Analista de Negócio 3.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analista de Negócio 3.0"

Transcrição

1 Estudo de Caso A industria Santos é uma empresa siderúrgica que possui duas plantas industriais em dois municípios do interior de Minas Gerais. A sede da empresa fica no estado de São Paulo, na cidade de São Paulo. Ela tem dez mil (10.000) funcionários entre quatro mil (4.000) em cada planta e dois mil (2000) funcionários na administração (sede). A empresa produz aço, a produção é de toneladas por ano. Contudo, nos últimos meses a empresa vem sofrendo pressão de seus maiores clientes estão solicitando que a empresa adote políticas e práticas de sustentabilidade ambiental. Depois de suportar a pressão por meses, a empresa decidiu adotar políticas, práticas de sustentabilidade ambiental e criar um Comitê de Estudo e Práticas de Sustentabilidade Ambiental (CEPSA), este comitê é composto por gestores das diretorias industriais e administração e é presidido pelo vice presidente da empresa. Depois de diversos estudos e debates o comitê chegou a conclusão de quais seriam as diretrizes para iniciar as práticas de sustentabilidade ambiental. O programa foi batizado de industria verde e tem 4 diretrizes: : Programa e suas diretrizes: 1 Papel: Redução do consumo de papel na organização. 2 Energia Elétrica: Redução do consumo de energia elétrica. 3 Água: Redução do uso de água potável. 4 GEE: Redução da emissão de gases de efeitos estufa (GEE) CO2. Cenário comum dentro da organização: - Não existe a conscientização da sustentabilidade ambiental - Existem desperdícios Premissas: - Estes projetos não podem causar impacto negativo na operação da empresa nem nos resultados AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

2 Estudo de Caso: Necessidade do Comitê de Estudo e Práticas de Sustentabilidade Ambiental (CEPSA), incumbiu o Analista de da missão de desenvolver o para o Projeto: 4 GEE: Redução da emissão de gases de efeitos estufa (GEE). A missão do Analista de : Desenvolver um que apresente soluções para redução da emissão de gases de efeitos estufa (GEE) e demonstre os savings. Espera-se que seja apresentada uma solução principal e alternativas. A meta reduzir em 10% por ano a emissão de GEE. AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

3 Demanda de Solicitação de Demanda de Solicitante Vice Presidente Área Comitê de Estudo e Práticas de Sustentabilidade Ambiental (CEPSA) Tipo de Demanda Oportunidade x Necessidade Problema Descrição Programa Industria Verde: Projeto 4 Redução da emissão de gases de efeitos estufa (GEE) - CO2. Nível de Impacto Organização Nível de Prioridade Alto Definido pelo CEPSA Justificativa Expectativa Adotar práticas de sustentabilidade ambiental para atender a solicitações dos clientes Reduzir em 10% por ano da emissão de GEE CO2. Diretriz de Sustentabilidade Ambiental Definido pelo CEPSA Cancelar Enviar AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

4 Principais Atividades da Análise de : Corpo de Conhecimento de Análise de s Demanda de (necessidade, problema ou oportunidade) Identificar as partes interessadas Definir Plano de Comunicação Entender a demanda Planejamento e Monitoramento de Análise de Definir o documento resultante da Análise de Entender o negócio Validar a solução Elicitação Análise Corporativa Avaliação e Validação da Solução Gerenciamento e Comunicação de Requisitos Entender as partes interessadas Colaboração Análise de Requisitos Elaborar a solução Comunicar os requisitos Analista de Especialistas Documento resultante da Análise de. Exemplo: AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

5 Planejamento das Atividades da Análise de s: Este planejamento deve conter os recursos necessários, os artefatos/documentos de entrada, definição das atividades e/ou tarefas que devem ser executadas, técnicas de análise de negócio e as entregas (saídas) que devem ser produzidas. Neste planejamento deve ficar claro qual é artefato ou documento que será resultante da Análise de. Neste estudo de caso será Exemplo de Planejamento das Atividades da Análise de : Área de Conhecimento Recursos Entradas Atividades / Tarefas Técnicas Saídas Planejamento e Monitoramento de Análise de Sistema de Gestão de Demanda de Demanda de Conduzir Análise das partes interessadas Planejar a comunicação da análise de negócio Planejar as atividades da Análise de Mapa das Partes Interessadas Matriz RACI Entrevistas Modelagem Organizacional Plano de Comunicação Lista de partes interessadas Matriz RACI Plano de Análise de Análise Corporativa Planejamento Estratégico Modelo de Governança Demanda de Business Driver (Metas, Objetivos de ) Lista das Partes Interessadas Matriz RACI Entender a Demanda de Definir os Requisitos de Definir Nível de Prioridade Definir Análise de Documentos, Análise de Decisão, Decomposição Funcional, - Funil de Demandas - Desdobramento de Diretrizes de - Análise de Requisitos de Elicitação (de Requisitos) Demanda de Planejar Elicitação de Requisitos Realizar a Elicitação de Requisitos Atualizar o Entrevistas Observação de Campo Preenchimento de Questionário Workshop de Requisitos Análise de documento Análise de Interface Prototipagem Documento Requisitos Gerenciamento e Comunicação dos Requisitos Documento Requisitos Comunicar Requisitos Validar Requisitos Workshop de Requisitos Revisões Estruturadas Documento Requisitos [aprovado] AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

6 Planejamento das Atividades da Análise de s: Exemplo de Planejamento das Atividades da Análise de : (continuação) Área de Conhecimento Recursos Entradas Tarefas Técnicas Saídas Análise de Requisitos Documento Requisitos [aprovado] Elaborar Proposta de Solução Definir nível de Severidade de risco Identificar oportunidades Definir os ganhos / benefícios da solução Fazer observações e comentários Elaborar glossário de negócio Análise de Interfaces, Análise de Regras de, Modelagem Organizacional, Análise de Requisitos Não Funcionais, Decomposição Funcional, Análise de Riscos, Métricas e Indicadores Chaves de Desempenho, Análise de Decisão, Modelagem de Escopo Gestão de Mudança Organizacional (Change Management) [completo] Avaliação e Validação da Solução [completo] Avaliar Solução Validar Solução Definir requisitos de transição Atualizar Entrevistas, Observação (de Campo), Definição de Critérios de Aceite e Avaliação Análise de Requisitos [Atualizado] AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

7 Estudo de Caso: Organograma da empresa Visão Geral Presidente Comitê Consultivo CEPSA Vice Presidente Diretor Industrial Diretor Administração PCP Suprimentos Fábrica Manutenção Industrial Logística Distribuição Gestão Ambiental Gestão da Qualidade Comercial Compras Financeiro Engenharia Contábil Gestão de Pessoas Tecnologia da Informação Manutenção Predial Segurança Patrimonial AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

8 Mapa das Partes Interessadas e Matriz RACI Influência da Parte Interessada Mapa das Partes Interessadas do Estudo de Caso. Este mapa é parte integrante do. Alto Alta influência Baixo impacto Alta influência Alto impacto Após a realização de entrevistas com o dono da demanda e com as demais partes interessadas, foi formulada a Matriz RACI para o. Papel Analista de RACI R CEPSA Cliente Funcionários da Sede Diretor Industrial Funcionários das Usinas Dono da Demanda (CEPSA) Diretor Industrial Funcionários que trabalham nas Usinas A C I Baixo Baixo Baixa influência Baixo impacto Baixa influência Alto impacto Impacto sobre a Parte Interessada Alto Especialista Sustentabilidade Ambiental C O Mapa das Partes Interessadas demonstra qual o nível de influência e de impacto e a Matriz RACI demonstra que vai fazer o que no contexto do. Projeto 4 CO2: Redução da emissão de gases de efeitos estufa (GEE). AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

9 Estudo de Caso: Plano de Comunicação da Análise de Plano de Comunicação da Análise de s: Este plano deve descrever o como, quando e porque o Analista de s interage diretamente com as partes interessadas. Seus componentes podem incluir: - Os requisitos para comunicação das atividades da analise de negócios com as partes interessadas. - Formato, conteúdo, meio e nível de detalhamento. - Responsabilidade pela coleta, distribuição, acesso e atualização da informação. Exercício Definir o Plano de Comunicação: Público alvo Conteúdo (o que) Canais (como) Responsável (quem) Distribuído por (quem) Timing (quando) Freqüência Boa Prática: Objetivo do Plano de Comunição é garantir uma forma estruturada para distribuir as informações AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

10 Estudo de Caso: Formulário de Este estudo de caso estará concluído quando estiver devidamente preenchido. Baixe (faça download) do Formulário de AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Analista de 3.0 Análise Corporativa: Analise Corporativa Esta a área de conhecimento descreve as atividades de análise de negócio necessárias para identificar uma necessidade do negócio, problema ou oportunidade.

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 1 Descreve como os analistas de negócios identificam uma necessidade do negócio? [ ] Análise Corporativa [ ] Elicitação 2 - Descreve como os analistas de negócios gerenciam conflitos, questões e mudanças?

Leia mais

Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave

Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave Primeiro Módulo: Parte 3 Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave AN V 3.0 [60] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Entendendo a Demanda de Negócio

Entendendo a Demanda de Negócio Terceiro Módulo: Parte 3 Entendendo a Demanda de Negócio AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Principais atividade

Leia mais

Abordagens para Análise de Negócio

Abordagens para Análise de Negócio Terceiro Módulo: Parte 2 Abordagens para Análise de AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Abordagens para Análise

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Avaliação e Validação da Avaliação e Validação da Esta área de conhecimento descreve as atividades que são executadas para garantir que a solução encontradas atendam à necessidade do negócio e para facilitar

Leia mais

Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos

Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos Publicado em ECR Consultoria e Treinamento Empresarial (https://www.ecrconsultoria.com.br) Início > Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos Formação de Analista de Processo de Negócios

Leia mais

Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos

Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos Publicado em ECR Consultoria e Treinamento Empresarial (https://www.ecrconsultoria.com.br) Início > Formação de Analista de Processo de Negócios e Processos Formação de Analista de Processo de Negócios

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Visão da Estratégia: BSC Exemplo BSC: Declarações de Visão, Missão e Valores Empresa Acme NEGÓCIO: Soluções que aproximam. MISSÃO: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 da da [incompleto] termos Após a elaboração da proposta de, é importante definir qual será tempo estimado implementar a. Neste estudo de caso, a informação sobre estimativa de tempo esta na Demanda de

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Elicitação (de ): Elicitação (de ) A Elicitação de requisitos é uma atividade-chave da Análise de Negócio. É essencial que os requisitos sejam completos, claros, corretos e consistentes, porque eles servem

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Conteúdo do Terceiro Módulo: Gestão e Planejamento da Análise de Negócio Neste módulo apresentaremos como fazer a Gestão e Planejamento da Analise de Negócio, será discutido e demonstrado como alocar o

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Melhores Práticas para Gestão de Serviços Rildo Versão Santos 51 Rildo @rildosan Santos @rildosan rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Conteúdo do Primeiro Módulo Fundamentos da Análise de Negócio: Neste módulo apresentaremos os principais problemas que afetam a maioria das empresas, por que as empresas precisam de um profissional como

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Gerenciamento do Escopo Projeto - Ciclo de Vida Fases 3 EXECUÇÃO / CONTROLE 4 FECHAMENTO NÍVEL DE ATIVIDADE 1 CONCEPÇÃO / INICIAÇÃO 2 PLANEJAMENTO TEMPO Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Melhores Práticas para Gestão de Serviços Rildo Santos @rildosan rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com SLA V 51 Rildo F Santos (@rildosan)

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Balanced Scorecard Introdução Podemos comparar o Planejamento Estratégico como um bussola que orienta e direciona a empresa a chegar ao seu destino (objetivo de longo prazo). AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. Igor Muzetti Pereira

Gerenciamento do Escopo. Igor Muzetti Pereira Gerenciamento do Escopo Igor Muzetti Pereira igormuzetti@decsi.ufop.br Introdução Inclui os processos necessários para assegurar que o projeto inclui todo o trabalho necessário, e apenas o necessário,

Leia mais

PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO DEFINIR SERVIÇOS DE TI... 5

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação.

