Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (PNUMA) Guia de Estudos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (PNUMA) Guia de Estudos"

Transcrição

1 Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente (PNUMA) Guia de Estudos Angelo Rocha Paschoaleto Ana Paula Borges de Souza Johanna Arend dos Santos Paula Danielle Matheus Renata Vieira Lourenço

2 1. PNUMA: Mandato e missão. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) foi criado em 1972 como uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU) voltada especificamente para os temas relacionados ao meio ambiente. A agência possui sua sede em Nairóbi, Quênia, e além disso possui uma rede de escritórios regionais "para apoiar instituições e processos de governança ambiental e, por intermédio desta rede, engaja uma ampla gama de parceiros dos setores governamental, não-governamental, acadêmico e privado em torno de acordos ambientais multilaterais e de programas e projetos de sustentabilidade" (PNUMA, 2014). É a principal autoridade global no tema e procura promover o uso consciente de recursos, no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável, e a conservação do planeta. As resoluções promovidas pelo programa não são mandatórias, são apenas recomendações (PNUMA, 2014). O PNUMA atua como educador, facilitador, defensor e catalisador para promover um uso consciente de recursos e proteger o ambiente para futuras gerações (UNEP, 2014). Entre seus trabalhos como uma agência internacional estão "a avaliação de condições e tendências ambientais que sejam globais, regionais ou nacionais; o desenvolvimento de instrumentos ambientais nacionais e internacionais; e o fortalecimento de instituições para que haja uma estão consciente do meio ambiente." (UNEP, 2014, tradução nossa). Seus principais objetivos englobam o monitoramento do meio ambiente global; alertar nações e povos sobre problemas existentes; e a recomendação de medidas que ajudem na qualidade de vida das populações - de forma que não agrida o meio ambiente e não comprometa os recursos naturais e serviços ambientais para as futuras gerações. O mandato da agência é definido como ser a autoridade ambiental global líder que define a agenda ambiental global, que promove a aplicação coerente das dimensões ambientais do desenvolvimento sustentável no âmbito do sistema das Nações Unidas e que serve como uma autoridade defensora para o meio ambiente global (UNEP, 2014, tradução nossa) e sua missão é a de "prover liderança e encorajar parcerias no cuidado com o meio ambiente, inspirando, informando e capacitando nações e povos a melhorar sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras" (UNEP, 2014, tradução nossa).

3 2. Perguntas que os delegados devem procurar responder no comitê 2.1. Como os Estados que assinaram a III Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) e que estão vinculados ao Sistema ONU, do qual o PNUMA faz parte, podem colaborar para eficácia da gestão correta do lixo e dos poluentes marinhos por parte dos outros países? 2.2. Como os Estados membros da III CNUDM podem estabelecer entre si a responsabilidade pela poluição nas regiões de alto-mar? 2.3. Quais medidas podem ser tomadas para a diminuição da poluição marinha e que menos prejudiquem os países envolvidos, levando-se em conta o direito internacional, o direito do mar e a soberania de cada país? 2.4. Levando em conta as sessões, qual é a melhor forma que o Direito Internacional pode ser utilizado usado para a diminuição da poluição marinha? 2.5. A poluição por plásticos é uma das mais comuns e mais prejudiciais para o ambiente marinho atualmente. Dessa forma, com quais medidas seria possível diminuir seu descarte indevido? 3. Posição dos países 3.1. África do Sul Desde 1959, o país é membro e coopera, através do seu departamento para assuntos ambientais, com ada Comissão para a conservação dos recursos vivos marinhos Antárticos (DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL AFFAIRS, 2010). De acordo com o departamento (2010), a posição estratégica do país, adjacente aos oceanos índico e atlântico, torna a África do Sul vulnerável a qualquer impacto nesses oceanos, dado que isso pode afetar diretamente o clima, o tempo e o litoral do país. O tratado do Ártico lida em essência com a cooperação para pesquisas científicas, proteção aos ecossistemas e ao meio ambiente, conservação de plantas e animais, preservação de locais históricos e gestão de áreas protegidas. Em 2010, o país recebeu

4 workshops da Comissão e contribuiu para que seu status de interessado e grande colaborador da causa se fortalecesse (DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL AFFAIRS, 2010). A África do Sul também é um dos signatários da Convenção de Nairóbi de 1985 para a proteção, gestão e desenvolvimento do ambiente marinho e costeiro da região do Leste Africano. Como obrigação dos signatários, está a de tomar medidas apropriadas em conformidade a Lei Internacional, à Convenção e seus protocolos de modo a prevenir, reduzir e combater a poluição marinha e costeira na região leste africana (NAIROBI CONVENTION, 1985). De acordo com a Convenção (1985), a exploração de recursos naturais deve ser realizada com o mínimo de impactos possível e de acordo com as capacidades de cada país. Além disso, todas as medidas tomadas devem, sobretudo, não causar poluição ao ambiente de fora da área dos países da convenção. Em discurso oficial em 2008, o governo da África do Sul, através da Ministra Rejoice Mabudafhasi, afirmou que em abril de 2000, o governo publicou um plano de ação abrangente e uma política nacional para desenvolvimento costeiro sustentável com o intuito de alcançar um balanço entre a prosperidade material e a integridade costeira. Ao mesmo tempo, afirma que se juntou a 100 países para implantar o Programa Global de Ação para a proteção do Ambiente Marinho das atividades baseadas em terra (DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL AFFAIRS, 2008, tradução nossa). Nesse sentido, para o país, a gestão da área costeira se instituiu no governo de maneira sólida. O Programa Global de Ação para a proteção do Ambiente Marinho das atividades baseadas em terra foi introduzido em Durante discurso, o viceministro do país no período, Rejoice Mabudafhasi, afirmou que cerca de 80% da poluição marinha do país vem dessas atividades em terra (DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL AFFAIRS, 2008), uma vez que o despejo de seus resíduos é realizado no mar. Ainda em seu discurso, afirmou que medidas corretivas devem ser continuamente tomadas para evitar a ameaça a comunidades costeiras, à biodiversidade, os ecossistemas costeiros e marinhos, esgotando ainda qualquer possibilidade de se explorar recursos renováveis em benefício do próprio país. Em acréscimo, teme a ameaça que as mudanças climáticas decorrentes dos desequilíbrios

5 ambientais podem causar na região (DEPARTMENT OF ENVIRONMENTAL AFFAIRS, 2008) Alemanha O país ratificou a III Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), assim como o Acordo de Implementação da Parte XI 1 da Convenção de 1982, em 14 de outubro de Foi um dos primeiros Estados industrializados a aderir à CNUDM e ao Acordo de Implementação. Suas linhas costeiras envolvem o Mar do Norte e o Mar Báltico, somando aproximadamente 2000 km de costa. Ambos os mares estão ameaçados ambientalmente, portanto, um dos aspectos dominantes da política de direito do mar da Alemanha envolve a proteção do ambiente marinho (TREVES; PINESCHI, 1997). Nos termos da Convenção, o país é considerado geograficamente desvantajoso. As medidas de suas costas não correspondem ao tamanho de seu território. Portanto, devido à configuração geográfica de ambas as suas costas, a Alemanha não possui uma plataforma continental significativa e não possui uma Zona Econômica Exclusiva (ZEE). Sendo assim, existem tendências de que o país se interesse por uma extensão das leis da União Europeia, não apenas em termos de pesca, mas também na exploração, uso e acesso aos recursos da plataforma continental europeia e da sua ZEE (TREVES; PINESCHI, 1997) Argentina A República Argentina possui 43 áreas protegidas da costa atlântica, um dos biomas mais produtivos e melhor conservados do mundo. De Punta Rasa, na oriental província de Buenos Aires, até o austral Canal de Beagle, estas áreas somam 1,6 milhão de hectares, Atlântico. Portanto, é um país de notável importância marinha e que tem o dever de zelar pela proteção dessas áreas. Principalmente porque toda essa riqueza está ameaçada por exploração de petróleo, pesca, turismo e contaminação urbana e industrial (VALENTE, 2014). Na faixa costeira, são 25 cidades com mais de dez mil habitantes, com terminais portuários importantes, como Mar del Plata ou Bahía Blanca, em Buenos Aires, Puerto Madryn, em Chubut metade mar e metade terra, em quase cinco mil 1 O Acordo de Implementação da Parte XI da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar teve como função regulamentar os fundos oceânicos, então denominados de Área. Esse termo designa o leito do mar, os fundos marinhos e o seu subsolo além dos limites da jurisdição nacional (OLIVEIRA, 2007).

6 quilômetros de costas no Oceano, e Ushuaia, na província da Terra do Fogo, um arquipélogo de grande riqueza natural, muito procurado por turistas (VALENTE, 2014). O governo argentino investe em cursos gratuitos para complementar a formação de profissionais, destacando as dificuldades, a sensibilidade e os cuidados que o ambiente antártico apresenta, inclusive a importância de preservar esse meio Austrália A Austrália tem buscado garantir um acesso maior aos recursos de seu direito nos oceanos, porém, tem buscado o fazer de acordo com a III Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (III CNUDM), a qual ratificou, junto com o protocolo adicional, em 1994 (UN, [2014]). A ampliação deste acesso, portanto, tem sido realizada com respeito ao ambiente marinho, e o país se consagra como um dos principais nomes ao que se refere ao uso sustentável dos mares (DUMBRILLE, 2013). Segundo o Departamento de Relações Exteriores e Comércio do Governo Australiano, o país está comprometido com o desenvolvimento sustentável, ao buscar um gerenciamento adequado dos recursos naturais, o controle e a redução da poluição e a redução da emissão de gases que acelerem o efeito estufa (RICHARDSON, 2012), tendo se destacado como um exemplo a ser seguido. Uma demonstração disso é o número de reservas criadas, enquanto a própria economia australiana cresceu ao longo dos anos, principalmente com relação ao turismo ecológico, o que demonstra um uso sustentável destas regiões, como é o caso da Grande Barreira de Corais (DUMBRILLE, 2013). Junto com a Nova Zelândia, tem sido um dos principais nomes na preservação de pescados, tendo se envolvido em processos com países estratégicos economicamente, como o Japão, como foi o caso da pesca de atum 2 julgado pelo Tribunal Internacional sobre os Direitos do Mar (ITLOS, [2014]). O país ratificou o 2 Com o intuito de manter as populações de atum de nadadeira azul, Austrália, Nova Zelândia e Japão realizaram um acordo em 1993, conhecido como Convenção para a Conservação do Atum de Nadadeira Azul do Sul (LIEBER, 2010). Em 1998 o Japão iniciou, de forma unilateral, um projeto de pesquisa experimental do espécime, que estipulava a coleta máxima de 1400 toneladas extras ao ano. O caso foi levado ao Tribunal Internacional de Direito do Mar, apesar do protesto japonês de que não cabia àquele Tribunal o julgamento do caso, pois o acordo não se baseou na III CNUDM (ITLOS, 1999a). A decisão proferida em 1999 pelo Tribunal determinou a necessidade em se reduzir a pesca, de forma a manter os estoques para médio e longo prazo (ITLOS, 1999b). Mesmo assim, as quantidades pescadas do atum se mantém acima do permitido, sendo que o mercado japonês corresponde 80% do consumo do pescado (LIEBER, 2010).

7 Acordo para Implementação das Disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 10 de dezembro de 1982 sobre a Conservação e Ordenamento de Populações de Peixes Transzonais e de Populações de Peixes Altamente Migratórios em 1999 (UN, [2014]) Na reunião anual da Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos, ocorrida em outubro de 2013, Austrália, União Européia e França tentaram aprovar a criação de uma reserva ambiental em uma região marinha no Leste da Antártica (FOYLE, 2013). Rússia, China e Ucrânia, porém, foram contra a criação das reservas (FOYLE, 2013). No Índice de Performance Ambiental (IPA-Yale, 2014) deste ano, o país possui a melhor avaliação dentre os membros do G-20, ocupando a 3º posição (HSU et al., 2014) Bélgica A Bélgica foi um dos países signatários da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNITED NATIONS TREATY COLLECTION, 2013). O país está entre os primeiros a implementarem um sistema de planejamento espacial marítimo de forma operacional e de uso múltiplo que cobre seu mar territorial assim como sua ZEE (MARINE SPATIAL PLANNING INITIATIVE, 2014[a]). Em seu planejamento, a Bélgica visa atingir ambos os objetivos econômicos e ecológicos, incluindo o desenvolvimento de parques eólicos offshore, a delimitação de áreas marinhas protegidas, um plano de ação para a extração sustentável de cascalho e areia, o mapeamento de habitats marinhos, a proteção da biodiversidade e a gestão das atividades terrestres que afetam o ambiente marinho (MARINE SPATIAL PLANNING INITIATIVE, 2014[a], tradução nossa) Bolívia O Estado Plurinacional da Bolívia, não possui litoral. Basicamente, a Bolívia tem três importantes redes hidrográficas: Bacia do Amazonas, Central e da Prata. A primeira é compreendida ao norte, tendo como principais afluentes os rios Madre de Dios, Orthon e Abuná. Na parte central, o Lago Titicaca está em conjunto também com o rio Desaguadero e o Salar de Uyuni. No Sul, também conhecida como Bacia da Prata, temos o Rio Paraguai, Pilcomayo e Bermejo como principais.

8 A Bolívia não possui um Ministério do Meio Ambiente, mas há uma preocupação com a poluição e com problemas ambientais por parte do Ministerio de Hidrocarbonetos e Energia e pela instituição Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), responsável pelo abastecimento de gás natural e gasolina na Bolivia, entre outras coisas (YPFB, [2014]) Brasil A República Federativa do Brasil é um dos países ratificados na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, e ainda sim, por ser um país em desenvolvimento, não tem todos os quesitos de saneamento básicos preenchidos. Em todas as regiões costeiras do país há problemas relacionados a saneamento básico, instabilidades natural correlacionadas a construções civis próximos a costa marítima, extração exacerbada de recursos naturais, acidentes em indústrias petrolíferas e descarte inapropriado de esgoto em águas marinhas (PAULENIR CONSTÂNCIO, 2014). O Brasil é banhado pelo Oceano Atlântico, numa extensão total de km. Existem políticas de preservação ambiental que abrangem também âmbitos marinhos, porém sem uma fiscalização eficaz (PAULENIR CONSTÂNCIO, 2014). No Brasil há uma grande preocupação com a poluição e a degradação do mar. O ministério do meio ambiente investe em pesquisas, na prevenção e no controle da poluição marinha. A 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente tem o papel de incentivar o entendimento da natureza e o interesse nas Unidades de Conservação, que têm um papel essencial na gestão dos resíduos sólidos em municípios (PAULENIR CONSTÂNCIO, 2014) Canadá A Oceans Strategy do Canadá é a declaração política do país para a gestão dos ecossistemas marinhos e costeiros. A estratégia é formada por um planejamento de gestão integrado e áreas de proteção marítimas, além de amplas discussões e consultas com partes interessadas nos oceanos e gestão dos oceanos dentro da comunidade internacional. Ela também possui âmbito nacional e procura definir uma nova direção para a política dos oceanos. A Oceans Strategy procura fazer integração entre diferentes atores, como os governos provinciais e territoriais, comunidades indígenas afetadas, indústrias envolvidas com os oceanos (pesca,

9 transporte, gás e petróleo), Organizações Não-Governamentais, comunidades costeiras, sociedade civil e quem mais se interessar (FISHERIES AND OCEANS CANADA, 2014). O país ratificou em 07 de novembro de 2003 a CNUDM de De particular importância para o Canadá é o artigo 234 da CNUDM, o qual permite que o Canadá possa cumprir um estrito regime de prevenção de poluição na Zona Econômica Exclusiva da região do Ártico (FISHERIES AND OCEANS CANADA, 2013). Esse artigo foi negociado dentro da convenção pelo Canadá com o nome de "Cláusula Ártico", do artigo 234. É especificamente relativa à prevenção, redução e controle da poluição marinha de embarcações nas áreas cobertas de gelo dentro da ZEE. Juntamente com o apoio da Arctic Waters Pollution Prevention Act, o Canadá atualmente exerce jurisdição para poluição até 200 milhas náuticas (FISHERIES AND OCEANS CANADA, 2013) Chile A República do Chile possui um extenso litoral (6.435 km) contido no Oceano Pacifico e no sul do Oceano Atlântico. O país enfrenta a problemática de um descarte adequado para o esgoto, que acaba sendo emitido nas águas e causando poluição. O governo tem incentivado uma campanha de limpeza das praias chilenas, que ocorre no Dia Internacional de Limpeza Costeira. O Chile possui uma legislação, no Ministério do Meio Ambiente, que determina áreas protegidas, tanto terrestres quanto marinhas (MINISTERIO DEL MEDIO AMBIENTE DE CHILE, [2014] China A China tradicionalmente mantinha até 2005 uma visão conservadora desenvolvimentista ao que se refere ao meio ambiente, que tem apresentado ligeiras mudanças diante da intensidade dos problemas ambientais que o país tem vivido (STERNFELD & VON WALDERSEE). Com o crescimento econômico explosivo que vem acontecendo no país, o número de complicações e gastos ambientais tem crescido consideravelmente, atingindo 9% do PIB chinês, segundo o Banco Mundial (XU, 2014). Os danos ambientais tem causados problemas que ultrapassam as fronteiras nacionais, e vizinhos como Japão e Coreia começam a mostrar preocupação a respeito de problemas como chuvas ácidas, tendo apontado a questão em suas agendas

10 externas para a região (XU, 2014). A China desenvolveu um ambicioso planejamento para conter a degradação ambiental (XU, 2014) e tem buscado iniciativas para os seus problemas, como o investimento em energia limpa, hoje sendo o maior investidor na área (LEITE, 2013), ainda que tenha havido uma queda nos investimentos de forma generalizada no ano de 2013 (ABRANCHES, 2014). Em sua política externa, junto de Brasil, Índia e África do Sul, tem participado de foros multilaterais sobre meio ambiente através da coalizão BASIC (HOCHSTETLER, 2012) e com esses é colocado com uma das lideranças do G-77, ainda que o BASIC não tenha buscado uma posição de liderança nas negociações ambientais (HOCHSTETLER, 2012), porém, é ainda relutante a respeito dessa participação de forma mais intensa (HOCHSTETLER, 2012). É signatária da III CNUDM e do protocolo adicional desde 1996 (UN, [2014]) e ocupa posição número 118 no IPA-Yale 2014 (HSU et al., 2014), à frente apenas da Índia dentre os países do BRICS Dinamarca Na Dinamarca, foram tomadas algumas medidas para minimizar a poluição das águas. Em Janeiro de 1987 houve um Plano de Ação para o Ambiente Aquático no qual foi estabelecido como objetivo a diminuição de 50% de nitrogênio e 80% de fósforo. O plano de ação cobre três grandes fontes: agricultura, estações de tratamento de águas residuais municipais e descargas industriais separadas. A política na Dinamarca está atualmente inclinando-se para o aumento do nível das multas emitidas para violação do direito ambiental marítimo. (NUTRIENTS AND EUTROPHICATION IN DANISH MARINE WATERS, 2013). A Dinamarca foi um dos países signatários na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. A política nacional de oceanos faz parte da sua estratégia nacional de desenvolvimento sustentável. A Dinamarca também tem acesso a uma infinidade de tecnologias que servem para identificar os principais tipos de poluição do meio ambiente marinho por fontes terrestres. (NATIONAL IMPLEMENTATION OF AGENDA 21, 1997) Eslováquia A fim de proteger as fontes naturais de água, dez áreas de acumulação de água natural foram designados como protegidas. Na época da Convenção das Nações

11 Unidas sobre o Direito do Mar a Eslováquia ainda fazia parte da Tchecoslováquia, que por sua vez foi um dos signatários. (NATIONAL IMPLEMENTATION OF AGENDA 21, 1997). Com o intuito de minimizar o despejo inadequado de esgoto a Eslováquia foi proposto um plano de tratamento de esgoto. Trazendo benefícios como, a proteção de fontes de água e diminuição da necessidade de bombear as águas residuais, entre outras. Tendo em vista que as condições hidrológicas e hidrogeológicas não são favoraveis ao despejo devido ao baixo volume de água. (UNEP, 2014) Estados Unidos Apesar de atualmente os Estados Unidos da América (EUA) considerarem a CNUDM como uma codificação do direito internacional costumeiro, eles não ratificaram nem assinaram a convenção de 1982 (KRAUSS, 2005). Há um forte debate na política do país a respeito da ratificação ou não da convenção. As críticas quanto à convenção vem principalmente de membros mais conservadores da política interna do país, pois consideram que o envolvimento em organizações internacionais, assim como em tratados pode ser prejudicial aos interesses nacionais dos EUA. Alguns senadores republicanos bloqueiam a ratificação por acreditarem que isso afetaria a soberania do país (KRAUSS, 2005). Aqueles a favor da ratificação afirmam que a convenção pode trazer benefícios nos campos diplomáticos de resolução de conflitos, na questão da proteção do meio ambiente e também na ajuda de aliados, por exemplo (KOGAN, 2009). Em 2009, o presidente Barack Obama assinou um memorando estabelecendo o que foi denominado de Interagency Ocean Policy Task Force, liderado pelo Conselho da Casa Branca sobre Qualidade Ambiental. Em 2010 lançaram uma série de recomendações que definiram uma nova direção para a administração do oceano, das costas e dos Grandes Lagos. Essas recomendações fornecem a primeira política para oceanos do país; uma estrutura reforçada de governança que possa prover uma atenção de alto nível e coordenada para oceanos, áreas costeiras e Grandes Lagos; implementação estratégica que prioriza nove categorias que os EUA deveriam seguir; e um quadro de ordenamento eficaz para a região costeira e o ambiente marinho (COASTAL AND MARINE SPACIAL PLANNING, 2014) França

12 O país ratificou em 11 de abril de 1996 a CNUDM. Incluindo seus territórios ultramarinos, sua ZEE possui mais de 11 milhões de km2, além de que aproximadamente 10% dos recifes de coral do mundo encontram-se sob jurisdição francesa. A França tem a segunda maior ZEE do mundo. Ademais, o país declarou uma Zona de Proteção Ecológica (ZPE) no Mar Mediterrâneo alegando jurisdição sobre a proteção e preservação do ambiente marinho na área, seu uso científico, criação e utilização de ilhas artificiais e instalações e estruturas na região, assim como consta na CNUDM (MARINE SPATIAL PLANNING INITIATIVE, 2014[b]). Ao contrário da Holanda e do Reino Unido, a França não teve uma ambição marítima consistente, apesar de ser uma nação considerada marítima. Dessa forma, como resultado, o desenvolvimento de suas atividades marítimas não foi uma prioridade nacional e, portanto, o país não desenvolveu uma política marítima na qual constassem objetivos claros e que fosse de pleno direito. A gestão das águas sob jurisdição francesa foi e ainda é (...) responsabilidade do governo central. No entanto, ao longo dos anos a responsabilidade pelas atividades da costa e do litoral próximo foi compartilhado com as autoridades locais e partes interessadas (MARINE SPATIAL PLANNING INITIATIVE, 2014[b], tradução nossa) Greenpeace O Greenpeace, de acordo com a própria definição, é uma organização global cuja missão é proteger o meio ambiente, promover a paz e inspirar mudanças de atitudes que garantam um futuro mais verde e limpo para esta e para as futuras gerações (GREENPEACE, [2014a]). A organização atua basicamente através de campanhas nas mais diversas áreas, como por exemplo, mudanças climáticas, desmatamento, energia nuclear, entre outros. O Greenpeace ([2014]) está presente em 43 países de todos os continentes. Dentro dos seus muitos escopos de atuação, uma de suas campanhas concerne à preservação do ambiente marinho e a não poluição desse ecossistema. De acordo com a organização do Greenpeace (2012), os oceanos são a parte do planeta menos protegida e seu trabalho concerne sua proteção. De acordo com a organização, Um impacto significante da atividade humana nos oceanos é a poluição marinha. Não é somente poluição por derramamento de petróleo de acidentes e tanques ilegais com resíduos. A despeito da alta visibilidade dos derrames de petróleo sobre os ambientes marinhos, as quantidades totais envolvidos são diminuídos por

13 aqueles de poluentes introduzidos a partir de outras fontes (incluindo esgoto doméstico, descartes industriais, vazamentos de aterros, acidentes, derrames, explosões, operações de despejo no mar, a produção de petróleo, mineração, pesticidas da agricultura, resíduos de fontes de calor e descargas radioativas). (GREENPEACE, 2[014b]). Anualmente, o Greenpeace produz relatórios completos sobre as condições dos mares e oceanos com o intuito de estimular o conhecimento e a conscientização para a problemática. O Monitoramento é constante e a luta, como no caso dos ativistas presos na Rússia por defenderem a não exploração petrolífera no continente 3, são um dos exemplos do seu trabalho Holanda Holanda tem 11 km de recursos hídricos renováveis. Os resíduos sólidos do país equivalem a uma média de 7,6 milhões de toneladas por ano. Agravando a situação são os ventos predominantes do sudoeste, que transportam os poluentes das indústrias costeiras para os mares. (ENCYCLOPEDIA OF THE NATIONS, 2013). Desde a década de 1970, as descargas de metais pesados em águas assim como as emissões da maioria dos principais poluentes atmosféricos provenientes do uso industrial de combustíveis fósseis foram substancialmente reduzidas. A Holanda foi, também, uma das signatárias da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. (UNITED NATIONS TREATY COLLECTION, 2013) Indonésia De acordo com a WWF (2014), a Indonésia é um país que sofre com muitos problemas ambientais e que não somente concernem ao ambiente marinho ou costeiro. Com relação a este, os principais males são a pesca destrutiva, a poluição decorrente dos centros urbanos e das indústrias e a escassez dos recursos. De acordo com a organização não-governamental, dado que grande parte da população vive próximo da costa, há forte demanda no país do ambiente costeiro e dos recursos que pode prover. Os conglomerados urbanos provocam forte acúmulo de esgoto e poluição industrial em decorrência do forte desenvolvimento econômico, causando o declínio de muitos recifes marinhos (CHOU et al apud WWF, 2014, tradução nossa) e a morte do ecossistema que alimenta as populações que sobrevivem da pesca na região Irã 3 Caso a ser tratado mais adiante.

14 De acordo com o sítio eletrônico sobre o programa de mares regionais do PNUMA, o mar Cáspio na região do oriente médio também é fonte de preocupação para os países da região, a exemplo do Irã, com relação aos recursos vivos, à qualidade da água e à saúde humana. Estabelecido em 1998 e colocado em ação apenas em 2003, o plano para o mar cáspio tenciona resolver os problemas relacionados à poluição como resultado das atividades humanas terrestres e que realizam despejo de lixo tóxico no mar (CASPIAN ENVIRONMENT PROGRAMME, 1998). O plano de ação de 1983 para a proteção do ambiente marinho e das áreas costeiras do Bahrein, Irã, Iraque, Kuait, Oman, Quatar, Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos compreende acordos multilaterais entre esses países, bem como, estabelece uma avaliação da questão ambiental, da gestão desta, o componente legal e o os arranjos institucionais e administrativos relativos ao tema (CASPIAN ENVIRONMENT PROGRAMME, 1983) Israel Israel não faz parte da Convenção de 1982 das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), não a ratificou nem a assinou. Assim, o país não alegou formalmente um mar territorial ou Zona Econômica Exclusiva (ZEE), ambas as áreas de jurisdição marítima definidos na convenção de Porém, em 2011, Israel fez uma alegação unilateral junto à ONU, delimitando seu espaço marítimo ao norte, ação realizada após descobertas de reservas de gás fora da costa do país (DURHAM UNIVERSITY, 2011). O recente anúncio feito em 2011 afirma explicitamente que um limite ao norte define a extensão do mar territorial de Israel e ZEE, o que pode sugerir que o país aceitou implicitamente os acordos regulamentares da convenção para estas zonas como parte do direito internacional costumeiro (DURHAM UNIVERSITY, 2011) Itália Incluindo as ilhas, a República Italiana tem um litoral e uma fronteira de km. No litoral podemos encontrar o Mar Adriático (a Leste), o Mar Jônio (a Sul) e Mar Tirreno (a Oeste). Em janeiro de 2012 ocorreu um naufrágio na Itália, do navio Costa Concordia, na Ilha de Giglio e esse navio ainda não foi retirado. De acordo com a companhia de cruzeiros Costa não houve qualquer contaminação das águas, mas a organização

