PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO. Curso de Formação Especializada. em Gestão de Custos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO. Curso de Formação Especializada. em Gestão de Custos"

Transcrição

1 Campus de Gualtar Braga P Conselho Académico PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos Dossier Interno Dossier elaborado com base nos Despachos RT-41/2005 de 14 de Julho de 2005, RT-35/2005 sobre Orientações para a Apresentação de Propostas de Criação ou Reestruturação de Cursos e Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares, Despacho RT-16/2007 e DL 107/2008 art.º 39. O proponente deste Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos é o Departamento de Produção e Sistemas da Escola de Engenharia.

2 Índice 1. Enquadramento e justificação 2. Objectivos 3. Resultados esperados de aprendizagem e perfil de formação 4. Estrutura do curso e plano de estudos 5. Recursos Humanos e Materiais 6. Encargos decorrentes com o funcionamento do curso Anexo 1 Minuta de Resolução do Senado Anexo 2 Plano de Estudos Anexo 3 Proposta de Regulamento Interno da Direcção do Curso Anexo 4 Condições de Candidatura e Critérios de Selecção 2

3 1. Enquadramento e justificação Este documento consubstancia a proposta de criação do Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos e tem como objectivo a formação de detentores de cursos de Licenciatura em Ciências ou Engenharia. Visa proporcionar: i) formação ao nível dos Sistemas de Gestão de Custos a alunos provenientes de cursos de licenciatura em Engenharia ou Ciências; ii) a actualização/complemento de conhecimentos na área da Gestão de Custos por parte de investigadores; iii) resposta às necessidades de formação em contabilidade de custos, sistemas de custeio e gestão de custos por parte de profissionais da indústria e serviços. Este Curso corresponde a 15 ECTS e é caracterizado por: - agregar conteúdos de 3 Unidades Curriculares, algumas delas oferecidas noutros projectos de ensino de 2º ciclo; - as unidades curriculares são disjuntas, isto é, não há repetição de conteúdos entre unidades curriculares; - tem a duração de um trimestre. A certidão em Gestão de Custos será atribuído mediante aprovação às 3 unidades curriculares (UCs) indicadas na Tabela seguinte. UC ECTS Contabilidade de Custos 5 Sistemas de Custeio 5 Práticas Avançadas de Gestão de Custos 5 Total 15 3

4 2. Objectivos A problemática da gestão de custos e dos sistemas de custeio é relevante nos diferentes sectores da indústria e serviços. Este curso decorrerá no âmbito de programas de 2º ciclo ou de projectos de investigação e permitirá aos alunos a obtenção de competências nesta área do conhecimento. Mais especificamente, conhecimentos actualizados sobre contabilidade de custos, sistemas de custeio e gestão de custos. Os alunos ficarão habilitados a desenvolverem diversas actividades neste domínio nomeadamente, analisar, conceber e implementar sistemas de gestão de custos. 4

5 3. Resultados esperados de aprendizagem O Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos destina-se a formar: i) Investigadores das áreas das ciências e da engenharia. São de salientar os seguintes resultados de aprendizagem: actualizar/complementar conhecimentos sobre contabilidade de custos; analisar e modelar sistemas de custeio e de gestão de custos; conceber sistemas avançados de custeio; adquirir conhecimentos gerais sobre práticas avançadas de gestão de custos. ii) Profissionais da indústria e serviços. São de salientar os seguintes resultados de aprendizagem: actualizar/complementar conhecimentos sobre contabilidade de custos; analisar e modelar sistemas de custeio e de gestão de custos; conceber sistemas avançados de custeio; adquirir conhecimentos gerais sobre práticas avançadas de gestão de custos; analisar e implementar sistemas de custeio e de gestão de custos na indústria e serviços. 4. Estrutura do curso e plano de estudos O curso baseia-se no pressuposto de que os alunos já frequentaram as unidades curriculares de Ciências Básicas e de Ciências de Engenharia, bem como unidades básicas de contabilidade de custos. As unidades curriculares do curso pertencem à área científica de Engenharia Económica (EE), a leccionar pelo Departamento de Produção e Sistemas. Tabela 1 Estrutura curricular do Curso de Formação Especializada Horas Unidade Curricular Horas de contacto com o docente ECTS Área discip. totais T TP PL S OT E Contabilidade de Custos EE Sistemas de Custeio EE Práticas Avançadas de Gestão de Custos EE Total Área científica: Engenharia Económica (EE) 5

6 CURSO de Formação Especializada em Gestão de Custos UNIDADE CURRICULAR Contabilidade de Custos ÁREA CIENTÍFICA Engenharia Económica UC ANUAL SEMESTRAL TRIMESTRAL OUTRA OBRIGATÓRIA OPCIONAL Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de _5_ créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contacto com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA (entre 4 a 6) Colectivas Laboratoriais T. de campo Seminário Tutórias Estágios Estudo Trabº grupo Trabº projecto Horas de avaliação Total T TP PL TC S OT E Comprender o âmbito e aplicação da contabilidade de custos Adquirir noções básicas de contabilidade geral Dominar os conceitos fundamentais da contabilidade de custos Desenvolver actividades de gestão orçamental e de controlo de custos TOTAL T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória 6

7 CURSO de Formação Especializada em Gestão de Custos UNIDADE CURRICULAR Sistemas de Custeio ÁREA CIENTÍFICA Engenharia Económica UC ANUAL SEMESTRAL TRIMESTRAL OUTRA OBRIGATÓRIA OPCIONAL Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de _5_ créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contacto com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA (entre 4 a 6) Colectivas Laboratoriais T. de campo Seminário Tutórias Estágios Estudo Trabº grupo Trabº projecto Horas de avaliação Total T TP PL TC S OT E Compreender e aplicar os conceitos de custo sujacentes aos sistemas de custeio Conceber e implementar sist. de custeio (método directo/ indirecto) Conceber e implementar sistemas de custeio b/ nas actividades (ABC) Integrar e compreender a relação dos sistemas de custeio com outros sistemas de informação e de tomada de decisão TOTAL T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória 7

8 CURSO de Formação Especializada em Gestão de Custos UNIDADE CURRICULAR Práticas Avançadas de Gestão de Custos ÁREA CIENTÍFICA Engenharia Económica UC ANUAL SEMESTRAL TRIMESTRAL OUTRA OBRIGATÓRIA OPCIONAL Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de _5_ créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contacto com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA (entre 4 a 6) Colectivas Laboratoriais T. de campo Seminário Tutórias Estágios Estudo Trabº grupo Trabº projecto Horas de avaliação Total T TP PL TC S OT E Sistemas de controlo e gestão de custos 4 2 3,5 4 13,5 Sistemas avançados de custeio 4 2 3,5 6 15,5 Práticas avançadas de gestão de custos Desenvolvimento de projecto TOTAL T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória 8