No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação. Aula 06 1 2 No dicionário: Local bem determinado a que se aposta atingir; Objetivo; Limite ou abrangência de uma operação. No contexto projeto, escopo pode se referir a: Escopo do produto: as características

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

Task Force on Climate Related Financial Disclosures

Task Force on Climate Related Financial Disclosures Task Force on Climate Related Financial Disclosures Agenda 1. Estratégia de Sustentabilidade 2. Gestão de Riscos e Oportunidades 3. Facilidades e Desafios do Task Force Agenda 1. Estratégia de Sustentabilidade

Leia mais

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas

17 de novembro de Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas 17 de novembro de 2016 Como a Controladoria pode melhorar a performance da empresa: insights da prática e das pesquisas Agenda Nossa missão Estrutura Processo Orçamentário Orçamento Matricial Despesas

Leia mais

Gerenciamento da Integração de Projetos. Parte 03. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento da Integração de Projetos. Parte 03. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento da Integração de Projetos Parte 03 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gestão de Projetos O que é um Projeto? O que é Gerência de Projeto? O que é um Projeto? Um empreendimento único e não-repetitivo, de duração determinada, formalmente organizado

Leia mais

Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial

Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial Marlene Silva YPÊ Curitiba 05/12/12 Quem Somos Marca líder no segmento de higiene e limpeza no Brasil, a Ypê possui uma linha

Leia mais

Agenda. Projeto Projeto Manhattan. Considerado o 1º projeto com gerenciamento estruturado.

Agenda. Projeto Projeto Manhattan. Considerado o 1º projeto com gerenciamento estruturado. Agenda CONCEITOS DE GESTÃO DE PROJETOS - PMBOK 1 2 Objetivo Projeto OBJETIVO DA APRESENTAÇÃO o Introduzir os conceitos de gestão de projetos, baseando-se na metodologia do PMBOK (Project Management Body

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 12 Sistemas de Gestão Ambiental Profº Heloise Knapik 1 Necessidade de sair de uma atitude reativa Faz-se algo apenas quando algo

Leia mais

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade.

O Baobá. é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. O Baobá é a árvore da vida, e tem em si a mais profunda mensagem de sustentabilidade e prosperidade. Especializada em gestão e sociedade, com foco em sustentabilidade para os setores público e privado.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2016

Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2016 Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 3 3. GOVERNANÇA PARA A GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL... 4 3.1 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 4 3.2 DIRETORIA

Leia mais

PROCESSO GESTÃO DA MUDANÇA Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO GESTÃO DA MUDANÇA Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO GESTÃO DA MUDANÇA Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 5 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO GESTÃO DA MUDANÇA... 6 4. PROCESSO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

PMBOK Processo Planejamento

PMBOK Processo Planejamento PMBOK Processo Planejamento Profª Andrea Padovan Jubileu PMBOK Iniciação Planeja mento Controle Execução Fechamento Integração de Projeto Escopo do Projeto Tempo do Projeto Custo do Projeto Qualidade do

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Objetivos. Público Alvo

Objetivos. Público Alvo Objetivos Desenvolver competências de gestão do fator humano na liderança de projetos. Compreender a natureza estratégica da gestão de mudanças a fim de reduzir antagonismos e ampliar o engajamento para

Leia mais

Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa - Guia Saúde pelo Clima - Isabel Santos e Victor Kenzo Projeto Hospitais Saudáveis Workshop Saúde e Mudança do Clima São Paulo, 28 de Abril ELABORAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

DESIGN DA ESTRATÉGIA Instituto Federal do Maranhão IFMA. Steinbeis-SIBE do Brasil Bruno Viotti

DESIGN DA ESTRATÉGIA Instituto Federal do Maranhão IFMA. Steinbeis-SIBE do Brasil Bruno Viotti DESIGN DA ESTRATÉGIA Instituto Federal do Maranhão IFMA Steinbeis-SIBE do Brasil Bruno Viotti Etapas do Projeto Desenvolvimento e Implementação do Planejamento Estratégico Institucional do IFMA PLANO DE