15 ecologista Greenpeace afirma ter encontrado vestígios de petróleo nas águas do mar e mesmo na água potável proveniente de uma central de dessalinização Japão O Japão tem tomado forte iniciativa no que se refere ao meio ambiente, participando ativamente de questões como as mudanças climáticas, o combate à desertificação e até mesmo o financiamento de ações em outros países para que atinjam o desenvolvimento sustentável (MINISTRY OF FOREIGN AFFAIRS OF JAPAN, 2010). O país também é signatário de vários acordos regionais e internacionais, dentre eles, acordos que se referem à preservação marinha, como os protocolos para proteção do ambiente antártico e o Plano de Ação do Noroeste do Pacífico (MINISTRY OF FOREIGN AFFAIRS OF JAPAN, 2010). Apesar desta atitude positiva, a preservação marinha realizada pelo Japão é amplamente debatida, já que a questão da pesca para o país é fundamental, e tem causado transtornos a respeito das quantidades pescadas e da sua utilização comercial (AFP, 2013). Os problemas envolvendo a pesca do atum, contra a Austrália e a Nova Zelândia diante do Tribunal Internacional sobre os Direitos do Mar (ITLOS, [2014]) e os constantes problemas a respeito da pesca de baleias e outros cetáceos (AFP, 2013) estão entre os maiores exemplos. O país é signatário da III CNUDM e do protocolo adicional desde 1996, mas somente ratificou a Acordo para Implementação das Disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 10 de dezembro de 1982 sobre a Conservação e Ordenamento de Populações de Peixes Transzonais e de Populações de Peixes Altamente Migratórios em 2006 (UN, [2014]). Apesar disso, o país possui baixos índices de degradação marinha (UN, 2002a), se apresenta na posição 26 do IPA-Yale 2014 (HSU et al., 2014) México O país ratificou em 18 de março de 1983 a CNUDM e se estabeleceu como uma liderança entre países em desenvolvimento. Por ser vizinho dos EUA e como esse não assinou a convenção, isso traz alguns conflitos entre os dois Estados. Antes da convenção conflitos existentes eram resolvidos por meio de acordos bilaterais, contudo a situação mudou com o Novo Direito do Mar (CLINGAN JR, 1986).

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI CONTEÚDO

INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI CONTEÚDO INTRODUÇÃO A AÇÃO LOCAL PELA PROTEÇÃO DO CLIMA 19 ANOS DO ICLEI Laura Valente S. de Macedo Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade laura.valente@iclei.org www.iclei.org/lacs/portugues

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade PLANO DE AÇÃO Preâmbulo: Nós, os participantes do workshop chamado

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Prof. Janderson Barros

Prof. Janderson Barros A palavra deriva do grego árktos, que significa ursa, usada para denominar as constelações da Ursa, no hemisfério norte. Como o continente está no hemisfério sul, acrescentou-se o prefixo anti. Antártida

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS

ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO COMPARADA SOBRE CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS MARINHOS Canadá, União Européia (Espanha, França), Austrália, Nova Zelândia, EUA André Lima OAB/DF 17878 11 de abril de 2013 1) Canadá

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo

Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modelos de Gestão Novas Demandas e Ambientes para o Gestor Contemporâneo Modernidade trouxe vantagens e prejuízos Poluição causada pelas organizações afeta diretamente a natureza Criação de Leis para minimizar

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17, DE 2012 Rio+20: oceanos, mares e zonas costeiras Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria Tarciso Dal Maso Jardim A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil

Desafios para consolidação de políticas públicas p instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Desafios para consolidação de políticas públicas p e instrumentos legais para acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios no Brasil Maurício Antônio Lopes Presidente da Embrapa Reunião do Cosag

Leia mais

UD II - EUROPA FÍSICA

UD II - EUROPA FÍSICA UD II - EUROPA FÍSICA 7. Hidrografia 8. Tipos de mares 9. Hidrovias Referências: Geografia em Mapas (pgs. 46 e 47). Geoatlas 9º ANO 2º BIMESTRE - TU 902 AULA 2 7. HIDROGRAFIA As regiões mais elevadas do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo

Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Gestão da Sustentabilidade: Políticas Publicas e Mudanças Climáticas no Estado de São Paulo Fernando Rei Presidente da CETESB Sustentabilidade Conceito sistêmico relacionado com a continuidade dos aspectos

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se

Leia mais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais Sistemas de Boas Práticas Internacionais por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental Santander Brasil Brasília, 21 de agosto, 2014 O que é uma externalidade? 2 Rio limpo Ar limpo Algumas

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio

CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA. Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio CAPÍTULO 28 A QUESTÃO ENERGÉTICA Professor: Gelson Alves Pereira 2ª Série Ensino Médio 1- Introdução Nos últimos 250 anos, houve um grande consumo de energia e combustíveis. Acredita-se que, até 2030,

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais