JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES"

Transcrição

1 JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

2 JUROS

3 TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14 24/04/14 15/05/14 05/06/14 26/06/14 17/07/14 07/08/14 28/08/14 18/09/14 09/10/14 30/10/14 20/11/14 11/12/14 01/01/15 22/01/15 12/02/15 05/03/15 26/03/15 16/04/15 07/05/15 28/05/15 18/06/15 09/07/15 30/07/15 20/08/15 10/09/15 01/10/15 22/10/15 12/11/15 03/12/15 24/12/15 14/01/16 04/02/16 25/02/16 17/03/16 07/04/16 28/04/16 19/05/16 09/06/16 30/06/16 21/07/16 11/08/16 01/09/16 22/09/16 13/10/16 03/11/16 24/11/16 15/12/

4 13/02/14 ESTADOS TAXAS UNIDOS: DE JUROS DO TAXAS TÍTULO DE 30 DE ANOS JUROS DO TESOURO AMERICANO DE 30 SEM ANOS FORÇA PARA ABRIR MAIS (% a.a.) 13/03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/

5 23/02/14 18/04/14 11/06/14 04/08/14 27/09/14 20/11/14 13/01/15 08/03/15 01/05/15 24/06/15 17/08/15 10/10/15 03/12/15 26/01/16 20/03/16 13/05/16 06/07/16 29/08/16 22/10/16 15/12/16 TAXAS DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO Fonte: Bloomberg E DA ALEMANHA Treasury 10 anos 0.49 Juros 10 anos - Alemanha

6 13/02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 SPREAD DOS TÍTULOS DE 10 ANOS DOS EUA X JUROS DE 10 ANOS DA ALEMANHA

7 BOLSAS

8 3,997 4,358 4,000 4,336 4,486 4,335 4,568 4,214 4,787 4,548 4,807 4,877 5,092 4,910 5,219 4,894 4,517 5,147 4,933 5,108 4,620 4,267 4,915 4,594 5,262 5,478 3,400 3,800 4,200 4,600 5,000 5,400 07/01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 NASDAQ BOLSA EUA (NASDAQ)

9 07/01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 BOLSA EUROPA (STOXX 50) BOLSA EUROPA: STOXX 50 4,000 3,829 3,687 3,500 3,150 3,230 3,314 3,220 3,414 3,277 3,547 3,294 3,468 3,314 3,139 3,152 3,092 3,092 3,094 3,255 3,000 3,005 3,013 2,875 2,983 3,008 3,019 2,883 2,872 2,955 2,680 2,697 2,500

10 14,008 15,274 13,960 15,618 14,778 16,321 14,533 17,920 16,755 20,188 19,292 19,738 20,809 16,931 20,012 19,034 16,017 17,865 14,953 17,234 15,733 17,572 17,235 14,952 16,083 17,082 16,252 19,274 13,000 15,000 17,000 19,000 21,000 07/01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 BOLSA JAPÃO: NIKKEI BOLSA JAPÃO (NIKKEI)

11 BOLSA CHINA BOLSA CHINA: SHANGHAI COMPOSITE. Fonte: Bloomberg (SHANGAI COMPOSITE) 07/01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 5,400 5,000 4,600 4,942 4,527 5,166 4,200 3,800 3,400 3,000 2,600 2,200 1,800 2,135 2,004 2,086 2,383 2,683 2,290 3,374 3,076 4,112 4,124 3,994 3,507 2,927 3,038 3,648 3,435 2,656 2,688 3,082 2,815 3,125 2,953 3,118

12 01/06/11 15/07/11 28/08/11 11/10/11 24/11/11 07/01/12 20/02/12 04/04/12 18/05/12 01/07/12 14/08/12 27/09/12 10/11/12 24/12/12 06/02/13 22/03/13 05/05/13 18/06/13 01/08/13 14/09/13 28/10/13 11/12/13 24/01/14 09/03/14 22/04/14 05/06/14 19/07/14 01/09/14 15/10/14 28/11/14 11/01/15 24/02/15 09/04/15 23/05/15 06/07/15 19/08/15 02/10/15 15/11/15 29/12/15 11/02/16 26/03/16 09/05/16 22/06/16 05/08/16 18/09/16 01/11/16 15/12/16 BOLSAS DOS PAÍSES EMERGENTES ÍNDICE MSCI EMERGENTES E DOS DESENVOLVIDOS X (índices agregados, base 100 = 01/01/2010) Desenvolvidos Emergentes