Leia mais

Conteúdo Programático Completo

Conteúdo Programático Completo Conteúdo Programático Completo 1. PAPÉIS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DA AUDITORIA INTERNA 1.1 Gestão de Mudanças 1.1.1 Visão Geral 1.1.2 Habilidades Interpessoais 1.1.3 Tipos de Mudança 1.1.4 Resistência

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Informação Pública 13/5/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 7 7 INFORMAÇÕES DE CONTROLE... 10 13/5/2016 Informação

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

40h. Este treinamento aborda o que há de mais moderno em gerenciamento de projetos e está totalmente alinhado com a última versão do Guia PMBOK

40h. Este treinamento aborda o que há de mais moderno em gerenciamento de projetos e está totalmente alinhado com a última versão do Guia PMBOK Este treinamento aborda o que há de mais moderno em gerenciamento de projetos e está totalmente alinhado com a última versão do Guia PMBOK Se você procura por uma forma mais interessante e imersiva de

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento da integração Prof. Robson Almeida Antes, uma breve revisão Processos de Iniciação Iniciação Iniciação Escopo do Projeto Planejamento Iniciação Processos de Planejamento

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa

Inventário de emissões de gases de efeito estufa Inventário de emissões de gases de efeito estufa Ano inventariado: 2015 JBS Couros Nome fantasia: JBS Couros CNPJ: 02.916.265/0089-00 Setor econômico: Indústrias de transformação Subsetor: Indústrias de

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho OBJETIVO A Avaliação de Desempenho foi desenvolvida com o objetivo de avaliar as competências dos funcionários com base na Cultura da nossa empresa, fornecer um feedback estruturado e acompanhar o seu

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSO

MODELAGEM DE PROCESSO MODELAGEM DE PROCESSO Helder Marcos Freitas Administrador UFJF Residente de Gestão Hospitalar HU/UFJF E-mail: residecoadm.hu@ufjf.edu.br Introdução Processo é uma agregação de atividades e comportamentos

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES...

Leia mais

BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS. Abril/2017

BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS. Abril/2017 BENEFÍCIOS DA ADOÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS E PMO EXPERIÊNCIAS E CASOS GUGP SUCESU/RS Abril/2017 OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS TRAZEM NOVOS DESAFIOS AOS CIOS... Internet das Coisas Mobilidade Analytics

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos

Diretoria de Tecnologia da Informação. Manual Gestão de Processos Diretoria de Tecnologia da Informação Manual Gestão de Processos Juazeiro do Norte, Setembro de 2017 Sumário Sumário 2 Apresentação 3 Definições 3 Papéis 4 Artefatos 4 O Processo de Gestão dos Processos

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)... Sumário 1. Política de Sustentabilidade...05 1.1. Declaração...05 1.2. Implementação da política...05 2. Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...06 3. Estrutura do SGA...06 3.1. Agenda Ambiental Operacional...08

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Processo Demoiselle para Modelagem de Negócio Palestrantes: Alisson Wilker alisson-wilker.silva@serpro.gov.br http://www.frameworkdemoiselle.gov.br/projetos/process 00/00/0000 Agenda

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Organizações de Saúde

EXERCÍCIO DE SIMULAÇÃO Guia para Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Organizações de Saúde Introdução Hospital Portas Abertas é uma instituição destinada a diagnóstico, atendimento ambulatorial e pequenas cirurgias, localizado em São Paulo, SP. Este Hospital é conhecido pelas ações de sustentabilidade

Leia mais

OSM - PROCESSOS ORGANIZACIONAIS BPM / BPMN

OSM - PROCESSOS ORGANIZACIONAIS BPM / BPMN OSM - PROCESSOS ORGANIZACIONAIS BPM / BPMN BPM - BUSINESS PROCESS MANAGEMENT (GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO) Os princípios fundamentais de BPM enfatizam a visibilidade, a responsabilidade e a capacidade

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide

ISO/DIS Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho. Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho Mapping Guide ISO/DIS 45001 Compreendendo a nova norma internacional para a saúde e segurança no trabalho O novo

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento De Capital

Estrutura de Gerenciamento De Capital Estrutura de Gerenciamento De Capital Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo do documento 4 3. Aspectos regulamentares 5 4. Responsabilidades 6 4.1 Comitê

Leia mais

WEBINAR. Curso: Pós-graduação Gestão de Processos de Negócios. Tema: Interconexão entre processos e as estratégias. Profa. Maria Veronica S. S.