9 5. Recursos Humanos e Materiais O Departamento de Produção e Sistemas (DPS) é o único departamento envolvido neste curso. Os docentes do DPS que estarão envolvidos neste curso pertencem ao grupo disciplinar de Gestão Industrial e da Tecnologia e têm acumulado experiência pedagógica e de investigação nas áreas da contabilidade de custos, gestão de custos, sistemas de custeio, práticas avançadas de gestão de custos e análise de custos. A equipa docente integra 9 docentes doutorados, sendo que dois são Professores Associados e os restantes são Professores Auxiliares. Estes docentes desenvolvem a sua actividade de investigação no Centro de Engenharia de Sistemas de Produção (CESP) e no Centro Interdisciplinar de Tecnologias da Produção e Energia (CITEPE). Integram este grupo os docentes: Madalena Araújo (Professora Associada c/ Agregação), António Paisana (Professor Associado), Fernando Romero, Anabela Tereso, Manuel Nunes, Jorge Cunha, Filipa Dionísio, Paula Ferreira e Paulo Afonso (Professores Auxiliares). Os docentes envolvidos no curso asseguram serviço docente e trabalho de coordenação ao nível de licenciatura, de 2º e 3º ciclos. Têm participado nos Mestrados Integrados em Engenharia e Gestão Industrial, Engenharia Biomédica, Engenharia Biológica, Engenharia Mecânica, Engenharia Têxtil, Engenharia de Polímeros e Engenharia Electrónica Industrial e Computadores, nas Licenciaturas em Engenharia Civil, Engenharia Informática e Matemática Aplicada. Ao nível do ensino pós-graduado, os docentes têm assegurado serviço docente nos Mestrados/Especializações em Engenharia Industrial, Engenharia de Sistemas, Engenharia Humana, Engenharia Civil, Projecto e Fabrico de Moldes, Engenharia de Polímeros, e no Programa Portugal-MIT, ao Mestrado em Technology Management Enterprise (TME) e ao Curso Doutoral em Leaders for Technical Industries (LTI). Em termos de recursos materiais, este curso de formação especializada poderá recorrer a qualquer um dos laboratórios do Departamento de Produção e Sistemas, em Guimarães, nomeadamente: Laboratório de Computação 1, Laboratório de Computação 2, Laboratório de Engenharia Industrial e Laboratório de Engenharia Económica. 9

10 6. Encargos Decorrentes do Funcionamento do Curso Os recursos materiais e humanos para o funcionamento do curso são os actualmente existentes no Departamento de Produção e Sistemas, não se prevendo nenhum custo adicional, quer em termos de laboratórios, corpo docente e material. 10

11 ANEXOS 11

12 Anexo 1 Minuta de Resolução do Senado Universitário 12

13 Senado Universitário resolução SU-06/2009 Sob proposta da Escola de Engenharia; Ouvido o Conselho Académico; Ao abrigo do disposto no n.º 1 do artigo 11.º, no n.º 1 do artigo 61.º, no n.º 1 do artigo 71.º e no artigo 74.º da Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro; no Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho; e no n.º 2 do artigo 121.º dos Estatutos da Universidade do Minho, publicados no Diário da República, 2.ª série, de 5 de Dezembro de 2008; O Senado Universitário da Universidade do Minho, em sessão plenária de 26 de Janeiro de 2009, determina: 1.º (Criação do curso) É criado na Universidade do Minho o Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos ministrando, em consequência, o respectivo curso. 2.º (Objectivos do curso) O Curso tem como objectivo assegurar formação científica e técnica no âmbito da gestão de custos. Em particular, são de salientar os seguintes resultados de aprendizagem: 1. Actualizar/complementar conhecimentos sobre contabilidade de custos; 2. Analisar e modelar sistemas de custeio e de gestão de custos; 3. Conceber sistemas avançados de custeio; 4. Adquirir conhecimentos gerais sobre práticas avançadas de gestão de custos; 5. Analisar e implementar sistemas de custeio e de gestão de custos na indústria e serviços. 3.º (Organização e estrutura curricular) 1. O Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos, adiante simplesmente designado por curso, organiza-se pelo sistema de unidades de crédito europeus (ECTS). 2. A estrutura curricular é a indicada no anexo I à presente Resolução. 13

14 4.º (Plano de Estudos) O plano de estudos do Curso será fixado por despacho do Reitor da Universidade do Minho, sob proposta dos órgãos para o efeito competentes, a publicar na II Série do Diário da República. 5.º (Habilitações de acesso) Podem candidatar-se à candidatura no curso: a) Titulares de licenciatura em Engenharia ou Ciências, ou equivalente legal; b) Titulares do Grau Académico Superior Estrangeiro, conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos em Engenharia ou Ciências, organizado de acordo com os princípios do processo de Bolonha por um Estado aderente a este processo; c) Titulares de um Grau Académico Superior Estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objectivos do Grau de Licenciado em Engenharia ou Ciências pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia; d) Detentores de um currículo escolar, científico ou profissional, que seja reconhecido como atestando capacidade para realização deste ciclo de estudos pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia. 6.º (Limitações quantitativas) 1. A matrícula e a inscrição no curso estão sujeitas a limitações quantitativas a fixar anualmente por despacho do Reitor. 2. O despacho a que se refere o n.º 1 deste artigo estabelecerá o número mínimo de inscrições indispensável ao funcionamento do Curso. 7.º (Prazos) Os prazos em que decorrerão a candidatura, a afixação dos resultados, a matrícula e a inscrição serão fixados por despacho do Reitor, sob proposta do Conselho Científico da Escola de Engenharia. 8.º (Propinas) A inscrição do Curso estará sujeita ao pagamento de uma propina de valor a ser fixado pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia. 9º (Classificação final) A classificação final do Curso, expressa na escala de 0 a 20 valores, resulta da média aritmética simples das classificações obtidas em cada unidade curricular que integra o plano de estudos. 10.º (Certidão do curso) Os alunos que terminem com aproveitamento o Curso têm direito a um diploma que certifica o Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos, passado nos termos do Anexo II à presente Resolução. 14

15 11.º (Início de funcionamento) O início de funcionamento do Curso será fixado por despacho do Reitor, verificada a existência de recursos humanos e materiais necessários à sua concretização. Universidade do Minho, 26 de Janeiro de O Presidente do Senado Universitário, A. Guimarães Rodrigues 15

16 Senado Universitário resolução SU-06/2009 (anexo I) 1. Área Científica do curso: Produção e Sistemas/Engenharia Económica (PS/EE) 2. Duração normal do curso: Um trimestre 3. Número mínimo de unidades de crédito necessário à concessão da certidão: 15 créditos (ECTS) 4. Áreas científicas e distribuição das unidades de crédito: 4.1. Área científica obrigatória: Produção e Sistemas/Engenharia Económica (PS/EE) 15 créditos (ECTS) 5. Taxa de matrícula e propinas: Estes montantes serão fixados pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia para cada edição. 16

17 Senado Universitário resolução SU-06/2009 (anexo II) República (*) Portuguesa Universidade do Minho CERTIDÃO DE CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA (a) Reitor da Universidade do Minho Certifico que (b), filho de... (c), natural de...(d), concluiu nesta Universidade, em... (e), com a classificação de...valores (f), o Curso de Formação Especializada em...(g), constituído pelas seguintes unidades curriculares:...(h). Mais certifico que o referido curso constitui uma modalidade de formação pós-graduada no domínio de..., perfazendo um total de 15 unidades de crédito. Pelo que, em conformidade com as disposições legais em vigor, lhe mandei passar a presente Certidão final em que o(a) declaro habilitado(a) com o referido Curso. Universidade do Minho,... (i) O Reitor,... O Director dos Serviços Académicos, (*) Emblema da Universidade do Minho (a) Nome do Reitor (b) Nome do titular do diploma (c) Nome do pai e da mãe do titular (d) Freguesia, concelho e distrito do titular do diploma (e) Data da conclusão do Curso (f) Classificação final do Curso (g) Designação do Curso de Formação Especializada, nos termos da respectiva Resolução SU (h) Designação das unidades curriculares e dos correspondentes ECTS (i) Data da emissão da Certidão 17

18 Anexo 2 Plano de Estudos Universidade do Minho Escola de Engenharia Gestão de Custos Curso de Formação Especializada Engenharia Económica QUADRO N.º 2.1 UNIDADES CURRICULARES ÁREA CIENTÍFICA TIPO TEMPO DE TRABALHO (HORAS) TOTAL CONTACTO CRÉDITOS OBSERVAÇÕES (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) Contabilidade de Custos EE Trimestral 140 Sistemas de Custeio EE Trimestral 140 Práticas Avançadas de Gestão de Custos EE Trimestral 140 T 30 TP-15 OT-15 T 30 TP-15 OT-15 TP-30 OT

19 Área cientifica do Curso de Formação Especializada: Engenharia Económica Duração normal do Curso: 1 trimestre lectivo. Condições mínimas necessárias à concessão da certidão: Aprovação nas 15 unidades ECTS para obtenção do diploma. Áreas científicas e distribuição das unidades de crédito: Todas as unidades de crédito (15) pertencem à área científica de Engenharia Económica. Precedências: Aprovação final: Mediante aprovação às três unidades curriculares oferecidas. 19

20 Anexo 3 Proposta de Regulamento Interno da Direcção de Curso 20

21 REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM GESTÃO DE CUSTOS Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no anexo 1B das Orientações para a Apresentação de Propostas de Criação ou Reestruturação de Cursos e Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares, homologado pelo Reitor através do despacho RT-41/2005, de 19 de Setembro, especificando os elementos nele exigidos bem como as normas de funcionamento específicas do curso. 2. As disposições contidas neste regulamento destinam-se ao Curso de Formação Especializada em Gestão de Custos criado pelo Despacho RT XXXXXX de XXXXX, adiante designado por Curso, conducente à obtenção de uma certidão em Gestão de Custos. Artigo 2º Concessão da certidão 1. A concessão da certidão é feita mediante a frequência e aprovação das unidades curriculares que integram o plano de estudos do Curso. Artigo 3º Duração e certificação do Curso 1. O Curso tem a duração de um trimestre. 21

22 Artigo 4º Organização e estrutura curricular O Curso está organizado de acordo com o sistema de unidades de crédito e respectiva área científica, unidade curricular, regime de escolaridade e carga horária que constam do despacho de criação do Curso e do plano de estudos aprovado. Artigo 5º Candidatura à inscrição no curso 1. São admitidos à candidatura à matrícula no Curso os titulares de licenciaturas ou 1º ciclos em Engenharia ou Ciências. Na selecção e seriação dos candidatos será considerada a experiência profissional do candidato. Artigo 6º Limitações quantitativas e prazos O número de vagas do Curso, o número mínimo de inscrições indispensável ao funcionamento do Curso, os prazos de candidaturas e de inscrição e o calendário lectivo são fixados por despacho reitoral, sob proposta do Conselho Científico da Escola de Engenharia sendo publicitados através de edital para cada edição ou reedição do curso. Artigo 7º Regime geral As regras de matrículas e inscrição, o regime de faltas, de avaliação de conhecimentos e de classificação da unidade curricular que integra o Curso são os previstos por lei para os cursos de 2º ciclo, naquilo em que não são contrariados pelo regulamento do Ciclo de Estudos Conducentes à 22

23 Obtenção do Grau de Mestre pela U.M., pelo diploma de criação do Curso e pelo presente Regulamento. Artigo 8º Critérios de selecção 1. A selecção dos candidatos à matrícula em cada Curso, terá em consideração os seguintes critérios, por ordem de importância: a) Classificação da licenciatura ou de outros graus já obtidos pelo candidato; b) Curriculum académico, científico e técnico; c) Experiência profissional. 2. Por forma a melhor aferir as habilitações dos candidatos e esclarecer aspectos em dúvida poderá ser solicitada uma entrevista aos candidatos. Artigo 9º Competência para a selecção A selecção dos candidatos é efectuada pela Comissão Directiva do Curso, tendo em conta os critérios de selecção referidos anteriormente. Artigo 10º Casos Omissos Os aspectos não contemplados neste Regulamento regem-se pelo Regulamento do Ciclo de Estudos Conducentes à Obtenção do Grau de Mestre pela Universidade do Minho. 23