13 BOLSAS MUNDIAIS (variação nos últimos 12 meses em moeda local)

14 BOLSAS MUNDIAIS (variação no último mês em moeda local) Rússia Itália Japão Egito Espanha Polônia Europa 50 França Finlândia Dinamarca Grécia Alemanha Holanda Suécia Portugal Noruega Dow Jones Ind Average Taiwan Áustria S&P 500 Austrália Nasdaq Suíça Coréia do Sul Canadá Indonésia Turquia Índice Mundial Bradesco Reino Unido Irlanda Bélgica México Índia Argentina Malásia África do Sul Hong Kong Brasil China 22.0% 14.0% 16.1% Última atualização: 15/12/ % 6.0% 6.7% 6.2% 5.7% 3.8% 3.5% 3.3% 3.0% 0.4% -2.0% -2.6% -10.0%

15 Rússia Dinamarca Suíça Itália Turquia Espanha Holanda Europa 50 Suécia França Japão Finlândia Alemanha Dow Jones Ind Average Áustria S&P 500 Nasdaq Reino Unido Egito Irlanda Bélgica Índice Mundial Bradesco Coréia do Sul Austrália Portugal Taiwan Canadá Noruega Malásia Polônia México Indonésia Índia África do Sul China Argentina Hong Kong Brasil Grécia BOLSAS MUNDIAIS semana (variação na última semana em moeda local) 5.0% 3.0% 1.0% 3.7% 2.9% 2.3% 2.0% 1.6% 1.1% 0.3% Última atualização: 15/12/ % -0.2% -0.4% -0.9% -3.0% -3.0% -5.0% -4.3% -5.3% -7.0%

16 MOEDAS

17 /03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 DÓLAR EM RELAÇÃO AO EURO (US$ / Euro)

18 /03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 EURO (US$ / Euro)

19 13/03/14 REAL EM RELAÇÃO AO EURO (R$ / Euro) 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/

20 13/03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 CESTA DÓLAR Índice DXY (Dollar Index Spot - Dólar em relação a uma cesta de moedas). Fonte: Bloomberg. (índice DXY)

21 /03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 IENE JAPONÊS (peso / US$)

22 /03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 RENMINBI CHINÊS (renminbi/us$)

23 13/03/14 LIBRA - REINO UNIDO (US$ / Libra) 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 US$ DLAR/LIBRA

24 Egito Japão Turquia Hungria Polônia Malásia Argentina Euro República Tcheca DXY Suíça Austrália Cingapura Filipinas México Coreia do Sul China Nova Zelândia Tailândia Indonésia Taiwan Reino Unido Índia Emirados Paquistão Peru Canadá Chile África do Sul Brasil Rússia Colômbia MOEDAS (variação no último mês) Variação de moedas selecionadas, no último mês. Fonte: Bloomberg 22.0% 17.0% 18.9% Última atualização: 15/12/ % 8.6% 7.0% 2.0% 3.9% 3.0% 2.8% 1.7% 1.7% 1.0% 0.5% -3.0% 0.0% -0.4% -1.2% -3.8%-3.9% -8.0%

25 Egito Argentina México Reino Unido Turquia Polônia China Filipinas DXY Euro República Tcheca Suíça Hungria Malásia Cingapura Índia Coreia do Sul Peru Emirados Paquistão Tailândia Austrália Taiwan Canadá Japão Nova Zelândia Indonésia Chile África do Sul Colômbia Rússia Brasil MOEDAS (variação em 2016) 150.0% 130.0% 134.7% 110.0% 90.0% 70.0% 63.0% 50.0% 30.0% 21.5% 20.1% 10.0% 7.3% 5.8% 4.9% 4.2% 2.2% 0.9% -10.0% -30.0% 0.0% -2.2% -3.0% -6.0% -12.7%

26 COMMODITIES

27 22/09/15 22/10/15 21/11/15 21/12/15 20/01/16 19/02/16 20/03/16 19/04/16 19/05/16 18/06/16 18/07/16 17/08/16 16/09/16 16/10/16 15/11/16 15/12/16 CRB FUTURO FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO (base 100 = 31/12/2010) 31/dez/2010=100 EVOLUÇÃO DO CRB FUTURO EM DÓLARES E EM REAIS DESDE Em dólares Em reais

28 METÁLICAS

29 21/03/14 10/05/14 29/06/14 18/08/14 07/10/14 26/11/14 15/01/15 06/03/15 25/04/15 14/06/15 03/08/15 22/09/15 11/11/15 31/12/15 19/02/16 09/04/16 29/05/16 18/07/16 06/09/16 26/10/16 15/12/16 Índice Índic ÍNDICE BRADESCO METAIS C/ E S/ AÇO (base 100 = 01/01/2018 ÍNDICE COMMODITIES metálicas BRADESCO - 15/07/2007 (BASE 100) Índice BRADESCO Metais Índice BRADESCO Metais c/ Aço Índice Bradesco: Alumínio, Cobre, Níquel, Zinco, Estanho, Chumbo e Platina (com e sem aço)

30 04/05/12 PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO EXPORTADO PARA A CHINA (minério com 62% de teor de ferro - US$/TONELADA ) 29/06/12 24/08/12 19/10/12 14/12/12 08/02/13 05/04/13 31/05/13 26/07/13 20/09/13 15/11/13 10/01/14 07/03/14 02/05/14 27/06/14 22/08/14 17/10/14 12/12/14 06/02/15 03/04/15 29/05/15 24/07/15 18/09/15 13/11/15 08/01/16 04/03/16 29/04/16 24/06/16 19/08/16 14/10/16 09/12/

31 21/03/14 10/05/14 29/06/14 18/08/14 07/10/14 26/11/14 15/01/15 06/03/15 25/04/15 14/06/15 03/08/15 22/09/15 11/11/15 31/12/15 19/02/16 09/04/16 29/05/16 18/07/16 06/09/16 26/10/16 15/12/16 PREÇO DO COBRE (US$/LIBRAS) Preço do Cobre

32 21/03/14 10/05/14 29/06/14 18/08/14 07/10/14 26/11/14 15/01/15 06/03/15 25/04/15 14/06/15 03/08/15 22/09/15 11/11/15 31/12/15 19/02/16 09/04/16 29/05/16 18/07/16 06/09/16 26/10/16 15/12/16 PREÇO DO ALUMÍNIO (US$/TONELADAS MÉTRICAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO ALUMÍNIO 2,200 2,100 2,038 2,088 2,083 2,000 1,959 1,900 1,867 1,890 1,875 1,800 1,700 1,600 1,500 1,400 1,722 1,862 1,762 1,736 1,693 1,674 1,638 1,592 1,627 1,532 1,512 1,508 1,436 1,452 1,469 1,671 1,688 1,582 1,607 1,531 1,547 1,754

33 04/07/ /08/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 PREÇO DA PRATA (US$/Oz) EVOLUÇÃO DO PREÇO DA PRATA

34 13/03/14 18/04/14 24/05/14 29/06/14 04/08/14 09/09/14 15/10/14 20/11/14 26/12/14 31/01/15 08/03/15 13/04/15 19/05/15 24/06/15 30/07/15 04/09/15 10/10/15 15/11/15 21/12/15 26/01/16 02/03/16 07/04/16 13/05/16 18/06/16 24/07/16 29/08/16 04/10/16 09/11/16 15/12/16 PREÇO DO OURO (US$/Oz) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO OURO

35 PREÇO DO NÍQUEL (US$/TONELADAS MÉTRICAS) 21/03/ /05/ /06/ /08/ /10/ /11/ /01/ /03/2015 EVOLUÇÃO DO PREÇO DO NÍQUEL 25/04/ /06/ /08/ /09/ /11/ /12/ /02/ /04/ /05/ /07/ /09/ /10/ /12/ , , ,000 16,000 14, ,000 10,000 8,000 6,

36 AGRÍCOLAS

37 17/11/14 15/12/14 12/01/15 09/02/15 09/03/15 06/04/15 04/05/15 01/06/15 29/06/15 27/07/15 24/08/15 21/09/15 19/10/15 16/11/15 14/12/15 11/01/16 08/02/16 07/03/16 04/04/16 02/05/16 30/05/16 27/06/16 25/07/16 22/08/16 19/09/16 17/10/16 14/11/16 12/12/16 S ÍNDICE COMMODITIES AGRÍCOLAS BRADESCO - 15/07/2007 (BASE 100) ÍNDICE COMMODITIES AGRÍCOLAS AMPLIADO BRADESCO (Base 100: 01/01/2008) Soja, Milho e Trigo

38 21/03/ /05/ /06/ /08/ /10/ /11/ /01/ /03/ /04/ /06/ /08/ /09/ /11/ /12/ /02/ /04/ /05/ /07/ /09/ /10/ /12/2016 PREÇO DO MILHO (US$ CENTS/BUSHEL) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO NÍQUEL 22,000 20, ,000 16,000 14, ,000 10,000 8,000 6,