WEBINAR. Curso: Pós-graduação Gestão de Processos de Negócios. Tema: Interconexão entre processos e as estratégias. Profa. Maria Veronica S. S. WEBINAR Curso: Pós-graduação Gestão de Processos de Negócios Tema: Interconexão entre processos e as estratégias. Profa. Maria Veronica S. S. Lessa Biografia Maria Veronica S. S. Lessa => Doutoranda Ciências

Leia mais

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS.

Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Esse é o nosso negócio. A INFORMAÇÃO DE QUE VOCÊ PRECISA. NEM MAIS, NEM MENOS. Novas demandas de mercado exigem que modelos técnicos consagrados sejam incorporadas a novas tecnologias, novos conhecimentos

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos Iniciação: elaborando um TAP Prof. Robson Almeida UNIP. Administração de projetos. Aula 3 Fase de Iniciação de projetos [notas de aula]. Faculdade Online UVB, 2012. Acesso em:

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira

Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira Pílulas de Gestão do Conhecimento Por Anna Nogueira Anna Nogueira? Formação multidisciplinar Bióloga (São Camilo) Especializada em cultura da marca e marketing de serviços (ESPM) Criatividade e Inovação

Leia mais

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento das Partes Interessadas (PMBoK 5ª ed.) Este é o capítulo 13 do PMBoK e é uma área muito importante para o PMI, pois antes de levar em consideração o cumprimento dos prazos, orçamento e qualidade,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL. Estudo de Caso PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA NO VITÓRIA APART HOSPITAL Estudo de Caso Sobre o Vitória Apart Hospital Institucional Desde a sua fundação, em 2001, o Vitória Apart Hospital atua com o objetivo de

Leia mais

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº. 2.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015.

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política

Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Morgan Stanley Administradora de Carteiras S.A. Estrutura de Gestão de Risco Política Data Efetiva 12 de Agosto de 2016 Departmento Responsável Aprovado por Informação de Contato Diretoria de Riscos Gerente

Leia mais

Gerenciamento Do Escopo Do Projeto

Gerenciamento Do Escopo Do Projeto Gerenciamento Do Escopo Do Projeto Disciplina: Gerência De Projetos Bruno Tenório Da Silveira Lopes Fernando David Leite Thiago Abelha Isaac Salvador Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa elisa@icmc.usp.br Sumário

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Walker Dutra. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Walker Dutra. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão inicial 19/04/2013 01 Alteração do item 3 Inclusão de Termos; inclusão dos itens de 5.2.1 à 5.2.11; Alteração do

Leia mais

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006

Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação. Junho de 2006 Núcleo de Apoio ao Planejamento e Gestão da Inovação Junho de 2006 NUGIN: Núcleo de Gestão da Inovação Missão Promover a geração de ambientes inovadores, fomentando e apoiando as empresas na gestão da

Leia mais

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho

EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS. Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste. José Mauro Coelho EPE PETRÓLEO, GÁS E BIOCOMBUSTÍVEIS Workshop: Desafios e Perspectivas do Setor Sucroenergético no Nordeste Campinas/SP 30 mar. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Curso Internacional de Recuperação Energética de Resíduos Sólidos Urbanos em Aterros Sanitários Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Fundação Estadual

Leia mais

Processos de Engenharia de Requisitos

Processos de Engenharia de Requisitos Processos de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software (SCE-5764) 1º Sem. 2012- Prof. Paulo C. Masiero Introdução Objetivo: criar e manter um documento de requisitos. Quatro subprocessos: Avaliação

Leia mais

Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz

Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz Gerenciando Obras de Engenharia de Forma Eficaz 08/07/15 Vinícius Bravim, MBA, PMP Palestrante Vinícius Bravim, MBA, PMP Especialista em Gerenciamento de Projetos pela FGV, certificado PMP (Project Management

Leia mais

O desafio da transformação pela excelência em gestão

O desafio da transformação pela excelência em gestão O desafio da transformação pela excelência em gestão Conheça o novo Modelo de Excelência da Gestão - MEG 21ª Edição Gilmar Casagrande Sócio e Diretor da Casattos 23/08/2017 O PGQP, há 25 anos, mobiliza

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

S&OP na Leroy Merlin SUPPLY CHAIN. Setembro de 2017

S&OP na Leroy Merlin SUPPLY CHAIN. Setembro de 2017 S&OP na Leroy Merlin SUPPLY CHAIN Setembro de 2017 AGENDA 1. Alguns números da Leroy Merlin no Brasil 2. Passo a passo do S&OP Um dos maiores varejistas do Brasil (21º) GPTW uma das melhores empresas para

Leia mais

PROAP - Pró Reitoria de Administração e Planejamento

PROAP - Pró Reitoria de Administração e Planejamento PROAP - Pró Reitoria de Administração e Planejamento Detalhamento das Funções do Sistema PMI - Plano de Metas Institucional Este módulo tem como objetivo mostrar como é feita a inserção de metas no site,

Leia mais

Versão: 1.0 Doc Manager

Versão: 1.0 Doc Manager Plano de Gerenciamento de Configuração versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza 1 Data: 10/04/2016

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa

Inventário de emissões de gases de efeito estufa Inventário de emissões de gases de efeito estufa Ano inventariado: 2015 JBS Couros Nome fantasia: JBS Couros CNPJ: 02.916.265/0089-00 Setor econômico: Indústrias de transformação Subsetor: Indústrias de

Leia mais

Estabelecer as orientações básicas relativas à operação do processo de Avaliação de Desempenho Individual no Instituto Estadual do Ambiente (INEA).

Estabelecer as orientações básicas relativas à operação do processo de Avaliação de Desempenho Individual no Instituto Estadual do Ambiente (INEA). INDIVIDUAL (MANUAL DA GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS) Proposto por: ASPRES Analisado por: PRESIDENTE Aprovado por: PRESIDENTE 1 OBJETIVO Estabelecer as orientações básicas relativas à operação do processo

Leia mais

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição Plano de Medição Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Objetivos Organizacionais 4. Armazenamento 4. Questões e Indicadores 5. Métricas 1. Introdução Este documento descreve o plano para a execução da

Leia mais

ROTINA OPERACIONAL PADRÃO

ROTINA OPERACIONAL PADRÃO 1/5 1. FINALIDADE para padronização e orientação acerca das ferramentas utilizadas na gestão de processos em âmbito institucional. 1.1 Entrada/Insumo Demanda dos gestores para mapeamento de seus processos.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

Eduardo Lapa. Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor

Eduardo Lapa. Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor Eduardo Lapa Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor Storyboard O que é Inteligência empresarial Porque inteligência empresarial Como as empresas se beneficiam com isso

Leia mais

A Engenharia de Requisitos no contexto Ágil FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS

A Engenharia de Requisitos no contexto Ágil FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS A Engenharia de Requisitos no contexto Ágil Guilherme Siqueira Simões 05/09/2017 FATTO CONSULTORIA E SISTEMAS 1 ORIENTAÇÕES INICIAIS Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIAR A EQUIPE DO PROJETO SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DOS IMPACTOS DE UMA GAMA DE CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP Arquiteta e Urbanista formada pela PUC PR, com especialização em Gerenciamento de Obras pela UFTPR e cursando Gestão Estratégica na UFPR. Possui certificação PMP Atua no mercado

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos ÁREAS DE CONHECIMENTO [01] Nós já sabemos que o Guia PMBOK é dividido em 10 áreas do conhecimento relacionadas

Leia mais

Gestão Por Processos. Prof. Me. Silvio Mota Fone:

Gestão Por Processos. Prof. Me. Silvio Mota Fone: Gestão Por Processos Prof. Me. Silvio Mota Fone: 55 11 3285 6539 contato@daryus.com.br Biografia Mestre em Administração de Empresas, Pós Graduado em Análise de Sistemas, atua no mercado prestando consultoria

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais