Defesa Maputo APRESENTAÇÃO DO NIVOSE A fragata de vigilância "Nivôse" é o terceiro de

Leia mais

Trabalho elaborado por: Ana Filipa Castro Ana Sofia Cunha Tânia Raquel Alves Externato Delfim Ferreira

Trabalho elaborado por: Ana Filipa Castro Ana Sofia Cunha Tânia Raquel Alves Externato Delfim Ferreira Recursos Hídricos nos CPLP Trabalho elaborado por: Ana Filipa Castro Ana Sofia Cunha Tânia Raquel Alves Externato Delfim Ferreira A água é um bem essencial e indispensável à vida e cada vez mais escasso.

Leia mais

Uma análise dos componentes do poder marítimo brasileiro Ricardo Pereira Cabral 1 e Nelson Ricardo Calmon Bahia 2

Uma análise dos componentes do poder marítimo brasileiro Ricardo Pereira Cabral 1 e Nelson Ricardo Calmon Bahia 2 Uma análise dos componentes do poder marítimo brasileiro Ricardo Pereira Cabral 1 e Nelson Ricardo Calmon Bahia 2 Resumo Este artigo tem o propósito de analisar a situação atual do poder marítimo brasileiro,

Leia mais

Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Oceano Atlântico. Belo Horizonte. Salvador. Rio de Janeiro Grande São Paulo

Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Oceano Atlântico. Belo Horizonte. Salvador. Rio de Janeiro Grande São Paulo A TERRA POR DENTRO E POR FORA PLANETA TERRA VISTA POR MEIO DE UM SATÉLITE Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Belo Horizonte Oceano Atlântico Salvador Rio de Janeiro Grande

Leia mais

Brasil pede licença para explorar minérios no Atlântico Sul

Brasil pede licença para explorar minérios no Atlântico Sul Brasil pede licença para explorar minérios no Atlântico Sul Por Danilo Fariello Governo quer investir Us$ 11 milhões em cinco anos no fundo do mar em área internacional No dia 31 de dezembro, o Brasil

Leia mais

Universidade de Lisboa,

Universidade de Lisboa, Universidade de Lisboa, 2016.03.04 Os Espaços Marítimos Nacionais 200 MI SUBÁREA AÇORES SUBÁREA CONTINENTE SUBÁREA MADEIRA LEGENDA MAR TERRITORIAL ZONA CONTÍGUA ZEE (coluna de água) e PLATAFORMA CONTINENTAL

Leia mais

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D"

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A Zona D CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE ÁFRICA COORDENAÇÃO INTER-REGIONAL PARA SEGURANÇA MARÍTIMA CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D" YAOUNDÉ / 11-14 de julho de 2017 Comandante Cyrille Serge

Leia mais

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos para Exportação, Refino e Distribuição de Produtos Existentes nas Reservas Petrolíferas do Pré-Sal Audiência Pública

Leia mais

Económico Ambiental Social

Económico Ambiental Social EUROPA 2020 Desenvolvimento Sustentável Crescimento Inteligente, Sustentável e Inclusivo (CISI) Estratégia Marítima da União Europeia para a Área do Atlântico Estratégias Regionais de Suporte (asseguram

Leia mais

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES

PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Presidência da República Secretaria Especial de Portos I CONFERÊNCIA HEMISFÉRICA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL PROJETO DE DRAGAGEM DOS PORTOS BRASILEIROS METAS E REALIZAÇÕES Eng MARCOS PAGNONCELLI Coordenador-Geral

Leia mais

Geografia. A Configuração Geográfica do Espaço Paraense. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. A Configuração Geográfica do Espaço Paraense. Professor Luciano Teixeira. Geografia A Configuração Geográfica do Espaço Paraense Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia A CONFIGURAÇÃO GEOGRÁFICA DO ESPAÇO PARAENSE Paisagem Geográfica: A paisagem é

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

INFOGRÁFICOS INFOGRÁFICOS: ARMAS & DIREITOS HUMANOS. Curadoria de Daniel Mack Ilustrações de Cassiano Pinheiro

INFOGRÁFICOS INFOGRÁFICOS: ARMAS & DIREITOS HUMANOS. Curadoria de Daniel Mack Ilustrações de Cassiano Pinheiro INFOGRÁFICOS INFOGRÁFICOS: ARMAS & DIREITOS HUMANOS Curadoria de Daniel Mack Ilustrações de Cassiano Pinheiro 153 ARMAS E DIREITOS HUMANOS AS ARMAS THE WEAPONS ARMAS CONVENCIONAIS pequenas leves Veículo

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais