Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932."

Transcrição

1 Guia Fotográfico 1 Este guia fornece a base do conhecimento técnico necessário para o aproveitamento deste curso básico de fotografia. A necessária expansão do conhecimento enunciado nestas páginas passa a ser então a principal atribuição dos alunos-fotógrafos, que devem relacionar o que pode ser encontrado aqui com outros estudos, leituras e muito exercício! Como este guia trata das interações que a imagem luminosa estabelece com qualquer tipo de suporte fotossensível usado em fotografia hoje, sempre que a palavra película aparecer no texto, ela estará designando tanto o filme fotográfico convencional quanto o sensor de silício dos sensores das câmaras digitais. MOVIMENTO Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, Cartier-Bresson é conhecido pela sua identificação com o momento decisivo, expressão que designa o instante em que o botão disparador da câmara é acionado pelo fotógrafo. Esse derradeiro instante de inscrição do mundo sobre a matéria fotossensível é tão essencial à fotografia que Roland Barthes chegou a dizer que: O órgão do fotógrafo não é o olho, é o dedo. BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984, pg 30. 1

2 O que o ato de apertar o botão da câmara provoca é a repentina exposição da película fotossensível à luz que emana do motivo. Lâminas móveis, semelhantes a uma guilhotina, deslizam rapidamente para deixar que um pouco de luz passe pela lente. Depois disso, nada mais se move dentro da câmara. A cena, para sempre congelada tal qual estava no momento do click, pertence agora ao universo bidimensional da representação fotográfica. Em vista disso, toda imagem fotográfica é, por definição, plana e estática. Mas sempre podemos criar uma sugestão de movimento pela posição relativa dos elementos enquadrados, e também quando borramos deliberadamente os elementos que apresentaram algum tipo de deslocamento em relação à câmara. Controlamos esses efeitos com o OBTURADOR da câmara fotográfica, que é acessado de modos diferentes dependendo do modelo de câmara utilizado: 1 caso: (vista superior da câmara digital Panasonic Lumix) O comando do obturador pode ser um botão acionado a partir do corpo da câmara. 2 caso: (vista superior da câmara convencional de médio formato Hasselblad 500CM) O comando do obturador também pode ser um anel giratório na objetiva da câmara. 2

3 3 caso: (vista da parte de trás da câmara digital Canon A70) Ou pode ser acessado pela tela de cristal líquido das câmaras digitais. O ajuste do obturador é feito por botões que acionam as opções de menu exibidas na tela. A escolha de velocidades de obturador não está disponível nas câmaras que só operam em MODO AUTOMÁTICO. Para fazer esse tipo de ajuste, a câmara deve poder operar em MODO MANUAL. A função do obturador é manter o filme protegido da luz até o instante da foto. Quando apertamos o botão disparador da câmara, o obturador abre e fecha numa velocidade pré-definida, permitindo que a imagem formada pela lente permaneça projetada sobre a película por um tempo bem específico. É a existência desse dispositivo, mais do que qualquer outro, que faz com que uma câmara possa ser chamada de fotográfica. Fig.1 Fig.2 (Desenhos esquemáticos do interior de uma câmara REFLEX de médio formato da marca Hasselblad.) Na fig.1, o obturador (em vermelho) está fechado, impedindo que a luz vele a película que está logo atrás dele. Um espelho a 45 desvia a trajetória da luz (daí o nome reflex ) para o visor que fica na parte de cima da câmara. Nesse estágio, a luz chega até os olhos do fotógrafo mas não até a película. Quando batemos uma foto (fig. 2), o espelho levanta e o obturador abre para deixar que a luz se projete sobre a película. Nesse estágio, a luz atinge a película mas não os olhos do fotógrafo, porque o espelho levantado bloqueia o visor. Os intervalos de tempo que os obturadores são capazes de produzir são chamados de VELOCIDADES. Essas velocidades podem variar desde muitos segundos até frações de segundo bem pequenas. Seqüência típica de velocidades de obturador: B (...) (...) segundos inteiros frações de segundo 3

4 O número 1, e os demais à esquerda, representam segundos inteiros; os números à direita do 1, representam frações de segundo. Para simplificar, se convencionou não escrever os números à direita do 1 como frações ( ½ ; ¼ ; 1/8 ; 1/15 ; etc), então CUIDADO: o número 2 à esquerda do 1 = 2 segundos; o 2 à direita do 1 = ½ segundo (meio segundo). Da esquerda para a direita, cada número corresponde ao dobro da velocidade (e à metade do tempo) do anterior. O obturador regulado para 1/30 avos de segundo opera com o dobro da velocidade de 1/15 avos de segundo; 1/500 avos de segundo é quatro vezes mais lento do que 1/2000 avos de segundo (meio milésimo de segundo); e assim por diante. 1/30 1/2000 ATENÇÃO: O aumento da velocidade do obturador diminui o tempo que ele permanece aberto! Mais velocidade = Menos tempo! A letra B indica que o obturador ficará aberto pelo tempo que o botão disparador da câmara ficar pressionado. Esta marca é utilizada para tempos mais longos do que o tempo máximo oferecido pela escala de velocidades do equipamento. O ajuste do intervalo de tempo que o obturador deve ficar aberto se dá então através de algum outro dispositivo de controle independente, como um cronômetro de mão. OBS.: As câmaras da ESPM-RS possuem uma escala de velocidades com valores intermediários, aqui representados pelos números que NÃO estão em negrito: (+ lento) bulb (+ rápido) É importante perceber que a relação de dobros ou metades vale tanto para a escala em negrito quanto para a escala de valores intermediários, desde que seja mantida a simetria entre os valores. FOCO Uma forma especialmente eficaz de dirigir a nossa atenção para uma determinada parte da imagem é através do FOCO (ou nitidez). Nossa visão sempre busca as zonas de maior nitidez em uma imagem para poder se fixar e esclarecer melhor aquilo que está sendo visto. Quando detectamos diferenças de nitidez entre os elementos de uma imagem, nossa tendência é considerar as partes mais nítidas como sendo também as mais importantes. Quando observamos uma cena pelo visor de uma câmara onde o foco está sendo operado manualmente, giramos o anel correspondente na objetiva para tornar nítido um objeto (ou plano) de cada vez, ficando o resto da imagem fora de foco. 4

5 Vista superior da câmara de médio formato Hasselblad 500CM, com a seta vermelha indicando o anel do FOCO. Chamamos essa relação entre as partes nítidas e desfocadas de uma imagem de PROFUNDI- DADE DE CAMPO. Quando só um detalhe ou plano da imagem está em foco dizemos que a profundidade de campo é muito reduzida e o FOCO SELETIVO. Quando todos os planos da imagem aparecem nítidos na imagem final dizemos que a profundidade de campo é grande, e o FOCO TOTAL. Controlamos inicialmente esses efeitos com o DIAFRAGMA da objetiva, ainda que a profundidade de campo também possa ser afetada pelo tipo de objetiva e pela distância que a câmara está dos elementos da cena que devem aparecer em foco. O diafragma é o que regula a quantidade de luz que passa através objetiva para dentro da câmara. Ele tem essa capacidade reguladora porque o seu diâmetro é variável. O fotógrafo (quando a câmara não é totalmente automática!) é quem determina o diâmetro que o diafragma deverá ter na hora da foto - ou seja, a quantidade de luz que deverá incidir sobre a película em cada caso. Sequência típica de aberturas de diafragama: LANGFORD, Michael. Fotografia Básica. Dinalivro, Lisboa, Pg 50. (...) (...) Por convenção, as aberturas de diafragma são identificadas pela letra f. Quando queremos nos referir ao diafragma 4, escrevemos f 4. 5

6 ATENÇÃO: O diâmetro do diafragma é inversamente proporcional à profundidade de campo. Aberturas de diafragma menores geram profundidades de campo maiores. Ou seja, fechar todo o diafragma significa obter o máximo de profundidade de campo, e vice-versa. BUSSELE, Michael. Tudo sobre fotografia. Thomson Pioneira, São Paulo, Pg 47. A progressão da escala de diafragmas é similar a do obturador. Da esquerda para a direita, cada número de diafragma admite a metade da luz do diafragma que o antecede, e vice-versa. Ou seja, f16 admite a metade da luz de f11; f45 admite a metade da luz de f32; f2.8, pelo outro lado, admite 16 vezes mais luz do que f11; e assim por diante. OBS.: outros fatores que influenciam a profundidade de campo são a distância focal da objetiva (ver capítulo ENQUADRAMENTO); e a distância da câmara em relação aos objetos que estamos fotografando (quanto mais nos afastarmos dos objetos enquadrados, mais facilmente eles entrarão em foco). 6

7 Mas o diafragma não serve só para promover uma (às vezes explícita, às vezes sutil) forma de persuasão visual. Se é o obturador que determina a existência das câmaras fotográficas, é a combinação dele com o diafragama o que condiciona a prática da fotografia como hoje a conhecemos. EXPOSIÇÃO A combinação da velocidade do obturador com a abertura do diafragma (estágio primordial de toda fotografia!) tem um nome: EXPOSIÇÃO. Quando um fotógrafo pergunta qual é a exposição (e ele pergunta isso sempre!), ele espera receber uma resposta do tipo: 1000 com f22 Tecnicamente, isso significa que a luz passará por uma abertura de diafragma cujo diâmetro equivale a 1/22 avos da medida em milímetros que identifica a objetiva, e que essa luz fará isso durante apenas um milésimo de segundo. O fotógrafo pode não ter necessitado de muita perícia para chegar a essa conclusão. Há um aparelho chamado FOTÔMETRO que nos fornece esses dados sempre que necessário, e quase todas as câmaras tem um (apesar de só podermos acessá-lo se a câmara NÃO for totalmente automática). A perícia está em eleger a combinação obturador-diafragma mais adequada para cada caso, porque há vários modos de combinar o obturador com o diafragma para obtermos uma mesma exposição. Isso é possível porque a escala de velocidades do obturador e a escala de aberturas do diafragma são simétricas. Quando passamos de f16 para f22, cortamos a quantidade de luz pela metade; por sua vez, quando diminuímos a velocidade de 1000 para 500, dobramos o tempo de incidência da luz sobre o filme. Desse modo: 1000 com f16 = 500 com f22, produzindo, no cômputo final, exatamente a mesma exposição. Dizer que as duas combinações produzem a mesma exposição significa que as fotografias resultantes terão a mesma ESCALA TONAL. O modo de registrar objetos em movimento e a profundidade de campo em cada um desses dois casos, no entanto, irão variar consideravelmente. Com o auxílio do fotômetro, medimos a luz da cena que queremos fotografar e obtemos uma leitura indicando um valor para a velocidade e outro para o diafragma. Como buscamos uma relação entre essas duas variáveis, devemos manter uma delas fixa para monitorar o comportamento da outra. Podemos, por exemplo, decidir fixar a velocidade do obturador em 125, ao fazer a medição da luz, para descobrir qual diafragma o aparelho irá indicar. Feito isso, digamos que o fotômetro tenha indicado f8. Se eu mantiver o fotômetro regulado para 125 e obtiver f11 ao medir a luz de uma outra cena, deduzo que esta segunda cena é duas vezes mais luminosa do que a primeira. Sabemos disso porque, para o mesmo tempo de exposição (125), o fotômetro indicou que seria necessário fechar o diafragma uma vez (passar de f8 para f11), ou seja, reduzir a luz que entra na câmara pela metade. É assim que mapeamos as variações das luzes de diferentes cenas, bem como as variações das luzes dentro de uma mesma cena. SENSIBILIDADE A acomodação da exposição às características luminosas de uma cena tem relação direta com a SENSIBILIDADE da película em uso. Películas mais sensíveis precisam de menos luz para gerar uma foto, do mesmo modo que pessoas de pele clara precisam de menos sol do que as de pele mais escura para se queimarem. A película fotográfica, como a nossa pele, reage à luz: quanto maior a quantidade ou a intensidade da luz, maior a reação. 7

8 Essas diferenças nos níveis de resposta à luz dos materiais fotossensíveis são identificados pelos números ISO, que indicam os níveis mínimos de iluminação que as películas precisam receber para gerar uma foto. Trata-se de uma escala sincronizada com a do obturador e a do diafragma, onde o dobro da sensibilidade correspondente ao dobro do ISO, ou seja, uma película de ISO 200 é duas vezes mais sensível do que outra de ISO 100. Sendo assim, se estivermos fotografando com uma película de ISO 400 e o fotômetro indicar uma exposição de 500 com f8, se trocarmos para um película de ISO 200 essa medição passará para 500 com f5.6 (ou 250 com f8). Ou seja, como a sensibilidade da minha película ficou reduzida pela metade, para manter a mesma exposição precisamos OU abrir um número f para admitir o dobro da luz, OU reduzir a velocidade do obturador pela metade para a luz incidir sobre a película pelo dobro do tempo. Como cada intervalo entre os números que compõem as escalas do diafragma e do obturador pode estar dividido em terços, um trecho típico da escala de números ISO apresenta-se assim: Escala dividida em terços. Da esquerda para a direita, a cada 3 intervalos a sensibilidade dobra. A troca de uma película de ISO 100 por outra de ISO 400 significa um ganho de 2 diafragmas na exposição (ou seja, precisamos fechar dois diafragmas para manter a mesma esposição); a troca de ISO 64 para ISO 50, uma perda de 1/3 de diafragma (precisamos abrir um terço de diafragma para manter a mesma exposição); e assim por diante. ESCALA TONAL Usamos o fotômetro para medir a exposição, mas e se não quisermos seguir o que o ele indicar? E se resolvermos deliberadamente subverter a ordem das coisas e alterar as combinações obturador-diafragma ditas padrão para uma determinada foto? Isso não é só uma possibilidade, é o único meio de escaparmos do êrro e da mesmice! Porque não existe exposição padrão! A exposição certa é aquela que valoriza as luzes e as sombras que mais nos interessam em cada caso. E isso varia de acordo com o nosso gosto e a nossa necessidade. Se ao fotografar uma cena o nosso interesse está mais para as sombras do que para as cintilâncias, então precisamos expor para as BAIXAS LUZES. Mas se são as ALTAS LUZES que passam a me interessar, então teremos que fechar mais o diafragma (e/ou aumentar a velocidade do obturador) para poder registrá-las a contento. O fotômetro só sabe fazer a média das luzes de uma cena para indicar uma exposição também média. Não esperemos que ele seja mais inteligente ou mais criativo do que isso. A valorização das luzes certas operada pela exposição correta é o que define um registro fotográfico bem feito. Como isso depende da intenção do fotógrafo, dois fotógrafos podem fazer fotos completamentes diferentes da mesma cena em função do modo como cada um vê o mundo. 8

9 A função última de todo fotômetro é indicar a exposição que irá aproveitar ao máximo a sensibilidade da película que estivermos usando. Isso significa manter as zonas de interesse da cena dentro da capacidade de resposta dessa película, também conhecida como alcance dinâmico. Por alcance dinâmico entenda-se o poder que a película tem de reproduzir as texturas tanto das partes mais claras quanto das mais escuras de uma dada cena. Quanto maior for a diferença entre as altas e as baixas luzes (em números f), maior terá que ser o alcance dinâmico da película em uso. O intervalo de LUMINÂNCIAS que uma película consegue reproduzir convenientemente está na ordem de 160 para 1, ou seja, para podermos registrar em foto os detalhes presentes nas altas e nas baixas luzes de uma cena, os tons mais claros só podem ser 160 vezes mais luminosos do que os tons mais escuros. Se uma zona de alta luz for mais luminosa do que isso, ela aparecerá lavada em branco na fotografia. Em contrapartida, se a zona de baixa luz for mais escura do que o estabelecido pela barreira dos 160:1, ela aparecerá fechada em preto e qualquer detalhe que ela contiver se perderá. 160:1 corresponde a 7½ intervalos de diafragma. Mas se considerarmos que uma cena ao ar livre pode apresentar facilmente um intervalo de luminâncias na ordem de para 1, ou o equivalente a 17 diafragmas, e que algumas películas (como é o caso de alguns filmes positivos coloridos) só dispõem de um intervalo de 5 diafragmas para registrá-la, podemos compreender a importância da correta avaliação da exposição para que a nossa foto consiga reproduzir adequadamente os tons e texturas que consideramos mais importantes. A visão humana possui um alcance dinâmico total na ordem de mais de :1 (24 diafragmas!); ou seja, desde a visão adaptada à escuridão de uma noite sem lua, até a visão adaptada à neve iluminada pelo sol do meio-dia, podemos distinguir um intervalo de luminâncias onde o brilho da textura mais clara ultrapassa dez milhões de vezes o da textura mais escura. Mas só conseguimos ver ao mesmo tempo as luminâncias que se mantiverem em um intervalo de 1.000:1 (10 diafragmas), o que, mesmo assim, está além da capacidade de resposta da maioria das películas fotossensíveis existentes hoje. Superexposição. Subexposição. Média indicada pelo fotômetro. Em situações com um intervalo de luminâncias curto, a super e a subexposição não favorecem nenhuma zona da foto em particular. Superexposição. Subexposição. Média indicada pelo fotômetro. Em situações com um intervalo de luminâncias amplo, a superexposição favorece as baixas luzes, a subexposição as altas luzes, e a exposição média indicada pelo fotômetro fica longe de poder favorecer os dois extremos de uma vez só. A diferença entre os diafragmas indicados pelo fotômetro para as zonas mais clara e mais escura de uma cena determina o intervalo de LUMINÂNCIAS do motivo; a capacidade de registro dessas luzes define o ALCANCE DINÂMICO das películas; o que, por sua vez, define a ESCALA TONAL das fotos. 9

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita.

LUZ. Esses três elementos combinados permitem que o fotógrafo escolha como a imagem será feita. FOTOGRAFIA LUZ A luz é o elemento primordial de uma imagem. Para ter controle na entrada de luz na câmera, o fotógrafo controla o ISO, a velocidade da cortina e o diafragma da lente. Esses três elementos

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br Prefácio à publicação de 2013 Publiquei este manual pela primeira vez em março de 2009, quando o blog Dicas de Fotografia estava

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento A câmera fotográfica 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento Definição Câmera fotográfica é uma câmara escura projetada segundo características específicas (quanto a ótica, mecânica

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

A câmera As lentes A exposição

A câmera As lentes A exposição A câmera As lentes A exposição 1 Corpo da câmera: a caixa sem as objetivas e os demais acessórios. Objetiva: as lentes intercambiáveis. Diafragma: dispositivo que controla a quantidade de luz que passa

Leia mais

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 2 Guia para fotografar com pouca luz Versão 1 Texto e fotografias de Christian Camilo T 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 3 Índice FOTOGRAFANDO EM AMBIENTES

Leia mais

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO

FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO GRAPHOS LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM JORNALISMO GRÁFICO FOTOMETRIA E EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIA BÁSICA: EQUIPAMENTOS Controles básicos da câmera OBTURADOR Tempo de exposição velocidade de disparo AFETA

Leia mais

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL

Distância focal DISTÂNCIA FOCAL Distância focal DISTÂNCIA FOCAL: Unidade de medida relativa à distância existente entre o centro óptico de uma lente e o plano de foco. A distância focal determina a relação de grandeza de um motivo e

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II Tecnologias IXUS 210 Interface Táctil Avançada A IXUS 210 inclui o ecrã táctil IXUS com a interface de utilizador mais avançada até hoje, proporcionando acesso ao menu principal da câmara, bem como ícones

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados!

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! Sua Câmera fotográfica Digital Mód03Bas_Cs00B01 www.fotomboe.com São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! 2014 Vivaldo Armelin Júnior www.fotomboe.com Lembretes A Proposta do curso Chegamos ao

Leia mais

FOTOGRAFIA O MUNDO FOTOGRAFICO Hoje, as fotografias fazem parte do nosso mundo de uma maneira impressionante. Seja em computadores, smartphones, tablets, câmeras digitais, não importa, aonde olharmos

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Fotografia Digital 1

Fotografia Digital 1 Fotografia Digital 1 Apresentação Constituída em 2007 é referência nacional no ensino da fotografia de paisagem natural 2 Uma das entidades que mais workshops lecciona anualmente em Portugal Cursos de

Leia mais

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva

Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia e tratamento de imagem FTZOO (BIOB40) Lucas Menezes Silva Técnicas de fotografia Objetivos Conhecer a fotografia Reconhecer tipos de câmeras Aprender técnicas Conhecer assessórios

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Manual de instalação e configuração da Magic Key

Manual de instalação e configuração da Magic Key Manual de instalação e configuração da Magic Key Índice 1. Instalação física dos componentes... 1 1.1. Instalação da câmara... 1 1.2. Instalação dos infravermelhos... 2 1.3. Posicionamento do utilizador...

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes?

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? Escolha da Objectiva Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? As lentes, também conhecidas como objectivas, são a parte mais importante do seu

Leia mais

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 Luiz Henrique Oliveira Silva Carlos de PAIVA 2 Lamounier Lucas PEREIRA JÚNIOR 3 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos

stacking focus a técnica de empilhamento de foco Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos stacking focus a técnica de empilhamento de foco Um outro modo de ver o mundo através da macrofotografia texto e fotos Tacio Philip Nesta matéria, dividida em duas edições da revista Photos & Imagens,

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL COMPLETO Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas. 6. Fotografia com o Flash

Leia mais

Tratamento fotográfico básico

Tratamento fotográfico básico Tratamento fotográfico básico Vamos começar com um trato na luz e na cor na imagem. Algumas imagens, por sub-exposição, principalmente, precisam ter alterados, alguns parâmetros. Nível: O primeiro deles

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

>>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado.

>>> Nos anos 60 foi estabelecida a escala EV, que foi adotada primeiramente pelos fotômetros e depois pelas câmeras com fotômetro incorporado. Valor de exposição Em fotografia, rotulou-se valor de exposição, ou EV, o resultado das combinações possíveis entre o par conjugado velocidade de obturação e abertura de diafragma que levam a uma mesma

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL formação em imagem www.100iso.pt Módulos 1. Câmaras e Imagens Digitais. 2. Controlar a Exposição. 3. Controlar a Nitidez. 4. Captar Luz e Cor. 5. Compreender as Objectivas.

Leia mais

Ave: Manual do usuário

Ave: Manual do usuário As iniciais no canto superior esquerdo indicam a atual lista de espécies em uso. Clique neste campo para abrir uma grade com todas Ave: Manual do usuário Introdução A Janela Inicial O botão Listas Sobre

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

Acostumado a buscar sempre

Acostumado a buscar sempre Técnica&Prática Casamento Iluminação criativa em fotos de casamento Luz de vídeo, de lanterna, natural ou flash. Saiba como é possível usar de tudo um pouco para fazer fotos sociais Vinícius Matos Por

Leia mais

Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS

Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS Tecnologias PowerShot G16, PowerShot S120, PowerShot SX170 IS, PowerShot SX510 HS EMBARGO: 22 Agosto 2013, 06:00 (CEST) Câmara mais fina do mundo 1 com uma objetiva grande angular de 24mm com abertura

Leia mais

Partes da Câmara. Vantagens. Características mais Importantes. Especificações. Versão Portuguesa. Versão Portuguesa WWW.SWEEX.COM.

Partes da Câmara. Vantagens. Características mais Importantes. Especificações. Versão Portuguesa. Versão Portuguesa WWW.SWEEX.COM. Partes da Câmara JB000120 Sweex 3.2 Megapixel digital camera Frente Flash Visor de imagem Vantagens Câmara multi-funcional 5 em 1: Câmara digital com a possibilidade de efectuar gravações vídeo e áudio,

Leia mais

VCA Treinamento em Algoritmo

VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo VCA Treinamento em Algoritmo VCA Treinamento em Algoritmo Conteúdo Algoritmos Rastreador (tracker) Monitoramento Objeto Abandonado/Removido Pessoas Calibração Classificação Linha de contagem Auto

Leia mais

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima

Documento técnico. No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Documento técnico No melhor da iluminação Os desafios da iluminação mínima Índice 1. Introdução 3 2. O quebra-cabeça da sensibilidade de luz 3 3. Não seja enganado! 5 4. Como fazer a escolha mais inteligente

Leia mais

Sumário Introdução à câmera 2 Visão geral, recursos do produto 17 Como aproveitar ainda mais a sua câmera 19

Sumário Introdução à câmera 2 Visão geral, recursos do produto 17 Como aproveitar ainda mais a sua câmera 19 Sumário Introdução à câmera 2 Como colocar e carregar a bateria 2 Como usar um cartão MICROSD/SDHC (acessório) 5 Como ligar a câmera 6 Como configurar idioma, data e hora 7 Como fotografar ou gravar um

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS

Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS Tecnologias PowerShot SX500 IS e PowerShot SX160 IS EMBARGO: 21 Agosto 2012, 15:00 (CEST) Objetiva grande angular de 24mm com zoom ótico de 30x (PowerShot SX500 IS) Desenvolvida segundo os mesmos processos

Leia mais

Como fazer busca de imagem no Google?

Como fazer busca de imagem no Google? Como fazer busca de imagem no Google? Passo 1: Acesse o endereço do Google e depois clique na opção Imagens, que fica na barra superior da página Passo 2. Digite a palavra que procura. Observe que o Google

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 05 Objetivas É uma lente óptica ou conjunto de lentes usada em conjunto com um corpo de câmera e um mecanismo para reproduzir

Leia mais

edirectory ios / Android Plataforma

edirectory ios / Android Plataforma edirectory ios / Android Plataforma Criando lindos aplicativos com edirectory Uma revolução no espaço de diretórios mobile, bem vindo ao novo aplicativo do edirectory. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher)

Dia 21 (sábado de manhã, das 10 às 13h00) Saida para exterior Aula práctica de Fotografia num local a escolher) Local: Évora Hotel Av. Tulio Espanca, Apartado 93 Évora Tel: 266 403 315 Inscrições e Informações: Contactar Pedro Vilhena Site: Pedro Vilhena Fotografia Tm: 96 807 61 81 email: pedrovilhena.fotografo@gmail.com

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS ALCANCE DINÂMICO Nos sensores de imagem CCD (charge-coupled device) ou CMOS (complementary metal oxide semiconductor), o alcance dinâmico (ou dinâmica) é especificado tipicamente como a razão entre o sinal

Leia mais

edirectory Plataforma ios / Android

edirectory Plataforma ios / Android edirectory Plataforma ios / Android Levando seu site ao próximo nível Conheça o novo aplicativo do edirectory. E seja bem vindo a revolução em aplicativos para Diretórios Online. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1

O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1 O Light Painting como Recurso Visual na Fotografia Publicitária 1 Isaac Veloso NETO 2 Joseph LIMA 3 Amanda BARROS 4 Micael RODRIGUES 5 João COUTINHO 6 Vitor BRAGA 7 Resumo: Nesse trabalho, busca-se principalmente

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

Tutorial - Vetorizando uma fotografia

Tutorial - Vetorizando uma fotografia Tutorial - Vetorizando uma fotografia Thiago Santos 02-2013 Vetorizando uma fotografia Meu nome é Thiago Santos e vou mostrar a vocês como vetorizar uma fotografia. O processo não é muito complicado, mas

Leia mais

Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento

Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento Instruções APROVADO PELA ISO 9001:2000 Bem vindo ao uso Obrigado por escolher o Sistema Inteligente de segurança no reconhecimento da

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido Microsoft PowerPoint 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

Conceito Técnico de Fotografia

Conceito Técnico de Fotografia Fotografia Digital Conceito Técnico de Fotografia Fotografar é, por princípio, registrar a luz refletida pelo assunto (entende-se por assunto o que está sendo fotografado). Na câmara digital, como na convencional,

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As funções 3D disponibilizadas por esta actualização de firmware são descritas neste folheto. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α que estão incluídos no CD-ROM

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

6. movimentos da câmara fotográfica.

6. movimentos da câmara fotográfica. Ficha de Unidade Curricular Designação - Fotografia Área Científica - FOT Ciclo de Estudos 1º Ciclo/ Lic. Som e Imagem Carácter - Obrigatória Semestre 2º Semestre ECTS - 6 Tempo de Trabalho- Total: 150h

Leia mais

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

Autor: Eduardo Popovici Tutorial: Criando uma folha de Fichário / Caderno Software: Photoshop CS3 Ext. Ferramentas Utilizadas:

Autor: Eduardo Popovici Tutorial: Criando uma folha de Fichário / Caderno Software: Photoshop CS3 Ext. Ferramentas Utilizadas: Autor: Eduardo Popovici Tutorial: Criando uma folha de Fichário / Caderno Software: Photoshop CS3 Ext. Ferramentas Utilizadas: Criando arquivo novo Seleções Cor uniforme Lata de Tinta Criando camadas Janela

Leia mais

Para descarregar o Photo Story 3, aceda a www.microsoft.com/windowsxp/using/digitalphotography/photostory/default.mspx

Para descarregar o Photo Story 3, aceda a www.microsoft.com/windowsxp/using/digitalphotography/photostory/default.mspx Photo Story Passo-a-passo para Professores Construir histórias digitais com o Photo Story 3 Descarregue o Photo Story 3 Para descarregar o Photo Story 3, aceda a www.microsoft.com/windowsxp/using/digitalphotography/photostory/default.mspx

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA

CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA CAPÍTULO II A CÂMARA FOTOGRÁFICA I - Princípios Básicos Toda câmera fotográfica é fundamentalmente uma câmara escura projetada segundo características específicas que envolvem sua óptica, mecânica e formato

Leia mais

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado...

Sumário. 1. Imagens de alta resolução com a D800E... 30 2. Abertura e assuntos complexos... 32 3. Graduação Gráfica de cor e ondulado... Guia Técnico Apresentação Este Guia Técnico detalha as principais técnicas usadas para criar duas das fotografias tecnicamente mais avançadas da brochura D800/D800E. Aproveite esta oportunidade para admirar

Leia mais

Comportamento das janelas. Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama

Comportamento das janelas. Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama Mike McBride Jost Schenck Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Comportamento das janelas 4 1.1 Foco.............................................. 4 1.1.1 Política de Foco...................................

Leia mais

Índice. Temos o Apoio:

Índice. Temos o Apoio: Página 2 de 25 Índice Introdução... 3 O Fotômetro da Câmera... 4 O Fotômetro de Mão... 7 O Histograma... 8 Latitude de Exposição... 11 Flash TTL... 15 Flash como luz de preenchimento... 18 Flash como luz

Leia mais

Manual do usuário. PIXPRO SP360 (versão para PC) Ver. 4

Manual do usuário. PIXPRO SP360 (versão para PC) Ver. 4 Manual do usuário PIXPRO SP360 (versão para PC) Ver. 4 Antes de você iniciar Declaração de Conformidade Parte responsável: JK Imaging, Ltd. Morada: JK Imaging, Ltd. 17239 South Main Street, Gardena, CA

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais