COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE"

Transcrição

1 COMUNICAÇÕES MÓVEIS WCDMA/HSPA/LTE

2 MODULAÇÃO DIGITAL BPSK Binary Phase Shift Keying (2 fases) QPSK Quaternary Phase Shift Keying (4 fases) 8PSK 8 Phase Shift Keying (8 fases) QAM 16 Quadrature Amplitude Modulation (16 níveis) QAM 32 Quadrature Amplitude Modulation (32 níveis) QAM 64 Quadrature Amplitude Modulation (64 níveis)

3 MODULAÇÃO DIGITAL BPSK 1 bit por símbolo 4 PSK 2 bits por símbolo

4 MODULAÇÃO DIGITAL 8PSK 3 bits por símbolo QAM16 4 bits por símbolo

5 MODULAÇÃO DIGITAL Teoricamente, para uma taxa de transmissão R em bits/s a largura da faixa de transmissão corresponde aos valores da tabela a seguir. MODULAÇÃO BPSK LARGURA DA FAIXA R QPSK R/2 8PSK R/3 QAM16 R/4 QAM64 R/6

6 MODULAÇÃO DIGITAL Probabilidade de erro Relação portadora-ruído em db em função do tipo de modulação BPSK QPSK 8PSK QAM16 1/ ,8 10,3 15,7 17,6 1/ ,4 11,8 17,1 19,0 1/ ,6 12,9 18,2 20,1 1/ ,5 13,8 19,0 20,9

7 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO TEOREMA DE SHANNON HARTLEY C = Blog 2 [1 + S/N] C - Capacidade do sistema (bits/s) B - Largura de faixa (Hz) S - Potência média do sinal na entrada do receptor (W) N - Ruído médio na entrada do receptor (W)

8 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO A obtenção do espalhamento pode ser feita através das seguintes técnicas: Espalhamento espectral por sequência direta (DS Direct Sequence); Espalhamento espectral por salto em freqüência (FH Frequency Hopping); Espalhamento espectral por salto no tempo (TH Time Hopping); Espalhamento espectral híbrido O sistema WCDMA emprega a técnica de Sequência Direta (DS). Nesta técnica, o espalhamento é obtido pela multiplicação da mensagem original por uma sequência de bits em uma taxa muito maior do que a utilizada na informação a ser transmitida. Na sequência responsável pelo espalhamento a unidade de transmissão é denominada chip para diferençar da palavra bit da mensagem original. O desespalhamento do sinal é feito por uma operação inversa, onde o receptor gera uma versão sincronizada da sequência original.

9 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO SEQUÊNCIA DIRETA (DS)

10 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO SEQUÊNCIA DIRETA (DS)

11 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO TRANSMISSÃO DS-CDMA

12 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO ACESSO MÚLTIPLO POR DIVISÃO EM CÓDIGO (CDMA)

13 ESPALHAMENTO DO ESPECTRO RECEPÇÃO DS-CDMA

14 SEQUÊNCIAS PSEUDO-ALEATÓRIAS As sequências pseudo-aleatórias (PN Pseudo-Noise) são utilizadas para o espalhamento do sinal e identificação dos usuários. O WCDMA emprega sequências de máximo comprimento (SMC) no embaralhamento SMC por definição são as sequências mais longas geradas por um determinado arranjo de registradores de deslocamento (shift-registers). O comprimento de uma SMC é dado por, L = 2 N -1 onde N é o número de registradores utilizados.

15 SEQUÊNCIAS DE MÁXIMO COMPRIMENTO Exemplo: L = 7 (N = 3) ESTADO INICIAL: 1 ; 0 ; 0 (semente) Reg. 1 Reg. 2 Reg. 3 Saída

16 SEQUÊNCIAS DE MÁXIMO COMPRIMENTO Polinômio gerador da realimentação da sequência P(x) = a n x n + a n-1 x n a 2 x 2 + a 1 x 1 +a 0 x 0 a i = 1 com a i = 0 sem realimentação No exemplo, a 0 = a 2 = a 3 =1, os demais são nulos, ou seja, P(x) = x 3 + a 1 x 2 +1

17 FUNÇÃO AUTO-CORRELAÇÃO FAC FAC F( t) F( t ) dt Quando se trata de sequências de chips, a auto-correlação consiste da comparação chip a chip de uma sequência de comprimento L com a mesma sequência com a fase deslocada de 1 a L chips. CC quantidade de chips coincidentes; FAC = CC CNC CNC quantidade de chips não coincidentes.

18 FUNÇÃO AUTO-CORRELAÇÃO FAC Para o exemplo anterior, tem-se Desl. de fase Fase da sequência CC CNC FAC

19 CÓDIGO DE CANALIZAÇÃO (OVSF Orthogonal Variable Spreading Funtion)

20 CÓDIGO DE CANALIZAÇÃO (OVSF Orthogonal Variable Spreading Funtion) Fator de Espalhamento (SF Spread Factor) relação entre a taxa de transmissão do sinal espalhado e a taxa de transmissão do sinal em banda base. Em db o fator de espalhamento corresponde ao Ganho de Processamento. No WCDMA utilizam-se até 512 códigos OVSF permitindo teoricamente um máximo de 512 canais por portadora de 5MHz. Os códigos OVSF são de tamanho variável e a alocação de códigos de tamanho menor, apesar de permitir maiores taxas de transmissão, reduz o número de códigos possíveis

21 CONTROLE DE POTÊNCIA (malha aberta) 1. O terminal móvel mede a potência do sinal recebido; 2. Esta medida é uma indicação da atenuação no percurso; 3. O terminal móvel transmite para a ERB com um nível de potência compatível com a atenuação do percurso. Equacionamento P R xp T = K constante de proporcionalidade ou P T = K / P R Em db P T (dbm) = 10logK P R (dbm) IS-95 10logK = 73 db P T (dbm) = 73 P R (dbm) P T Potência transmitida; P R Potência recebida Exemplo: P R = 90 dbm P T = 17 dbm Obs. Este controle de potência não é capaz de compensar o desvanecimento multipercurso

22 CONTROLE DE POTÊNCIA (malha fechada) 1. O terminal móvel transmite; 2. A ERB compara com uma referência; 3. A ERB envia uma mensagem de correção. Quando o sinal recebido está abaixo de um determinado limiar, a ERB envia um bit de controle de potência ZERO. O terminal móvel aumenta em 1 db a sua potência de saída; Quando o sinal recebido está acima deste limiar, a ERB envia um bit de controle de potência UM. O terminal móvel diminui em 1 db a sua potência de saída. Esta correção é transmitida na taxa de 800 bits/s.

23 CDMA RECEPTOR RAKE OBJETIVO Compensar o efeito do desvanecimento multipercurso RESOLUÇÃO 0,26 s (duração de um chip na taxa de 3,84 Mcps) ESTRUTURA DE 4 BRAÇOS A ERB utiliza os 4 braços. O terminal móvel utiliza apenas 3, ficando o quarto para o searcher que monitora a intensidade do sinal nas células vizinhas para o procedimento de handover

24 CDMA RECEPTOR RAKE

25 CDMA SOFT HANDOVER

26 CDMA SOFTER HANDOVER

27 CDMA HARD HANDOVER

28 3ª GERAÇÃO TG 8/1 (UIT-R/1986) FPLMTS / IMT-2000 / UIT SERVIÇOS QUALIDADE EQUIVALENTE À RTPC VÍDEO TRANSMISSÃO DE DADOS (COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS E DE PACOTES) CAPACIDADE UMTS / EUROPA VEICULAR: 144 kb/s PEDESTRE: 314 kb/s INTERIOR: 2 Mb/s UNIVERSAL MOBILE TELECOMMUNICATIONS SYSTEM

29 PROPOSTAS IMT-2000 PROPOSTA DESCRIÇÃO ORIGEM DECT Digital Enhanced Cordless Telecommunications ETSI (Europa) UTRA (WCDMA) UMTS Terrestrial Radio Access ETSI (Europa) CDMA xEV-DO TIA (USA) UWC-136 Universal Wireless Communications TIA (USA) TD-SCDMA Time-Division Syncronous CDMA CATT (China) WiMax Móvel IEEE e - Aprovado em 19/10/2007 USA

30 ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS WARC MHz UIT IMT 2000 MSS IMT 2000 MSS 1885 MHz 2025 MHz 2110 MHz 2170 MHz Europa GSM 1800 DECT UMTS MSS UMTS MSS 1880 MHz 1980 MHz MHz 2170 MHz Japão PHS IMT 2000 MSS IMT 2000 MSS MHz 2160 MHz EUA PCS MSS Reservada MSS

31 ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS Situação atual UIT IMT IMT IMT S IMT S IMT M S M S WARC - 92 WRC 2000 Europa E GSM GSM D FDD D C T T D M S S T D D FDD M S S Celular China GSM GSM, PCS IMT M S S IMT M S S P PDC Japão H IMT S M S S IMT M S S Coréia P P Celular C C IMT S S M S S IMT M S S Celular América do Norte PCS A B C D EF A B C D EF M S S Reser M S S

32 HARMONIZAÇÃO REQUISITOS DOS PROVEDORES DE SERVIÇO EVOLUÇÃO A PARTIR DA INFRAESTRUTURA EXISTENTE MINIMIZAR CONFLITOS NO USO DO ESPECTRO CONCORRÊNCIA x REDUÇÃO DE CUSTO REQUISITOS DOS FABRICANTES PADRÃO GLOBAL COMERCIALIZAÇÃO REDUÇÃO DO CUSTO DE P&D DIREITO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL REQUISITOS DOS USUÁRIOS ROAMING GLOBAL CUSTO TERMINAL SERVIÇO QUALIDADE DO SERVIÇO

33 HARMONIZAÇÃO PROJETOS ASSOCIADOS 3GPP Evolução do GSM ETSI ; ARIB ; ATIS ; CCSA ; TTA ; TTC 3GPP2 Evolução do CDMA ANSI ; ARIB ; TIA ; TTA ; TTC ETSI European Telecommunications Standard Institute Europa ARIB Association of Radio Industries and Business Japão ATIS Alliance for Telecommunications Industry Solutions USA CCSA China Communications Standard Association China TTA Technological Telecommunications Association Coréia do Sul TTC Telecommunications Technology Committee Japão TIA Telecommunications Industry Association USA

34 3GPP OBJETIVOS MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PADRÃO GSM ESPECIFICAÇÕES E RELATÓRIOS TÉCNICOS RELATIVOS À 3ª G EVOLUÇÃO A LONGO PRAZO RELEASES AS INFORMAÇÕES DO 3GPP SÃO DIVULGADAS ATRAVÉS DE RELEASES. ESPECIFICAÇÕES RELATIVAS À 3ªG COMEÇARAM A SER DIVULGADAS A PARTIR DO RELEASE 99. OS RELEASES ANTERIORES REFEREM-SE AOS PADRÕES GSM, GPRS E EDGE.

35 RELEASES UMTS Universal Mobile Telecommunications System HSPA /DL (HSDPA) High Speed Downlink Packet Access HSPA/UL (HSUPA) High Speed Uplink Packet Access LTE Long Term Evolution LTE Adv Long Term Evolution Advanced

36 CARACTERÍSTICAS DO WCDMA RECEPTOR RAKE CONTROLE DE POTÊNCIA (1,5 khz) Malha aberta Malha fechada HANDOVER CÓDIGOS Soft Handover Softer Handover Hard Handover Canalização OVSF Orthogonal Variable Spreading Factor Embaralhamento Sequência PN (2 41 1)

37 WCDMA X 1xEV-DO Largura de faixa 5 MHz 1,25 MHz Taxa de chip 3,84 Mc/s 1,2288 Mc/s Canalização OVSF Walsh Modulação QPSK (direto) / BPSK (reverso) QPSK (direto) / BPSK (reverso) Duração do quadro 10 ms 10 ms Taxa máxima 2 Mb/s 2,4 Mb/s Controle de potência Sincronismo das ERBs 1,5 khz 800 khz Assíncrona Síncrona (GPS)

38 WCDMA X GSM

39 External Networks UMTS System Architecture Uu Iu USIM Node B Node B RNC MSC/ VLR GMSC Cu Iub Iur HLR ME Node B Node B RNC SGSN GGSN UE UTRAN CN

40 UTRAN UE UTRAN CN UMTS Terrestrial Radio Access Network, Overview Two Distinct Elements : Base Stations (Node B) Radio Network Controllers (RNC) 1 RNC and 1+ Node Bs are group together to form a Radio Network Sub-system (RNS) Handles all Radio-Related Functionality Soft Handover Radio Resources Management Algorithms Maximization of the commonalities of the PS and CS data handling Node B Node B Node B Node B RNS RNC RNC RNS UTRAN

41 External Networks Core Network UE UTRAN CN Core Network, Release 99 CS Domain : cs MSC/ VLR GMSC Mobile Switching Centre (MSC) Switching CS transactions Visitor Location Register (VLR) Holds a copy of the visiting user s service profile, and the precise info of the UE s location Gateway MSC (GMSC) The switch that connects to external networks ps SGSN HLR GGSN PS Domain : Serving GPRS Support Node (SGSN) Similar function as MSC/VLR Gateway GPRS Support Node (GGSN) Similar function as GMSC Register : Home Location Register (HLR) Stores master copies of users service profiles Stores UE location on the level of MSC/VLR/SGSN

42

43 GERAÇÃO DA INTERFERÊNCIA ENTRE SÍMBOLOS (ISI)

44 DESVANECIMENTO SELETIVO

45 OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplex Transmissão em paralelo de dados utilizando grande número de sub-portadoras com modulação PSK ou QAM. Este procedimento implica em pequenas taxas de transmissão por portadora, limitando a sensibilidade à dispersão no tempo e reduzindo a interferência entre símbolos (ISI).

46 OFDM Orthogonal Frequency Division Multiplex O espaçamento entre portadoras é definido de tal forma que cada uma fique posicionada nos pontos de zero das demais (condição de ortogonalidade). No domínio do tempo um intervalo de tempo é adicionado antes de cada símbolo para reduzir a ISI. Este intervalo é calculado de forma que as componentes multipercurso de um símbolo não interfiram no símbolo subsequente.

47 REPRESENTAÇÃO TEMPO-FREQUÊNCIA DO SINAL OFDM

48 DESVANTAGENS DO OFDM 1. Suscetibilidade ao erro de frequência ocasionado pelo oscilador local ou por desvio Doppler. Este erro ocasiona a interferência entre portadoras (ICI Inter Carrier Interference); 2. Alta relação potência de pico / potência média (PAPR Peak-to-Average Power Ratio). Motivo: O OFDM não possui amplitude constante, ou seja, a potência de RF instantânea pode variar bruscamente durante a transmissão de um símbolo.

49 INTERFERÊNCIA ENTRE SUB-PORTADORAS (ICI INTERCARRIER INTERFERENCE)

50 MÚLTIPPLO ACESSO (Orthogonal Frequency Division Multiple Access) ENLACE DIRETO OFDMA Orthogonal Frequency Division Multiple Access As sub-portadoras são alocadas dinamicamente entre os diversos usuários. Apresenta maior proteção para o desvanecimento seletivo, rejeição de interferências e flexibilidade de canalização. ENLACE REVERSO SC-FDMA Single Carrier-Frequency Division Access Equivalente ao OFDMA relativamente à proteção ao desvanecimento seletivo e flexibilidade de canalização, apresentando menor relação potência de pico / potência média (PAPR).

51 OFDM X OFDMA

52 COMPARAÇÃO OFDMA SC-FDMA

53 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output) Diversidade espacial melhoria no desempenho do sistema relativamente ao efeito do desvanecimento. A s antenas de recepção recebem a mesma informação Multiplexação espacial aumento da taxa de transmissão do através da utilização de percursos diferentes. As antenas transmitem informações distintas que são codificadas para serem reconhecidas no receptor

54 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output) DIVERSIDADE DE ESPAÇO

55 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output) A tecnologia MIMO aproveita a melhoria do efeito de diversidade e possibilita o aumento da taxa de transmissão. A transmissão de informações diferentes codificadas (multiplexação espacial) são recebidas em antenas separadas espacialmente (diversidade de espaço). Esta tecnologia pode ser aprimorada através do ajuste adaptativo do feixe das antenas (beamforming).

56 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output) AJUSTE ADAPTATIVO DO FEIXE (Beamforming) Os sistemas adaptativos são capazes de dirigir o feixe na direção desejada e movê-lo em tempo real. Neste caso, são utilizados conjuntos de antenas na recepção. Isto implica em complexidade e custo.

57 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output)

58 TECNOLOGIA MIMO (Multiple Input Multiple Output) Os dados a serem transmitidos são divididos em M feixes independentes Transmissão simétrica (m = n) M m Transmissão assimétrica (m > n) M n Teorema de Shannon Hartley Configurações usuais C = MBlog 2 [1 + S/N] 2 X 2 e 4 X 4

59 SITUAÇÃO MUNDIAL (DEZEMBRO 2010)

60 EVOLUÇÃO HSPA ENLACES DIRETO E REVERSO

61 EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA HSPA

62 COMPARAÇÃO HSPA / WiMAX / LTE

63 LATÊNCIA

64 COMPARAÇÃO LINHA FÍSICA / RÁDIO

65 FAIXAS DE FREQUÊNCIA UMTS/FDD

66 FAIXAS DE FREQUÊNCIA LTE/FDD TDD

67 EFICIÊNCIA ESPECTRAL ENLACE DIRETO

68 EFICIÊNCIA ESPECTRAL ENLACE REVERSO

69 LIMITE DE SHANNON

70 EVOLUÇÃO EDGE / HSPA / LTE / EV-DO

71 LTE SITUAÇÃO ATUAL (MARÇO 2011)

72 PREVISÃO DE MERCADO

73 IMT-ADVANCED / LTE- ADVANCED

74 LTE ADVANCED COBERTURA INDOOR COM REPETIÇÃO

75 FEMTOCELL Estação Rádio Base (ERB) de pequena dimensão desenvolvida para operar no interior de residências. As Femtocells empregam baixa potência nas frequências dos sistemas celulares e se conectam à rede da operadora através da conexão banda larga disponível na residência.

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

7 - Sistemas WCDMA e Evoluções

7 - Sistemas WCDMA e Evoluções Planejamento de Sistemas de Comunicações Celulares e de Radioacesso 7 - Sistemas WCDMA e Evoluções Agenda Conceito 3G UMTS e WCDMA Canais Lógicos HSDPA & HSUPA Tendência CETUC-PUC/Rio ELE 2614 Cap6 Sistemas

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»TELECOMUNICAÇÕES «21. O receptor super-heterodino, foi inventado em 1918 por Edwin Armstrong. O seu princípio de funcionamento é o da conversão de frequência: o sinal captado

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTF e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 26 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations

2 Tecnologia LTE. 2.1. Arquitetura da Rede. 2.1.1. Enhanced Base Stations 2 Tecnologia LTE 2.1. Arquitetura da Rede Existe há alguns anos uma tendência para que as redes migrem os serviços que utilizam circuit switch (CS) para uma rede baseada totalmente em IP, packet switch

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Engenheiro Eletricista, ênfase em Eletrônica, pela Universidade Federal da Bahia (2003).

Engenheiro Eletricista, ênfase em Eletrônica, pela Universidade Federal da Bahia (2003). Redes 3G e Evolução para as Redes 4G Este tutorial apresenta de forma sucinta as tecnologias das redes 3G, e o caminho de evolução dessas redes para as tecnologias 4G, notadamente para o Long Term Evolution

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Tecnologias 3G: uma visão prática

Tecnologias 3G: uma visão prática UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS, GERÊNCIA E SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES MIGUEL ANGELO CORRÊA CARDOSO Tecnologias 3G: uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA NO SISTEMA WCDMA NITERÓI 2010 CARLA MATHEUS MOREIRA VIEIRA INTERFERÊNCIA

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA MÓVEL ATÉ 2013 Guaratinguetá 2013 LEONARDO NOBORU TAKEDA EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares

Sistemas de Comunicações Móveis. Redes Celulares Redes Celulares Sistemas Celulares SiCe (1/6) Os sistemas de comunicações celulares baseiam-se no princípio da reutilização de um canal (frequência, tempo, código): um canal que é usado para cobrir uma

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Sistemas MIMO com STBC e Correcção de Erros em Comunicações Móveis de Alto Débito

Sistemas MIMO com STBC e Correcção de Erros em Comunicações Móveis de Alto Débito Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Sistemas MIMO com STBC e Correcção de Erros em Comunicações Móveis de Alto Débito Ludovic Mamede Costa Dissertação apresentada ao Instituto

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 29 de junho de 2009 1 Resumo É apresentado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando o circuito mostrado na figura acima, julgue os itens seguintes. 51 O valor da tensão v o é igual a 10 V. 52 O valor da corrente I 2 é igual a 1 ma. 53 O equivalente

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio

Sistemas de Comunicações Móveis. Interface Rádio Interface Rádio Técnicas de Acesso Múltiplo TeAM (1/23) A transmissão de informação bidireccional (canais ascendente, UL uplink, e descendente, DL downlink) em sistemas duplex pode ser feita por divisão:

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Rede Celular: Avaliação da Transição de GSM/GPRS para 3G/UMTS

Rede Celular: Avaliação da Transição de GSM/GPRS para 3G/UMTS Rede Celular: Avaliação da Transição de GSM/GPRS para 3G/UMTS O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Fábio Cunha Oliveira para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física

Capítulo 2: Camada Física. Capítulo 2. A camada física Capítulo 2: Camada Física Capítulo 2 A camada física slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução

Redes de Telefonia Móvel Celular. Sumário. Introdução Redes de Telefonia Móvel Celular $OXQR &DUORV $OEHUWR 9LHLUD &DPSRV 2ULHQWDGRU /XtV )HOLSH 0DJDOKmHV GH 0RUDHV Sumário Introdução Evolução das redes celulares Comparação entra algumas tecnologias Arquitetura

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

CAC-RD: Controle de Admissão de Chamadas para Redes UMTS

CAC-RD: Controle de Admissão de Chamadas para Redes UMTS Carlos Renato Storck CAC-RD: Controle de Admissão de Chamadas para Redes UMTS Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia Universidade Católica de Minas

Leia mais

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR

HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR HISTÓRICO DA TELEFONIA CELULAR Antes de qualquer coisa é preciso apresentar o conceito de telefone celular. Este conceito pode ser definido como um transmissor de baixa potência onde freqüências podem

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular 18 2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular Neste capítulo será mostrada uma configuração básica para qualquer sistema de comunicação móvel celular, relacionando as principais funções de cada

Leia mais

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI

Prof.: GIANOTO EE012 - FEI TELEFONIA CELULAR Tecnologia celular digital - sistema TDMA TDMA= Time Division Multiple Acess Multiplexação digital As informações de vários usuários são transmitidas em um canal comum em um determinado

Leia mais

Ediclei Alves de Oliveira. Proposta de Transmissão de Dados em Redes de Telefonia Celular CDMA2000

Ediclei Alves de Oliveira. Proposta de Transmissão de Dados em Redes de Telefonia Celular CDMA2000 Ediclei Alves de Oliveira Proposta de Transmissão de Dados em Redes de Telefonia Celular CDMA Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para a obtenção do Título de Mestre

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 3G TECNOLOGIAS E DESEMPENHO. Área de Telecomunicações. por. Paulo de Nhandé da Silva Barnabé

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 3G TECNOLOGIAS E DESEMPENHO. Área de Telecomunicações. por. Paulo de Nhandé da Silva Barnabé UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA 3G TECNOLOGIAS E DESEMPENHO Área de Telecomunicações por Paulo de Nhandé da Silva Barnabé Profa. Ms. Débora Meyhofer Ferreira Orientador Campinas

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO EM ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES TIAGO FRANCISCO BARROS CAVALCANTE UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE BPSK E QAM, UTILIZANDO OFDM, COM APLICAÇÃO

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS

Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS Avaliação da Transmissão de Televisão Digital Móvel em Redes UMTS Jerônimo S. Rocha, Carlos Danilo M. Regis, Pedro Leonardo F. Costa, José Ewerton P. Farias e Marcelo S. Alencar Resumo Neste trabalho são

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE

Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Diego dos Santos Planejamento de Cobertura e Capacidade de Redes de Acesso em Banda Larga com Tecnologia LTE Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

Capítulo 4. Técnicas de Acesso Múltiplo

Capítulo 4. Técnicas de Acesso Múltiplo Capítulo 4 para Comunicações Wireless Técnicas de acesso múltiplo são utilizadas para permitir a múltiplos usuários dividirem simultaneamente uma porção finita do espectro de rádio, resultando em alta

Leia mais

Introdução. UMTS - ntrodução

Introdução. UMTS - ntrodução UMTS - ntrodução Introdução O crescimento sem precedentes verificado nos últimos tempos no mercado da comunicação sem fios, juntamente com os avanços das tecnologias da comunicação e o desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Um estudo do aumento da capacidade de sistemas 3G WCDMA usando técnicas 3.5G de expansão

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Engenharia Eletrônica e de Computação

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Engenharia Eletrônica e de Computação Universidade Federal do Rio de Janeiro Eola Politécnica Departamento de Engenharia Eletrônica e de Computação LTE: Estudo da Estimação de Canal em um Cenário Multiusuário Autor: Breno do Naimento Espíndola

Leia mais

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 ELIÉZER SPINELLI MELO YGOR COSTA LIMA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD

Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Impacto das Interferências Intra- e Inter-Celulares na Capacidade em UMTS-FDD Hugo Esteves, nº 49352, AE de Telecomunicações Mário Pereira, nº

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO

PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CARLOS VINICIO RODRÍGUEZ RON PLANEJAMENTO DE SISTEMAS CELULARES NA TRANSIÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia

Leia mais

Dissertação de Mestrado

Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Dissertação de Mestrado Avaliação

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 4: Multiplexação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: TELE 3 MOURA LACERDA Telefonia Móvel 4G A tecnologia da quarta geração de telefonia móvel, ou 4G, designa uma tecnologia que oferece altíssimas velocidades de conexão com a

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Segurança de Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Sumário Redes sem Fio Infraestrutura Ad Hoc Características de Enlaces sem Fio Princípios de Radiofrequência Tecnologias

Leia mais

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005).

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Goiás (2005). Telefonia Móvel Celular e sua Aplicação para Tráfego de Dados Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005. O conteúdo

Leia mais

Controle de Acesso ao Meio

Controle de Acesso ao Meio Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Controle

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO Este artigo descreve telefonia celular e portabilidade. Será mostrada a evolução

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

3G UMTS a força de um projeto global

3G UMTS a força de um projeto global 3G UMTS a força de um projeto global Mario Baumgarten Vice Chairman UMTS Forum Latin America Sobre o UMTS Forum O que é Fórum internacional intersetorial composto de operadores, fabricantes, reguladores,

Leia mais

1 Introdução Introdução

1 Introdução Introdução 1 Introdução 14 1 Introdução As comunicações móveis sofreram um grande avanço com o advento dos sistemas móveis celulares. Estes sistemas apresentam uma série de vantagens sobre os sistemas móveis convencionais.

Leia mais

UMTS. Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP

UMTS. Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP UMTS 1 UMTS Universal Mobile Telecommunication System MPR FEUP Bibliografia UMTS 2 Harri Holma, Antti Toskala, WCDMA for UMTS, Radio Access For Third Generation Mobile Communications, 2000, John Wiley

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT

PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT PROPOSTA PRELIMINAR DE PROJETO Estudo de viabilidade técnica e levantamento de requisitos para um canal de comunicação ( DOWNLINK ) para o SARVANT INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CONTEÚDO Introdução...

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Redes Inteligentes e as Redes Móveis

Redes Inteligentes e as Redes Móveis Redes Inteligentes e as Redes Móveis Definições de mobilidade Recordar: Arquitecturas GSM, GPRS e UMTS Introdução dos conceitos IN na rede GSM: CAMEL Definições de mobilidade, desafios Mobilidade terminal

Leia mais