COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências"

Transcrição

1 COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Elétrica de Autos 1. O movimento ordenado de elétrons livres em um condutor devidamente alimentado é denominado: A) tensão elétrica. B) resistência. C) corrente elétrica. D) amperagem. 2. Abaixo está a representação esquemática de um circuito: A) em paralelo. C) quadrado. D) em série. 3. Abaixo está a representação esquemática de um circuito: A) em série. B) em misto. C) em quadrado. D) em paralelo. 4. Abaixo está a representação esquemática de um circuito: A) misto B) em paralelo. C) em série. D) quadrado. 5. A figura abaixo é a utilização do multímetro na medição de: A) resistência. B) tensão. C) consumo de corrente elétrica. D) corrente elétrica. 1

2 6. A bateria chumbo-ácido, comumente utilizada nos veículos, é constituída basicamente por: A) placas negativas, placas neutras, separadores e carcaça. B) placas positivas, placas neutras, separadores e carcaça. C) placas negativas, placas positivas, separadores e carcaça. D) placas positivas, placas negativas, aplicadores e carcaça. 7. A figura abaixo representa a utilização de um: A) multímetro. B) densímetro. C) osciloscópio. D) amperímetro. 8. As baterias podem ser carregadas de duas formas: carga lenta e carga rápida. A carga lenta deve ser aplicada de: A) 15 a 17 horas. B) 12 a 14 horas. C) 17 a 21 horas. D) 21 a 24 horas. 9. A figura abaixo representa o sistema de carga de baterias, conforme as baterias estejam ligadas: A) em série. C) em paralelo. D) seqüencial. 10. A figura abaixo representa o sistema de carga de baterias, conforme as baterias estão ligadas: A) em paralelo. C) em série. D) seqüencial. 11. A figura abaixo demonstra o indicador de carga de uma bateria, que pode ser chamado de: A) relógio. B) densimetro. C) amperímetro. D) hidrômetro. 2

3 12. Ao fazer o teste de capacidade (descarga) em uma bateria, a corrente consumida e o tempo de duração do teste devem ser respectivamente de: A) 3 vezes a corrente nominal e 15 segundos. B) 1 vez a corrente nominal e 15 segundos. C) 3 vezes a corrente nominal e 1 hora. D) 1 vez a corrente nominal e 1 hora. 13. Em uma bateria com etiqueta 45 C 425 D, o que esses valores significam respectivamente: A) capacidade nominal (Ah), Corrente contínua, Corrente de partida a frio e Polaridade. B) capacidade nominal (Ah), Dimensões da caixa, Corrente de partida a frio e Polaridade. C) capacidade nominal (Ah), Dimensões da caixa, Corrente de partida a frio e Densidade. D) capacidade nominal (Ah), Corrente contínua, Corrente de partida a frio e Densidade. 14. Quais as duas partes principais que constituem um motor de partida: A) rotor e carcaça. B) rotor e estator. C) estator e carcaça. D) carcaça e rolamentos. 15. Um automóvel apresenta o seguinte problema: ao acionar a chave de ignição/partida, o motor de partida gira sem muita força. Depois de uma rápida verificação chegou-se a conclusão de que a bateria estava descarregada. Devese: A) substituir a bateria. B) substituir a bateria e seus conectores. C) substituir a bateria e verificar o porquê de ela ter descarregado. D) recarregar a bateria e verificar o porquê de ela ter descarregado. 16. O teste de capacidade (descarga) de uma bateria consiste em: A) simular uma corrente na bateria para verificar se ela suporta o consumo do alternador. B) simular uma corrente aplicada pelo motor de partida, durante a marcha lenta. C) simular uma corrente consumida pelo motor de partida, durante a partida. D) simular uma corrente no alternador quando o motor de partida entra em funcionamento. 17. As formas de conexão das bobinas do estator são: A) estrela e cruz. B) triângulo e cruz. C) estrela e triângulo. D) quadrada e estrela. 18. Em um veículo, quando é ligada a chave de ignição, a luz indicadora de pressão do óleo acende, e ao dar partida no veículo ela permanece acesa. O técnico A afirma que o problema pode estar no interruptor da pressão do óleo e o técnico B afirma que o chicote interrompido pode ser o problema. Podemos afirmar que: 19. Temos um circuito em paralelo com dois valores de resistência iguais a 24 Ohms. Como estamos aplicando 12 V no circuito paralelo, as tensões em R1 e R2 serão: A) R1 = 24 V e R2 = 24 V. B) R1 = 0,5 A e R2 = 0,5 A. C) R1 = 1 A e R2 = 1 A. D) R1 = 12 V e R2 = 12 V. 3