24 Artigo 11º Revisão do Regulamento O presente Regulamento poderá ser revisto sempre que ocorra uma reedição do Curso. Artigo 12º Entrada em vigor O presente Regulamento entra em vigor após a sua aprovação pelo Conselho Científico da Escola de Engenharia e homologado pelo Reitor da Universidade do Minho. 24

25 Anexo 4 Condições de Candidatura e Critérios de Selecção Condições de Candidatura Poderão ser admitidos à frequência do curso os detentores de licenciaturas ou 1º ciclos em Engenharia ou Ciências. Critérios de Selecção A selecção dos candidatos à matrícula em cada Curso, terá em consideração os seguintes critérios, por ordem de importância: a) Classificação da licenciatura ou de outros graus já obtidos pelo candidato; b) Curriculum académico, científico e técnico; c) Experiência profissional. 25

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM. Engenharia de Sistemas A. Dossier Interno

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM. Engenharia de Sistemas A. Dossier Interno Campus de Azurém Azurém 4800-058 P Escola de Engenharia PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM Engenharia de Sistemas A Dossier Interno Dossier elaborado com base nos Despacho RT-45/2005

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM MODELAÇÃO EM MANEQUIM. Dossier Interno

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM MODELAÇÃO EM MANEQUIM. Dossier Interno Campus de Azurém Azurém 4800-058 P Escola de Engenharia PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM MODELAÇÃO EM MANEQUIM Dossier Interno Dossier elaborado com base nos Despacho RT-45/2005 de

Leia mais

Análise e Avaliação de Programas Públicos

Análise e Avaliação de Programas Públicos Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Escola de Economia e Gestão PROPOSTA DE CRIAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM Análise e Avaliação de Programas Públicos Departamento de Relações Internacionais e

Leia mais

Tingimento e Estamparia Dossier Interno

Tingimento e Estamparia Dossier Interno Campus de Azurém Azurém 4800-058 P Escola de Engenharia PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM Tingimento e Estamparia Dossier Interno Índice Página 1. Enquadramento e justificação 3

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS FOTOGRAFIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO

AVALIAÇÃO DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO ESCOLA DE ECONOMIA E GESTÃO PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA (FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS) AVALIAÇÃO DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO -- DOSSIER INTERNO Outubro 2007 Índice 1 Enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Reitoria despacho RT-100/2007 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Integrado Conducente à Obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística (SNC) - Pequenas Entidades

Sistema de Normalização Contabilística (SNC) - Pequenas Entidades Universidade do Minho Escola de Economia e Gestão Proposta de Criação de Curso CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA (FORMAÇÃO PARA PROFISSIONAIS DE CONTABILIDADE) Sistema de Normalização Contabilística (SNC)

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS Artigo 1º Criação 1- A Universidade do Porto (UP), através da Faculdade de Belas Artes (FBAUP), confere

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA

LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA LICENCIATURA EM ARTES PLÁSTICAS E INTERMÉDIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1.º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha,

Leia mais

EDITAL. (Edição )

EDITAL. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO EM PROBLEMAS DO DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR (Edição 2017-2019) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA DE MATERIAIS Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no

Leia mais

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 REGULAMENTO do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 De acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 274/2006, de 24 de

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de estudos:

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, Considerando o disposto da alínea f), do n.º 1, do art. 62.º, dos Estatutos do Instituto Politécnico de Leiria; Com vista a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

EDITAL. (Edição )

EDITAL. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2017-2019) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira Edital 5 de Setembro de 2008 Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem Universidade do Minho Escola Superior de Enfermagem DOSSIER DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR BRAGA, 2006 1 PEDIDO DO REGISTO DE CRIAÇÃO DO CURSO DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE

Leia mais

Artigo Primeiro. Artigo Segundo OBJECTIVOS DO CURSO O Mestrado em Matemática (MM) e o Curso Pós-Graduado em Matemática e suas Aplicações