39 PREÇO DO TRIGO (US$ CENTS/BUSHEL) 13/03/14 30/04/14 17/06/14 04/08/14 21/09/14 08/11/14 26/12/14 12/02/15 01/04/15 19/05/15 06/07/15 23/08/15 10/10/15 27/11/15 14/01/16 02/03/16 19/04/16 06/06/16 24/07/16 10/09/16 28/10/16 15/12/

40 1,437 1,175 1, , , , , ,076 1, , , ,000 1,200 1,400 1,600 21/03/14 10/04/14 30/04/14 20/05/14 09/06/14 29/06/14 19/07/14 08/08/14 28/08/14 17/09/14 07/10/14 27/10/14 16/11/14 06/12/14 26/12/14 15/01/15 04/02/15 24/02/15 16/03/15 05/04/15 25/04/15 15/05/15 04/06/15 24/06/15 14/07/15 03/08/15 23/08/15 12/09/15 02/10/15 22/10/15 11/11/15 01/12/15 21/12/15 10/01/16 30/01/16 19/02/16 10/03/16 30/03/16 19/04/16 09/05/16 29/05/16 18/06/16 08/07/16 28/07/16 17/08/16 06/09/16 26/09/16 16/10/16 05/11/16 25/11/16 15/12/16 PREÇO DA SOJA (US$ CENTS/BUSHEL)

41 21/03/ /04/ /06/ /07/ /08/ /10/ /11/ /12/ /02/ /03/ /04/ /06/ /07/ /08/ /10/ /11/ /12/ /01/ /03/ /04/ /05/ /07/ /08/ /09/ /11/ /12/2016 PREÇO DO ALGODÃO (US$/LIBRAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO ALGODÃO

42 21/03/ /05/ /06/ /08/ /10/ /11/ /01/ /03/ /04/ /06/ /08/ /09/ /11/ /12/ /02/ /04/ /05/ /07/ /09/ /10/ /12/2016 PREÇO DO CAFÉ (US$/LIBRAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO CAFÉ

43 21/03/14 10/05/14 29/06/14 18/08/14 07/10/14 26/11/14 15/01/15 06/03/15 25/04/15 14/06/15 03/08/15 22/09/15 11/11/15 31/12/15 19/02/16 09/04/16 29/05/16 18/07/16 06/09/16 26/10/16 15/12/16 PREÇO DO AÇÚCAR (US$/LIBRAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO AÇÚCAR

44 13/03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 PREÇO DO CACAU (US$/TONELADAS MÉTRICAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO CACAU 3,600 3,300 3,000 3,141 3,371 3,040 2,994 3,102 3,410 3,377 3,315 3,229 3,032 3,049 3,118 3,235 2,700 2,853 2,798 2,672 2,773 2,761 2,835 2,643 2,769 2,400 2,252 2,100 FONTE:BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO

45 21/03/ /05/ /06/ /08/ /10/ /11/ /01/ /03/ /04/ /06/ /08/ /09/ /11/ /12/ /02/ /04/ /05/ /07/ /09/ /10/ /12/2016 PREÇO DO SUCO DE LARANJA (US$/LIBRAS) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO SUCO DE LARANJA

46 13/03/14 10/04/14 08/05/14 05/06/14 03/07/14 31/07/14 28/08/14 25/09/14 23/10/14 20/11/14 18/12/14 15/01/15 12/02/15 12/03/15 09/04/15 07/05/15 04/06/15 02/07/15 30/07/15 27/08/15 24/09/15 22/10/15 19/11/15 17/12/15 14/01/16 11/02/16 10/03/16 07/04/16 05/05/16 02/06/16 30/06/16 28/07/16 25/08/16 22/09/16 20/10/16 17/11/16 15/12/16 PREÇO DO BOI GORDO (US$/Libras) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO BOI GORDO

47 GÁS

48 31/03/14 PETRÓLEO BRENT E WTI (US$/BARRIL) 30/04/14 30/05/14 29/06/14 29/07/14 28/08/14 27/09/14 27/10/14 26/11/14 26/12/14 25/01/15 24/02/15 26/03/15 25/04/15 25/05/15 24/06/15 24/07/15 23/08/15 22/09/15 22/10/15 21/11/15 21/12/15 20/01/16 19/02/16 20/03/16 19/04/16 19/05/16 18/06/16 18/07/16 17/08/16 16/09/16 16/10/16 15/11/16 15/12/ WTI BRENT

49 21/03/14 10/05/14 29/06/14 18/08/14 07/10/14 26/11/14 15/01/15 06/03/15 25/04/15 14/06/15 03/08/15 22/09/15 11/11/15 31/12/15 19/02/16 09/04/16 29/05/16 18/07/16 06/09/16 26/10/16 15/12/16 PREÇO DA GASOLINA (US$/GALÃO) EVOLUÇÃO DO PREÇO DA GASOLINA

50 21/03/ /05/ /06/ /08/ /10/ /11/ /01/ /03/ /04/ /06/ /08/ /09/ /11/ /12/ /02/ /04/ /05/ /07/ /09/ /10/ /12/2016 PREÇO DO GÁS NATURAL (US$/MMBtu) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO GÁS NATURAL

51 04/07/ /08/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/ /11/ /12/2016 PREÇO DO ÓLEO DE CALEFAÇÃO (US$/GALÃO) EVOLUÇÃO DO PREÇO DO CRUDE OIL

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/07/11 02/08/11 30/08/11 27/09/11 25/10/11 22/11/11 20/12/11 17/01/12 14/02/12 13/03/12 10/04/12 08/05/12 05/06/12 03/07/12 31/07/12 28/08/12 25/09/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 05/11/10 05/12/10 05/01/11 05/02/11 05/03/11 05/04/11 05/05/11 05/06/11 05/07/11 05/08/11 05/09/11 05/10/11 05/11/11 05/12/11 05/01/12 05/02/12 05/03/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/06/11 11/07/11 11/08/11 11/09/11 11/10/11 11/11/11 11/12/11 11/01/12 11/02/12 11/03/12 11/04/12 11/05/12 11/06/12 11/07/12 11/08/12 11/09/12 11/10/12

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 15/07/10 14/08/10 13/09/10 13/10/10 12/11/10 12/12/10 11/01/11 10/02/11 12/03/11 11/04/11 11/05/11 10/06/11 10/07/11 09/08/11 08/09/11 08/10/11 07/11/11

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/08/10 10/09/10 10/10/10 09/11/10 09/12/10 08/01/11 07/02/11 09/03/11 08/04/11 08/05/11 07/06/11 07/07/11 06/08/11 05/09/11 05/10/11 04/11/11 04/12/11

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Janeiro de 2018 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE DADOS DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE COURO MALAS Mercadoria: 42021100 - MALAS,MALETAS E PASTAS,DE COURO NATURAL/RECONST/ENVERN. 2005 2006 2007 País Kg US$ US$/Kg Part. Kg US$ US$/Kg Part.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 20 DE AGOSTO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 2 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Junho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Junho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES OUTUBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES NOVEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Divulgamos hoje o Ranking Mundial de Juros Reais, o qual após 12 anos renova tanto parte dos países participantes, como a metodologia de cálculo e referenciais nas

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência Agosto / 2012 Análise Conjuntural Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência 1 Mecanismos de crescimento da economia brasileira após 2003 2 Variação do PIB ((% a.a) China e Índia não acompanham

Leia mais

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil

Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Setembro de 2008 Movimento Secular versus Bolha Pedro Bastos, CEO HSBC Global Asset Management - Brasil Global Asset Management 1 Conteúdo Integração entre Brasil e Ásia Redução do Home Bias e seus efeitos

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL. Depecon / Derex

Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL. Depecon / Derex Julho/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL Depecon / Derex 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro Agenda HOJE HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 08h45 09h10 Abertura Brasoftware Salão Nobre 09h10 09h30 Big Data: Neoway Salão Nobre 09h30 09h50 Gestão de Conteúdo:

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO //3 Preocupação do IEDI com o fato de que o Brasil, que registrou o terceiro maior crescimento econômico no séc. XX (1º lugar entre 19 e 1973), nas duas últimas décadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX 2 fonte: MDIC / SECEX elaboração: UAGRO / SEBRAE NA 42,23 51,00 2,86 8.243.232,00 23.588.292,00 2,53 25.987.193,00 65.791.416,00 2,38

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

O Setor em Grandes Números 2015

O Setor em Grandes Números 2015 O Setor em Grandes Números 2015 Apresentação Esta publicação reúne dados oficiais de fontes no Brasil e no exterior sobre o desempenho do Setor de Gemas, Joias e Metais Preciosos em 2015. Muitos dos números

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná. Gerência Técnica e Econômica EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS PARANAENSES

Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná. Gerência Técnica e Econômica EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS PARANAENSES Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná Gerência Técnica e Econômica Curitiba, março de 2011 EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS PARANAENSES Conteúdo 1 Histórico das exportações... 2 2 Principais

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL IUHF / UNIAPRAVI

APRESENTAÇÃO PARA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL IUHF / UNIAPRAVI APRESENTAÇÃO PARA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL IUHF / UNIAPRAVI RIO DE JANEIRO, 03 DE SETEMBRO DE 2015 Octavio de Barros Vice-Pres. CCFB, Economista-Chefe Bradesco OS BOMBEIROS JÁ CHEGARAM APROFUNDAMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS PALESTRA CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Belo Horizonte, 30 de agosto de 2016 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009

Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009 Secretaria de Relações Internacionais - MAPA - Missões Prioritárias rias Desempenho recente e cenários para 2009 Exportações do Agronegócio Retrospecto de 10 anos Exportações Brasileiras do Agronegócio

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

19 de janeiro de 2018

19 de janeiro de 2018 PRODUTOS Indicadores Rentabilidade (1) (%) Mês Ano 12 meses Ibovespa 6,27 6,27 26,16 Ouro 2,49 2,49 9,05 CDI 0,34 0,34 9,64 Poupança (3) 0,50 0,50 7,53 Poupança 2012 MP 567/12 (3) 0,43 0,43 7,35 IGP-M/FGV

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 2014 José Ricardo Roriz Coelho PARTE I Novembro

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação

Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação Taxas de Juros Elevadas e Semi-Estagnação Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas Taxa de Juros Elevada e a Tragédia Brasileira (% média móvel 10 anos) 15 13 11 9 7 5 3

Leia mais

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões),

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), Dezembro / 2014 Resultados de Dezembro de 2014 - Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), redução de 19,9%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO Adolfo Sachsida* 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste artigo é mostrar a importância da qualidade das instituições sobre o desenvolvimento e o crescimento econômico.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro CADERNO DE ESTATÍSTICAS Uma publicação da Representação do IICA/Brasil Elaboração: Daniela Faria e Diego Machado 1. Apresentação 2.

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

As importações de Equipamentos Industriais somaram US$ 2,7 bilhões no ano de 2009, cerca de 29% do consumo aparente desses produtos.

As importações de Equipamentos Industriais somaram US$ 2,7 bilhões no ano de 2009, cerca de 29% do consumo aparente desses produtos. 30 de junho de 2010 As importações de Equipamentos Industriais somaram US$ 2,7 bilhões no ano de 2009, cerca de 29% do consumo aparente desses produtos. Nos últimos anos o crescimento médio anual dessas

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

O diferencial de cabo SHA NOVO! Com regulação adaptável da velocidade ASR

O diferencial de cabo SHA NOVO! Com regulação adaptável da velocidade ASR O diferencial de cabo SHA 10.15 NOVO! Com regulação adaptável da velocidade ASR O diferencial de cabo SHA é a solução económica para pontes rolantes industriais ligeiras e pequenas cargas. O diferencial

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

CFDs Índices. Qualquer Qualquer Qualquer 0 1 spread fixo (diferença entre o preço bid e ask)

CFDs Índices. Qualquer Qualquer Qualquer 0 1 spread fixo (diferença entre o preço bid e ask) CFDs DAX-30 (Alemanha) Germany 30 Daily Rolling Cash S&P-500 (Estados ) US 500 Daily Qualquer Qualquer Qualquer 0 0,5 spread fixo DOW JONES-30 (Estados ) Wall Street Daily Rolling Cash Qualquer Qualquer

Leia mais

Relatório sobre solicitações de informação feitas pelo governo

Relatório sobre solicitações de informação feitas pelo governo Relatório sobre de informação feitas pelo governo º de julho a de dezembro de A Apple leva o nosso compromisso de proteger seus dados muito a sério e se esforça para fornecer os produtos hardware, software

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional A. Empresa: DESKTOP-SIGMANET COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA LTDA B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional C. Identificação para

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto

AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Grupo de segurança de produto 1201 South Second Street Milwaukee, WI EUA 53204 productsafety@ra.rockwell.com AVISO DO PRODUTO Aviso sobre um possível problema com o produto Cód. cat. 20A, inversor CA PowerFlex

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS JANEIRO DE 2015 COM

Leia mais