A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário:"

Transcrição

1 AULA 2 - TEORIA DA EMPRESA EMPRESÁRIO - Teoria da Empresa - Código Civil Italiano de 1942: Na Itália, o Código civil de 1942 adota a teoria da empresa, sem, contudo ter formulado um conceito jurídico do que seja empresa, o que deu margem a inúmeros esforços no sentido da formulação de um conceito jurídico. Destacamos a originalidade e por aspectos didáticos a teoria dos perfis da empresa elaborada por Alberto Asquini. Asquini defrontou-se com a inexistência de um conceito de empresa, e analisando o diploma legal chegou a conclusão que haveria uma diversidade de perfis no conceito, para ele " o conceito de empresa é o conceito de um fenômeno jurídico poliédrico, o qual tem sob o aspecto jurídico não um, mas diversos perfis em relação aos diversos elementos que ali concorrem?. O primeiro perfil da empresa identificado por Asquini foi o perfil subjetivo pelo qual a empresa se identificaria com o empresário, cujo conceito é dado pelo artigo do Código Civil Italiano como sendo "quem exercita profissionalmente atividade econômica organizada com o fim da produção e da troca de bens ou serviços". Neste aspecto, a empresa seria uma pessoa. Asquini também identifica na empresa um perfil funcional, identificando-a com a atividade empresarial, a empresa seria aquela "particular força em movimento que é a atividade empresarial dirigida a um determinado escopo produtivo". Temos ainda o perfil objetivo ou patrimonial que identificaria a empresa com o conjunto de bens destinado ao exercício da atividade empresarial, distinto do patrimônio remanescente nas mãos da empresa, vale dizer, a empresa seria um patrimônio afetado a uma finalidade específica. Por fim, haveria o perfil corporativo, pelo qual a empresa seria a instituição que reúne o empresário e seus colaboradores, seria "aquela especial organização de pessoas que é formada pelo empresário e por seus prestadores de serviço, seus colaboradores e demais stakeholders. Um núcleo social organizado em função de um fim econômico comum. Conceito de Empresa e a organização da atividade econômica: A empresa se apresenta como um instrumento voltado para a produção de riquezas; atua de forma organizada e profissional desenvolvendo atividades econômicas voltadas para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. A combinação do capital com a tecnologia e o trabalho, no intuito de lucro, faz nascer o risco de a empresa alcançar, ou não, o objetivo esperado, por isso, o negócio tem que ser realizado de maneira profissional, uma vez que vários agentes dependem do sucesso da empresa, para continuar operando no mercado. O conceito de Empresa baseia-se na organização dos fatores da produção, fazendo-os compreender o estabelecimento de um novo regime geral de disciplina da atividade econômica e a sua abrangência. Relevante sua função social na produção de riquezas e produção de bens e renda. Princípios Norteadores da Ordem Econômica: Importante ressaltar que os artigos 170 a 181 da CRFB/1988 estabelecem os Princípios Gerais da Ordem Econômica, pautados na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa. A Teoria da Empresa e sua aplicabilidade no Código Civil de O empresário: O Código Civil de 2002 revogou a primeira parte do Código Comercial de 1850, continuando em vigor apenas os dispositivos relativos ao Direito Marítimo. Ao incorporar o?direito de Empresa? no Código Civil de 2002, o objetivo era a unificação do Direito Privado, que entre nós é motivo de divergência na doutrina. O Código Civil de 2002 não conceitua empresa, limitando a conceituar o empresário, deslocando o foco para quem efetivamente assume os ricos da atividade empresarial. O artigo 966 traz o conceito de empresário:?considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.? Caracteriza-se então a empresa por 5 elementos: a) atividade econômica; b) atividade organizada; c) exercida de forma profissional; d) para produção e/ou circulação; e) bens e/ou prestação de serviços. 1

2 - TEORIA GERAL DA EMPRESA Reunião de todas às = atividades econômicas Prestação de serviço Bancários Industriais Disciplina de forma específica = produção = circulação - bens - serviços EMPRESA - Instrumento voltado para a produção de riquezas atua de forma organizada e profissional = desenvolvendo atividades econômicas e a sua abrangência voltada para produção circulação de bens e serviços, ou seja, ressalta sua função social na produção de riquesas e produção de bens e renda. RISCO: COMBINAÇÃO DO CAPITAL + TECNOLOGIA + TRABALHO 5 elementos: 1- Atividades econômica 2- Atividade organizada 3- Exercida de forma profissional 4- Bens e/ou produção de serviço 5- Circulação LUCRO = OBJETIVO (ALCANÇANDO OU NÃO) PERFIL 1- Subjetivo = identificação com o empresário 2- Funcional = identificação com a atividade 3- Objetivo/patrimonial = identifica com o conjunto de bens exercício de atividade empresarial 4- Corporativo = identifica com o empresário e seus colaboradores ou prestadores de serviço. - EMPRESÁRIO Artigo 966 Código Civil 2002: traz o conceito de empresário: Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços - Destaca: Profissionalismo - habitualidade - pessoalidade (atacadista ou varejista = tanto o comerciante de insumos coo o de mercadorias prontas para o consumo) Empregado não pode ser empresário porque: produzem ou circulam bens ou serviços, fazendo em nome do empregador (empresário) Empresário no exercício de sua função deve contratar empregados. - deter o monopólio das informações (empresário detém sobre o produto ou serviço objeto de sua empresa) Condições de uso 2

3 Qualidade Insumo Empregados Defeitos de fabricação Riscos Riscos potenciais à saúde ou vida: consumidores/fabricantes Atividade: é a empresa de produção ou circulação de bens ou serviços - A empresa enquanto atividade, não se confunde com o sujeito de direito que a explora: o empresário. - Linguagem cotidiana: A empresa faliu... A empresa importou mercadoria... A empresa esta pegando fogo... A empresa foi reformada... - Correto: O empresário faliu. O empresário importou. O estabelecimento empresarial esta pegando fogo. O estabelecimento empresarial foi reformado. - Empresa = Empreendimento Econômica: lucro para quem a explora ou não... Lucro é meio e não fim da atividade econômica Organizada: Encontram-se 4 recursos: 1. Capital 2. Mão de obra 3. Insumos 4. Tecnolocia Produção de bens ou serviços: é a fabricação de produtos ou mercadorias. - Produção de bens: Montadoras de veículos Fábricas de eletrodomésticos Confecções de roupas - Produção de serviços: Bancos Seguradoras Hospitais Escolas Estacionamentos Provedores de acesso a internet Circulação de bens ou serviços: ir buscar o bem no produtor pra trazê-lo ao consumidor. - Empresário: atacadista ou varejista = tanto o comerciante de insumos coo o de mercadorias prontas para o consumo) - Circular: intermediar a prestação de serviços. A agencia de turismo não presta serviço aéreo, traslados e hospedagem, mas ao montar um pacote de viagem, os intermedeia. Bens ou serviços: - Bens: são corpóreos - Serviços: não tem materialidade - A prestação de serviço consistia sempre em uma obrigação de fazer, com a internet... Bens virtuais: Comércio eletrônico: é atividade empresarial de bens e serviços 3

4 ATIVIDADES ECONOMICAS CIVIS - Códico Civil 2002: Altera o critério de delimitação do objeto do Direito Comercial: que deixa de ser os atos do comércio e passa a ser a empresarial... mas não suprime a ordem jurídica civil e comercial. - Código Civil: são excluídas da disciplina empresarial algumas atividades econômicas. - são atividades econômicas civis: NÃO PODEM FALIR E NEM REQUERER RECUPERAÇÃO JUDICIAL - Não é empresário e seu regime será o civil: Presta serviço diretamente Não se organiza uma empresa (não tem empregados) Mesmo que o faça profissionalmente Visando lucro Habitualidade - com o avanço da tecnologia estão surgindo atividades econômicas de relevo exploradas sem empresa que o prestador de serviços trabalha sozinho em casa. - Não é empresário e seu regime será o civil: Profissional intelectual (art 966 p. único) - Natureza: - Científica - Literária - Artística mesmo que contrate empregados para auxiliá-lo em seu trabalho Profissionais liberais: Advogado, médico, dentista, arquiteto... Escritores e Artistas de qualquer expressão: plásticos, músicos, atores etc... EXCEÇÃO: profissional intelectual se enquadra no Direito Empresarial como empresário: - é quando o exercício da profissão constitui elemento da empresa. - Consultorio Médico - Clínica Medicos - Hospital Equipe medica Empresário rural: - não é obrigado o registro em cartório - Agroindústria ou Agronegócio: emprega tecnologia avançada Mão de obra assalariada Contratos determinados e indeterminados Especialização de culturas Grandes áreas de cultivo - Agricultura Familiar: trabalham o dono da terra e seus parentes um ou outro empregado, menores a área de cultivo 4

5 Reforma agrária no Brasil: não é a solução de nenhum problema econômico, como foi para outros povos, destina-se a solucionar apenas problemas sociais de enorme gravidade (pobreza, desemprego no campo, crescimento desordenado nas cidades, violência urbana...) - Artigo 971 CCivil: Será considerado empresário: Requerer sua inscrição no registro das empresas Junta Comercial = submeterá ao regime Empresarial Cooperativas: Sociedades simples independente da atividade que exploram CC - Dedicam as mesmas atividades dos empresário - Tem os mesmos requisitos: profissionalismo Atividade econômica organizada Produção Circulação de bens ou serviços - por expressa disposição legal: não submetem ao regime empresarial e sim civil - não estão sujeitas a falência - não podem requere recuperação judicial - Lei 5764/ a 1096 Código Civil 5

6 Questões Teoria da Empresa e Empresário 1. Empresário é a) quem faz da mercancia sua profissão habitual. b) a pessoa física ou jurídica que é sócia de uma empresa. c) quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou de serviços. d) quem possui a maioria dos votos nas deliberações dos quotistas ou da assembléia geral dos acionistas e o poder de eleger a maioria dos administradores. 2. Analise as afirmativas abaixo: O advento do Código Civil/2002: I - Determina a revogação de todo o Código Comercial. II - Determina a revogação da primeira parte do Código Comercial (comércio em geral), permanecendo em vigor a segunda parte (comércio marítimo). III - Mantém integralmente em vigor o Código Comercial, regendo este as relações mercantis e, aquele, as relações civis. IV - Não revoga a legislação falimentar (Dec-lei n.º 7661/1945). Assinale a alternativa CORRETA: a) Somente as afirmativas I e IV estão corretas. b) Somente as afirmativas II e IV estão corretas. c) Somente a afirmativa II está correta. d) Somente as afirmativas III e IV estão corretas. 3. Pelo novo Código Civil poderá NÃO ser considerado empresário as atividades de: a) Produção rural. b) Siderurgia. c) Construtoras. d) Incorporadoras de imóveis. 4. Quais são os cinco elementos da Empresa a) atividade organizada, exercida de forma profissional e bens somente. b) atividade econômica, atividade organizada, e bens e/ou prestação de serviços. c) atividade econômica, exercida de forma profissional e bens e/ou prestação de serviços. d) atividade econômica, atividade organizada, exercida de forma profissional e bens e/ou prestação de serviços. 5. Não podem falir e nem requerer recuperação judicial, sendo que não são considerados empresários sujeitos a leis civis: a) Profissional liberais b) Empresário rural, profissional intelectual e cooperativa c) Coperativas e profissional intelectual d) Profissional que exerce a profissão que constitui elemento da empresa. 6- De acordo com a teoria da empresa adotada pelo Código Civil é CORRETO afirmar: a) A exploração profissional, individual, direta, habitual e com fins lucrativos de uma atividade econômica será, necessariamente, uma atividade empresarial; b) O profissional liberal que exerça atividade intelectual de natureza científica e cuja atividade constitui elemento de empresa será considerado empresário; ART.966, p. único CC/02. c) Aquele que exerce atividade rural organizada, com mão de obra assalariada, será considerado empresário rural independentemente de registro; 6

7 d) O profissional liberal que exerça atividade intelectual de natureza artística e cuja atividade constitui elemento de empresa não pode ser considerado empresário. e) Todo Profissional Liberal será considerado Empresário. 7- Arnaldo é Servidor Público e deseja ser empresário individual no ramo de compra e venda de peças para automotivos. Diante da pretensão de Arnaldo, assinale a alternativa correta: a) O Servidor público, não pode ser empresário individual em razão da vedação de sua legislação de regência. Contudo, poderá ser sócio de sociedade limitada ou anônima desde que não faça parte da administração societária. b) As pessoas proibidas ou impedidas da prática da atividade empresária, se eximem dos atos praticados com infringência à sua legislação de regência. c) Não são válidos os atos praticados por uma pessoa expressamente proibida para o exercício da atividade empresária. d) O Servidor público pode ser empresário individual, pois não existe vedação de sua legislação de regência. Contudo, não poderá ser sócio de sociedade limitada ou anônima e) O Servidor público, não pode ser empresário individual em razão da vedação de sua legislação de regência. Contudo, poderá ser sócio de sociedade limitada ou anônima mesmo que faça parte da administração da sociedade. 8-Três esteticistas constituíram uma sociedade para explorar em uma clínica no Centro de Salvador, técnicas de preenchimentos faciais e toda uma gama de práticas para rejuvenescimento. Os sócios exercem suas especialidades, embora contem com o auxílio de colaboradores. Esta sociedade caracteriza-se, ou não, como sociedade empresária? Por quê? Não se trata de uma sociedade empresária, e sim, de sociedade simples, pois os sócios exercem suas especialidades como atividade principal, embora com o auxílio de colaboradores, não constitui elemento de empresa conforme o art. 966, par. Único, in fine do Código Civil. 9- Ana e Amaury, são casados pelo regime da comunhão total de bens. Ana tem 17 anos e deseja ser empresária individual e consulta você como advogado(a), sobre a possibilidade de realizar esta empreitada. No caso apresentado, Ana poderá ser empresária individual? Ana poderá ser empresária individual, uma vez que com o casamento, tornou-se plenamente capaz em razão de ter sido emancipada. Art.5º c/c972 do CC. Não poderia pelo artigo 977 do mesmo dispositivo legal, ser sócia de uma sociedade, em razão do regime de bens. GABARITO 1- C 2- C 3- A 4- D 5- B 6- B 7- A 7

8 8- Não se trata de uma sociedade empresária, e sim, de sociedade simples, pois os sócios exercem suas especialidades como atividade principal, embora com o auxílio de colaboradores, não constitui elemento de empresa conforme o art. 966, par. Único, in fine do Código Civil. 9- Ana poderá ser empresária individual, uma vez que com o casamento, tornou-se plenamente capaz em razão de ter sido emancipada. Art.5º c/c972 do CC. Não poderia pelo artigo 977 do mesmo dispositivo legal, ser sócia de uma sociedade, em razão do regime de bens. 8

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. 06/03/2015. Empresário Empresário é a pessoa que toma a iniciativa de organizar uma atividade econômica de produção ou circulação de bens ou serviços. Pode Ser

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

Instituições de Direito Pessoas Jurídicas (i)

Instituições de Direito Pessoas Jurídicas (i) Instituições de Direito Pessoas Jurídicas (i) CAMILA VILLARD DURAN! Pessoa jurídica! Personalidade! Capacidade para adquirir direitos e contrair obrigações! Registro dos atos constitutivos 1 ! Pessoas

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

Direito Empresarial. Professora Carolina Lima. (facebook idem)

Direito Empresarial. Professora Carolina Lima. (facebook idem) Turma e Ano: Regular/2015 Matéria / Aula: Direito Empresarial Professora: Carolina Lima AULA 01 Direito Empresarial Professora Carolina Lima (facebook idem) Bibliografia: a professora recomenda ler o caderno.

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

UNIDADE 2 ATIVIDADE EMPRESARIAL

UNIDADE 2 ATIVIDADE EMPRESARIAL UNIDADE 2 ATIVIDADE EMPRESARIAL Profª Roberta C. de M. Siqueira Direito Empresarial I ATENÇÃO: Este material é meramente informativo e não exaure a matéria. Foi retirado da bibliografia do curso constante

Leia mais

Instituições de Direito FEA

Instituições de Direito FEA Instituições de Direito FEA MÓDULO II INTRODUÇÃO AO DIREITO EMPRESARIAL! Pessoa jurídica vs. Pessoa física! Personalidade jurídica! Registro dos atos constitutivos! Empresa e empresário! EIRELI e sociedade

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO

O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO 1 O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO 1 CONCEITO DE EMPRESA 3 a) EMPRESA : unidade econômica que combinando capital e trabalho, produz ou comercializa bens ou presta serviços, com a finalidade de lucro

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

BIBLIOGRAFIA: Fábio Ulhoa Coelho. Saraiva. André Luiz Santa Cruz Ramos. Juspodivm. 1. DIREITO DE EMPRESA ART. 966 do CC

BIBLIOGRAFIA: Fábio Ulhoa Coelho. Saraiva. André Luiz Santa Cruz Ramos. Juspodivm. 1. DIREITO DE EMPRESA ART. 966 do CC 1 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Direito de Empresa PONTO 2: Conceito de Empresário PONTO 3: Estabelecimento PONTO 4: Registro BIBLIOGRAFIA: Fábio Ulhoa Coelho. Saraiva. André Luiz Santa

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ;

Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social. Empresa : 1. empreendimento ; x Firma : Nome usado pelo comerciante ou industrial no exercício de suas atividades; razão social Empresa : 1. empreendimento ; 2. organização econômica destinada à produção ou venda de mercadoria ou serviços,

Leia mais

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente:

1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: DIREITO EMPRESARIAL 1. Na ação de dissolução de sociedade limitada de apenas dois sócios, proposta pelo sócio dissidente: A) O juiz dissolve a sociedade, se acolher o pedido; B) Mesmo se acolhido o pedido,

Leia mais

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento:

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento: Depois de estudar - a evolução do direito empresarial; - os conceitos de empregador, empresário e empresa; - O empresário e a sociedade empresária irregular (Diferente da Sociedade Simples); - A teoria

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL SUMÁRIO PARTE I TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL CAPÍTULO 1 Do Direito Comercial ao Direito Empresarial 3 1. Origem do Direito Comercial... 3 2. Teoria dos atos de comércio (sistema francês)... 4 3.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Empresário no Direito Comercial Kledson Jose Pereira do Vale* 1. DIREITO EMPRESARIAL. Em 1808 nasce na França a teoria dos atos de comércio, época da Rev. Francesa. Nessa época

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

Aula de 18/08/14. 1) COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. 25. ed. São Paulo : Saraiva, 2013.

Aula de 18/08/14. 1) COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. 25. ed. São Paulo : Saraiva, 2013. Aula de 18/08/14 Bibliografia: 1) COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. 25. ed. São Paulo : Saraiva, 2013. 2) REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. vol. 1. 32. ed. Saraiva, 2013. 3)

Leia mais

CEN E TRO O D E E E N E SI S N I O O S U S PE P R E IO I R O E E D ES E E S N E VO V L O V L I V M I EN E TO O - CES E E S D

CEN E TRO O D E E E N E SI S N I O O S U S PE P R E IO I R O E E D ES E E S N E VO V L O V L I V M I EN E TO O - CES E E S D CENTRO DE ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO - CESED FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FACISA DIREITO EMPRESA I Professor: Jubevan Caldas de Sousa Empresário e Empresa Abandonando os antigos conceitos

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina DIR139 Direito de Empresa

Programa Analítico de Disciplina DIR139 Direito de Empresa 0 Programa Analítico de Disciplina DIR139 Direito de Empresa Departamento de Direito - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga

Leia mais

A função social da empresa

A função social da empresa A função social da empresa Considerações iniciais A função social da empresa tem como fundamento fornecer a sociedade bens e serviços que possam satisfazer suas necessidades. A propriedade privada é um

Leia mais

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010).

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Prof. Thiago Gomes Empresariais O que é uma sociedade? Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Qual o foco de nosso estudo? As sociedades cujo o objetivo é lucro para seus sócios.

Leia mais

Roteiro de Aula- Int. trodução ao Direito Empresarial. econômicos, tais como: LSA, CDC, Lei de Locação Predial Urbana, entre outras.

Roteiro de Aula- Int. trodução ao Direito Empresarial. econômicos, tais como: LSA, CDC, Lei de Locação Predial Urbana, entre outras. AULA 01. CONCEITOS DE DIREITO EMPRESARIAL 1. Aspectos históricos Os povos da Antiguidade tinham como hábito produzir em sua casa, para consumo de sua família, todos os produtos necessários à sua subsistência,

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 2 Definições

Contabilidade Básica I Seção 2 Definições Contabilidade Básica I Seção 2 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Capital social Capital social é o montante necessário para se constituir

Leia mais

VOTO Nº Apelação com Revisão nº /8-00

VOTO Nº Apelação com Revisão nº /8-00 1 Comarca : Ribeirão Preto 3ª Vara Cível Apelante(s) : Guidant do Brasil Ltda. Apelado(a)(s) : Sociedade Beneficente e Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Ribeirão Preto VOTO Nº 11.206 Falência requerida

Leia mais

Introdução ao Estudo do Direito Empresarial.

Introdução ao Estudo do Direito Empresarial. Introdução ao Estudo do Direito Empresarial. DAR INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO EMPRESARIAL E ÀS EMPRESAS INDIVIDUAIS. AUTOR(A): PROF. PEDRO LUIZ ZARANTONELLI INDRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO EMPRESARIAL.

Leia mais

Direito Empresarial Econômico

Direito Empresarial Econômico Direito Empresarial Econômico Os sistemas econômicos e o Direito empresarial A ordem econômica valorização do trabalho humano e na livre iniciativa assegurar a todos existência digna soberania nacional

Leia mais

PRESSUPOSTOS DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

PRESSUPOSTOS DA ATIVIDADE EMPRESARIAL PRESSUPOSTOS DA ATIVIDADE EMPRESARIAL Requisitos Art. 972, Cod. Civil. Pressupostos: 2 elementos: capacidade civil e ausência de impedimento. Capacidade civil. Impedimentos são dados pela lei. Ex: sociedade

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Um representante legal de cooperativa de crédito, com sede e principal estabelecimento localizados no Distrito Federal, voltada precipuamente para a realização de

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL QUESTÃO 1 - Sobre a disciplina do direito empresarial no Brasil: 1. O adquirente de um estabelecimento comercial jamais responderá pelo

Leia mais

LEGISLAÇÃO E NORMAS APLICADAS NA ADMISSÃO DOS SÓCIOS DE SERVIÇOS. MAPA ETÉCNICO FISCAL - 1

LEGISLAÇÃO E NORMAS APLICADAS NA ADMISSÃO DOS SÓCIOS DE SERVIÇOS. MAPA ETÉCNICO FISCAL -  1 LEGISLAÇÃO E NORMAS APLICADAS NA ADMISSÃO DOS SÓCIOS DE SERVIÇOS MAPA ETÉCNICO FISCAL - www.etecnico.com.br 1 SOCIEDADE SIMPLES Foi criada no direito suíço e adotada posteriormente no direito italiano.

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. ESPÉCIES DE EMPRESÁRIO 2. SOCIEDADES EMPRESÁRIAS TIPOS SOCIETÁRIOS Sociedade em Comum Sociedade em Conta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mercância e as principais obrigações do empresário Agnaldo Simões Moreira Filho[1] O presente artigo tratado direito empresarial, focando o estudo no conceito de empresário e nas

Leia mais

PESSOA JURÍDICA O LOCAL DE APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

PESSOA JURÍDICA O LOCAL DE APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 2 PESSOA JURÍDICA O LOCAL DE APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS CONTÁBEIS No capítulo anterior, constatamos que o Contador, o Economista e o Administrador aplicam os seus conhecimentos nas Pessoas Jurídicas,

Leia mais

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica:

1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: 1. Dentre as sociedades empresariais abaixo elencadas, aponte aquela que não possui personalidade jurídica: a) sociedade em nome coletivo b) sociedade em comandita simples c) sociedade de capital e indústria

Leia mais

Revisão OAB. Gabriel Rabelo

Revisão OAB. Gabriel Rabelo Revisão OAB Gabriel Rabelo Tópico 1) Empresário Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Parágrafo

Leia mais

A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E LEGITIMADOS PASSIVOS PARA DECLARAÇÃO JUDICIAL DA FALÊNCIA

A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E LEGITIMADOS PASSIVOS PARA DECLARAÇÃO JUDICIAL DA FALÊNCIA A NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E LEGITIMADOS PASSIVOS PARA DECLARAÇÃO JUDICIAL DA FALÊNCIA LUÍS FELIPE SALOMÃO* Desembargador do Tribunal de Justiça - RJ 1. Introdução A nova Lei (11.101/2005) que

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL 1. A recuperação extrajudicial é uma modalidade prevista na Lei Nº 11.101/2005, e pode ser adotada pelo empresário em dificuldade e com

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão do registro 3. ESPÉCIES

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Instituições de Direito Público e Privado. Parte XI Sociedades

Instituições de Direito Público e Privado. Parte XI Sociedades Instituições de Direito Público e Privado Parte XI Sociedades 1. Empresa Conceito Empresa Empresa é a atividade econômica organizada para a produção de bens e serviços para o mercado, visando ao lucro.

Leia mais

O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO

O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO 1 O EMPRESÁRIO NO DIREITO BRASILEIRO 1 CONCEITO DE EMPRESA 3 a) EMPRESA : unidade econômica que combinando capital e trabalho, produz ou comercializa bens ou presta serviços, com a finalidade de lucro

Leia mais

Ebook. Abra Sua Empresa. Tudo o que você precisa saber sobre abertura e legalização de empresa.

Ebook. Abra Sua Empresa. Tudo o que você precisa saber sobre abertura e legalização de empresa. Ebook Abra Sua Empresa Tudo o que você precisa saber sobre abertura e legalização de empresa. Índice Introdução Procedimentos, Natureza Jurídica e Consulta Comercial Busca de nome e marca, Solicitação

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 15

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos Guia de leitura da Coleção... 15 Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Capítulo 1 Introdução do Direito Empresarial... 19 1. Breve histórico do Direito Empresarial... 19 2. A Empresa... 23 3. O Empresário...

Leia mais

Tipos de Sociedades. Código Civil (Lei 10406/2002) prevê vários tipos. Os tipos mais relevantes. Sociedade Limitada (Ltda.) Sociedade Anônima (S.A.

Tipos de Sociedades. Código Civil (Lei 10406/2002) prevê vários tipos. Os tipos mais relevantes. Sociedade Limitada (Ltda.) Sociedade Anônima (S.A. INVESTIR NO BRASIL Os Modelos Societários no Sistema Jurídico Brasileiro e a sua Regulamentação 12 de Abril de 2012 Marco Ferreira Orlandi Sócio BOCCUZZI Advogados Tipos de Sociedades Código Civil (Lei

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Profa. Dra. Silvia Bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani -

DIREITO EMPRESARIAL. Profa. Dra. Silvia Bertani. Profa. Dra. Silvia Bertani - DIREITO EMPRESARIAL Profa. Dra. Silvia Bertani A empresa Empresário (Individual) trabalha no comércio ou com serviços não intelectuais, ou seja, que não dependam de graduação superior para seu desempenho.

Leia mais

Aula 00 Aula Demonstrativa

Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa I APRESENTAÇÃO Olá a todos! Muito prazer, meu nome é Carlos Antônio Corrêa de Viana Bandeira. Sou Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP),

Leia mais

Direito Material Empresarial

Direito Material Empresarial Parte 1 Direito Material Empresarial 19 Pratica Empresarial - miolo.indd 19 19/10/2016 13:19:42 Pratica Empresarial - miolo.indd 20 19/10/2016 13:19:42 Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa 1.

Leia mais

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito

Leia mais

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa

Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa SUMÁRIO Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa... 17 1. Origens do Direito Empresarial.... 17 2. Autonomia do Direito Empresarial... 20 3. Fontes do Direito Empresarial... 21 4. Do Direito de Empresa...

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 07. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 07. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

AULA DEMONSTRATIVA. Direito Empresarial SEFIN/RO Cargo: Técnico Tributário Teoria e Exercícios. Atividades Econômicas, Empresa e Empresário Individual

AULA DEMONSTRATIVA. Direito Empresarial SEFIN/RO Cargo: Técnico Tributário Teoria e Exercícios. Atividades Econômicas, Empresa e Empresário Individual AULA DEMONSTRATIVA Direito Empresarial SEFIN/RO Atividades Econômicas, Empresa e Empresário Individual www.pontodosconcursos.com.br AULA DEMONSTRATIVA MAPA DA AULA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Cronograma do

Leia mais

AULA DEMONSTRATIVA. Direito Empresarial SEFIN/RO Cargo: Auditor Fiscal de Tributos Estaduais Teoria e Exercícios

AULA DEMONSTRATIVA. Direito Empresarial SEFIN/RO Cargo: Auditor Fiscal de Tributos Estaduais Teoria e Exercícios AULA DEMONSTRATIVA Direito Empresarial SEFIN/RO Atividades Econômicas, Empresa e Empresário Individual www.pontodosconcursos.com.br AULA DEMONSTRATIVA MAPA DA AULA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Cronograma do

Leia mais

Sumário COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15

Sumário COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15 COLEÇÃO SINOPSES PARA CONCURSOS... 13 GUIA DE LEITURA DA COLEÇÃO... 15 Capítulo 1 INTRODUÇÃO DO DIREITO EMPRESARIAL... 19 1. Breve histórico do Direito Empresarial... 19 2. A Empresa... 23 3. O Empresário...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O exercício de comércio por oficial João Rodrigues Arruda * I - O Delito Penal Militar e a Transgressão Disciplinar Correspondentes ao Exercício de Comércio por Oficial II - O Objetivo

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL www.questoesdeconcursos.com.br PEÇA PROFISSIONAL Um sindicato de trabalhadores SINFO, cuja precípua e efetiva atividade é a de defender os direitos laborais de seus associados resolveu

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Departamento / Setor ADMINISTRAÇÃO Nome da Disciplina FSJ06

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL

DIREITO EMPRESARIAL. Exame de Ordem Prova Prático-Profissional 1 PEÇA PROFISSIONAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PROFISSIONAL Walter celebrou, com o banco Beta, contrato que estabelecia que a instituição financeira disponibilizaria R$ 20.000,00 em sua conta-corrente, por isso cobrando-lhe

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

Clique para editar o estilo do. título mestre

Clique para editar o estilo do. título mestre 1 AS EMPRESAS Empresas são unidades de produção nas quais se combinam diversos fatores produtivos para o fornecimento de bens e/ou serviços. 2 EMPRESAS SÃO ORGANIZAÇÕES SOCIAIS As organizações são unidades

Leia mais

Obrigação Tributária Elementos da Obrigação Tributária

Obrigação Tributária Elementos da Obrigação Tributária Obrigação Tributária Elementos da Obrigação Tributária Lei (principal) e Legislação (acessória) Fato Jurídico Sujeito Ativo Sujeito Passivo Objeto = BC x Alíquota Obrigação Tributária Pode ser (art. 113,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 276 - Data 31 de maio de 2017 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRATAÇÃO DE EMPRESÁRIO INDIVIDUAL.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO COOPERATIVO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO COOPERATIVO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO COOPERATIVO P á g i n a 1 Questão 1. Assinale a alternativa correta: É princípio do cooperativismo reafirmado pela Lei 5.764/71 e também pelos marcos normativos

Leia mais

GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO

GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO GRUPO DE SERVIÇOS - Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO 1. PESSOA FÍSICA CONSORCIADO / DOCUMENTAÇÃO Ficha Cadastral atualizada*; Cópia de RG e CPF; Comprovante de

Leia mais

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior:

1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA APTOS AO REGISTRO NO CRA-GO 1. Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior: 1.1. Tecnologia em Exportação e Importação; 1.2. Tecnologia em Gerência de Comércio Exterior;

Leia mais

Focado na área de reorganização

Focado na área de reorganização DIREITO SOCIETÁRIO Introdução Focado na área de reorganização societária, planejamento sucessório, operações de cisão, fusão e incorporação e constituição de sociedades empresariais, Lima Junior, Domene

Leia mais

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis:

RELATÓRIO. O i. Conselheiro Federal relator, Dr. Luiz Flávio Borges D Urso, sugeriu redação para o Regulamento Geral nos seguintes termos, verbis: Proposição n. 49.0000.2016.000773-1/COP Origem: Presidente do Conselho Federal da OAB. Protocolo n. 49.0000.2016.000764-4. Assunto: Proposta de Provimento. Sociedades Individuais de Advocacia. Relator:

Leia mais

Delegado de Policia Civil do Pará - Direito Empresarial Professor: José Humberto Souto Júnior

Delegado de Policia Civil do Pará - Direito Empresarial Professor: José Humberto Souto Júnior Delegado de Policia Civil do Pará - Direito Empresarial Professor: José Humberto Souto Júnior 1 - O título de crédito, documento necessário ao exercício do direito literal e autônomo nele contido, somente

Leia mais

Sexta da Família: planejamento sucessório

Sexta da Família: planejamento sucessório Sexta da Família: planejamento sucessório LUIZ KIGNEL Advogado militante; Especialista em Direito Privado pela USP; Membro do IBDFam e do IBGC. Planejamento Sucessório Luiz Kignel kignel@plkc.com.br www.plkc.com.br

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 3 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br 1 trabalhopwell@gmail.com 2 REVISÃO Quais são os princípios da GOVERNANÇA CORPORATIVA?...Explique com as suas palavras cada um

Leia mais

Pereira Advogados Todos os Direitos Reservados

Pereira Advogados Todos os Direitos Reservados 15 Seminário sobre Produtividade e Redução de Custos na Agroindústria Canavieira Grupo IDEA Terceirização: Cenário Atual e Perspectivas 2 Conceito: - Em termos jurídicos, terceirizar significa delegar

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VIII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 20 de novembro de 2015 TIPOS SOCIETÁRIOS: UMA ANALISE DAS MODALIDADES MAIS UTILIZADAS NO ÂMBITO DO DIREITO BRASILEIRO Charles Junior Rech 1 Leticia Gheller Zanatta Carrion 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 EMPRESA E EMPRESÁRIO. 3 INÍCIO

Leia mais

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Conceito de empresário - Art. 966, CC/2002 (Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002) - Profissionalismo: a. Habitualidade b. Pessoalidade

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

Sumário. 6. Fontes do direito empresarial 6.1. O Projeto de Lei 1.572/2011 (novo Código Comercial) 6.2. O novo CPC e o direito empresarial 7.

Sumário. 6. Fontes do direito empresarial 6.1. O Projeto de Lei 1.572/2011 (novo Código Comercial) 6.2. O novo CPC e o direito empresarial 7. Sumário 1. Origens do direito comercial 2. Da definição do regime jurídico dos atos de comércio 2.1. Definição e descrição dos atos de comércio e sua justificação histórica 2.2. Os atos de comércio na

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Empresas

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Direito das Empresas INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 30/3/2016 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 20/4/2016 Ficha de Unidade

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE GERAL - ANOTAÇÕES DA AULA 8

DIREITO CIVIL PARTE GERAL - ANOTAÇÕES DA AULA 8 DIREITO CIVIL PARTE GERAL - ANOTAÇÕES DA AULA 8 GRUPOS DESPERSONALIZADOS Não são atribuídas personalidades jurídicas, mas podem acionar e serem acionadas em juízo. Universalidade de Direito - Art. 91º,

Leia mais

ÍNDICE. Parte 1 Direito Material Empresarial, 19

ÍNDICE. Parte 1 Direito Material Empresarial, 19 ÍNDICE Parte 1 Direito Material Empresarial, 19 Capítulo 1 Teoria Geral do Direito de Empresa, 21 1. Origens do Direito Empresarial, 21 2. Autonomia do Direito Empresarial, 24 3. Fontes do Direito Empresarial,

Leia mais

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento

CIDADE ALTA 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS. Tabela 1 Tipo de empreendimento 1 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS Tabela 1 Tipo de empreendimento Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) Associação ou Sindicato 31 3,33 Cooperativa 5 0,54 Empresa Individual (Antiga Firma

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 6 Personalidade e direitos pessoa física e jurídica Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Personalidade pessoas naturais Código Civil pessoa física sujeito de direitos e deveres Pessoas naturais

Leia mais

Holding Familiar Planejamento Sucessório.

Holding Familiar Planejamento Sucessório. Holding Familiar Planejamento Sucessório. XXXI Ciclo de Estudos Contábeis Londrina - 2012 1 Apresentação: João Alberto Borges Teixeira - Sócio-Diretor da Almada & Teixeira Consultoria Empresarial; - Sócio-Diretor

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA PROFESSOR: Alessandra Benedito Disciplina: Direito Empresarial I Etapa: ()1ª ( ) 2ª (X) 3ª Turmas: (X) F - (X) G - (X) P ( ) F ( ) G ( ) P 1-OBJETIVOS: Capacitar os discentes para serem profissionais

Leia mais

Questão 01 ESAF/AFRFB/2012

Questão 01 ESAF/AFRFB/2012 Questão 01 ESAF/AFRFB/2012 Sobre o instituto da responsabilidade no Código Tributário Nacional, assinale a opção incorreta. a) A obrigação do terceiro, de responder por dívida originariamente do contribuinte,

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO Apresentador: Márcio Schuch Silveira, Contador, Mestre em Ciências Contábeis, Empresário Contábil, Vice-Presidente Técnico do CRCRS e professor universitário.

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 527/2015

DESPACHO SEJUR N.º 527/2015 DESPACHO SEJUR N.º 527/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 17/11/2015) Interessado: Dr. Bruno Lagoeiro (PEBMED) Expediente n.º 9823/2015 Assunto: Análise jurídica. Registro de pessoa jurídica perante

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA. Paula Freire 2012

DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA. Paula Freire 2012 DIREITO SOCIETÁRIO PARTE III: DA SOCIEDADE LIMITADA Paula Freire 2012 Sociedade por quotas de responsabilidade limitada e o Decreto 3.708/19 Antes da vigência do CC/2002 era regida pelo Decreto 3.708/19

Leia mais

1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei /2012), a afirmativa correta é:

1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei /2012), a afirmativa correta é: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO COOPERATIVO 1. Sobre a regulamentação das cooperativas de trabalho (Lei 12.690/2012), a afirmativa correta é: A) A sua implementação elimina as cooperfraudes

Leia mais

Curso de Difusão FDRP/USP Fashion Law Direito e Moda

Curso de Difusão FDRP/USP Fashion Law Direito e Moda 1- O critério de classificação será socioeconômico; BOLSA DE ESTUDOS - ORIENTAÇÕES GERAIS 2- A solicitação da Bolsa somente será efetivada mediante o preenchimento e envio, do formulário socioeconômico

Leia mais

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO DO TRABALHO

LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO DO TRABALHO LEGALE - PÓS GRADUAÇÃO DIREITO DO TRABALHO Sucessão de Empresas Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Advogado militante e especializado

Leia mais

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC)

Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Certificados de Crédito Cooperativo (CCC) Conceito: título de crédito nominativo, transferível e de livre negociação, que representa promessa de pagamento em dinheiro e constitui título executivo extrajudicial.

Leia mais