Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515"

Transcrição

1 Como modelar o comportamento de um sistema? MAB-515

2 Possibilidades de modelagem PARAMETRIZA modelo matemático experimento real AJUDA A COMPREENDER SIMULAÇÃO SOLUÇÃO ANALÍTICA MEDIDAS EXPERIMENTAIS NO MODELO REAL SOLUÇÃO EXATA abordagem mais realista abordagem menos custosa, solução mais simples APROXIMAÇÃO

3 Experimentação I Experimentação permite medir condições instantâneas de um sistema real A obtenção de medidas em sistemas reais pode ser inviável para situações críticas do comportamento real em condições anormais que devem ser estudadas e avaliadas para a tomada de decisões

4 Experimentação II Exemplo: Quanto tempo leva o núcleo de um reator para fundir? Ninguém irá fazer o experimento para medir o tempo exato. Além do mais, o tempo exato só é válido para as condições existentes no experimento. O que pode garantir que outro reator não tenha um valor diferente para a fusão do núcleo? Várias variáveis têm que ser levadas em consideração: material, temperatura, etc.

5 Modelagem I O que é um modelo? Um modelo é uma abstração da realidade Grande objetivo: capturar um aspecto da realidade que seja de interesse

6 Modelagem II Modelo = mapa da realidade mapa muito detalhado impossível ler legenda faltam detalhes impossível achar o que quer Desafio achar nível adequado de abstração Bom para achar CCMN, (depende do objetivo) ruim para achar UFRJ Bom para achar Brasil, ruim para achar UFRJ

7 Modelagem III Entradas e saídas de um modelo Entrada: parâmetros (e.g., taxa de chegada de clientes) Saída: medidas de interesse (e.g., vazão, atraso) Parâmetros Modelo Medidas de interesse

8 Experimentação versus Modelagem Experimentação Modelagem Vantagens Resultados concretos e realistas baseados em sistema real Vantagens Baixo custo Em geral rápida solução Permite entender o impacto de diferentes parâmetros do sistema nas medidas de interesse Desvantagens Pode não refletir a realidade caso as hipóteses do modelo sejam muito restritivas Desvantagens Pode não ser possível implementar o sistema Custo pode ser alto As previsões oriundas de medidas reais podem ser muito tardias para surtir efeito; Medidas em sistema em operação podem causar interferências, causando quebra de segurança, perda de confiabilidade, geração de instabilidade temporária, etc.

9 Roteiro Experimentação Monitores no S.O. Monitores na aplicação Modelagem Solução analítica exata Solução analítica aproximada Simulação

10 Monitores Monitor geral de contabilidade do sistema operacional Monitor implementado no sistema operacional de coleta de dados gerais do sistema (tempo de CPU, acessos de I/O, uso de memória ) Monitor no sistema operacional específico por aplicação Código associado ao sistema operacional para coletar dados, podendo rodar no nível de usuário eventualmente Monitor a nível de aplicação Desenvolvedor incorpora na aplicação coleta de estatísticas Monitor de S.O. específico por aplicação Aplicação Monitor de S.O. geral de contabilidade Hardware Sistema operacional

11 Monitores no S.O.: exemplo consumo geral de cpu e memória Monitor de S.O. geral de contabilidade Monitor de S.O. específico por aplicação consumo de cpu e memória por aplicação

12 Monitor a nível de aplicação

13 Roteiro Experimentação Monitores no S.O. Monitores na aplicação Modelagem Solução analítica exata Solução analítica aproximada Simulação

14 Solução analítica exata I Resolve o problema através de alguma ferramenta matemática: Probabilidade Combinatória Teoria de Filas Cadeias de Markov Processos Semi-Markovianos Recordando: modelo = abstração da realidade Atenção! A solução do modelo é exata, mas o modelo em si é uma aproximação (abstração) da realidade

15 Solução analítica exata II Desvantagens: Só se aplica a casos específicos, cuja solução exata seja conhecida de antemão, caso contrário encontrar a solução pode ser difícil Para a aplicação de modelos com solução conhecida, requer em geral a simplificação do modelo real para tratabilidade Compromisso (tradeoff): tratabilidade versus realismo Vantagens: Baixo custo computacional, em muitos casos (poder computacional dos computadores pessoais atuais é enorme!) Rapidez na obtenção de resultados, em muitos casos

16 Solução analítica aproximada Aproximações podem simplificar solução do modelo Redução do custo computacional Redução do tempo de uma previsão Aproximações podem dar uma idéia rápida da evolução do comportamento do sistema Entretanto, erros podem ser grosseiros Pode ser razoavelmente complicado determinar a faixa ótima de aplicação de uma solução aproximada

17 Simulação Simulação permite analisar ampla gama de sistemas de forma realista qualquer distribuição pode ser simulada comportamentos complexos podem ser simulados Tipos de simulação Mudanças estocásticas no estado do sistema podem ocorrer A qualquer instante (tempo contínuo) Somente em pontos discretos do tempo (tempo discreto)

18 Vantagens e desvantagens da simulação Vantagens Complexidade previsível e tempo para desenvolvimento do software pode ser equacionado Pode medir com precisão o comportamento transiente no tempo Algoritmos e programas usados no desenvolvimento da simulação podem ser usados no sistema real Desvantagens Programas de simulação complexos e podem conter erros Comportamento dos dados de entrada pode não ser disponível Alto custo computacional para execução Alto custo de construção do programa Requer análise estatística dos resultados

19 Resumo O comportamento de um sistema pode ser compreendido via Experimentação (realista mas custosa e deduções de difícil generalização) Modelagem (baseada em hipóteses e simplificações mas barata e deduções de fácil generalização) Objetivo deste curso: apresentar uma introdução às técnicas de modelagem de sistemas

20 Modelagem nas Empresas Exemplos de empresas que contam com cargo de Performance engineer Google s Performance Engineer Head: Steve Souders

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho Introdução Aula 1 Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Modelos Probabilísticos

Modelos Probabilísticos Modelos Probabilísticos Somente para lembrar... Modelos são extremamente importantes para o estudo do desempenho de um sistema antes de implementá-lo na prática! Foguete proposto tem confiabilidade? Devemos

Leia mais

Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais

Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais Processos Estocásticos aplicados à Sistemas Computacionais Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

Simulação e Modelagem

Simulação e Modelagem Simulação e Modelagem Prof. Afonso C Medina Prof. Leonardo Chwif Versão. 6//6 Introdução Definição A Simulação como ferramenta de suporte à decisão Quando utilizar a Teoria das Filas ou a Simulação? O

Leia mais

01 Análise de Algoritmos (parte 1) SCC201/501 - Introdução à Ciência de Computação II

01 Análise de Algoritmos (parte 1) SCC201/501 - Introdução à Ciência de Computação II 01 Análise de Algoritmos (parte 1) SCC201/501 - Introdução à Ciência de Computação II Prof. Moacir Ponti Jr. www.icmc.usp.br/~moacir Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação USP 2010/2 Moacir

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Referências Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte I: Introdução Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br 4 Kleinrock, L. Queueing Systems - Vol. : Theory. John Wiley & Sons,

Leia mais

INE 5101 Simulação Discreta. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE

INE 5101 Simulação Discreta. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE INE 5101 Simulação Discreta 1 Objetivos do curso Ao final deste curso você deverá saber: O que é modelagem e simulação de sistemas; Como funcionam programas de simulação; Como utilizar corretamente uma

Leia mais

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 Avaliaçãode Desempenhode Sistemas Computacionais Aula 5 Sarita Mazzini Bruschi

Leia mais

Ex: Sistema Tráfego Rodoviário

Ex: Sistema Tráfego Rodoviário Ex: Sistema Tráfego Rodoviário Podemos modelá-lo através do Sistema de Rede de Filas: Atores : Carros são os Clientes Ponte éo Serviço Engarrafamento éa Fila Deseja-se, por exemplo: Tempo de espera no

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Graduação em Matemática Empresarial

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Graduação em Matemática Empresarial Ciências Humanas e Sociais 36 30 -- -- -- -- -- -- 30 -- 2 36 30 Economia 1 36 30 18 15 -- -- -- -- 45 -- 3 54 45 Fundamentos de Matemática 72 60 -- -- -- -- -- -- -- 60 4 72 60 1º Introdução à Geometria

Leia mais

Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014

Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014 Análise e Modelagem de Desempenho de Sistemas de Computação Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2014 Modelo de Sistema Serviço Modelo: representação do comportamento do desempenho do sistema Etapas

Leia mais

Desvendando o futuro: Matemática Computacional

Desvendando o futuro: Matemática Computacional Desvendando o futuro: Matemática Computacional L. Felipe Bueno lfelipebueno@gmail.com Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) São José dos Campos 11/03/15 Resumo O que é Matemática Computacional Habilidades

Leia mais

A Matemática como Serviço a Ciência da Computação. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação

A Matemática como Serviço a Ciência da Computação. Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação A Matemática como Serviço a Ciência da Computação Prof. Dr. Carlos Eduardo de Barros Paes Coordenador do Curso de Ciência da Computação A Matemática e Ciência da Computação A Matemática faz parte do DNA

Leia mais

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas

SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Parte 1 -Aula 2 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Gestão de Riscos e Investimentos

Gestão de Riscos e Investimentos Existem duas abordagens gerais para calcular o VAR 1. Avaliação Local (local valuation) Métodos que vimos até agora São procedimentos em geral analíticos Baseiam-se no valor inicial do instrumento ou carteira

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte II: Modelagem de Sistemas Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Modelos Modelo é uma abstração de um sistema real Apenas as características

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte II: Modelagem de Sistemas Modelo é uma abstração de um sistema real Apenas as características importantes para a avaliação devem ser consideradas

Leia mais

Algoritmos de Substituição de Páginas. Igor Gustavo Hoelscher Renan Arend Rogério Corrêa Medeiros

Algoritmos de Substituição de Páginas. Igor Gustavo Hoelscher Renan Arend Rogério Corrêa Medeiros Algoritmos de Substituição de Páginas Igor Gustavo Hoelscher Renan Arend Rogério Corrêa Medeiros 2 Introdução No momento em que ocorre uma page fault o sistema operacional precisa escolher uma página a

Leia mais

PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO

PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO PNV-5005 MODELAGEM E ANÁLISE DE SISTEMAS INTERMODAIS DE TRANSPORTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE SIMULAÇÃO Prof. Dr. Rui Carlos Botter e-mail: rcbotter@usp.br Fevereiro de 2017 Simulação É o processo de elaborar

Leia mais

Simulação de Sistemas

Simulação de Sistemas Simulação de Sistemas Daniel Sadoc Menasche e Paulo Aguiar 2012 1/1 Como analisar um sistema? sistema modelo emulador solucão analítica simulador medidas de interesse 2/1 Por que simular? Quando resolver

Leia mais

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais -

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais - Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais - Aula 2 Sarita Mazzini Bruschi

Leia mais

Modelamento e simulação de processos

Modelamento e simulação de processos Modelamento e de processos 3. Modelagem e Prof. Dr. André Carlos Silva 2 1. Modelos matemáticos Segundo Possa (1995), um modelo pode ser definido como sendo uma equação, ou um conjunto de equações, que

Leia mais

Introdução à Matemática Discreta

Introdução à Matemática Discreta Introdução à Matemática Discreta Matemática Discreta Prof. Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Condução da disciplina Aulas: Quartas: 10:10 12:00 Sextas: 08:00 09:50 Haverá troca de professores:

Leia mais

https://www1.ufrgs.br/portalensino/graduacaocurriculos/ajax/relatori...

https://www1.ufrgs.br/portalensino/graduacaocurriculos/ajax/relatori... Período Letivo: 2016/1 Curso: ESTATÍSTICA Habilitação: BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Currículo: BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Créditos Obrigatórios: 134 Créditos Eletivos: 48 Créditos Complementares: 10 Total:

Leia mais

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Currículo 6 Aprovado pelo CDI em 30/05/16 - Carga Horária - Carga Horária Núcleo Básico 1.280h Carga Horária Núcleo Profissionalizante

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA COMISSÃO DE GRADUAÇÃO DE ESTATÍSTICA Av. Bento Gonçalves 9500 - Agronomia 91509-900 Porto Alegre - RS BRASIL Tel: (051)3308-6186/3308-6185

Leia mais

6 ESCALONAMENTO DE CPU

6 ESCALONAMENTO DE CPU 6 ESCALONAMENTO DE CPU O escalonamento de CPU é ponto chave da multiprogramação. Ela permite que haja mais de um processo em execução ao mesmo tempo. Em ambientes com um único processador, o escalonador

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação Linguagens de Programação Professor Responsável: Luiz Affonso Henderson Guedes de Oliveira Prof.

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

https://www1.ufrgs.br/portalensino/graduacaocurriculos/ajax/relatori...

https://www1.ufrgs.br/portalensino/graduacaocurriculos/ajax/relatori... Período Letivo: 2016/1 Curso: ESTATÍSTICA Habilitação: BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Currículo: BACHARELADO EM ESTATÍSTICA - V 1 Créditos Obrigatórios: 136 Créditos Eletivos: 40 Créditos Complementares: 6

Leia mais

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Introdução à Pesquisa Operacional Origens militares Segunda guerra mundial Aplicada na alocação de

Leia mais

SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira

SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira SIMULAÇÃO Professor: Adriano Benigno Moreira Modelagem e Simulação de Sistemas Etapa de Planejamento Formulação e análise do problema Etapa de Modelagem Coleta de dados Etapa de Experimentação Projeto

Leia mais

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h Ciência da Computação CÂMPUS LAGES Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 39, DE 13 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO CONSUP/IFSC

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N.

CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N. CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATRIZ CURRICULAR MATUTINO Fase N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Prérequisitos 01 Introdução à informática 04 60 02 Matemática instrumental

Leia mais

Engenharia de Confiança. Helena Macedo Reis Luis Fernando de Souza Moro

Engenharia de Confiança. Helena Macedo Reis Luis Fernando de Souza Moro Engenharia de Confiança Helena Macedo Reis Luis Fernando de Souza Moro 1 Engenharia de Confiança Preocupada com técnicas que aumentam a confiança e diminui os riscos de falhas Falha pode causar perda de

Leia mais

MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA

MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA MÉTODOS NUMÉRICOS APLICADOS À ENGENHARIA INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS DE DIFERENÇAS FINITAS E DE VOLUMES

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 6 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 6 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 6 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação POR QUE APRENDER CONCEITOS

Leia mais

Plano. Aspectos Relevantes de HMMs. Teoria de HMMs. Introdução aos Modelos Escondidos de Markov

Plano. Aspectos Relevantes de HMMs. Teoria de HMMs. Introdução aos Modelos Escondidos de Markov Plano Esta apresentação é para pessoas sem conhecimento prévio de HMMs Introdução aos Modelos Escondidos de Markov 2004 Objetivos: Ensinar alguma coisa, não tudo (Visão geral, sem muitos detalhes). Tentar

Leia mais

Neste curso, vamos estudar algumas maneiras em que a matemática é usada para modelar processos dinâmicos em biologia.

Neste curso, vamos estudar algumas maneiras em que a matemática é usada para modelar processos dinâmicos em biologia. Introdução à Modelagem Matemática em Biologia Os sistemas biológicos são caracterizados por mudança e adaptação. Mesmo quando eles parecem ser constantes e estáveis, isso é o pelo resultado de um balanceamento

Leia mais

Ema Isabel Modesto Marques. Modelos de localização com filas de espera em rede. Orientador Prof. Doutor Francisco José Ferreira Silva.

Ema Isabel Modesto Marques. Modelos de localização com filas de espera em rede. Orientador Prof. Doutor Francisco José Ferreira Silva. Ema Isabel Modesto Marques Modelos de localização com filas de espera em rede Dissertação para a obtenção do grau de Mestre em Gestão (MBA) Orientador Prof. Doutor Francisco José Ferreira Silva Coorientador

Leia mais

Modelos Probabilísticos de Desempenho. Profa. Jussara M. Almeida 1º Semestre de 2014

Modelos Probabilísticos de Desempenho. Profa. Jussara M. Almeida 1º Semestre de 2014 Modelos Probabilísticos de Desempenho Profa. Jussara M. Almeida 1º Semestre de 2014 Modelos Probabilísticos Processos Estocásticos Processos de Poisson Filas M/M/1, M/G/1... Mais genericamente: modelos

Leia mais

Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Escalonamento de Tempo Real Em sistemas de tempo real, o objetivo principal do escalonador é garantir que todos os processos sejam executados

Leia mais

Vários modelos: um SAD pode incluir vários modelos, cada um representando uma parte diferente do problema de tomada de decisão Categorias de modelos

Vários modelos: um SAD pode incluir vários modelos, cada um representando uma parte diferente do problema de tomada de decisão Categorias de modelos MODELAGEM E ANÁLISE Modelagem Questões atuais de modelagem Vários modelos: um SAD pode incluir vários modelos, cada um representando uma parte diferente do problema de tomada de decisão Categorias de modelos

Leia mais

Modelo de previsão de partida de ônibus utilizando cadeias de Markov de alcance variável

Modelo de previsão de partida de ônibus utilizando cadeias de Markov de alcance variável Modelo de previsão de partida de ônibus utilizando cadeias de Markov de alcance variável Maria das Vitórias Alexandre Serafim 1 Manuel Rivelino Gomes de Oliveira 2 Divanilda Maia Esteves 3 Paulo José Duarte-Neto

Leia mais

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 1. Introdução

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 1. Introdução Aula 1 Introdução O que são? Porque estudar? História Componentes de SO Referências Capítulo 1 Capítulos 2 e 3: folhear. O que é um sistema operacional? Um programa governo, controla a interação entre:

Leia mais

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro

Sistemas de Informação e Decisão. Douglas Farias Cordeiro Sistemas de Informação e Decisão Douglas Farias Cordeiro Decisão Tomamos decisões a todo momento! O que é uma decisão? Uma decisão consiste na escolha de um modo de agir, entre diversas alternativas possíveis,

Leia mais

Estruturas de Dados 2

Estruturas de Dados 2 Estruturas de Dados 2 Análise Empírica de Algoritmos IF64C Estruturas de Dados 2 Engenharia da Computação Prof. João Alberto Fabro - Slide 1/13 Análise da Eficiência de Algoritmos: Velocidade de Execução;

Leia mais

Simulação de Sistemas. Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17)

Simulação de Sistemas. Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17) Simulação de Sistemas Adaptado de material de Júlio Pereira Machado (AULA 17) Análise dos Dados de Saída Além das tarefas de modelagem e validação, devemos nos preocupar com a análise apropriada dos resultados

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho Planejamento de Experimentos Aula 2 Marcos José Santana Regina

Leia mais

Classificação de Sistemas de Simulação. Profa. Dra. Soraia Raupp Musse

Classificação de Sistemas de Simulação. Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Classificação de Sistemas de Simulação Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Quem é real? Simulação de Sistemas SIMULAÇÃO IMPLICA NA MODELAGEM DE UM PROCESSO OU SISTEMA, DE TAL FORMA QUE O MODELO IMITE AS RESPOSTAS

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 05 Custos de um algoritmo e funções de complexidade Prof. Jesús P. Mena-Chalco 1Q-2016 1 1995 2015 2 Custo de um algoritmo e funções de complexidade Introdução

Leia mais

Modelos e Modelagem. Roteiro

Modelos e Modelagem. Roteiro Modelos e Modelagem Lupércio F. Bessegato PUC Minas IEC 2007 Roteiro 1. O processo de modelagem 2. Tipos de modelos 3. Modelos determinísticos e probabilísticos 4. Modelos interativos: 5. Modelagem e tomada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MONTES CLAROS 1 PERÍODO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS CAMPUS MONTES CLAROS 1 PERÍODO 6.4 Matriz Curricular do Curso de Ciência da Computação 6.4.1 Componentes curriculares obrigatórios 1 PERÍODO Teórica Prática Hora-aula Horas Cálculo I 6 2 8 144 120 - Geometria Analítica e Vetores - Dados

Leia mais

Linear para o Problema de Escalonamento de Workflows em Múltiplos Provedores de Nuvem

Linear para o Problema de Escalonamento de Workflows em Múltiplos Provedores de Nuvem Discretização do Tempo na Utilização de Programação Linear para o Problema de Escalonamento de Workflows em Múltiplos Provedores de Nuvem Thiago A. L. Genez, Luiz F. Bittencourt, Edmundo R. M. Madeira

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL I

PESQUISA OPERACIONAL I PESQUISA OPERACIONAL I Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin.professor@gmail.com www.engenharia-puro.com.br/edwin Objetivos A disciplina busca possibilitar ao Aluno: Fornecer conhecimentos de Pesquisa

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Análise de Desempenho junho de 2015 A arte de avaliação de desempenho... Raj Jain. The Art of Performance Analysis. Wiley. 1991. metodologia cargas ferramentas Comparando resultados

Leia mais

ALGORITMOS AVANÇADOS UNIDADE I Análise de Algoritmo - Notação O. Luiz Leão

ALGORITMOS AVANÇADOS UNIDADE I Análise de Algoritmo - Notação O. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 1.1 - Algoritmo 1.2 - Estrutura de Dados 1.2.1 - Revisão de Programas em C++ envolvendo Vetores, Matrizes, Ponteiros, Registros

Leia mais

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 3. Escalonamento

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 3. Escalonamento Aula 3 Escalonamento Escalonamento Porque? Quando? Como? Critérios? Políticas de escalonamento Como avaliar? Referências: Capítulo 5: 5.1 a 5.3, 5.6 Porque Escalonar? Escalonamento controla compartilhamento

Leia mais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais

PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais PCS 2039 Modelagem e Simulação de Sistemas Computacionais Graduação em Engenharia de Computação

Leia mais

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA

MODELO ORGANIZATIVO DO ENSINO DA CIÊNCIA Um padrão para a unificação de conceitos e procedimentos pode ser definido verticalmente e transversalmente para todos os anos de escolaridade A compreensão e as aptidões associadas à maioria dos esquemas

Leia mais

COMO FUNCIONA A SIMULAÇÃO. Aula 1. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE

COMO FUNCIONA A SIMULAÇÃO. Aula 1. Simulação Discreta de Sistemas - Prof. Paulo Freitas - UFSC/CTC/INE COMO FUNCIONA A SIMULAÇÃO Aula 1 1 Tópicos Introdução Um Exemplo Simples Como Tratar e Analisar Problemas Tratando a Variabilidade dos Sistemas Incorporando a Variabilidade aos Modelos Computacionais Terminologia

Leia mais

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1

Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB /1 Trabalho do Curso de Redes de Computadores COS765/MAB731 2015/1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Rosa M.M. Leão e Daniel Sadoc Menasché Primeiro Período de 2015 1 Introdução O objetivo deste trabalho

Leia mais

Aproximações e Erros

Aproximações e Erros Aproximações e Erros Lucia Catabriga e Andréa Maria Pedrosa Valli Laboratório de Computação de Alto Desempenho (LCAD) Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória,

Leia mais

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho Pesquisa Operacional Introdução Profa. Alessandra Martins Coelho agosto/2013 Operational Research Pesquisa Operacional - (Investigação operacional, investigación operativa) Termo ligado à invenção do radar

Leia mais

NT O PROBLEMA DO TEMPO DE ESPERA DE PEDESTRE

NT O PROBLEMA DO TEMPO DE ESPERA DE PEDESTRE NT 235 2014 O PROBLEMA DO TEMPO DE ESPERA DE PEDESTRE INTRODUÇÃO Sun Hsien Ming O presente trabalho tem por objetivo, entre outros, ilustrar a complexidade de problemas de trânsito, por meio de um simples

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Configuração Curricular Relatório de percurso curricular Curso: MATEMATICA COMPUTACIONAL Versão curricular: D-20131 Identificador: 01-01 Situação: Vigente Nome: MATEMATICA

Leia mais

Simulação, simuladores e projetos de controle. O uso de simuladores no projeto de sistemas de controle

Simulação, simuladores e projetos de controle. O uso de simuladores no projeto de sistemas de controle Simulação, simuladores e projetos de controle O uso de simuladores no projeto de sistemas de controle 1 Definição n O que é simulação? É a representação de um processo ou sistema, em suas definições mais

Leia mais

Teste de Software. Competência: Entender as técnicas e estratégias de testes de Software

Teste de Software. Competência: Entender as técnicas e estratégias de testes de Software Teste de Software Competência: Entender as técnicas e estratégias de testes de Software Conteúdo Programático Introdução O que é teste de software? Por que é necessário testar um software? Qual a causa

Leia mais

3 Aprendizado por reforço

3 Aprendizado por reforço 3 Aprendizado por reforço Aprendizado por reforço é um ramo estudado em estatística, psicologia, neurociência e ciência da computação. Atraiu o interesse de pesquisadores ligados a aprendizado de máquina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Currículo Cursos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Currículo Cursos CH Total: 4050 Cred. Total: ideal: 10 mín.: 10 máx.: Situação da Versão.: CORRENTE Ano do Curriculo.: 2010 1 BA010901 - FISICA I 1 BA010902 - LABORATORIO DE FISICA I Obrigatória ATIVA 2 Total: 1 BA011004

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos. Prof. Elyssandro Piffer

Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos. Prof. Elyssandro Piffer Algoritmos e Estrutura de Dados I Conceitos de Algoritmos Prof. Elyssandro Piffer CONCEITO DE ALGORITMO O computador pode auxiliar em muitas tarefas, contudo ele não possui independência, não é inteligente,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Marcelle Mussalli Cordeiro {mmussalli@gmail.com} Cordeiro Reflexão O que é software?? Cordeiro 2 O que é Software? Programa Dados de configuração Dados de documentação Tudo que esteja

Leia mais

SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira

SIMULAÇÃO. Professor: Adriano Benigno Moreira SIMULAÇÃO Professor: Adriano Benigno Moreira Base de conhecimento Estatística. Pesquisa Operacional PO. Linguagem de Programação C. Distribuição dos Pontos 1º Avaliação Atividade e Prova 30 pontos 2º Avaliação

Leia mais

2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência

2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência 2 Análise da Confiabilidade em Sistemas de Potência Confiabilidade é a capacidade de um dispositivo desempenhar seu propósito durante o período de tempo desejado, sob as condições operativas encontradas.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES

APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES APLICAÇÃO DO SIMULADOR EMSO EM UM PROBLEMA ESPECÍFICO DE CINÉTICA E CÁLCULO DE REATORES T. A. F. ROCHA 1, W. U. LEITE 1, B. L. VERÁS 1 e W. R. O. PIMENTEL 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Centro de

Leia mais

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho

O Que Veremos. Introdução. Introdução. Definindo Desempenho. Definindo Desempenho. Avaliando e Compreendendo o Desempenho Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Avaliando e Compreendendo o Desempenho O Que Veremos Avaliando e compreendendo o desempenho: Introdução Definindo desempenho Medindo o desempenho e seus

Leia mais

Introdução. Vale observar que o sistema de visualização 3D através de um monitor não é considerado imersivo.

Introdução. Vale observar que o sistema de visualização 3D através de um monitor não é considerado imersivo. Introdução O que é a realidade virtual? Por ser ter suas aplicações nas mais variadas áreas do conhecimento humano a realidade virtual, assim como a simulação, é definida de forma diferente para cada necessidade.

Leia mais

TÍTULO: MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE UM TERMINAL PORTUÁRIO PARA EMBARQUE DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO

TÍTULO: MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE UM TERMINAL PORTUÁRIO PARA EMBARQUE DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO TÍTULO: MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE UM TERMINAL PORTUÁRIO PARA EMBARQUE DE AÇÚCAR PARA EXPORTAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Modelagem Analítica. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011

Modelagem Analítica. Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011 Modelagem Analítica Profa. Jussara M. Almeida 1 o Semestre de 2011 Modelagem Analítica Um modelo é uma abstração de um sistema que captura, dentre os inúmeros detalhes do sistema, aqueles que são essenciais

Leia mais

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID

CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID CAPÍTULO 8: O CONTROLADOR PID Quando eu terminar este capítulo eu quero ser capaz de completar o seguinte Conhecer os pontos fortes e fracos do controle PID Determinar o modelo do sistema feedback utilizando

Leia mais

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis

Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: Algoritmos e Estruturas de Dados I Professor: Mário Luiz Rodrigues Oliveira Teoria da computabilidade Indecidíveis Decidíveis Teoria da complexidade Intratáveis:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DE PRODUÇÃO DE PRODUÇÃO - GRADUAÇÃO - 215 1º PERÍODO Carga Horária CLASSIFICAÇÃO CARGA HORÁRIA MODALIDADE NÚCLEO LÍNGUA PORTUGUESA PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO PROFISSIONAL

Leia mais

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS PROCESSOS ESTOCÁSTICOS Definições, Principais Tipos, Aplicações em Confiabilidade de Sistemas CLARKE, A. B., DISNEY, R. L. Probabilidade e Processos Estocásticos, Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Virtual Algoritmos de Paginação Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Série: 1-1º SEMESTRE 1CO100 CÁLCULO I 6.0 108 0 108 1CO105 EXPRESSÃO GRÁFICA I 2.0 0 1CO101 FÍSICA I 6.0 72 108 1CO103 GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR 4.0 72 0 72 1CO106 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 2.0

Leia mais

étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos Erros Visão Geral Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Avaliação e Desempenho Aula 18

Avaliação e Desempenho Aula 18 Avaliação e Desempenho Aula 18 Aula passada Fila com buffer finito Fila com buffer infinito Medidas de interesse: vazão, número médio de clientes na fila, taxa de perda. Aula de hoje Parâmetros de uma

Leia mais

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho

Pesquisa Operacional Introdução. Profa. Alessandra Martins Coelho Pesquisa Operacional Introdução Profa. Alessandra Martins Coelho julho/2014 Operational Research Pesquisa Operacional - (Investigação operacional, investigación operativa) Termo ligado à invenção do radar

Leia mais

04/03/2016 CONCEITOS DE DECISÃO E O ENFOQUE GERENCIAL DA PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL: CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES:

04/03/2016 CONCEITOS DE DECISÃO E O ENFOQUE GERENCIAL DA PESQUISA OPERACIONAL PESQUISA OPERACIONAL: CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES: CONCEITOS DE DECISÃO E O ENFOQUE GERENCIAL DA PESQUISA OPERACIONAL CAPÍTULO 1 em: ANDRADE, Eduardo L. de; INTRODUÇÃO À PESQUISA OPERACIONAL. 4 a. ed. Rio de Janeiro: Editora LTC PESQUISA OPERACIONAL: Conjunto

Leia mais