Artigo Primeiro. Artigo Segundo OBJECTIVOS DO CURSO O Mestrado em Matemática (MM) e o Curso Pós-Graduado em Matemática e suas Aplicações UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Reitoria Desp.R/Sac/xx/2003 - Na sequência da aprovação pelo Senado desta Universidade e sob proposta do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 A. Condições de matrícula e inscrição Os candidatos à frequência do curso de mestrado que tenham sido seleccionados deverão formalizar a matrícula e a inscrição,

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo

Leia mais

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) 1/9 EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO EDITAL Apresentação O Mestrado em Ensino de Educação Musical no Ensino Básico é um curso de 2º Ciclo de estudos com um total de 120 ECTS, duração

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AOS CURSOS DE MESTRADO Ano lectivo de 2009/2010 EDITAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AOS CURSOS DE MESTRADO Ano lectivo de 2009/2010 EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AOS CURSOS DE MESTRADO Ano lectivo de 2009/2010 EDITAL João Manuel Simões da Rocha, Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), faz

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Tradução

Normas regulamentares do Mestrado em Tradução a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Tradução I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de estudos:

Leia mais

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias

Universidade de Évora Universidade de Aveiro. Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade de Évora Universidade de Aveiro Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências e Tecnologias Edital Abertura do Mestrado Gestão e Poĺıticas Ambientais Ano Letivo 2015/2016 1. O Curso

Leia mais

MESTRADO EM ECOTURISMO Edição

MESTRADO EM ECOTURISMO Edição INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Aveiro e Minho, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de mestre em Saúde Pública.

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem

Leia mais

DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016

DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016 DESPACHO Nº 60/VR/DC/2016 MESTRADO EM GESTÃO / MBA Sob proposta do Conselho Científico e ao abrigo do disposto nos Decretos-Leis n.º 42/2005 de 22 de fevereiro e n.º 74/2006 de 24 de março, alterado pelos

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de Mestre em Gestão da

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM INFORMÁTICA E SISTEMAS Edição 2016-2018 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação

IDIRETORI Despacho D-23/ Âmbito de aplicação U LISBOA / -- IDIRETORI Despacho D-23/2015 Por decisão do Conselho Científico da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de, na sua reunião de 1 de julho de 2015, deliberou, por unanimidade, alterar

Leia mais

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia

Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Regulamento do Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se ao Curso Pós-Graduado de Especialização em Endodontia, curso não conferente

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição )

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição ) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2016-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO URBANA Edição 2016-2018 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FARMÁCIA - ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOTERAPIA APLICADA (edição )

EDITAL MESTRADO EM FARMÁCIA - ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOTERAPIA APLICADA (edição ) EDITAL MESTRADO EM FARMÁCIA - ESPECIALIZAÇÃO EM FARMACOTERAPIA APLICADA (edição 2016-) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar-se

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo

Leia mais

REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor

REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA E GESTÃO INDUSTRIAL 3ª edição 2011-2013 Nos termos do artigo 26.º

Leia mais

Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau

Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau Regulamento de criação e funcionamento de cursos não conferentes de grau O permanente progresso científico e tecnológico exige que a aprendizagem não se circunscreva à formação inicial mas se consubstancie

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição )

EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO. (edição ) EDITAL MESTRADO EM SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (edição 2014-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro

Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro Normas regulamentares do Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar

Leia mais

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição )

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição ) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Mestrado em Marketing Research EDITAL Edição 2016/2018 1 1. APRESENTAÇÃO O presente edital tem como objetivo a abertura do

Leia mais

Artigo 1 Criação do Programa. Artigo 2 Órgãos de gestão do Programa

Artigo 1 Criação do Programa. Artigo 2 Órgãos de gestão do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL CONJUNTO EM ESTUDOS CULTURAIS DAS UNIVERSIDADES DE MINHO E AVEIRO Artigo 1 Criação do Programa As Universidades do Minho e Aveiro, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M.

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M. Reitoria despacho RT-51/2014 Na sequência das alterações ao funcionamento do Curso de Preparação e Avaliação de Capacidade para Frequência do Ensino Superior por Maiores de 23 anos, importa agora definir

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Divisão Académica despacho RT/C-211/2006 A Resolução SU-3/06, de 13 de Março, aprovou a adequação do Curso de Licenciatura em Engenharia BIológica, agora designado por Mestrado em Engenharia Biológica.

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição )

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição ) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE AVALIAÇÃO E APLICAÇÃO CLÍNICA DO MOVIMENTO (edição 2016-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006

Leia mais

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 1. Introdução A presente proposta refere-se a uma pós-graduação de 60 créditos

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE. Formação Especializada em Ciência e Tecnologia Cervejeira. Dossier Interno

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE. Formação Especializada em Ciência e Tecnologia Cervejeira. Dossier Interno Campus de Azurém Azurém 4800-058 P Escola de Engenharia PROPOSTA DE CRIAÇÃO DO CURSO DE Formação Especializada em Ciência e Tecnologia Cervejeira Dossier Interno 1 Índice Página 1. Enquadramento e justificação

Leia mais

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada Preâmbulo Considerando que, nos termos do nº 1 do artigo 15º da Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº 46/86, de 14 de Outubro,

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE

DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE Faculdade de Economia Despacho n.º xxxxxx A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Economia da UNL Nova School of Business and Economics, abreviadamente designada por Nova SBE, nos

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO

Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior Agrária MESTRADO EM PRODUÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS E PARA FINS INDUSTRIAIS REGULAMENTO Artigo 1º Criação O Instituto Politécnico de Santarém, através da

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA - ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL (edição )

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA - ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL (edição ) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA - ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO-LABORATORIAL (edição 2014-) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto. Artigo 1º. Enquadramento jurídico

Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto. Artigo 1º. Enquadramento jurídico Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto Artigo 1º Enquadramento jurídico O presente regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituido

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional

Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional Ciclo de Estudos de Mestrado em Bioquímica Estrutural e Funcional Normas Regulamentares Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia confere o grau de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EDUCAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e de reingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado (Preâmbulo) A legislação decorrente da

Leia mais

Universidade de Évora Universidade dos Açores. Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia

Universidade de Évora Universidade dos Açores. Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia Universidade de Évora Universidade dos Açores Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia Edital Abertura do Programa de Doutoramento Gestão Interdisciplinar da Paisagem Ano Letivo 2016/2017

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS. Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) Artigo 2.

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS. Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) Artigo 2. REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) 1. O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído

Leia mais

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto

DESPACHO N.º GR.01/04/2014. Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto DESPACHO N.º GR.01/04/2014 Aprova o Regulamento de Aplicação do Estatuto de Estudante Internacional da Universidade do Porto No uso da competência que me é consagrada na alínea o), do n.º 1, do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei e do Regulamento dos Doutoramentos da Universidade de

Leia mais

universidade de aveiro suplemento ao diploma

universidade de aveiro suplemento ao diploma 1 / 8 universidade de aveiro suplemento ao diploma O presente Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento

Leia mais

Exma. Senhora Presidente do Conselho Directivo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Porto DA.SAPE.45 4

Exma. Senhora Presidente do Conselho Directivo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Porto DA.SAPE.45 4 Exma. Senhora Presidente do Conselho Directivo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Porto DA.SAPE.45 4 v.referência v.comunicação n.referência data assunto Proposta de Regulamento do 2 ciclo

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

Regulamento dos Diplomas IST do 3º Ciclo de Estudos Superiores

Regulamento dos Diplomas IST do 3º Ciclo de Estudos Superiores Regulamento dos Diplomas IST do 3º Ciclo de Estudos Superiores Lisboa, 23 de Outubro de 2009 INTRODUÇÃO O nº1 do artigo 39.º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março determina que os estabelecimentos de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO

REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO 17 07 10 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 2015 03 REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1- Consideram-se Estudantes Regulares os Estudantes matriculados

Leia mais