4 20. Observando o gráfico abaixo, podemos afirmar que a temperatura para uma resistência de 1 KΩ é: A) 42ºC. B) 80ºC. C) 20ºC. D) 0ºC. 21. Em uma discussão sobre sistema de carga e partida o técnico A afirma que o alternador tem a função de ajudar o motor de partida a fazer funcionar o motor de combustão interna. Ao contrário, o técnico mecânico B diz que o alternador gera a energia elétrica necessária para o veículo quando o motor de combustão interna está em funcionamento. Podemos afirmar que: 22. O componente que tem a função de iniciar o movimento do motor de combustão interna do veículo por meio da rotação da cremalheira do volante de inércia é: A) bateria. B) alternador. C) motor de partida. D) nenhuma das alternativas. 23. A potência elétrica dissipada por uma lâmpada de 12 V que permite a circulação de uma corrente de 4 A é: A) 48 W. B) 3 W. C) 8 W. D) 16 Ω. 24. Dado o circuito abaixo e sabendo que sua alimentação é de 12 V, o fusível que deve ser empregado é: A) 3 a 5 A. B) 7,5 a 9 A. C) 15 a 20 A. D) 10 a 12 A. 25. Em um sistema de carga de um veículo, a corrente alternada de três fases, produzida no enrolamento do estator, tem que ser retificada para que a bateria possa ser retificada. Esse processo ocorre com o auxílio do: A) transistor. B) resistor. C) regulador. D) diodo semicondutor. 4

5 26. Em uma discussão técnica sobre alternador, o técnico mecânico A afirma que os alternadores possuem um circuito da corrente de pré-excitação; o técnico mecânico B diz que é um circuito da corrente de carga; o técnico mecânico C afirma que é um circuito da corrente de excitação e o técnico mecânico D diz que nos alternadores há os três tipos de circuitos citados pelos técnicos acima. Podemos afirmar que está correto: A) o técnico A. B) o técnico B. C) o técnico C. D) o técnico D. 27. A chave magnética empregada nos motores de partida tem a função básica de: A) comutar altas correntes por meio de correntes elétricas relativamente baixas. B) comutar baixas correntes por meio de correntes elétricas relativamente baixas. C) comutar baixas correntes por meio de correntes elétricas relativamente altas. D) comutar altas correntes por meio de correntes elétricas relativamente altas. 28. Na maioria das chaves magnéticas a bobina é constituída de dois enrolamentos. São eles: A) retenção e repulsão. B) tração e atração. C) atração e retenção. D) atração e repulsão. 29. Analisando as duas figuras abaixo, o técnico mecânico A diz que a figura 1 não é um circuito e a figura 2 é um circuito. Já o técnico mecânico B afirma que a figura 1 é um circuito e a 2 não é um circuito. Podemos afirmar que: 30. Análise o esquema elétrico abaixo e responda. Quando a lâmpada 2 é removida: A) somente a lâmpada L1 permanecerá acesa. B) as lâmpadas L1 e L2 permanecerão apagadas. C) somente a lâmpada L1 permanecerá apagada. D) ocorrerá um curto circuito. 5

ELETRICIDADE BÁSICA TEORIA ATÔMICA

ELETRICIDADE BÁSICA TEORIA ATÔMICA Matéria TEORIA ATÔMICA É tudo aquilo que ocupa lugar no espaço Molécula Núcleo: Prótons carga elétrica positiva Nêutrons carga elétrica nula Eletrosfera: Elétrons carga elétrica negativa Átomo É a menor

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Circuitos eléctricos O que é? n Designa-se de circuito eléctrico o caminho por onde a corrente eléctrica passa. n A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas, que se estabelece num circuito

Leia mais

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada.

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada. Lista de exercícios Disciplina: Eletricidade Aplicada Curso: Engenharia da Computação Turma: N30 1 -) Assinale a alternativa correta. Descreva o que é tensão elétrica. a - A diferença de potencial elétrico

Leia mais

Geradores e Receptores

Geradores e Receptores QUESTÃO 1 No circuito elétrico, o amperímetro A, o voltímetro V e o gerador são ideais. A leitura do amperímetro é 2,0 A e a do voltímetro é: a) 6,0 V b) 10 V c) 10,5 V d) 20 V e) 42 V QUESTÃO 2 A figura

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL MOTORES DE INDUÇÃO 1 - LIGAÇÕES código: MOT1 RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL MOTORES DE INDUÇÃO 1 - LIGAÇÕES código: MOT1 RELATÓRIO - ABORATÓRIO DE EETROTÉCNICA GERA MOTORES DE INDUÇÃO 1 - IGAÇÕES código: MOT1 REATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. EQUIPAMENTO - 1 motor trifásico de

Leia mais

Capítulo 7: Associação de Resistores

Capítulo 7: Associação de Resistores Capítulo 7: Associação de Resistores Os resistores podem ser associados basicamente de dois modos distintos: em série e em paralelo. Ambos os modos de associação podem estar presentes: temos um associação

Leia mais

Capítulo 7: Associação de Resistores

Capítulo 7: Associação de Resistores Capítulo 7: Associação de Resistores Os resistores podem ser associados basicamente de dois modos distintos: em série e em paralelo. Ambos os modos de associação podem estar presentes: temos um associação

Leia mais

SISTEMAS CONTROLO DE SUPERFÍCIES DE COMANDO DE VOO

SISTEMAS CONTROLO DE SUPERFÍCIES DE COMANDO DE VOO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Energia LBORTÓRIO DE ITEM CONTROLO DE UPERFÍCIE DE COMNDO DE VOO (LIC. ENGENHRI EROEPCIL - viónica) ccionamentos com a máquina de corrente

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. O tipo de dispositivo mais adequado para proteger um motor elétrico contra correntes de curto circuito é:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. O tipo de dispositivo mais adequado para proteger um motor elétrico contra correntes de curto circuito é: 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 O tipo de dispositivo mais adequado para proteger um motor elétrico contra correntes de curto circuito é: a) fusível rápido b) fusível retardado c) contator

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE 3ª Lista de Exercícios Eletricidade Instrumental Técnico Integrado em Informática Aluno (a): Ano/Série: Matrícula: Professor:

Leia mais

O MOTOR DE INDUÇÃO - 1

O MOTOR DE INDUÇÃO - 1 PEA 2211 Introdução à Eletromecânica e à Automação 1 O MOTOR DE INDUÇÃO - 1 PARTE EXPERIMENTAL Conteúdo: 1. Introdução. 2. Observando a formação do campo magnético rotativo. 3. Verificação da tensão e

Leia mais

Nome do Aluno Assinatura Nome do Aluno Assinatura. Parte Experimental

Nome do Aluno Assinatura Nome do Aluno Assinatura. Parte Experimental Nome do Aluno Assinatura Nome do Aluno Assinatura 1- A Bancada Experimental Parte Experimental Observe a montagem da figura 1. Note que o esquema possui um grau de diversidade de equipamentos bastante

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: TELE - ENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado

Leia mais

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA

ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA E-mail: vinicius.borba@ifsc.edu.br

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V.

5) No circuito abaixo, determine a potência gerada pela bateria de 5 V. ) Determine Vab (i7 é desconhecido). V = 0V ab ) Obtenha os circuitos equivalentes de Thévenin e Norton do seguinte circuito. R.: 3) Determine a resistência equivalente R ab vista dos terminais ab do circuito

Leia mais

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia Aula 04- Circuitos Elétricos Lei de Ohm, Potência e Energia Até agora, definimos três das grandezas físicas mais importantes em um circuito elétrico: tensão corrente elétrica resistência elétrica. O objetivo

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Lista de exercícios 6 Circuitos

Lista de exercícios 6 Circuitos Lista de exercícios 6 Circuitos 1. Um fio com uma resistência de 5,0 Ω é ligado a uma bateria cuja força eletromotriz é 2,0 V e cuja resistência interna é 1,0 Ω. Em 2 minutos, qual é: a) a energia química

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW APÊNDICE C Ensaio da Performance do Protótipo MATRBGC-HGW560-75kW 298 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBGC 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

Questão 4. Questão 5. Questão 6

Questão 4. Questão 5. Questão 6 Questão 1 Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é cortado

Leia mais

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 3ª Ficha Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 1- Um condutor eléctrico projectado para transportar corrente elevadas possui um comprimento de 14.0 m e uma secção recta circular com diâmetro

Leia mais

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Material 2 Resistores de 3.3kΩ; 2 Resistores de 10kΩ; Fonte de alimentação; Multímetro digital; Amperímetro; Introdução Existem duas

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia

Pontifícia Universidade Católica do RS Faculdade de Engenharia Pontifícia Universidade Católica do S Faculdade de Engenharia LABOATÓIO DE ELETÔNICA DE POTÊNCIA EXPEIÊNCIA 1: ETIFICADO MONOFÁSICO MEIA ONDA A DIODO OBJETIO: erificar quantitativa e qualitativamente o

Leia mais

Estrutura dos esquemas elétricos

Estrutura dos esquemas elétricos Alternador, Regulador de tensão, Bateria Estrutura dos esquemas elétricos Descrição dos componentes utilizados na página Central Elétrica e suas ligações internas, fusíveis e relés 50 500 4 Seção média

Leia mais

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos?

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercício 2) Em um átomo, quais são as três fontes de campo magnético existentes? Exercício

Leia mais

Integrantes do Grupo

Integrantes do Grupo Integrantes do Grupo PARTE EXPERIMENTAL 1. Objetivos Nesta experiência trabalharemos com um gerador trifásico, de frequência nominal 60 [Hz] e 4 pólos. Os seguintes fenômenos serão observados: ariação

Leia mais

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR Manual de Operação MARELLI IAW-6R TWINGO RENAULT Seção A : Versão : 1.00G / 99 A1 ÍNDICE Introdução... A3 Auto-Diagnóstico... A4 Conectando o seu PC-SCAN 2010... A4 Consultas

Leia mais

Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC

Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC 7 Geradores Elétricos CA e CC Figura 7-1 Gerador Elétrico CA A energia elétrica é obtida através da conversão de energia mecânica (movimento) em energia elétrica

Leia mais

Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora)

Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora) 5596 - Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora) Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos Fundamentais 1.1. Matéria......21 1.2. Circuito Elétrico...22 1.2.1. Dispositivo de Manobra...23

Leia mais

Prof. Renato M. Pugliese. EME Prof. Vicente Bastos SESI Vila Carrão - CE379. Física 3º ano Aula 1. Apresentação

Prof. Renato M. Pugliese. EME Prof. Vicente Bastos SESI Vila Carrão - CE379. Física 3º ano Aula 1. Apresentação Aula 1 Apresentação 1. Recepção à escola. 2. Pessoal Nome, Formação, Profissão, Residência... 3. Disciplina (Levantamento / Classificação) Física 1º ano 2º ano 3º ano Mecânica / Astronomia / Gravitação

Leia mais

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra Circuitos Elétricos DISCIPLINA: Física NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra DATA: NOTA: ASS: - Circuito Simples: Esquema: Bateria: Corrente elétrica i Resistência: i = corrente elétrica V = d.d.p.

Leia mais

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13

Prof. Renato. EME Prof. Vicente Bastos SESI Carrão. Física 3ª. Série Aula 13 Aula 13 Circuitos Elétricos 1. Resistência dos materiais (R) Qualquer material oferece determinada resistência à fluidez das cargas (corrente elétrica). Bons condutores oferecem menos resistência, enquanto

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No. Trabalho de Recuperação Data: Valor: Temas: - Força elétrica - Resistores - Associação de resistores - Geradores elétricos

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica Listas de figuras Listas de quadros Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos Condutor e Isolante Tensão e Corrente Elétrica Resistência Elétrica Potência Elétrica Fator de Potência Potência dissipada

Leia mais

lectra Material Didático COMANDOS ELÉTRICOS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  COMANDOS ELÉTRICOS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático COMANDOS ELÉTRICOS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. MOTORES ELÉTRICOS 1.1. Classificação de motores 1.1.1. Motores

Leia mais

CUIDADOS BÁSICOS COM CENTRÍFUGAS

CUIDADOS BÁSICOS COM CENTRÍFUGAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 10/98 CUIDADOS BÁSICOS COM CENTRÍFUGAS Vicente Real Junior André Luiz Bugnolli Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS

PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS SEL0423 - LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Conexão da máquina de indução como gerador João Victor Barbosa Fernandes NºUSP: 8659329 Josias Blos NºUSP: 8006477 Rafael Taranto Polizel NºUSP: 8551393 Rodolfo

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 19 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX IGNIÇÃO, ELETROVENTILADOR E PARTIDA A FRIO

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Método LIDE - Máquinas Elétricas 1 Método LIDE - Máquinas Elétricas Sumário 1. Ligação dos motores de indução trifásico (MIT)... 3 1.1. Ligação de Motores de Indução

Leia mais

ELETRODINÂMICA A) 4, B) 6, C) 2, D) 1,0.10-3

ELETRODINÂMICA A) 4, B) 6, C) 2, D) 1,0.10-3 QUESTÃO 01 No circuito mostrado no diagrama, todos os resistores são ôhmicos, o gerador e o amperímetro são ideais e os fios de ligação têm resistência elétrica desprezível. A intensidade da corrente elétrica

Leia mais

O SISTEMA ELÉCTRICO DOS TRACTORES 1996

O SISTEMA ELÉCTRICO DOS TRACTORES 1996 O SISTEMA ELÉCTRICO DOS TRACTORES 1996 1 ÍNDICE 1- Introdução... 1 2- Considerações gerais sobre electricidade... 1 3- A bateria de acumuladores... 3 3.1- Constituição e funcionamento da bateria de acumuladores...

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.2 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Exercício 1 Para o motor de indução trifásico que tem as curva de torque,

Leia mais

1. Considere uma bateria de força eletromotriz ε e resistência interna desprezível. Qual dos gráficos a seguir melhor representa a bateria?

1. Considere uma bateria de força eletromotriz ε e resistência interna desprezível. Qual dos gráficos a seguir melhor representa a bateria? 1. Considere uma bateria de força eletromotriz ε e resistência interna desprezível. Qual dos gráficos a seguir melhor representa a bateria? a) b) c) d) e) 2. O desenho abaixo representa um circuito elétrico

Leia mais

Diagnósticos Borboleta motorizada (drive by wire)

Diagnósticos Borboleta motorizada (drive by wire) Diagnósticos 55-002 - Borboleta motorizada (drive by wire) Características e funcionamento O NCM comanda a borboleta com base na solicitação de torque do motor. A solicitação de torque pode, por exemplo,

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE Revisão de Eletricidade (Física) do Ensino Médio A - Corrente e Tensão Elétrica 1. Numa seção reta de um condutor de eletricidade, passam 12 C a cada minuto. Nesse condutor,

Leia mais

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito

Lei de Ohm e Resistores reais Cap. 2: Elementos de circuito 2. Análise de Circuitos Elétricos Simples REDES e CIRCUITOS: A interconexão de dois ou mais elementos de circuitos simples forma uma rede elétrica. Se a rede tiver pelo menos um caminho fechado, ela é

Leia mais

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex Câmbio Dualogic Diagnósticos 21-001- Câmbio Dualogic 1.8 / 1.9 Flex INCONVENIENTE: Veículo em trânsito demora a desacoplar a embreagem. DIAGNOSE: 1) - Verificar se o interruptor de freio esta queimado

Leia mais

16. SISTEMA DE IGNIÇÃO

16. SISTEMA DE IGNIÇÃO 16. SISTEMA DE IGNIÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 16-1 LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES 16-2 DIAGRAMA DO SISTEMA 16-2 DIAGNOSE DE DEFEITOS 16-3 INSPEÇÃO DO SISTEMA DE IGNIÇÃO 16-4 16-5 BOBINA DE EXCITAÇÃO DO ALTERNADOR

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA 1 (UNIFESP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 800 ma. Conhecida a carga 19 elétrica elementar, e = 1,6

Leia mais

Fís. Monitores: Caio Rodrigues

Fís. Monitores: Caio Rodrigues Fís. Professor: Leonardo Gomes Monitores: Caio Rodrigues Exercícios sobre associação de resistores 09 ago RESUMO Em série Associar resistores em série significa ligá-los em sequência, ou seja, por um mesmo

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CC. Fonte: eletronica24h.com.br

CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CC. Fonte: eletronica24h.com.br CIRCUITOS ELÉTRICOS EM CC Fonte: eletronica24h.com.br OBJETIVO Ao final deste capitulo o aluno estará apto a entender, aplicar e realizar cálculos referente a Circuitos Elétricos em CC. CIRCUITOS DE CORRENTE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática. Resposta: Resposta:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Técnico Integrado em Informática. Resposta: Resposta: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE 4ª Lista de Exercícios Eletricidade Instrumental Técnico Integrado em Informática Aluno (a): Ano/Série: Matrícula: Professor:

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Fevereiro de 2016 Equipamento que transforma energia elétrica

Leia mais

Página 1 de 18. Jetta. Esquema de circuito de corrente Nº 36 / Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010

Página 1 de 18. Jetta. Esquema de circuito de corrente Nº 36 / Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010 Página 1 de 18 Esquema de circuito de corrente Nº 36 / 1 04.2012 Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010 Página 2 de 18 Esquema de circuito de corrente Nº 36 / 2 Bateria, Motor de partida,

Leia mais

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE 1) CORRENTE ALTERNADA: é gerada pelo movimento rotacional de um condutor ou um conjunto de condutores no interior de um campo magnético (B)

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

Δt, quando. R. 1 Nessas condições, a relação entre as

Δt, quando. R. 1 Nessas condições, a relação entre as 1. (Unesp 016) As companhias de energia elétrica nos cobram pela energia que consumimos. Essa energia é dada pela expressão E V i t, em que V é a tensão que alimenta nossa residência, a intensidade de

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Máquinas CA são ditas: 1. Síncronas: quando a velocidade do eixo estiver em sincronismo com a freqüência da tensão elétrica de alimentação;

Máquinas CA são ditas: 1. Síncronas: quando a velocidade do eixo estiver em sincronismo com a freqüência da tensão elétrica de alimentação; AULA 10 MÁQUINAS DE INDUÇÃO (ou assíncronas) Descrição e construção da máquina Formação do campo magnético rotativo Tensões, frequências e correntes induzidas Produção de conjugado no eixo Máquinas Elétricas

Leia mais

APÊNDICE A. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRGDA-FAF315-15kW

APÊNDICE A. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRGDA-FAF315-15kW APÊNDICE A Ensaio da Performance do Protótipo MATRGDA-FAF315-15kW 262 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRGDA 315 POTÊNCIA: 15KW / 5KW TENSÃO:

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: ELETROTÉCNICO DATA: 20/03/2016 HORÁRIO: 9h às 11h PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SEDUC FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala, após o término da prova. RASCUNHO PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO:

Leia mais

Comandos Elétricos (Elétrica Industrial)

Comandos Elétricos (Elétrica Industrial) - Serviço de Ensino de Refrigeração, Automação e Elétrica Ltda ME Rua Padre Telêmaco, 111 - Cascadura - Rio de Janeiro - RJ Site: Comandos Elétricos Sumário Grandezas Elétricas...2 Lei de Ohm...3 Circuito

Leia mais

Alternador. Professor Diogo Santos Campos

Alternador. Professor Diogo Santos Campos 4. SISTEMA ELÉTRICO O sistema elétrico dos motores dos tratores agrícolas pode ser dividido em três partes, são elas: Produção: gerador e dispositivos de controle de corrente e tensão; Armazenamento: bateria;

Leia mais

Aula 06. ASSUNTOS: Circuitos elétricos de corrente contínua; potência elétrica; leis de OHM; efeito Joule.

Aula 06. ASSUNTOS: Circuitos elétricos de corrente contínua; potência elétrica; leis de OHM; efeito Joule. ASSUNTOS: Circuitos elétricos de corrente contínua; potência elétrica; leis de OHM; efeito Joule. 1. (CEFET-CE 2007) Na figura a seguir, a bateria E, o voltímetro V e o amperímetro A são ideais. Todos

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT FÍSIC GERL E EXPERIMENTL II PROF JOÃO RODRIGO ESCLRI - 2012 ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSIC II GERDORES E LEI DE POULIETT 1. 4. figura representa um trecho de um circuito percorrido por uma corrente com intensidade

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO GERADORES SÍNCRONOS LINHA AUTORREGULADO MONOFÁSICO ARM 60 Hz SÉRIES 46535 46540 46855X LINHA AUTORREGULADO TRIFÁSICO ART 60 Hz SÉRIES 46370 46530 46151X SUMÁRIO ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1: CIRCUITO TRIFÁSICO EQUILIBRADO

EXPERIÊNCIA 1: CIRCUITO TRIFÁSICO EQUILIBRADO EXPERIÊNCIA 1: CIRCUITO TRIFÁSICO EQUILIBRADO Objetivo: Verificar as relações entre os valores (de tensão e de corrente) de linha e de fase nas ligações estrela e triângulo. Circuitos: a) Estrela b) Triângulo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRODINÂMICA

LISTA DE EXERCÍCIOS DE ELETRODINÂMICA csjose@csjose.com.br Aluno(a) Nº Série: 3º Ensino Médio Turma 1ª Unidade Disciplina: FÍSICA Data / /. Professor(a) : Antônio Barreto O S e n h o r t e a b e n ç o e e t e g u a r d e v o l t e p a r a

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLÇÃO COMECE DO BÁSICO SOLÇÃO CB. 01 Para ser resistor ôhmico o gráfico deve ser linear. Neste caso, a linearidade se observa no trecho BC. SOLÇÃO CB. 0 ' r '. i ( Equação 10 7 r'.4 4r 48 do receptor)

Leia mais

Introdução às máquinas CA

Introdução às máquinas CA Introdução às máquinas CA Assim como as máquinas CC, o princípio de funcionamento de máquinas CA é advindo, principalmente, do eletromagnetismo: Um fio condutor de corrente, na presença de um campo magnético,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES FONTE CARREGADOR DE BATERIA USINA Fonte Chaveada Usina 30A-14,4V Antes de Efetuar qualquer ligação em sua fonte, leia atentamente o manual de instruções. Apresentação Parabéns, você

Leia mais

Técnico em Edificações Instalações Hidráulicas e Elétricas

Técnico em Edificações Instalações Hidráulicas e Elétricas Técnico em Edificações Instalações Hidráulicas e Elétricas Antônio Vieira Representação Gráfica Representação Gráfica Representação Gráfica Representação Gráfica Representação Gráfica Representação Gráfica

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.1 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Porque em muitos casos é necessário utilizar um método para partir um motor

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdades de Engenharia, Matemática, Física e Tecnologia EXPERIÊNCIA: ENSAIOS EM CURTO E VAZIO DE TRANSFORMADORES

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 15 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX MAP E SENSORES DE OXIGÊNIO Agora veremos: IAW

Leia mais

VESTIBULINHO ETEC - 2º SEM/12 CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA EXAME: 17/06/12 (DOMINGO), ÀS 13H30MIN CADERNO DE QUESTÕES

VESTIBULINHO ETEC - 2º SEM/12 CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA EXAME: 17/06/12 (DOMINGO), ÀS 13H30MIN CADERNO DE QUESTÕES VESTIBULINHO ETEC - 2º SEM/12 CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIA TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA EXAME: 17/06/12 (DOMINGO), ÀS 13H30MIN CADERNO DE QUESTÕES Nome do(a) candidato(a): Nº de inscrição: Prezado(a) candidato(a):

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2010 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Eletrostática: CONTEÚDO Átomo-Lei

Leia mais

Exercícios de Física Eletrodinâmica

Exercícios de Física Eletrodinâmica Exercícios de Física Eletrodinâmica Lista elaborada pelo Professor Fernando Valentim nandovalentim@yahoo.com.br 01. No circuito da figura, o gerador é ideal. A intensidade da corrente elétrica que passa

Leia mais

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 03-04 UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA Professor: Vilson Mendes Lista de exercícios de Física I Lista 6 Associação de resistores ENSINO MÉDIO NOTA: Aluno (: Data SÉRIE/TURMA 3ª 1. Em cada um dos esquemas abaixo,

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA

MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA Conjugado Eletromagnético Conjugado Eletromagnético Conjugado motor e Conjugado resistente Na figura a seguir temos duas máquinas idênticas. Uma funciona como gerador e

Leia mais

Assinale a alternativa correta: a) 12 b) 32 c) 42 d) 52 e) 62

Assinale a alternativa correta: a) 12 b) 32 c) 42 d) 52 e) 62 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. Qual a função do resistor interno nas lâmpadas vapor de mercúrio? a) Ajuda a manter a lâmpada aquecida. b) Ajuda na dissipação de calor da lâmpada. c) Funciona em paralelo

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO II

LABORATÓRIO INTEGRADO II FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO II Experiência 05: MOTOR TRIFÁSICO DE INDUÇÃO ENSAIOS: VAZIO E ROTOR BLOQUEADO Prof. Norberto Augusto Júnior

Leia mais

Resistência elétrica e Protoboard

Resistência elétrica e Protoboard Resistência elétrica e Protoboard 1. A resistência elétrica A resistência elétrica é um componente eletrónico que oferece uma oposição à passagem da corrente elétrica. Este componente tem diversas aplicações

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2017 92 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º

Leia mais

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES)

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) Prof. Helton Luiz 2012 O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE UM APARELHO ELÉTRICO FUNCIONE? Um brinquedo Um rádio Uma lanterna Uma lâmpada Estes aparelhos só

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Um par de faróis de automóvel é ligado a uma bateria de

Leia mais

Hoje eu instalei essa lampadinha na estante do meu quarto:

Hoje eu instalei essa lampadinha na estante do meu quarto: Hoje eu instalei essa lampadinha na estante do meu quarto: os fios estão ligados na tomada. A tensão da rede aqui em SC é 220 V. Eu medi as resistências da lâmpada e do resistor com o multímetro. Os valores

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TESTES DE REGULADORES COM LÂMPADA DIODOS ZENER X DIODOS CONVENCIONAIS TESTE DE RESISTÊNCIA DO ROTOR

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TESTES DE REGULADORES COM LÂMPADA DIODOS ZENER X DIODOS CONVENCIONAIS TESTE DE RESISTÊNCIA DO ROTOR TESTES DE REGULADORES COM LÂMPADA Os reguladores de tensão da IKRO, diferente de outras marcas, não queimam em testes com lâmpada. Todos os reguladores IKRO são reforçados. Pode acontecer de a lâmpada

Leia mais

Máquina de Indução - Lista Comentada

Máquina de Indução - Lista Comentada Máquina de Indução - Lista Comentada 1) Os motores trifásicos a indução, geralmente, operam em rotações próximas do sincronismo, ou seja, com baixos valores de escorregamento. Considere o caso de alimentação

Leia mais